Imunobiológicos - Apostilas - Saúde Coletiva, Notas de estudo de . Faculdade Medicina Estadual (ISEP)
Tucupi
Tucupi11 de Março de 2013

Imunobiológicos - Apostilas - Saúde Coletiva, Notas de estudo de . Faculdade Medicina Estadual (ISEP)

PDF (152.6 KB)
2 páginas
650Número de visitas
Descrição
Apostilas de Saúde Coletiva sobre o estudo dos imunobiológicos, imunocompetentes elegíveis, pessoas que convivem com imunodeprimidos, profissionais de saúde.
20pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento

INDICAÇÕES DE IMUNOBIOLÓGICOS DOS CENTROS DE REFERÊNCIA PARA IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS (CRIE):

– imunocompetentes elegíveis para o uso de imunobiolgicos especiais nos CRIE: comunicantes susceptíveis de pacientes com doenças transmissíveis, já que o convívio com pacientes potencialmente infectantes representa risco para familiares e profissionais de saúde; – hepatite B:

– se convívio contínuo domiciliar: vacina contra hepatite B para pessoas suscetíveis (sorologia negativa) com convívio domiciliar com portadores do vírus da hepatite B;

– se contato eventual ou exposição eventual não-percutânea: – imunoglobulina humana contra a hepatite B e vacina contra hepatite B para pessoas

presumidamente susceptíveis (não-vacinadas) expostas a portadores conhecidos ou potenciais do vírus da hepatite B por agressão sexual, o mais precocemente possível, no máximo até duas semanas após a exposição;

– imunoglobulina humana contra a hepatite B e vacina contra hepatite B para pessoas susceptíveis com exposição sexual a pessoa com hepatite B aguda;

– varicela: – convívio hospitalar: vacina contra a varicela (VZ) para os imunocompetentes > de 1 ano,

presumidamente susceptíveis (sem história de varicela) que tenham apresentado contato hospitalar (face a face, de convívio no mesmo quarto ou no mesmo ambiente fechado por pelo menos uma hora) com caso infectante de varicela o mais precocemente possível, no máximo até 120 horas após a exposição;

– pessoas que convivem com imunodeprimidos: – vacina contra a gripe (INF), anualmente; – vacina contra a varicela (VZ), esquema básico conforme a idade, nos susceptíveis; – substituição da vacina oral contra a poliomielite (VOP) pela vacina inativada contra a poliomielite (VIP),

em crianças que estão iniciando ou completando seu esquema vacinal; – vacina tríplice viral (SCR), se não vacinados anteriormente;

– profissionais de saúde: – além das vacinas preconizadas para adultos, conforme o calendário básico de vacinação do Ministério da

Saúde/PNI, podem receber nos CRIE as vacinas contra influenza inativada, hepatite B e varicela; – a vacina contra hepatite B também esta disponível na rede pública de saúde, para esses profissionais; – profissionais em situação de risco para raiva devem fazer esquema preposição com vacina de cultivo

celular, já disponível nas unidades básicas de saúde; – hepatite B:

– a transmissão do VHB após exposição a sangue ou líquidos corporais em hospitais representa um risco importante para o profissional de saúde, variando de 6% a 30% na dependência da natureza dessas exposições;

– recomenda-se a sorologia de um a dois meses após a última dose do esquema vacinal, para verificar se houve resposta satisfatória a vacina (Anti-HBs > 10UI/mL) para todos esses profissionais;

Esquema vacinal pré-exposição para profissionais de saúde

Situação do profissional Esquema vacinal

Nunca vacinado, presumidamente susceptível 0, 1, 6 meses, em dose habitual

Anti-HBs negativo 1-2 meses após 3ª dose Repetir esquema acima

Anti-HBs negativo 1-2 meses após 3ª dose do segundo esquema

Não vacinar mais, considerar como possível não- respondedor

Anti-HBs negativo, muito tempo após 3ª dose do primeiro esquema

Aplicar uma dose e repetir sorologia 1 mês depois. Se positiva, está vacinado. Se negativa, completar esquema

– recomendações para profilaxia pós-exposição ocupacional a material contaminado:

docsity.com

– varicela: profissionais de saúde que trabalham na área assistencial, sem história de varicela ou com historia duvidosa, devem receber a vacina, principalmente aqueles em contato com pacientes imunodeprimidos e os da área de Pediatria;

influenza: todos os profissionais de saúde devem receber a vacina inativada contra influenza, principalmente os que estão em contato com idosos, imunodeprimidos ou pacientes com doenças cronicas de natureza cardiovascular ou pulmonar;

– pessoas que apresentam eventos pós-vacinais graves: – reações à vacina tetravalente ou tríplice bacteriana celular (DTP):

– convulsões nas 72h pós-vacinação – substituir por tríplice bacteriana acelular (DTPa) mais Hib; – síndrome hipotônico-hiporresponsiva nas 48h pós-vacinação – substituir por DTPa mais Hib; – encefalopatia nos primeiros 7 dias pós-vacinação – substituir por dupla bacteriana tipo infantil (DT)

mais Hib; – reações à vacina oral contra a poliomielite (VOP): paralisias flácidas – substituir por vacina inativada

contra a poliomielite (VIP); – pessoas alérgicas a soros heterólogos:

– pessoas que tenham apresentado manifestações urticariformes ou sistêmicas de tipo edema angioneurótico ou hipotensão após soro heterólogo deverão receber imunoglobulinas nos seguintes casos: – 1. necessidade de uso de soro antitetânico – substituir por imunoglobulina humana antitetânica; – 2. necessidade de uso de soro antirrábico – substituir por imunoglobulina humana antirrábica;

– gestantes: – susceptíveis expostas a varicela ou com contato físico com herpes-zoster deverão receber imunoglobulina

anti varicela-zoster, a qualquer tempo da gravidez; – susceptíveis expostas a hepatite B deverão ser tratadas com os esquemas habituais de expostos a hepatite

B, incluindo vacina e imunoglobulina, se necessário.

docsity.com

comentários (0)
Até o momento nenhum comentário
Seja o primeiro a comentar!
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Docsity is not optimized for the browser you're using. In order to have a better experience we suggest you to use Internet Explorer 9+, Chrome, Firefox or Safari! Download Google Chrome