Apostila Proteção Digital - Fabio Bertequini Leao, Notas de estudo de Engenharia Elétrica
rodolfo-machado-7
rodolfo-machado-7

Apostila Proteção Digital - Fabio Bertequini Leao, Notas de estudo de Engenharia Elétrica

57 páginas
50Números de download
1000+Número de visitas
2Número de comentários
Descrição
Apostila Proteção Digital Digital - Fabio Bertequini Leao
90 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 57
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 57 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 57 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 57 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 57 páginas
Apostila_Proteção Digital_FabioBertequiniLeao

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA “JÚLIO DE MESQUITA FILHO”

FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

Proteção de Sistemas de Potência

Introdução a Proteção Digital

Fabio Bertequini Leão, prof. Jose R. S. Mantovani

Este material aborda conceitos básicos de proteção digital de sistemas de potência. Os principais enfoques são: arquitetura dos relés digitais, integração dos sistemas digitais de supervisão, controle, automação e proteção, amostragem de sinais e conversão A/D, condicionamento de sinais digitais e algoritmos para proteção digital.

2

1INTRODUÇÃO ............................................................................................................................................... 3

1.1 CLASSIFICAÇÃO DOS RELÉS ..................................................................................................................................... 3 1.2 HISTÓRICO ......................................................................................................................................................... 4 1.3 PERFIL PROFISSIONAL DO ENGENHEIRO DE PROTEÇÃO .................................................................................................. 6

2ARQUITETURA DOS RELÉS DIGITAIS ............................................................................................................. 7

2.1 MÓDULO DE ENTRADA/ANALÓGICA – E/A ............................................................................................................... 7 2.2 INTERFACE ANALÓGICA/DIGITAL – A/D ................................................................................................................... 8 2.3 MÓDULO DE ENTRADAS E SAÍDAS DISCRETAS – E/D, S/D ........................................................................................... 8 2.4 PROCESSADOR .................................................................................................................................................... 8 2.5 SAÍDA DE SINALIZAÇÃO DE OPERAÇÃO (BANDEIROLAS) ................................................................................................. 9 2.6 PORTAS SERIAL E PARALELA .................................................................................................................................... 9 2.7 FONTE DE ALIMENTAÇÃO ....................................................................................................................................... 9

3SISTEMAS DIGITAIS INTEGRADOS - SUPERVISÃO, CONTROLE, AUTOMAÇÃO E PROTEÇÃO ......................... 11

3.1 SISTEMA SCADA ............................................................................................................................................... 11 3.1.1 Conceitos Básicos ................................................................................................................................ 11 3.1.2 Aquisição de Dados ............................................................................................................................. 13 3.1.3 Arquitetura do Sistema SCADA ........................................................................................................... 15 3.1.4 Controle Supervisório e Sistemas de Comunicação ............................................................................ 16 3.1.5 Protocolos de Mensagem.................................................................................................................... 18

3.1.5.1 Blocos Básicos de Mensagem ..................................................................................................................... 19 3.1.5.2 Componentes de Mensagem ..................................................................................................................... 20 3.1.5.3 Cabeçalho ................................................................................................................................................... 21 3.1.5.4 Endereço .................................................................................................................................................... 21 3.1.5.5 Função ........................................................................................................................................................ 21 3.1.5.6 Grupo de Scan ............................................................................................................................................ 22 3.1.5.7 Dados .......................................................................................................................................................... 22 3.1.5.8 Tamanho .................................................................................................................................................... 23 3.1.5.9 Seqüência de Mensagem............................................................................................................................ 23 3.1.5.10 Código de Erro ............................................................................................................................................ 24

4AMOSTRAGEM DE SINAIS E CONVERSÃO ANALÓGICA DIGITAL ................................................................... 25

4.1 TEORIA DA AMOSTRAGEM DE SINAIS ...................................................................................................................... 25 4.1.1 Amostragem periódica ........................................................................................................................ 25 4.1.2 Representação no domínio da frequência .......................................................................................... 26 4.1.3 Teorema da amostragem de Nyquist .................................................................................................. 30 4.1.4 Conversão A/D .................................................................................................................................... 32

5CONDICIONAMENTO DO SINAL DIGITAL ..................................................................................................... 37

5.1 JANELA DE DADOS SENO/COSSENO ....................................................................................................................... 41

6ALGORITMOS PARA PROTEÇÃO DIGITAL ..................................................................................................... 48

6.1 COMPONENTES ORTOGONAIS ............................................................................................................................... 48 6.2 CÁLCULO DA POTÊNCIA DISCRETA .......................................................................................................................... 49 6.3 CÁLCULO DA IMPEDÂNCIA DISCRETA ...................................................................................................................... 51 6.4 ESTRUTURAS LÓGICAS DE ALGORITMOS PARA PROTEÇÃO DIGITAL ................................................................................. 52

6.4.1 Relé digital de sobrecorrente instantâneo (50) e temporizado (51) ................................................... 52 6.4.2 Relé digital de distância tipo MHO (21)............................................................................................... 53 6.4.3 Relé digital diferencial (87) ................................................................................................................. 55

7REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ................................................................................................................... 57

3

1 Introdução O conceito inicial de proteção digital surgiu no final da década de 60 a partir da publicação

do artigo de autoria do professor Rockefeller [1]. Em seu artigo, Rockefeller propõe um conjunto

de rotinas ou algoritmos matemáticos armazenados em um computador central na subestação. Os

algoritmos desenvolvidos eram capazes de desempenhar as principais funções de proteção, tais

como, proteção de distância de linhas de transmissão e proteção diferencial de barras e

transformadores.

A publicação do artigo de Rockefeller causou grande interesse na comunidade científica.

Este interesse é traduzido pelo grande número de pesquisadores envolvidos no desenvolvimento

de algoritmos com ênfase na proteção de linhas de transmissão, a partir da década de 70. Alguns

dos principais pesquisadores são:

Morrison – Austrália – 1970;

Poncelet – França – 1970;

Cory – Imperial College – Inglaterra – 1970;

Walker e Tudor – University of Calgary – Canadá – 1971;

Sachdev – University of Saskatchevan – Canadá – 1972;

Ramamoorty – Índia – 1972;

Phadke – American Electric Power Co. (AEP) – 1975.

Os algoritmos desenvolvidos até então tiveram que aguardar o desenvolvimento adequado

dos computadores digitais no que se refere à capacidade de computação e a custos para sua

prática. Tal desenvolvimento só foi alcançado com o advento dos microprocessadores, o que

tornou possível a competição a níveis comerciais com os relés analógicos convencionais.

Portanto, pode-se afirmar que o artigo de Rockefeller, publicado em 1969, é adiantado em

relação a sua época devido principalmente ao alto custo dos computadores mais avançados da

época e a incapacidade de memória e de processamento de cálculos mais complexos dos

computadores de menor porte para as tarefas relacionadas à proteção.

1.1 Classificação dos relés Os relés de proteção podem ser classificados quanto a sua construção como:

a) Eletromecânicos: partes móveis, contatos fixos e móveis, mancais, eixos, bobinas,

mecanismos elétricos e mecânicos, etc.

b) Estáticos: não possuem partes móveis. São constituídos a partir de válvulas, diodos,

transistores, AOs (Amplificadores Operacionais), CIs (Circuitos Integrados), etc.

4

1.2Histórico o Relés eletromecânicos:

- 1901 – sobrecorrente de indução;

- 1908 – diferencial;

- 1910 – direcional;

- 1921 – distância (tipo impedância);

- 1937 – distância (tipo MHO).

o Relés estáticos:

1) Primeira geração (valvulados):

- 1925 – comparação direcional/carrier;

- 1930/1940 – vários relés a válvulas;

- 1948 – distância.

2) Segunda geração (transistorizados):

-1949 – comparação de fase;

- 1954 – distância;

- 1959 – sobrecorrente (versão comercial);

- 1961 – distância (versão comercial).

3) Terceira geração (CIs):

- 1960/1970 – vários relés.

4) Quarta geração (microprocessados/numéricos):

- 1969 – distância (linhas de transmissão);

- 1972 – diferencial de barras e transformadores;

- 1973 – diferencial de gerador e integração das funções de controle e proteção;

- 1980 – sobrecorrente de tempo inverso e medições fasoriais para estimação de estado;

- 1982 – localizadores de falta;

- 1983 – fibra ótica;

- 1984 – registro digital de faltas;

- 1987 – proteção adaptativa.

Os relés digitais ou microprocessados, diferente dos relés convencionais, consistem de

duas principais partes: hardware e software. O tipo de software ou programa implementado em

um relé digital dita o tipo de dispositivo e sua função de proteção (sobrecorrente, diferencial,

distância, etc). A principal parte do software é o algoritmo matemático ou numérico (dai vem

também o nome de relé numérico) desenvolvido para a realização da função de proteção. Esse

algoritmo deve ser capaz de processar dados de corrente e tensões para estimar os parâmetros do

5

sistema, tais como valores RMS, medida de impedância, frequencia fundamental, correntes

diferenciais, etc. Os parâmetros estimados são comparados com os parâmetros configurados pelo

engenheiro de proteção e a partir desta comparação decidir se o sistema está em condições

normais ou em falta (curto-circuito), e consequentemente, iniciar a ação (trip – envio de sinal

para o disjuntor comandado abrir) para isolar a seção com falta.

O hardware ou a parte física do relé digital é composto de circuitos que desempenham a

função de condicionar adequadamente os sinais de tensão e corrente informados pelos

transformadores de tensão (TPs) e transformadores de corrente (TCs) que alimentam os relés. Na

seção 2 são apresentados detalhes da arquitetura física de relés digitais.

Os relés digitais apresentam as seguintes vantagens em relação aos relés convencionais

(outras gerações):

a) Economia:

- baixo custo da tecnologia digital;

- programabilidade;

- múltiplas funções integradas em um único relé.

b) Desempenho:

- no mínimo igual ao dos relés convencionais;

- proporciona melhor interface homem-máquina (IHM);

- melhor exploração do potencial das funções de proteção.

c) Confiabilidade:

- automonitoramento (autodignóstico);

- robustez (características não mudam com a temperatura, tensão de alimentação ou

envelhecimento);

- pequeno número de conexões.

d) Flexibilidade:

- possibilidade de atualização constante de versões: mudanças no projeto do relé implicam

na maioria das vezes em modificações no software;

- capacidade quase ilimitada de comunicação entre relés, além da possibilidade de

utilização da tecnologia de comunicação via fibra ótica (mais comum);

- flexibilidade funcional: capacidade de realizar outras funções tais como: medições,

controle e supervisão;

- capacidade de proteção adaptativa: parâmetros de operação podem ser mudados

automaticamente com mudanças nas condições de operação do sistema elétrico.

6

Uma característica importante de um relé digital é sua natureza programável. Como

exemplo pode-se considerar um relé de sobrecorrente digital que possibilita uma parametrização

(programação) em uma variedade de curvas com características tempo versus corrente. Sua

configuração é facilmente mudada sem a necessidade de alterações físicas no dispositivo.

As maiores desvantagens dos relés digitais são:

- vida útil reduzida (10 a 15 anos), enquanto os convencionais (acima de 30 anos);

- o hardware avança rapidamente, tornando os relés obsoletos;

- interferências eletromagnéticas (melhoras com fibra ótica);

- predomínio da linguagem Assembly nos programas, o que limita a intercambialidade de

programas entre diferentes relés.

1.3Perfil profissional do engenheiro de proteção Para assimilar a tecnologia digital, os engenheiros deverão ter conhecimentos em:

a) Redes de comunicação;

b) Gerência de banco de dados;

c) Algoritmos numéricos de proteção;

d) Processamento digital de sinais;

e) Protocolos de comunicação (conjunto de regras – IEC 61850);

f) Inteligência artificial – lógica fuzzy, redes neurais artificiais, algoritmos genéticos

(proteção adaptativa).

7

2 Arquitetura dos relés digitais De maneira geral todos os relés digitais apresentam a arquitetura dada pela Fig. 2.1.

Figura 2.1: Diagrama funcional de um relé digital, adaptado de Anderson, 1999.

2.1Módulo de Entrada/Analógica – E/A O módulo de E/A possui as seguintes funções:

a) Condicionar os sinais de tensão e corrente, provenientes dos TCs e TPs a níveis

adequados para a conversão A/D;

b) Isolar eletricamente os circuitos eletrônicos do relé dos circuitos de entrada;

c) Proteger o relé contra sobretensões transitórias induzidas nos condutores de entrada por

chaveamentos e outros processos transitórios;

d) Fazer a filtragem “anti-aliasing” dos sinais analógicos de entrada.

A filtragem “anti-aliasing” é feita geralmente através de filtros analógicos passa-baixa que

rejeitam frequências maiores que a freqüência máxima dos sinais de entrada. O filtro “anti-

aliasing” evita o fenômeno denominado “aliasing” que é a sobreposição (overlap) dos espectros

de frequência do sinal de entrada. Em outras palavras, o filtro “anti-aliasing” limita os sinais

analógicos de entrada a uma frequência no máximo até a metade da frequência de amostragem

(denominada frequência de Nyquist). A Fig. 2.2 ilustra a resposta em frequência dos quatro tipos

de filtros possíveis. Caso não seja feita essa pré-filtragem do sinal, ruídos podem aparecer na

forma de sinais com freqüências diferentes das do sinal de entrada, interferindo no

funcionamento correto do relé digital.

8

Figura 2.2: Resposta em frequência dos tipos básicos de filtros. a) passa-baixo. b) passa-banda, c) passa-alta e d)

rejeita banda.

2.2Interface Analógica/Digital – A/D A interface A/D é composta por circuitos responsáveis pelos processos de amostragem e

conversão analógica digital dos sinais analógicos. Após passar pelo módulo de E/A os sinais

analógicos passam por um circuito sample and hold (S/H), são multiplexados por um

multiplexador analógico e convertidos para sinais digitais (conversão A/D). O sinal convertido

passa por uma filtragem digital de modo que o sinal seja condicionado antes de ser processado

pelo processador do relé.

2.3Módulo de Entradas e Saídas Discretas – E/D, S/D O módulo E/D tem a finalidade de receber sinais de contatos (disjuntores), portanto trata-se

de uma entrada binária. Sua função é condicionar os sinais para sua aplicação ao processador, o

que pode incluir uma fonte de alimentação auxiliar para verificação do estado dos contatos. O

módulo E/D também isola eletricamente as entradas dos circuitos eletrônicos, e protege o relé

contra sobretensões transitórias. O módulo S/D tem a mesma finalidade que o módulo E/D,

entretanto trata-se de uma saída que envia sinal de trip (sinal de comando) para a abertura do

disjuntor.

2.4Processador Encarregado de executar os algoritmos de proteção, controlar diversas funções

temporizadas e realizar tarefas de autodiagnóstico e comunicação com os periféricos. Relés

digitais modernos possuem as seguintes memórias:

9

a) RAM (memória de acesso aleatório): é necessária como “buffer” para armazenar

temporariamente os valores das amostras de entrada, acumular resultados intermediários dos

algoritmos de proteção e armazenar dados que serão guardados posteriormente em memória não

volátil;

b) EPROM (memória somente de leitura, programável e apagável): utilizadas para

armazenar os algoritmos de proteção e aplicativos do relé. Os programas são instalados pelos

fabricantes e somente modificados por eles;

c) EEPROM (memória somente de leitura, programável e apagável eletricamente):

utilizadas para armazenar os parâmetros de ajuste do relé e dados referentes à configuração da

proteção.

2.5Saída de sinalização de operação (bandeirolas) Realiza a função de sinalização da operação do relé (bandeirola) e de seu estado funcional

mediante dispositivos de sinalização (geralmente tipo luminoso) visíveis no painel do relé.

2.6Portas serial e paralela As portas seriais permitem o intercâmbio de informações locais (display e painel do relé) e

remota (Centro de Controle/Operação). As portas paralelas são principalmente utilizadas para o

intercâmbio de informações em tempo real. Ambas as portas permitem troca de informações

entre relés.

2.7Fonte de alimentação Fornece energia elétrica ao relé independente da subestação. O relé é alimentado em tensão

e corrente contínuas em níveis típicos de +5V, +15V, +24V.

A Fig. 2.3 ilustra em detalhes a arquitetura interna de um relé digital.

10

Figura 2.3: Esquemático de um relé numérico [2].

11

3 Sistemas Digitais Integrados - Supervisão, Controle, Automação e Proteção

Os sistemas digitais de automação (SDA) de subestações modernas tipicamente têm uma

ou mais conexões para o exterior do sistema. Conexões de comunicações comuns incluem

centros de operação, escritórios de manutenção e centros de engenharia. A maioria dos SDAs

conecta-se através de um sistema SCADA (Supervisory Control and Data Acquisition)

tradicional servindo às necessidades de operação em tempo real da subestação que é controlada

através dos centros de operações por meio de uma rede de comunicação [3].

Um sistema digital integrado ou SDA deve atender os seguintes requisitos básicos para sua

implementação:

- Inteligência distribuída;

- Protocolo de comunicação aberto (IEC 61850);

- Robustez;

- Critério de sobredimensionamento da capacidade de processamento em todos os níveis,

para permitir um crescimento funcional e de hardware sem degradação de seu desempenho;

- Hardware e software devem ser projetados e estruturados utilizando o conceito de

modularidade, de forma a permitir rápidas modificações e ampliações;

- Deve ser possível realizar manutenções ou modificações com o sistema em serviço;

- O sistema deve ser capaz de reinicializar-se rapidamente, independente da intervenção do

operador do sistema elétrico, após uma interrupção ou perda da tensão de alimentação;

-- As funções de proteção e controle devem ser totalmente independentes.

3.1Sistema SCADA

3.1.1Conceitos Básicos De fato, o sistema SCADA básico interconecta dois ambientes distintos: a subestação e o

centro de operações. Interfaces para equipamentos da subestação e fontes de conversões e

comunicações completam o sistema. O ponto terminal para um sistema SCADA tradicional é

uma RTU (Remote Terminal Unit) onde ocorre a interface entre a comunicação e os

equipamentos da subestação.

As RTUs coletam medidas do sistema elétrico, transmitem essas medidas para um centro

de operações, onde o SCADA central apresenta-as aos operadores através de uma IHM

12

(Interface Homem-Máquina). A IHM permite ao operador monitorar e controlar todos os

parâmetros do sistema elétrico em tempo real. Isso é feito utilizando programas dedicados

implementados em plataformas gráficas, tipo Windows ou Linux.

De maneira geral uma IHM inclui as seguintes funções principais:

 Controle de acesso: diferentes níveis de acesso podem ser definidos para diferentes

grupos de funcionários. Por exemplo, os operadores devem ter completo acesso ao display e as

funções de controles enquanto o pessoal da manutenção tem acesso restrito.

 Mapeamento:mapa gráfico em duas dimensões de representação do sistema de

potência dividido em várias camadas. Essas camadas podem conter diferentes representações do

sistema. Por exemplo, o nível 1 mostra o sistema elétrico inteiro, o nível 2 a subestação, o nível 3

um resumo do estado dos alimentadores principais do sistema etc.

 Displays tabulares: lista os dados referentes aos dispositivos da subestação. Por

exemplo, um display tabular pode listar todas as RTUs da subestação e seus estados em/fora de

serviço, valores de potência, relações de TCs e TPs etc.

 Displays de tendência: mostra graficamente a variação no tempo dos dados coletados

no sistema. Os dados podem ser escolhidos pelo operador.

 Display de alarmes:funciona equivalente a um anunciador de alarmes, mostrando

todos os alarmes informados pelo sistema, sejam alarmes da proteção, falha de comunicação,

abertura e fechamento de disjuntores etc. Na Fig. 3.1 ilustra-se a tela de uma IHM típica.

Geralmente, essas medidas são fluxos de potência ativa e reativa (watt e var), tensões e

correntes. Entretanto, outras medidas do tipo: níveis de tanques de óleo, pressão, posições do tap

e ventilação dos transformadores, são comuns. Estas medidas possuem características analógicas

e, portanto, são atualizados periodicamente de tal modo que o operador possa ser assegurado de

que o dado que aparece na tela do monitor é real.

O sistema SCADA central monitora a entrada de fluxo de variáveis analógicas e bandeirola

(destaca) com warnings e alarmes os valores de grandezas elétricas que estão fora dos limites

preestabelecidos para alertar o operador do sistema. O sistema SCADA também quase sempre

fornece meios para os operadores do sistema controlarem os equipamentos da subestação. Isto

inclui: disjuntores, chaves seccionadoras, ventilação e taps de transformadores.

13

Figura 3.1: Tela gráfica de uma IHM – sistema real.

3.1.2Aquisição de Dados As medidas constituem uma ponte que leva grandezas do sistema físico para a tela dos

monitores nos centros de operações. Assim os sistemas de medidas transformam o mundo físico

em um mundo digital e constituem um aspecto crítico do sistema SCADA e do sistema de

automação.

A principal função do sistema SCADA ou sistema de automação é medir as atividades dos

sistemas de energia, processando as medidas e relatando os dados aos centros de operação. A

fonte dos dados medidos são TPs e TCs.

Os valores de tensão e corrente medidos pelos TPs e TCs, respectivamente, são injetados

em dispositivos conhecidos como IEDs (Intelligent Electronic Device). IEDs são definidos como

qualquer dispositivo incorporando um ou mais processadores com capacidade de receber ou

transmitir dados/controles de/ou para uma fonte externa (medidores multifuncionais eletrônicos,

relés digitais, CLPs-Controladores Lógico Programáveis etc) [4]. Na Fig. 3.2 ilustra-se um

esquema de ligação de TPs/TCs e IEDs e na Fig. 3.3 ilustram-se alguns IEDs.

Com a ascensão do uso de IEDs e o desenvolvimento de RTUs mais modernas a tendência

destas é não mais ser dispositivos de medição. Em sistemas de automação atuais as RTUs podem

executar a função de coleta de dados de IEDs.

14

Do mesmo modo que a RTU conecta-se diretamente ao sistema SCADA, os IEDs também

o podem fazer. Deste modo os comandos de controle dos centros de operação podem passar

através da RTU ou diretamente para a rede da subestação até alcançar os IEDs configurados para

controlar um determinado dispositivo. Usualmente, distribuindo o controle e o monitoramento

através de múltiplos dispositivos, requer da concessionária de energia condições de trabalho que

exigem cooperação entre operação da subestação, manutenção e proteção.

Figura 3.2: Ligações - TPs/TCs e IEDs, adaptado de [3] e [4].

(a)

(b)

(c)

Figura 3.3: Alguns IEDs modernos: (a) relés digitais, (b) medidor digital, (c) CLPs.

15

3.1.3Arquitetura do Sistema SCADA Sistemas SCADA modernos têm tanto software como hardware com arquiteturas

distribuídas. Nestas o processamento de dados é distribuído entre vários computadores e

servidores que se comunicam entre si através de uma rede LAN (Local Area Network) dedicada.

Outra característica importante dos sistemas SCADA modernos é sua arquitetura aberta.

Esta característica permite interconectividade com outros sistemas. Sistemas abertos são

importantes porque permitem a possibilidade de interfaceamento com produtos de outros

vendedores. Apesar do fato da maioria dos vendedores oferecerem sistemas abertos às

concessionárias, eles ainda desenvolvem suas próprias IPAs (Interface de Programação de

Aplicação) instaladas no computador central que contém a IHM. A IPA possui módulos

dedicados de programas capazes de se comunicar utilizando objetos comuns e mecanismos de

troca de dados. Na Fig. 3.4 ilustra-se a arquitetura distribuída de um sistema SCADA típico.

Servidor de Aplicações n

Servidor de Aplicações 1

Servidor de Comunicação

(Roteador)

Comunicação Front-End

(CLP)

TecladoTeclado

LAN Dual

Outros Centros de Controle

RTUs

IHM IHM

Monitor Monitor Monitor Monitor

Figura 3.4: Sistema SCADA típico, adaptado de [3].

Os servidores de aplicações têm a característica de possuir grande capacidade de

processamento. Assim eles podem comportar os seguintes subsistemas:

 Núcleo SCADA: servidor usado principalmente para funções de processamento de

dados.

 Base de Dados: suporta a base de dados de todo o sistema.

 Aplicações avançadas: suporta todas as aplicações do DMS (Distribution Management

System). A principal característica desse servidor é a alta capacidade de processamento.

 Base de dados histórica: suporta a base de dados que contém todos os dados históricos.

As informações provenientes desses dados podem ser usadas para estudos futuros e treinamento

dos operadores.

16

Configuração e administração:controle, gerenciamento e manutenção do sistema

SCADA. Este servidor pode gerenciar o modo de operação de cada servidor e controlar funções

como backup do sistema.

A comunicação front-end, geralmente concebida utilizando CLPs tem a função de

aquisição de dados das RTUs e dispositivos de campo, como relés, chaves seccionadoras,

contatores, disjuntores etc. Os CLPs executam funções tais como automatização de

chaveamentos, intertravamentos e segurança.

O servidor de comunicação ou roteador possibilita a troca de dados ou arquivos em tempo

real com outros centros de controle.

Além das considerações anteriores, deve-se atentar para o fato de que o sistema mostrado

na Fig. 3.4 possui uma rede LAN dual composta de duas redes funcionando paralelamente. Este

tipo de configuração é utilizado para assegurar ao sistema SCADA alta disponibilidade, operação

contínua e flexibilidade na manutenção. Assim se um computador ou uma rede falhar todas as

comunicações serão chaveadas para o computador e a rede que estão em correto funcionamento.

3.1.4Controle Supervisório e Sistemas de Comunicação Nas seções anteriores foram apresentados conceitos básicos relacionados à aquisição de

dados do sistema SCADA. Outra função essencial do sistema SCADA é promover o controle do

sistema de automação. Esse controle refere-se a todo tipo de comando enviado pelos operadores

aos equipamentos de campo. A seguir são apresentados alguns métodos utilizados para executar

esses comandos:

 Selecionar antes de operar (SBO – Select Before Operate):este tipo de comando tem

uma seqüência de três passos:

1) Seleção do dispositivo;

2) Seleção de operação;

3) Execução de operação.

Este tipo de método é usado para minimizar a possibilidade de operação inadvertida.

Comandos por SBO permitem ao operador examinar a ação requisitada por segurança. Quando o

operador seleciona o dispositivo, ele espera pela confirmação da seleção do dispositivo e se ela é

satisfeita ele pode requisitar sua operação. Controles por SBO são temporizados. Se o atraso

entre seleção e operação do dispositivo é muito longo, a seqüência de controle é abortada e a

seleção cancelada.

17

 Operação direta: este tipo de comando é usado quando operações inadvertidas ou

errôneas têm menor ou mínimo efeito na operação do sistema elétrico. Comandos de operação

direta podem ser usados, por exemplo, para aumentar/diminuir atuação de determinado

dispositivo (ventilação forçada de um transformador). Ele também elimina a necessidade do

operador constantemente re-selecionar um dispositivo cada vez que um comando de controle é

emitido.

 Comandos de set point: comandos usados para modificar características de operação

da subestação ou dispositivos. Por exemplo, comandos de set point podem ser usados para mudar

o ponto de regulação de um regulador de voltagem, alterar valores de correntes e tensões

máximas e mínimas em um determinado alimentador ou alterar a regulação do tap de um

transformador, parametrização de relés.

O controle supervisório pode ser efetuado de maneira local ou centralizado. Quando o

controle supervisório é executado localmente, todos os dados são coletados pelo sistema SCADA

local e processados localmente.

O controle supervisório centralizado é executado a partir de um centro de controle do

sistema (COS). O COS coleta através de um sistema SCADA central todos os dados

provenientes das subestações (SEs) controladas remotamente. O processamento dos dados é

efetuado de forma centralizada.

A comunicação entre o COS e as SEs é feita geralmente através de uma rede do tipo WAN,

entretanto pode ser feita por comunicação de rádio ou satélite. O COS pode estar localizado

junto a uma subestação, o que normalmente ocorre, ou estar localizado em um lugar estratégico

separado das SEs.

Os sistemas de comunicação em um sistema de automação podem ser definidos como uma

combinação de um meio físico que transporta a informação para diferentes locais da subestação

de acordo com regras (protocolos) que permitem aos dispositivos conectados a rede trocarem

informações.

Os meios físicos das redes de comunicação podem ser de fios de cobre, blindados

entrelaçados, fios coaxiais, fibra óptica ou até mesmo não conter um meio como um fio, como

comunicações sem fio ou wireless. É importante ressaltar que os IEDs comunicam-se com o

meio externo de forma serial através de portas de comunicação. Essas portas fornecem acesso ao

processador dos IEDs gerenciando a troca de mensagens. Uma porta muito utilizada em

dispositivos de sistemas de automação é o UART (Universal Asynchronous Receiver

Transmitter). O UART pode ser um componente separado ou estar integrado ao processador do

18

dispositivo, o que ocorre com IEDs modernos. Além do UART um IED deve possuir uma

interface que o liga ao meio externo. Essa interface é feita pelos canais seriais de comunicação

padrão RS-232 e RS-485. O RS-232 é projetado para suportar em seu canal de comunicação um

único dispositivo enquanto o RS-485 pode suportar até 32.

Existem vários tipos de configurações de redes. As configurações de rede que utilizam o

canal de comunicação RS-232 para interconectar os IEDs são chamadas de redes ponto a ponto

(point to point). Nesta configuração um dispositivo é conectado diretamente a outro. As

configurações de rede que utilizam o canal RS-485 podem ser de um ponto para multi pontos

(point to multi-point) ou par para par (peer to peer) e possibilitam a interconexão de vários

dispositivos. A configuração par para par é largamente empregada como LAN nas subestações,

pois possibilita que cada dispositivo tenha igual acesso a rede e possa trocar mensagens com

qualquer outro dispositivo. Cuidado deve-se ter então no sentido de que deve existir um controle

em relação à comunicação desses dispositivos de modo a evitar colisões de informações.

Surge nesse ponto então a seguinte pergunta: Como interconectar IEDs, RTUs e outros

dispositivos em um ambiente integrado que possibilite trocar informações com PCs e outros

equipamentos similares ?

A resposta para esta pergunta vem com o uso de LANs baseadas em protocolos Ethernet,

ou ainda em protocolos como DNP3, ModBus e IEC 61850 usados como TCP/IP (Transmission

Control Protocol/Internet Protocol).

Atualmente a maioria de IEDs suportam protocolo tipo Ethernet. No caso em que IEDs não

podem suportar este tipo de protocolo alguns fornecedores oferecem NIMs (Network Interface

Modules) encarregados de traduzir os protocolos do dispositivo para a rede.

Com o uso da Ethernet foi possível então conectar hubs e roteadores na rede. Os hubs

podem conectar vários dispositivos na rede de maneira inteligente. Os roteadores podem

conectar uma LAN a uma WAN (Wide Area Network) para trocar informações entre centros de

controle fornecendo segurança e controle de acesso. Na Fig. 3.5 mostra-se uma rede complexa de

um SDA de uma subestação.

3.1.5Protocolos de Mensagem Protocolos são conjuntos de regras que permitem aos dispositivos trocarem mensagens

entre si bem como interpretá-las. Sem esse conjunto de regras nenhum dispositivo saberia qual o

significado de determinada mensagem, como respondê-la e qual conteúdo enviar como resposta.

19

Figura 3.5: Rede complexa de um sistema de automação, adaptado de [3].

3.1.5.1Blocos Básicos de Mensagem De maneira geral, toda comunicação de um IED é conduzida de modo serial. Portanto, são

descritas somente comunicações seriais neste trabalho. Comunicações seriais referem-se à

técnica de enviar mensagens em uma série de bits, um bit por vez, em uma seqüência

predefinida. Um número fixo e uma seqüência de bits usualmente é chamada uma palavra ou

bloco.

Cada mensagem é composta de vários blocos. A maioria dos protocolos de IEDs possuem

um padrão de oito bits para compor um bloco/parte de dados de determinada mensagem.

Juntamente aos oito bits de dados existe um bit de início (sempre “0”) e um de parada (sempre

“1”). Alguns protocolos usam um bit de paridade entre o último bit de dados e o bit de parada

para detectar erros. Ainda existem protocolos que usam um ou dois bits de parada. Na Figura 3.6

ilustra-se um bloco de mensagem básico completo. Importância deve ser dada à direção de

transmissão da mensagem. Deste modo, o primeiro bit de dados enviado é d0 e o último d7. Aqui

d0 é adotado como o bit menos significativo e d7 como o mais significativo.

20

Figura 3.6: Bloco de mensagem básico.

Como visto anteriormente, o UART ou um variante similar executa a tarefa de

gerenciamento, transmissão e recepção de mensagens. Sua tarefa é executar a conversão de bits

de dados de serial para paralelo ou o contrário. Na Figura 3.7 mostra-se um exemplo de como o

UART faz a conversão dos bits de dados. O processador do dispositivo A envia um byte de

dados dispostos paralelamente ao seu UART. Este converte o byte de dados que está em paralelo

para serial e envia um bit de cada vez para o UART do dispositivo B. O UART deste dispositivo

converte os bits um a um em série para paralelo e os transfere para o processador. O bit de início

sincroniza o receptor ao transmissor e o bit de parada indica o término do sinal.

Figura 3.7: UART - Conversão de dados.

UARTs podem ter funções adicionais como check de paridade e buferização.

3.1.5.2Componentes de Mensagem Existem vários componentes relacionados a uma mensagem. Antes de vermos cada um

deles, devemos definir duas entidades genéricas: o Solicitador de Dados (SD) e o Fornecedor de

Dados (FD). O SD solicita dados e requisita ações de comando de controle através de

mensagens (e.g. RTUs, CLPs ou outro IED). O FD responde a essas mensagens contendo os

dados solicitados ou responde aos controles requisitados (e.g. IEDs). A relação entre SDs e FDs

21

pode ser encarada como uma relação cliente/servidor, conceito usado em tecnologia de redes. Na

Figura 3.8, ilustra–se essa relação.

Figura 3.8: Relação entre SDs e FDs.

Após as considerações anteriores, pode-se analisar cada componente de uma mensagem

genérica. Na Figura 3.9 ilustra-se um diagrama genérico de uma mensagem. A seguir são

descritos cada um dos seus componentes.

Figura 3.9: Diagrama genérico de uma mensagem.

3.1.5.3Cabeçalho Possui duas funções principais. Uma delas é assegurar que uma mensagem parcial não seja

interpretada como uma mensagem válida potencialmente e permitir que os dados sejam

interpretados como um comando. A outra função é apresentar a mensagem ao processador com

um bit conhecido que ele possa usar para sincronizar certas mensagens.

3.1.5.4Endereço Contém o endereço da mensagem ou para onde ela deve ser enviada. O receptor da

mensagem compara o endereço recebido com seu endereço na rede aceitando ou não a

mensagem. Todos os receptores que dividem uma rede comum devem ter um único endereço. Os

protocolos de IEDs frequentemente tem endereços especiais que são reservados para mensagens

específicas.

3.1.5.5Função Esse bloco contém a informação relacionada ao propósito da mensagem e o que o receptor

deve fazer. A Tabela 3.1 lista funções comuns para um sistema de mensagem.

22

Tabela 3.1: Códigos de funções comuns.

Reconhecimento Enviar dados analógicos

Mandar dados digitais Mandar dados do acumulador

Mandar etiqueta de tempo de dados digitais Mandar etiqueta de tempo de dados analógicos

Selecionar controle de trip Selecionar controle de fechar

Executar trip Executar fechamento

Congelar acumulador Reset acumulador

Enviar dados de exceção analógicos Enviar dados de exceção digitais

Reset Reset clock

Mensagem de texto em ASCII

3.1.5.6Grupo de Scan São subconjuntos de dados de um conjunto de dados de um FD. Pode conter dados

específicos que o SD pode requerer atualizar de forma diferente em relação a outros dados

similares. Por exemplo, se um FD tem dados analógicos demandados (e.g. posição do tap do

transformador) e dados em tempo real solicitados (e.g. correntes e tensões) ele pode atualizar os

dados analógicos em uma taxa menor do que os dados em tempo real.

3.1.5.7Dados Podem ser dados que o FD necessita para executar determinada função ou dados que o SD

obtém em resposta aos dados solicitados ao FD.

Dados digitais usualmente têm pontos de dados definidos como um ou dois bits por ponto

dentro de cada byte. Pontos digitais são geralmente agrupados em um número de pontos

individuais empacotados em um campo de dados como ilustrado na Figura 3.10. Nesta figura

seis bits por byte são bits de dados, com quatro bytes representando um grupo de 24 pontos

digitais. Os dois primeiros bits de cada byte permitem que o dado seja diferenciado de outros

tipos de dados. Assim, neste caso, todos os bytes que contiverem os bits “1” e “0” nas posições 7

e 6 respectivamente, são reconhecidos como dados digitais.

23

Figura 3.10: Grupo de 24 pontos digitais.

Dados analógicos são usualmente enviados em formato binário e geralmente requerem

vários bytes para transferir um ponto de dados. No caso de dados analógicos são bastante

comuns dados utilizando doze ou dezesseis bits, dependendo do conversor A/D

(Analógico/Digital) que se está utilizando. Na Figura 3.11 ilustra-se um dado analógico que

utiliza doze bits e, portanto, são necessários dois bytes para empacotá-lo completamente.

Figura 3.11: Dado analógico de 12 bits.

É importante notar que os bits 6 e 7 são bits utilizados para diferenciar o dado analógico e

os bits 4 e 5 não são utilizados neste arranjo.

Dados também podem referir-se a controles requisitados. Se o bloco da mensagem

referente à função (Figura 3.9) for um controle requisitado, o campo de dados conterá o endereço

de um ponto a ser controlado. A duração do controle também pode ser incluída no campo de

dados se essa funcionalidade for suportada pelo protocolo.

3.1.5.8Tamanho Alguns protocolos definem um tamanho de mensagem que contém o número de bytes

dessa mensagem. Este campo é usual para identificar o ponto final de uma mensagem em

determinada transação.

3.1.5.9Seqüência de Mensagem Alguns protocolos de IEDs são definidos para suportar transferência de dados longos. Mais

especificamente, eles suportam transferência de dados utilizando múltiplas mensagens. O campo

de seqüência de mensagem permite que o FD quebre uma transferência de dado longo em

24

pequenas partes numerando-as de tal forma que o dado completo possa ser reagrupado em sua

correta ordem no SD.

3.1.5.10Código de Erro Protocolos de IEDs quase universalmente usam alguma forma de codificação de detecção

de erro dentro da mensagem e podem em alguns casos usarem o bit de paridade para tanto.

Alguns protocolos ainda empregam o código de erro ao longo da mensagem ou no final (Figura

3.9).

O código de erro é imprescindível à estrutura de uma mensagem. Esta afirmação tem

efeito, visto que mensagens que possuem esquemas de detecção de código de erro em IEDs (e.g.

CRC-Cyclic Redundancy Check) permitem um controle seguro e antecipado dos equipamentos,

evitando deste modo que a falha em um determinado equipamento propague-se para os demais

instalados na subestação.

25

4 Amostragem de Sinais e Conversão Analógica Digital

4.1Teoria da amostragem de sinais

4.1.1Amostragem periódica Seja uma sequência de amostras x[n], obtida de um sinal de tempo contínuo xc(t), de

acordo com a relação:

(4.1)

sendo:

T : Período de amostragem

1 fs

T = : Frequência de amostragem

A frequência de amostragem também pode ser representada como 2

s T

πΩ = . Nesta forma

ela é dada em radianos/segundos.

O sistema que implementa a operação da equação (4.1) é denominado conversor do tempo

continuo para discreto ideal (C/D). A representação deste conversor é dada na Fig. 4.1.

Figura 4.1: Diagrama de bloco de representação de um conversor (C/D).

Na prática a operação de amostragem é implementada através de um conversor A/D que

pode ser considerado como uma aproximação do conversor ideal (C/D).

É conveniente representar matematicamente o processo de amostragem em dois estágios

representados na Fig. 4.2 (a). Os estágios consistem de um modulador de trem de impulsos

seguido pela conversão do trem de impulsos para uma sequência. A Fig. 4.2 (b) ilustra um sinal

de tempo contínuo xc(t) e os resultados da amostragem para duas taxas de amostragem diferentes.

A Fig. 4.2 (c) ilustra as correspondentes sequências de saída. A diferença principal entre xs(t) e

x[n] é que xs(t) é um sinal de tempo contínuo (especificamente, um trem de impulsos) que é nulo

exceto em múltiplos inteiros de T. A sequência x[n] é indexada através das variáveis inteiras n,

que introduz uma normalização de tempo, ou seja, a sequência de números x[n] não contém

informação explícita sobre a taxa de amostragem.

26

Figura 4.2: Amostragem utilizando trem de impulso seguido pela conversão da sequência de tempo discreto. (a) Diagrama do sistema. (b) xs(t) para duas taxas de amostragem. (c) Sequência de saída para duas taxas de

amostragem.

4.1.2Representação no domínio da frequência A transformada de Fourier (TF) de um sinal contínuo não-periódico dado por uma função

f(t) é dada por:

( ) ( ) t

j t

t

F j f t e dt =+∞

− Ω⋅

=−∞

Ω = ⋅ ⋅∫ (4.2-a)

A função de freqüência F(jΩ) é chamada de TF da função f(t). Em termos da TF, a função

f(t) pode ser obtida por:

1 ( ) ( )

2 j tf t F j e d

π

+∞ Ω⋅

−∞

= Ω ⋅ ⋅ Ω∫ (4.2-b)

A função f(t) no domínio do tempo e a correspondente função F(jΩ) no domínio da

freqüência são comumente conhecidas como pares de transformadas e qualquer função não

27

periódica no tempo f(t) pode ser transformada em um espectro de freqüência contínua F(jΩ)

através da integral dada pela equação 4.2-a.

A transformada de Fourier dada por (4.2-a) é especialmente importante no contexto de

proteção digital, visto que na ocorrência de um curto-circuito formas de onda transientes não

periódicas devem ser processadas adequadamente. Além disso, ela pode ser aplicada a sinais

periódicos, limitando-se a análise para um período.

Considere a conversão de xc(t) para xs(t) (Fig. 4.2 (a)) através da modulação do trem de

impulso periódico dado por:

(4.3)

sendo:

: função impulso unitário.

Modulando s(t) com xc(t) obtêm-se:

(4.4)

A relação (4.4) entre xs(t), xc(t) e s(t) pode ser representada de maneira simples através da

chave da Fig.4.3 (a). A Fig. 4.3 (b) ilustra a representação de s(t) no domínio de tempo contínuo.

(a)

(b)

Figura 4.3: Representação física de s(t) (a) e representação matemática de s(t) (b).

A partir de (4.2-a) obtém-se a TF de s(t)dada por:

28

(4.5)

Como xs(t) é o produto de xc(t) com s(t), a TF de xs(t) é a convolução das TFs Xs(jΩ) e

Xc(jΩ). Assim tem-se:

(4.6)

O sinal * denota operação de convolução de variáveis contínuas. Deste modo segue que:

(4.7)

A equação (4.7) fornece a relação entre as TFs da entrada e da saída do modulador de trem

de impulso da Fig. 4.2 (a). É observado a partir da equação (4.7) que a TF de xs(t) consiste de

copias repetidas periodicamente da TF de xc(t). A Fig. 4.4 ilustra a representação no domínio da

frequência da amostragem de um sinal xc(t).

A Fig. 4.4 (a) representa a TF de um sinal limitado cuja frequência máxima é ΩN. A Fig.

4.4 (b) ilustra o trem de impulso periódico S(jΩ), e a Fig. 4.4 (c) ilustra Xs(jΩ). A partir da Fig.

4.4 (c) é evidente que quando:

(4.8)

as replicas de Xc(jΩ) não se sobrepõem. Consequentemente xc(t) pode ser recuperado a

partir de xs(t) com um filtro passa-baixa ideal.

Se a desigualdade da Equação (4.8) não se mantém, ou seja, Ωs ≤ 2 ΩN, as cópias de Xc(jΩ)

se sobrepõem, tal que quando elas são amostradas, Xc(jΩ) não pode ser mais recuperado

fielmente a partir de um filtro passa baixa (Fig. 4.3 (d)). Neste caso o sinal reconstruído é

relacionado ao sinal original através de uma distorção denominada aliasing. O efeito desta

reconstrução errada no domínio do tempo é a obtenção de sinais com frequência diferente das do

sinal original. A Fig. 4.5 ilustra o efeito aliasing no domínio de tempo discreto.

29

Figura 4.4: Efeito no domínio da frequência de amostragem no domínio do tempo. (a) Espectro do sinal original. (b) Espectro da função de amostragem. (c) Espectro do sinal amostrado com Ωs > 2 ΩN . (d) Espectro do sinal

amostrado com Ωs < 2 ΩN .

É observado na Fig. 4.5 (a) que se o sinal amostrado for recuperado sua frequência será

bem diferente da frequência do sinal original. Já na Fig. 4.5 (b) observa-se que o sinal pode ser

recuperado mantendo a mesma frequência original.

A partir desta análise pode-se definir o critério de Nyquist para a amostragem e sua correta

recuperação sem influência de frequências diferentes das do sinal original.

Filtro ideal Passa-Baixa

30

Figura 4.5: Efeito no domínio de tempo discreto. (a) fs=0,9 fsinal. (b) fs=3 fsinal.

4.1.3Teorema da amostragem de Nyquist Seja xc(t) um sinal limitado com:

(4.9-a)

Então xc(t) é unicamente determinado através de suas amostras:

se e somente se:

(4.9-b)

A frequência ΩN é conhecida como frequência de Nyquist e a frequência 2 ΩN como taxa

de Nyquist.

Baseado no teorema de Nyquist a amostragem do sinal e sua conversão para digital devem

ser feitas numa frequência no mínimo duas vezes a frequência máxima do sinal amostrado para

evitar aliasing. Essa amostragem e conversão, como exposto anteriormente, são feitas pelo

conversor A/D juntamente com o circuito S/H. Na proteção digital tipicamente são utilizadas as

taxas de amostragem dadas pela Tabela 4.1.

31

Tabela 4.1: Taxas de amostragem para diferentes funções de proteção

Funções de proteção Taxa de amostragem

Sobrecorrente (50/51)

Distância (21)

Diferencial de Barra (87)

- necessário apenas o sinal de 60 Hz;

- filtro anti-aliasing passa baixa com fc=120 Hz;

- filtro digital para componente DC;

- fs ≥ 240 Hz (4 amostras ou mais por ciclo);

- na prática fs = 480 Hz (8 amostras por ciclo).

Diferencial de Transformador (87T)

- restrição de 2ª harmônica (inrush);

- necessário sinais de 60 Hz e 120 Hz;

- filtro anti-aliasing passa baixa com fc = 180 Hz;

- filtro digital para componente DC;

- fs ≥ 360 Hz (6 amostras ou mais por ciclo);

- na prática fs = 720 Hz (12 amostras por ciclo).

A corrente de inrush citada na Tabela 4.1 é uma corrente gerada a partir de uma condição

transitória que ocorre no instante de energização de um transformador de potência. Sua

amplitude e duração dependem principalmente dos seguintes fatores:

a) fluxo residual: na pior condição resulta em valor de pico do fluxo atingindo 280% do

valor de operação normal e consequente aumento proporcional da corrente de magnetização;

b) instante que ocorre a energização do transformador (ponto na onda de corrente);

c) projeto do transformador e valores nominais de operação;

d) nível de falta do sistema (capacidade da fonte geradora).

Correntes de inrush tipicamente apresentam harmônicas de todas as ordens. Em particular

as harmônicas de 2ª, 3ª e 5ª ordens são as mais expressivas, sendo a de 2ª ordem de maior e a de

5ª ordem de menor porcentagem em relação à corrente nominal. Já correntes de curto-circuito em

regime permanente não apresentam harmônicas de ordem par. Portanto para evitar que a

proteção diferencial do transformador atue quando de sua energização um método largamente

utilizado é identificar se a componente de 2ª harmônica da corrente está ou não presente no sinal

de corrente. Quando a componente de 2ª harmônica é identificada (caracteriza uma corrente de

inrush) a proteção diferencial deve ser bloqueada atuando somente para curtos-circuitos internos

aos TCs do transformador de potência.

32

Exemplo 4.1: Seja um sinal de tensão dado pela seguinte função:

1( ) cos( ) cos(2 60 )v t V t V tπ= ⋅ Ω ⋅ = ⋅ ⋅ , sendo V o valor de pico da tensão.

São realizadas três amostragens com frequências f1=120 Hz f2=240 Hz e f3=30 Hz.

Encontre as sequências produzidas por esse sinal para as três frequências de amostragem. Faça

um esboço dessas sequências.

4.1.4Conversão A/D Um conversor A/D é um dispositivo que converte, por exemplo, a amplitude de tensão ou

corrente em sua entrada em um código binário representando um valor de amplitude quantizada

mais próximo possível da amplitude dos sinais de entrada. Conversores A/D possuem

basicamente dois parâmetros de configuração: o tempo de conversão ou tempo de amostragem T

(período de amostragem) controlado através de um relógio (clock) e a quantidade de bits que

definem a capacidade de quantização do conversor. Esses dois parâmetros apresentam um sério

paradoxo e definem o desempenho do conversor: quanto maior o número de bits e, portanto

maior detalhamento das amostras, menos tempo o conversor A/D possui disponível para a

conversão. Como exemplo observe a Tabela 4.1: para um relé digital que possui qualquer uma

das funções de sobrecorrente, distância ou diferencial de barra seu conversor A/D deve ter um

tempo para conversão de T=1/fs=1/480=2,0833 ms por amostra, o que leva a captura de 8

amostras por ciclo; para a função diferencial de transformador o conversor deve ser capaz de

converter em um tempo de T=1/fs=1/720=1,3888 ms. por amostra, o que leva a captura de 12

amostras por ciclo e portanto uma maior fidelidade ou detalhamento do sinal.

De modo que seja possível a conversão em cada período de tempo T os conversores A/D

possuem um circuito S/H que mantém o sinal de amostragem constante durante o tempo T. A

Fig. 4.6 ilustra a representação em diagrama de blocos do S/H juntamente com o conversor A/D.

Figura 4.6: Representação em diagrama de blocos – S/H-Conversor A/D. ˆ [ ]Bx n - sequência x[n] convertida para código binário.

A Fig. 4.7 (a) ilustra a representação matemática do circuito S/H enquanto a Fig. 4.7 (b) a

saída x0(t) do circuito S/H para uma entrada xa(t).

33

Figura 4.7: Representação matemática (a) e sinal de saída de um S/H (b).

A partir das Figuras 4.7 e 4.3 (a) conclui-se que o circuito S/H pode ser representado

fisicamente por uma chave em série com um capacitor. O capacitor é modelado

matematicamente pela função h0(t). A Fig. 4.8 ilustra um circuito S/H básico e seu princípio de

funcionamento.

A entrada do circuito S/H é dada pelo sinal f(t) que é amostrado com período T. A

amostragem é controlada através da tensão de controle Vc que abre e fecha a chave S. Durante o

tempo de fechamento Tc, o capacitor é carregado com o valor da entrada enquanto durante o

tempo de abertura (hold) Ts=T-Tc o capacitor mantém o valor amostrado constante. O tempo Ts

é o tempo que o conversor A/D tem para a conversão até a amostragem do próximo ponto no

sinal. Este processo pode ser entendido através das Figuras 4.8 (b), (c) e (d) e 4.7 (b).

34

Figura 4.8: Principio de funcionamento do circuito S/H. (a) circuito S/H básico e tensão de controle Vc. (b) sinal amostrado. (c) tensão de controle. (d) saída do S/H.

Um conversor A/D de m bits (excluindo o bit de sinal), possui um intervalo digital máximo

de valores convertidos dado por:

2 1mN = − (4.10)

Deste modo a diferença entre dois valores digitais (binários) adjacentes é dada por:

Xmax Xmin X

N

−∆ = (4.11)

35

sendo:

Xmax – Valor máximo atingido pelo sinal (tensão e corrente de pico)

Xmin – Valor mínimo atingido pelo sinal

O erro de quantização máximo entre o sinal original e o sinal convertido é definido por:

1

2

X

Xmin ε ∆= (4.12)

Substituindo 4.11 em 4.12 tem-se:

2

Xmax Xmin

Xmin N ε −=

⋅ ⋅ (4.13)

Isolando N na equação (4.13) tem-se:

( )

( )2 prestabelecido

prestabelecido

NXmax Xmin N

NXmin

ε ε ε εε

> <−=  = =⋅ ⋅  (4.14)

A equação (4.14) nos diz que dados os valores máximo e mínimo que um determinado

sinal pode alcançar e um erro preestabelecido máximo aceitável, pode-se calcular a quantidade

mínima N necessária de intervalos e consequentemente o número mínimo m de bits que um

conversor A/D deve ter para a conversão correta do sinal. Além disso, se N é numericamente

maior que a equação (4.14) tem-se que o erro será menor que o preestabelecido.

A Fig. 4.9 ilustra a codificação binária para um conversor A/D de 3 bits.

Exemplo 4.2: Dado o intervalo de tensão 10-200 Vrms e considerando um erro máximo de

5% pergunta-se: qual é o número mínimo de bits necessário para que um conversor A/D faça a

conversão do sinal respeitando o erro de quantização preestabelecido ?

Exemplo 4.3: A corrente no secundário do TC em condições normais é dada por 1 A, e

deve ser medida com uma precisão de 1%. A corrente de falta máxima no secundário é 40 A e

espera-se que essa corrente também contenha uma componente DC que a aumentará por um

fator de 2. O sistema possui frequência de 60 Hz. Projete um conversor A/D encontrando o

período de amostragem máximo (mínima frequência de amostragem) e o número mínimo de bits

necessários para que o sinal seja amostrado e convertido corretamente.

36

Figura 4.9: Conversão A/D. Valores das amostras, codificações binárias e erros de quantização.

37

5 Condicionamento do Sinal Digital O condicionamento do sinal digital é o estágio de preparação do sinal digital antes do

processamento pelos algoritmos de proteção. Esta preparação consiste em uma filtragem digital

realizada através de um filtro digital passa-faixa. O filtro digital passa-faixa possui a capacidade

de extrair somente a componente fundamental dos sinais de entrada e rejeitar a componente

aperiódica (componente exponencial da corrente de curto-circuito ou componente DC), e as

harmônicas indesejadas. Além disso, o filtro digital é capaz de extrair qualquer componente

harmônica do sinal e rejeitar as outras componentes.

Esta flexibilidade que a filtragem digital apresenta é especialmente importante para a

proteção digital visto que funções de proteção tais como: sobrecorrente, diferencial de barra, e

distância, utilizam apenas as componentes fundamentais de tensão e corrente sendo que as

demais componentes são ruídos, enquanto a função diferencial de transformador utiliza a

componente fundamental, mas também a componente de 2ª harmônica presente na corrente de

inrush do transformador (Tabela 4.1). Como exposto anteriormente o relé digital diferencial deve

identificar a componente de 2ª harmônica e automaticamente bloquear seu trip.

Uma vez que os relés de distância calculam a impedância e uma vez que esta é definida em

uma dada frequência, os filtros de relés de distância devem extrair somente a freqüência

fundamental.

Para o relé de sobrecorrente a filtragem deve extrair a fundamental e rejeitar os outros

componentes, por duas razões. Primeiro, porque é modelado o comportamento do sistema de

potência à freqüência fundamental nos programas de curto-circuito. Deste modo todos os

cálculos de correntes e tensões de curto-circuito para o sistema de potência são realizados a

frequência fundamental do sistema (no Brasil 60 Hz). Segundo, para que a proteção possa

apresentar seletividade (capacidade de isolar somente o trecho sob falta) os relés precisam estar

coordenados. Se diferentes relés medirem diferentes componentes de corrente do sistema de

potência e se a coordenação for efetuada em função de sua performance à freqüência

fundamental, não há garantia de que os relés irão coordenar sob todas as condições.

Baseado neste fato pode-se afirmar que a filtragem digital é tão importante quanto o

algoritmo de proteção do relé. Isto é porque mesmo que se tenha um algoritmo de proteção

eficiente e rápido não será alcançado o resultado esperado da proteção se a filtragem digital não

for realizada de maneira eficiente, rápida e adequada.

Os filtros digitais podem ser divididos em duas categorias:

38

1) Filtros FIR (Finite Impulse Response) – são filtros não recursivos, ou seja, filtros onde o

sinal de saída não depende de saídas anteriores;

2) Filtros IIR (Infinite Impulse Response) – são filtros recursivos, o sinal de saída depende

de saídas anteriores.

A escolha do tipo de filtro depende da aplicação e quanto o custo do filtro irá influenciar o

projeto do sistema como um todo. Um filtro digital possibilita a escolha entre filtragem de

resposta de impulso finito ou infinito, enquanto os filtros analógicos praticamente limitam-se a

respostas de impulso infinito.

Para a proteção, o filtro FIR é projetado para comportar-se como um filtro digital passa-

faixa e é o mais utilizado devido principalmente:

a) Os filtros FIR rapidamente se esquecem da condição de pré-falta e seguem adiante

analisando o sistema sob falta. Assim que os filtros ficam cheios de dados da falta, suas

estimativas do fasor da tensão ou da corrente de falta não são mais corrompidas pelos dados de

pré-falta.

b) Os filtros FIR naturalmente têm zeros nas suas respostas em freqüência. É relativamente

fácil projetá-los para extrair qualquer componente do sinal de entrada (fundamental, harmônicas

ou DC).

A saída y[n] de um filtro discreto FIR é descrita através da seguinte expressão:

0

[ ] [ ] p

k k

y n a x n k =

= ⋅ −∑ (5.1)

sendo:

ak – coeficientes do filtro FIR;

p +1 – número de amostras por janela (p ímpar);

x[n] – amostras de entrada.

A janela de dados de um filtro FIR é caracterizada por:

( 1)Tw p T= + ⋅ (5.2)

sendo:

Tw – tamanho da janela no domínio do tempo;

T – período de amostragem.

39

Para sistemas lineares invariantes no tempo (SLIT) tem-se que a soma de convolução é

dada por:

[ ] [ ] [ ] [ ] [ ] k k

k k

y n x k h n k h k x n k =∞ =∞

=−∞ =−∞

= ⋅ − = ⋅ −∑ ∑ (5.3)

Comparando (5.1) com (5.3) conclui-se que os coeficientes ak são os valores das respostas

ao impulso do filtro FIR em cada instante de amostragem.

Aplicando a Transformada Z (TZ) em ambos os lados da equação (5.1) tem-se:

0 0

( ) ( ) ( ) ( )

( )

p p k k

k k k k

Y Z Y Z a X Z Z H Z a Z

X Z − −

= =

= ⋅ ⋅ → = = ⋅∑ ∑ (5.4)

A partir de (5.4) nota-se que H(Z) possui p pólos na origem e p zeros no plano complexo Z.

Portanto o círculo de raio unitário (CRU) do plano Z sempre está contido na região de

convergência de H(Z) e, deste modo filtros FIR são causais e sempre possuem a TF sendo

estáveis por natureza.

A resposta em freqüência do filtro FIR pode ser encontrada substituindo Z= ejω=ejΩT na

expressão (5.4). Deste modo a resposta em freqüência de um filtro FIR genérico é dada por:

( )

0

( ) ( )

( )

j T p j T j k T

kj T k

Y e H e a e

X e

Ω⋅ Ω⋅ − ⋅Ω⋅

Ω⋅ =

= = ⋅∑ (5.5)

Para obter a resposta em freqüência do filtro a partir de (5.5) é necessário calcular um

somatório de números complexos o que não é uma tarefa das mais simples. Entretanto

analisando a equação (5.1) e (5.3) pode-se perceber que a resposta em frequência do filtro pode

ser obtida de forma mais simples visto que (5.1) é a integração do sinal x(τ) multiplicado pelos

fatores ak que podem estar distribuídos como o exemplo dado pela Fig. 5.1, onde se tem p=7. A

equação do filtro (5.1) é então dada pela forma discreta da integral:

0

1 ( ) ( ) ( ) [ ] [ ]

p

k k

y t x w t d y n a x n k T

τ

τ τ τ τ

=∞

=−∞ =

= ⋅ − ⋅ ≅ = ⋅ −∑∫ (5.5)

Em (5.5) w(t-τ) é a resposta ao impulso h(t-τ)equivalentemente a forma discreta dada por

h[n-k]. A interpretação gráfica da relação entre (5.1) e (5.5) é dada pela Fig. 5.2. A integral de

convolução dada por (5.5) é, portanto equivalente a convolução discreta dada por (5.3). Logo

w(t-τ)=w(-(τ-t)), sendo w(τ) a janela de dados do filtro no domínio do tempo e w(t-τ) atrasada de t

segundos e rebatida de 180º através de um eixo que corta o centro da janela.

40

Figura 5.1: Distribuição dos coeficientes do filtro para uma janela w(τ), Ti=T.

Figura 5.2: Representação gráfica da amostragem e da janela w(τ).

Aplicando a TF em ambos os lados de (5.5) tem-se:

( ) ( ) ( )Y j X j W jΩ = Ω ⋅ Ω (5.6)

sendo:

Y(jΩ) – Transformada de Fourier do sinal de saída y(t)

X(jΩ) – Transformada de Fourier do sinal de entrada x(τ)

W(jΩ) – Transformada de Fourier da janela w(τ) dividida pelo período de amostragem T

(resposta em freqüência do filtro).

A partir de (5.6) conclui-se que a resposta em freqüência de um filtro FIR qualquer pode

ser obtida através da TF da janela de dados w(τ) dividida pelo período de amostragem T.

Logo utilizando a expressão (4.2-a) a resposta em freqüência de qualquer filtro FIR pode

ser encontrada a partir de:

1 ( ) ( )

t j T

t W j w t e dt

T

=∞ − Ω

=−∞ Ω = ⋅ ⋅∫ (5.7)

41

5.1Janela de Dados Seno/Cosseno Os filtros FIR são caracterizados pelo tipo de janela utilizada para aquisição do sinal de

entrada. Alguns tipos de janelamento de dados são: retangular, triangular, Hanning, Hamming,

Blackman, Kaiser, Walsh, Seno e Cosseno. Para cada tipo de janela os coeficientes ak possuem

valores característicos que descrevem o formato da janela w(t). Por exemplo, para uma janela

retangular tem-se ak=1 para todo e qualquer k. A Fig. 5.3 ilustra as janelas retangular e

triangular, respectivamente.

a)

b)

Figura 5.3: Janela de dados a) retangular e b) triangular.

De todas as janelas citadas as mais utilizadas na proteção digital são as janelas seno e

cosseno por possuírem características de filtragem passa-faixa ideal para extração de

componentes dos sinais de entrada de tensão e corrente em qualquer frequência.

As janelas de dados seno e cosseno são dadas pelas seguintes expressões:

( ) ( )s ow t sen t= − Ω ⋅ (5.8-a)

( ) ( )c ow t cos t= Ω ⋅ (5.8-b)

sendo:

2 o

oT

πΩ = - Frequência das janelas seno e cosseno em rad/s.

As representações gráficas no domínio do tempo dessas janelas são dadas pela Fig. 5.4.

42

Figura 5.4: Janela de dados a) seno e b) cosseno.

Substituindo as expressões (5.8-a) e (5.8-b) na expressão (5.7) tem-se:

( ) 2 2

2 2

2 2

2 2

1 1 ( ) ( ) ( ) ( ) ( )

1 1 ( ) ( ) ( ) ( ) (5.9 a)

Tw Tw t t

j t o o

Tw Tw t t

Tw Tw t t

o o Tw Tw

t t

Ws j sen t e dt sen t cos t jsen t dt T T

sen t cos t dt j sen t sen t dt T T

= =

− Ω⋅

=− =−

= =

=− =−

Ω = − Ω ⋅ ⋅ ⋅ = − Ω ⋅ ⋅ Ω ⋅ − Ω⋅ ⋅ =  

= − Ω ⋅ ⋅ Ω ⋅ ⋅ + ⋅ Ω ⋅ ⋅ Ω ⋅ ⋅ −

∫ ∫

∫ ∫

( ) 2 2

2 2

2 2

2 2

1 1 ( ) ( ) ( ) ( ) ( )

1 1 ( ) ( ) ( ) ( ) (5.9 b)

Tw Tw t t

j t o o

Tw Tw t t

Tw Tw t t

o o Tw Tw

t t

Wc j cos t e dt cos t cos t jsen t dt T T

cos t cos t dt j cos t sen t dt T T

= =

− Ω⋅

=− =−

= =

=− =−

Ω = Ω ⋅ ⋅ ⋅ = Ω ⋅ ⋅ Ω ⋅ − Ω⋅ ⋅ =  

= Ω ⋅ ⋅ Ω ⋅ ⋅ − ⋅ Ω ⋅ ⋅ Ω⋅ ⋅ −

∫ ∫

∫ ∫

As expressões (5.9-a) e (5.9-b) são as respostas em frequência das janelas seno e cosseno.

A obtenção das respostas em frequência dessas janelas é procedimento essencial para entender

como os filtros projetados a partir dessas janelas comportam-se para diferentes frequências. As

integrais das expressões acima podem ser facilmente resolvidas utilizando as seguintes relações

trigonométricas:

( ) ( ) ( ) ( ) ( )o o osen t t sen t cos t sen t cos tΩ⋅ + Ω ⋅ = Ω⋅ ⋅ Ω ⋅ + Ω ⋅ ⋅ Ω ⋅ (5.10-a)

( ) ( ) ( ) ( ) ( )o o osen t t sen t cos t sen t cos tΩ⋅ − Ω ⋅ = Ω⋅ ⋅ Ω ⋅ − Ω ⋅ ⋅ Ω ⋅ (5.10-b)

( ) ( ) ( ) ( ) ( )o o ocos t t cos t cos t sen t sen tΩ ⋅ + Ω ⋅ = Ω⋅ ⋅ Ω ⋅ − Ω⋅ ⋅ Ω ⋅ (5.10-c)

( ) ( ) ( ) ( ) ( )o o ocos t t cos t cos t sen t sen tΩ ⋅ − Ω ⋅ = Ω ⋅ ⋅ Ω ⋅ + Ω⋅ ⋅ Ω ⋅ (5.10-d)

43

Multiplicando por (-1) a expressão (5.10-b) somando com a expressão (5.10-a) e fazendo a

manipulação necessária tem-se:

{ }1( ) ( ) [( ) ] [( ) ] 2o o o

sen t cos t sen t sen tΩ ⋅ ⋅ Ω ⋅ = ⋅ Ω + Ω ⋅ − Ω − Ω ⋅ (5.11-a)

Multiplicando por (-1) a expressão (5.10-d) somando com a expressão (5.10-c) e fazendo a

manipulação necessária tem-se:

{ }1( ) ( ) [( ) ] [( ) ] 2o o o

sen t sen t cos t cos tΩ ⋅ ⋅ Ω ⋅ = ⋅ Ω − Ω ⋅ − Ω + Ω ⋅ (5.11-b)

Somando (5.10-c) com (5.10-d) tem-se:

{ }1( ) ( ) [( ) ] [( ) ] 2o o o

cos t cos t cos t cos tΩ ⋅ ⋅ Ω⋅ = ⋅ Ω − Ω ⋅ + Ω + Ω ⋅ (5.11-c)

Somando (5.10-a) com (5.10-b) tem-se:

{ }1( ) ( ) [( ) ] [( ) ] 2o o o

cos t sen t sen t sen tΩ ⋅ ⋅ Ω ⋅ = ⋅ Ω − Ω ⋅ + Ω + Ω ⋅ (5.11-d)

Substituindo as expressões (5.11-a) a (5.11-d) de forma coerente nas integrais (5.9-a) e

(5.9-b), integrando em t e finalmente multiplicando o denominador e o numerador por Tw/2,

tem-se:

( ) ( ) 1 2 2

( ) 2 ( ) ( )

2 2

o o

o o

Tw Tw sen sen

p Ws j j

Tw Tw

    Ω − Ω ⋅ Ω + Ω ⋅    +     Ω = ⋅ ⋅ −   Ω − Ω ⋅ Ω + Ω ⋅   

(5.12-a)

( ) ( ) 1 2 2

( ) 2 ( ) ( )

2 2

o o

o o

Tw Tw sen sen

p Wc j

Tw Tw

    Ω − Ω ⋅ Ω + Ω ⋅    +     Ω = ⋅ +   Ω − Ω ⋅ Ω + Ω ⋅   

(5.12-b)

As expressões (5.12-a) e (5.12-b) são as respostas em frequência das janelas no domínio do

tempo dadas pela Fig. 5.4 a) e b), respectivamente. A Fig. 5.5 ilustra o comportamento das

janelas seno e cosseno no domínio da frequência com Ωo=2π/Tw. Para esta situação Tw=To que

quer dizer que a janela de dados possui mesmo comprimento que o período das janelas seno e

cosseno.

44

Figura 5.5: Resposta em frequência das janelas seno a) e cosseno b).

A Fig. 5.6 ilustra exemplos de espectros de frequência para diferentes relações entre

comprimento da janela Tw e o período das janelas seno e cosseno.

Observando as Figs. 5.5 e 5.6 nota-se que filtros FIR que possuem janelas de dados seno e

cosseno possuem a capacidade de aceitar a frequência Ωo e rejeitar todas as outras frequências.

Comparando as propriedades para diferentes relações de Tw e To pode-se afirmar que para

Tw<To (Fig. 5.6-a) janela seno possui boa propriedade de atenuação para frequências Ω<Ωo mas

comportamento ruim para frequências Ω>Ωo (deixa passar) enquanto a janela cosseno apresenta

boa atenuação para frequências maiores e ruim para menores. Essas características se invertem

para janelas de dados com TwTo (Figs. 5.5 e 5.6-b). Esta propriedade caracteriza os filtros FIR

baseados em janelas seno e cosseno como filtros passa-faixa ideais para a proteção digital.

Um filtro FIR muito conhecido e empregado na proteção digital é conhecido como filtro de

Fourier. O filtro Fourier utiliza as duas janelas seno e cosseno de forma ortogonal para obter as

componentes ortogonais de um sinal de entrada seja de tensão ou corrente. A característica de

ortogonalidade inerente ao filtro de Fourier é importante, pois possibilita a obtenção da

amplitude do sinal de entrada a partir das saídas do filtro.

45

Figura 5.6: Resposta em frequência de diferentes janelas seno e cosseno. a) Tw=To/2 e b) Tw=2To.

Em particular para o filtro de Fourier aplicado a proteção digital utiliza-se as seguintes

relações:

1 1

1 1

( 1) 1

2 2

1 1

2

o h o h o h

harmônica

T Tw p T T T

p

TTw h T T

T T h h

p Q

π π

= + ⋅ = ⇒ = +

Ω = Ω = ×Ω ⇒ = ⇒ = = =

+= −

(5.13)

sendo:

T1 – período da fundamental;

h – frequência da h-ésima harmônica extraída do sinal (harmônica que passa);

Th – período da h-ésima harmônica extraída;

46

h – índice da h-ésima harmônica;

Qharmônica – total de harmônicas que são possíveis extrair através de Fourier a partir de p+1

amostras.

As expressões para os filtros utilizando as janelas de dados seno e cosseno que formam o

filtro de Fourier são dadas por:

( ) 0

2 [ ] 1 [ ]

1

p

o k

ys n sen T p k x n k p =

= − ⋅ Ω ⋅ ⋅ + − ⋅ −  + ∑ (5.14-a)

( ) 0

2 [ ] 1 [ ]

1

p

o k

yc n cos T p k x n k p =

= ⋅ Ω ⋅ ⋅ + − ⋅ −  + ∑ (5.14-b)

sendo:

ys[n] – saída para o filtro digital – janela seno;

yc[n] – saída para o filtro digital – janela cosseno.

Comparando as equações (5.14-a) e (5.14-b) com a equação (5.1) nota-se que os

coeficientes dos filtros seno e cosseno são dados por:

( )2 1 1

s k oa sen T p kp

= − ⋅ Ω ⋅ + −  + (5.15-a)

( )2 1 1

c k oa cos T p kp

= ⋅ Ω ⋅ + −  + (5.15-b)

A partir das saídas dadas pelos filtros seno e cosseno pode-se calcular a amplitude da

fundamental ou harmônica (respeitando a última relação de 5.13) da corrente e/ou tensão como

sinais de entrada do filtro. Deste modo pode-se escrever:

( ) ( )2 2[ ] [ ] [ ]h h hA n ys n yc n= + (5.16)

sendo:

Ah – amplitude da harmônica h;

ysh[n] – saída para o filtro seno – harmônica h;

ych[n] – saída para o filtro cosseno – harmônica h.

47

É importante salientar que a amplitude calculada depende de qual harmônica esta sendo

filtrada. Por exemplo, para h=2, tem-se que Ωo= Ω2, To= T2=Tw/2 e A2[n]=(ys2[n] 2+yc2[n]

2)1/2.

Quando as saídas do filtro de Fourier são calculadas para n=0, (p+1), 2(p+1),..., m(p+1), ou

seja, em instantes discretos em que a forma de onda das janelas seno e cosseno completam um

período completo, pode-se obter a partir dos filtros seno e cosseno as partes imaginárias e reais

da fundamental do sinal de entrada, respectivamente. Deste modo podem-se estabelecer as

seguintes relações:

[ ] [ ]1 1 1( 1) ( 1) , 0,1, 2,3,....F yc m p j ys m p m= ⋅ + + ⋅ ⋅ + = i

(5.17-a)

[ ] [ ]

1 1

1

( 1) arg( ) , 0,1, 2,3,....

( 1)

ys m p F arctan m

yc m p

 ⋅ + = =  ⋅ + 

i

(5.17-b)

Exemplo 5.1: Dado um relé digital que realiza amostragens do sinal de tensão dado por:

1 1 2 1( ) cos( ) cos(2 )v t v t v t= × Ω × + × × Ω × ,

com período de amostragem de T=T1/4, encontre as equações discretas para o filtro Fourier

considerando a extração da componente fundamental da tensão. É possível extrair a componente

de 2ª Harmônica do sinal ? Justifique sua resposta. Encontre as saídas do filtro para n=3 e n=4.

Faça um esboço de v[n].

48

6 Algoritmos para proteção digital Os algoritmos para proteção digital são basicamente programas alocados na memória

EPROM do relé digital e que simulam o funcionamento das funções de proteção desempenhadas

pelo relé.

Os algoritmos utilizados na proteção podem ser entendidos de forma mais geral através das

estruturas apresentadas na Fig. 6.1. A estrutura da Fig. 6.1-a representa um relé digital. Ela é

baseada no fato de que valores das variáveis de entrada e suas relações (amplitudes, freqüências

e potências reais e aparentes) são determinadas numericamente e os sinais resultantes

processados pelo algoritmo do relé para determinar se as amplitudes excedem um limite (valor

de pick-up) ou a amplitude de uma variável é maior ou menor que outra, ou se a condição de trip

definida pela característica de operação do relé é alcançada. Os processos da estrutura digital

diferem daqueles de uma estrutura analógica devido ao fato de que na estrutura digital os sinais

são medidos e processados digitalmente. A estrutura da Fig. 6.1-b é utilizada tipicamente para

representar uma proteção analógica (relés eletromecânicos). Neste caso a proteção não determina

os valores numéricos das variáveis de entrada, mas simplesmente compara as amplitudes com

uma referência para decidir se a condição de trip é satisfeita ou não.

a)

b)

Figura 6.1: Estruturas típicas de algoritmos para aplicação na proteção; a) relé digital e b) relé analógico.

Comparando as Fig. 6.1-a e 6.1-b conclui-se que as proteções digitais e analógicas

possuem a mesma estrutura para o algoritmo de proteção, a diferença está no fato de que a

proteção digital utiliza algoritmos numéricos enquanto a proteção analógica implementa o

mesmo algoritmo através de circuitos analógicos (relés estáticos) ou partes móveis, bobinas ou

contatos (relés eletromecânicos).

6.1Componentes ortogonais Considere uma variável de entrada dada pela seguinte expressão:

1( ) ( )1x t X cos t β= ⋅ Ω ⋅ − (6.1)

49

A variável x(t) pode ser decomposta em duas componentes ortogonais dadas por:

1( ) ( )1xa t X cos t β= ⋅ Ω ⋅ − (6.2-a)

1( ) ( )21 xr t X cos t

πβ= ⋅ Ω ⋅ − − (6.2-b)

Deste modo, como observado nas expressões (6.2-a) e (6.2-b) as componentes ortogonais

xa(t) e xr(t) possuem a mesma amplitude que a variável de entrada, e xa(t) é adiantada de π/2

rads de xr(t). Além disso, utilizando a relação trigonométrica (5.10-d) tem-se que:

1 1( ) ( ) ( )21 1 xr t X cos t X sen t

πβ β= ⋅ Ω ⋅ − − = ⋅ Ω ⋅ − (6.3)

Assim:

( ) 2 2 2 2 2 2

1 1 1 1

2 2 2 2 2 1 1 1

2 2 1

( ) ( ) ( ) ( )

( ) ( ) ( ) ( )

( ) ( )

xa t xr t X cos t X sen t

xa t xr t X sen t cos t

X xa t xr t

β β

β β

+ = ⋅ Ω ⋅ − + ⋅ Ω ⋅ − ⇒

+ = ⋅ Ω ⋅ − + Ω ⋅ − ⇒

= +

(6.4)

Discretizando (6.4) tem-se:

2 2 1[ ] [ ] [ ]X n xa n xr n= + (6.5)

Comparando (6.5) com (5.16), em particular para h=1 (fundamental), estabelece-se as

seguintes relações:

1[ ] [ ]xa n ys n= − (6.6-a)

1[ ] [ ]xr n yc n= (6.6-b)

As relações (6.6-a) e (6.6-b) são válidas desde que ys1[n] e yc1[n] são as saídas ortogonais

filtradas do filtro de Fourier.

6.2Cálculo da potência discreta Sejam a tensão e a corrente dadas por:

1( ) ( )1v t V cos t= ⋅ Ω ⋅ (6.7-a)

1( ) ( )1i t I cos t ϕ= ⋅ Ω ⋅ − (6.7-b)

Transformando v(t) e i(t) em fasores (domínio da frequência) vem:

50

1 10V V e I I ϕ • •

= = − (6.8)

A potência aparente é definida como:

* 11

1 1

1 1 1 1

0 1

22 2 1 1

( ) ( ) 2 2

IV S V I V I

S P j Q V I cos j V I sen

ϕ ϕ

ϕ ϕ

− • •

= ⋅ = ⋅ = ⋅ ⋅ ⇒

= + ⋅ = ⋅ ⋅ ⋅ + ⋅ ⋅ ⋅ ⋅

(6.9)

As componentes ortogonais de v(t) e i(t) são dadas por:

1 1 1 1

1 1 1 1

( ) ( ) , ( ) ( )

( ) ( ) , ( ) ( )

va t V cos t ia t I cos t

vr t V sen t ir t I sen t

ϕ ϕ

= ⋅ Ω ⋅ = ⋅ Ω ⋅ − = ⋅ Ω ⋅ = ⋅ Ω ⋅ −

(6.10)

A potência ativa é equacionada através das componentes ortogonais dadas por (6.10)

como:

1 1 ( ) ( ) ( ) ( ) ( )

2 2 P t va t ia t vr t ir t= ⋅ ⋅ + ⋅ ⋅ (6.11)

Substituindo va(t), ia(t), vr(t) e ir(t) em (6.11) vem:

[ ] [ ]

[ ]

[ ]{ }

1 1 1 1 1 1 1 1

1 1 1 1 1 1

1 1 1 1 1 1

1 1 ( ) ( ) ( ) ( ) ( )

2 2 1

( ) ( ) ( ) ( ) ( ) 2 1 1

( ) ( ) 2 2

P t V cos t I cos t V sen t I sen t

P t V I cos t cos t sen t sen t

P t V I cos t t V I cos

ϕ ϕ

ϕ ϕ

ϕ ϕ

= ⋅ ⋅ Ω ⋅ ⋅ ⋅ Ω ⋅ − + ⋅ ⋅ Ω ⋅ ⋅ ⋅ Ω ⋅ − ⇒

= ⋅ ⋅ ⋅ Ω ⋅ ⋅ Ω ⋅ − + Ω ⋅ ⋅ Ω ⋅ − ⇒

= ⋅ ⋅ ⋅ Ω ⋅ − Ω ⋅ − = ⋅ ⋅ ⋅

Portanto (6.11) é exatamente igual à potência ativa calculada a partir dos sinais de entrada

v(t) e i(t). Discretizando (6.11) e utilizando as relações (6.6-a) e (6.6-b) tem-se:

( )1 1 1 1

1 1 [ ] [ ] [ ] [ ] [ ]

2 2 1

[ ] [ ] [ ] [ ] [ ] 2

P n va n ia n vr n ir n

P n vs n is n vc n ic n

= ⋅ ⋅ + ⋅ ⋅ ⇒

= ⋅ ⋅ + ⋅

(6.12)

sendo:

P[n] – potência ativa discreta na amostra n;

vs1[n], is1[n] – saídas para o filtro digital seno - tensão e corrente, respectivamente;

vc1[n], ic1[n] – saídas para o filtro digital cosseno - tensão e corrente, respectivamente.

51

A potência reativa é equacionada através das componentes ortogonais dadas por (6.10)

como:

1 1 ( ) ( ) ( ) ( ) ( )

2 2 Q t vr t ia t va t ir t= ⋅ ⋅ − ⋅ ⋅ (6.13)

Substituindo va(t), ia(t), vr(t) e ir(t) em (6.13) vem:

[ ] [ ]

[ ]

[ ]{ }

1 1 1 1 1 1 1 1

1 1 1 1 1 1

1 1 1 1 1 1

1 1 ( ) ( ) ( ) ( ) ( )

2 2 1

( ) ( ) ( ) ( ) ( ) 2 1 1

( ) ( ) 2 2

Q t V sen t I cos t V cos t I sen t

Q t V I sen t cos t sen t cos t

Q t V I sen t t V I sen

ϕ ϕ

ϕ ϕ

ϕ ϕ

= ⋅ ⋅ Ω ⋅ ⋅ ⋅ Ω ⋅ − − ⋅ ⋅ Ω ⋅ ⋅ ⋅ Ω ⋅ − ⇒

= ⋅ ⋅ ⋅ Ω ⋅ ⋅ Ω ⋅ − − Ω ⋅ − ⋅ Ω ⋅ ⇒

= ⋅ ⋅ ⋅ Ω ⋅ − Ω ⋅ − = ⋅ ⋅ ⋅

Portanto (6.13) é exatamente igual à potência reativa calculada a partir dos sinais de

entrada v(t) e i(t). Discretizando (6.13) e utilizando as relações (6.6-a) e (6.6-b) tem-se:

( )1 1 1 1

1 1 [ ] [ ] [ ] [ ] [ ]

2 2 1

[ ] [ ] [ ] [ ] [ ] 2

Q n vr n ia n va n ir n

Q n vs n ic n vc n is n

= ⋅ ⋅ − ⋅ ⋅ ⇒

= ⋅ ⋅ − ⋅

(6.14)

sendo:

Q[n] – potência reativa discreta na amostra n;

6.3Cálculo da impedância discreta A impedância discreta pode ser calculada a partir dos valores discretos de potências e da

amplitude de corrente da componente fundamental do sinal de entrada. A potência aparente é

dada por:

( ) ( )

( )

22* * 1

2 2 2 1 1 1

2

1 1 1

2 2 2

I S V I Z I I Rs j Xs I Rs j Xs

S P j Q Rs j Xs I Rs I j Xs I

− • • − • • •

= ⋅ = ⋅ ⋅ = + ⋅ ⋅ = + ⋅ ⋅ ⇒

= + ⋅ = ⋅ + ⋅ ⋅ = ⋅ ⋅ + ⋅ ⋅ ⋅

(6.15)

Assim, a resistência e a reatância vistas por uma relé digital com função de distância pode

ser calculada através de:

52

( )21 2 [ ]

[ ] [ ]

P n Rs n

I n

⋅= (6.16-a)

( )21 2 [ ]

[ ] [ ]

Q n Xs n

I n

⋅= (6.16-b)

sendo:

Rs[n]resistência discreta vista pelo relé de distância;

Xs[n] – reatância discreta vista pelo relé de distância.

A partir de (6.16-a) e (6.16-b) a impedância então é dada por:

( ) ( ) ( ) ( )2 2 2

1 1 1

2 [ ] 2 [ ] 2 [ ] [ ] [ ]

[ ] [ ] [ ]

P n Q n Zs n j P n j Q n

I n I n I n

⋅ ⋅= + ⋅ = ⋅ + ⋅ (6.17)

A impedância Zs[n] é a impedância vista pelo relé de distância desde o ponto de alocação

do TC do relé até o ponto da falta.

6.4Estruturas lógicas de algoritmos para proteção digital A seguir são apresentadas as estruturas lógicas básicas de algoritmos de proteção digital

para as principais funções de proteção: sobrecorrente instantâneo (50) e temporizado (51),

distância (21) e diferencial (87).

6.4.1Relé digital de sobrecorrente instantâneo (50) e temporizado (51) A Fig. 6.2-a ilustra o diagrama de blocos de um algoritmo para proteção de sobrecorrente

instantânea (50) enquanto a Fig. 6.2-b para a proteção de sobrecorrente temporizada.

53

1 A

I[n]>I 2

(a)

1 A

I[n]>I 2

(b)

Fig. 6.2: Diagrama de blocos dos algoritmos das funções de sobrecorrente a) instantânea (50) e b) temporizada (51)

sendo:

6.4.2Relé digital de distância tipo MHO (21) A Fig. 6.3 mostra em detalhes o esquema de ligação de um relé de distância. Na Fig. 6.3

tem-se que:

Zs=Rs+jXs - impedância vista pelo relé até o ponto de falta;

54

RF - resistência de falta; Z=R+jX - impedância do trecho protegido.

Relé

Digital u(t)

TP

TCi(t) Rs Xs X - Xs R - Rs

RF<<Rs

F

A B

Fig. 6.3: Esquema de ligação para um relé de distância (21).

A Fig. 6.4 ilustra o plano Z com as características da impedância em função dos tipos de

corrente e a característica de operação do relé de distância tipo MHO.

(a)

(b)

Fig. 6.4: Plano Z e tipos de corrente (a) plano de impedância característico para um relé de distância tipo MHO.

sendo:

r – fração da impedância do trecho protegido.

A Fig. 6.5 ilustrada zonas de proteção típicas de relés de distância com suas respectivas

temporizações.

55

Fig. 6.5: Zonas de proteção e temporização de relés de distância.

A Fig. 6.6 mostra o diagrama de blocos do algoritmo para proteção de distância tipo MHO.

|Zs[n]| > |Z|

i(t)u(t)

i[n]v[n]

Filtragem

vs1[n]

vc1[n]

is1[n]

ic1[n]

Cálculo:

I1[n], P[n], Q[n], Rs[n], Xs[n], Zs[n]

Amostragem

|Zs[n]| ≤ r|Z|

TRIP

tr = tr + kt

t > tA

S

N

S

N

S

N

tr = 0

Fig. 6.6: Diagrama de blocos do algoritmo da função de distância tipo MHO.

6.4.3Relé digital diferencial (87) É ilustrado na Fig. 6.7 o esquema de ligação de um relé diferencial para proteção de

transformadores.

ia(t)

TC D1 D2

1 : RT ib(t)

TC

ia(t) ia(t) ib(t) ib(t)

ia(t) - ib(t)

Relé Diferencial

Operação

Restrição

Fig. 6.7: Esquema de ligação para um relé diferencial de transformador.

56

A Fig. 6.8 ilustra o diagrama de blocos do algoritmo da função de diferencial de

transformador. Observe que se RT =1 então se tem uma barra como seção protegida.

Figura 6.8: Diagrama de blocos – função diferencial.

Sendo: Iop1[n] : corrente de operação discreta; Iresi[n] : corrente de restrição discreta – i=1 - fundamental e i=2 - 2ª harmônica. kres – constante de restrição (geralmente um percentual da corrente fundamental);

RT )(

)(

)(

)(

tib

tia

tva

tvb == : relação de transformação;

57

7 Referências Bibliográficas [1] ROCKEFELLER, G. D. Fault protection with a digital computer. IEEE Transactions on

Power Apparatus and Systems, v. PAS-88, n. 4, p. 438-464, April. 1969.

[2] JOHNS, A. T.; SALMAN, S. K. Digital protection for power systems. Peter Peregrinus

Ltd, Institution of Electrical Engineers, London, 1995.

[3] ACKERMAN, W. J. Fundamentals of automation systems & current trends in substations.

Substation automation tutorial sponsored by IEEE Power Engineering Society e IEEE

Seção Sul Brasil. Capítulo de Potência. Substation Commitee. Escolas de Engenharia,

Universidade Mackenzie, São Paulo, Fev. 2006.

[4] McDONALD, J. D. Electric Power Substations Engineering, CRC PRESS, Boca Raton,

Florida, USA, 2003.

[5] UNGRAD, H.; WINKLER, W.; WISZNIEWSKI, A. Protection techniques in electrical

energy systems. M. Dekker, New York, 1995.

[6] ANDERSON, P. M. Power system protection. IEEE Press Series on Power Engineering,

Mc Graw Hill, New York, 1999.

[7] PHADKE, A. G.; THORP, J. S. Computer relaying for power systems. Research Studies

Press Ltd, Willey, Taunton, Somerset, England, 1988.

[8] OPPENHEIM, A. V.; SCHAFER, R. W. Discrete-time signal processing. Prentice Hall,

New Jersey,1998, Second Edition.

Bom material didatico
Gostei do material, uma vez que me foi muito útil para melhor compreençao relacionado ao tema: Reles Digitais...
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 57 páginas