Doença Inflamatória - Apostilas -  Ginecologia, Notas de estudo de . Faculdade Medicina Estadual (ISEP)
Pipoqueiro
Pipoqueiro11 de Março de 2013

Doença Inflamatória - Apostilas - Ginecologia, Notas de estudo de . Faculdade Medicina Estadual (ISEP)

PDF (274.7 KB)
5 páginas
694Número de visitas
Descrição
Apostilas de Ginecologia sobre o estudo da Doença Inflamatória, conceito, fatores de risco, classificação, quadro clínico, patogênese, evolução.
20pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 5
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo
Slide 1

ssf

DIP Conceito: Processo inflamatório causado por microrganismos que ascendem do trato genital inferior, transmitidos principalmente por relação sexual.

Outros: Gardnerella Vaginalis, Haemophilus Infuenza, Estreptococos grupo A, Pneumococo. Principais Ag. Etiol.: Chlamydia Trachomatis, Neisseria Gonorrhoeae.

Fatores de risco: Mulheres jovens, solteiras, múltiplos parceiros e usuárias de D.I.U.

ssf

Quadro Clínico:

• É muito variável, podendo ser assintomática (pela Chlamydia) ou extremamente grave (septicemia) • Em geral apresenta-se com dor pélvica, mobilização uterina dolorosa, massa anexial, febre, ...

Classificação:

Estágio I (leve): Salpingite aguda sem irritação peritoneal. • Estágio II (Moderada sem abcesso): Salpingite com irritação peritoneal • Estágio III (Moderada com abcesso): Salpingite com oclusão tubária ou abcesso tubo-ovariano • Estágio IV (Grave): Abcesso tubo-ovariano roto ou sinais de choque séptico

ssf

Patogênese: Ocorre por ascenção dos germes da vagina e/ou endocérvice, por vetores ( SPTZ, Tricomonas ), por sucção fisiológica ou deslocamento dos microrganismos pela superfíciedo epitélio.

Evolução: segue normalmente a seqüencia evolutiva com endometrite, salpingite, ooforite, abscesso de fundo de saco, abscesso de ligamento largo, abscesso tubo-ovariano, pelvi-peritonite, peri-hepatite e peritonite.

SalpingitePeri-hepatite Fitz-Hugh-Curtis

ssf

Defesa Natural: • Flora vaginal de Lactobacilos • Ph vaginal • Muco cervical • Menstruação • Peritônio pélvico • Contração tubária

Diagnóstico: • Anamnese minuciosa • Cultura de secreção da endocérvice •Ultra-sonografia transvaginal •Video-Histeroscopia •Video-Laparoscopia

ssf

Tratamento: • Ceftriaxone 250 mg I.M. + Doxaciclina 200 mg V.O. dia, 14 dias. • Tianfenicol 2,5 gr, dose única. • Cefoxitina 2 g IM., dose única + Probenicide 1g, V.O. dose única + Doxiciclina 200mg V.O. dia , 14 dias. • Azitromicina 1gr V.O. dose única.

Ambulatorial

CIRÚRGICO: • Laparoscopia• Laparotomia

Sequelas principais: • Infertilidade • Dor pélvica crônica • Dispareunia • Prenhez ectópica

Aderências

Hospitalar

• Penicilina G cristalina 5 milhões UI, IV, 4/4h + Cloranfenicol 500 mg, IV, 6/6h. • Gentamicina 60-80 mg, IV, 8/8h + Clindamicina 600 – 900 mg IV, 8/8h. • Gentamicina 60-80 mg, IV, 8/8h + Metronidazol 500 mg, IV, 8/8h.

comentários (0)
Até o momento nenhum comentário
Seja o primeiro a comentar!
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Docsity is not optimized for the browser you're using. In order to have a better experience we suggest you to use Internet Explorer 9+, Chrome, Firefox or Safari! Download Google Chrome