15 - Conferências introdutórias sobre psicanálise - Parte 1 e Parte 2, Notas de estudo de Psicologia
natalie-e-de-carvalho-7
natalie-e-de-carvalho-7

15 - Conferências introdutórias sobre psicanálise - Parte 1 e Parte 2, Notas de estudo de Psicologia

156 páginas
31Números de download
1000+Número de visitas
Descrição
obras completas sigmund freud
30 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 156
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 156 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 156 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 156 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 156 páginas

Conferências introdutórias sobre psicanálise (Partes I e II)

VOLUME XV

(1915-1916)

Dr. Sigmund Freud

CONFERÊNCIAS INTRODUTÓRIAS SOBRE PSICANÁLISE (1916-17 [1915-17])

INTRODUÇÃO DO EDITOR INGLÊS

VORLESUNGEN ZUR EINFÜHRUNG IN DIEPSYCHOANALYSE

(a) EDIÇÕES ALEMÃS:

1916 Parte I (em separado), Die Fehlleistungen. Leipzig e Viena: Heller.

1916 Parte II (em separado), Der Traum. Mesmos editores.

1917 Parte III (em separado), Allgemeine Neurosenlehre. Mesmos editores.

1917 Os títulos acima, as três partes em um só volume. Mesmos editores. viii + 545 págs.

1918 2ª ed. (Com índice e inserção de lista de 40 corrigendas.) Mesmos editores. viii + 553

págs.

1920 3ª ed. (Reimpressão corrigida da edição anterior.) Leipzig, Viena e Zurique:

Internationaler Psychoanalytischer Verlag. viii + 553 págs.

1922 4ª ed. (Reimpressão corrigida da edição anterior.) Mesmos editores. viii + 554 págs.

(Também as Partes II e III em separado, sob os títulos de Vorlesungen über den Traum e

Allgemeine Neurosenlehre.)

1922 Ed. de bolso. (Sem índice). Mesmos editores. iv + 495 págs.

1922 Ed. de bolso. (2ª ed., corrigida e com índice.) Mesmos editores. iv + 502 págs.

1924 G.S., 7. 483 págs.

1926 5ª ed. (Reimpressão das G.S.) I.P.V. 483 págs.

1926 Ed. de bolso. (3ª ed.) Mesmos editores.

1930 Ed. em 8 pequenos vols. I P.V. 501 págs.

1933 (Com autorização) Berlim: Kiepenheuer. 524 págs.

1940 G.W., 11, 495 págs.

(b) TRADUÇÕES INGLESAS:

A General Introduction to Psychoanalysis

1920 Nova Iorque: Boni & Liveright. x + 406 págs. (Tradutor não especificado; Prefácio de

G. Stanley Hall.)

Introductory Lectures on Psycho-Analysis

1922 Londres: Allen & Unwin. 395 págs. (Trad. de Joan Riviere; sem prefácio de Freud;

com prefácio de Ernest Jones.)

1929

2a. ed. (revista). Mesmos editores. 395 págs.

A General Introduction to Psychoanalysis

1935Nova Iorque: Liveright. 412 págs. (A ed. de Londres com o título da anterior de Nova

Iorque. Trad. de Joan Riviere; com prefácios de Ernest Jones e G. Stanley Hall; incluído o prefácio

de Freud).

A presente tradução inglesa é nova e da autoria de James Strachey.

Esta obra teve uma circulação maior do que qualquer outra obra de Freud, com exceção,

talvez, de The Psychopathology of Everyday Life. Também se distingue pela quantidade de erros

de impressão nela existentes. Como ficou assinalado acima, quarenta foram corrigidos na segunda

edição; porém havia ainda muitos mais, e pode ser observado um número considerável de

pequenas variações no texto das diversas edições. A presente tradução inglesa segue o texto dos

Gesammelte Werke, que é, de fato, idêntico ao texto dos Gesammelte Schriften; e somente foram

registradas as discordâncias mais importantes das primeiras versões.

A data real de publicação das três partes não está definida. A Parte I certamente surgiu

antes do fim de julho de 1916, como se verifica por uma referência que a ela se faz em uma carta

de Freud a Lou Andreas-Salomé, de 27 de julho de 1916 (cf. Freud, 1960a). Na mesma carta, ele

também fala na Parte II como estando prestes a aparecer. Uma carta de 18 de dezembro de 1916,

que Freud escreveu a Abraham, sugere que, com efeito, ela apenas apareceu no fim do ano (cf.

Freud, 1965a). A Parte III parece ter sido publicada em maio de 1917.

O ano acadêmico da Universidade de Viena se dividia em dois períodos: um período (ou

semestre) de inverno, que ia de outubro a março, e um período de verão, de abril a julho. As

conferências publicadas neste livro foram proferidas por Freud em dois períodos de inverno

sucessivos, durante a Primeira Guerra Mundial: 1915-16 e 1916-17. Os relatos mais completos das

circunstâncias que conduziram à sua publicação serão encontrados no segundo volume da

biografia escrita por Ernest Jones (1955, pág. 255 e seguintes).

Embora, como o próprio Freud observara em seu prefácio às New Introductory Lectures,

sua qualidade de membro da Universidade de Viena tivesse sido apenas „periférica‟, desde os

tempos de sua indicação como Privatdozent (Livre Docente da Universidade), em 1885, e como

Professor Extraordinarius (Professor Assistente), em 1902, havia realizado muitos ciclos de

conferências na Universidade. Estes ficaram sem registro, embora alguns relatos dos mesmos

possam ser encontrados - por exemplo, os de Hanns Sachs (1945, pág. 39 e segs.) e Theodor

Reik (1942, pág. 19 e segs.), bem como os de Ernest Jones (1953, pág. 375 e segs.). Freud

decidiu que a série que começava no outono de 1915 deveria ser a última, e foi por sugestão de

Otto Rank que Freud concordou com sua publicação. Em seu prefácio às New Introductory

Lectures, há pouco citado, Freud nos refere que a primeira metade da série atual, a série inicial, „foi

improvisada e escrita logo depois‟, e que „esboços da segunda metade foram feitos durante as

férias do verão intermediário, em Salzburg, e passados para o papel, palavra por palavra, no

inverno seguinte‟. Acrescenta que, naquela época, „ainda possuía o dom de uma memória

fotográfica‟, pois, por mais cuidadosamente que suas conferências pudessem ter sido preparadas,

na realidade, invariavelmente, as proferia de improviso, e geralmente sem anotações. Existe

concordância geral no tocante à sua técnica de dar conferências: que ele nunca era retórico e que

seu tom era sempre o de uma conversação tranqüila e mesmo íntima. Contudo, não se deve

supor, por isso, que houvesse algo de desleixo ou desordem nessas conferências. Elas quase

sempre tinham uma forma definida - início, meio e fim - e podiam, freqüentemente, dar ao ouvinte a

impressão de possuírem uma unidade estética.

Foi mencionado (Reik, 1942, 19) que ele não gostava de dar conferências, no entanto é

difícil conciliar essa afirmação não apenas com a quantidade de conferências que proferiu no

decurso de sua vida, mas também com a quantidade notavelmente elevada de seus trabalhos

efetivamente publicados que estão sob a forma de conferências. Existe, entretanto, uma possível

explicação para essa discordância. Um exame mostra que, entre suas publicações, são

predominantemente os trabalhos expositivos que aparecem como conferências: por exemplo, a

conferência inicial sobre „The Aetiology of Hysteria‟ (1896c), a que surgiu um pouco depois „Sobre

a Psicoterapia‟ (1905a), assim como, naturalmente, as Cinco Lições, proferidas na América

(1910a), e a presente série. Contudo, além disso, quando empreendeu anos depois uma exposição

das mais recentes evoluções de seus pontos de vista, ele, sem qualquer motivo evidente, mais

uma vez as colocou na forma de conferências e publicou suas New Introductory Lectures (1933a),

embora jamais houvesse qualquer possibilidade de serem dadas à luz como tais. Assim, Freud se

socorreu evidentemente das conferências como método de expor suas opiniões, mas apenas sob

uma condição particular: ele devia estar em vívido contato com seu auditório real ou suposto. Os

leitores do presente volume descobrirão como é constante Freud manter esse contato - quão

regularmente ele coloca objeções na boca de seus ouvintes, e quão freqüentemente existem

debates imaginários entre ele e seus ouvintes. Na verdade, ele estendia esse método de formular

suas exposições a alguns de seus trabalhos que absolutamente não são conferências: a totalidade

de The Question of Lay Analysis (1926e) e a maior parte de O Futuro de uma Ilusão (1927c)

tomaram a forma de diálogos entre o autor e um ouvinte que faz críticas. Contrariamente, talvez, a

certas noções errôneas, Freud era inteiramente avesso à exposição de suas opiniões em forma

autoritária e dogmática: „Não o direi aos senhores‟, ele diz à sua audiência, em uma passagem

adiante (pág. 433), „mas insistirei em que o descubram por si mesmos‟. As objeções não eram para

ser abafadas, mas esclarecidas e examinadas. E isso, afinal, não era mais que um prolongamento

de um aspecto essencial da técnica da própria psicanálise.

As Conferências Introdutórias podem ser verdadeiramente consideradas como um

inventário das conceituações de Freud e da posição da psicanálise na época da Primeira Guerra

Mundial. As dissidências de Adler e Jung já eram história passada, o conceito de narcisismo já

tinha alguns anos de vida, o caso clínico do „Wolf Man‟, que marcou época, tinha sido escrito (com

exceção de duas passagens) um ano antes do começo das conferências, embora não fosse

publicado senão mais tarde. E, também, a grande série de artigos „metapsicológicos‟ sobre a teoria

fundamental tinha sido ultimada alguns meses antes, ainda que apenas três deles tivessem sido

publicados. (Mais dois deles surgiram logo após as conferências, porém os sete restantes

desapareceram sem deixar vestígio.) Essas últimas atividades e, sem dúvida, também a realização

das conferências tinham sido facilitadas pela diminuição do trabalho clínico de Freud, imposta

pelas condições da guerra. Parecia haver-se chegado a um divisor de águas, e era como se

houvesse chegado a época para uma pausa. De fato, porém, estavam em preparação idéias novas

que deviam vir à luz em Além do Princípio de Prazer (1920g), Psicologia de Grupo (1921c) e O Ego

e o Id (1923b). Em verdade, a linha não deve ser traçada com tanta exatidão. Por exemplo, já

podem ser detectados indícios da noção da „compulsão à repetição‟ (págs. 292-3), e os começos

da análise do ego estão bastante evidentes (págs. 423 e 428-9), ao passo que as dificuldades

referentes aos múltiplos sentidos da palavra „inconsciente‟ (ver em [1]) preparam o caminho para

uma nova descrição estrutural da mente.

Em seu prefácio a estas conferências, Freud fala um pouco depreciativamente da falta de

novidade em seu conteúdo. No entanto, ninguém, embora muito tenha lido de literatura

psicanalítica, precisa sentir receio de se entediar com estas conferências, e ainda poderá achar

nelas muitas coisas que não se encontrarão em outro lugar. As discussões sobre ansiedade

(Conferência XV) e sobre fantasias primitivas (Conferência XXIV), que Freud mesmo, no prefácio,

aponta como material recente, não são as únicas que ele podia ter mencionado. A revisão do

simbolismo na Conferência X, é, provavelmente, a mais completa que fez. Em nenhuma outra

parte fornece tão claro resumo da formação dos sonhos como nas últimas páginas da Conferência

XIV. Sobre as perversões, não há comentários mais inteligíveis do que aqueles encontrados nas

Conferências XX e XXI. Finalmente, não existe absolutamente qualquer tópico que se iguale à

análise dos processos de terapia psicanalítica, feita na última conferência. E mesmo onde os

assuntos pareceriam estar surrados, como o mecanismo das parapraxias e dos sonhos, a

abordagem é feita a partir de direções inesperadas, lançando nova luz sobre o que poderia ter

parecido terreno por demais conhecido. As Conferências Introdutórias seguramente merecem sua

popularidade.

PREFÁCIO [1917]

O que ao público agora ofereço como uma „Introdução à Psicanálise‟ não se destina a

competir, de forma alguma, com determinadas descrições gerais desse campo de conhecimento,

como aquelas já existentes, e dentre as quais citam-se, por exemplo: as de Hitschmann (1913),

Pfister (1913), Kaplan (1914), Régis e Hesnard (1914) e Meijer (1915). Este volume é uma

reprodução fiel das conferências que proferi [na Universidade], durante as duas temporadas de

inverno de 1915/16 e 1916/17, perante um auditório de médicos e leigos de ambos os sexos.

Quaisquer peculiaridades deste livro que possam surpreender os leitores são devidas às

condições em que ele se originou. Em minha apresentação não foi possível preservar a tranqüila

serenidade de um tratado científico. Pelo contrário, o conferencista tinha de se empenhar em evitar

que a atenção de seu auditório declinasse durante uma sessão de quase duas horas de duração.

As necessidades do momento muitas vezes tornaram impossível evitar repetições ao tratar de um

determinado assunto - poderiam emergir uma vez, por exemplo, em relação à interpretação de

sonhos e, mais tarde, de novo, em relação aos problemas das neuroses. Também em

conseqüência da maneira como o material foi ordenado, alguns tópicos importantes (o

inconsciente, por exemplo) não puderam ser exaustivamente debatidos em um só ponto, mas

tiveram de ser retomados repetidamente e outra vez abandonados, até que surgisse nova

oportunidade para acrescentar alguma informação adicional a respeito.

Aqueles que estão familiarizados com a literatura psicanalítica encontrarão nesta

„Introdução‟ pouca coisa que não lhes seja conhecida já a partir de outras publicações muito mais

detalhadas. Não obstante, a necessidade de completar e resumir algum tema compeliu o autor, em

certos pontos (a etiologia da ansiedade e as fantasias histéricas), a apresentar material que até

então havia retido.

FREUD.

VIENA, primavera de 1917.

PREFÁCIO DA TRADUÇÃO HEBRAICA [1930]

Estas conferências foram proferidas em 1916 e 1917; proporcionaram uma descrição muito

pormenorizada da posição da jovem ciência naquela época, e continham mais do que seu título

indicava. Proporcionaram não apenas uma introdução à psicanálise, mas abrangeram a maior

parte de seu conteúdo temático. Isso, naturalmente, já não é mais verdade. Nesse meio tempo

houve progressos em sua teoria e importantes acréscimos à mesma, como a divisão da

personalidade em ego, superego e id, uma modificação radical na teoria dos instintos, bem como

descobertas referentes à origem da consciência e do sentimento de culpa. Assim sendo, estas

conferências se tornaram em grande parte incompletas; na verdade, somente agora é que se

tornaram realmente „introdutórias‟. Porém, em outro sentido, mesmo hoje elas não foram

suplantadas, nem se tornaram obsoletas. O que contêm ainda é acreditado e pensado, afora

algumas poucas modificações, nos institutos de formação psicanalítica.

Os leitores de hebraico e especialmente os jovens, ávidos de conhecimento, se

defrontarão neste volume com a psicanálise vestida com o antigo idioma que tem sido despertado

para uma vida nova pela vontade do povo judeu. O autor bem pode imaginar o problema que se

propôs seu tradutor. E nem pode suprimir a dúvida quanto a saber se Moisés e os Profetas teriam

julgado inteligíveis estas conferências em hebraico. Pede, entretanto, aos descendentes deles

(entre os quais ele próprio se inclui), a quem este livro se destina, para que não reajam demasiado

prontamente a seus primeiros impulsos de crítica e enfado, rejeitando-o. A psicanálise revela

tantas coisas novas, e, em meio a tudo isso, tantas coisas que contraditam opiniões tradicionais, e

tanto fere sentimentos profundamente arraigados, que não pode deixar de provocar contestação. O

leitor, se deixar em suspenso seu julgamento e permitir que a psicanálise, como um todo, provoque

nele sua impressão, talvez se torne receptivo à convicção de que mesmo essa indesejada

novidade é digna de se conhecer e indispensável para todo aquele que deseja compreender a

mente e a vida humana.

VIENA, dezembro de 1930

PARTE I - PARAPRAXIAS (1916 [1915])

CONFERÊNCIA I - INTRODUÇÃO

SENHORAS E SENHORES:

Não posso dizer quanto conhecimento sobre psicanálise cada um dos senhores já adquiriu

pelas leituras que fez, ou por ouvir dizer. Mas o título de meu programa - „Introdução Elementar à

Psicanálise‟ - obriga-me a tratá-los como se nada soubessem e estivessem necessitados de

algumas informações preliminares.

Posso, no entanto, seguramente supor que sabem ser a psicanálise uma forma de

executar o tratamento médico de pacientes neuróticos. E aqui já lhes posso dar um exemplo de

como, nessa atividade, numerosas coisas se passam de forma diferente - e muitas vezes,

realmente, de forma oposta - de como ocorrem em outros campos da prática médica. Quando, em

outra situação, apresentamos ao paciente uma técnica que lhe é nova, de hábito minimizamos os

inconvenientes desta e lhe damos confiantes promessas de êxito do tratamento. Penso estarmos

justificados de assim proceder, de vez que desse modo estamos aumentando a probabilidade de

êxito. Quando, porém, tomamos em tratamento analítico um paciente neurótico, agimos

diferentemente. Mostramos-lhe as dificuldades do método, sua longa duração, os esforços e os

sacrifícios que exige; e, quanto a seu êxito, lhe dizemos não nos ser possível prometê-lo com

certeza, que depende de sua própria conduta, de sua compreensão, de sua adaptabilidade e de

sua perseverança. Temos boas razões, naturalmente, para manter essa conduta aparentemente

obstinada no erro, como talvez os senhores virão a verificar mais adiante.

Não se aborreçam, então, se começo por tratá-los da mesma forma como a esses

pacientes neuróticos. Seriamente eu os advirto de que não venham ouvir-me uma segunda vez.

Para corroborar esta advertência, explicarei quão incompleto deve necessariamente ser qualquer

conhecimento da psicanálise, e que dificuldades surgem no caminho dos senhores ao formarem

um julgamento próprio a respeito dela. Mostrar-lhes-ei como toda a tendência de sua educação

prévia e todos os seus hábitos de pensamento estão inevitavelmente propensos a fazer com que

se oponham à psicanálise, e quanto teriam de superar, dentro de si mesmos, para obter o máximo

de vantagem dessa natural oposição. Não posso, certamente, predizer quanto entendimento de

psicanálise obterão das informações que lhes dou, contudo posso prometer-lhes isto: que,

ouvindo-as atentamente, não terão aprendido como efetuar uma investigação psicanalítica ou

como realizar um tratamento. No entanto, na hipótese de que um dos senhores não se sentisse

satisfeito com um ligeiro conhecimento da psicanálise, mas estivesse inclinado a entrar em relação

permanente com ela, não apenas eu o dissuadiria de agir assim, como ativamente também o

admoestaria para não fazê-lo. Da maneira como estão as coisas, no momento, tal escolha de

profissão arruinaria qualquer possibilidade de obter sucesso em uma universidade, e, se começou

na vida como médico clínico, iria encontrar-se numa sociedade que não compreenderia seus

esforços, que o veria com desconfiança e hostilidade e que despejaria sobre ele todos os maus

espíritos que estão à espreita dentro dessa mesma sociedade. E os acontecimentos que

acompanham a guerra, que agora assola a Europa, lhes darão talvez alguma noção de que legiões

desses maus espíritos podem existir.

Não obstante, há bom número de pessoas para as quais, a despeito desses

inconvenientes, algo que promete trazer-lhes uma nova parcela de conhecimento tem ainda seu

atrativo. Se alguns dos senhores pertencerem a essa espécie de pessoas, e, malgrado minhas

advertências, novamente aqui comparecerem para minha próxima conferência, serão bem-vindos.

Todos, porém, têm o direito de saber da natureza das dificuldades da psicanálise, às quais aludi.

Iniciarei por aquelas dificuldades vinculadas ao ensino, à formação em psicanálise. Na

formação médica os senhores estão acostumados a ver coisas. Vêem uma preparação anatômica,

o precipitado de uma reação química, a contração de um músculo em conseqüência da

estimulação de seus nervos. Depois, pacientes são demonstrados perante os sentidos dos

senhores: os sintomas de suas doenças, as conseqüências dos processos patológicos e, mesmo,

em muitos casos, o agente da doença isolado. Nos departamentos cirúrgicos, são testemunhas

das medidas ativas tomadas para proporcionar socorro aos pacientes, e os senhores mesmos

podem tentar pô-las em execução. Na própria psiquiatria, a demonstração de pacientes, com suas

expressões faciais alteradas, com seu modo de falar e seu comportamento, propicia aos senhores

numerosas observações que lhes deixam profunda impressão. Assim, um professor de curso

médico desempenha em elevado grau o papel de guia e intérprete que os acompanha através de

um museu, enquanto os senhores conseguem um contato direto com os objetos exibidos e se

sentem convencidos da existência dos novos fatos mediante a própria percepção de cada um.

Na psicanálise, ai de nós, tudo é diferente. Nada acontece em um tratamento psicanalítico

além de um intercâmbio de palavras entre o paciente e o analista. O paciente conversa, fala de

suas experiências passadas e de suas impressões atuais, queixa-se, reconhece seus desejos e

seus impulsos emocionais. O médico escuta, procura orientar os processos de pensamento do

paciente, exorta, dirige sua atenção em certas direções, dá-lhe explicações e observa as reações

de compreensão ou rejeição que ele, analista, suscita no paciente. Os desinformados parentes de

nossos pacientes, que se impressionam apenas com coisas visíveis e tangíveis - preferivelmente

por ações tais como aquelas vistas no cinema -, jamais deixam de expressar suas dúvidas quanto

a saber se „algo não pode ser feito pela doença, que não seja simplesmente falar‟. Essa,

naturalmente, é uma linha de pensamento ao mesmo tempo insensata e incoerente. Essas são as

mesmas pessoas que se mostram assim tão seguras de que os pacientes estão „simplesmente

imaginando‟ seus sintomas. As palavras, originalmente, eram mágicas e até os dias atuais

conservaram muito do seu antigo poder mágico. Por meio de palavras uma pessoa pode tornar

outra jubilosamente feliz ou levá-la ao desespero, por palavras o professor veicula seu

conhecimento aos alunos, por palavras o orador conquista seus ouvintes para si e influencia o

julgamento e as decisões deles. Palavras suscitam afetos e são, de modo geral, o meio de mútua

influência entre os homens. Assim, não depreciaremos o uso das palavras na psicoterapia, e nos

agradará ouvir as palavras trocadas entre o analista e seu paciente.

Contudo, nem isso podemos fazer. A conversação em que consiste o tratamento

psicanalítico não admite ouvinte algum; não pode ser demonstrada. Um paciente neurastênico ou

histérico pode, naturalmente, como qualquer outro, ser apresentado a estudantes em uma

conferência psiquiátrica. Ele fará uma descrição de suas queixas e de seus sintomas, porém

apenas isso. As informações que uma análise requer serão dadas pelo paciente somente com a

condição de que ele tenha uma ligação emocional especial com seu médico; ele silenciaria tão

logo observasse uma só testemunha que ele percebesse estar alheia a essa relação. Isso porque

essas informações dizem respeito àquilo que é mais íntimo em sua vida mental, a tudo aquilo que,

como pessoa socialmente independente, deve ocultar de outras pessoas, e, ademais, a tudo o

que, como personalidade homogênea, não admite para si próprio.

Portanto, os senhores não podem estar presentes, como ouvintes, a um tratamento

psicanalítico. Este pode, apenas, ser-lhes relatado; e, no mais estrito sentido da palavra, é

somente de ouvir dizer que chegarão a conhecer a psicanálise. Como conseqüência do fato de

receberem seus conhecimentos em segunda mão, por assim dizer, os senhores estarão em

condições bem incomuns para formar um julgamento. Isto obviamente dependerá, em grande

parte, do quanto de crédito podem dar a seu informante.

Suponhamos, por um momento, que os senhores estivessem ouvindo uma conferência

não sobre psiquiatria, mas sobre história, e que o conferencista lhes estivesse expondo a vida e os

feitos militares de Alexandre Magno. Que fundamentos teriam para acreditar na verdade do que ele

referisse? Num primeiro relance, a situação pareceria ser ainda mais desfavorável do que no caso

da psicanálise, pois o professor de história teve tanta participação nas campanhas de Alexandre

quanto os senhores. O psicanalista pelo menos reporta coisas nas quais ele próprio tomou parte.

Porém, na devida oportunidade, chegamos aos elementos que confirmam aquilo que o historiador

lhes disse. Ele poderia remetê-los aos relatos dos escritores da Antigüidade que, ou foram eles

próprios contemporâneos dos eventos em questão, ou, de qualquer forma, estavam mais próximos

dos mesmos - ele poderia remetê-los, digamos, às obras de Diodoro, Plutarco, Arriano e outros.

Poderia colocar à frente dos senhores reproduções de moedas e estátuas do rei, que

sobreviveram, e poderia passar às suas mãos uma fotografia do mosaico de Pompéia

representando a batalha de Isso. Estritamente falando, contudo, todos esses documentos apenas

provam que as gerações anteriores já acreditavam na existência de Alexandre e na realidade de

seus feitos, e as críticas dos senhores poderiam começar novamente nesse ponto. Os senhores

descobririam então que nem tudo aquilo que foi relatado sobre Alexandre merece crédito ou pode

ser confirmado em seus detalhes; não obstante, não posso supor que os senhores viessem a

deixar a sala de conferência com dúvidas sobre a realidade de Alexandre Magno. A decisão dos

senhores seria determinada, essencialmente, por duas considerações: primeiro, que o

conferencista não tem qualquer motivo imaginável para garantir-lhes a realidade de algo que ele

próprio não julga ser real, e, em segundo lugar, que todos os livros de história disponíveis

descrevem os acontecimentos em termos aproximadamente semelhantes. Se continuassem a

examinar as fontes antigas, teriam em conta os mesmos fatores - os possíveis motivos dos

informantes e a conformidade das testemunhas entre si. O resultado da pesquisa sem dúvida lhes

traria uma confirmação, no caso de Alexandre; no entanto, provavelmente seria diferente quando

se tratasse de personagens como Moisés ou Nemrod. Outras oportunidades revelarão muito

claramente que dúvidas os senhores podem ter a respeito da credibilidade do seu informante

psicanalítico.

Mas os senhores têm o direito de fazer outra pergunta. Se não há verificação objetiva da

psicanálise nem possibilidade de demonstrá-la, como pode absolutamente alguém aprender

psicanálise e convencer-se da veracidade de suas afirmações? É verdade que a psicanálise não

pode ser aprendida facilmente, e que não são muitas as pessoas que a tenham aprendido

corretamente. Naturalmente, porém, existe um método que se pode seguir, apesar de tudo.

Aprende-se psicanálise em si mesmo, estudando-se a própria personalidade. Isso não é

exatamente a mesma coisa que a chamada auto-observação, porém pode, se necessário, estar

nela subentendido. Existe grande quantidade de fenômenos mentais, muito comuns e amplamente

conhecidos, que, após conseguido um pouco de conhecimento da técnica, podem se tornar objeto

de análise na própria pessoa. Dessa forma, adquire-se o desejado sentimento de convicção da

realidade dos processos descritos pela análise e da correção dos pontos de vista da mesma. Não

obstante, há limites definidos ao progresso por meio desse método. A pessoa progride muito mais

se ela própria é analisada por um analista experiente e vivencia os efeitos da análise em seu

próprio eu (self), fazendo uso da oportunidade de assimilar de seu analista a técnica mais sutil do

processo. Esse excelente método é, naturalmente, aplicável apenas a uma única pessoa e jamais

a todo um auditório de estudantes reunidos.

A psicanálise não deve ser acusada de uma segunda dificuldade na relação dos senhores

com ela; devo fazê-los, aos senhores mesmos, responsáveis por isso, senhoras e senhores, pelo

menos na medida em que foram estudantes de medicina. A educação que receberam previamente

deu uma direção particular ao pensar dos senhores que conduz para longe da psicanálise. Foram

formados para encontrar uma base anatômica para as funções do organismo e suas doenças, a

fim de explicá-las química e fisicamente e encará-las do ponto de vista biológico. Nenhuma parte

do interesse dos senhores, contudo, tem sido dirigida para a vida psíquica, onde, afinal, a

realização desse organismo maravilhosamente complexo atinge seu ápice. Por essa razão, as

formas psicológicas de pensamento têm permanecido estranhas aos senhores. Cresceram

acostumados a encará-las com suspeita, a negar-lhes a qualidade científica, a abandoná-las em

poder de leigos, poetas, filósofos naturalistas e místicos. Essa limitação é, sem dúvida, prejudicial à

sua atividade médica, pois, como é a regra em todos os relacionamentos humanos, os pacientes

dos senhores começam mostrando-lhes sua façade mental, e temo que sejam obrigados, como

punição, a deixar parte da influência terapêutica que os senhores estão procurando aos praticantes

leigos, aos curandeiros e aos místicos, que os senhores tanto desprezam.

Não ignoro a excusa de que devemos tolerar esse defeito em sua educação. Não existe

nenhuma ciência filosófica auxiliar que possa servir às finalidades médicas dos senhores. Nem a

filosofia especulativa, nem a psicologia descritiva, nem o que é chamado de psicologia

experimental (que está estritamente aliada à fisiologia dos órgãos dos sentidos), tal como são

ensinadas nas universidades, estão em condições de dizer-lhes algo de utilizável pertinente à

relação entre corpo e mente, ou de lhes proporcionar uma chave para a compreensão dos

possíveis distúrbios das funções mentais. É verdade que a psiquiatria, como parte da medicina, se

empenha em descrever os distúrbios mentais que observa, e em agrupá-los em entidades clínicas;

porém, em momentos favoráveis os próprios psiquiatras duvidam de que suas hipóteses

puramente descritivas mereçam o nome de ciência. Nada se conhece da origem, do mecanismo ou

das mútuas relações dos sintomas dos quais se compõem essas entidades clínicas; ou não

alterações observáveis, no órgão anatômico da mente, que correspondam a esses sintomas, ou há

alterações nada esclarecedoras a respeito deles. Esses distúrbios mentais apenas são acessíveis

à influência terapêutica quando podem ser reconhecidos como efeitos secundários daquilo que, de

outro modo, constitui uma doença orgânica.

Essa é a lacuna que a psicanálise procura preencher. Procura dar à psiquiatria a base

psicológica de que esta carece. Espera descobrir o terreno comum em cuja base se torne

compreensível a conseqüência do distúrbio físico e mental. Com esse objetivo em vista, a

psicanálise deve manter-se livre de toda hipótese que lhe é estranha, seja de tipo anatômico,

químico ou fisiológico, e deve operar inteiramente com idéias auxiliares puramente psicológicas; e

precisamente por essa razão temo que lhes parecerá estranha de início.

Não considerarei os senhores, ou sua educação, ou sua atitude mental, responsáveis pela

próxima dificuldade. Duas das hipóteses da psicanálise são um insulto ao mundo inteiro e têm

ganho sua antipatia. Uma delas encerra uma ofensa a um preconceito intelectual; a outra, a um

preconceito estético e moral. Não devemos desprezar em demasia esses preconceitos; são coisas

poderosas, são precipitados da evolução do homem que foram úteis e, na verdade, essenciais.

Sua existência é mantida por forças emocionais, e a luta contra eles é árdua.

A primeira dessas assertivas impopulares feitas pela psicanálise declara que os processos

mentais são, em si mesmos, inconscientes e que de toda a vida mental apenas determinados atos

e partes isoladas são conscientes. Os senhores sabem que, pelo contrário, temos o hábito de

identificar o que é psíquico com o que é consciente. Consideramos a consciência, sem mais nem

menos, como a característica que define o psíquico, e a psicologia como o estudo dos conteúdos

da consciência. Na verdade, parece-nos tão natural os igualar dessa forma, que qualquer

contestação à idéia nos atinge como evidente absurdo. A psicanálise, porém, não pode evitar o

surgimento dessa contradição; não pode aceitar a identidade do consciente com o mental. Ela

define o que é mental, enquanto processos como o sentir, o pensar e o querer, e é obrigada a

sustentar que existe o pensar inconsciente e o desejar não apreendido. Dizendo isso, de saída e

inutilmente ela perde a simpatia de todos os amigos do pensamento científico solene, e incorre

abertamente na suspeita de tratar-se de uma doutrina esotérica, fantástica, ávida de engendrar

mistérios e de pescar em águas turvas. Contudo, as senhoras e os senhores naturalmente não

podem compreender, por agora, que direito tenho eu de descrever como preconceito uma

afirmação de natureza tão abstrata como „o que é mental é consciente‟. E nem podem os senhores

conjecturar que evolução seja essa, que chegou a levar a uma negação do inconsciente - se é que

isso existe - e que vantagem pode ter havido em tal negação. A questão de saber se devemos

fazer coincidir o psíquico com o consciente, ou aumentar a abrangência daquele, soa como uma

discussão vazia em torno de palavras; mas posso assegurar-lhes que a hipótese de existirem

processos mentais inconscientes abre o caminho para uma nova e decisiva orientação no mundo e

na ciência.

Os senhores não podem sequer ter qualquer noção de quão íntima é a conexão entre essa

primeira mostra de coragem por parte da psicanálise e a segunda, da qual devo agora falar-lhes.

Essa segunda tese, que a psicanálise apresenta como uma de suas descobertas, é uma afirmação

no sentido de que os impulsos instintuais que apenas podem ser descritos como sexuais, tanto no

sentido estrito como no sentido mais amplo do termo, desempenham na causação das doenças

nervosas e mentais um papel extremamente importante e nunca, até o momento, reconhecido.

Ademais, afirma que esses mesmos impulsos sexuais também fornecem contribuições, que não

podem ser subestimadas, às mais elevadas criações culturais, artísticas e sociais do espírito

humano.

Em minha experiência, a antipatia que se volta contra esse resultado da pesquisa

psicanalítica é a mais importante fonte de resistência que ela encontrou. Gostariam de ouvir como

explicamos esse fato? Acreditamos que a civilização foi criada sob a pressão das exigências da

vida, à custa da satisfação dos instintos; e acreditamos que a civilização, em grande parte, está

sendo constantemente criada de novo, de vez que cada pessoa, assim que ingressa na sociedade

humana, repete esse sacrifício da satisfação instintual em benefício de toda a comunidade. Entre

as forças instintuais que têm esse destino, os impulsos sexuais desempenham uma parte

importante, nesse processo eles são sublimados - isto é, são desviados de suas finalidades

sexuais e dirigidos a outras, socialmente mais elevadas e não mais sexuais. Esse arranjo, contudo,

é instável; os instintos sexuais são imperfeitamente subjugados e, no caso de cada indivíduo que

se supõe juntar-se ao trabalho da civilização, há um risco de seus instintos sexuais se rebelarem

contra essa destinação. A sociedade acredita não existir maior ameaça que se possa levantar

contra sua civilização do que a possibilidade de os instintos sexuais serem liberados e retornarem

às suas finalidades originais. Por esse motivo, a sociedade não quer ser lembrada dessa parte

precária de seus alicerces. Não tem interesse em reconhecer a força dos instintos sexuais, nem

interesse pela demonstração da importância da vida sexual para o indivíduo. Ao contrário, tendo

em vista um fim educativo, tem-se empenhado em desviar a atenção de todo esse campo de

idéias. É por isso que não tolerará esse resultado da pesquisa psicanalítica, e nitidamente prefere

qualificá-lo como algo esteticamente repulsivo e moralmente repreensível, ou como algo perigoso.

Entretanto, as objeções dessa espécie são ineficazes contra aquilo que se ergueu como produto

objetivo de um exemplo de trabalho científico; se a contestação se fizer em público, então deve ser

expressa novamente, em termos intelectuais. Ora, é inerente à natureza humana ter uma

tendência a considerar como falsa uma coisa de que não gosta e, ademais, é fácil encontrar

argumentos contra ela. Assim, a sociedade transforma o desagradável em falso. Rebate as

verdades da psicanálise com argumentos lógicos e concretos; estes, porém, surgem de fontes

emocionais, e ela mantém essas objeções na forma de preconceitos, opondo-se a toda tentativa

de as contestar.

Nós, porém, senhoras e senhores, podemos afirmar que, ao expor esta controvertida tese,

não temos em vista qualquer objetivo tendencioso. Desejamos simplesmente dar expressão a um

assunto que acreditamos ter demonstrado mediante nossos conscienciosos trabalhos. Afirmamos

também o direito de rejeitar sem restrição qualquer interferência motivada em considerações

práticas, no trabalho científico, mesmo antes de nos termos perguntado se o medo, que procura

impor-nos essas considerações, é justificado ou não.

Essas, pois, são algumas das dificuldades que se erguem contra o interesse dos senhores

pela psicanálise. São, talvez, mais que suficientes para um começo. Porém, se puderem vencer a

impressão que lhes causam, prosseguiremos.

CONFERÊNCIA II - PARAPRAXIAS

SENHORAS E SENHORES:

Não começaremos com postulados, e sim com uma investigação. Escolhamos como tema

determinados fenômenos muito comuns e muito conhecidos, os quais, porém, têm sido muito

pouco examinados e, de vez que podem ser observados em qualquer pessoa sadia, nada têm a

ver com doenças. São o que se conhece como „parapraxias‟, às quais todos estão sujeitos. Pode

acontecer, por exemplo, que uma pessoa que tenciona dizer algo venha a usar, em vez de uma

palavra, outra palavra (um lapso de língua [Versprechen]), ou possa fazer a mesma coisa

escrevendo, podendo, ou não, perceber o que fez. Ou uma pessoa pode ler algo, seja impresso ou

manuscrito, diferentemente do que na realidade está diante de seus olhos (um lapso de leitura

[Verlesen]), ou ouvir errado algo que lhe foi dito (um lapso de audição [Verhören] ) - na hipótese,

naturalmente, de não haver qualquer perturbação orgânica de sua capacidade auditiva. Outro

grupo desses fenômenos tem como sua base o esquecimento [Vergessen] - não, no entanto, um

esquecimento permanente, mas apenas um esquecimento temporário. Assim, uma pessoa pode

ser incapaz de se lembrar de uma palavra que conhece, apesar de tudo, e que reconhece de

imediato, ou pode esquecer de executar uma intenção, embora dela se lembre mais tarde, tendo-a

esquecido apenas naquele determinado momento. Em um terceiro grupo o caráter temporário está

ausente - por exemplo, no caso de extravio [Verlegen], quando a pessoa colocou uma coisa em

algum lugar e não consegue encontrá-la novamente, ou no caso precisamente igual de perda

[Verlieren]. Aqui temos um esquecimento que tratamos diferentemente de outras formas de

esquecimento, um caso em que ficamos surpresos ou aborrecidos em vez de considerá-lo

compreensível. Além de tudo isso, há determinadas espécies de erros [Irrtümer], nos quais o

caráter temporário está presente mais uma vez: pois, no caso destes, por um certo espaço de

tempo acreditamos saber algo que, antes ou depois desse período, na realidade não sabemos. E

existem numerosos outros fenômenos semelhantes, conhecidos por diversos nomes.

Todas essas são ocorrências cuja afinidade interna recíproca é expressa pelo fato de [em

alemão] sua designação começar com a sílaba „ver„. Quase todas carecem de importância, na

maioria são muito transitórias e são destituídas de muita importância na vida humana. Apenas

raramente, como no caso da perda de um objeto, um fenômeno desses assume certo grau de

importância prática. Também por esse motivo chamam pouco a atenção, fazem surgir nada mais

que tênues emoções, e assim por diante.

É para esses fenômenos, também, que agora proponho chamar a atenção dos senhores.

Porém, irão protestar com certo enfado: „Há tantos problemas ingentes no amplo universo, assim

como dentro dos estreitos limites de nossas mentes, tantas maravilhas no campo dos distúrbios

mentais, que exigem e merecem elucidação, que parece realmente injustificado investir trabalho e

interesse em tais trivialidades. Se o senhor puder fazer-nos compreender por que uma pessoa com

olhos e ouvidos sãos pode ver e ouvir, em plena luz do dia, coisas que não se encontram ali; por

que outra pessoa subitamente pensa estar sendo perseguida pelas pessoas das quais foi, até

então, muito amiga, ou apresenta os mais engenhosos argumentos em apoio de suas crenças

delirantes, que qualquer criança poderia ver que são disparatadas, então deveríamos ter algum

apreço pela psicanálise. Entretanto, se ela não pode fazer mais que nos pedir para considerarmos

por que um orador, num banquete, emprega uma palavra em vez de outra, ou por que uma dona

de casa extraviou suas chaves, e futilidades semelhantes, então saberemos como empregar

melhor nosso tempo e interesse.‟

Eu responderia: Paciência, senhoras e senhores! Penso que suas críticas perderam o

rumo. É verdade que a psicanálise não pode vangloriar-se de jamais haver-se ocupado de

trivialidades. Pelo contrário, o material para sua observação é geralmente proporcionado pelos

acontecimentos banais, postos de lado pelas demais ciências como sendo bastante insignificantes

- o refugo, poderíamos dizer, do mundo dos fenômenos. Porém, não estão os senhores fazendo

confusão, em suas críticas, entre a vastidão dos problemas e a evidência que aponta para eles?

Não existem coisas muito importantes que, sob determinadas condições e em determinadas

épocas, só se podem revelar por indicações bastante débeis? Eu não encontraria dificuldade para

fornecer-lhes diversos exemplos de tais situações. Se o senhor, por exemplo, é um homem jovem,

não será a partir de pequenos indícios que concluirá haver conquistado os favores de uma jovem?

Esperaria uma expressa declaração de amor, ou um abraço apaixonado? Ou não seria suficiente

um olhar, que outras pessoas mal perceberiam, um ligeiro movimento, o prolongamento, por um

segundo, da pressão de sua mão? E se fosse um detetive empenhado em localizar um assassino,

esperaria achar que o assassino deixou para trás sua fotografia, no local do crime, com seu

endereço assinalado? Ou não teria necessariamente de ficar satisfeito com vestígios fracos e

obscuros da pessoa que estivesse procurando? Assim sendo, não subestimemos os pequenos

indícios; com sua ajuda podemos obter êxito ao seguirmos a pista de algo maior. Ademais, penso,

como os senhores, que os grandes problemas do universo e da ciência são aqueles que mais

exigem nosso interesse. É, porém, muito raro alguém manter a expressa intenção de se devotar à

pesquisa deste ou daquele grande problema. Fica-se então sem poder saber qual o primeiro passo

a dar. É mais promissor, no trabalho científico, atacar o que quer que esteja imediatamente à

nossa frente e ofereça uma oportunidade à pesquisa. Agindo dessa forma, realmente com afinco e

sem preconceito ou sem prevenções, e tendo-se sorte, então, desde que tudo se relaciona com

tudo, inclusive as pequenas coisas com as grandes, pode-se, mesmo partindo de um trabalho

despretensioso, ter acesso ao estudo dos grandes problemas. É isso que eu devia dizer, a fim de

manter o interesse dos senhores quando tratamos dessas trivialidades tão evidentes como o são

as parapraxias de pessoas sãs.

Peçamos, agora, auxílio a alguém que nada saiba de psicanálise, e perguntemos-lhe como

explica essas ocorrências. Sua primeira resposta certamente será: „Ora, não há o que explicar: não

passam de pequenos acontecimentos ao acaso.‟ O que o amigo quer dizer com isso? Estará

afirmando existirem ocorrências, embora pequenas, que escapam à concatenação universal dos

fatos - ocorrências que tanto poderia haver como não haver? Se alguém comete uma infração

desse tipo no determinismo dos eventos naturais em um só ponto, significa que atirou fora toda a

Weltanschauung da ciência. A própria Weltanschauung da religião, podemos lembrar-lhe, se

comporta de maneira mais coerente, porque dá explícita garantia de que nenhum pardal cai do

telhado sem a vontade de Deus. Penso que nosso amigo hesitará em tirar a conclusão lógica

dessa primeira resposta; mudará de opinião e dirá que, afinal, quando vir a estudar essas coisas,

poderá encontrar explicações para elas. O que está em questão são pequenas falhas no

funcionamento, imperfeições na atividade mental, cujos determinantes podem ser especificados.

Um homem que em geral consegue falar corretamente, pode cometer um lapso de língua (1) se

está ligeiramente indisposto e cansado, (2) se está excitado e ( 3 ) se está excessivamente

ocupado com outras coisas. É fácil comprovar essas afirmações. Os lapsos de língua realmente

acontecem com especial freqüência quando se está cansado, quando se tem dor de cabeça ou

quando se está ameaçado de enxaqueca. Nas mesmas circunstâncias, os nomes próprios são

esquecidos com facilidade. Algumas pessoas estão acostumadas a reconhecer a aproximação de

um ataque de enxaqueca quando nomes próprios lhes escapam dessa forma . Quando estamos

excitados, também, amiúde cometemos erros com palavras - assim como com coisas, e segue-se

um „ato descuidado‟. Intenções são esquecidas e numerosos outros atos não premeditados se

tornam perceptíveis se estamos distraídos - isto é, propriamente falando, se estamos concentrados

em alguma coisa. Um conhecido exemplo de tal distração é o professor em Fliegende Blätter, que

perde seu guarda-chuva e pega o chapéu errado porque está pensando nos problemas que terá de

abordar no livro seguinte. Todos nós podemos recordar, de nossa própria experiência, exemplos

de como nos é possível esquecer intenções que tivemos e promessas que fizemos, por termos

nesse entremeio passado por alguma experiência absorvente.

Tal coisa soa bastante razoável e parece não ser passível de contradição, embora possa

afigurar-se não muito interessante, talvez, e não ser o que esperávamos. Vejamos mais de perto

essas explicações sobre parapraxias. As supostas precondições para a ocorrência desses

fenômenos não são todas da mesma espécie. Estar doente e ter distúrbios de circulação fornecem

um motivo fisiológico de deterioração do funcionamento normal; a excitação, a fadiga e a distração

são fatores de outra espécie que poderiam ser descritos como psicofisiológicos. Esses últimos

comportam fácil tradução para a teoria. Tanto a fadiga como a distração e, talvez, também a

excitação geral realizam uma divisão da atenção, que pode resultar em que seja dirigida atenção

insuficiente para a função em apreço. Nesse caso, a função pode ser perturbada com especial

facilidade ou executada com descuido. Uma ligeira doença ou mudanças no suprimento sangüíneo

ao órgão nervoso central podem ter o mesmo efeito, influenciando de modo similar o fator

determinante, a divisão da atenção. Em todos esses casos, portanto, seria uma questão de efeito

de um distúrbio da atenção, de causas orgânicas ou físicas.

Isso parece não prometer muito ao nosso interesse psicanalítico. Poderíamos sentir-nos

tentados a abandonar o tema. Se, no entanto, examinarmos as observações mais atentamente, o

que vemos não se harmoniza inteiramente com essa teoria da atenção das parapraxias, ou, pelo

menos, naturalmente não se regula por ela. Descobrimos que as parapraxias desse tipo e o

esquecimento dessa espécie ocorrem em pessoas que não estão fatigadas ou distraídas ou

excitadas, mas que estão, sob todos os aspectos, em seu estado normal - a menos que decidamos

atribuir ex post facto às pessoas em questão, puramente por conta de suas parapraxias, uma

excitação que, entretanto, elas mesmas não comportam. Nem pode, simplesmente, tratar-se do

caso de uma função ser garantida através de um incremento da atenção dirigida a ela, e ser

comprometida se essa atenção é reduzida. Há grande número de ações efetuadas de forma

puramente automática, com muito pouca atenção, não obstante com total segurança. Um

caminhante, que mal sabe aonde está indo, mantém-se no caminho certo, malgrado isso, e pára

em seu destino sem se haver perdido [vergangen]. Ora, em todos os casos, isso é como uma

regra. Um exímio pianista toca as teclas certas, sem pensar. Pode naturalmente cometer um erro

ocasional; porém, se o tocar automático aumentasse o risco de errar, esse risco seria máximo para

um virtuose, cuja forma de tocar, em conseqüência de prolongada prática, se tornou inteiramente

automática. Sabemos, pelo contrário, que muitas ações são efetuadas com um grau de precisão

muito especial se não são objeto de um nível especialmente elevado de atenção, e que o infortúnio

de uma parapraxia está fadado a ocorrer precisamente quando se atribui importância especial ao

funcionamento correto, portanto deveras sem que houvesse distração da atenção necessária.

Poder-se-ia argüir que isso é o resultado da „excitação‟, porém é difícil enxergar por que a

excitação não deveria, inversamente, aumentar a atenção dirigida para aquilo que tão

intensamente é desejado. Se, por um lapso de língua, alguém diz o oposto do que pretende, em

um importante discurso ou comunicação oral, dificilmente isso pode ser explicado pela teoria

psicofisiológica ou da atenção.

Existem, ademais, numerosos pequenos fenômenos secundários no caso das parapraxias,

os quais não compreendemos e a cujo respeito as explicações dadas até agora não trouxeram

nenhuma luz. Por exemplo, se temporariamente esquecemos um nome, aborrecemo-nos com isso,

fazemos tudo para recordá-lo e não podemos nos resignar. Por que, nesses casos, é tão

extremamente raro lograrmos orientar nossa atenção, pois enfim estamos ansiosos por fazê-lo, à

palavra que (como dizemos) está „na ponta da língua‟ e que reconhecemos de pronto quando é

dita para nós? Ou ainda: há casos em que as parapraxias se multiplicam, formam cadeias e se

substituem umas às outras. Numa primeira ocasião alguém perdeu um compromisso. Na ocasião

seguinte, quando se decidiu firmemente não esquecer desta vez, verifica-se que se faz anotação

da hora errada. Ou tenta-se chegar, por vias indiretas, a uma palavra esquecida, e nisso escapa

uma segunda palavra que poderia ter ajudado a encontrar a primeira. Procurando-se por essa

segunda palavra, uma terceira desaparece, e assim por diante. Como bem se sabe, o mesmo

acontece com os erros de impressão, que devem ser considerados as parapraxias do compositor.

Um teimoso erro de impressão dessa espécie, segundo se conta, certa vez esgueirou-se para

dentro de um jornal social-democrata. A notícia que dava de uma cerimônia incluía as palavras:

„Entre os que estavam presentes, podia-se notar Sua Alteza o Kornprinz.„ No dia seguinte, fez-se

uma tentativa de correção. O jornal pedia desculpas e dizia: „Devíamos, naturalmente, ter dito “o

Knorprinz”.‟ Em tais casos, as pessoas falam de um „demônio dos erros de impressão‟ ou um

„demônio da composição tipográfica‟ - expressões que, pelo menos, vão além de qualquer teoria

psicofisiológica dos erros de impressão.

Talvez lhes seja também conhecido o fato de ser possível provocar lapsos de língua,

produzi-los, digamos assim, por sugestão. Uma anedota ilustra esse fato. Tinha sido confiado a um

estreante dos palcos o importante papel, em Die Jungfrau von Orleans [de Schiller], do mensageiro

que anuncia ao rei de „der Connétable schickt sein Schwert zurück [o Condestável devolve sua

espada]‟. Um primeiro ator divertia-se, durante os ensaios, com induzir repetidamente o nervoso

jovem a dizer, em vez das palavras do texto: „der Komfortabel schickt sein Pferd zurück [o cocheiro

devolve seu cavalo]‟. Conseguiu seu intento: o desventurado principiante realmente fez sua estréia

na representação com a versão corrompida, apesar de haver sido admoestado de não fazê-lo, ou,

talvez, porque tenha sido admoestado.

Nenhuma luz é lançada sobre esses pequenos aspectos das parapraxias com a teoria da

falta de atenção. Porém, não significa necessariamente que a teoria seja errônea, em face dessa

explicação; ela simplesmente pode estar carecendo de algo, de algum acréscimo, para que venha

a ser completamente satisfatória. Contudo, algumas das parapraxias também podem ser

consideradas por outro prisma.

Tomemos os lapsos de língua como o tipo de parapraxia mais adequado a nossos

propósitos - embora pudéssemos igualmente ter escolhido lapsos de escrita ou lapsos de leitura.

Devemos ter em mente que, até aqui, apenas perguntamos quando - sob que condições - as

pessoas cometem lapsos de língua, e apenas para essa pergunta tivemos uma resposta.

Poderíamos, porém, dirigir nosso interesse para outro aspecto e indagar por que razão o erro

ocorreu dessa determinada forma e não de outra; e poderíamos considerar o que é que emerge no

lapso propriamente dito. Os senhores observarão que, enquanto essa pergunta não for respondida

e nada for respondido e nada for elucidado sobre o lapso, o fenômeno permanece como evento

casual, do ponto de vista psicológico, embora dele se tenha dado uma explicação fisiológica. Se eu

cometesse um lapso de língua, poderia obviamente fazê-lo em número infinito de formas, a palavra

certa poderia ser substituída por alguma palavra entre milhares de outras, ser distorcida em

incontáveis direções diferentes. Existe, pois, algo que, no caso particular, me compele a cometer o

lapso de uma determinada forma; ou isso continua sendo uma questão de acaso, de escolha

arbitrária, e se trata, talvez, de uma pergunta a que não se pode dar qualquer resposta sensata?

Dois escritores, Meringer e Mayer (um, filólogo, o outro, psiquiatra), de fato tentaram, em

1895, atacar o problema das parapraxias por esse ângulo. Coligiram exemplos e começaram por

abordá-los de maneira puramente descritiva. Isso, naturalmente, até aqui não oferece nenhuma

explicação, embora possa preparar o caminho para alguma. Distinguem os diversos tipos de

distorções que o lapso impõe ao discurso pretendido, como „transposições‟, „pré-sonâncias

[antecipações]‟, „pós-sonâncias [perseverações]‟, „fusões (contaminações)‟ e „substituições‟. Eu

lhes darei alguns exemplos desses principais grupos propostos pelos autores. Um exemplo de

transposição seria dizer „a Milo de Vênus„ em vez de „a Vênus de Milo‟ (transposição da ordem das

palavras); um exemplo de pré-sonância [antecipação] seria: „es war mir auf der Schwest… auf der

Brust so schwer‟; e uma pós-sonância [perseveração] seria exemplificada pelo conhecido brinde

que saiu errado: „Ich fordere Sie auf, auf das Wohl unseres Chefs aufzustossen‟ [em vez de

„anzustossen‟]. Essas três formas de lapso de língua não são propriamente comuns. Os senhores

encontrarão exemplos muito mais numerosos, nos quais o lapso resulta de contração ou fusão.

Assim, por exemplo, um cavalheiro dirige-se a uma senhora na rua com as seguintes palavras: „Se

me permite, senhora, gostaria de a begleit-digen.„ A palavra composta que se juntou a „begleiten

[acompanhar]‟ evidentemente escondeu em si „beleidigen [insultar]‟. (Diga-se de passagem, o

jovem provavelmente não teve muito êxito com a senhora.) Como exemplo de substituição,

Meringer e Mayer citam o caso de alguém que diz: „Ich gebe die Präparate in den Briefkasten‟ em

vez de „Brütkasten‟.

A explicação em que esses autores tentaram basear sua coleção de exemplos, é

especialmente inadequada. Acreditam que os sons e as sílabas de uma palavra têm uma „valência‟

determinada, e que a inervação de um elemento de alta valência pode exercer uma influência

perturbadora em outro de menor valência. Com isso, estão evidentemente se baseando nos raros

casos de pré-sonância e pós-sonância; essas preferências de uns sons a outros (se é que de fato

existem) podem não ter absolutamente qualquer relação com outros casos de lapsos de língua.

Afinal, os lapsos de língua mais comuns ocorrem quando, em vez de dizermos uma palavra,

dizemos uma outra muito semelhante; e essa semelhança é, para muitos, explicação suficiente de

tais lapsos. Por exemplo, um professor declarou em sua aula inaugural: „Não estou „geneigt

[inclinado]‟ (em vez de „geeignet [qualificado]‟) a valorizar os serviços de meu mui estimado

predecessor.‟ Ou então, outro professor observava: „No caso dos órgãos genitais femininos, apesar

de muitas Versuchungen [tentações] - me desculpem, Versuche [tentativas] ….‟

O tipo mais comum e, ao mesmo tempo, mais notável de lapsos de língua, no entanto, são

aqueles em que se diz justamente o oposto do que se pretendia dizer. Aqui, naturalmente, estamos

muito longe de relações entre sons e os efeitos de semelhança; e, em vez disso, podemos apelar

para o fato de que os contrários têm um forte parentesco conceitual uns com os outros e mantêm

entre si uma associação psicológica especialmente próxima. Há exemplos históricos de tais

ocorrências. Um presidente da câmara dos deputados de nosso parlamento certa vez abriu a

sessão com as palavras: „Senhores, observo que está presente a totalidade dos membros, e por

isso declaro a sessão encerrada.‟

Qualquer outra associação conhecida pode atuar da mesma forma insidiosa, como um

contrário, e emergir em circunstâncias bastante inadequadas. Assim, conta-se que, por ocasião de

uma celebração em honra do casamento de um filho de Hermann von Helmholtz com uma filha de

Werner von Siemens, o conhecido inventor e industrial, a incumbência de saudar à felicidade do

jovem par coube ao famoso fisiologista Du Bois-Reymond. Sem dúvida, este fez um discurso

brilhante, porém encerrou com as palavras: „Portanto, longa vida à nova firma Siemens e Haeske!‟

Essa era, naturalmente, a denominação da antiga firma. A justaposição dos dois nomes deve ter

sido tão familiar a um berlinense como Fortnum e Mason o seria a um londrino.

Devemos, portanto, incluir entre as causas das parapraxias não apenas relações entre

sons e semelhança verbal, como também a influência das associações de palavras. Isso, porém,

não é tudo. Em numerosos casos, parece impossível explicar um lapso de língua, a não ser que

levemos em conta algo que tinha sido dito, ou mesmo simplesmente pensado, em uma frase

anterior. De novo temos aqui um caso de perseveração, como aqueles em que insistia Meringer,

porém de origem mais remota. Devo confessar que sinto, na totalidade, como se estivéssemos

mais longe do que nunca de compreender os lapsos de língua.

Não obstante, espero não estar equivocado ao dizer que, durante essa última pesquisa,

todos nós tivemos uma nova impressão desses exemplos de lapsos de língua, e que pode valer a

pena considerar um pouco mais detidamente essa impressão. Examinamos as condições sob as

quais em geral os lapsos de língua ocorrem, e, depois, as influências que determinam o tipo de

distorção produzida pelo lapso. Até agora, no entanto, não dedicamos nada de nossa atenção ao

produto do lapso considerado em si mesmo, sem referência à sua origem. Se decidimos fazê-lo,

não podemos deixar de encontrar, no final, coragem para dizer que, em alguns exemplos, aquilo

que resulta do lapso de língua tem um sentido próprio. O que queremos dizer com „tem um

sentido‟? Que o produto do lapso de língua pode, talvez, ele próprio ter o direito de ser considerado

como ato psíquico inteiramente válido, que persegue um objetivo próprio, como uma afirmação que

tem seu conteúdo e seu significado. Até aqui temos sempre falado em „parapraxias [atos falhos]‟,

porém agora é como se às vezes o ato falho fosse, ele mesmo, um ato bastante normal, que

simplesmente tomou o lugar de outro, que era o ato que se esperava ou desejava.

O fato de a parapraxia ter um sentido próprio parece, em determinados casos, evidente e

inequívoco. Quando o presidente da câmara dos deputados, com suas primeiras palavras,

encerrou a sessão em vez de abri-la, sentimo-nos inclinados, em vista de nosso conhecimento das

circunstâncias em que o lapso de língua ocorreu, a reconhecer que a parapraxia tem um sentido. O

presidente não esperava nada de bom da sessão e ficaria satisfeito se pudesse dar-lhe um fim

imediato. Não temos qualquer dificuldade em chamar a atenção para o sentido desse lapso de

língua, ou, por outras palavras, de interpretá-lo. Ou, então suponhamos que uma mulher diga a

outra, em tom de aparente admiração: „Esse lindo chapéu novo, suponho que você mesma o

aufgepatzt [palavra não existente, em lugar de aufgeputzt (enfeitou)], não?‟ Ora, não existe decoro

científico que possa impedir-nos de ver por trás desse lapso de língua as palavras: „Esse chapéu é

uma Patzerei [droga].‟ Ou, noutro caso, contam-nos que uma senhora, conhecida por seus modos

enérgicos, certa ocasião observava: „Meu marido perguntou a seu médico qual dieta devia seguir;

mas o médico lhe disse que não precisava de dieta: ele podia comer e beber o que eu quero.‟

Também nesse caso o lapso de língua tem seu inconfundível outro lado: estava expressando um

programa coerentemente planejado.

Se viesse a acontecer, senhoras e senhores, que tivessem um sentido não apenas alguns

exemplos de lapsos de língua e de parapraxias em geral, mas considerável número deles, o

sentido das parapraxias, do qual até agora nada ouvimos, se tornaria seu aspecto mais importante

e deslocaria qualquer outra consideração para um plano secundário. Poderíamos, então, pôr de

lado todos os fatores fisiológicos e psicofisiológicos e dedicar-nos à investigação exclusivamente

psicológica do sentido - isto é, da significação ou do propósito - das parapraxias. Por conseguinte,

nos ocuparemos em testar essa hipótese em grande número de observações.

Antes, porém, de levar a cabo essa intenção, gostaria de convidá-los a seguir-me ao longo

de outra pista. Repetidamente tem acontecido haver um escritor criativo feito uso de um lapso de

língua ou de alguma outra parapraxia como meio de produzir um efeito pleno de imaginação. Esse

fato isoladamente deve demonstrar-nos que ele considera a parapraxia - o lapso de língua, por

exemplo - como possuidora de um sentido, de vez que a produziu deliberadamente. Pois o que

sucedeu não foi o autor ter cometido um lapso de escrita acidental e, assim, permitido o uso do

mesmo por um de seus personagens, na qualidade de lapso de língua; ele tenciona trazer algo à

nossa atenção mediante o lapso de língua, e podemos indagar sobre que algo é esse, se talvez

queira sugerir que o personagem em questão esteja distraído e fatigado, ou esteja prestes a ter um

ataque de enxaqueca. Se o autor emprega o lapso como se este tivesse um sentido, nós,

naturalmente, não temos vontade de exagerar a importância disso. Afinal, um lapso poderia

realmente não ter sentido, ser um evento psíquico casual ou poderia ter um sentido apenas em

casos bastante raros; contudo, ainda assim o autor teria o direito de intelectualizá-lo fornecendo a

ele um sentido, a fim de empregá-lo segundo suas finalidades próprias. E não seria de surpreender

se tivéssemos mais a aprender sobre lapsos de língua com escritores criativos, do que com

filólogos e psiquiatras.

Um exemplo desse tipo pode ser encontrado em Wallenstein (Piccolomini Ato I, Cena 5),

[de Schiller]. Na cena anterior, Max Piccolomini esposou ardentemente a causa do Duque [de

Wallenstein] e esteve descrevendo apaixonadamente os benefícios da paz, dos quais se tornou

cônscio no decurso de uma viagem enquanto acompanhava a filha de Wallenstein ao campo.

Quando ele deixa o palco, seu pai [Octavio] e Questenbergs, o emissário da Corte, estão

mergulhados em consternação. A Cena 5 continua:

QUESTENBERG Ai de mim! e continua assim?Como, amigo! deixamo-lo partirNeste delírio

- deixá-lo partir?Não chamá-lo de volta imediatamente,[não abrirSeus olhos, sem perda de tempo?

OCTAVIO (saindo de uma meditação profunda)

Ele vem de abrir meus olhos,E enxergo mais do que me apraz.

QUEST. Que é isso?

OCT. Amaldiçoem essa viagem!

QUEST. Mas, por quê? Que se passa?

OCT. Vem, vamos juntos, amigos! Preciso seguirA execrável rota, imediatamente. Meus

olhosAgora estão abertos, e devo usá-los. Vem!(Atrai Q. e o leva consigo.)

QUEST. Que está havendo? Aonde vais, então!?

OCT. Até ela…

QUEST. Até -

OCT. (corrigindo-se.) Até o Duque. Vem, partamos.[Conforme a tradução inglesa de

Coleridge.]

Otávio quis dizer „até ele‟, ao Duque. Comete, porém, um lapso de língua e, dizendo „até lá‟

ao menos revela a nós que reconheceu claramente a influência que o jovem guerreiro causou em

um entusiasta da paz.

Um exemplo ainda mais impressionante foi descoberto por Otto Rank [1910a] em

Shakespeare. Está em O Mercador de Veneza, na famosa cena em que o venturoso amante

escolhe entre os três cofres… e talvez o melhor é ler para os senhores a breve descrição de Rank:

„Um lapso de língua ocorre em O Mercador de Veneza, de Shakespeare (Ato III, Cena 2) e

é, do ponto de vista dramático, causado de maneira extremamente sutil e empregado com técnica

brilhante. Semelhante ao lapso existente em Wallenstein, para o qual Freud chamou a atenção,

mostra que os dramaturgos possuem uma clara compreensão do mecanismo e do significado

desse tipo de parapraxia, e supõem que o mesmo seja verdadeiro para sua platéia. Pórcia, que,

por vontade de seu pai, teve de escolher um marido por sorteio, escapou, até então, de todos os

seus indesejados pretendentes por um feliz acaso. Tendo enfim encontrado em Bassanio o

pretendente de sua preferência, tem motivos para temer que também ele venha a escolher o cofre

errado. Ela desejaria muito dizer-lhe que, mesmo assim, ele poderia ter certeza de seu amor;

porém isso lhe é vedado em virtude do juramento. Nesse conflito íntimo, o poeta faz com que ela

diga ao pretendente preferido:

Por favor, não vos apresseis; esperai um ou dois dias antes de consultar a sorte, pois, se

escolherdes mal, perco vossa companhia; assim, pois, aguardai um pouco. Alguma coisa me diz

(mas não é o amor) que não quereria perder-vos… Eu poderia ensinar-vos como escolher bem;

mas, então, seria perjura e não o serei jamais. Podeis, pois, fracassar; porém, se fracassardes,

far-me-eis deplorar não haver cometido o pecado de perjúrio. Malditos sejam vossos

olhos!Encantaram-me e partiram-me em duas partes: uma é vossa e outra é meia vossa; quero

dizer, minha; mas, sendo minha, é vossa e, desse modo, sou toda vossa.

A coisa da qual ela desejava dar a ele apenas um indício muito sutil, porque devia

escondê-la dele de qualquer maneira, ou seja, que ela, mesmo antes de ele fazer a escolha, era

inteiramente dele e o amava - é precisamente isso que o poeta, com uma maravilhosa

sensibilidade psicológica, faz irromper abertamente em seu lapso de língua; e, com essa solução

artística, logra aliviar tanto a incerteza intolerável do amante como o suspense do compreensivo

auditório diante do resultado de sua escolha.‟

Observem também com que habilidade Pórcia, no fim, reconcilia as duas afirmações

contidas em seu lapso de língua, como resolve a contradição entre elas e como, finalmente, mostra

ser o lapso o que estava correto:

„Mas, sendo minha, é vossae desse modo, sou toda vossa.‟

Ocasionalmente tem acontecido que um pensador, cuja atividade se situa fora da

medicina, haja revelado, por algo que falou, o sentido de uma parapraxia, e se tenha antecipado a

nossos esforços de explicá-la. Os senhores, todos, ouviram falar no espirituoso satirista

Lichtenberg (1742-99), de quem Goethe disse: „Onde ele faz uma pilhéria, se esconde um

problema.‟ Às vezes, a pilhéria também traz à luz a solução do problema. Nos Witzige und

Satirische Einfälle [Witty and Satirical Thoughts, 1853], de Lichtenberg, encontramos o seguinte:

„Ele tanto leu Homero, que sempre lia “Agamemnon” em vez de “angenommen [suposto]”.‟ Aqui

temos toda a teoria dos lapsos de leitura.

Na próxima vez precisamos ver se podemos concordar com esses escritores em suas

opiniões.

CONFERÊNCIA III - PARAPRAXIAS (continuação)

SENHORAS E SENHORES:

Chegamos, na última vez, à idéia de considerar as parapraxias não em relação à desejada

função que elas perturbavam, mas à sua própria descrição; e tivemos a impressão de que, em

casos especiais, pareciam revelar um sentido próprio. Refletimos então que, se pudesse ser obtida

a confirmação, em uma escala mais ampla, de que as parapraxias têm um sentido, seu sentido

logo ficaria mais interessante que a investigação das circunstâncias em que ocorrem. Vamos, mais

uma vez, chegar a um acordo sobre o que se deve entender por „sentido‟ de processo psíquico.

Queremos dizer com isso tão-somente a intenção à qual serve e sua posição em uma continuidade

psíquica. Na maioria de nossas investigações podemos substituir „sentido‟ por „intenção‟ ou

„propósito‟. Tratava-se, então, simplesmente de uma ilusão enganadora ou de uma exaltação

poética das parapraxias quando pensamos reconhecer nelas uma intenção?

Continuaremos a tomar lapsos de língua como nossos exemplos. Se agora examinarmos

atentamente numerosas observações desse tipo, encontraremos categorias completas de casos

em que a intenção, o sentido, do lapso é inteiramente visível. Antes de tudo existem aqueles nos

quais o que se pretendia é substituído por seu contrário. O presidente da câmara dos deputados

[ver em [1]] disse, em seu discurso de abertura: „Declaro a sessão encerrada.‟ Isso não é nada

ambíguo. O sentido e intenção de seu lapso era encerrar a sessão. „Er sagt es ja selbst” é o que

estamos tentados a citar: é apenas uma questão de aceitar suas palavras. Não me interrompam

neste ponto, objetando que isso é impossível, que sabemos que ele não queria encerrar a sessão

e sim abri-la, e que ele mesmo, a quem nós reconhecemos como a única suprema corte de

apelação, poderia confirmar o fato de que queria abri-la. Os senhores estão se esquecendo de que

fizemos o acordo de começarmos considerando as parapraxias no que concerne à sua própria

descrição; sua relação com a intenção, que elas perturbaram, não será discutida senão mais

adiante. De outro modo, os senhores serão culpados de um erro de lógica, simplesmente por

fugirem do problema ora em exame - por algo que é chamado em inglês „begging the question‟.

Em outros casos, nos quais o lapso não expressa o exato contrário, não obstante um

sentido oposto pode ser expresso por ele. „Não estou geneigt [inclinado] a valorizar os serviços de

meu predecessor [ver em [1]]. Geneigt não é o contrário de geeignet [qualificado], mas exprime

claramente algo que contrasta nitidamente com a situação na qual o discurso devia ser feito.

Já em outros casos o lapso de língua apenas acrescenta um segundo sentido àquele que

se pretendia. A frase então soa como uma contração, uma abreviação ou condensação de

diversas frases. Assim, quando a enérgica senhora dizia: „Ele pode comer e beber o que eu quero‟

[ver em [1]], é bem como se ela tivesse dito: „Ele pode comer e beber o que ele quer; mas o que

ele tem a ver com querer? Eu é que quero em vez dele.‟ Um lapso de língua muitas vezes dá a

impressão de ser uma abreviação desse tipo. Por exemplo, um professor de anatomia, ao fim de

uma conferência sobre as cavidades nasais, perguntou se seu auditório havia compreendido o que

ele disse, e após geral assentimento prosseguiu: „Dificilmente posso acreditar nisso, pois, mesmo

em uma cidade com milhões de habitantes, aqueles que entendem das cavidades nasais podem

ser contados em um dedo… desculpem-me, nos dedos de uma mão.‟ A frase abreviada também

possui um sentido - a saber, que existe apenas uma pessoa que delas entende.

Contrastando com esses grupos de casos, nos quais a parapraxia por si mesma revela seu

sentido, existem outros em que a parapraxia não produz nada que tenha algum sentido próprio, e

que, por conseguinte, contrariam nitidamente nossas expectativas. Se alguém deturpa um nome

próprio através de um lapso de língua ou agrupa uma série anormal de sons, esses eventos muito

comuns, isoladamente considerados, parecem dar uma resposta negativa à nossa pergunta sobre

se todas as parapraxias têm alguma espécie de sentido. Um exame mais detido desses exemplos,

porém, mostra que essas distorções são facilmente compreendidas e que absolutamente não

existe diferença tão grande entre esses casos mais obscuros e os anteriores, mais claros.

Um homem, a quem se perguntou a respeito da saúde de seu cavalo, respondeu: „Bem,

ele draut [uma palavra sem sentido] … ele dauert [vai durar] mais um mês, talvez.‟ Quando lhe foi

perguntando o que realmente quis dizer, explicou haver pensado que isso era uma „traurige [triste]

história‟. A combinação de „dauert„ e „traurig„ produziu „draut„.

Outro homem, falando de uns acontecimentos que condenava, prosseguiu: „Mas então, os

fatos vieram a Vorschwein [palavra não existente, em vez de Vorschein (luz)]….‟ Respondendo a

indagações, confirmou o fato de que havia considerado essas ocorrências „Schweinereien

[„repugnantes‟, literalmente „porcarias‟]. „Vorschein„ e „Schweinereien„ combinaram-se para produzir

a estranha palavra „Vorschwein„.

Por certo recordam-se do caso do jovem senhor que perguntou à senhora desconhecida

se ele a podia „begleitdigen„ [ver em [1]]. Aventuramo-nos a dividir esta forma verbal em „begleiten

[acompanhar]‟ e „beleidigen [insultar]‟ e nos sentimos muito certos dessa interpretação, sem

precisarmos de qualquer confirmação. Os senhores verão, a partir desses exemplos, que mesmo

esses casos mais obscuros de lapsos de língua podem ser explicados por uma convergência, uma

interferência„ recíproca entre duas elocuções desejadas; as diferenças entre esses casos de

lapsos surgem meramente do fato de, em algumas ocasiões, uma intenção tomar completamente o

lugar da outra (uma substitui a outra), como nos lapsos de língua que exprimem o contrário; ao

passo que, em outras ocasiões, uma intenção se satisfaz distorcendo ou modificando a outra, de

modo que se produzem estruturas compostas, que fazem sentido, em maior ou menor grau, por

sua própria conta.

Parecemos agora haver desvendado o segredo de grande número de lapsos de língua. Se

retivermos na memória essa descoberta, seremos capazes de compreender também outros grupos

que até agora se constituíram em enigma para nós. Nos casos de distorção de nomes, por

exemplo, não podemos supor que se trate sempre de uma questão de competição entre dois

nomes semelhantes, mas diferentes. Não é difícil, no entanto, entrever a segunda intenção. A

distorção de um nome ocorre, muito freqüentemente, sem haver lapsos de língua; procura dar ao

nome um tom ofensivo ou fazê-lo soar como algo inferior, e é um costume conhecido (ou mau

costume) destinado a insultar, que as pessoas civilizadas cedo aprendem a abandonar, porém

relutam em abandonar. Muitas vezes ainda é permitida como brincadeira, embora brincadeira

pouco digna. Como exemplo notório e deselegante dessa forma de distorcer nomes, posso

mencionar que, nos dias atuais [da Primeira Guerra Mundial], o nome do presidente da República

Francesa, Poincaré, foi transformado em „Schweinskarré„. Portanto, é plausível supor que a mesma

intenção insultuosa esteja presente nesses lapsos de língua e procure encontrar expressão na

distorção de um nome. Explicações semelhantes acodem ao espírito, na mesma ordem de coisas,

quando se trata de certos exemplos de lapsos de língua com efeitos cômicos ou absurdos. „Eu os

convido a arrotar [aufzustossen] à saúde de nosso Chefe [ver em [1]].‟ Aqui, uma atmosfera de

cerimônia é inesperadamente perturbada pela intromissão de uma palavra que evoca uma idéia

condenável, e, à maneira de certas frases insultuosas e ofensivas, mal podemos evitar a suspeita

de que uma intenção procurava encontrar expressão e estava em violenta contradição com as

palavras ostensivamente respeitosas. O que o lapso de língua parece ter estado dizendo era mais

ou menos isto: „Não acreditem! Isso não é a sério. Pouco me importa esse sujeito!‟ Quase a

mesma coisa se aplica a lapsos de língua que transformam palavras inocentes em outras,

indecentes ou obscenas. Assim, „Apopos„ em vez de „à propos„, ou „Eischeissweibchen„ por

„Eiweissscheibchen„.Muitas pessoas, como sabemos, tiram alguma satisfação de um costume

como esse de distorcer deliberadamente palavras inocentes em obscenas; tais distorções são

vistas como engraçadas, e ao ouvirmos uma delas devemos, de fato, primeiro indagar do

interlocutor se a disse intencionalmente, como brincadeira, ou se ela ocorreu como lapso de língua.

Bem, está parecendo como se tivéssemos resolvido o problema das parapraxias, e com

bem pouca dificuldade! Não são eventos casuais, porém atos mentais sérios; têm um sentido;

surgem da ação concorrente - ou, talvez, da ação de mútua oposição - de duas intenções

diferentes. Agora, contudo, vejo também que os senhores estão se preparando para

apresentar-me uma avalanche de perguntas e de dúvidas, que terão de ser respondidas e

abordadas antes de podermos apreciar esse primeiro resultado de nosso trabalho. Certamente não

tenho qualquer desejo de forçar os senhores a decisões apressadas. Vamos tomá-las na devida

ordem, uma após outra e dedicar-lhes uma tranqüila atenção.

O que é que os senhores desejam perguntar-me? Penso eu que essa explicação se aplica

a todas as parapraxias ou apenas a determinado número delas? Pode este mesmo ponto de vista

ser estendido aos muitos outros tipos de parapraxias, aos lapsos de leitura, aos lapsos de escrita,

ao esquecimento, aos atos descuidados, aos extravios, e assim por diante? Em vista da natureza

psíquica das parapraxias, que significação resta aos fatores de fadiga, excitação, distração e

interferência na atenção? E mais, é claro que das duas intenções rivalizantes de uma parapraxia

uma delas sempre está manifesta, porém a outra, nem sempre. Que fazemos, então, para

descobrir essa outra? E, se pensamos tê-la descoberto, como provamos que se trata não apenas

de uma intenção provável, mas da única que é a correta para o caso? Existe algo mais que

desejam perguntar-me? Se não, vou prosseguir. Os senhores se lembrarão de que não damos

muito valor às parapraxias em si mesmas e tudo o que queremos é aprender, partindo de seu

estudo, algo que possa resultar em benefício da psicanálise. Por conseguinte, eu lhes apresento

esta questão. Que intenções ou que propósitos são esses, capazes de perturbar outros dessa

maneira? E quais são as relações entre as intenções que perturbam e as intenções que são

perturbadas? Logo, o problema não é resolvido, a menos que recomecemos nosso trabalho.

Assim, pois, em primeiro lugar, é essa a explicação para todos os casos de lapsos de

língua? Estou muito inclinado a pensar que sim e meu motivo é que, sempre ao se investigar um

exemplo de lapso de língua, surge uma explicação desse tipo. No entanto, realmente também não

há maneira de provar que um lapso de língua não possa ocorrer sem esse mecanismo. Pode ser

assim; mas, teoricamente, é uma questão sem interesse para nós, de vez que permanecem as

conclusões que desejamos tirar para nossa introdução à psicanálise, embora - este não é

certamente o caso - nossa opinião seja válida apenas para uma minoria dos casos de lapsos de

língua. À questão seguinte - saber se podemos estender a outros tipos de parapraxias nosso ponto

de vista - responderei de antemão com um „sim‟. Os senhores serão capazes de se convencer

disso ao virmos examinar exemplos de lapsos de escrita, de atos descuidados, e outros mais. Por

motivos técnicos, porém, sugiro que adiemos essa tarefa até havermos abordado os lapsos de

língua de forma ainda mais completa.

Exige-se uma resposta mais detalhada à pergunta sobre que significação resta aos fatores

postos em evidência pelos autores mencionados - distúrbios da circulação, fadiga, excitação,

distração e a teoria da perturbação da atenção - se aceitamos o mecanismo psíquico dos lapsos

de língua que descrevemos. Observem que não estamos negando esses fatores. Em geral não é

muito comum a psicanálise negar algo que outras pessoas afirmam; via de regra, ela apenas

acrescenta algo novo - embora, sem dúvida, vez e outra sucede esse algo, que até então foi

negligenciado e é agora apresentado como um acréscimo novo, ser de fato a essência do assunto.

A influência das condições fisiológicas sobre a produção dos lapsos de língua mediante uma ligeira

doença, distúrbios da circulação ou estados de exaustão deve ser reconhecida de imediato; a

experiência cotidiana e pessoal os convencerá disso. Mas, que pouca coisa elas explicam! Antes

de tudo, elas não são precondições necessárias das parapraxias. Lapsos de língua ocorrem, com

a mesma possibilidade, em perfeita saúde e em estado normal. Esses fatores somáticos, portanto,

apenas servem para facilitar e favorecer o especial mecanismo mental dos lapsos de língua. Certa

vez usei de uma analogia para descrever essa relação, e vou repeti-la aqui, porquanto posso supor

não haver outra melhor que a substitua. Suponhamos que, numa noite escura, eu fosse a um local

ermo e ali fosse atacado por um meliante, que carregasse com meu relógio e minha carteira. Como

não visse claramente o rosto do ladrão, faria minha queixa no posto policial mais próximo, com as

palavras: „Isolamento e escuridão roubaram meus pertences.‟ O funcionário da polícia poderia

então dizer-me: „Pelo que o senhor diz, parece estar adotando injustificadamente uma opinião

extremamente esquemática. Seria melhor apresentar os fatos assim: “Valendo-se da escuridão e

favorecido pelo isolamento do lugar, um ladrão desconhecido roubou os pertences do senhor.” Em

seu caso, me parece que a tarefa principal é que devemos encontrar o ladrão. Talvez, então,

sejamos capazes de recuperar o produto do roubo.‟

Esses fatores psicofisiológicos como a excitação, a distração e os distúrbios da atenção

muito pouco nos vão ajudar com vistas a uma explicação. Eles são apenas frases vazias, são

biombos atrás dos quais não devemos nos sentir impedidos de lançar um olhar. A pergunta deveria

ser: o que foi causado pela excitação, pela distração especial da atenção? Ademais, devemos

reconhecer a importância da influência dos sons, da semelhança das palavras e das associações

habituais suscitadas pelas palavras. Estas facilitam os lapsos de língua por apontarem os

caminhos que esses lapsos podem tomar. Contudo, se tenho um caminho aberto diante de mim,

esse fato automaticamente decide que eu o tomaria? Preciso de um motivo a mais, antes de me

resolver por ele e, além disso, de uma força que me impulsione pelo caminho. Assim, essas

relações de sons e palavras constituem também, do mesmo modo como as condições somáticas,

exclusivamente coisas que favorecem os lapsos de língua e não podem proporcionar a verdadeira

explicação para eles. Considerem apenas isso: em uma imensa quantidade de casos meu falar

não é perturbado pela circunstância de as palavras, que estou usando, lembrarem outras com som

semelhante, de serem intimamente vinculadas a seus contrários, ou de associações correntes

delas derivarem. E talvez pudéssemos encontrar uma saída acompanhando o filósofo Wundt,

quando diz que os lapsos de língua surgem se, em conseqüência de exaustão física, a tendência a

associar prevalece sobre aquilo que a pessoa tenciona dizer. Seria muito convincente se não fosse

contrariado pela experiência, que mostra que numa série de casos os fatores somáticos

facilitadores dos lapsos de língua estão ausentes, e que em outra série de casos os fatores

associativos, que os facilitam, estão igualmente ausentes.

Entretanto, estou particularmente interessado em sua pergunta seguinte: Como se

descobrem as duas intenções que se interferem mutuamente? Os senhores provavelmente não

percebem como é importante a pergunta. Uma das duas intenções, aquela que é perturbada,

naturalmente é inequívoca: a pessoa que comete o lapso de língua conhece-a e a admite. É

somente a outra, a intenção que perturba, que pode dar origem à dúvida e à hesitação. Ora, já

temos visto, e sem dúvida os senhores não o esqueceram, que em numerosos casos essa outra

intenção é igualmente evidente. É indicada pelo efeito do lapso, bastando que tenhamos a

coragem de reconhecer nesse efeito uma validade própria. Seja o caso do presidente da câmara

dos deputados, cujo lapso de língua disse o contrário do tencionado. E claro que desejava abrir a

sessão, porém é igualmente claro que também desejava encerrá-la. Isso é tão óbvio que não nos

deixa nada por interpretar. Nos outros casos, contudo, nos quais a intenção perturbadora apenas

distorce a intenção original sem que ela mesma consiga completa expressão, como é que, partindo

da distorção, chegamos à intenção perturbadora?

Em um primeiro grupo de casos, isso se faz de maneira bastante simples e segura - com

efeito, da mesma maneira como se tem a intenção perturbada. Fazemos o interlocutor dar-nos a

informação diretamente. Depois do lapso de língua, ele prontamente diz as palavras que

originalmente pretendia: „Draut… não, dauert [vai durar] mais um mês, talvez.‟ [ver em [1]]. Pois

bem, exatamente da mesma forma o fazemos dizer qual a intenção que perturba. „Por que‟, lhe

perguntamos, „o senhor disse “draut”?‟ Ele responde: „Eu queria dizer “É uma traurige [triste]

história”.‟ De maneira semelhante, em outro caso, em que o lapso de língua era „Vorschwein„ [ver

em [1]], a pessoa confirma o fato de que desejava inicialmente dizer „É uma Schweinerei

[porcaria]‟, porém se controlou e saiu-se com outro comentário. Aqui, pois, a intenção que distorce

fica estabelecida tão seguramente como aquela que foi distorcida. Minha escolha desses exemplos

não foi sem propósito, de vez que sua origem e sua solução não procedem nem de mim nem de

meus seguidores. E em ambos esses casos medidas ativas de alguma espécie foram necessárias

para se chegar à solução. Foi preciso perguntar ao orador por que cometera o lapso e o que

poderia dizer sobre o mesmo. De outro modo, seu lapso poderia ter-lhe passado despercebido,

sem desejar explicá-lo. Quando, porém, foi indagado a respeito, deu a explicação com a primeira

coisa que lhe ocorreu. E agora, por favor, observem que esse pequeno passo positivo e seu

resultado bem-sucedido já são uma psicanálise, e constituem um modelo para todas as

investigações psicanalíticas que empreenderemos daqui por diante.

Serei demais desconfiado, porém, se suspeito que, exatamente no momento em que a

psicanálise faz seu aparecimento perante os senhores, a resistência a ela desperta,

simultaneamente? Não se sentem os senhores inclinados a objetar que a informação dada pela

pessoa a quem foi feita a pergunta - a pessoa que cometeu o lapso de língua - não é totalmente

conclusiva? Ela estava naturalmente desejosa, pensam os senhores, de atender à solicitação de

explicar o lapso, e assim disse a primeira coisa que lhe veio à cabeça e que parecia capaz de

fornecer tal explicação. Isso, porém, não é nenhuma prova de que o lapso realmente ocorreu

dessa maneira. Pode ter sido assim; contudo, também pode ter sucedido de outra forma. E poderia

ter-lhe ocorrido mais alguma coisa, que seria também apropriada, ou talvez até mesmo mais bem

ajustada.

É estranho quão pouco respeito os senhores, no fundo, têm por um ato psíquico. Imaginem

que alguém tivesse empreendido a análise química de determinada substância e encontrado

determinado peso para um de seus componentes: tantos e tantos miligramas. Determinadas

inferências seriam deduzidas desse peso. Ora, supõem os senhores que alguma vez ocorreria a

um químico criticar essas inferências com base no fato de que a substância isolada poderia

igualmente ter tido algum outro peso? Todos se curvarão ante o fato de que o peso era esse e

nenhum outro, e confiantemente tirarão daí suas ulteriores conclusões. No entanto, quando os

senhores se defrontam com o fato psíquico de que determinada coisa ocorreu à mente da pessoa

interrogada, não querem admitir a validade do fato: alguma outra coisa poderia ter-lhe ocorrido! Os

senhores acalentam a ilusão de haver uma coisa como liberdade psíquica e não querem desistir

dela. Lamento dizer que discordo categoricamente dos senhores a este respeito.

Perante isso irão interromper-se, porém apenas para retomar sua resistência em outro

ponto. E prosseguirão: „Constitui técnica especial da psicanálise, segundo entendemos, tomarem

análise as próprias pessoas a fim de obter a solução de seus problemas. [ver em [1], adiante.]

Agora tomemos um novo exemplo: aquele em que um orador, convocando a um brinde de

homenagem numa ocasião de cerimônia, convidou seus ouvintes a arrotar [aufzustossen] à saúde

do chefe [ver em [1]].O senhor diz [ver em [1] e [2]] que a intenção perturbadora, nesse caso, era

uma intenção de insultar: era essa que estava opondo-se à expressão de respeito do orador. É,

contudo, mera interpretação da parte do senhor, baseada em observações não relacionadas com o

lapso de língua. Se, nesse exemplo, o senhor interrogasse a pessoa responsável pelo lapso, ela

não confirmaria a idéia do senhor, de que ela tencionava um insulto; ao contrário, ela repudiaria

isso energicamente. Por que, em face desse claro desmentido, não abandona sua improvável

interpretação?‟

Sim. Os senhores encontraram um argumento poderoso desta vez. Posso imaginar o

desconhecido proponente do brinde. Provavelmente é subordinado do chefe do departamento, a

quem está sendo feita a homenagem - talvez ele mesmo já seja professor-assistente, um homem

jovem, com excelentes projetos de vida. Procuro forçá-lo a admitir que ele pode, não obstante, ter

tido uma sensação de que nele havia algo se opondo ao brinde em honra do chefe. Entretanto,

isso me põe em maus lençóis. Ele fica impaciente e, de repente, irrompe: „Pare de querer me

interrogar, se não, vou ficar grosseiro. O senhor vai arruinar toda a minha carreira com suas

suspeitas. Apenas falei “aufstossen [arrotar]” em vez de “anstossen [brindar]”, porque antes disse

auf” duas vezes na mesma frase. É o que Meringer chama de perseveração e não há nada mais

para ser interpretado nisso. Está entendendo? Basta!„ - Hum! Que reação surpreendente - uma

negação realmente enérgica. Vejo que não há nada mais a tratar com o homem. Porém, também

constato que ele mostra intenso interesse pessoal em insistir em que sua parapraxia não tem um

sentido. Os senhores também podem sentir que existe algo de errado em ele ser assim tão rude

com uma indagação puramente teórica. Entretanto pensarão, depois de tudo dito e feito: ele deve

saber o que quis e o que não quis dizer.

Mas, será que sabe mesmo? Talvez seja essa ainda a questão.

Agora, porém, julgam que me têm à mercê dos senhores. „Então essa é sua técnica‟,

ouço-os dizer. „Quando alguém que cometeu um lapso de língua diz alguma coisa a respeito, que

satisfaz ao senhor, o senhor o declara autoridade decisiva e final no assunto. “É ele mesmo quem

diz! [ver em [1]]”. Quando o que ele diz não se ajusta ao livro do senhor, então tudo quanto o

senhor diz é que ele não tem importância - não há necessidade de acreditar nele.

Isso é bastante verdadeiro. Mas posso trazer-lhes um exemplo semelhante, no qual ocorre

o mesmo espantoso evento. Quando alguém, acusado de um delito, confessa ao juiz sua ação, o

juiz acredita em sua confissão; porém, se nega, o juiz não acredita nele. Se fosse de outra forma,

não haveria aplicação de justiça, e apesar de erros ocasionais devemos convir em que o sistema

funciona.

„O senhor é um juiz, então? E uma pessoa que cometeu um lapso de língua é trazida à sua

presença sob acusação? Quer dizer que cometer um lapso de língua é um delito, não é?‟

Talvez não precisemos rejeitar a comparação. Eu, contudo, pedir-lhes-ia observarem que

profundas diferenças de opinião atingimos após uma pequena investigação do que pareciam ser

esses inocentes problemas concernentes às parapraxias - diferenças que, no momento, não

vemos como atenuar. Proponho uma conciliação provisória, com base na analogia entre juiz e réu.

Penso que os senhores convirão comigo em que não pode haver dúvida de que a parapraxia tenha

um sentido, se a própria pessoa o admite. Em troca, eu vou convir em que não podemos chegar a

uma prova direta do suspeito sentido, se a pessoa nos recusa informações, e também,

naturalmente, se não está em condições de nos fornecer as informações. Portanto, como no caso

da aplicação da justiça, somos obrigados a voltar-nos para a prova circunstancial, que pode tornar

uma decisão mais fundamentada em alguns casos, e menos, em outros. Nos tribunais de justiça

pode ser necessário, por motivos práticos, considerar um réu culpado com base em provas

circunstanciais. Não temos necessidade disso; nem estamos, contudo, também obrigados a

prescindir de provas circunstanciais. Seria um erro supor que uma ciência consista inteiramente de

teses estritamente comprovadas, e seria injusto exigir isso. Somente uma pessoa inclinada a uma

paixão por autoridade fará essa exigência, alguém com um desejo insaciável de substituir seu

catecismo religioso por outro, embora científico. A ciência tem apenas algumas poucas

proposições apodícticas em seu catecismo: o resto são asserções promovidas por ela a um certo

grau de probabilidade. Atualmente, constitui sinal de modo científico de pensamento contentar-se

com essas aproximações da certeza e ser capaz de dedicar-se a um trabalho construtivo mais

além, apesar da ausência de confirmação final.

No entanto, se a pessoa mesma não nos dá a explicação do sentido de uma parapraxia,

onde iremos encontrar os pontos de partida para nossa interpretação - a prova circunstancial? Em

diversas direções. Em primeiro lugar, a partir de analogias com fenômenos outros que não as

parapraxias: quando, por exemplo, afirmamos que distorcer um nome, isso ocorrendo como lapso

de língua, tem o mesmo sentido insultuoso que a deturpação deliberada de um nome. Ademais,

também a partir da situação psíquica na qual ocorreu a parapraxia, do caráter da pessoa que

comete a parapraxia e das impressões que a pessoa recebeu antes da parapraxia e às quais a

parapraxia talvez seja uma reação. O que sucede, via de regra, é a interpretação ser efetuada

segundo princípios gerais: começar por onde existe apenas uma suspeita, uma hipótese de

interpretação; e então encontramos uma confirmação ao examinarmos a situação psíquica. Às

vezes, temos de esperar também por eventos subseqüentes (que, de certa maneira, se

anunciaram pela parapraxia) antes de nossa suspeita ser confirmada.

Não posso facilmente dar-lhes ilustrações desse aspecto se me limito ao campo dos

lapsos de língua, embora nele mesmo se possa encontrar alguns bons exemplos. O jovem senhor

que queria „begleitdigen„ uma senhora [ver em [1]] certamente era uma personalidade tímida. A

mulher, cujo marido podia comer e beber o que ela quisesse [ver em [1]], é o que eu conheço

como uma dessas enérgicas senhoras que mandam em casa. Ou, então, tomemos o seguinte

exemplo: Na assembléia geral do “Concordia” um jovem membro fez um discurso de violenta

oposição, no decorrer do qual se referiu à diretoria como „Vorschussmitglieder [membros do

empréstimo]‟, uma palavra que parece ter sido formada de „Vorstand [diretoria]‟ e „Ausschuss

[comissão]‟. Suspeitaremos de que alguma intenção perturbadora estivesse operando nele,

trabalhando contra sua violenta oposição, baseada em algo referente a um empréstimo. E com

efeito, soubemos de nosso informante que o orador estava constantemente em dificuldades

financeiras, e justamente nessa época se havia inscrito para um empréstimo. A intenção

perturbadora podia, por conseguinte, ser substituída pelo pensamento: „Modere sua posição, estas

são as mesmas pessoas que irão aprovar seu empréstimo.‟

Contudo, tenho condições de dar-lhes um extenso conjunto de provas circunstanciais

desse tipo se me desloco para o vasto campo das outras parapraxias.

Se alguém esquece um nome próprio que lhe é normalmente familiar, ou se, malgrado

todos os seus esforços, acha difícil lembrá-lo, é plausível supor que tenha algo contra a pessoa

que usa o nome, de modo que prefere não pensar nela. Considerem, por exemplo, o que

aprendemos sobre a situação psíquica em que ocorreu a parapraxia, nos casos que agora

examinaremos:

„Herr Y. apaixonou-se por uma senhora, porém não teve sucesso, e logo depois ela se

casou com Herr X. Depois disso, Herr Y., apesar de ter conhecido Herr X. por muito tempo e

mesmo ter assuntos de negócios com ele, esquecia seu nome repetidamente, de forma que por

diversas vezes tinha de perguntar a outras pessoas qual era o nome, quando precisava

corresponder-se com Herr X.‟ Herr Y. evidentemente nada queria saber de seu rival mais

afortunado: „jamais pensar sobre sua existência.‟

Ou esse outro: Uma senhora indagou a seu médico sobre notícias de uma conhecida de

ambos, porém mencionou-a por seu nome de solteira. Ela havia esquecido o nome de casada de

sua amiga. Admitiu, depois, que ficara muito desgostosa com o casamento e se antipatizava com o

marido de sua amiga.

Teremos muito a dizer sobre esquecimento de nomes em outros contextos [ver em [1] e

seg., adiante]; no momento interessa-nos principalmente a situação psíquica na qual ocorre o

esquecimento.

O esquecimento de intenções pode geralmente ser atribuído a uma corrente oposta de

pensamento, que reluta em executar a intenção. Essa opinião, porém, não é sustentada apenas

por nós, psicanalistas; é opinião geral, aceita por todos em sua vida diária e negada somente

quando se torna teoria. Um protetor que dá a seu protégé a desculpa de haver esquecido seu

pedido, não precisa justificar-se. O protégé logo pensa: Não significa nada para ele; é verdade que

prometeu, mas na realidade não quer fazê-lo. Por essa razão o esquecimento é interdito em certas

circunstâncias da vida comum; a diferença entre a opinião popular e a opinião psicanalítica acerca

dessas parapraxias parece haver desaparecido. Imaginem a dona da casa recebendo seu

convidado com as palavras: „O quê? O senhor veio hoje? Esqueci-me totalmente de havê-lo

convidado para hoje.‟ Ou imaginem um jovem senhor confessando a sua noiva que ele se

esqueceu de comparecer ao último encontro. Ele certamente não o confessará; preferirá inventar

de improviso os mais improváveis obstáculos que o impediram de comparecer a tempo e que,

depois, o impossibilitaram de avisá-la. Todos sabemos, também, que na vida militar a desculpa de

se haver esquecido algo, em nada ajuda, e não constitui proteção contra punição; e certamente

todos sentimos que essa conduta se justifica. Aqui de repente todos se unem no pensar que uma

determinada parapraxia tem um sentido e no saber que sentido é esse. Por que não são

suficientemente coerentes para estender seu conhecimento às outras parapraxias e admiti-las

plenamente? Para essa pergunta existe, naturalmente, também uma resposta.

Visto como os leigos têm tão poucas dúvidas sobre o sentido do esquecimento de

intenções, os senhores não ficarão nada surpresos ao encontrarem escritores empregando essa

espécie de parapraxia no mesmo sentido. Qualquer um dos senhores que tenha visto ou lido

Caesar and Cleopatra, de Bernard Shaw, se lembrará de que, na última cena, César, ao deixar o

Egito, é perseguido pela idéia de que há alguma coisa mais que tencionara fazer, porém esqueceu.

No fim, vem-se a saber o que era: esquecera-se de dizer adeus a Cleópatra. O dramaturgo,

mediante esse pequeno expediente engenhoso, procura atribuir ao grande César a superioridade

que, na realidade, ele não possui e que jamais desejou. Fontes históricas lhes contarão que César

fez Cleópatra acompanhá-lo a Roma, que ela vivia lá com seu pequeno Caesarion quando César

foi assassinado, e que ela logo depois fugiu da cidade.

Casos de esquecimento de uma intenção em geral são tão claros que não servem muito a

nosso objetivo obter a partir da situação psíquica uma prova circunstancial do sentido de uma

parapraxia. Voltemo-nos, portanto, para um tipo de parapraxia especialmente ambíguo e obscuro:

a perda e o extravio. Os senhores não terão dúvida em achar inacreditável que nós próprios

podemos desempenhar um papel intencional em coisa tão freqüente como o é o doloroso acidente

de perder algo. Existem, contudo, numerosas observações semelhantes à que se segue. Um

jovem senhor perdeu um lápis de grande valor estimativo para ele. No dia anterior recebera uma

carta de seu cunhado, a qual terminava com estas palavras: „Não tenho atualmente nem

disposição nem tempo para encorajá-lo em sua futilidade e preguiça.‟ O lápis, de fato, lhe fora

dado pelo mesmo cunhado. Sem essa coincidência não poderíamos, naturalmente, ter afirmado

que, nessa perda, um papel foi desempenhado pela intenção de se desfazer do objeto. Casos

semelhantes são muito comuns. Perdemos um objeto se nos desentendemos com a pessoa de

quem o ganhamos e não queremos nos lembrar dela; ou, então, se não gostamos mais do objeto

em si mesmo e queremos uma desculpa para conseguir um outro melhor em seu lugar. A mesma

intenção dirigida contra um objeto também, naturalmente, pode ter um desempenho nos casos de

deixar cair, de quebrar e de destruir coisas. Podemos considerar obra do acaso quando uma

criança em idade escolar, imediatamente antes do aniversário, estraga ou despedaça algum de

seus pertences pessoais como sua mochila ou seu relógio?

Sequer qualquer um que já tenha sofrido suficientes vezes o tormento de não poder

encontrar algo guardado por ele mesmo, se sentirá inclinado a acreditar que existe um objetivo em

extraviar coisas. Não são nada raros os casos em que as circunstâncias concomitantes do extravio

indicam uma intenção de se desfazer, temporária ou permanentemente, do objeto.

O que se segue talvez seja o melhor exemplo de tal situação. Um homem ainda bem

jovem contou-me o seguinte caso: „Há alguns anos havia desentendimentos entre mim e minha

esposa. Achava-a muito fria, e embora de bom grado reconhecesse suas excelentes qualidades,

convivíamos sem quaisquer sentimentos ternos. Um dia. voltando de uma caminhada, deu-me um

livro que havia comprado porque pensou que me interessaria. Agradeci-lhe esse gesto de

“atenção”, prometi ler o livro e o pus de parte. Depois disso jamais consegui encontrá-lo.

Passaram-se meses, durante os quais casualmente eu me lembrava do livro perdido e fazia vãs

tentativas de encontrá-lo. Uns seis meses mais tarde minha querida mãe, que não morava

conosco, caiu doente. Minha esposa deixou a casa para ir cuidar de sua sogra. A condição da

paciente agravou-se e deu à minha mulher uma oportunidade de revelar o melhor lado de si

mesma. Uma noite, eu regressava a casa cheio de entusiasmo e gratidão pelo que minha esposa

tinha realizado. Aproximei-me de minha escrivaninha, e, sem qualquer intenção definida, embora

com uma espécie de certeza de sonâmbulo, abri uma das gavetas. Ali, bem à vista, encontrei o

livro que há muito eu extraviara. Com a extinção do motivo o extravio do objeto também cessou.

Senhoras e senhores, poderia multiplicar indefinidamente essa coleção de exemplos; mas

não o farei, aqui. De qualquer forma os senhores encontrarão uma profusão de material para

estudo das parapraxias em Psychopathology of Everyday Life (publicado pela primeira vez em

1901). Todos esses exemplos conduzem ao mesmo resultado: indicam a probabilidade de as

parapraxias terem um sentido, e mostram aos senhores como esse sentido é descoberto ou

confirmado pelas circunstâncias concomitantes. Hoje serei mais breve, pois adotamos o objetivo

limitado de usar o estudo desses fenômenos como auxílio para uma preparação à psicanálise. Há

apenas dois grupos de observações nos quais preciso adentrar-me mais completamente neste

ponto: as parapraxias acumuladas e combinadas e a confirmação de nossas interpretações por

acontecimentos subseqüentes.

As parapraxias acumuladas e combinadas são, sem dúvida, a fina flor de sua espécie. Se

estivéssemos apenas interessados em provar que as parapraxias têm um sentido, nos teríamos

limitado a elas logo de saída, de vez que em seu caso o sentido é inconfundível até mesmo para

um pobre de espírito e se impõe ao julgamento mais crítico. Um acúmulo desses fenômenos revela

uma persistência que quase nunca constitui característica de eventos casuais, a qual, porém, se

ajusta muito bem a algo intencional. Finalmente, a permutabilidade recíproca entre diferentes

espécies de parapraxias demonstra que coisa na parapraxia é importante e característica: não é

sua forma nem o método que empregam, mas sim o propósito a que servem, possível de se atingir

das mais variadas formas. Por essa razão, fornecer-lhes-ei um exemplo de esquecimento repetido.

Ernest Jones [1911, 483] conta-nos que, por motivo que ele desconhece, certa vez deixou por

vários dias uma carta sobre sua escrivaninha. Por fim decidiu expedi-la; a carta, porém, retornou a

ele pelo Dead Letter Office pois havia se esquecido de sobrescritá-la. Depois de colocado o

endereço levou-a ao correio, mas desta vez ela não tinha selo. Então, por fim, foi obrigado a

admitir sua completa relutância em enviar a carta.

Em outro caso um ato descuidado aparece combinado com um exemplo de extravio. Uma

senhora viajou para Roma com seu cunhado, que era um artista famoso. O visitante foi recebido

com grandes honras pela comunidade alemã de Roma e, entre outros presentes, deram-lhe uma

antiga medalha de ouro. A senhora ficou agastada porque seu cunhado não apreciou

suficientemente o valioso objeto. Quando regressava a sua casa (o lugar onde estava, em Roma,

ficou ocupado por sua irmã), ao desfazer as malas ela descobriu que havia trazido a medalha

consigo; como, ela não sabia. Imediatamente enviou a seu cunhado uma carta com a notícia

informando que no dia seguinte devolveria para Roma o objeto que levara consigo. Porém no dia

imediato a medalha foi extraviada de forma tão astuta que não pôde ser encontrada e remetida; e

foi nesse ponto que a senhora começou a compreender o significado de sua distração: ela queria

guardar o objeto para si mesma.

Já lhes dei um exemplo de combinação de um esquecimento com um erro, o caso de

alguém que se esquece de um compromisso e, numa segunda ocasião, aparece na hora errada,

tendo antes decidido firmemente não esquecê-lo desta vez [ver em [1]]. Um caso exatamente

semelhante foi-me referido, de sua própria experiência, por um amigo que possui interesses

literários e científicos. „Há alguns anos‟, contou-me, „permiti que me elegessem para a diretoria de

certa sociedade literária, pois pensava que a organização algum dia pudesse ser capaz de me

ajudar a ter minha peça produzida; e embora sem muito interesse, participei regularmente das

reuniões que se realizavam todas as sextas-feiras. Há poucos meses deram-me a promessa de

uma produção no teatro de F.; e, desde então, tenho me esquecido regularmente das reuniões da

sociedade. Ao ler seu livro sobre o assunto senti-me envergonhado de minha negligência.

Reprovei-me com a idéia de que distanciar-me era uma conduta indigna de minha parte, de vez

que agora eu não estava precisando mais dessas pessoas, e resolvi a qualquer custo não me

esquecer da próxima sexta-feira. Persisti em lembrar-me dessa resolução até quando a pus em

execução e parei diante da porta da sala onde as reuniões se realizavam. Para minha surpresa,

estava fechada; a reunião havia terminado. Eu havia realmente cometido um engano quanto ao

dia; era sábado!‟

Seria adequado acrescentar outros exemplos semelhantes. Devo prosseguir, contudo, e

mostrar-lhes num relance os casos em que nossa interpretação tem de esperar pelo futuro para ser

confirmada. A condição dominante nesses casos, como se verificará, é que a situação psíquica

presente nos é desconhecida ou inacessível a nossas pesquisas. Nossa interpretação, por

conseguinte, não é mais que uma suspeita à qual nós próprios não atribuímos muita importância.

Mais tarde, no entanto, sucede algo que nos revela quão acertada fora nossa interpretação. Certa

vez fui hóspede de um jovem casal recém-casado e ouvi a jovem senhora descrever, com risos,

sua última experiência. No dia após o regresso da lua-de-mel, convidara sua irmã solteira para

acompanhá-la às compras, como costumava fazer, enquanto seu marido ia para o trabalho. De

repente, reparou em um cavalheiro no outro lado da rua, e, cutucando sua irmã, exclamou: „Olha,

aí vai Herr L.‟ Ela se havia esquecido de que esse cavalheiro era seu marido há algumas semanas.

Estremeci quando ouvi a história, contudo não ousei tirar uma conclusão. O pequeno incidente só

acudiu à minha memória alguns anos depois, quando o casamento havia chegado a um triste fim.

Maeder conta-nos de uma senhora que, na véspera de suas núpcias, se esquecera de

provar o vestido de casamento e, para desespero de seu costureiro, apenas se lembrou quando já

era tarde, à noite. Correlaciona essa negligência com o fato de que ela em breve se divorciava de

seu marido. Conheço uma senhora, atualmente divorciada de seu marido, a qual, ao tratar de

assuntos de dinheiro, freqüentemente assinava documentos com seu nome de solteira, muitos

anos antes de o reassumir de fato. - Sei de outras mulheres que perderam suas alianças de

casamento durante a lua-de-mel, e também que a história de seus casamentos conferiu um sentido

ao acidente. - E agora, eis mais um exemplo evidente, porém com um final mais feliz. Conta-se

essa história de um famoso químico alemão, cujo casamento não se realizou porque ele se

esqueceu da hora da cerimônia nupcial, tendo ido ao laboratório em vez de ir à igreja. Foi muito

prudente por se haver contentado com uma só tentativa; morreu em avançada idade, solteiro.

Talvez possa ter ocorrido aos senhores a idéia de que, nesses exemplos, as parapraxias

assumiram o lugar dos presságios ou dos augúrios dos antigos. E, com efeito, alguns presságios

nada mais eram que parapraxias, como, por exemplo, quando alguém tropeçava ou caía. Outros, é

verdade, tinham o caráter de acontecimentos objetivos e não de atos subjetivos. Os senhores,

contudo, dificilmente acreditariam quão difícil, às vezes, é decidir se determinado evento pertence

a um ou a outro grupo. Um ato muito amiúde sabe como se disfarçar como uma experiência

passiva.

Aqueles dentre nós que podem recordar uma experiência de vida comparativamente longa,

provavelmente admitirão que nos teríamos poupado muitos desapontamentos e surpresas

dolorosas se tivéssemos encontrado coragem e determinação para interpretar como augúrios

pequenas parapraxias experimentadas em nossos contatos humanos, e para fazer uso delas como

indícios de intenções que ainda estavam ocultas. Via de regra, não ousamos fazê-lo; isso nos

levaria a sentir-nos como se, após uma jornada através da ciência, estivéssemos ficando

supersticiosos novamente. Nem todos os augúrios se realizam e os senhores compreenderão, a

partir de nossas teorias, que nem todos precisam realizar-se.

CONFERÊNCIA IV - PARAPRAXIAS (conclusão)

SENHORAS E SENHORES:

Podemos considerar como resultado de nossos esforços até agora desenvolvidos e como

base de nossas ulteriores investigações o fato de as parapraxias terem um sentido. Permitam-me

mais uma vez insistir em que não estou afirmando - para nossos objetivos não há necessidade de

fazê-lo - que toda parapraxia que ocorre individualmente tem um sentido, embora eu pense que

provavelmente seja esse o caso. Já nos satisfaz mostrarmos esse sentido em um número

relativamente freqüente de diferentes formas de parapraxias. Ademais, a esse respeito as

diferentes formas aqui mencionadas se comportam de modo diverso. Casos de lapsos de língua e

de lapsos de escrita, e outros, podem ocorrer mediante uma causa puramente fisiológica. Não

posso acreditar que isso ocorra nos tipos que dependem de esquecimento (esquecimento de

nomes ou de intenções, extravios, etc.). É muito provável haver casos de perda que podem ser

considerados como não-intencionados. De um modo geral, é verdade que apenas uma parcela dos

erros que ocorrem na vida comum, pode ser julgada segundo nosso ponto de vista. Os senhores

devem ter em mente essas limitações quando, de ora em diante, dermos por estabelecido o fato de

que as parapraxias são atos psíquicos e surgem de mútua interferência entre duas intenções.

Esse é o primeiro produto da psicanálise. A psicologia, até o momento atual, nada sabia da

existência dessas interferências recíprocas ou da possibilidade de que pudessem resultar em tais

fenômenos. Ampliamos consideravelmente o mundo dos fenômenos psíquicos e conquistamos

para a psicologia fenômenos que anteriormente não eram nele incluídos.

Façamos uma pausa mais detida sobre a afirmação de que as parapraxias são „atos

psíquicos‟. Será que isso envolve uma coisa além daquilo que já dissemos: que elas possuem um

sentido? Penso que não. Penso, antes, que a afirmação anterior [de que são atos psíquicos] é

mais indefinida e mais facilmente passível de compreensão errônea. Tudo o que é observável na

vida mental pode ocasionalmente ser descrito como fenômeno mental. A questão, nesse caso, é

saber se o fenômeno mental específico teve origem imediata em influências somáticas, orgânicas e

materiais - e, assim, sua investigação não fará parte da psicologia - ou se ele, em primeira

instância, deriva de outros processos mentais, em alguma parte além daquela onde começa a

série das influências orgânicas. É essa última situação que temos em vista quando descrevemos

um fenômeno como processo mental, sendo por isso mais adequado encerrar nossa afirmação

desta forma: „o fenômeno tem um sentido‟. Por „sentido‟ entendemos „significação‟, „intenção‟,

„propósito‟ e „posição em um contexto psíquico contínuo‟. [ver em [1]]

Existem inúmeros outros fenômenos muito semelhantes às parapraxias; para eles, porém,

esse nome não mais se ajusta. Nós os denominamos ações casuais e ações sintomáticas. Estas

possuem igualmente a peculiaridade de não ter motivo, serem insignificantes e não importantes;

contudo, têm um acréscimo, explicitamente o de serem desnecessárias. Distinguem-se das

parapraxias porque lhes falta uma segunda intenção capaz de lhes fazer oposição e de ser

perturbada por elas. Por outro lado, elas se confundem insensivelmente com os gestos e

movimentos que consideramos expressões das emoções. Essas ações casuais incluem toda

classe de manipulações com nossas roupas ou com partes de nosso corpo ou com objetos ao

nosso alcance, executadas como que por brincadeira e aparentemente sem finalidade, e incluem,

ademais, a omissão dessas manipulações; ou, além disso, melodias que murmuramos para nós

mesmos. Penso que todos esses fenômenos têm um sentido e podem ser interpretados da mesma

forma como as parapraxias, que eles são pequenas indicações de processos mentais mais

importantes e atos psíquicos inteiramente válidos. Não me proponho, contudo, demorar-me sobre

essa recente expansão do campo dos fenômenos mentais; voltarei às parapraxias, em relação às

quais importantes problemas para a psicanálise podem ser equacionados com muito maior clareza.

Talvez sejam essas as questões mais interessantes que levantamos a respeito das

parapraxias e que ainda não foram respondidas. Dissemos serem as parapraxias o produto de

mútua interferência entre duas intenções diferentes, das quais uma pode ser chamada de intenção

perturbada e a outra, intenção perturbadora. As intenções perturbadas não ensejam outras

questões, porém no que se refere às intenções perturbadoras gostaríamos de saber: em primeiro

lugar, que espécie de intenções são essas capazes de perturbar outras, e, em segundo lugar, qual

é a relação das intenções perturbadoras com as perturbadas?

Se me permitem, mais uma vez tomarei lapsos de língua como representantes da classe

inteira, e responderei à segunda questão antes de responder à primeira.

Em um lapso de língua a intenção perturbadora pode, em seu conteúdo, custar relacionada

à intenção perturbada, caso em que ela a contradiz, corrige ou suplementa. Ou então - caso esse

mais obscuro e mais interessante - o conteúdo da intenção perturbadora pode não ter nada a ver

com o conteúdo da intenção perturbada.

Não teremos qualquer dificuldade em encontrar provas da relação citada em primeiro

lugar, em exemplos que já conhecemos e em outros parecidos. Em quase todos os casos nos

quais um lapso de língua inverte o sentido, a intenção perturbadora expressa o contrário da

intenção perturbada, e a parapraxia representa um conflito entre duas tendências incompatíveis.

„Declaro aberta a sessão, porém preferiria que já estivesse encerrada‟ é o sentido do lapso de

língua do presidente [ver em [1]]. Uma revista política, acusada de corrupção, se defende em um

artigo cujo clímax deveria ter sido: „Nossos leitores serão testemunhas do fato de que sempre

agimos da maneira mais desinteressada, pelo bem da comunidade.‟ O editor a quem fora confiada

a preparação do artigo, porém, escreveu „da maneira mais interesseira„. Quer dizer, ele estava

pensando: „Isso é o que estou obrigado a escrever; porém, tenho idéias diferentes.‟ Um membro do

parlamento [alemão], que insistia em que se devia dizer a verdade ao imperador „rückhaltlos [sem

reservas]‟, evidentemente ouviu uma voz interior, sobressaltada com sua ousadia e, por um lapso

de língua, mudou a palavra para „rückgratlos [sem espinha dorsal, sem coragem]‟.

Nos exemplos já conhecidos dos senhores, os quais dão uma impressão de serem

contrações ou abreviações, o que temos diante de nós são correções, acréscimos ou

continuações, por meio dos quais uma segunda intenção se faz sentir ao lado da primeira. „Os

fatos vieram a Vorschein [a luz] - melhor dizer de uma vez: eram Schweinereien [porcarias]; pois

bem, então os fatos vieram a Vorschwein [ver em [1]].‟ „Os que entendem disso podem ser

contados nos dedos de uma mão - não, existe realmente apenas uma pessoa que entende disso:

portanto, pode ser contada em um só dedo [ver em [1]].‟ Ou: „Meu marido pode comer e beber o

que quer. Mas, como sabem, eu não me submeto à sua vontade em nada, absolutamente; então:

ele pode comer e beber o que eu quero [ver em [1]].‟ Em todos esses casos o lapso de língua

surge, pois, do conteúdo da própria intenção perturbada ou está em conexão com ela.

A outra espécie de relação entre as duas intenções mutuamente interferentes parece

enigmática. Se a intenção perturbadora não tem nada a ver com a intenção perturbada, de onde

pode ter-se originado e por que se faz notar como uma perturbação nesse determinado ponto? A

observação, que por si só é capaz de dar-nos a resposta para isso, mostra que a perturbação

surge de uma seqüência de idéias que pouco antes se apossou da pessoa referida, e produz esse

efeito subseqüente havendo ou não já sido expressa no discurso. Portanto, na realidade deve ser

descrita como uma perseveração, embora não necessariamente como a perseveração das

palavras faladas. Também nesse caso está presente um elo associativo entre as intenções

perturbadora e perturbada, porém não é situado em seu conteúdo, e sim construído artificialmente,

muitas vezes através de vias associativas extremamente tortuosas.Aqui está um exemplo simples

desse aspecto, derivado de minha própria experiência. Certa vez encontrei nas aprazíveis

Dolomitas duas senhoras vienenses vestidas em trajes de passeio. Acompanhei-as parte do

caminho e conversamos sobre as delícias e, também, as atribulações de passar um feriado

daquela maneira. Uma das senhoras admitiu que passar assim o dia tinha como conseqüência

uma boa dose de desconforto. „Certamente, não é de todo agradável‟, dizia, „quando se esteve o

dia inteiro perambulando ao sol e transpirando até pela blusa e a camisa.‟ Nesta frase, ela teve de

vencer uma leve hesitação em determinado ponto. E prosseguiu: „Mas então, quando se vai “nach

Hose” e se pode mudar….‟ Esse lapso de língua não foi analisado, contudo espero que possam

compreendê-lo facilmente. A intenção da senhora fora obviamente a de dar uma lista mais

completa de suas roupas: blusa, camisa e Hose [calças]. Razões de decoro levaram-na a omitir

qualquer menção às „Hose„. Porém na frase seguinte, com seu conteúdo bastante independente, a

palavra não dita emergiu como uma distorção da outra de som semelhante, „nach Hause [para

casa]‟.

Agora, porém, podemos voltar à questão principal, que por muito tempo adiamos: que

espécie de intenções são essas, que encontram expressão nessa forma incomum como

perturbadoras de outras intenções? Bem, evidentemente elas são de espécies muito diferentes,

entre as quais devemos procurar o fator comum. Com isso em mente, se examinarmos

determinado número de exemplos, esses logo se enquadrarão em três grupos. O primeiro grupo

contém aqueles casos nos quais a intenção perturbadora é do conhecimento de quem fala e, além

disso, foi por este percebida antes de cometer o lapso de língua. Assim, no lapso do „Vorschwein

[ver em [1]] a pessoa que falava admitiu não somente haver feito o julgamento „Schweinereien‟/‟

sobre os fatos em questão, mas também admitiu que tivera a intenção, da qual depois recuou, de

expressar seu julgamento em palavras. Um segundo grupo é formado por outros casos nos quais a

intenção perturbadora é igualmente reconhecida como tal pela pessoa que fala; porém, nestes

casos, a pessoa não se apercebia de que a intenção estava atuando dentro dela tão logo acabou

de cometer o lapso. Desse modo, ela aceita nossa interpretação de seu lapso; ainda assim,

permanece surpresa com o mesmo. Exemplos desse tipo de atitude talvez possam ser

encontrados em outras espécies de parapraxias, mais facilmente do que nos lapsos de língua. Em

um terceiro grupo, a interpretação da intenção perturbadora é vigorosamente rejeitada por aquele

que incorreu no lapso; não apenas nega que essa intenção estava atuante nele antes de cometer o

lapso, mas procura sustentar a afirmação de que tal intenção lhe é inteiramente estranha.

Recordam-se do exemplo do „arroto‟ [ver em [1] e [2]] e da vigorosa contestação que me foi

apresentada pelo orador, pelo fato de eu revelar sua intenção perturbadora. Como os senhores

sabem, até agora, em nossas opiniões, ainda não chegamos a um acordo a respeito desses casos.

Eu não daria maior importância à contestação formulada pelo proponente do brinde e persistiria

serenamente em minha interpretação, ao passo que os senhores; suponho, ainda afetados pelo

protesto daqueles, levantam a questão de saber se não deveríamos desistir de interpretar

parapraxias dessa espécie e considerá-las como atos puramente fisiológicos, no sentido

pré-analítico. Bem posso imaginar que coisa os intimida. Minha interpretação abriga a hipótese de

que, quando uma pessoa fala, podem ser expressas intenções das quais ela própria nada sabe e

que eu, contudo, posso inferir a partir de provas circunstanciais. Os senhores se detêm ao arrostar

essa hipótese nova e momentosa. Posso entender isso e lhes dou razão nesse ponto. No entanto,

uma coisa é certa. Se os senhores querem aplicar coerentemente a compreensão das parapraxias,

confirmada por tantos exemplos, terão de se decidir a aceitar a estranha hipótese que mencionei.

Caso não possam fazê-lo, mais uma vez precisarão abandonar o entendimento das parapraxias,

que os senhores vêm de adquirir.

Consideremos, por um momento, que coisa é essa que une os três grupos, o que é aquilo

que os três mecanismos dos lapsos de língua têm em comum. Isso, felizmente, é um fato

inequívoco. Nos dois primeiros grupos, a intenção perturbadora é reconhecida pela pessoa que

comete o lapso; ademais, no primeiro grupo essa intenção se revela imediatamente antes do

lapso. Porém, em ambos os casos, ela é repelida. O orador decide não expressá-la verbalmente e,

após isso, ocorre o lapso de língua: após isso, quer dizer, que a intenção, que foi repelida, é

expressa em palavras, contra a vontade de quemfala, seja alterando a expressão da intenção

permitida, seja confundindo-se com essa expressão, ou realmente tomando seu lugar. Este é, pois,

o mecanismo do lapso de língua.

Em minha opinião, posso fazer com que aquilo que acontece no terceiro grupo se

harmonize completamente com o mecanismo que descrevi. Apenas tenho de supor ser o diferente

grau em que a intenção é repelida, aquilo que distingue esses três grupos um dos outros. No

primeiro grupo a intenção existe e se faz notar antes de o orador expressá-la; só então é rejeitada;

e faz sua desforra no lapso de língua. No segundo grupo a rejeição vai além: a intenção já deixou

de ser perceptível antes de a pessoa expressá-la no lapso. De modo muito estranho, isso

absolutamente não impede que ela tenha sua parte na causa do lapso. Essa conduta, porém, nos

facilita a explicação do que acontece no terceiro grupo. Eu me aventuraria a supor que uma

intenção também possa conseguir expressar-se em uma parapraxia quando foi repelida e não foi

percebida durante um tempo considerável, talvez por um tempo muito longo: e pode, por essa

razão, ser negada francamente pelo orador. Conquanto os senhores ponham de lado o problema

do terceiro grupo, não podem deixar de concluir, a partir das observações que fizemos nos outros

casos, que a supressão da intenção de alguém que fala, de dizer algo, é a condição indispensável

para que ocorra um lapso de língua.

Agora podemos pretender havermos feito maiores progressos em nossa compreensão das

parapraxias. Sabemos não apenas que elas são atos mentais nos quais podemos detectar sentido

e intenção, sabemos não apenas que acontecem por mútua interferência entre duas intenções

diferentes; porém, além disso, sabemos que uma dessas intenções deve ter sido, de alguma

forma, coagida a não ser posta em execução antes de poder manifestar-se como uma perturbação

da outra intenção. Deve ter sido perturbada, antes de poder ser um elemento perturbador. Isso não

significa, naturalmente, que já tenhamos conseguido uma completa explicação dos fenômenos que

denominamos parapraxias. Vemos aflorarem imediatamente novas interrogações, e geralmente

suspeitamos que, quanto mais se estende nossa compreensão, mais ocasiões haverá para

surgirem novas questões. Podemos perguntar, por exemplo, da razão por que as coisas não

poderiam ser mais simples. Se o propósito é repelir determinada intenção, em vez de colocá-la em

execução, o ato de repelir deveria ser bem-sucedido, de modo que a intenção absolutamente não

se manifestasse; ou, por outro lado, a repulsa poderia falhar, de forma que a intenção que devia ter

sido repelida se manifestaria completamente. As parapraxias, porém, são o resultado de um

acordo: constituem um meio-êxito e um meio-fracasso para cada uma das duas intenções; a

intenção que está sendo desafiada não é completamente suprimida, salvo em casos especiais,

nem é levada a cabo em sua íntegra. Podemos concluir que determinadas condições especiais

devem prevalecer para que uma interferência ou ajuste desse tipo aconteçam; no entanto, não

podemos formar nenhuma idéia sobre que condições são essas. E não penso que poderíamos

descobrir esses fatores desconhecidos penetrando mais a fundo no estudo das parapraxias. Será

necessário, isto sim, examinar primeiramente outras regiões obscuras da vida mental: somente a

partir das analogias que aí obtivermos, encontraremos a coragem de estabelecer as hipóteses

necessárias para lançar uma luz mais penetrante sobre as parapraxias. E acrescento mais uma

coisa. Trabalhar com base em pequenos indícios, como constantemente temos o hábito de fazer

nessa área, tem seus próprios perigos. Existe uma doença mental, a „paranóia combinatória‟, na

qual a exploração de pequenos indícios como esses é levada a graus ilimitados; e, naturalmente,

não pretendo afirmar que as conclusões construídas sobre tais fundamentos sejam

invariavelmente corretas. Podemos tão-somente nos precaver desses riscos pela ampla base de

nossas observações, pela repetição de impressões semelhantes originárias das mais variadas

esferas da vida mental.

Nesse ponto, portanto, vamos abandonar a análise das parapraxias. Existe, contudo, mais

um ponto para o qual chamaria a atenção dos senhores. Eu lhes pediria que fixassem na memória,

como um modelo, a maneira como temos tratado esses fenômenos. Os senhores podem aprender

desse exemplo quais os objetivos de nossa psicologia. Buscamos não apenas descrever e

classificar fenômenos, mas entendê-los como sinais de uma ação recíproca de forças na mente,

como manifestação de intenções com finalidade, trabalhando concorrentemente ou em oposição

recíproca. Interessa-nos uma visão dinâmica dos fenômenos mentais. Em nossa opinião, os

fenômenos que são percebidos devem ceder lugar, em importância, a tendências que são apenas

hipotéticas.

Por conseguinte, não nos aprofundaremos mais nas parapraxias; contudo, ainda podemos

realizar um rápido reconhecimento da extensão dessa área, no decorrer do qual mais uma vez

encontramos coisas que já conhecemos, mas que também revelarão algumas novidades. Nesse

reconhecimento, manterei a divisão em três grupos que propus inicialmente: lapsos de língua

reunidos, com suas formas cognatas (lapsos de escrita, lapsos de leitura e lapsos de audição);

esquecimento, subdividido segundo os objetos de esquecimento (nomes próprios, palavras

estrangeiras, intenções e impressões); e atos descuidados, extravio e perda. Os erros, no aspecto

que nos interessa, situam-se, em parte, entre os esquecimentos e, em parte, nos atos

descuidados.

Já abordamos bastante detalhadamente os lapsos de língua, contudo existem mais alguns

pontos a acrescentar. Os lapsos de língua são acompanhados por determinados fenômenos

emocionais menores, não de todo destituídos de interesse. Ninguém aprecia cometer lapsos de

língua e assiduamente deixamos de ouvir nossos próprios lapsos, embora jamais deixemos de

ouvir os de outras pessoas. Os lapsos de língua também são, em certo sentido, contagiosos;

absolutamente não é fácil falar sobre lapsos de língua sem cometer alguns lapsos de língua

próprios. As formas mais triviais desses lapsos, precisamente aquelas não consignadas a projetar

uma luz especial sobre os processos mentais ocultos, possuem razões que, não obstante, não são

difíceis de discernir. Por exemplo, se alguém pronunciou com emissão breve uma vogal longa, em

virtude de um distúrbio que afeta a palavra por uma ou outra razão, logo após pronunciará como

longa uma vogal subseqüente breve, cometendo assim um novo lapso de língua para compensar o

anterior. Da mesma forma, se a pessoa pronuncia um ditongo incorreta e descuidadamente (por

exemplo, pronunciar um „eu„ ou „i como „ei„), procurará compensar isso trocando um „ei

subseqüente por um „eu„ ou „oi„. Aqui, o fator decisivo parece ser uma consideração para com a

impressão causada nos ouvintes; estes não deveriam supor que, para o orador, é indiferente a

maneira como trata sua língua-mãe. A segunda distorção, a que compensa a primeira, realmente

tem o propósito de dirigir a atenção do ouvinte para a primeira e de lhe assegurar que o orador

também a percebeu. Os lapsos de língua mais comuns, simples e triviais são contrações e

antecipações [ver em [1] e [2]] ocorrentes em partes insignificantes do falar. Por exemplo, em uma

frase um tanto longa pode-se cometer um lapso de língua que antecipa a última palavra do que se

pretende dizer. Isso causa uma impressão de impaciência por ver terminada a frase, e em geral

constitui evidência de uma certa antipatia contra o ato de comunicar a frase, ou contra o todo do

comentário que se está fazendo. Chegamos, assim, a casos marginais em que as diferenças entre

a opinião psicanalítica a respeito de lapsos de língua e a opinião fisiológica comum se fundem uma

na outra. É de supor que, nestes casos, esteja presente um propósito de perturbar a intenção do

discurso, porém tal propósito apenas consegue fazer notar sua presença e não aquilo a que ele

próprio visa. A perturbação que ele produz se faz então segundo certas influências fonéticas ou

atrações associativas; pode ser considerada resultado de a atenção ter sido desviada da intenção

do discurso. Contudo, nem essa perturbação da atenção nem as tendências à associação que se

tornaram atuantes, atingem a essência do processo. Este, apesar de tudo, se mantém como a

indicação da existência de uma intenção que é perturbadora da intenção do discurso, embora a

natureza dessa intenção perturbadora não possa ser avaliada a partir de suas conseqüências,

conforme é possível fazê-lo em todos os casos de lapsos de língua mais bem definidos.

Os lapsos de escrita, aos quais passaremos agora, são tão afins dos lapsos de língua, que

nada de novo podemos esperar deles. Talvez possamos acrescentar algum pequeno ponto

adicional. Os pequenos lapsos de escrita, extremamente comuns, contrações e antecipações de

palavras que deveriam vir depois (especialmente de palavras do fim de frases) indicam, mais uma

vez, um desprazer geral de escrever e impaciência por ver o trabalho terminado. Determinados

produtos mais marcantes de lapsos de escrita possibilitam reconhecer a natureza e o objetivo da

intenção perturbadora. Ao encontrar um lapso de escrita em uma carta, sabe-se geralmente que

havia algo de diferente com seu autor, porém não se pode sempre descobrir o que se passava

com ele. Um lapso de escrita passa despercebido da pessoa responsável, com a mesma

freqüência com que sucede com os lapsos de língua. A seguinte observação é digna de nota.

Como sabemos, há pessoas que tem o hábito de reler todas as cartas que escrevem, antes de

enviá-las. Outras, não, via de regra; porém, quando excepcionalmente o fazem, sempre encontram

alguns lapsos de escrita que chamam a atenção e que elas podem corrigir, então. Como se explica

isso? É como se essas pessoas soubessem que haviam cometido um erro ao escrever a carta.

Podemos realmente acreditar nesse fato?

Um problema interessante diz respeito à importância prática dos lapsos de escrita. Os

senhores certamente podem recordar o caso de um assassino, H., que encontrou os meios de

obter de instituições científicas culturas de bactérias patogênicas altamente perigosas,

apresentando-se como bacteriologista. Usou, então, essas culturas com a finalidade de se

desfazer de suas ligações próximas através desse método moderníssimo. Ora, certa ocasião esse

homem se queixou aos diretores de um desses institutos que as culturas a ele enviadas eram

ineficazes; porém cometeu um lapso de escrita e, em vez de escrever „em meus experimentos com

camundongos ou porquinhos-da-índia‟, escreveu muito claramente„em meus experimentos com

homens‟. Os cientistas do instituto ficaram chocados com o lapso, contudo, pelo que sei, daí não

tiraram qualquer conclusão. Pois bem, o que pensam os senhores? Não deveriam os cientistas,

pelo contrário, ter tomado o lapso de escrita como uma confissão e iniciado uma investigação que

teria posto um fim imediato às atividades do assassino? Por ignorarem nossas opiniões sobre

parapraxias, não foram responsáveis, nesse caso, por uma omissão de importância prática? Ora,

penso que um lapso de escrita como esse deveras me pareceria muito suspeito; porém algo de

grande importância se opõe a que seja qualificado como confissão. O assunto não é tão simples

assim. O lapso certamente era uma prova circunstancial; mas não era suficiente, por si mesmo,

para dar início a uma investigação. É verdade que o lapso de escrita disse que ele estava ocupado

com idéias de infectar pessoas, entretanto não tornou possível decidir se essas idéias deveriam

ser tomadas como clara intenção de causar dano ou como uma fantasia sem importância prática. É

mesmo possível que um homem que tivesse cometido um lapso como esse, teria todas as

justificativas objetivas para negar a fantasia, e a repudiaria como algo inteiramente estranho para

ele. Os senhores compreenderão ainda melhor essas possibilidades quando, mais adiante,

viermos a considerar a diferença entre realidade psíquica e material. Assim, esse é mais um

exemplo de parapraxia que adquire importância a partir de eventos subseqüentes [ver em [1] e

seg., acima.]

Com os lapsos de leitura chegamos a uma situação psíquica que difere sensivelmente

daquela encontrada em lapsos de língua ou em lapsos de escrita. Aqui, uma das duas intenções

em mútua competição é substituída por uma estimulação sensorial e, talvez por isso, resiste

menos. O que a pessoa vai ler não é um derivado de sua própria vida mental, como algo que se

propõe escrever. Em grande número de casos, portanto, um lapso de leitura consiste em uma

substituição completa. Substitui-se por outra a palavra que deve ser lida, sem haver

necessariamente qualquer conexão de conteúdo entre o texto e o produto do lapso de leitura, o

qual depende, via de regra, de semelhança verbal. O melhor exemplo desse grupo é o de

Lichtenberg, „Agamemnon„ por „angenommen„ [ver em [1], acima]. Se quisermos descobrir a

intenção perturbadora que produziu o lapso de leitura, devemos deixar inteiramente de lado o texto

que foi lido erroneamente, e podemos começar a investigação analítica com duas perguntas: qual

é a primeira associação ao produto do lapso de leitura? e em que situação ocorreu o lapso de

leitura? Às vezes o conhecimento dessa situação é, por si só, suficiente para explicar o lapso de

leitura. Por exemplo, um homem, sob a pressão de uma necessidade urgente, vagava por uma

cidade estranha quando viu a palavra „Closet-House„ numa grande tabuleta, no primeiro andar de

um prédio. Mal teve tempo suficiente para se surpreender com o fato de a tabuleta estar colocada

tão alta, quando descobriu que, estritamente falando, o que devia ter lido era „Corset-House„. Em

outros casos, um lapso de leitura, precisamente do tipo que é muito independente do conteúdo do

texto, requer uma análise detalhada, impossível de se efetuar sem a prática da técnica de

psicanálise e sem seu apoio. Como regra, entretanto, não é tão árduo encontrar a explicação para

um lapso de leitura: a palavra substituída imediatamente revela, como no exemplo Agamemnon, o

círculo de idéias do qual surgiu a perturbação. Na atual época de guerra, por exemplo, é coisa

muito comum os nomes de cidades e de generais, e de termos militares, que estão

constantemente zumbindo à nossa volta, serem lidos onde quer que nossos olhos encontrem

palavras semelhantes. Tudo aquilo que nos interessa e nos preocupa se põe no lugar do que é

estranho e ainda destituído de interesse. Imagens residuais de pensamentos [anteriores]

perturbam novas percepções.

Com os lapsos de leitura, também, não faltam os casos de outra espécie, nos quais o texto

daquilo que se lê desperta por si mesmo a intenção perturbadora, a qual de imediato o transforma

em seu contrário. O que devíamos ler era alguma coisa de indesejado, e a análise nos convencerá

de que um intenso desejo de rejeitar o que estávamos lendo deve ter sido responsável por sua

alteração.

Nos casos mais freqüentes de lapsos de leitura, que mencionamos no início, inexistiam os

dois fatores aos quais consignamos um importante papel no mecanismo das parapraxias: o conflito

entre dois propósitos, e a repulsa a um deles, que faz sua represália produzindo a parapraxia. Não

que algo em contrário ocorra no lapso de leitura. A proeminência da idéia que leva ao lapso de

leitura é, contudo, muito mais perceptível do que a repulsa que essa idéia pode ter percebido

previamente.

São esses dois fatores os que encontramos com mais evidência nas diferentes situações

em que ocorrem parapraxias de esquecimento. O esquecimento de intenções é bem livre de

ambigüidades, como já vimos [ver em [1]], sua interpretação não é objeto de controvérsias, nem

mesmo por parte de leigos. O propósito que perturba a intenção é, em todos os casos, uma

contra-intenção, uma relutância; e tudo o que nos resta saber a seu respeito é por que ele não se

expressou em alguma forma diversa e menos disfarçada. No entanto, a presença dessa

contravontade é inquestionável. Vez e outra também conseguimos entrever algo dos motivos que

compelem essa contravontade a ocultar-se; agindo subrepticiamente por intermédio da parapraxia,

ela sempre atinge seu objetivo, ao passo que seria seguramente repudiada se emergisse como

franca oposição. Se alguma importante modificação na situação psíquica se realiza entre a

formação da intenção e sua execução, em conseqüência do que não mais existe a cogitação de

executar a intenção, então o esquecimento da intenção se exclui da categoria das parapraxias. Já

não parece mais estranho havê-la esquecido e nos apercebemos de que teria sido desnecessário

lembrarmo-nos dessa intenção; depois disso ela se extingue em forma permanente ou temporária.

O esquecimento de uma intenção somente pode ser denominado parapraxia quando não

pudermos acreditar que a intenção tenha sido interrompida desse último modo.

Os casos de esquecimento de uma intenção geralmente são tão uniformes e tão evidentes

que, por essa mesma razão não interessam à nossa investigação. Assim mesmo, existem dois

pontos em que algo de novo podemos aprender a partir de um estudo dessas parapraxias O

esquecimento de uma intenção - isto é a omissão de executá-la - revela, como dissemos, uma

contravontade que lhe é hostil. Sem dúvida, esse fato procede; nossas investigações, porém,

mostram que a contravontade pode ser de dois tipos: direto e indireto. O que dou a entender com

este último é ilustrado mais adequadamente com um ou dois exemplos. Se um benfeitor se

esquece de interceder junto a uma terceira pessoa em benefício de seu protégé, isso pode

acontecer porque não está realmente muito interessado no protégé e, portanto, não tem grande

desejo de falar em benefício deste. De qualquer forma, é esse o modo como o protégé entenderá o

esquecimento de seu protetor [ver em [1]]. Contudo, as coisas podem ser mais complexas. No

protetor a contravontade, opondo-se à execução da intenção, pode ter outra origem e pode ser

voltada em direção a um ponto bem diferente. Pode não ter nada a ver com o protégé, mas, talvez,

pode ser dirigida contra a terceira pessoa junto a quem a recomendação devia ter sido feita. Assim,

a partir disso os senhores mais uma vez verificam [ver em [1]] as dúvidas que se erguem como

obstáculo a uma aplicação prática de nossas interpretações. Apesar da interpretação correta do

esquecimento, o protégé corre o risco de ser demasiado desconfiado e de fazer grave injustiça ao

seu protetor. Ou, suponhamos que alguém se esqueça de um compromisso que prometeu manter

com alguma outra pessoa; a razão mais freqüente para isso será, sem dúvida, uma franca rejeição

ao encontro com essa pessoa. Contudo, em um caso assim a análise poderia demonstrar que a

intenção perturbadora não se referiu a essa pessoa, mas estava dirigida contra o lugar planejado

para o encontro, e foi evitado por conta de uma lembrança desagradável referente ao lugar. Ou,

ainda, se alguém se esquece de pôr uma carta no correio, o contrapropósito pode basear-se no

conteúdo da carta; de modo algum, porém, se exclui a hipótese de a carta poder ser inocente em si

mesma e poder apenas estar sujeita ao contrapropósito, de vez que algo referente a ela faz

lembrar uma outra carta, escrita em alguma ocasião anterior, que ofereceu à contravontade um

ponto direto de ataque. Pode-se dizer, portanto, que aqui a contravontade foi transferida da carta

anterior que a justificou, à carta atual, em relação à qual não havia motivos de preocupação. Os

senhores verificam, então, que devemos ser moderados e previdentes ao aplicar nossas

interpretações, e isso se justifica: as coisas que são psicologicamente equivalentes podem, na

prática, ter grande variedade de significados.

Fenômenos como esses últimos podem parecer muito inusitados para os senhores, e,

talvez, se inclinarão a supor que uma contravontade indireta já indica tratar-se de um processo

patológico. Posso assegurar-lhes, contudo, que ela ocorre também dentro dos limites do que é

normal e sadio. Ademais, não devem me interpretar mal. Estou longe de admitir que nossas

interpretações analíticas sejam indignas de confiança. As ambigüidades no esquecimento de

intenções, que venho mencionando, existem apenas enquanto não tenhamos feito uma análise do

caso e apenas quando fazemos nossas interpretações com base em nossas hipóteses gerais. Se

efetuarmos uma análise na pessoa em questão, invariavelmente descobrimos com suficiente

certeza se a contravontade é direta ou que outra origem possa ter.

O segundo ponto que tenho em mente [ver em [1]] é o seguinte: Se em uma grande

maioria de casos encontramos confirmação do fato de que o esquecimento de uma intenção

remonta a uma contravontade, podemos ousar estender a solução a um outro grupo de casos nos

quais a pessoa em análise não confirma, e sim nega, a contravontade que inferimos. Tomem como

exemplo disso eventos tão extremamente comuns como esquecer de devolver livros que se

tomaram emprestados, ou de pagar contas ou dívidas. Com a pessoa em questão nos

aventuraremos a insistir em que nela existe uma intenção de conservar consigo os livros e de não

pagar as dívidas; a pessoa negará essa situação, porém não será capaz de fornecer qualquer

outra explicação para sua conduta. Com isso, prosseguiremos dizendo-lhe que tem essa intenção,

mas sem nada saber da mesma, embora para nós isso seja suficiente, porquanto nos revela a

presença da intenção que origina nela o esquecimento. A pessoa pode repetir-nos que deveras se

esqueceu. Agora reconhecerão a situação como uma tal em que nós mesmos anteriormente nos

encontramos [ver em [1] e [2]]. Se quisermos prosseguir com nossas interpretações das

parapraxias - tão freqüentemente comprovadas como acertadas - até uma conclusão coerente,

somos compelidos à inevitável hipótese de que nas pessoas existem propósitos capazes de se

tornar atuantes sem que elas saibam da existência deles. Isto, contudo, nos leva a contrariarmos

todas as opiniões dominantes tanto na vida comum como na psicologia.

O esquecimento de nomes próprios e de nomes estrangeiros, tanto como o de palavras

estrangeiras, pode semelhantemente ser rastreado até uma contra-intenção, que se volta, direta ou

indiretamente, contra o nome em questão. Já lhes apresentei diversos exemplos de aversão direta

[ver em [1] e [2]]. A causação indireta é, contudo, particularmente freqüente nesses casos e em

geral apenas pode ser estabelecida por meio de análises cuidadosas. Por exemplo, durante a

guerra atual, que nos obrigou a abandonar tantos dos nossos divertimentos anteriores, nossa

capacidade de recordar nomes sofreu muito em conseqüência das mais estranhas associações.

Há pouco tempo atrás verifiquei que eu era incapaz de reproduzir o nome de Bisenz, pacata cidade

da Morávia; e a análise demonstrou que aquilo que era responsável pelo fato não era nenhuma

hostilidade direta contra ela, senão sua similitude, no som, com o nome do Palazzo Bisenzi, em

Orvieto, que tive o prazer de visitar repetidas vezes no passado. Aqui, pela primeira vez,

descobrimos nessa razão de se opor à recordação de um nome, um princípio que depois irá

revelar sua enorme importância na causação dos sintomas neuróticos: a memória tem aversão por

recordar tudo que está em conexão com sentimentos de desprazer e com a reprodução daquilo

que renova o desprazer. Essa intenção de evitar o desprazer, emergente da lembrança ou de

outros atos psíquicos, essa fuga psíquica do desprazer, pode ser reconhecida como a causa

atuante fundamental não apenas do esquecimento de nomes, mas também de muitas outras

parapraxias, como as omissões, os erros, e assim por diante.O esquecimento de nomes,

entretanto, parece ser sobremodo facilitado psicofisiologicamente e, por esse motivo, há casos em

que não se pode confirmar a interferência de um motivo de desprazer. Se alguém tem determinada

tendência para esquecer nomes, a investigação analítica mostrará que os nomes lhe fogem não

apenas porque em si não os aprecia ou porque lhe lembram algo desagradável; porém, também

porque nesse caso o nome pertence a outro círculo de associações com as quais a pessoa está

mais intimamente relacionada. O nome está, digamos, ali ancorado e se mantém fora de contato

com outras associações que foram momentaneamente ativadas. Se os senhores se recordarem

dos truques mnemotécnicos verificarão, com certa surpresa, que as mesmas cadeias associativas,

deliberadamente estabelecidas para evitar que nomes sejam esquecidos, também podem nos

levar a esquecê-los. O mais notável exemplo desse fato é o que se refere aos nomes próprios de

pessoas, os quais naturalmente possuem importância psíquica bastante diferente para diferentes

pessoas. Para ilustrá-lo, tomemos um primeiro nome, como Teodoro. Para alguns dos senhores

ele não terá qualquer significação especial; para outro, será o nome de seu pai, do irmão ou de um

amigo, ou seu próprio nome. Assim, a experiência analítica lhes mostrará que a primeira dessas

pessoas não corre nenhum risco de se esquecer de que algum estranho usa esse nome, ao passo

que as outras terão constantemente a tendência de negar a estranhos um nome que lhes parece

reservado a ligações íntimas. Ora, se os senhores considerarem que essa inibição associativa

pode coincidir com a atuação do princípio de desprazer e, ademais, com um mecanismo indireto,

estarão em condições de formar uma idéia adequada das complexidades existentes na causação

do esquecimento temporário de um nome. Uma análise apropriada irá, porém, desemaranhar-lhes

uma dessas meadas.

O esquecimento de impressões e de experiências demonstra, de forma muito mais clara e

exclusiva do que o esquecimento de nomes, a atuação da intenção de manter coisas

desagradáveis fora da memória. Naturalmente nem toda a área desse tipo de esquecimento se

situa dentro da categoria das parapraxias, mas apenas casos tais como aqueles que, medidos pelo

padrão de nossa experiência habitual, nos parecem admiráveis e inexplicáveis: por exemplo,

quando o esquecimento atinge impressões que são muito recentes ou importantes, ou quando a

lembrança perdida abre uma brecha naquilo que é, por seu lado, uma bem-memorizada cadeia de

acontecimentos. Por que e de que modo somos capazes de esquecer em geral, e entre outras

coisas esquecer experiências que certamente deixaram em nós uma impressão mais profunda, tal

como os acontecimentos dos anos mais remotos de nossa infância - isso constitui outro problema

no qual querer evitar impulsos desagradáveis desempenha determinado papel, e, contudo, está

longe de constituir a explicação completa. É fato inequívoco que as impressões desagradáveis são

facilmente esquecidas. Diversos psicólogos o observaram, e o grande Darwin se impressionava

tanto com isso, que tornou „regra de ouro‟ anotar com cuidado especial quaisquer observações que

parecessem desfavoráveis à sua teoria, de vez que se havia convencido de que precisamente elas

não permaneceriam em sua memória.

Uma pessoa que pela primeira vez ouve falar nesse princípio do afastamento de

lembranças desagradáveis por meio do esquecimento, raramente deixa de objetar que, pelo

contrário, em sua experiência as coisas aflitivas são especialmente difíceis de esquecer e insistem

em retornar, contra sua vontade, a fim de atormentá-la: lembranças, por exemplo, de insultos e

humilhações. Isso também é um fato verídico, contudo a objeção não procede. É importante e

oportuno começar a levar em conta o fato de que a vida mental é a arena e o campo de batalha de

intenções que se opõem reciprocamente ou, para dizê-lo de modo não-dinâmico, que se constitui

de contradições e de pares de contrários. A prova da existência de determinado propósito não é

argumento contra a existência de um propósito oposto; há lugar para ambos. É apenas uma

questão de saber como se colocam esses contrários, um em relação ao outro, e que efeitos são

produzidos por um e por outro.

Perda e extravio são de particular interesse para nós devido aos vários significados que

podem ter - isto é, devido à multiplicidade das intenções que podem se servir dessas parapraxias.

Todos os casos têm em comum o fato de ter existido um desejo de perder algo; diferem quanto à

origem e quanto ao objetivo desse desejo. Perdemos uma coisa quando está gasta, quando

pretendemos substituí-la por outra melhor, quando não gostamos mais dela, quando ela procedeu

de alguém com quem não estamos nos relacionando bem, ou quando a adquirimos em

circunstâncias que não desejamos mais rememorar. [ver em [1] e [2].] Deixar cair, danificar ou

quebrar um objeto podem servir à mesma finalidade. Na esfera da vida social, segundo se diz, a

experiência demonstrou que as crianças indesejadas e ilegítimas são muito mais frágeis do que

aquelas concebidas legitimamente. Não é necessário atingir a crua técnica das criadeiras

profissionais de crianças; para chegar a tal resultado, determinada dose de negligência no trato

com as crianças deve ser suficiente. A preservação de coisas pode estar sujeita às mesmas

influências que o cuidado com as crianças.

No entanto, as coisas podem ser condenadas a serem perdidas sem que seu valor tenha

sofrido qualquer diminuição - isto é, quando há uma intenção de sacrificar algo ao Destino, a fim de

se proteger de uma outra perda que se teme. A análise nos revela que entre nós ainda é muito

comum exorcizar o Destino dessa maneira; e, assim, nossa perda muitas vezes é um sacrifício

voluntário. Da mesma forma, a perda também pode servir à intenção de desafio ou autopunição.

Para resumir, são incontáveis as mais remotas razões para a intenção de se desfazer de uma

coisa por meio de sua perda.

Os atos descuidados, assim como outros erros, muitas vezes são usados para satisfazer

desejos que uma pessoa deveria negar existirem em si própria. Neles a intenção se dissimula em

um auspicioso acidente. Por exemplo, como aconteceu a um de meus amigos, um homem pode

ser obrigado, obviamente contra sua vontade, a viajar de trem para visitar alguém perto da cidade

em que vive, e em uma estação onde deve fazer baldeação então pode, por engano, embarcar

num trem que o leva de volta ao local de onde veio. Ou alguém, numa viagem, pode estar

desejoso de fazer uma parada em uma estação intermediária, porém estar impedido de fazê-lo

devido a outras obrigações, podendo, assim, negligenciar ou perder uma conexão de modo que,

em última análise, é obrigado a interromper sua viagem da maneira como queria. Ou o que

sucedeu a um de meus pacientes: eu lhe havia proibido telefonar à moça de quem estava

apaixonado, e quando quis telefonar para mim, pediu o número errado „por engano‟ ou „enquanto

estava pensando em alguma outra coisa‟, e de repente se viu com o número do telefone da moça.

Um bom exemplo de descuido cabal com repercussão prática é proporcionado pela observação

feita por um engenheiro em seu relato dos fatos que antecederam um caso de danos materiais:

„Há algum tempo atrás eu trabalhava com diversos estudantes no laboratório da escola

técnica, numa série de complexas experiências sobre elasticidade, um trabalho que tínhamos

assumido voluntariamente e, contudo, começava a exigir mais tempo de que prevíramos. Um dia,

quando retornava ao laboratório com meu amigo F., este comentou como o aborrecia perder tanto

tempo justamente naquele dia, quando tinha tantas outras coisas para fazer em casa. Não pude

deixar de concordar com ele e, com algum gracejo, referindo-me a um acidente na semana

anterior, acrescentei: “Esperemos que a máquina falhe novamente, pois assim poderemos parar

com o trabalho e ir para casa cedo.”

„Ao distribuir o trabalho, sucedeu que a F. coube a regulagem da válvula da prensa; isto é,

estava incumbido de abrir cuidadosamente a válvula para deixar o fluido sob pressão sair

lentamente do acumulador para o cilindro da prensa hidráulica. O homem que conduzia a

experiência colocou-se junto ao manômetro e, quando se atingiu a pressão correta, ordenou em

voz alta: “Pare!” À palavra de comando, F. agarrou a válvula e torceu-a com toda a força - para a

esquerda! (Todas as válvulas, sem exceção, fecham-se girando para a direita.) Isso fez com que a

pressão total do acumulador passasse subitamente para a prensa, um esforço para o qual não

estavam destinados os canos de ligação, de forma que um desses canos imediatamente explodiu -

um acidente bastante inócuo para a máquina, porém suficiente para nos obrigar a suspender o

trabalho por esse dia e irmos para casa.

„O surpreendente, aliás, é que, quando estávamos discutindo o caso algum tempo depois,

meu amigo F. não tinha a mínima recordação de meu comentário, que eu recordava fielmente.‟

Isso pode levar os senhores a suspeitar de que não é apenas um inocente acaso que

transforma as mãos de nossas empregadas domésticas em perigosos inimigos de nossos objetos

de casa. E os senhores também podem se perguntar se é obra do acaso quando as pessoas se

machucam e arriscam sua própria segurança. Essas são noções cuja validade os senhores,

surgindo a ocasião, podem se dedicar a comprovar analisando suas próprias observações.

Senhoras e senhores, isso está longe de ser tudo quanto se poderia dizer a respeito de

parapraxias. Muita coisa resta a examinar e discutir. Fico, contudo, satisfeito se nossa discussão

do assunto, até aqui, de certa forma agitou suas opiniões anteriores e os deixou um tanto mais

preparados para aceitar outras, novas. Contento-me, de resto, com deixá-los defrontando-se com

uma situação não esclarecida. Não podemos estabelecer nossas doutrinas a partir de um estudo

das parapraxias, e não estamos obrigados a extrair nossas provas a partir apenas desse material.

O grande valor das parapraxias para os objetivos que almejamos, consiste no fato de serem

fenômenos muito comuns que, além de tudo, podem ser observados com facilidade em cada um, e

ocorrer sem absolutamente implicar em doença. Existe apenas uma das questões dos senhores,

não respondida, a qual e