RelatÓrio diagnostico guaratiba, Notas de aula de Arquitetura. Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
HenriettePerbeils
HenriettePerbeils1 de Maio de 2015

RelatÓrio diagnostico guaratiba, Notas de aula de Arquitetura. Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

DOCX (21.9 KB)
3 páginas
815Número de visitas
Descrição
Análise de Guaratiba R.J
20pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento

FAU-UFRJ DISCIPLINA: Projeto Urbano 1-2015-1

Professora: Ione

Grupo: Ana Clara Curvelo, Henriette Perbeils, Paula Sica e Nicolle Sender.

Diagnóstico de Guaratiba 1. LOCALIZAÇÃO:

O Município do Rio de Janeiro tem uma área de 1224,56 km2, dividida em quatro regiões geográficas comumente conhecidas como: Centro, Zona Norte, Zona Sul e Zona Oeste. O bairro de Guaratiba situa-se na A AP5 que é composta por cinco Regiões Administrativas, conforme segue na tabela abaixo.

Área AP 5 Região Administrativa Bairros

AP 5.1 XVII BANGU Bangu Gericinó Padre Miguel Senador Camará

XXXIII REALENGO Campo dos Afonsos Deodoro Jardim Sulacap Magalhães Bastos Realengo Vila Militar

AP 5.2 XVIII CAMPO GRANDE Campo Grande Cosmos Inhoaíba Santíssimo Senador Vasconcelos

AP 5.3 XXVI GUARATIBA Barra de Guaratiba Guaratiba Pedra de Guaratiba

XIX SANTA CRUZ Paciência Santa Cruz Sepetiba

A AP5 possui uma extensão territorial de 592,33 km2, correspondente a quase metade do território da Cidade (48,4%). A seguir seguem alguns dados numéricos:

Área (ha) Pop.(hab.)

Cidade 1.255.210 5.857.904

AP 05 59 233 1.556.505

XXVI RA 15 248 101.205

Bairro 14028 110.049

Fontes: IBGE 2000

2. RELATÓRIO DA VISITA:

A visita foi realizada juntamente com a turma e com a professora. Chegamos ao local do terreno de ônibus e fizemos algumas paradas, para descer e andar nas ruas do entorno. Logo na chegada notamos que ao passar do rio Piraque (na estrada da Matriz) havia uma comunidade que ocupava o local de forma ilegal. Estavam dispostas lado a lado um conjunto de casas precárias de frente para o rio. A ruas em sua maioria não estavam asfaltadas. O rio estava bastante degradado e poluído. Ainda na estrada da Matriz vimos o terreno que basicamente estava coberto por mato (grama alta) e árvores e também com algumas áreas alagadas. Olhando para o terreno de dentro do ônibus, percebemos um canal que seguia para dentro do mesmo. Na segunda Parada descemos do ônibus e andamos nas adjacências da área da vila olímpica. Lá vimos uma escola recém construída e a rua estava asfaltada. Havia também obras para saneamento e esgoto. Porém as ruas vizinhas estavam sem asfalto e sem nenhum tipo de pavimentação. Durante todo o trajeto a presença de vegetação rasteira e árvores é muito grande. Por fim, Passamos de ônibus pela Estrada da Capoeira grande onde vimos o casario da antiga sede da fazenda do Mato alto, Bastente vegetação, áreas alagadas, árvores, a pavimentação que foi feita para o “Campus Fidei” para a Jornada Mundial da Juventude em 2013 e mais algumas ocupações irregulares, em geral de edificações precárias.

3. CIRCULAÇÃO:

Segundo DNIT a definição para hierarquia de malha urbana viária é:

Seguindo esses conceitos pode-se concluir que as ruas do entorno do terreno classificam-se em:

Av. Dom João VI- Via Arterial

Principal; Estrada da Matriz- Via Arterial secundária; Estrada da Capoeira Grande- Via Coletora e Rua sem nome- Via Local.

4. EVOLUÇÃO e MORFOLOGIA URBANA

5. USO DO SOLO E LEGISLAÇÃO

6. MEIO AMBIENTE CONSTRUÍDO

7. MEIO AMBIENTE NATURAL:

A AP 05 possui um relevo bastante acentuado. Na parte sul é banhada pelo oceano atlântico e na parte oeste pela baía de Sepetiba.

Possui aproximadamente 10 mil hectares de áreas protegidas, entre elas três grandes Áreas de Proteção Ambiental se destacam:

-Parque Natural Municipal do Mendanha, ao norte;

-Parque Estadual da Pedra Branca,

-Parque Natural Municipal da Serra da Capoeira Grande, ao sul.

No bairro de Guaratiba, existe uma reserva biológica e arqueológica que foi criada pelo Decreto Estadual nº 7.549, de 20 de novembro de 1974, com o objetivo de preservar manguezais e sítios arqueológicos. Passou por vários processos de revisão de seus limites, definidos: no Decreto Estadual nº 5.415, de 31 de março de 1982, alterado pelo Decreto nº 32.365, de 10 de dezembro de 2002. Recentemente, a Lei Estadual nº 5.842, de 3 de dezembro de 2010, recategorizou esta unidade de proteção integral como Reserva Biológica Estadual de Guaratiba.

Na reserva, as florestas de mangue respondem por 1.601,34 hectares da área da Unidade; planícies hipersalinas ou apicuns cobrem cerca de 704,10 hectares, além de áreas úmidas e áreas alteradas em diferentes estágios de regeneração. A vegetação, composta por espécies como Rhizophora mangle, Avicennia schaueriana e Laguncularia racemosa, apresenta elevado grau de heterogeneidade estrutural, com grande riqueza de fisionomias vegetais.

Esta reserva biológica é também integrante da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica declarada pela Unesco, em 1992. Integra também o Corredor de Biodiversidade da Serra do Mar e o Mosaico Carioca.

8. DADOS QUANTITATIVOS

9. INFRA-ESTRUTURA / SANEAMENTO BÁSICO

10. CONCLUSÃO

comentários (0)
Até o momento nenhum comentário
Seja o primeiro a comentar!
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Docsity is not optimized for the browser you're using. In order to have a better experience we suggest you to use Internet Explorer 9+, Chrome, Firefox or Safari! Download Google Chrome