Apostila de Economia, Notas de estudo de Economia. Universidade Estadual de Maringá (UEM)
natyvet37
natyvet37

Apostila de Economia, Notas de estudo de Economia. Universidade Estadual de Maringá (UEM)

38 páginas
1Números de download
71Número de visitas
Descrição
Apostila de introdução de Microeconomia e Macroeconomia
20 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 38
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 38 páginas
Baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 38 páginas
Baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 38 páginas
Baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 38 páginas
Baixar o documento

FACCAT - FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA PROF. ME. PAULO ROBERTO VON MENGDEN

ECONOMIA

Introdução à Economia

Conceito: É uma ciência social que estuda como o indivíduo e a sociedade decidem empregar recursos produtivos escassos na produção de bens e serviços, de modo a distribuí-los entre as pessoas e grupos da sociedade, a fim de satisfazer as necessidades humanas. Em qualquer sociedade, os recursos ou fatores de produção são escassos; contudo as necessidades humanas são ilimitadas, e sempre se renovam. Isso obriga a sociedade a escolher entre alternativas de produção e de distribuição dos resultados da atividade produtiva aos vários grupos da sociedade. Sistemas Econômicos Pode ser definido como sendo a forma política, social e econômica pela qual está organizada uma sociedade. Os elementos básicos de um sistema econômico são: Estoques de Recursos Produtivos ou Fatores de Produção: recursos humanos (trabalho e capacidade empresarial), o capital, terra, reservas naturais e a tecnologia. Complexo de unidades de produção: constituído pelas empresas. Conjunto de instituições políticas, jurídicas, econômicas e sociais: que são à base da organização da sociedade.

Os sistemas econômicos podem ser classificados em: Sistema capitalista, ou economia de mercado, é aquele regido pelas forças de mercado, predominando a livre iniciativa e a propriedade privada dos fatores de produção. Sistema socialista ou economia centralizada, ou ainda economia planificada, é aquele em que as questões econômicas fundamentais são resolvidas por um órgão central de planejamento, predominando a propriedade pública dos fatores de produção.

Os Problemas Econômicos Fundamentais Da escassez dos recursos ou dos fatores de produção, associa-se às necessidades ilimitadas do homem, originando problemas econômicos fundamentais:

O quê e quanto produzir: Dada a escassez de recursos de produção, a sociedade terá de escolher, quais produtos serão produzidos e em que quantidades. Como produzir: A sociedade terá de escolher ainda quais recursos de produção serão utilizados para a produção de bens e serviços, dado o nível tecnológico existente. Para quem produzir: A sociedade terá também que decidir como seus membros participarão da distribuição dos resultados de sua produção (demanda, oferta, determinação de salários, das rendas das terras, dos juros etc).

Em economias de mercado, esses problemas são resolvidos pelos mecanismos de preços atuando por meio da oferta e da demanda. Nas economias centralizadas, essas questões são decididas por um órgão central de planejamento, a partir de um levantamento dos recursos de produção disponíveis e das necessidades do país, e não pela oferta e demanda no mercado.

Curva de Possibilidades de Produção (ou curva de transformação). É um conceito teórico com o qual se ilustra, como a questão da escassez impõe um limite à capacidade produtiva de uma sociedade, que terá que fazer escolhas entre alternativas de produção. Devido à escassez de recursos, a produção total de um país tem um limite máximo, onde todos os recursos disponíveis estão empregados. Suponhamos uma economia que só produza máquinas (Bens de Capital) e alimentos (Bens de Consumo) e que as alternativas de produção de ambos seja as seguintes: Alternativas de Produção Máquinas (milhares) Alimentos (toneladas)

A 25 0 B 20 30 C 15 45 D 10 60 E 0 70

Faça um gráfico, demonstrando as alternativas de produção:

Conceito de Custo de Oportunidade: A transferência dos fatores de produção de um bem A para produzir um bem B implica um custo de oportunidade que é igual ao sacrifício de se deixar de produzir parte do bem A para se produzir mais do bem B. O custo de oportunidade por representar o custo da produção alternativa sacrificada, reflete em um custo implícito.

Deslocamento da Curva de Possibilidade de Produção Isso pode ocorrer fundamentalmente tanto em função do aumento da quantidade física de fatores de produção quanto em função de melhor aproveitamento dos recursos já existentes, o que pode ocorrer com o progresso tecnológico, maior eficiência produtiva e organizacional das empresas e melhoria no grau de qualificação da mão-de-obra.

Funcionamento de uma economia de mercado: Fluxos Reais e Monetários Para entender o funcionamento do sistema econômico, vamos supor uma economia de mercado que não tenha interferência do governo e não tenha transações com exterior (economia fechada).

Os agentes econômicos são as famílias e as empresas. As famílias são proprietárias de fatores de produção e os fornecem às empresas, através do mercado dos fatores de produção. As empresas, através da combinação dos fatores de produção, produzem bens e serviços e os fornecem às famílias por meio do mercado de bens e serviços. Fluxo Real da Economia

Mercado de Bens e Serviços

Demanda Oferta

Famílias Empresas

Oferta Demanda

Mercado de Fatores de Produção

No entanto, o fluxo real da economia só se torna possível com a presença da moeda, que é utilizada para remunerar os fatores de produção e para o pagamento dos bens e serviços. Desse modo, paralelamente ao fluxo real temos um fluxo monetário da economia.

Fluxo Monetário da Economia

Pagamento dos bens e serviços

Famílias Empresas

Remuneração dos Fatores de Produção

Definição de Bens de Capital, Bens de Consumo, Bens Intermediários e Fatores de Produção. Bens de Capital: são aqueles utilizados na fabricação de outros bens, mas que não se desgastam totalmente no processo produtivo. Exemplo: Máquinas, Equipamentos e Instalações. Bens de Consumo: destinam-se diretamente ao atendimento das necessidades humanas. De acordo com sua durabilidade, podem ser classificados como duráveis (geladeiras, fogões, automóveis) ou como não – duráveis (alimentos, produtos de limpeza). Bens Intermediários: são aqueles que são transformados ou agregados na produção de outros bens e que são consumidos totalmente no processo de produtivo (insumos, matérias-primas e componentes). Fatores de Produção: São constituídas pelos recursos humanos (trabalho e capacidade empresarial), terra, capital e tecnologia. Cada fator de produção corresponde uma remuneração, a saber:

Fator de Produção Tipo de Remuneração Trabalho Salário Capital Juro Terra Aluguel Tecnologia Royalty Capacidade empresarial Lucro

Inter-relação da Economia com outras áreas do conhecimento Economia : Apesar de ser uma ciência social, a Economia é limitado pelo meio físico, dado que os recursos são escassos, e se ocupa de quantidades físicas e das relações entre as quantidades, como a que se estabelece entre a produção de bens e serviços e os fatores de produção utilizados no processo produtivos. A Economia apresenta muitas regularidades, sendo que algumas relações são invioláveis. Por Exemplo: O consumo nacional depende diretamente da renda nacional. A quantidade demandada de um bem tem uma relação inversamente proporcional com o seu preço. As exportações e as importações dependem da taxa de câmbio. A área que está voltada para quantificação dos modelos é a Econometria, que combina Teoria Econômica, Matemática e Estatística.

* Economia e Política: São áreas muito interligadas, tornando-se difícil estabelecer uma relação de casualidade entre elas. A estrutura política se encontra muitas vezes subordinadas ao poder econômico. Citemos alguns exemplos: Poder Econômico dos latifundiários, poder dos oligopólios e monopólios, poder das corporações estatais.

* Economia e História: A pesquisa histórica é extremamente útil e necessária

para Economia, pois ela facilita a compreensão do presente e ajuda nas previsões para o futuro com base nos fatos do passado. As guerras e revoluções, por exemplo, alteraram o comportamento e a evolução da Economia.

* Economia e Geografia: A Geografia não é o simples registro de acidentes

Geográficos e climáticos. Ela nos permite avaliar fatores muito úteis à análise econômica, como as condições geoeconômicas dos mercados, a concentração espacial dos fatores produtivos, a localização de empresas e a composição setorial da atividade econômica.

* Economia, Moral, Justiça e Filosofia: Na pré-economia, antes da Revolução

Industrial do século XVIII, que corresponde ao período da Idade Média, a atividade econômica era vista como parte integrante da Filosofia, Moral e Ética. A Economia era orientada por princípios morais e de justiça. Divisão do Estudo Econômico

A análise econômica, para fins metodológicos e didáticos, é normalmente dividida em quatro áreas de estudo: Microeconomia ou Teoria da Formação de Preços. Macroeconomia. Economia Internacional. Desenvolvimento e Crescimento Econômico

Microeconomia

Conceito: Microeconomia, ou Teoria Geral dos Preços, analisa a formação de preços no mercado, ou seja, como a empresa e o consumidor interagem e decidem qual o preço e a quantidade de um determinado bem ou serviço em mercados específicos. A microeconomia estuda o funcionamento da oferta e da procura na formação do preço no mercado, isto é, o preço sendo obtido pela interação do conjunto dos consumidores com o conjunto de empresas que fabricam um dado bem ou serviço. Do ponto de vista da economia de empresas, onde se estuda uma empresa específica, prevalece a visão contábil financeira na formação do preço de venda de seu produto, baseada principalmente nos custos de produção, enquanto na Microeconomia prevalece a visão do mercado. O conceito de empresa possui 2 visões: a econômica e a jurídica. Do ponto de vista econômico, empresas ou estabelecimento comercial é a combinação pelo empresário, dos fatores de produção: capital, trabalho, terra e tecnologia, de modo organizados para se obter o maior volume possível de produção ou de serviços ao menor custo. Na doutrina jurídica reconhece-se o estabelecimento como uma universalidade de direito, incluindo-se na atividade econômica um complexo de relações jurídicas entre o empresário e a empresa.

Pressupostos básicos da análise microeconômica A hipótese coeteris paribus ( tudo o mais permanece constante ): o foco de estudo é dirigido apenas àquele mercado, analisando o papel que a oferta

e a demanda nele exercem, supondo que outras variáveis interfiram muito pouco, ou que não interfiram de maneira absoluta. Papel dos preços relativos Na análise microeconômica, são mais relevantes os preços relativos, isto é, os preços dos bens em relação aos demais, do que os preços absolutos (isolados) das mercadorias. Exemplo: se o preço do guaraná cair 10%, mas também o preço da soda cair em 10%, nada deve acontecer na demanda dos dois bens, mas se cair apenas o preço do guaraná, permanecendo inalterado o preço da soda, deve-se esperar um aumento na quantidade procurada de guaraná e uma queda na soda. Embora não tenha havido alteração no preço absoluto da soda, seu preço relativo aumentou, quando comparado com o guaraná. Princípio da Racionalidade Por esse princípio, os empresários tentam sempre maximizar lucros condicionados pelos custos de produção, os consumidores procuram maximizar sua satisfação no consumo de bens e serviços (limitados por sua renda e pelos preços das mercadorias). Aplicações da análise microeconômica A teoria microeconômica não é um manual de técnicas para a tomada de decisões do dia-a-dia, mesmo assim ela representa uma ferramenta útil para esclarecer políticas e estratégias, dentro de um horizonte de planejamento, tanto em nível de empresas quanto de nível de política econômica. Para as empresas, a análise microeconômica pode subsidiar as seguintes decisões: Políticas de preços da empresa. Previsão de demanda e faturamento. Previsão de custos de produção. Decisões ótimas de produção (melhor combinação dos custos de produção). Avaliação e elaboração de projetos de investimentos (análise custo/benefício) Política de propaganda e publicidade. Localização da empresa.

Em relação da política econômica, pode contribuir na análise e tomada de decisões das seguintes questões: Efeitos de impostos sobre mercados específicos. Política de subsídios. Fixação de preços mínimos na agricultura. Controle de preços Política Salarial Políticas de tarifas públicas. (água, luz, etc.).

O estudo microeconômico Análise da Demanda: A Teoria da Demanda ou Procura de uma mercadoria ou serviço divide-se em Teoria do Consumidor e Teoria da Demanda de Mercado. Análise da Oferta: A Teoria da Oferta de um bem ou serviço também se subdivide em oferta de firma individual e oferta de mercado. Teoria do equilíbrio geral: A análise do equilíbrio geral leva em conta as inter- relações entre todos os mercados, procurando analisar se o comportamento independente de cada agente econômico conduz todos a uma posição de equilíbrio global, embora todos sejam, na realidade, interdependente.

Demanda, Oferta e Equilíbrio de Mercado Breve Histórico: Os fundamentos da análise da demanda ou procura estão alicerçados no conceito subjetivo de utilidade. A utilidade representa o grau de satisfação que os consumidores atribuem aos bens e serviços que podem adquirir no mercado. Como está baseada em aspectos psicológicos ou preferências, a utilidade difere de consumidor para consumidor (uns preferem uísque, outros preferem cerveja etc.). A Teoria do Valor Utilidade contrapõem-se à chamada Teoria Valor Trabalho, desenvolvida por economistas clássicos. A Teoria do Valor Utilidade pressupõe que um valor de um bem se forma pela sua demanda, isto é, pela satisfação que um bem representa para o consumidor. A Teoria Valor Trabalho considera que um bem se forma do lado da oferta, através dos custos do trabalho incorporado ao bem. Os custos de produção eram representados basicamente pelo fator mão-de-obra, em que a terra era praticamente gratuita e o capital pouco significativo. Pode-se dizer que a Teoria do Valor - Utilidade veio complementar a Teoria Valor – Trabalho, pois não era mais possível predizer o comportamento dos preços dos bens apenas com base nos custos da mão de obra ( ou mesmo custos em geral ) sem considerar o lado da demanda ( padrão de gostos, hábitos, renda etc.). Ademais, a Teoria do Valor Utilidade permitiu distinguir o valor de uso do valor de troca de um bem. O valor de uso é a utilidade que ele representa para o consumidor. Valor de troca se forma pelo preço no mercado, pelo encontro da oferta e da demanda do bem.

Demanda de Mercado

Conceito: A demanda ou procura pode ser definida como a quantidade de um determinado bem ou serviço que os consumidores desejam adquirir em determinado período de tempo. A procura depende de variáveis que influenciam a escolha do consumidor. São elas: o preço do bem e serviço, o preço dos outros bens, a renda do consumidor e o gosto ou preferência do indivíduo. Para estudar-se a influência dessas variáveis utiliza-se a hipótese do coeteris paribus, ou seja, considera-se cada uma dessas variáveis afetando separadamente as decisões do consumidor. Relação entre a quantidade procurada e preço do bem: A Lei Geral da Demanda Há uma relação inversamente proporcional entre a quantidade procurada e o preço do bem. É a chamada Lei Geral da Demanda. Essa relação pode ser observada a partir dos conceitos de escala de procura, curva de procura ou função demanda. A relação preço/quantidade procurada pode ser representada por uma escala de procura, conforme apresentada a seguir:

Alternativa de preço ($) Quantidade Demandada 1,00 12.000 3,00 8.000 6,00 4.000 8,00 3.000 10,00 2.000 Faça um gráfico, demonstrando esta Demanda, conforme os preços:

A curva da demanda é negativamente inclinada devido ao efeito conjunto de dois fatores: o efeito substituição e o efeito renda. Se o preço de um bem aumenta, a queda da quantidade demanda será provocada por esses dois efeitos somados:

Efeito substituição: se um bem possui um substituto, ou seja, outro bem similar que satisfaça a mesma necessidade, quando seu preço aumenta, o consumidor passa adquirir o bem substituto, reduzindo assim sua demanda. Exemplo: Fósforo.

Efeito renda: quando aumenta o preço de um bem, o consumidor perde o poder aquisivo, e a demanda por esse produto diminui.

Outras variáveis que afetam a demanda de um bem Efetivamente, a procura de uma mercadoria não é influenciada apenas por seu preço. Existe uma série de outras variáveis que também afetam a procura. Se a renda dos consumidores aumenta e a demanda do produto também, temos um bem normal. Bem inferior, cuja demanda varia em sentido inverso às variações da renda; exemplo se o consumidor ficar mais rico, diminuirá o consumo de carne de segunda, e aumentará o consumo da carne de primeira. Bens de consumo saciado, quando a demanda do bem, quase não é influenciada pela renda dos consumidores (arroz, farinha, sal, etc.), muitas vezes ocorre a diminuição do consumo deste tipo de bem, devido ao aumento da renda. Bens substitutos, quando há uma relação direta entre o preço de um bem e a quantidade de outro. Exemplo: um aumento no preço da carne deve elevar a demanda de peixe. Bens complementares: São bens que podem ser utilizados em conjunto ou que ficam melhores utilizados. Ex: Se aumentar o preço da impressora e a quantidade demandada de cartuchos diminuir é porque a impressora e o cartucho são complementares no consumo. Oferta de Mercado Pode-se conceituar oferta como as várias quantidades que os produtores desejam oferecer ao mercado em determinado período de tempo. Da mesma maneira que a demanda, a oferta depende de vários fatores; dentre eles, de seu próprio preço, dos demais preços, dos preços dos fatores de produção, das preferências do empresário e da tecnologia. Diferentemente da função demanda, a função de oferta mostra uma correlação direta entre a quantidade ofertada e nível de preços. É a chamada Lei Geral da Oferta. Podemos expressar uma escala de oferta de um bem X, ou seja, dada uma série de preços, quais seriam as quantidades ofertadas a cada preço:

Preço ( $ ) Quantidade Ofertada 1,00 1.000 3,00 5.000 6,00 9.000 8,00 11.000 10,00 13.000

Faça um gráfico, demonstrando a Oferta, conforme a variação dos preços:

Equilíbrio de Mercado A interação das curvas de demanda e de oferta determina o preço e a quantidade de equilíbrio de um bem ou serviço em um dado mercado. Veja o quadro a seguir representativo da oferta e da demanda do bem X:

Preço Quantidade Situação de Mercado Procurada Ofertada

1,00 11 1 Excesso de procura (escassez de oferta) 3,00 9 3 Excesso de procura (escassez de oferta) 6,00 6 6 Equilíbrio entre oferta e procura 8,00 4 8 Excesso de oferta (escassez de procura) 10,00 2 10 Excesso de oferta (escassez de procura)

Como se observa na tabela, existe equilíbrio entre oferta e demanda do bem X, quando o preço é igual a 6,00 unidades monetárias.

Faça um gráfico, demonstrando esta situação de equilíbrio no mercado.

Interferência do Governo no equilíbrio de mercado

O governo intervém na formação de preços de mercado, a nível microeconômico , e quando fixa impostos e subsídios, estabelecem critérios de reajustes do salário mínimo, fixa preços mínimos para produtos agrícolas decreta tabelamentos ou ainda congelamento de preços e salários. A) Estabelecimento de Impostos: É sabido que quem recolhe a totalidade do tributo é a empresa, mas isso não quer dizer que é ela quem efetivamente paga. Assim, saber sobre quem recai efetivamente o ônus do tributo é uma questão da maior importância na análise dos mercados. Os tributos se dividem em impostos, taxas e contribuições de melhoria. O impostos dividem-se em: Impostos Diretos: Impostos incidentes sobre a renda ou a propriedade. Exemplo: Imposto de Renda, IPTU, IPVA. Impostos Indiretos: impostos incidentes sobre o consumo ou sobre as vendas. Exemplo: Imposto sobre Circulação de Mercadorias (ICMS), Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). Entre os impostos indiretos destacamos: Imposto Específico: Recai sobre a unidade vendida. Exemplo: para cada carro vendido, recolhe-se, a título de imposto, R$ 5.000 ao governo (esse valor é fixo e independente do valor da mercadoria). Imposto ad valorem: é um percentual (alíquota) aplicado sobre o valor de venda. Exemplo: supondo a alíquota do IPI sobre automóveis de 10 %, se o valor do automóvel for de R$ 50.000, o valor do IPI será de R$ 5.000; se o valor aumentar para R$ 60.000, o valor do IPI será de R$ 6.000. Assim, como se pode notar, a alíquota permanece inalterada em 10%, enquanto o valor do imposto varia com o preço do automóvel.

B) Política de preços mínimos na agricultura: Trata-se de uma política que visa dar garantia de preços ao produtor agrícola, com propósito de protegê- lo das flutuações dos preços no mercado, ou seja, ajudá-lo diante de uma possível queda acentuada de preços e conseqüentemente da renda agrícola. O governo, antes do início do plantio, garante um preço que ele pagará após a colheita do produto.

C) Tabelamento: Refere-se à intervenção do governo no sistema de preços de mercado visando coibir abusos por parte dos vendedores, controlar preços de bens de primeira necessidade ou então refrear o processo inflacionário, como foi adotado no Brasil (Planos Cruzado, Bresser etc.), quando se aplicou o congelamento de preços e salários.

Custos de Produção Introdução O objetivo básico de uma firma é a maximização de seus resultados para a realização e continuidade de sua atividade produtiva. Assim sendo,

procurará sempre obter a máxima produção possível em face da utilização de certa combinação de fatores. A otimização dos resultados da firma poderá ser obtida quando for possível alcançar um dos dois objetivos seguintes: a) maximizar a produção para um dado custo total ou b) minimizar o custo total para um dado nível de produção. Em qualquer uma das situações, a firma estará maximizando ou otimizando seus resultados.

Custos Totais de produção Conhecidos os preços dos fatores, é sempre possível determinar um custo total de produção ótimo para cada nível de produção. Assim, define-se custo total de produção como o total das despesas realizadas pela firma com a utilização da combinação mais econômica dos fatores, por meio da qual é obtida uma determinada quantidade do produto. Os custos totais de produção (CT) são divididos em custos variáveis totais (CVT) e custos fixos totais (CFT): CT=CVT+CFT Custos Fixos Totais (CFT) – Correspondem à parcela dos custos totais que independem da produção. São decorrentes dos gastos com os fatores fixos de produção. Por exemplo: aluguéis, iluminação etc. Na contabilidade empresarial, são também chamados de custos indiretos. Custos Variáveis Totais (CVT) – Parcela dos custos totais que depende da produção e por isso muda com a variação do volume de produção. Por exemplo : folha de pagamentos, gastos com matérias-primas etc. Na contabilidade empresarial, são chamados de custos diretos. Na Teoria da Produção, a análise dos custos de produção é também dividido em curto e longo prazos: a) Custos totais de curto prazo: São caracterizados pelo fato de serem compostos por parcelas de custos fixos e de custos variáveis. b) Custos totais de longo prazo: São formados unicamente por custos

variáveis. Ou seja, em longo prazo não existem fatores fixos.

Diferenças entre a visão econômica e a visão contábil – financeira dos custos de produção Existem muitas diferenças entre a ótica utilizada pelos economistas e a utilizada nas empresas, por contadores e administradores. Em linhas gerais, pode-se dizer que a visão econômica é mais genérica, olhando mais para o mercado (ambiente externo da empresa), enquanto na visão ótica contábil- financeira a preocupação centra-se mais no detalhamento dos gastos da empresa específica. As principais diferenças estão nos seguintes conceitos: Custos de oportunidade e custos contábeis

Externalidades Custos e despesas

Custos de oportunidade versus custos contábeis Os custos contábeis são os custos como normalmente são conhecidos na contabilidade privada, ou seja, são custos explícitos, que envolvem um dispêndio monetário. É o gasto efetivo da empresa, na compra ou aluguel de insumos. Os custos de oportunidade são custos implícitos, que não envolve desembolso monetário. Representam os valores dos insumos que pertencem à empresa e são usados no processo produtivo. Esses valores são estimados a partir do que poderia ser ganho no melhor uso alternativo.

Externalidades (economias externas ) As externalidades podem ser definidas como as alterações de custos e benefícios para a sociedade derivadas da produção de empresas, ou também como as alterações de custos e receitas da empresa devidas a fatores externos. Uma externalidade positiva, e quando uma unidade econômica cria benefícios para outras, sem receber pagamentos por isso. Por exemplo: uma empresa treina a mão de obra, que acaba, após o treinamento, transferindo- se para outra empresa; beleza do jardim do vizinho, que valoriza sua casa; uma nova estrada; os comerciantes de um mesmo ramo que se localizam na mesma região. Temos externalidades negativas ( ou deseconomia externa), quando uma unidade econômica cria custos para outras, sem pagar por isso. Por exemplo, poluição e congestionamento causados por automóveis, caminhões e ônibus; uma indústria que polui um rio e impõe custos a atividades pesqueiras.

Macroeconomia Introdução A macroeconomia estuda a economia como um todo, analisando a determinação e o comportamento de grandes agregados, tais como: renda e produto nacionais, nível geral de preços, emprego e desemprego, estoque de moeda e taxas de juros, balança de pagamentos e taxa de câmbio. Ao estudar e procurar relacionar os grandes agregados, a Macroeconomia negligencia o comportamento das unidades econômicas individuais e de mercados específicos, estas são preocupações da Microeconomia. Entretanto, embora exista um aparente contraste, não há um conflito entre a Micro e a Macroeconomia, uma vez que o conjunto da economia é a soma de seus mercados individuais. A diferença é primordialmente uma questão de ênfase, de enfoque. Ao estudar a determinação de preços numa indústria, na Microeconomia consideram-se constantes os preços das outras indústrias.

Na macroeconomia estuda-se a nível geral de preços ignorando-se a mudança de preços relativa dos bens das diferentes indústrias. A Teoria Macroeconômica propriamente dita preocupa-se mais com aspectos de curto prazo. Especificamente, preocupa-se com questões como desemprego, que aparece sempre que a economia está trabalhando abaixo de seu máximo de produção, e com as implicações sobre os vários mercados quando se alcança a estabilização do nível geral de preços. À parte da Teoria Econômica que estuda questões de longo prazo é denominada Teoria do Crescimento Econômico. Na tentativa de se determinar como os preços e as quantidades são estabelecidos, desenvolveram-se 2 métodos de análise básicos: a) Abordagem de equilíbrio parcial: analisa um determinado mercado sem

considerar os efeitos que este mercado pode ocasionar sobre os demais mercados existentes na economia.

b) Abordagem de equilíbrio geral: acredita-se que tudo depende de tudo, e assim, se quiséssemos determinar como são formados os preços dos bens, deveríamos listar todos os bens que são produzidos pela economia e todos os diferentes tipos de insumos que são utilizados.

Metas de política macroeconômica Alto nível de emprego Estabilidade de preços Distribuição de renda socialmente justa Crescimento econômico

Alto nível de emprego Desde a Revolução Industrial, em fins do século XVIII, até o início do século XX, o mundo econômico parece ter funcionado sobre o pensamento liberal, que acreditava que os mercados, sem interferência do Estado, conduziam a Economia ao pleno emprego de seus recursos, como se guiados por uma “mão invisível”, determinariam os preços e a produção de equilíbrio, e, desse modo, nenhum problema surgiria no mercado de trabalho. Entretanto, a evolução da economia mundial trouxe em seu bojo novas variáveis, como o surgimento de sindicatos de trabalhadores, os grupos econômicos e o desenvolvimento de mercado de capitais e do comércio internacional, de sorte a complicar e trazer incertezas sobre o funcionamento da economia.

A ausência de políticas econômicas levou à quebra da Bolsa de Nova York em 1929, e uma crise de desemprego atingiu todos os países do mundo ocidental nos anos seguintes. Com a contribuição de Keynes, fincaram-se as bases da moderna Teoria Econômica, e da intervenção do Estado na economia de mercado, que nos passa qual o grau de intervenção do Estado na economia e em que medida ele deve ser produtor de bens e serviços. A corrente dos economistas liberais (hoje neoliberais), prega a saída do governo da produção de bens e serviços.

Estabilidade de preços Define-se inflação como um aumento contínuo e generalizado no nível geral de preços. Por que inflação é um problema? Primeiramente, porque a inflação acarreta distorções, principalmente sobre a distribuição de renda, sobre as expectativas dos agentes econômicos e sobre o balanço de pagamentos. É importante salientar que, enquanto nos países industrializados o problema central é o desemprego, nos países em via de desenvolvimento o foco mais importante de análise é o da inflação. Esse tema é de difícil abordagem, dado que as causas da inflação diferem entre países (deve-se levar em conta, por exemplo, o estágio de desenvolvimento e a estrutura dos mercados), e num dado país, diferem no tempo. Distribuição Eqüitativa de Renda A economia brasileira cresceu razoavelmente entre o fim dos anos 60 e a maior parte da década de 70. Apesar disso, verificou-se uma disparidade muito acentuada de nível de renda, tanto a nível pessoal coma a nível regional. Isso fere, evidentemente, o sentido de eqüidade ou justiça. No Brasil, os críticos do “milagre” argumentavam que haviam piorado a concentração de renda no país, nos anos 1967-1973, devido a uma política deliberada do governo baseada em crescer primeiro para depois distribuir (chamada Teoria do Bolo). A posição oficial era de que um certo aumento na concentração de renda seria inerente ao próprio desenvolvimento capitalista, dada as transformações estruturais que ocorrem (êxodo rural, com trabalhadores de baixa qualificação, aumento da proporção de jovens etc.). Nesse processo gera-se uma demanda por mão de obra qualificada, a qual por ser escassa, obtém ganho extra. Assim o fator educacional seria a principal causa da piora distributiva.

Crescimento Econômico Se existe desemprego e capacidade ociosa, pode-se aumentar o produto nacional através de políticas econômicas que estimulem a atividade produtiva. Mas, feito isso, há um limite à quantidade que se pode produzir com os recursos disponíveis. Aumentar o produto além desse limite exigirá:

Um aumento nos recursos disponíveis; Ou um avanço tecnológico (melhoria tecnológica, novas maneiras de organizar a produção, qualificação da mão de obra).

Quando falamos em crescimento econômico, estamos pensando no crescimento da renda nacional per capita, ou seja, colocar à disposição da coletividade uma quantidade de mercadorias e serviços que supere o crescimento populacional. A renda per capita é considerada um razoável indicador – o mais operacional – para se aferir à melhoria do padrão de vida da população, embora apresente falha ( os países árabes têm as maiores rendas per capita, mas não o melhor padrão de vida do mundo).

Instrumentos de política macroeconômica A política macroeconômica envolve a atuação do governo sobre a capacidade produtiva e despesas planejadas, com objetivo de permitir que a economia opere a pleno emprego, com baixas taxas de inflação e uma distribuição justa de renda. Os principais instrumentos para atingir tais objetivos são as políticas fiscais, monetárias, cambiais e comerciais, e de rendas.

Política Fiscal – Refere-se a todos os instrumentos que o governo dispõe para arrecadação de tributos e o controle de suas despesas. Além da questão do nível de tributação, a política tributária, por meio da manipulação da estrutura e alíquotas de impostos. É utilizada para estimular (ou inibir) os gastos de consumo do setor privado. Se o objetivo da política econômica é reduzir a taxa de inflação, as medidas fiscais normalmente utilizadas, são a diminuição de gastos públicos e/ou o aumento da carga tributária (o que inibe o consumo). Ou seja, visam diminuir os gastos da coletividade. Se o objetivo é um maior crescimento e emprego, os instrumentos fiscais são os mesmos, mas em sentido inverso, para elevar a demanda agregada.

DESPESAS DO GOVERNO ( todas as esferas) :

1. CONSUMO – pessoal, materiais e outros

2. TRANFERÊNCIAS - do setor público para o privado, sem contraprestação de serviço. assistência e previdência social

JUROS : DÍVIDA INTERNA E EXTERNA ( somente a de responsabilidade pública- de toda a div. externa brasileira 65 % é de responsabilidade privada)

3. SUBSÍDIOS - visa garantir ao consumidor preços inferiores ao custo de produção. ( caso clássico foi o do trigo. Hoje continua ocorrendo na área agrícola , inclusive equalização de juros). obs. renuncia de receita não é , tecnicamente, subsídio.

4. INVESTIMENTOS – construção de estradas,. Aeroportos, escolas, etc.....

Rigidez orçamentária ( mostra o valor que o Governo tem disponível para atuar na economia )

TRANSFERENCIAS CONSTITUCIONAIS PARA ESTADOS E MUNICÍPIOS % da receita da União Discriminação Estados Municípios Fundos regionais I. RENDA FPEstados 21.5 FPMunicipios 22.5 F finan. N, NE, Centro oest

3.0

IPI FPEstados 21.5 FPMunicipios 22.5 F finan. N, NE, Centro oest

3.0

SISTEMA TRIBUTÁRIO

Impostos Diretos : incidem diretamente sobre a renda ou a propriedade. I. Renda IPVA IPTU ITR imp. Territorial rural

Impostos Indiretos : estão embutidos no custo das mercadorias ou serviços IPI ICMS Contribuição Financiamento da seguridade social – Finsocial PIS

Incidência “: sobre valor adicionado ( IPI, ICMS) Cada etapa que agrega valor ao produto é tributada ( desconta o valor das etapas anteriores )

Em cascata : COFINS – 3% sobre faturamento PIS - 0,65 % do faturamento CPMF 0,30 % > 0,38% sobre movimentação financeira Os impostos em cascata são mais fáceis de arrecadar mas aumentam aceleradamente o custo das mercadorias e serviços. Criam dificuldade á exportação e ao consumo interno pelo aumento dos preços. O atual sistema tributário brasileiro foi criado em 1968,quando a economia brasileira era extremamente fechada. As importações e exportações eram muito reduzidas. A pequena competitividade da economia brasileira não era afetada..

DÉFICIT, DÍVIDA E FINANCIAMENTO DO SETOR PUBLICO

Déficit é a despesa superior a receita, expressa em % do PIB Déficit nominal : total arrecadado menos total de despesas Inclui correção monetária e cambial da dívida interna e externa. Em países com elevada inflação ou grande flutuação na taxa de cambio este conceito prejudica e mascara a realidade.

Déficit operacional : não se inclui a correção monetária nem cambial. Ë um indicador homogêneo ao longo do tempo.

Déficit primário : exclui também as despesas com juros da dívida. Opera como se o governo não possuísse dívida. Este conceito dá mais liberdade para o governo atuar sobre as taxas de juros. Não influi no conceito de déficit.

Política Monetária - Refere-se à atuação do governo sobre a quantidade de moeda e de títulos públicos, os instrumentos disponíveis para tal são: emissões de moeda reservas compulsórias open market (compra e venda de títulos públicos) redescontos ( empréstimos do Banco Central aos bancos comerciais )

As políticas monetárias e fiscal representam meios alternativos diferentes para as mesmas finalidades. A política econômica deve ser executada através de uma combinação adequada de instrumentos fiscais e monetários. Pode-se dizer que a política fiscal apresenta maior eficácia quando o objetivo é uma melhoria na distribuição de renda, tanto na taxação às rendas mais altas como pelo aumento dos gastos do governo com destinação a setores menos favorecidos. A ação do Governo no sentido de controlar a liquidez da economia, ou de controlar os Meios de Pagamento. Ação sobre a quantidade de moeda disponível, sobre a capacidade de emprestar dos Bancos e sobre o nível da taxa de juros.

Significado ou funções da moeda • meio ou instrumento de troca ( aceitação generalizada e garantida por lei) • reserva de valor ( representa liquidez imediata ) • unidade de conta ( exprime bens e serviços em um mesmo denominador) • padrão para pagamentos diferidos ( pagamentos em tempo futuro, dívida a

vencer, ...)

Com inflação elevada a moeda perde algumas destas funções. Passa a não ser recomendável reservar moeda pois a inflação corrói seu valor. Perde a referencia de valor com o surgimento de outras unidades ( UPC, BTN, dólar, UFIR, ...) “Imposto Inflacionário”- é o chamado efeito de corroer o valor da moeda por causa da inflação.

Na verdade ocorre transferencia de renda das classes menos favorecidas em benefício daqueles que já possuem dinheiro. Estes podem aplicá-lo no M. Financeiro e auferir juros. Já os menos favorecidos tem rendimentos fixos nos períodos ( mês, por exemplo ) e, ao recebe-los já ocorreu corrosão do valor.

Tipos – moeda metálica e papel – moeda, que formam a moeda manual e a moeda escritural ( depósitos bancários)

Demanda de Moeda – para transações ( negócios ), precaução ( compromissos futuros não previstos – poupança) e especulação ( oportunidade de aplicação rentável). Sempre que a economia se desenvolve ( aumento da produção de bens e serviços) ocorre aumento na demanda por moeda ( se faltar moeda os preços sobem = inflação) Quando as taxas de juros sobem reduz-se a procura por moeda ( as pessoas passam a aplicar suas reservas). Por outro lado a própria demanda por produtos tende a diminuir pois as pessoas preferem aplicar no M. Financeiro a comprar ( pretendem ganhar mais e comprar no futuro ).

Oferta de Moeda - Como a Demanda é definida pela sociedade, o Governo atua sobre a oferta de moeda. O Banco Central tem a atribuição constitucional de regular a liquidez, de forma compatível com o tamanho da economia. Na economia 2 agentes podem ofertar moeda, o BC e os Bancos comerciais. O Banco Central pode fazer emissões e atuar sobre a capacidade dos bancos comerciais de emprestar dinheiro( mais ou menos conforme a taxa do Depósito compulsório ).

Situação: taxa de depósito compulsório = 30 %. 1. banco A recebe depósito de R$ 100,00. D. Compuls. De R$ 30,00 e empresta

R$ 70,00. 2. Tomador dos R$ 70,00 deposita no banco B. Este faz D. Compuls. De R$ 21,00

e empresta R$ 49,00. 3. Tomador dos R$ 49,00 deposita no banco C. Este faz D. Compuls. De R$ 14,70

e empresta R$ 34,30. 4. ... 5. .. No final, o multiplicador será o inverso da taxa de D. Compulsório ( 1/0,30 = 3,333). Significa que aumentando R$ 100,00 de moeda na economia, termos R$ 333,33 de Meios de Pagamento.

Agregados Monetários:

Base Monetária = papel moeda em poder do publico + Reservas dos bancos comerciais( capital + reservas legais. Não são os depósitos)

Meios de Pagamento ( M1) = papel moeda em poder do publico + Depósitos á vista.

( M2 ) = M1 + Fundos do Mercado monetário + Títulos Públicos

ou M2 = papel moeda em poder do publico + Depósitos á vista + Fundos do Mercado monetário + Títulos Públicos

( M3 ) = M1 + M2 + Depósitos de Poupança ou M3 = papel moeda em poder do publico + Depósitos á vista + Fundos do Mercado monetário + Títulos Públicos + Depósitos de Poupança

( M4 ) = M1 + M2 + M3 + Títulos privados ou M4 = papel moeda em poder do publico + Depósitos á vista + Fundos do Mercado monetário + Títulos Públicos + Depósitos de Poupança + Títulos Privados

Taxa Referencial - TR É estabelecida pelo B Central, com base nas médias de mercado ( com certa informalidade).

Taxa de Juros de Longo Prazo - TJLP É estabelecida pelo B Central, com base nas médias dos títulos da Dívida publica federal externa ( peso 75 % ) e títulos da Dívida publica federal interna ( 25 % ). Utilizada para financiamentos do BNDES e seus repasses.

Taxa SELIC ( Sistema Especial de Liquidação e Custódia ) É a taxa básica que regula as operações diárias com títulos públicos, e fixada mensalmente pelo Conselho monetário Nacional.

Viés = neutro, alta ou baixa – são as tendências informadas pelo Conselho ao fixar a taxa, significando que esta pode permanecer estável, elevar-se ou cais no decorrer do mês.

Políticas Cambial e Comercial : A política cambial refere-se à atuação do governo sobre a taxa de câmbio. O governo, através do Banco Central, pode fixar a taxa de câmbio, ou permitir que ela seja flexível e determinada pelo mercado de divisas. A política comercial diz respeito aos instrumentos de incentivos às exportações e/ou estímulo ou desestímulo às importações, ou seja, refere-se aos estímulos fiscais (crédito - prêmio do ICMS, IPI etc.) e creditícios (taxas de juros subsidiárias) às exportações e ao controle de importações (via tarifas e barreiras quantitativas sobre importações). Taxa de câmbio : é a medida de conversão de uma moeda para outra. No Brasil a referência é o dólar americano. Pode ser uma “cesta “ de moedas, normalmente as mais utilizadas no comercio do país. Este sistema era bastante adotado na Europa, antes da adoção do EURO como moeda na EU.

Sistemas cambiais : Cambio livre : o valor da moeda é definido pelo mercado, no equilíbrio entre oferta e demanda. Ofertam dólares os exportadores, os turistas estrangeiros, o investidor estrangeiro e a entrada de empréstimos externos ( público ou privados).

Demandam dólares os importadores, os turistas brasileiros que vão ao exterior, o pagamento de juros e títulos no exterior, remessa de lucros, pagamento de serviços. É um sistema de alta volatilidade ou de altas flutuações, ocasionada pelas grandes flutuações na entrada e saída de dólares na economia. É um campo fértil as especulações com moeda, gera incertezas na fixação de preços internos dos produtos importados e pode desestimular as exportações ( incerteza no resultado das operações ).

Cambio fixo : o valor da moeda é fixado pelo Governo, por Lei. A um determinado preço o Governo ( BC ) compromete-se a adquirir e comprar qualquer quantidade de dólares. É adotado pela Argentina e Equador. Os países que utilizam este sistema identificam no cambio a raiz de seus problemas inflacionários. Para ter sucesso é necessário um alto nível de reservas em moeda estrangeira, de modo a poder enfrentar a demanda. O maior risco é o possível desestímulo ás exportações ( no caso de o mercado exigir mais volume de moeda nacional por cada dólar) e estimular demasiado as importações ( com eventual risco á produção nacional )

Cambio com mini bandas : o valor da moeda é definido pelo Governo entre uma faixa de variação de preços, fora das quais o BC atua comprando ou vendendo, na procura do preço de equilíbrio. As bandas podem ser variáveis.

Relação de trocas : índice entre os preços de exportação e os preços de importação ( cesta de produtos mais comercializados ). Se esta relação de trocas é desfavorável ( preços dos importados subindo mais do que os exportados) o cambio deve ser desvalorizado, pois a receita de exportação subirá menos que os gastos com importação, causando desequilíbrio na quantidade de moeda da economia ( maior dispêndio de dólares, impactando o nível das reservas ). Se esta relação de trocas é muito favorável ( preços dos exportados subindo mais do que os importados) o cambio deve ser valorizado, pois a despesa com importação será menor que a receita de exportação, também causando desequilíbrio na quantidade de moeda da economia ( gera necessidade de emissão para compensar a internalização de dólares).

Comércio Exterior

O Brasil, historicamente manteve sua economia fechada ao comercio com outros países. Exportando basicamente produtos primários importava bens de consumo e industriais selecionados episodicamente. Na década de 50, com a política de “ Substituição de Importações” – favorecer a produção interna – aumentaram-se as restrições á importação. Menos importação obriga a menos exportação. ( comércio sempre é via de mão dupla ) Após a década de 70, com o choque do petróleo, o Brasil acompanhou a tendência mundial e manteve as restrições tarifárias e não tarifárias ( cotas de importação,

demora em emissão de licenças, exigências de atestados e outras medidas burocráticas ). A economia brasileira situou-se entre as mais fechadas do mundo ( a média entre o volume de importação e o volume de exportação situava-se em apenas 6% do PIB ). A partir de 1988 ocorre um ciclo de abertura da economia, eliminando-se a maioria das restrições. Hoje o grau de abertura da economia já está em torno de 9 % do PIB. Alemanha = 25 % Indonésia = 46 % Austrália = 21 % Japão 18 % Canadá = 40 % México = 33 % Coréia do Sul = 43 % Coréia do Norte = 2 %

Política de Rendas A política de rendas refere-se à intervenção direta do governo na formação de renda (salários, aluguéis), através de controle e congelamentos de preços. A característica especial é que, nesses controles, os preços são congelados, e os agentes econômicos não podem responder às influências econômicas normais de mercado.

Estrutura de análise macroeconômica

Tradicionalmente, a estrutura básica do modelo macroeconômico compõe- se de cinco mercados:

No Mercado de Bens e Serviços, para tentar responder como se tem comportamento o nível de atividades, efetua-se uma agregação de todos os bens produzidos pela economia durante um certo período de tempo e define- se o chamado Produto Nacional. A demanda agregada depende fundamentalmente da evolução da demanda dos quatro grandes setores ou agentes macroeconômicos: consumidores, empresas, governo e setor externo. O Mercado de Trabalho também representa uma agregação de todos os tipos de trabalhos existentes na economia. Neste mercado, determinamos como estabelece a taxa salarial e o nível de emprego. O Mercado Monetário, consiste em que todas as transações da economia são efetuadas através da utilização de moeda. Neste mercado supomos a existência de uma demanda de moeda ( em função da necessidade de transações dos agentes econômicos, ou seja, da necessidade de liquidez ) e uma oferta de moeda, determinada pelo Banco Central e atuação dos bancos comerciais. A demanda e a oferta de moeda determinam a taxa de juros. O Mercado de Títulos, consiste de agentes econômicos superavitários e agentes deficitários. Agentes superavitários são aqueles que possuem um

nível de gastos inferior a seu volume de renda, assim podem efetuar empréstimos para os agentes econômicos deficitários. O Mercado de Divisas, como o mercado mantém transações com o resto do mundo, existem mercados de divisas ou de moeda estrangeira. A oferta de divisas depende das exportações e da entrada de capitais financeiros, enquanto a demanda de divisas é determinada pelo volume de importações e saída de capital financeiro.

Inflação Conceito de inflação: É definida como um aumento persistente e generalizado dos índices de preços, ou seja, os movimentos inflacionários são aumentos contínuos de preços, e não podem ser confundidos com altas esporádicas de preços, devidas às flutuações sazonais, por exemplo. As fontes de inflação costumam diferir em função das condições de cada país, como por exemplo: Tipo de estrutura de mercado ( oligopolista, monopolista, etc.). Grau de abertura da economia ao comércio exterior: quanto mais aberta à economia à competição externa, maior a concorrência interna entre fabricantes, e menores os preços dos produtos. Estrutura das organizações trabalhistas: quanto maior o poder de barganha dos sindicatos, maior a capacidade de obter reajustes de salários acima dos índices de produtividade, e maior pressão sobre os preços.

Inflação de demanda: Refere-se ao excesso de demanda agregada em relação à produção disponível de bens e serviços. A probabilidade de ocorrer inflação de demanda aumenta quando a economia está produzindo próximo do pleno emprego de recursos. Nessa situação, aumentos de demanda agregada de bens e serviços, com a economia já em plena capacidade, conduzem a elevações de preços, principalmente em setores de insumos básicos. Para combater um processo inflacionário de demanda, a política econômica deve basear-se em instrumentos que provoquem uma redução da procura agregada por bens e serviços (redução dos gastos do governo, aumento da carga tributária, arrocho salarial, controle de crédito, aumento das taxas de juros).

Inflação de custos: A inflação de custos poder ser associada à inflação tipicamente de oferta. O nível de demanda permanece o mesmo, mas os custos de certos fatores importantes aumentam. Com isso, ocorre uma retração da produção, deslocando a curva de oferta para trás, provocando um aumento de preços no mercado. As causas mais comuns dos aumentos dos custos de produção são:

Aumentos salariais: Um aumento das taxas de salários que supere os aumentos na produtividade da mão de obra acarreta um aumento dos custos unitários de produção, que são normalmente repassados aos preços dos produtos. Aumentos do custo das matérias primas: Por exemplo, as crises do petróleo da década de 70, ao elevar sensivelmente os preços dessa matéria primam, provocaram um brutal aumento nos custos de produção, em particular nos custos de transporte e de energia com base no diesel. Estruturas de mercado: A inflação de custos também está associada ao fato de algumas empresas, com elevado poder de monopólio ou oligopólio, terem condições de elevarem de elevar seus lucros acima da elevação dos custos de produção.

Efeitos provocados por taxas elevadas de inflação Uma das distorções mais sérias provocadas pela inflação diz respeito à redução relativa do poder aquisitivo das classes que dependem de rendimentos fixos, com prazos legais de reajustes. Nesse caso estão os assalariados que, com o passar do tempo, vão ficando com seus orçamentos cada vez mais reduzidos, até a chegada de um novo reajuste. Os comerciantes, industriais e o próprio Governo têm condições de repassar os aumentos de custos provocados pela inflação, garantindo, assim, a participação de sua parcela no produto nacional. A distorção provocada por altas taxas de inflação, afeta também o balanço de pagamentos. As elevadas taxas de inflação, em níveis superiores ao aumento de preços internacionais encarecem o produto nacional relativamente ao produzido externamente. Assim devem provocar um estímulo as importações e um desestímulo as exportações, diminuindo o saldo da balança comercial, normalmente lançam mão de desvalorizações cambiais, as quais, tornando a moeda nacional mais barata relativamente à moeda estrangeira, podem estimular a colocação de nossos produtos no exterior, ao mesmo tempo em que desestimulam as importações. Nas finanças públicas, a inflação tende a corroer o valor da arrecadação fiscal do governo, pela defasagem existente entre o fato gerador e o recolhimento efetivo do imposto. Maior a inflação, menor a arrecadação real do governo.

TEORIAS SOBRE INFLAÇÃO

1. TEORIA MONETARISTA: a inflação é causada por excesso de moeda na economia.

M . V = P . Q M = volume de moeda ( meios de pagamento ) V = velocidade de circulação da moeda ( número de transações ) P = nível de preços Q = quantidade produzida

Causa principal = déficit publico, que ocasiona emissão de moeda, gerando inflação.

Até o momento nenhum comentário
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 38 páginas
Baixar o documento