aguas do planeta, Manuais, Projetos, Pesquisas de Química
pedro-ribeiro-21
pedro-ribeiro-21

aguas do planeta, Manuais, Projetos, Pesquisas de Química

10 páginas
36Números de download
1000+Número de visitas
Descrição
Artigo especial da química nova na escola mostrando a sua imporrtância do líquido para a sobrevivência dos seres vivos.
30 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 10
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 10 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 10 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 10 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 10 páginas
As Águas do Planeta Terra

31

Cadernos Temáticos de Química Nova na Escola Edição especial – Maio 2001Águas no planeta Terra

Aágua é um recurso fundamental para a existência da vida, naforma que nós conhecemos. Foi na água que a vida floresceu, e seria difícil imaginar a existência de qualquer forma de vida na ausência deste recurso vital. Nosso planeta está inundado d’água; um volume de apro- ximadamente 1,4 bilhão de km3 cobre cerca de 71% da superfície da Terra. Apesar disso, muitas localidades ainda não têm acesso a quantidades de água com características de potabilidade adequadas às necessidades do con- sumo humano.

A água tem sido um bem de extre- ma importância para o homem desde a descoberta de que a produção de alimentos dependia da oferta de água usada no cultivo. As cidades que se desenvolveram no antigo Egito, após a revolução agrícola que ocorreu cerca de 5.000 anos antes de Cristo, o fizeram próximas a rios que atendes- sem a suas demandas domésticas e agrícolas. Posteriormente, a água cor- rente também passou a ser utilizada na movimentação de máquinas que cortavam madeira, em moinhos de grãos e finalmente em processos industriais.

A grande oferta fez da água a substância ideal para ser empregada

como solvente universal na limpeza e transporte de praticamente todos os resíduos gerados pelo homem. Ao redor de todo o mundo, as cidades foram se estabelecendo e crescendo próximas a grandes cursos d’água. Até os dias atuais, após seu uso nas mais diversas atividades, a água ainda é geralmente descartada para o corpo receptor mais próximo, mui- tas vezes sem que passe por qual- quer tipo de tratamento. Não ob- stante, é verdadeiro afirmar que o baixo custo associado ao uso de enormes quantidades de água tem sido um dos pilares do desenvol- vimento de nossa sociedade.

Algumas propriedades da água A água é, certamente, a espécie

química mais abundante na Terra. É, além disso, uma substância que pode ser encontrada, naturalmente, em todos os três estados físicos: sólido (gelo), líquido (água líquida) e gasoso (vapor). Sua capacidade em conduzir e estocar o calor (condutividade térmica e capacidade calorífica) tam- bém é única. Entre outros aspectos, a água tem um elevado calor de evapo- ração. Enquanto são necessários 0,239 J (1 caloria) para se elevar a temperatura de 1 g de água de 1 °C, esta mesma massa de água exige

Água e população mundial A água potável de boa qualidade é fundamental para a saúde e o bem-

estar humano. Entretanto, a maioria da população mundial ainda não tem acesso a este bem essencial. Mais do que isto, existem estudos que apontam para uma escassez cada vez mais acentuada de água para a produção de alimentos, desenvolvimento econômico e proteção de ecossistemas naturais. Para exercer tais atividades, especialistas estimam que o consumo mínimo de água per capita deva ser de pelo menos 1000 m3 por ano. Cerca de 26 países, em sua maioria localizados no continente africano, já se encontram abaixo deste valor. Com o rápido crescimento populacional, acredita-se que inúmeras outras localidades deverão atingir esta categoria no futuro próximo. Várias regiões do planeta (Pequim, Cidade do México, Nova Deli e Recife, no Brasil) estão acima desse valor apenas devido à exploração de águas subterrâneas (Nebel e Wright, 2000).

Marco Tadeu Grassi

Um dos principais desafios mundiais na atualidade é o atendimento à demanda por água de boa qualidade. O crescimento populacional, a necessidade de produção de alimentos e o desenvolvimento industrial devem gerar sérios problemas no abastecimento de água nos próximos anos. Este texto trata da importância da água para a sobrevivência do homem e de toda a biota terrestre. Apresentam-se algumas das propriedades mais importantes da água e sua distribuição em nosso planeta. Descrevem-se as formas de uso deste recurso, assim como as principais fontes de poluição e finalmente discute-se a importância do tratamento da água na melhoria da qualidade de vida da população mundial.

padrões de qualidade da água, potabilidade, poluição, tratamento da água

32

Cadernos Temáticos de Química Nova na Escola Edição especial – Maio 2001

cerca de 540 vezes mais energia para se evaporar (Masterton et al., 1990).

Comparativamente com outros hi- dretos, observa-se que a água apre- senta temperaturas de fusão e ebulição bem mais elevadas, conforme mostra a Tabela 1. Estas características são bastante importantes para a existência de vida na Terra, uma vez que a forma líquida é o estado físico predominante (Bunce, 1993).

Uma outra propriedade da água, pouco usual, porém igualmente impor- tante, é que a forma líquida apresenta uma densidade maior que a forma sólida. Se o contrário fosse verdade, durante o inverno as águas de inúme- ros rios e lagos localizados no hemis- fério norte de nosso planeta, ao se congelarem, se depositariam no fundo dos mesmos. Sob estas condições, provavelmente não se fundiriam nova- mente no verão. Assim sendo, a mis- tura que ocorre na primavera e outono desempenha um papel importante na recirculação de nutrientes. Esta mistura só ocorre porque a água tem sua densidade máxima a 4 °C. Durante o outono, quando as temperaturas das águas de inúmeros lagos cai para valores próximos a 4 °C, as águas superficiais se tornam mais densas que as águas mais profundas e assim se deslocam para o fundo, misturando as espécies dissolvidas, num movimento vertical.

Distribuição da água na Terra

Toda a biota, as- sim como a maior parte dos ecossiste- mas terrestres, além dos seres humanos, necessitam de água doce para sua sobrevivência. Entretanto, cerca de 97,5% da água de nosso planeta está presente nos oceanos e mares, na forma de água salgada, ou seja, imprópria para o consumo huma- no. Dos 2,5% restantes, que perfazem o total de água doce existente, 2/3 estão armazenados nas geleiras e calotas polares. Apenas cerca de 0,77% de toda a água está disponível para o nosso consumo, sendo encon- trada na forma de rios, lagos, água subterrânea, incluindo ainda a água presente no solo, atmosfera (umidade) e na biota (Figura 1).

No nosso planeta, a água se apre- senta em diferentes compartimentos, conforme mostra a Tabela 2 (USGS, 1999). A quantidade de água presente em cada um destes compartimentos, assim como o seu tempo de residên- cia, varia bastante. Os oceanos se constituem no maior destes comparti- mentos, onde a água tem um tempo de residência de aproximadamente 3 mil anos. Eles são ainda a fonte da maior parte do vapor d’água que apor- ta no ciclo hidrológico. Sendo grandes acumuladores do calor oriundo do sol, os oceanos desempenham um papel fundamental no clima da Terra.

O segundo maior reservatório de água do planeta são as geleiras e calotas polares. O continente An- tártico contém cerca de 85% de todo o gelo exis- tente no mundo. O restante pode ser encontrado no Oceano Árti- co e ainda na Groenlândia.

As águas

subterrâneas encontram-se abaixo da superfície em formações rochosas porosas denominadas aquíferos. Estas águas têm influência e também são in- fluenciadas pela composição química e pelos minerais com os quais estão em contato. Os aquíferos são reabas- tecidos pela água que se infiltra no solo e eventualmente flui para reservatórios que se localizam abaixo de seu próprio nível.

Corpos de água doce em contato direto com a atmosfera compreendem lagos, reservatórios, rios e riachos. Coletivamente, estas águas são cha- madas de superficiais.

A concentração de sais na água faz com que as águas superficiais sejam divididas em duas grandes categorias. Águas doces se distinguem de águas salinas pelo seu baixo conteúdo de sais, sendo normalmente encontradas em rios e lagos.

O exemplo mais significativo de águas salinas é o das águas oceâni- cas. Via de regra, águas salinas apre- sentam níveis de cerca de 35 g.L-1 de espécies dissolvidas, entre as quais as predominantes são formadas por íons de sódio e cloreto. O encontro das águas doces e salinas resulta em re- giões denominadas estuários. Nestas regiões, observa-se geralmente um gradiente de salinidade, cujos níveis aumentam à medida que se aproxima da foz do rio.

Estuários se caracterizam por sua complexidade, onde espécies particu- ladas e dissolvidas estão sujeitas a mudanças bastante bruscas nos ambientes químico e físico. As maiores alterações ocorrem em função de fa- tores tais como pH e salinidade. Qual-

Águas no planeta Terra

Tabela 1: Propriedades físicas de alguns hidretos simples.

Substância CH4 NH3 H2O HF H2S

Ponto de fusão, °C -182 -78 0 -83 -86

Ponto de ebulição, °C -164 -33 +100 +19 -61

Tabela 2: Distribuição da água em nosso planeta.

Reservatórios Volume, km3 Percentual, %

Oceanos 1.320.305.000 97,24

Geleiras e calotas polares 29.155.000 2,14

Águas subterrâneas 8.330.000 0,61

Lagos 124.950 0,009

Mares 104.125 0,008

Umidade do solo 66.640 0,005

Atmosfera 12.911 0,001

Rios 1.250 0,0001

Total 1.358.099.876 100

97,5% Água salgada

0,77% Água doce acessível

1,7% Calotas polares

e geleiras

Figura 1: Distribuição da água na Terra.

33

Cadernos Temáticos de Química Nova na Escola Edição especial – Maio 2001

quer mudança em um deles pode le- var à precipitação de espécies dissol- vidas ou ainda à redissolução de mate- riais anteriormente presentes em sóli- dos suspensos ou nos sedimentos. Os elementos que não sofrem qualquer alteração durante este processo de mistura, ou seja, aqueles que não se precipitam ou não se dissolvem, apresentam um comportamento que é denominado conservativo. Comporta- mentos não conservativos resultam da precipitação ou ainda da redissolução de espécies através do estuário.

Um exemplo típico de comporta- mento não conservativo é a precipi- tação do ferro coloidal, que ocorre à medida em que se aumenta a salini- dade da água de um estuário. Como resultado, o ferro acaba sendo deposi- tado nos sedimentos.

Do ponto de vista ambiental, um importante reservatório são os man- gues, nos quais os níveis do lençol freá- tico se encontram praticamente na superfície. Estes ecossistemas supor- tam uma vasta população de plantas e animais, constituindo-se em berçá- rios bastante importantes para a vida selvagem.

Finalmente, a atmosfera é o com- partimento que contém a menor quantidade de água, além de ser aquele onde a água tem o menor tempo de residência, cer- ca de 10 dias. A atmosfera contribui para a preci- pitação, que em última instância é o meio através do qual a água que se evapora predominantemente dos oceanos é devolvida à terra.

O ciclo hidrológico (Figura 2), atra- vés da evaporação das águas oceâ- nicas e da precipitação, principalmen- te, é responsável pela reposição da água doce encontrada no planeta (Manahan, 1997). Contudo, como to- dos nós sabemos, a ocorrência de chu- va no planeta se dá de forma bastante diferenciada. Regiões com regimes de precipitação bastante abundantes dão suporte a densas florestas. Outras regiões têm ocorrência de chuvas praticamente nula e se constituem em

desertos. Em virtude disto, podemos imaginar volumes bastante variáveis de água circulando sobre diferentes re- giões do globo. Em regiões com índi- ces elevados de ocorrência de chuva, existe água suficiente para toda a biota

natural, assim como para os seres humanos. Entre- tanto, em regiões mais secas, especialmente aquelas com elevada densidade populacional, existe um número cres- cente de conflitos em função das necessida- des humanas e naturais.

Existem ao redor do planeta inúmeras situações de ecossistemas em estres- se devido à escassez de água. Além disso, são também vários os casos de disputas existentes entre países que dispõem da mesma fonte de água que deve atender às demandas oriundas de atividades agrícolas, urbanas e industriais (Ortolano, 1997).

Especialistas acreditam que dentro de cerca de 20 anos, no máximo, teremos no mundo uma crise seme- lhante à do petróleo, em 1973, relacio- nada com a disponibilidade de água de boa qualidade. Assim como ocorreu com o petróleo no passado, a água está se transformando em uma com- modity1 em crise. Esta perspectiva preocupante e bastante realista se

deve à provável escassez da água no futuro. Para tanto, basta mencionar que nos últimos 15 anos a oferta de água limpa disponível para cada habitante do planeta diminuiu quase 40% (Nebel e Wright, 2000).

Mesmo o Brasil, que conta com cer- ca de 12% da água doce disponível no mundo, não deverá escapar da crise hídrica que está sendo prevista. No nosso caso, vale ressaltar que mais de 80% de todo o volume de águas super- ficiais disponíveis no país se encontram na região amazônica. Os 20% restan- tes estão distribuídos por todo o país, de maneira pouco uniforme, e se des- tinam a abastecer aproximadamente 95% da população brasileira (Rebou- ças et al., 1999).

Em todo o mundo, em média, o maior uso que se faz da água é na agricultura. A irrigação retira aproxima- damente 69% da água de boa quali- dade do planeta. A irrigação consiste em um tipo de uso denominado con- suntivo. Isto quer dizer que o recurso utilizado não retorna para a mesma fonte de onde é proveniente. As ativi- dades industriais, ao contrário, são consideradas não consuntivas, uma vez que a água, embora possa estar contaminada com determinados resí- duos, retorna para sua fonte, perma- necendo disponível. Estas atividades consomem cerca de 23% e o homem,

Águas no planeta Terra

Água subterrânea

Infiltração

Figura 2: O ciclo hidrológico.

Especialistas acreditam que dentro de cerca de 20

anos, no máximo, teremos no mundo uma crise

semelhante à do petróleo, em 1973, relacionada com a

disponibilidade de água de boa qualidade

34

Cadernos Temáticos de Química Nova na Escola Edição especial – Maio 2001

através do uso direto, é responsável pelo consumo de 8% da água dispo- nível no planeta. Certamente estes valores percentuais podem variar dependendo da disponibilidade da água, do grau de desenvolvimento da região e até mesmo de aspectos culturais. Em algumas partes dos Estados Unidos, por exemplo, o uso doméstico da água pode atingir 600 L por habitante, por dia. Em alguns países africanos, ao contrário, o uso de água per capita não é superior a 10 L ao dia (Nebel e Wright, 2000).

Os dados apresentados anterior- mente deixam claro que o estresse hídrico previsto não é mera especu- lação. Ao contrário, para atender a uma demanda crescente por alimentos, frente às estimativas de crescimento populacional feitas pela Organização das Nações Unidas (ONU) para os próximos anos, a expectativa é de um maior uso de água na irrigação.

Qualidade e poluição da água Tão ou mais importante que a ques-

tão envolvendo a quantidade de água disponível, apresenta-se também a questão da qualidade da água dispo- nível. A qualidade da água ao redor de nosso planeta tem se deteriorado de forma crescente, especialmente nos últimos 50 anos. Problemas rela- cionados com a poluição da água se intensificaram principalmente após a Segunda Guerra Mundial, quando fo- ram observados aumentos signifi- cativos nos processos de urbanização e industrialização. Antes de falar em poluição de águas, entretanto, é necessário que este termo seja definido de forma adequada. A Companhia de Tec- nologia de Sanea- mento Ambiental do Estado de São Paulo, a CETESB, de- fine poluição como “qualquer subs- tância que possa tornar o meio ambien- te impróprio, nocivo ou ofensivo à saúde, inconveniente ao bem estar público, danoso aos materiais, à fauna, à flora ou prejudicial à segurança, ao uso e gozo da propriedade e às atividades normais da comunidade”.

Portanto, qualquer substância causa- dora de poluição é denominada polu- ente.

A poluição das águas é principal- mente fruto de um conjunto de ativida- des humanas. E os poluentes alcançam águas superficiais e subterrâneas de for- mas bastante diver- sas. Este aporte é arbitrariamente clas- sificado como pontual ou difuso, principal- mente para efeito de legislação. Fontes pontuais compreen- dem a descarga de efluentes a partir de indústrias e estações de tratamento de esgoto, dentre outras. Estas fontes são de identificação bastante fácil e portanto podem ser facilmente monito- radas e regulamentadas. É relativa- mente fácil se determinar a compo- sição destes resíduos, assim como definir seu impacto ambiental. Além disso, é possível se responsabilizar o agente poluidor, caso haja necessi- dade. Ao contrário, as fontes difusas apresentam características bastante diferenciadas. Elas se espalham por inúmeros locais e são particularmente difíceis de serem determinadas, em função das características intermi- tentes de suas descargas e também da abrangência sobre extensas áreas. Fontes difusas incluem o escoamento superficial urbano, escoamento super-

ficial de áreas agrí- colas, deposição atmosférica (seca e úmida), etc (Bunce, 1994).

Existem duas es- tratégias adotadas no controle da poluição aquática: (1) redução na fonte e (2) trata- mento dos resíduos

de forma a remover os contaminantes ou ainda de convertê-los a uma forma menos nociva. O tratamento dos resíduos tem sido a melhor opção no caso de contaminantes de fontes pontuais. A redução na fonte pode ser aplicada a contaminantes provenientes de ambas as fontes, tanto pontuais quanto difusas.

As primeiras evidências da relação entre doenças e o consumo de água poluída foram estabelecidas na meta- de do século passado em Londres, na Inglaterra, através da ocorrência de

uma epidemia de có- lera. Sabe-se hoje que a água é um dos prin- cipais vetores na trans- missão de doenças. Cólera e tifo, que são transmitidas pela água, mataram mi- lhões de pessoas no passado e são ainda uma das principais causas de doenças ao

redor do globo, especialmente nos países subdesenvolvidos (Glynn Henry e Heinke, 1996).

Desta forma, os poluentes aquáti- cos mais sérios são os microorga- nismos patogênicos, ou seja, aqueles causadores de doenças e mortes. Estes microorganismos encontram-se freqüentemente presentes nos excre- mentos de seres humanos e de ani- mais, podendo ser bactérias, vírus, parasitas etc. Através de águas resi- duárias, os microorganismos aportam em corpos aquáticos receptores e podem assim contaminar novos indi- víduos.

Desde o início deste século, têm sido adotadas medidas de saúde pública visando minimizar os efeitos destas doenças, especialmente nos países desenvolvidos e em desenvol- vimento. Tais medidas envolvem priori- tariamente duas estratégias: (1) o tratamento e desinfecção da água destinada ao abastecimento público e (2) a coleta e tratamento do esgoto.

Muitas pessoas atribuem o aumen- to da expectativa de vida da população mundial à medicina moderna. Na verdade, esta melhora é muito mais fru- to da prevenção de doenças, que se tornou possível através das medidas mencionadas anteriormente. Apesar disto, cerca de 1,4 bilhão de pessoas em todo o mundo ainda não têm aces- so à água potável tratada. Da mesma forma, 2,9 bilhões de pessoas vivem em áreas sem que haja coleta ou tratamento do esgoto. Em virtude da falta de condições básicas de sanea- mento, especialmente tratamento da

Águas no planeta Terra

As primeiras evidências da relação entre doenças e o consumo de água poluída

foram estabelecidas na metade do século passado em Londres, na Inglaterra, através da ocorrência de uma epidemia de cólera

Muitas pessoas atribuem o aumento da expectativa de vida da população mundial

à medicina moderna. Na verdade, esta melhora é

muito mais fruto da prevenção de doenças, que se tornou possível

através das medidas aqui mencionadas

35

Cadernos Temáticos de Química Nova na Escola Edição especial – Maio 2001

água e do esgoto, uma fração significa- tiva da população mundial se encontra cronicamente infectada com organis- mos patogênicos. Mais de 250 milhões de casos de doenças transmitidas pela água são registrados anualmente em nosso planeta, e cerca de 10 milhões destes casos irão resultar em mortes, especialmente de crianças, que são vítimas em 50% dos casos (Nebel e Wright, 2000).

Os esgotos doméstico e industrial também introduzem nos sistemas aquáticos diversos tipos de matéria orgânica. Com exceção dos plásticos e outros produtos químicos sintéticos, esta matéria orgânica tem caracterís- ticas biodegradáveis. Quando bacté- rias e outros organismos detritívoros decompõem a matéria orgânica, eles consomem o oxigênio que se encontra dissolvido na água. A quantidade de oxigênio que pode ser dissolvida na água é bastante limitada. Em águas frias, os níveis de oxigênio dissolvido podem atingir cerca de 10 ppm (mg.L-1), sendo que a solubilidade do gás diminui com o aumento da tempera- tura. O valor acima pode ser consi- derado bastante baixo se comparado com os níveis de oxigênio no ar, por exemplo, que são da ordem de 210.000 ppmv2 (21%). Assim sendo, mesmo quantidades moderadas de matéria orgânica podem resultar em uma diminuição significativa no oxigê- nio dissolvido presente em águas naturais. O grau de consumo de oxigê- nio que ocorre quando uma dada subs- tância é oxidada através de um pro- cesso microbiológico é avaliado atra- vés de uma análise denominada de- manda bioquímica de oxigênio (DBO), explicada em detalhes no texto sobre tratamento de esgoto (p. 28).

Outra forma de poluição de águas superficiais, especialmente de lagos e reservatórios, é a eutrofização artificial. Estes corpos aquáticos sofrem um processo de enriquecimento de nutri- entes, principalmente fósforo e nitro- gênio. Sedimentos e materiais dissol- vidos são constantemente carregados para lagos e reservatórios, em um processo bastante lento, que pode du- rar milhares de anos. Entretanto, a descarga de esgoto não tratado e de resíduos agrícolas e industriais têm

contribuído para acelerar este proces- so. No Brasil, as lagoas da Pampulha, em Belo Horizonte, e do Taquaral, em Campinas, assim como o Lago Para- noá, em Brasília, são exemplos de cor- pos aquáticos eutrofizados. O aporte excessivo de nutrientes tais como fósforo e nitrogênio provoca o cresci- mento descontrolado de algas. Gera- se então uma biomassa maior que aquela que o sistema poderia natural- mente controlar. O aumento excessivo na população e sua posterior degra- dação no corpo aquático gera uma demanda de oxigênio grande, a qual pode então provocar a morte de ani- mais aquáticos (peixes) e também a proliferação de organismos anaeró- bios. Em seu estágio final, estes lagos e reservatórios produzem compostos mal-cheirosos e altamente tóxicos para a biota.

Anualmente, milhões de toneladas de compostos orgânicos sintéticos são produzidos globalmente. Estes com- postos são largamente empregados na produção de plásticos, fibras sin- téticas, borracha sintética, solventes, pesticidas, agentes preservantes de madeira, entre uma centena de outros

produtos. Em função de sua estrutura química, muitos destes compostos são resistentes à biodegradação. Esta é, inclusive, uma das principais proprie- dades que tornam tais compostos de grande utilidade.

Inúmeros destes compostos são considerados poluentes aquáticos. Ao mesmo tempo, muitos deles se consti- tuem em substâncias às quais a biota aquática ainda não foi exposta. Assim sendo, os efeitos destes compostos sobre os mais variados tipos de orga- nismos aquáticos ainda são totalmente desconhecidos, particularmente no caso de exposições prolongadas e em concentração muito baixa. Muitos deles podem ser mutagênicos (causa- dores de mutação), cancerígenos ou ainda teratogênicos (causadores de defeitos em recém-nascidos). Podem ainda causar disfunções nos rins e fígado, esterilidade e inúmeros proble- mas de natureza fisiológica ou ainda neurológica.

A presença de compostos orgâni- cos persistentes é causa de grande preocupação, principalmente quando são encontrados em águas destinadas ao abastecimento público.

Águas no planeta Terra

Fósforo: o vilão da eutrofização O fósforo é o nutriente limitante no crescimento de algas. Microorganismos

requerem carbono, nitrogênio e fósforo como nutrientes majoritários. Assim como as reações químicas deixam de se processar quando um reagente limitante é totalmente consumido, o crescimento de algas é limitado pela disponibilidade de nutrientes na água. A transformação de nutrientes em biomassa ocorre em uma proporção média de C:N:P = 110:15:1. O carbono nunca é a espécie limitante na água, uma vez que sua presença é suprida pelo CO2 atmosférico. Algas verde-azuladas podem suprir as necessidades em termos do nitrogênio, pois são capazes de fixar o nitrogênio atmosférico. Assim sendo, o fósforo é usualmente o elemento limitante, embora seja necessário na menor quantidade.

Nas décadas de 50 e 60 sais de fosfato eram utilizados em grandes quantidades na formulação de detergentes, visando regular o pH da solução de lavagem e também para manter íons como Ca2+ em solução (abrandando a dureza e produzindo mais espuma). Como conseqüência, são inúmeros os registros de eutrofização em lagos e reservatórios de todo o mundo, contidos na literatura. Os chamados Grandes Lagos, localizados ao norte dos Estados Unidos e sul do Canadá, são exemplos de ambientes aquáticos severamente atingidos pelo fenômeno da eutrofização artificial. São, igualmente, bons exemplos de cooperação internacional entre países. Desde a década de 70 as legislações norte-americana e canadense impuseram sérias restrições ao uso de fosfatos em detergentes, de tal forma que estes lagos têm sido recuperados desde então. Os níveis médios de fosfato no esgoto canadense caíram de 10 mg.L-1 em 1969 para 5 mg.L-1 em 1974, permanecendo abaixo deste valor até os dias atuais (Glynn Henry e Heike, 1996).

36

Cadernos Temáticos de Química Nova na Escola Edição especial – Maio 2001

Entre os compostos orgânicos sintéticos, uma classe preocupante são os hidrocarbonetos halogenados, ou seja, compostos orgânicos onde um ou mais átomos de hidrogênio são substituídos por átomos de cloro, fluor, bromo ou ainda iodo. Dentre estes, os hidrocarbonetos clorados são os mais comuns. Estes compostos são vasta- mente empregados na indústria de

Águas no planeta Terra

Bioconcentração de substâncias químicas Muitos compostos químicos sintéticos têm sido encontrados em

concentrações relativamente elevadas em tecidos de peixes e outros animais aquáticos, especialmente daqueles localizados em rios e lagos próximos a grandes centros industriais. Alguns destes compostos são o DDT, as bifenilas policloradas (PCB) e dioxinas, entre outros (veja suas fórmulas estruturais no texto sobre o lixo). Concentrações relativamente elevadas, neste caso, significam µg.L-1 (ppb) ou até mesmo mg.L-1 (ppm). A evidência dos efeitos tóxicos destas substâncias é causa de grande preocupação e conseqüentemente a legislação tem estabelecido restrições no consumo de peixes provenientes de regiões poluídas.

Os peixes que vivem em águas poluídas, quando em contato com substâncias não polares, tendem a acumular muitos destes compostos através de um processo denominado bioacumulação. Isto ocorre quando uma substância não polar presente na água é absorvida pela gordura do peixe. A gordura funciona, neste caso, como um solvente não polar que extrai a substância química da água. Em outras palavras, pode-se formular uma constante de equilíbrio para descrever a distribuição de uma espécie entre dois líquidos imiscíveis, como o óleo e a água, por exemplo. A constante de distribuição, também conhecida como constante de partição (Kd) é definida como:

Os valores de Kd para a razão entre as concentrações de substâncias químicas na gordura e na água são elevados. Por esta razão, organismos aquáticos geralmente bioconcentram substâncias químicas não polares presentes nas águas onde eles vivem. Em função disto, as concentrações destas substâncias podem ser, em alguns casos, milhares de vezes mais elevadas nos organismos do que na água.

Do ponto de vista experimental, é bastante difícil trabalhar com o tecido de organismos aquáticos. Assim sendo, um solvente químico é utilizado com o propósito de se mimetizar o comportamento químico do tecido animal. O octanol é o solvente mais comumente empregado na previsão do fator de bioconcentração (FBC) de compostos orgânicos presentes na água.

Uma estratégia comum consiste em considerar que organismos aquáticos possuem cerca de 5% de gordura, em peso. Sob estas condições pode-se considerar a seguinte aproximação:

FBC = 0,05 x Kd A bioconcentração pode elevar os níveis de substâncias potencialmente

tóxicas em várias ordens de grandeza. Por esta razão, muitas vezes a água de um determinado local pode ser considerada própria para o consumo humano, enquanto o consumo de peixes e outros animais aquáticos pode ser bastante restrito (Bunce, 1994).

plásticos (cloreto de polivinila - PVC), pesticidas (DDT), solventes (tetraclo- roetileno) e de isolamento elétrico (bifenilas policloradas), entre outras.

Outra classe de substâncias quími- cas que não se degradam no ambiente são os metais pesados. A toxicidade de metais é diferenciada daquela dos pesticidas, por exemplo. Pesticidas, em geral, são compostos orgânicos

cuja toxicidade resulta de modificações no arranjo de átomos de carbono, hidrogênio, nitrogênio e oxigênio, dentre outros. Estes elementos não metálicos não são intrinsecamente tóxi- cos. Conseqüentemente, torna-se possível sua conversão para estruturas não tóxicas, o que pode ser feito atra- vés de processos químicos ou ainda biológicos. Esta mesma estratégia não é possível, no entanto, para os metais pesados, onde o elemento é intrinse- camente tóxico, embora esta toxidez dependa, como se verá adiante, da espécie química formada pelo metal.

Os metais pesados mais perigosos são o chumbo, mercúrio, arsênio, cád- mio, estanho, crômio, zinco e cobre. Estes metais são largamente utilizados na indústria, particularmente na lami- nação de metais. Alguns deles estão também presentes em determinados pesticidas e até mesmo em medica- mentos. São ainda usados em pigmen- tos, esmaltes, tintas e corantes. Em virtude deste vasto espectro de utilida- des, os metais aportam em sistemas aquáticos por várias fontes e espécies diferentes (Manahan, 1997).

Um outro aspecto importante a respeito da presença de metais em ambientes aquáticos diz respeito à forma com que a espécie metálica se encontra em solução. Os elementos metálicos se diferenciam pela quanti- dade com que estão presentes, mas também em função das interações que possuem com outras espécies dissol- vidas. Isto significa que um metal pode estar presente em um corpo d’água em várias formas físico-químicas diferen- tes. A forma físico-química como um metal se apresenta é chamada de especiação química (Howard, 1998). A importância da compreensão da especiação química de um elemento metálico se deve ao fato dela influen- ciar as propriedades, a disponibilidade biológica e, conseqüentemente, a toxi- cidade do metal tanto em águas natu- rais quanto em águas residuárias. No caso do mercúrio, por exemplo, sais como Hg(NO3)2 são bastante solúveis e se estiverem presentes em água, o íon Hg(II) permanecerá em solução e sua concentração deve ser elevada. Exceto se ânions como o sulfeto tam- bém estiverem presentes, pois o HgS

37

Cadernos Temáticos de Química Nova na Escola Edição especial – Maio 2001

é uma espécie altamente insolúvel e provavelmente deve se depositar nos sedimentos de corpos aquáticos. Os compostos orgânicos contendo mer- cúrio (aqueles que apresentam liga- ções covalentes C-Hg) são muito mais tóxicos para os mamíferos que os sais simples de Hg(II). Os compostos organo-mercuriais apresentam carac- terísticas não polares e podem ser bioconcentrados em tecidos bioló- gicos.

Um íon metálico presente em solu- ção pode se combinar com uma espécie doadora de elétrons para for- mar um complexo. O doador de um par de elétrons é uma base de Lewis e é definido como o ligante. Um exemplo deste tipo de combinação é mostrado abaixo, para o cádmio:

Cd2+ + CN– ↔ Cd(CN)+ (1) Íons cianeto adicionais podem se

ligar sucessivamente para formar os complexos Cd(CN)2, Cd(CN)3

– e Cd(CN)4

2–. Neste exemplo, o íon cianeto é um ligante monodentado, o que significa que ele tem apenas um sítio capaz de se ligar ao íon cádmio. Em águas naturais, no entanto, estão presentes outros tipos de ligantes, que são denominados agentes quelantes. Um agente quelante quando ligado a um íon metálico forma um composto chamado de quelato. Em geral, como um agente quelante pode se ligar ao metal por mais de uma posição simul- taneamente, os quelatos são comple- xos mais estáveis que aqueles envol- vendo ligantes monodentados. A estabilidade dos quelatos metálicos tende a ser proporcional ao número de sítios quelantes disponíveis no agente quelante.

As substâncias húmicas se cons- tituem na classe mais importante de agentes complexantes naturais. Estas substâncias são bastante persistentes e têm sua origem na decomposição de vegetais que se depositam no solo, em sedimentos etc. São uma mistura complexa de materiais poliméricos, com massas molares acima de 300 g.mol-1. As substâncias húmicas são classificadas de acordo com sua solubilidade em água. As huminas são insolúveis, os ácidos húmicos são solúveis apenas em bases e os ácidos

fúlvicos são solúveis em ácidos e bases. Em função de suas proprie- dades de natureza ácido-base, de adsorção e de complexação, as subs- tâncias húmicas, tanto solúveis quanto insolúveis, têm um efeito importante nas propriedades de águas naturais. Normalmente, os ácidos fúlvicos se dissolvem em água, agindo como uma espécie solúvel. Os ácidos húmicos e huminas, por outro lado, permanecem insolúveis e afetam as características de corpos aquáticos através da troca de espécies, tais como cátions e substâncias orgânicas, com a água.

A elevada capacidade de comple- xação frente a metais é um dos aspec- tos ambientais mais importantes das substâncias húmicas e se deve, em grande parte, à presença em sua estru- tura de um elevado número de grupa- mentos carboxílicos e fenólicos. Ferro e alumínio formam complexos bastante estáveis com as substâncias húmicas, ao contrário do magnésio, por exem- plo. Os complexos envolvendo metais e ácidos fúlvicos desempenham um papel importante em águas naturais, pois são responsáveis pela permanên- cia, em solução, de metais de transição

que participam de processos bioló- gicos. Particularmente, estão envolvi- dos nos mecanismos de solubilização e transporte do ferro em águas natu- rais.

Tratamento da água Um dos grandes benefícios das

tecnologias modernas tem sido a drástica redução das doenças transmi- tidas pela água, entre elas a cólera e o tifo. Nos dias atuais, estas doenças não representam mais a mesma amea- ça que já representaram no passado. O aspecto chave para este avanço foi o reconhecimento que a contaminação dos reservatórios de águas destinadas ao abastecimento público, especial- mente por resíduos humanos, era a principal fonte de infeção. A partir de então não foi difícil reconhecer que muitas doenças poderiam ser elimi- nadas através de um tratamento mais efetivo da água, assim como de uma melhor disposição para os rejeitos.

A filtração da água potável foi usa- da, pioneiramente, no início do século XIX, na Escócia e Inglaterra. Atual- mente, as estações de tratamento de água (ETA) são projetadas para forne-

Águas no planeta Terra

A doença de Minamata Um episódio bastante trágico envolvendo mercúrio e outros metais pesados,

conhecido como “Doença de Minamata”, está largamente registrado na literatura. O episódio recebeu o nome do local onde ocorreu, uma pequena vila de pescadores localizada no Japão. Na metade dos anos 50, os gatos da região começaram a apresentar movimentos espasmódicos estranhos, seguidos de paralisia parcial, estado de coma e morte. Inicialmente, imaginava- se que se tratava apenas de uma síndrome peculiar dos gatos e pouca atenção foi dada ao problema. Entretanto, pouco tempo depois, os mesmos sintomas foram observados em habitantes da região, causando grande preocupação. Sintomas adicionais, como insanidade, retardamento mental e defeitos em recém-nascidos também foram observados. Após estudarem vários casos, especialistas diagnosticaram que a causa das doenças era uma intoxicação aguda por mercúrio.

Uma indústria química localizada na região estava descartando seus resíduos contendo mercúrio em um rio que seguia pela Baia de Minamata, onde os habitantes locais pescavam. O mercúrio orgânico descartado se acumulava nos sedimentos da baia, sendo ingerido primeiramente por bactérias e sendo transferido pela cadeia alimentar para peixes e finalmente gatos ou seres humanos. Os gatos foram as primeiras vítimas por se alimentarem quase que exclusivamente dos restos de peixes. Quando a situação foi finalmente controlada, cerca de 50 pessoas haviam morrido e outras 150 haviam contraído problemas ósseos e nervosos. Ainda hoje as marcas da tragédia permanecem, nos deficientes físicos e mentais de alguns descendentes de pessoas atingidas (Nebel e Wright, 2000).

38

Cadernos Temáticos de Química Nova na Escola Edição especial – Maio 2001

cer água continuamente, de maneira a atender a critérios de potabilidade. No Brasil, as normas e padrões de pota- bilidade para a água destinada ao consumo humano, em vigor nos dias atuais, estão dispostas na Portaria n. 36 do Ministério da Saúde, de 19 de janeiro de 1990. Cabe ao Ministério da Saúde, em articulação com as autori- dades sanitárias competentes dos Estados e Distrito Federal, exercer a fiscalização e o controle do exato cum- primento das normas e padrões previs- tos pela portaria.

As principais operações consistem na decantação, coagulação/flocula- ção, filtração e desinfecção (Figura 3). Estas operações têm como principais objetivos a remoção do material parti- culado, bactérias e algas; remoção da matéria orgânica dissolvida, que con- fere cor a água e remoção ou destrui- ção de organismos patogênicos tais como bactérias e vírus. Estas ope- rações podem evidentemente variar dependendo da fonte de água e igual- mente dos padrões a serem alcan- çados (Glynn Henry e Heinke, 1996).

No caso do trata- mento de águas su- perficiais, a água se move pela ação gra- vitacional e a pri- meira etapa consiste na remoção de ma- terial com maior ta- manho através de grades. Ocasio- nalmente, a água que apresenta baixa turbidez pode ser tratada através da decantação direta, sem adição de substâncias químicas, e posterior filtração, para remoção de partículas menores que não se decantam natural- mente. Em muitos casos, no entanto, um agente químico é adicionado para

coagular e flocular as partículas com menor tamanho. Estas partículas, de tamanho coloidal, podem então ser removidas por decantação, em tan- ques, ou diretamente em filtros.

A sedimentação é a forma mais antiga e comum de tratamento de águas e águas re- siduárias. Usa a gra- vidade como agente de decantação res- ponsável pela remo- ção do material parti- culado suspenso da água. Trata-se de um processo simples e de baixo custo e é realizado em tanques de diferentes tamanhos e formas.

As partículas presentes em águas têm diâmetros que variam entre 10-1 e 10-7 mm. A turbidez é causada por partículas maiores que 10-4 mm, en- quanto aquelas menores que 10-4 mm contribuem para a ocorrência de cor e sabor na água. Do ponto de vista operacional, estas últimas são consi-

deradas como dissol- vidas, ao contrário de particuladas.

A água contendo o material particulado flui lentamente para o tan- que de decantação, on- de fica retida por um tempo suficiente para que as partículas maio-

res possam decantar para o fundo do tanque. O material que lentamente se deposita no fundo do tanque é remo- vido manualmente ou ainda meca- nicamente. Aquele material de dimen- sões muito pequenas que não se decanta naturalmente é então remo- vido por filtração ou outros métodos.

A coagulação/floculação é um

procedimento químico e físico onde partículas muito pequenas são deses- tabilizadas e então agregadas para que possam se decantar. Um percen- tual significativo das partículas presen- tes em águas superficiais são tão pequenas que demorariam dias ou até

mesmo semanas para se decantarem natu- ralmente.

A coagulação é um processo químico usa- do para se desesta- bilizar partículas coloi- dais. Adiciona-se um agente químico para gerar íons carregados positivamente na

água, que contém colóides carregados negativamente. Como resultado, ocorre uma redução na repulsão existente entre as partículas. Inicial- mente, agita-se rapidamente o sistema durante cerca de 30 s, afim de au- mentar a dispersão do coagulante. Em seguida, o sistema é agitado lentamen- te, permitindo o contato entre as partí- culas, no processo denominado flocu- lação. Esta agitação lenta e constante pode ser obtida através de pás movi- das mecanicamente ou ainda por meio hidráulico, através do direcionamento adequado do fluxo de água que entra no tanque de coagulação/floculação. Por intermédio da ação combinada de processos químicos e físicos da coagulação/floculação, as partículas coloidais que não iriam se decantar são aglomeradas, formando sólidos de maior tamanho chamados flocos. O sulfato de alumínio é o agente coagu- lante mais freqüentemente utilizado. Entretanto, outras substâncias quími- cas, tais como sais de ferro(III) ou ainda polímeros orgânicos, podem ser empregados na coagulação.

A química da coagulação é relativa- mente complexa, mas pode ser ilustra- da através de equações químicas simplificadas. A coagulação usando Al2(SO4)3 pode ser descrita através das seguintes etapas:

1. O sulfato de alumínio em água gera as espécies Al3+ e SO4

2–. Parte dos íons Al3+ neutraliza as cargas negativas dos colóides.

2. A maior parte dos íons Al3+ se combina com íons OH- presentes na

Águas no planeta Terra

Água bruta

Base e coagulante Desinfecção

Rede de distribuição

Decantador primário

Decantador secundário

Filtro

Figura 3: Representação esquemática de uma estação de tratamento de água.

Um percentual significativo das partículas presentes nas águas superficiais apresenta

dimensão de tal modo reduzida que demoraria

dias ou até mesmo semanas para se decantar

naturalmente

Por intermédio de processos químicos e físicos da coagulação/floculação, as partículas coloidais que não iriam se decantar são aglomeradas, formando

sólidos de maior tamanho chamados flocos

39

Cadernos Temáticos de Química Nova na Escola Edição especial – Maio 2001

água formando Al(OH)3, que interage com outros cátions presentes em solução:

Al2(SO4)3 + 6H2O → 2Al(OH)3(s) + 6H+ + 3SO4

3– (2) Deve-se observar que o hidróxido

de alumínio formado tem uma cons- tante de solubilidade bastante baixa (Kps = 3,0x10

-34). 3. O Al(OH)3 se caracteriza como

uma dispersão coloidal (sol) positi- vamente carregada, que neutraliza as cargas das partículas coloidais presentes na água. O excesso de Al(OH)3 é neutrali- zado pelos íons SO4

2-. O excesso de íons

H+ formados tende a diminuir o pH do meio, o que pode contribuir para a interrupção da forma- ção do Al(OH)3, que é dependente do pH. Em alguns casos, o excesso de H+ é removido pela alcalinidade, presente em águas naturais na forma de íons HCO3

–:

6H+ + 3SO4 2– + 3Ca(HCO3)2 →

3Ca2+ + 3SO4 2– + 6CO2 + 6H2O(3)

A reação geral, combinando as duas equações anteriores, é:

Al2(SO4)3.14,3H2O + 3Ca(HCO3)2 → 2Al(OH)3 + 3CaSO4 + 6CO2 + 14,3H2O (4)

que revela que 600 partes de sulfato de alumínio devem ser adicionadas para cada 300 partes de alcalinidade (expressa como CaCO3). Se a alcalini- dade do meio for insuficiente, o pH do meio deve ser aumentado pela adição de base, Ca(OH)2, NaOH ou ainda Na2CO3. O pH ideal para a coagulação com sulfato de alumínio é aproxima- damente 7.

Normalmente, não é possível se obter uma solução totalmente clarifica- da apenas através do uso da decan- tação direta ou ainda pela combinação da coagulação/floculação e decan- tação. Assim sendo, faz-se necessário o uso da filtração na extensa maioria dos processos de tratamento de água. Nestes casos, a filtração é o processo através do qual a água passa por um filtro que se constitui em uma camada

de areia fina depositada sobre cama- das de cascalho ou pedregulho. O mecanismo da filtração inclui a reten- ção de partículas maiores que os poros do filtro; floculação, que ocorre quando as partículas são forçadas a se aproxi- mar do leito filtrante; e sedimentação das partículas nos poros do filtro. Com o passar do tempo, os poros do filtro, especialmente os das camadas su- periores, se entopem e então o filtro tem que ser limpo através de retrola- vagem.

Para assegurar que a água esteja livre de microorganismos pa- togênicos, ela deve passar por um proces- so de desinfecção. A cloração é o método de desinfecção mais

comumente utilizado na maioria dos países. Quantidades suficientes de cloro, na forma do gás cloro ou ainda de hipoclorito, são adicionadas à água visando destruir ou inativar os organis- mos alvo. A cloração permanece como sendo um método confiável, de relativo baixo custo e de simplicidade de apli- cação. Outros agentes desinfetantes podem ser as cloraminas, dióxido de cloro, ozônio e radiação ultravioleta. A ozonização tem sido bastante utilizada na França e tem ganho popularidade nos Estados Unidos, nos últimos anos (Bunce, 1994).

O cloro se apresenta na forma de gás, sob condições normais de pres- são e temperatura. Este gás pode ser comprimido para ser estocado em cilin- dros, na forma líqui- da. Como o cloro é um gás altamente tóxico, ele é normal- mente dissolvido em água, sob pressão reduzida, e a solução concentrada resultante é apli- cada a água que vai ser tratada. O cloro também pode ser encontrado na forma sólida, como hipoclorito de cálcio, Ca(OCl)2, ou ainda na forma de solu- ção, como hipoclorito de sódio, NaOCl.

O gás cloro reage quase comple- tamente com a água para formar o áci- do hipocloroso:

Cl2 + H2O ∆ HOCl + H + + Cl– (5)

O ácido hipocloroso se dissocia, gerando os íons H+ e OCl:

HOCl ∆ H+ + OCl– (6) A presença do cloro diminui o pH

da água pela liberação de íons H+. O pH do meio é importante porque influencia na extensão com que o ácido hipocloroso se ioniza. Sob valores de pH inferiores a 7,5, o ácido hipocloroso é a espécie predominante. Seu poten- cial de desinfecção é cerca de 80 vezes superior se comparado ao hipoclorito, que é a espécie predominante sob valores de pH superiores a 7,5. O HOCl e o OCl– são denominados cloro livre disponível, o que em outras palavras significa disponíveis para a desinfec- ção. Assim sendo, o potencial de desinfecção do ácido hipocloroso é significativamente aumentado sob valores pH mais baixos, em função da maior proporção de HOCl presente no meio (Sawyer et al., 1994).

O cloro é uma espécie química alta- mente reativa e quando adicionado a água deve oxidar substâncias orgâni- cas e inorgânicas igualmente. Em con- seqüência disto, nem todo o cloro adi- cionado a água irá produzir o chamado cloro livre disponível. A quantidade de cloro que reage com espécies inorgâ- nicas (Fe2+, Mn2+, NO2

– e NH3) e impu- rezas orgânicas é denominada de demanda de cloro. Esta demanda de- ve ser satisfeita antes da formação do cloro livre disponível.

Os aspectos básicos envolvidos no sucesso da cloração são a dose e o tempo de contato. Uma quan- tidade suficiente de cloro deve ser adicio- nada para que a de- manda por cloro seja satisfeita e para gerar uma concentração de

pelo menos 0,2 mg.L-1 de cloro livre disponível, após um contato de 10 mi- nutos, sob pH 7. O excesso de cloro também deve ser evitado, caso con- trário a água irá apresentar um sabor característico indesejado. Isto significa que em uma ETA devem ser feitos tes- tes freqüentes visando se determinar a dose correta de cloro a ser aplicada.

Além destes aspectos, a água a ser

Águas no planeta Terra

O cloro é uma espécie química altamente reativa

e quando adicionado à água deve oxidar

substâncias orgânicas e inorgânicas igualmente

A água a ser distribuída para a população deve conter um certo teor de

cloro residual, de modo a prevenir que haja nova contaminação durante o processo de distribuição

40

Cadernos Temáticos de Química Nova na Escola Edição especial – Maio 2001

distribuída para a população deve conter um certo teor de cloro residual, que pode ser determinado em uma amostra coletada na torneira de nossas casas. Isto é feito para se prevenir que haja nova contaminação da água, principalmente durante o processo de distribuição.

Um dos problemas decorrentes do uso do cloro como agente de desinfec- ção está relacionado com sua capaci- dade em reagir com as substâncias orgânicas de ocorrência natural, que podem estar presentes na água. Estas reações produzem os trialometanos (THM), entre eles o clorofórmio, que é cancerígeno. Os THM não são removi- dos da água através do tratamento convencional, e desta forma deve-se assegurar que a matéria orgânica deve estar ausente da água que vai ser submetida a cloração.

Considerações finais Os avanços conquistados na área

de saneamento básico, especialmente no desenvolvimento de técnicas de tratamento de água, têm contribuído para a melhoria da qualidade de vida de boa parte da popu- lação de nosso pla- neta. Contudo, res- tam ainda vários obs- táculos no estabe- lecimento de um ba- lanço adequado entre nossas necessidades e o funcionamento dos diversos ecos- sistemas da Terra. Primeiramente, é importante mencionar que uma parcela significativa da população mundial ain- da não tem acesso a água tratada. No Brasil, esta situação não é diferente, pois mais de 50% de nossa população se encontra nesta situação.

A demanda por água de boa quali- dade, tanto de populações rurais quan- to urbanas de países menos desen- volvidos, foi identificada pela ONU como o principal desafio mundial exis- tente no início dos anos 80. Passadas duas décadas, verifica-se que a situa- ção pouco se modificou. Ao contrário, observa-se que esta demanda tem aumentado, em função do crescimento populacional do planeta. Este cresci- mento populacional, aliado ao desen-

volvimento industrial e a necessidade por alimentos, deve continuar aumen- tando a demanda por água, o que deve gerar sérios problemas de abasteci- mento no futuro próximo. Ao mesmo tempo torna-se evidente uma progres- siva deterioração na qualidade das fon- tes de água doce, decorrente do descarte de resíduos domésticos e industriais para os corpos aquáticos receptores. Todos estes dados apontam para a necessidade de uma mudança drástica de nosso comportamento fren- te ao uso da água.

Do ponto de vista quantitativo, a agricultura, que consome cerca de 70% da água de boa qualidade exis- tente no planeta, constitui-se no setor com as maiores potencialidades em termos de economia, principalmente através do uso de métodos mais efici- entes e de menor desperdício. Quanti- dades significativas de água também podem ser poupadas pelo setor indus- trial, através de processos efetivos de reciclagem e reuso. A adoção de medi- das que implementem o tratamento de resíduos tanto domésticos quanto

industriais também tende a contribuir para com a melhoria da qualidade das águas superficiais, principal- mente.

Fica portanto evi- dente que tanto no pla- no local quanto global, todas estas questões

terão que ser resolvidas se o que se almeja é o uso sustentável da água. Isto representa um grande desafio e medi- das de natureza política, assim como se mostram necessárias mudanças de atitude por parte da população. Ao mesmo tempo, novos desafios de natureza científica e tecnológica estão sendo colocados frente à comunidade científica mundial, na busca por inova- ções tecnológicas ambientalmente cor- retas. Neste sentido, a compreensão de processos fundamentais, assim como sua interdependência, continuarão sendo essenciais. Todos estes objetivos só serão efetivamente alcançados, contudo, se o poder público abandonar medidas meramente paliativas e inves- tir profundamente na busca e adoção de novas soluções. O uso sustentável

Águas no planeta Terra

Referências bibliográficas BUNCE, N. Environmental Chemistry”.

2a ed. Winnipeg: Wuerz Publishing Ltd, 1994.

BUNCE, N. Introduction to Environ- mental Chemistry. Winnipeg: Wuerz Pub- lishing Ltd, 1993.

GLYNN HENRY, J. e HEINKE, G.W. Environmental Science and Engineering. 2a. ed. New Jersey: Prentice Hall, 1996.

HOWARD, A.G. Aquatic Environmen- tal Chemistry. New York: Oxford Science Publications, 1998.

MANAHAN, S.E. Environmental Sci- ence and Technology. New York: Lewis Publishers, 1997.

MASTERTON, W., SLOWINSKI, E.J. e STANITSKI, C.L. Princípios de Química. 6a. ed. Rio de Janeiro: LTC Editora, 1990.

NEBEL, B.J. e WRIGHT, R.T. Environ- mental Science. 7a. ed. New Jersey: Prentice Hall, 2000.

ORTOLANO, L. Environmental Regu- lation and Impact Assessment. New York: John Wiley & Sons, 1997.

REBOUÇAS, A., GALÍZIA TUNDISI J. e BRAGA, B. Águas doces no Brasil: capital ecológico, uso e conservação. São Paulo: Instituto de Estudos Avança- dos, USP, 1999.

SAWYER, C.N., MCCARTY, P.L. e PARKIN, G.F. Chemistry for Environmen- tal Engineering. 4a. ed. New York: McGraw-Hill, 1994.

U.S. GEOLOGICAL SURVEY. Water Science for Schools home page.[Online] Disponível em http://ga.water.usgs.gov/ edu/

da água é vital para nossa sobrevivência no futuro.

Notas 1. Mercadoria em estado bruto ou

produto básico de importância comer- cial, como café, cereais, algodão, petróleo etc., cujo preço é controlado por bolsas internacionais.

2. Para misturas gasosas, 1 ppmv (parte por milhão em volume) corresponde a 10-6 x p(total). Portanto, ao nível do mar, onde p(total) = 1 atm, 1 ppmv = 10-6 atm. Entretanto, se p(total) = 0,01 atm (valor encontrado a 30 km de altitude), 1 ppmv = 10-6 x 0,01 atm, ou seja, 10-8 atm.

Marco Tadeu Grassi(mtgrassi@quimica.ufpr.br), químico, mestre em química analítica e doutor em quí- mica analítica ambiental pela Unicamp, tem pós-dou- torado em engenharia ambiental pela Universidade de Delaware (EUA) e é professor na Universidade Federal do Paraná.

Todos os dados apresentados aqui

apontam para a necessidade de uma

mudança drástica de nosso comportamento frente ao

uso da água

Até o momento nenhum comentário
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 10 páginas