Apostila de WRF, Notas de estudo de Física
felipe-da-costa-12
felipe-da-costa-12

Apostila de WRF, Notas de estudo de Física

52 páginas
46Números de download
1000+Número de visitas
Descrição
Apostila de WRF
40 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 52
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 52 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 52 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 52 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 52 páginas
Microsoft Word - 2013_Manual_WRF_341_64bits.doc

MANUAL DE INSTALAÇÃO, COMPILAÇÃO E EXECUÇÃO DO

MODELO DE MESOESCALA WRF NO ICEA

(VERSÃO 3.4.1)

Miguel Ângelo Vargas de Carvalho (PBCA/ICEA)

Milton Luiz Abrunhosa (FSDTP/ICEA)

Jonas Ricardo Oliveira Lopes (PBCA/ICEA)

Projeto de pesquisa coordenado pelo Grupo de Trabalho do Programa de Modelagem Numérica de Tempo (PMNT)

São José dos Campos – SP PBCA/ICEA

2013

INSTITUTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO

2

3

SUMÁRIO

Pág.

1 INTRODUÇÃO................................................................................................... 5

1.1 Objetivo ............................................................................................................... 6

2 DESCRIÇÃO DO MODELO WRF ................................................................... 7

3INSTALAÇÃO, COMPILAÇÃO E EXECUÇÃO DOS SUBSISTEMAS DO

WRF ................................................................................................................... 9

3.1 Preparação inicial................................................................................................. 9

3.2 Bibliotecas opcionais para o GRIB2.....................................................................10

3.2 Instalação do NetCDF..........................................................................................11

3.3 Instalação do WRF...............................................................................................12

3.4.1 Instalação do subsistema WRFV3 .....................................................................12

3.4.2 Instalação do subsistema WPS...........................................................................14

3.4.3 Instalação do subsistema ARWpost ...................................................................16

3.5 Dados geográficos e de terreno.............................................................................17

3.6 Instalação do pacote gráfico GrADs .....................................................................17

4CONFIGURAÇÕES INICIAIS DO WRF .........................................................19

5 EXECUTANDO O WRF ....................................................................................23

5.1. Execução do WPS...............................................................................................23

5.1.1 Execução GEOGRID ........................................................................................24

5.1.2 Execução UNGRIB ...........................................................................................25

5.1.3 Execução METGRID ........................................................................................27

5.2 Execução do Real e WRF.....................................................................................28

5.3 Execução do ARWpost ........................................................................................30

6CONSIDERAÇÕES FINAIS ..............................................................................33

7AGRADECIMENTOS ........................................................................................34

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .....................................................................35

APÊNDICE A – NAMELISTS GRADE SUDESTE................................................. 37

APÊNDICE B – NAMELISTS GRADE NORDESTE............................................. 41

APÊNDICE C – NAMELISTS GRADE NORTE..................................................... 45

APÊNDICE D – NAMELISTS GRADE ALCÂNTARA......................................... 49

4

5

1 INTRODUÇÃO

Para o Comando da Aeronáutica, a previsão de fenômenos meteorológicos é importante

por causa do impacto nas atividades aeronáuticas e aeroespaciais, tais como

gerenciamento do fluxo de tráfego aéreo e lançamento de foguetes. No Brasil, o

responsável pelas informações e prognósticos meteorológicos para a aviação é o

Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA). Informações e prognósticos

meteorológicos confiáveis são ferramentas essenciais que possibilitam a segurança das

operações aéreas, o conforto dos passageiros e estabelecimento de rotas mais rápidas e

econômicas para as aeronaves. Por intermédio da Portaria DECEA 009/SDAD, de 06 de

outubro de 2008, e reestruturado pela Portaria DECEA 033/SDOP, de 12 de março de

2013, foi constituído o Grupo de Trabalho (GT) do Programa de Modelagem Numérica

do Tempo (PMNT). Os participantes do GT são oriundos de diferentes organizações do

Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro (SISCEAB), da especialidade de

Meteorologia, na sua maioria com curso de pós-graduação (nível Doutorado e

Mestrado), ou com conhecimentos específicos da área da Tecnologia da Informação

(TI). O PMNT visa proporcionar prognósticos em alta resolução para áreas de maior

fluxo da navegação aérea nacional, o que possibilita um aumento do detalhamento das

informações meteorológicas e da qualidade da previsão do tempo para o SISCEAB. Em

2002, foram iniciadas, tanto para fins operacionais, quanto para pesquisa, as primeiras

simulações com modelos de Previsão Numérica de Tempo (PNT) na Força Aérea

Brasileira (FAB). O modelo de PNT inicialmente escolhido foi a 5ª Geração do Modelo

de Mesoescala (MM5). Atualmente, o MM5 tem sido usado pelas seguintes instituições:

Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), Instituto de Controle do Espaço Aéreo (ICEA)

e Centro Nacional de Meteorologia Aeronáutica (CNMA). Os prognósticos gerados

pelo MM5 estão disponibilizados na homepage do ICEA e da Rede de Meteorologia do

Comando da Aeronáutica (REDEMET). Com o continuo aumento na capacidade de

processamento dos computadores e de conectividade, tornou-se possível o emprego de

modelos numéricos de previsão de tempo cada vez mais sofisticados. Assim, em 2011,

iniciou-se a instalação do Weather Research and Forecasting (WRF) no ICEA. O WRF

é a ultima geração de modelo numérico de previsão do tempo que servirá tanto para a

operacionalidade dos centros meteorológicos como para as pesquisas atmosféricas. Com

a sua implementação o ICEA consegue estar inserido no crescimento natural das

pesquisas na área de previsão operacional do tempo.

6

1.1 Objetivo

O objetivo deste trabalho é descrever as etapas de instalação, compilação e execução da

versão 3.4.1 do WRF, sob uma plataforma Linux de 64 bits, aperfeiçoando o projeto

iniciado no ICEA em parceria com o IAE e o CNMA (IRIART, CARVALHO e

PEREIRA NETO, 2011). Associado com a aquisição de novos recursos computacionais

e de conectividade, a instalação dessa nova versão possibilitou melhorias no sistema de

modelagem numérica instalado no ICEA, destacando-se: o aumento da resolução

espacial (18 e 6 km), o redimensionamento dos domínios e aumento no número de

rodadas do modelo, ou seja, a sua inicialização 4 vezes ao dia (00Z, 12Z, 18Z e 00Z).

7

2 DESCRIÇÃO DO MODELO WRF

O WRF é a ultima geração de modelo numérico de previsão do tempo que servirá tanto

para a operacionalidade dos centros meteorológicos como para as pesquisas

atmosféricas. Ele foi desenvolvido através de uma parceria entre diversos órgãos, entre

eles o National Center for Atmospheric Research (NCAR), National Oceanic and

Atmospheric Administration (NOAA), National Center for Environmental Prediction

(NCEP), Forecast Systens Laboratory (FSL), Air Force Weather Agency (FAWA), e

outros órgãos de pesquisa e desenvolvimento. Maiores informações sobre o WRF

podem ser obtidas no sítio http://www.wrf-model.org.

As características do modelo que mais se destacam são: os múltiplos núcleos dinâmicos,

sistema variável de assimilação de dados tri-dimensional e uma estrutura de software

que permite o paralelismo computacional, bem como a extensibilidade do sistema. Pode

ser instalado em diversas plataformas computacionais (p. ex. Linux), é muito portátil,

flexível, de domínio público e disponibilizado gratuitamente pela internet. O modelo

pode ser executado tanto para situações atmosféricas idealizadas como situações reais,

em um espectro amplo de aplicações em escalas horizontais que variam de milhares de

quilômetros a poucos metros.

O sistema de modelagem do WRF compreende diversos componentes (Fig. 1; para

maiores detalhes, veja ARW V3 Modeling System User´s Guide, 2011). Os principais

são: no pré processamento o WRF Preprocessing System (WPS); inicialização do WRF

(real); execução do WRF; e pós-processamento (ARWpost). O WPS é um conjunto de

três subsistemas que prepara os dados de entrada para a simulação: geogrid, ungrib e

metgrib. O geogrid define o domínio do modelo e interpola os dados terrestres para as

grades. O ungrib extrai os campos meteorológicos do formato GRIB (V1 e V2)

necessários para iniciar o modelo. O metgrid interpola horizontalmente os campos

meteorológicos extraídos pelo ungrib para as grades do modelo definida pelo geogrid. O

trabalho de interpolar verticalmente os campos do WRF é feito dentro do programa real.

O WRF é responsável pela execução do modelo propriamente dito. Por fim, o ARWpost

é usado para converter as saídas do modelos para um formato que possam ser

visualizados por aplicativos gráficos.

8

Dados externos

Figura 1 – Representação esquemática do sistema de modelagem. Adaptado de ARW V3 Modeling System User´s Guide, 2011.

geogrid

ungrib

metgrid

real

Dados Geográficos

Análises, Reanálises;

Previsão

WRF

WPS WRF ARW

Pós-Process.

ARWpost

namelist.wps

9

3. INSTALAÇÃO, COMPILAÇÃO E EXECUÇÃO DOS SUBSISTEMAS DO

WRF

O modelo WRF versão 3.4.1 foi instalado sob o sistema operacional livre Debian1

versão 7.0 “Wheezy” de 64 bits, em máquinas multicore, que possibilita diversos fluxos

de execução simultâneos. O WRF foi desenvolvido de maneira a explorar o uso do

paralelismo computacional.

Os principais componentes do hardware são: servidores Dell PowerEdge R720 com 01

(um) processador 6-Core, 12-threads com clock de 2.0 GHz com 64 (sessenta e quatro)

GB de memória RAM; uma unidade de disco rígido interno de 300 GB; e memória

cache de 256 MB. Cada servidor simulará um domínio. Maiores detalhes da

configuração dos domínios serão fornecidos mais adiante.

Para que o WRF funcione corretamente, é necessária a instalação de diversos

componentes de software (bibliotecas, compiladores, linguagens de programação, etc.),

bem como o NetCDF e os arquivos de instalação dos subsistemas do modelo. Alguns

aplicativos estão disponíveis no repositório de software do Debian, outros em sítios da

internet. Para procurar, instalar ou manipular pacotes de software a partir dos

repositórios do Debian utiliza-se a ferramenta Advanced Packaging Tool (APT). Os

arquivos da internet podem ser baixados diretamente para um diretório a sua escolha

(neste trabalho, /usr/local/src/). Os sítios necessários para instalação do modelo serão

informados neste trabalho. A seguir, será apresentada uma descrição detalhada de cada

etapa da instalação do modelo.

3.1 Preparação Inicial

Antes da instalação dos subsistemas do WRF, é necessário a instalação ou atualização

de diversos componentes (bibliotecas, compiladores C/C++ e Fortran, linguagens de

programação, etc.). Com a ferramenta APT, são instalados os seguintes componentes:

gfortran, gcc, g++, cpp, flex, csh, libncurses5-dev, bison, curl, m4, perl, make, zip. Para

a execução do modelo em paralelo, ainda são instalados: openmpi-bin, libopenmpi-dev.

Todos devem ser instalados antes da instalação dos subsistemas do WRF. Os comandos

no terminal do Linux são executados como “root” do sistema. 1 www.debian.org/releases/wheezy/index.en.html

10

# apt-get update

# apt-get install gfortran gcc g++ cpp flex csh bison curl m4 perl make zip libncurses5-

dev openmpi-bin libopenmpi-dev

3.2 Bibliotecas opcionais para GRIB2

As condições iniciais e de contorno utilizadas no modelo estão no formato da segunda

versão do código General Regularly-distributed Information in Binary (GRIB2). O

código GRIB é um formato de arquivo padrão da World Meteorological Organization

(WMO) para o armazenamento de campos regularmente distribuídos (p.ex., pontos de

grade). Para a extração dos campos meteorológicos desses arquivos pelo WRF, é

necessária a instalação de três bibliotecas: JasPer 1.900.12, Zlib 1.2.53 e PNG 1.4.74. As

bibliotecas são, então, copiadas e descompactadas no diretório /usr/local.

# cp –f /home/webpca/WRF/install/jasPer-1.900.1.zip libpng-1.4.7.tar.gz zlib-

1.2.5.tar.gz /usr/local/

# cd /usr/local

# unzip jasPer-1.900.1.zip

# tar –vzxf libpng-1.4.7.tar.gz

# tar –vzxf zlib-1.2.5.tar.gz

Concluída a descompactação dos arquivos, deve-se entrar nos três diretórios criados

(Fig.2, zlib-1.2.5, jasPer-1.900.1 e libpng-1.4.7) e compilar as respectivas bibliotecas:

# cd zlib-1.2.5

# ./configure --prefix=/usr/local

# make

# make intall

# cd ../jasper-1.900.1

# ./configure --prefix=/usr/local

# make

# make intall

# cd ../libpng-1.4.7

2 www.ece.uvic.ca/~mdadams/jasper/ 3 www.zlib.net 4 www.libpng.org/pub/png/libpng.html

11

# ./configure --prefix=/usr/local

# make check

# make intall

# cd ..

O script de instalação do WPS possui versões diferentes dessas bibliotecas. Mais

adiante, será mostrado como alterar a versão das bibliotecas que estão localizadas

dentro do arquivo configure.wps.

3.3 Instalação do NetCDF

A versão do NetCDF instalada é a 4.1.3 (não compilada), disponibilizada por Unidata

Program Center 5 (“NetCDF C/C++/Fortran Stable Releases”). Após o download, o

arquivo é copiado e descompactado para o diretório /usr/local:

# cp –f /home/webpca/WRF/install/netcdf-4.1.3.tar.gz /usr/local/

# cd /usr/local/

# tar –vzxf netcdf-4.1.3.tar.gz

Entre no diretório criado (netcdf-4.1.3), configure e compile o NetCDF. Uma

mensagem, no final da instalação, informará o êxito da instalação.

# cd netcdf-4.1.3

# ./configure --prefix=/usr/local/netcdf

# make

# make check

# make install

Congratulations! You have successfully installed netCDF”

# cd ..

Se ocorrerem erros, informações adicionais podem ser obtidas no Guia de Instalação do

NetCDF6.

5 www.unidada.ucar.edu/downloads/netcdf/index.jsp 6 www.unidata.ucar.edu/software/netcdf/docs/netcdf-install

12

3.4 Instalação do WRF

Os arquivos necessários para instalação dos subsistemas do WRF estão disponibilizados

no sítio University Corporation for Atmospheric Research (UCAR)7. O local escolhido

para instalação do modelo é o diretório /home/webpca/WRF. Inicialmente, são baixados

e transferidos para o novo diretório os arquivos de instalação do WRF (versão 3.4.1),

WPS (versão 3.4.1) e ARWPost (versão 3.1), bem como os dados geográficos e de

terreno para a montagem dos domínios.

# mkdir /home/webpca/WRF

#cp –f /home/webpca/WRF/install/geog_v3.1.tar.gz WPSV3.4.1.TAR WRFV3.4.1.TAR

ARWpost.tar.gz /home/webpca/WRF

# cd /home/webpca/WRF

Para todos os subsistemas do modelo, os procedimentos para instalação são

semelhantes. Após descompactar o arquivo, o NetCDF é definido como variável

ambiental e para que ele possa suportar arquivos grandes (>2GB). O próximo passo é

realizar a configuração e compilação dos subsistemas. A sequência de comandos

utilizados para a instalação de cada subsistema do WRF é mostrada abaixo:

3.4.1 Instalação do subsistema WRFV3

# tar –vxf WRFV3.4.1.TAR

# cd WRFV3

# export NETCDF=/usr/local/netcdf ! (setar a variável de ambiente)

# export WRFIO_NCD_LARGE_FILE_SUPPORT=1 ! (arquivos grandes)

# ./configure ! (escolher a opção dentre as oferecidas, Fig. 2)

# ./compile em_real >& compile.log

# cd ..

O script configure cria o arquivo de configuração do WRF. Sua função é checar os

recursos computacionais (hardware e software) e oferecer aos usuários opções para a

configuração do WRF. O arquivo criado chama-se configure.wrf. Este novo arquivo

também pode ser editado com outras opções, caso seja necessário. Para a compilação do 7 http://www.mmm.ucar.edu/wrf/users/download/get_source.html

13

WRF, utiliza-se o script compile. Se for executado com sucesso, os seguintes

executáveis são criados no diretório /main: ndown.exe, tc.exe, nup.exe, real.exe e

wrf.exe. Caso um ou mais destes arquivos não tenham sido criados, procurar erros

dentro do arquivo compile.log, corrigi-los e repetir a seqüência de comando deste

tópico. Antes de recompilar, execute o script clean (./clean -a). A Figura 2 mostra as

opções escolhidas para a instalação do modelo nos servidores do ICEA e a Figura 3, os

arquivos criados na pasta WRFV3.

Figura 2 – Figura ilustrativa do terminal mostrando as opções escolhidas para a compilação do WRF. Os retângulos vermelhos mostram as opções selecionadas.

Figura 3 – Figura ilustrativa do terminal mostrando a pasta /home/webpca/WRF/WRFV3/main. Os retângulos vermelhos mostram os executáveis criados após a compilação do WRF.

Obs.: A compilação do WRF leva algum tempo, pois todo o código é compilado. Caso não ocorram alterações, a compilação é realizada somente uma vez.

14

3.4.2 Instalação do subsistema WPS:

# tar –vxf WPSV3.4.1.TAR

# cd WPS

# export NETCDF=/usr/local/netcdf

# export WRFIO_NCD_LARGE_FILE_SUPPORT=1

# ./configure ! (escolher a opção dentre as oferecidas, Fig. 4)

# ./compile >& compile.log

# cd ..

Como informado anteriormente, a seqüência de comandos utilizada para configuração e

compilação do WPS é semelhante à mostrada para o WRF. Agora, o arquivo de

configuração criado é o configure.wps e, após a compilação do WPS, os seguintes

executáveis são criados nos diretórios: geogrid.exe (define o tamanho e localização do

domínio) em geogrid/src; ungrib.exe (extrai os campos meteorológicos dos arquivos

GRIB) em ungrib/src; e metgrid.exe (interpola horizontalmente os campos

meteorológicos para a grade simulada definida) em metgrid/src. Os atalhos desses

executáveis são criados no diretório /WPS. Caso um ou mais desses arquivos não

tenham sido criados ou o nome deles estiver piscando, procurar erros dentro do arquivo

compile.log, corrigi-los e repetir a seqüência de comandos deste tópico. Antes de

recompilar, execute o script clean (./clean -a). A Figura 4 mostra as opções escolhidas

para a instalação do modelo nos servidores do ICEA e a Figura 5, os atalhos criados no

diretório /WPS.

Figura 4 – Figura ilustrativa do terminal mostrando as opções escolhidas para a compilação do WPS. Os retângulos vermelhos mostram as opções selecionadas.

15

Obs.: A execução do WPS ocorre em série, pois o ganho da execução deste subsistema em paralelo é muito pequeno.

Figura 5 – Figura ilustrativa do terminal mostrando a pasta /home/webpca/WRF/WPS. Os retângulos vermelhos mostram os executáveis criados após a compilação do WPS.

Erros podem ocorrer associados à ausência das variáveis ambientais. Para checar se elas

estão criadas no diretório WPS, digite o seguinte comando no terminal:

# env | grep -i NETCDF

Durante a instalação do WPS, pode ser necessário mudar a versão da biblioteca libpng,

indicada na variável COMPRESSION_LIBS que está localizada dentro do arquivo

configure.wps:

# nano configure.wps

(…)

COMPRESSION_LIBS=-L/usr/local/lib -ljasper –lpng –lz

Os erros mais comuns que ocorrem nesta operação estão associados à versão incorreta

das bibliotecas do GRIB2. Normalmente, o ungrib.exe não é criado após a compilação.

Uma dica, para verificar se os erros de compilação estão associados às bibliotecas do

GRIB2, é realizar a compilação com as opções NO GRIB2 (p.ex.: opção 13, Fig. 5).

Outra dica, é a utilização do comando ldd para determinar quais são as bibliotecas

necessárias de um executável. (p.ex.: ldd ungrib.exe). O comando ldd – List Dynamic

Dependencies – fornece uma lista das dependências dinâmicas de que um determinado

16

programa precisa para o seu correto funcionamento. Normalmente, ele retorna o nome

de uma ou mais bibliotecas compartilhadas e suas localizações esperadas. Caso elas

estejam ausentes, elas podem ser transferidas para o local esperado (p.ex.: /usr/lib).

3.4.3 Instalação do subsistema ARWpost

# tar –vzxf ARWpost.tar.gz

# cd ARWpost

# export NETCDF=/usr/local/netcdf

# export WRFIO_NCD_LARGE_FILE_SUPPORT=1

# ./configure ! (escolher a opção dentre as oferecidas, Fig. 6)

# ./compile >& compile.log

# cd ..

No último subsistema, após a sua configuração e compilação, o arquivo ARWpost.exe

deve ter sido criado. Caso isto não ocorra, procurar erros dentro do arquivo compile.log,

corrigi-los e repetir a seqüência de comandos deste tópico. Antes de recompilar, execute

o script clean (./clean-a). A Figura 6 mostra as opções escolhidas para a instalação do

modelo nos servidores do ICEA e a Figura 7, o arquivo criado no diretório WRFV3.

Figura 6 – Figura ilustrativa do terminal mostrando as opções escolhidas para a compilação do ARWpost. Os retângulos vermelhos mostram as opções selecionadas.

Figura 7 – Figura ilustrativa do terminal mostrando a pasta /home/webpca/WRF/ARWpost. O retângulo vermelho mostra o executável criado após a compilação do ARWpost.

17

3.5 Dados geográficos e de terreno:

Os dados geográficos e de terreno são descompactados no diretório data, criado dentro

de /home/webpca/WRF. Esses dados são obtidos dentro de um único arquivo

(geog.tar.gz) que, após descompactado, cria um novo diretório (geog) com

aproximadamente 11GB.

# mkdir /home/webpca/WRF/data

# cd /home/webpca/WRF/data

# tar –zxvf geog.tar.gz

Obs.: Mais adiante, na execução do WPS, será editado o arquivo namelist.wps (variável

geog_data_path) para indicar o caminho dos dados geográficos.

O conjunto de dados da superfície terrestre pertencente ao arquivo geog.tar.gz (dados

estáticos) foram obtidos através de mapeamento por satélite. Parte desse arquivo contém

categorias compatíveis com as da United States Geological Survey (USGS) que estão

descritos nos arquivos VEGPARM.TBL e SOILPARM.TBL, localizados no diretório

run do WRF. As resoluções dos dados são variadas (1º, 10’, 5’, 2’ e 30’’) e contêm as

seguintes informações: albedo da superfície mensal (albedo_ncep); fração da vegetação

mensal (greenfrac), índice de inclinação (slope index); categoria de uso da terra

(landuse); albedo máximo da neve (maxsnowalb); dados de superfície

(modis_landuse_20class_30s; apenas para usuários de modelagem de superfície da

Noah LSM); dados para os esquemas de ondas de gravidade (orogwd); media anual de

temperatura do solo de acordo com a profundidade (soiltemp); tipo de solo da camada

inferior (soiltype bot); tipo de solo da camada superior (soiltype top); altura da

topografia (topo).

3.6 Instalação do pacote gráfico GrADS

O Grid Analysis and Display System (GrADS) é uma das ferramentas gráficas mais

difundidas e utilizadas no mundo para facilitar o acesso, manipulação e visualização de

dados das principais variáveis atmosféricas e terrestres. O GrADS é distribuído

gratuitamente na internet e suporta muitos formatos de arquivo de dados, incluindo o

GRIB (versão 2), utilizado como condições iniciais e de contorno no modelo instalado

no ICEA.

18

Primeiramente, o código fonte da versão 2.0 do GrADS é copiado e descompactado em

/usr/local. Os códigos fontes pré-compilados estão disponibilizados no sítio do GrADS8.

Os arquivos executáveis (gradsc, gradsnc, gribmap, etc) são copiados para o diretório

/usr/local/bin. O próximo passo é criar o diretório grads em /usr/local/lib e copiar os

arquivos das bibliotecas do GrADS, referentes aos arquivos de mapas e fontes.

# cp –f /home/webpca/WRF/install/grads-2.02-linuxRHE3.tar /usr/local

# tar –vzxf grads-2.02-linuxRHE3.tar.gz

# cd grads-2.0.2/bin

# cp –f * /usr/local/bin

# mkdir /usr/local/lib/grads

# cp –fr grads-2.0.2/data/* /usr/local/lib/grads

A variável ambiental GASCRP é criada para indicar ao sistema operacional e demais

aplicativos a localização da lista de diretórios contento scripts do GrADs e do usuário.

Para tal, a variável é acrescentada no final do arquivo .bashrc, localizado no diretório

/home/<usuário>. Esse arquivo pode ser visualizado ao digitar no terminal do Linux o

comando ls –a.

# cd /home/<usuário>

# nano .bashrc

(...)

export GASCRP=/usr/local/lib/grads

Após a edição, salve e atualize o arquivo:

# source .bashrc

Obs: 1) Em algumas distribuições Linux pode ser necessário criar um link simbólico

com o arquivo libtermcap.so, localizada dentro do diretório /usr/lib (Prestrelo, 2011):

# ln –s /usr/lib/libtermcap.so /usr/lib/libtermcap.so.2

2) Outros arquivos do GrADS, disponibilizados no sítio do GrADS e/ou criados por

seus usuários, também podem ser copiados para o diretório /usr/local/lib/grads.

8 http://grads.iges.org/grads/downloads.html

19

4 CONFIGURAÇÕES DO WRF

O ICEA utiliza o modelo WRF, não-hidrostático, com aninhamento two-way.

Atualmente, gera operacionalmente previsões das condições do tempo por um período

de 48 horas, sendo inicializado 4 vezes ao dia (00Z, 06Z, 12Z e 18Z). As suas saídas

fornecem informações em intervalos de 3 horas. Os prognósticos são gerados para

quatro domínios diferentes, cada qual com uma grade aninhada. Assim, para a mesma

região de interesse existem duas grades, entretanto com resoluções distintas. As

resoluções espaciais são de 18 km, para o domínio principal (D1), de 6 km, para o

domínio aninhado (D2). Os domínios denominados de NORTE, NORDESTE,

SUDESTE e ALCÂNTARA estão centrados na latitude e longitude de 5ºS e 60ºW (Fig.

8a e b), 8ºS e 39ºW (Fig. 8c e d), 25,01º S e 49,17º W (Fig. 8e e f), 02, 40˚S e 44, 40˚W

(Fig. 8g e h), respectivamente. A escolha dos domínios está associada ao projeto do

Comando da Aeronáutica cujo objetivo é de pesquisa e desenvolvimento da modelagem

numérica para fins aeronáuticos e aeroespaciais, tais como, disponibilizar prognósticos

das condições do tempo em alta resolução para as Regiões de Informação de Vôo (FIRs)

e para os dois Centros de Lançamentos do Brasil: Centro de Lançamento de Alcântara

(CLA) e Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI).

(a) (b)

Figura 8 – Domínio das grades NORTE com resolução de 18 km (a) e 6 km (b); NORDESTE com resolução de 18 km (c) e 6 km (d); SUDESTE com resolução de 18 km (e) e 6 km (f); ALCANTARA com resolução de 18 km (g) e 6 km (h). (Continua)

20

(c) (d)

(e) (f)

(g) (h)

Figura 8 – Domínio das grades NORTE com resolução de 18 km (a) e 6 km (b); NORDESTE com resolução de 18 km (c) e 6 km (d); SUDESTE com resolução de 18 km (e) e 6 km (f); ALCANTARA com resolução de 18 km (g) e 6 km (h). (conclusão)

21

A seguir, é apresentada uma síntese das configurações para cada domínio (Tab. 1).

Tabela 1 – Configurações do modelo WRF.

DOMÍNIO Resolução horizontal

(km)

Nº de pontos zonal x meridional

Extensão do domínio (em graus)

NORTE 18 103 x 103 74,5-45,5ºW/19ºS-9,5ºN

6 181 x 181 66,5-53ºW/11,5ºS-3ºN

NORDESTE 18 160 x 150 52-26ºW/19,5ºS-4ºN

6 271 x 271 39-30ºW/12ºS-3ºN

SUDESTE 18 180 x 150 63,5-35ºW/35,5-13,5ºS

6 295 x 253 49,5-44ºW/26,5-20ºS

ALCÂNTARA 18 130 x 130 55-34ºW / 12,5ºS-8ºN

6 112 x 112 47,5-41ºW / 5,5ºS-1ºN

A resolução vertical utilizada é de 28 níveis, com pressão no topo da atmosfera de 50

hPa. As parametrizações físicas empregadas no modelo são: WSM3 (HONG, DUDHIA;

CHEN, 2004) para microfísica (convecção explicíta); RRTM (MLAWER ET AL.,

1997) para radiação de onda longa; Dudhia (DUDHIA, 1989) para radiação de onda

curta; MM5 similaridade (PAULSON; DYER; HICKS; WEBB, 1970) para camada

superfície; Noah-LSM (CHEN; DUBHIA, 2001) para processos de superfície; Yonsei

University Scheme (HONG; NOH; DUDHIA, 2006); e Kain-Fritsch (KAIN; FRITSCH,

1990; 1993) convecção rasa e profunda. A escolha das parametrizações físicas segue os

valores default da instalação do modelo (Tab. 2).

Tabela 2 – Parametrizações adotadas para as simulações.

parâmetro ou processo físico valor ou parametrização microfísica (convecção explicita) WSM3 (Hong; Dudhia; Chen, 2004) radiação onda longa RRTM (Malawer et al., 1997) radiação de onda curta Dudhia (Dudhia, 1989) camada superfície MM5 similaridade (Paulson et al., 1970) processos de superfície Noah-LSM (Chen e Dudhia, 2001) camada limite planetária Yonsei University (Hong; Noh; Dudhia, 2006) convecção rasa e profunda Kain-Fritsch (Kain; Fritsch, 1990; 1993)

22

O passo temporal utilizado para D1 (D2) é de 108s (36s). Para o WRF recomenda-se

realizar as integrações com passo de tempo equivalente até seis vezes o valor do

espaçamento de grade (∆x, em km, ARW V3 Modeling System User´s Guide, 2011). As

condições iniciais e de contorno provêm das análises do modelo global Global Forecast

System (GFS) do NCEP9 no formato GRIB2, com resolução horizontal de 0,5°;

resolução temporal de 6h; e 64 níveis na vertical. O conjunto de dados de tipo de solo e

uso do terreno utilizado foi obtido da USGS, dividido em 24 categorias (USGS 24-

category data). A Tabela 3 mostra características adicionais do WRF:

Tabela 3 – Característica do modelo WRF.

Equações BásicasTotalmente compressíveis

Coordenadas verticais Terrain following para a altura e pressão.

Estrutura horizontal da grade Arakawa-C

Método de integração 3ª ordem Runge-Kutta

Equações Conservação da massa, momentum e escalares usando equações prognosticas na forma de fluxo

Advecção Diferenças centradas de 6ª ordem ou 5ª ordem “upwind”.

Fonte: SKAMAROCK et al, 2008

9 http://nomads.ncep.noaa.gov/pub/data/nccf/com/gfs/prod

23

5 EXECUTANDO O WRF

Para realizar as alterações descritas no tópico anterior, é necessário configurar alguns

parâmetros dentro de três arquivos de texto (namelist): namelist.wps (pré-

processamento), namelist.input (processamento) e namelist.ARWpost (pós-

processamento). Um arquivo namelist, codificado em linguagem de programação

FORTRAN, contém um conjunto de variáveis para ser lidas durante a execução do

programa. O uso do namelist permite alterar a configuração do programa sem a

necessidade de recompilar o código fonte. Como exemplo, serão mostrados os

parâmetros dos namelist alterados da grade SUDESTE (Apêndice A). As alterações das

outras grades, NORDESTE, NORTE e ALCÂNTARA, podem ser visualizados nos

Apêndices B, C, D, respectivamente. Os parâmetros dos arquivos originais, que não

forem modificados, serão representados somente por três pontos entre parênteses (...).

As alterações dos parâmetros associados ao ano, mês, dia, hora, minuto e segundo do

período inicial e final das simulações ocorrerão por meio de um script em SHELL e

serão representados pelas palavras YYYY, MM, DD, hh, mm e ss, respectivamente.

Todos horários estão em Coordinated Universal Time (UTC). O script em SHELL será

executado automaticamente por meio do programa CRON. Este programa tem a função

de programar a execução de comandos e processos automaticamente nas datas e

horários pré-determinados. Neste tópico, são também mostrados os comandos utilizados

para executar os subsistemas do WRF (WPS, WRF e WRFpost).

5.1 Execução do WPS

Dentro do diretório WPS, serão editados as variáveis do arquivo namelist.wps. Este

arquivo é composto por quatro partes: share, geogrid, ungrid e metgrid. No share, são

descritas as variáveis utilizadas por mais que um subsistema do WPS. No geogrid,

ungrid e metgrid são especificadas as variáveis para o programa geogrid, ungrib,

metgrid. Essas variáveis definem o tamanho e localização de todos os domínios do

modelo e dos dados geográficos.

Para armazenar os dados de condições iniciais e de contorno, é criado o diretório GFS2

dentro de /home/webpca/WRF/data. Os arquivos GFS têm aproximadamente 55 MB e o

seguinte formato: gfs.tHHz.pgrb2fHH, onde a primeira informação horária (HH) indica

24

o inicio da simulação e o segundo, o período da previsão. Por exemplo,

gfs.18Zpgrb2f12, é um arquivo GFS das 12 horas de previsão com hora inicial da

simulação às 18Z.

5.1.1 Execução do GEOGRID

Para o GEOGRID, são editadas duas partes do arquivo namelist.wps: share e geogrid.

Nesta etapa, é definido o domínio do modelo e interpolado os dados terrestres para as

grades do modelo.

# cd /home/webpca/WRF/WPS

# nano namelist.wps

Somente as variáveis mostradas abaixo foram editadas:

&share

(...)

max_dom: 2 # número máximo de domínios

(...)

&geogrid

(...)

i_parent_start = 1, 45, # localização inicial da grade aninhada (eixo x)

j_parent_start = 1, 35, # localização inicial da grade aninhada (eixo y)

(...)

e_we = 180, 295, # número de pontos de grade zonais (grade mãe, aninhada)

(...)

e_sn = 150, 253, # número de pontos meridionais (grade mãe, aninhada)

geog_data_res = '5m', '2m', # resolução dos dados de terreno (grade mãe, aninhada)

dx = 18000, # resolução horizontal no eixo x (grade mãe, em metros)

dy = 6000, # resolução horizontal no eixo y (grade mãe, em metros)

map_proj = 'mercator',

ref_lat = -25.01, # latitude do ponto central (grade-mãe)

ref_lon = -49.17, # longitude do ponto central (grade-mãe)

(…)

stand_lon = -49.17, # longitude padrão paralela ao eixo x da projeção mercator

25

geog_data_path = '/home/webpca/WRF/data/geog', # localização dos dados

geográficos

(…)

Obs: Não é necessário informar a resolução da grade aninhada (dx=dy=12000 m),

porque ela segue a razão da grade de 1/3 (default), declarada na variável

parent_grid_ratio.

Antes de executar este subsistema, certifique-se que o arquivo GEOGRID.TBL esteja

ligado corretamente a sua respectiva versão. Há vários arquivos desse tipo que suportam

diferentes núcleos dinâmicos do WRF. GEOGRID.TBL.ARW deve ser utilizado para o

núcleo ARW.

# ls –l geogrid/GEOGRID.TBL

GEOGRID.TBL -> GEOGRID.TBL.ARW

Agora, executa-se o geogrid.exe. Se a operação for realizada sem falhas, é mostrada na

última linha uma mensagem que informará o êxito da operação na última linha do

arquivo log:

# ./geogrid.exe>& geogrid.log

“*** Successful completion of program geogrid.exe ***”

Execute o comando ls –ltr geo*.nc. O resultado esperado é: geo_em_d01.nc e

geo_em.d02.nc. Estes são os arquivos da grade criada (um arquivo para cada domínio),

após a execução do geogrid.exe. Se não forem feitas alterações na grade, o uso do

geogrid.exe não será mais necessário.

5.1.2 Execução do UNGRIB

Após a criação das grades e interpolado os dados de terreno com o geogrid.exe, executa-

se o UNGRIB. O UNGRIB extrai os campos meteorológicos do formato GRIB2

necessários para inicializar o modelo. Para examinar se os arquivos GRIB podem ser

lidos, utilize o g2print.exe (caso os arquivos estejam no formato GRIB 1, utiliza-se o

g1print.exe):

# ./util/g2print.exe /home/webpca/WRF/data/GFS2/YYYYMMDDHH/<

arquivo GFS >

26

Para o UNGRIB, somente o share e ungrib necessitam estar editados no namelist.wps:

&share

(...)

start_date = DATA/HORA, DATA/HORA, # data/hora inicial simulação das grades

mãe e aninhada (ex.: '2013-01-10_00:00:00', '2013-01-10_00:00:00')

end_date = DATA/HORA, DATA/HORA, # data/hora final simulação das grades mãe e

inicial da aninhada (ex.: '2013-01-13_00:00:00', '2013-01-10_00:00:00')

interval_seconds = 10800, # frequência dos arquivos de saídas (em s). Modelo

configurado para gerar arquivos de saídas a cada 3 h.

(…)

&ungrib

(...)

prefix = GFS2, # prefixo para os arquivos intermediários (ex.: GFS2:ANO-MES-

DIA_HORA). Pode incluir um caminho.

O próximo passo é criar os links simbólicos para informar a localização dos arquivos

GFS e dos arquivos Vtable. Os arquivos Vtable informam os campos meteorológicos a

serem extraídos dos arquivos GRIB2. Alguns Vtables estão localizados no diretório

WPS/ungrib/Variable_Tables (p.ex.: Vtable.GFS, Vtable.SST, Vtable.ECMWF).

# ln -s ungrib/Variable_Tables/Vtable.GFS Vtable

# ls –l Vtable

Vtable -> ungrib/Variable_Tables/Vtable.GFS

Após os links estarem prontos, os seguintes arquivos são visualizados:

GRIBFILE.AAA, GRIBFILE.BBB, GRIBFILE.CCC, etc (um para cada arquivo GFS).

O script link_grib.csh pode ser usado para ligar esses arquivos aos arquivos GRIB.

# ./link_grib.csh /home/webpca/WRF/data/GFS2/YYYYMMDDhh/gfs*

# ls –l GRIBFILE.*

GRIBFILE.AAA->/home/webpca/WRF/data/GFS2/YYYYMMDDhh/<nome.gfs>

Executado o ungrib, se a operação for realizada sem falhas, é mostrada uma mensagem

que informará o êxito da operação na última linha do arquivo log.

# ./ungrid.exe >& ungrib.log

“*** Successful completion of program ungrib.exe ***”.

27

Serão criados arquivos com o seguinte formato GFS2:YYYY-MM-DD_hh (p.ex.:

GFS2:2013-01-11_00). Para examinar se os arquivos intermediários podem ser lidos,

utilize o rd_intermediate.exe:

#./util/rd_intermediate.exe GFS2: YYYY-MM-DD_hh

5.1.3 Execução do METGRID

O último subsistema do pós-processamento a ser executado é o METGRID. A sua

função é interpolar horizontalmente os campos meteorológicos extraídos pelo

ungrib.exe para as grades do modelo. Os dados de entrada do METGRID são os

arquivos geo_em.dxx.nc (arquivos de saída do GEOGRID); e os arquivos de saída

intermediários (provenientes do UNGRIB). Para o METGRID, somente o share e

metgrid necessitam estar editados no namelist.wps:

&share

(...)

start_date = DATA/HORA, DATA/HORA, # data/hora inicial simulação das grades

mãe e aninhada (ex.: '2013-01-10_00:00:00', '2013-01-10_00:00:00')

end_date = DATA/HORA, DATA/HORA, # data/hora final simulação das grades mãe e

aninhada (ex.: '2013-01-13_00:00:00', '2013-01-13_00:00:00')

(...)

&metgrid

fg_name = 'GFS2', # prefixo para os arquivos intermediários

(...)

opt_output_from_metgrid_path = 'home/WRF/WRFV3/test/em_real' # caminho para

saídas dos arquivos intermediários

Obs.: Sugere-se que a grade aninhada tenha tempos iniciais e finais idênticos ao tempo

inicial desejado para a grade aninhada durante a execução do WPS. Isto ocorre porque a

grade aninhada obtém as suas condições de contorno laterais da sua grade mãe, e, assim,

somente o tempo inicial para uma grade aninhada necessita ser processado pelo WPS,

exceto quando for usada análise nudging no WRF.

Antes de executar o METGRID, certifique-se que METGRID.TBL esteja com o link

correto.

28

# ls –l metgrid/METGRID.TBL

METGRID.TBL -> METGRID.TBL.ARW

Para executá-lo, digite o comando:

# ./metgrid.exe >& metgrid.log

““*** Successful completion of program metgrid.exe ***”

Os dados de saída do metgrid são:

- met_em.d01.YYYY-MM_DD_hh_mm.nc – um arquivo por tempo; e

- met_em.dxx. YYYY-MM_DD_hh_mm.nc – um arquivo por aninhamento, somente

para a hora inicial. Estes arquivos podem ser checados com a ferramenta ncdump (esta

ferramenta encontra-se nos arquivos do netcdf):

# /usr/local/netcdf-4.1.3/bin/ncdump -h met_em.d01.YYYY-MM_DD_hh_mm.nc

5.2 Execução do real e WRF

Este tópico mostrará a execução de dois subsistemas do WRF: o real e o WRF. O

trabalho de interpolar verticalmente os campos do WRF é feito dentro do programa real.

O WRF é responsável pela execução do modelo propriamente dito. Nesta etapa, o

primeiro passo, é editar o arquivo de texto namelist.input que se encontra dentro do

diretório /home/webpca/WRF/WRFV3/test/em_real.

# cd /home/webpca/WRF/WRFV3/test/em_real

# nano namelist.input

Neste arquivo, são definidos parâmetros como o período da simulação (time_control), a

configuração das grades (domains) e as parametrizações físicas (physics).

&time_control

run_days = 0, # dias simulados (Somente grade mãe)

run_hours = 48, # horas simuladas (Somente grade mãe)

(…)

start_year = YYYY, YYYY, # ano inicial grade mãe, aninhada (ex. 2013)

start_month = MM, MM, # mês inicial grade mãe, aninhada (ex. 01)

start_day = DD, DD, # dia inicial grade mãe, aninhada (ex. 10)

start_hour = hh,hh, # hora inicial grade mãe, aninhada (ex. 00)

29

start_minute = mm, mm, # minutos inicial grade mãe, aninhada (ex. 00)

start_second = ss, ss, # segundos inicial grade mãe, aninhada (ex. 00)

end_year = YYYY, YYYY, # ano final grade mãe, aninhada (ex. 2013)

end_month = MM, MM, # mês final grade mãe, aninhada (ex. 01)

end_day = DD, DD, # dia inicial grade mãe, aninhada (ex. 13)

end_hour = hh, hh, # hora inicial grade mãe, aninhada (ex. 00)

end_minute = mm, mm, # minutos inicial grade mãe, aninhada (ex. 00)

end_second = ss, ss, # segundos inicial grade mãe, aninhada (ex. 00)

interval_seconds = 10800, # frequência dos arquivos de saídas (em s). Modelo

configurado para gerar arquivos de saídas a cada 3 h.

(…)

input_from_file = .true.,.true., # Variável lógica, se uma grade aninhada exigir um

arquivo de entrada de dados (p. ex. wrfinput_d02).

(…)

&domains

(…)

max_dom = 2, # número de domínios (grade mãe e 1 grade aninhada)

(…)

e_we = 180, 295, # número de pontos na direção x (oeste-leste)

(…)

e_sn = 150, 253, # número de pontos na direção y (sul-norte)

(...)

e_vert = 28, 28, # número de pontos na direção z (vertical); a dimensão

vertical deve ser a mesma para todas as grades

(...)

dx = 18000, 6000, # comprimento da grade no eixo x (em m)

dy = 18000, 6000, #comprimento da grade no eixo y (em m). Nota: dx=dy

(…)

i_parent_start = 1, 45, # inicio da grade ponto I (I grade mãe, I grade aninhada)

j_parent_start = 1, 35, # inicio da grade ponto J (J grade mãe, J grade aninhada)

(…)

Obs.: Foram mantidas no namelist.input original parâmetros importantes, como por

exemplo, o espaço temporal (180s) e as parametrizações físicas (Tab. 1). Futuramente,

30

serão realizados testes de sensibilidade para encontrar o conjunto de parametrizações

disponíveis no modelo que melhor represente os sistemas atmosféricos atuantes nos

domínios simulados.

Com o namelist.input editado, executa-se o arquivo real.exe:

# ./real.exe >& real.log

“***Successful completion real.exe***”

Após a execução do real.exe, dois arquivos são criados: wrfinput_d01 e wrfinput_d02.

A criação desses arquivos confirma que o modelo está pronto para ser executado. Testes

podem ser realizados para verificar o seu conteúdo:

# /usr/local/netcdf-4.1.3/bin/ncdump -h wrfinput_d01

# ncdump -v Times wrfinput

Por fim, a execução do modelo é dada com o seguinte comando:

# ./wrf.exe >& wrf.log

“***Successful completion real.exe***”

Finalizada a execução, é criado dois novos arquivos (um para cada domínio):

wrfout_d01_YYY-MM-DD_hh:mm:ss, wrfout_d02_YYY-MM-DD_hh:mm:ss. Estes

arquivos são transferidos para o diretório /home/webpca/WRF/ARWpost.

# mv wrfout* /home/webpca/WRF/ ARWpost /

5.3 Execução do ARWpost

Executado o modelo, entraremos na etapa do pós-processamento. O ARWpost é usado

para converter as saídas do modelos para um formato que possam ser visualizados por

ferramentas gráficas (GrADS e Vis5d) . Para executá-lo, primeiro deve-se editar o

arquivo namelist.ARWpost:

# cd ../ARWpost

# nano namelist.ARWpost

No namelist.ARWpost são definidos a data inicial e final da simulação e o intervalo de

tempo das saídas dos modelo (datetime); o nome do arquivo WRF que se deseja

31

visualizar, o nome do arquivo de saída para visualizar no GRADS; os campos

meteorológicos (io); e os níveis de pressão (interp). As alterações para a grade mãe (D1)

são:

&datetime

start_date = 'YYYY-MM-DD_hh:mm:ss’,#data/hora inicial (ex.:2013-01-10_00:00:00)

end_date = 'YYYY-MM-DD_ hh:mm:ss’, # data/hora final (ex.:2013-01-13_00:00:00)

interval_seconds = 10800, # frequência dos arquivos de saídas (em s). Modelo

configurado para gerar arquivos de saídas a cada 3 h.

(…)

&io

(…)

input_root_name = './wrfout_d01_YYYY-MM-DD_hh:mm:ss' # diretório de entrada

dos dados (saídas do WRF)

output_root_name = './wrfd01_YYYY-MM-DD_hh:mm:ss' # diretório de saída dos

dados do ARWpost

plot = 'all_list' # Escolha dos campos a ser processados. “all_list”: campos do arquivo

WRF e listados na variável ‘fields’.

fields = 'cape, cin, mcape, mcin, clfr, dbz, max_dbz, geopt, height, lcl, lfc, pressure, rh,

rh2, theta, tc, tk, td, td2, slp, umet, vmet, u10m, v10m, wdir, wspd, wd10, ws10' # lista

os campos meteorológicos escolhidos pelo usuário. Utilizado somente com a opção

“list” na variável ‘plot’.

(...)

&interp

interp_method = 1, # 0 - níveis sigma; -1 – código define “adequados” níveis de

altura; 1- usuário define níveis de pressão (hPa) ou altura (km)

interp_levels = 1000., 975., 950., 925., 900., 850., 800., 750., 700., 650., 600., 550.,

500., 450., 400., 350., 300., 250., 200., 150., 100., # só usado se interp_method=1.

Indicar níveis para interpolar em hPa (pressão) ou km (altura acima do nível do mar).

Níveis informados de baixo para cima.

Obs.: A variável fields informa, respectivamente, os seguintes campos diagnósticos:

Convective Available PotencialEnergy (CAPE), Convective Inhibition (CIN), CAPE

máximo, CIN máximo, fração de nuvens baixas/medias e altas; refletividade,

refletividade máxima, geopotencial, altura (em Km), nível de condensação por

32

levantamento (NCL), nível de convecção livre (NCL), pressão (em hPa), umidade

relativa, umidade relativa 2m, temperatura potencial, temperatura em ºC, temperatura

em K, temperatura do ponto de orvalho em ºC, temperatura do ponto de orvalho 2m,

pressão ao nível do mar, ventos rotacionados para coordenadas terrestres, ventos

rotacionados para coordenadas terrestres 10m, direção do vento, velocidade do vento,

direção do vento 10m, velocidade do vento 10m. Com a opção “all_list” na variável plot

é possível visualizar as 114 variáveis do arquivo WRF.

Após as modificações no namelist.ARWpost, execute o ARWpost.exe:

# ./ARWpost.exe >& ARWpostD1.log

Altere somente as variáveis input_root_name e output_root_name para gerar as saídas

do modelo para o domínio aninhado (D2):

(...)

input_root_name = './wrfout_d02_ YYYY-MM-DD_hh:mm:ss' # diretório de entrada

dos dados

output_root_name = './wrfd02_ YYYY-MM-DD_hh:mm:ss' # diretório de saída dos

dados

(...)

E execute novamente o ARWpost.exe:

# ./ARWpost.exe >& ARWpostD2.log

Concluído a execução do pós-processamento, são gerados para cada domínio um

arquivo descritor (.ctl) e um de dados (.dat) que poderão ser visualizadas pelo GrADS:

(p.ex.: wrfd1_YYYYMMDDhh.ctl ou .dat; e wrfd2_YYYYMMDDhh.ctl ou .dat).

33

6 CONSIDERAÇÕES FINAIS

O ICEA instala uma nova versão do modelo regional WRF (versão 3.4.1), com

cobertura para as Regiões de Informação de Vôo (FIRs) do território brasileiro e para os

dois Centros de Lançamentos do Brasil: Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) e

Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI). A versão 3.4.1 do WRF

disponibiliza prognósticos meteorológicos operacionalmente na homepage do ICEA

<www.icea.gov.br/climatologia/modelagemWRF.html>. Esta nova versão do modelo

oferece os mais recentes avanços da física, modelagem numérica e assimilação de dados

e possui uma arquitetura de software pronta para o processamento paralelo.

Concomitantemente, foram adquiridos novos recursos computacionais e de

conectividade pelo Laboratório de Climatologia do ICEA.

Com essa modernização do sistema de modelagem numérica instalado no ICEA, foi

possível realizar mudanças significativas nas configurações do modelo, destacando-se:

i) aumento da resolução espacial (18 e 6 km); ii) redimensionamento dos domínios; e

iii) um aumento do número de rodadas do modelo, ou seja, a sua inicialização 4 vezes

ao dia (00Z, 12Z, 18Z e 00Z). Essas modificações visam aumentar a qualidade das

previsões meteorológicas realizadas pelos Centros de Previsão Meteorológica nacionais

(CNMA, CMV, CMA e CMM) e Centro de Gerenciamento de Navegação Aérea

(CGNA).

Desta forma, o Programa de Modelagem Numérica do Tempo (PMNT), desenvolvido

no ICEA, sob a coordenação de seu Grupo de Trabalho (GT), estará em posição de

destaque, em relação às principais instituições acadêmicas do mundo, nas pesquisas na

área de previsão operacional do tempo. Espera-se que o presente trabalho tenha

contribuído para uma melhor compreensão das características e dos procedimentos

necessários para a instalação, compilação e configuração do WRF. Informação

detalhada e precisa da utilização desse modelo é necessária para o aperfeiçoamento do

sistema de previsão de tempo, tornando-se útil para serem aplicadas nas atividades de

interesse do Comando da Aeronáutica, tais como, gerenciamento do fluxo de tráfego

aéreo e lançamento de foguetes.

34

7 AGRADECIMENTOS

Ao Grupo de Trabalho (GT) do Programa de Modelagem Numérica do Tempo (PMNT)

pela iniciativa do desenvolvimento deste projeto. Ao ICEA, pela disponibilização de sua

infraestrutura e dos recursos computacionais. Ao IAE, em especial aos pesquisadores

Drº. Gilberto Fernando Fisch e Drº. Marcos Daisuke Oyama pelas valiosas sugestões.

Com o intuito de aperfeiçoar este manual, quaisquer sugestões poderão ser

encaminhadas para o e-mail: pmnt@icea.gov.br

Citação: CARVALHO, M. A. V. ; ABRUNHOSA, M. L.; LOPES, J. R. O. Manual de

instalação, compilação e execução do modelo de mesoescala WRF no ICEA (versão

3.4.1). Subdivisão de Climatologia e Arquivo Meteorológico (PBCA), Instituto de

Controle do Espaço Aéreo (ICEA), São José dos Campos, 2013.

35

8 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ARW Version 3.4.1 Modeling System User´s Guide. Weather Research & Forecasting. Mesoscale & Microscale Meteorology Division. National Center for Atmospheric Research. Aug. 2012. CHEN, F.; DUDHIA, J. Coupling an advanced land-surface/ hydrology model with the Penn State/ NCAR MM5 modeling system. Part I: Model description and implementation. Monthly Weather Review, v. 129, p. 569-585, 2001. DYER, A. J.; HICKS, B. B. Flux-gradient relationships in the constant flux layer, Quart. J. Roy. Meteor. Soc., v. 96, p. 715-721, 1970. DUDHIA, J. Numerical study of convection observed during the winter monsoon experiment using a mesoscale two-dimensional model. J. Atmos. Sci, v. 46, p. 3077- 3107, 1989. HONG, S-Y; DUDHIA, J.; CHEN, S.-H. A revised approach to ice-microphysical processes for the bulk parameterization of clouds and precipitation. Mon. Wea. Rev., 132, 1, 103-120, 2004. HONG, S.-Y; NOH, Y.; DUDHIA, J. A new vertical diffusion package with an explicit treatment of entrainment processes. Mon. Wea. Rev., v. 134, p. 2318–2341, 2006. IRIART, P. G.; CARVALHO, M. V. C; PEREIRA NETO, A.V. Manual de instalação, compilação e execução do sistema de modelagem numérica WRF no ICEA. Subdivisão de Climatologia e Arquivo Meteorológico (PBCA), Instituto de Controle do Espaço Aéreo (ICEA), São José dos Campos, 2011. KAIN, J. S.; FRITSCH, J. M. A one-dimensional entraining/detraining plume model and its application in convective parameterization. J. Atmos. Sci., v. 47, n. 23, p. 2748- 2802, 1990. KAIN, J. S.; FRITSCH, J. M. Chapter 16 – Convective parameterization for mesoscale models: The Kain-Fritsch Scheme, in meteorological monographs. Amer. Meteor. Soc., v. 24, n. 46, 1993. MLAWER, E. J.; TAUBMAN, S. J.; BROWN, P. D.; IACONO, M. J.; CLOUGH, S. A. Radiative transfer for inhomogeneous atmosphere: RRTM, a validated correlated-k model for the longwave. Journal of Geophysical Research, v.102, n. D14, p. 16663- 16682, 1997. OYAMA, M.D. Instalação do modelo de mesoescala MM5 na ACA/IAE/CTA. São José dos Campos: Divisão de Ciências Atmosféricas, Instituto de Aeronáutica e Espaço, Centro Técnico Aeroespacial, 2003. Publicação interna, PI-002.

36

PAULSON, C. A. The mathematical representation of wind speed and temperature profiles in the unstable atmospheric surface layer. Journal of Applied Meteorology, v. 9, p. 857-861, 1970. PRESTELO, C. Instalação da biblioteca NETCDF e GRADS. Disponível em: http://prestrelocristiano.webnode.com.br/tutoriais/instalacaodeprogramas/. SKAMAROCK, W.C.; KLEMP, J.B.; DUDHIA, J.; GILL, D.O.; BARKER, D.M.; DUDA, M.G.; HUANG, X-Y; WANG, W.; POWERS, J.G. A Description of the Advanced Research WRF Version 3. NCAR Tech. Note NCAR/TN-475+STR, Jun, 2008. 113 pp. WEBB, E. K. Profile relationships: The log-linear range, and extension to strong stability. Quart. J. Roy. Meteor. Soc., v. 96, p. 67-90, 1970.

37

APÊNDICE A – NAMELISTS GRADE SUDESTE  namelist.wps

&share

wrf_core = 'ARW',

max_dom = 2,

start_date = '2013-01-10_00:00:00', '2013-01-10_00:00:00',

end_date = '2013-01-13_00:00:00', '2013-01-13_00:00:00',

interval_seconds = 10800,

io_form_geogrid = 2,

/

&geogrid

parent_id = 1,1,

parent_grid_ratio = 1,3,

i_parent_start = 1,45,

j_parent_start = 1,35,

e_we = 180,295,

e_sn = 150,253,

geog_data_res = '5m','2m',

dx = 18000,

dy = 18000,

map_proj = 'mercator',

ref_lat = -25.01,

ref_lon = -49.17,

truelat1 = 0.0,

truelat2 = 0.0,

stand_lon = -49.17,

geog_data_path = '/home/webpca/WRF/data/geog'

/

&ungrib

out_format = 'WPS',

prefix = 'GFS2',

/

&metgrid

fg_name = 'GFS2',

io_form_metgrid = 2,

opt_output_from_metgrid_path = '/home/webpca/WRF/WRFV3/test/

em_real'

/

 namelist.input &time_control

run_days = 0,

run_hours = 48,

run_minutes = 0,

run_seconds = 0,

start_year = 2013,2013,

start_month = 01,01,

start_day = 10,10,

38

start_hour = 00,00,

start_minute = 00,00,

start_second = 00,00,

end_year = 2013,2013,

end_month = 01,01,

end_day = 13,13,

end_hour = 00,00,

end_minute = 00,00,

end_second = 00,00,

interval_seconds = 10800

input_from_file = .true.,.true.,

history_interval = 180, 60,

frames_per_outfile = 1000, 1000,

restart = .false.,

restart_interval = 5000,

io_form_history = 2

io_form_restart = 2

io_form_input = 2

io_form_boundary = 2

debug_level = 0

/

&domains

time_step = 108,

time_step_fract_num = 0,

time_step_fract_den = 1,

max_dom = 2,

s_we = 1, 1,

e_we = 180, 295,

s_sn = 1, 1,

e_sn = 150, 253,

s_vert = 1, 1,

e_vert = 28, 28,

p_top_requested = 5000,

num_metgrid_levels = 27,

num_metgrid_soil_levels = 4,

dx = 18000, 6000,

dy = 18000, 6000,

grid_id = 1, 2,

parent_id = 0, 1,

i_parent_start = 1, 45,

j_parent_start = 1, 35,

parent_grid_ratio = 1, 3,

parent_time_step_ratio = 1, 3,

feedback = 1,

smooth_option = 0

/

&physics

mp_physics = 3, 3,

ra_lw_physics = 1, 1,

ra_sw_physics = 1, 1,

radt = 30,30,

sf_sfclay_physics = 1, 1,

sf_surface_physics = 2, 2,

bl_pbl_physics = 1, 1,

39

bldt = 0, 0,

cu_physics = 1, 1,

cudt = 5, 5,

isfflx = 1,

ifsnow = 0,

icloud = 1,

surface_input_source = 1,

num_soil_layers = 4,

sf_urban_physics = 0, 0,

maxiens = 1,

maxens = 3,

maxens2 = 3,

maxens3 = 16,

ensdim = 144,

/

&fdda

/

&dynamics

w_damping = 0,

diff_opt = 1,

km_opt = 4,

diff_6th_opt = 0, 0,

diff_6th_factor = 0.12, 0.12,

base_temp = 290.

damp_opt = 0,

zdamp = 5000., 5000.,

dampcoef = 0.2, 0.2,

khdif = 0, 0,

kvdif = 0, 0,

non_hydrostatic = .true.,.true.,

moist_adv_opt = 1, 1,

scalar_adv_opt = 1, 1,

/

&bdy_control

spec_bdy_width = 5,

spec_zone = 1,

relax_zone = 4,

specified = .true.,.false.,

nested = .false.,.true.,

/

&grib2

/

&namelist_quilt

nio_tasks_per_group = 0,

nio_groups = 1,

/

40

 namelist. ARWpost

&datetime

start_date = '2013-01-10_00:00:00',

end_date = '2013-01-13_00:00:00',

interval_seconds = 10800,

tacc = 0,

debug_level = 0,

/

&io

io_form_input = 2,

input_root_name = './wrfout_d02_2013-01-10_00:00:00'

output_root_name = './wrfd2_2013011000'

plot = 'all_list'

fields ='height, geopt, theta, tc, td2, rh, rh2, umet, vmet,

slp, pressure, u10m, v10m, wdir, wspd, wd10, ws10, cape, mcin,

lcl, lfc, cape, cin, clfr'

output_type = 'grads'

mercator_defs = .true.

/

&interp

interp_method = 1,

interp_levels = 1000., 975., 950., 925., 900., 850., 800., 750.,

700., 650., 600., 550., 500., 450., 400., 350., 300., 250.,

200., 150., 100.,

/

41

APÊNDICE B – NAMELISTS GRADE NORDESTE  namelist.wps

&share

wrf_core = 'ARW',

max_dom = 2,

start_date = '2013-05-21_12:00:00','2013-05-21_12:00:00',

end_date = '2013-05-24_12:00:00','2013-05-24_12:00:00',

interval_seconds = 10800,

io_form_geogrid = 2,

/

&geogrid

parent_id = 1,1,

parent_grid_ratio = 1,3,

i_parent_start = 1,44,

j_parent_start = 1,35,

e_we = 160,271,

e_sn = 150,271,

geog_data_res = '5m''2m',

dx = 18000,

dy = 6000,

map_proj = 'mercator',

ref_lat = -8.00,

ref_lon = -39.00

truelat1 = 0.0,

truelat2 = 0.0,

stand_lon = -39.00

geog_data_path = '/home/webpca/WRF/data/geog'

/

&ungrib

out_format = 'WPS',

prefix = 'GFS2',

/

&metgrid

fg_name = 'GFS2',

io_form_metgrid = 2,

opt_output_from_metgrid_path =

'/home/webpca/WRF/WRFV3/test/em_real'

/

 namelist.input &time_control

run_days = 0,

run_hours = 48,

run_minutes = 0,

run_seconds = 0,

start_year = 2013,2013,

start_month = 05,05,

start_day = 21,21,

42

start_hour = 12,12,

start_minute = 00,00,

start_second = 00,00,

end_year = 2013,2013,

end_month = 05,05,

end_day = 24,24,

end_hour = 12,12,

end_minute = 00,00,

end_second = 00,00,

interval_seconds = 10800

input_from_file = .true.,.true.,

history_interval = 180, 60,

frames_per_outfile = 1000,1000,

restart = .false.,

restart_interval = 5000,

io_form_history = 2

io_form_restart = 2

io_form_input = 2

io_form_boundary = 2

debug_level = 0

/

&domains

time_step = 108,

time_step_fract_num = 0,

time_step_fract_den = 1,

max_dom = 2,

s_we = 1, 1,

e_we = 160, 271,

s_sn = 1, 1,

e_sn = 150, 271,

s_vert = 1, 1,

e_vert = 28, 28,

p_top_requested = 5000,

num_metgrid_levels = 27,

num_metgrid_soil_levels = 4,

dx = 18000, 6000,

dy = 18000, 6000,

grid_id = 1, 2,

parent_id = 0, 1,

i_parent_start = 1, 40,

j_parent_start = 1, 35,

parent_grid_ratio = 1, 3,

parent_time_step_ratio = 1, 3,

feedback = 1,

smooth_option = 0

/

&physics

mp_physics = 3, 3,

ra_lw_physics = 1, 1,

ra_sw_physics = 1, 1,

radt = 30,30,

sf_sfclay_physics = 1, 1,

sf_surface_physics = 2, 2,

bl_pbl_physics = 1, 1,

43

bldt = 0, 0,

cu_physics = 1, 1,

cudt = 5, 5,

isfflx = 1,

ifsnow = 0,

icloud = 1,

surface_input_source = 1,

num_soil_layers = 4,

sf_urban_physics = 0, 0,

maxiens = 1,

maxens = 3,

maxens2 = 3,

maxens3 = 16,

ensdim = 144,

/

&fdda

/

&dynamics

w_damping = 0,

diff_opt = 1,

km_opt = 4,

diff_6th_opt = 0, 0,

diff_6th_factor = 0.12, 0.12,

base_temp = 290.

damp_opt = 0,

zdamp = 5000., 5000.,

dampcoef = 0.2, 0.2,

khdif = 0, 0,

kvdif = 0, 0,

non_hydrostatic = .true., .true.,

moist_adv_opt = 1, 1,

scalar_adv_opt = 1, 1,

/

&bdy_control

spec_bdy_width = 5,

spec_zone = 1,

relax_zone = 4,

specified = .true.,.false.,

nested = .false.,.true.,

/

&grib2

/

&namelist_quilt

nio_tasks_per_group = 0,

nio_groups = 1,

/

44

 namelist. ARWpost

&datetime

start_date = '2013-05-21_12:00:00',

end_date = '2013-05-24_12:00:00',

interval_seconds = 10800,

tacc = 0,

debug_level = 0,

/

&io

io_form_input = 2,

input_root_name = './wrfout_d02_2013-05-21_12:00:00'

output_root_name = './wrfd2_2013052112'

plot = 'all_list'

fields ='height, geopt, theta, tc, td2, rh, rh2, umet, vmet,

slp, pressure, u10m, v10m, wdir, wspd, wd10, ws10, cape, mcin,

lcl, lfc, cape, cin, clfr'

output_type = 'grads'

mercator_defs = .true.

/

&interp

interp_method = 1,

interp_levels = 1000., 975., 950., 925., 900., 850., 800., 750.,

700., 650., 600., 550., 500., 450., 400., 350., 300., 250.,

200., 150., 100.,

/

45

APÊNDICE C – NAMELIST GRADE NORTE  namelist.wps

&share

wrf_core = 'ARW',

max_dom = 2,

start_date = '2013-05-21_12:00:00','2013-05-21_12:00:00',

end_date = '2013-05-24_12:00:00','2013-05-24_12:00:00',

interval_seconds = 10800,

io_form_geogrid = 2,

/

&geogrid

parent_id = 1,1,

parent_grid_ratio = 1,3,

i_parent_start = 1,50,

j_parent_start = 1,50,

e_we = 180,271,

e_sn = 180,271,

geog_data_res = '5m','2m',

dx = 18000,

dy = 18000,

map_proj = 'mercator',

ref_lat = -5.00,

ref_lon = -60.00,

truelat1 = 0.0,

truelat2 = 0.0,

stand_lon = -60.00,

geog_data_path = '/home/webpca/WRF/data/geog'

/

&ungrib

out_format = 'WPS',

prefix = 'GFS2',

/

&metgrid

fg_name = 'GFS2',

io_form_metgrid = 2,

opt_output_from_metgrid_path =

'/home/webpca/WRF/WRFV3/test/em_real'

/

 namelist.input &time_control

run_days = 0,

run_hours = 48,

run_minutes = 0,

run_seconds = 0,

start_year = 2013,2013,

start_month = 05,05,

start_day = 21,21,

46

start_hour = 12,12,

start_minute = 00,00,

start_second = 00,00,

end_year = 2013,2013,

end_month = 05,05,

end_day = 24,24,

end_hour = 12,12,

end_minute = 00,00,

end_second = 00,00,

interval_seconds = 10800

input_from_file = .true.,.true.,

history_interval = 180, 60,

frames_per_outfile = 1000,1000,

restart = .false.,

restart_interval = 5000,

io_form_history = 2

io_form_restart = 2

io_form_input = 2

io_form_boundary = 2

debug_level = 0

/

&domains

time_step = 108,

time_step_fract_num = 0,

time_step_fract_den = 1,

max_dom = 2,

s_we = 1, 1,

e_we = 180,271,

s_sn = 1, 1,

e_sn = 180,271,

s_vert = 1, 1,

e_vert = 28, 28,

p_top_requested = 5000,

num_metgrid_levels = 27,

num_metgrid_soil_levels = 4,

dx = 18000, 6000,

dy = 18000, 6000,

grid_id = 1, 2,

parent_id = 0, 1,

i_parent_start = 1, 50,

j_parent_start = 1, 50,

parent_grid_ratio = 1, 3,

parent_time_step_ratio = 1, 3,

feedback = 1,

smooth_option = 0

/

&physics

mp_physics = 3, 3,

ra_lw_physics = 1, 1,

ra_sw_physics = 1, 1,

radt = 30,30,

sf_sfclay_physics = 1, 1,

sf_surface_physics = 2, 2,

bl_pbl_physics = 1, 1,

47

bldt = 0, 0,

cu_physics = 1, 1,

cudt = 5, 5,

isfflx = 1,

ifsnow = 0,

icloud = 1,

surface_input_source = 1,

num_soil_layers = 4,

sf_urban_physics = 0, 0,

maxiens = 1,

maxens = 3,

maxens2 = 3,

maxens3 = 16,

ensdim = 144,

/

&fdda

/

&dynamics

w_damping = 0,

diff_opt = 1,

km_opt = 4,

diff_6th_opt = 0, 0,

diff_6th_factor = 0.12, 0.12,

base_temp = 290.

damp_opt = 0,

zdamp = 5000., 5000.,

dampcoef = 0.2, 0.2,

khdif = 0, 0,

kvdif = 0, 0,

non_hydrostatic = .true., .true.,

moist_adv_opt = 1, 1,

scalar_adv_opt = 1, 1,

/

&bdy_control

spec_bdy_width = 5,

spec_zone = 1,

relax_zone = 4,

specified = .true.,.false.,

nested = .false.,.true.,

/

&grib2

/

&namelist_quilt

nio_tasks_per_group = 0,

nio_groups = 1,

/

48

 namelist. ARWpost &datetime

start_date = '2013-05-21_12:00:00',

end_date = '2013-05-24_12:00:00',

interval_seconds = 10800,

tacc = 0,

debug_level = 0,

/

&io

io_form_input = 2,

input_root_name = './wrfout_d02_2013-05-21_12:00:00'

output_root_name = './wrfd2_2013052112'

plot = 'all_list'

fields ='height, geopt, theta, tc, td2, rh, rh2, umet, vmet,

slp, pressure, u10m, v10m, wdir, wspd, wd10, ws10, cape, mcin,

lcl, lfc, cape, cin, clfr'

output_type = 'grads'

mercator_defs = .true.

/

&interp

interp_method = 1,

interp_levels = 1000., 975., 950., 925., 900., 850., 800., 750.,

700., 650., 600., 550., 500., 450., 400., 350., 300., 250.,

200., 150., 100.,

/

49

APÊNDICE D – NAMELISTS GRADE ALCÂNTARA  namelist.wps

&share

wrf_core = 'ARW',

max_dom = 2,

start_date = '2013-05-21_00:00:00','2013-05-21_00:00:00',

end_date = '2013-05-24_00:00:00','2013-05-24_00:00:00',

interval_seconds = 10800,

io_form_geogrid = 2,

/

&geogrid

parent_id = 1,1,

parent_grid_ratio = 1,3,

i_parent_start = 1,48,

j_parent_start = 1,48,

e_we = 130,112,

e_sn = 130,112,

geog_data_res = '5m','2m',

dx = 18000,

dy = 18000,

map_proj = 'mercator',

ref_lat = -2.40,

ref_lon = -44.40,

truelat1 = 0.0,

truelat2 = 0.0,

stand_lon = -44.40,

geog_data_path = '/home/webpca/WRF/data/geog'

/

&ungrib

out_format = 'WPS',

prefix = 'GFS2',

/

&metgrid

fg_name = 'GFS2',

io_form_metgrid = 2,

opt_output_from_metgrid_path =

'/home/webpca/WRF/WRFV3/test/em_real'

/

 namelist.input &time_control

run_days = 0,

run_hours = 48,

run_minutes = 0,

run_seconds = 0,

start_year = 2013,2013,

start_month = 05,05,

start_day = 21,21,

50

start_hour = 00,00,

start_minute = 00,00,

start_second = 00,00,

end_year = 2013,2013,

end_month = 05,05,

end_day = 24,24,

end_hour = 00,00,

end_minute = 00,00,

end_second = 00,00,

interval_seconds = 10800

input_from_file = .true.,.true.,

history_interval = 180, 60,

frames_per_outfile = 1000,1000,

restart = .false.,

restart_interval = 5000,

io_form_history = 2

io_form_restart = 2

io_form_input = 2

io_form_boundary = 2

debug_level = 0

/

&domains

time_step = 108,

time_step_fract_num = 0,

time_step_fract_den = 1,

max_dom = 2,

s_we = 1, 1,

e_we = 130, 112,

s_sn = 1, 1,

e_sn = 130, 112,

s_vert = 1, 1,

e_vert = 28, 28,

p_top_requested = 5000,

num_metgrid_levels = 27,

num_metgrid_soil_levels = 4,

dx = 18000, 6000,

dy = 18000, 6000,

grid_id = 1, 2,

parent_id = 0, 1,

i_parent_start = 1, 48,

j_parent_start = 1, 48,

parent_grid_ratio = 1, 3,

parent_time_step_ratio = 1, 3,

feedback = 1,

smooth_option = 0

/

&physics

mp_physics = 3, 3,

ra_lw_physics = 1, 1,

ra_sw_physics = 1, 1,

radt = 30,30,

sf_sfclay_physics = 1, 1,

sf_surface_physics = 2, 2,

bl_pbl_physics = 1, 1,

51

bldt = 0, 0,

cu_physics = 1, 1,

cudt = 5, 5,

isfflx = 1,

ifsnow = 0,

icloud = 1,

surface_input_source = 1,

num_soil_layers = 4,

sf_urban_physics = 0, 0,

maxiens = 1,

maxens = 3,

maxens2 = 3,

maxens3 = 16,

ensdim = 144,

/

&fdda

/

&dynamics

w_damping = 0,

diff_opt = 1,

km_opt = 4,

diff_6th_opt = 0, 0,

diff_6th_factor = 0.12, 0.12,

base_temp = 290.

damp_opt = 0,

zdamp = 5000., 5000.,

dampcoef = 0.2, 0.2,

khdif = 0, 0,

kvdif = 0, 0,

non_hydrostatic = .true., .true.,

moist_adv_opt = 1, 1,

scalar_adv_opt = 1, 1,

/

&bdy_control

spec_bdy_width = 5,

spec_zone = 1,

relax_zone = 4,

specified = .true.,.false.,

nested = .false.,.true.,

/

&grib2

/

&namelist_quilt

nio_tasks_per_group = 0,

nio_groups = 1,

/

52

 namelist. ARWpost

datetime

start_date = '2013-05-21_00:00:00',

end_date = '2013-05-24_00:00:00',

interval_seconds = 10800,

tacc = 0,

debug_level = 0,

/

&io

io_form_input = 2,

input_root_name = './wrfout_d02_2013-05-21_00:00:00'

output_root_name = './wrfd2_2013052100'

plot = 'all_list'

fields

='height,geopt,theta,tc,td2,rh,rh2,umet,vmet,slp,pressure,u10m,v

10m,wdir,wspd,wd10,ws10,cape,mcin,lcl,lfc,cape,cin,clfr'

output_type = 'grads'

mercator_defs = .true.

/

&interp

interp_method = 1,

interp_levels =

1000.,975.,950.,925.,900.,850.,800.,750.,700.,650.,600.,550.,500

.,450.,400.,350.,300.,250.,200.,150.,100.,

/

Até o momento nenhum comentário
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 52 páginas