Integração Sensorial - Apostilas - Fisioterapia, Notas de estudo de . Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
Gustavo_G
Gustavo_G27 de Fevereiro de 2013

Integração Sensorial - Apostilas - Fisioterapia, Notas de estudo de . Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

PDF (460.0 KB)
16 páginas
12Números de download
1000+Número de visitas
100%de 2 votosNúmero de votos
Descrição
Apostilas sobre a integração sensorial, definição, problemas, conceitos básicos, propriocepção, terapia, espaço terapêutico.
20pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 16
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo

1. Introdução

O mundo que nos cerca é repleto de informações que chegam até nós por meio de nossos sistemas sensoriais (auditivo, tátil, visual, de movimento, de posição do corpo). Estas informações, que chegam primeiro a nossas estruturas receptoras de sensação, são conduzidas ao sistema nervoso central para serem organizadas e para que possamos dar alguma resposta sobre a informação recebida. O processo de organização das informações recebidas do próprio corpo e do ambiente, para produzir uma resposta adequada a cada situação, é chamado de Integração Sensorial. A Integração Sensorial é importante para a aprendizagem e para a organização de nosso comportamento. O Modelo de Integração Sensorial é utilizado dentro da Terapia Ocupacional como uma base de teoria aplicada, onde seus pressupostos são bem definidos e indicados para uma boa avaliação e intervenção. Ela é o processo pela qual o cérebro organiza as informações, de modo a dar uma resposta adaptativa adequada, organizando assim, as sensações do próprio corpo e do ambiente de forma a ser possível o uso eficiente do mesmo no ambiente. Os sistemas ligados à Integração Sensorial são: vestíbulo proprioceptivo, somatossensorial e praxia, que estão interligados/inter-relacionados para promoção de um bom desempenho motor e emocional no meio ambiente. A abordagem do método visa à quantidade e qualidade de estímulos proporcionados ao sujeito, para que busque um equilíbrio modulado, dando assim, uma resposta que esteja de acordo com suas capacidades e com o meio, melhorando o desempenho de uma criança (por exemplo), em seu processo de aprendizagem. Ao longo deste trabalho discutiremos a relação entres os sistemas, as possíveis disfunções e a abordagem terapêutica.

2. O que é Integração Sensorial?

O cérebro recebe constantemente grandes quantidades de informação através dos sentidos. É através deles que a criança, conforme aprende a se mover, equilibrar-se e relacionar-se com os objetos e pessoas ao seu redor, aprende sobre o mundo em que vive. O cérebro organiza toda a informação recebida para possibilitar uma resposta. Essa organização que o cérebro dá à informação sensorial é chamada de integração sensorial. Ela permite que dirijamos nossa atenção para produzir comportamento útil e adaptativo e para que nos sintamos bem sobre nós mesmos. No início da vida o cérebro desenvolve a organização que será a estrutura para comportamento e aprendizagem posteriores. Nesses primeiros anos, os movimentos espontâneos, as brincadeiras que envolvem o corpo todo, são muito eficazes em desenvolver o sistema nervoso.

O cérebro humano frequentemente tem sido comparado a um computador. Ele depende da informação que recebe do ambiente através dos sistemas sensoriais. Depende de informação visual, auditiva, tátil, olfativa e gustativa. Além disso, precisa também de informação sobre gravidade e movimento. O cérebro reúne todas essas sensações e as organiza para um plano de ação.

docsity.com

O distúrbio na recepção e organização das informações sensoriais recebidas sobre o mundo vai afetar o desempenho nas demais áreas. Quando a criança não recebe informações sensoriais importantes de forma clara e concisa, pode não estar recebendo o “alimento” que o cérebro precisa para o processo de aprendizagem. Assim, vemos crianças muito inteligentes, que não produzem de acordo com o potencial intelectual que possuem. Podemos então suspeitar que exista uma dificuldade no processamento sensorial.

Alguns sinais de problemas na Integração Sensorial:

1. Falta de força e tônus muscular, o que pode resultar em má postura e fadiga;

2. Má consciência espacial e desenvolvimento pobre da percepção de posição, resultando em insegurança durante os movimentos;

3. Falta de coordenação entre os dois lados do corpo. A criança pode ficar desajeitada e confusa quando as duas mãos precisam trabalhar em conjunto, como para atividades de cortar ou escrever;

4. Falta de coordenação entre os olhos e o corpo, de modo que há uso ineficaz de informação visual para auxiliar no desempenho de ações;

5. Atenção de curta duração. A criança geralmente tem dificuldade em focaliza nas tarefas que precisa fazer;

6. Lentidão ao desempenhar ou aprender tarefas motoras novas, uma vez que precisa pensar sobre cada movimento que faz. Desajeitada, bate-se nas coisas ou cai muito parecendo não ver os obstáculos no caminho;

7. Comportamento hiperativo; a dificuldade em concentração faz com que perceba todas as coisas ao mesmo tempo e não consiga se concentrar em uma só;

8. Sentido tátil mal desenvolvido, fazendo com que não goste de ser tocada, tenha dificuldade em aprender sobre a forma e textura das coisas. Por outro lado, pode não perceber seu espaço pessoal e tocar demais as pessoas, chegar perto demais;

9. Criança extremamente difícil para se alimentar: só come comidas com um certo tipo de textura, ou na mesma temperatura;

10. Apresenta medo excessivo, isola-se;

11. Dificuldade em graduar a força que precisa para manipular objetos ou tocar as pessoas;

12. Problemas em usar e entender linvuagem, resultando em problemas na fala, leitura e escrita. Problemas na articulação da fala sem razão aparente.

docsity.com

Essas dificuldades tendem a aparecer tanto no lazer quanto no trabalho. Podem não se relacionar bem com os companheiros ou ter de fazer tanto esforço que não se divertem. Nem todos esses sinais precisam estar presentes e geralmente não estão presentes ao mesmo tempo. A intensidade com que aparecem e o número deles que a criança apresenta vão determinar o quanto interferem em sua habilidade de aprender.

3. Conceitos básicos de Integração Sensorial

Ayres enfatiza a importância dos sistemas tátil e vestibular-proprioceptivo como sistema de unificação, cuja operação eficiente promove o desenvolvimento geral de comportamentos. Duas desordens de modulação sensoriais comumente mencionadas, a insegurança gravitacional e a hipersensibilidade tátil, parecem ter consequências emocionais.

Segurança gravitacional é vital para a segurança emocional. A criança precisa desenvolver a "crença de que está firmemente conectada a terra e que ela terá sempre um lugar seguro para estar em pé" para que possa de certa forma, mover-se no mundo (Apud. Ayres, 1979, p.76). Para este fim, a criança é levada a uma "viagem interna" para explorar e dominar a gravidade e ela internaliza esta habilidade motora. Crianças que têm insegurança gravitacional, que é definida como uma intensa ansiedade e angústia em resposta a movimento ou à mudança de posição da cabeça experimentam uma sensação de ameaça quando são solicitadas a se mover. A criança prefere estar em contato físico com uma base segura a entrar em brincadeiras que envolvam movimento.

Outro exemplo de hipersensibilidade ao input sensorial que pode ter implicações sócio- emocionais é a "defesa tátil", que é definida como uma reação aversiva ao toque. Experiências sensoriomotoras naturais que ocorrem na vida de uma criança pequena tais como cócegas e batidas, podem assumir significados negativos ao invés dos significados afetivos positivos que seriam esperados.

Como os sistemas somatosensorial, vestibular-proprioceptivos e praxia trabalhando juntos e efetivamente, a criança aprende que é um indivíduo distinto e único, podendo começar a tomar o comando emocional de sua vida. A percepção das sensações do corpo permite à criança se mover livre e efetivamente, sem associações afetivas negativas durante sua interação com o mundo.

3.1. Propriocepção

A propriocepção é a capacidade de reconhecer à localização espacial do próprio corpo, sua posição, a força exercida pelos músculos, e a posição em relação às outras partes sem precisar

docsity.com

utilizar a visão. Essa percepção nos permite, por exemplo, desviar de um objeto mesmo sem saber a que distância precisa ele se encontra, ou mesmo tocar uma parte do corpo com os olhos fechados. Seus receptores encontram-se, em maioria, nas articulações. Graças à propriocepção podemos andar, segurar e manipular objetos e coordenar movimentos.

Uma boa organização de nossos sistemas sensoriais nos possibilita adquirir habilidades para concentrar, aprender os conteúdos acadêmicos, pensar de modo abstrato, além de contribuírem para nossa auto-estima, autoconfiança e autocontrole.

As funções da propriocepção:

• Fusos musculares, receptores dos tendões, contribuem mais para propriocepção consciente.

• Propriocepção é uma função das terminações aferentes dos músculos e tendões que sentem com quanta força os músculos estão tracionando e a rapidez com que o músculo esta sendo estirado - propriocepção responde mais à movimentação ativa.

• Esta informação é usada para regular atividade motora em andamento e guiar a execução de outras tarefas motoras no futuro - Modelos neuronais - memória motora - esquema corporal.

• Receptores são essenciais para a noção de posição dos membros, essencial no controle da movimentação fina.

• Propriocepção faz a conexão entre o impulso límbico e a execução motora.

3.2. Sistema vestibular

Este sistema fica localizado na parte mais interna de nosso ouvido, e é capaz de informar sobre as mudanças de posição da cabeça e do corpo. Esse sistema também é importante pelo nosso tônus muscular, pela coordenação dos dois lados do corpo e por mantermos a cabeça em posição ereta contra a gravidade. De modo automático, o sistema vestibular coordena os movimentos de nossos olhos, cabeça e corpo. É importante para nosso equilíbrio, pela coordenação olho-mão e pela coordenação bilateral (dos dois lados do corpo). Assim, podemos andar, nos manter sentados, jogar bola e até copiar no caderno um texto do quadro.

As funções do sistema vestibular:

docsity.com

• Dá consciência e apreciação da posição da cabeça no espaço guiando o inter- relacionamento com o mundo externo;

• Equilíbrio - o equilíbrio é uma função combinada dos sistemas visual, tátil, proprioceptivo e vestibular através dos tratos vestibuloespinhal e cerebelar;

• Direciona o olhar através de movimentos compensatórios dos olhos em resposta à movimentação da cabeça; preserva um plano constante de visão através do controle da posição dos olhos;

• Postura - existem muitas conexões entre os mecanismos vestibulares e os tratos eferentes para facilitação do tônus extensor;

• Contribui para a base neurológica do desenvolvimento da movimentação, orientação e controle e extremidade superior;

• Através de extensivas conexões com a formação reticular e sistema límbico, dá a base para o controle de alerta, atenção e regulação emocional;

• Base hipotética do desenvolvimento da coordenação motora bilateral e de funções relacionadas ao planejamento motor ou praxia;

• Juntamente com os receptores articulares e musculares, provê a base interna requerida para os mecanismos de "feedforward" do controle motor.

3.3. Sistema Somatossensorial

O sistema somatossensorial ou sensorial somático é a condição que permite ao ser vivo experimentar sensações nas partes distintas do corpo humano. Podem ser sensações de tato, temperatura, da posição das partes do corpo ou da dor.

Os receptores do sistema somatosensorial se encontram repartidos pelo corpo todo que servem para detectar os estímulos mecânicos, químicos e físicos. Este sistema é muito importante para a vida do ser humano pois ele o ajuda na percepção dos objetos que podemos tocar por exemplo se sentirmos com um toque o espinho nos saberemos que ele é pontudo e saberemos que não devemos tocá-lo para não se machucar.

A percepção somatosensorial envolve tanto exterocepção quanto a propriocepção. Exterocepção envolve sensação de tato, pressão, dor e temperatura através dos receptores da pele. Propriocepção - sensação de posição e movimento via receptores dos músculos, tendões e articulações.

docsity.com

Contribuição para o controle motor:

• Todas as ações motoras, tanto automáticas quanto voluntárias, dependem de processamento somatosensorial adequado;

• Tônus muscular adequado e coordenação motora dependem de estímulo proprioceptivo;

• Estímulo somatonsorial contribui para o desenvolvimento do esquema corporal;

• Processamento somatosensorial contribui para o desenvolvimento das praxias.

4. Indícios da disfunção e fatores que afetam a Integração Sensorial

Uma criança com transtornos de integração sensorial, em geral, apresenta mais de um dos seguintes sinais:

• Pouca ou muita sensibilidade ao toque, ao movimento, a estímulos visuais e auditivos;

• Medo excessivo de altura, de movimento e de brinquedos de parque;

• Criança excessivamente ativa ou muito lenta, que se cansa facilmente;

• Atraso na fala e linguagem;

• Pobre coordenação motora e equilíbrio;

• Problemas na escrita;

• Dificuldades em planejar movimentos e seqüenciar tarefas;

• Comportamento impulsivo ou disperso;

• Dificuldade para brincar e fazer amigos;

• Perde o controle emocional facilmente, chorando com freqüência;

• Criança desmotivada, com baixa-estima e que evita novas atividades e desafios.

O cérebro recebe a informação desses estímulos sensoriais captados pelos "7 sentidos" que são interpretados, processados e organizados por ele para a formação de uma estrutura de comportamento e aprendizagem. A essa organização realizada pelo cérebro dá-se o nome de integração sensorial. Qualquer alteração na hora de processar as informações causadas por diversos motivos, como uma lesão no sistema nervoso central, ou simplesmente uma imaturidade do mesmo, causa uma disfunção da integração sensorial. Esse distúrbio na recepção e organização das informações sensoriais recebidas afeta o desempenho nas demais áreas

docsity.com

podendo ocasionar atraso escolar, dificuldade na relação com o outro, dificuldade de atenção e concentração, auto-estima prejudicada, alteração no tônus muscular, dificuldade de equilíbrio e na coordenação motora ampla e fina. Alguns dos sintomas da disfunção da Integração Sensorial são interpretados e tratados erroneamente, e muitas vezes são confundidos com problemas emocionais.

Alguns comportamentos que podem indicar uma Disfunção da Integração Sensorial:

• Dificuldade em manter a atenção em sala de aula ou brincadeiras mais complexas;

• Comportamento hiperativo;

• Sentido tátil mal desenvolvido, aversão ao toque, não gosta de se sujar;

• Dificuldade em se alimentar, não aceita alimentos com texturas diferentes;

• Oscilação de humor de forma que chama a atenção;

• Dificuldade em graduar a força;

• Problemas de linguagem (fala, leitura e escrita);

• Evita ambiente com muitas pessoas e ambientes barulhentos;

• Problema na articulação da fala sem razão aparente;

• Esbarra constantemente nos objetos ao redor, derruba coisas sem querer.

Quando houver suspeita de uma disfunção da Integração Sensorial deve-se procurar um Terapeuta Ocupacional qualificado ou outro profissional da saúde que tenha especialização em Integração Sensorial que realizará uma avaliação para identificar o problema. O tratamento baseia-se no princípio de uma reorganização do modo de funcionamento dos sistemas sensoriais. Para isso são utilizadas atividades lúdicas, brincadeiras e jogos que trabalham os sistemas integrados. O tratamento modifica a dieta sensorial utilizando organizadores para regulação. Os organizadores podem ser desde o toque do terapeuta, a criação de ambiente favorável e até um material para desenvolver uma função específica. A criança reorganiza o seu modo de funcionamento para as funções cotidianas. Para isto é necessário que a família e a escola estejam integrados aos objetivos do tratamento.

docsity.com

A família também pode ajudar. Brincar é a melhor forma de desenvolver a integração sensorial.

• Jogos corporais, ir a parques com diferentes estímulos e desafios (trepa-trepa, balanço, gira-gira, ponte movediça), tendo o cuidado de respeitar o limite de cada criança;

• Evitar o excesso de limpeza, se possível deixar descalço, fornecer momentos de contato corporal de uma forma prazerosa, dar toques diferentes leves e profundos;

• Balançar no colo, na rede ou no cobertor;

• Dançar;

• Brincar de guerra de almofadas, de cabo de guerra, transportar objetos;

• Favorecer atividades de pintura, massa de modelar e argila;

• Construir histórias onde represente as ações de forma concreta (passar por túneis, escadas, cordas) e por meio de desenhos e pinturas.

Vale lembrar que essas brincadeiras só são válidas com o consentimento da criança, não devendo ser forçada à nada. Incentive as brincadeiras com a participação de outras crianças e entre na brincadeira também!

5. Terapia de Integração Sensorial

O brincar é a melhor forma de desenvolver a integração sensorial. Desde pequena a criança naturalmente procura as atividades que promovem uma boa integração da informação recebida através dos sentidos. Ao se movimentar, aprende sobre os limites do seu corpo dentro do espaço que a rodeia. Ao manipular objetos, aprende sobre seu peso, textura, força que precisa para segurá-los. Toda essa informação é recebida para o cérebro, organizada e armazenada, possibilitando que a criança aprenda cada vez mais sobre o mundo em que vive. O mundo moderno, a vida nas grandes cidades, eliminou uma grande parte do brincar que propicia esse aprendizado natural através das brincadeiras motoras e sensoriais. Cada vez mais a criança está confinada em um espaço, sem oportunidade para as explorações que seu cérebro precisa para se desenvolver. Defrontamo-nos então com uma criança que não sabe canalizar sua energia, organizar seu espaço e se torna mais ativa do que o desejável. Existe certa dificuldade em atingir o nível de alerta que o cérebro precisa para realmente se beneficiar do processo educativo. Pais

docsity.com

e professores podem dar oportunidades enriquecidas para que nossas crianças brinquem de forma a desenvolver melhor a integração sensorial e aprender melhor.

Nos casos em que a informação não é integrada da forma que deveria ser, dizemos que existe uma disfunção de integração sensorial (DIS). Podem então surgir problemas na aprendizagem, autoestima, relacionamento social ou hiperatividade. Quando há suspeita de que a criança apresenta disfunção de integração sensorial, é indicada uma avaliação por terapeuta ocupacional com especialização nessa área. Dependendo dos resultados da avaliação pode ser indicada uma terapia com uma abordagem de integração sensorial. O termo “disfunção de integração sensorial (DIS)” é um termo guarda-chuva. Sob ele se abrigam várias subáreas:

Distúrbios de modulação, que incluem:

• Defensividade tátil;

• Defensividade sensorial;

• Insegurança gravitacional;

• Intolerância a movimento;

Distúrbios de coordenação:

• Integração bilateral e sequenciamento;

• Dispraxias (ou dificuldade de planejamento motor)

Um aspecto importante da terapia de integração sensorial é que a motivação da criança e o brincar é que são as ferramentas usadas. Através de um ambiente sensorial enriquecido, recomendações de uma “dieta sensorial” para o lar e brincadeiras que levam a criança a perceber melhor o mundo ao seu redor, essa criança pode desenvolver melhor integração sensorial e vir a produzir de acordo com seu potencial intelectual.

5.1. Princípios da Terapia de Integração Sensorial

A maioria de nós inconscientemente aprende a combinar os nossos sentidos (visão, som, cheiro, toque, gosto, equilíbrio, e o corpo no espaço), a fim de dar sentido ao nosso meio. Crianças com autismo têm dificuldade em aprender a fazer isso. Terapia de integração sensorial é uma especialização da terapia ocupacional (TO) que coloca a criança em uma sala especificamente

docsity.com

destinada a estimular e desafiar todos os sentidos. Durante a sessão, o terapeuta trabalha em estreita colaboração com a criança para incentivar “movimento” dentro da sala.

A Terapia de integração sensorial é orientada por três princípios fundamentais:

1. A Integração Sensorial, segundo Long e Cintas (2001) baseia-se em três princípios básicos: os indivíduos são capazes de receber informações de seus corpos e do ambiente, processar e interpretar essas informações em seu sistema nervoso central e usá-las de forma funcional;

2. Os indivíduos com problemas de processamento sensorial terão dificuldades em planejar e realizar atos motores, dificultará o processo de aprendizagem, formação de conceitos

3. Se o indivíduo com disfunção do processamento sensitivo receber estimulação sensitiva em um contexto significativo, integrará as informações sensitivas e, desta forma, demonstrará habilidades motoras mais eficientes, bem como comportamentos adaptativos;

A Terapia de integração sensorial baseia-se no pressuposto de que a criança seja hiper estimulada ou hipo estimulada pela ambiente. Portanto, o objetivo de terapia de integração sensorial é melhorar a capacidade do cérebro para processar a informação sensorial de modo que a criança vai funcionar melhor nas suas atividades diárias.

Durante a terapia de integração sensorial, a criança interage (um a um) com o terapeuta ocupacional e executa uma atividade que combina entrada sensorial com movimento. Exemplos de tais atividades incluem:

• Balançando em uma rede (movimento através do espaço);

• Dançando uma música (som);

• Tocando em caixas cheias de feijão (toque);

• Rastejando túneis (toque e movimento através do espaço);

• Bater bolas balançando (coordenação olho-mão);

• Girando em uma cadeira (equilíbrio e visão);

• Equilibrando-se sobre uma viga (equilíbrio).

A criança é guiada através de todas estas atividades de uma forma que é estimulante e desafiador. O foco da terapia de integração sensorial é ajudar as crianças com autismo combinar os movimentos adequados a partir dos diferentes sentidos.

docsity.com

Qual é a teoria por trás disso?

Em nossa vida diária, as pessoas experimentam eventos que, simultaneamente, estimulam mais de um sentido. Usamos nossos sentidos múltiplos para tomar esta informação variada, e combiná-los para nos dar uma clara compreensão do mundo que nos rodeia. Nós aprendemos durante a infância como fazer isso. Assim, através das experiências da infância ganhamos a habilidade de usar todos os nossos sentidos juntos para planejar uma resposta a qualquer coisa que se nota no nosso ambiente. Crianças com autismo são menos capazes deste tipo de síntese e, portanto, podem ter dificuldade de responder adequadamente a diferentes estímulos. Elas também podem ter um tempo de escuta difícil quando eles estão preocupados com a procura de alguma coisa. Este é um exemplo das dificuldades em receber informações através de mais de um sentido simultaneamente. Médicos que tratam de crianças com autismo, acreditam que estas dificuldades são o resultado de diferenças entre os cérebros de crianças com autismo e outras crianças.

Os conceitos subjacentes da terapia de integração sensorial são baseados em pesquisas nas áreas de neurociência, psicologia, terapia ocupacional e educação. As pesquisas sugerem que as informações sensoriais recebida do ambiente são fundamentais; as interações entre a criança e o ambiente forma o cérebro, e influencia a aprendizagem. Além disso, as pesquisas sugerem que o cérebro pode mudar em resposta à entrada do ambiente, e as ricas experiências sensoriais podem estimular mudanças no cérebro.

5.2. Atuação da Terapia Ocupacional

Na intervenção com a integração sensorial as experiências tácteis são componentes essenciais, sendo a pressão profunda a primeira organização deste sistema. Materiais que promovem pressão profunda são, por exemplo, almofadas pesadas, travesseiros largos, sacos com areia com diferentes pesos e escovas. Deve também existir materiais que providenciem à criança o contacto com diferentes texturas e com materiais quentes e frios. Para tal materiais como, barris revestidos com diferentes tipos de carpetes, lençóis de flanela, cobertores, mantas, cremes, recipientes com areia, recipientes com arroz, recipientes com feijões, com água a diferentes temperaturas, amostras de roupas, objetos que proporcionem vibração, devem estar presentes.

No início do processo de intervenção os pais e/ou cuidadores devem fazer parte deste, auxiliando o terapeuta a perceber quais as rotinas e pontos fortes da criança, visto que esta intervenção é delineada tendo em conta os pontos fortes da criança como as suas dificuldades.

docsity.com

Quando os Terapeutas Ocupacionais (T.O) trabalham com crianças com Perturbação de Espectro Autista (P.E.A) utilizam a Integração Sensorial como forma de intervenção. A integração sensorial pode ser descrita como, a capacidade cerebral de organizar e interpretar estímulos externos como o movimento, o toque, o som, o cheiro, etc. Crianças com PEA tendem a apresentar problemas ao nível da Integração Sensorial não sendo capazes de, por exemplo, processar as informações trazidas pelos seus cinco sentidos. A teoria da integração sensorial foi desenvolvida pela T.O Ayres para crianças com disfunções sensório-integrativas e com o objetivo de promover o desenvolvimento da percepção e organização do comportamento. A autora afirma que, a capacidade do indivíduo participar nos seus diferentes contextos estará dependente das capacidades neurobiológicas de processar e integrar informação sensorial, ou seja, para originar novas formas de interação no ambiente a pessoa necessita de saber planejar (planejamento motor) e sequenciar as atividades para poder executar (Praxis). Crianças com PEA costumam apresentar déficit ao nível dos quatro componentes que se seguem:

Registro Sensorial: Crianças com autismo parecem apresentar déficits neste registro, levando a que, por exemplo, apenas prestem atenção a uma parte de informação visual e não prestar qualquer tipo de atenção a situações que normalmente despertam a atenção das outras pessoas.

Modulação Sensorial: As crianças com PEA podem apresentar reacções de Hipersensibilidade ou de Hipossensibilidade a determinados estímulos. Por exemplo, estas crianças apresentam habitualmente hiperssensibilidade a inputs (estímulos) tácteis e auditivos, podendo assim, evitar o toque (defesa táctil) e serem perturbadas por alguns sons. Por outro lado às crianças podem apresentar o oposto, serem hipossensíveis necessitando de procurar estímulos e por isso gostam de sentir os objetos, gostam de ficar em locais apertados, pequenos e quentes.

Práxis: Assim, tipicamente estas crianças são capazes de executar de forma calma e coordenada, atividades motoras que apresentam uma rotina, que são estereotipadas, ou seja, atividades onde a práxis não é necessária como, andar, correr, etc. Ayres enfatiza a importância de três sistemas:

Componentes das atividades terapêuticas e do sucesso

docsity.com

A criança precisa agir sobre o meio para produzir respostas adaptativas, desta forma, o terapeuta deve se colocar num papel de "brincalhão" e se envolver como um parceiro nas atividades do tratamento, encorajando uma série de atividades e explorações, raramente repetindo uma atividade.

Sequenciando as sessões de terapia

O terapeuta deve abordar as necessidades sensoriais baseando-se na pesquisa, avaliação e observação. Ele também deve preparar o sistema nervoso aumentando ou reduzindo o nível de alerta, assim como tônus muscular e consciência sensorial, utilizando atividades que envolvam estímulos sensoriais (táctil, vestibular, proprioceptivo).

Deve utilizar atividades que promovam respostas adaptativas ao nível do desafio "na medida certa". A criança deve ser ativa, ajudando a mover os equipamentos e iniciando a interação com os mesmos, ao passo que o terapeuta deve introduzir na atividade elementos que promovam respostas adaptativas. Esteja sempre atento para garantir o sucesso, mas não fique interrompendo a atividade com interações físicas ou verbais.

Graduando atividades

Modificar uma atividade geralmente é mais apropriado que trocar de atividade. A escolha e planejamento de atividades devem ser flexíveis e que permitam modificação/graduação. O nível do desafio deve ser balanceado de acordo com as habilidades da criança. Deve-se variar os requerimentos motores como, por exemplo, alternar entre contração e relaxamento de grupos musculares. Deve-se variar também a complexidade da tarefa.

Crianças com autismo apresentam dificuldades na integração da informação vestibular e proprioceptiva, apresentando desta forma, problemas em nível do equilíbrio, do controle postural, da coordenação dos movimentos do corpo e membros. Assim, o principal objetivo do T.O ao utilizar esta forma de intervenção é estabelecer ou restituir um estilo de vida saudável para a criança e para a sua família envolvendo a criança em ocupações significativas ao proporcionar o desenvolvimento de Respostas Adaptativas. Os comportamentos ou respostas adaptativas correspondem a ações apropriadas onde o indivíduo responde eficazmente às exigências do meio. Para muitas crianças com autismo a terapia deverá começar pelo simples encorajamento de respostas adaptativas visto que, estas crianças apresentam distúrbios no registro sensorial e na ideação, necessitando de ajuda para realizar respostas adaptativas como, sentarem-se num balance. Durante uma sessão de integração sensorial são utilizados diversos materiais com diferentes propósitos.

docsity.com

Como referido anteriormente, quando da aplicação da integração sensorial é dado ênfase aos sistemas proprioceptivos, vestibular e táctil. Atividades como, saltar, subir, pendurar-se, empurrar, etc. irão propiciar a estimulação do sistema proprioceptivo. Existem alguns materiais mais direcionados para a estimulação deste sistema, como, trampolins, pneus, trapézios, escadas.

Para a estimulação do sistema vestibular é necessário ser providenciada à criança equipamentos que lhe proporcionem movimentos rotatórios, lineares e orbitais e também a combinação dos mesmos. Para tal, são utilizados escorregas, barras suspensas, rede suspensa, cadeiras rolantes, plataformas suspensas, pranchas rolantes, etc.

5.3. Espaço Terapêutico

O espaço terapêutico é composto com equipamentos apropriados para a promoção dos estímulos vestibulares nos planos horizontais e rotacionais, somatossensorial (sensações de tato, temperatura, da posição das partes do corpo ou da dor), visual, planejamento motor, reações de endireitamento postural e equilíbrio, propriocepção, sincronia de movimento, além de diversificados tipos de brinquedos, encaixe, cores diversas, texturas variadas que estimulam os sistemas táteis, visuais, motores e auditivos e aparelhos suspensos.

O ambiente terapêutico inclui o espaço, as pessoas, os objetos e o componente emocional. O ambiente deve oferecer segurança emocional, pois a criança se apega à terapeuta porque se sente aceita e amada. Ele também deve ser positivo e recompensador, deve excluir a necessidade de punição, repressão e outras emoções negativas.

O ambiente deve oferecer segurança física para que a criança possa confiar que ela não vai se machucar nas atividades. O espaço deve ser apropriado e suficiente para proporcionar

docsity.com

movimentos amplos, corridas, atividades de pular, escalar, além de objetos e instrumentos de trabalho como bolas terapêuticas, colchonetes, bancos, sistemas de suspensão como balanço, redes, etc. O objetivo é desafiar todos os sentidos!

6. Referências Bibliográficas

http://www.toi.med.br/t2.htm

http://conheceroautismo.blogspot.com.br/2009/01/integrao-sensorial.html

docsity.com

http://floortimebrasil.blogspot.com.br/2010/06/terapia-de-integracao-sensorial-em.html

http://ogatoderodas.blogspot.com.br/2009/03/integracao-sensorial.html

http://camto.br.tripod.com/trabalhos/intsen.html

http://rafaelheroi.blogspot.com.br/2011/06/integracao-sensorial-terapia.html

http://johannaterapeutaocupacional.blogspot.com.br/2010/02/integracao-sensorial.html

http://www.marciaortiz.com.br/atividades?p=integracaosensorial

http://pt.wikipedia.org/wiki/Sistema_somatossensorial

docsity.com

comentários (0)
Até o momento nenhum comentário
Seja o primeiro a comentar!
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Docsity is not optimized for the browser you're using. In order to have a better experience we suggest you to use Internet Explorer 9+, Chrome, Firefox or Safari! Download Google Chrome