Memorial descritivo do cras elétrico e telefonico
Lukas.C.S.
Lukas.C.S.23 de Novembro de 2015

Memorial descritivo do cras elétrico e telefonico

PDF (83.0 KB)
4 páginas
328Número de visitas
Descrição
Memorial descritivo do cras elétrico e telefonico
20pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 4
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo

MEMORIAL DESCRITIVO Projetos Elétricos e Telefônico

Objeto: CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL – CRAS Área da Edificação: 165,30 M²

Pavimento: Térreo

Área do Terreno: 450,00 M²

INSTALAÇÃO ELÉTRICA E TELEFÔNICA (DADOS E VOZ)

1. Considerações Gerais

1.1. O projeto foi elaborado fundamentado na NBR 5410/2004, NBR 13565/2007 e normas da concessionária de energia local CELG-D, além de outras normas que as complementam conforme especificadas internamente nestas citadas anteriormente.

1.2. Todos os materiais básicos componentes como aparelhos e equipamentos a serem instalados, deverão atender aos padrões de fabricação e aos métodos de ensaio exigidos pela ABNT, assim como às especificações complementares da concessionária local.

1.4. As especificações dos materiais deverão ser seguidas rigorosamente. Cabe única e exclusivamente à Fiscalização aceitar ou não a similaridade dos materiais, marcas e fabricantes, que não estejam expressamente citados nestas especificações.

1.5. Também as especificações referentes a todos os serviços deverão ser seguidas rigidamente e complementadas pelo que está prescrito nas Normas Brasileiras pertinentes, no caso de eventual omissão.

2. Sistemas de Instalação e Procedimentos Executivos

2.1. Entrada e medição

2.1.1. O ramal de serviço (de responsabilidade da concessionária local) será aéreo e irá até o poste instalado na mureta, junto ao portão principal do CRAS. Para a energia elétrica o ramal de entrada e a medição serão em baixa tensão, instalados em mureta de alvenaria, enquanto que para a telefonia o ramal de entrada irá da rede aérea pública até o QGDT, no interior do CRAS.

2.2. Alimentador Geral

2.2.1. Do disjuntor automático bifásico de corrente nominal 50 A instalado no quadro de medição, sairão os cabos alimentadores rígidos de cobre #10mm², encordoamento classe 2, classe de isolamento 0,6/1 kV do tipo sintenax ou similar, pelo interior de dutos subterrâneos de PVC rígido rosqueável, envolvidos (“envelopados”) por concreto no traço 1:3:5 (cimento, areia e brita) com 5 cm de espessura, enterrados numa cava de 0,50 m de profundidade, com trajetória retilínea até o quadro de distribuição dos circuitos.

2.2.2. A entrada e a medição da energia elétrica, bem como a entrada de telefonia, obedecerão rigorosamente aos padrões das concessionárias locais, respectivamente.

2.3. Quadro Elétrico

2.3.1. A alimentação entre os quadros será por meio de dutos subterrâneos e cabos sintenax, sendo será formado pelo seguinte sistema:

Barramento em cobre com parafusos e conectores.

 Disjuntores unipolares, do tipo "quick-lag" (com suporte e parafusos), de 10 a 25A conforme especificado no Diagrama Unifilar ou Quadro de Carga.

 Disjuntor geral bifásico de proteção de até 50A, marca acima referenciada.

 Caixa com porta metálica e pintura eletrostática com chaves.

2.4. Quadro de Telefonia (Dados/Voz)

2.4.1. Os cabos de telefonia serão estruturados e do tipo trançado, formando pares.

2.4.2. No quadro geral (QDGT) – nº 03 (40 x 40 x 10 cm) -, serão fixados tantos blocos (BLI’s).

2.5. Circuitos Elétricos Alimentadores

2.5.1. Do quadro de distribuição partirão os circuitos alimentadores para atender à iluminação, aos interruptores e às tomadas do interior da edificação, sendo que cada circuito será protegido por um disjuntor do tipo termomagnético, expresso no projeto elétrico.

2.5.2. Toda a rede de distribuição e alimentação de energia elétrica será executada com eletrodutos de PVC rígido rosqueável, bitolas indicadas nos projetos calculadas de acordo com as exigências da norma ABNT NBR 5410/2004. Todos os circuitos deverão ter sistema de proteção (aterramento).

2.5.3. Toda a rede de telefonia (dados/voz) também será executada com eletrodutos de PVC rígido rosqueável, bitolas em função do cabeamento estruturado a ser instalado.

2.6. Condutores Elétricos

2.6.1. Para o alimentador geral de energia elétrica, será utilizadocabo de cobre, encordoamento classe 2, com isolação para 0,6/1 kV, do tipo sintenax, temperatura de serviço 70°C e seção nominal de 10mm2.

2.6.2. Para a alimentação elétrica interna da edificação, deverá ser empregado cabo de cobre com capa plástica e isolação para 750 V, com seções nominais variando de 1,5mm² a 4mm², conforme indicação no projeto.

2.6.3. Todos os condutores deverão ser submetidos ao teste de continuidade, sendo que os últimos pontos de cada circuito deverão ser testados quanto à voltagem e amperagem disponíveis na rede da concessionária local, com todas as luminárias acesas, permitindo-se nesta situação somente uma queda máxima de 4%. Condição esta que foi atendida no projeto conforme dimensionamento de condutores pelo critério de Queda de Tensão previsto na Norma Técnica vigente.

2.7. Caixas de Passagem

2.7.1. Para a rede de energia elétrica serão empregadas caixas de passagem estampadas de embutir, formatos octogonal (4”x4”), hexagonal (3”x3”) e retangular (4”x2”), todas confeccionadas em chapa de ferro esmaltada nº 18, com orelhas de fixação e “know – out” para tubulações de até 1” (25mm).

2.7.2. As caixas de telefonia serão de embutir, chapa metálica nº 18, com dimensões de 10 x 10 x 5 cm, entrada/saída de até 1” (25mm), com tampa cega na cor cinza e furo central para passagem do cabo telefônico.

2.8. Luminárias, Interruptores e Tomadas

2.8.1. As luminárias serão do tipo de sobrepor do tipo prisma para 2 x 20w e 2 x 40w, conforme projeto elétrico, com anteparo de alumínio refletor e aletas metálicas, em perfil de aço esmaltado na cor branca e proteção anticorrosiva.

2.8.2. As lâmpadas deverão ser do tipo fluorescente para 20w e 40w, tonalidade luz do dia e base do tipo encaixa bipino.

2.8.3. Os soquetes serão do tipo com ação telescópica, para evitar queda de lâmpadas, contato por pressão, grande durabilidade e resistência mecânica, isentos de corrosão nos contatos e ausência de trincas no corpo.

2.8.4. Os reatores serão eletrônicos de alto fator de potência (FP = 0,97), carcaça revestida interna e externamente e com base anti corrosiva, para luminárias de 2 x 20w e 2 x 40w.

2.8.5.. Os interruptores empregados serão de uma ou duas seções e three – way, silenciosos e com teclas de embutir, unipolares de 10A e tensão nominal conforme estabelecida na rede elétrica local, placa em poliestireno cinza (alto impacto).

2.8.6. As tomadas serão de embutir na parede, tipo universal, redondas e fosforescentes, com haste para redondos, segundo normatização recente da ABNT, unipolares de 15 A e com tensão nominal segundo a rede elétrica local, com placa de poliestireno cinza de alto impacto. Deverão também ser testadas por voltímetros para maior certeza de sua produção efetiva.

2.9. Todos os aparelhos de iluminação, interruptores e tomadas deverão ser aterrados, em obediência à Lei Federal nº. 11.337, de 26 de julho de 2006, que disciplina a obrigatoriedade do sistema de aterramento nas instalações elétricas das edificações, mesmo aquelas de pequeno porte, com a utilização de um condutor - terra em cada aparelho elétrico.

comentários (0)
Até o momento nenhum comentário
Seja o primeiro a comentar!
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Docsity is not optimized for the browser you're using. In order to have a better experience we suggest you to use Internet Explorer 9+, Chrome, Firefox or Safari! Download Google Chrome