apostila - arcgis - prof - patricia, Notas de estudo de Engenharia Florestal
eder-jordann-naves-5
eder-jordann-naves-5

apostila - arcgis - prof - patricia, Notas de estudo de Engenharia Florestal

62 páginas
50Números de download
1000+Número de visitas
Descrição
O Geoprocessamento faz-se de uso de uma série de ferramentas computacionais denominadas SIG (Sistemas de Informações Geográficas).
50 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 62
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 62 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 62 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 62 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 62 páginas
vunidbh Centro Universitário de Belo Horizonte Curso de Geografia e Análise Ambiental Disciplina: Sistema de Informações Geográficas INICIANDO NO ARCGIS Vanessa Cecília Benavides Silva Professora Orientadora: Patrícia de Sá Machado Apostila elaborada durante o período de monitoria da disciplina de Sistema de Informações Geográficas no 1º e 2º semestre de 2010. Belo Horizonte — 2010 Departamento de Ciências Biológicas, Ambientais e da Saúde —- DCBAS Centro Universitário de Belo Horizonte UniBH — Curso de Geografia e Análise Ambiental - 2010 Sistema de Informações Geográficas Vanessa Cecilia Benavides Silva / Patricia de Sá Machado SUMÁRIO INTRODUÇÃO... isentas 4 1. CONHECENDO O ARGIS............. eee 5 2. FORMATOS DE ARQUIVOS RECONHECIDOS PELO ARCGIS.................. 5 3. ORGANIZANDO OS DADOS NO ARCCATALOG.................. 7 4. TRABALHANDO NO ARCMAP - FERRAMENTAS BÁSICAS................... 10 e Interface do ArcMap............... eee 10 e Adicionando e trabalhando arquivos ................s 13 * Simbologia e demais propriedades dos layers... 15 e Tabela de atributos... 17 * Selecionando e exportando um dado................ 18 e Opção Zoom To Layer... iii 21 e Adicionando novos Data Frame... 22 e Rotulando informações dos dados... 23 e Habilitando extensões do ArcTooIBOX...................... 26 e Ferramenta Clip... ereee ane ee rea eeranaeeaeraencenraão 27 e Layout do mapa... ..29 Inserindo O títulO............. sereia eee eeee reter 32 Inserindo a orientação... 32 Inserindo a legenda... ..33 Inserindo a escala... eee 36 Inserindo texto... eae 39 Inserindo a grade de coordenadas (Grid)............... 39 e Criando mapas temáticos... eira 42 Centro Universitário de Belo Horizonte UniBH — Curso de Geografia e Análise Ambiental Sistema de Informações Geográficas Vanessa Cecilia Benavides Silva / Patrícia de Sá Machado Qualitativos .............. aerea 42 Quantitativos... ecran 45 e Georeferenciando no ArcMap ................. ea 48 e Vetorizando no ArcMap ............... eee 52 e Criação de Pontos a partir de Coordenadas... 56 e Atualização de tabelas (Join)... 59 BIBLIOGRAFIA E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.............is 62 Centro Universitário de Belo Horizonte UniBH — Curso de Geografia e Análise Ambiental Sistema de Informações Geográficas Vanessa Cecilia Benavides Silva / Patrícia de Sá Machado INTRODUÇÃO O termo Geoprocessamento, de acordo com Câmara e Davis (2001, p.1), “denota a disciplina do conhecimento que utiliza técnicas matemáticas e computacionais para o tratamento da informação geográfica e que vem influenciando de maneira crescente as áreas de Cartografia, Análise de Recursos Naturais, Transportes, Comunicações, Energia e Planejamento Urbano e Regional”. Por sua vez, o Geoprocessamento faz uso de uma série de ferramentas computacionais denominas Sistemas de Informações Geográficas (SIG) para o tratamento das informações geográficas. Existem diversos conceitos para SIG, conceitos que favorecem diferentes princípios. Segundo Davis (1997, p.1) “são sistemas automatizados usados para armazenar, analisar e manipular dados geográficos, ou seja, dados que representam objetos e fenômenos em que a localização geográfica é uma característica inerente à informação e indispensável para analisá-la”. É nesse contexto que a seguinte apostila foi elaborada visando o propósito de apresentar o software ArcGIS, suas ferramentas e comandos básicos para servirem como subsidio àqueles que precisam dar início à sua utilização. Cabe ressaltar que são apresentados apenas passos iniciais para manusear o software, cabendo ao usuário fazer uso das informações aqui presentes e ter iniciativa de buscar outras fontes e praticar o uso das ferramentas sempre que possível, para descobrir outras possibilidades, afim de adquirir autonomia na aplicação em diferentes trabalhos. Centro Universitário de Belo Horizonte UniBH — Curso de Geografia e Análise Ambiental Sistema de Informações Geográficas Vanessa Cecilia Benavides Silva / Patrícia de Sá Machado 1. CONHECENDO O ARGIS O ArcGIS é um conjunto integrado de softwares de Sistema de Informação Geográfica produzido pela empresa americana ESRI (Environmental Systems Research Institute), que fornece ferramentas baseadas em padrões para realização de análise espacial, armazenamento, manipulação, processamento de dados geográficos e mapeamento. O ArcGIS é constituído por: 2. ArcCatalog º. Aplicação destinada ao gerenciamento dos dados a serem trabalhos (conectar, pré-visualizar, criar arquivos, modificar, etc). ArcMap a : Aplicação central do ARCGIS, onde é possível trabalhar com os dados e informações geográficas, gerar mapas, e trabalhar com outras diversas questões relacionadas à análise espacial. ArcToolBox %. Apresenta diversas ferramentas, extensões do ArcMap, que permitem a realização de uma série de operações mais elaboradas com dados geográficos. ArcReader&: Aplicativo que permite visualizar e explorar arquivos já desenvolvidos no ArcMap. ArcScene a. Aplicativo que permite a elaboração de dados geográficos em 3D, além de criar vídeos e animações. ArcGlobe O] :Aplicativo que apresenta um globo terrestre onde se pode navegar em três dimensões. FORMATOS DE ARQUIVOS RECONHECIDOS PELO ARCGIS As informações no ArcGIS estão organizadas em arquivos de vários formatos. Alguns deles são listados abaixo: Shapefile (shp): arquivo vetorial: polígono a, linha EB e ponto Ea é acompanhado sempre de mais dois arquivos que são do formato dbf (arquivo que possui o banco de dados/atributos) e shx (arquivo que cria vínculo entre o shp e o dbf). Grid. Jpg, Tiff MrSid e outros: arquivos raster: pode ser uma imagem de satélite, fotografia aérea, carta topográfica, em diversos formatosEãl.. Centro Universitário de Belo Horizonte UniBH — Curso de Geografia e Análise Ambiental Sistema de Informações Geográficas Vanessa Cecilia Benavides Silva / Patrícia de Sá Machado . Layer: arquivo de extensão (lyr). Arquivo que armazena especificações (sombreamento de cor, rótulos, fonte, cor, etc ) para a apresentação em outros conjuntos de dados. O arquivo de lyr está vinculado ao arquivo de dados. e Base de dados: geodatabase (mdb). Consiste em uma coleção de dados geográficos de vários tipos, sendo os mais comuns feições, imagens e dados tabulares. e Tabela: tabelas de atributos, normalmente no formato abf . mxpt. arquivo que armazena o mapa, ou seja, permite visualizar todos os dados trabalhados em uma sessão específica, contendo as instruções dos dados trabalhados presentes em uma pasta específica. Esse arquivo não possui os dados em si; caso os arquivos de dados forem deslocados para outra pasta ou mesmo renomeados, o arquivo de mapa não abrirá corretamente. e TIN: é um modelo de superfície baseado em vetor que representa a superfície geográfica com triângulos contíguos não sobrepostos. Os vértices de cada triângulo possuem valores X, Y, Z. No software, os dados geográficos são organizados segundo suas semelhanças temáticas e vêm acompanhados por uma tabela de atributos correspondente aos dados descritivos do arquivo (dados alfanuméricos). Os formatos de armazenamento de dados espaciais são divididos em dois tipos: Vetorial e tipo Raster que são modos de representar o espaço por meio de estruturas geométricas. No formato Vetorial, os dados geográficos são representados por pontos, linhas e polígonos. Pontos E: Localidades, sedes, escolas, aeroportos, etc. Cada ponto é armazenado por um par de coordenadas (X, Y). Linhas El: Drenagem, ferrovias, rodovias, etc. Cada linha é armazenada por dois pares de coordenadas (X, Y); (X, Y). Centro Universitário de Belo Horizonte UniBH — Curso de Geografia e Análise Ambiental Sistema de Informações Geográficas Vanessa Cecilia Benavides Silva / Patrícia de Sá Machado Polígonos El: Divisões político-administrativas: países, estados, municípios, etc. Cada polígono são sucessivos pontos e linhas, onde a coordenada do primeiro ponto coincide com a coordenada do último ponto. No formato Raster Ea, as informações são armazenadas por matrizes ou grades formadas por células (pixel —- menor elemento da imagem) de tamanho igual, e que possuem um determinado valor, cujo tamanho determina o nível de detalhamento da informação. Imagens de satélite, fotografias aéreas, cartas topográficas, etc. 3. ORGANIZANDO OS DADOS NO ARCCATALOG Antes de iniciar a manipular os dados no ArcMap, é interessante abrir o ArcCatalog É para que se possa pré visualizar e gerenciar os arquivos a serem trabalhados, de modo a 7 Centro Universitário de Belo Horizonte UniBH — Curso de Geografia e Análise Ambiental Sistema de Informações Geográficas Vanessa Cecilia Benavides Silva / Patrícia de Sá Machado definir o caminho (criar atalho) da pasta onde os arquivos estão gravados. Sua interface proporciona um conjunto de funções que facilitam no gerenciamento dos arquivos. No ArcCatalog é possível, entre outras funções, criar arquivos, modificar tabelas, adicionar e modificar propriedades. Para exibir um diretório na árvore de catálogo, deve-se clicar no ícone Connect To Folder = , aonde será possível selecionar a pasta que armazena os arquivos estabelecendo assim um caminho de conexão. A conexão também pode ser realizada diretamente do ArcMap. EERERIZE [Location EO mm Eca Syeshest [FEDCEST pone E * [Connect to Folder 21x Choose the folder to which you mank to connect: (6 Coocuments and setting E YiiScografiaists YEiGeografialsIG ( frcweb Services (E Coerdinate Systems (9 Database Connections (8 Database Servers (E Gis servers É Interoperabity Conmectiar (EB) Scalar References EA Search Results (63 Tooboxes (£3 Trading Connections TD Engenharia Cl (EB Engenharia de Alimentos (EB Engenharia Elétrica (EB Engenharia Quimica Cartografia Tematica - Manhã Geosplicado Sensoriamento Remota SR JuniaBorges €E3 Gestão =] E Logo, a pasta adicionada aparecerá na lateral esquerda da interface do ArcCatalog. Pode-se clicar no arquivo desejado para visualizar e conhecer as informações presentes no mesmo. É possível visualizar os dados em três formas: 1. Contents (conteúdo): Mostra a lista de arquivos (conteúdo) de dados geográficos, presente no diretório selecionado. Centro Universitário de Belo Horizonte UniBH — Curso de Geografia e Análise Ambiental Sistema de Informações Geográficas Vanessa Cecilia Benavides Silva / Patrícia de Sá Machado EEE ERES! Fle Edt View Go Tools Window Help vob BE x sjejasomjaavoo[s|] Lossio [MGsomaiassiaMias | Sueste: [CEA JASBM ===" 2) Contents | Preview | Metadata | | | | | Name Type “8 Ciocuments and Settingsido | [E] Bacias Federais xt Text Ple EG YilGcografiaisio Elbaciasfederais region.shp Shapefile BEM apostilas Distritos txt Text File E Brad E) ioga ta Testei “EN Minas Elliga dist point.shp Shapefile. (EB Arcieb Services EBliga Joc point.sho Shapefile E coordnate systems Eltocaldades pe Tetrle (EB Database Connections Ens aero .shp Shapefie (L3 Database Servers Ens FERRO. Rename, para apagar > Delete. 2. Preview (pré visualização): Permite a visualização do conteúdo gráfico do arquivo selecionado no Contents. Essa opção permite duas maneiras de visualizar o dado representado: Geography ou Table. A primeira exibe o dado espacial, ou seja, a representação vetorial ou raster do espaço. A segunda exibe a tabela de atributos associada ao desenho, quando existente, com as informações alfanuméricas. Zomeno[ Piva | veadas | Prevem | [Boogaçhy E Centro Universitário de Belo Horizonte UniBH — Curso de Geografia e Análise Ambiental Sistema de Informações Geográficas Vanessa Cecilia Benavides Silva / Patrícia de Sá Machado Conianta ( Preview) Matacata | Ho | Stopo” | consuma ET x Ts Icone am q a eté 0 Abre.carpo dO Asia SO Açucena 6a [Água Bom 70 Água Comprida 80 [aquard 0 [Águas Fommosat ao Águas Vermelhas 310 Aimgeto 220 iágvoca 239 [Alagoa aãG Aberta 250 |agém Paraba NE [Atera 283 jAitresio Vasconcelos ara james Recorde (oé 853) Cptioes = 3. Metadata: Dados sobre os dados. Recurso do software que permite armazenar o histórico das modificações realizadas nos arquivos, os procedimentos de modificação, a descrição do arquivo, a referência espacial, os atributos, o autor, etc. Essas informações são organizadas no software pelo usuário, através desse recurso. MG MUNIG im EEE ce | into é ec aii ri ne Ten pod to me the ita ie rele Após esse passo, pode-se fechar o ArcCatalog e abrir o ArcMap para que se possa começar a trabalhar com os referentes dados. 4. TRABALHANDO NO ARCMAP - FERRAMENTAS BÁSICAS e Interface do ArcMap O ArcMap é o aplicativo central do ARCGIS. Nele é possível manipular os dados espacial e alfanumérico, buscando investigar de forma espacial, os problemas e questões formuladas acerca de um determinado lugar. Permite agilizar a análise de grande quantidade de dados geográficos e realizar o processamento dos mesmos. 10 Centro Universitário de Belo Horizonte UniBH — Curso de Geografia e Análise Ambiental Sistema de Informações Geográficas Vanessa Cecilia Benavides Silva / Patrícia de Sá Machado Ao abrir o ArcMap a aparecerá uma caixa de diálogo que permite começar a trabalhar em um novo mapa vazio (A new empty map), em um modelo pré existente, no formato MXD (A template) ou em um mapa já existente(A existing map). Templates provide ready-to-use layouts and base maps for various geographic regions. PÉ c pncusina rep [Browse for maps. [CA Nueva carpetalafricalsudao localizaçao. mui Ao clicar em A new empty map, a interface do ArcMap será a seguinte: REIS] jDema|t 2ax|> |+|] 3 gs dD|x| E] Tabela de conteúdos Vista de dados anpenal [of fomos RO S|Ds Avioso mhumBzu Av &s dr rr [EE 11 Centro Universitário de Belo Horizonte UniBH — Curso de Geografia e Análise Ambiental Sistema de Informações Geográficas Vanessa Cecilia Benavides Silva / Patrícia de Sá Machado O espaço à direita da tela é o ambiente onde os dados são visualizados — vista de dados (Data View). No espaço à esquerda, os dados são manipulados — tabela de conteúdos. A tabela de conteúdos pode ser recuperada em Windows > Table of contents. CEO | Ele Edit Seu Bookmarks Insert Selection Took | Window Eelp Magniier [EE EE EB ArcToohox ED command Line 1 As funcionalidades principais do ArcMap aparecem na barra de ferramentas (Tools) que pode ser recuperada em View » Toolbar » Tools. a als =|fiele s)j2 ck jojagEI aumentar e diminuir zoom, ã zoom fixo hipertink visualizar extensão total) [voltar ou avançar deslocar 5 coordenadas) Ê Os layers são as camadas ou planos de informação que representam os dados espaciais, ou seja, é a representação espacial georeferenciada, que descreve as formas e as dimensões dos elementos do mundo real. 12 Centro Universitário de Belo Horizonte UniBH — Curso de Geografia e Análise Ambiental Sistema de Informações Geográficas Vanessa Cecilia Benavides Silva / Patrícia de Sá Machado hidrografia elevação infraestrutura solo uso da terra registrados a um mesmo sis- tema de coor- denadas superfície representada pelos layers O Data Frame é uma moldura de dados, ou seja, o espaço onde os dados espaciais (layers) são adicionados e organizados. Um projeto pode possuir mais de um Data Frame, e em um mesmo Data Frame, pode-se incluir vários planos de informações. Como por exemplo, pode-se criar um Data Frame com o limite de um município e outro Data Frame com o limite do estado em que esse município se encontra, permitido assim a elaboração de um encarte de localização no layout. Cada Data Frame possui propriedades específicas em relação ao sistema de coordenadas e a escala. e Adicionando e trabalhando arquivos Para adicionar um arquivo a ser trabalhado deve-se clicar no ícone Add data + presente na barra de ferramentas na parte superior ou no menu e acessar a pasta em que se encontram os arquivos. Aparecerão os arquivos que o programa suporta, em seguida selecionar e adicionar os que se deseja trabalhar clicando em Add. [ER [E Ee em Insert Selection. Tols Snow He Dam cu bao É pen canso E se chhs save as, re rretem S eim. E8! DocumentProporics Inport from review project. Exporta. Ext alsra 13 Centro Universitário de Belo Horizonte UniBH — Curso de Geografia e Análise Ambiental Sistema de Informações Geográficas Vanessa Cecilia Benavides Silva / Patrícia de Sá Machado IGA SEDE shp MG.shp MG AERO .shp MG FERRO.shp MG HIDRO.shp. Mme: EAD ENG Sonovpe: [DaseisandimemCi) e] Guei Logo os dados são incorporados na vista de dados do ArcMap E E im data frame 3 mao. - ) lafers aU nave a escala fare aa tel Pode-se renomear o Data Frame, dando duplo clic no mesmo e clicando em General. O mesmo pode-se fazer com os layers, dando duplo clic e indo na opção General. Para trocá- los de posição, deve-se clicar com o botão esquerdo (BE) do mouse, segurar firme e arrastar o layer para a ordem desejada. A ordem dos níveis na tabela de conteúdos corresponde à ordem de visualização na vista de dados. Para tornar visível apenas um dos layers, deve-se clicar com o BE do mouse no box ao lado do nome do layer e desmarcar. Para tomá-lo novamente visível deve-se marcá-lo com um clic com o botão esquerdo do mouse. Para remover um layer, deve-se clicar com o direito e ir à opção Remove. 14 Centro Universitário de Belo Horizonte UniBH — Curso de Geografia e Análise Ambiental Sistema de Informações Geográficas Vanessa Cecilia Benavides Silva / Patrícia de Sá Machado TE pessuarar SÊ tata DE Munápios O an jeval Simbologia e demais propriedades dos layers Para realizar alterações nas cores e simbologias dos layers têm-se duas opções de procedimentos. A primeira, clique com o botão direito do mouse (BD) sobre o desenho do layerna tabela de conteúdos, e escolha a cor do objeto. BODEROCOO BODERECOO EDDRREEDO ODONEEEOO EEDDEEEROO HEDDNEREROO HEDDRRRROO ODOREENOO More Cos, A segunda, dando clic com o BE do mouse no desenho do layer na tabela de conteúdos. Abre-se uma caixa de diálogo onde se pode mudar cor, espessura, linha de borda, forma, textura, etc. 15 Centro Universitário de Belo Horizonte UniBH — Curso de Geografia e Análise Ambiental Sistema de Informações Geográficas Vanessa Cecilia Benavides Silva / Patrícia de Sá Mach ado as Gerais Municípios Category [am E] Preview Highuay Highuay Ramp Bione =— — Eotor !.| wii = Espressuay Expresomay amp Midi [100 =] Major Poad Arte Street — —— Properties. Collector Sueet ResidentialStest MoeSmbos + Bave Reset Display [ Soutce] Selection > Cancel Ao clicar com o BD do mouse no layer aparecerá uma série de opções a serem trabalhadas no mesmo. 28 layers Efe] mono) DO Baco X Remove EB Open Attribute Table JoinsandRelates — ol Visible Scale Range Use Symbol Levels Selection Label Tentures E? Convert Features to Graphics, Convert Symbology to Representation. Data — Save As Layer File ES Properties copiar nível de mapa remover nível de mapa abrir a tabela de atributos adicionar informações à tabela de atributos seleção rotular informações no mapa dados propriedades Clicando com o direito no Data Frame > Properties, se abre uma janela que permite definir e modificar algumas propriedades gerais, c. omo o Sistema de Coordenadas (Coordinate System), a escala do mapa (Data Frame), a grade de coordenadas (Grid) e outras opções. 16 Centro Universitário de Belo Horizonte UniBH — Curso de Geografia e Análise Ambiental Sistema de Informações Geográficas Vanessa Cecilia Benavides Silva / Patrícia de Sá Machado E & adábaio Eu DX Rene: mB Labelne Betivate e O heuGrmntager EE pesetsye(o) um Aave=n] Turm AlLayere OR Select AlLayers Expand Layers Colepse AlLavers Refererco sede. » Bedvanced Drawing Ostics. Conter Leao bo fimose S Convert Festuresto Sraphics EEE EEE Gene | Datafiame | Coodnatesyeten | Ilminsion | Gio | HapCache | E Memo, Descrption Cris [email vagos E bistlay: — [Degree rinutes secords = plnts er Entont Soctanglos 2x] Era SE [H e Tabela de atributos Referenco Scale Rota Label Ençie: lares E a [Est Standard LabelEngne 1] E] =| se Para abrir a tabela de atributos de um layer, deve-se clicar com o BD sobre o layer desejado e clicar em Open Attribute Table. Logo a tabela será aberta e mostrará as informações presentes do layer selecionado. | E Altibute ui VE ADRO. E EEE IRo 7 rm | Tizeuce [E rumo —| 5 [om 2 Pebiec | 4 Córeoo 5 bob | "5 [Córego 4 bone — [76 [Cárego [| 5 tune —| 7 eine 24 Zoom Tolayer É Pebiec | 6] Cônego Thee — | 8 [Cárego bone — [0 [Cárego Veble Scae Range » E] 3 Puiyine 12 [Cóneuo 16 Pobino | 18 |Cómego Use Symbol Levee e Pobre —| é | Cóego 1 vonane [16 [ego selecton +) tune eine tá Pobine | 17 [Siege ERES 16 Pobre —| 18 | Cóego 18 vonane [19 Cego [| 57 tune —| O eine pm 16 Pobine | 24 [Sómego E Conven Eures to Crpric. 16 Pobine | 22 | Cóego ne [28 [Cóego Conv Synbloy o Reese Hirprtene — a fcâre data b Os — [58 caso Frade ce ei Socefe Laps. neseisiaja 1/5[5] Sto: AT [Seca | record fncutof “za Sec) Opera - 8 Peperes.. To Para editar algum dado da tabela de atributos deve-se abrir a barra de ferramentas de edição, clicando em View => Toolbars > Editor com o direito e habilitar a função Editor. Logo a barra de ferramentas do Editor aparecerá. Clicar em Editor Editing Edseneitino | e selecionar o arquivo que será editado. Editor * » Start 17 Centro Universitário de Belo Horizonte UniBH — Curso de Geografia e Análise Ambiental Sistema de Informações Geográficas Vanessa Cecilia Benavides Silva / Patrícia de Sá Machado . indow Help 3 dra +[pem sdMjesnr|prjaanusaesNo ros Seaneiiiio amem E da | uato:oE & e ro [Tecnisa =] [Teve [MEBDEE O E] Arouam aretad ânSiem coso 4 sam aa Gendatabace Hisooy icone Network Letng Gecreterencing tico cal Anata MoreLciingT=ols + IE reprics Lsbeing ARE Lau Mp tecno Neta bs Paes Cenerueon Pullades Fase Paimina presentation a soja na Reustátira 4 fa aum piu|Acôcér ro Ssheratie z |bearoc Para começar a editar a tabela de atributos, é necessário abrila e alterar os dados desejáveis. * Selecionando e exportando um dado Existem várias maneiras de selecionar um arquivo: Select Features (Selecionar entidades), Select by Attributes (Selecionar por atributos), Select by Location (Selecionar por localização) e Select by Graphics (selecionar por gráficos). Para selecionar pela primeira opção (Select Features), clicar com o BE no ícone o presente na barra de ferramentas. Para selecionar pelas outras três opções, clicar com o BE sobre o nível, em seguida em Selection e escolher a opção. No seguinte exemplo, será utilizada a opção Select by Atributes. Selection Tools Window Help By Select By Attriutes &h select By Location. E seecr py renhics: lagunodespju ron sa7 A janela que se abre permite definir as características do elemento que se quer selecionar, através de uma sentença SQL. 18 Centro Universitário de Belo Horizonte UniBH — Curso de Geografia e Análise Ambiental Sistema de Informações Geográficas Vanessa Cecilia Benavides Silva / Patrícia de Sá Machado Em Layer, aparece um dos layers presentes no Data Frame do mapa. Laper & MG MUNDE É necessário verificar se o que está aparecendo é o que se deseja selecionar informações. O quadro que aparece abaixo apresenta os campos presentes na tabela de atributos do layer. Dar duplo clic no campo que se deseja selecionar. No caso, o nome dos municípios de Minas Gerais (NOMMUN). “ED” “CODMUNI" “NO MMUNI Clicar em = [Ee] se] DD] Celielia] FERE ai e logo em Get Unique Values. Aparecerão no quadro ao lado, os nomes dos municípios, dar duplo clic no município que se deseja. Papagaios - Paracatu! Paraguaçu! Paraisópolis! E [E “Pará de Minas" - ao + GetlnigueNaues | Go To: Todos os comandos que foram realizados foram estruturados no último quadro, como uma fórmula. CNOMMUNI" = Paraopeba Ea] Clear Vety Help Load Save. Conferir os dados e clicar em OK. 19 Centro Universitário de Belo Horizonte UniBH — Curso de Geografia e Análise Ambiental Sistema de Informações Geográficas Vanessa Cecilia Benavides Silva / Patrícia de Sá Machado Select By attributes Lager: E MG MUNS6 mM TT Orly show selectable lapers in this list Mehod [esearenmedor “FD” a Dl o el Prmeai DD [>=] ama] | pagar ES ee ea. É | GetUniqueelues | Go To: SELECT * FROM MG, MUNSE WHERE: NOMMUNI = Paraopeba! | O dado selecionado aparecerá destacado no mapa. Outra opção para selecionar o arquivo é clicando no ícone de seleção a] na barra de ferramentas, e clicar diretamente no mapa no município desejado. 20 Centro Universitário de Belo Horizonte UniBH — Curso de Geografia e Análise Ambiental Sistema de Informações Geográficas Vanessa Cecilia Benavides Silva / Patrícia de Sá Machado Após a seleção do dado (independente da opção) pode-se exportar o dado. Para isso, clicar com o direito no layer que se está trabalhando Data > Export Data. Escolher a pasta que se quer salvar o novo dado em Output shapefile or feature class, e clicar em OK. x E É Layers Õ Es copy X Remove EB Open Atirbute Table Joins and Reltes 4 Zoom To Layer 2 zoom To tiate vise Visble Scale Range Use Symbol Levels Expott — [Selected features] Selection EEE Use the same cocrdinate system as E his layers source data Convert Labels Lo innotation a € lhe data ame E Cematievesi eres WO he festure detesetyou expor lhe dai orvert5yriboloay to Representatiom / (erly ppl if vou export to o fe-ture dataset a pedatebase! Output shapefie or feature class: ESSE EEE [Escuna rá sro TESE eira E] ES! Properties “em Metadata, Bh Revien/Remeizh fidiresses E EE A janela que se abre pergunta se os dados exportados deverão ser adicionados como um layerno mapa, clicar em Sim. EE = m Do you want to add the exported data to the map as a layer? Logo, o dado exportado aparecerá no Data View e na tabela de conteúdos do ArcMap. re a a + a / ql NX (o 1 DD Lo DN Lo * Opção Zoom To Layer 21 Centro Universitário de Belo Horizonte UniBH — Curso de Geografia e Análise Ambiental Sistema de Informações Geográficas Vanessa Cecilia Benavides Silva / Patrícia de Sá Machado Quando se deseja visualizar a extensão total de um layer na tela, clicar com o BD no layer &» Properties > Zoom To Layer. EF ros “0 O Eau E e peqme H EE Oper Atuo Eae are oh CERA a É Cervo Easturs co api pe oa hop Esta So he Logo [8 Properties. o [EE enjoa S * Adicionando novos Data Frame Para adicionar um novo Data Frame ao projeto, clicar em Insert > Data Frame. File E Bookmarks [Insert Selection Tools DES nas alaisjpnmEto Tet Logo, o novo Data Frame será inserido e pode-se inserir novos shapefiles clicando novamente em Add Datal + . 22 Centro Universitário de Belo Horizonte UniBH — Curso de Geografia e Análise Ambiental Sistema de Informações Geográficas Vanessa Cecilia Benavides Silva / Patrícia de Sá Machado =fefxd QeDiNs/ko da inema Pi vex|o|+ ditodoNM| Lisp an Jena ef Podem ser adicionados quantos Data Frame forem necessários, porém, apenas um ficará ativo, que aparecerá com o nome em negrito. Os dados do Data Frame ativo são os que aparecem no Data View. Deve-se ficar atento a isso, pois, caso contrário, informações podem ser adicionadas, alteradas ou removidas do Data Frame errado. As propriedades de escala, sistema de coordenadas, entre outras, são relativas ao Data Frame, portanto, cada um pode conter informações que são diferentes entre si. E É Minas Gerais EM Hidrografia a Municípios 5 Mem Data Frame Para trabalhar com outro Data Frame deve-se ativá-lo clicando com o BD sobre o nome no mesmo e Activate. e Rotulando informações dos dados Para inserir no mapa informações contidas na tabela de atributos, clicar com o direito no layer correspondente e clicar em Label Features (rotular feições). Logo, as informações de um dos atributos serão inseridas no mapa. Deve-se ter o cuidado de verificar se os nomes adicionados ao mapa correspondem à informação (coluna) desejável, visto que todos os 23 Centro Universitário de Belo Horizonte UniBH — Curso de Geografia e Análise Ambiental Sistema de Informações Geográficas Vanessa Cecilia Benavides Silva / Patrícia de Sá Machado campos podem ser inseridos como rótulo no mapa. . Por exemplo, ao abrir a tabela de atributos do layer Hidrografia aparecem as informações FID, Shape, ID, Tipo, Nome e Local, são potencialmente rotuláveis no mapa. ED [ Shape: [in NOME LOCAL x FL afeotvine 1 [aque do Estreto Esposa 1 Potsine 3 Camel do Ribeirão Agualimpa pum. 2 Potsine 4 Córrego Bananal Resplendor 3 Polsine 5 Córtego Beheciouro Uraí à Potsine 8 (Córrego Bom Jerdim São Francisco 5 Polsine 7 Côrtes Brejo do Ambrósio Jeretênia 6 Potsine 8 [Córrego Burti Urucuia 7 Pobsine 9 Córrego Cachoeira das Porcos São Jodo da Paraiso & Potyime [TO (Córrego Catolé Jenuéria 9 Polgine [12 Córrego Conins Burtis 70 Poivine— [13 (Córrego da Erueca Alfenas 44 Poipine [tá Córrego da Formiguinha São Sebastião do Portal 12 Poivine [15 (Córrego da Peroba ou Bom Sucesso Santa BérberaiBom Jesus do Amparo 15 Poipine [16 Córrego do Eebecdouro São Sebestio do Pontal 14 Pobine [ar Córtego dos Bois Jemuéria 15 Poipine [18 Córrego Fundo Francisco Dumont 16 Polvine | 19]Córtego — [Córrego Furado Novo eba 1 Janaúba 47 Poipine | 20 [Córrego [Córrego Gameteira Castinga 18 Pobpine | 21 [Córrego [Córrego Jecuí do aurélio Esposa 18Poiyins | 22/Córego [Córrego Macaúbas Varzelêndia 20 Poivine | 23]Córtego [Córrego Pau de Cheira Jequitibá 21 Poiyine | 24 [Córrego [Córrego Rico Paracatu 22 Pobvine | 25]Córrego [Córrego Semambaia Metozinhos 7 Polyine | 26 Córrego [Córrego Santana Rio Perco de ines [=] Record; 14/ 4 1 »[m] Shom[/ selected | Records (O out of 435 Selected) Options — Para manipular qual dos campos irá ser rotulado, clicar com o direito no layer correspondente, no caso Hidrografia e ir à opção Properties. Aparece na caixa de diálogo das propriedades do layer uma série de opções, para selecionar as propriedades do layer, clicar na aba => Label. ax) Geresal | Sousce | Selection | Display | Sgerbology | Fieide | Dera Qu Label [bs 3 As] FF Label fede im lis les Method Label atha leste Ie same voa = AM autos dl ba nad using he cpa space TedSbra dio TE[TTT—) e | Text Symbol [gas = 5 PER E/mlrju| soa Dias piora | | Presa Labol São Elscemerk Proposta. | Scale Range | Label Sigea | L: = a = || ES Ao clicar na setinha da opção Text String > Label Field aparecem os campos presentes na tabela de atributos. Basta selecionar o que se pretende colocar no mapa e se necessário, alterar a simbologia do texto. Clicar em OK. 24 Centro Universitário de Belo Horizonte UniBH — Curso de Geografia e Análise Ambiental Sistema de Informações Geográficas Vanessa Cecilia Benavides Silva / Patrícia de Sá Machado General | Source | Selection | Display | Symbology | Fistds | Definition Query Labels | Joíns & Felates | JP Label features inthis layer. Method: Label allthe features the same may. E Al features wil be lsbeled using the options specified. [Test Sting Label Field TIPO = Espresso. | FD p Test Symbol ID TIPO 5 NOME - AsE( LOCAL E TEIEIo Smbo, [Olhar Options | Predefined Label Style PlcemenPopertes. | SoabRango. | | Label Styles, | EEE Após a seleção da informação a ser rotulada, clicar com o direito no layer correspondente e ir à opção Label Features. E É Minas Gerais 5 — EB copy Muniz X, Remove E Open átirbute Table E NemDat anime andReltes » 4R ZoomTo Layer A zoom toma-se Visble Scale Range » Use Symbol Levels Selection. » Convert Label to forotetiom SÉ Convert Features to Graphics. orpverk Eymboloy bo Representetiom Data , Save As Layer Fe, ES Properti: Logo, as informações rotuladas aparecerão no mapa. 25
Até o momento nenhum comentário
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 62 páginas