Usinas termoelÉtricas, Projetos de Física
Thais.Lima
Thais.Lima3 de Junho de 2016

Usinas termoelÉtricas, Projetos de Física

DOCX (43.0 KB)
16 páginas
153Número de visitas
Descrição
Artigo sobre usinas termoelétricas
20pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 16
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Pré-visualização finalizada
Consulte e baixe o documento completo

USINAS TERMOELÉTRICAS

Francisca Joice Souza Silva Francisca Rafaela Mirlys da Silva

Leila Maria Freitas Maria Brena da Costa

Carla Thaís de Lima Costa (IFRN – Pau dos Ferros)

RESUMO

O artigo informará sobre Energia Térmica, em especial sobre usinas termoelétricas, suas matérias primas, vantagens e desvantagens, como a energia térmica é transformada em elétrica, construção, funcionamento, impactos ambientais causados pela mesma e seu custo final. A metodologia adotada para a apresentação do trabalho foi uma apresentação de slides para auxiliar na apresentação do grupo e uma animação no final mostrando o funcionamento da usina. Diante os fatos obtidos percebe-se que embora existam algumas vantagens na utilização desse tipo de usina, ela possui uma quantidade maior de desvantagens, sendo assim não é tão propício o seu uso e sim o de outras energias as quais possuem um potencial maior de energia e mais vantagens.

Palavras-Chave: Termoelétricas – Calor – Eletricidade – Impactos

USINAS TERMOELÉTRICAS – ARTIGO

Carla Thaís de Lima Costa , Francisca Joice Souza Silva , Francisca Rafaela Mirlys da Silva , Maria Brena da Costa , Leila Maria Freitas 1

INTRODUÇÃO

Este artigo está destinado à explanação das temáticas que cercam a geração de

energia elétrica em uma Usina Térmica. Foi solicitado como requisito avaliativo por

professores de duas disciplinas, Física e Geografia, e será usado como requisito avaliativo

para o terceiro bimestre.

O trabalho pretende levar informações séries e concretas, de forma clara e concisa

sobre o tema oferecido.

Aborda temas como Energia Térmica e Calor, A Construção e o Funcionamento

das Termoelétricas, As Matérias-Primas utilizadas na combustão, Os Impactos Ambientais,

Um debate sobre o uso atual e uma parte de opinião.

Inicia-se a explicação com o conceito do que é energia térmica, esclarecendo a

diferença entre esta e a temperatura, discutindo também que elas estão associadas diretamente

uma com a outra.

Um dos tópicos aqui apontados é o gás natural como forma de matéria prima,

expondo algumas informações sobre o gás natural, marcando as vantagens e as desvantagens

deste quanto ao seu uso nas termelétricas. O Carvão mineral é a principal matéria-prima

usada nas usinas, é também a mais poluente. É composto principalmente por carbono, e a sua

emissão de gases é responsável por 40% do aquecimento global. Óleo combustível é um

derivado do petróleo muito usado em termoelétricas e também no setor automobilístico.

Abordaremos as vantagens de sua construção, como: o baixo investimento

necessário, o curto espaço de tempo e o terreno para utilização. Chegando a esse ponto do

artigo expondo o detalhamento do processo de produção energética em uma usina

termelétrica.

Os tópicos seguintes serão mais rápidos, dando ao leitor um maior número de

informações consistentes e uma maior dinamicidade em sua compreensão.

1 Alunas do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte, campus Pau dos Ferros.

APRESENTAÇÃO DAS TEMÁTICAS PROPOSTAS

ENERGIA TÉRMICA E CALOR

A energia térmica como o próprio nome remete está associada à ideia que temos

de calor. Mas ao contrario do que muitos pensam energia térmica não é a mesma coisa que

calor ou temperatura. O conceito que temos para estes é diferente do usado para aquele, que a

principio para muitos físicos eram sinônimos de algo relacionado ao aquecimento dos corpos.

Hoje em dia, depois de muitas pesquisas e experimentos feitos, os conceitos adotados para

ambos tomam caminhos diferentes. Como nós podemos ver claramente nas palavras de

Sampaio & Calçada (2005, p. 167):

Atualmente dizemos que o calor é uma forma de energia que se transmite de

um corpo a outro em razão da diferença de temperatura. Essa energia só é

chamada calor enquanto esta sendo transferida (energia em transito). Depois

que ela é absorvida pelo corpo não pode ser chamada de calor.

Por tanto esses três elementos (energia térmica, calor e temperatura.) são coisas

diferentes. Na verdade os corpos são dotados de energia (e nesse caso, energia térmica.) não

de calor, o calor consiste na transição de energia. Esse fato se da, por causa da diferença de

temperatura.

Para entendermos melhor vamos pegar como exemplo dois corpos de

temperaturas diferentes, se colocados juntos vai ocorrer uma transferência de energia, que

agora pode ser chamada de calor, quando os dois corpos alcançarem a mesma temperatura,

essa transferência de energia para, em então se atingi o equilíbrio térmico.

Levaremos em consideração agora apenas a energia térmica. Essa forma de

energia consiste na energia de movimentação das partículas atômicas. As moléculas ficam em

constante movimento, por essa razão possuem energia cinética, que é na verdade uma forma

de energia relacionada ao movimento. Por isso, a energia térmica de um corpo corresponde à energia cinética media.

A energia pode ser definida como uma forma ou capacidade de realizar trabalho,

por isso sua unidade de medida no SI é Joule (J).

Como a energia não pode ser criada nem destruída, somente transformada, todas

as formas de energia obedecem a esse padrão. A energia térmica obtém-se de três formas:

combustão, atrito ou resistência elétrica. A combustão ocorre pela queima de algum material,

nesse processo ocorre à transformação de energia química em térmica. O atrito é a

transformação de energia mecânica em térmica. E por fim temos a resistência elétrica que é a

transformação de energia elétrica em térmica, isso geralmente ocorre pelo uso de receptores.

Chegamos, portanto a conclusão de que energia térmica, esta associada à

temperatura, mas que não são a mesma coisa, e o calor não é nada mais é, do que energia em

transição. E que essa, como qualquer outra, forma de energia não surgi do nada, mas é o

resultado da transformação de alguma outra forma de energia.

CARVÃO MINERAL

Mesmo sendo muito proveitoso na fabricação de energia elétrica através das

termelétricas, o carvão mineral é conhecido, também, por causar diversos impactos

ambientais e sociais.

O carvão começou a ser utilizado com maior intensidade a partir da Revolução

Industrial no século VIII, quando começaram a ser utilizadas maquinas a vapor. É

caracterizado por ser um combustível de origem fóssil (formado a partir da fossilização de

materiais orgânicos), sendo a parte celulósica da vegetação que sofreu transformações

decorrentes do tempo, pressão e bactérias.

O carvão mineral é composto por carbono, hidrogênio, oxigênio, magnésio,

enxofre e cinzas, podendo ser classificado com base na sua concentração de carbono, o que

reflete no seu nível de pureza e potencial energético. Os tipos de carvão são: Turfa (cerca de

50 a 55% de carbono), Linhito (70%), Hulha (85%) e Antracito (90-96%).

Ao ser queimado, esse combustível fóssil libera alta quantidade de energia, por

esse motivo é muito usado nas usinas termelétricas. Porém, essa queima lança no ar partículas

sólidas e gases poluentes atuantes no processo do efeito estufa e aquecimento global. O

carvão é responsável por cerca de 40% das emissões de CO2 no ar.

A ocupação do solo para exploração das jazidas também interfere na vida da

população, recursos hídricos, flora e fauna; impactos socioambientais provenientes do

barulho, poeira, erosão e doenças causadas pela mineração do carvão, ação que promove a

emissão de CO2, metano (Ch2) e substancias que podem reagir com o ar ou água e formar

substancias como ácido sulfúrico e sulfato ferroso, que vão para o subsolo e lençol freático,

além do nitrogênio(N) emitido durante a combustão do minério.

A mineração do carvão pode ser feita a céu aberto ou subterrâneo. A extração a

céu aberto é possível quando a camada de carvão esta aflorando à superfície, consiste na

remoção da camada estério (superior), em seguida extrai-se o carvão. Já a extração

subterrânea é feita através de técnicas manuais, semi-mecanizada ou mecanizada.

As maiores reservas de carvão, atualmente, estão localizadas na Rússia e nos

EUA, tendo como maiores produtores a China e os EUA.

GÁS NATURAL

O gás natural é uma das formas de combustível das usinas termelétricas, é um

combustível fóssil e encontrado na natureza normalmente em reservatórios no subsolo

marítimo ou terrestre, associado ou não ao petróleo. Assim como o petróleo, ele resulta da

degradação da matéria orgânica, fósseis de animais e plantas pré-históricas, sendo retirado da

terra através de perfurações.

É constituído por uma mistura de hidrocarbonetos (composto químico formado

por átomos de carbono e hidrogênio). Grande parte dele (cerca de 70%) é formada pelo gás

metano. Fazem também parte da composição do sua o propano, nitrogênio, oxigênio, etano e

enxofre. É inodoro, incolor, de queima mais limpa que os demais combustíveis, não tóxicos e

mais leve que o ar.

Como já foi exposto, existem dois tipos de gás natural encontrados na natureza: o

associado e o não associado. O associado é aquele que em reservatórios, se encontra

dissolvido em óleo ou se apresenta como uma “capa” de gás. Este tipo de gás, antes de ser

distribuído, precisa ser separado do óleo.

Já o gás natural não associado é aquele que, em reservatórios, se encontra livre de

óleo ou apresenta pequena quantidade deste componente. Este tipo de gás é de mais fácil

comercialização, já que não é necessário um processo para separação de componentes.

Esse tipo de combustível é uma fonte de energia limpa que pode ser usada nas

indústrias, substituindo outros combustíveis mais poluentes como óleos combustíveis, lenha e

carvão. Com isso ele apresenta certas vantagens, dentre elas pode-se citar:

• Apresenta baixa quantidade de contaminantes;

• Sua combustão pode ser considerada limpa, portanto melhora significativamente a

qualidade do ar, substituindo as outras formas de combustíveis mais poluentes, como

o carvão ou o gás combustível.

• Menor contribuição de emissões de CO2 (40 a 50% menos que os combustíveis

sólidos como o carvão e cerca de 20 a 23% menos do que o óleo combustível);

• Não exigi muito quanto ao tratamento dos gases de combustão;

• Maior facilidade de transporte e manuseio, o que contribui para a redução do tráfego

de caminhões que transportam outros tipos de combustíveis;

• Não requer estocagem, eliminando os riscos do armazenamento de combustíveis;

• Maior segurança; por ser mais leve do que o ar, o gás se dissipa rapidamente pela

atmosfera em caso de vazamento;

• Contribuição para a diminuição da poluição urbana quando usado em veículos

automotivos;

Diferenças entre gás natural e GLP (o gás de cozinha)

Embora possuam algumas semelhanças entre si, como nos fogões, o gás natural e

o Gás Liquefeito de Petróleo – GLP (também conhecido como gás de cozinha) são originários

de diferentes processos. Enquanto o gás natural é extraído diretamente dos reservatórios de

petróleo, o GLP passa por processos de refino e estocagem.

No Brasil a maioria do gás natural produzido é encontrado junto ao petróleo, ou

seja, associado, cerca de 73% portanto e se destina a outros mercados consumidores que não são somente geração de energia térmica. Além disso, uma vez produzido, o gás natural se

distribui entre diversos setores de consumo, com fins energéticos e não energéticos: utilizado

como matéria-prima nas indústrias petroquímica (plásticos, tintas, fibras sintéticas e borracha)

e de fertilizantes (ureia, amônia e seus derivados), comércio, serviços, domicílios etc., nos

mais variados usos.

Conforme dados mais recentes da Agência Nacional do Petróleo (ANP), em total

aproximado de 474 bilhões de m3 de gás natural em 2007, 78% das reservas provadas

nacionais deste energético se localizam no mar, e o restante (22%) se encontra em campos

terrestres.

Segundo Edmar de Almeida, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro

(UFRJ), o setor de gás é "totalmente dependente da Petrobrás, que produz, importa,

transporta, distribui e define completamente o desenvolvimento dessa indústria".

O secretário de Energia de São Paulo, José Aníbal, aponta que a preponderância

da Petrobrás interrompe o crescimento do mercado. "O fato de a Petrobrás ser a única dessa

cadeia é um elemento que concorre para essa trava do setor", disse, destacando que o

consumo de gás no Estado de São Paulo está estancado desde 2007. "O setor de cerâmica em

São Paulo está sendo devastado com o preço do gás. Temos também outros produtores

duramente atingidos. A Petrobrás não negocia nada."

ÓLEO COMBUSTÍVEL

O óleo combustível é um derivado do petróleo. Sua queima é utilizada na

produção de energia térmica. É composto por carbono, hidrogênio e pequenas quantidades de

alguns metais corrosivos, após a extração do petróleo é feito um processo posterior à

destilação fracionada, para diminuir a corrosão desses metais.

A classificação dos combustíveis se dá de duas formas gerais variando de acordo

com sua viscosidade: Os óleos combustíveis leves que se dividem em: óleo diesel volátil, o

qual não inflama mesmo tendo contato com o fogo. E o não volátil que é o utilizado no Brasil

(Nas usinas termelétricas). Já os óleos combustíveis pesados se dividem em: óleos APF (de

alto ponto de fluidez) e óleos BPF (baixo ponto de fluidez) ambos usados em motores

grandes.

No Brasil, a classificação varia de acordo com a quantidade de enxofre:

Nos óleos combustíveis "ATE" – (Alto Teor de Enxofre) são usados uma grande quantidade

em materiais onde o enxofre não interfira na qualidade do produto final como vidros e

cerâmicas mais baratos. Os óleos combustíveis "BTE" – (Baixo Teor de Enxofre) Nesse caso

a quantidade de enxofre tem que ser baixa, pois interfere na qualidade do produto final como

vidros e cerâmicas mais finos (cristais).

CONSTRUÇÃO DE USINAS TERMOELÉTRICAS

Se compararmos com o modo de construção de uma hidrelétrica, as termoelétricas

tem uma construção relativamente fácil, pois, não necessitam de um rio com desnível e nem

de alagar territórios. As únicas necessidades são ter um rio por perto apenas para uma leve

captação de água, e ter no território próximo disponibilidade de matéria prima. Isso faz com

que a usina possa ser construída perto dos centros de consumo, perto das cidades. Essa

proximidade é positiva, pois reduz o custo futuro com distribuição.

O gasto inicial de construção de uma usina térmica é menor que o de uma

hidrelétrica e demandam menos tempo de construção.

Seu projeto conta com uma Casa de Força, uma Subestação e a Linha de

Transmissão.

Algumas partes que a Casa de Força são:

• As chaminés,

• A Turbina,

• Os Alteradores,

• A Caldeira,

• As Estruturas para o transporte de matéria prima,

• As plataformas de refrigeração de ar,

MAIORES USINAS

■ TERMO FORTALEZA, Localização: Caucaia/CE, Capacidade: 347 MW,

Acionistas: Neoenergia 100%.

■ JESUS SOARES PEREIRA (EX-TERMOAÇU), Localização: Alto do Rodrigues/RN,

Capacidade : 340 MW, Acionistas: Petrobras 79,5%, Neoenergia 20,5%.

■ TERMOPERNAMBUCO: Localização: Ipojuca/PE, Capacidade: 540 MW,

Acionistas: Neoenergia 100%.

■ CAMAÇARI: Localização: Dias D'Ávila/BA, Capacidade: 347 MW,

Acionistas: Eletrobrás Chesf 100%.

■ SANTA CRUZ: Localização: Rio de Janeiro/RJ, Capacidade: 1.000 MW,

Acionistas: Furnas 100%.

■ NORTE FLUMINENSE: Localização: Macaé/RJ, Capacidade: 870MW,

Acionistas: Petrobras 10%, EDF 90%.

■ GOVERNADOR LEONEL BRIZOLA (EX-TERMORIO): Localização: Duque de

Caxias/RJ, Capacidade: 1.060 MW, Acionistas: Petrobras 100%,

■ MÁRIO LAGO (EX-MACAÉ MERCHANT): Localização: Macaé/RJ,

Capacidade: 930 MW, Acionistas: Petrobras 100%.

■ FERNANDO GASPARIAN (EX-NOVA PIRATININGA): Localização: São Paulo/SP,

Capacidade: 400 MW, Acionistas: Petrobras 100%.

■ ARAUCÁRIA: Localização: Araucária/PR, Capacidade: 484 MW,

Acionistas: Petrobras 100%.

■ MÁRIO COVAS (EX-TERMO CUIABÁ): Localização: Cuiabá/MT, Capacidade: 480

MW, Acionistas: Arrendada pela Petrobras.

FUNCIONAMENTO DAS TERMELETRICAS

Chamam-se termelétricas por que é constituída de duas partes, uma térmica onde

se produz muito vapor, por causa do aquecimento da água, pela queima de algum combustível

fóssil, e, uma segunda parte, a elétrica onde se produz eletricidade através de um gerador, pela

transformação de energia mecânica em energia térmica.

O funcionamento das termelétricas é bem simples, ocorre primeiro, a queima de

algum combustível fóssil, seja ele carvão mineral, gás natural ou óleo combustível, o mais

importante é que independente da matéria prima o processo é o mesmo. A queima do

combustível aquece uma caldeira, a caldeira é o recipiente que comporta a água, quando esta

atingir 100C° entrara em ebulição e começara a gerar um vapor de alta pressão, a ponto de

movimentar uma turbina; ao movimentar a turbina a energia cinética agora é transformada em

energia mecânica. Essa turbina esta acoplada por um eixo a um gerador, e nessa fase a

energia mecânica se transforma energia elétrica que é transformada varias vezes, até a

voltagem se adequar a que o consumidor necessita receber.

O vapor que foi utilizado para girar a turbina tem que ser novamente resfriado,

para que isso ocorra ele é transportado para um condensador onde será resfriado. Essa água

pode voltar para a caldeira e reiniciar o processo, ou pode ser depositada de volta no rio com

uma pequena mudança de temperatura o que acaba afetando o ecossistema. Ainda tem uma

terceira forma de resfriamento, onde a própria água do rio é utilizada para o resfriamento e

nesse caso os impactos ambientais são ainda maiores. Ou essa água pode passar através de

torres, e água é liberada em forma de vapor.

Quanto às cinzas elas também não são liberadas assim de qualquer forma, na

verdade existem alguns precipitadores que retêm as cinzas e outros resíduos voláteis da

combustão. As cinzas são recuperadas para o aproveitamento em processos metalúrgicos.

As usinas termelétricas não produzem energia limpa, até por que o uso de

combustíveis fósseis polui muito o meio ambiente, mas a uma grande preocupação em tornar

o mais limpa possível, é por isso que água é resfriada, e os resíduos não são liberados no meio

ambiente.

DISTRIBUIÇÃO DA ENERGIA ELÉTRICA PRODUZIDA

Assim que é produzida no gerador a corrente elétrica segue direto para uma

subestação de transmissão dentro da própria termoelétrica. Lá a corrente passa por um

transformador – equipamento que tem a capacidade de alterar a tensão elétrica para mais ou

para menos. Aqui ele vai subir a tensão que sai da usina para 345 mil volts.

A corrente irá seguir seu caminho até as cidades por uma rede de alta tensão.

Durante o trajeto os elétrons em movimento colidem com as moléculas, essa colisão faz parte

da energia ser dissipada em forma de calor, fenômeno conhecido como Efeito Joule. Com

essa perda de energia elétrica a tensão cai. E é justamente para compensar essa queda de tensão que a eletricidade que sai da subestação esta em altíssima voltagem.

Quando finalmente a energia chegar às cidades ela terá que ter sua voltagem

reduzida antes de ser entregue ao consumidor. Para tal operação há, próximo às cidades,

subestações de distribuição onde a tensão é rebaixada, primeiro para 138 mil volts e, em

seguida, usando-se de um segundo transformador, para 13,8 mil volts. É nessa tensão que a

energia é encaminhada para as casas.

Antes de chegar às casas esse circuito passa por mais um transformador, instalado

em um poste, e a tensão finalmente cai para os 110 ou 220 volts. Dentro da residência a

energia ainda passa por um quadro de luz, onde fica o "relógio", que é responsável por medir

o consumo mensal.

É perceptível que durante esse processo há a necessidade de aumentar e diminuir

a voltagem várias vezes. Por tal necessidade (aumentar e reduzir a voltagem durante o

percurso) as empresas optam por usar corrente alternada em distancias curtas de transmissão,

pois sua mudança de voltagem é mais fácil que na corrente continua. Já em distancias longas

(acima de 500 km) se torna mais econômico usar corrente continua, pois, embora seu gasto

com transformação seja maior (pois tem que ser transformada em corrente alternada antes de

ter a voltagem reduzida), sua transmissão durante o percurso é mais fácil. Em países de

grande faixa territorial, como o Brasil, os Estados Unidos e a União Soviética esse sistema de

corrente continua já é usado.

No caso do Brasil o serviço de distribuição de energia é feito pele Rede Básica,

um conjunto de linhas de transmissão e subestações. Qualquer empresa ou consumidor tem

direito a utilização dessa Rede. Quem opera e administra a Rede Básica é o ONS (Operador

Nacional do Sistema Elétrico). Esse sistema conecta as usinas a rede de transmissão nacional, que pode levar energia de norte a sul.

"O papel desse sistema é interligar a geração de energia até a carga e interligar as diferentes regiões do País, de forma a permitir a exploração racional dos recursos disponíveis em todas as regiões.” Disse César de Barros Pinto, diretor-executivo da Associação das Grandes Empresas de Transmissão de Energia Elétrica (Abrate).

IMPACTOS AMBIENTAIS DA EXTRAÇÃO DAS MATÉRIAS PRIMAS

Gás Natural

A parte mais complicada da extração é a perfuração das rochas até chegar ao

petróleo; é feita com grandes máquinas que se assemelham a furadeiras, mas que envolve

muito mais tecnologia e energia.

Quando retirado do subsolo terrestre pode causar danos a plantas nativas e poluir

o ar. Quanto à extração do subsolo marítimo, pode causar contaminações na água.

Carvão Mineral

O carvão mineral sendo uma das opções de combustíveis para usinas térmicas,

também causam impactos consideravelmente na natureza. O carvão é uma matéria que

demora muito para sua reposição e o minério não repõe, isso torna a extração não sustentável.

Embora existam regras ambientais para a prática das atividades mineiras, as áreas cultivadas

sofrem alterações irreversíveis. A abertura de grandes buracos para a extração mineral retira a

cobertura vegetal e altera o relevo, fazendo com que aconteçam grandes erosões. Logo após

serem exploradas, algumas áreas são largadas sem o necessitado cumprimento das normas

ambientais.

Outra enorme dificuldade causada pela mineração é a poluição hídrica, do solo e

sonora. O emprego de produtos químicos contamina o solo, demudando suas propriedades. As

chuvas carregam esses produtos químicos para os rios, que logo se contaminam. Durante o

processo de infiltração da água, o lençol freático é acertado por essas substâncias. A explosão

de dinamites provoca ruídos, caracterizando a poluição sonora.

Óleo Combustível

Óleo combustível derivado do petróleo causa grandes impactos ambientais em sua

extração, os piores danos acontecem durante o transporte de combustível, com vazamentos

em grande escala de oleodutos e navios petroleiros.

É um processo muito delicado, por isso exige alta tecnologia e um cuidado muito

grande.

IMPACTOS AMBIENTAIS DA PRODUÇÃO

Na sua produção as usinas termoelétricas trazem vários impactos ambientais,

como: A emissão de gases poluentes (pois na queima das matérias primas são liberados vários

resíduos) e a possibilidade de vazamentos. O sistema de resfriamento e aquecimento da água

também é prejudicial, pois quando a água é devolvida muitas vezes está em temperatura

diferente da natural (elevada), ocorrendo assim um desequilíbrio ambiental, afetando toda a

fauna e flora dependente da água.

CUSTOS FINAIS

O custo da produção da energia nas termelétricas é muito maior que nas

hidrelétricas, porém é bem menor que o das nucleares. O custo do quilowatt/hora (kW/h)

produzido nas termelétricas chega a ser de duas a quatro vezes maior que o da hidrelétrica.

Os principais componentes dos custos nas termelétricas ao contrario de outras

usinas não são as despesas com a construção, e sim o custo operacional, e a compra da matéria prima.

RESULTADOS E DISCUSSÕES

As termelétricas são hoje muito utilizas, mas pouco viável por diversos pontos de

vista. Pode-se afirmar que a construção é rápida e simples, mas de que isso importa se a longo

prazo não á bons retornos, ou seja, que venha a compensar. Se levada em consideração a

construção de uma usina dessas, a curto prazo pode ser até lucrativo já que o quilowatt/hora

em uma usina desse tipo é bem mais caro que em outras, mas isso só acontece pelo alto custo

da matéria prima, que além do mais não é um recurso que estará sempre ali a sua disposição.

Levando em consideração esse ponto de vista as termelétricas já se tornam

desvantajosas, e tornam-se ainda mais se levarmos em consideração os grandes impactos

ambientais causados pela emissão do dióxido de carbono, sem falar em outros gases

extremamente tóxicos, que são liberados pela queima da matéria prima.

As termelétricas não são de modo nenhum energia limpa, primeiro por que na

queima de algum combustível fóssil, por mais que se preocupem em não degradar o meio

ambiente, é impossível não deixar escapar os gases, e alguns resíduos que sobram da queima

do material. Em segundo lugar geralmente a agua usada para gerar vapor é depositada

novamente no rio, e mesmo sendo esfriada pela ação do condensador, a água fica com a sua temperatura levemente altera, o que acaba prejudicando o ecossistema da região, e alterando

a vida de diversos animais que dependem daquela água.

Há também outros aspectos de grande importância, existem outras usinas que

conseguem ter um potencial energético bem maior que o das termelétricas, como por

exemplo, as usinas hidrelétricas e nucleares. Existem também formas de energia alternativas,

ou seja, o que chamamos de energia limpa, são elas: solar e eólica, e até mesmo as usinas

hidrelétricas são mais limpas do que as termelétricas.

No mundo em que vivemos a situação em que se encontra a terra, passando por

uma fase chamada aquecimento global, a implantação de usinas como essas só tendem a

agravar a situação.

E levando em consideração a atual situação em que se encontra o nosso país,

torna-se ainda mais dispensável o uso dessas usinas, por que para produzir energia térmica é

preciso a utilização de água, mesmo que em pouca quantidade, recurso que esta em

escasseeis, em virtude da seca que assola o nordeste brasileiro. Sem falar que no Brasil a um

grande potencial energético que possibilita a utilização de outras fontes de energia, como por

exemplo, energia eólica e solar, principalmente pelo fato de se tratar de um país tropical. E ao

em vez de termos uma matriz onde a segunda maior fonte de energia utilizada é provinda das

usinas termelétricas (chegando a ser cerca de 17% de toda a energia produzida atualmente),

poderíamos utilizar energia eólica, que tem potencial para chegar a compor 10% da matriz

energética nacional.

Por diversas causas, como as detalhadas aí a cima, o uso de termelétricas é

inapropriado por razões ecológicas e econômicas, além do mais esse tipo de usina não é a

única forma de produção de energia que nós temos, existem usinas mais viáveis e mais

ecológicas.

CONCLUSÃO

O trabalho aqui exposto realizou produtivas analises sobre os temas propostos e

levou-nos a concluir que a energia elétrica originada por termelétricas é positiva do ponto de

vista econômico, levando em consideração suas fontes baratas e abundantes, ou seja, alta

escala de produção de energia com poucos gastos tanto na construção das usinas quanto na

compra da matéria utilizada para combustão.

Entretanto, as termelétricas são, também, responsáveis por grande parte dos

impactos ambientais que afetam o efeito estufa, a camada de ozônio, o solo e a rotina/vida das pessoas, transmitindo doenças, causando erosão e emitindo partículas sólidas e gases nocivos

no ar.

Com base nos pontos abordados é fácil perceber que, mesmo com pontos

positivos, não é recomendável optar por termelétricas, já que a intensidade dos impactos por

essas usinas causados não são compensados pelo rendimento das mesmas. Além disso, há

outras opções de fontes energéticas que fornecem um bom rendimento com menos impactos.

REFERÊNCIAS

Usinas Termoelétricas. Disponível em: http://www.duke-energy.com.br/newsletter/ insider2/insider02.asp Acesso dia 20/01/2013.

SEVA, Oswaldo. Usinas hidrelétricas e termelétricas. Disponível em: http://www. ifch.unicamp.br/profseva/972_apost_SEVA_uhe_ute.pdf Acesso dia 20/01/2013.

Mapa de Termelétricas do Brasil. Disponível em: http://www.gasnet.com.br/novo_ termeletricas/mapa.asp Acesso dia 22/01/2013.

Transmissão e Distribuição da Energia Elétrica. Disponível em: http://educar.sc. usp.br/licenciatura/2001/energia/transmissaoedistribuicaodaenergiaeletrica.htm Acesso dia 23/01/2013.

ARAÚJO, Tarso. Como se distribui a energia elétrica numa cidade? Disponível em: http:// mundoestranho.abril.com.br/materia/como-se-distribui-a-energia-eletrica-numa-cidade Acesso dia 23/01/2013.

Carvão Mineral. Disponível em: < http://www.portalsaofrancisco.com. br/alfa/carvao- mineral/index.php>. Acesso em: 15 jan. 2013.

Carvão Mineral: fonte de energia poluidora. Disponível em:< http: // www.suapesquisa.com/o_que_e/carvao_mineral.htm>. Acesso em: 13 jan. 2013

O que é energia térmica. Disponível em <http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAMxw

AH/energia-termica>. Acesso em 19 de janeiro de 2013.

Relação entre Energia térmica e Calor. Disponível em <http://www.brasilescola.com/fisica/ relacao-entre-energia-termica-calor.htm>. Acesso em 19 de janeiro de 2013.

Energia térmica. Disponível em <http://meioambiente.culturamix.com/recursos-naturais/ energia-termica>. Acesso em 19 de janeiro de 2013.

Calor e Energia Térmica. Disponível em <http://www.efeitojoule.com/2009/01/calor- energia-termica-calor-energia.html>. Acesso em 19 de janeiro de 2013.

Transformação de energia mecânica em energia térmica. Disponível em <http:// www2.fc.unesp.br/experimentosdefisica/mec35.htm> Acesso em 28 de janeiro de 2013.

Como é o funcionamento de uma usina termo-eletricas. Disponível em <http://www.ebana taw.com.br/roberto/energia/ener8.htm> Acesso em 28 de janeiro de 2013.

Usina termelétrica definição funcionamento. Disponível em <http://www.fcmc.es.gov.br/ download/Usina_termeletrica.pdf> Acesso em 28 de janeiro de 2013.

Funcionamento das termelétricas. Disponível em <http://lbueno.files.wordpress.com/2008/ 06/termeletricas.pdf> Acesso em 28 de janeiro de 2013.

Usina termelétrica. Disponível em <http://www.infoescola.com/fisica/usina-termoeletrica/> Acesso em 28 de janeiro de 2013.

Combustíveis. Disponível em < Disponível em <http://www.rge-rs.com.br/gestaoambiental/ ImpactosAmbientaisdobrSetorEl%C3%A9trico/PrincipaisImpactos/tabid/342/language/en- US/Default.aspx> Acesso em 20 de janeiro de 2013.> Acesso em 20 de janeiro de 2013.

Impactos Ambientais do Setor Elétrico. Disponível em <http://www.rge-rs.com.br/ gestaoambiental/ImpactosAmbientaisdobrSetorEl%C3%A9trico/PrincipaisImpactos/ tabid/342/language/en-US/Default.aspx> Acesso em 20 de janeiro de 2013.

comentários (0)
Até o momento nenhum comentário
Seja o primeiro a comentar!
Esta é apenas uma pré-visualização
Consulte e baixe o documento completo
Docsity is not optimized for the browser you're using. In order to have a better experience we suggest you to use Internet Explorer 9+, Chrome, Firefox or Safari! Download Google Chrome