Anatomia curvaturas fisiológicas e seus eixos, Traduções de Instrumentos de Saúde Física. Universidade Paulista (UniP)
rachel_o._d._gebara
rachel_o._d._gebara15 de Outubro de 2015

Anatomia curvaturas fisiológicas e seus eixos, Traduções de Instrumentos de Saúde Física. Universidade Paulista (UniP)

PDF (110 KB)
4 páginas
1Números de download
740Número de visitas
Descrição
Anatomia da coluna vertebral e suas curvas.
20pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 4
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 4 pages
baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 4 pages
baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 4 pages
baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 4 pages
baixar o documento

Anatomia - Curvaturas fisiológicas e seus eixos

Quando nascemos, a coluna vertebral apresenta uma única curva, sendo

convexa posteriormente. A partir do momento em que a criança eleva a cabeça a

partir da posição prona e desenvolve a capacidade de sentar, a coluna cervical

torna-se convexa anteriormente, formando uma lordose. Com a evolução, a criança

consegue permanecer na postura ereta e caminhar, e as vértebras lombares

desenvolvem uma convexidade anterior, também formando uma lordose. A partir dos

10 anos de idade, as curvas fisiológicas já estão iguais às encontradas no adulto,

com três curvaturas principais: a lordose cervical (concavidade posterior), a cifose

torácica (convexidade posterior) e a lordose lombar (concavidade posterior). O plano

inclinado do sacro na posição ereta está a aproximadamente 30 graus na horizontal.

A disposição particular dos ossos da região lombar é que determina a sua

curvatura, fazendo com que a coluna seja côncava nesta região, sendo denominada

de lordose lombar. É necessário distinguir entre a curvatura óssea que faz com que

as vértebras estejam efetivamente em lordose e anteversão da pelve (aí o problema

está na bacia e não na coluna), e a visão exterior desta região, que nem sempre

está em correspondência com esta linha óssea.

Isso mesmo! A curvatura pode se alterar em função da posição da pelve. Uma

anteversão da bacia (báscula sobre os fêmures para frente) causa uma lordose

lombar, ao passo que uma retroversão (báscula da bacia para trás) leva ao

desaparecimento da lordose lombar.

Outro fator que deve ser levado em conta é o volume das partes moles. Ou

seja, uma pessoa com abdômen e glúteos avantajados pode transparecer um

aumento da curvatura lombar acima do normal.

Movimentos pélvicos, vista lateral. Fonte: Acervo Pessoal, 2009.

Músculos da pelve que estão encurtados na anteversão e retroversão. Fonte:

Na posição ereta, a anteversão é frequentemente causada por um

encurtamento dos ligamentos ou músculos anteriores do quadril. Estes são flexores,

que levam ao surgimento de uma lordose acima (ou uma flexão do joelho abaixo, ou

dos dois juntos). Problemas como este devem ser corrigidos, pois não se trata de

uma causa fisiológica. O problema não é lombar, e sim nos músculos do quadril.

Na coluna torácica (ou dorsal), não há como dissociar as vértebras das

costelas durante os movimentos. A mobilidade intervertebral é muito reduzida no alto

desta região pelas sete primeiras costelas, ligadas anteriormente ao osso esterno.

Esta limitação diminui em sequência, permitindo à região dorsal baixa permanecer

bastante móvel, onde as últimas costelas são flutuantes.

A região cervical também possui uma lordose, assim como na região lombar.

Existe uma fisiologia entre as duas colunas; a superior e a inferior, que se

completam com perfeição nos movimentos ativos. Anteflexão, que começa em cima,

inicia-se por uma extensão occipital que faz o queixo entrar e depois enrolar a

coluna inferior em extensão. A póstero-flexão, que começa embaixo, desenrola a

coluna cervical inferior em flexão, depois termina por uma flexão occipital que

báscula a cabeça para trás.

Os movimentos das duas colunas cervicais podem sempre ser dissociados,

ou seja, uma anteflexão ou uma póstero-flexão da coluna cervical inferior pode

associar-se a uma flexão ou a uma extensão occipital para garantir a horizontalidade

do olhar.

Já na região sacra,os próprios ossos são construídos em forma de curva; no

quadril verificamos que o sacro possui um posicionamento deslocado anteriormente.

É como se uma pessoa se debruçasse sobre uma superfície. É o que chamamos de

mutação sacra, onde a parte superior do sacro (platô do sacro), não é horizontal,

mas oblíqua. Posteriormente posicionado sobre este platô do sacro, encontramos o

primeiro disco intervertebral e a primeira vértebra (partindo-se de baixo para cima),

ou seja, L.5. Essas duas peças são mais espessas anteriormente do que

posteriormente. Então temos que o início da linha vertical da coluna é uma curvatura

vertendo para trás.

Para quem vai trabalhar tratando os desvios de coluna, é essencial os valores

de referência dos ângulos normais da coluna, pois a partir destes é que podemos

identificar o tamanho de um desvio postural e, posteriormente, traçar uma linha de

tratamento adequado.

- Cifose dorsal: 19 a 33 graus;

- Lordose lombar: 25 até 42 graus;

- Ferguson (curvatura lombossacra): 45 até 61 graus.

comentários (0)
Até o momento nenhum comentário
Seja o primeiro a comentar!
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 4 pages
baixar o documento