Protostômios - Apostilas - Biologia marinha, Notas de estudo de . Centro Universitario Nove de Julho (UNINOVE)
Jose92
Jose9214 de Março de 2013

Protostômios - Apostilas - Biologia marinha, Notas de estudo de . Centro Universitario Nove de Julho (UNINOVE)

PDF (26.1 KB)
8 páginas
1Números de download
1000+Número de visitas
1Número de comentários
Descrição
Apostilas de Biologia Marinha sobre o estudo dos Protostômios, Deuterostômios, Lofoforados.
20pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 8
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo

Protostômios  Clivagem espiral¹;  São animais cujo blastóporo² origina a boca;  Formação do celoma por esquizocelia³;  Mesoderme origina-se de uma única célula (célula 4d), mesentoblasto;  Cordões nervosos do sistema nervoso central ventrais;  Exemplos: Annelida, Arthropoda e Mollusca.

Obs¹: Clivagem espiral é a mitose de um zigoto na qual os blastômeros resultantes ficam dispostos de modo que formam um padrão espiral. Obs²: Blastóporo é uma abertura que serve de comunicação na fase embrionária, pondo em comunicação o intestino primitivo (arquêntero) com o meio externo. Obs³: Esquizocelia é o processo de formação do celoma, que nos Protostômios é resultante do alargamento de fendas das massas mesodérmicas. Obs : Celoma é a cavidade originada da mesoderma que fomará a cavidade geral do corpo. Armazena as excretas e sustenta o corpo do animal, funcionando como um esqueleto hidrostático. Deuterostômios  Clivagem radial¹;  São animais cujo blastóporo² origina o ânus;  Formação do celoma por enterocelia³;  Mesoderma surge de paredes do arquêntero;  Cordões nervoso do sistema nervoso central não ventrais;  Exemplos: Echinodermata, Phoronida e Ectoprocta.  Corpo trimérico: prossoma (anterior), mesossoma (médio) e Metassoma

(posterior);  Prossoma (epístoma), mesossoma (lofóforo) e metassoma (vísceras)  Compartimentos celomáticos distintos e pareados: protocele, mesocele e

matecele. Obs¹: Clivagem radial é a mitose de um zigoto na qual os blastômeros resultantes ficam dispostos de modo que formam um padrão radial. Obs²: Blastóporo é uma abertura que serve de comunicação na fase embrionária, pondo em comunicação o intestino primitivo (arquêntero) com o meio externo. Obs³: Enterocelia é o processo em que o celoma se forma a partir das bolsas do arquêntero. Obs : Arquêntero é o intestino primitivo. Obs : Celoma é a cavidade originada da mesoderma que fomará a cavidade geral do corpo. Armazena as excretas e sustenta o corpo do animal, funcionando como um esqueleto hidrostático

Filos: Chaetognatha Hemichordata Chordata Echinodermata *Phoronida *Ectoprocta *Brachiopoda Lofoforados

São animais que apresentam um lofóforo, isto é, uma estrutura que serve para alimentação e filtração, podendo ficar ao redor da boca ou em outros casos ao redor do ânus. São animais sésseis, por isso essa estrutura é tão importante.

O intestino desses animais é em forma de “U” para que fique longe do seu local de absorção. O trato digestivo inicia-se na boca e termina no ânus.

Apresentam corpo trimérico, sistema reprodutor simples e temporário. São animais bentônicos e alguns colônias secretores de um envoltório externo em

forma de tubo, concha ou exoesqueleto compartimentado.  Características gerais

a)Metassoma – (bulbo gástrico): concentra todas as vísceras. Cavidade – matacele. b)Mesossoma – (lofóforo): utilizado na alimentação e respiração. Cavidade – mesocele. c)Prossoma – (epistoma): canaliza o alimento até a boca do animal. Cavidade - protocele. Obs: Peritôneo é uma membrana que recobre todas as vísceras da cavidade celomática.

Filo Phoronida São animais vermiformes, apresentando corpo dividido em lofóforo e ampola

terminal. São tubículas, com o tubo quitinoso enterrado ou cimentado no substrato. Possui dois gêneros: phoronis e phoronopses. Quando o animal se encontrar perturbado se retrai para dentro do tudo.

 Características gerais

A superfície dorsal e reduzida a uma região entre a boca e o ânus – extremidade lofoforal e gástrica.

Possuem a parede do corpo coberta por uma cutícula fina e uma epiderme com células colunares densamente ciliadas (células glandulares – produção de muco e quitina) e células sensoriais.

Possuem uma fina camada de músculos circulares e uma espessa camada de músculos longitudinais.

O celoma é claramente tripartido:

a) protocele: restrita a uma pequena cavidade do epistoma. b) mesocele: está presente como um anel celomático dentro do colarinho lofoforal com extensões para dentro de cada tentáculo. c) Metacele: celoma torácico principal, separado da mesocele por um septo central.

A sustentação do corpo é feita por pressão hidrostática do celoma e pelo tubo. O

fluído celomático possuiu vários tipos de células livres ou Celomócitos (células amebóides fagocitárias).

a) Ampola terminal: ancoragem no tubo e abriga o estômago. b) Boca: em forma de fenda situada dentre as cristas portadores de tentáculos e coberta

pelo epístoma. c) Cristas laterais: espiraladas e posicionadas lateralmente ao ânus dorsal e aos

nefredióporos.  Lofóforo, alimentação e digestão

São animais suspensívoros/filtradores. São organismos bentônicos, que se alimentam de matéria orgânica, fito e zooplâncton, que está em suspensão na coluna d’água. Correntes de água levam o alimento por entre os tentáculos, filtrada por correntes ciliares em direção à boca e carregando também as excretas para longe do animal.

a) Tentáculos: prolongamentos ciliados ocos de mesossoma com um vaso sanguíneo

de fundo cego e celoma. b) Nefrídeos: filtram o fluído celomático eliminando as excretas pelos nefridióporos.

São responsáveis também pela liberação de gametas (ovos). Além disso, são responsáveis por controlar a osmolaridade interna do animal.

c) Trato digestivo em forma de “U”: tubo bucal, pré-estômago, estômago (bulbo terminal), intestino e ânus.

 Circulação Esses animais apresentam extenso sistema circulatório formado pelos vasos aferente e

eferente. A troca sanguínea ocorre nas extremidades lofoforal e gástrica. Este se move por contração muscular das paredes dos vasos sanguíneos.

a) Vaso Aferente (chega): Vaso circular aferente (em forma de “U”) – irriga o lofóforo.

Não-ramificado na porção entre o bulbo terminal e o lofóforo. b) Vaso Eferente (sai): Vaso circular eferente (em forma de “U”) – drena o lofóforo.

Forma cecos capilares no metassoma, que irrigam o trato digestivo. c) Plexo estomacal hemal: Sangue flui por espaços entre os vasos eferente e aferente.

 Trocas gasosas As trocas gasosas ocorrem nos tentáculos do lofóforo. O sangue contém hemoglobina,

pigmento respiratório que transporta oxigênio.

 Sistema nervoso Sistema nervoso simples devido ao estilo de vida sedentário, redução generalizada da

cefalização. O sistema nervoso está associado a epiderme sendo intra-epidérmico, com um anel nervoso situado próximo ao lofóforo.

Possuem neurônios sensoriais simples ou organizados em feixes e neurônios motores dentro das camadas musculares.

a) Anel nervoso dorsal: Supre os tentáculos lofoforais, ramica-se em nervos motores

para músculos longitudinais do metassoma e um feixe de neurônios lofoforais se estende do anel nervoso para cada um dos órgãos lofoforais.  Reprodução

Esses animais podem se reproduzir assexuadamente, isto é, por brotamento, regeneração de partes perdidas do corpo e autonomia de partes da extremidade lofoforal.

Quando ocorre a reprodução sexuada, são espécies dióicas ou hermafroditas (hermafroditas simultâneos). Suas gônadas são temporárias e os gametas são gerados por proliferação na metacele e eliminados via nefrídios. Na maioria das vezes a fertilização é externa. a) Glândulas nidimentais: São áreas de incubação que a fêmea possuiu onde os

espermatóforos produzidos nos órgãos lofoforais são transferidos e ficam incubados para posterior fecundação interna.  Desenvolvimento

Possuem desenvolvimento indireto e suas larvas são chamadas de actinotrocas.

a) Prossoma: Capuz préoral/lobo – (epistoma). Cavidade – protocele. b) Mesossoma: Anel parcial de tentáculos – (lofóforo). Cavidade – mesocele. c) Metassoma: Saco metassômico na superfície ventral. Cavidade – metacele.

Filo Ectoprocta (Bryozoa) É formada por colônias sésseis de zoóides, geradas por reprodução assexuada a partir

da ancéstrula, zoóide primário. São diversos no ambiente marinho e também encontrados em água doce e salobra.

Nesses animais houve perda do sistema circulatório e do sistema excretor, por estes serem animais bem pequenos e a distância de sua parede corpórea ser bem fina.

Podem possuir exoesqueleto calcário, quitinoso e gelatinoso. Através dessas características, de sua forma e dos tipos de zoóides que formam a colônia, se dá a identificação do animal.

Os Ectoproctas têm como característica particular o mecanismo de retração e extensão do lofóforo. Essa característica é importante na diferenciação das espécies.

* Exoesqueleto quitinoso ou gelatinoso – Classe phylactolaemata (ordem ctnostomata). * Exoesqueleto gelatinoso – Classes stenolaemata e Gymnolaemata (ordem cheilostomata)

 Características gerais

a) Cistídio/Zoécio: envoltório externo e as partes da parede do corpo ligadas ao envolório;

b) Polipídio: Lofóforo e as vísceras; c) Orifício: Abertura do cistídio do qual o lofóforo se estende; d) Opérculo: Cobertura em forma de aba do orifício. * Autozoóides: Indivíduos portadores de lofóforo, responsáveis pela alimentação e digestão. * Heterozoóides: Demais indivíduos da colônia. Vários tipos incapazes de se alimentar. a) Cenozoóides: Responsáveis pela fixação da colônia no substrato. b) Vibráculos: Responsáveis pela remoção de partículas de sedimento da superfície da

colônia. c) Aviculários: Responsáveis pela defesa da colônia.

 Parede do corpo (zoécio + epiderme + peritôneo) Na superfície do zoécio existe a produção de espinhos, depressões e protuberâncias. Existe no celoma uma pressão hidráulica criada por músculos para a extensão do

lofóforo. Esta extensão é feita da seguinte forma: Os músculos se arranjam deixando o zoécio rígido e causando uma pressão hidráulica no celoma. A extensão do lofóforo ocorre na comunicação entre metacele e a mesocele.

 Interconexões dos zoóides

Através dos autozoóides existe o funículo, que se estende do tubo digestivo (polipídio) até a parede do corpo (zoécio).

 Forma da colônia a) Arborescente b) Incrustante

 Grau de calcificação a) Calcária b) Gelatinosa c) Quitinosa

Filo Brachiopoda São animais bentônicos, marinhos e solitários com o corpo incluído em um par de

valvas dorso-ventralmente orientadas. Em geral ficam presos ao substrato por um pedículo carnoso, mas algumas espécies

podem se fixar diretamente ao substrato ou mesmo aquelas que apresentam pedículo podem ser livres.

A maioria mede de 4 a 6 cm. São mais abundantes na plataforma continental, mas são conhecidos de todas as profundidades.

 Características Gerais

Possuem valvas geralmente desiguais, presas uma a outra por uma charneira (classe Articulata) ou por músculos (classe Inarticulata).

O lado ventral é voltado para cima. Pedículo (quando presente) originado da valva ventral (valva pedicular).

 Parede do corpo, celoma e sustentação

A concha é formada por um perióstraco¹ orgânico externo e uma camada estrutural interna ou camadas compostas de carbonato de cálcio, fosfato de cálcio, escleroproteínas e quitinofosfoato.

Obs¹: perióstraco é uma cutícula que cobre o exterior da concha.

A concha é secretada pelos lobos do mato (projeções da parede do corpo). O

perióstraco é secretado pelas bordas do manto e a camada interna da concha pela superfície geral do mato.

O perióstraco possui espinhos, que servem para ancoragem em várias espécies.

a) Cavidade do manto: Revestido e ligado à concha pelos lóbulos moles do manto; cheia de água e porta o lofóforo.

b) Cerdas quitinosas: Previnem a entrada de partículas grandes na cavidade do manto e proteção do tecido carnoso.

c) Células epidérmicas dos lóbulos do manto: Cúbicas ou colunares (densamente ciliadas no lofóforo).

d) Pedículo: Porção da parede do corpo originada da parte posterior da valva ventral. Serve para fixar o animal ao substrato.

 Lofóforo, alimentação e digestão Os Braquiópodes apresentam como característica ímpar, o lofóforo contido dentro da

concha e imóvel. As valvas levemente entreabertas permitem a corrente de água. As correntes de alimentação são geradas pelos cílios do lofóforo.

* Braquiópodes Articulados - Músculos didutores abrem as valvas e músculos adutores fecham as valvas; - Possuem uma charneira (ligamento das valvas), que impede a abertura completa. * Braquiópodes Inarticulados - Músculos didutores e charneira ausentes. A abertura é feita por pressão celomática (retração do corpo); - Músculos adutores fecham as valvas.

Os Braquiópodes se alimentam de partículas orgânicas, especialmente fitoplâncton. O aparelho digestivo em forma de “U” é formado por: boca; estômago (recoberto por

glândulas digestivas), intestino (fundo cego nos articulados) e terminando em um ânus nos inarticulados.

Obs: A perda do ânus nos articulados é devido a charneira, que restringe o fluxo de água para trás.

 Circulação, trocas gasosas e excreção Os braquiópodes possuem sistema circulatório aberto e reduzido, devido seu tamanho.

O sangue conduz apenas nutrientes e as trocas gasosas ocorrem na superfície geral do corpo, que é facilitada pelo lofóforo e superfície do manto.

Excreção por um ou dois pares de metanefrídios, que também funcionam como gonodutos, que se abrem na metacele.

 Sistema nervoso e órgãos do sentido

O sistema nervoso é reduzido com o glânglio dorsal e ventral junto ao esôfago e conectados por um anel nervoso circumentérico.

As bordas do manto e as cerdas são supredas de neurônios sensórias (táteis). Possuem também estatocisto (órgão do equilíbrio) e quimiorreceptores.

 Reprodução e desenvolvimento

A maior parte das espécies é dióica, com suas gônadas desenvolvidas de tecido peritonial da metacele. A fecundação é externa ou interna e os óvulos ficam retidos em uma área de incubação.

Possuem estágio larval. Larva livre-natante, chamada de lobada.

* Inarticulados: Larva semelhante ao adulto (lóbulos lofoforal e corpóreo pronunciados em relação ao lobo do manto). *Articulados: Larva dividia em lóbulo anterior, lóbulo do manto e lóbulo pedicular.

comentários (1)
victor_samelo
Universidade não é definido
há 6 meses
otimo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Docsity is not optimized for the browser you're using. In order to have a better experience we suggest you to use Internet Explorer 9+, Chrome, Firefox or Safari! Download Google Chrome