Meios de cultura - Apostilas - Biotecnologia_Parte1, Notas de estudo de . Universidade de São Paulo (USP)
Raimundo
Raimundo15 de Março de 2013

Meios de cultura - Apostilas - Biotecnologia_Parte1, Notas de estudo de . Universidade de São Paulo (USP)

PDF (175.2 KB)
22 páginas
1Números de download
1000+Número de visitas
Descrição
Apostilas de Biotecnologia sobre o estudo dos meios de cultura empregados nos exames de microbiologia, Meios de cultura para transporte e conservação, Meios para crescimento e isolamento.
20pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 22
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo
Microsoft Word - Mod IV 2004.doc

Descrição dos Meios de

Cultura Empregados nos Exames

Microbiológicos

Módulo IV

ÍNDICE 1. Introdução ........................................................................................................................1

Procedimentos gerais ...........................................................................................................1 2. Meios de cultura para transporte e conservação ...............................................................2

Cary Blair...........................................................................................................................2 Salina Tamponada ...............................................................................................................2 Meio Stuart ........................................................................................................................3 Ágar nutriente ....................................................................................................................4

3. Meios para crescimento e isolamento................................................................................6 Ágar Chocolate....................................................................................................................6 Ágar Thayer-Martin Chocolate ...............................................................................................7 Ágar Salmonella-Shigella (ss)................................................................................................7 Caldo Selenito.....................................................................................................................8 Caldo Tetrationato ...............................................................................................................9 Caldo Tioglicolato com indicador .......................................................................................... 10 Caldo Tioglicolato sem indicador .......................................................................................... 11 Ágar Mac Conkey .............................................................................................................. 12 Ágar Sangue..................................................................................................................... 13 Ágar CLED – cystine lactose electrolyte deficient .................................................................... 14 Caldo BHI – brain heart infusion .......................................................................................... 15 Löwenstein Jensen............................................................................................................. 16 Meio bifásico: Löwenstein e Middlebrook ............................................................................... 18 Ágar Mycosel .................................................................................................................... 19 Ágar Sabouraud ................................................................................................................ 20

4. Meios comerciais para provas de identificação ................................................................22 Base de nitrogênio para leveduras – Yeast Nitrogen Base ........................................................ 22 Ágar Citrato Simmons ........................................................................................................ 23 Ágar Bílis-Esculina ............................................................................................................. 24 Ágar Sangue - CAMP.......................................................................................................... 25 Caldo base de Moeller ........................................................................................................ 26 Ágar Dnase ...................................................................................................................... 28 Ágar Esculina.................................................................................................................... 30 Ágar Fenilalanina............................................................................................................... 31 CTA – Cystine Tryticase Agar .............................................................................................. 32 Caldo Triptona e SIM ......................................................................................................... 33 Meio Caldo Triptona ........................................................................................................... 34 Caldo Malonato ................................................................................................................. 35 Caldo Nitrato .................................................................................................................... 36 Meio base para oxidação e fermentação - OF......................................................................... 38 Ágar TSI – triplo açúcar ferro .............................................................................................. 40 Ágar base uréia (christensen).............................................................................................. 41

5. Fórmulas e produtos para provas de identificação ..........................................................43 Para prova de catalase ....................................................................................................... 43 Para prova de coagulase..................................................................................................... 43 Para prova de gelatinase .................................................................................................... 45 Para prova de lecitinase ..................................................................................................... 46 Para prova de oxidase........................................................................................................ 47 Para fermentação de carboidratos........................................................................................ 48 Para a prova de hidrólise .................................................................................................... 49 Para crescimento a 42 e 44°c.............................................................................................. 50 Para teste de motilidade..................................................................................................... 51 Para prova de tolerância ao NaCl 6,5%................................................................................. 55

6. Discos para identificação.................................................................................................57 Bacitracina ....................................................................................................................... 57 Novobiocina...................................................................................................................... 57 Optoquina ........................................................................................................................ 58

7. Meios para teste de sensibilidade aos antimicrobianos ...................................................60 HTM – haemophilus test médium ......................................................................................... 60 Ágar Mueller Hinton ........................................................................................................... 61 Ágar Mueller Hinton Sangue................................................................................................ 62

8. Referências bibliográficas ...............................................................................................64

Mod IV - 1

1. INTRODUÇÃO PROCEDIMENTOS GERAIS PREPARAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE MEIOS DE CULTURA Os meios comerciais devem ser hidratados em pequena quantidade de água até que todo o meio

fique úmido e só depois deve-se acrescentar o restante da água.

Os meios preparados não comerciais, devem ser pesados separadamente em papel manteiga ou papel alumínio e adicionados em um único frasco (normalmente em béquer), hidratar em pequena quantidade de água até que todo o meio fique úmido e só depois deve-se acrescentar o restante da água.

Sempre que for necessário levar o meio para fundir, usar vidro Pyrex, aquecer sobre a tela de amianto ou similar e tripé, no bico de Bunsen.

Usar sempre luvas térmicas apropriadas para laboratório para manipular vidrarias quentes;

Sempre que for usado o termo "esterilizar em autoclave", o tempo de esterilização é de 15 minutos e a temperatura de 121ºC.

Sempre que for usado o termo "esterilizar por filtração", usar o filtro com porosidade de 0,22 micra, recomendado para partículas bacterianas.

Quando distribuir o meio antes de autoclavar, os tubos não precisam estar esterilizados;

Quando distribuir o meio após a autoclavação, os tubos, frascos, placas, pipetas e vidrarias ou materiais auxiliares obrigatoriamente devem ser estéreis.

Os meios devem ser autoclavados com as tampas semi-abertas, para que a esterilização seja por igual em todo o conteúdo dos tubos - tampas fechadas não permitem a entrada do vapor.

CONTROLE DE QUALIDADE DE ESTERILIDADE E CRESCIMENTO Para todos os meios confeccionados, colocar no mínimo 10% do lote preparado na estufa 35 ±

1°C por 24 horas para o controle de esterilizade.

Não deve haver mudança de cor nem crescimento de qualquer colônia.

Para o controle de crescimento, sempre que possível usar cepas ATCC, que são cepas de referências de origem e padrão definido de provas para a sua caracterização.

Se não for possível o uso de cepas ATCC, usar cepas 100% positivas para os controles de qualidade de crescimento realizados.

RECOMENDAÇÕES GERAIS Evitar usar meios vencidos (liofilizados e prontos para uso); se usar, certificar-se com o controle

de crescimento de que realmente está funcionando.

Não usar meios prontos para uso em tubos ou placas que estejam ressecados.

Observar com atenção para as instruções de alguns inóculos que são específicos para alguns meios de cultura.

Recomenda-se o uso de tubos com tampa de rosca, pois evitam o ressecamento rápido do meio (tamanho dos tubos utilizados geralmente são de 11 por 100 mm).

As placas de Petri são de 50, 90 ou 150 mm de diâmetro.

Todos os meios confeccionados devem ser devidamente identificados com o nome, data de fabricação, data de validade e tipo de armazenamento.

Todos os meios de placa devem ser embalados em filme plástico PVC transparente para evitar o ressecamento.

Evitar o uso de sacos plásticos para embalar as placas, pois a água de condensação formada facilita a proliferação de fungos; para meios de cultura em tubos, colocar em sacos plásticos, procurando tirar o excesso de ar.

Mod IV - 2

2. MEIOS DE CULTURA PARA TRANSPORTE E CONSERVAÇÃO CARY BLAIR PRINCÍPIO meio de Cary Blair foi formulado à partir do meio de Stuart, uma vez que microrganismos

patogênicos e outros coliformes fecais sobrevivem bem neste meio.

A carência de uma fonte de nitrogênio impede consideravelmente a multiplicação de microrganismos e a composição nutritiva garante a sobrevivência deles.

O que difere este meio do meio de Stuart, é a adição de uma solução salina balanceada de tampão fosfato inorgânico e omitindo da fórmula o azul de metileno.

UTILIDADE Transporte de material fecal e conseqüente conservação dos microrganismos.

FÓRMULA/ PRODUTO Meios comercial: Meio de transporte Cary Blair.

PROCEDIMENTOS Pesar e hidratar o meio conforme instruções do fabricante; Fundir completamente; Distribuir 7 ml por tubo; Esterilizar em autoclave; Após retirar da autoclave, manter os tubos em posição vertical para solidificar. pH: 7,4 +/- 0,2

CONTROLE DE QUALIDADE Crescimento bom (com 0, 24 e 48 horas de crescimento): Shigella flexneri ATCC 12022.

CONSERVAÇÃO E VALIDADE Conservar de 4 a 10°C de 6 a 8 semanas.

INOCULAÇÃO Introduzir um "swab" estéril de madeira nas fezes recém coletadas; Após a coleta, introduzir imediatamente o "swab" no meio de cultura e quebrar a ponta da haste,

de modo que a parte que contém o algodão fique no meio de cultura; Fechar o tubo; Manter em temperatura ambiente até o momento de semear nos meios seletivos adequados.

INTERPRETAÇÃO Cor original do meio: Branco opalescente. Como este é um meio de transporte, não há evidência de crescimento bacteriano.

RECOMENDAÇÕES Não deixar o meio com a tampa aberta ou semi aberta após a semeadura.

Não semear fezes coletadas com mais de 6 horas. SALINA TAMPONADA

Mod IV - 3

PRINCÍPIO Meio líquido tamponado que mantém a bactéria viável.

UTILIDADE Meio de transporte de fezes.

FÓRMULA /PRODUTO Fórmula: NaCl 4,2 g ـ Fosfato dipotássico anidro 3,1 g ـ Glicerina bidestilada 300 ml ـ Água destilada 700 ml ـ

PROCEDIMENTOS Distribuir 10 ml em cada tubo de 16 x 160 mm; Esterilizar em autoclave.

CONTROLE DE QUALIDADE Shigella flexneri ATCC 12022

INOCULAÇÃO Inocular 2 g da amostra de fezes e homogeneizar; Incubar a 35 ±1°C por 12 a 18 horas.

INTERPRETAÇÃO O crescimento é indicado pela turbidez do meio. Após incubação semear 3 a 4 alçadas da amostra em uma placa de SS e/ou MacConkey.

CONSERVAÇÃO E VALIDADE Conservar de 4 a 8°C por até 3 meses.

MEIO STUART PRINCÍPIO A carência de uma fonte de nitrogênio impede consideravelmente a multiplicação de

microorganismos e a composição nutritiva garante a sobrevivência deles. UTILIDADE Transporte de diversos materiais e conseqüente conservação dos microorganismos. Conservação de microorganismos patogênicos como: Haemophilus spp., Pneumococcus,

Salmonella spp., Shigella spp. entre outros. FÓRMULA / PRODUTO Meios comercial: Meio de transporte STUART

PROCEDIMENTOS Pesar e hidratar o meio conforme instruções do fabricante; Fundir completamente; Distribuir 7 ml por tubo;

Mod IV - 4

Esterilizar em autoclave; Após retirar da autoclave, manter os tubos em posição vertical para que solidifiquem. pH: 7,4 +/- 0,2

CONTROLE DE QUALIDADE Crescimento bom (com 0, 24 e 48 horas de crescimento):

Haemophilus influenzae ATCC 10211 Shigella flexneri ATCC 12022 Streptococcus pneumoniae ATCC 6305 Bordetella pertussis ATCC 9340

CONSERVAÇÃO E VALIDADE Conservar embalado de 4 a 8°C por 1 a 2 semanas.

INOCULAÇÃO O material biológico deve ser coletado com auxílio de um "swab" estéril com haste de madeira; Após a coleta, introduzir imediatamente o "swab" no meio de cultura e quebrar a ponta da haste,

de modo que a parte que contém o algodão fique no meio de cultura; Fechar o tubo; Manter em temperatura ambiente até o momento de semear nos meios seletivos adequados.

INTERPRETAÇÃO Cor original do meio: Branco opalescente. Como este é um meio de transporte, não há evidência de crescimento bacteriano.

RECOMENDAÇÕES Não deixar o meio com a tampa aberta ou semi aberta após a semeadura.

ÁGAR NUTRIENTE PRINCÍPIO O Nutriente Ágar é um meio relativamente simples, de fácil preparação e barato, muito usado nos

procedimentos do laboratório de Microbiologia. UTILIDADE nutriente ágar tem várias aplicações no laboratório de Microbiologia, e pode ser utilizado para

análise de água, alimentos e leite como meio para cultivo preliminar das amostras submetidas à exames bacteriológicos e isolamento de organismos para culturas puras.

uso mais freqüente é para a conservação e manutenção de culturas em temperatura ambiente

neste ágar, como método opcional para os laboratórios que não dispõem do método da crioconservação (congelamento das cepas em freezer à - 70ºC).

Usado para observar esporulação de espécies de bacilos Gram positivos. FÓRMULA / PRODUTO Produto: Nutriente Ágar Fórmula: Extrato de carne 3 g ـ Peptona 5 g ـ Ágar ágar 15 g ـ Água destilada 1000 ml ـ pH: 6,8 +/- 0,2 ـ

Mod IV - 5

PROCEDIMENTOS Pesar e hidratar os componentes; Fundir; Distribuir 3 ml por tubo; Esterilizar em autoclave; Após retirar da autoclave, inclinar os tubos ainda quentes para que solidifiquem com a superfície

em forma de "bico de flauta" (ângulo de 45º). CONTROLE DE QUALIDADE Crescimento bom a excelente:

Escherichia coli ATCC 25922 Streptococcus pneumoniae ATCC 6305

CONSERVAÇÃO E VALIDADE Conservar embalado de 4 a 8°C por até 3 meses.

INOCULAÇÃO Estriar a superfície inclinada do meio; Incubar.

INTERPRETAÇÃO Cor original do meio: branco opalescente Positivo: Crescimento na superfície do ágar; Negativo: Ausência de crescimento.

RECOMENDAÇÕES Usar tubos com tampa de rosca para evitar ressecamento do ágar.

Repicar as cepas conservadas a cada 3 meses.

Conservar as cepas após o crescimento no meio em temperatura ambiente.

Por ser um meio nutritivo, a ausência de crescimento não deverá ocorrer.

Mod IV - 6

3. MEIOS PARA CRESCIMENTO E ISOLAMENTO ÁGAR CHOCOLATE PRINCÍPIO Meio de Ágar Chocolate é amplamente utilizado para o cultivo de microrganismos exigentes,

embora cresçam neste meio quase todos os tipos de microrganismos.

À base do meio, é adicionado sangue de cavalo, carneiro ou coelho em temperatura alta, o que faz com que as hemácias lisem, liberando hemina e hematina, compostos fundamentais para o crescimento dos microrganismos exigentes.

Observação: se utilizar sangue de carneiro ou coelho no lugar do sangue de cavalo, adicionar os suplementos a base de NAD (coenzima I) e cisteína após resfriar a base achocolatada à aproximadamente 50ºC. UTILIDADE Crescimento de microrganismos exigentes Haemophilus spp., Neisseria spp., Branhamella

catarrhalis e Moraxella spp.FÓRMULA / PRODUTO Meios comerciais: BHI Ágar *, Columbia Ágar Base, Blood Ágar Base, Mueller Hinton Ágar. Sangue de cavalo, carneiro ou coelho desfibrinado. Recomenda-se o uso da base de BHI Ágar, por apresentar melhor crescimento das cepas

exigentes, principalmente cepas de Haemophilus spp. PROCEDIMENTOS Pesar e hidratar o meio conforme instruções do fabricante; Esterilizar em autoclave; Esfriar a base à temperatura de aproximadamente 80ºC; Adicionar 5 ml de sangue desfibrinado de cavalo para cada 100 ml de base; Homogeneizar bem até lisar totalmente as hemácias e o meio apresentar uma cor castanho escuro

(chocolate); Distribuir em placas de Petri de 90 mm de diâmetro.

CONTROLE DE QUALIDADE Crescimento bom a excelente: Haemophilus influenzae ATCC 10211.

CONSERVAÇÃO E VALIDADE Conservar de 4 a 10°C por 4 meses.

INOCULAÇÃO Estriar a superfície do meio, usando a técnica de semeadura para isolamento; Incubar a 35ºC por 24 horas.

INTERPRETAÇÃO Cor original do meio: castanho escuro (chocolate). Colônias de tamanho pequeno a médio, com pigmento amarelo: sugestivo de Neisseria spp,

Branhamella catarrhalis ou Moraxella spp. Colônias pequenas e delicadas, com pigmento creme claro: sugestivo de Haemophilus spp.

RECOMENDAÇÕES Lembrar que é um meio rico e crescem vários tipos de microrganismos.

Mod IV - 7

Fazer esfregaço de todas as colônias suspeitas e corar pela técnica de Gram, para confirmar se trata-se ou não de Neisseria spp., Branhamella catarrhalis ou Moraxella spp. (cocos Gram negativos reniformes) ou Haemophilus spp. (bacilos Gram negativos delicados e pleomérficos).

Não usar sangue de cavalo vencido.

Por ser um meio rico, o crescimento a partir de materiais biológicos em geral costuma ser abundante. Sempre que necessário, isolar a colônia em estudo para os procedimentos de identificação, para não correr o risco de trabalhar com cepas misturadas.

ÁGAR THAYER-MARTIN CHOCOLATE PRINCÍPIO É um meio rico e superior a outros meios de cultivo destinados para o isolamento de Neisseria

gonorrhoeae e Neisseria meningitidis , pois contém em sua fórmula antibióticos que inibem o crescimento de Neisserias saprófitas e outras bactérias, quando em amostras colhidas de sítios contaminados.

UTILIDADE Usado para o isolamento seletivo de Neisseria gonorrhoeae e Neisseria meningitidis, a partir do

material de investigação. FÓRMULA / PRODUTO Meio comercial: Thayer-Martin Ágar Base. Sangue desfibrinado de carneiro. Suplemento I: mistura de inibidores (antibióticos). Suplemento II: mistura de fatores de crescimento.

PROCEDIMENTOS Dissolver os suplementos liofilizados conforme instruções do fabricante (normalmente em água

destilada estéril que já acompanha o kit) e reservar; Pesar e hidratar o meio conforme instruções do fabricante (normalmente prepara-se 200 ml de

base para cada frasco de suplementos I e II ); Esterilizar em autoclave; Esfriar a base a 80ºC; Adicionar 5 ml de sangue desfibrinado de carneiro para cada 100 ml de base; Homogeneizar bem até lisar totalmente as hemácias e o meio apresentar uma cor castanho escura

(chocolate); Deixar resfriar a base a 50ºC; Adicionar assepticamente à base resfriada os suplementos previamente dissolvidos; Homogeneizar delicadamente para não formar bolhas; Distribuir em placas de Petri de 90 mm ou 4 ml por tubos e inclinar para a superfície ficar em

forma de "bico de flauta" (ângulo de 45º). ÁGAR SALMONELLA-SHIGELLA (SS) PRINCÍPIO Ágar SS possue componentes (sais de bile, verde brilhante e citrato de sódio) que inibem

microrganismos Gram positivos. A incorporação de lactose ao meio permite diferenciar se o microrganismo é lactose positiva

(bactérias que fermentam a lactose produzem ácido que na presença do indicador vermelho neutro resultando na formação de colônias de cor rosa), e bactérias que não fermentam a lactose formam colônias transparentes.

Tissulfato de sódio e o citrato férrico permitem a detecção de H²S evidenciado por formação de colônias de cor negra no centro.

Mod IV - 8

UTILIDADE Selecionar e isolar espécies de Salmonella e Shigella, em amostras de fezes, alimentos e água.

FÓRMULA / PRODUTO Meio comercial: Ágar SS.

PROCEDIMENTOS Pesar e hidratar o meio conforme instruções do fabricante; Aquecer o meio até fundir o ágar; Não autoclavar; Resfriar até 50°C e distribuir 20 a 25 ml em placas de Petri 90 mm estéreis; Deixar em temperatura ambiente até resfriar; Embalar as placas com plástico PVC transparente e guardar em geladeira de 4 a 8°C.

CONTROLE DE QUALIDADE Positivo: Salmonella typhimurium ATCC 14028. Negativo: Staphylococcus aureus ATCC 25923.

INOCULAÇÃO Inocular as placas e incubar por 18 a 24 horas; Se negativo após 24 horas, reincubar por mais 24 horas.

INTERPRETAÇÃO Cor original do meio: vermelho alaranjado. Colônias com centro negro (H²S) ou colônias incolores: suspeita de Salmonella. Colônias incolores: suspeita de Shigella spp. Colônias cor de rosa ou vermelho: suspeita de Escherichia coli ou Klebsiella spp. As bactérias não fermentadoras de lactose são incolores. As bactérias fermentadoras de lactose aparecem na cor rosa.

CONSERVAÇÃO E VALIDADE Conservar embalado de 4 a 8°C por 3 meses.

RECOMENDAÇÕES Ausência de crescimento ou crescimento escasso, reincubar a placa mais 24 horas. Não autoclavar, pois a alta temperatura degrada o açúcar contido no meio.

CALDO SELENITO PRINCÍPIO Tem propriedades que inibem coliformes e outras espécies da flora intestinal como estreptococos.

UTILIDADE Utilizado para o enriquecimento e isolamento de Salmonella spp. e Shigella spp.em amostras de

fezes, urina e alimentos.FÓRMULA / PRODUTO Meio comercial: Selenito Novobiocina

PROCEDIMENTOS

Mod IV - 9

Pesar e hidratar o meio conforme instruções do fabricante; Aquecer até levantar fervura, homogeneizando de vez em quando; Não autoclavar; Aguardar esfriar e adicionar 0,04 g de novobiocina por litro de meio (novobiocina inibe o véu de

Proteus spp.); Distribuir 7 ml em tubos estéreis de 15x150 mm com tampa de rosca.

CONTROLE DE QUALIDADE Crescimento: Preparar uma suspensão de Escherichia coli ATCC 25922 e Salmonella typhimurium ATCC 14028

na escala 0,5 de Mac Farland; Semear 0,01 ml da suspensão na placa de SS; Incubar a placa a 35 ±1°C por 12 a 18 horas.

.Positivo: crescimento da Salmonella typhimurium ـ .Negativo: não á crescimento de Escherichia coli ـ INOCULAÇÃO Inocular 3 a 4 alçadas da amostra de fezes no meio de cultura; Incubar a 35±1°C por 12 a 18 horas.

INTERPRETAÇÃO Cor original do meio: vermelho tijolo. Após incubação, semear com o auxílio de uma alça bacteriológica em meios seletivos e

enriquecidos (SS, Mac Conkey, XLD, Hectoen). CALDO TETRATIONATO PRINCÍPIO Os sais de bile contidos no meio de tetrationato inibem microrganismos Gram positivos e a adição

da solução de iodo inibe a flora intestinal normal de espécies fecais. UTILIDADE Meio de enriquecimento para Salmonella spp.

FÓRMULA / PRODUTO Meio comercial: Caldo Tetrationato. Solução de Iodo para tetrationato: para ser adicionado no caldo antes de semeada a amostra

de fezes. Iodo metálico 6,0 g ـ Iodeto de potássio 5,0 g ـ Água destilada 20,0 ml ـ

PROCEDIMENTOS Caldo tetrationato Pesar e hidratar o meio segundo instruções do fabricante; Aquecer até ferver; Distribuir 10 ml em tubos estéreis com tampa de rosca; Não autoclavar.

Solução de iodeto de potássio

Macerar o iodeto de potássio e o iodo em um graal; Adicionar água aos poucos até dissolver completamente; Colocar em frasco âmbar.

Mod IV - 10

CONTROLE DE QUALIDADE Crescimento: Preparar uma suspensão de Salmonella typhimurium ATCC 14028 e uma cepa de Escherichia coli

ATCC 25922 na escala 0,5 de Mac Farland; Semear 0,01 ml da suspensão em uma placa de SS; Se houver crescimento de Salmonella e inibição de Escherichia coli, liberar o lote para uso.

INOCULAÇÃO Adicionar 0,2 ml da solução de iodo no tubo; Inocular 1a 3 g da amostra de fezes e homogeneizar vigorosamente; Incubar a 35 ±1°C por 12 a 18 horas.

INTERPRETAÇÃO Cor original do meio: límpido com precipitado branco. O crescimento é indicado pela turbidez do meio. Após incubação, semear 3 a 4 alçadas da amostra em uma placa de SS e/ou Mac Conkey.

CONSERVAÇÃO E VALIDADE Tetrationato: Conservar de 4 a 8°C por até 4 meses. Solução de iodo: Conservar em frasco âmbar a temperatura ambiente por até 12 meses.

CONTROLE DE QUALIDADE Positivo: Neisseria gonorrhoeae 43069 e Neisseria meningitidis 13090. Negativo: Staphylococcus aureus ATCC 25923.

CONSERVAÇÃO E VALIDADE Conservar embalado de 4 a 8°C por até 3 meses.

INOCULAÇAO Usar a técnica de semeadura por esgotamento; Incubar em CO2 e umidade (jarra com vela acesa e um chumaço de algodão embebido em água); Incubação por 48 horas.

INTERPRETAÇÃO Cor original do meio: castanho escuro (chocolate). Colônias pequenas com pigmento creme: sugestivo de Neisseria gonorrhoeae e Neisseria

meningitidis. Fazer esfregaço de todas as colônias suspeitas e corar pela técnica de Gram, para confirmar se

trata-se ou não de Neisseria (diplococos Gram negativos reniformes). Confirmando a morfologia pelo Gram, seguir identificação com testes de oxidase e provas de

fermentação. RECOMENDAÇÕES Antes de semear o material biológico aquecer o meio de cultura em estufa à 35ºC, pois

temperaturas baixas podem inibir o crescimento de Neisserias;

Não usar meio, suplementos e sangue vencidos;

Se não for incubado em CO2 e não houver crescimento, pode ser um resultado falso - negativo, pois as Neisserias necessitam de atmosfera com o CO2 para o crescimento;

Se não houver crescimento, incubar até 5 dias. CALDO TIOGLICOLATO COM INDICADOR

Mod IV - 11

PRINCÍPIO O meio de Tioglicolato dá suporte para o crescimento de vários microrganismos. O potencial de

oxidação e redução baixo do meio neutraliza efeitos antibacterianos das espécies preservadas com mercúrio.

A resazurina e o azul de metileno são indicadores da posição de oxidação de aeróbios e a dextrose incluída na fórmula é para os microrganismos que tem crescimento vigoroso na presença do carboidrato.

UTILIDADE Usado para o cultivo de microrganismos aeróbios, microaerófilos e anaeróbios. Usado para controle de esterilidade bacteriana de diversos materiais.

FÓRMULA / PRODUTO Meio comercial: Tioglicolato caldo com indicador

PROCEDIMENTOS Pesar e hidratar o meio conforme instruções do fabricante; Aquecer em bico de Bunsen, até dissolver completamente; Distribuir 5 ml por tubo; Esterilizar em autoclave. pH: 7,2 +/- 0,2

CONTROLE DE QUALIDADE Crescimento bom a excelente: Bacillus subtilis ATCC 6633, Streptococcus pyogenes ATCC 19615.

CONSERVAÇÃO E VALIDADE Temperatura ambiente: 3 meses. Entre 4 a 8ºC: 6 meses.

INOCULAÇÃO Com auxílio da alça bacteriológica, inocular o material biológico introduzindo a alça até a metade

do tubo; Retirar a alça sem agitar o tubo; Incubar à 35 =/- 1ºC por 24 horas.

INTERPRETAÇÃO Cor original: amarelo claro. Presença de crescimento: turvação do meio. Ausência de crescimento: meio permanece inalterado. Crescimento de microrganismos anaeróbios: crescimento na profundidade do meio. Crescimento de microrganismos aeróbios: crescimento na superfície do meio.

RECOMENDAÇÕES Não usar o meio quando estiver com cor rosa ou esverdeado na superfície, pois indica a presença

de oxigênio no meio.

Recomenda-se o uso do meio recém preparado, porém, se não houver a presença de oxigênio, pode-se usar um período maior.

Não usar meios que estejam turvos.

Não utilizar o meio quando o indicador atingir a metade do volume do meio. CALDO TIOGLICOLATO SEM INDICADOR

Mod IV - 12

PRINCÍPIO As substâncias redutoras tioglicolato, cisteína e sulfito de sódio produzem uma anaerobiose

suficiente para microrganismos anaeróbios exigentes.UTILIDADE Usado para o cultivo de microrganismos anaeróbios.

FÓRMULA / PRODUTO Meio comercial: Tioglicolato caldo sem indicador.

PROCEDIMENTOS Pesar e hidratar o meio conforme instruções do fabricante; Aquecer em bico de Bunsen, até dissolver completamente; Distribuir 5 ml por tubo; Esterilizar em autoclave. pH: 7,2 +/- 0,2

CONTROLE DE QUALIDADE Crescimento bom a excelente: Clostridium perfringens ATCC 10543.

CONSERVAÇÃO E VALIDADE Temperatura ambiente: 18 meses.

INOCULAÇÃO Com auxílio da alça bacteriológica, inocular o material biológico introduzindo a alça até o fundo do

tubo; Retirar a alça sem agitar o tubo; Incubar à 35 =/- 1ºC em jarra com gerador de anaerobiose durante 48 horas.

INTERPRETAÇÃO Cor original: amarelo claro. Presença de crescimento: turvação do meio. Ausência de crescimento: meio permanece inalterado.

RECOMENDAÇÕES Não usar meios que estejam turvos.

Se necessário, incubar um período superior à 48 horas. ÁGAR MAC CONKEY PRINCÍPIO O cristal violeta inibe o crescimento de microrganismos Gram positivos especialmente enterococos

e estafilococos.

A concentração de sais de bile é relativamente baixa em comparação com outros meios, por isso não é tão seletivo para Gram negativos como, por exemplo, o ágar SS.

UTILIDADE Isolar bacilos Gram negativos (enterobactérias e não fermentadores) e verificar a fermentação ou

não da lactose.

Mod IV - 13

FÓRMULA /PRODUTO Meio comercial: Ágar MacConkey.

PROCEDIMENTOS Pesar e hidratar o meio conforme instruções do fabricante; Aquecer sob agitação até fundir o ágar completamente; Esterilizar em autoclave; Resfriar até 50°C e distribuir 20 a 25 ml em placas de Petri 90 mm estéreis; Deixar em temperatura ambiente até resfriar; Embalar as placas com plástico PVC transparente e guardar em geladeira de 4 a 8°C.

CONTROLE DE QUALIDADE Positivo: Proteus mirabilis ATCC 12453 (não fermentador de lactose). Positivo: Escherichia coli ATCC 25922 (fermentador de lactose). Negativo: Staphylococcus aureus ATCC 25923.

INOCULAÇÃO Inocular as placas e incubar por 18 a 24 horas; Se negativo após 24 horas, reincubar por mais 24 horas.

INTERPRETAÇÃO Cor original do meio: rosa avermelhado. Crescimento de bacilos Gram negativos. Colônias cor de rosa: fermentadoras de lactose. Colônias incolores: não fermentadoras de lactose. Não há crescimento de cocos Gram positivos.

CONSERVAÇÃO E VALIDADE Conservar as placas embaladas de 4 a 8°C por até 3 meses.

ÁGAR SANGUE PRINCÍPIO O meio de Ágar sangue, usando uma base rica como abaixo descrita, oferece ótimas condições de

crescimento a maioria dos microrganismos. A conservação dos eritrócitos íntegros favorecem a formação de halos de hemólise nítidos, úteis para a diferenciação de Streptococcus spp. e Staphylococcus spp.

UTILIDADE Usado para o isolamento de microrganismos não fastidiosos. Verificação de hemólise dos Streptococcus spp. e Staphylococcus spp. Usado na prova de satelitismo (para identificação presuntiva de Haemophilus spp.).

FÓRMULA / PRODUTO Meio comercial: Blood Ágar Base, Columbia Ágar Base, BHI Ágar, Mueller Hinton Ágar; Sangue desfibrinado de carneiro ou coelho: .ml para cada 100 ml de meio base 5 ـ pH: 6,8 +/- 0,2 ـ

PROCEDIMENTOS Pesar e hidratar o meio conforme instruções do fabricante;

Mod IV - 14

Esterilizar em autoclave; Esfriar a base à +/- 50ºC; Adicionar 5 ml de sangue desfibrinado de carneiro para cada 100 ml de base; Homogeneizar delicadamente para não formar bolhas; Distribuir em placas de Petri de 90 mm de diâmetro.

CONTROLE DE QUALIDADE Hemólise beta hemolítica: Streptococcus pyogenes ATCC 19615 ou Staphylococcus aureus ATCC

25923. Hemólise alfa hemolítica: Streptococcus do grupo viridans ou Streptococcus pneumoniae ATCC

6305. Hemólise gama (sem hemólise): Enterococcus faecalis ATCC 29212 ou Staphylococcus epidermidis

ATCC 12228. CONSERVAÇÃO E VALIDADE Conservar de 4 a 10°C por 4 meses.

INOCULAÇÃO Estriar a superfície do meio, usando a técnica de semeadura para isolamento; No final da semeadura, picar o meio com a alça para verificar hemólise em profundidade; Incubar à 35ºC 24 horas.

INTERPRETAÇÃO Cor original do meio: vermelho. Beta hemólise: presença de halo transparente ao redor das colônias semeadas (lise total dos

eritrócitos). Alfa hemólise: presença de halo esverdeado ao redor das colônias semeadas (lise parcial dos

eritrócitos). Gama hemólise (sem hemólise): ausência de halo ao redor das colônias (eritrócitos permanecem

íntegros). RECOMENDAÇÕES Não usar sangue de carneiro vencido, pois o meio fica hemolisado ou com cor muito escura,

dificultando o estudo de hemólise;

Não usar sangue humano, pois alguns microrganismos não apresentam hemólise;

Não adicionar o sangue na base do meio quente, pois as hemácias rompem-se, dificultando o estude de hemólise;

Por ser um meio rico, o crescimento a partir de materiais biológicos em geral costuma ser abundante, sempre que necessário, isolar a colônia em estudo para os procedimentos de identificação, para não correr o risco de trabalhar com cepas misturadas. ÁGAR CLED – CYSTINE LACTOSE ELECTROLYTE DEFICIENT PRINCÍPIO Usado para isolamento e quantificação de microrganismos presentes em amostras urina. A

deficiência de eletrólitos inibe o véu de cepas de Proteus.

UTILIDADE

Isolar e quantificar microrganismos Gram positivos, Gram negativos e leveduras. FÓRMULA / PRODUTO Meio comercial: Ágar Cled.

Mod IV - 15

PROCEDIMENTOS Pesar e hidratar o meio conforme instruções do fabricante; Esterilizar em autoclave; Resfriar à +/- 50°C e distribuir de 20 a 25 ml em placas de Petri 90 mm estéreis; Deixar em temperatura ambiente até resfriar.

CONTROLE DE QUALIDADE Positivo: Lactose positiva: Escherichia coli ATCC 25922: crescimento moderado a denso, colônias ـ

médias ou grandes amareladas, após 48 horas de incubação. Lactose negativa: Proteus vulgaris ATCC 8427: crescimento moderado a denso, colônias azuis ـ

translúcidas. Negativo: ausência de crescimento

INOCULAÇÃO Verificar técnica de semeadura quantitativa.

INTERPRETAÇÃO Cor original do meio: azul claro. Colônias lactose positiva: cor amarela. Colônias lactose negativa: cor azul.

Características de crescimento:

Escherichia coli: colônias opacas, amarelas com ligeira cor amarelo escuro no centro, com cerca de 1,25 mm de diâmetro, as não fermentadoras de lactose colônias azuis

Espécies de Klebsiella: colônias muito mucosas, cor variável de amarelo a branco azulado

Espécies de Proteus: colônias azul translúcidas, geralmente menor que E.coli

Espécies de Salmonella: colônias planas, cor azul

Enterococcus faecalis: colônias amarelas, com cerca de 0,5 mm de diâmetro

Staphylococcus aureus: colônias amarelas, com cerca de 0,75 mm de diâmetro

Staphylococcus coagulase negativa: colônias amarelo palha e brancas

Corynebacterium: colônias pequenas e cinza

Lactobacilos: colônias pequenas e com superfície rugosa

Pseudomonas aeruginosa: colônias verdes, com superfície prateada e periferia rugosa CONSERVAÇÃO E VALIDADE Conservar embalado de 4 a 8°C por até 3 meses.

RECOMENDAÇÕES Organismos que fermentam lactose baixam o pH e mudam a cor do meio de verde para amarelo,

podendo assim verificar se o microrganismo é lactose negativa ou positiva;

Espécies de Shigella não crescem em meios deficientes em eletrólitos. CALDO BHI – BRAIN HEART INFUSION PRINCÍPIO É um meio derivado de nutrientes de cérebro e coração, peptona e dextrose.

A peptona e a infusão são fontes de nitrogênio, carbono, enxofre e vitaminas.

Mod IV - 16

A dextose é um carboidrato que os microrganismos utilizam para fermentação.

UTILIDADE Meio para cultivo de estreptococcos, pneumococos, meningococos, enterobactérias, não

fermentadores, leveduras e fungos.

Pode ser utilizado na preparação do inóculo para teste de susceptibilidade aos antimicrobianos, para realização de teste de coagulase em tubo, para teste de crescimento bacteriano a 42 e 44°C e para teste de motilidade em lâmina.

FÓRMULA / PRODUTO Meio comercial: Caldo BHI (infusão de cérebro e coração).

PROCEDIMENTOS Pesar e hidratar o meio conforme instruções do fabricante; Distribuir 3,0 ml em tubos com tampa de rosca; Esterilizar em autoclave; Retirar os tubos da autoclave e deixar esfriar em temperatura ambiente.

CONTROLE DE QUALIDADE Positivo: Streptococcus pneumoniae ATCC 6305 e Candida albicans ATCC 10231. Negativo: meio sem inocular.

INOCULAÇÃO Com o auxílio de uma alça ou fio bacteriológico, inocular a colônia ou o material a ser testado -

realizar o teste com colônias puras de 18 a 24 horas; Incubar a 35°C ±2 por 24 a 48 horas; Para isolamento de fungos incubar por até 5 dias.

INTERPRETAÇÃO Cor original do meio: amarelo claro, límpido. Positivo: presença de turvação = crescimento bacteriano. Negativo: ausência de turvação.

CONSERVAÇÃO E VALIDADE Conservar de 4 a 10°C por 6 meses.

RECOMENDAÇÕES Para cultivo de anaeróbios, acrescentar 0,1% de ágar.

Para crescimento de Haemophilus e outros fastidiosos é necessário adição de suplementos a base de L-cisteína, NAD (fator V) e hemina (fator X).

LÖWENSTEIN JENSEN PRINCÍPIO A base do meio é constituída por ovos integrais, o que permite amplo crescimento das

micobactérias e o crescimento é satisfatório para o teste de niacina (que é positivo para Mycobacteriumtuberculosis).

UTILIDADE Isolamento primário das micobactérias.

Mod IV - 17

FÓRMULA / PRODUTO Meio comercial: Meio TB para Bacilos de Koch Seg. Löwenstein Jensen ou Löwenstein Medium Base Ovos de galinha frescos

Meio base - fórmula: Fosfato monopotássico 1,2 g Sulfato de magnésio 0,12 g Citrato de magnésio 0,3 g L-asparagina 1,8 g Fécula de batata 15,0 g Glicerol 6,0 ml Ovos totais 500 ml Solução de Verde de malaquita a 2% 10 ml Solução de Verde de malaquita à 2% - Fórmula: Verde de malaquita 2 g Água destilada 100 ml

PROCEDIMENTOS Preparação dos ovos: Escovar os ovos, um a um, com escova de cerdas macias; Deixar os ovos submersos em água e detergente comum, durante 30 minutos; Enxaguar com água corrente cuidadosamente um a um; Deixar os ovos submersos em álcool etílico a 70% durante 30 minutos; Retirar os ovos cuidadosamente e secar com pano estéril; Reservar os ovos.

Solução de Verde de malaquita a 2%: Pesar o verde de malaquita e adicionar a água; Homogeneizar bem até dissolver o corante; Esterilizar em vapor fluente durante 30 minutos; Reservar a solução.

Meio comercial: Pesar e hidratar o meio conforme instruções do fabricante; Adicionar o glicerol e aquecer o meio, agitando constantemente até ferver; Esterilizar em autoclave; Resfriar a base à 45 - 50ºC; Quebrar os ovos, um a um, cuidadosamente em copo de béquer estéril e transferir, um a um, para

uma proveta estéril de 500 ml; Completar a proveta com ovos até completar 500 ml; Transferir os ovos para um copo de liqüidificador estéril - se não tiver liqüidificador próprio para

laboratório, transferir os ovos para um balão de 1000 ml contendo pérolas de vidro de tamanho médio, ambos estéreis;

Homogeneizar os ovos; Passar os ovos para o balão que contém a base fria, filtrando em funil e gaze estéril; Adicionar o verde de malaquita; Homogeneizar bem; Deixar repousar durante 30 minutos para as bolhas da superfície estourarem; Distribuir 10 a 12 ml por tubo de rosca estéril; Colocar os tubos no coagulador inclinados com a superfície em forma de bico de flauta (ângulo de

45º) durante 50 minutos a 85ºC - se não tiver coagulador, pode-se coagular os ovos em banho de areia à 85ºC colocado em estufa de esterilização, também por 50 minutos, tendo o cuidado de verificar a temperatura constantemente.

Meio não comercial: Diluir a L-asparagina em pouca água e dissolver aquecendo lentamente no bico de Bunsen; Acrescentar os demais componentes, exceto os ovos e o verde de malaquita; Esterilizar em autoclave; Seguir os passos 4 ao 14 listados acima.

Mod IV - 18

CONTROLE DE QUALIDADE Esterilização: colocar todos os tubos em estufa; Crescimento bom a excelente:

Mycobacterium tuberculosis ATCC 25618 Mycobacterium avium ATCC 25291

CONSERVAÇÃO E VALIDADE Conservar entre 4 a 8ºC por 3 meses.

INOCULAÇÃO Para materiais biológicos de sítios contaminados, fazer descontaminação prévia pelas técnicas

desejadas (Petroff, NALC, Lauril sulfato de sódio, Corper & Stoner modificado); Semear 5 gotas ou mais, cobrindo bem a superfície do meio; Manter os tubos inclinados com a tampa semi aberta até secar bem o inóculo; Depois de seco o inóculo, rosquear os tubos e incubar 60 dias à 35ºC; Semanalmente, abrir as tampas próximo ao bico de Bunsen para ventilar os cultivos e observar a

presença ou não de crescimento. INTERPRETAÇÃO Cor original do meio: verde claro Positivo: Crescimento de colônias amarelas Negativo: ausência de crescimento.

RECOMENDAÇÕES Como é um meio rico em proteínas, bactérias proteolíticas contaminam o meio, liqüefazendo-o,

para isto, deve-se fazer uma leitura com 24 horas de incubação para tirar as culturas que possam ter contaminado;

Não usar ovos velhos;

Não quebrar mais que um ovo por vez, pois pode ter algum estragado e contaminar os demais;

Manter sempre mais que um béquer estéril para o caso de haver algum ovo estragado;

Não liberar culturas negativas com tempo inferior a 60 dias de incubação, pois as micobactérias desenvolvem-se lentamente;

Fazer um esfregaço do crescimento e corar pela técnica de Ziehl para confirmar ser um Bacilo Álcool Ácido Resistente, pois alguns contaminantes podem crescer com pigmento amarelo.

MEIO BIFÁSICO: LÖWENSTEIN E MIDDLEBROOK PRINCÍPIO O meio é constituído de duas fases, uma sólida que é o meio de Löwenstein Jensen e uma líquida,

que é o meio 7H-9, juntos fornecem os nutrientes necessários para o desenvolvimento das micobactérias isoladas de materiais nobres.

UTILIDADE Sistema desenvolvido para o isolamento de micobactérias do sangue e de materiais paucibacilares,

como líquor, líquido pleural, biópsias, entre outros. FÓRMULA / PRODUTO Meio comercial: Meio TB para Bacilos de Koch Seg. Löwenstein Jensen ou Löwenstein Medium Base Meio comercial: Middlebrook 7H-9 broth Meio comercial: Middlebrook Enrichment (suplemento para enriquecimento). Ovos de galinha frescos

Mod IV - 19

PROCEDIMENTOS Meio de Löwenstein Jensen: procedimento igual ao já descrito, distribuindo 12 ml do meio em

frascos estéreis com capacidade para 100 ml (usar tampão de algodão e depois do meio pronto - parte sólida e líquida, substituir por tampa de borracha e lacre de alumínio) e coagulando os frascos bem inclinados.

Meio Middlebrook 7H-9 broth: ;Pesar e hidratar conforme instruções do fabricante ـ ;Adicionar o glicerol, conforme instruções do fabricante ـ ;Esterilizar em autoclave ـ ;Resfriar a base à - 50ºC ـ ;Adicionar o suplemento Middlebrook Enrichment, conforme instruções do fabricante ـ ;Homogeneizar bem ـ ;Distribuir 15 ml em cada frasco de Löwenstein Jensen inclinado ـ ;Fazer o controle de qualidade de esterilidade ـ Lacrar os frascos com tampa de borracha (previamente submersas em álcool etílico 70% ـ

durante 30 minutos) e lacre de alumínio. pH: 6,6 +/- 0,2 ـ

CONTROLE DE QUALIDADE Crescimento bom a excelente:

Mycobacterium tuberculosis ATCC 27294 e Mycobacterium fortuitum ATCC 6841. CONSERVAÇÃO E VALIDADE Conservar os frascos embalados de 4 a 8°C por até 3 meses.

INOCULAÇÃO Por serem materiais estéreis, não é necessário a descontaminação; Colher assepticamente 5 ml de sangue e inocular no frasco ; Se for outro material, inocular até 5 ml de material; Incubar durante 60 dias à 35º /- 0,2; Banhar o meio sólido semanalmente.

INTERPRETAÇÃO Cor original do meio: parte sólida: verde clara, parte líquida: âmbar claro. Positivo: turvação do meio líquido e crescimento de colônias amarelas no meio sólido. Negativo: ausência de turvação e crescimento nos meios líquido e sólido.

RECOMENDAÇÕES Não usar frascos com meio líquido turvo;

Volumes de inóculos inferires a 2,5 ml podem resultar em culturas falso - negativas;

Não liberar culturas negativas com tempo inferior a 60 dias de incubação, pois as micobactérias desenvolvem-se lentamente;

Fazer um esfregaço do crescimento e corar pela técnica de Ziehl para confirmar ser um Bacilo Álcool Ácido Resistente, pois alguns contaminantes podem crescer com pigmento amarelo.

ÁGAR MYCOSEL PRINCÍPIO

Mod IV - 20

A Cicloheximida, um dos componentes do meio, serve para selecionar dermatófitos o cloranfenicol inibe o crescimento de bactérias e alguns fungos filamentosos.

UTILIDADE Isolamento de fungos patogênicos, principalmente dermatófitos, a partir de material de

investigação contaminado. FÓRMULA / PRODUTO Meio comercial: Mycosel Ágar, Mycobiotic Ágar ou Ágar seletivo para fungos patogênicos.

PROCEDIMENTOS Pesar e hidratar o meio conforme instruções do fabricante; Esterilizar em autoclave; Resfriar à +/- 50ºC e distribuir em placas de 90 mm de diâmetro ou 4 ml por tubo; Se distribuir em tubos, deixar solidificar com inclinação em forma de bico de flauta (ângulo de

45º). pH: 6,9 +/- 0,1

CONTROLE DE QUALIDADE Crescimento bom a excelente: Trichophyton verrucosum ATCC 36058, Candida albicans ATCC

10231. Crescimento inibido: Aspergillus niger ATCC 16404, Candida tropicalis, Penicillium spp.

CONSERVAÇÃO E VALIDADE Conservar embalado de 4 a 8°C por até 3 meses.

INOCULAÇÃO Inocular sempre dois tubos ou placas; Se em placa: semear com a técnica de semeadura quantitativa; Se em tubo: estriar na superfície inclinada do meio; Incubar um dos meios semeados em temperatura ambiente e o outro a 37ºC; Observar diariamente a presença ou não de crescimento; Incubar 40 dias.

INTERPRETAÇÃO Cor original do meio: amarelo claro opalescente. Após o crescimento, deve-se seguir a identificação do microrganismo que cresceu.

RECOMENDAÇÕES A ausência de crescimento não indica uma cultura negativa para fungos, pois alguns fungos

podem ter o crescimento inibido neste meio.

Recomenda-se o uso de meios em tubos, pois a incubação demorada resseca com facilidade o meio contido em placas.

ÁGAR SABOURAUD PRINCÍPIO Meio com nutrientes que favorece o crescimento de diversos fungos leve duriformes e

filamentosos.

UTILIDADE

comentários (0)
Até o momento nenhum comentário
Seja o primeiro a comentar!
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Docsity is not optimized for the browser you're using. In order to have a better experience we suggest you to use Internet Explorer 9+, Chrome, Firefox or Safari! Download Google Chrome