Organização morfofuncional - Apostilas - Nefrologia, Notas de estudo de . Faculdade Medicina Estadual (ISEP)
Tucupi
Tucupi11 de Março de 2013

Organização morfofuncional - Apostilas - Nefrologia, Notas de estudo de . Faculdade Medicina Estadual (ISEP)

PDF (131.1 KB)
3 páginas
1Números de download
990Número de visitas
Descrição
Apostilas de Nefrologia sobre o estudo da organização morfofuncional, componentes principais do néfron, cápsula de Bowman, mesângio, membrana de filtração.
20pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento

ORGANIZAÇÃO MORFOFUNCIONAL RENAL: – a Doença Renal consiste em lesão renal e geralmente perda progressiva e irreversível da

função dos rins; – insuficiência renal crônica (IRC) é o resultado das lesões renais irreversíveis e progressivas

provocadas por doenças que tornam o rim incapaz de realizar as suas funções; – principal função do rim: filtração glomerular; – néfron – unidade funcional do rim. Cada rim tem 1 milhão de néfrons, incapazes de se

regenerar, ocorrendo perda com o avanço da idade; – componentes principais do néfron:

– 1) Corpúsculo renal: glomérulo → rede de capilares glomerulares que se anastomosam – onde ocorre a filtração do sangue; cápsula de Bowman; células mesangiais;

– 2) Longo túbulo no qual o filtrado é convertido em urina até a pelve renal; – cápsula de Bowman: formada por duas camadas de células:

– camada visceral (células epiteliais especiais – podócitos); – camada parietal (epitélio parietal); – O espaço entre a camada visceral e a parietal é chamado de espaço de Bowman, que no

polo urinário do glomérulo torna-se o lúmen do túbulo proximal; – mesângio: células mesangiais e matriz mesangial;

– células mesangiais são semelhantes aos monócitos, cercam os capilares glomerulares, fornecem suporte estrutural para esses, secretam a matriz extracelular, têm atividade fagocítica e secretam prostaglandinas e citocinas, apresentam atividade contrátil, influenciando a intensidade de filtração glomerular regulando o fluxo sanguíneo pelos capilares glomerulares ou pela alteração da área de superfície capilar;

– membrana de filtração: semelhante à membrana de outros capilares, exceto por possuir 3 camadas principais (ao invés de 2 habituais): – 1) endotélio do capilar; – 2) membrana Basal; – 3) camada de células epiteliais (podócitos) que circunda a superfície externa da

membrana basal capilar; – em conjunto, essas 3 camadas formam a barreira de filtração, que filtra centenas de

vezes mais água e solutos do que a membrana habitual dos capilares. O endotélio capilar apresenta milhares de fenestras;

– mecanismos de excreção renal: – 1) Filtração Glomerular → a formação da urina começa com a filtração, a partir dos

capilares glomerulares, de grande quantidade de líquido praticamente isento de proteínas. A maioria das substâncias no plasma é filtrada livremente (exceção proteínas de peso molecular igual ou maior que albumina, excluídas do filtrado) em concentrações semelhantes ao do plasma (exceções Ca++, ácidos graxos); – gera Ultrafiltrado Plasmático (UF); – usa forças físicas que obedecem aos princípios da Lei de Starling; – produção diária de cerca de 180 litros de UF; – volume produzido quatro vezes maior que o da Água Corporal Total; – usada na prática clínica como marcador de doença renal;

– 2) reabsorção de substâncias dos túbulos renais para o sangue dos capilares peritubulares;

– 3) secreção de substâncias do sangue dos capilares peritubulares para os túbulos renais; – função Renal Total = Σ+ da função dos nefros individuais; – funções:

– 1) regulação do equilíbrio hídrico e eletrolítico → rim varia a eliminação de água na urina, mantendo o equilíbrio de água (o conteúdo total de água no organismo se mantém

docsity.com

constante). Minerais (sódio, potássio, magnésio e outros) são componentes dos alimentos e geralmente estão em excesso.Rins excretam minerais em quantidades muito variáveis que, no geral, igualam a entrada. O rim pode regular cada um desses minerais independentemente;

– 2) excreção de restos metabólicos → ureia (das proteínas), ácido úrico (dos ácidos nucleicos), creatinina (da creatina muscular), produtos finais da quebra da hemoglobina (o que dá à urina muito da sua coloração), etc;

– 3) excreção de substâncias bioativas (hormônios e substâncias estranhas, como fármacos) que afetam a função do corpo → médicos devem estar cientes de quão rápido os rins excretam fármacos para prescrever a dose que irá alcançar os níveis apropriados no organismo. Os hormônios no sangue são removidos principalmente no fígado, mas alguns são removidos em paralelo por processos renais;

– 4) regulação da PA → a PA depende do volume de sangue e o equilíbrio de sódio e água pelos rins acaba o regulando. Também regulam a PA via geração de substâncias vasoativas que regulam o músculo liso dos vasos periféricos;

– 5) regulação da eritropoiese → eritropoietina está envolvida no controle da produção de eritrócitos pela medula óssea. Sua maior fonte são os rins, embora o fígado também secrete pequenas quantidades. O estímulo para a sua secreção é a redução da pressão parcial de oxigênio nos rins como na anemia, hipóxia arterial e fluxo sanguíneo renal inadequado;

– 6) regulação da produção de vitamina D → a síntese de vitamina D envolve uma série de transformações bioquímicas, sendo que a última ocorre nos rins. A forma ativa da vitamina D (1,25-dihidroxivitamina D3) é produzida nos rins, e sua taxa de síntese é regulada por hormônios que controlam o equilíbrio de cálcio e fosfato;

– aparelho justaglomerular: porção final do segmento espesso ascendente no ponto onde esse segmento se aproxima às arteríolas aferente e eferente no pólo vascular do corpúsculo renal; – composto por:

– (1) células granulares → células musculares lisas diferenciadas da parede das arteríolas aferentes. Secretam renina;

– (2) células mesangiais extraglomerulares. Estão fora da cápsula de Bowman; – (3) células da mácula densa → células epiteliais especializadas do segmento espesso

ascendente. Sensores do conteúdo do lúmen na parte final do segmento espesso ascendente. Contribuem para o controle da TFG e controle da secreção de renina;

– TFG: volume de filtrado formado por uma unidade de tempo; – rins recebem 25% do DC; – fluxo sanguíneo renal: em homem saudável de 70 Kg, o fluxo sanguíneo combinado de

ambos os rins é de cerca de 10 ml/min; – capilar glomerular:

– tem arteríola modificada → começa na Arteríola Aferente e termina na Arteríola Eferente;

– a pressão hidrostática no seu interior é constante; – dá origem a uma outra rede vascular → peritubular;

– funções tubulares: – reabsorção de 99% da água; – reabsorção de elementos químicos indispensáveis à vida; – secreção de elementos químicos indesejáveis; – regulação da filtração glomerular (Balanço glomérulo-tubular); – todo este trabalho executado com baixo gasto de energia;

– funções dos segmentos: – glomérulo → filtração, onde grande parte das substâncias excretadas entram no néfron;

docsity.com

– túbulo proximal → reabsorve 2/3 de água filtrada, sódio e cloreto; – túbulo contorcido proximal → reabsorve praticamente todas as substâncias úteis para

o organismo (glicose, aa...). Reabsorve boa parte do bicarbonato, fosfato, cálcio e potássio. Secreta produtos residuais metabólicos (urato, creatinina) e medicamentos;

– alça de Henle → reabsorve 20% do sódio e cloreto filtrados e 10% da água filtrada; – túbulos coletores → reabsorvem ainda mais água sob influência do ADH.

docsity.com

comentários (0)
Até o momento nenhum comentário
Seja o primeiro a comentar!
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Docsity is not optimized for the browser you're using. In order to have a better experience we suggest you to use Internet Explorer 9+, Chrome, Firefox or Safari! Download Google Chrome