Hemoparasitoses em cães  - Apostilas - Medicina Veterinária, Notas de estudo de . Centro Universitário de Caratinga (UNEC)
Roxana_Br
Roxana_Br27 de Fevereiro de 2013

Hemoparasitoses em cães - Apostilas - Medicina Veterinária, Notas de estudo de . Centro Universitário de Caratinga (UNEC)

PDF (218.6 KB)
7 páginas
2Números de download
1000+Número de visitas
Descrição
Apostilas sobre os estudos da Hemoparasitoses em cães. Definição de Hemoparasitoses, resultados e discussão.
20pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 7
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo

INFECÇÃO POR HEMATOZOÁRIOS EM CÃES

RESUMO: As hemoparasitoses em cães são enfermidades infecciosas de distribuição cosmopolita que acometem um grande contingente de animais, não sendo observado predileção por sexo, idade e raça. Os principais hemoparasitos observados no Brasil são Babesia canis, Ehrlichia canis e Hepatozoon canis. O objetivo do trabalho foi descrever a ocorrência infecção por hemoparasitos em pacientes da espécie canina, atendidos no Hospital Veterinário do Departamento de Medicina Veterinária da UFRPE. Durante o período entre janeiro do ano de 2006 a maio de 2007 foram analisados 665 esfregaços sangüíneos corados pelo método de coloração rápida Panótico e examinados em microscópio óptico com objetiva de 40 e 100x. Foram observadas 252 (37,9%) amostras positivas, 413 (62,1%) amostras. Anaplasma platys apresentou maior importância na etiologia da infecção por hematozoários com (197 / 29,62%) das amostras analisadas.

Palavras chaves: Anaplasma platys, hemoparasitos, cães

ABSTRACT: The hemoparasitoses in dogs are cosmopolitan distribution of infectious diseases that affect a large contingent of animals, not being observed predilection for sex, age and race. The main hemoparasitos observed in Brazil are Babesia canis, Ehrlichia canis and Hepatozoon canis. The goal of the study was to describe the occurrence hemoparasitos infection in patients of the canine species, served in the Veterinary Hospital of the Department of Veterinary Medicine of UFRPE. During the period between January of the year of 2006 to May of 2007 were analyzed 665 blood smears stained by the method of staining and rapid Panótico examined in optical microscope with objective of 40 and 100x. Observations 252 (37.9%) positive samples, 413 (62,1%) samples. Anaplasma platys presented greater importance in the etiology of infection with hematozoários (197 / 29.62%) of the samples analyzed.

Keyworks: Anaplasma platys, hemoparasites, dogs

docsity.com

INTRODUÇÃO

As hemoparasitoses em caninos são enfermidades infecciosas de distribuição cosmopolita que acometem um grande contingente de animais, não sendo observado predileção por sexo, idade e raça (HENRIQUES et al., 2006). Estas enfermidades são descritas freqüentemente na rotina médico-veterinária (ALMOSNY, 1998), podendo gerar alterações clínicas diversas e até mesmo óbito do paciente infectado (O’DWYER, 2000).

Os principais hemoparasitos de caninos observados no Brasil são Babesia canis (Piana e Galli- Valério, 1895), Ehrlichia canis (Donatien e Lestoquard, 1935) e Hepatozoon canis (James, 1905) (ALMOSNY e MASSARD, 2002; SALGADO, 2006). Burr (1982) também cita que os Os principais hemoparasitos de caninos observados nos cães são Babesia canis, Ehrlichia canis e Hepatozoon canis.

Estes hemoparasitos são transmitidos pelo “carrapato vermelho do cão”, o Rhipicephalus sanguineus (Latreille, 1806), vetor pertencente à família Ixodidae (HOSKINS, 1991; RIKIHISA et al., 1992; HARRUS et al., 1998; O’DWYER, 2000; NELSON e COUTO, 2001; BICHARD e SHERDING, 2003; COHN, 2003; ETTINGER e FELDMAN, 2004; MORAIS et al., 2004). Os carrapatos que exercem parasitismo nos animais domésticos têm grande importância na Medicina Veterinária e na Saúde Pública por transmitirem hemoparasitoses com potencial zoonótico, cujas cadeias epidemiológicas ainda são pouco conhecidas (RIBEIRO et al., 1997).

Para o diagnóstico destas hemoparasitoses além de testes sorológicos para a pesquisa de anticorpos contra tais microorganismos e testes moleculares é freqüentemente utilizado o exame parasitológico direto, realizado em esfregaços sangüíneos de sangue circulante e periférico, para visibilizar os hemoparasitos (HARRUS et al, 1998; NELSON e COUTO, 2001; BICHARD e SHERDING, 2003; ETTINGER e FELDMAN, 2004).

É freqüente na clínica médica de caninos, pacientes apresentando quadros infecciosos graves produzidos pelas diversas espécies de hemoparasitos, de maneira isolada ou concomitantemente, podendo levar tais pacientes a óbito (LABARTHE el al, 2003). Por tanto o objetivo deste estudo foi identificar as espécies de hemoparasitos presentes no quadro de hemoparasitose nos cães atendidos no Hospital Veterinário do Departamento de Medicina Veterinária da Universidade Federal Rural de Pernambuco, durante o período de janeiro de 2006 a maio de 2007.

MATERIAL E MÉTODOS

Obtenção das amostras

Durante o período de janeiro de 2006 a maio de 2007 foram analisadas 665 amostras sanguíneas de cães de ambos os sexos, raças e idades variadas. As amostras foram obtidas nos

docsity.com

ambulatórios do Hospital Veterinário do Departamento de Medicina Veterinária da UFRPE. O sangue foi coletado por meio de venocentese da veia cefálica após devida anti-sepsia com álcool iodado, utilizando-se agulhas hipodérmicas descartáveis acopladas a seringas descartáveis e envasado em frascos plásticos com capacidade para 5ml com anticoagulante (EDTA 10%).

Exame Parasitológico

A análise das amostras foi realizada no Laboratório de Doenças Parasitárias do Departamento de Medicina Veterinária da UFRPE, onde foram confeccionados esfregaços sangüíneos em lâminas de vidro para microscopia, os quais após secagem, foram corados pelo método de coloração rápida Panótico e examinados em microscópio óptico com objetiva de 40 e 100x para a pesquisa de hemoparasitos.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Das 665 amostras analisadas, 413 (62,11%) foram negativas. O percentual total de amostras positivas para hemoparasitos no presente trabalho foi de 37,89% (252). Salgado et al. (2006) observou 62,28% de amostras positivas para hemoparasitos em amostras sangüíneas procedentes de cães do Centro de Controle de Zoonoses de Campo grande, Estado de Mato Grosso do Sul. Enquanto O’Dwyer, (2000) obteve valores entre 45,2% a 71,8% de cães infectados em sete municípios do Estado do Rio de janeiro, compreendidos em três mesorregiões distintas, com característica de área rural. Tal variação no número de pacientes positivos deve-se ao fato da infecção sofrer influência de fatores intrínsecos ao paciente infectado (status imunológico, grau de debilidade orgânica, estado nutricional, infecções concomitantes) e aos hemoparasitos envolvidos (patogenicidade da cepa, resistência microbiana).

Neste estudo o hemoparasito mais observado isoladamente nos animais infectados foi o Anaplasma platys 169 (25,41%) amostras.

42 (6,31%) amostras foram positivas isoladamente para E. canis, diferindo dos valores encontrados por O’Dwyer (2000) que observou 4,8% de positividade em cães procedentes de áreas rurais do Rio de Janeiro, bem como Moreira et al. (2003) avaliando cães de áreas rurais de Belo Horizonte e Salgado et al. (2006) que respectivamente observaram 16% e 60,48% de cães positivos.

A co-infecção entre A. platys e E. canis foi observada em 24 (3,61%) amostras, valor superior ao descrito por D’Alencar et al. (2003) que relatou a infecção por A. platys e E. canis em uma (0,20%) amostra, também analisando amostras de cães atendidos no Hospital Veterinário do Departamento de Medicina Veterinária da UFRPE.

docsity.com

No estudo realizado por D’Alencar et al. (2003) foram ainda observadas 321 (40,17%) amostras negativas e 16 (2%) amostras positivas apenas para B. canis, percentual que se assemelha ao descrito neste estudo, 10 (1,5%) amostras, porém difere do valor encontrado por Salgado et al. (2006), os quais observaram positividade mais alta (18 amostras / 10,78%).

D’Alencar et al. (2003) observaram duas (0,25%) amostras concomitantemente positivas para E. canis e B. canis, valor aproximado ao constatado no presente estudo. Entretanto tal associação foi descrita em valores superiores por Salgado et al. (2006), 13 (7,78%) amostras, bem como por Price et al. (1987) que descreveram 20,1% em 373 amostras avaliadas no Kenya e Sales et al. (2005) que observaram 11 (61,1%) amostras no estudo retrospectivo de 18 casos de Babesiose canina em Cuiabá no Mato Grosso.

Em três (0,45%) amostras foi observada a infecção concomitante por A. platys e B. canis, como também por E. canis e B. canis. Em uma (0,15%) amostra foi observada presença de A. platys e E. canis e B. canis.

CONCLUSÃO

Embora de etiologia multiespecífica a infecção por hemoparasitos nas amostras estudadas ocorre frequentemente por uma única espécie. Neste estudo o Anaplasma platys apresentou maior importância na etiologia da infecção por hemoparasitas nos cães atendidos no Hospital Veterinário do Departamento de Medicina Veterinária da UFRPE, sendo o hemoparasito mais visibilizado (197 / 29,62%) nas amostras analisadas.

REFERÊNCIAIS

ALMOSNY N.R.P. Ehrlichia canis (Donatien & Lestoquard, 1935): Avaliação Parasitológica, Hematologia e Bioquímica sérica da fase aguda de cães e gatos experimentalmente infectados. Tese (Doutorado em Parasitologia Veterinária), Curso de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, RJ. 224p, 1998.

ALMOSNY, N.R.P. et al. Hemoparasitoses em pequenos animais domésticos e como zoonoses. 1.ed. Rio de Janeiro: L.F. Livros de Veterinária Ltda, 2002.

docsity.com

BICHARD, S. J. SHERDING, R. G. Manual Saunders: Clínica de Pequenos Animais. 2.ed. São Paulo: Roca, 2003.

BURR, E.W. Methods for diagnosis of Babesia canis, Ehrlichia canis and haemabartonela canis. Indian Veterinary Journal, v. 59, p. 984-987, 1982.

COHN, L.A. Ehrlichiosis and related infections. The Veterinary Clinics Small Animal Practice, v.33, p.863-884, 2003.

D’ALENCAR, A.S. et al. Freqüência de infecção por hemoparasitos em caninos atendidos no Hospital Veterinário da UFRPE no período de janeiro de 2002 a junho de 2003. In: Anais do V Congresso Pernambucano de Medicina Veterinária, VI Seminário Nordestino de Caprino- ovinocultura, Recife, p.359-360, 2003.

DONATIEN, A.; LESTOQUARD, F. Existence en Algérie d’une Rickettsia du chien. Bulletin de la Société de Pathologie Exotique et de ses filiales de l’Ouest- Africain et

de Madagascar, Siege de la société : Institut Pasteur, Paris, Masson & Cie., Éditeurs, Libraires de L’Académie de Medicine, 1935, p.418-419.

ETTINGER, S.J.; FELDMAN, E.C. Tratado de medicina interna veterinária. 5.ed. vol. 1, Manole: São Paulo, p.846-884, 2004.

HARRUS, S. et al. Therapeutic effect of doxycycline in experimental subclinical canine monocytic ehrlichiosis: evaluation of 6-week course. Journal of Clinical Microbiology. v.36, n.7, p.2140- 2142, 1998.

HENRIQUES, E.O. et al. Perda fetal em cadela com Erliquiose canina: relato de caso. A Hora Veterinária – Ano 26, n. 151, 2006.

HOSKINS, J.D. Ehrlichial diseares of dog: diagnosis and treatment. Canine Practice, v.16, n.3, p.13-21, 1991.

docsity.com

LABARTHE, et al. Serologic prevalence of Dirofilaria immitis, Ehrlichia canis, and Borrelia Burgdorferi infections in Brazil. Vet. Ther. V.4, n.1, p.67-75, 2003.

MOREIRA, S.M. et al., Retrospective study (1998-2001) on canine ehrlichiosis in Belo Horizonte, MG, Brazil. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v.55, n.2, p.141-147, 2003.

NELSON, R.W.; COUTO, C.G. Fundamentos de medicina interna de pequenos animais. Rio de janeiro: Guanabara Koogan, 2001.

O’DWYER, L.H.O. Diagnóstico de hemoparasitoses e carrapatos procedentes de áreas rurais de três mesorregiões do Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Tese (Doutorado em Parasitologia Veterinária), Curso de Pós-graduação em Ciências Veterinárias, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Seropédia, RJ, 114p. 2000.

PIANA, G.P.; GALLI-VALÉRIO, B. Su di um infeziones del cane com parassiti endoglobulare nel sangue. Mod. Zoiatro, v.6, p.163-169, 1895

PRICE, J.E. et al. Improved clinical approach to the diagnosis of canine ehrlichiosis. Tropical Animal Health and Production. v.19, n.1, p.1-8, 1987.

RIBEIRO, V.L.S et al. Espécies e prevalência das infestações por carrapatos em cães de rua da cidade de Porto Alegre, RS, Brasil. Ciência Rural. V.27, n.2, p.285-289, 1997.

RIKIHISA, Y. et al. Analyses of Ehrlichia canis and a canine Granulocitic Ehrlichia infection. Journal of Clinical Microbiology. v.30, n.1, p.143-148, 1992.

SALES, K.G. et al. Estudo retrospectivo de 18 casos de Babesiose canina no Hospital Veterinário da Universidade Federal do Mato Grosso. Anais do I Congresso de Medicina veterinária do Mato Grosso do Sul e II Congresso de Clínicos Veterinários de pequenos animais. CD-ROM. 2005.

docsity.com

SALGADO, F.P. et al. Hemoparasitos e carrapatos em cães procedentes de Centro de Controle de Zoonoses de Campo grande, Estado de Mato Grosso do Sul, Brasil. Dissertação (Mestrado em Ciência Veterinária), Curso de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias, Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Brasil. 55p. 1998.

docsity.com

comentários (0)
Até o momento nenhum comentário
Seja o primeiro a comentar!
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Docsity is not optimized for the browser you're using. In order to have a better experience we suggest you to use Internet Explorer 9+, Chrome, Firefox or Safari! Download Google Chrome