Prática Baseada em Evidências - Apostilas - Enfermagem, Notas de estudo de . Universidade Federal da Bahia (UFBA)
Pamela87
Pamela8727 de Fevereiro de 2013

Prática Baseada em Evidências - Apostilas - Enfermagem, Notas de estudo de . Universidade Federal da Bahia (UFBA)

PDF (140.9 KB)
4 páginas
965Número de visitas
Descrição
Apostilas sobre a Prática Baseada em Evidências, definição, referencial teórico-metodológico e metodo.
20pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 4
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo

SUMÁRIO

1 – PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

1.1 – Referencial teórico-metodológico (Prática Baseada em Evidências)............. 1

1.2 – Método (Revisão Integrativa)......................................................................... 2

2 – REFERÊNCIAS................................................................................................. 4

1

PRÁTICAS BASEADAS EM EVIDÊNCIAS

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

Referencial teórico-metodológico (Prática Baseada em Evidências)

A Prática Baseada em Evidências (PBE) é uma abordagem para o cuidado clínico, onde é necessário realizar a identificação do problema, condução da busca de estudos na literatura, avaliação critica da literatura, identificação e aplicação dos dados procedentes deste estudo para o benefício do paciente (GALVÃO, SAWEDA, TREVIZAN, 2004).

Pedrolo et al (2009) diz que a “Pratica Baseada em Evidências é definida como uma abordagem para o cuidado clínico e para o ensino, fundamentada no conhecimento e qualidade da evidência”.

Mendes, Galvão, (2008) diz que o principal propósito da PBE é de possibilitar a melhoria da qualidade da assistência à saúde e a diminuição de custos.

De acordo com Mendes, Silveira, Galvão (2008), “o uso de evidências cientificas requer habilidades do profissional de saúde, pois exige associar resultados procedentes de pesquisas na prática clinica para a resolução de problemas”

Mendes, Silveira, Galvão (2008) completa dizendo que “o enfermeiro necessita saber como obter, interpretar e integrar as evidências com os dados clínicos e preferências do paciente na tomada de decisões na assistência de enfermagem aos pacientes e seus familiares”.

Galvão, Saweda, Trevizan (2004) descreve que a enfermagem baseada em evidência teve origem do movimento da medicina baseada em evidências. Ela é definida como o uso de informações

docsity.com

pesquisadas em teorias para a tomada de decisão sobre o cuidado prestado tanto ao paciente quanto aos seus familiares, levando em consideração as necessidades individuais e preferênciais.

A melhor evidência é adquirida da realização de pesquisa clinica relevante sempre focada no paciente para o aprimoramento das medidas de diagnóstico, indicadores de prognóstico e tratamento, a reabilitação e prevenção (PEDROLO et al, 2009).

2

Na Prática Baseada em Evidências encontramos alguns tipos de métodos de revisão que são mais utilizados, a sistemática, a meta-análise e a integrativa. Mas a revisão sistemática e a meta- análise, não completam importantes questões de enfermagem relacionadas aos cuidados e/ou ao impacto da doença ou do tratamento (SOUZA, SILVA, CARVALHO, 2010).

De acordo com Souza, Silva, Carvalho (2010) a revisão sistemática é uma síntese rigorosa com relação à pesquisa, enfocando primordialmente estudos experimentais. Busca superar possíveis desvios de informações em cada uma das etapas. A revisão meta-análise é um método que combina as evidências de múltipos estudos primários. Cada estudo é sintetizado, codificado e inserido em um banco de dados quantitativo. Já a revisão integrativa é a mais ampla abordagem metodológica, onde permite a inclusão de estudos experimentais e não-experimentais para uma compreensão completa do assunto analisado.

Método (Revisão integrativa)

Este estudo optou pela revisão integrativa porque a produção de métodos de revisão de literatura dentro do movimento da PBE é necessária e permite a busca, a avaliação crítica e o resumo das evidências disponíveis do tema que está sendo investigado, dentre eles destacamos a revisão integrativa (MENDES, SILVEIRA, GALVÃO, 2008).

Muitas vezes o enfermeiro não tem tempo para realizar leituras de todos os estudos disponíveis e realizar análise crítica de todos os estudos, pois sua carga horária é bastante grande. Por este motivo a revisão integrativa é um método valioso para este profissional (MENDES, SILVEIRA, GALVÃO, 2008).

A revisão integrativa tem um importante papel na PBE em enfermagem, pois é a mais ampla abordagem metodológica referente às revisões, permitindo a inclusão de estudos experimentais e não experimentais para uma compreensão completa do fenômeno analisado (SOUZA, SILVA, CARVALHO, 2010).

docsity.com

Para elaborar uma revisão integrativa, é necessário seguir alguns passos. São seis etapas distintas, similares aos estágios de desenvolvimento de uma pesquisa convencional, que Mendes, Silveira, Galvão (2008) descreve. As etapas são:

3

Primeira etapa: é necessário definir um problema e a formulação de uma hipótese ou questão de pesquisa que apresente relevância para a saúde e enfermagem. “Alguns estudiosos consideram a primeira etapa como norteadora para a condução de uma revisão integrativa bel elaborada” (MENDES, SILVEIRA, GALVÃO, p. 761). O assunto deve ser definido de maneira clara e específica, pois determina quais os estudos serão incluídos.

Segunda etapa: se inicia com a busca nas bases de dados para identificação dos estudos que serão incluídos na revisão. Esta etapa estabelece critérios para inclusão e exclusão de estudos. A determinação dos critérios deve ser realizada em concordância com a pergunta norteadora. Observamos que a internet é uma aliada nesta busca, pois as bases de dados possuem acesso eletrônico.

Terceira etapa: nesta etapa o revisor organiza e sumariza as informações de maneira concisa, formando um banco de dados. Desta forma é assegurado que todos os dados sejam extraídos, diminuindo assim o risco de erros na transcrição e garantindo informações corretas que sirvam como registro.

Quarta etapa: o revisor analisa todos os dados e para garantir a validade da revisão, os estudos selecionados devem ser analisados detalhadamente e de forma crítica, procurando explicações para os resultados diferentes ou conflitantes nos diferentes estudos.

Quinta etapa: após a análise dos dados o revisor chega a um resultado. Esta etapa corresponde à fase de discussão desses resultados. Então o revisor fundamentado nos resultados da avaliação crítica realiza a comparação com o conhecimento teórico, a identificação de conclusões e implicações resultantes da revisão integrativa. O revisor tem a possibilidade de apontar sugestões pertinentes para futuras pesquisas direcionadas para a melhoria da assistência à saúde.

Sexta etapa: nesta etapa o revisor tem que incluir informações suficientes para que o leitor tenha possibilidade de avaliar a pertinência dos procedimentos empregados na elaboração da revisão, os aspectos relativos ao tema em questão e o detalhamento dos estudos incluídos.

Percebemos então que “neste contexto, a revisão integrativa oferece aos profissionais de diversas áreas de atuação na saúde o acesso rápido aos resultados relevantes de pesquisas que fundamentam as condutas ou a tomada de decisão, proporcionando um saber crítico” (MENDES, SILVEIRA, GALVÃO, 2008).

4

docsity.com

REFERÊNCIAS

GALVAO, Cristina Maria; SAWADA, Namie Okino; TREVIZAN, Maria Auxiliadora. Revisão sistemática: recurso que proporciona a incorporação das evidências na prática da enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 12, n. 3, June 2004 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104- 11692004000300014&lng=en&nrm=iso>. access on 21 Mar. 2012

MENDES, Karina Dal Sasso; GALVAO, Cristina Maria. Transplante de fígado: evidências para o cuidado de enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 16, n. 5, Oct. 2008 . Available from <http://www.scielo.br

MENDES, Karina Dal Sasso; SILVEIRA, Renata Cristina de Campos Pereira; GALVAO, Cristina Maria. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto contexto - enferm., Florianópolis, v. 17, n. 4, Dec. 2008 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104- 07072008000400018&lng=en&nrm=iso>. access on 21 Mar. 2012.

PEDROLO et al. Pratica Baseada em Evidências como ferramenta para prática profissional do enfermeiro. Sistema Eletrônico de Revista, Universidade Federal do Paraná. Paraná. Out / Dez 2009. Disponível em: http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/cogitare/article/view/16396/10875

SOUZA, Marcela Tavares; SILVA, Michelly Dias; CARVALHO, Rachel; Revisão integrativa: o que é e como fazer. São Paulo, 2010. Acessado dia 17 de março de 2012; Disponível em: http://apps.einstein.br/revista/arquivos/PDF/1134-Einsteinv8n1_p102-106_port.pdf

docsity.com

comentários (0)
Até o momento nenhum comentário
Seja o primeiro a comentar!
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Docsity is not optimized for the browser you're using. In order to have a better experience we suggest you to use Internet Explorer 9+, Chrome, Firefox or Safari! Download Google Chrome