Soros - Apostilas - Biologia, Notas de estudo de Biologia. Centro Universitario Nove de Julho (UNINOVE)
Jose92
Jose9214 de Março de 2013

Soros - Apostilas - Biologia, Notas de estudo de Biologia. Centro Universitario Nove de Julho (UNINOVE)

PDF (96.9 KB)
4 páginas
609Número de visitas
Descrição
Apostilas de Biologia sobre o estudo dos diversos tipos de Soros, observando suas disposições nas pinas e nas frontes.
20pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 4
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo

RELATÓRIO: SOROS

RELATÓRIO ENTREGUE COMO PARTE

DAS EXIGÊNCIAS DA DICIPLINA DE BIOLOGIA DE VEGETAIS INFERIORES.

Ob Conh nas p

Int Maio briófi angio cava seme trans impo Uma é qu Ness mom manc folha Dest estru cond cond

jetivo ecer e ide inas e nas

roduç

r parte da tas, pteridó spermas.

linhas e s ntes. Isso ição evolut rtantes par das Carac e a fase du e, desenvo ento da su has alaran s das sama e modo n turas de ições que ições suas

ntificar os m frontes.

ão

história, 47 fitas e gim Em análise amambaias refuta a vis iva entre os a nossa co terísticas d radoura e lvem-se os a liberação jadas ou c mbaias de esta prátic reprodução foram imp respostas

ais divers

0 milhões nospermas s de máxim juntas sã ão predom graus brió

mpreensão istintas des mais visíve esporâng . Os espo

astanhas, q nominado s a foi ofe das Pter ostas, obs

seriam mais

os tipos de

de anos, , que acabo a verossim o os pare inante de fitas e plan do desenv se grupo, l é a fase

ios, que pr rângios sã ue em alg oros.

recida a o idóphytas, ervando s favoráveis

soros, ob

das plantas u rendend ilhança m ntes mais

que cavalin tas com se olvimento e para as pla do esporó oduzem e o apresent umas époc

portunidad e seu co

ua respost .

servando s

sobre a t o ao domín ostra inequ próximos has e sam mentes, e evolução d ntas avasc fito e não a guardam o ados em g as desenvo

e de reco mportame

a e analis

uas dispos

erra perten io ecológic ivocamente a plantas

ambaias sã tem implica e plantas.

ulares (brió do game

s esporos rupos naq lvem-se so

nhecermo nto perant ando em

ições

ce a o por que com o de ções

fitas)

tófito. até o uelas b as

s as e as quais

Ma         

Pro Nest prime ele re Fora micro sem estou d’águ eclod seu m

teriais Placa de Lâmina Lamínula Béquer Conta go Lupa Microscó Pinça Lâmina d

cedim

a pratica iramente a agiria.

m feitos co scópio not hidratação rando. No a com a la iu liberand ovimento

utiliz Petri

tas

pio Óptico

e corte

ento

foi propos olhos nus

rtes parade amos que , eclodiam passo se mínula sob o os espor durante a l

ados

to que fiz , depois a

rmicos nos os esporâ e liberaram guinte foi a re a amost os, mas de iberação.

éssemos o leva-lo à

soros e re ngios, de a os esporo dicionada

ra, foi poss forma ma

uma anál lupa, obse

tirado os es cordo com s que salt ao esporâ ível notar q is coorden

ise minuci rvar as mu

porângios, o tempo avam como ngio na lâ ue o espor

ada e de m

osa dos danças e

ao coloca- exposto a se estive mina uma ângio dest odo a obs

soros como

lo no luz e ssem gota

a vez ervar

Resultado e Discussão De acordo com as analises podemos discutir e avaliar sua evolução e aspectos do seu hábitat, sabendo que ocorre com mais frequência nas florestas tropicais e mata atlântica e que esses estão em fase de quase extinção, nos propõe uma questão qual será o futuro dessas plantas percussoras e como será daqui em diante se a tendência da atual situação só tende a piorar?

Conclusão Deste modo podemos concluir que de acordo com o que já foi dito anteriormente as Pteridófitas necessitam de água para sua reprodução, de acordo com as observações feitas podemos inferir que elas possuem uma grande dependência da água e consequentemente de ambientes úmidos.

Bibliografia http://felix.ib.usp.br/Botanica_Cotidiano.pdf

comentários (0)
Até o momento nenhum comentário
Seja o primeiro a comentar!
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Docsity is not optimized for the browser you're using. In order to have a better experience we suggest you to use Internet Explorer 9+, Chrome, Firefox or Safari! Download Google Chrome