Apostila Quanti Unifei 2018.doc (1), Projetos de Química Analítica. Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI)
marcus-leonan
marcus-leonan

Apostila Quanti Unifei 2018.doc (1), Projetos de Química Analítica. Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI)

DOCX (18 KB)
5 páginas
7Número de visitas
Descrição
determinação de cloreto em soro fisiologico
20 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 5
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 5 páginas
Baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 5 páginas
Baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 5 páginas
Baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 5 páginas
Baixar o documento

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ – UNIFEI

INSTITUTO DE FÍSICA E QUÍMICA – IFQ

Laudo 1

Determinação de cloreto em soro fisiológico

Mateus Vinícius Nascimento da Silva 35158

Bithuel Carneiro Lopes 2016006822

Professor Dr. Sandro José de Andrade

ITAJUBÁ

2017

1. OBJETIVOS

✓ Determinar pela analise gravimétrica a quantidade de cloreto presente em

soro fisiológico.

2. MATERIAS UTILIZADOS

MATERIAIS

• Béquer 250 mL – Global Glass

• Pipeta Volumétrica 25 mL – Global Glass

• Kitassato – Qualividros

• Bomba de vácuo – Biomec

• Conta gotas

• Papel alumínio

• Tubo de ensaio – Global Glass

• Estufa

• Dessecador

REAGENTES

• Soro fisiológico

• HNO3 0,01 mol L-1

• AgNO3 0,1 mol L-1

• Água destilada

3. PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL

Inicialmente transferiu-se 25 mL de soro fisiológico para um béquer de 250

mL. Em seguida adicionou-se aproximadamente 0,5 mL de HNO3 à solução.

A precipitação do AgCl deve ser pela adição lenta, com agitação, de um

ligeiro excesso de AgNO3 0,1 mol/L. A precipitação e as demais operações a serem

realizadas devem ser feitas em ausência de luz. Para isso, a vidraria que continha

o soro fisiológico com HNO3 foi encapada com papel alumínio.

Uma quantidade de AgNO3 foi adiciona a solução, assim, observando-se

formação de um precipitado branco. Essa solução foi colocada em uma chapa de

aquecimento até que atingisse a temperatura de ebulição, agitando-a durante

alguns intervalos de tempo, e também foi feito testes com o sobrenadante para

constatar que não havia mais formação de precipitado. Após a solução atingir essa

temperatura, removeu-se o béquer da chapa e deixou-se o precipitado depositar.

Primeiro, com o auxílio da balança analítica, pesou-se a massa da placa de

vidro sinterizado e anotou-se sua massa. Em seguida, montou-se o sistema para

prosseguir com a filtração a vácuo. Mas antes de transferir o precipitado para o

filtro com placa de vidro sinterizado aferido, lavou-se o AgCl algumas vezes com

HNO3 0,01 mol/L. Assim, procedeu-se a filtração e removeu-se as últimas

partículas de AgCl lavando o precipitado retido no filtro com HNO3 0,01 mol/L.

Depois de terminado a filtração, colocou-se a placa de vidro sinterizado

junto com o precipitado em um béquer revestindo-o com papel alumínio. Em

seguida, colou-se o béquer na estuda onde ficou por 1 hora e depois 15 minutos

esfriando no dessecador. Assim, pesou-se a sua massa.

4. RESULTADOS E DISCUSSÕES

Na tabela 1 abaixo está representada a massa da placa de vidro

sinterizado vazia, e a massa da mesma com o precipitado após a secagem na

estufa.

Tabela 1: Tabela de massas

Massa do filtro vazio (g) Massa do filtro + precipitado (g)

17,3519 18,0800

A equação química da reação está representada abaixo:

NaCl(aq) + AgNO3(aq) NO3Na(aq) + ↓ AgCl(s)

Com a massa da placa de vidro sinterizado vazia e com o precipitado

depois de seco na estufa, pode-se calcular a massa do precipitado com o auxílio da

Equação 1:

Mprecipitado = M(filtro + precipitado) – M(filtro vazio) [Eq.

1] Mprecipitado = 18,0800 – 17,3519

Mprecipitado = 0,728 g

Com a massa do AgCl obtida, pode-se calcular a concentração de cloreto

na amostra. Essa concentração foi calculada usando a Equação 2 abaixo:

CCl- (g L-1) = X x 1,000 x 35,45 / 0,025 x 143,32 [Eq.

2]

Onde:

X é a massa do AgCl proveniente da precipitação do cloreto

35,45 g/mol é a massa molar do átomo de cloro

143,32 g/mol é a massa molar do AgCl

Assim, substituindo-se X por 0,728 g, têm-se:

CCl- (g L-1) = X x 1,000 x 35,45 / 0,025 x 143,32

CCl- (g L-1) = 0,728 x 1000 x 35,45 / 25,00 x 143,32

CCl- (g L-1) = 25811,145 / 3,583

CCl- (g L-1) = 7203,8 g L-1 de Cl-

Então a concentração de cloreto é de 7203,8 g L-1. Assim, pode-se calcular

a massa em gramas do Cl- usando a Equação 3:

C (g L-1) = m (g) / V (L) [Eq.

3]

7203,8 = m / 0,025

m =

comentários (0)
Até o momento nenhum comentário
Seja o primeiro a comentar!
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 5 páginas
Baixar o documento