Emissões otoacústicas - Apostilas - Biologia, Notas de estudo de Biologia. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS)
Paulo89
Paulo891 de Março de 2013

Emissões otoacústicas - Apostilas - Biologia, Notas de estudo de Biologia. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS)

PDF (111.9 KB)
3 páginas
538Número de visitas
Descrição
Apostilas sobreo estudo das emissões otoacústicas, definição, produtos de distorção, aplicações clínicas.
20pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento

Emissões otoacústicas 1978- David kemp

É o som do movimento de contração das células ciliadas externas

1- Espontâneas

São sinais de banda estreita, de nível sonoro baixo, medidos na ausência de estimulação acústica deliberada. Elas ocorrem em 50% das orelhas normais. Tem pouca utilidade clínica, mas podem ter muitas implicações em pesquisas.

2- Evocadas

Que ocorrem em 100% das orelhas normais e são subdivididas em 3 tipos, de acordo com a natureza do estímulo utilizado

- Transiente: em resposta a sinais acústicos de curta duração ("clicks", "tone burst"). Tem sido sugerido que elas podem ser particularmente úteis na detecção de desordens cocleares, na clínica. (TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL) 300 hz a 5000 hz respostas: presentes ou ausentes

- Estímulo-frequência: são produzidas por tons puros contínuos e mostram características semelhantes àquelas das emissões transientes. Contudo, em decorrência de seu registro oferecer muitas dificuldades técnicas e o tempo de exame ser maior, elas não têm sido incorporadas aos testes de uso clínico.

- Produto de Distorção: são evocadas por dois tons puros de diferentes frequências, apresentados simultaneamente. Eles representam a resposta não linear da orelha interna aos estímulos tonais e consistem de novas frequências diferentes daquelas inicialmente apresentadas. São importantes, uma vez que analisam as frequências sonoras em faixa que vai de 500 Hz a 8000 Hz. (Resultado: em bandas de frequências ex: de 500 a 1000 presentes de 1000 a 2000 ausentes)

EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS TRANSIENTES

O método para o registro das EOAs é extremamente rápido, com duração média de 75 segundos para cada ouvido, e consiste no posicionamento de uma sonda (contendo gerador de estímulos

docsity.com

sonoros e um microfone) na entrada do conduto auditivo externo. O estímulo sonoro, com amplo espectro de freqüência ("click"), percorre a orelha média e a cóclea, e estando esta com suas funções preservadas, emitirá "eco" em sentido retrógrado, o qual será captado pelo microfone no conduto auditivo externo. A condição ideal de testagem requer correto e satisfatório posicionamento da sonda no conduto, e que tanto o ambiente quanto o paciente estejam em silêncio. Este método não quantifica a deficiência auditiva, porém detecta sua presença (Kemp, 1986).

EMISSÕES OTOACÚSTICAS ‘PRODUTO DE DISTORÇÃO’

Para a captação dos produtos de distorção, são utilizados tons puros de freqüências diferentes, na relação F2/F1 = 1,22, para a região de 500 Hz a 8000 Hz. Nesta relação, F1 representa o estímulo primário de menor freqüência e F2 o estímulo primário de maior freqüência e o produto de distorção obtido vai ocorrer em faixa de freqüência diferente, apresentando suas maiores amplitudes de freqüências: 2 F1 - F2 e 2 F2 - F1.

ACHADOS EM INDIVÍDUOS NORMAIS

As EOAs podem ser registradas, na grande maioria dos indivíduos que apresentam audição normal, independente da idade e sexo. Probst (1990) refere incidência das EOAs em 98% das orelhas de indivíduos adultos com audição normal.

Kemp et al. (1991), Johnsen et al., (1988) e Bonfils et al., (1988) sustentam que as EOAs são detectadas em recém-nascidos nesta mesma proporção.

A ausência ocasional das EOAs em orelhas normais pode ocorrer em situações clínicas especiais, devido a alterações anatômicas do conduto auditivo externo ou da orelha média, ou a problemas relacionados ao equipamento, ou ao excesso de ruído ambiental.

APLICAÇÕES CLÍNICAS

docsity.com

As EOAs são registradas em todos os indivíduos cujos limiares auditivos sejam melhores que 20- 30 dB. Sua presença pode confirmar a integridade do mecanismo coclear, podendo estabelecer se a atividade otoacústica de determinada orelha está dentro dos limites da normalidade. Por sua rapidez, por seu caracter não invasivo e por sua fidedignidade, torna-se teste com o perfil ideal para programas de triagem.

docsity.com

comentários (0)
Até o momento nenhum comentário
Seja o primeiro a comentar!
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Docsity is not optimized for the browser you're using. In order to have a better experience we suggest you to use Internet Explorer 9+, Chrome, Firefox or Safari! Download Google Chrome