Revisão Parasitologia - Apostilas - Nutrição, Notas de estudo de . Universidade Estadual do Ceará (UECE)
Kaka88
Kaka886 de Março de 2013

Revisão Parasitologia - Apostilas - Nutrição, Notas de estudo de . Universidade Estadual do Ceará (UECE)

PDF (270.0 KB)
8 páginas
1000+Número de visitas
Descrição
Apostilas de Nutrição sobre o estudo da revisão parasitologia, tipo de locomoção dos parasitas de acordo com seus filos, formas morfológicas dos parasitas, ciclos evolutivos.
20pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 8
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo

REVISÃO I UNIDADE:

1. Tipo de locomoção dos parasitas de acordo com seus filos:

• Sarcomastigophora:

Mastigophora: flagelos. Ex.: T. cruzi, T. vaginalis, G. lamblia;

Sarcondíneo: pseudópodes.

• Apicomplexa: conóide de penetração

• Ciliophora: cílios. Único representante: Balantidium coli.

2. Formas morfológicas dos parasitas:

• Trofozoítos: forma ativa dos protozoários, em que se reproduzem e se alimentam;

• Cisto e oocistos: forma de resistência, forma de transmissão.

OBS.: oocistos são provenientes da reprodução assexuada (ex.: malária)

MALÁRIA – trofozoítos e oocistos

TRICOMONÍASE – trofozoítos

GIARDIA – trofozoítos e cistos

DOENÇA DE CHAGAS – amastigota, tripomastígotas, epimastígota esferomastígota.

• Gameta: macrogameta e microgameta de reproduzem sexuadamente formado o ovo ou zigoto. Ocorre no filo Apicomplexa, por exemplo no ciclo da Malária (o ciclo ocorrido no Anopheles).

3. Tipos de reprodução:

• Assexuada:

Divisão binária: ocorre na tricomoníase, giardíase;

Esquizogonia: divisão do núcleo e citoplasma dando origem a vários merozoítos. Ocorre nos ciclos pré-eritrocítico (hepatócitos) e eritrocítico (hemácia) da Malária.

docsity.com

• Sexuada:

Sigamia ou fecundação: micro+macrogameta=ovo ou zigoto (ocorre dentro do Anopheles na Malária).

Esporogonia: semelhante a esquizogonia, mas dá origem a esporozoítos.

OBS.: Os merozoítos são produto da reprodução assexuada por esquizogonia. Já os esporozoítos são produto da reprodução sexuada por esporogonia.

4. CICLOS EVOLUTIVOS:

Giardia lamblia: monoxênico (só parasita um horpedeiro – o homem) e extenoxênico (só parasita uma espécie – humana)

Normalmente a infecção se dá pela ingestão dos cistos que são expelidos juntos com as fezes. Ao serem ingeridos, no trajeto do tubo digestivo o cisto vai perdendo sua membrana cística e completa o desencistamento no intestino delgado, transformando-se em trofozoítos que agora aderem a mucosa intestinal (jejuno e duodeno) e se multiplicam por divisão binária colonizando-a. Ao passarem para o intestino grosso, perdem o flagelo e encistam-se novamente para serem expelidos pelas fezes. E assim o ciclo recomeça.

OBS.: “Período negativo”: caso seja solicitado um parasitológico de fezes neste período, provavelmente dará negativo, pois é o período que o parasita demora para se encistar novamente, que vai de 6 a 7 dias (é difícil encontrar a forma trofozoítica nas fezes, a não ser que o trânsito intestinal esteja muito acelerado). O cisto sobrevive de 20 a 60 dias no meio ambiente.

A técnica do MIF (Merthiolate/Iodo/Formol) é uma metodologia que possibilita o achado de estruturas de resistência de helmintos e protozoários. As amostras de fezes devem ser coletadas em 3 dias distintos, num recipiente contendo o conservante MIF. Esse conservante contém formol, razão pela qual as fezes não necessitam de conservação em geladeira.

É também muito útil em crianças, por apresentar um alto índice de positividade para Giardia lamblia, protozoário que tem um ciclo biológico com período sem eliminação de cistos que pode chegar a 15 dias.

Plasmodium sp: heteroxênico (anopheles – hospedeiro intermediário ; hoem – hospedeiro definitivo) e eurixênico ( parasita mosquito e homem)

CICLO ASSEXUADO NO HOMEM: O inseto do gênero Anopheles (a fêmea que é a hematófoga) faz a hematofagia e em sua saliva irá ter esporozoítos, que são arrastados pela corrente

docsity.com

sanguínea até penetrarem os hepatócitos (células do fígado), tem-se início então do CICLO PRÉ-ERITROCÍTICO OU TISSULAR:

Ao penetrarem os hepatócitos os esporozoítos se diferenciam em criptozoítos e se multiplicam por esquizogonia dando origem a vários merozoítos. Abarrotados de merozoítos os hepatócitos se rompem, caem na corrente sanguínea e invadem, preferencialmente hemácias jovens (os blastos da medula). Podem ainda penetrar novos hepatócitos ou serem seuqestrados pelos macrófagos e levados ao baço para serem degradados. Dentro da hemácia jovem inicia-se então o CICLO ERITROCÍTICO OU SANGUÍNEO:

Os merozoítos começam a ingerir a hemoglobina das hemácias e se diferenciam em trofozoítos jovens, que por sua vez transformam-se em trofozoítos maduros, estes sobre fragmentação do citoplasma e dão origem a esquizontes, que irão se multiplicar por esquizogonia dando origem a rosácea ou merócito (conjunto de merozoítos). Cheia de merozoítos a hemácia se rompe, estes caem na corrente infectando hepatócitos ou hemácias jovens da medula óssea, e ao serem liberados novamente na corrente sanguínea, quando o Anopheles realizar nova hematofagia, ele irá ingerir as hemácias infectadas com gametócitos. O ciclo continua dentro do inseto.

CICLO SEXUADO NO ANOPHELES: no tubo digestório do inseto ocorre a fecundação do macro com o microgameta dando origem ao oocineto (ovo ou zigoto da malária) , quando este se adere a mucosa intestinal passa a se chamar oocisto, que se multiplica por esporogonia dando origem a esporozoítos, que podem tanto estar presentes no tubo digestório quanto em sua glândulas salivares. Reiniciando o ciclo.

OBS.: Os gametócitos são a forma de transmissão para o Anopheles, já os esporozoítos são a forma de transmissão para o homem.

Trypanosoma cruzi: extenoxênico (cico vertebrado – homem ; ciclo invertebrado – inseto triatomíneo) e eurixênico

Diferente da malária tanto a fêmea quanto o macho do inseto triatomíneo podem realizar hematofagia e infectar o homem com sua forma parasitária tripomastígota cíclica, esta se diferencia em amastígota, que possue flagelo rudimentar (imbutido), é esférica e possui um núcleo, é a forma de multiplicação do hospedeiro vertebrado, reproduzindo-se por divisão binária e estará presente nos tecidos de maior oxigenação (sistema nervoso, cardíaco). Quando se multiplicam dão origem a forma tripomastígota sanguínea, encontrada no sangue circulante (possui cinetoplasto, flagelo e se locomovem no sentido do flagelo), seram divididas em delgadas e largas. As delgadas vão ter preferência pelo sistema mononuclear fagocitária, sendo chamadas de macrofagotrópicas. As largas terão preferência pelo tecido muscular, sendo chamadas de miofagotrópicas, estas sim é que estarão mais presentes no sangue circulante.

Então quando o triatomíneo faz a hematofagia ele ingere as tripomastígotas sanguíneas largas. No tubo digestivo do inseto, se diferenciam em esferomastígotas (semelhantes as amastigotas). Quando o inseto realiza digestão destas, enzimas irão atuar “puxando” o flagelo

docsity.com

para fora, transformando-as em epimastígotas, sendo esta a forma de multiplicação no invertebrado, se diferencia da tripomastígota porque o cinetoplasto é anterior ao núcleo e elas se locomovem no sentido inverso ao do flagelo, podem ser curtas ou longas. As longas não se dividem, compõem a fase de manutenção ou dormência. As curtas se dividem e se transformam em tripomastígota metacíclica, que é a forma de transmissão para o homem. Reinicia-se o ciclo.

Trichomonas vaginalis: monoxênico e extenoxênico

Transmissão direta por trofozoítos através, geralmente, de relação sexual.

OBS.: Este gênero não produz cistos.

REVISÃO II UNIDADE:

1. AMEBAS:

• Morfologia:

Pré-cisto: liberado junto com as fezes;

Cisto jovem (um núcleo): não tem capacidade infectante;

Cisto maduro (quatro núcleos): forma de transmissão;

Metacisto: divisão binária no intestino grosso;

Trofozoíto virulento: provoca ulcerações podendo invadir a circulação e causar amebomas no fígado, pulmão, rim e cérebro;

Trofozoítos avirulentos: dá origem a novos cistos, é a forma de manutenção da parasitose.

OBS.: E. coli possui de 6 a 8 núcleos, enquanto a histolytica possue de 2 a 4. O cisto da Entamoeba coli é maior do que o da histolytica.

• O Ciclo: monoxênico e extenoxênico

O pré-cisto é eliminado junto com as fezes, elaborando uma membrana e transformado-se em cisto jovem, este amadurece e transforma-se em cisto maduro, ao ser ingerido, quando chega ao intestino grosso, dá origem aos metacistos que se multiplicam por divisão binária dando origem a trofozoítos, onde o virulento adere a mucosa intestinal provocando úlceras e pode invadir a circulação e migrar para outros órgãos provocando os amebomas ou abcessos amebianos.

OBS.: Nos quadros clínicos compatíveis com amebíase, nos quais o exame parasitológico apresentou-se negativo, a literatura recomenda que seja solicitada uma pesquisa de trofozoítos (formas vegetativas), por intermédio de coloração das fezes diarréicas pela

docsity.com

hematoxilina férrica. Nesses casos, o material (fezes diarréicas) deve ser colhido em líquido conservante (SAF), para que as formas vegetativas sejam preservadas, visto que os trofozoítos se deterioram quase que imediatamente após a emissão.

2. Ascaris lumbricoides

• Morfologia:

Ovos: férteis (arredondados, com membrana mamilar e larva) e inférteis (alongado, com membrana mamilar, mas não fecundado pelo macho).

Larvas: L1 e L2 = rabiditóides (tubo digestório não formado), L3 = filarióide (tubo digestório formado, forma infectante), L4 realiza o Ciclo de Loss ou Ciclo Pulmonar e L5 é o verme adulto.

• O Ciclo: exógeno (ambiente) e endógeno (homem)

CICLO EXÓGENO: O ovo é eliminado no ambiente através das fezes contendo L1 que sofre muda para L2 e L3, que é a forma infectante. CICLO ENDÓGENO: após ingerida L3 sofre ação dos suco gástrico que digerem sua membrana plasmática, quando chega ao intestino delgado eclode e L3 é liberada, ultrapassa as paredes do intestino, cai nos vasos linfáticos, vai para fígado, coração, veia cava, pulmão, onde se converte em L4, esta realiza o Ciclo de Loss (migra para brônquios, bronquíolos, alvéolos, traquéia, faringe, laringe, onde pode ser expelida ou deglutida), se deglutida a larva vai para o estômago, depois intestino, transformando-se em L5. Após 40 dias atinge maturidade sexual e inicia sua copulação, onde irá haver formação de novos ovos, que podem ser férteis ou não, para dar continuidade ao ciclo.

3. Ancylostoma

A morfologia e o ciclo são os mesmos do Ascaris. A única diferença é que no Ancylostoma a transmissão pode se dá tanto por ingestão da L3, quanto por penetração pela pele e mucosa da L3. Caso haja penetração o verme realiza já diretamente o Ciclo Pulmonar. Caso haja a ingestão o ciclo ocorre como no Ascaris.

4. Enterobius vermicularis: O CICLO (monoxênico e extenoxênico)

A transmissão se dá pela ingestão de ovos embrionados com a larva L1 ou, principalmente, pela de L2.

Os machos após fecundarem as fêmeas são eliminados nas fezes. As fêmeas migram para região perianal (por isso o prurido noturno característico da infecção) ou para vagina. Quando o bolo fecal passa ou quando coça-se a região, as fêmeas abarrotadas de ovos estouram. Se o indivúduo coça a região e leva a mão a boca tem-se a auto-infecção e a L1 evolui para L2  L3

docsity.com

 L4  L5, que é o verme adulto. Lembrando que no ciclo deste nematelminto não ocorre Ciclo Pulmonar e a infecção é benigna.

OBS.: Em crianças, a literatura relata um alto índice de contaminação com Enterobius vermicularis, cuja fêmea realiza a oviposição durante a noite, na região perianal. Nesses casos, o exame parasitológico costuma apresentar-se negativo, e a técnica indicada é a fita gomada transparente, aderida a uma lâmina, chamada de método de Graham.

5. Schistosoma mansoni: a musiquinha é suficiente para entender o Ciclo deste helminto (heteroxênico – caramujo Biomphilaria e homem ; e extenoxênico)

Estúpido Cupido

O caramujo vive lá no rio

Onde fezes o homem vai lançar

E nas fezes estão contidos os ovos

Que em miracídios vão se transformar

Hei hei é o fim...

Esquistossoma pra longe de mim!

O miracídio entra no caramujo

Pra cercaria poderem formar

Que penetra através da pela

Para o ciclo poder começar

Hei hei é o fim...

Esquistossoma pra longe de mim!

Assim o miracídio corresponde ao embrião encontrado no ovo, é a forma infectante para o caramujo, tendo até 4h para encontrar o mesmo e iniciar a produção de cercarias que pode chegar a 4000/dia, sendo esta a forma infectante para o homem.

OBS.: Na pesquisa específica do helminto Schistosoma mansoni, o método mais eficaz é o Kato-Katz, que permite uma avaliação da carga parasitária, graças à contagem do número de

docsity.com

ovos por grama de fezes. Ainda mencionando a esquistossomose, autores citam que devem ser realizados pelo menos seis exames de fezes com resultados negativos para que seja requisitada uma biópsia retal. Nesse caso, o material é colhido pelo médico e remetido ao laboratório para análise.

6. Complexo Teníase-Cisticercose

• Morfologia:

Proglótide joven: curto e com aparelho reprodutor masculino;

Proglótide maduro: longo e com aparelho reprodutor feminino e masculino (auto-fecundação)

Proglótide grávido: muitas ramificações uterinas e muitos ovos.

O CICLO DA TENÍASE: heteroxênico e eurixênico

Os proglótides são eliminados nas fezes no meio ambiente. O boi ou porco ingere estes proglótides, se o homem comer da carne mal cozida ou mal passada de um destes animais infectados ele desenvolverá a doença (ingestão do cisticerco).

O CICLO DA CISTICERCOSE: monoxênico

Neste caso o homem é o hospedeiro acidental, pois o porco é quem deveria fazer a ingestão dos ovos embrionados da Taenia solium, por água ou alimentos contaminados. Então, após ingesta dos ovos, estes vão para o estômago, sofrem ação das enzimas digestivas, o embrião eclode, cai nas vilosidades do intestino, atinge a corrente sanguínea, o verme realiza ciclo pulmonar (hexacanto), acompanhando o sangue arterial, chegando a órgãos-alvo, geralmente olhos, SNC (neurocisticercose) e músculos.

OBS.: Para a pesquisa de helmintos como a Taenia sp., que elimina proglotes, recomenda-se a tamização (simples peneiração das fezes) ou a identificação de vermes, em que será feita a identificação dos proglotes de Taenia sp. e de vermes adultos de outros helmintos

AUMENTO DA FORMAÇÃO Parasitas

Intestinais Hoffmann Kato-Katz Biópsia

retal Baermann-

Moraes Tamização Identificação

de vermes adultos

Graham MIF Metatoxilina Safranina azul de metileno

Ascaris lunbricoides X X Ñ Ñ X Ñ X Ñ Ñ

Trichuris trichiura X X Ñ Ñ X Ñ X Ñ Ñ

docsity.com

Ancilostomí- deos X Ñ Ñ X Ñ X Ñ Ñ

Schistosoma mansoni X X Ñ Ñ X Ñ Ñ Ñ

Enterobios vermucularis Ñ Ñ X X Ñ Ñ

Strongyloides stercopalis Ñ Ñ X Ñ X X Ñ Ñ

Taenia sp. Ñ X X Ñ Ñ Ñ Girardia lablia X Ñ Ñ Ñ Ñ Ñ Ñ X X Ñ

Entemoeba histolytica X Ñ Ñ Ñ Ñ Ñ Ñ X X Ñ

Entemoeba coli X Ñ Ñ Ñ Ñ Ñ Ñ X X Ñ

Endolimax nana X Ñ Ñ Ñ Ñ Ñ Ñ X X Ñ

Iodamoemba butschii X Ñ Ñ Ñ Ñ Ñ Ñ X X Ñ

Chilomastix mesnilli X Ñ Ñ Ñ Ñ Ñ Ñ X X Ñ

Cryptospori- dium parvum Ñ Ñ Ñ Ñ Ñ Ñ Ñ Ñ X

Isospora beli Ñ Ñ Ñ Ñ Ñ Ñ X X=Eletivo / =Possícel / Ñ=não-indicado

docsity.com

comentários (0)
Até o momento nenhum comentário
Seja o primeiro a comentar!
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Docsity is not optimized for the browser you're using. In order to have a better experience we suggest you to use Internet Explorer 9+, Chrome, Firefox or Safari! Download Google Chrome