Sistema Endócrino - Apostila - Fisiologia, Notas de estudo de . Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
Pao_de_acucar
Pao_de_acucar5 de Março de 2013

Sistema Endócrino - Apostila - Fisiologia, Notas de estudo de . Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

PDF (4.1 MB)
9 páginas
3Números de download
1000+Número de visitas
100%de 1 votosNúmero de votos
Descrição
Apostilas de Fisiologia sobre o estudo do sistema endocrino, constituição, glãndulas.
20pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 9
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo
Microsoft Word - apost-fisiol-parte6.doc

1

SISTEMA ENDÓCRINO

O Sistema Endócrino é constituído por diversas glândulas e tecidos que secretam substâncias químicas responsáveis pelo controle da maioria das funções biológicas. As substâncias secretadas são chamadas hormônios (hormao = excitar) que atuam em tecidos alvos ligando-se a receptores específicos. As glândulas que os secretam são chamadas glândulas endócrinas e seus produtos de secreção são veiculados pela corrente circulatória. Assim as glândulas endócrinas, através da secreção de seus hormônios, são responsáveis pelo crescimento, funcionamento e regulação de vários orgãos, incluindo a maioria das características morfológicas masculinas e femininas, atuando inclusive no comportamento dos indivíduos. Assim dizemos que os hormônios são os responsáveis pela manutenção da homeostase, isto é do equilíbrio e perfeito funcionamento do organismo animal.

A atividade do sistema endócrino é regulada por mecanismo de "feedback” ou retro-controle. O "feedback" é denominado "feedback negativo" quando a concentração do hormônio secretado por uma glândula atinge uma concentração acima do necessário ocorrendo interrupção da secreção deste hormônio e a conseqüente interrupção deste circuito de ação. O "feedback" é denominado "feedback positivo" quando a concentração de um hormônio é baixa e há necessidade de a glândula secretá-lo para que uma determinada atividade fisiológica possa ser desenvolvida.

Convém recordar que a ação hormonal ocorre devido à presença das moléculas receptoras (receptores) sempre "ancoradas" na membrana das células dos tecidos alvos. Os hormônios, em geral, quando se ligam aos seus receptores induzem modificações na estrutura molecular dos mesmos. Estas modificações permitem a interação do receptor com outros "mensageiros" localizados no interior da célula que desencadeiam as reações moleculares intracelulares para que a célula alvo exerça sua função. Muitas dessas interações intracelulares são mediadas pelos nucleotídeos cíclicos (AMP, GMP, ATP, etc), que por isso também são denominados de "segundo mensageiro", ou seja, são os elos de conexão entre os receptores e outras moléculas que precisam ser "ativadas" intracelularmente (fig. 1).

1a – (a) O hormônio esteróide passa através da membrana celular e (b) combina com a proteína receptora no núcleo.(c) O complexo proteína-esteróide ativa a síntese do RNA mensageiro.(d) O RNA

Mensageiro deixa o núcleo para (e) sua função na produção de moléculas de proteínas.

docsity.com

2

Fig. 1b - Ação hormonal devido à presença de moléculas receptoras

Em mamíferos o sistema nervoso e o sistema endócrino são interligados pelo hipotálamo, que regula a atividade da hipófise.

PRINCIPAIS GLÂNDULAS ENDÓCRINAS HUMANA:

O sistema endócrino é constituído por:

HIPOTÁLAMO HIPÓFISE OU GLÂNDULA PITUITÁRIA GLÂNDULA TIREÓIDE GLÂNDULAS PARATIREÓIDES GLÂNDULAS SUPRA-RENAIS OU ADRENAIS GLÂNDULA PINEAL ILHOTAS DE LANGERHANS (PÂNCREAS ENDÓCRINO) GÔNADAS(gone = semente) (glândulas sexuais)

As glândulas endócrinas são reguladas pelo sistema nervoso, e em especial pelo hipotálamo ou por outras glândulas endócrinas, criando um complexo e sensível mecanismo de interrelações neuroendócrinas.

A figura 2 ilustra a disposição das principais glândulas endócrinas no homem e a fig.3 esquematiza o eixo hipotálamo/hipófise, seus hormônios e suas ações.

docsity.com

3

Fig. 2 - Localização das glândulas endócrinas

docsity.com

4

HIPOTÁLAMO - o hipotálamo, além de ser responsável pela regulação da liberação e inibição dos hormônios da hipófise, também produz oxitocina e ADH ("antidiuretic hormone"), que são posteriormente estocados no lobo posterior da hipófise.

HIPÓFISE: é um pequeno órgão, pesando cerca de 0,5 g, que se localiza na selatúrcica do osso esfenóide. Ela liga-se por um pedúnculo ao hipotálamo na base do cérebro, com o qual guarda importantes relações anatômicas e funcionais. A hipófise pode ser dividida em lobo anterior e lobo posterior.

Na maioria dos mamíferos, os hormônios oxitocina e ADH (hormônio anti-diurético) são estocados no lobo posterior da hipófise, após serem secretados pelo hipotálamo.

A hipófise anterior secreta seis hormônios: hormônio adrenocorticotrófico (ACTH), hormônio tireoestimulante (TSH), hormônio de crescimento (GH), hormônio folículo estimulante (FSH), hormônio luteinizante (LH) e Prolactina.

Suas ações e tecidos alvos estão resumidos no Quadro 1 e fig.3.

Fig.3 - Eixo Hipotálamo/Hipófise, seus Hormônios e suas ações.

docsity.com

5

GLÂNDULA TIREÓIDE: a glândula tireóide mantém o metabolismo dos tecidos em nível ótimo para suas funções normais. O hormônio tireoideano estimula o consumo de oxigênio da maioria das células do organismo, auxilia a regulação do metabolismo dos carboidratos e dos lipídeos e é necessário para o crescimento e maturação normais. A glândula não é essencial para a vida, porém, sua ausência acarreta menor resistência ao frio, lentidão física e mental e, em crianças, retardamento mental e nanismo. Por outro lado, o excesso de secreção tireoideana produz desgaste corporal, nervosismo, taquicardia, tremores e produção excessiva de calor. A função tireoideana é regulada pelo hormônio tiro-estimulante (TSH) da hipófise anterior. A secreção deste hormônio tireoideano é regulada em parte, por retroativação inibitória, dependente de níveis altos de hormônio tireoideano circulante sobre a hipófise e, em parte, por mecanismos nervosos que agem por intermédio do hipotálamo.

Os principais hormônios secretados pela glândula tireóide são: tiroxina (T4), triiodotironina (T3) e calcitonina (ver Quadro 1).

GLÂNDULAS PARATIREÓIDES: são quatro glândulas muito pequenas, cujo peso total não passa de 0,2 g. Localizam-se na face posterior da tireóide, geralmente dentro da cápsula que reveste os lobos dessa glândula. Algumas vezes situam-se no interior da tireóide. Cada paratireóide é envolvida por uma cápsula de tecido conjuntivo. Dessa cápsula partem trabéculas para o interior da glândula, que são contínuas com as fibras reticulares que sustentam os grupos de células secretoras. Esses grupos celulares são alongados, conferindo à glândula um aspecto cordonal.

O hormônio das paratireóides é o Paratormônio. Seu papel fisiológico é regular o nível de íons cálcio e fosfato no plasma sangüíneo. A diminuição da taxa de cálcio no plasma estimula as paratireóides a liberar seu hormônio. Por sua vez, o paratormônio atua sobre as células do tecido ósseo, aumentando o número de osteoclastos promovendo a absorção da matriz óssea calcificada. A elevação do cálcio plasmático deprime a produção de paratormônio. Além de elevar o cálcio, o paratormônio reduz a taxa de íon fosfato no plasma. Este efeito é conseqüência de um aumento da perda de fosfato na urina. O paratormônio diminui a absorção de fosfato do filtrado glomerular pelos túbulos do néfron aumentando a eliminação de cálcio (fig.4).

Fig.4 – Ação do PTH (Paratormônio).

docsity.com

6

GLÂNDULAS SUPRA-RENAIS OU ADRENAIS: em número de duas, cada uma situada sobre o pólo superior de cada rim. São achatadas e têm forma de meia-lua. O tamanho das adrenais varia com a idade e as condições fisiológicas do indivíduo, mas em geral, no adulto, as duas glândulas juntas pesam cerca de 8 g. As adrenais são constituídas por uma camada denominada cortical ou córtex da adrenal, e outra camada denominada camada medular ou medula da adrenal.

Essas duas camadas podem ser consideradas dois órgãos distintos, apenas unidos topograficamente. Suas origens embrionárias são diferentes, provindo o córtex do epitélio celomático, e, portanto, do mesoderma, enquanto a medula se origina de células da crista neural, sendo, então, de origem neuroectodérmica. As duas camadas têm ainda morfologia e funções diferentes. A glândula é revestida por uma cápsula conjuntiva e seu estroma é representado por uma intensa trama de fibras reticulares que suporta as células.

Medula Adrenal

As principais secreções da medula adrenal são: adrenalina (epinefrina) e noradrenalina (norepinefrina).

Na verdade, a medula adrenal é um gânglio simpático no qual os neurônios pós-ganglionares perderam seus axônios e transformaram-se em células secretoras. Tais células secretam quando são estimuladas pelas fibras nervosas pré-ganglionares que atingem a glândula, pelos nervos esplâncnicos.

Córtex Adrenal

As principais secreções do córtex adrenal são: cortisol (glicocorticóides) que são esteróides de ampla ação sobre o metabolismo dos carboidratos e das proteínas; aldosterona (mineralocorticóides) que são essenciais para a manutenção do balanço de sódio e do volume do líquido extra-celular. A regulação principal da secreção adrenocortical é exercida pela hipófise por intermédio do ACTH; porém, a secreção de mineralocorticóides está sujeita também à outra regulação independente, por intermédio de outras substâncias, das quais a mais importante é a angiotensina II, que é um octapeptídeo formado na corrente sangüínea pela ação da renina (uma enzima secretada pelo rim). A angiotensina II também exerce uma função fisiológica muito importante que é a manutenção dos níveis normais da pressão sanguínea (pressão arterial).

O sangue arterial atinge a adrenal por meio de muitos ramos pequenos oriundos das artérias frênicas, renal e aorta; o sangue chega até os sinusóides na medular oriundo do plexo capsular. A medular recebe, também, suprimento sangüíneo por meio de algumas arteríolas originadas diretamente da cápsula. Em muitas espécies, como também acontece no homem, existe uma única veia adrenal. O fluxo sangüíneo que banha a adrenal é grande como acontece com a maioria das glândulas endócrinas.

GLÂNDULA PINEAL: A glândula pineal tem um formato oval e está localizada entre os hemisférios cerebrais, na parte superior do tálamo. Ela secreta um hormônio chamado melatonina, que é sintetizado a partir da serotonina (um neurotransmissor). A pineal responde a estímulos luminosos do meio externo. A informação relacionando essas condições atinge a glândula por meio dos impulsos nervosos que se originam na retina dos olhos. Esses impulsos atingem o hipotálamo e daí são conduzidos até a medula espinhal. Na medula espinhal são conduzidos por meio de nervos simpáticos até o cérebro, e finalmente alcançam a glândula pineal (fig. 5). Em resposta aos estímulos luminosos a glândula diminui a secreção da melatonina. Assim, a quantidade de luz regula essa secreção, portanto o hormônio atingirá sua concentração máxima durante o sono. Infere-se assim que a melatonina regula o ritmo circadiano (ritmo dia/noite).

Ela também está envolvida no controle de eventos biológicos que ocorrem ciclicamente, como o ciclo reprodutivo feminino (ciclo menstrual).

docsity.com

7

O mecanismo no qual a melatonina atua ainda é pouco conhecido, porém este hormônio parece estar envolvido no controle do início da puberdade. A melatonina teria um papel inibitório sobre o hipotálamo, impedindo a produção de GnRH (Gonadotropin releasing hormone - hormônio liberador de gonadotrofina). Foi observado que a diminuição ou ausência da produção de melatonina implica no aumento de LH (hormônio luteinizante) e FSH (hormônio folículo estimulante), ambos hormônios gonadotróficos, produzidos pela hipófise, que determinam um quadro de puberdade precoce. Recentemente se tem relacionado a melatonina com o controle do desejo sexual.

Fig. 5 - Caminho neural do olho até a Glândula Pineal

docsity.com

8

ILHOTAS DE LANGERHANS: estas estruturas constituem a porção endócrina do pâncreas e apresentam-se sob a forma de aglomerados arredondados de células, imersos no tecido pancreático exócrino.

Cada ilhota é constituída por uma série de cordões formados por células poligonais ou arredondadas entre as quais existe uma rede de capilares sangüíneos. Envolvendo a ilhota e separando-a do tecido pancreático restante, existe uma fina cápsula de fibras reticulares.

Pelo menos quatro peptídeos com atividade hormonal são secretadas pelas Ilhotas de Langerhans do pâncreas. Dois desses hormônios, a insulina e o glucagon, têm importantes funções na regulação do metabolismo intermediário dos carboidratos, proteínas e gorduras.

A insulina tem ação anabólica, aumentando o depósito de glicose, ácidos graxos e aminoácidos, e o glucagon tem ação catabólica, mobilizando a glicose, os ácidos graxos e os aminoácidos, dos depósitos para a corrente sangüínea. Portanto os dois hormônios são contrários em sua ação final, e são, em muitas circunstâncias, secretados de modo contrário.

Quase todos os tecidos têm a capacidade de metabolizar a insulina, porém mais de 80% da insulina secretada é normalmente degradada no fígado e nos rins. O excesso de insulina causa hipoglicemia que produz convulsões e coma.

A deficiência de insulina no organismo é denominado DIABETE. Estas doença promove extensas alterações bioquímicas no organismo humano, porém, os distúrbios fundamentais responsáveis por quase todas as demais alterações são: 1) redução da entrada de glicose em diversos tecidos "periféricos"; 2) aumento da liberação de glicose na circulação, proveniente do fígado (aumento da glicogenese hepática).

docsity.com

9

QUADRO 1 - PRINCIPAIS GLÂNDULAS ENDÓCRINAS, SEUS HORMÔNIOS, TECIDOS ALVOS E SUAS PRINCIPAIS AÇÕES

GLÂNDULA E HORMÔNIO SECRETADO

TECIDO ALVO AÇÃO

HIPOTÁLAMO - LIBERAÇÃO E INIBIÇÃO - HORMÔNIOS DA HIPÓFISE

Lobo anterior da hipófise estimula ou inibe a secreção dos hormônios

HIPOTÁLAMO (produz) e lobo posterior da hipófise estoca e libera:

- oxitocina

-ADH (hormônio antidiurético)

útero

glândulas mamárias

Rins (ductos coletores)

estimula a contração

estimula a ejeção do leite para

os ductos

estimula a reabsorção de água

Lobo anterior da hipófise - Hormônio de crescimento (GH) - Prolactina - TSH (hormônio estimulante da tireóide) - ACTH

(hormônio adrenocorticotrópico)

geral

glândula mamária

glândula tiróide

cortex adrenal

estimula o crescimento por

estimular a síntese de proteínas

estimula a secreção do leite

estimula secreção de

hormônios pelas glândulas

tireóides; e o aumento de

tamanho da tiróide.

estimula a secreção de

hormônios corticais pela

adrenal

- Hormônios gonadotrópicos

*FSH (hormônio estimulante folicular)

*LH (hormônio luteinizante)

gônadas Estimulam funções das gônadas

GLÂNDULA TIREÓIDE

* T4 (tiroxina)

* T3 (triiodotiro-xina)

- calcitonina

geral

ossos

Estimulam a velocidade do

organismo.

inibição da remoção de cálcio

dos ossos quando o nível de

cálcio no sangue diminui

docsity.com

comentários (0)
Até o momento nenhum comentário
Seja o primeiro a comentar!
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Docsity is not optimized for the browser you're using. In order to have a better experience we suggest you to use Internet Explorer 9+, Chrome, Firefox or Safari! Download Google Chrome