alimentação na escola, Notas de estudo de Nutrição
valdirene-alves-4
valdirene-alves-4

alimentação na escola, Notas de estudo de Nutrição

7 páginas
50Números de download
1000+Número de visitas
Descrição
atividades pdagogicas sobre alimentação saudável
40 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 7
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 7 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 7 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 7 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 7 páginas
Microsoft Word - document.doc

PROJETO PEDAGÓGICO: ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL SE APRENDE NA ESCOLA!

José Arimatea Barros Bezerra – Universidade Federal do Ceará

Cláudia Sales de Alcântara – Universidade Federal do Ceará Geraldo Magela Oliveira-Silva – Secretaria Municipal de Educação de Fortaleza

Resumo A escola como uma instituição de grande influência na vida das crianças, é o lugar ideal para se desenvolver ações de promoção à saúde, e o desenvolvimento de uma alimentação saudável. Neste sentido, o projeto “Alimentação saudável se aprende na escola”, teve como objetivo estimular os professores da escola municipal João Frederico Ferreira Gomes a desenvolverem atividades sobre alimentação e nutrição de forma transversal e interdisciplinar com seus alunos, promovendo a construção do conhecimento crítico e estimulando um viver mais saudável hoje e no futuro. Por intermédio desta vivência, conseguimos estimular nesse espaço a adoção de práticas alimentares e estilos de vida saudáveis, assim como a construção de um material sobre alimentação saudável e práticas alimentares locais.

Palavras-chave: cultura, alimentação, educação, transdisciplinaridade.

1

PROJETO PEDAGÓGICO:

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL SE APRENDE NA ESCOLA!

José Arimatea Barros Bezerra – Universidade Federal do Ceará

Cláudia Sales de Alcântara – Universidade Federal do Ceará

Geraldo Magela Oliveira-Silva – Secretaria Municipal de Educação de Fortaleza

A escola como uma instituição de grande influência na vida das crianças, é

o lugar ideal para se desenvolver ações de promoção à saúde, e o desenvolvimento de

uma alimentação saudável. Neste sentido, o projeto “Alimentação saudável se aprende

na escola”, teve como objetivo estimular os professores da rede municipal de ensino da

escola João Frederico Ferreira Gomes a desenvolverem atividades sobre alimentação e

nutrição de forma transversal e interdisciplinar com seus alunos, promovendo a

construção do conhecimento crítico e estimulando um viver mais saudável hoje e no

futuro.

Parte-se do pressuposto que uma ação desta natureza não se desenvolve

plenamente tendo como alvo somente os alunos, porém deve envolver toda a

comunidade escolar (professores, alunos, funcionários e pais de alunos), objetivando a

construção de um conhecimento crítico que estimule a busca de condições para um

viver mais saudável.

Este projeto foi idealizada pelo Grupo de Pesquisas em Alimentação,

Cultura e Educação – AgostoS – do Programa de Pós-Graduação em Educação da

Universidade Federal do Ceará – UFC – com o apoio da Pró-Reitoria de Extensão e

ocorreu durante o ano de 2008 (de 05 de julho à 25 de setembro) na Escola Municipal

João Frederico Ferreira Gomes, situada na periferia de Fortaleza, no bairro Parque

Genibaú, que é conhecido pela pobreza e violência. Para sua realização pudemos contar

com dez professores da educação infantil e ensino fundamental I, e seus respectivos

alunos, beneficiando diretamente cerca de 250 crianças e indiretamente suas famílias.

Mesmo em um contexto tão difícil, conseguimos estimular a adoção de práticas

alimentares e estilos de vida saudáveis.

Este projeto proporcionou aos envolvidos a oportunidade de

experimentarem novas possibilidades de trabalharem com um currículo alternativo,

mais flexível e transdisciplinar, aproximando-se dos princípios do conhecimento

2

pertinente (Saber II); além de proporcionar uma experiência marcante na comunidade

escolar, conscientizando para a cidadania, segurança alimentar e sustentabilidade,

trabalhando assim para a construção da identidade terrena (Saber IV).

A ação tinha como objetivo principal inserir no ambiente escolar uma

discussão fundamentada e contextualizada que estimule pensar e adotar práticas

alimentares e estilos de vida saudáveis, através de ações educativas sobre alimentação,

tendo em vista a segurança alimentar e nutricional, assim como, proporcionar

fundamentação teórica básica sobre alimentação, educação alimentar, saber popular e

segurança alimentar e nutricional aos professores da escola; exercitar os conhecimentos

adquiridos numa perspectiva interdisciplinar e promover, com alunos, a confecção de

material sobre alimentação saudável.

O projeto foi dividido então em três etapas, tendo como referencial teórico

metodológico a Hermenêutica de Profundidade de Thompson (1995), com propostas

bem estabetecidas a fim de proporcionar alcançar os objetivos estabelecidos, são elas: a

etapa teórica (quatro encontros), a etápa prática (com dois meses de duração) e a etapa

de oficinas (quatro encontros).

Durante a etapa teórica foram desenvolvidas atividades com os professores

para apropriação das seguintes temáticas: políticas públicas de alimentação e nutrição;

alimentação, na perspectiva de sua dimensão simbólica e representacional; saber

popular e saber escolar; fundamentos de segurança alimentar e nutricional; educação

alimentar e nutricional; interdisciplinaridade. Foram utilizados diversos recursos: textos,

slides, músicas, vídeos, etc com o objetivo de tornar os momentos interessantes e

estimulantes.

No primeiro encontro, iniciamos com uma música do grupo 14 Bis,

intitulada Bola de Meia, Bola de Gude. A escolha dessa música teve por objetivo

compartilhar alguns conceitos que aparecem na letra, ou que a letra sugere: respeito,

palavra, conivência, passado, presente, etc. Depois da música, apresentamos o clipe

Estudo Errado do cantor Gabriel, o Pensador. Nesse momento conversamos sobre o

quanto os professores se preocupam com conteúdos e notas, enquanto colocam em

segundo plano os assuntos que realmente instigam os alunos, que os preparariam para a

vida em sociedade (cidadania) e não apenas para uma prova de vestibular.

Em seguida fizemos uma apresentação em slides onde conversamos sobre a

escola, os PCN, o currículo e os Temas Transversais. Mostramos que a escola é uma

instituição de grande influência na vida das crianças, e que contribui significativamente

3

para a construção dos seus valores, tornando-se o espaço social adequado para se

desenvolver ações que favoreçam a promoção da saúde e o desenvolvimento de

processos educativos voltados para a segurança alimentar e nutricional.

Ainda durante o encontro, foi lido o texto intitulado “Procurando

compreender a fala das classes populares”, do Victor Vicent Valla e exibido alguns

vídeos – disponível no You Tube – que mostravam projetos de alimentação saudável

desenvolvido por alguns professores, em diversos lugares do Brasil, e seus respectivos

alunos, estimulando assim, os professores a construírem seus próprios projetos.

O segundo encontro desta etapa começamos com uma música do

Gonzaguinha, intitulada Guerreiro Menino. Um dos trechos mais enfatizado pelos

professores dizia que sem o seu trabalho o homem não tem honra. E sem a sua honra se

morre, se mata... Não dá prá ser feliz, não dá prá ser feliz... É compartilhado o tema

trabalho como algo que traz dignidade ao ser humano e o proporciona lazer, saúde,

educação, alimentação. Após este momento fizemos a exibição de um curta metragem

muito conhecido e premiado, Ilha das Flores, do diretor e cineasta Jorge Furtado, de

1989. Este documentário, de apenas 12 minutos, nos ajuda a levantar questionamentos

sobre a questão do acesso a alimentação.

Em seguida, apresentamos uma projeção em slides que retrata sobre a fome

no Brasil, a Lei de segurança alimentar e o Programa Fome Zero. Após os slides foi

distribuído um texto intitulado Política de segurança alimentar para o Brasil - Fome

Zero: o Brasil que come ajudando o Brasil que tem fome. Esse texto foi denominado

pelo MDS como sendo uma versão popular do que seria o Programa Fome Zero com o

objetivo de estimular discussões.

O terceiro encontro se iniciou com a apresentação de duas músicas do grupo

Palavra Cantada, Sopa e Pomar, que poderiam ser trabalhada com as crianças,

mostrando recursos musicais que podem ser agregado ao projeto Alimentação Saudável

se Aprende na Escola e trabalhados na sala de aula.

Após as músicas, houve a exibição de dois vídeos, em desenho animado,

sobre educação saudável, que poderiam ser compartilhados com os alunos. O primeiro

vídeo se chama Aula de Educação Alimentar com o Doutor Cenoura, que possui a

direção da nutricionista Letícia de Freitas Ferreira e que faz parte de um projeto que se

chama Crescendo Saudável; e o segundo vídeo se chama Dieta Saudável que ensina de

modo bem humorado a escolher alimentos saudáveis para o consumo.

4

Ao terminar a exibição dos vídeos, distribuimos um texto da autoria da

nutricionista Kathleen Sousa Oliveira com o nome Avaliação do material didático do

projeto "Criança saudável - educação dez", ano 2005. Este estudo teve por objetivo

analisar as cartilhas em quadrinhos dirigidas aos alunos das séries iniciais do ensino

fundamental sobre alimentação saudável.

No nosso último encontro, desta primeira etapa, iniciou-se com uma música,

que poderia ser compartilhada com as crianças, de composição de Toquinho, com o

nome De Umbigo a Umbiguinho, que fala da importância que a gestante tem que ter ao

se alimentar, pois o neném se alimenta do que a mãe come.

Após esse momento compartilhamos com os professores um vídeo da TV

Escola da série hábitos saudáveis, que mostra a importância de uma alimentação

balanceada, do consumo de água, de uma noite bem dormida e da prática de esporte

para uma vida saudável. O que é mais interessante nesse vídeo é o handboliche, uma

atividade interdisciplinar, desenvolvida em uma escola municipal de Porto Alegre, onde

se mistura handball com boliche, para revisar os saberes discutidos em sala de aula.

Após o vídeo, compartilhamos um pequeno texto intitulado Dez passos da

alimentação saudável na escola, que dá recomendações as escolas para alcançarem uma

alimentação saudável dos alunos. Essas recomendações foram publicadas pelo Governo

Federal, em 2006. Ao terminarmos a discussão sobre o texto, pedi que eles escrevessem

sobre o significado dessa primeira etapa do projeto. Em síntese, todos acharam

relevantes a temática da educação alimentar.

Na etapa seguinte, os professores colocaram em prática com seus alunos as

discussões feitas sobre educação alimentar, de modo interdisciplinar, ou seja, nas aulas

de português, matemática, ciências, história, etc, e transdisciplinar, ou seja, não somente

nas disciplinas citadas, mas através delas, tentando superar a separação dos saberes.

Atividades ricas, significativas e criativas aconteceram. Livro de receitas;

pesquisas de preços em aulas de matemática; construção de um alfabeto a partir de

nomes de frutas, legumes, verduras e hortaliças durante as aulas de português;

atividades de colorir e recortes com os alunos da educação infantil; a criação de uma

pirâmide alimentar nas aulas de ciências; criação de adivinhas, paródias e peças teatrais

nos momentos de arte; além de transformarem a sala de aula em uma extensão da

cozinha através da preparação de saladas coletivas.

5

No final desta etapa, como forma de avaliação os professores entregaram

um relatório descrevendo como se deu a sua práxis, assim como a apropriação pelos

alunos. Um dos professores relatou o seguinte:

As quatro etapas do curso foi muito bacana, pois tivemos a

oportunidade de questionar assuntos que antes nossos olhos

estavam vendados. O material trabalhado foi bastante

explorado e com certeza iremos multiplicar posteriormente. (I)

Por fim, na etapa das oficinas, foram ministradas oficinas com os

professores e alunos tendo em vista a apropriação de técnicas de confecção de um

material “Construindo minha cartilha: alimentação saudável se aprende na escola”, um

conjunto dos textos e demais produções elaboradas pelos alunos e professores,

expressando a apropriação do assunto com a mediação de suas práticas alimentares.

Uma das professoras explicou:

Nas aulas diárias os alunos criaram desenhos e também um

livrinho de receitas, o qual entregarei a orientadora do curso.

Foi maravilhoso poder apreciar o potencial dos meus alunos

empolgados para executar o projeto.

O que percebi é que depois de ter dado ênfase a este projeto, as

crianças ficaram felizes pois aprenderam o nome das frutas, o

seu valor nutritivo e também houve o incentivo dos pais, pois os

mesmos colaboraram com as receitas.

Este projeto continua não só no mês de agosto mas também nos

meses seguintes, afinal alimentação saudável é um

compromisso de todos nós.

Nesse material, emergiu a valorização da cultura local e do saber popular.

Neste sentido, o projeto “Alimentação Saudável se aprende na escola!” favoreceu a

criatividade e o desenvolvimento da capacidade crítica dos professores e dos alunos; o

desenvolvimento, ou educação do olhar; a aceitação do conhecimento dos alunos,

percebendo estes como produtores de conhecimento, capazes de organizar e sistematizar

pensamentos sobre o mundo a sua volta; a importância do professor como mediador

desses saberes e o saber científico e escola como uma instituição de grande influência

na vida das crianças.

Referências

THOMPSON, Jonh B. Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na era dos

meios de comunicação de massa. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

6

INTRODUÇÃO O projeto “Alimentação saudável se aprende na escola” foi idealizada pelo Grupo de Pesquisas em Alimentação, Cultura e Educação – AGostoS – do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Ceará – UFC – com o apoio da Pró-Reitoria de Extensão. Ocorreu no período de 05 de julho à 25 de setembro de 2008, na Escola Municipal João Frederico Ferreira Gomes, situada na periferia de Fortaleza, no bairro Parque Genibaú, conhecido pela pobreza e violência. Contamos com dez professores do Ensino Fundamental e Educação Infantil e seus respectivos alunos, beneficiando diretamente cerca de 250 crianças e suas famílias. Proporcionou aos envolvidos a oportunidade de experimentarem novas possibilidades ao desenvolverem um currículo alternativo, mais flexível e transdisciplinar, aproximando-se dos princípios do conhecimento pertinente (Saber II); além de instigá-los para uma experiência marcante na comunidade escolar, conscientizando para a cidadania, segurança alimentar e sustentabilidade, tendo em vista a construção da identidade terrena (Saber IV). PROBLEMATIZAÇÃO A escola como uma instituição de grande influência na vida das crianças, é o lugar ideal para se desenvolver ações de promoção à saúde, e o desenvolvimento de uma alimentação saudável. Parte-se do pressuposto que uma ação desta natureza não se desenvolve plenamente tendo como alvo somente os alunos, porém deve envolver toda a comunidade escolar objetivando a construção de um conhecimento crítico que estimule a busca de condições para um viver mais saudável.

OBJETIVOS A ação tinha como objetivo principal inserir no ambiente escolar uma discussão que estimulasse o pensar e a adoção de práticas alimentares e estilos de vida saudáveis; assim, exercitar os conhecimentos adquiridos numa perspectiva interdisciplinar e promover, com alunos, a confecção de material sobre alimentação saudável.

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Foi necessário, para alcançar o objetivo principal desse estudo, fazer uma pesquisa do tipo qualitativa, ou seja, rica em dados descritivos, com um plano aberto e flexível, focalizada na realidade de forma complexa e contextualizada. Utilizamos ainda a metodologia da Hermenêutica de Profundidade de Thompson.

CONCLUSÃO Atividades ricas, significativas e criativas aconteceram no decorrer desta vivência, resultando na confecção do material “Alimentação saudável se aprende na escola”. Livro de receitas, pesquisas de preços, construção de um alfabeto, atividades de colorir e recortes, a confecção de uma pirâmide alimentar, criação de adivinhas, paródias e peças teatrais, além de transformarem a sala de aula em uma extensão da cozinha. Foram ministradas oficinas com os professores e alunos tendo em vista a apropriação de técnicas de confecção de um material “Construindo minha cartilha: alimentação saudável se aprende na escola”, um conjunto dos textos e demais produções elaboradas pelos alunos e professores, expressando a apropriação do assunto com a mediação de suas práticas alimentares. Nesse material, emergiu a valorização da cultura local e do saber popular. Neste sentido, o projeto “Alimentação Saudável se aprende na escola!” favoreceu a criatividade e o desenvolvimento da capacidade crítica dos professores e dos alunos; o desenvolvimento, ou educação do olhar; a aceitação do conhecimento dos alunos, percebendo estes como produtores de conhecimento, capazes de organizar e sistematizar pensamentos sobre o mundo a sua volta; a importância do professor como mediador desses saberes e o saber científico e escola como uma instituição de grande influência na vida das crianças. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS THOMPSON, Jonh B. Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

PROJETO PEDAGÓGICO: ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL SE APRENDE NA ESCOLA!

(esquema gráfico)

José Arimatea Barros Bezerra – Universidade Federal do Ceará Cláudia Sales de Alcântara – Universidade Federal do Ceará

Geraldo Magela Oliveira-Silva – Secretaria Municipal de Educação de Fortaleza

Até o momento nenhum comentário
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 7 páginas