Língua portuguesa, Notas de aula de língua português. Unidade de Ensino Superior Dom Bosco (UNDB)
Oseias.Silva
Oseias.Silva24 de Novembro de 2015

Língua portuguesa, Notas de aula de língua português. Unidade de Ensino Superior Dom Bosco (UNDB)

PDF (477.5 KB)
66 páginas
447Número de visitas
Descrição
Língua portuguesa
20pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 66
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo
RELAÇÕES PÚBLICAS (todos os cargos):

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

LÍNGUA PORTUGUESA:

1 Compreensão textual.

Interpretar exige raciocínio, discernimento e compreensão do mundo.

A interpretação de textos é de fundamental importância para o concurseiro. Você já se

perguntou por quê? Há alguns anos, as provas de Português, nos principais vestibulares do

país, traziam uma frase, e dela faziam-se as questões. Eram enunciados soltos, sem

conexão, tão ridículos que lembravam muito aquelas frases das antigas cartilhas: "Ivo viu a

uva". Os tempos são outros, e, dentro das modernas tendências do ensino de línguas, fica

cada vez mais claro que o objetivo de ensinar as regras da gramática normativa é

simplesmente o texto. Aprendem-se as regras do português culto, erudito, a fim de

melhorar a qualidade do texto, seja oral, seja escrito.

Nesse sentido, todas as questões são extraídas de textos, escolhidos criteriosamente pelas

bancas, em função da mensagem/conteúdo, em função da estrutura gramatical.

Dessa maneira, fica clara a importância do texto como objetivo último do aprendizado de

língua.

Quais são os textos escolhidos?

Textos retirados de revistas e de jornais de circulação nacional têm a preferência. Portanto,

o romance, a poesia e o conto são quase que exclusividade das provas de Literatura (que

também trabalham interpretação, por evidente). Assim, seria interessante observar as

características fundamentais desses produtos da imprensa.

Os Artigos

São os preferidos das bancas. Esses textos autorais trazem identificado o autor. Essas

opiniões são de expressa responsabilidade de quem as escreveu - chamado aqui de

articulista - e tratam de assunto da realidade objetiva, pautada pela imprensa.

Trata-se, em verdade, de texto argumentativo, no qual o autor/emissor terá como objetivo

convencer o leitor/receptor. Nessa medida, é idêntico à redação escolar, tendo a mesma

estrutura: introdução, desenvolvimento e conclusão.

Exemplo de Artigo

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

Os seres humanos que viraram lingüiça

Parece até uma conspiração para mostrar, numa dimensão inédita, os perigos da

delinqüência juvenil. Nem superamos ainda a comoção pelo assassinato do casal de

namorados, somos tomados de assalto por mais uma selvageria que envolve um adolescente

- dessas de filmes de terror inverossímeis. Na quinta-feira, Leonardo José Pereira morreu,

baleado pela polícia, por participar de um dos mais perversos seqüestros de que se tem

notícia ultimamente.

No prontuário de Leonardo na Febem, está o registro de posse ilegal de arma. Mas ele foi

solto e enquadrado na condição de "liberdade assistida": ficaria na rua, longe da prisão,

desde que se submetesse a programas oficiais para integrá-lo à sociedade.

Encontrou "assistência" não no poder público, mas numa quadrilha de seqüestradores que

manteve refém por 53 dias um homem de 81 anos, alimentado a cada dois dias. Joaquim

Ferreira Dias, a vítima, não teve o direito nem de usar o banheiro ou de tomar um simples

banho, reduzido à condição de animal, vivendo em meio a fezes e urina.

A polícia chegou, na quinta-feira de madrugada, a um bairro da zona sul de São Paulo para

libertar o refém, que tinha as mãos presas a um botijão de gás e os pés amarrados.

Encontrou e eliminou Leonardo, segurança do cativeiro -que não teve direito à maioridade

na vida.

Gilberto Dimenstein

Os Editoriais

Novamente , são opinativos, argumentativos e possuem aquela mesma estrutura. Todos os

jornais e revistas têm esses editoriais. Os principais diários do país produzem três textos

desse gênero. Geralmente um deles tratará de política; outro, de economia; um outro, de

temas internacionais. A diferença em relação ao artigo é que o autor, o editorialista, não

expressa sua opinião, apenas serve de intermediário para revelar o ponto de vista da

instituição, da empresa, do órgão de comunicação. Muitas vezes, esses editoriais são

produzidos por mais de um profissional. O editorialista é, quase sempre, antigo na casa e,

obviamente, da confiança do dono da empresa de comunicação. Os temas, por evidente, são

a pauta do momento, os assuntos da semana.

As Notícias

Aqui temos outro gênero, bem diverso. As notícias são autorais, isto é, produzidas por um

jornalista claramente identificado na matéria. Possuem uma estrutura bem fechada, na qual,

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

no primeiro parágrafo (também chamado de lide), o autor deve responder às cinco

perguntinhas básicas do jornalismo: Quem? Quando? Onde? Como? E por quê?

Essa maneira de fazer texto atende a uma regra do jornalismo moderno: facilitar a leitura.

Se o leitor/receptor desejar mais informações sobre a notícia, que vá adiante no texto. Fato

é que, lendo apenas o parágrafo inicial, terá as informações básicas do assunto. A grande

diferença em relação ao artigo e ao editorial está no objetivo. O autor quer apenas "passar"

a informação, quer dizer, não busca convencer o leitor/receptor de nada. É aquele texto que

os jornalistas chamam de objetivo ou isento, despido de subjetividade e de

intencionalidade.

Exemplo de Notícia

REUTERS - 19.02.2008 08:02

Bush quer transição democrática com saída de Fidel

KIGALI, Ruanda (Reuters) - O presidente norte-americano, George W. Bush, afirmou

nesta terça-feira que espera que a aposentadoria do líder cubano Fidel Castro marque o

início de uma transição democrática na ilha caribenha.

"Eu acredito que a mudança com Fidel Castro deve marcar o começo de um período de

transição democrática", disse Bush em entrevista coletiva à imprensa, realizada em Ruanda

-- o país integra o roteiro de sua visita a cinco países africanos.

Fidel, 81, anunciou que não vai retornar à liderança do país como presidente, aposentando-

se como chefe de Estado 49 anos depois de ter tomado o poder em uma revolução armada.

(Por Tabassum Zakaria)

As Crônicas

Estamos diante da Literatura. Os cronistas não possuem compromisso com a realidade

objetiva. Eles retratam a realidade subjetiva. Dessa maneira, Rubem Braga, cronista,

jornalista, produziu, por exemplo, um texto abordando a flor que nasceu no seu jardim. Não

importa o mundo com suas tragédias constantes, mas sim o universo interior do cronista,

que nada mais é do que um fotógrafo de sua cidade. É interessante verificar que essas

características fundamentais da crônica vão desaparecendo com o tempo. Não há, por

exemplo, um cronista de Porto Alegre (talvez o último deles tenha sido Sérgio da Costa

Franco).

Se observarmos o jornal Folha de S. Paulo, teremos, junto aos editoriais e a dois artigos

sobre política ou economia, uma crônica de Carlos Heitor Cony, descolada da realidade, se

assim lhe aprouver (Cony, muitas vezes, produz artigos, discutindo algo da realidade

objetiva). O jornal busca, dessa maneira, arejar essa página tão sisuda. A crônica é isso:

uma janela aberta ao mar. Vale lembrar que o jornalismo, ao seu início, era confundido

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

com Literatura. Um texto sobre um assassinato, por exemplo, poderia começar assim: "

Chovia muito, e raios luminosos atiravam-se à terra. Num desses clarões, uma faca surge

das trevas..." Dá-se o nome de nariz de cera a essas matérias empoladas, muito comuns nos

tempos heróicos do jornalismo.

Sobre a crônica, há alguns dados interessantes. Considerada por muito tempo como gênero

menor da Literatura, nunca teve status ou maiores reconhecimentos por parte da crítica.

Muitos autores famosos, romancistas, contistas ou poetas, produziram excelentes crônicas,

mas não são conhecidos por isso. Carlos Drummond de Andrade é um belo exemplo. Pela

grandeza de sua poesia, o grande cronista do cotidiano do Rio de Janeiro foi abafado. O

mesmo pode-se falar de Olavo Bilac, que, no início do século passado, passou a produzir

crônicas num jornal carioca, em substituição a outro grande escritor, Machado de Assis.

Essa divisão dos textos da imprensa é didática e objetiva esclarecer um pouco mais o

vestibulando. No entanto, é importante assinalar que os autores modernos fundem essa

divisão, fazendo um trabalho misto. É o caso de Luis Fernando Veríssimo, que ora trabalha

uma crônica, com os personagens conversando em um bar, terminando por um artigo, no

qual faz críticas ao poder central, por exemplo. Martha Medeiros, por seu turno, produz,

muitas vezes, um artigo, revelando a alma feminina. Em outros momentos, faz uma crônica

sobre o quotidiano.

Exemplo de Crônica

A luta e a lição

Um brasileiro de 38 anos, Vítor Negrete, morreu no Tibete após escalar pela segunda vez o

ponto culminante do planeta, o monte Everest. Da primeira, usou o reforço de um cilindro

de oxigênio para suportar a altura. Na segunda (e última), dispensou o cilindro, devido ao

seu estado geral, que era considerado ótimo.

As façanhas dele me emocionaram, a bem sucedida e a malograda. Aqui do meu canto,

temendo e tremendo toda a vez que viajo no bondinho do Pão de Açúcar, fico meditando

sobre os motivos que levam alguns heróis a se superarem. Vitor já havia vencido o cume

mais alto do mundo. Quis provar mais, fazendo a escalada sem a ajuda do oxigênio

suplementar. O que leva um ser humano bem sucedido a vencer desafios assim?

Ora, dirão os entendidos, é assim que caminha a humanidade. Se cada um repetisse meu

exemplo, ficando solidamente instalado no chão, sem tentar a aventura, ainda estaríamos

nas cavernas, lascando o fogo com pedras, comendo animais crus e puxando nossas

mulheres pelos cabelos, como os trogloditas --se é que os trogloditas faziam isso. Somos o

que somos hoje devido a heróis que trocam a vida pelo risco. Bem verdade que escalar

montanhas, em si, não traz nada de prático ao resto da humanidade que prefere ficar na

cômoda planície da segurança.

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

Mas o que há de louvável (e lamentável) na aventura de Vítor Negrete é a aspiração de ir

mais longe, de superar marcas, de ir mais alto, desafiando os riscos. Não sei até que ponto

ele foi temerário ao recusar o oxigênio suplementar. Mas seu exemplo --e seu sacrifício- é

uma lição de luta, mesmo sendo uma luta perdida.

(Carlos Heitor Cony, Folha de S. Paulo)

A interpretação serve para Química!

Responda rápido a uma pergunta: O que há em comum entre os vestibulandos aprovados

nos primeiros lugares? Será que possuem semelhanças? Sim, de fato, o que os identifica é a

leitura e a curiosidade pelo mundo que os cerca. Eles lêem bastante, e lêem de tudo um

pouco. As instituições de ensino superior não querem mais aquele aluno que decora

regrinhas. Elas buscam o cidadão que possui leitura e conhecimento de mundo. Nesse

aspecto, as questões, inclusive das provas de exatas, muitas vezes pedem criticidade e

compreensão de enunciados. Quantas vezes você, caro vestibulando, não errou uma

questão de Física ou de Biologia por não entender o que foi pedido. Pois estamos falando

de interpretação de textos. A leitura e a interpretação tornam-se, dessa maneira, exigência

de todas as disciplinas. E não pense que essa capacidade crítica de entender o texto escrito

(e até falado) é exclusividade do vestibular. Quando você for buscar uma vaga no mercado

de trabalho, a criticidade, a capacidade de comunicação e de compreensão do mundo serão

atributos importantes nessa concorrência. Lembre-se disso na hora de planejar os estudos

para os próximos vestibulares.

Instruções Gerais

Em primeiro lugar, você deve ter em mente que interpretação de textos em testes de

múltipla escolha pressupõe armadilhas da banca. Isso significa dizer que as questões são

montadas de modo a induzir o incauto e sofrido vestibulando ao erro. Nesse sentido, é

importante observar os comandos da questão (de acordo com o texto, conforme o texto,

segundo o autor...). Se forem esses os comandos, você deve-se limitar à realidade do texto.

Muitas vezes, as alternativas extrapolam as verdades do texto; ou ainda diminuem essas

mesmas verdades; ou fazem afirmações que nem de longe estão no texto.

Exemplo de Editorial

Dificilmente a Câmara dos Deputados conseguirá aprovar a curto prazo a Lei de

Biossegurança que precisa votar por ter sido modificada no Senado.

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

É muito longa a pauta de projetos à espera de apreciação: além de outras importantes leis,

há projetos de emendas constitucionais e uma série de medidas provisórias, que trancam a

pauta.

Mas, com tudo isso, é importante que os deputados tenham consciência da necessidade de

conceder aos cientistas brasileiros, o mais rapidamente possível, a liberdade de que eles

necessitam para desenvolver pesquisas na área das células-tronco embrionárias.

Embora seja este um novo campo de investigação, já está fazendo surgir aplicações práticas

concretas, que demonstram seu potencial curativo fantasticamente promissor.

Não é por outro motivo que os eleitores da Califórnia aprovaram a emenda 71, que destina

US$ 3 bilhões às pesquisas com células-tronco, causa defendida com veemência por seu

governador, o mais do que conservador Arnold Schwarzenegger.

O caso chama a atenção porque o ex-ator, ao contrário de outros republicanos (como Ron

Reagan, cujo pai sofria do mal de Alzheimer), não tem interesse pessoal no

desenvolvimento de tratamentos médicos para doenças degenerativas hoje incuráveis.

Apenas o convívio com pessoas como o recentemente falecido Christopher Reeve, que

ficou tetraplégico após um acidente, ou Michael J. Fox, que sofre do mal de Parkinson,

parece ter sido suficiente para convencer Schwarzenegger de que é fundamental apoiar a

pesquisa.

O projeto que retornou do Senado ainda inclui graves restrições à ciência, como a limitação

das pesquisas às células de embriões congelados há pelo menos três anos nas clínicas de

fertilização — embriões descartados que, com qualquer tempo de congelamento, vão

acabar no lixo.

Também algum dia será preciso admitir a clonagem com fins terapêuticos, hoje vedada, e

que é particularmente promissora.

Ainda assim, comparado com o projeto proibitivo que veio originalmente da Câmara, o

novo texto da Lei de Biossegurança é um importante passo à frente. Merece ser apreciado

com rapidez e aprovado pelos deputados.

(O Globo, 5/11)

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

Tipologia textual.

1. texto Literário: expressa a opinião pessoal do autor que também é transmitida através

de figuras, impregnado de subjetivismo. Ex: um romance, um conto, uma poesia...

2. texto não-literário: preocupa-se em transmitir uma mensagem da forma mais clara e

objetiva possível. Ex: uma notícia de jornal, uma bula de medicamento.

TEXTO LITERÁRIOTEXTO NÃO-LITERÁRIO

Conotação Figurado, subjetivo

Pessoal

Denotação Claro, objetivo

Informativo

TIPOS DE COMPOSIÇÃO

1. Descrição: descrever é representar verbalmente um objeto, uma pessoal, um lugar,

mediante a indicação de aspectos característicos, de pormenores individualizantes. Requer

observação cuidadosa, para tornar aquilo que vai ser descrito um modelo inconfundível.

Não se trata de enumerar uma série de elementos, mas de captar os traços capazes de

transmitir uma impressão autêntica. Descrever é mais que apontar, é muito mais que

fotografar. É pintar, é criar. Por isso, impõe-se o uso de palavras específicas, exatas.

2. Narração: é um relato organizado de acontecimentos reais ou imaginários. São seus

elementos constitutivos: personagens, circunstâncias, ação; o seu núcleo é o incidente, o

episódio, e o que a distingue da descrição é a presença de personagens atuantes, que estão

quase sempre em conflito.

A Narração envolve:

I. Quem? Personagem;

II. Quê? Fatos, enredo;

III. Quando? A época em que ocorreram os acontecimentos;

IV. Onde? O lugar da ocorrência;

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

V. Como? O modo como se desenvolveram os acontecimentos;

VI. Por quê? A causa dos acontecimentos;

3. Dissertação: dissertar é apresentar idéias, analisá-las, é estabelecer um ponto de vista

baseado em argumentos lógicos; é estabelecer relações de causa e efeito. Aqui não basta

expor, narrar ou descrever, é necessário explanar e explicar. O raciocínio é que deve

imperar neste tipo de composição, e quanto maior a fundamentação argumentativa, mais

brilhante será o desempenho.

2. Ortografia.

A técnica de empregar a linguagem na forma de comunicação escrita é chamada de

grafia.

O emprego da grafia correta é conhecido em nossa língua como ortografia.

A ortografia ainda empregada no Brasil é a do Pequeno Vocabulário Ortográfico da

Língua Portuguesa, 1943, que em 18 de dezembro de 1971, sofreu algumas alterações, no

que tange às regras de acentuação gráfica das palavras.

Na ortografia estudam-se, entre outros pontos:

- alfabeto

- letras

- vocábulos homógrafos e homófonos

- acentuação gráfica

- emprego de algumas letras

- abreviaturas.

ALFABETO

O conjunto de letras empregadas na comunicação escrita de uma língua é chamado de

alfabeto.

O alfabeto da língua portuguesa é composto de 23 (vinte e três) letras, cinco vogais e

dezoito consoantes.

Letras que compõem o alfabeto e seus respectivos nomes: a (á), b (bê), c (cê), d (dê),

e (é), f (efe), g (gê), h (agá), i (i), j (jota), l (ele), m (eme), n (ene), o (ó), p (pê), q (quê), r

(erre), s (esse), t (tê), u (u), v (vê), x (xis), z (zê).

LETRAS

Enquanto os fonemas são unidades sonoras, as letras são sinais gráficos que

representam os fonemas.

Quanto à forma, as letras podem ser: maiúsculas e minúsculas.

Observe: A, B, C, D, E

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

a, b, c, d, e

Quanto à natureza, as letras podem ser; vogais e consoantes.

Observe:

a, e, i, o, u --- vogais

b, c, d, f, g ... - consoantes

EMPREGO DAS LETRAS G e J

1) Escrevem-se com g: argila, agenda, gesto, giz, gengiva, girafa, gente, gesso,

sargento, viagem, etc.

2) Usa-se a consoante j:

a) nos derivados de palavras terminadas em - ja:

- gorjeta, gorjeio, gorjear (e suas flexões) (de gorja = garganta)

- lojista, lojinha (de loja)

- lisonjeiro, lisonjear (de lisonja)

b) em todas as formas de conjugação dos verbos em - jar:

- arranjar, viajar, etc.

c) em palavras de origem ameríndia, africana ou popular: canjica, jeca, jequitibá, jerico,

cafajeste, jibóia, pajé, Moji, etc.

d) nas seguintes palavras: jeito, ajeitar, desajeitado, injeção, jerimum, majestade, pajem,

ajuíza, etc.

EMPREGO DO S

Muitas vezes o S é confundido com C, Ç ou X, mas mencionaremos apenas os casos

em que mais freqüentemente se erra no emprego:

1) nos seguintes monossílabos: ás (carta, aviador exímio), três, mês, rês, trás (prep.), gás

(e seus derivados).

2) nos oxítonos: aliás, anis, arnês, atrás, através, convés, freguês, país, retrós, revés (e

seus derivados).

3) nos seguintes nomes próprios: Inês, Isabel, Luís, Resende, Teresa, Tomás, Luísa, etc.

4) nos adjetivos pátrios em -ês: francês, inglês, português, etc.

5) nos verbos em isar, derivados de palavras cujo radical termina em s: analisar, alisar,

pesquisar, paralisar, avisar, etc.

exceção: catequese = catequizar.

6) nas formas dos verbos pôr, querer, usar e seus derivados: pus, pusesse, quis, quiser,

repus, repuser, compus, compusesse, usasse, etc.

7) nas palavras: pretensão, salsicha, senso (juízo), misto, cansaço, descanso, ansioso,

esplendor, turquesa, ânsia, etc.

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

EMPREGO DO Ç

Às vezes, o C e o Ç são confundidos com S ou SS.

Algumas palavras com C: acender (iluminar), acento (tom de voz), alicerce, cacique,

cear, cebola, cê-cedilha, cédula, célula, censo (recenseamento), penicilina, etc.

Algumas palavras com Ç: aço (ferro temperado), açúcar, alçapão, almoço, caiçara,

coação, maçom, mordaça, ouriço, ruço (grisalho), traça, etc.

EMPREGO DO SS e RR

Duplicam-se o S e o R em dois casos:

1) quando intervocálicos, representam os sons simples do R e S iniciais: carro, ferro,

pêssego, missão.

2) quando a um elemento de composição terminado em vogal, seguir, sem interposição

do hífen, palavra começada por uma daquelas: derrogar, prerrogativa, prorrogação,

pressentimento, madressilva, sacrossanto, dulcíssimo, etc.

EMPREGO DO SC

1) Elimina-se a letra S do dígrafo SC:

a) quando inicial: cena, cetro, ciência;

b) nos compostos formados em nossa língua: encenação, alvorecer, anticientífico.

2) Mantém-se o S:

a) em palavras compostas provindas do latim; consciência, cônscio, acrescentar,

prescindir, proscênio.

b) no dígrafo medial SC de certas palavras de origem latina: nascer, crescer, descer,

florescer, discípulos, ascensão, imprescindível, piscina, seiscentos, susceptível, etc.

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

EMPREGO DO Z

Emprega-se:

1) Nos derivados em zal, zinho, zito: cafezal, cafezeiro, cafezinho, irmãozinho.

2) Nos derivados de palavras de radical em Z: cruzeiro (de cruz), enraizar (de raiz).

3) Nos verbos formados com o sufixo IZAR: fertilizar, civilizar, e palavras corradicais:

civilização.

4) Nos substantivos abstratos em EZA, derivados de adjetivos e denotando qualidade

física ou moral: pobreza (de pobre), leveza (de leve).

5) Em várias outras palavras: azeite, azedo, cozinha, mezinha (remédio), bazar, proeza,

buzina, etc.

EMPREGO DO CH

Algumas palavras com CH: bicho, bucha, broche, bochecha, boliche, cacho, chuchu,

charque, chimarrão, charuto, chope, chumaço, churrasco, colchão, cachaça, cochicho,

cochilo, deboche, encharcar, ficha, flecha, fantoche, salsicha, inchar, mochila, piche,

prancha, penacho, guincho, etc.

EMPREGO DO X

1) Esta letra representa os seguintes sons:

a) CH: xarope, vexame.

b) CS: reflexo, tóxico.

c) Z: exame, exílio.

d) SS: auxílio, próximo.

e) S: sexta, texto.

2) Não soa nos grupos internos: ―XCE‖ e ―XCI‖: exceção, exceder, excelente.

3) Escreve-se com X:

a) em geral, depois de ditongo: caixa, rouxinol, ameixa, frouxo.

b) geralmente, depois da sílaba inicial EN: enxame, enxada, enxugar.

c) em vocábulos de origem indígena ou africana: abacaxi, xavante, caxambu.

4) Note-se a presença desta consoante em: puxar, enxofre, lixa, mexer, mexerico, rixa,

praxe, xadrez, xale, xingar, bexiga, xícara, Xá (soberano da Pérsia).

EMPREGO DA LETRA H

Esta letra não tem valor fonético no começo das palavras; conservou-se apenas como

símbolo, por força da etimologia e da tradição escrita.

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

Emprega-se o H:

1) Inicial, quando etimológico: homem, hélice.

2) Medial, como integrante dos dígrafos CH, LH, NH: chave, telha, campainha.

3) Final, em certas interjeições: ah! ih!

4) Em compostos unidos por hífen no início do segundo elemento: sobre-humano.

5) No substantivo próprio Bahia (estado do Brasil).

EMPREGO DAS LETRAS K, W e Y

Usam-se apenas:

1) Em abreviaturas e como símbolos de termos científicos de uso internacional: Km

(quilômetro), k (potássio), etc.

2) Na transcrição de palavras estrangeiras não aportuguesadas: Kart, smoking.

3) Em nomes próprios estrangeiros não aportuguesados e seus derivados: Kant, Wagner,

Disneylândia.

S ou Z

I - SUFIXOS - ÊS e EZ:

a) O sufixo ÊS forma adjetivos (às vezes substantivos) derivados de substantivos: cortês

(de corte), chinês (de China), francês (de França).

b) O sufixo EZ forma substantivos abstratos femininos, derivados de adjetivos: aridez

(de árido), acidez (de ácido), estupidez (de estúpido).

II - SUFIXOS - ESA e EZA:

a) Escreve-se - ESA (com S):

1) nos seguintes substantivos derivados de verbos em ender: defesa (defender), despesa

(despender).

2) nos substantivos femininos designativos de títulos nobiliárquicos: baronesa, duquesa,

marquesa, princesa, consulesa.

3) nas formas femininas dos adjetivos em ÊS: burguesa (de burguês), freguesa (de

freguês).

4) nas seguintes palavras femininas: framboesa, indefesa, mesa.

b) Escreve-se com EZA: substantivos abstratos como: tristeza, moleza, etc.

III - VERBOS EM ISAR e IZAR:

Escreve-se - ISAR (com S) quando o radical dos nomes correspondentes termina em

S: avisar (aviso + ar).

Se o radical não terminar em S, grafa-se - IZAR (com Z): anarquizar (anarquia +

izar).

3. Semântica

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

Semântica é o estudo do significado, isto é a ciência das significações, com os

problemas suscitados sobre o significado: Tudo tem significado? Significado é imagem

acústica, ou imagem visual? O homem sempre se preocupou com a origem das línguas e

com a relação entre as palavras e as coisas que elas significam, se há uma ligação natural

entre os nomes e as coisas nomeadas ou se essa associação é mero resultado de

convenção. Nesse estudo consideram-se também as mudanças de sentido, a escolha de

novas expressões, o nascimento e morte das locuções. A semântica como estudo das

alterações de significado prende-se a Michel Bréal e a Gaston Paris. Um tratamento

sincrônico descritivo dos fatos da linguagem e da visão da língua como estrutura e as

novas teorias do símbolo datam do século. XX.

As formas lingüísticas são símbolos e valem pelo que significam. São ruídos

bucais, mas ruídos significantes. É a constante referência mental de uma forma a

determinado significado que a eleva a elemento de uma língua. Não há nenhuma relação

entre o semantema (ou lexema ou morfema lexical – unidade léxica, que compõe o

léxico) cão e um certo animal doméstico a não ser o uso que se faz desse semantema

para referir-se a esse animal. Cada língua ―recorta‖ o mundo objetivo a seu modo, o que

Humboldt chama ―visão do mundo‖. Registre-se a existência da linguagem figurada, a

metáfora, uso de uma palavra por outra, subjazendo à segunda a significação da

primeira. Há que se levar em conta a denotação (significado mais restrito) e a conotação

(halo de emoção envolvendo o semantema – casa / lar).

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

O estudo dos semantemas é difícil, pois são em número infinito e sua significação

fluída, sujeita às variações sincrônica, sintópica etc. A polissemia faz da significação dos

semantemas um conglomerado de elementos e não um elemento único: ele anda a passos

largos / anda de carro / anda doente. Quanto à significação interna dos morfemas, (ou

gramema ou morfema gramatical) ela se distribui nas categorias gramaticais que

enquadram um dado semantema numa gama de categoria – gênero, número etc – para

maior economia da linguagem.

Os elementos lexicais que fazem parte do acervo do falante de uma língua podem ser:

– simples – cavalo

– compostos – cavalo-marinho

– complexos – a olhos vistos, briga de foice no escuro (são sintagmáticos)

– textuais – orações, pragas, hinos (são pragmáticos, não entram nos dicionários de

língua, a não ser por comodidade. O conceito de gato não está contido em "à noite todos os

gatos são pardos‖)

Nem todo lexema é, portanto, uma palavra, às vezes é um conjunto, em geral

idiomático: favas contadas, nabos em saco etc. Nesse caso, falamos em sentido figurado,

oposto a sentidoliteral.

Nas alterações sofridas nas relações entre as palavras estão as chamadas figuras de

retórica clássica:

1) Metáfora – comparação abreviada

2) Metonímia – transferência do nome de um objeto a outro, com o qual guarda

alguma relação de:

– autor pela obra – Ler Machado de Assis

– agente pelo objeto – Comprar um Portinari

– causa pelo efeito – Viver do seu trabalho

– continente pelo conteúdo – Comeu dois pratos

– local pelo produto – Fumar um havana

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

etc

3) Sinédoque (para alguns é caso de metonímia)

– parte pelo todo – Completar 15 primaveras

– singular pelo plural – O português chegou à América em 1500

4) Catacrese – extensão do sentido de uma palavra a objetos ou ações que não

possuem denominação própria – embarcar no ônibus; o da mesa

No levantamento da tipologia das relações entre as palavras assinalam-se ainda os

fenômenos da sinonímia, antonímia, homonímia, polissemia e hiponímia. Os sinônimos

se dizem completos, quando são intercambiáveis no contexto em questão. São perfeitos

quando intercambiáveis em todos os contextos, o que é muito raro, a não ser em termos

técnicos.

Por exemplo, em: casamento, matrimônio, enlace, bodas, consórcio, há um fundo

comum, um "núcleo"; os empregos são diferentes, porém próximos. Nem todas as palavras

aceitam sinônimos ou antônimos. A escolha entre séries sinonímicas é, às vezes, regional.

(Ex: pandorga, papagaio, pipa). Quanto à homonímia, pode ocorrer coincidência fônica

e/ou gráfica. A coincidência de grafemas e fonemas pode decorrer de convergência de

formas (Ex: são – verbo ser, sinônimo de sadio, forma variante de santo derivando

respectivamente de sunt, sanum, sanctum). Ou é resultado de existência coincidente do

mesmo vocábulo em línguas diferentes (Ex: manga – parte da roupa ou fruto, provindo,

respectivamente do Latim e do Malaio).

Cumpre distinguir homonímia de polissemia, o que nem sempre é fácil. A distinção

pode ser:

– descritiva – considerando ser a palavra um feixe de semas, se entre duas palavras

com a mesma forma, houver um sema comum, diz-se ser um caso de polissemia (Ex: coroa

– adorno para a cabeça ou trabalho dentário). Em caso contrário, será homonímia (Ex pena

– sofrimento ou revestimento do corpo das aves) .

– diacrônica – se as palavras provém do mesmo léxico, diz-se ocorrer um caso de

polissemia;(Ex: cabo – acidente geográfico e fim de alguma coisa) No contrário, ocorrerá

um caso de convergência de formas (Ex: canto – verbo cantar e ângulo).

O estudo da homonímia e da polissemia envolve, portanto, o problema de significação,

principalmente universal, e de significação, marginalmente ocasional. Quando a mesma

forma fônica cobre significações diferentes, embora correlatas, tem-se a polissemia;

quando cobre significações completamente diferentes, tem-se a homonímia. A

polissemia envolve matizes emocionais, é determinada pelo contexto; constitui, às vezes,

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

linguagem figurada e linguagem literária. A tarefa do ouvinte é fazer uma seleção entre

as significações alternativas, por meio do contexto em que se acha o signo. Diz-se serem

os homônimos lexemas iguais e palavras diferentes, isto é, com conteúdo semântico

diferente. Como os lexemas também podem se apresentar com mais de uma forma, a

descrição de homonímia precisa ser refinada para se distinguir homonímia parcial de

homonímia total, considerando-se aqui a não coincidência entre língua escrita e falada.

Já a polissemia só ocorre com lexemas simples. É, por vezes, difícil distingui-la de

homonímia. Um dos critérios é o etimológico, não relevante na linguagem estrutural. O

principal, aqui, é haver relação entre significados. Permanece o problema do dicionário:

deve haver uma ou mais de uma entrada lexical? Ex: pupila – parte do olho / menor de que

se deve cuidar – têm a mesma etimologia. Mas deve-se considerar a relação sincrônica

entre os Significados. O fato de a língua sofrer alterações dificulta o problema.

Quanto à sinonímia, os lexemas podem ser completamente sinônimos ou não,

conforme sejam intercambiáveis em todos os contextos ou não. A sinonímia total é muito

rara, só ocorre em termos científicos. A distinção é, por vezes, sutil, inclui o fator

eufemismo. (vide anexo). Podemos dizer que um lexema se relaciona a outros pelo sentido

e se relaciona com a realidade pela denotação. Sentido e denotação são interdependentes.

Isomorfia total entre duas línguas é difícil, ocorre mais freqüentemente em empréstimos

decorrentes de intercâmbios cultural (Ex. a palavra camisa, herdada pelos romanos aos

iberos). A análise componencial coloca a tese de serem os lexemas de todas as línguas

complexos de conceitos atomísticos universais como os fonemas são complexos de traços

atomísticos universais (possivelmente). Assim o lexema mulher pode ser descrito pelos

traços adulto, feminino, humano, em relação a homem que seria adulto, não-feminino,

humano. Nem todo lexema é passível de análise componencial (a análise componencial

ajuda a distinguir homonímia de polissemia).

Entre as relações pelo sentido, colocamos também a hiponímia e a antonímia. A

antonímia inclui os casos de oposição de sentido (solteiro / casado; morto / vivo), ou, como

dizem alguns autores, a incompatibilidade (vermelho / azul / branco seriam incompatíveis

entre si).

As relações hiponímicas provêm do fato de um termo ser mais abrangente que outro:

(Ex: flor > rosa, orquídea etc)

Um grande número de palavras aceita polissemia. Escapam os termos técnicos,

palavras muito raras e palavras muito longas. O deslizar de sentido ocorre por muitas

causas:

– interpretações analógicas – (Ex: mamão).

– transferência do adjetivo ao substantivo – (Ex: pêssego, burro).

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

– adaptação de palavras estrangeiras – (Ex: forró).

Na evolução semântica, as palavras ganham conotação pejorativa (tratante – que faz

um trato), ou valorativa (ministro – que serve os alimentos); ampliam o significado

(trabalho– instrumento de tortura), ou restringem (anjo – mensageiro).

Fontes de renovação do léxico em suas acepções, são as gírias (falares grupais), aí

incluídos os jargões profissionais (chutar, no sentido de mentir; o doente fez uma

hipoglicemia).

As siglas são outra fonte do léxico, dando até palavras derivadas (CLT → celetista).

O signo lingüístico quebra a convencionalidade no caso da derivação, que é um caso

de motivação intra-lingüística e se prende à semântica gramatical (caju → cajueiro; pena

de aveÕpena de caneta) e no caso das onomatopéias (sibilar). Há estudiosos defendendo a

idéia de que, originalmente, seria tudo onomatopéia.

As onomatopéias são iconográficas; na poesia exploram-se as virtualidades da

representação natural. (―Um fino apito estrídulo sibila / rangem as rodas num arranco

perro‖ O trem de ferro – Batista Rebelo)

Na chamada linguagem figurada há várias ocorrências: elipse (bife com fritas);

similaridade (chapéu-coco); sinestesia (cor berrante); contigüidade (beber Champanhe);

perda de motivação (átomo); eufemismo (vida-fácil). Por vezes, o eufemismo provém de

um tabu lingüístico mal dos peitos, doença ruim, malino < maligno etc. Esses fenômenos

são grupais, acabam por convencionalizar-se.

Toda criação de palavras repousa, portanto, em associações, sendo a língua uma

estrutura. O valor de uma palavra se estabelece em relação a outras e em relação ao sistema,

é o centro de uma constelação associativa; toda mudança em um conceito resulta em

mudança nos conceitos vizinhos (mulher / senhora ; sopa fria / água fria)

Em resumo, a significação lexical é a significação, no sentido de uma noção

apropriada, experimentada em conexão com o uso da palavra em causa. A significação

gramatical está ligada aos morfemas, sem se desligar da significação léxica; refere-se às

propriedades e relações dos signos verbais dados e às propriedades e relações dos objetos

reais que são refletidos na linguagem e no pensamento: gênero, número etc. A significação

sintática é, por assim dizer, uma extensão da significação gramatical – lato-sensu, diz-se

que a significação dos morfemas é um elemento da significação sintática; na significação

sintática sempre se acrescenta um elemento qualquer à significação léxica; isso provém dos

morfemas, das regras da ordem das palavras e das palavras funcionais. Quando o quadro de

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

morfemas é pobre, a ordenação e as palavras auxiliares tornam-se importantes. Essas

últimas são morfemas, tanto quanto os afixos, pois sempre aparecem em companhia das

palavras mais lexicais e acrescentam algo à significação dessas (Ex. bater no / com o carro

de Maria).

As significações lingüísticas consideram a significação interna ou gramatical

referente aos morfemas e a semântica externa ou lexical, isto é, objetiva, referente aos

semantemas. Pode ser diacrônica ou descritiva (como as línguas interpretam o mundo). A

significação interna, como já se disse, distribui-se pelas categorias gramaticais para maior

economia e eficiência da linguagem. A estrutura sintagmática é também relevante para o

significado, donde poder-se falar em significado gramatical; esse depende da regência, da

colocação e, até, de fatores como pausa, entonação que, na linguagem escrita são

assinaladas, tanto quanto possível, pela pontuação. O significado da sentença não é portanto

a soma do significado dos seus elementos lexicais, muito embora a relevância do

significado de cada um deles.

O significado de uma sentença depende, portanto, do Significado dos seus lexemas

constituintes e o Significado de alguns lexemas dependerá, por sua vez, da sentença em que

aparece. Mas a estrutura da sentença é relevante para a determinação do Significado.

Devemos, por conseguinte, considerar o Significado gramatical como componente para o

Significado da sentença. Já o Significado do enunciado envolve o Significado de sentença,

mas não se esgota nele. Depende de fatores contextuais. Há teorias afirmando que o

Significado do enunciado extrapola a lingüística constituindo a pragmática.

É preciso considerar que as línguas possuem variadas funções. As proposições podem

ser declarativas, imperativas, ou imperativas. As declarativas podem ser afirmativas ou

negativas (falsas ou verdadeiras). Há, então, uma grande divisão entre Significado

descritivo e não-descritivo. (Ex. João levanta tarde (! ? ...) dependendo da entonação, será

uma informação ou uma exteriorização de sentimentos). No significado não-descritivo

inclui-se o significado social, quando este visa a manter ou estabelecer papéis sociais.

Numa visão mais ampla podemos aí incluir das formas ritualizadas (cumprimentos, brindes

etc) até os enunciados científicos que tem por objetivo fazer adeptos e influenciar

comportamentos. O que é dito e o modo de dizer dependem das relações sociais entre os

interlocutores. Quanto aos lexemas, há que se considerar que eles tanto transportam

conteúdo sêmico (do Significado), quanto informações gramaticais expressas nas

desinências e nos determinantes e nas funções que expressam na sentença. Há informações

portanto, mórficas e sintáticas, apontadas já no dicionário. (p. ex. subst. fem., v. trans. etc).

O conceito de semântica gramatical se torna claro ao compararmos: O menino

mordeuo cachorro / O cachorro mordeu o menino. Há também, a considerar, as variações

estilísticas: o emprego do condicional é mais gentil que o presente do indicativo.

Consideremos, ainda, o fato de existirem, nas línguas naturais, sentenças com:

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

– pressuposição – Quanto tempo ele ficou em Brasília? – supõe: Ele foi a Brasília.

– implicação – Muitos estudantes não foram capazes de responder à pergunta. –

implica: – Só alguns estudantes responderam.

A compreensão dos significados das sentenças envolve os elementos lexicais isolados

e o modo como eles se relacionam. A análise do significado das palavras requer o uso de

regras semânticas. Menino implica macho, jovem, humano: são os traços pertinentes ou

componentes semânticos, que se apontam na análise componencial. O significado da

palavra é um complexo de componentes semânticos ligados por constantes lógicas. X bate

em Y – implica – Y apanha de X; Caso Paulo venha, Pedro partirá. – implica – Caso Paulo

não venha, Pedro não partirá. Pedro continua a beber – pressupõe – Pedro bebia antes. A

pressuposição com a frase negativa continua a mesma: Pedro não toma bebida alcoólica –

pressupõe – Pedro não gosta, ou está proibido pelo médico, ou por autoridade religiosa, de

tomar bebida alcoólica.

Enfim, o sentido das palavras não é transcendental nem produzido pelo contexto; é a

resultante de contextos já produzidos. A relação entre significante e significado é flutuante,

está sempre em aberto. Disso resultam os problemas lexicográficos. Mesmo aqui, usamos

termos como palavra, vocábulo e outros sobre cujas acepções divergem os estudiosos,

muito embora o seu fundo comum, do qual temos, inclusive os leigos, um conhecimento

intuitivo.

Como dissemos, para alguns autores, o significado do enunciado extrapola o âmbito

da Lingüística, entrando no terreno da Pragmática. Essa ciência pode, em brevíssimas

palavras, ser definida como ―relações da linguagem com seus usuários.‖ Ou por outra,

exame dos discursos formadores da e formados pela visão do mundo. Sendo a língua uma

abstração, um agregado de dialetos, de socioletos, de idioletos, é a fala que tem existência

real, merecedora de atenção por parte de todos que se interessam pelos fenômenos da

linguagem. Quando se fala, faz-se mais que trocar informações. A fala é cooperação, mas é

também conflito, persuasão, negociação. Todo ato de fala se realiza em determinadas

condições psicológicas, dentro de um contexto sociocultural que, mais ou menos, as

controlam. Para a real ocorrência, com sucesso, de um ato de fala são imprescindíveis os

chamados fatores de textualidade:

FATORES

LINGÜÍSTICOS

FATORES

EXTRALINGÜÍSTICOS

Coesão Intencionalidade

Coerência Aceitabilidade

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

Intertextualidade Informatividade

Situacionalidade

Esses fatores residem em competências do falante e do ouvinte, em um pacto social

que começa no compartilhamento do mesmo idioma e que transforma a linguagem em

discurso. Para AUSTIN dizer é sempre fazer. Além do simples fenômeno de emissão de

sons bucais dotados de significação clara e permanente, coesos e coerentes, há necessidade

de se situar a emissão, aceitar o emissor, perceber-lhe a intenção (ou, ao menos, a intenção

frontal) para que ocorra a informação. Desse modo, podem os atos de fala, por si, mudar

uma situação. Por exemplo, quando o juiz afirma ao casal de noivos – Eu os declaro marido

e mulher – essas pessoas passam da condição de solteiros para a de casados. Muitos

exemplos podem ser apresentados, inclusive o inicial de todos eles e de tudo mais– ―Faça-

se a luz‖ . As religiões, inclusive em suas cosmogonias, atribuem valor aos atos de fala,

com recomendações de que sejam seguidos à risca para que surtam efeito.

Nos atos declarativos, há que se distinguir entre locutor e enunciador. Locutor será o

autor das palavras, o que diz; enunciador será o indivíduo a quem o locutor atribui a

responsabilidade do foi dito. Por exemplo, no enunciado ―O homem teria chegado ao Brasil

há 45.800 anos‖ [1] o locutor é o jornalista que redige a notícia e o enunciador a arqueóloga

que faz a afirmação. O uso do Futuro do Pretérito, muito usado no discurso jornalístico,

exime o jornalista da responsabilidade quanto à veracidade das palavras.

A essa superposição de falas dá-se o nome de polifonia. O locutor dá voz a um ou

vários enunciadores, cujos discursos ele difunde, organizando-os e não deixando de

manifestar a própria posição. Se o enunciador não é reconhecido pelo ouvinte (caso das

citações muito repetidas – ―Penso, logo existo‖) esse fato não impede a comunicação, logo

não impede o sucesso do ato de fala.

O mesmo se pode dizer da ironia, da hipérbole, que, mesmo quando não de imediato

percebidas, de alguma forma atingem os objetivos do falante.

Outra situação remarcável é dos tropos: desvio de um sentido literal, primitivo a um

sentido implícito. O brasileiro, tido como povo afável, é farto em tropos:

– Você pode me emprestar a caneta? – por– Empreste-me a caneta.

– Não está um pouco tarde? Não vá perder seu ônibus (para a visita) – por – Você

está me cansando com sua permanência.

– Diga boa-noite a seus irmãozinhos. (a mãe para o filho de poucas semanas) – por –

Vão se deitar. (para os filhos mais velhos).

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

A Pragmática é observável em todos os contextos. Porém , em algumas situações,

torna-se mais evidente o trato da linguagem como instrumento de manipulação. É o que

acontece nos discursos político, pedagógico, religioso e até no discurso amoroso. Em

todos esses casos, há uma base afirmativa que, manipulada , serve aos objetivos do

emissor. A diferença está no grau de consciência quanto aos recursos utilizados para o

convencimento. A linguagem publicitária prima na utilização desses recursos para

mudar ou manter a opinião do público-alvo.

Como um estranho não tem autoridade para mandar, a publicidade adota técnicas

variadas:

Fazer-agir: Beba Coca-Cola!

Fazer-crer; Só Omo lava mais branco!

Fazer-buscar prazer: Se um desconhecido oferecer flores, isto é Impulse!

A mensagem publicitária, utilizando a moderna tecnologia, promete,

abundância, progresso, lazer, beleza, juventude. Ao contrário das catástrofes

noticiadas nos jornais, a publicidade fala de um mundo bonito e prazeroso. Esse

prazer está associado ao uso de determinado objeto, criando a linguagem da marca, o

ícone do produto. Possuir certos objetos passa a ser sinônimo de felicidade. Se na

linguagem do cotidiano muito pouco se usam as ordens, preferindo formas

eufemísticas (faça o favor de entrar), a publicidade pode ser mais direta: – Abuse e

use C & A!.

A publicidade diz e, também, sugere sem dizer explicitamente. Usa recursos

estilísticos:

1) Fonéticos: onomatopéias, aliterações etc.

2) Léxico-semânticos: criação de termos novos, novos significados, clichês, duplo

sentido etc.

3) Morfossintáticos: grafias inusitadas, flexões novas, sintaxe não linear etc.

– A ERICSSON FEZ UM TELEFONE COM TUDO EM CIMA!

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

– DIET-COKE TRAZ O PRAZER DE VIVER EM FORMA!

– AINDA NÃO INVENTARAM UM PASSE BEM MELHOR QUE PASSE

BEM.[2]

O discurso publicitário cumpre seu papel por três vias:

1– psicológica – a eficácia do jogo de palavras resulta do fato de que esse jogo causa

prazer, quando de sua decifração; é erótico, no sentido psicanalítico do termo;

2– antropológica – parte da proclamação de que o consumidor é irracional; reaviva

arquétipos, ocultos, mas fundamentais;

3– sociológica – não se dirigindo a ninguém em particular, passa a impressão de que

se dirige a cada um de nós, identificando-nos como membros de uma polis;

No domínio dessa linguagem, parece dizer-se sempre uma só coisa, utilizando-se o

já utilizado, vendendo ilusão para vender produtos e serviços.

De tudo, parece válido concluir ser a linguagem uma variável com participação

fundamental nos processos de convivência com a realidade física e social, além de sua

importância na maneira de organizar as idéias sobre a realidade que nos rodeia. Sendo

assim, a linguagem nunca se esgota em simples instrumento de referência ao mundo

externo. Ao falarmos, manifestamos a nossa perspectiva, nossa avaliação do conteúdo do

dito. Essa posição é resultado da soma de nossas experiências, de nossa própria ideologia,

desaguando num discurso que, de modo algum pode ser simples e objetiva descrição da

realidade. Todo discurso quer converter a uma ideologia e essa ideologia será,

evidentemente, a ideologia do falante. Uma linguagem que vise, apenas, a reproduzir as

próprias coisas esgota seu poder de informação a dados de fatos. Uma forma de expressão,

se é produtiva, deve conter não só informações, como levantar procuras. O mesmo se pode

dizer das artes visuais. Mesmo quando se dizem meramente representativas, na verdade,

nunca o são. Sempre haverá a dimensão criativa.

A linguagem apenas prolonga a percepção e essa percepção sempre se mostrará

dotada de uma dimensão produtiva.

4. Morfologia

Emprego das classes de palavras.

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

Na elaboração de um texto escrito, utilizamos palavras para exprimirem nossas idéias.

De acordo com a idéia que expressam, as palavras são agrupadas, na nossa língua, em dez

classes.

Vamos relembrá-las? No quadro, visualizamos todas elas.

Classes de Palavras

Variáveis Invariáveis

Substantivo Advérbio

Artigo Conjunção

Adjetivo Preposição

Numeral Interjeição

Pronome

Verbo

Substantivo Nomeia pessoa, lugar, coisa, qualidade, estado, ação, sentimento.

- O relatório será encaminhado amanhã.

Artigo Precede e determina o substantivo.

- Redigi o ofício. (artigo definido)

- Ela tem umas idéias ótimas.( artigo indefinido)

Adjetivo Qualifica e modifica o substantivo.

-A atual situação do país é preocupante. (os adjetivos "atual" e "preocupante" estão

modificando o substantivo "situação")

Numeral

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

Encerra a idéia de quantidade ou posição numa série.

Os numerais podem ser : cardinais, ordinais, multiplicativos e fracionários.

- Cardinais São os números básicos, que indicam a quantidade.

Entraram em licença apenas três empregados.

- Ordinais Indicam a posição numa série.

Trabalho no primeiro andar.

Veja algumas orientações que podem tirar essas dúvidas:

Na designação de papas, reis, séculos e partes de um livro, usam-se os ordinais até o

décimo e, daí em diante, os cardinais.

��século V (quinto) ��Pedro II (segundo) ��capítulo VI (sexto) ��século XX (vinte) ��João XXIII (vinte e três)

Na numeração de artigos de leis, decretos, usam-se os ordinais até o nono e, daí por

diante, os cardinais.

��artigo IV (quarto) ��artigo IX (nono) ��decreto X (dez) ��artigo XXI (vinte e um)

- Multiplicativos Indicam o aumento proporcional da quantidade.

Ele deu um salto triplo.

- Fracionários Indicam o número de partes.

Ele chegará ao meio-dia e meia.

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

Quando o numeral vem anteposto ao substantivo, emprega-se sempre o ordinal: vigésimo

primeiro século

Muitas vezes na linguagem falada, ficamos a nos perguntar:

capítulo I - primeiro ou um?

artigo XX - vinte ou vigésimo?

Gramática Eletrônica

Pronome Palavra que substitui ou acompanha o substantivo, determinando a extensão de seu

significado.

Mais adiante, estudaremos mais detalhadamente a classificação do pronome.

��Ele não veio hoje. ��Aproveitarei bem este curso.

Verbo Encerra a idéia de ação, estado, fenômeno natural, ocorrência, desejo.

O estudo de verbo será feito mais detalhadamente na lição 7.

��Durante a semana, não o encontro.

Advérbio Modifica o verbo, o adjetivo ou o próprio advérbio e exprime, entre outras, as seguintes

circunstâncias:

• lugar (aqui, ali...); • modo (bem, mal..); • afirmação (sim...); • negação (não...); • dúvida (talvez...); • inclusão (também). ��Não sairei amanhã. (não - advérbio de negação; amanhã - advérbio de tempo)

Preposição Liga palavras entre si: de, para, por, a, em, entre, sem, sob, sobre, até, com.

Interjeição Exprime manifestações súbitas, repentinas, momentâneas do nosso íntimo.

Ai! Oh!

Conjunção

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

Liga orações ou termos entre si.

As conjunções podem ser coordenativas e subordinativas.

Conjunções coordenativas - ligam termos e orações sintaticamente equivalentes.

Classificam-se em:

- aditivas - dão idéia de adição: e, nem, mas também, mais ainda, senão, também,

como também, bem como.

. Levantei-me e expus minha opinião.

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

- adversativas - exprimem contraste, oposição, ressalva,

compensação: mas, porém, todavia, contudo, entretanto, senão, ao passo que, no

entanto, apesar disso.

. Estava doente, no entanto foi trabalhar.

- alternativas - exprimem alternância: ou, ou… ou, ora… ora, já… já, seja… seja,

quer… quer.

. A louca ora o acariciava, ora o renegava freneticamente.

- explicativas - exprimem explicação, um motivo: que, porque,

porquanto, pois. As conjunções explicativas aparecem normalmente depois de

orações imperativas.

. Fale mais alto, porque não estou ouvindo você.

. Venha, pois quero conversar com você.

- conclusivas - expressam conclusão: logo, portanto, por conseguinte, por isso, pois

(depois de verbo).

. Trabalha muito, logo deve ganhar bem.

- Conjunções subordinativas - ligam uma oração a outra, chamada principal, na qual desempenha função sintática.

Classificam-se em:

- integrantes - ligam orações substantivas: que, se, como.

. Sonhei que o mundo havia acabado.

- causais - exprimem causa: porque, que, pois, como, visto que, desde que.

. Continuei o trabalho sozinho, porque ele adoeceu.

- comparativas - como, tal qual, assim como, que nem, como quanto.

. Talvez ninguém pense como nós pensamos.

- concessivas - exprimem concessão: embora, conquanto, ainda que, mesmo que,

por mais que, por menos que, se bem que, posto que, nem que, dado que,

sem que.

. Foi ao encontro embora estivesse atrasado.

- condicionais - exprimem condição ou hipótese: se, caso, desde que, salvo se,

contanto que, a não ser que, a menos que, sem que.

. Não irei sem que ela me telefone.

- conformativas - exprimem conformidade: como, conforme,segundo,

consoante.

. Cada um colhe conforme semeia.

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

- consecutivas - exprimem conseqüência: que (precedido de termos intensivos:

tal,tão, tanto, tamanho), de sorte que, de modo que, de forma que, de

maneira que, sem que. . Ele fala tão alto que ninguém entende.

Locuções conjuntivas - são conjuntos de palavras que atuam como conjunções. Essas

locuções geralmente terminam em que : visto que, desde que, ainda que, por mais que,

à medida que, à proporção que.

. Estude a fim de que possa obter sucesso.

É importante saber: ��As conjunções subordinativas integrantes introduzem as orações

subordinadas substantivas.

��As demais conjunções subordinativas introduzem as orações subordinadas adverbiais.

��A classificação das conjunções deve ser feita a partir de seu emprego nas frases.

��O estudo do valor das conjunções só será possível quando observarmos atentamente sua atuação no texto.

��No estudo da Sintaxe, pode-se melhor compreender as relações que as conjunções estabelecem no período.

Você pode imprimir suas atividades e comparar com as respostas apresentadas no final

desta lição.

Praticando

Dê a classe gramatical das palavras em negrito do texto abaixo:

"Neste(1) mundo há(2) lugar para todos(3). A boa(4) terra(5) é rica e pode(6)

oferecer alimento para cada(7) um de(8) nós(9). O caminho(10) da vida pode ser livre(11)

e magnífico, mas(12) nós perdemos o caminho. A voracidade(13) envenenou a alma dos

homens, apertou o mundo num círculo de ódio e obrigou-nos a(14) entrar a passos de ganso

na miséria e no sangue. Aumentamos a velocidade, mas somos os seus escravos. A

mecanização que produz a abundância gerou(15) o desejo.(16) A nossa(17) ciência tornou-

nos(18) cínicos,(19) e a nossa inteligência fez-nos duros(20) e mortais(21)." (O Grande

Ditador - Charles Chaplin)

Gramática Eletrônica

Confira suas respostas 1 - este - pronome ( em + este - o "em" é preposição)

2 - há - verbo haver - 3 ª

pessoa do singular

3 - todos - pronome

4 - boa - adjetivo

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

5 - terra - substantivo

6 - pode - verbo poder (está usado como auxiliar de oferecer)

7 - cada - pronome

8 - de - preposição

9 - nós - pronome

10 - caminho - substantivo

11 - livre - adjetivo

12 - mas - conjunção

13 - voracidade - substantivo

14 - a - preposição (exigência do verbo)

15 - gerou ( verbo gerar)

16 - desejo - substantivo (o desejo)

17 - nossa - pronome

18 - nos - pronome

19 - cínicos - adjetivo

20 - duros - adjetivo

21 - mortais - adjetivo

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

5. Sintaxe

Análise sintática é uma técnica empregada no estudo da estrutura sintática de uma

língua. Ela é útil quando se pretende:

1. descrever as estruturas sintáticas possíveis ou aceitáveis da língua; ou

2. decompor o texto em unidades sintáticas a fim de compreender a maneira pela qual os

elementos sintáticos são organizados na sentença.

A compreensão dos vários mecanismos inerentes em uma língua é facilitada pelo

procedimento analítico, através do qual buscam-se nas unidades menores (por exemplo,

a sentença) as razões para certos fenômenos detectados nas unidades maiores (por

exemplo, o texto). Dessa forma, a Gramática Normativa (aquela que prescreve as

normas da língua culta) sempre se ocupou em decompor algumas unidades estruturais

da língua para tornar didática a compreensão de certos fenômenos. No âmbito da

fonologia, tem-se a análise fonológica, em que a estrutura sonora das palavras é

decomposta em unidades mínimas do som (os fonemas); em morfologia, tem-se a

análise morfológica, da qual se depreendem das palavras as suas unidades mínimas

dotadas de significado (os morfemas).

A análise sintática ocupa um lugar de destaque em muitas gramáticas da língua

portuguesa, porque grande parte das normas do bem dizer e do bem escrever recaem

sobre a estrutura sintática, isto é, sobre a organização das palavras na sentença. Para

compreender o uso dos pronomes relativos, a colocação pronominal, as várias relações

de concordância, por exemplo, é importante, antes, promover uma análise adequada da

sintaxe apresentada pela sentença em questão. Nenhuma regra de conduta da língua

culta tem sentido sem uma análise sintática da sentença que se estuda. Por isso, antes

que se aplique qualquer norma gramatical é preciso compreender de que forma os

elementos sintáticos estão dispostos naquela sentença especial. Isso se dá porque os

elementos sintáticos também não são fixos na língua. Por exemplo: uma palavra pode

funcionar como sujeito em uma sentença e, em outra, funcionar como agente da passiva.

Somente a análise sintática poderá determinar esse comportamento específico das

palavras no contexto da sentença.

Sendo a análise sintática uma aplicação estritamente voltada para a sentença, parte-se

dessa unidade maior para alcançar os seus constituintes - os sintagmas – que, por sua

vez, são rotulados através das categorias sintáticas. Como se vê, é um exercício de

decomposição da sentença. Vejamos um exemplo de análise sintática:

Teu pai quer que você estuda antes de brincar.

...[há três orações]

...[1ª oração: teu pai quer = oração principal]

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

...[na 1ª oração: sintagma nominal = teu pai; sintagma verbal = quer]

...[sintagma verbal da 1ª oração: formado por um verbo modal]

...[2ª oração: que você estuda = oração subordinada objetiva direta]

...[na 2ª oração: sintagma nominal = você; sintagma verbal = estuda]

...[2ª oração: introduzida pelo pronome relativo que]

...[3ª oração: antes de brincar = oração subordinada adverbial reduzida de infinitivo]

...[sintagma adverbial: locução adverbial de tempo: antes de]

...[sintagma verbal: brincar]

Através da análise que desenvolvemos pudemos depreender as várias unidades menores

do período, isto é, as três orações (ou sentenças), e, além disso, identificamos as funções

dos elementos sintáticos presentes em cada oração (tipo de verbo, qualidade do

pronome, tipos de sintagmas, tipo de advérbio). A partir desses resultados é possível

verificar um problema de concordância verbal existente na segunda oração. Trata-se da

norma gramatical que nos informa o seguinte: "se houver uma oração subordinada

objetiva direta introduzida pelo pronome que e, se essa oração complementa um verbo

modal, então o verbo dessa oração subordinada deve estar no modo subjuntivo". Pela

análise sintática vemos que esse é o caso do nosso período. Assim, conseguimos

compreender a necessidade de alteração da forma verbal, derivando a sentença abaixo.

Teu pai quer que você estude antes de brincar.

Para promovermos essa análise, enfim, foi exigido que conhecêssemos alguns

elementos fundamentais da sintaxe:

o período

a frase

a oração

os termos das orações

A análise sintática, assim como as outras referentes à língua, é um exercício muito

próximo da matemática, pois envolve um raciocínio lógico do tipo: "se você encontrar

tal elemento, então admita que esse elemento é um objeto tal". Promover esse tipo de

raciocínio no estudo das sentenças é desenvolver uma análise formal, porque as

categorias sintáticas são formas que não dependem do conteúdo que expressam. Em

outros níveis de análise - a análise semântica, a análise discursiva e análise estilística -

esse tipo de raciocínio lógico é bastante complicado, porque envolve elementos cuja

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

representação e estrutura não são fixas. Em todo caso, grande parte das correções

gramaticais se aplica ao nível de adequação sintática do texto, por isso a chamada

revisão gramatical.

Período é a unidade lingüística composta por uma ou mais orações. Tem como

características básicas:

1. a apresentação de um sentido ou significado completo

2. encerrar-se por meio de certos símbolos de pontuação.

Uma das propriedades da língua é expressar enunciados articulados. Essa articulação é

evidenciada internamente pela verificação de uma qualidade comunicativa das

informações contidas no período. Isto é, um período é bem articulado quando revela

informações de sentido completo, uma idéia acabada. Esse atributo pode ser exibido

em termos de um período constituído por uma única oração - período simples – ou

constituído por mais de uma oração – período composto.

Exemplos:

1. Sabrina tinha medo do brinquedo.

...[período simples]

2. Sabrina tinha medo do brinquedo, apesar de levá-lo consigo todo o tempo.

...[período composto]

Não há uma forma definida para a constituição de períodos, pois se trata de uma

liberdade do falante de elaborar seu discurso da maneira como quiser ou como julgar ser

compreendido na situação discursiva. Porém a língua falada, mais freqüentemente,

organiza-se em períodos simples, ao passo que a língua escrita costuma apresentar

maior elaboração sintática, o que faz notarmos a presença maior de períodos compostos.

Um dos aspectos mais notáveis dessa complexidade sintática nos períodos compostos é

o uso dos vários recursos de coesão. Isso pode ser visualizado no exercício de

transformação de alguns períodos simples em período composto fazendo uso dos

chamados conectivos (elementos lingüísticos que marcam a coesão textual).

Exemplo:

1. Eu tenho um gatinho muito preguiçoso. Todo dia ele procura a minha cama para

dormir. Minha mãe não gosta do meu gatinho. Então, eu o escondo para a minha mãe

não ver que ele está dormindo comigo.

2. Eu tenho um gatinho muito preguiçoso, que todo dia procura a minha cama para

dormir. Como a minha mãe não gosta dele, eu o escondo e, assim, ela não vê que o

gatinho está dormindo comigo.

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

Notem que no exemplo (1) temos um parágrafo formado por quatro períodos. Já no

exemplo (2) o parágrafo está organizado em apenas dois períodos. Isso é possível

articulando as informações por meio de alguns conectivos (que, como, assim) e

eliminando os elementos redundantes (o gatinho, minha mãe = ele, ela).

Finalmente, os períodos são definidos materialmente no registro escrito por meio de

uma marca da pontuação, das quais se excluem a vírgula e o ponto-e-vírgula. O recurso

da pontuação é uma forma de reproduzir na escrita uma longa pausa percebida na língua

falada.

Frase é a menor unidade da comunicação lingüística. Tem como características básicas:

1. a apresentação de um sentido ou significado completo

2. ser acompanhada por uma entonação

Durante o uso cotidiano da língua, os falantes costumam produzir seus textos

articulando enunciados. Esses enunciados, quando transmitem uma idéia acabada, isto é,

um sentido comunicativo completo, se constituem na chamada frase. Não há um

padrão definido de frase; contudo, podemos identificá-la em três tipos distintos de

construção:

a. quando se compõe de apenas uma palavra.

Exemplos:

1. Perigo!

2. Coragem!

b. quando se compõe de mais de uma palavra, dentre as quais não se verifica a presença de verbo.

Exemplos:

1. Que tempestade!

2. Quanta ingenuidade!

c. quando se compõe de mais de uma palavra, dentre as quais, um verbo ou locução verbal.

Exemplos:

1. Infelizmente, precisamos seguir viagem! [presença de verbo]

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

2. A concorrência deve determinar a redução dos nossos preços. [presença de locução

verbal]

A identificação de uma frase na situação de comunicação também se deve ao fato de

que ela é um produto da entonação, ou seja, da melodia produzida na língua oral. Dessa

forma, quando um falante constrói uma frase, ela só se realiza se houver marcas

melódicas de início e fim do enunciado. Em geral, na fala essas pausas são expressadas

através do silêncio; já no registro escrito as marcas de início são as iniciais maiúsculas

das palavras e as marcas finais, os sinais de pontuação.

Exemplos:

1. Jonas!

2. Que vexame!

3. Acordei hoje com fortes dores de cabeça.

Observe-se que nos exemplos (1) e (2) os segmentos não apresentam verbos. No

entanto, dada a entonação frasal, podemos extrair dessas construções um sentido

comunicativo completo. O contexto da comunicação e a melodia empregada pelos

falantes na produção do exemplo (1) são fundamentais para distingui-lo de uma simples

palavra sem função comunicativa. Basta imaginarmos para isso um contexto em que

alguém está chamando por uma pessoa cujo nome é "Jonas". Nesse caso, a frase (1)

poderia expressar alguma coisa como "Ei, Jonas, estou lhe chamando."

Oração é um segmento lingüístico caracterizado basicamente:

1. pela presença obrigatória do verbo (ou locução verbal), e

2. pela propriedade de se tornar, ela mesma, um objeto de análise sintática

A maioria dos gramáticos da língua portuguesa costuma atribuir à oração uma qualidade

discursiva bastante particular que é a de expressar um conteúdo informativo na forma de

uma construção dotada de verbo. Independentemente de essa construção expressar um

sentido acabado no discurso oral ou escrito, o verbo torna-se fundamental para

caracterizar a oração; por isso, a determinação de que o verbo é o núcleo de uma

oração. Vejamos alguns exemplos:

1. Gabriel toca sanfona maravilhosamente.

...[toca: verbo]

...[enunciado em forma de oração com sentido acabado]

2. portanto, traz felicidade.

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

...[traz: verbo]

...[enunciado em forma de oração sem sentido acabado]

Nesses dois exemplos observamos ora a expressão de um conteúdo comunicativo

completo ora a ausência desse enunciado significativo. No entanto, em nenhum dos

casos podemos notar a falta do verbo.

As orações são, além disso, construções que, por contarem com um esquema discursivo

definido, podem ser analisadas sintaticamente. Isto é, existindo oração pressupõe-se

também a existência de uma organização interna entre os seus elementos constituintes –

os termos da oração – que se reúnem em torno do verbo. A esse tipo de exercício

chamamos análise sintática, da qual a gramática da língua costuma abstrair as diversas

classificações das orações.

É importante, portanto, conhecer outras particularidades das orações:

· termos da oração

Para os fins de análise ou, mais modernamente, no uso comum dos termos, costuma-se

empregar equivocadamente a palavra sentença em lugar de oração e também de frase.

Trata-se de uma tradução imperfeita da noção inglesa de período: no inglês o termo

phrase refere-se em português a sintagma ; o termo clause, a "oração", e sentence, a

"período".

Os termos da oração da língua portuguesa são classificados em três grandes níveis:

Termos essencias da oração:

sujeito predicado

Termos integrantes da oração

complemento nominal

Logaritmos

complementos verbais:

 objeto direto

 objeto indireto

 predicativo do objeto

 agente da passiva

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

Termos acessórios da oração:

adjunto adnominal adjunto adverbial

aposto vocativo

Sujeito é um dos temos essenciais da oração. Tem por características básicas:

· estabelecer concordância com o núcleo do sintagma verbal

· apresentar-se como elemento determinante em relação ao predicado

· constituir-se de um substantivo, ou pronome substantivo ou, ainda, qualquer palavra

substantivada

O sujeito só é considerado no âmbito da análise sintática, isto é, somente na organização

da sentença é que uma palavra (ou um conjunto de palavras) pode constituir aquilo que

chamamos sujeito. Nesse sentido, é equivocado dizer que o sujeito é aquele que pratica

uma ação ou é aquele (ou aquilo) do qual se diz alguma coisa. Ao fazer tal afirmação

estamos considerando o aspecto semântico do sujeito (agente de uma ação) ou o seu

aspecto estilístico (o tópico da sentença). Já que o sujeito é depreendido de uma análise

sintática, vamos restringir a definição apenas ao seu papel sintático na sentença: aquele

que estabelece concordância com o núcleo do predicado. Quando se trata de predicado

verbal, o núcleo é sempre um verbo; sendo um predicado nominal, o núcleo é sempre

um nome.

Exemplos:

1. A padaria está fechada hoje.

...[está fechada hoje: predicado nominal]

...[fechada: nome adjetivo = núcleo do predicado]

...[fechada: nome feminino singular]

...[a padaria: sujeito]

...[núcleo do sujeito: nome feminino singular]

2. Nós mentimos sobre nossa idade para você.

...[mentimos sobre nossa idade para você: predicado verbal]

...[mentimos: verbo = núcleo do predicado]

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

...[mentimos: primeira pessoa do plural]

...[nós: sujeito]

...[sujeito: primeira pessoa do plural]

A relação de concordância é, por excelência, uma relação de dependência, na qual dois

(ou mais) elementos se harmonizam. Um desses elementos é chamado determinado (ou

principal) e o outro, determinante (subordinado). No interior de uma sentença, o sujeito

é o termo determinante, ao passo que o predicado é o termo determinado. Essa posição

de determinante do sujeito em relação ao predicado adquire sentido com o fato de ser

possível, na língua portuguesa, uma sentença sem sujeito, mas nunca uma sentença

sem predicado.

Exemplos:

1. As formigas invadiram minha casa.

...[as formigas: sujeito = termo determinante]

...[invadiram minha casa: predicado = termo determinado]

2. Há formigas na minha casa.

...[há formigas na minha casa: predicado = termo determinado]

...[sujeito: inexistente]

O sujeito sempre se manifesta em termos de sintagma nominal , isto é, seu núcleo é

sempre um nome. Quando esse nome se refere a objetos das primeira e segunda pessoas,

o sujeito é representado por um pronome pessoal do caso reto (eu, tu, ele, etc.). Se o

sujeito se refere a um objeto da terceira pessoa, sua representação pode ser feita através

de um substantivo, de um pronome substantivo ou de qualquer conjunto de palavras,

cujo núcleo funcione, na sentença, como um substantivo.

Exemplos:

1. Eu acompanho você até o guichê.

...[eu: sujeito = pronome pessoal de primeira pessoa]

2. Vocês disseram alguma coisa?

...[vocês: sujeito = pronome pessoal de segunda pessoa]

3. Marcos tem um fã-clube no seu bairro.

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

...[Marcos: sujeito = substantivo próprio]

4. Ninguém entra na sala agora.

...[ninguém: sujeito = pronome substantivo]

5. O andar deve ser uma atividade diária.

...[o andar: sujeito = núcleo: verbo substantivado nessa oração]

Além dessas formas, o sujeito também pode se constituir de uma oração inteira. Nesse

caso, a oração recebe o nome de oração substantiva subjetiva:

É difícil optar por esse ou aquele doce...

...[É difícil: oração principal]

...[optar por esse ou aquele doce: oração subjetiva = sujeito oracional]

É importante conhecer outras particularidades do sujeito:

sujeito posposto

Predicado é um dos termos essenciais da oração. Tem por características básicas:

· apresentar-se como elemento determinado em relação ao sujeito

· apontar um atributo ou acrescentar nova informação ao sujeito

Assim como o sujeito, o predicado é um segmento extraído da estrutura interna das

orações ou das frases, sendo, por isso, fruto de uma análise sintática. Isso implica dizer

que a noção de predicado só é importante para a caracterização das palavras em termos

sintáticos. Nesse sentido, o predicado é sintaticamente o segmento lingüístico que

estabelece concordância com outro termo essencial da oração – o sujeito -, sendo este o

termodeterminante (ou subordinado) e o predicado o termo determinado (ou principal).

Não se trata, portanto, de definir o predicado como "aquilo que se diz do sujeito" como

fazem certas gramáticas da língua portuguesa, mas sim estabelecer a importância do

fenômeno da concordância entre esses dois termos essenciais da oração.

Exemplos:

1. Carolina conhece os índios da Amazônia.

...[sujeito: Carolina = termo determinante]

...[predicado: conhece os índios da Amazônia = termo determinado]

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

...[Carolina: 3ª pessoa do singular = conhece: 3ª pessoa do singular]

2. Todos nós fazemos parte da quadrilha de São João.

...[sujeito: todos nós = termo determinante]

...[predicado: fazemos parte da quadrilha de São João = termo determinado]

...[Todos nós: 1ª pessoa do plural = fazemos parte: 1ª pessoa do plural]

Nesses exemplos podemos observar que a concordância é estabelecida entre algumas

poucas palavras dos dois termos essenciais. Na frase (1), entre "Carolina" e "conhece";

na frase (2), entre "nós" e "fazemos". Isso se dá porque a concordância é centrada nas

palavras que são núcleos, isto é, que são responsáveis pela principal informação naquele

segmento. No predicado o núcleo pode ser de dois tipos: um nome, quase sempre um

atributo que se refere ao sujeito da oração, ou um verbo (ou locução verbal). No

primeiro caso, temos um predicado nominal e no segundo um predicado verbal.

Quando, num mesmo segmento o nome e o verbo são de igual importância, ambos

constituem o núcleo do predicado e resultam no tipo de predicado verbo-nominal.

Exemplos:

1. Minha empregada é desastrada.

...[predicado: é desastrada]

...[núcleo do predicado: desastrada = atributo do sujeito]

...[tipo de predicado: nominal]

2. A empreiteira demoliu nosso antigo prédio.

...[predicado: demoliu nosso antigo prédio]

...[núcleo do predicado: demoliu = nova informação sobre o sujeito]

...[tipo de predicado: verbal]

3. Os manifestantes desciam a rua desesperados.

...[predicado: desciam a rua desesperados]

...[núcleos do predicado: 1. desciam = nova informação sobre o sujeito; 2. desesperados

= atributo do sujeito]

...[tipo de predicado: verbo-nominal]

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

Nos predicados verbais e verbo-nominais o verbo é responsável também por definir os

tipos de elementos que aparecerão no segmento. Em alguns casos o verbo sozinho basta

para compor o predicado (verbo intransitivo). Em outros casos é necessário um

complemento que, juntamente com o verbo, constituem a nova informação sobre o

sujeito. De qualquer forma, esses complementos do verbo não interferem na tipologia

do predicado. São elementos que constituem os chamados termos integrantes da oração.

Dá-se o nome de complemento nominal ao termo que complementa o sentido de um

nome ou um advérbio, conferindo-lhe uma significação completa ou, ao menos, mais

específica.

Como o complemento nominal vem integrar-se ao nome em busca de uma significação

extensa para nome ao qual se liga, ele compõe os chamados termos integrantes da

oração.

São duas as principais características do complemento nominal:

- sempre seguem um nome, em geral abstrato;

- ligam-se ao nome por meio de preposição, sempre obrigatória.

Os complementos nominais podem ser formados por substantivo, pronome, numeral ou

oração subordinada completiva nominal.

Exemplos:

1. Meus filhos têm loucura por futebol.

...[substantivo]

2. O sonho dele era saltar de pára-quedas.

...[pronome]

3. A vitória de um é a conquista de todos.

...[numeral]

4. O medo de que lhe furtassem as jóias a mantinha afastada daqui.

...[oração subordinada completiva nominal]

Em geral os nomes que exigem complementos nominais possuem formas

correspondentes a verbos transitivos, pois ambos completam o sentido de outro termo.

São exemplos dessa correlação:

- obedecer aos paisÞobediência aos pais

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

- chegar em casaÞchegada em casa

- entregar a revista à amigaÞentrega da revista à amiga

- protestar contra a opressãoÞprotesto contra a opressão

Do ponto de vista da sintaxe, objeto direto é o termo que completa o sentido de um

verbo transitivo direto, por isso, é complemento verbal, na grande maioria dos casos,

não preposicionado. Do ponto de vista da semântica, o objeto direto é:

- o resultado da ação verbal, ou

- o ser ao qual se dirige a ação verbal, ou

- o conteúdo da ação verbal.

O objeto direto pode ser formado por um substantivo, pronome substantivo, ou mesmo

qualquer palavra substantivada. Além disso, o objeto direto pode ser constituído por

uma oração inteira que complemente o verbo transitivo direto da oração dita principal.

Nesse caso, a oração recebe o nome de oração subordinada substantiva objetiva direta.

Exemplos:

1. O amor de Mariana transformava a minha vida.

...[transformava: verbo transitivo direto]

...[a minha vida: objeto direto]

...[núcleo: vida = substantivo]

2. Conserve isto na tua memória: vou partir em breve.

...[conserve: verbo transitivo direto]

...[isso: objeto direto = pronome substantivo]

3. Não prometa mais do que possa cumprir depois.

...[prometa: verbo transitivo direto]

...[mais do que possa cumprir depois: oração subordinada substantiva objetiva direta]

Os objetos diretos são constituídos por nomes como núcleos do segmento. A noção de

núcleo torna-se importante porque, num processo de substituição de um nome por um

pronome deve-se procurar por um pronome de igual função gramatical do núcleo. No

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

exemplo (1) acima verificamos um conjunto de palavras formando o objeto direto (a

minha vida), dentre as quais apenas uma é núcleo (vida = substantivo). Podemos

transformar esse núcleo substantivo em objeto direto formado por pronome oblíquo, que

é um tipo de pronome substantivo. Além disso, nesse processo de substituição, devemos

ter claro que o pronome ocupará o lugar de todo o objeto direto e não só do núcleo do

objeto. Vejamos um exemplo dessa representação:

O amor de Mariana transformava a minha vida.

O amor de Mariana a transformava.

Os pronomes oblíquos átonos (me, te, o, a, se, etc.) funcionam sintaticamente como

objetos diretos. Isso implica dizer que somente podem figurar nessa função de objeto e

não na função de sujeito, por exemplo. Porém algumas vezes os pronomes pessoais

retos (eu, tu, ele, etc.) ou pronome oblíquo tônico (mim, ti, ele, etc.) são chamados a

constituir o núcleo dos objetos diretos. Nesse caso, o uso da preposição se torna

obrigatório e, por conseqüência, tem-se um objeto direto especial: objeto direto

preposicionado.

Exemplos:

1. Ame ele que é teu irmão. [Inadequado]

Ame-o que é teu irmão. [Adequado]

2. Você chamou eu ao teu encontro? [Inadequado]

Você me chamou ao teu encontro? [Adequado]

...[me: pronome oblíquo átono = sem preposição]

Você chamou a mim ao teu encontro? [Adequado]

...[a mim: pronome oblíquo tônico = com preposição]

Do ponto de vista da sintaxe, objeto indireto é o termo que completa o sentido de um

verbo transitivo indireto e vem sempre acompanhado de preposição. Do ponto de vista

da semântica, o objeto indireto é o ser ao qual se destina a ação verbal.

O objeto indireto pode ser formado por substantivo, ou pronome substantivo, ou

numeral, ou ainda, uma oração substantiva objetiva indireta. Em qualquer um desses

casos, o traço mais importante e característico do objeto indireto é a presença da

preposição.

Exemplo:

1. A cigana pedia dinheiro a moça. [Inadequado]

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

A cigana pedia dinheiro à moça.[Adequado]

...[pedia = verbo transitivo direto e indireto]

...[dinheiro = objeto direto]

...[à moça = destinatário da ação verbal = objeto indireto]

O objeto indireto pode ser representado por um pronome. Como o núcleo do objeto é

sempre um nome, é possível substituí-lo por um pronome. Nesse caso, um pronome

oblíquo, já que se trata de uma posição de complemento verbal e não de sujeito da

oração. O único pronome que representa o objeto indireto é o pronome oblíquo átono

lhe(s) – pronome de terceira pessoa. Os pronomes indicativos das demais pessoas

verbais são sempre acompanhados de preposição.

Exemplos:

1. Ela contava a seu pai como fora o seu dia na escola.

2. Ela lhe contava como fora o seu dia na escola.

3. Todos dariam ao padre a palavra final.

4. Todos dar-lhe-iam a palavra final.

5. Responderam a Fátima com delicadeza.

6. Responderam a mim com delicadeza.

Não é difícil confundir objeto indireto e adjunto adverbial, pois ambos os termos são

construídos com preposição. Uma regra prática para se determinar o objeto indireto e

até mesmo o identificar na oração é indagar ao verbo se ele necessita de algum

complemento preposicionado. Esse complemento será:

1) Adjunto adverbial, se estiver expressando um significado adicional, como lugar,

tempo, companhia, modo e etc.

2) Objeto indireto, se estiver apenas completando o sentido do verbo, sem acrescentar

outra idéia à oração.

Exemplos:

1. Ele sabia a lição de cor.[Adjunto adverbial "de modo"]

2. Ele se encarregou do formulário.[Objeto indireto]

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

Predicativo do Objeto

É o termo ou expressão que complementa o objeto direto ou o objeto indireto,

conferindo-lhe um atributo.

O predicativo do objeto apresenta duas características básicas:

 acompanha o verbo de ligaçãoimplícito;

 pertence ao predicado verbo-nominal.

A formação do predicativo do objeto é feita através de um substantivo ou um adjetivo.

Exemplos:

1. O vilarejo finalmente elegeu Otaviano prefeito.

...[objeto: Otaviano]

...[predicativo: substantivo]

2. Os policiais pediam calma absoluta.

...[objeto: calma]

...[predicativo: adjetivo]

3. Todos julgavam-no culpado.

...[objeto: no]

...[predicativo: adjetivo]

Alguns gramáticos admitem o predicativo do objeto em orações com verbos transitivos

indiretos tais como crer, estimar, julgar, nomear, eleger. Em geral, porém, a ocorrência

do predicativo do objeto em objetos indiretos se dá somente com o verbo chamar, com

sentido de "atribuir um nome a".

Exemplo:

1. Chamavam-lhe falsário, sem notar-lhe suas verdades.

Agente da Passiva

É o termo da oração que complementa o sentido de um verbo na voz passiva,

indicando-lhe o ser que praticou a ação verbal.

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

A característica fundamental do agente da passiva é, pois, o fato de somente existir se a

oração estiver na voz passiva. Há três vozes verbais na nossa língua: a voz ativa, na qual

a ênfase recai na ação verbal praticada pelo sujeito; a voz passiva, cuja ênfase é a ação

verbal sofrida pelo sujeito; e a voz reflexiva, em que a ação verbal é praticada e

sofrida pelo sujeito. Nota-se, com isso, que o papel do sujeito em relação à ação verbal

está em evidência.

Na voz ativa o sujeito exerce a função de agente da ação e o agente da passiva não

existe. Para completar o sentido do verbo na voz ativa, este verbo conta com outro

elemento – o objeto (direto). Na voz passiva, o sujeito exerce a função de receptor de

uma ação praticada pelo agente da passiva. Por conseqüência, é este mesmo agente da

passiva que complementa o sentido do verbo neste tipo de oração, substituindo o objeto

(direto).

Exemplo:

O barulho acordou toda a vizinhança. [oração na voz ativa]

...[o barulho: sujeito]

...[acordou: verbo transitivo direto = pede um complemento verbal]

...[toda a vizinhança: ser para o qual se dirigiu a ação verbal = objeto direto]

Toda a vizinhança foi acordada pelo barulho. [oração na voz passiva]

...[toda a vizinhança: sujeito]

...[foi: verbo auxiliar / acordada: verbo principal no particípio]

...[pelo barulho: ser que praticou a ação = agente da passiva]

O agente da passiva é um complemento exigido somente por verbos transitivos diretos

(aqueles que pedem um complemento sem preposição). Esse tipo de verbo, em geral,

indica uma ação (em oposição aos verbos que exprimem estado ou processo) que, do

ponto de vista do significado, é complementada pelo auxílio de outro termo que é o seu

objeto (em oposição aos verbos que não pedem complemento: os verbos intransitivos).

Como vimos, na voz passiva o complemento do verbo transitivo direto é o agente da

passiva; já na voz ativa esse complemento é o objeto direto. Nas orações com verbos

intransitivos, então, não existe agente da passiva, porque não há como construir

sentenças na voz passiva com verbos intransitivos.

Observe:

1. Karina socorreu os feridos.

...[verbo transitivo direto na voz ativa]

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

2. Os feridos foram socorridos por Karina

...[verbo transitivo direto na voz passiva]

3. Karina gritou.

...[verbo intransitivo na voz ativa]

4. Karina foi gritada. (sentença inaceitável na língua)

...[verbo intransitivo na voz passiva]

*Os feridos: objeto direto em (1) e sujeito em (2)

Karina: sujeito em (1) e agente da passiva em (2)

A oração na voz passiva pode ser formada através do recurso de um verbo auxiliar (ser,

estar). Nas construções com verbo auxiliar, costuma-se explicitar o agente da passiva,

apesar de ser este um termo de presença facultativa na oração. Em orações cujo verbo

está na terceira pessoa do plural, é muito comum ocultar-se o agente da passiva. Isso se

justifica pelo fato de que, nessas situações, o sujeito pode ser indeterminado na voz

ativa. Porém mesmo nesses casos, a ausência do agente é fruto da liberdade do falante.

Exemplos:

1. Os visitantes do zoológico foram atacados pelos bichos.

...[foram: verbo auxiliar / passado do verbo "ser"]

...[pelos bichos: agente da passiva]

2. Nossas reivindicações são simplesmente ignoradas.

...[são: verbo auxiliar / presente do verbo "ser"]

...[agente da passiva: ausente]

3. Cercaram a cidade. [voz ativa com sujeito indeterminado]

A cidade está cercada.

...[está: verbo auxiliar / presente do verbo "estar"]

...[agente da passiva: ausente]

A cidade está cercada pelos inimigos.

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

...[pelos inimigos: agente da passiva]

O agente da passiva é mais comumente introduzido pela preposição por (e suas

variantes: pelo, pela, pelos, pelas). É possível, no entanto, encontrar construções em que

o agente da passiva é introduzido pelas preposições de ou a.

Exemplos:

1. O hino será executado pela orquestra sinfônica.

...[pela orquestra sinfônica: agente da passiva]

2. O jantar foi regado a champanhe.

...[a champanhe: agente da passiva]

3. A sala está cheia de gente.

...[de gente: agente da passiva]

Adjunto Adnominal

É a palavra ou expressão que acompanha um ou mais nomes conferindo-lhe um

atributo. Trata-se, portanto, de um termo de valor adjetivo que modificará o nome a

que se refere.

Assista aula multimídia sobre Adjunto Adnominal.

Os adjuntos adnominais não determinam ou especificam o nome, tal qual os

determinantes. Ao invés disso, eles conferem uma nova informação ao nome e por isso

são chamados de modificadores.

Além disso, os adjuntos adnominais não interferem na compreensão do enunciado. Por

esse motivo, eles pertencem aos chamados termos acessórios da oração.

Os adjuntos adnominais podem ser formados por artigo, adjetivo, locução adjetiva,

pronome adjetivo, numeral e oração adjetiva.

Exemplos:

1. Nosso velho mestre sempre nos voltava à mente.

...[nosso: pronome adjetivo]

...[velho: adjetivo]

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

2. Todos querem saber a música que cantarei na apresentação.

...[a: artigo]

...[que cantarei na apresentação: oração adjetiva]

Aposto

Intervalo que explica expressão ou palavra.

Adjunto adverbial

Toda palavra (ou expressão) pertence à classe gramatical dos advérbios tem, na oração,

a função sintática de adjunto adverbial.

Exemplo:

As sugestões foram recolhidas rapidamente.

Vocativo

Apesar do nome deste conceito de análise sintática, o vocativo é um termo isolado da

oração que faz parte do seu dia-a-dia. Veja o que é e saiba como identificá-lo.

"Ó de casa, posso entrar?"

Você já deve ter ouvido essa expressão curiosa e indiscreta. Pois bem, a expressão "ó de

casa" no exemplo acima é um vocativo.

Vocativo é a expressão que indica um apelo. Usando um vocativo podemos invocar, no

discurso direto, um interlocutor. É por isso que o uso do vocativo marca a existência de

um diálogo, real ou imaginário.

Podemos ver vários exemplos de vocativos usando a interjeição ó.

6. Pontuação

Para que servem os sinais de pontuação? No geral, para representarem pausas na fala,

nos casos do ponto, vírgula e ponto-e-vírgula ou entonações, nos casos do ponto de

exclamação e de interrogação, por exemplo.

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

Além de pausa na fala e entonação na voz, os sinais de pontuação reproduzem, na

escrita, nossas emoções, intenções e anseios.

Vejamos aqui alguns empregos:

1. Vírgula (,)

É usada para:

a) separar termos que possuem mesma função sintática na oração: O menino berrou,

chorou, esperneou e, enfim, dormiu.

Nesta oração, a vírgula separa os verbos.

b) isolar o vocativo: Então, minha cara, não há mais o que se dizer!

c) isolar o aposto: O João, ex-integrante da comissão, veio assistir a reunião.

d) isolar termos antecipados, como: complemento ou adjunto:

1. Uma vontade indescritível de beber água, eu senti quando olhei para aquele copo

suado! (antecipação de complemento verbal)

2. Nada se fez, naquele momento, para que pudéssemos sair! (antecipação de adjunto

adverbial)

e) separar expressões explicativas, conjunções e conectivos: isto é, ou seja, por

exemplo, além disso, pois, porém, mas, no entanto, assim, etc.

f) separar os nomes dos locais de datas: Brasília, 30 de janeiro de 2009.

g) isolar orações adjetivas explicativas: O filme, que você indicou para mim, é muito

mais do que esperava.

2. Ponto final (.)

É usado ao final de frases para indicar uma pausa total:

a) Não quero dizer nada.

b) Eu amo minha família.

E em abreviaturas: Sr., a. C., Ltda., vv., num., adj., obs. .

3. Ponto-e-vírgula

É usado para:

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

a) separar itens enumerados:

A Matemática se divide em:

- geometria;

- álgebra;

- trigonometria;

- financeira.

b) separar um período que já se encontra dividido por vírgulas: Ele não disse nada,

apenas olhou ao longe, sentou por cima da grama; queria ficar sozinho com seu cão.

4. Dois-pontos

É usado quando:

a) se vai fazer uma citação ou introduzir uma fala:

Ele respondeu: não, muito obrigado!

b) se quer indicar uma enumeração:

Quero lhe dizer algumas coisas: não converse com pessoas estranhas, não brigue com

seus colegas, não responda a professora.

5. Aspas

São usadas para indicar:

a) citação de alguém: ―A ordem para fechar a prisão de Guantánamo mostra um início

firme. Ainda na edição, os 25 anos do MST e o bloqueio de 2 bilhões de dólares do

Oportunity no exterior‖ (Carta Capital on-line, 30/01/09)

b) expressões estrangeiras, neologismos, gírias: Nada pode com a propaganda de

―outdoor‖.

6. Reticências

São usadas para indicar supressão de um trecho, interrupção ou dar idéia de

continuidade ao que se estava falando:

a) (...) Onde está ela, Amor, a nossa casa,

O bem que neste mundo mais invejo?

O brando ninho aonde o nosso beijo

Será mais puro e doce que uma asa? (...)

b) E então, veio um sentimento de alegria, paz, felicidade...

c) Eu gostei da nova casa, mas do quintal...

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

7. Parênteses

São usados quando se quer explicar melhor algo que foi dito ou para fazer simples

indicações.

Ele comeu, e almoçou, e dormiu, e depois saiu. (o e aparece repetido e, por isso, usa-se

vírgulas).

8.Emprego do sinal indicativo de crase.

A crase surge quando uma preposição "a" se une a um artigo definido feminino "a".

Por exemplo: o verbo "ir" exige a preposição a (quem vai vai sempre a algum lugar).

Se, logo a seguir, vier um substantivo precedido de um adjetivo masculino, como "o

banco", temos: "Eu vou a + o banco", ou "Eu vou ao banco".

Porém, se o substantivo for feminino, como "a praça", temos: "Eu vou a + a praça", ou

"Eu vou aa praça". Sempre que ocorre "aa", transformamos essa partícula em "à".

Na grande maioria dos casos, quem está escrevendo pode tirar a dúvida sobre o uso da

crase substituindo a palavra após o "a" em questão por uma palavra masculina.

Assim, se eu não sei se "Esse objeto pertence a(à) loja" leva crase, devo apenas

substituir "loja" por uma palavra masculina, como: "Esse objeto pertence ao museu". Se

temos "ao", isso significa que há uma preposição "a" mais um artigo masculino "o".

Logo, no feminino, temos a mesma preposição "a" com um artigo "a". Portanto, essa

frase leva crase.

Daí podemos concluir algumas regras básicas:

 quase nunca há crase antes de uma palavra que não seja um substantivo (exceto

quando especificado nos casos especiais, abaixo)

 nunca há crase antes de uma palavra masculina

Existem ainda alguns casos especiais.

 Os pronomes demonstrativos "aquele(s)", "aquela(s)" e "aquilo" podem levar

crase se são precedidos de preposição. Assim, tanto "Vou devolver o objeto

àquela loja" quanto "Vou devolver o objeto àquele museu" levam crase, já que a

preposição exigida por "devolver" (quem devolve devolve alguma coisa a

alguém) se une à letra a inicial de "aquele(s)", "aquela(s)" ou "aquilo".

 Se, em vez de um artigo definido "a" forem utilizados artigos indefinidos ("um",

"uma", "uns", "umas") ou pronomes ("esse", "essa", "este", "esta" e seus

plurais), não acontece a junção das partículas que formam a crase, já que os

artigos indefinidos ou pronomes substituem o artigo definido, logo não há crase.

É o caso de "Ele foi a essa loja", "Os objetos pertencem a uma moradora", etc.

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

 Da mesma forma, se a preposição empregada não for "a", também não existirá

crase. Por exemplo: "Ela foi para a loja".

 Com relação a nomes próprios, faça a sua própria escolha quanto a utilizar ou

não o artigo definido antes deles. No caso de pessoas, o uso do artigo representa

um registro mais coloquial, enquanto a omissão do artigo dá um tom mais

formal. Por exemplo: "Fomos à casa da Cláudia / do Pedro", "Devolvi a bolsa à

Fernanda / ao Felipe" (menos coloquial) ou "Voltamos da casa de João / de

Lucia", "Devolvi o casaco a Ana / a Gustavo" (mais formal). Com respeito a

instituições, o uso mais tradicional é utilizar o artigo definido.

 Pode ocorrer o uso da crase antes de adjetivos que antecedem ao substantivo. No

entanto, o artigo continua se referindo ao substantivo (nesses casos, o adjetivo

poderia inclusive ser retirado sem que o sentido da frase seja alterado). Por

exemplo: "Fiz uma visita à enorme biblioteca". "Enorme" não é um substantivo,

mas o artigo está diretamente relacionado com o substantivo, e não com o artigo.

A prova disto é que o "truque" de trocar o substantivo por uma palavra

masculina continua valendo: "Fiz uma visita ao novo hospital".

 Horas levam sempre crase (às 10 horas).

 Medidas de distância não levam crase (daqui a 100 metros).

 Fazer algo à Fulano (por exemplo, uma receita culinária) leva crase. Na verdade,

essa expressão corresponde a "à moda de Fulano".

IMPORTANTE: Atenção ao fazer o "truque" de mudar a palavra após a crase para o

masculino. Mantenha sempre em mente, bem identificados, as preposições, os artigos e

os pronomes, pois nem sempre o problema será resolvido apenas com a mudança de

gênero. Por exemplo:

 Pode ocorrer de o "a" em questão continuar sendo "a", não mudar nem para "ao"

nem para "o". Isso significa que o "a" é preposição, mas não há artigo. Por

exemplo: "Ele se dedica a atividades comerciais". Se trocarmos "atividades" por

uma palavra masculina - "Ele se dedica a produtos comerciais" -, vemos que

esse "a" é o pronome exigido pelo verbo "dedicar(-se)", mas que não há

qualquer artigo antes de "atividades" ou "produtos". Nesse caso, obviamente,

não há crase.

 De forma semelhante, pode ocorrer de o "a" mudar para "o". Isso significa que

há apenas um artigo antes da palavra em questão, mas não uma preposição após

o verbo. Por exemplo: "Ele devolveu a mercadoria que encontrou". Trocando

"mercadoria" por uma palavra masculina, teríamos "Ele devolveu o objeto que

encontrou".

Finalmente, atenção! Não confunda o a, com ou sem crase, com há, do verbo haver,

como em "Ele se mudou há dez anos".

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

TESTE:

1. - Considere o seguinte período do texto para analisar os esquemas propostos

abaixo: Descumprir a lei gera o risco da punição prevista pelo Código Penal ou de

sofrer sanções civis.

A = Descumprir a lei

B = gera o risco

C = da punição prevista pelo Código Penal

D = de sofrer sanções civis

Considerando que as setas representam relações sintáticas entre as expressões

lingüísticas, assinale a opção que corresponde à estrutura do período.

a)

b)

c)

d)

e)

2.―Como ontem estivesse chovendo, tive a infeliz idéia, ao sair à rua, de

calçar velho par de galochas.‖

a) adverbial causal – adverbial temporal – substantiva completiva nominal. b) Adverbial comparativa – adverbial temporal – subst. objetiva direta. c) Adverbial causal – adverbial condicional – subst. objetiva indireta. d) Adverbial consecutiva – adverbial temporal – substantiva completiva

nominal.

e) Adverbial comparativa – adverbial condicional – subst. completiva nominal.

1. Leia atentamente o fragmento abaixo:

―( ...) A liberdade identificou-se com a idéia de consumo. Os meios de

produção, que surgiram no avanço técnico, visam ampliar o nível dos

meios de produção.‖ [ Polícia Federal 2000 ]

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

Proposição: Se fosse suprimida a vírgula que antecede a oração grifada,

seria mantida correta a pontuação e não haveria alteração da estrutura

sintática do período. V - F

Leia o seguinte texto para responder a questão 04.

A entrada dos anos 2000 tem trazido a reversão das expectativas de que haveria a

inauguração de tempos de fraternidade, harmonia e entendimento da humanidade. Os

resultados das cúpulas mundiais alimentaram esperanças que novos tempos trariam

novas perspectivas referentes à qualidade de vida e relacionamento humano em todos

os níveis. Contudo, o movimento que se observa em nível mundial sinaliza perdas

que ainda não podemos avaliar. O recrudescimento do conservadorismo e de práticas

autoritárias, efetivadas à sombra do medo, tem representado fonte de frustração dos

ideais historicamente buscados.

( Roseli Fischmann, Correio Braziliense, 26.08.2002, com adaptações )

04. Se cada período sintático do texto for representado, respectivamente,

pelas letras X, Y, W e Z, as relações semânticas que se estabelecem no

trecho correspondem às idéias expressas pelos seguintes conectivos:

a) X e Y mas W e Z b) X porque Y porém W logo Z c) X mas Y e W porque Z d) Não só X mas também Y porque W e Z e) Tanto X como Y e W embora Z

Leia o gráfico que segue para responder a questão 05.

Falta dinheiro maior produtividade

Para pesquisas das empresas

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

Obstáculos Inovações conseqüências

Tecnológicas

Falta apoio da crescimento

Iniciativa privada econômico

05. Assinale a opção que, em apenas um período sintático, dá redação textualmente

coerente e gramaticalmente correta ao desenvolvimento e à relação de idéias

sintetizadas no esquema acima, adaptado de Istoé, 19/9/2001, p. 94.

a) A falta de dinheiro para pesquisas, decorrente da falta de apoio por parte da iniciativa privada, tem como obstáculo que as inovações tecnológicas

decorrentes da maior produtividade das empresas se acresce ao

crescimento econômico.

b) Investir em inovações tecnológicas traz maior produtividade às empresas e acarreta crescimento econômico; no entanto, falta dinheiro para

pesquisas e o apoio da iniciativa privada ainda não é suficiente.

c) Sem dinheiro para pesquisas, no tanto, a falta de apoio à iniciativa privada tem por obstáculos que as inovações tecnológicas são

conseqüência do aumento da produtividade das empresas e do

crescimento econômico.

d) Apesar da falta de dinheiro e da carência de apoio da iniciativa privada, os obstáculos são superáveis. Inovações tecnológicas têm como

conseqüência crescimento econômico e – é claro – aumento da

produtividade das empresas.

e) Inovações tecnológicas provocam crescimento econômico como conseqüência do aumento da produtividade das empresas. Os obstáculos,

no entanto, vêm da iniciativa privada, que não têm verba.

GABARITO DO TESTE:

1) A 2) A 3) Falso 4) A 5) B

8 Pontuação.

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

É o conjunto de sinais gráficos que indicam na escrita as pausas da linguagem oral

Vírgula ( , )

Pré-requisitos para o estudo da vírgula

Dizemos que os termos de uma oração estão em Ordem Direta quando eles se

dispõem na seguinte progressão:

Sujeito ** verbo ** complemento do verbo ** adjunto adverbial.

Dizemos que há Ordem Indireta sempre que a progressão acima for alterada. Se,

por exemplo, colocarmos o adjunto adverbial antes do sujeito ou entre o sujeito e o

verbo, teremos um caso de ordem indireta.

Como se pode ver pelos exemplos acima, nem sempre os termos da oração

ocorrem dispostos em ordem direta:

- há inversões;

- há intercalações;

- pode haver omissão escrita, comumente esses fenômenos são marcados por

vírgulas.

É preciso não incorrer numa pressuposição enganosa: que toda a pausa na língua

oral corresponde a uma vírgula na escrita. Se assim fosse, para o uso da vírgula,

poderíamos confiar cegamente na intuição e não precisaríamos estudar regra alguma.

É verdade que muitas pausas da língua oral correspondem a vírgula na escrita,

mas a implicação não é necessária, sobretudo porque:

- a língua oral é mais livre de convenções e mais sujeita à individualidade do

falante.

- a língua escrita é mais conservadora e mais apegada a usos adquiridos ao longo

de uma tradição.

Disso decorre que:

a) pode haver pausas na língua oral que não são marcadas por vírgula na escrita

Note que entre o sujeito e o predicado não se usa vírgula, embora, na fala, possa

haver uma pausa, sobretudo quando o sujeito tem alguma extensão.

b) pode haver vírgulas na escrita que não correspondem a pausa na língua oral.

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

Uso da vírgula entre os termos da oração

Casos em que não se usa a vírgula:

1) Entre sujeito e predicado:

Ex: Todos os componentes da mesa recusaram a proposta.

2) Entre o verbo e seus complementos:

Ex: O trabalho custou sacrifício aos realizadores.

3) Entre o nome e o complemento nominal e adjunto adnominal:

Ex: A intrigante resposta do mestre ao aluno despertou reações.

Casos em que se usa vírgula Para marcar intervalação

1) Do adjunto adverbial:

Ex.: Ele, com razão, sustenta opinião contrária.

2) Da conjução:

Ex.: Não há, portanto, nenhum risco no negócio.

3) Das expressões explicativas ou corretivas:

Ex.: Todos se omitiram, isto é, colaboraram com os adversários.

Para marcar inversões

4) Do adjunto adverbial (no início da oração):

Ex.: Por cautela, deixamos um depósito.

Obs.: no caso pode-se omitir a vírgula, a menos que o adjunto adverbial tenha

certa extensão.

5) Do complemento pleonástico antecipado ao verbo:

Ex.: Casos mais importantes, já os apresentei.

6) Do nome de lugar antecipado à datas:

Ex.: São Carlos, 10 de setembro de 1988.

7) Para separar termos coordenados (em enumeração):

Ex.: O livro estava sujo, rasgado, imprestável.

8) Para marcar elipse do verbo:

Ex.: Nós trabalhamos com fatos; vocês, com hipóteses.

Para isolar

9) O vocativo:

Ex.: Não demores tanto, meu filho.

10) O aposto:

Ex.: O tempo, nosso inimigo, foge rápido.

Uso da vírgula entre as orações do período

11) Subordinadas Substantivas:

Não se separam da oração principal através de vírgula. Faz exceção a substantiva

apositiva, que se separa por dois pontos ou por vírgula.

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

12) Subordinadas Adjetivas:

- A adjetiva não se separa da principal através de vírgula.

obs.: pode ocorrer vírgula depois da oração subordinada adjetiva restritiva

sobretudo se ela tem certa extensão ou se termina por um verbo contínuo ao da oração

seguinte.

- A adjetiva explicativa vem sempre isolada entre vírgulas.

13) Subordinadas adverbiais:

Sempre é correto o uso da vírgula entre as subordinadas adverbiais e a oração

principal.

Ex.: Ainda que a situação tenha sido adversa, conseguimos bom resultado.

14) Orações Coordenadas Assindéticas:

Separam-se por vírgula entre si.

15) Orações Coordenadas Sindéticas:

As coordenadas sindéticas, exceto as aditivas iniciadas por e, separam-se por

vírgula. Ex.:

Obs.: As coordenadas sindéticas introduzidas pela conjunção e podem separar-se

por vírgula nos seguintes casos:

- Se os sujeitos forem diferentes.

- Se o e vier repetido várias vezes a título de ênfase. Ex.: E falou, e pediu, e

insistiu.

16) Orações Intercaladas:

Separam-se por vírgulas.

Obs.: A oração intercalada pode vir também separada pelo duplo travessão e por

parênteses.

ponto Final ( . )

1) nas abreviaturas:

Sr. (senhor), d.c. (depois de Cristo), pág. (página);

2) no final de um período:

Mestre João morava no mar.

Ponto e vírgula ( ; )

O ponto e vírgula é um sinal de pontuação usado para indicar uma pausa maior

que a vírgula e emprega-se:

1) para separar as partes de um período:

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

"Os olhos negros e inquietos pareciam garotos travessos em hora de recreio; os

braços gesticulavam a cada palavra; e o corpo torcia-se pelos bancos e pelas carteiras da

sala..." (Viriato Corrêa)

2) para separar os itens de uma lei, de um decreto, de uma seqüência:

"A história da ortografia portuguesa pode dividir-se em três períodos:

a) o fonético, que coincide com a fase arcaica da Língua, vai até o século XVI;

b) o pseudo-etimológico, inaugurado no Renascimento, estende-se até os primeiros

anos do século XX;

c) o histórico-científico, que se inicia com a adoção da chamada "nova ortografia",

começa em 1911."

(Rocha Lima)

Dois pontos ( : )

Os dois pontos indicam uma acentuada suspensão da voz na frase e emprega-se:

1) Para anunciar a fala dos personagens nas histórias de ficção:

Ouvindo passos no corredor, abaixei a voz: - olha, menino cuidado.

2) Antes de uma citação:

Repetia as palavras do pai: o mundo, sem a selva, será triste e mau.

3) Antes de certos apostos, principalmente nas enumerações:

Tudo ameaçava as plantações: vento, enchentes, geadas, bichos.

4) Antes de orações apositivas:

A verdadeira causa das guerras é esta: os homens se esquecem de Deus.

5) Para indicar um esclarecimento, um resultado ou resumo do que se disse:

Guardo o mundo na mão: não sei se sou feliz.

Ponto de exclamação ( ! )

O ponto de exclamação indica estado emocional:

Coitado do papai!

Dizem que é tão perigoso!

Travessão ( - )

É um traço grande usado:

1) Nos diálogos, para indicar mudança de interlocultor, ou simplesmente, início de

fala de um personagem:

- Você é daqui mesmo? perguntei.

2) Para separar expressões ou frases explicativas ou apositivas:

Berço de um mundo novo - o promontório dorme.

3) Para isolar palavras ou orações para as quais se deseja chamar a atenção do leitor:

Acresce que chovia - peneirava - uma chuvinha miúda, triste e constante.

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

4) Para ligar palavras em cadeia de um intinerário:

A via férrea São Paulo - Sorocaba.

Aspas ( " " )

As aspas são empregadas para chamar a atenção... São usadas para:

1) Assinalar transcrições:

"Caminhavam dois burros, um com carga de açúcar, outro com carga de

esponjas‖. "(Monteiro Lobato)

2) Pôr palavras em evidências:

O rapaz "caiu das nuvens" ao saber o que acontecera.

3) Assinalar palavras estrangeiras, termos de gíria, títulos de obras literárias ou

artísticas, jornais, enfim, tudo que merece um destaque:

"Le Cid", de Corneille, é para mim um lembrança...

O "Liberdade" nunca foi o que ora se chama uma folha "amarela".

Colchetes ( [ ] )

Os colchetes têm a mesma finalidade que os parênteses; todavia, seu uso se

restringe aos escritos de cunho científico ou religioso:

Cada um colhe [ conforme semeia].

Asterisco ( * )

palavra que significa estrelinha, é usado:

1) Para remeter uma nota ou explicação ao pé da página ou no fim de um capítulo.

2) no lugar de um nome próprio que não se quer declinar:

o Dr.*, o jornal***.

Parágrafo ( § )

Este sinal gráfico é empregado, em geral, para indicar um item de um texto ou

artigo de lei.

Chave ( { ) ou chaves ({ } )

A chave é muito usada para dividir um assunto.

As chaves são muito empregadas em matemática.

Barra ( / )

A barra é muito empregada em abreviações das datas e em algumas abreviaturas.

Questões

01 Dê o plural de: o pé-de-moleque ; a couve-flor ; o curto-circuito ; o guarda-civil

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

A) os pés-de-moleque; as couves-flores; os curtos-circuitos; os guardas-civis

B) os pés-de-moleques; as couves-flor; os curtos-circuitos; os guardas-civis

C) os pés-de-moleque; as couve-flores; os curto-circuitos; os guarda-civis

D) os pés-de-moleque; as couve-flor; os curto-circuitos; os guardas-civil

E) os pés-de-moleques; as couve-flores; os curtos-circuito; os guarda-civis

02 Identifique a alternativa cujos substantivos flexionam o gênero de uma mesma

maneira:

A) pianista ; testemunha ; dentista

B) pessoa ; artista ; jacaré

C) mártir ; criança ; cientista

D) cobra ; peixe ; onça

E) cônjuge ; vítima ; cliente

03 Que frase não apresenta concordância nominal?

A) Escolheram má hora e lugar para a manifestação.

B) A criança vestia uma blusa verde-clara.

C) Estou quites com meus compromissos.

D) Seguem anexos os bilhetes aéreos.

E) A justiça declarou culpados o réu e a ré.

04 Qual a alternativa cuja concordância nominal está correta?

A) Nem uma nem outra maneiras me agradam.

B) Há uma e outra frutas podres.

C) Guardou bastante moedas de prata.

D) Cerveja é boa para a saúde.

E) Não apareceu no terceiro e no quarto dia.

05 Encontre a alternativa que apresenta erro de concordância do verbo SER:

A) Da cidade à ilha é uma hora e quarenta minutos.

B) Amanhã devem ser dez de maio.

C) Isso são águas passadas.

D) Dois mais dois é quatro.

E) Era uma vez oito princesas.

06 Ache a alternativa que se completa corretamente com apenas uma das formas verbais

entre parênteses:

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

A) Uma porção de folhas (sumiu / sumiram).

B) A maior parte dos carros (eram brancos / era branca).

C) Mais de um carro (enguiçou / enguiçaram).

D) 50% da turma (é incapaz / são incapazes) de pensar.

E) Quando apareceu, (era / eram) perto de sete horas.

07 Marque onde há erro na regência do verbo:

A) Ele chegou na cidade ontem à noite.

B) Eu o vi ontem, no cinema.

C) Obedeça às minhas ordens.

D) Informei os amigos sobre a carta.

E) Paga o que deve aos teus funcionários.

08 Que frase apresenta erro na regência nominal?

A) Ninguém está imune a influências.

B) Ela já está apta para dirigir.

C) Tinha muita consideração por seus pais.

D) Ele revela muita inclinação com as artes.

E) Era suspeito de ter assaltado a loja.

09 Indique a frase que não se completa corretamente com a:

A) Fique atento __ essas explicações.

B) Vizinho __ nós moravam portugueses.

C) Resido __ Rua do Ouro.

D) Ela tem horror __certos animais.

E) Ele ficou insensível __ nossos apelos.

10 Ache a frase onde o sinal indicador da crase foi usado inadequadamente:

A) Ela acedeu à reclamação da mãe.

B) Todos aspiram às delícias do paraíso.

C) Eles chegaram à cidade de Olinda.

D) Quero muito à crianças e velhos.

E) Respondam às cartas que chagaram.

11 Assinale a alternativa onde ocorre erro de pontuação.

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

A) ( )Os pássaros, sempre, voltam para os ninhos.

B) Na semana passada, os meninos deixaram seus brinquedos no parque.

C) Se não estivesse chovendo, teria ido ao cinema.

D) Manoel, o padeiro, quebrou a perna e não veio hoje.

E) São Paulo, 20 de novembro de 1999.

12 Na frase Quem deseja sua ajuda em semelhante situação ?, as palavras destacadas

são, respectivamente, pronomes:

A) interrogativo - possessivo - demonstrativo

B) indefinido - possessivo - demonstrativo

C) indefinido - relativo - oblíquo

D) indefinido - possessivo - relativo

E) interrogativo - possessivo - indefinido

13 Indique a única alternativa que apresenta erro na acentuação gráfica em uma das

palavras.

A) mártir - freguês - pólen

B) calvície - têxteis - ânsia

C) incrível - tênue - cárie

D) sêmen - armazém - ítem

E) vírus - órfão - vácuo

14 Assinale a alternativa onde o verbo pôr está conjugado na 1ª pessoa do plural do

pretérito imperfeito do modo indicativo.

A) pomos.

B) púnhamos

C) pusemos

D) ponhamos

E) pusermos

15 Na frase Este é o perfume de que mais gosto, a palavra que é classificada

morfologicamente como:

A) substantivo

B) advérbio

C) pronome relativo

D) preposição

E) conjunção subordinada

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

16 O plural do substantivo composto está incorreto na alternativa:

A) o leva-e-traz - os leva-e-traz

B) a manga-rosa - as mangas-rosa

C) o beija-flor - os beija-flores

D) o guarda florestal - os guarda-florestais

E) o primeiro-ministro - os primeiros-ministros

17 Ocorre erro de concordância nominal na alternativa:

A) No livro de registros faltava a folha duzentos.

B) É necessária segurança para se viver bem.

C) A janela estava meio aberta.

D) Eu e você estamos quites.

E) Os policiais estavam alerta.

18 Assinale a frase que apresenta erro de ortografia.

A) A feijoada foi preparada na tigela de barro.

B) O cliente deu uma boa gorjeta ao garçom.

C) Laura não gosta de licor de jenipapo.

D) Fizeram uma delicioso prato com beringela.

E) Aceitamos sua sugestão.

19 Na frase A loja ficou repleta de clientes, o termo destacado é:

A) objeto direto

B) agente da passiva

C) complemento nominal

D) objeto indireto

E) complemento verbal

20 Em qual das alternativas abaixo ambas as palavras apresentam 8 letras e 6 fonemas ?

A) gasolina - cochicho

B) passarela - passeata

C) assessor - guitarra

D) salsicha - caridade

E) bochecha - oclusiva

GABARITO

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

1 – A

2 – D

3 – C

4 – E

5 – D

6 – C

7 – A

8 – D

9 – C

10 – D

11 – A

12 – A

13 – D

14 – B

15 – C

16 – D

17 – B

18 – D

19 – C

20 – C

TEXTO – EMPRESAS ACOMPANHAM O RESTO DA SOCIEDADE

Toni Marques

À medida que a cultura pop divulga bem-sucedidos personagens que são tatuados –

atletas, cantores, modelos e atores – maior é a chance de as sociedades ocidentais

passarem a aceitar a tatuagem como um adorno tão corriqueiro quanto brincos em

orelhas furadas.

Com elas, as orelhas, aconteceu o mesmo. Houve tempo e lugar em que mulher de

orelha furada não era digna da atenção das pessoas de bem, dada a relação que tais

pessoas estabeleciam entre a mulher e indígenas diversos. Foi assim na Grã-Bretanha,

onde tatuagem, desde o século XIX, é símbolo de orgulho imperial, patriótico e

religioso. Até a década de 50, lá ainda se discutia se mulher podia ou não furar a orelha,

muito embora o povo soubesse que o rei Eduardo VII foi tatuado, assim como seus dois

filhos, um deles também monarca.

A aceitação da tatuagem nas classes médias do Ocidente se deu a partir do movimento

hippie. [....] O mundo corporativo tende a acompanhar o resto da sociedade nessa

matéria. Afinal, a estrelinha que Giselle Bundchen tem no pulso não a impediu de se

tornar a maior modelo do mundo. Do mesmo modo, o jogador de futebol Beckham tem

mais ou menos tantas tatuagens quanto tem zeros no seu salário no Real Madrid. Giselle

e Beckham sabem negociar seus talentos respectivos.

21 –

Segundo o primeiro parágrafo do texto, a aceitação da tatuagem nas sociedades

ocidentais:

A) é maior entre as pessoas de sucesso profissional

2009 – Cursos e Apostilas Aprovação – CNPJ 09.419.622/0001-23

www.apostilasaprovacao.com.br – www.cursosaprovacao.com

B) está em estreita relação com a cultura das pessoas

C) se relaciona com a divulgação do sucesso social de pessoas tatuadas

D) se faz na mesma proporção em que se usam brincos nas orelhas furadas

Gabarito: C

O primeiro parágrafo do texto relaciona a aceitação das tatuagens nas sociedades

ocidentais com os personagens tatuados bem sucedidos, que são divulgados pela cultura

pop.

22 - A locução à medida que pode ser substituída, sem alteração de sentido, por:

A) ainda que

B) mesmo que

C) contanto que

D) à proporção que

Gabarito: D

comentários (0)
Até o momento nenhum comentário
Seja o primeiro a comentar!
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo