Câncer do Colo do Útero - Apostilas - Ginecologia _Parte2, Notas de estudo de . Faculdade Medicina Estadual (ISEP)
Pipoqueiro
Pipoqueiro11 de Março de 2013

Câncer do Colo do Útero - Apostilas - Ginecologia _Parte2, Notas de estudo de . Faculdade Medicina Estadual (ISEP)

PDF (487.9 KB)
12 páginas
682Número de visitas
Descrição
Apostilas de Ginecologia sobre o estudo do Câncer do Colo do Útero, vias de disseminação, procedimentos de estadiamento.
20pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 12
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo
Slide 1

NIC I NIC II NIC III Invasor

Quadro Clínico

 Assintomático nas suas etapas iniciais pré-invasivas;

 Os primeiros sintomas específicos da doença aparecem somente quando o tumor invade o estroma cervical;

 Sangramentos;  Dor às relações sexuais;  Corrimento aquoso e de odor

fétido;  Dor pélvica;  Perda urinária e fecal pela vagina;  Anemia;

Diagnóstico

 Citologia cervicovaginal (Papanicolau);

 Colposcopia;  Biópsia orientada;  Curetagem Endocervical (CEC);  Teste DNA – HPV;  Microcolpohisteroscopia;  Conização;

Diagnóstico Citologia Cervicovaginal

 É o teste mais amplamente utilizado e difundido no diagnóstico das lesões precoces do colo do útero e vagina;

 É um método de rastreamento, identifica a alteração, porém não diz onde ela está;

 Pode detectar lesões precursoras do câncer cervical (NIC) muito antes delas se tornarem tumores invasivos;

Espátula de Ayre

Escova de Cameco

Espéculo de Collins

Clássico OMS NIC Bethesda

I Normal Normal Dentro dos limites normais

II Inflamação Inflamação Alterações celulares benignas

III Displasia leve Displasia moderada Displasia severa

NIC I NIC II NIC III

SIL baixo grau SIL alto grau SIL alto grau

IV Carcinoma in situ NIC III SIL alto grau

V Carcinoma invasor Carcinoma invasor

Carcinoma invasor

NIC: neoplasia intraepitelial celular SIL: lesões escamosas intraepiteliais

Diagnóstico Colposcopia

 O método mais adequado para localizar e realizar biópsias dirigidas de lesões no colo do útero e na vagina, detectadas pela citologia;

 As infecções pelo HPV são melhor detectadas pela colposcopia;

 Não deve ser usada como único método;

Diagnóstico Biópsia Orientada e CEC

 São métodos realizados durante o procedimento de colposcopia;

 Na CEC (curetagem endocervical) é feita uma raspagem da endocérvice;

 Após a realização de CEC, a biópsia é realizada. O número de biópsias pode variar com o tamanho da lesão;

. Cirurgia de Alta Freqüência(CAF): É um procedimento cirúrgico onde a área “doente” do colo uterino, pode ser retirada com mínimo dano ao órgão. Procedimento de baixo custo, possibilidade de realização à nível de consultório/ambulatório, sem nenhuma repercussão sobre gestações futuras e com grandes proporção de sucesso.

. Conização:

Consiste na retirada de um tronco de cone do colo uterino.

 

Conduta:

 Se o exame acusou:

• Negativo para câncer: se esse for o primeiro resultado negativo, é necessário fazer novo exame preventivo daqui a um ano. Se já houver um resultado negativo no ano anterior, o exame preventivo deverá ser feito daqui a 3 anos

• NIC I: repetir o exame daqui a 6 meses

• NIC II e NIC III: colposcopia ( biopsia )

• infecção pelo HPV: o exame deverá ser repetido daqui a 6 meses;

No INCA, as condutas são as seguintes:

Vias de disseminação: -Extensão direta: -continuidade (vagina, corpo)

-contigüidade (paramétrios, bexiga)

-Linfática *: mais importante e precoce

-Sangüínea : tardia ( pulmão, fígado)

* Cadeias linfáticas mais acometidas : ilíaca externa, ilíaca interna , fossa obturadora.

* O comprometimento linfonodal não interfere no estadiamento do câncer. É importante para o tratamento (planejamento da irradiação).

* Metástase para-aórtica é sinônimo de disseminação sistêmica.

Procedimentos de estadiamento:

1. Exame físico – exame ginecológico - toque retal;

2. Exames laboratoriais – provas funcionais hepáticas,

testes de função renal;

3. Exames radiológicos – urografia excretora, enema

baritado, Rx tórax, Rx esqueleto;

4. Procedimentos – biópsia, conização, cistoscopia ,

proctoscopia, etc.

comentários (0)
Até o momento nenhum comentário
Seja o primeiro a comentar!
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Docsity is not optimized for the browser you're using. In order to have a better experience we suggest you to use Internet Explorer 9+, Chrome, Firefox or Safari! Download Google Chrome