Leucograma - Apostilas - Medicina, Notas de estudo de Medicina. Centro Universitário do Pará (CESUPA)
Neymar
Neymar28 de Fevereiro de 2013

Leucograma - Apostilas - Medicina, Notas de estudo de Medicina. Centro Universitário do Pará (CESUPA)

PDF (206.7 KB)
6 páginas
3Números de download
1000+Número de visitas
Descrição
Apostilas sobre a introdução ao leucograma, tipos de leucócitos, materiais.
20pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 6
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo

LEUCOGRAMA

* Introdução

O leucograma é a parte do hemograma que avalia os leucócitos. Estes são também conhecidos como série branca ou glóbulos brancos. São as células de defesa responsáveis por combater agentes invasores.

Os leucócitos são, na verdade, um grupo de diferentes células, com diferentes funções no sistema imune. Alguns leucócitos atacam diretamente o invasor, outros produzem anticorpos, outros apenas fazem a identificação e assim por diante.

O valor normal dos leucócitos varia entre 4000 e 11000 células por ml.

Existem cinco tipos de leucócitos, cada um com suas particularidades:

1) Neutrófilos

O neutrófilo é o tipo de leucócito mais comum. Representam em média de 45% a 75% dos leucócitos circulantes. Os neutrófilos são especializados no combate a bactérias. Quando há uma infecção bacteriana, a medula óssea aumenta a sua produção, fazendo com que sua concentração sanguínea se eleve. Portanto, quando temos um aumento do número de leucócitos totais, causado basicamente pela elevação dos neutrófilos, estamos provavelmente diante de um quadro infeccioso bacteriano.

Os neutrófilos tem um tempo de vida de aproximadamente 24-48 horas. Por isso, assim que o processo infeccioso é controlado, a medula reduz a produção de novas células e seu níveis sanguíneos retornam rapidamente aos valores basais.

Neutrofilia = é o termo usado quando há um aumento do número de neutrófilos.

Neutropenia = é o termo usado quando há uma redução do número de neutrófilos.

2) Segmentados ou bastões

docsity.com

Os segmentados ou bastões são os neutrófilos jovens. Quando estamos infectados, a medula óssea aumenta rapidamente a produção de leucócitos e acaba por lançar na corrente sanguínea neutrófilos jovens recém-produzidos. A infecção deve ser controlada rapidamente, por isso, não há tempo para esperar que essas células fiquem maduras antes de lançá-las ao combate. Em uma guerra o exército não manda só os seus soldados mais experientes, ele manda aqueles que estão disponíveis.

Normalmente, apenas 4 a 5% dos neutrófilos circulantes são bastões. A presença de um percentual maior de células jovens é uma dica de que possa haver um processo infeccioso em curso.

No meio médico, quando o hemograma apresenta muitos bastões chamamos este achado de "desvio à esquerda". Esta denominação deriva do fato dos laboratórios fazerem a listagem dos diferentes tipos de leucócitos colocando seus valores um ao lado do outro. Como os bastões costumam estar à esquerda na lista, quando há um aumento do seu número diz-se que há um desvio para a esquerda no hemograma. Portanto, se você ouvir o termo desvio à esquerda, significa apenas que há um aumento da produção de neutrófilos jovens.

3) Linfócitos

Os linfócitos são o segundo tipo mais comum de glóbulos brancos. Representam de 15 a 45% dos leucócitos no sangue.

Os linfócitos são as principais linhas de defesa contra infecções por vírus e contra o surgimento de tumores. São eles também os responsáveis pela produção dos anticorpos.

Quando temos um processo viral em curso, é comum que o número de linfócitos aumente, às vezes, ultrapassando o número de neutrófilos e tornando-se o tipo de leucócito mais presente na circulação.

docsity.com

Os linfócitos são as células que fazem o reconhecimento de organismos estranhos, iniciando o processo de ativação do sistema imune. Os linfócitos são, por exemplo, as células que iniciam o processo de rejeição nos transplantes de órgãos.

Os linfócitos também são as células atacadas pelo vírus HIV. Este é um dos motivos da AIDS (SIDA) causar imunossupressão e levar a quadros de infecções oportunistas.

Linfocitose = é o termo usado quando há um aumento do número de linfócitos.

Linfopenia = é o termo usado quando há redução do número de linfócitos.

4) Monócitos

Os monócitos normalmente representam de 3 a 10% dos leucócitos circulantes. São ativados tanto em processos virais quanto bacterianos. Quando um tecido está sendo invadido por algum germe o sistema imune encaminha os monócitos para o local infectado. Este se ativa, transformando-se em macrófago, uma célula capaz de "comer" micro-organismos invasores.

Os monócitos tipicamente se elevam nos casos de infecções, principalmente naquelas mais crônicas como a tuberculose.

5) Eosinófilos

Os eosinófilos são os leucócitos responsáveis pelo combate de parasitas e pelo mecanismo da alergia. Apenas 1 a 5% dos leucócitos circulantes são eosinófilos.

O aumento de eosinófilos ocorre em pessoas alérgicas, asmáticas ou em casos de infecção intestinal por parasitas.

Eosinofilia = é o termo usado quando há aumento do número de eosinófilos

Eosinopenia = é o termo usado quando há redução do número de eosinófilos.

6) Basófilos

docsity.com

Os basófilos são o tipo menos comum de leucócitos no sangue. Representam de 0 a 2% dos glóbulos brancos. Sua elevação normalmente ocorre em processos alérgicos e estados de inflamação crônica.

* Materiais

* Lâminas;

* Gaze para limpeza/algodão;

* Sangue sem anticoagulante;

* Corantes para coloração rápida e diferencial dos leucócitos circulantes;

* Galeria pra lâminas;

* Prancha para secagem dos esfregaços;

* Microscópio comum.

* Confecção

1. Coleta do sangue

2. Manter a lâmina horizontalmente

3. Colocar pequena gota de sangue no lado direito da lâmina

4. Encostar obliquamente outra lâmina a 45º de modo que o ângulo entre as duas lâminas fique cheio de sangue.

5. Com um só movimento, rápido e firme, sem separar uma lâmina da outra e mantendo o mesmo ângulo, distender o sangue empurrando a lâmina da mão direita contra a lâmina horizontal.

6. Secar rapidamente ao ar, agitando a lâmina.

* Tipos de Corante

Os corantes de anilina usados nos esfregaços sanguineos pertecem a 2 classes gerais: como o azul de metileno e corantes ácidos, como a eosina. Os núcleos e certas estruturas no sanguem se

docsity.com

coram pelos corantes básicos e ,portanto, são chamados basófilas. Estruturas que se coram apenas pelos corantes ácidos são denominadas acidófilas, ou eosinofilas. Outras estruturas que se coram por uma conbinação das 2 classes e corantes, são chamadas neutrófilas.

Os corantes policromos contendo eosina e o azul de metileno é um desenvolvimento do método original de Romanowsky, que tomava muito tempo para sua aplicação. Eles coram diferencialmente a maioria das estruturas normais e anormais do sangue.

Os componentes básicos da tiazina consistem de azul de metileno (tetrametiltionina) e, em proporções variáveis, de seus análogos produzidos pela desmetilação oxidativa:

* Azure B (trimetiltionina)

* Azure A (dimetiltionina assimétrica) dimetiltionina simetrica

* Azure C (monometiltionina)

Quase todos os corantes de Romanowsky são dissolvidos em álcool metílico e combinam a coloração com a fixação. Entre os métodos mais conhecidos, estão as corações de Wright e Giemsa.

* Técnicas de coloração

* .1. Após a extensão sanguíneas estar devidamente seca, submergí –la no corante. Cronometrar o tempo de dez segundos. É fundamental que este tempo seja rigorosamente marcado e seguido a risca . Durante estes dez segundos não há necessidade de se executar qualquer movimento. Após o tempo de dez segundos retirar a lâmina do corante e deixar escorrer durante cinco segundos ( também devidamente cronometrado). O corante pode escorrer para dentro da própria cuba que contém o corante.

* 2. Após o escorrimento de cinco segundos, submergir a lâmina no 2º corante. .

* 3. Colocar a lâmina no 3º corante e deixar por 20 segundos (também devidamente cronometrado). Após o tempo de coloração, retirar a lâmina do corante e deixar escorrer durante cinco segundos. Este tempo também deve ser devidamente cronometrado. Após este tempo, lavar a lâmina em água corrente abundante.

* Alteração Leucocitaria

1. Chediak – Higashi

* Anomalia hereditária autossômica recessiva

* Caracteriza-se por despigmentação cutânea e dos pelos

* Presença de grânulos gigantes nos leucócitos

docsity.com

* Pode estar associado a neutropenia, anemia e trombopenia

2. NEUTROPENIA

• Menor produção

- Insuficiência proliferativa da medula óssea

• Hematopoese ineficiente

- Mielodisplasia, deficiências de vitamina B12 e folatos

• Diminuição da liberação da medula para o sangue

- Defeito de maturação ou deficiência de estímulo

• Consumo tissular exagerado

- Infecções graves

• Destruição intravascular

- Imunológicas

• Sequestração

- Hiperesplenismo

docsity.com

comentários (0)
Até o momento nenhum comentário
Seja o primeiro a comentar!
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Docsity is not optimized for the browser you're using. In order to have a better experience we suggest you to use Internet Explorer 9+, Chrome, Firefox or Safari! Download Google Chrome