Ciência é uma Religião - Apostilas - Teologia, Notas de estudo de Religioso. Centro Universitário do Vale do Rio Taquari (UNIVATES)

Religioso

Descrição: Apostilas de Teologia sobre o estudo da Ciência como uma Religião.
Showing pages  1  -  2  de  5
A Ciência é uma Religião?
Ateus.net » Artigos/ensaios » Ceticismo Autor: Richard Dawkins
Tradução: Eliana Curado
Fonte: Filosofia e Educação
Original: Positive Atheism
O Humanista do Ano de 1996 fez esta pergunta em palestra proferida ao receber prêmio da Associação
Humanista Americana.
Está na moda ter uma raiva apocalíptica da ameaça que representa à humanidade o vírus da
AIDS, o mal da “vaca louca” e muitos outros, mas penso que devemos nos preocupar com a , um dos
grandes males do mundo, comparável ao vírus da varíola, mas mais difícil de ser erradicado.
A fé, sendo uma crença não baseada em provas, é o vício principal de qualquer religião. Quem, ao
olhar a Irlanda do Norte ou o Oriente Médio, pode dizer enfaticamente que o vírus cerebral da fé não seja
extremamente perigoso? Uma das estórias contadas aos jovens muçulmanos que são homens-bomba
suicidas é que o martírio é a maneira mais rápida de se chegar ao paraíso – e não apenas ao paraíso, mas
a um lugar especial, onde serão recompensados com o prêmio de 72 noivas virgens. Ocorre-me que
nossa melhor esperança pode estar associada a uma espécie de “controle de armas espirituais”: enviar
teólogos especialmente treinados para diminuir progressivamente esse número de virgens.
Levando-se em conta o perigo representado pela fé, e considerando as realizações da razão e da
observação na atividade chamada ciência, é irônico que, em minhas palestras públicas, sempre haja
alguém que diga: “É evidente que sua ciência é apenas uma
religião como a nossa. No fundo, a ciência
não passa de fé”.
Bem, ciência não é religião e não toca a fé porque, apesar de ter muitas das virtudes da religião,
não possui nenhum de seus vícios. A ciência se baseia em evidências verificáveis. A fé religiosa não
somente falha em provas, mas também apregoa com orgulho e alegria sua independência de provas. Que
outra razão os cristãos teriam para fazer essa crítica raivosa à dúvida de Tomé? Os outros apóstolos são
exemplos de virtude para nós porque a fé lhes era suficiente. O cético Tomé, por outro lado, exigia a
evidência. Talvez ele devesse ser considerado o santo patrono dos cientistas.
Uma razão pela qual eu sou confrontado com a idéia de que a ciência é no fundo uma religião é
porque eu acredito de fato na evolução, e acredito com uma convicção apaixonada. Para alguns, isto pode
parecer superficialmente com a fé, mas a evidência que me faz acreditar na evolução não somente é
poderosamente forte, como também encontra-se à disposição de qualquer um que queira se debruçar
sobre o tema para estudá-lo. Qualquer pessoa pode estudar as mesmas provas que eu e,
presumivelmente, chegar à mesma conclusão. Mas, se você tem uma crença que se baseia somente na
fé, eu não posso examinar suas razões. Você pode se esconder atrás de seu muro particular de fé, onde
não posso alcançá-lo.
É
claro que, na prática, os cientistas individuais às vezes recaem no vício da fé, e uns poucos
talvez acreditem de modo tão simplório em sua teoria favorita que ocasionalmente cheguem a falsificar
uma prova. Todavia, o fato de que isto às vezes aconteça não altera o princípio de que o fazem com
vergonha, e não com orgulho. O método da ciência é tão bem arquitetado que geralmente traz à tona
mais cedo ou mais tarde qualquer tentativa de falsificação da evidência.
A ciência é na verdade uma das disciplinas mais morais e honestas que existem, porque entraria
em colapso inteiramente se não fosse por uma escrupulosa aderência à honestidade na apresentação da
evidência. Como James Randi apontou, esta é a razão porque os cientistas são tão freqüentemente
enganados por paranormais cheios de truques e porque o papel de desmascarar é melhor representado
pelos prestidigitadores profissionais. Os cientistas simplesmente não antecipam a desonestidade
deliberada. Há outras profissões (não é preciso mencionar os advogados especificamente) em que a
falsificação das provas, ou pelo menos a sua adulteração, é precisamente o que as pessoas são pagas
para fazer e que os torna melhores na profissão.
A ciência está livre do principal vício da religião, que é a fé. Mas, como assinalei, ela possui
algumas das virtudes da Religião. A Religião pode desejar conferir a seus seguidores diversos benefícios,
entre eles a explicação, a consolação e o encantamento. A ciência pode oferecer o mesmo.
Os seres humanos têm um grande apetite por explicações. Esta pode ser uma das principais
razões porque a religião se difundiu tão universalmente, uma vez que pretende dar explicações. Nós
somos dotados de uma consciência individual em um universo misterioso e desejamos entendê-lo. A
maior parte dos religiosos oferece uma cosmologia, uma biologia, uma teoria da vida e uma teoria das
origens, além de significados para a existência. Assim fazendo, eles demonstram que a religião é, em
certo sentido, ciência; mas não passa de má ciência.
O argumento não considera que religião e ciência
operam em dimensões separadas e dizem respeito a tipos de perguntas bastante distintos.
Historicamente, as Religiões sempre tentaram responder a perguntas que pertencem propriamente à
ciência, mas não deveriam ter permissão para se retirarem do terreno em que elas tradicionalmente têm
tentado brigar. Elas oferecem tanto uma cosmologia quanto uma biologia; todavia, ambas são falsas.
O consolo é mais difícil para a ciência oferecer. Diferentemente da religião, a ciência não pode
oferecer ao carente um encontro memorável com seus amados numa vida futura. Aqueles que foram
maltratados nesta vida não podem, de um ponto de vista científico, antecipar uma doce vingança para
seus atormentadores em uma vida após a morte. Poder-se-ia argumentar que, se a idéia de uma vida
posterior é uma ilusão (como acredito que seja), a consolação que oferece é vazia. Mas não é
necessariamente assim; uma falsa crença pode ser tão reconfortante quanto uma verdadeira, desde que o
crente jamais descubra sua falsidade. Mas se o consolo for tão barato assim, a ciência é capaz de
oferecer, em contrapartida, outros paliativos baratos, tais como analgésicos, cujo conforto pode ou não
ser ilusório, mas que funciona bem.
O encantamento, todavia, é o terreno em que a ciência realmente sente-se à vontade. Todos os
grandes religiosos abrigam o temor, a empolgação diante da maravilha e beleza da criação.
É
exatamente
esta sensação de estremecimento, de temor reverente – de quase adoração -, este sentimento de
admiração arrebatadora, o que a ciência moderna pode oferecer. E isto vai muito além dos sonhos mais
selvagens dos santos e místicos. O fato de que o sobrenatural não tenha lugar em nossas explicações, em
nossa compreensão do universo e da vida, não diminui o temor. Na verdade, acontece o contrário. O
mero vislumbre através de um microscópio do cérebro de uma formiga, ou através de um telescópio, de
uma galáxia remota de um bilhão de mundos, é o suficiente para substituir os salmos de louvor tolos
e
paroquiais.
Agora, quando me dizem que a ciência ou alguma parte específica dela, como a teoria da
evolução, é apenas uma religião como qualquer outra, eu geralmente nego isto com indignação. Mas
começo a me perguntar se talvez esta não seja uma tática errada. Talvez a tática certa seja aceitar o
desafio com gratidão e exigir que as aulas de ciência tenham a mesma duração que as aulas de educação
religiosa. Quanto mais eu penso nisso, mais eu percebo que deveríamos investir seriamente nesta idéia.
Quero, então, falar um pouco sobre a educação religiosa e o lugar que a ciência poderia ocupar nela.
Eu lamento profundamente o modo como as crianças são educadas. Não estou familiarizado
inteiramente com o modo como as coisas acontecem nos Estados Unidos, assim o que digo pode ter mais
relevância no Reino Unido, onde há instrução religiosa para todas as crianças como imposição do Estado e
obrigação legal. Isto é inconstitucional nos Estados Unidos, mas presumo que as crianças recebam de
The preview of this document ends here! Please or to read the full document or to download it.
Informação do Documento
Uploaded by: PorDoSol
Visitas: 1731
Downloads : 0
Universidade: Centro Universitário do Vale do Rio Taquari (UNIVATES)
Subject: Religioso
Upload date: 11/04/2013
Embed this document:
Docsity is not optimized for the browser you're using. In order to have a better experience we suggest you to use Internet Explorer 9+, Chrome, Firefox or Safari! Download Google Chrome