106 nutricao e dietetica, Notas de estudo de Nutrição
mariane-lopes
mariane-lopes

106 nutricao e dietetica, Notas de estudo de Nutrição

22 páginas
50Números de download
1000+Número de visitas
100%de 0 votosNúmero de votos
Descrição
nutrição e dietética
90 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 22
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 22 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 22 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 22 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 22 páginas

NUTRIÇÃO E DIETÉTICA

Instituição: SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL

SENAC SÃO PAULO

CNPJ: 03.709.814/0001-98

Data: 30 de novembro de 2006

Número do Plano: 106

Área do Plano: Saúde

Plano de Curso para:

Nome do Curso: Habilitação Técnica de Nível Médio em Nutrição e Dietética

Carga Horária: 1.212 horas

Estágio: 80 horas

Este plano de curso é válido para turmas iniciadas a partir de 15/12/2006,

autorizado pela Portaria CEE/GP-487 de 15/12/06.

|  | Senac São Paulo

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL – SENAC-SP – Rua Doutor Vila Nova, 228 – CEP 01222-903 – São Paulo – SP – www.sp.senac.br

CNPJ - 03709814000198 – Habilitação Técnica de Nível Médio em Nutrição e Dietética

1. JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS

A Habilitação Técnica de Nível Médio em Nutrição e Dietética – Área Profis-sional de Saúde, atende ao disposto na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – Lei Federal nº 9.394/96 (LDB); no Decreto Federal nº 5.154/04; na Resolução CNE/CEB nº 04/99 e no Parecer CNE/CEB nº 16/99, do Conselho Nacional de Educação; na Indicação CEE/SP nº 08/00, do Conselho Estadual de Educação de São Paulo; no Regimento das Unidades Educacionais Senac São Paulo e demais normas do sistema de ensino.

Atende, também, à Resolução nº 333/04 do Conselho Federal de Nutricionistas – CFN, que dispõe sobre o Código de Ética Profissional dos Técnicos em Nutrição e Dietética, apresentando, no seu Capítulo II, as atribuições desse profissional.

Na perspectiva de atualizar o perfil profissional de conclusão, para que os egressos possam acompanhar as transformações do setor produtivo e da sociedade, o Plano de Curso Técnico em Nutrição e Dietética, aprovado pela Portaria Senac/GDE nº 76/02, de 29/07/02, publicada no Diário Oficial do Estado – DOE, de 14/08/02, pela Portaria CEE/GP nº 274/02, passa, nesta oportunidade, por revisão, mantendo-se alinhado às exigências específicas da ocupação e da área da Saúde. Incorpora inovações decorren- tes dos avanços científicos e tecnológicos desse segmento, da experiência acumulada pela Instituição na oferta desta habilitação e de novas tecnologias educacionais.

O M.M. Juiz da 16ª Vara Federal, em sua decisão judicial de 25/08/98, determinou ao Conselho Regional de Nutrição – CRN-3 que reconhecesse o direito de os Técnicos em Nutrição e Dietética terem seu registro profissional, nos termos do artigo 14º do Decreto nº 90.922/85, e que fosse dada cobertura a eles pelo referido decreto, desde que possuíssem a habilitação profissional. Cosnta, ainda, na decisão, que a profissão do Técnico não conflita com a do Nutricionista, pois deve ser sempre observada a sua capacitação profissional, tendo em vista a Lei Federal n° 8.234/91. Para atender à deci- são judicial, foi publicada a Resolução CFN n° 312/03, determinando que os Técnicos em Nutrição e Dietética se inscrevessem nos Conselhos Regionais de Nutrição – CRNs, nos termos da Resolução CFN n° 227/99.

A Nutrição e Dietética envolve ações voltadas para a alimentação humana, conside- rando estudos das necessidades nutricionais de indivíduos e coletividades, sadios e enfermos, em todas as fases do ciclo vital. Essas ações incluem o transporte, a esto- cagem, a seleção e o preparo de alimentos, visando seu aproveitamento integral, sua distribuição e segurança alimentar.

| 3 | Senac São Paulo

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL – SENAC-SP – Rua Doutor Vila Nova, 228 – CEP 01222-903 – São Paulo – SP – www.sp.senac.br

CNPJ - 03709814000198 – Habilitação Técnica de Nível Médio em Nutrição e Dietética

Até a Segunda Guerra Mundial pouca atenção se dava às estimativas de oferta e con- sumo de alimentos. Foi a preocupação dos governos com a escassez de alimentos e o aumento do controle de sua distribuição naquele período que contribuiu para o apri- moramento das estatísticas, uma vez que era necessário o conhecimento, por parte dos países, de sua capacidade de produzir e estocar mantimentos. Posteriormente, impor- tantes progressos metodológicos foram alcançados e um grande número de indicado- res de consumo alimentar pôde ser construído.1

O primeiro estudo internacional consistiu em comparar sistematicamente a oferta na- cional de alimentos e as variações observadas no consumo entre países do primeiro mundo. Em 1944, o relatório produzido pelo Combined Food Broad buscou orientar a alocação internacional de alimentos. Foi nesse período do século XX que se deu o se- gundo grande marco para os estudos de consumo alimentar, com o World Food Survey, em 1946. Seu objetivo foi compilar estimativas, anteriores à Segunda Guerra Mundial, de oferta de alimentos de mais de setenta países, utilizando método de balanço.

Mais tarde, os estudos sobre consumo alimentar evoluíram e passaram a ser realizados em muitos países, por organismos oficiais, a fim de estabelecer as recomendações de energia e demais nutrientes, além de orientar as políticas governamentais no campo da Saúde Pública, sobretudo nos programas de fortificação de alimentos, suplementação alimentar e educação nutricional para as populações.2

Dados sobre o consumo de alimentos são coletados com diversos propósitos e os mais relevantes para a epidemiologia nutricional são aqueles que permitem estimar a adequação da ingestão dietética de grupos populacionais; investigar a relação entre dieta, saúde e estado nutricional; avaliar a educação e a intervenção nutricional e os programas de suplementação alimentar. A complexidade da dieta humana tem insti- gado pesquisadores a procurar os meios mais apropriados para avaliar qualitativa e quantitativamente o consumo de alimentos, dimensionar e relacionar a adequação de nutrientes.

Atualmente, a Nutrição e Dietética está presente em diversos setores, e dentre eles des- tacam-se a Alimentação Coletiva, a Nutrição Clinica, a Saúde Coletiva e a Indústria de Alimentos. A abrangência e as transformações desses setores,impulsionadas pelos avanços tecnológicos, fazem com que sua participação na evolução da oferta de produ- tos e serviços seja considerada de grande importância para a economia nacional.

 CAVALCANTE, Ana Augusta Monteiro; PRIORE, Silvia Eloiza; FRANCESCHINI, Sylvia do Carmo Castro.Estudos de consu- mo alimentar: aspectos metodológicos gerais e o seu emprego na avaliação de crianças e adolescentes. Revista Brasileira. Saúde Materno Infantil. Recife: Departamento de Saúde e Nutrição. Universidade Federal de Viçosa, v. 4, n. 3, jul./set. 2004.

2 LUSTOSA TQO. Para que servem os dados sobre consumo alimentar? Consumo alimentar: grandes bases de informação. São Paulo: Instituto Danone, 2000.

| 4 | Senac São Paulo

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL – SENAC-SP – Rua Doutor Vila Nova, 228 – CEP 01222-903 – São Paulo – SP – www.sp.senac.br

CNPJ - 03709814000198 – Habilitação Técnica de Nível Médio em Nutrição e Dietética

O mercado de refeições coletivas fornece milhões de refeições/dia, movimenta anu- almente cifras elevadas, oferece empregos diretos e indiretos, consome diariamente toneladas de alimentos, como também representa uma alta arrecadação de impostos e contribuições para os governos.

Tanto a saúde clínica quanto a saúde coletiva de alimentação têm gerado conhecimen- tos que estão sendo difundidos, valorizando uma alimentação equilibrada e saudável, o que torna os consumidores mais conscientes e, conseqüentemente, aumenta as exi- gências por melhor qualidade de vida. Aliada à tendência da população de requerer seus direitos, a necessidade da melhoria dos produtos e serviços oferecidos aos clien- tes/pacientes consolida-se.

Os restaurantes comerciais, as cozinhas industriais e demais organizações do ramo estão buscando alternativas para oferecer produtos e serviços de qualidade, compatí- veis com as novas exigências do consumidor, do ponto de vista nutricional, higiênico e organoléptico. Nesse contexto, o trabalho do profissional de nutrição ganha projeção na área, desenvolvendo atividades fundamentais para a preservação e a promoção da qualidade de vida.

A necessidade de controle sanitário dos alimentos, a exigência de destino adequa- do aos dejetos e a disponibilidade no mercado de alimentos transgênicos são alguns exemplos de problemas cujas soluções exigem conhecimentos a ser operacionalizados em ações adequadas na produção de refeições.

O campo de trabalho dos profissionais de Nutrição e Dietética tem se tornado cada vez mais complexo. Os alimentos e os equipamentos para o seu processamento têm passado por marcantes transformações, decorrentes da incorporação de sofisticados recursos tecnológicos. O contínuo progresso das ciências que embasam a prática pro- fissional faz com que o negócio de alimentos seja orientado por preceitos científicos, técnicos, tecnológicos e legais, que geram procedimentos precisos e sofisticados.

O Senac São Paulo, considerando esses aspectos, oferece este curso com o objetivo de desenvolver nos alunos as competências gerais da área de Saúde e as específicas da habilitação técnica em Nutrição e Dietética, definidas a partir da análise do processo de trabalho desse segmento, respeitando valores estéticos, políticos e éticos, bem como mantendo compromisso com a qualidade, o trabalho, a ciência, a tecnologia e as práti- cas sociais relacionadas aos princípios da cidadania responsável.

A Instituição se propõe a dar continuidade à atualização deste Plano de Curso para acompanhar as transformações tecnológicas e socioculturais do mundo do trabalho, especialmente da área da Saúde e do campo da Nutrição e Dietética, mediante contato permanente com especialistas da área e o setor produtivo.

| 5 | Senac São Paulo

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL – SENAC-SP – Rua Doutor Vila Nova, 228 – CEP 01222-903 – São Paulo – SP – www.sp.senac.br

CNPJ - 03709814000198 – Habilitação Técnica de Nível Médio em Nutrição e Dietética

2. REQUISITOS DE ACESSO

Para matrícula no curso o candidato deverá ter, no mínimo, 17 anos e estar cursando a 3ª série do ensino médio.

Documentos

- Requerimento de matrícula.

- Documento de identidade com foto e validade nacional (cópia).

- Histórico Escolar de conclusão do ensino médio (duas vias: original e cópia ou có- pia autenticada e cópia simples) ou

- Declaração da escola comprovando que o aluno está cursando a escolaridade mí- nima exigida (original).

As inscrições e as matrículas serão efetuadas conforme cronograma estabelecido pela Unidade, atendidos os requisitos de acesso e os termos regimentais.

A Unidade poderá promover processo seletivo quando julgar necessário, incluindo avaliação de conhecimentos e habilidades adquiridos pelo candidato no ensino médio, relacionados às competências essenciais para o desenvolvimento do curso.

3. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO

O Técnico em Nutrição e Dietética é o profissional empenhado na promoção da saúde e na busca do bem-estar de indivíduos e da coletividade. Atua nos diferentes segmen- tos, sob supervisão do Nutricionista, realizando atividades em Unidades de Alimen- tação e Nutrição: restaurantes industriais e comerciais, hotéis, cozinhas experimentais, creches, escolas e supermercados; em Unidades de Nutrição e Dietética: hospitais, clí- nicas, instituições de longa permanência e similares; em ações de Saúde Coletiva: pro- gramas institucionais, Unidades Básicas de Saúde e similares.

Participa de ações voltadas para a alimentação humana, a partir do estudo das necessi- dades nutricionais de indivíduos e coletividades, sadios e enfermos, em todas as fases do ciclo vital. Essas ações incluem o transporte, a estocagem, a seleção e o preparo de alimentos, visando o aproveitamento integral, a segurança alimentar e a distribuição. Considera as normas específicas para elaboração de cardápios adequados ao público-

| 6 | Senac São Paulo

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL – SENAC-SP – Rua Doutor Vila Nova, 228 – CEP 01222-903 – São Paulo – SP – www.sp.senac.br

CNPJ - 03709814000198 – Habilitação Técnica de Nível Médio em Nutrição e Dietética

alvo, além de inúmeras ações ligadas à avaliação do estado nutricional e à educação alimentar para os indivíduos, comunidades, operadores de cozinhas, comerciantes de alimentos in natura e industrializados, bem como atividades de combate às doenças de origem alimentar e às carências nutricionais.

Para atender às exigências requeridas pela profissão, no decorrer do curso o aluno deve mobilizar e articular com pertinência os saberes necessários à ação eficiente e efi- caz, integrando suporte científico, tecnológico e valorativo que lhe permita:

- Buscar atualização constante e autodesenvolvimento por meio de estudos e pes- quisas, para propor inovações, identificar e incorporar, com crítica, novos métodos, técnicas e tecnologias às suas ações e responder às situações cotidianas e inusitadas com flexibilidade e criatividade.

- Assumir postura profissional condizente com os princípios que regem as ações na área da Saúde, atuando em equipes multidisciplinares e relacionando-se adequa- damente com os profissionais envolvidos no processo de trabalho, bem como com os clientes, contribuindo de forma efetiva para a promoção, proteção e recuperação da saúde.

- Gerenciar seu percurso profissional com iniciativa e de forma empreendedora ao prestar serviços nos diferentes segmentos voltados para a alimentação ou na con- dução do seu próprio negócio.

- Atuar com responsabilidade, comprometendo-se com os princípios da ética, da sustentabilidade ambiental, da preservação da saúde e do desenvolvimento social, orientando suas atividades por valores expressos no ethos profissional, resultante da qualidade e do gosto pelo trabalho bem-feito.

Para atender às demandas do processo produtivo, esse profissional deverá constituir as seguintes competências específicas da habilitação:

- Desenvolver ações de orientação da alimentação equilibrada para a promoção e manutenção da saúde de diferentes grupos populacionais, considerando conceitos e princípios de atenção integral à saúde e do processo saúde-doença.

- Planejar, acompanhar e avaliar os processos de produção e distribuição de refeições para diferentes grupos populacionais, incluindo portadores de patologias, a partir de conceitos e princípios de nutrição e dietética, de gastronomia, de preservação do meio ambiente e de utilização de tecnologias atualizadas, de modo a atender com qualidade as necessidades detectadas.

- Coordenar, supervisionar e executar programas de treinamento de pessoas, a par- tir das necessidades levantadas, utilizando estratégias de comunicação, tendo em vista a melhoria da qualidade dos serviços de nutrição e dietética.

| 7 | Senac São Paulo

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL – SENAC-SP – Rua Doutor Vila Nova, 228 – CEP 01222-903 – São Paulo – SP – www.sp.senac.br

CNPJ - 03709814000198 – Habilitação Técnica de Nível Médio em Nutrição e Dietética

- Planejar, implantar, coordenar e supervisionar procedimentos de controle higiêni- co-sanitário dos alimentos, considerando princípios de microbiologia, cumprindo e fazendo cumprir a legislação pertinente.

- Planejar e organizar atividades voltadas para a cozinha experimental e serviço de atendimento ao consumidor, considerando tecnologias de alimentos que permi- tam adequar, desenvolver e/ou testar produtos e serviços, de modo a atender ne- cessidades identificadas no mercado.

Em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissio- nal de Nível Técnico, este profissional deve, também, possuir as seguintes competên- cias geraisda Área de Saúde:

- Identificar os determinantes e os condicionantes do processo saúde-doença.

- Identificar a estrutura e organização do sistema de saúde vigente.

- Identificar funções e responsabilidades dos membros da equipe de trabalho.

- Planejar e organizar o trabalho na perspectiva do atendimento integral e de quali- dade.

- Realizar trabalho em equipe, correlacionando conhecimentos de várias disciplinas ou ciências, tendo em vista o caráter interdisciplinar da área.

- Aplicar normas de biossegurança.

- Aplicar princípios e normas de higiene e saúde pessoal e ambiental.

- Identificar e aplicar princípios e normas de conservação de recursos não renová- veis e de preservação do meio ambiente.

- Interpretar e aplicar normas do exercício profissional e princípios éticos que regem a conduta do profissional de saúde.

- Identificar e avaliar rotinas, protocolos de trabalho, instalações e equipamentos.

- Operar equipamentos próprios do campo de atuação, zelando pela sua manutenção.

- Registrar ocorrências e serviços prestados de acordo com exigências do campo de atuação.

- Prestar informações ao cliente, ao paciente, ao sistema de saúde e a outros profis- sionais sobre os serviços que tenham sido prestados.

- Orientar clientes ou pacientes a assumirem, com autonomia, a própria saúde.

- Coletar e organizar dados relativos ao campo de atuação.

- Utilizar ferramentas de informática e recursos específicos da área.

- Realizar primeiros socorros em situações de emergência.

| 8 | Senac São Paulo

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL – SENAC-SP – Rua Doutor Vila Nova, 228 – CEP 01222-903 – São Paulo – SP – www.sp.senac.br

CNPJ - 03709814000198 – Habilitação Técnica de Nível Médio em Nutrição e Dietética

4. ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

A organização curricular deste Plano de Curso compreende o currículo necessário à formação do Técnico em Nutrição e Dietética – Área Profissional de Saúde, contendo quatro módulos seqüenciais, sem terminalidade, além do estágio profissional super- visionado.

Estrutura Curricular

Módulos Componentes Curriculares Horas

I Alimentação Equilibrada e Saúde Coletiva 252

II Nutrição e Dietética 312

III Administração na Alimentação Coletiva 400

IV Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos e

Atendimento ao Consumidor 248

TOTAL 1.212

ESTÁGIO PROFISSIONAL SUPERVISIONADO 80

O Módulo I prevê a aproximação do aluno com comunidades para o desenvolvimento de atividades voltadas à promoção da alimentação equilibrada. Envolve um projeto de orientação aos seus integrantes para a promoção e a manutenção da saúde coletiva. As atividades previstas visam o compromisso social com a população e se pautam pelos princípios do processo saúde-doença e da nutrição.

O Módulo II prevê atividades de orientação nutricional e dietoterapia, incluindo estu- do de casos; visitas técnicas a hospitais e/ou instituições de longa permanência, escolas, dentre outras; pesquisas e apresentação de seminários. Envolve um projeto voltado a um grupo populacional com necessidades nutricionais específicas.

O Módulo III prevê o planejamento, execução e avaliação de ações para uma Unidade de Alimentação e Nutrição (UAN), incluindo, no projeto, todo o processo de trabalho, desde os aspectos operacionais até os relacionados à gestão da Unidade.

O Módulo IV prevê o desenvolvimento de um produto alimentício, bem como a si- mulação de seu lançamento no mercado. Inclui atividade em cozinha experimental, princípios de marketing e serviço de atendimento ao consumidor.

| 9 | Senac São Paulo

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL – SENAC-SP – Rua Doutor Vila Nova, 228 – CEP 01222-903 – São Paulo – SP – www.sp.senac.br

CNPJ - 03709814000198 – Habilitação Técnica de Nível Médio em Nutrição e Dietética

Competências profissionais a serem desenvolvidas nos módulos

Módulo I

Alimentação Equilibrada e Saúde Coletiva

- Reconhecer-se como profissional da Saúde que interage em um sistema complexo com diversos atores, respaldando sua ação na perspectiva do ser humano integral, considerando a qualidade no atendimento e o compromisso social com a população, e mantendo postura condizente com as atividades do Técnico em Nutrição e Dietética.

- Levantar e reconhecer as condições de vida da comunidade, considerando os as- pectos culturais, sociais e econômicos, os condicionantes e os determinantes do processo saúde-doença, tendo em vista a promoção da saúde.

- Participar do planejamento de ações de promoção da saúde, reconhecendo os pro- gramas institucionais existentes e valendo-se de conceitos e princípios que orien- tam o trabalho de educação em saúde, visualizando a efetiva atuação do profissio- nal da nutrição nas ações coletivas.

- Planejar cardápios, mobilizando conhecimentos da ciência da nutrição, habilida- des de cálculo de informação nutricional, considerando a faixa etária, condições socioeconômicas e culturais e as preferências do público-alvo, de modo a garantir a adequação alimentar.

- Planejar e desenvolver programas de educação alimentar voltados para a promo- ção da saúde, orientando indivíduos e comunidades quanto à alimentação, com base no estado nutricional e nas práticas alimentares, considerando os dados so- cioeconômicos, de saúde e a disponibilidade de alimentos.

Módulo II

Nutrição e Dietética

- Coletar dados de inquéritos dietéticos e antropométricos, utilizando instrumentos de pesquisa, realizando procedimentos de pesagem e outras técnicas de mensura- ção de dados corporais, para subsidiar o nutricionista na avaliação nutricional.

- Planejar cardápios para atender às necessidades de sua clientela, considerando princípios de nutrição, dietética e gastronomia, relacionando os vários tipos de dietas hospitalares com a prescrição dietética estabelecida pelo nutricionista.

- Participar de programas de educação alimentar, em hospitais, para clientes, pa- cientes, familiares e colaboradores, realizando atividades de informações nutricio- nais, elaboração de receitas e testes de produtos.

| 10 | Senac São Paulo

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL – SENAC-SP – Rua Doutor Vila Nova, 228 – CEP 01222-903 – São Paulo – SP – www.sp.senac.br

CNPJ - 03709814000198 – Habilitação Técnica de Nível Médio em Nutrição e Dietética

Módulo III

Administração na Alimentação Coletiva

- Analisar o processo produtivo da Unidade de Alimentação e Nutrição (UAN), reconhecendo as áreas existentes, a equipe de trabalho, o fluxo do alimento e as rotinas, visando a compatibilização com a legislação pertinente e a melhor organi- zação das atividades.

- Analisar o campo da nutrição e da organização do trabalho, considerando o con- texto social, os aspectos éticos, multidisciplinares e as relações que interferem na ação profissional e nos limites que devem ser respeitados, identificando possibili- dades para ampliar sua atuação.

- Elaborar cardápios, inclusive para situações especiais, considerando modelos de distribuição, aspectos gastronômicos, custos e avaliação da aceitação do cliente.

- Desenvolver fichas técnicas e receituários, mobilizando conhecimentos de técnicas dietéticas e gastronômicas, habilidade para cálculos nutricionais, visando a orien- tação da produção de alimentos.

- Elaborar pedido de compra, considerando princípios de controle de estoque, pesquisa, seleção e acompanhamento de fornecedores, desenvolvendo sua qua- lificação.

- Supervisionar o recebimento e o armazenamento de mercadorias, aplicando con- ceitos de técnicas dietéticas e controle higiênico sanitário, avaliando se o alimento está próprio para o consumo e compatível com o planejamento.

- Supervisionar a manipulação dos alimentos, tendo como base conceitos da micro- biologia e do controle higiênico-sanitário, incorporando, com crítica, novas tecno- logias e aspectos de preservação do meio ambiente, fazendo cumprir as normas da Vigilância Sanitária.

- Supervisionar a distribuição da refeição, de modo a garantir a execução do plane- jamento e os padrões de qualidade no atendimento.

- Colaborar nas atividades de recrutamento e seleção de profissionais que envolvam a UAN, acompanhando os processos e aplicando técnicas específicas que permi- tam compatibilizar o perfil adequado às funções requeridas.

- Coordenar equipes de trabalho, mobilizando conhecimentos sobre gestão de pes- soas e habilidade de liderança, comunicação e administração de conflitos, com atenção aos aspectos motivacionais.

| 11 | Senac São Paulo

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL – SENAC-SP – Rua Doutor Vila Nova, 228 – CEP 01222-903 – São Paulo – SP – www.sp.senac.br

CNPJ - 03709814000198 – Habilitação Técnica de Nível Médio em Nutrição e Dietética

- Programar, desenvolver e avaliar treinamentos das equipes de trabalho, envolven- do técnicas de preparo, conservação e aproveitamento dos alimentos, de modo a garantir a qualidade nutricional e a segurança alimentar no processo.

- Elaborar manual e rotinas de boas práticas para a UAN, tendo como base a legisla- ção da Vigilância Sanitária, com o objetivo de orientar os procedimentos de higiene previstos.

- Colaborar na implantação do sistema de análise dos perigos e pontos críticos de controle (APPCC), seguindo as normas estabelecidas, de modo a garantir a quali- dade das refeições.

- Participar de programas de educação alimentar para clientes e colaboradores, rea- lizando atividades de informações nutricionais, elaboração de receitas e testes de produtos.

Módulo IV

Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos e Atendimento ao Consumidor

- Realizar testes em cozinha experimental e análise sensorial, baseando-se em me- todologias que incluam pesquisas de campo e na literatura disponível, bem como avaliação dos quesitos de aceitabilidade do produto segundo critérios existentes, visando o seu desenvolvimento.

- Elaborar rotulagem nutricional com base na legislação vigente e nos princípios da nutrição, bromatologia e tecnologia de alimentos, visando sua inserção no mercado.

- Definir a embalagem apropriada para o produto desenvolvido, tendo em vista conceitos e princípios de marketing e tecnologia de alimentos, garantindo a inte- gridade do alimento e tornando o produto mais atrativo para a compra.

- Avaliar desempenho e qualidade de produtos em desenvolvimento ou já existen- tes, considerando comportamento técnico, culinário e sensorial, de modo a atender às necessidades do público consumidor.

- Participar da divulgação e apresentação de produtos no mercado, incluindo de- monstrações técnicas, degustações, elaboração de folhetos e textos técnicos, utili- zando princípios de marketing que permitam reconhecer valores da clientela, seg- mentos de mercado, posicionamento das empresas, produtos e serviços.

- Participar de serviços de atendimento ao consumidor, fornecendo informações e orientações claras e pertinentes, contribuindo para a melhoria da qualidade do atendimento e do produto.

| 12 | Senac São Paulo

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL – SENAC-SP – Rua Doutor Vila Nova, 228 – CEP 01222-903 – São Paulo – SP – www.sp.senac.br

CNPJ - 03709814000198 – Habilitação Técnica de Nível Médio em Nutrição e Dietética

Indicações Metodológicas

As indicações metodológicas que orientam o desenvolvimento deste Plano de Cur- so, em consonância com a Proposta Pedagógica do Senac São Paulo, pautam-se pelos princípios da aprendizagem com autonomia e do desenvolvimento de competências profissionais, entendidas como a “capacidade de mobilizar, articular e colocar em ação valores, conhecimentos e habilidades necessários ao desempenho eficiente e eficaz de atividades requeridas pela natureza do trabalho”.3

As competências profissionais descritas na organização curricular foram definidas com base no perfil profissional de conclusão, considerando processos de trabalho de complexidade crescente, relacionados à Nutrição e Dietética. Tais competências dese- nham um caminho metodológico que privilegia a prática pedagógica contextualizada, colocando o aluno diante de situações problemáticas que possibilitem o exercício con- tínuo da mobilização e articulação dos saberes necessários para a ação e a solução de questões inerentes à natureza do trabalho nesse segmento.

A incorporação de tecnologias e práticas pedagógicas inovadoras previstas para este curso, como o trabalho por projeto, atende aos processos de produção da área, às cons- tantes transformações que lhe são impostas e às mudanças socioculturais relativas ao mundo do trabalho, pois propicia aos alunos a vivência de situações desafiadoras que levam a um maior envolvimento, instigando-os a decidir, opinar, debater e construir com autonomia o seu desenvolvimento profissional. Permite, ainda, a oportunidade de trabalho em equipe, assim como o exercício da ética, da responsabilidade social e da atitude empreendedora.

As situações de aprendizagem previstas para cada módulo têm como eixo condutor um projeto, que considera contextos similares àqueles encontrados nas condições reais de trabalho, e estimula a participação ativa dos alunos na busca de soluções para os desafios que dele emergem.

Estudo de casos, proposição de problemas, pesquisas em diferentes fontes, contato com empresas e especialistas da área, pesquisas, apresentação de seminários, visitas técnicas, atividades de campo, simulações de contextos e vivências em laboratório compõem o repertório do trabalho por projeto, que serão especificadas no plano dos docentes a ser elaborado sob a coordenação da Área Técnica da Unidade e registrado em documento próprio.

3 Esta é a definição de competência profissional presente nas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional de Nível Técnico. Resolução CNE/CEE nº 04/99.

| 13 | Senac São Paulo

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL – SENAC-SP – Rua Doutor Vila Nova, 228 – CEP 01222-903 – São Paulo – SP – www.sp.senac.br

CNPJ - 03709814000198 – Habilitação Técnica de Nível Médio em Nutrição e Dietética

Cabe ressaltar que, na mediação dessas atividades, o docente deve atuar no sentido de possibilitar a identificação de problemas diversificados e desafiadores, orientando na busca de informações, estimulando o uso do raciocínio lógico e da criatividade, incentivando respostas inovadoras, criando estratégias que propiciem avanços, tendo sempre em vista que a competência é formada pela prática e que esta se dá em situa- ções concretas.

No final de cada módulo os alunos deverão entregar o projeto construído no decorrer do processo, ficando o modo de apresentação a critério da Unidade.

Plano de Realização do Estágio Profissional Supervisionado

O estágio adotado neste curso atende às disposições específicas que dispõem sobre o tema e demais documentos legais que definem normas para o seu desenvolvimento. Ele deve ocorrer ao longo dos módulos que compõem a organização curricular, sob supervisão de Nutricionista.

O estágio supervisionado é o contexto de ensino-aprendizagem que promove o efetivo exercício profissional e caracteriza uma condição privilegiada de integração e consoli- dação das competências previstas.

Os campos de estágio devem oferecer as condições necessárias ao cumprimento de sua função educativa, notadamente as que dizem respeito à organização administrativa, instalações, equipamentos e, sobretudo, recursos humanos preparados, de maneira a evitar situações em que os alunos sejam compelidos a assumir responsabilidades de profissionais já habilitados.

O estágio deve ser realizado em Unidades de Alimentação e Nutrição: restaurantes industriais e comerciais, hotéis, cozinhas experimentais, creches, escolas e supermer- cados; em Unidades de Nutrição e Dietética: hospitais, clínicas, instituições de lon- ga permanência e similares; em ações de Saúde Coletiva: programas institucionais; Unidades Básicas de Saúde e similares. Deve ser cumprida a totalidade das horas previstas e, caso o aluno tenha interesse, poderá estendê-las, desde que atendidas as exigências legais.

Para realização dos estágios, são necessários os seguintes documentos:

- Instrumento de Acordo entre a Unidade que oferecer o curso e a Instituição que ceder o campo de estágio, no qual são definidas as responsabilidades das partes e as condições de sua realização.

- Termo de Compromisso de Estágio, consignando as responsabilidades do estagi- ário e da Instituição concedente, firmado pelo representante da Instituição e pelo aluno, com interveniência da Unidade que oferecer o curso.

| 14 | Senac São Paulo

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL – SENAC-SP – Rua Doutor Vila Nova, 228 – CEP 01222-903 – São Paulo – SP – www.sp.senac.br

CNPJ - 03709814000198 – Habilitação Técnica de Nível Médio em Nutrição e Dietética

- Seguro de vida em grupo e acidentes pessoais para os estagiários, com cobertura para todo o período de duração do estágio.

- Ficha de acompanhamento de estágio, com registros diários feitos pelo estagiário e visados pelo Nutricionista/supervisor.

5. CRITÉRIOS DE APROVEITAMENTO DE CONHE- CIMENTOS E EXPERIÊNCIAS ANTERIORES

As competências anteriormente adquiridas pelos alunos, relacionadas ao perfil pro- fissional de conclusão do Técnico em Nutrição e Dietética poderão ser avaliadas para aproveitamento de estudos, no todo ou em parte, nos termos da legislação vigente.

Assim, podem ser aproveitados no curso os conhecimentos e experiências adquiridos:

- Em cursos, módulos, etapas ou certificação profissional técnica de nível médio, mediante comprovação e análise da adequação ao perfil profissional de conclusão e, se necessário, com avaliação do aluno.

- Em cursos de formação inicial e continuada de trabalhadores, no trabalho ou por outros meios informais, mediante avaliação do aluno.

O aproveitamento, em qualquer condição, deverá ser requerido antes do início do módulo, em tempo hábil para o deferimento pela direção da Unidade e devida análise por parte dos docentes, aos quais caberá a avaliação das competências e a indicação de eventuais complementações.

Os docentes que participarem do processo de avaliação de competências apresentarão relatório com indicação das atividades e do resultado da avaliação, que será arquivado no prontuário individual do aluno, juntamente com os documentos que instruíram esse processo.

| 15 | Senac São Paulo

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL – SENAC-SP – Rua Doutor Vila Nova, 228 – CEP 01222-903 – São Paulo – SP – www.sp.senac.br

CNPJ - 03709814000198 – Habilitação Técnica de Nível Médio em Nutrição e Dietética

6. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

A avaliação da aprendizagem será contínua, priorizando aspectos qualitativos relacio- nados ao processo de aprendizagem e ao desenvolvimento do aluno observado duran- te a realização das atividades propostas, individualmente e/ou em grupo, tais como pesquisas, relatórios de atividades e visitas técnicas, estudo de casos, diagnóstico ou prognóstico sobre situações de trabalho, atividades em laboratório e, ainda, os produ- tos gerados pelos projetos desenvolvidos.

A observação deve se pautar por critérios e indicadores de desempenho, pois consi- dera-se que cada competência traz em si determinado grau de experiência cognitiva, valorativa e comportamental que pode ser traduzido por desempenhos. Assim, pode- se dizer que o aluno adquiriu determinada competência quando seu desempenho ex- pressar esse patamar de exigência qualitativa.

Para orientar o processo de avaliação, torná-lo transparente e capaz de contribuir para a promoção e a regulação da aprendizagem, é necessário que os indicadores de desem- penho sejam definidos no plano de trabalho docente, explicitados e negociados com os alunos desde o início do curso, visando direcionar todos os esforços da equipe técnica, docente e do próprio aluno para que este alcance o desempenho desejado.

Desse modo, espera-se potencializar a aprendizagem e reduzir ou eliminar o insuces- so. Isso porque a educação por competência implica assegurar condições para que o aluno supere dificuldades de aprendizagem diagnosticadas durante o processo edu- cacional.

A auto-avaliação será estimulada e desenvolvida por meio de procedimentos que per- mitam o acompanhamento, pelo aluno, de seu progresso, assim como a identificação de pontos a serem aprimorados, considerando ser esta prática imprescindível à apren- dizagem com autonomia.

O resultado do processo de avaliação será expresso em menções:

- Ótimo: capaz de desempenhar, com destaque, as competências exigidas pelo perfil profissional de conclusão.

- Bom: capaz de desempenhar, a contento, as competências exigidas pelo perfil pro- fissional de conclusão.

- Insuficiente: ainda não capaz de desempenhar, no mínimo, as competências exigi- das pelo perfil profissional de conclusão.

| 16 | Senac São Paulo

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL – SENAC-SP – Rua Doutor Vila Nova, 228 – CEP 01222-903 – São Paulo – SP – www.sp.senac.br

CNPJ - 03709814000198 – Habilitação Técnica de Nível Médio em Nutrição e Dietética

As menções serão atribuídas por módulo, considerando os critérios e indicadores de desempenho relacionados com as competências previstas em cada um deles, as quais integram as competências profissionais descritas no perfil de conclusão.

Será considerado aprovado aquele que obtiver, no final de cada módulo, as menções Ótimo ou Bom e a freqüência mínima de 75% do total de horas de efetivo trabalho educacional.

Ter-se-á como reprovado aquele que obtiver a menção Insuficiente em qualquer um dos módulos, mesmo após as oportunidades de recuperação, ou tiver freqüência infe- rior a 75% do total de horas de efetivo trabalho educacional.

Ao aluno com freqüência mínima de 75% e menção Insuficiente, será oferecida opor- tunidade de recuperação de aprendizagem, organizada em diferentes formatos e de- senvolvida de maneira contínua, no decorrer do módulo ou, quando couber, no final do processo.

O aluno com menção Ótimo ou Bom, mas com freqüência inferior aos 75% e igual ou superior a 60%, por motivos justificados, poderá ter sua situação apreciada pelo Con- selho de Curso, para fins de promoção.

A atribuição da menção Insuficiente em qualquer um dos módulos não implicará im- pedimento para continuidade no curso.

Os alunos deverão ter pleno conhecimento dos procedimentos a serem adotados para o desenvolvimento do curso, bem como sobre as normas regimentais e os critérios de avaliação, recuperação, freqüência e promoção.

7. INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS

Instalações

- Sala de aula adequadamente mobiliada, com cadeiras móveis para a composi- ção de diferentes arranjos que privilegiem a diversidade de atividades.

Equipamentos

A Unidade disponibilizará:

- Televisão

- Vídeo/DVD

- Projetor de slides

| 17 | Senac São Paulo

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL – SENAC-SP – Rua Doutor Vila Nova, 228 – CEP 01222-903 – São Paulo – SP – www.sp.senac.br

CNPJ - 03709814000198 – Habilitação Técnica de Nível Médio em Nutrição e Dietética

- Retroprojetor/Datashow

- Computadores com acesso à Internet

- Laboratório de Nutrição e Dietética próprio, de outras Unidades do Senac ou de terceiros, com os quais se estabeleçam parcerias visando o processo forma- tivo, devendo estas satisfazer a critérios de infra-estrutura, qualidade, atendi- mento e oportunidade aos alunos para prática efetiva.

- Este ambiente deve conter:

- 01 armário em aço inox com prateleiras para armazenamento de não pere- cíveis

- 01 armário em aço inox com prateleiras para guarda de utensílios

- 02 balanças eletrônicas de 5 kg com variação de 1 em 1 grama e tara*

- 02 batedeiras com capacidade de 4 kg e misturadores em inox ou plástico

- 01 fogão a gás doméstico com forno e 04 queimadores*

- 05 fogões tipo industrial com 02 queimadores*

- 02 fornos elétricos com capacidade de 100 litros

- 02 fornos microondas com capacidade de 25 litros

- 01 freezer vertical com capacidade de 300 litros

- 01 geladeira doméstica com capacidade de 44 litros

- 01 geladeira duplex com capacidade de 480 litros (pode substituir o freezer vertical e a geladeira doméstica)

- 02 liquidificadores com capacidade de 2 litros, em aço inox com copo remo- vível

- 01 multiprocessador de alimentos com capacidade de 5 kg

- 13 sistemas de exaustão com lavagem automática*

- 02 termômetros digitais de - 40ºa + 350 ºC e haste de perfuração e memória

* estes equipamentos podem variar em quantidade dependendo do layout da área e ser considerados com bancadas de inox e demais utensílios de cozinha

Utensílios para 25 alunos

- 04 abridores de latas e garrafas

- 02 abridores de garrafa de vinho

- 06 bandejas

| 18 | Senac São Paulo

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL – SENAC-SP – Rua Doutor Vila Nova, 228 – CEP 01222-903 – São Paulo – SP – www.sp.senac.br

CNPJ - 03709814000198 – Habilitação Técnica de Nível Médio em Nutrição e Dietética

- 04 batedores de alumínio para bifes

- 02 becker 100ml

- 02 becker 250ml

- 02 becker 500ml

- 02 becker 1000ml

- 12 boleadores inox

- 06 bowl inox (jogos P/M/G)

- 06 caçarolas inox médias

- 06 caldeirões inox médios

- 06 canecas de plástico graduadas

- 08 colheres de arroz

- 24 colheres de mesa

- 36 colheres de sobremesa

- 08 conchas inox

- 06 cortadores inox para massas/confeitaria (jogos)

- 01 cozedor inox de massas com cesto

- 01 cozedor inox a vapor

- 06 descascadores de legumes

- 01 escorredor inox para louça

- 02 escorredores inox para massas

- 08 escumadeiras inox

- 12 espátulas de silicone (pão-duro)

- 06 espátulas para bolos/tortas

- 02 espremedores de alho

- 02 espremedores de batatas

- 36 facas de mesa

- 36 facas de sobremesa

- 18 facas para carnes

- 18 facas para legumes

- 02 facas para pão

| 19 | Senac São Paulo

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL – SENAC-SP – Rua Doutor Vila Nova, 228 – CEP 01222-903 – São Paulo – SP – www.sp.senac.br

CNPJ - 03709814000198 – Habilitação Técnica de Nível Médio em Nutrição e Dietética

- 08 foue (batedor de arame)

- 06 formas com fundo removível

- 04 formas de silicone retangular para bolo inglês

- 06 formas de silicone com buraco no meio para bolo

- 06 formas de vários formatos para pudim e torta

- 04 frigideiras teflon para crepes

- 06 frigideiras inox médias

- 04 funis plásticos P/M

- 36 garfos de mesa

- 36 garfos de sobremesa

- 08 garfos inox para assados

- 04 jarras para água e suco

- 06 jarras para café (vidro)

- 04 leiteiras de teflon média

- 06 luvas térmicas atoalhadas longas

- 02 mandolins

- 06 medidores inox (jogos)

- 04 modeladores de plástico para pastel (jogos)

- 06 panelas inox médias

- 02 panelas de pressão 4 litros

- 02 panelas para fritura com cesto

- 12 pegadores inox multiuso

- 06 peneiras plásticas com cabo (jogos – P/M/G)

- 12 pinças inox multiuso

- 12 pincéis com cerdas de silicone para untar P/M

- 06 pipetas 5 ml

- 06 pirex transparentes com capacidade de 500ml

- 24 pratos de mesa

- 24 pratos de sobremesa

- 04 raladores inox quatro faces

| 20 | Senac São Paulo

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL – SENAC-SP – Rua Doutor Vila Nova, 228 – CEP 01222-903 – São Paulo – SP – www.sp.senac.br

CNPJ - 03709814000198 – Habilitação Técnica de Nível Médio em Nutrição e Dietética

- 06 ramequins (jogos P/M/G)

- 06 refratários retangulares (jogos P/M/G)

- 06 refratários redondos (jogos P/M/G)

- 04 rolos para massa polipropileno

- 06 sacos com bicos para confeitar (jogos)

- 06 saladeiras de vidro para apresentação

- 02 suportes plásticos para coador de café (n° 103)

- 06 termômetros para caldas até 350 °C

- 02 tesouras trinchantes

- 08 tubos de ensaio 10ml

- 24 utensílios para mexer alimentos (polipropileno)

- 12 xícaras de chá com pires

- 12 xícaras de café com pires

Material didático/apoio

- Fitas de vídeo

- Boneco anatômico ou pôster de anatomia

- Softwares/aplicativos

• Bibliografia básica

Para atender às necessidades de consulta e pesquisa dos docentes e dos alunos a Uni- dade constituirá acervo com livros, revistas, publicações técnicas, incluindo os seguin- tes títulos:

ACCIOLY, E.; SAUNDERS, C.; LACERDA, E. M. A. Nutrição em obstetrícia e pediatria. Rio de Janeiro: Cultura Médica, 2002.

CUPPARI, L. Nutrição clínica no adulto. São Paulo: Manole, 2002.

EVANGELISTA, J. Alimentos – um estudo abrangente. São Paulo: Atheneu, 2005.

FRANCO, B. D. G. M.; LANDGRAF, M. Microbiologia dos alimentos. São Paulo: Athe- neu, 2003.

FRANCO, M. R. B. Aroma e sabor de alimentos – temas atuais. São Paulo: Varela, 2003.

MAHAN, L. K.; ESCOTT-STUMP, S. K. Alimentos, nutrição e dietoterapia. 10. ed. São Paulo: Roca, 2003.

| 21 | Senac São Paulo

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL – SENAC-SP – Rua Doutor Vila Nova, 228 – CEP 01222-903 – São Paulo – SP – www.sp.senac.br

CNPJ - 03709814000198 – Habilitação Técnica de Nível Médio em Nutrição e Dietética

MEZZOMO, I. B. Os serviços de alimentação: planejamento e administração. 5. ed. São Pau- lo: Manole, 2002.

ORNELLAS, L. H. Técnica dietética – seleção e preparo de alimentos. 7. ed. São Paulo: Athe- neu, 2001.

PHILIPPI, S. T. Nutrição e técnica dietética. São Paulo: Manole, 2003.

_________. Tabela de composição de alimentos: suporte para decisão nutricional. 2. ed. São Paulo: Coronário, 2002.

SILVA, J. A. E. Manual de controle higiênico-sanitário em alimentos. 6. ed. São Paulo, 2005.

STEVENS, R. E.; WRENN, B.; LOUDON, D. L.; WARREN, W. E. Planejamento de marke- ting: guia de processos e aplicações práticas. São Paulo: Makron Books, 2001.

VITOLO, M. R. Nutrição da gestação à adolescência. Rio de Janeiro: Reichmann & Affon- so, 2003.

WRIGHT, J.; TREVILLE, E. Le cordon bleu: todas as técnicas culinárias. São Paulo: Marco Zero, 1996.

8. PESSOAL DOCENTE E TÉCNICO

Estão habilitados para a docência neste curso profissionais licenciados (licenciatura plena ou programa especial de formação) na área profissional e/ou no correspondente componente curricular.

Poderão, ainda, ser admitidos, em caráter excepcional, profissionais com a seguinte ordem preferencial:

- na falta de licenciados, os graduados na correspondente área profissional ou de estudos;

- na falta de profissionais graduados em nível superior nas áreas específicas, profis- sionais graduados em outras áreas e que tenham experiência profissional compro- vada na área do curso;

- na falta de profissionais graduados, técnicos de nível médio na área do curso, com comprovada experiência profissional na área;

- na falta de profissionais de nível técnico com comprovada experiência, outros reco- nhecidos por sua notória competência e, no mínimo, com ensino médio completo.

|  | Senac São Paulo

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL – SENAC-SP – Rua Doutor Vila Nova, 228 – CEP 01222-903 – São Paulo – SP – www.sp.senac.br

CNPJ - 03709814000198 – Habilitação Técnica de Nível Médio em Nutrição e Dietética

Para os conteúdos específicos de Nutrição e Dietética, devem ser admitidos Nutricio- nistas, com comprovada experiência profissional.

Aos não-licenciados será propiciada formação docente em serviço.

A coordenação das atividades relativas a esta habilitação profissional deve ter como responsável Nutricionista que exerça seu trabalho em conjunto com os docentes do curso, tendo como objetivo a formação integral do aluno.

A Área Técnica da Unidade se compõe de profissional com graduação e experiência compatível com as necessidades do cargo.

9. CERTIFICADOS E DIPLOMA

Àquele que concluir todos os módulos deste Plano de Curso e comprovar a conclusão do ensino médio será conferido o diploma de Técnico em Nutrição e Dietética– Área Profissional de Saúde, registrado com validade nacional.

Até o momento nenhum comentário
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 22 páginas