Musculo Liso - Apostilas - Biologia, Notas de estudo de Biologia. Centro Universitario Nove de Julho (UNINOVE)
Jose92
Jose9214 de Março de 2013

Musculo Liso - Apostilas - Biologia, Notas de estudo de Biologia. Centro Universitario Nove de Julho (UNINOVE)

PDF (142.0 KB)
6 páginas
807Número de visitas
Descrição
Apostilas de Biologia sobre o estudo do músculo liso, tipos, processo contrátil do músculo liso, Comparação das contrações dos Músculos Lisos e Esquelético.
20pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 6
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo

O musculo liso e sua contracao: O músculo liso e composto por fibras muito menores, contrastando com as fibras musculares esqueléticas. Muitos dos princípios da contração se aplicam, da mesma forma que nos músculos esqueléticos, também nos músculos lisos. O que e mais importante, em su essência, as mesmas forcas atrativas entre os filamentos de miosina e de actina produzem contração no músculo liso, como o fazem no músculo esquelético. Tipos de músculo liso: Músculo liso e dividido em dois tipos principias: o músculo liso multiunitario e o músculo liso unitário (ou sincicial). Músculo liso multiunitario. Esse tipo de músculo liso e formado por fibras musculares lisas individualizadas. Cada fibra atua independentemente das demais, e e inervada por uma so terminação nervosa. Alem disso, as superfícies externas dessas fibras são recobertas por uma fina camada de substancia semelhante a da membrana basal, que e uma mistura de finas fibrilas de colágeno e de glicoproteinas, que isola as fibras individuais de suas vizinhas. A característica mais importante das fibras musculares lisas multiunitarias e a de que seu controle e exercido, pricipalmente, por sinais nervosos. Isso contrasta com o fato de a maior parte do controle do músculo liso visceral ser por estimulos não neurais. Músculo liso unitário: Suas fibras estão agregadas em laminas ou feixes e suas membranas celulares aderem entre si, em múltiplos pontos, de modo que a forca gerada em uma fibra muscular pode ser transmitida a seguinte. Alem disso,as membranas celulares são unidas por muitas junções abertas, pela s quais os íons podem fluir livremente de uma célula para outra, de modo que um potencial de ação pode passar de uma fibra para outra, fazendo com que todas as fibras se contraiam em conjunto. O musculo liso unitário também e chamado de músculo liso visceral . O processo contrátil do músculo liso:A base química da contrcao do músculo liso: O músculo liso contem filamentos de actina e de miosina, dotados com características químicas semelhantes as dos filamentos de actina e miosina do músculo esquelético. O processo contrátil e ativado por íons cálcio, e a adenosina-trifosfato (ATP) e degradada a adenosina-difosfato(ADP) para fornecer energia para a contração.A base física da contração do músculo liso: Técnicas recentes de microscopia eletrônicas indicama organização física. Ela mostra grande numero de filamentos de actina presos aos chamados corpos densos. Alguns desses estão fixados na membrana celular. Outros ocorrem dispersos no interior da célula. Comparação das contrações dos Músculos Lisos e Esquelético: Embora a maioria dos músculos esqueléticos se contraia e relaxe rapidamente, a maior parte das contrações do músculo liso e representada por contrações tônicas prolongadas, por vezes, durante horas e, ate mesmo, dias . Por conseguinte, e de se esperar que as características , tanto físicas quanto químicas, do músculo liso, quando confrontadas as do músculo esquelético, sejam diferentes. Algumas diferencas são as seguintes:

Ciclo lento das pontes cruzadas: O ciclo das pontes cruzadas no músculo liso e muito mais lento que no músculo esquelético, acredita-se que a fração de tempo na qual as pontes cruzadas permanecem fixadas ao filamento de actina seja muito mais prolongada no músculo liso. Uma razão possível para a lentidão deste ciclo e que as cabeças das pontes cruzadas tem muito menos atividade ATPasica que a medida no músculo esquelético, de modo que a degradação do ATP que energiza os movimentos das cabeças e muito mais lenta, com a lentidão correspondente da velocidade do ciclo. Energia necessária para manter a contração do músculo liso:Apenas 1/10 a 1/300 da energia necessária para a contração do músculo esquelético e requerida para manter a mesma tensão contrátil do músculo liso. Acredita-se, que isso resulte da velocidade muito baixa dos ciclos de fixação das pontes cruzadas e do fato de que apenas uma molécula de ATP e necessária para cada ciclo, independentemente da sua duração. Lentidão do inicio da contração ou do relaxamento do músculo liso como um todo: O lento inicio da contração do músculo liso,bem como sua duração prolongada, são causados pelalentidao da fixação e da liberação das pontes cruzadas. Alem disso, o inicio da contração, em resposta aos íons cálcio, chamado de acoplamento excitação-contracao , e muito mais lento que no músculo esquelético. Forca da contração muscular: A forca máxima de contração do músculo liso e ate maior que a do músculo esquelético.Essa grande forca de atração e considerada resultante do extremamente longo período de fixação das pontes cruzadas da miosina aos filamentos de actina. Encurtamento percentual do músculo liso durante sua contração: Outra característica do músculo liso e a sua capacidade de encurtar, muito mais que o músculo esquelético, enquanto ainda quase mantem sua forca total de contração. Isso permite que o músculo liso realize funções especialmente importantes nas vísceras ocas. Mecanismo de ‘tranca’para a manutenção prolongada das contrações do músculo liso: Uma vez que o músculo liso tenha desenvolvido sua contração plena, o grau de ativação desse músculo pode ser reduzido ate nível bem mais baixo do que o inicial, embora ele ainda va manter sua forca total de contração e de apenas 1/300 da energia necessária para uma contração continuada e sustentada do músculo esquelético. Isso e chamado de mecanismo de tranca. Esse mesmo efeito ocorre no músculo esquelético, muitas vezes menor que no músculo liso. A importância do mecanismo de tranca e poder manter uma contração Tonica prolongada, com consumo muito pequeno de energia. A causa do fenômeno de tranca e relacionada a prolongada fixação das pontes cruzadas da miosina aos filamentos de actina.

Regulação da contração pelos íons cálcio: O fator desecadeador da maior parte das contrações do músculo liso e o aumento dos íons cálcio intracelulares. A contração do músculo liso e ativada por mecanismo inteiramente diferente, como se segue: Combinação dos íons cálcio com a “calmodulina”- ativação da miosinaquinase e fosforilacao da cabeça da miosina: Em vez da tropina, as células musculares lisas contem grande quantidade de outra prteina reguladora, chamada calmodulina. A calmodulina desencadeia a contração ao ativar as pontes cruzadas de miosina.

Cessação da contração – papel da “miosona fosfatase”: Quando a concentração dos íons cálcio cai abaixo de um valor critico, todos os prcessos descritos acima se invertem, automaticamente, exceto pela fosforilacao da cabeça de miosina. A reversão dessa etapa depende de outra enzima, a miosina fosfatase, localizada nos lipídeos da célula muscular lisa, que cliva o fosfato da cadeia leve reguladora. Cessam então os ciclos e termina a concentração. Controle neural e harmonal da contração do músculo liso: O músculo liso pode ser estimulado a se contrair por múltiplos tipos de sinais: por sinais neurais, por estimulação hormonal, pelo estiramento do músculo e por diversos outros meios.

Junções Neuromusculares do Músculo Liso: Anatomia fisiológica das junções neuromusculares do músculo liso. As junções neuromusculares do tipo muito estruturado, encontrado no músculo esquelético, não ocorrem nos músculos lisos. Pelo contrario, as fibras nervosas autonômicas, que inervam os músculos lisos, se ramificam profusamente por sobre uma camada de fibras musculares, essas fibras não fazem qualquer contato direto com as fibras musculares lisas, mas, formam as chamadas junções difusas, que secretam suas substancias transmissoras para a matriz que recobre as fibras musculares lisas, a substancia transmissora se difunde para as células. Alem disso, as fibras nervosas inervam apenas a camada mais externa e a excitação muscular passa para as camadas mais internas por condução do potencial de ação. Os axônios que inervam as fibras musculares lisas também não apresentam os botões terminais nas ramificações do tipo das placas motoras das fibras musculares esqueléticas . Ao contrario, a maioria das delgadas terminacoes axonicas apresentam múltiplas varicosidades distribuídas ao longo de seus eixos. Nessas varicosidades existem vesículas, contendo substancia transmissora. Substancias transmissoras excitatorias e inibitórias na junção neuromuscular do músculo liso. Duas substancias transmissoras distintas, são a acetilcolina e a norepinefrina, elas nunca são secretadas pela mesma fibra nervosa. A acetilcolina e a substancia transmissora excitatoria para as fibras musculares lisas, em alguns órgãos, mas e um transmissor inibitório para as fibras musculares lisas de outros órgãos. Quando a acetilcolina excita uma fibra muscular, a norepinefrina, a inibe, quando a acetilcolina inibeuma fibra, a norepinefrina a excita. Tanto a acetilcilina como a norepinefrina excitam ou inibem o músculo liso por se fixar a uma proteína receptora, na siperficie da membrana da célula muscular. Alem disso, algumas dessas proteínas receptoras são receptores excitatorios, enquanto outras são receptores imibitorios. Dessa forma e o tipo de receptor que determina se o músculo liso sera inibido ou excitadoe qual dos dois transmissores sera eficaz na produção de excitação ou de inibição. Potenciais de membrana e de ação no músculo liso Potenciais de ação ocorrem nos músculos lisos unitários do mesmo modo como no músculo esquelético. Contudo, não ocorrem em muitos, se não na maioria dos tipos multiunitarios do músculo liso.

Os potenciais de ação do músculo liso visceral ocorrem sob duas formas diferentes: (1) potenciais em ponta e (2) potenciais de ação com platôs. Potenciais em ponta:Ocorrem na maior parte dos tipos de músculo liso unitário. Esses potenciais de ação podem ser produzidos de muitas maneiras, como por estimulação elétrica, pela ação de hormônios sobre o músculo liso, pela ação de substancias transmissoras, secretadas por fibras nervosas, pelo estiramento ou como resultado de sua geração espontânea, pela própria fibra muscular. Potenciais de ação com platôs: O inicio desse potencial da ação e semslhante ao de um típico potencial em ponta. A importância do platô e que ele pode explicar o prolongado período de contração que ocorre em alguns tipos de músculo liso. Importância dos canais de cálcio na geração do potencial de ação das fibras musculares lisas. A membrana da célula muscular lisa contem numero maior de canais de cálcio voltagem-dependentes que a do músculo esquelético, mas apenas poucos canais de sódio voltagem-dependentes. O sódio so tem pequena participação na geração do potencial de ação na maioria dos músculos lisos. O fluxo de íons calciopara o interior da fibra, e o maior responsável pelo potencial de ação. Ele ocorre pelo mesmo processo auto-regenerativo dos canais de sódio. Todavia, os canais de cálcio se abrem de forma muitas vezes mais lenta que os canais de sódio, mas também permanecem abertos por tempo muito maior.Outra característica importante da entrada de calcio nas células, e que esse cálcio age diretamente sobre o mecanismo contratildo músculo liso para produzir a contração. Desse modo, o cálcio desempenha duas tarefas a um so tempo. Potenciais de onda lenta no músculo liso unitário e a geração espontânea de potenciais de ação. Potenciais de ação são gerados no próprio músculo sem qualquer participação de estímulos extrínsecos. Isso esta associado com um ritmo de ondas lentas como linha de base do potencial de membrana. A onda lenta não e um potencial de ação, e uma propriedade local das fibras musculares lisas, que se compõem a massa muscular. A causa do ritmo de ondas lentas e desconhecida; o potencial de membrana fica mais negativo quando o sódio e bombeado rapidamente e menos negativo quando a bomba de sódio fica menos ativa. A importância das ondas lentas e que elas podem desencadear potenciais de ação, embora, não possam provocar as contrações musculares. No pico de cada onda, ocorrem um ou mais potenciais de ação. Esse efeito pode produzir uma serie de contrações ritimadas da massa do músculo liso. As ondas lentas são chamadas de ondas marcapasso. Excitação do músculo liso visceral pelo estiramento. Quando o músculo liso visceral(unitário) e estirado em grau suficiente, potenciais de ação espontâneos são produzidos. Esses potenciais de ação resutam de combinação dos potenciais normaisde ondas lentas, com redução da negatividade do potencial de membrana, causada pelo próprio estiramento.

Despolarização do músculo liso multiunitario sem potenciais de ação As fibras musculares lisas do músculo liso multiunitario normalmente se contraem em resposta a estímulos nervosos. Na maioria dos casos,não ocorrem potenciais de ação. Essas fibras são pequenas demais para gerar um potencial de ação. Contudo, a despolarização local, chamada de potencial juncional se propaga por condução elétrica por toda a fibra e isso e tudo o que e necessário para produzir a contração muscular.

Contração do Músculo Liso sem Potenciais de Ação – Efeito dos FatoresTeciduais Locais e dos Hormonios Metade,ou mais, de todas as contrações musculares lisas não e desencadeada por potenciais de ação, mas sim por fatores estimulantes atuando diretamente sobre a maquinaria contrátil do músculo liso. Os dois tipos de fatores estimulantes, que atuam com maior freqüência são:(1) fatores teciduais locais e (2) diversos hormônios. A contração do músculo liso em resposta a fatores teciduais locais: Os vasos de menor calibre desse sistema tem pouca ou nenhuma inervação. Todavia, seu músculo liso e extremamente contrátil, respondendo as alterações das condições locais do liquido intersticial circundante. Desse modo, um potente sistema de feedbak local contrla o fluxo de sangue para uma localizada de tecido. Efeitos dos hormônios sobre a contração do músculo liso. A maioria dos hormônios circulantes no corpo afeta a contração do músculo liso, e alguns tem efeitos bastante intensos. Entre os mais importantes hormônios, que afetam a contração, encontram-se a norepinefrina, epinefrina, acetilcolina, angiotensina, vasopressina, ocitocina, serotonina e histamina. Um hormônio produz contração do músculo liso quando a membrana celular desse músculo contem receptores excitatoris para o hormônio respectivo. Inversamente, o hormônio causa inibição, caso a membrana celular contenha receptores inibitórios. Mecanismo da excitação ou inibição do músculo liso por hormônios ou por fatores teciduais locais: Alguns receptores hormonais na membrana celular do músculo liso abrem canais de sódio ou de cálcio, despolarizando a membrana do mesmo modo como ocorre após estimulação neural. A ativação de outros receptores da membrana inibe a contração. Isso decorre do fechamento dos canais de sódio e de cálcio, impedindo a entrada desses íons positivos, ou pela abertura de canais de potássio, permitindo seu efluxo da célula: nos dois casos, ocorre um estado chamado de hiperpolarizacao.

Fontes dos Íons Cálcio, Promotores da Contração:(1)Através daMembrana Celular, (2) Pelo Reticulo Sarcoplasmatico. A membrana celular e a contração. Embora o processo contrátil, no músculo liso, seja ativado pelos íons cálcio, a fonte desses íons cálcio, a fonte desses íons cálcio difere, de forma considerável, essa diferença e que o reticulo sarcoplasmatico, e apenas rudimentar e liso. Em muitos tipos de músculo liso, quase todos os íons cálcio, entram na célula muscular a partir do liquido extracelular. No liquido extracelular existe concentração relativamente alta de íons cálcio, o potencial de ação da célula muscular lisa e causado, pelo influxo de íons cálcio para a célula muscular. Dado que as fibras musculares lisas são pequenas, esses íons cálcio se difundem para todas as partes da célula muscular lisa, desencadeando o processo contrátil. Papel do reticulo sarcoplasmatico.Alguns tipos de músculo liso apresentam um reticulo sarcoplasmatico moderadamente desenvolvido e alguns dos túbulos sarcoplasmaticos ficam próximos da membrana externa da célula. Pequenas invaginacoes dessa membrana superficial da célula, chamadas caveolas, projetam-se para o interior da célula, fazendo contato com as superfícies desses túbulos sarcoplasmaticos. Quando um potencial de ação

invade as caveolas, isso parece excitar a liberação de íons cálcio pelos túbulos sarcoplasmaticos. Quando mais extenso for o reticulo sarcoplasmatico nas fibras musculares lisas, mais rapidamente elas irão contrair-se, presumivelmente porque a entrada de cálcio e bem mais lenta que a liberação interna de íons cálcio pelo reticulo sarcoplasmatico. A bomba de cálcio. Para produzir o relaxamento da contração do músculo liso e necessário que sejam removidos os íons cálcio dos líquidos intracelulares que banham os filamentos de actina e miosina. Essa remoção e efetiva por bombas de cálcio. Essas bombas são muito lentas, em comprovação com a bomba do reticulo sarcoplasmatico do músculo esquelético.

comentários (0)
Até o momento nenhum comentário
Seja o primeiro a comentar!
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Docsity is not optimized for the browser you're using. In order to have a better experience we suggest you to use Internet Explorer 9+, Chrome, Firefox or Safari! Download Google Chrome