Úlcera Gástrica - Apostilas - Enfermagem, Notas de estudo de . Universidade Federal da Bahia (UFBA)
Pamela87
Pamela8727 de Fevereiro de 2013

Úlcera Gástrica - Apostilas - Enfermagem, Notas de estudo de . Universidade Federal da Bahia (UFBA)

PDF (244.4 KB)
7 páginas
3Números de download
1000+Número de visitas
Descrição
Apostilas sobre o estudo da Úlcera Gástrica, definição, diagnóstico, sinais e sintomas, causas, farmacologia.
20pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 7
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo

* INTRODUÇÃO

O presente trabalho foi elaborado por duas alunas do curso técnico em enfermagem, atuante em campo de estágio. Este relatório tem por finalidade principal abordar o estudo sobre Úlcera Digestiva ou Úlcera Gástrica. Na qual o indivíduo analisado, é neste procedimento, o principal foco de observação.

Este processo é um método que por excelência promove a participação do doente na sua própria recuperação, estimulando-o a participar ativamente no seu próprio tratamento. Considera-se também um meio que permite a individualização dos cuidados de enfermagem, pois o mesmo vê o doente como um ser único o que possibilita uma maior humanização dos cuidados.

* OBJETIVOS a

2.1- Objetivo geral.

Este trabalho tem como objetivo geral, analisar o estudo de caso, de um paciente com suspeita de úlcera Gástrica. Estes estudos, então podem trazer novas formas de ajudar o paciente com o seu problema e dar mais conforto e segurança as famílias. Concluindo, o técnico em enfermagem no momento que realiza a assistência adequadamente ao paciente, possibilita melhoras significativas.

* JUSTIFICATIVA

Este relatório tem o intuito de aumentar o conhecimento sobre a problemática de um paciente com úlcera Gástrica, realizado a partir de um acompanhamento hospitalar.

* REVISÃO DA LITERATURA

Úlceras gástricas (pépticas)

A úlcera é uma ferida que pode ocorrer em diversas partes do organismo, como na pele e no cólon (colite ulcerativa), por exemplo. Quando se fala em úlcera, porém, quase sempre as pessoas se referem às úlceras pépticas, isto é, às úlceras gástricas que surgem no estômago, às úlceras do duodeno, na junção do estômago com o intestino delgado, e mesmo às do esôfago que são mais raras.

Os ácidos estomacais, especialmente o clorídrico, são muito fortes. Num estômago normal e saudável, sua ação restringe-se somente aos alimentos, mas, em determinadas situações, eles

docsity.com

podem atacar o revestimento do trato digestivo e provocar o aparecimento de uma úlcera que destrói a parede estomacal e do duodeno.

Estudos epidemiológicos mostraram que as úlceras podem atingir diferentes grupos étnicos, independentemente da idade, do sexo ou da ocupação profissional.

1.1 Diagnóstico

O principal exame para diagnosticar úlceras é a endoscopia, exame realizado sob sedação que permite visualizar diretamente o esôfago, o estômago e o duodeno. Raios X e análise dos ácidos gástricos são métodos úteis em certos casos, mas pouco empregados atualmente.

1.2 Sinais e Sintomas

• Sensação de dor e/ou queimação na área entre o esterno e o umbigo que se manifesta especialmente com o estômago vazio, pois a ausência de alimentos para digerir permite que os ácidos irritem a ferida;

• Dor que desperta o paciente à noite e tende a desaparecer com a ingestão de alimentos ou antiácidos;

• Dor característica da úlcera do duodeno que desaparece com a alimentação reaparecendo depois (ritmo dói-come-passa-dói-come-passa-dói) ;

• Vômitos com sinais de sangue;

• Fezes escurecidas ou avermelhadas que indicam a presença de sangue.

4.3 Causas

A acidez do suco gástrico desempenha um papel importante. Propiciada pelo stress, pelo estilo de vida, pelo álcool e pelo tabaco, a acidez aumenta quando se tomam remédios antiinflamatórios ou aspirina.A regulação da secreção ácida depende do sistema neurovegetativo, cujos mecanismos podem ser alterados. A camada do muco que forra e protege a parede do estômago pode ser modificada ou desaparecer. Quando junto com uma acidez excessiva há uma produção de muco insuficiente, pode aparecer uma úlcera.Na maioria dos casos de úlcera constatou-se a presença de uma bactéria, a Helicobacter pylori, que, provavelmente, é responsável pelo desaparecimento da camada mucosa facilitando assim a sua agressão. A destruição da bactéria mediante um antibiótico elimina o perigo cavidade do de reincidência e reduz o risco de cancro gástrico.A úlcera gástrica é uma doença causada por muitos factores: predisposição familiar, sistema neurovegetativo desregrado, hábitos alimentares, estilo de vida pouco saudável e Helicobacter pylori. 1.3 Tratamento:Normalmente, a úlcera é tratada com medicamentos específicos. Há vários, incluindo os que neutralizam a acidez do suco gástrico. A eficácia sempre maior destes remédios torna inútil, na maioria das vezes, uma intervenção cirúrgica.Importante é também modificar o

docsity.com

próprio estilo de vida tentando evitar o stress, o álcool, o tabaco e alimentar-se e dormir regularmente. 1.4 Assistência de Enfermagem

Manter o paciente em repouso, calmo e tranquilo, diminuir a atividade motora do estômago com uma dieta branda e várias vezes ao dia, fazer higiene oral, três vezes ao dia (manhã, almoço e jantar), verificar e anotar os sinais vitais de 4/4 h, administrar a medicação prescrita com controle rigoroso do horário.

Evitar alimentos ácidos, condimentados como café, uso de medicamentos como ASS e corticóides.

Evitar que fique com descontrole emocional, ansiedade, raiva e ódio. Todos esses fatores elevam a quantidade dos sucos gástricos produzidos no estômago, desencadeando a ulceração. |

|

* ANOTAÇÃO DE ENFERMAGEM

5.1 Prescrição médica:

• Dieta oral zero até 2º ordem

• SR 0,8% - 2000 ml, EV, 28 gt/min

• Ranitidina – 1 amp + AD, EV, 8/8 horas

• Transamin – 1 amp + AD, EV, 8/8

• Buscopan Composto – 1 amp + AD, EV 6/6 h

• Vitamina K – 1 amp, IM, agora

• Plasil – 1 amp +AD, EV, 8/8 h

• Passar sonda nasogástrica (SNG)

• Cefalotina 1g – 1 amp + AD, EV, 6/6 h

Solicitado: EDA

- Transferência para Floriano, porém família não aceita.

5.2 Evolução de Enfermagem

01-10-12, 11:00, Pct admitida nesta U.S acompanhada pela filha, consciente, orientada, fásica, afebril (Tax: 36,5) Normoesfigmico (P: 75 BPM) Eupneica ( R: 21 Rpm) Normotensa (PA: 110 x 60

docsity.com

mmHg). Relata queda de um batente há 03 dias. Refere dor torácica, náuseas, vômitos com sangue e fraqueza. Administrado medicações prescritas, passado sonda nasogastrica (SNG). Segue internado pra tratamento clínico.

* Comparação da assistência de enfermagem ofertada, em relação à literatura.

Os cuidados ofertados ao paciente em âmbito hospitalar se assemelham aos da literatura estudada.

De acordo com o estudo, o paciente deveria ficar em repouso, calmo e tranquilo, diminuir a atividade motora do estômago com uma dieta branda e várias vezes ao dia, fazer higiene oral, três vezes ao dia (manhã, almoço e jantar), verificar e anotar os sinais vitais de 4/4 h, administrar a medicação prescrita com controle rigoroso do horário.

Evitar alimentos ácidos, condimentados como café, uso de medicamentos como corticóides.

Evitar que fique com descontrole emocional, ansiedade, raiva e ódio. Todos esses fatores elevam a quantidade dos sucos gástricos produzidos no estômago, desencadeando a ulceração.

Assim todos os cuidados necessários foram oferecidos ao paciente analisado, com o intuito de uma melhora significativa em seu quadro clínico.

* FARMACOLOGIA

7.1 TRANSAMIN

Indicações

Transamin está indicado no controle e prevenção de hemorragias provocadas por hiperfibrinólise e ligadas a várias áreas como cirurgias cardíacas, ortopédicas, ginecológicas, otorrinolaringológicas, urológicas, neurológicas, em pacientes hemofílicos, hemorragias digestivas e das vias aéreas. Angioedema hereditário.

Contra-indicações de Transamin

Transamin está contra-indicado em portadores de coagulação intravascular ativa, vasculopatia oclusiva aguda e em pacientes com hipersensibilidade aos componentes da fórmula.

Reações adversas / Efeitos colaterais de Transamin

docsity.com

Em geral, Transamin é bem tolerado. Entretanto, raramente, podem ocorrer reações gastrintestinais como náuseas, vômitos e diarréias, que regridem com a diminuição da dose.

Posologia

A dose de Transamin deve ser ajustada individualmente por paciente. As doses recomendadas devem ser interpretadas como uma diretriz inicial. Adultos: Fibrinólise local: Injetável: 500 a 1.000 mg por injeção intravenosa lenta (1 ml/min), três vezes ao dia. Se o tratamento continuar por mais de 3 dias, recomenda-se o uso da apresentação oral. Alternativamente, após injeção intravenosa inicial, o tratamento subseqüente pode ser continuado por infusão venosa. Após diluído, pode ser administrado na dose de 25 a 50 mg/kg/dia. Comprimido: A dose recomendada é de 15 a 25 mg/kg, isto é, 2 a 3 comprimidos, duas a três vezes ao dia. Fibrinólise sistêmica: Injetável: Na coagulação intravascular disseminada, com ativação predominante do sistema fibrinolítico, usualmente uma dose única de 1.000 mg é suficiente para controlar o sangramento. Neutralização de terapia trombolítica: 10 mg/kg por injeção intravenosa lenta. Crianças: De acordo com o peso corporal: 10 mg/kg, duas a três vezes ao dia. Transamin Injetável, em infusão venosa, deve ser diluído, isoladamente, nas seguintes soluções: soro fisiológico isotônico, glicose isotônica, frutose a 20%, Dextran 40, Dextran 70 e solução de Ringer. Em casos mais graves, podem ser utilizadas até 10 ampolas na diluição. Transamin pode, ainda, ser administrado durante a heparinoterapia. Em pacientes com insuficiência renal, para evitar o risco de acúmulo, a dose deve ser corrigida de acordo com a seguinte tabela: Algumas indicações e doses recomendadas: Prostatectomia: Em pacientes de alto risco, a profilaxia e o tratamento da hemorragia devem começar durante o período pré-operatório, comTransamin Injetável, seguido de 2 comprimidos, três a quatro vezes ao dia, até que a hematúria macroscópica desapareça. Menorragia: 2 a 3 comprimidos, três a quatro vezes ao dia, por período de três a quatro dias. A terapia com Transamin deve ser iniciada após sangramento intenso e seu uso deve ficar restrito a não mais que três ciclos menstruais, caso não se obtenha redução do sangramento. Epistaxe: 2 comprimidos, três vezes ao dia, durante 7 dias. Hemofilia: No preparo de extrações dentárias, 2 a 3 comprimidos, a cada 8 horas, ou 25 mg/kg/dia, três vezes ao dia. Angioedema hereditário: Alguns pacientes reconhecem o início da doença. O tratamento consiste na administração intermitente de 2 a 3 comprimidos, duas a três vezes ao dia, por alguns dias. Outros pacientes podem necessitar de tratamento contínuo com esta dose.

Formas de asministração

Oral: compr.: emb. c/ 12 compr.

Intravenosa lenta: de 250mg inj. (250mg/5ml): emb. c/ 5 amp. c/ 5 ml.

7.2 CEFALOTINA

Indicações

docsity.com

Infecção das articulações; infecção da pele e dos tecidos moles; infecção dos ossos; infecção urinária; infecções pós- cirurgia; pneumonia; infecção generalizada.

Contraindicações

Gravidez risco B; mulheres em fase de lactação; indivíduos alérgicos a Penicilina.

Efeitos colaterais

Diarréia; distúrbios gastrointestinais; alergias no local da injeção.

Posologia

NOTA: As doses são dadas em termos de Cefalotina. ADULTOS E ADOLESCENTES: Pneumonia não complicada; infecção do trato urinário; furunculose com celulite: 500 mg a cada 6 horas, via intramuscular ou intravenosa. Profilaxia cirúrgica (via intravenosa): a) 2 gramas, 30 a 60 minutos antes do início da cirurgia; b) 2 gramas durante a cirurgia com duração de 2 horas ou mais; c) 2 gramas a cada 6 horas, após a cirurgia, durante até 48 horas. Outras infecções: 500 mg a 2 g a cada 4 a 6 horas, via intramuscular ou intravenosa. Limite de doses para adultos: 12 g por dia. Adultos com Diminuição da Função Renal: Após uma dose inicial de 1 a 2 g por via intravenosa, pode ser necessário o ajuste de dose de acordo com o esquema abaixo que considera o clearance de creatinina. Adultos com diminuição da função renal Clearance de creatinina (mL/min) Dose 50 - 80 25 - 50 10 - 25 2 - 10 < 2 Até 2 g a cada 6 horas Até 1,5 g a cada 6 horas Até 1 g a cada 6 horas Até 500 mg a cada 6 horas Até 500 mg a cada 8 horas PACIENTES PEDIÁTRICOS Infecções bacterianas em geral: 20 a 40 mg por Kg de peso, a cada 6 horas, por via intramuscular ou intravenosa; ou 12 a 25 mg por Kg de peso, a cada 4 horas, por via intramuscular ou intravenosa. IDOSOS Ver dose para adultos e adolescentes.

Formas de Administração

Uso injetável

Adultos

* Pneumonia e infecção urinária: Administrar 500 mg, a cada 6 horas.

* Infecção Grave: 500 mg a 1 g, a cada 4 horas.

Crianças

* 15 a 25 mg por kg de peso corporal, a cada 4 horas ou 20 a 40 mg por kg de peso corporal a cada 6 horas.

A injeção pode ser aplicada no músculo ou nas veias, porém a administração feita nos músculos é muito dolorida, evitá-la sempre que possível, principalmente em crianças.

docsity.com

Após a aplicação, colocar gelo no local. É importante não aplicar a injeção sempre no mesmo lugar, para evitar que haja irritação do tecido muscular.

* CONCLUSÃO

Procurando sintetizar todos os aspectos apresentados no presente trabalho, afirma-se que ao longo da elaboração do mesmo, percebemos os cuidados necessários para com um paciente com úlcera gástrica, medicações adequados, assistência de enfermagem, o que é a patologia, entre outros. Proporcionando aos alunos uma imagem real da dinâmica possível de um quadro clínico e da necessidade do conhecimento dos vários modelos de intervenção.

ESTUDO DE CASO

Componentes:

Relatório

Tema: Úlcera Digestiva (Gástrica)

22 de Outubro de 2012

ESTUDO DE CASO

Setor: Urgência e Emergência

Período: 03 meses (300 horas)

Relatório

Tema: Úlcera Digestiva (Gástrica)

22 de Outubro de 2012

docsity.com

comentários (0)
Até o momento nenhum comentário
Seja o primeiro a comentar!
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Docsity is not optimized for the browser you're using. In order to have a better experience we suggest you to use Internet Explorer 9+, Chrome, Firefox or Safari! Download Google Chrome