Original apostila desenho topográfico, Teses de Absorção. Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)
josedascouves
josedascouves22 de Março de 2015

Original apostila desenho topográfico, Teses de Absorção. Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

PDF (2.0 MB)
49 páginas
788Número de visitas
Descrição
é do bom pessoal!
20pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 49
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo
Microsoft Word - Apostila desenho ADAPTADA.doc

Desenho Técnico 1

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

ESCOLA DE AGRONOMIA e ENG. de ALIMENTOS

SETOR DE ENGENHARIA RURAL

DESENHO TÉCNICO

Apostila de Circulação interna da

Escola de Agronomia e Eng. de

Alimentos

PROF° REGIS DE CASTRO FERREIRA

PROFª. HELOINA TERESINHA FALEIRO

PROFª. RENATA FONSECA DE SOUZA

Março/2008

Goiânia, GO

Desenho Técnico 2

I. INTRODUÇÃO

Para o projetista ou Engenheiro a arte de representar um objeto ou

fazer sua leitura através do Desenho Técnico é muito importante, uma vez

que nele estão contidas todas as informações precisas e necessárias para a

construção de uma peça.

O Desenho Técnico surgiu da necessidade de representar, com

precisão, máquinas, peças, ferramentas e outros instrumentos de trabalho,

bem como edificações de projetos de Engenharia e Arquitetura. A principal

finalidade do Desenho Técnico é a representação precisa, no plano, das formas

do mundo material, de modo a possibilitar a reconstituição espacial das

mesmas. Assim, constitui-se no único meio conciso, exato e inequívoco para

comunicar a forma dos objetos.

O desenho técnico é considerado como a linguagem gráfica universal

da Engenharia e Arquitetura. Da mesma forma que a linguagem verbal

escrita exige alfabetização, é necessário que haja treinamento específico para

a execução e a interpretação da linguagem gráfica dos desenhos técnicos,

uma vez que são utilizadas figuras planas (bidimensionais) para representar

formas espaciais.

No seu contexto mais geral, o Desenho Técnico engloba um conjunto

de metodologias e procedimentos necessários ao desenvolvimento e

comunicação de projetos, conceitos e ideias. Para isso, faz-se necessária a

utilização de um conjunto constituído por linhas, números, símbolos e

indicações escritas normalizadas internacionalmente.

A figura ao lado representa a forma espacial de um objeto por meio de figuras planas.

• Para um leigo seriam apenas quatro triângulos e um quadrado.

• Na linguagem gráfica, esta figura seria a representação de uma determinada pirâmide, ou as vistas de suas diferentes faces.

Desenho Técnico 3

II. NORMALIZAÇÃO

A fim de transformar o Desenho técnico em uma linguagem

padronizada, foi necessária a universalização dos procedimentos de

representação gráfica. Essa padronização é feita por meio de normas técnicas,

que nada mais são do que códigos técnicos que regulam relações entre

produtores e consumidores, engenheiros, empreiteiros e clientes.

Cada país elabora as suas próprias normas que passam a ser válidas

em todo território nacional. No Brasil as normas são aprovadas e editadas

pela Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT, fundada em 1940.

Para facilitar o intercâmbio de produtos e serviços entre as nações, os

órgãos responsáveis pela normalização de cada país decidiram fundar, em

1947, a ISO (International Organization for Standardization), com sede em

Londres. Assim, quando uma norma técnica é criada por algum país e é

aprovada pelos demais, esta pode ser internacionalizada, passando a compor

a ISO.

No Brasil há uma série de normas, as NBRs, que estão de acordo com

a ISO e regem a linguagem do desenho técnico em seus mais diversos

parâmetros:

-NBR 10647 – Norma geral de Desenho Técnico;

-NBR 10068 – Layout e dimensões da folha de desenho;

-NBR 10582 – Conteúdo da folha para desenho técnico;

-NBR 8402 – Definição da caligrafia técnica em desenhos;

-NBR 8403 – Aplicação de linhas para a execução de desenho

técnico;

-NBR 13142 – Dobramento da folha;

-NBR 8196 – Emprego da escala em desenho técnico;

-NBR 10126 – Emprego de cotas em desenho técnico;

-NBR 6492 – Representação de projetos arquitetônicos.

Desenho Técnico 4

III. TIPOS DE DESENHO

NBR 10647 (Abr/1989) – esta norma estabelece, dentre outras terminologias, a classificação do desenho segundo o seu aspecto geométrico.

O desenho técnico pode ser dividido em duas grandes

modalidades:

 Desenhos projetivos: abrange aqueles desenhos, cujo objetivo é a

demonstração da forma e das medidas proporcionais dos

objetos. É representada por meio de vistas ortográficas e

perspectivas. Ex.: projetos de fabricação de máquinas e

equipamentos; projetos e construção de edificações de vários

tipos, envolvendo detalhes elétricos, arquitetônicos, estruturais,

etc.; projetos para construção de rodovias, aterros, drenagem,

barragens, açudes, etc.; projetos planialtimétricos e topográficos;

desenvolvimento de produtos industriais; projetos paisagísticos;

dentre outros.

 Desenhos não-projetivos: compreendem os gráficos e diagramas

resultantes de cálculos algébricos. Este tipo de desenho não

representa nenhuma importância direta para esta disciplina.

Diante dos exemplos apresentados, podemos observar que o desenho

projetivo pode ser utilizado em diversas áreas de concentração da engenharia

e arquitetura: desenho de máquinas, desenho mecânico, desenho

arquitetônico, estrutural, elétrico e paisagísticos. Apesar de sua grande

abrangência, a aplicação do desenho técnico segue, em todas as áreas os

mesmo padrões de referência estabelecidos pelas normas técnicas brasileiras.

Desenho Técnico 5

IV. FOLHA DE DESENHO (Formatos)

NBR 10068 (Out/ 1987) – determina e padroniza as dimensões e o layout das folhas a serem empregadas na confecção dos desenhos.

As folhas podem ser utilizadas tanto na posição vertical quanto na

posição horizontal.

O formato básico para papel, recomendado pela ISO e utilizado em

grande parte dos países, é o formato A0, da série A, cujas dimensões (841 x

1188) resultam numa área de 1 (um) m2. Os outros papéis resultam de

subdivisões deste, como apresentado na figura abaixo. Há uma relação

matemática entre essas dimensões, que se aplicam a todos os demais formatos

da série A: o lado menor multiplicado pela 2 é igual ao lado maior. Assim,

no formato A0, 841 2 = 1188.

Nota-se que, o papel de formato A1 tem a metade da área do papel

de formato A0. O papel A2 tem a metade da área do A1, e assim por diante.

Além da série A, existem também, as séries B e C, que são utilizados

em casos excepcionais e não tem muita aplicabilidade no desenho

arquitetônico.

Formatos da série A:

Desenho Técnico 6

A normalização dos formatos tem por objetivo proporcionar o melhor

aproveitamento do material, com o mínimo de perdas por recortes,

facilitando seu arquivamento.

Carimbo (legenda ou selo)

O carimbo deve conter toda a identificação do desenho: nome do

proprietário ou empresa pra o qual o projeto será realizado; número de

registro, título e escala do desenho; nome dos responsáveis pelo projeto e

execução, assinaturas; data e número da prancha. A legenda deve ter

comprimento 178 mm nos formatos A4, A3, A2, e 175 mm nos formatos A1 e

A0. A posição da legenda deve ser no canto inferior tanto em folhas

horizontais quanto verticais, conforme apresentado na figura abaixo.

Exemplo de modelo de carimbo

P r o j e t o : S E D E D A P R O P R I E D A D E R U R A L

P lanta ba ixa P r opri ed ade:Fa z enda Te r r a do Jaca randá P r o p r i e t . : Renata F . de Souza Rabe lo Data : 2 1 /03 /2006

P r o j e t i s t a : M a t e u s M a t o s d e A l c â n t a r a A S S :

A G R ONOM I A C O N S T R U T O R A L T D A

PRANCHA

ÚNICA E s c a l a : 1 : 5 0 U n i d a d e : m e t r o Á r e a : . . .

Desenho Técnico 7

V. DOBRAMENTO DO PAPEL

NBR 13142 (Mai/ 1994) – esta norma estabelece as condições para o

dobramento do papel de modo a facilitar o seu arquivamento.

A condição geral para este procedimento é permitir que o resultado

final do dobramento seja uma folha no formato A4 (210 x 297 mm). É,

igualmente importante observar se o carimbo ou selo está visível. A figura

abaixo mostra um exemplo de cópia padrão A2 e A3 dobrada.

Desenho Técnico 8

VI TIPOS DE TRAÇO

NBR 8403 (Mar/ 1984) – esta norma determina os tipos e o

escalonamento dos traçados utilizados em desenhos técnicos.

Nos desenhos técnicos utiliza-se traços de diversos tipos e espessuras.

Na prática as espessuras mais usadas são as 0,7 mm; 0,5 mm e 0,3 mm e os

traçados seguem padrões pré-estabelecidos como os indicados no quadro a

seguir:

QUADRO 1: Tipos de linha

Desenho Técnico 9

Traçados

Para a aplicação destas normas, no entanto, é necessária uma

mínima destreza no manuseio dos instrumentos, por isto a prática do desenho

tem início com trabalhos em traçado. O começo deste trabalho é importante

ter conhecimento que a lapiseira deve ser mantida entre os dedos polegar,

indicador e médio, enquanto o anular e o mínimo apóiam na folha. A pressão

exercida na lapiseira deve ser constante e firme, mas não excessiva, para

evitar sulcos no papel.

Os primeiros exercícios desenvolvem a técnica para o traçado de

linhas razoavelmente retas, fazendo a união de dois pontos dados. Neste caso,

é importante que se atente para os pontos extremos da linha, que definem a

sua direção e, portanto, aquela do traço a ser executado.

Para a execução desta linha há duas técnicas:

a) desenhar uma linha razoavelmente reta, entre os dois pontos com

traços sucessivos;

b) ou para linhas longas, desenhar uma linha contínua através de

um movimento de braço.

Neste caso é aconselhável ensaiar algumas tentativas para obter a

direção desejada e só após traçar, como mostram as figuras abaixo.

Desenho Técnico 10

Exercício: traçar as retas abaixo

Para a boa confecção de um desenho os traços devem apresentar

regularidade em toda sua extensão. Assim, a uniformidade do traçado deve

ser minuciosamente observada, devendo ser mantida a espessura escolhida,

do início ao fim, sem que haja interrupções, como pedaços de traço apagados

ou não completados. As linhas contínuas não devem ultrapassar os cantos ou

deixar de alcançá-los; os diversos traços de uma linha tracejada devem ter

comprimentos aproximadamente iguais e ser eqüidistantes.

Erros mais frequentemente de traços.

Desenho Técnico 11

VII. CALIGRAFIA TÉCNICA

NBR 8402 (Mar/ 1994) – esta norma fixa os princípios da escrita

utilizada em desenhos técnicos e documentos semelhantes.

Para se obter maior legitimidade os tipos de letras e algarismos

devem ser legíveis e de fácil execução. É recomendável que se utilize letras

verticais, maiúsculas e do tipo BASTÃO. As letras minúsculas e as inclinadas

também podem, casualmente, serem utilizadas.

Alguns parâmetros devem ser observados a fim de se obter um letreiro

harmonioso:

• Estilo constante

• Altura constante

• Traços com verticalidade ou inclinação uniformes

• Espessura uniforme dos traçados

• Observar o espaçamento mais adequado entre os caracteres e

entre as palavras

Exemplo de letra técnica:

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R

S T U V X W Y Z 1 2 3 4 5 6 7 8 9

a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v x

w y z

Desenho Técnico 12

Desenho Técnico 13

Desenho Técnico 14

Composição de palavras:

Na composição de palavras é necessário dar atenção principalmente

ao espaçamento entre as letras. Este espaçamento depende da forma de

cada letra e para um letreiro harmonioso não deve ser o mesmo entre todas

as letras. Com a prática neste procedimento o espaçamento correto é

intuitivo, mas no início é aconselhável observar certas regras na combinação

de letras com as seguintes características:

1. Intervalos limitados por traços retos paralelos: espaçamento de meia altura

da pauta.

JL HN MP VA

2. Intervalos limitados por traços retos não paralelos: espaçamento de meia

altura da pauta medido na metade do traço inclinado.

VL NA AB AM

3. Intervalos limitados por traços verticais curvos: espaçamento um terço da

pauta, para compensar a impressão de maior área entre as letras.

DI OP QU IO

4. Intervalos limitados por traços inclinados e curvos: espaçamento um terço

da pauta, medido na metade do traço inclinado.

AC VO AG AO

5. Intervalos limitados por traços curvos: traços curvos aumentam a aparência

de uma maior área, por isto as letras devem ter menor espaçamento que nas

situações anteriores.

DC QG GO OC

6. Letras com formas abertas: máxima aproximação.

LI FA TA JT

Desenho Técnico 15

Mapa A

Mapa B.

Desenho Técnico 16

Composição de frases

A distância entre as palavras deverão parecer a mesma, para isto

deve observar-se o espaçamento entre as letras iniciais e finais de cada

palavra seguindo as indicações de espaçamento descritas anteriormente.

Exercício: Transcrever o parágrafo abaixo, obedecendo às regras de

caligrafia técnica utilizando as pautas estabelecidas.

Desenho Técnico 17

VIII. ESCALAS NBR 8196 – refere-se ao emprego de escalas no desenho.

A escala de um desenho é a relação entre as dimensões do mesmo e as

dimensões da peça real que está sendo representada.

Se realizamos um desenho na escala 1:50, significa que cada dimensão

representada no desenho será 50 vezes maior na realidade, ou seja, cada 1

(um) centímetro que medirmos no papel corresponderá a 50 (cinqüenta)

centímetros na realidade.

Nem sempre é possível executar um desenho com as dimensões reais

do objeto. Dependendo do tamanho da peça e da folha de desenho teremos

que aplicar uma redução ou ampliação proporcional dessa peça, sem,

contudo modificar sua forma, para que todos os detalhes fiquem claramente

definidos.

Assim, podemos definir os três tipos de escalas:

a) Escala de redução: o desenho tem as dimensões menores do que

as dimensões do objeto desenhado. No caso das edificações, as

escalas utilizadas na sua representação são normalmente

escalas de redução, devido a sua grandeza (as dimensões da

peça real são reduzidas para que seja possível representa-la em

uma folha de papel).

Representação: 1/10 ou 1:10 ou 10

1

1:1 1:2 1:5

Desenho Técnico 18

b) Escala de ampliação: o desenho tem as dimensões maiores do que as dimensões do objeto desenhado. Neste caso as dimensões da peça real são ampliadas para representá-la no desenho. Imagine uma peça com dimensão de alguns milímetros, que para ser representada e visualizada mais facilmente foi ampliada dez vezes. Neste caso a representação correta é: 10:1

ou 10/1 ou 10

1 , (cada dez unidades no desenho correspondem a uma unidade

na peça real).

1:1 2:1 5:1

c) Escala natural ou real: o desenho tem as mesmas dimensões do

objeto desenhado.

Representação: 1/1 ou 1:1

Nos projetos de edificações são adotadas diferentes escalas para os

diferentes tipos de desenhos, dependendo do nível de detalhes que se deseja

representar em cada um.

As escalas usualmente empregadas são listadas a seguir. PLANTA ESCALAS, USUALMENTE, EMPREGADAS

plantas de situação 1:200, 1:500, 1:1000; 1:2000 plantas de localização 1:200, 1:250, 1:500 plantas baixas e cortes 1:50, 1:100 desenhos de detalhes 1:10, 1:20, 1:25

As escalas se classificam em: 1) escalas numéricas e 2) escalas gráficas.

1) Escalas numéricas: indicam, sob a forma de fração, uma relação

em que o numerador é igual à unidade e o denominador é o

fator de redução.

A fração 1:50 é a escala numérica que nos indica que uma parte

do desenho representará 50 partes do objeto real.

Desenho Técnico 19

2) Escalas gráficas: muitas vezes, quando utilizamos o recurso da

escala numérica para a execução de projetos, poderemos

incorrer em erros enganosos, além do tempo excessivo gasto

para realizar os inúmeros cálculos de conversão. Assim, torna-se

mais prático e seguro o emprego de escalas gráficas, que

permitirão uma leitura direta.

Escala gráfica é uma figura geométrica, uma linha

fragmentada ou uma régua graduada, que serve para determinar, de forma

imediata, a distância gráfica, uma vez sabida a distância real, e vice versa.

Construção de uma escala gráfica simples

Para construção de uma escala gráfica é necessário calcular o valor da divisão

principal correspondente no desenho.

Ex. Construir uma escala gráfica de 1/50

Divisão Principal = 1m

Cálculo do valor divisão principal correspondente no desenho

D -------------- R

1m -------- --50m

Xm ---------- 1m

X= 1/50 = 0.02m = 2cm

Então cada 2 cm no desenho corresponde à divisão principal de 1m.

Figura. Escala gráfica simples

Desenho Técnico 20

Com a criação do escalímetro, e sua colocação no mercado pelas

indústrias de instrumentos para Desenho, o uso das escalas se tornou ainda

mais fácil. Estq ferramenta traz impresso em seus dorsos as escalas de maior

uso. Para os desenhos de Arquitetura, o escalímetro triangular, possui as

escalas de redução: 1:20, 1:25, 1:50. 1:75, 1:100, 1:125, todas expressas em Metro.

Escalímetro tipo 1

Exercícios:

1. Uma janela que numa escala 1:25 mede 0,04 m (4cm) de largura, que

dimensão terá na realidade?

2. Um terreno mede 200 m e está representado no papel por 0,4 m, em que

escala está representado?

3. A distância gráfica entre A e B é 8 cm, e a distância real é de 84 km. Qual é

a escala utilizada?

4. Deseja-se representar um retângulo com as dimensões de 10 m X 15 m, na

escala 1:150. Quais as dimensões gráficas em centímetros?

5. A distância gráfica entre duas cidades A e B é 6 cm e a distância real é de

15km , então qual a escala utilizada no mapa?

6. Uma escultura foi representada em um desenho com 84 mm de altura, na

escala 1:200. Qual a dimensão real desta escultura? E se ela fosse representada

na escala de 1:50 quanto mediria?

Desenho Técnico 21

IX. USO DE ESQUADROS E RÉGUA PARALELA

A utilização correta dos esquadros em desenho técnico é de

fundamental importância para a obtenção da precisão necessária. Estes

instrumentos são utilizados para o traçado de linhas horizontais e verticais e

podem servir também como apoio. O traçado de retas paralelas ou

perpendiculares a determinada direção pode ser realizado movendo-se um

esquadro apoiado sobre o outro que permanece fixo.

Podem ser utilizados também para o traçado de linhas em ângulos determinados (30º, 45º, 60º e outros).

Um recurso para o traçado de linhas com ângulos diferentes é a combinação dos esquadros, apoiados, como nos exemplos.

Quando dispomos de régua paralela, esta além de apoiar o traçado de linhas horizontais serve também como apoio aos esquadros, permitindo o traçado de linhas verticais e em ângulos determinados (30º, 45º, 60º e outros).

Desenho Técnico 22

X. COTAGEM NBR 10126 – Esta norma fixa os princípios gerais de cotagem a serem

aplicados em desenho técnico. Apesar dos desenhos componentes dos projetos usualmente serem

representados em escala é necessária a representação numérica das suas

dimensões reais e isso é feito mediante o uso de linhas, símbolos, notas e

valores numéricos numa unidade de medida.

As regras adotadas na cotagem têm o objetivo de deixar sua

representação clara e padronizada, privilegiando, sempre, a clareza e a

precisão na transmissão das informações.

Elementos componentes da cotagem:

• linha de cota: é a linha que contém a dimensão daquilo que está

sendo cotado e na qual é posicionado o valor numérico da cota. Não deve se

distanciar mais do que 10 (dez) mm do desenho e não menos que 7 (sete)

mm. Para evitar que o desenho fique visualmente poluído, essas linhas se

diferenciam daquelas pertencentes ao desenho, mediante a espessura do

traço (que é mais fina para as cotas).

• linha de extensão (ou auxiliar) de cotagem : é a linha que liga a

linha de cota ao elemento que está sendo cotado. Ela tem a função de

delimitar o espaço a ser cotado e se distancia do desenho em apenas 1 (um)

mm.

• finalização das linhas de cota (encontro da linha de cotas e da linha

de extensão): usualmente na representação dos projetos de arquitetura as

linhas de cota e de extensão se cruzam e são adotados pequenos traços

inclinados a 45° neste ponto de intersecção das mesmas. Veja o exemplo

abaixo:

Desenho Técnico 23

É importante seguir algumas regras básicas para construir as cotas:

1) Toda cotagem necessária para representar clara e

completamente o objeto deve ser representada diretamente no desenho.

2) A cotagem deve ser localizada na vista ou no corte que

represente mais claramente o elemento.

3) Cotar somente o necessário para descrever o objeto.

4) As linhas de cota, extensão e o traço (450) devem ser feitos com

um grafite de espessura menor do que o grafite utilizado para desenhar o

objeto.

5) Não traçar linhas de cota e linhas de chamada como continuação

das linhas do desenho.

6) As cotas devem ser colocadas no meio da linha de cota sem,

contudo, tocá-la.

7) Cotação horizontal: cotas sobre a linha de cota

Cotação vertical: cota do lado esquerdo da linha de cota no sentido

de leitura: de baixo para cima.

8) Quando o espaço for pequeno para cotar podemos deslocar a

cota e indicá-la por meio de um traço obliquo.

9) O número de casas decimais deve ser a mesma em todo o

desenho, separadas por ponto: .10 ; 3.40 ; 1.00

10) As cotas devem ter tamanhos uniformes, em torno de 5 mm.

11) Não pode haver cruzamento entre linhas de cota, tampouco

entre linhas de chamada.

12) Evitar repetições desnecessárias.

13) As cotas devem ser colocadas de forma que cálculos sejam

evitados durante a execução do projeto.

14) Referências de nível

Nas plantas-baixas adota-se o símbolo para informar a cota em

determinados pontos do projeto. Não é necessário representar a cota de cada

peça, mas sim cada vez que existir uma região do projeto em uma cota de

Desenho Técnico 24

nível diferente. Nos cortes, adota-se usualmente o símbolo para

representar as cotas de cada região do projeto.

Desenho Técnico 25

XI. VISTAS ORTOGRÁFICAS

O Desenho Projetivo é aquele que resulta de projeções do objeto sobre

um ou mais planos que se fazem coincidir com o do próprio desenho. Este tipo

de desenho pode ser:

• Vistas Ortográficas: figuras resultantes de projeções cilíndricas ortogonais do

objeto, sobre planos convenientemente escolhidos de modo a representar, com

exatidão, a forma deste objeto com seus detalhes.

• Perspectivas: figuras resultantes de projeção cilíndrica ou cônica sobre um

único plano, com a finalidade de permitir uma percepção mais fácil da forma

do objeto.

O fundamento teórico para a representação através de vistas

ortográficas tem origem nos conceitos de Geometria Descritiva, em que planos

de projeção perpendiculares se interceptam e formam o “paralelepípedo de

referência”, descrito na figura 1, que pode gerar até seis vistas do objeto.

Nestas vistas devido à projeção ortogonal, as arestas assim como todos os

detalhes contidos nas faces do objeto são representados em verdadeira

grandeza. A verdadeira grandeza é este a principal vantagemdeste tipo de

representação em relação às perspectivas, além da fácil representação.

Desenho Técnico 26

Não é necessário utilizar seis vistas para representar objetos

relativamente simples, geralmente utilizam-se apenas três vistas (superior,

frontal e lateral). Esta combinação pode variar e no trabalho prático a

escolha da combinação das vistas é fundamental para descrever da forma

mais clara e econômica o objeto. Na figura abaixo, o mesmo objeto

representado nas figuras anteriores através de seis vistas contempla o mesmo

nível de precisão descrito apenas em três vistas.

As vistas ortográficas são figuras representativas de uma projeção

cilíndrica ortogonal de um objeto sobre um plano, devendo ser realizada de

modo a deixar nítida a forma do objeto e seus detalhes. A projeção ortogonal

é uma representação bidimensional de um objeto tridimensional.

De acordo com a norma (NBR 10647) as vistas principais de uma peça

qualquer são as seis vistas que se projetam no paralelepípedo de referência:

frontal, lateral direita, lateral esquerda, inferior, superior e posterior.

Desenho Técnico 27

A vista mais importante de um objeto deve ser tomada como a

principal ou frontal. Assim, alguns critérios são importantes para a escolha

desta vista:

• Maior número de detalhes voltados para o observador;

• Posição de uso, fabricação ou montagem;

• Maior área ( desde satisfaça o primeiro item ).

Desenho Técnico 28

Exercício: representar as vistas dos objetos abaixo a partir de suas perspectivas

Desenho Técnico 29

XII. PERSPECTIVAS AXONOMÉTRICAS

Este termo vem do latim (perpectum – ver através) e constituem-se

na ciência da representação gráfica dos objetos, tais como são vistos pelos

nossos olhos. É um método que nos permite reproduzir as três dimensões numa

superfície plana, representando, graficamente, as deformações aparentes

percebidas pelas nossas vistas.

A perspectiva nos fornece três elementos indispensáveis: 1) dá ao

objeto a idéia de dimensão e volume; 2) dá a sensação de distância; 3) sugere

espaço.

A axonometria na perspectiva refere-se a uma projeção cilíndrica

ortogonal sobre um plano obliquo em relação às três dimensões do corpo a

representar. Existem quatro tipos de perspectiva axonométrica:

a) Cavaleira b) Isométrica c) Dimétrica d) Militar

Para efeito didático, trabalharemos apenas com as duas primeiras.

Desenho Técnico 30

Perspectiva Cavaleira

Em uma perspectiva cavaleira, temos a figura apresentada com uma

face frontal, sendo nesta face marcadas a largura e altura, conservando a sua

forma e as suas dimensões, como na figura abaixo.

As retas perpendiculares ao quadro ou à superfície a ser desenhada,

têm o nome de Fugitivas; o ângulo que formam, em perspectiva com a

direção horizontal é chamado de Ângulo das Fugitivas e a razão existente

entre o comprimento em perspectiva (deformado) de seus segmentos e o

comprimento real denomina-se Coeficiente de Alteração ou Fator de

Conversão (K). Este fator só é aplicado nas arestas perpendiculares ao quadro

e os melhores valores para K se encontram entre 0,5 e 1. Valores fora desta

faixa podem ser usados, mas incorrem em deformidades das arestas do objeto,

dificultando sua visualização.

Devemos marcar o comprimento em apenas uma direção, sofrendo

redução em sua medida proporcional ao ângulo de profundidade. Os ângulos

mais utilizados são 300, 450 e 600.

Desenho Técnico 31

Perspectiva Isométrica

Na perspectiva Isométrica os três eixos no espaço (x, y, z) estão

igualmente inclinados em relação ao plano de projeção. Assim, os eixos

axonométricos fazem o mesmo ângulo e o coeficiente de redução nas três

escalas iguais. Portanto a escala axonométrica é 1:1:1.

É comum a posição, no papel, do eixo Z na vertical, representando a

escala das alturas. Para o traçado das demais direções (eixos X e Y), que fazem

ângulo de 300 com a direção horizontal, utiliza-se um esquadro.

Aparência da Perspectiva Isométrica

Observe a diferença entre as duas perspectivas estudadas, nos

desenhos abaixo.

Isométrica Cavaleira

Cada uma delas mostra o objeto de um jeito. Comparando as duas

formas de representação, podemos notar que a perspectiva isométrica é a

que dá a idéia menos deformada do objeto. ISO quer dizer mesma; MÉTRICA

quer dizer medida. A perspectiva isométrica mantém as mesmas proporções

do comprimento, da largura e da altura do objeto representado.

Desenho Técnico 32

XIII. DESENHO ARQUITETÔNICO

Desenho arquitetônico consiste na representação geométrica das

diferentes projeções, vistas ou seções de um edifício ou parte do mesmo,

munindo-se de convenções que venham auxiliar na leitura e execução da

obra.

O projeto arquitetônico é composto de:

 Planta baixa

 Planta da situação

 Planta de locação /

diagrama de cobertura

 Cortes

 Fachada

 Detalhe

PLANTA BAIXA

É a principal representação gráfica de uma construção, pois consiste

na visualização superior da construção, supondo-se a mesma cortada por um

plano horizontal situado a aproximadamente 1,50 m de altura e retirando-se

a parte superior, o ideal é que as janelas sejam cortadas pelo plano horizontal,

tal como representado na figura abaixo. Nela deverão conter as disposições

dos cômodos e posição de paredes, portas e janelas, com medidas horizontais.

Perspectiva isométrica mostrando o princípio da planta baixa.

Parte demonstrativa da Planta Baixa.

Desenho Técnico 33

Na maioria dos projetos arquitetônicos a escala usada é de 1:50, mas

em casos excepcionais usamos a escala de 1:100.

Recomendações:

 Inicialmente, deve-se traçar as paredes e, em seguida, marcam-se

as portas e janelas;

 A planta deve ser desenhada sempre com a frente voltada para

baixo;

 Em toda planta baixa devem ser indicados pelo menos dois cortes,

e em caso de dois ou mais pavimentos, serão representados cada

um, separadamente;

 Paredes externas, em geral, tem espessura de 20 a 25 cm (1 tijolo) e

as internas terão espessura de 15 cm (1/2 tijolo).

 A nomenclatura da planta baixa, bem como a escala utilizada

deve ser indicada no canto inferior esquerdo.

Etapas para a confecção de uma planta baixa:

Primeira fase: 1. marcar o contorno externo do projeto 2. desenhar as espessuras das paredes externas 3. desenhar as principais divisões internas

Segunda fase:

4. desenhar as portas e janelas – porta = P: largura x altura (P: .90 x 2.10 m) / janela = J: base x altura (J: 1.1 x .90 m). Na escolha da posição das portas devemos dar preferência as extremidades e deixar no mínimo 0,10 m de parede (boneca) para fixação das guarnições.

5. apagar os excessos das linhas traçadas 6. desenhar a projeção da cobertura (beiral), as quais devem ser

maiores que 0,50 m.

Terceira fase:

7. desenhar as linhas pontilhadas (beiral, janelas altas) 8. acentuar as espessuras dos traços (paredes)

Desenho Técnico 34

9. colocar linhas de cotas e cotar (inclusive as cotas de nível dos pisos) 10. escrever o nome dos compartimentos 11. indicar a posição dos cortes e indicar o Norte.

Figura. Exemplo de planta baixa: habitação rural

Desenho Técnico 35

CORTES

O corte consiste na visualização da construção, após a mesma ter sido

cortada por um plano vertical e retirada a parte anterior. Tem por finalidade

apresentar as várias alturas de um prédio , tais como pé direito, altura de

janelas e portas, altura de peitoris, vigas, vergas, etc. Além disso, através dos

cortes apresentamos os principais detalhes das fundações, lajes, coberturas e

outros.

Recomendações:

 A escala a ser adotada é, em geral, de 1:50;

 Serão feitos, no mínimo, dois cortes, escolhendo aqueles mais

significativos (com mais detalhes);

 A nomenclatura dos cortes bem como a escala serão indicados no

canto inferior esquerdo;

 Todas as medidas verticais deverão ser cotadas;

Parte demonstrativa do Corte.

Perspectiva isométrica mostrando o princípio do Corte.

Desenho Técnico 36

 Espessuras de lajes, fundações e peças do telhado não serão cotadas

 As lajes, geralmente, são representadas com espessura de 10 cm, as

fundações corridas estarão sempre sob as paredes, com largura de 25

a 40 cm para as paredes de ½ tijolo e de 30 a 60 cm para paredes

de 1 tijolo. A profundidade das fundações na planta arquitetônica

não é marcada, pois depende de estudos de qualidade do solo.

 Os telhados são vistos em ambos os cortes, geralmente são

sustentados pelas tesouras que aparecem sempre de frente quando é

transversal ao telhado. O espaçamento entre duas tesouras, no corte

longitudinal, não ultrapassa a 3 m nos casos comuns.

 Nos cortes longitudinais, para efeito de representação do telhado,

considera-se o corte passando pela parte mais alta do telhado, ou

seja, pela CUMEEIRA.

Etapas para a confecção dos cortes:

1. desenhar a linha do terreno

2. marcar a cota do piso e traçar

3. desenhar as paredes externas e marcar as alturas

4. desenhar o forro quando houver

5. desenhar a cobertura ou telhado

6. desenhar as paredes internas cortadas pelo plano

7. marcar a portas e janelas cortadas pelo plano de corte

8. desenhar os elementos não cortados (janelas e portas)

9. colocar as linhas de cota e cotar

10. repassar os traços em todo desenho, os finos, médios e, por último,

os grossos.

Desenho Técnico 37

Figura. Cortes transversal (AA’) e longitudinal (BB’) – Habitação rural.

Desenho Técnico 38

FACHADA

A fachada tem por finalidade mostrar como serão as faces do prédio,

exteriormente, após ser concluída a obra.

Recomendações

 a escala adotada é de 1:50 ou 1:100

 serão feitos depois de desenhados os cortes

 deve-se desenhar a linha do terreno e marcar as medidas horizontais

 todas as medidas relativas às alturas serão transportadas dos cortes

para a fachada

 haverá , no mínimo uma fachada (principal), podendo ser

representadas as outras faces da construção

 a nomenclatura da fachada será indicada no canto inferior esquerdo

 a fachada não é cotada

Desenho Técnico 39

Figura. Fachada leste – Habitação rural

PLANTA DE LOCAÇÃO E COBERTURA

a) Locação: serve para alocar a construção dentro dos limites do

terreno. Esta deve mostrar muros, portões, árvores existentes ou a serem

plantadas, um ponto de referência que desperte interesse e a orientação

cardeal (norte).

Desenho Técnico 40

b) Cobertura: pode indicar a disposição dos vários planos do telhado e

o sentido de queda das águas pluviais. A cada plano do telhado damos a

denominação de água.

Recomendações:

 a escala mínima adotada é de 1:100, normal é 1:200

 a cobertura será sempre desenhada com a frente principal voltada

para baixo

 deve-se indicar os contornos e divisões dos planos

 indicar, por meio de setas o sentido de queda das águas

 contorno externo das paredes da construção (projeção)

 nomenclatura e escala serão colocados no canto inferior esquerdo

 o desenho não deverá ser cotado.

Figura. Exemplo de diagrama de cobertura.

Desenho Técnico 41

PLANTA DE SITUAÇÃO

Consiste na visualização superior do terreno e da construção situada

em seu interior. Indica a forma e dimensões do terreno, os lotes e as quadras

vizinhas, limites da propriedade ou parte dela e ruas ou estradas de acesso.

Em geral, são representadas na escala de 1:500, 1:000 ou 1:2000.

PLANTA DE SITUAÇÃO

Desenho Técnico 42

XIV. NOÇÕES DE DESENHO TOPOGRÁFICO

A palavra "Topografia" deriva do grego topos (lugar) + graphein

(descrição) e pode ser definida como a ciência aplicada com princípios,

métodos e instrumentos empregados na determinação da posição relativa de

elementos e pontos de uma porção da superfície terrestre, bem como sua

representação gráfica detalhada.

A topografia tem fundamental importância em muitos trabalhos ou

projetos relacionados às áreas de engenharia, arquitetura e agronomia, uma

vez que fornece dados e informações "a cerca da área a ser trabalhada",

facilitando o planejamento e a execução das ações a serem implementadas

(locações de obras, demarcações de terras, loteamentos etc).

Ao se projetar qualquer obra de Engenharia, Arquitetura ou

Agronomia, é necessário o levantamento topográfico do lugar onde a obra

será implantada. Daí a importância da Topografia, que se incumbe do

levantamento ou medição, que deverá ser precisa e adaptada ao terreno.

Apenas a Topografia pode medir ou calcular distâncias horizontais e verticais,

calcular ângulos horizontais e verticais com alta ou altíssima precisão, como

medir distâncias horizontais com erro provável de 1 para 100.000, calcular

altitudes com precisão de um décimo de milímetro.

Aplicações

• Mapeamento de pequenas áreas: a Topografia é o meio pelo

qual se obtém as coordenadas planimétricas ou horizontais (X,

Y) e as coordenadas altimétricas (Z).

• Estradas (rodovias e ferrovias): a Topografia participa do

reconhecimento, ajuda no anteprojeto, executa a linha de

ensaio ou linha básica, faz e loca o projeto do traçado

geométrico, projeta a terraplanagem; resolve o transporte de

terra, controla a execução e pavimentação (infra-estrutura, no

Desenho Técnico 43

caso das ferrovias), colabora na sinalização, corrige falhas como

curvas maltraçadas, etc.

• Barragens: a Topografia faz os levantamentos planialtimétricos,

loca o projeto, determina o contorno da área inundada,

controla a execução da obra monitorando problemas de níveis

e alinhamentos.

A Topografia deve ser entendida como uma importante prática

dentro da Engenharia. Hoje, encontra-se em fase de transição quanto ao uso

de equipamentos e técnicas de operação. O advento do sistema GPS (Global

Posiotioning System) vem proporcionando verdadeiras revoluções nos

métodos tradicionais. Porém, a modernização dos equipamentos de medição

é muito bem-vinda pelo ganho incomparável em tempo e facilidade de

operação. Apesar dos avanços tecnológicos surpreenderem até as mais

arrojadas expectativas, nem todas as atividades podem se valer do sistema

GPS. Existem situações em que as técnicas tradicionais de operação da

Topografia estão e serão ainda por muito tempo preservadas.

Planimetria Altimetria

Desenho Técnico 44

XIV. APLICAÇÕES DO DESENHO RURAL

A aplicação da interpretação do desenho técnico para os profissionais

da agronomia não se restringe apenas ao projeto de instalações rurais,

edificações de armazenamento de grãos (desenho arquitetônico) ou

interpretação do relevo (desenho topográfico). Atualmente as propriedades

rurais utilizam-se de sofisticados recursos de gestão de uso do solo, entre eles a

interpretação de fotos de satélites para definição de área de plantio.

Como ilustração deste recurso as figuras a seguir mostram diferentes

imagens de uma propriedade segundo objetivos específicos.

Este tipo de representação podem ser classificadas como vistas

superiores ou em “planta” de uma porção de terra significativa. Estas

representações normalmente vêm acompanhadas de uma legenda que

facilita a interpretação da simbologia empregada.

Projetos de propriedades rurais, de caráter ambiental e/ ou

urbaniístico que abrangem grandes extensões caracterizam-se pelo emprego

de escalas de desenho de alta redução e baixo nível de detalhamento ( a

apartir de 1/1000, 1/ 5000). O objetivo dessa representação concentra-se na

demonstração de zoneamento de atividades e/ ou tipo de cultivo. Abaixo

estão expostos exemplos de símbolos utilizados neste tipo de desenho.

Desenho Técnico 45

Convenções de desenho rural (em escala de alta redução):

Desenho Técnico 46

Convenções do desenho rural e paisagístico (em escala de menor redução)

Em escalas com menor grau de redução (1/ 750, 1/500, etc) há possibilidade de detalhar melhor a vegetação, as vias (de carros e pedestres) e os equipamentos. As figuras abaixo mostram parques representados com grande precisão.

Da mesma forma, projetos que definem a organização de pequenas

propriedades se definem também podem ser pensadas em escala compatível com sua extensão e o detalhamento vai aumentando no decorrer do projeto. Esta evolução pode ser verificada na seqüência de desenhos a seguir que demonstra as etapas de projeto:

Fig. Zoneamento Fig. Anteprojeto Fig. Projeto

Desenho Técnico 47

Representação de vegetação e benfeitorias

Desenho Técnico 48

Desenho Técnico 49

EXERCÍCIO:

Em folha A2, utilizando as representações da legenda, representar parte de uma propriedade rural descrita pelos elementos abaixo e suas respectivas coordenadas, considerando a unidade em metros.

O desenho deverá ser realizado em escala de1:1000 e todos os elementos representados deverão estar de acordo com a escala utilizada. Deverá conter ainda, legenda especificando os símbolos utilizados, sendo colocados no lado direito da prancha, acima do carimbo.

Limites da porção da propriedade considerada:

1 (0,0) 2 (20,80) 3 (10, 190) 4 (40, 320) 5 (170,280) 6(220, 290) 7 (300,310) 8 (350, 310) 9(410,290) 10 (410,170) 11 (410, 100) 12 (420,60) 13 (300, 40) 14(220, 40) 15 (150, 20) 16 (70,0)

 Considerando que, ao Sul, o limite da propriedade é um ribeirão perene, com 10 metros de largura, representa-lo de acordo com as orientações da legenda, acompanhando a linha formada pelos pontos 1, 16, 15, 14, 13 e 12.

A oeste, o limite da propriedade se faz com uma rodovia de 15 m de largura. Portanto, duplicar a linha formada pelos pontos 1, 2, 3 e 4.

Limites internos que definem diferentes usos do solo: O polígono formado pelos pontos 3, 4, 5, 6, 7, 8, 17 (280,230) e 18

(100,180), define a área de milho O polígono formado pelos pontos 8, 9, 10, 11, 19 (300,70) e 17, define a

área de cultivo de feijão. O polígono formado pelos pontos 11, 12, 13, 14, 15, 16, 20 e 19 define a

área de Floresta. O polígono formado pelos pontos 2, 3, 18, 17, 19 e 20 (70,30), define a

área de pasto cultivado. Sede A sede da fazenda é determinada pelos pontos 21 (30,40), 22 (30,50),

23 (40,50) e 24 (40,40). Uma cerca deverá fazer o contorno em toda sede. Açude Um açude é determinado pelos pontos 25 (280,130), 26 (260,140), 27

(280,170) e 28 (290, 150). Acessos O acesso da rodovia se faz próximo ao ponto 1 e ao ponto 3 através de

porteiras. Há porteiras, também, próximo aos pontos 17 e 18. Estradas carroçáveis deverão ser incorporadas à representação permitindo o trânsito entre porteiras. Caminhos importantes também podem ser representados. Todas as divisões da propriedade devem estar representada por cerca de arame.

comentários (0)
Até o momento nenhum comentário
Seja o primeiro a comentar!
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Docsity is not optimized for the browser you're using. In order to have a better experience we suggest you to use Internet Explorer 9+, Chrome, Firefox or Safari! Download Google Chrome