DST - Apostilas - Ginecologia_Parte1, Notas de estudo de . Faculdade Medicina Estadual (ISEP)
Pipoqueiro
Pipoqueiro11 de Março de 2013

DST - Apostilas - Ginecologia_Parte1, Notas de estudo de . Faculdade Medicina Estadual (ISEP)

PDF (2.6 MB)
20 páginas
1000+Número de visitas
Descrição
Apostilas de Ginicologia sobre o estudo das DST, Sífilis, Cancro Mole ou Cangróide, Linfogranuloma venéreo, Donovanose ou Granuloma Ingnal, Gonorrrea, Clamídia, Tricomoníase, Candidíase.
20pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 20
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo
Apresentação do PowerPoint

 1. 1. Sífilis 2. 2. Cancro Mole ou Cangróide 3. 3. Linfogranuloma venéreo 4. 4. Donovanose ou Granuloma Ingnal 5. 5. Gonorréia 6. 6. Clamídia 7. 7. Tricomoníase 8. 8. Candidíase

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

DST

1. SÍFILIS

Ag. Etiológico:Treponema Pallidum.

Período de incubação: 10 a 90 dias (média de 21 dias).

Classificação:

Sífilis adquirida: -Primária

- Secundária

- Latente (precoce e tardia)

- Terciária

Sífilis congênita

TREPONEMA PALLIDUN

DST

SÍFILIS PRIMÁRIA

Quadro clínico: (2 a 3 sem após contaminação)

• Cancro duro: lesão ulcerada indolor com bordas salientes e endurecidas, base avermelhada e limpa (protossifiloma). Involui espontaneamente em 30 a 45 dias.

• Adenopatia indolor.

DST SÍFILIS PRIMÁRIA

Cancro duro

DST

SÍFILIS SECUNDÁRIA

• Erupção maculopapular nas palmas das mãos e solas dos pés.

• Pápulas úmidas na pele e nas membranas mucosas.

• Condiloma lata: lesões úmidas nos órgãos genitais.

DST

DST

Sífilis Recente (fase final do secundarismo) Alopécia sifilítica:

alopécia em clareira que desaparece após o

tratamento da Sífilis. Notar também rarefação

do terço distal de sobrancelha (sinal de

Fournier)

DST

SÍFILIS LATENTE – “ silêncio clínico”

Ausência de sinais e sintomas com sorologia positiva.

Tem início quando desaparecem as lesões cutâneas da sífilis secundária até as manifestações da terciária.

Pode ser: - precoce < 1 ano

- tardia > 1 ano

DST

SÍFILIS

TERCIÁRIA 1/3 das pacientes não tratadas

Lesões gomosas – pele, osso, fígado. Nódulo que amolece e ulcera podendo drenar material necrótico.

• Lesões cardiovasculares – aneurisma, insuficiência aórtica.

• SNC ( neurossífilis) – tabes dorsalis, mielite transversa, demência.

DST

SÍFILIS TERCIÁRIA

Goma sifilítica: lesões nodulares que sofrem

processo de degeneração.

Atravessam cinco fases: infiltração, amolecimento,

supuração, ulceração e cicatrização.

DST SÍFILIS CONGÊNITA Recém-nascido com sífilis: recém-nascido com

hepatoesplenomegalia, lesões cutâneo-mucosas, coriza serosangüinolenta, icterícia.

DST

SÍFILIS

Diagnóstico:

• Microscopia em campo escuro – presença do treponema no material coletado.

• Sorologia:

- Testes não treponêmicos: VDRL.,RPR

- Testes treponêmicos: FTA-abs.

DST

SÍFILIS - Tratamento:

Penicilina benzatina - 2.400.000 UI IM- dose única(sífilis recente).

- 2.400.000 UI IM/ semana/3sem (sífilis tardia).

Penicilina procaina -2.400.000UI IM/dia/14dias (neurossífilis)

Penicilina cristalina –2.400.000UI IV 4/4h/ 10 a 14 dias(neurossífilis)

Alérgicos: Eritromicina.

*Reação Jarisch-Herxheimer. Clinicamente consiste na exacerbação das lesões, sintomatologia sistêmica (febre, calafrios, cefaléia, mialgias, artralgias) e alterações laboratoriais (leucocitose com linfopenia). Inicia-se entre quatro e 12 horas após o tratamento.

Controle:

Repetir VDRL- 1,3,6,12 meses após tratamento.

DST

2. CANCRO MOLE ou CANCRÓIDE

Ag. Etiológico: Haemophilus ducreyi (coco-bacilo gram negativo)

Período de incubação: 3 a 5 dias.

Quadro clínico:

• Lesões dolorosas, de bordas irregulares com contornos elevados, exsudato purulento,necrótico e de odor fétido. Geralmente múltiplas.

• Adenopatia inguinal dolorosa- bubão cancróide.

DST CANCRO MOLE ou CANCRÓIDE

Úlcera em vulva: admite-se que ocorra um caso de Cancro Mole em mulher para vinte casos em homens.

DST CANCRO MOLE ou CANCRÓIDE

Úlcera em prepúcio e úlcera em face interna de coxa: observar que as lesões do Cancro Mole, também conhecido como cavalo, são auto-inoculantes. O pênis, encostado na coxa inoculou a doença

nessa região.

DST

CANCRO MOLE ou CANCRÓIDE

Diagnóstico:

• Clínico

• Gram – bacilos gram negativos dispostos “em paliçadas”

• Cultura

• PCR

Tratamento:

• Azitromicina - 1g VO dose única

•Ceftriaxone 250mg IM, dose única

•Eritromicina 500mg VO 6/6h 7 dias

• Doxiciclina, Tianfenicol, etc

DST

3. LINFOGRANULOMA VENÉREO

- Linfogranuloma inguinal, Doença de Nicolas-Favre-Durand.

Ag. Etiológico:Chlamydia Trachomatis (sorotipos L1,L2,L3).

Período de incubação: 7 a 21 dias.

Quadro clínico: 3 fases evolutivas

• Pequena úlcera ou pápula indolor, precoce e fugaz.

•Adenopatia ínguino-crural unilateral, inflamatória, composta de fusão de vários linfonodos que supuram, abscedam e podem fistulizar.

• Áreas de fibrose com focos de abscesso e fístulas, levando a elefantíase e estenose retal.

comentários (0)
Até o momento nenhum comentário
Seja o primeiro a comentar!
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Docsity is not optimized for the browser you're using. In order to have a better experience we suggest you to use Internet Explorer 9+, Chrome, Firefox or Safari! Download Google Chrome