Apostila de handebol, Manual de Estudos Esportivos. Universidade não é definido
nilton5lima
nilton5lima23 de Fevereiro de 2017

Apostila de handebol, Manual de Estudos Esportivos. Universidade não é definido

PDF (314 KB)
10 páginas
2Números de download
158Número de visitas
Descrição
Exercícios relacionados a prática do handebol. São técnicas aplicadas p/ reter a bola de forma correta nas diferentes situações do jogo. Para o perfeito recebimento, as mãos devem ir de encontro à bola
20pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 10
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 10 pages
baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 10 pages
baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 10 pages
baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 10 pages
baixar o documento
Apostila Handebol

APOSTILA

HANDEBOL

1. História do handebol

O handebol é um dos esportes mais antigos de que se tem notícia. Ele já foi praticado de várias formas. Na Odisseia, de Homero, foi descrito um jogo em que uma bola era arremessada com as mãos e cujo objetivo era ultrapassar o oponente, através de passes (isso está gravado em uma pedra na cidade de Atenas, que data de 600 a.C.).

De acordo com alguns textos escritos pelo médico romano Claudius Galenus (130–200 d.C.), os romanos praticavam um jogo parecido com o handebol chamado harpastum. Na Idade Média, as legiões de cavaleiros praticavam um jogo de bola, que era fundamentado em passes e metas. Isso foi descrito por Walther von der Vogelwide (1170–1230), que o chamou de “jogo de pegar bola”, precursor do atual jogo de handebol.

Na França, Rabelais (1494–1533) tratou de um jogo parecido com o handebol. Segundo esse escritor francês, “eles jogam bola, usando a palma da mão”. Holger Nielsen, dinamarquês, adaptou o haanbold(jogo de handebol) para ser jogado em quadras, na cidade de Ortrup, em 1848, remodelando as regras e o método como o jogo deveria ser praticado e tornando-o parecido com o atual, com 7 jogadores por time, em uma quadra pouco maior do que a de basquete, com gols de futebol de 2 m de altura por 2,5 m de comprimento.

Todavia o handebol, como se joga hoje, foi introduzido na última década do século XIX, na Alemanha, como raftball. Quem o levou para o campo, em 1912, foi o alemão Hirschmann, então secretário da Federação Internacional de Futebol. O período da Primeira Grande Guerra (1915–1918) foi decisivo para o desenvolvimento do jogo, quando um professor de ginástica, o berlinense Max Heiser, criou um jogo ao ar livre para as operárias da Fábrica Siemens, derivado do torball, e, quando os homens começaram a praticá-lo, o campo foi aumentado para as medidas do futebol.

2. Quadra, bola e posicionamento

Quadra

A quadra deve ser retangular, com um comprimento de 38 m a 44 m e uma largura de 18 m a 22 m (geralmente, mede 40 m x 20 m).

A área do goleiro será determinada por um semicírculo, cujo raio medirá 6 m, desde o centro do gol. Nessa área, somente o goleiro pode ficar; nem pessoas do seu time ou do time adversário podem pisar na área ou na linha.

A 9 m do gol, temos a linha tracejada (linha do tiro livre), de onde geralmente são cobradas as faltas.

Em frente ao gol, a uma distância de 7 m, traça-se uma linha de onde é cobrado o tiro de 7 m, ou, como chamaríamos no futebol, de penalidade máxima.

A seguir, podemos ver como são as medidas e a forma de uma quadra de handebol.

Posicionamento dos atletas no ataque

No ataque, costumamos chamar os atletas de ponta, armador (que pode ser central, esquerdo e direito), pivô e goleiro. Armador: é o principal jogador, aquele que inicia as jogadas, distribui as bolas, tem habilidade para driblar, desmarcar-se, montar jogadas, arremessar etc. Em vez de armadores esquerdo e direito, muitos utilizam o nome meia-direita e meia-esquerda. Armador lateral ou meia: auxilia as jogadas do armador central; geralmente é forte e alto. Ponta: é ágil e rápido, pois, frequentemente, é usado nos contra-ataques. Muitas vezes faz arremessos em ângulos fechados, saltando de lado para dentro da área. Pivô: fica no ataque, infiltrado na defesa do adversário, a fim de girar e ficar de frente para o gol. Deve também abrir espaço na defesa adversária para que seus companheiros possam arremessar, ou efetuar jogadas. Goleiro: deve defender os arremessos dos adversários e montar os contra-ataques, podendo sair da área e atuar como um jogador comum. Precisa dar passes precisos e ter agilidade para fa- zer as defesas.

Posicionamento dos atletas na defesa Temos vários tipos de defesa: todos os jogadores ficam entre a área e a linha pontilhada de 9 m (chamada de 6 x 0), ou com flutuações, em que um ou mais jogadores ficam à frente da linha pontilhada, para tentar interceptar os passes e as jogadas do adversário. A seguir, poderemos ver um esboço do esquema defensivo do handebol.

3. Regras básicas

Arbitragem

A partida é apitada por árbitros. Um se coloca atrás da defesa e outro, atrás do ataque, e eles mudam de posição quando os times invertem suas posições (o defensor passa o ataque e vice- versa).

Os times Cada time tem 12 jogadores, com, no mínimo, 1 goleiro. Mas, na quadra, só podem ficar 7 (6

jogadores de quadra e 1 goleiro); os outros ficam na reserva. A partida só terá início com um mínimo de 5 jogadores em cada time. No entanto, depois de começado, o jogo continua, mesmo que um dos times tenha menos de 5 jogadores.

A uma equipe é permitido usar um máximo de 4 oficiais de equipe durante o jogo. Esses oficiais de equipe não podem ser substituídos durante o curso do jogo. Um deles deve ser designado como “oficial responsável pela equipe”. Somente a este oficial é permitido se dirigir ao secretário/cronometrista e, quando necessário, aos árbitros. A um oficial de equipe

normalmente não é permitido entrar na quadra durante o jogo. Uma violação a esta regra será penalizada.

Reservas Podem entrar no jogo pela sua zona de substituição em qualquer tempo e não precisam

notificar a mesa, desde que os jogadores substituídos já tenham deixado a quadra pelo mesmo local. Os reservas devem ficar no local destinado a eles.

Uniformes O uniforme dos jogadores de quadra de uma equipe deve ser igual, e a camisa do goleiro, de

cor diferente da de sua equipe, da equipe adversária e da do goleiro adversário. As camisas devem ser numeradas de 1 a 20 nas costas e no peito. Os calçados devem ser próprios para esportes de salão.

É proibido o uso de pulseiras, relógios, anéis, colares, óculos sem armação sólida e sem elástico, ou qualquer outro objeto que possa pôr em perigo os jogadores.

A bola A bola é de couro ou material sintético. Ela deve ser esférica. Sua

superfície não pode ser brilhante nem escorregadia. Medidas Homens maiores de 16 anos (H3) – 58 cm a 60 cm de diâmetro e 425 g a

475 g de peso. Homens de 12 a 16 anos e mulheres maiores de 14 anos (H2) – 54 cm a

56 cm de diâmetro e 325 g a 375 g de peso. Homens de 8 a 12 anos e mulheres de 8 a 14 anos (H1) – 50 cm a 52 cm de diâmetro e 290 g

a 330 g de peso.

Duração do jogo

Para equipes masculinas e femininas acima de 16 anos, a duração do jogo será de dois tempos de 30 minutos cada um, com 10 minutos de intervalo. Para equipes de 12 a 16 anos, de 25 minutos cada período e, para equipes de 8 a 12 anos, dois períodos de 20 minutos, com 10 minutos de intervalo. Após o intervalo, as equipes mudam de lado.

Cada técnico tem direito de pedir um tempo técnico de 1 minuto em cada período para orientar sua equipe.

Se o jogo terminar empatado e tiver de continuar até que haja um vencedor, haverá 5

minutos de descanso e, a seguir, uma prorrogação de dois tempos de 5 minutos cada um, com 1 minuto de descanso, procedendo-se a um sorteio para decidir quem dá o tiro de saída. Novo empate, outra prorrogação. Persistindo o empate, cobranças de tiros de 7 m. As funções do goleiro Ao goleiro é permitido: a) tocar a bola com qualquer parte do seu corpo, em uma tentativa de defesa, dentro da sua área de gol;

b) deslocar-se na área de gol com a bola na mão, sem restrição – mas não pode retardar a execu- ção do tiro de meta; c) sair da área do gol sem a bola dominada e participar da partida no terreno do jogo, estando sujeito às mesmas regras aplicadas aos jogadores de quadra.

Ao goleiro é proibido: a) colocar em perigo o adversário em uma tentativa de defesa; b) sair da área do gol com a bola dominada; c) tocar a bola de novo após tiro de meta, antes que ela tenha tocado outro jogador; d) tocar, levar a bola parada ou rolando quando esta estiver fora de sua área de gol e ele dentro; e) retornar para dentro de sua área com a bola; f) tocar na bola, estando dentro de sua área, quando um jogador de sua equipe joga a bola para a sua própria área de gol.

Todas essas irregularidades são punidas com tiro livre para o adversário.

Áreas de gol Só o goleiro pode permanecer na área do gol. Ela é violada no momento em que qualquer

jogador de quadra, de ataque ou defesa, tocá-la (mesmo na linha), com qualquer parte do corpo. Só não haverá violação quando a invasão ocorrer após o jogador ter lançado a bola ou ter feito uma defesa, desde que não haja prejuízo para o adversário. A violação da área é punida com: tiro livre, se um jogador de quadra a invade com ou sem bola, se com isso leva vantagem; tiro de 7m, se um defensor a invade intencionalmente e coloca em desvantagem o atacante de posse de bola.

Na área de gol, a bola é do goleiro. É proibido a qualquer outro jogador tocar na bola que se encontra na área, parada ou rolando, ou de posse do goleiro. Se a bola estiver no ar, acima da área do gol, pode ser livremente jogada.

A bola que chegar até a área do gol durante o jogo deve ser reposta através de um tiro de meta executado pelo goleiro.

O lançamento intencional da bola para sua própria área de gol é punido com: gol, se a bola entrar na baliza (exceção da execução do tiro de meta); tiro livre, se o goleiro a toca, impedindo que ela entre no gol, e se a bola permanecer parada na área do gol; tiro lateral, se sair pela linha de fundo. Se a bola toca a trave ou atravessa a área do gol, o jogo prossegue normalmente, caso não tenha sido tocada pelo goleiro.

No manejo da bola é permitido:

a) atirar, agarrar, parar, empurrar ou bater a bola, usando mãos, braços, cabeça, tronco, coxas e joelhos; b) segurar a bola no máximo 3 segundos, mesmo quando ela estiver em contato com o solo; c) dar, no máximo, 3 passos com a bola na mão.

Considera-se um passo quando: • Um jogador que está parado com ambos os pés no solo levanta um pé e o apoia de novo

ou move um pé de um lugar para outro; • Um jogador está tocando o solo somente com um pé, agarra a bola e então toca o solo

com o outro pé; • Um jogador, depois de um salto, toca o solo somente com um pé, e então pula sobre o

mesmo pé ou toca o solo com o outro pé; • Um jogador, depois de um salto, toca o solo com ambos os pés simultaneamente e então

levanta um pé e o apoia de novo, ou move um pé de um lugar para outro. d) lançar a bola uma vez ao solo e agarrá-la de novo com uma ou duas mãos; e) bater a bola várias vezes em seguida no solo com uma das mãos. Quando o jogador dominar a bola, deve jogá-la, no máximo, após dar 3 passos ou depois de 3 segundos. A bola é considerada como lançada ao solo desde que o jogador intencionalmente a desvie para o solo, com qualquer parte de seu corpo; f) mover a bola de uma mão para outra; g) jogar a bola enquanto ajoelhado, sentado ou deitado no solo.

No manejo da bola é proibido: a) tocar a bola mais de uma vez, a menos que ela tenha tocado o solo, outro jogador, ou a baliza nesse meio tempo. Falha de recepção não é penalizada; b) tocar a bola com o pé ou abaixo do joelho, exceto quando a bola foi lançada no jogador por um adversário; c) manter a bola em posse de sua equipe sem fazer tentativa reconhecível de ataque ou arremesso ao gol. Isso é considerado “jogo passivo”. Nesse caso, será tiro livre para o adversário. Quando os árbitros reconhecem jogo passivo, eles alertam a equipe atacante com uma advertência (através de um gesto), e a equipe deve imediatamente modificar sua maneira de atacar, buscar o arremesso; se a equipe advertida insistir no erro, os árbitros darão tiro livre contra.

Na conduta em relação ao adversário é permitido:

a) utilizar os braços e as mãos para bloquear ou ganhar a posse de bola; b) tirar a bola do adversário com a mão aberta, não importa de que lado; c) barrar, com o tronco, o caminho do adversário, mesmo que ele não esteja com a bola; d) entrar em contato físico com o adversário, quando de frente para ele e com os braços flexionados, bem como controlar e acompanhar o adversário.

Na conduta em relação ao adversário é proibido:

a) obstruir o adversário com as mãos, os braços ou as pernas; b) empurrar o adversário para dentro da área de gol; c) arrancar a bola do adversário com uma ou duas mãos; d) utilizar o punho para tirar a bola do adversário; e) lançar a bola de modo perigoso para o adversário ou dirigir a bola contra ele em uma finta perigosa; f) colocar em perigo o goleiro; g) segurar o adversário, agarrá-lo ou empurrá-lo; h) lançar-se sobre o adversário correndo ou saltando, passar-lhe a perna, atirar-se diante dele ou agir de qualquer outra maneira perigosa.

O gol

Um gol será anotado quando a bola ultrapassar inteiramente a linha de gol, por dentro da baliza, e nenhuma falta for cometida pelo time atacante (no caso de uma ação faltosa de um defensor, se a bola entra na baliza, o gol será validado). Se os árbitros ou o cronometrista paralisarem o jogo antes de a bola ultrapassar a linha do gol, o tento não será validado. No caso de alguém que não esteja participando da partida impedir a entrada da bola na baliza, o gol será validado, mesmo que a bola não tenha ultrapassado inteiramente a linha do gol.

Tiro de saída

No começo do jogo, o tiro de saída é executado pela equipe que venceu o sorteio e escolheu ficar com a bola; os adversários, então, têm o direito de escolher o lado da quadra. Alternativamente, se a equipe que ganhou o sorteio escolher o lado da quadra, o adversário dá o tiro de saída. No início do segundo tempo, o tiro de saída é feito pelo time que não o executou no início do jogo.

O tiro de saída é feito em qualquer direção do centro da quadra (com uma tolerância de 1,5 m lateralmente). O jogador executante do tiro deve ter um pé sobre a linha central até que a bola tenha saído de sua mão. Ele é precedido por um apito e deve ser executado em 3 segundos. Os companheiros da equipe do executor devem estar em sua própria quadra até o apito de autorização dado pelo árbitro. Para o tiro de saída do início de cada tempo, todos os jogadores devem estar nos próprios lados da quadra deles. Contudo, para tiros de saída depois que um gol foi marcado, os adversários

podem estar em ambos os lados da quadra, respeitando pelo menos 3 m de distância do jogador executante do tiro de saída.

Tiro lateral

Um tiro lateral é assinalado quando a bola tiver cruzado completamente a linha lateral, ou quando um jogador de quadra da equipe defensora tiver sido o último a tocar na bola antes que ela cruzasse a linha de fundo de sua equipe.

O tiro lateral é executado sem o apito do árbitro, pelo adversário da equipe cujo jogador tocou por último na bola antes que ela cruzasse a linha.

O tiro lateral é executado do ponto onde a bola cruzou a linha lateral ou, se ela cruzou a linha de fundo, da intersecção entre a linha lateral e a linha de fundo daquele lado.

O executante deve permanecer com um pé sobre a linha lateral até que a bola tenha saído da mão dele. Ao jogador não é permitido colocar a bola no solo e pegá-la de novo, ou quicar a bola e agarrá-la novamente.

Enquanto o tiro lateral está sendo executado, os adversários não podem estar a menos de 3 m do executante.

Eles estão, contudo, sempre autorizados a permanecer imediatamente no lado de fora da linha da área de gol deles, mesmo se a distância entre eles e o executante for inferior a 3 m. Um gol marcado direto de um tiro lateral será válido.

Tiro de meta

Quando o goleiro controla a bola na área de gol ou quando a bola cruza a linha de fundo, depois de ter sido tocada por último pelo goleiro ou pelo jogador da equipe adversária, o goleiro deverá executar o tiro para fora da área e não poderá tocar novamente na bola enquanto ela não for tocada por um jogador de quadra. O tiro é considerado executado quando a bola lançada pelo goleiro tiver ultrapassado a linha de área do gol. Durante o tiro, os adversários podem ficar no espaço entre a linha de área e a de tiro livre.

Tiro livre

Os árbitros interrompem o jogo e o reiniciam com um tiro livre para os adversários quando: • A equipe em posse de bola comete uma violação das regras que deve conduzir à perda de sua posse; • A equipe defensora comete uma violação das regras que cause, para a equipe em posse de bola, a perda desta.

O tiro livre é normalmente executado sem nenhum apito do árbitro, a princípio, do lugar onde a infração ocorreu.

Nunca deve ser executado dentro da própria área do gol da equipe executante ou dentro da linha de tiro livre dos adversários.

Quando o executor está posicionado corretamente e com a bola nas mãos, este não deve colocá-la no solo e pegá-la novamente, quicá-la e agarrá-la de novo; também não pode entregá- la a um companheiro e mesmo o companheiro não pode tocar ou pegar a bola da mão do executor.

Os jogadores da equipe do executor não podem permanecer dentro da área de tiro livre adversária até que o tiro livre tenha sido executado. Os adversários devem respeitar os 3 m de distância do tiro.

Tiro de 7 m É aplicado quando: a) uma clara chance de marcar um gol é destruída por um jogador ou oficial de equipe do time adversário em qualquer lugar na quadra; b) há um apito não autorizado no momento de uma clara chance de marcar um gol; c) uma clara chance de marcar um gol é destruída através de interferência de alguém não partici- pante do jogo.

O tiro de 7 m é um lançamento direto ao gol e, durante sua execução, o jogador não pode tocar nem ultrapassar a linha de 7 m antes que a bola tenha deixado sua mão. Nenhum outro jogador, além do executor, pode ficar entre a linha da área de gol e a linha de tiro livre. Se um jogador da equipe atacante toca a linha de tiro livre antes do arremesso, é marcado tiro livre em favor da equipe defensora. No caso inverso, pune-se o infrator validando o gol, se a bola entrou, ou repete-se o tiro. Execução dos tiros A bola deve estar na mão do executor e os jogadores, nas posições prescritas pelo tiro em questão. Exceto no tiro de meta, o executante deve ter uma parte de um pé em constante contato com o solo quando o tiro é executado. A bola não pode ser entregue em mãos ou tocada por um companheiro até que o tiro tenha sido executado, e não se deve colocá-la no solo e pegá-la novamente, quicá-la e agarrá-la.

Sanções Uso do cartão amarelo

a) faltas e infrações contra um adversário (condutas para com o adversário) persistentes; b) infração quando os adversários estão executando um tiro; c) atitude antidesportiva de um jogador ou oficial.

Para a equipe: máximo de 3 para os jogadores e máximo de 1 para os 4 oficiais.

Exclusão por 2 minutos:

a) falta durante a substituição ou entrada ilegal em quadra; b) faltas repetidas que devem ser punidas progressivamente; c) por conduta antidesportiva recorrente, seja por parte de um oficial ou de um jogador, dentro ou fora da quadra;

d) por não soltar ou não colocar a bola no solo sobre a marcação de tiro livre contra a equipe que está em posse de bola.

Para a equipe – máximo de 3 para cada jogador; máximo de 1 para os 4 oficiais. O tempo de exclusão tem início quando o árbitro, por meio do apito, reinicia o jogo.

O cartão vermelho é aplicado:

a) quando um jogador não está autorizado a jogar; b) por falta que coloque em perigo a integridade física do adversário; c) por atitude antidesportiva grosseira de um jogador ou oficial de equipe; d) por causa de uma terceira exclusão para o mesmo jogador; e) por uma agressão de um jogador fora do tempo de jogo e por agressão de um oficial;

A desqualificação é sempre para o tempo restante de jogo. O jogador deve deixar a quadra e a área de substituição. Decorridos 2 minutos, a equipe pode colocar em quadra outro jogador no lugar do jogador faltoso. Para a equipe: máximo de 1 para cada jogador; máximo de 1 para cada oficial.

Expulsão

É aplicada quando ocorre uma agressão física contra o corpo de um adversário, companheiro, oficial de arbitragem ou espectador, durante o tempo do jogo.

A equipe deverá jogar o tempo restante da partida com um jogador a menos. Mais de uma violação na mesma situação: o tempo de exclusão poderá ser de 4 minutos se o jogador, após uma exclusão, for culpado de atitude antidesportiva antes de reiniciar o jogo; isso vale para desqualificação também.

Assim, é dada à equipe uma punição adicional.

Os árbitros

Cada jogo é dirigido por dois árbitros, ambos com os mesmos direitos. Eles são assistidos por um secretário e por um cronometrista.

4. Handebol de praia

As regras são semelhantes às do handebol de quadra, mas as medidas das dimensões da quadra são menores (retangular, com 24 m de comprimento por 12 m de largura).

Regras básicas

Bola: é lisa e de borracha. A bola de handebol masculino pesa aproximadamente 360 g e tem um diâmetro de 17,5 cm. A bola de handebol feminino pesa aproximadamente 290 g, com um diâmetro de 15,5 cm. Para crianças e categorias menores, deve ser usada uma bola com peso e diâmetro menores.

Equipe: cada equipe é composta por 8 jogadores. Jogadores: todos devem jogar descalços (mas podem usar meias e bandagens). Goleiro: quando o goleiro não está com a bola, ele pode deixar sua área e jogar como um

jogador de linha normal, com o resto do time. Se o goleiro, jogando na linha, marcar um gol, seu time ganha 1 ponto extra. Após cada gol, é o goleiro quem dá continuidade ao jogo, lançando a bola de sua área.

comentários (0)
Até o momento nenhum comentário
Seja o primeiro a comentar!
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 10 pages
baixar o documento