Respostas estatistica texto janice, Exercícios de Introdução à Sociologia. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)
anablue1
anablue130 de Abril de 2016

Respostas estatistica texto janice, Exercícios de Introdução à Sociologia. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)

DOCX (61.4 KB)
2 páginas
190Número de visitas
Descrição
texto janice
20pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento

Ana Caroline Valadares de Azevedo

Perguntas e respostas sobre o texto “Marginalidade: do mito à realidade nas favelas do RJ (1969- 2002)”, de Janice Perlman.

Estatística para Ciências Sociais

Rio de Janeiro 2015

PUC – SOC 1507 – Estatística para Ciências Sociais – Set /2015 Aluna: Ana Caroline Valadares de Azevedo Professor: Paulo Cesar

Perguntas sobre o texto “Marginalidade: do mito à realidade nas favelas do RJ (1969- 2002)”,de Janice Perlman.

1. Resuma os procedimentos metodológicos da pesquisa realizada pelaautora. A pesquisa consiste em um estudo sobre pobreza e mobilidade social na cidade do Rio de Janeiro em 1968/69, mas precisamente em Catacumba (uma favela da Zona Sul que foi removida para conjuntos habitacionais distantes – Quitungo, Guaporé e Cidade de Deus), Nova Brasília (Zona Norte) e em oito comunidades de baixa renda em Duque de Caxias (Baixada Fluminense). Onde este teve sua continuidade trinta anos depois, analisando os fatores que limitam e promovem a mobilidade social nessas favelas cariocas, como tambem avalia o impacto das políticas públicas sobre a pobreza urbana no RJ. Em cada comunidade foram escolhidos(as) aleatoriamente 200 homens e mulheres, com idade entre 16 e 65 anos e mais 65 lideres comunitarios (posição ou reputação dentro da comunidade) para entrevistas. Assim como o estudo original em 1968/69, a pesquisa segue a partir de metodos quantitativos e qualitativos sendo divididas em três fases: Fase 1 – Realizada entre março de 1998 e abril de 1999, foi realizada para testar a possivelrelocalização dos participantes do estudo original. Esta, forneceu novas informações e realizou 65 entrevistas abertas e em profundidade nas comunidades originais. Aproximadamente, 200 participantesforamidentificadoscomopossiveisentrevistados de 1968. Fase 2 – Começou em junho de 2000 e teve seu questionario revisado (questionario de 1969). Paralelo aos questionarios, foiefutaudo um trabalho de investigação e relocalização dos entrevistados originais. Foi realizado 271 entrevistas com os participantes originais ou com seus parentes e 168 com seus filhos. Os filhos foram selecionados aleatoriamente de um grupo de 900 descendentes. Fase 3 – Desenho de novas amostras aleatórias não só das comunidades estudadas como tambem de outras 3 que tinham em 1968. Esta fase objetiva-se a realizar um estudo comparativo entre as comunidades de favela do Rio de Janeiro que foram alvo de politicas publicas diferentes e opostas.

2. Utilização da Estatística na contextualização dapesquisa:Analise, em um pequeno texto, as tabelas 1 e 2. Por que são úteis para a contextualização da pesquisa? Refaça alguns cálculos de taxas de crescimento das populações (tabela 1), parapraticar.

As tabelas apontam para o crescimento das comunidades de favela na cidade do Rio de Janeiro. De acordo com o censo de 2000 do IBGE, em 1970 existiam 300 favelas e no atual estudo consta 513 somente no municipio. Já o instituto Pereira Passos o numero aumenta consideravelmente, 704 sem incluir os lotes clandestinos. Em 1968 haviam 3 milhões de pessoas no Rio e 1 milhão viviam em favelas. Hoje em dia existem em torno de 12 milhoes de pessoas, e de acordo com a FAFERJ, 4 milhões destas vivem em favelas ou outras formas de habitação chamadas irregulares. As tabelas representam esse crescimento e ressalta nas tabelas 1 e 2 que o maior crescimento ocorreu na década de 1950 (periodo pós-guerra e começo da da migração urbana) e na decada de 1960 (estudo original). É visivel que a taxa de crescimento dessas favelas excede a taxa de crescimento do resto da população da cidade, com excessao de 1970 quando ocorreu a erradicação de 72 favelas e deslocou algo em torno de 100 mil pessoas. Entre 1980 e 1990, a taxa de crescimento da cidade diminui para 7,6% e a taxa de crescimento das favelas aumenta de 11,4% para 40,5%. Como visto, a população cresce 6,9% ao ano enquanto as favelas crescem 24%. De acordo com as estatisticas, a população que vive em favelas do Rio de Janeiro é maior em vista de outras cidades brasileiras. Já a Tabela 2 mostra que o crescimento destas favelas não se concentra apenas na região central da cidade . No periodo entre 1980 e 1992, o percentual na zona sul e normal foi de 21% e 14,7%,respectivamente. Já na Zona oeste, o numero aumentou para 108%.

Tabela 1 –Taxa de Crescimento de Favelas no Rio de Janeiro de 1950 a 2000

comentários (0)
Até o momento nenhum comentário
Seja o primeiro a comentar!
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Docsity is not optimized for the browser you're using. In order to have a better experience we suggest you to use Internet Explorer 9+, Chrome, Firefox or Safari! Download Google Chrome