Auditoria em Enfermagem - Apostilas - Medicina, Notas de estudo de Medicina. Centro Universitário do Pará (CESUPA)
Neymar
Neymar28 de Fevereiro de 2013

Auditoria em Enfermagem - Apostilas - Medicina, Notas de estudo de Medicina. Centro Universitário do Pará (CESUPA)

PDF (329.4 KB)
11 páginas
663Número de visitas
Descrição
Apostilas sobre a auditoria em enfermagem, origem da auditoria, finalidades, tipos, classificação, recursos humanos, funções da comissão, limitações.
20pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 11
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo

AUDITORIA EM ENFERMAGEM

Auditoria é a avaliação sistemática e formal de uma atividade, por alguém não envolvido diretamente na sua

execução, para determinar se essa atividade está sendo levada a efeito de acordo com seus objetivos (Kurcgant

1991).

A auditoria tem sua origem na área contábil, cujos fatos e seus registros datam do ano 2600 A.C.porém é a partir do século XII D.C. que esta técnica passa a receber o nome de auditoria, constatando-se na Inglaterra o seu maior desenvolvimento. Com a Revolução Industrial no século XVII, a prática da auditoria recebe novas diretrizes, na busca de se atenderem às necessidades das grandes empresas (Sá, 1969).

Na área da saúde, a auditoria aparece pela primeira vez no trabalho realizado pelo médico George Gray Ward,

nos Estados Unidos, em 1918, nesse trabalho, era feita a verificação da qualidade da assistência prestada ao

paciente através dos registros em seu prontuário.

Auditoria em enfermagem é a avaliação sistemática da qualidade da assistência de enfermagem, verificada

através das anotações de enfermagem no prontuário do paciente e das próprias condições deste.

Um dos primeiros trabalhos de auditoria em enfermagem data de 1955 e foi desenvolvido no Hospital Progess ,

nos Estados Unidos.

No Brasil a auditoria vem tomando impulso nos últimos cinqüenta anos, necessitando ainda de arranjos que

melhor adaptem o processo à nossa realidade.

FINALIDADES DA AUDITORIA

docsity.com

1-Identificar as áreas (unidades) deficientes do serviço de enfermagem, auxiliando, por exemplo, para que as

decisões quanto ao remanejamento e aumento de pessoal sejam tomadas com base em dados concretos.

2-Identificar áreas de deficiência em relação à assistência de enfermagem prestada, percebendo-se, por exemplo,

defasagem no atendimento da área psico-espiritual;

3-Fornecer dados para melhora dos programas de enfermagem;

4-Fornecer dados para melhoria da qualidade do cuidado de enfermagem;

5-Obter dados para programação de reciclagem e atualização do pessoal de enfermagem;

TIPOS DE AUDITORIA

Auditoria Retrospectiva

É a auditoria feita após a alta do paciente, em que se utiliza o prontuário para avaliação, portanto, os dados

obtidos não reverterão em benefícios deste paciente diretamente, mas sim para a assistência de maneira global.

Também tem a desvantagem de não permitir saber se o que foi feito e não foi feito.

Fatores que podem ser verificados nos prontuários:

• Condição do paciente no ato de internação;

• Método de admissão do paciente;

• Atendimento das prescrições médicas;

docsity.com

• Sistema de elaboração de plano de serviço para cada funcionário dos diversos plantões;

• Relatório de enfermagem: completo, incompleto e quais as suas causas;

• Chamada do médico de plantão, verificando os porquês;

• Sinais vitais checados de acordo com o diagnóstico e necessidade do paciente;

• Anotações quanto a pequenas alterações do paciente, sistema de observação (freqüente ou contínua), reação

pós anestésica e pós-operatória;

• Descrição da ferida operatória, anotação no ato da alta e acompanhamento.

Auditoria Operacional ou Concorrente

É a auditoria feita enquanto o paciente está hospitalizado ou em atendimento ambulatorial e pode ser realizada

das seguintes maneiras:

*Exame do paciente e confronto das necessidades levantadas com a prescrição de enfermagem ou avaliação dos

cuidados in loco(acompanhar o funcionário e confrontar com os parâmetros estabelecidos);

*Entrevista com o próprio funcionário logo após a prestação do cuidado, levando-o à reflexão e servindo como

material de auditoria;

*Avaliação feita pelo paciente e sua família, verificando a percepção destes quanto à assistência prestada, nesse

caso, é importante que sejam selecionados familiares que tenham realmente acompanhado o paciente;

*.Pesquisa junto à equipe médica, verificando o cumprimento da prescrição e interferências das condutas de

docsity.com

enfermagem na terapêutica médica (trabalho mais difícil e muito mais criterioso em vista das questões

éticas envolvidas).

CLASSIFICAÇÃO DA AUDITORIA

1-Quanto à forma de intervenção:

.Auditoria interna: é realizada por elementos da própria instituição.

Vantagens: maior profundidade no trabalho, tanto pelo conhecimento da estrutura administrativa como das

inovações e expectativas dos serviços, como também a sua vinculação permite sugerir soluções apropriadas;

Desvantagens: a dependência administrativa limitando a amplitude das conclusões e das recomendações finais

do trabalho. Pode haver envolvimento afetivo do auditor com os elementos realizadores do trabalho, invalidan-

do-o.

Auditoria externa: é realizada por elemento não pertencente à instituição, contratado especificamente para a

auditoria.

Vantagens: gozar de independência administrativa e afetiva:

Desvantagens: o auditor não vivenciar a realidade da instituição, podendo realizar um trabalho superficial que

apresente sugestões pouco adequadas à solução dos problemas existentes.

2-Quanto ao tempo:

.Auditoria contínua: avalia em períodos determinados, sendo que a revisão seguinte sempre se inicia a partir

da última.

docsity.com

.Auditoria periódica: examina também em tempos estabelecidos, porém não se prende a continuidade.

3-Quanto à natureza:

.Auditoria normal: se realiza em períodos determinados com os objetivos regulares de comprovação.

.Auditoria específica: atende a uma necessidade do momento.

4-Quanto ao limite:

.Auditoria total: abrange todos os setores da instituição.

.Auditoria parcial: é limitada a alguns serviços.

RECURSOS HUMANOS

Características dos membros:

.Ter noção básica de auditoria;

.Conhecer a instituição;

.Interesse e compromisso pelo assunto e pelo desenvolvimento do trabalho;

.Envolvimento com o cuidado do paciente;

.Capacidade de trabalhar em grupo.

FUNÇÕES DA COMISSÃO:

.Elaboração de normas e objetivos;

.Elaboração e revisão do instrumento de auditoria;

.Aplicação do instrumento;

.Tabulação e análise dos dados;

.Elaboração do relatório.

docsity.com

RECURSOS MATERIAIS:

Local no hospital destinado ao grupo de auditores. Possuir arquivos, mesas, cadeiras, formulários, micro

computador com programas específicos para facilitar o trabalho estatístico e elaboração de relatórios

LIMITAÇÕES:

.A auditoria não tem finalidade punitiva, ela verifica o cuidado, detecta erros e os analisa quanto à natureza e

significado. Fornece possíveis indicadores de padrões ou tendências, assim como subsídios para a modificação

de procedimentos e técnicas que são responsabilidades administrativas;

.A auditoria não tem como objetivo primordial a melhoria dos registros de enfermagem, mas sim a melhoria

da assistência ao paciente, embora a partir dos resultados possam ser sugeridas ações no sentido de melhorar

os registros ;

.A auditoria não tem por finalidade avaliar o desempenho de um indivíduo ou de um grupo. Na enfermagem,

por exemplo, a avaliação do desempenho é um processo frequentemente adotado para avaliação do desempenho

individual dos elementos que compõem a equipe de enfermagem.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

KURCGANT P et al. Administração em enfermagem. São Paulo:EPU,1991.237p.

docsity.com

Sá A L. De Curso de auditoria.4.ed.,São Paulo:Atlas,1969.v.1.

RESOLUÇÃO-COFEN 266/2001

Dispõe sobre as atividades do Enfermeiro Auditor, capituladas em 09(nove) partes.

I-E da competência privativa do Enfermeiro Auditor no Exercício de suas atividades: Organizar, dirigir,

planejar, coordenar e avaliar, prestar consultoria, auditoria e emissão de parecer sobre os serviços de

Auditoria de Enfermagem.

II-Quanto a integridade da equipe de Auditoria em Saúde:

a) Atuar no planejamento execução e avaliação da programação de saúde;

b) Atuar na elaboração, execução e avaliação dos planos assistenciais de saúde;

c) Atuar na elaboração de medidas de prevenção e controle sistemático de danos que possam ser causados

aos pacientes durante a assistência de enfermagem;

d) Atuar na construção de programas e atividades que visem assistência integral à saúde individual e de

grupos específicos, particularmente daqueles prioritários e de alto-risco;

e) Atuar na elaboração de programas e atividades de educação sanitária, visando à melhoria da saúde do

indivíduo, da família e da população em geral;

f) Atuar na elaboração de Contratos e Adendos que dizem respeito à assistência de Enfermagem e de

competência do mesmo;

g) Atuar em bancas examinadoras, em matérias específicas da enfermagem, nos concursos para provimentos

docsity.com

de cargo ou contratação de Enfermeiro ou pessoal Técnico de Enfermagem, em especial Enfermeiro Auditor,

bem como de provas de títulos de especialização em Auditoria de Enfermagem;

h) Atuar em todas as atividades de competência do Enfermeiro e Enfermeiro Auditor, de conformidade com

o previsto nas Leis do Exercício da Enfermagem e Legislação pertinente;

i) O Enfermeiro Auditor deverá estar regularmente inscrito no COREN da jurisdição onde presta serviço, bem

como ter seu título registrado, conforme dispõe a Resolução COFEN 261/2001;

j) O Enfermeiro Auditor, quando da constituição de Empresa Prestadora de Serviço de Auditoria e afins,

deverá registra-la no COREN da jurisdição onde se estabelece se identificar no COREN da jurisdição fora

do seu Foro de origem, quando na prestação de serviço;

k) O Enfermeiro Auditor, em sua função deverá identificar-se fazendo constar o número de registro do

COREN sem, contudo, interferir nos registro do prontuário do paciente;

l) O Enfermeiro Auditor, segundo a autonomia legal conferida pela Lei e Decretos que tratam do Exercício

Profissional de Enfermagem,para exercer sua função não depende da presença de outro profissional;

m) O Enfermeiro Auditor tem autonomia em exercer suas atividades sem depender de prévia autorização por

parte de outro membro auditor, Enfermeiro ou multiprofissional;

n) O Enfermeiro Auditor par a desempenhar corretamente seu papel, tem o direito de acessar os contratos e

adendos pertinentes à Instituição a ser auditada;

o) O Enfermeiro Auditor, para executar suas funções de Auditoria, tem o direito de acesso ao prontuário do

paciente e toda documentação que se fizer necessário;

docsity.com

p) O Enfermeiro Auditor, no cumprimento de sua função, tem o direito de visitar/entrevistar o paciente com o

objetivo de constatar a satisfação do mesmo com o serviço de Enfermagem prestado, bem como a qualidade.

Se necessário acompanhar os procedimentos prestados no sentido de dirimir quaisquer dúvidas que possam

interferir no seu relatório

III-Considerando a interface do serviço de Enfermagem com os diversos serviços, fica livre a conferência da

qualidade dos mesmos no sentido de coibir o prejuízo relativo à assistência de Enfermagem, devendo o

Enfermeiro Auditor registrar em relatório tal fato e sinalizar aos seus pares auditores, pertinentes à área

específica, descaracterizando sua omissão.

IV-O Enfermeiro Auditor, no exercício de sua função, tem o direito de solicitar esclarecimento sobre fato que

interfira na clareza e objetividade dos registros, com fim de se coibir interpretação equivocada que possa gerar glosas/desconformidades infundadas.

V-O Enfermeiro, na função de auditor, tem o direito de acessar, in loco toda a documentação necessária, sendo-

lhe vedada a retirada dos prontuários ou cópias da instituição, podendo, se necessário examinar o paciente, desde

que devidamente autorizado pelo mesmo, quando possível, ou por seu representante legal.

Havendo identificação de indícios de irregularidades no atendimento ao cliente, cuja comprovação necessite de

análise do prontuário do paciente, é permitida a retirada de copias exclusivamente para fins de instrução de

auditoria.

VI-O Enfermeiro Auditor, quando do exercício de suas funções, deve ter visão holística, como qualidade de

docsity.com

gestão, qualidade de assistência e quântico-econômico-financeiro, tendo sempre em vista o bem estar do ser

humano enquanto paciente/cliente.

VII-Sob o Prisma Ético.

a) O Enfermeiro Auditor, no exercício de sua função, deve fazê-lo com clareza, lisura, sempre fundamentado

em princípios Constitucional, Legal,Técnico e Ético;

b) O Enfermeiro Auditor, como educador, deverá participar da interação interdisciplinar e multiprofissional,

contribuindo para o bom entendimento e desenvolvimento da Auditora de Enfermagem, e Auditoria em Geral,

contudo, sem delegar ou repassar o que é privativo do Enfermeiro Auditor;

c) O Enfermeiro Auditor,quando integrante da equipe multiprofissional, deve preservar sua autonomia, liberdade

de trabalho, o sigilo profissional, bem como respeitar autonomia, liberdade de trabalho dos membros da equipe,

respeitando a privacidade, o sigilo profissional, salvo os casos previstos em lei, que objetive a garantia do bem

estar do ser humano e a preservação da vida;

d) O Enfermeiro Auditor,quando em sua função, deve sempre respeitar os princípios Profissionais, Legais e

Éticos no cumprimento com o seu dever;

e) A Competência do Enfermeiro Auditor abrange todos os níveis onde há a presença da atuação de Profissio-

nais de Enfermagem;

VIII - Havendo registro no Conselho Federal de Enfermagem de Sociedade de Auditoria em Enfermagem de

caráter Nacional, as demais Organizações Regionais deverão seguir o princípio Estatutário e Regimental da

Sociedade Nacional.

docsity.com

IX-Os casos omissos serão resolvidos pelo Conselho Federal de Enfermagem.

docsity.com

comentários (0)
Até o momento nenhum comentário
Seja o primeiro a comentar!
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Docsity is not optimized for the browser you're using. In order to have a better experience we suggest you to use Internet Explorer 9+, Chrome, Firefox or Safari! Download Google Chrome