Apostila - Topografia, Notas de estudo de Topografia
natan-junqueira-5
natan-junqueira-5

Apostila - Topografia, Notas de estudo de Topografia

41 páginas
50Números de download
1000+Número de visitas
5Número de comentários
Descrição
Topografia básica
100 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 41
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 41 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 41 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 41 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 41 páginas

ENGENHARIA CIVIL

TOPOGRAFIA

06

10

11

12

13

ARQUITETURA

TOPOGRAFIA

ÍNDICE

1 Conceitos fundamentais ...................................................................... 3 1.1 Definições ............................................................................................ 3 1.2 Divisão ................................................................................................. 3

2 Planimetria ........................................................................................... 5 2.1 Medição de distâncias ......................................................................... 5 2.2 Medida direta de distâncias ................................................................. 5 2.3 Erros .................................................................................................... 6 2.4 Medida indireta de distâncias .............................................................. 6 2.5 Taqueometria ...................................................................................... 7 2.6 Ângulos ................................................................................................ 7 2.7 Distâncias verticais ou diferença de nível ........................................... 10 2.8 Caderneta de campo ........................................................................... 11 2.9 Medida eletrônica de distâncias .......................................................... 11

3 Avaliação de áreas .............................................................................. 13 3.1 Processos geométricos ....................................................................... 13 3.2 Método analítico (dupla distância meridiana) ...................................... 14 3.3 Planilha de cálculo analítico ................................................................ 15

4 Altimetria .............................................................................................. 18 4.1 Nivelamento geométrico ...................................................................... 18 4.2 Nivelamento trigonométrico ................................................................. 19 4.3 Nivelamento barométrico ..................................................................... 20

5 Estudo da planta topográfica ............................................................... 21 5.1 Denominações e definições topológicas de algumas formas do terreno 21 5.2 Curvas de nível .................................................................................... 22

6 Terraplenagem .................................................................................... 26 6.1 Cálculo da cota final pela média ponderada ....................................... 26 6.2 Cálculo de volumes ............................................................................. 28

7 Equipamentos de medição, unidades de medidas e escalas .............. 31 7.1 Equipamentos de medição angular ..................................................... 31 7.2 Generalidades ..................................................................................... 31 7.3 Unidades de superfície ........................................................................ 31 7.4 Unidades de medidas .......................................................................... 31 7.5 Escalas usadas em topografia ............................................................ 31 7.6 Sistemas e unidades ........................................................................... 31 7.7 Procedimento para estacionar equip. topográficos com prumo ótico .. 32

8 Aerofotogrametria ................................................................................ 34 8.1 Execução das fotos aéreas ................................................................. 34 8.2 Recobrimento da área ......................................................................... 35 8.3 Mapa-índice e foto-índice .................................................................... 36

9 Cadastro imobiliário e registros públicos ............................................. 37 9.1 Cadastro imobiliário municipal ............................................................. 37 9.2 Cadastro técnico municipal ................................................................. 37

PAGE 17

9.3 Origem das imprecisões entre áreas mapeadas ................................ 39 9.4 Métodos para o correto cadastramento técnico de imóveis rurais ...... 40

10 Exercícios resolvidos 41 Bibliografia 45

NOTAS DE AULA (Topografia) ENGENHARIA CIVIL / ARQUITETURA Prof. Luís Márcio Faleiros Franca, 1999/2010

1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS

1.1 DEFINIÇÕES

Topografia tem por finalidade determinar o contorno, dimensão e posição relativa de uma porção limitada da superfície terrestre, sem levar em conta a curvatura resultante da esfericidade terrestre.

Geodésia é a ciência que estuda a superfície da Terra com a finalidade de conhecer sua forma quanto ao contorno e ao relevo e sua orientação, levando em consideração a curvatura da terra.

Geoprocessamento é a ciência que estuda a produção de mapas com informações referentes a ele, tudo num só produto e em meio digital.

Geotecnia estuda a composição, disposição e condição do solo como produto para utilização em obras. A topografia determina e posiciona os solos de acordo com sua localização na superfície da terra.

Croqui: esboço gráfico sem escala, em breves traços a mão livre, que facilite a identificação de detalhes topográficos.

Caderneta de Campo: planilha utilizada em campo para anotar os dados coletados (distâncias, ângulos e informações).

Planta: representação gráfica de uma parte limitada da superfície terrestre, sobre um plano de referência horizontal, para fins específicos, na qual não se considera a curvatura da Terra. As escalas normalmente são grandes.

Carta ou Mapa: representação gráfica sobre uma superfície plana, dos detalhes físicos, naturais e artificiais, de parte ou toda a superfície terrestre. Esta representação leva em consideração a curvatura terrestre. As escalas normalmente são pequenas.

1.2 DIVISÃO

Planimetria: conjunto de métodos e técnicas que visam detalhar a superfície terrestre sobre um plano horizontal de referência. Trata apenas das distâncias horizontais e ângulos horizontais.

Altimetria: conjunto de métodos e técnicas que visam detalhar a superfície terrestre sobre um plano vertical de referência.

Planialtimetria: conjunto de métodos e técnicas que visam detalhar a superfície terrestre sobre um plano horizontal de referência com dados referenciados a um plano vertical de referência.

Topologia: é a parte da topografia que estuda as formas do relevo. Ela estuda as formas exteriores da superfície terrestre no sentido planialtimétrico.

Topometria: conjunto dos métodos empregados para colher os dados necessários para o traçado da planta. Subdivide em: Planimetria e Altimetria.

PAGE 17

Planimetria é a representação em projeção horizontal dos detalhes existentes na superfície. As medidas, tanto lineares como angulares, são efetuadas em planos horizontais, obtendo-se ângulos azimutais e distâncias horizontais.

Altimetria: determina as cotas ou distâncias verticais de um certo número de pontos referidos ao plano horizontal de projeção. As medidas são efetuadas na vertical ou num plano vertical, obtendo-se as distâncias verticais ou diferenças de nível

Topologia: complemento indispensável da topometria, tem por objeto de estudo as formas exteriores da superfície terrestre e as leis a que deve obedecer seu modelado. Sua aplicação principal é na representação cartográfica do terreno pelas curvas de nível.

Taqueometria: tem por finalidade o levantamento de pontos do terreno, pela resolução de triângulos retângulos aptos a representá-los, tanto plani como altimetricamente, ou, dando origem a plantas cotadas ou com curvas de nível (Planialtimétricas).

Fotogrametria: utiliza medidas feitas em fotografias orientadas (fotogramas) para definir a forma e as dimensões dos objetos nelas contidos.

Desenho topográfico: constitui a representação em escala reduzida, por meio de sinais convencionais (Convenções topográficas), da forma do terreno levantado. Segundo a escala, grau de precisão, detalhes e amplitude, tal desenho denomina-se esboço, planta ou mapa topográfico, carta geodésica, geográfica ou corográfica. As plantas topográficas devem ser sempre acompanhadas das cadernetas de campo, planilha dos cálculos e memoriais descritivos.

2 PLANIMETRIA

2.1 MEDIÇÃO DE DISTÂNCIAS

Na Topografia, a distância D entre dois pontos A e B será sempre a distância horizontal entre eles, mesmo que o terreno seja inclinado.

PAGE 17

Se o trecho a ser medido não for plano, não permitindo medida direta de A até B, procede-se da mesma forma, porém em segmentos sucessivos, obtendo-se a distância horizontal D, pela soma dos valores das distâncias horizontais desses segmentos sucessivos.

2.2 MEDIÇÃO DIRETA DE DISTÂNCIAS

O processo de medida de distância é direto, quando se percorre a grandeza em questão, comparando-a com uma grandeza padrão.

Os padrões de medida direta são denominados diastímetros.

Tipos de diastímetros flexiveis:

Trena: fitas de aço ou lona geralmente usadas nos trabalhos de engenharia e arquitetura. Comprimento: 1m, 3m, 5m, 10m, 20m, 50m Precisão: 1cm em 100m (média precisão).

Diastimetros rígidos: metro, duplo metro, régua, etc.

Existe uma série de acessórios utilizados na medida direta de distância:

Baliza: vara de ferro ou madeira, de 2m de comprimento, pintada geralmente de branco e vermelho, para que sejam vistas com facilidade a distância. Tem a função de facilitar a localização dos pontos do terreno.

Piquetes e estacas: peças de madeira que são cravadas no terreno para a determinação dos pontos visados.

Fio de prumo: constituído por um fio que sustém na extremidade inferior um peso de forma cônica, destinado a determinar a direção da vertical, no ponto considerado.

Nível de mangueira: constituído de uma mangueira d'água transparente, onde o nível da água nas duas extremidades permite a determinação de pontos com o mesmo nível em posições relativamente afastadas.

2.3 ERROS

Nas medições com fitas deve-se ter conhecimento das causas da ocorrência de erros, e da influência que esses erros podem causar na medida da grandeza.

Erros grosseiros:

Erros sistemáticos:

PAGE 17

2.4 MEDIDA INDIRETA DE DISTÂNCIA

O processo de medida é indireto quando a distância é calculada em função da medida de outras grandezas, não havendo, portanto, necessidade de percorrer a distância para compará-la com a grandeza padrão.

Na estadimetria, a distância é geralmente obtida através de um triângulo retângulo ou um triângulo isósceles, utilizando-se semelhança de triângulos (teorema de Tales).

Sendo d e ab constantes, w também é constante.

5. TAQUEOMETRIA

A taqueometria compreende uma série de operações que constituem um processo rápido e econômico para se obter o relevo de um terreno. Estuda os processos de levantamentos planimétricos realizados com o taqueômetro (teodolito e mira).

2.6 ÂNGULOS

2.6.1 AZIMUTES

Azimute é o ângulo formado entre uma direção do terreno e a direção norte-sul. O azimute varia de 0F 0 B 0 a 360F 0 B 0, com origem no norte e sentido NESW (direita).

O primeiro azimute é lido astronomicamente (com auxilio da bússola), os demais são calculados pela fórmula:

Az = azimute Ai = angulo interno n = número do vértice

F 0 2 B Ain F 0 D E caminhamento à direita - Ain F 0 D E caminhamento à esquerda

< soma-se 180F 0 B 0

PAGE 17

> subtrai-se 180F 0 B 0

Nos problemas topográficos, também é comum a medida do azimute em quadrantes (variando de 0F 0 B 0 a 90F 0 B 0), com origem no norte, nos sentidos NW e NE e, com origem no sul, nos sentidos SW e SE; nestes casos, o azimute recebe o nome particular de RUMO.

1º Quadrante (NE) - R = Az

2º Quadrante (SE) - R = 180F 0 B 0 - Az

3º Quadrante (NE) - R = Az - 180F 0 B 0

4º Quadrante (NE) - R = 360F 0 B 0 - Az

2.6.2 ANGULOS HORIZONTAIS

Dadas duas direções quaisquer, a medida angular horizontal entre elas é feita através da medida do ângulo diedro formado por dois planos verticais que contêm respectivamente as direções em questão.

= ângulo interno

Os terrenos normalmente são definidos por poligonais compostas de vértices, distâncias e ângulos internos.

Exercício: Calcular azimutes e rumos:

vértice angulo interno

azimute rumo

angulo quadrante

1 88.59 135.05

PAGE 17

2 111.87

3 34.00

4 235.11

5 70.43

total 540.00

Caminhamento à direita Podemos classificar as poligonais como:

Poligonais fechadas Poligonais apoiadas Poligonais abertas

2.6.3 ANGULOS VERTICAIS

O ângulo de inclinação (F 0 6 1), com origem no horizonte, varia de 0F 0 B 0 a 90F 0 B 0, positivamente para as retas ascendentes e negativamente para as retas descendentes.

PAGE 17

2.6.4 DISTÂNCIAS HORIZONTAIS

Os taqueômetros são teodolitos munidos de fios chamados estadimétricos e que, além da função de medir ângulos, podem efetuar medidas indiretas de distância.

A luneta dos taqueômetros é munida de um retículo, destinado á medida indireta de distância.

Os distanciômetros de luneta são constituídos por uma objetiva munida de tres fios estadimétricos a, m e b equidistantes e a ocular por onde o observador pode visualizar aqueles fios e uma régua graduada (mira).

f - distância local entre pínulas (constante do aparelho) ab - espaçamento entre dois fios estadimétricos extremos (constante do aparelho)

Para medir uma distância com o teodolito, coloca-se o teodolito num dos extremos e a mira no outro, em posição vertical; observando-se o intervalo abrangido na mira pelos raios visuais que passam pelos fios estadimétricos extremos, calcula-se a distância D:

mas,

logo (1)

Como ω é muito pequeno, geralmente da ordem de 35º, podemos considerar MB'B = 90º, de onde se conclui que:

substituindo-se em (1) temos:

mas, , temos que:

como f e ab são constantes, podemos escrever f/ab = K onde K é uma constante da estadia, geralmente com valor 100.

Fazendo-se AB = G (número gerador) temos:

PAGE 17

D = distância G = número gerador (leitura fio superior - leitura fio inferior)

F 0 6 1 = ângulo vertical

7. DISTÂNCIAS VERTICAIS OU DIFERENÇA DE NÍVEL

N = distância vertical ou diferença de nível h = altura do aparelho G = número gerador (leitura fio superior - leitura fio inferior)

F 0 6 1 = ângulo vertical M = leitura do fio médio

Exercício:

Calcular distâncias horizontais e verticais:

estação ponto visado

altura do aparelho angulo vertical

retículo superior

retículo médio

reticulo inferior

distância horizontal distância vertical

1 2

1.47 4.754 2.33 1.84 0.99

2 3

1.50 4.400 2.52 1.76 1.52

PAGE 17

3 4

1.48 -7.550 1.98 1.49 0.98

4 5

1.51 4,600 1.70 1.35 0.70

5 1

1.46 -5,390 1.80 1.22 1.17

2.8 CADERNETA DE CAMPO

LEVANTAMENTO TAQUEOMÉTRICO DE : .................................................................................

DADOS DE CAMPO ESTAÇÀO PONTO

VISADO ALTURA INSTR.

ÂNGULOS HORIZONTAIS

ÂNGULOS VERTICAIS

LEITURAS NA MIRA CROQUIS E OBSERVAÇÕESs m i

A B 1.43 0,000F 0B 0 +3,645F 0B 0 3.12 2.54 1.96 Azf = 92,500F 0B 0 1 102,376F 0B 0 +6,365F 0B 0 1.53 1.36 1.19 2 165,975F 0B 0 -2,870F 0B 0 3.27 1.64 1.00 3 253,164F 0B 0 -2,239F 0B 0 3.89 2.455 1.02

B 4 1.52 47,584F 0B 0 -7,763F 0B 0 2.37 1.465 0.56 5 127,385F 0B 0 +0,087F 0B 0 2.58 2.02 1.46

5 6 1.48 34,986F 0B 0 +1,851F 0B 0 3.12 2.06 1.00 6 7 1.51 158,604F 0B 0 -3,098F 0B 0 2.14 1.685 1.23

9. MEDIDA ELETRONICA DE DISTÂNCIA

Os distanciômetros eletrônicos DME medem a distância usando como padrão de medida o comprimento de onda do espectro eletromagnético, de valor rigorosamente conhecido, nas gamas de luz ou microondas.

PAGE 17

A distância é conhecida pela comparação de fase entre uma "amostra" da onda emitida, com a fase da onda recebida, após ter ela percorrido a distância a ser medida e refletida de volta ou retransmitida no ponto de retorno.

Os DME são constituídos de: - gerador de luz ou microondas que produz a onda portadora; - oscilador que gera frequência precisa e estável, necessária à modulação da onda portadora; - modulador para transformar a onda portadora em onda modulada (ampliação de zero até um

máximo) no mesmo ritmo da frequência gerada pelo oscilador; - emissor do feixe de ondas moduladas; - receptor de ondas e amplificador; - comparador de fase das ondas emitidas e recebidas e - dispositivo de leitura de fase ou da distância

A = F 0 6 C' / 2

B = F 0 6 C / 2

C = Ke

sendo:

F 0 6 6 = diferença de fase entre a onda recebida e a emitida;

F 0 6 C = comprimento da onda modulada;

N = número inteiro de meias ondas.

PAGE 17

3 AVALIAÇÃO DE ÁREAS

Podemos classificar os processos topográficos de avaliação de áreas em três tipos: geométrico, analítico e mecânico.

3.1 PROCESSOS GEOMÉTRICOS

3.1.1 DECOMPOSIÇÃO DO POLÍGONO EM FIGURAS GEOMÉTRICAS SIMPLES

Seja o polígono ABCDEFG; para efeito de avaliação de sua área, foi decomposto em três triângulos e um trapézio.

3.1.2 REDUÇÃO OU QUIVALÊNCIA GEOMÉTRICA

Consiste o processo na transformação da superfície de um polígono qualquer na de um triângulo da mesma área, utilizando-se construções gráficas.

3.1.3 PROCESSOS PARA AVALIAÇÃO DAS ÁREAS EXTRAPOLIGONAIS

Seja a área extrapoligonal ABPQ, que se deseja avaliar.

3.2 MÉTODO ANALÍTICO (DUPLA DISTÂNCIA MERIDIANA)

Seja a poligonal cujos vértices são: 1(x1,y1); 2(x2,y2); 3(x3,y3); 4(x4,y4) e 5(x5,y5).

L= distância meridiana Multiplicando p/ 2:

PAGE 17

Para calcularmos a área interna à poligonal 12345 podemos considerar os triângulos e trapézios formados por cada lado da poligonal, com pontos correspondentes às abcissas dos respectivos vértices.

Exercício: Calcular a área do terreno:

x y

2Ln 2Ln x y

1 68.80 70.30

2 138.20 62.70

3 95.40 18.10

4 30.70 67.20

5 80.90 77.70

Área:

PAGE 17

3.3 PLANILHA DE CÁLCULO ANALÍTICO

3.3.1 DADOS DE CAMPO E DE ESCRITÓRIO

Vé rtic es

Estacas ELEMENTOS ANGULARES Distâncias medidas

Funções angulares dos rumos

Ângulos internos Azimutes Rumos ® sen cos

Lidos Compensados ângulos Q

a b c d e f g h i j

1 45+ 9.35 59F 0 B 019' 25 " 59F 0 B 019' 25 " 81F 0 B 000' 00 " 81F 0 B 000' 00 " NE 439.20 0.98766 0.15643 2 8+ 39.20 211F 0 B 049' 00 " 211F 0 B 048' 55 " 112F 0 B 048' 45 " 67F 0 B 011' 15 " SE 219.80 0.92178 0.38772 3 13+ 9.00 74F 0 B 042' 45 " 74F 0 B 042' 35 " 7F 0 B 031' 20 " 7F 0 B 031' 20 " NE 351.10 0.13091 0.99140 4 20+10.10 198F 0 B 011' 15 " 198F 0 B 010' 55 " 25F 0 B 042' 15 " 25F 0 B 042' 15 " NE 192.75 0.43373 0.90105 5 24+ 2.85 60F 0 B 050' 00 " 60F 0 B 049' 50 " 266F 0 B 032' 05 " 86F 0 B 032' 05 " SW 303.80 0.99817 0.06045 6 30+ 6.65 169F 0 B 049' 15 " 169F 0 B 049' 20 " 256F 0 B 021' 25 " 76F 0 B 021' 25 " SW 305.90 0.97178 0.23587 7 36+12.55 125F 0 B 019' 15 " 125F 0 B 019' 15 " 201F 0 B 040' 35 " 21F 0 B 040' 35 " SW 446.80 0.36937 0.92929

SOMAS 900F 0 B 001' 15 " 900F 0 B 000' 00 " 2 259.35 Verifica-

ções Erro angular total: F 0 6 5t = + 1' 15" Erro por ângulo: F 0 6 5 = F 0 6 5t/n = + 75"/7 = + 10" 7

( F 0 E 5l )

Distribuição prática F 0 E D l F 0 3 E 400m - 2 x 5F 0 B 0 l F 0 3 E 300m - 3 x 10F 0 B 0 = 75" l F 0 3 E 200m - 1 x 15F 0 B 0 lF 0 3 C 200m - 1 x 20F 0 B 0

a) Vértices ou estações do instrumento.

b) O estaqueamento dos alinhamentos, sempre que houver levantamento altimétrico, será de 20, 25 ou de 50 em 50 m.

c/d) A soma dosângulos internos é verificada por:

n = número de vértices F 0 6 5t = F 0 6 5 F 0 D 6 n

F 0 6 5t = erro total F 0 6 5 = menor aproximação do teodolito

e) Azimutes: pag. 7;

f/g) Rumos: pag. 8;

h) Distâncias: distâncias medidas no terreno (l) Sl = perímetro

i/j) Linhas trigonométrica: funções naturais de ângulos

3.3.2 PROJEÇÕES NATURAIS E COMPENSADAS

PROJEÇÕES NATURAIS Correções PROJEÇÕES COMPENSADAS Sobre o eixo X Sobre o eixo Y

( x'= l . sen R ) ( y'= l . cos R ) Cx Cy Eixo X (x) Eixo Y (y) E+ W- N+ S- E+; W- N+; S-

k l m n o q r s

433.793 68.704 + 81 - 94 + 433.712 + 68.798 202.608 85.221 + 42 - 47 + 202.566 - 85.174 45.963 348.081 + 65 - 76 + 45.898 + 348.157 83.601 173.677 + 36 - 40 + 83.565 + 173.717

306.244 18.365 + 56 - 65 - 303.300 - 18.300 297.268 72.153 + 57 - 66 - 297.325 - 72.087 165.034 415.207 + 82 - 96 - 165.116 - 415.111

PAGE 17

765.965 765.546 590.462 590.946 + 419 - 484 F 0 B 1 765.741 F 0 B 1 590.672 765.546 590.462 (F 0 E 5x) (F 0 E 5y) F 0 E 5(x) = 0 F 0 E 5(y) = 0

+ 0.419 (F 0 E 5x) - 0.484 (F 0 E 5y) e' = x/F 0 E 5l = 0.00019 m; e" = y/F 0 E 5l = 0.00021 m

k/l/n/m) Projeções naturais: Se as medidas forem rigorosamente exatas, a soma das projeções E, seria igual a das projeções W e

F 0 E 5(F 0 B 1x) = 0; e, também, F 0 E 5(F 0 B 1y) = 0

Na prática, F 0 E 5x = F 0 B 1 F 0 4 4x e F 0 E 5y = F 0 B 1 F 0 4 4y e o erro de fechamento do perímetro é dado por o/q) Correções:

r/s) Projeções compensadas: (F 0 B 1x) = (F 0 B 1x') - (F 0 B 1Cx) e (F 0 B 1y) = (F 0 B 1y') - (F 0 B 1Cy)

3.3.3 COORDENADAS E ÁREA

COODENADAS SOMA DAS DUPLAS ÁREAS Abscissas Ordenadas

Abscissas Ordenadas F 0 E 5X F 0 E 5Y F 0 E 5X.y F 0 E 5Y.x X Y (Xn+X n+1) (Yn+Yn+1) A somar (+) A subtrair (-) t u v x y z

000.000 000.000 + 433.712 + 68.798 + 29 838.518 176 + 29 838.518 176 + 433.712 + 68.798 + 1 069.990 + 54.422 - 91 135.328 260 + 10 618.914 852 + 636.278 - 16.376 + 1 318.454 + 315.405 + 459 028.989 278 + 14 476.458 690 + 682.176 + 331.781 + 1 447.917 + 837.279 + 251 527.797 489 + 69 9767.219 635 + 765.741 + 505.498 + 1 228.182 + 992.696 - 22 475.730 600 - 301 084.696 800 + 462.441 + 487.198 + 627.557 + 902.309 - 45 238.701 459 - 268 279.023 425 + 165.116 + 415.111 + 165.116 + 415.111 - 68 541.467 876 - 68 541.467 876

+ 3 145.464 + 1 792.010 + 6 290.928 + 3 584.020 + 740 395.304 943 + 124 901.111 353 x 2 x 2 - 227 391.228 195 - 637 905.188 101

+ 6 290.928 + 3 584.020 + 513 004.076 748 - 513 004.076 748

Área = 513 004.076 748 = 256 502,04 m2

2 Área = 25,6502 Ha

t/u) Coordenadas: As primeiras coordenadas são iguais a zero, as coordenadas dos segundos vértices são iguais as projeções do primeiro alinhamento. As coordenadas do terceiro, quarto, etc. vértices são iguais a dos vértices anteriores, somadas algebricamente às projeções dos segundos, terceiros, etc. As ultimas coordenadas são iguais as primeiras projeções com sinal contrário.

v/x) Somatória de coordenadas: a primeira somatória é igual à soma das primeiras e segundas coordenadas, a segunda somatória é igual à soma das segundas e terceiras coordenadas, a ultima somatória é igual à ultima coordenada.

y/z) Duplas áreas: somatórias x projeções ( F 0 E 5X . y ) ou ( F 0 E 5Y . x ) A verificação é feita determinando a somatória de Y e área dupla de Y.

Área:

Exercício: Calcular á área do terreno:

Azimute fundamental = PAGE 17

Caminhamento à direita

vértices Ângulos internos

distancias

1 59,324 439.20

2 211,817 219.80

3 74,713 351.10

4 198,188 192.75

5 60,833 303.80

6 169,821 305.90

7 125,321 446.80

4 ALTIMETRIA

A altimetria tem por fim a medida da distância vertical ou diferença de nível entre diversos pontos.

Dá-se o nome de nivelamento á determinação do relevo de um terreno, obtendo-se, através de processos específicos, as altitudes (referidas à superfície média dos mares), as cotas (referem a uma superfície de nível fictícia, situada acima ou abaixo das superfície dos mares) ou as diferenças de altitudes ou de cotas, dos diversos pontos desse terreno.

A diferença de nível pode ser determinada por três processos: nivelamento geométrico nivelamento trigonométrico

PAGE 17

nivelamento barométrico

4.1 NIVELAMENTO GEOMÉTRICO

4.1.1 APARELHOS DE NIVELAMENTO

• Nível - para determinar um plano horizontal

• Mira - para medida das linhas retas verticais

• Nível de pedreiro

• Nível d'água (mangueira)

4.1.2 NIVELAMENTO SIMPLES

4.1.3 NIVELAMENTO COMPOSTO

4.2 NIVELAMENTO TRIGONOMÉTRICO

Este método baseia-se na resolução de um triângulo retângulo ABC, conhecendo a base AB = D e o ângulo de inclinação F 0 6 1.

PAGE 17

F 0 6 1

4.2.1 VISANDO UM PONTO DA MIRA COLOCADA À MESMA ALTURA ACIMA DO SOLO

F 0 6 1

4.2.2 VISANDO UM PONTO QUALQUER NA MIRA

F 0 6 1

4.2.3 CADERNETA PARA NIVELAMENTO TRIGONOMÉTRICO

ESTAÇÃO PONTO VISADO

DISTÂNCIAS ÂNGULOS VERTICAIS

LEITURA MIRA

ALTURA INSTR.

DIFERENÇA DE NÍVEL

COTAS

A 1 47,30m 8F 0 B 0 30" solo 1,43m + 8,50m 8,50m 2 73,10 10F 0 B 0 26" 1,87 1,27 + 12,86 21,36 3 23,80 -5F 0 B 0 18" solo 1,18 - 1,03 20,33 4 52,90 7F 0 B 0 21" 2,02 1,15 + 5,98 26,31

4.3 NIVELAMENTO BAROMÉTRICO

O nivelamento barométrico é baseado na relação que existe entre altitude e pressão atmosférica.

PAGE 17

5 ESTUDO DA PLANTA TOPOGRÁFICA

Existem vários métodos para a representação do relevo de um terreno, sendo de uso corrente o método das curvas de nível, que consiste em seccionar o terreno por um conjunto de planos horizontais equidistantes, que interceptam a superfície do local, determinando linhas fechadas que recebem o nome de "curvas de nível".

Para maior facilidade de leitura, representamos com traços mais fortes as curvas mestras que são, geralmente de 5 ou de 10 metros.

A união de pontos notáveis da mesma categoria dá origem às linhas notáveis, que se classificam em:

a) linhas de cumiada, de espigão ou divisórias de água: são as linhas formadas pela sucessão de pontos notáveis mais altos.

As águas das chuvas que caem sobre uma linha de cumiada se dividem, caindo uma parte em cada uma das superfícies laterais, chamadas vertentes das águas.

b) linhas de talvegue: são as linhas formadas pela sucessão dos pontos notáveis mais baixos. Ao longo das linhas de talvegue se reúnem as águas das vertentes, formando os cursos d'água.

5.1 DENOMINAÇÕES E DEFINIÇÕES TOPOLÓGICAS DE ALGUMAS FORMAS DO TERRENO

Cordilheira: cadeia de montanhas de grandes altitudes. Contraforte: montanha alongada que se destaca da cordilheira, formando uma cadeia de

segunda ordem. Espigão: contraforte secundário. Serra: cadeia de montanhas de forma alongada, cuja parte elevada aparenta dentes de

serra. Montanha: grande elevação de terra, de altura superior a 400m. Vértice ou cimo: ponto culminante da montanha; pode ser arredondado (pico) ou pontia-

gudo (agulha). Maciço: conjunto de montanhas agrupadas em torno de um ponto culminante. Morro: pequena elevação. PAGE 17

Colina: pequena elevação, de 200m a 400m de altura, com declives pouco pronunciados. Planaltos: superfícies regulares, mais ou menos extensas, situadas a grande altitude. Planícies: superfícies regulares, mais ou menos extensas, situadas a pequena altitude. Vertentes: superfícies inclinadas que vem do cimo até a base das montanhas. Dorso ou divisor de águas: superfícies convexa formada pelo encontro de duas vertentes. Vale: superfícies côncava formada pelo conjunto de duas vertentes opostas; os vales po- dem ter fundo côncavo, fundo de ravina ou fundo chato. Garganta ou selado: lugar do terreno onde a superfície sobe para dois lados opostos e desce para outros dois lados opostos; a garganta é o ponto mais baixo de um divisor de águas e o ponto mais alto dos dois talvegues que aí nascem. Se a profundidade for muito grande recebe o nome de canion.

2. CURVAS DE NÍVEL

É a interseção da superfície do solo com um plano horizontal de cota conhecida e relacionada a um referencial básico, “RN”, chamado referência de nível.

A COTA é um valor relativo podendo ser positiva, quando corresponde a um valor situado acima do plano referencial básico, RN, e negativa, quando situada abaixo dele. O lugar geométrico dos pontos da mesma cota é um plano paralelo ou plano de comparação, que se denomina plano de nível.

• As curvas de nível espaçadas significam uma inclinação mais suave. • Quando excessivamente espaçadas indicam terreno quase plano. • Com pouco espaçamento indicam maiores inclinações. • As curvas de nível não se cruzam. • As curvas de nível formam linhas fechadas em torno das elevações e depressões.

Por meio destas curvas, podemos representar com precisão o relevo do solo de qualquer terreno e, levantar todos os dados que interessam.

NOTAS

• As curvas de nível espaçadas significam uma inclinação mais suave.

• Quando excessivamente espaçadas indicam terreno quase plano.

• Com pouco espaçamento indicam maiores inclinações.

• As curvas de nível não se cruzam.

• As curvas de nível formam linhas fechadas em torno das elevações e depressões.

PAGE 17

• Os cortes no terreno, para fins de implantação e estudo preliminar, são feitos no sentido perpendicular às curvas de nível. Tais cortes, geralmente, são em número de dois.

NOTA

• Quando a elevação é pequena , procura-se locar em posição que não haja muito movimento de terra para não onerar a obra.

5.2.1 DIVISÃO DO SEGMENTO EM PARTES PROPORCIONAIS

Sejam A e B dois pontos da planta de cotas 25,30m e 31,75m. Marca-se sobre a planta, a partir de A, um segmento que forme um ângulo qualquer em relação

a AB; sobre esse novo segmento marcam-se, numa escala qualquer, pontos graduados de números inteiros a partir do valor da cota do ponto A(25,30), terminado no ponto P correspondente ao valor da cota B(31,75).

5.2.2 PERFIL DE UMA SEÇÃO DO TERRENO

Perfil de uma seção do terreno é o desenho do relevo esse terreno, ao longo da seção, que é representada na planta por uma linha (reta, quebrada, curva, etc.).

3.. PLATAFORMAS

As plataformas são obras projetadas e executadas com a finalidade de tornar plana a superfície irregular de um terreno; elas tanto podem ser horizontais como inclinadas.

Com relação ao tipo de movimento de terra utilizado, podem ser classificadas em:

a) Plataformas em corte

b) Plataformas em aterro

c) Plataforma em corte e aterro ou mista

PAGE 17

5.2.4. TERRENO MODIFICADO PELA IMPLANTAÇÃO DA PLATAFORMA

6 TERRAPLENAGEM

6.1 CÁLCULO DE COTA FINAL PELA MÉDIA PONDERADA.

Obs.: os valores nos vértices dos quadrados são as cotas, em metros.

PAGE 17

1.. CÁLCULO DA COTA FINAL DO PLANO HORIZONTAL QUE RESULTE EM VOLUMES DE CORTE E ATERRO IGUAIS.

x2x1

x3 x4

a) p = 1 p = 2 p = 3 p = 4 246.4 = 7.7 m 5.2 5.9 8.2 7.0 32 7.0 6.8 8.6 7.6 8.4 9.3 16.8 14.6 a) cota final que resulta em 9.0 8.2 x3 x4 12.7 7.1 50.4 58.4 Vc = Va = 7.7 m 7.7 6.5 50.0 43.8 50.0

x2 87.6 87.6 50.4

58.4 246.4

b)

6.2 CÁLCULO DE VOLUMES

5,2 -2,5 -2,5 -1,2 -0,6 14,6 0,0 6,5 -1,2 -37,0 -18,0 -4,4 7,1 -0,6 0,0 7,7 0,0 -620,0 -260,0 -43,9 40,0

5,9 -1,8 -1,8 -0,7 -0,1 0,5 7,0 -0,7 -25,0 -8,0 4,0 7,6 -0,1 -310,9 -20,0 250,0 8,2 0,5 8,1 105,0 -0,9 13,5 0,5 0,9 1,6

6,8 -0,9 -6,1 14,0 25,0 PAGE 17

8,2 0,5 1,6 8,6 0,9 -87,2 880,0 9,3 1,6 59,9 -0,7 7,5 0,7 1,3 5,0

7,0 -0,7 -2,6 63,0 8,4 0,7 4,4 9,0 1,3

12,7 5,0 -620,0 40,0 -260,0 8,1 -43,9 105,0 -310,9 250,0 -20,0 59,9 -87,2 0,0 880,0

ATERRO CORTE -1342,0 m3 1342,9 m3 0,9

A inclinação dos planos de contenção depende do ângulo de atrito do material do solo, no estado de agregação em que se encontra; o ângulo de atrito (F 0 6 A) é o maior ângulo no qual o cone de atrito desse solo é estável.

F 0 6 A

A interseção entre um talude de corte e o terreno original recebe o nome de linha de off-set de corte; a interseção entre uma saia de aterro e o terreno original recebe o nome de linha de off-set de aterro.

Exercício:

• Traçar curvas de nível de 1 em 1 m. • Calcular cota de compensação. • Traçar perfis 1-2, 6-3, 5-4 • Calcular volumes de corte e aterro.

PAGE 17

Exercício:

• Calcular cota de compensação • Calcular volumes de corte • Calcular volumes de aterro

est pv D N X Y Cotas 1 2 14.39 -2.17 0.00 0.00 2 3 11.97 -3.70 14.39 0.00 3 4 4.73 0.34 14.39 11.97 4 5 5.00 -0.47 10.00 10.00 5 6 10.22 3.72 10.00 15.00 6 7 5.36 0.96 0.00 13.20 7 1 7.84 1.32 0.00 7.84

SEÇÕES TRANSVERSAIS

PAGE 17

A-A 100

99

98

97

96

95

94

93

92

91

B-B 100

99

98

97

96

95

94

93

92

91

C-C 100

99

98

97

96

95

94

93

92

91

D-D 100

99

98

97

96

95

94

93

92

91

CÁLCULO DE COTA DE COMPENSAÇÃO x1 x2 x3 x4

PAGE 17

7 EQUIPAMENTOS DE MEDIÇÃO, UNIDADES DE MEDIDAS E ESCALAS

7.1 EQUIPAMENTOS DE MEDIÇÃO ANGULAR

Teodolito: Equipamento utilizado para medir ângulos horizontais e verticais com precisão. Os teodolitos atuais são todos eletrônicos, mas ainda é muito comum os teodolitos ótico-mecânico.

Estação Total: Assim como o teodolito, a estação total também mede ângulos horizontais e verticais. O que as difere dos teodolitos, é que elas também medem distâncias. Todas as estações totais são eletrônicas e possibilitam o armazenamento automático das informações.

7.2 GENERALIDADES A unidade que mais representa um espaço a ser ocupado, é sem dúvida as medidas de área

(duas dimensões). De acordo com a ABNT, a medida padrão utilizada em topografia, é o metro quadrado (m2).

7.3 UNIDADES DE SUPERFÍCIE Ainda hoje se utilizam alguns tipos de áreas para facilitar a leitura e dimensão. Qualquer unidade

linear elevada ao quadrado, pode virar também unidade de área. Uma outra unidade que se utiliza é o hectare (ha), que é igual a 10000m2. Para a conversão de outras unidades, poderemos utilizar a tabela a seguir:

7.4 UNIDADES DE MEDIDAS

Lineares m (metro)

Superficiais m2 (metro quadrado) Ha (hectare - 10.000 m2)

Angulares º (graus)

7.5 ESCALAS USADAS EM TOPOGRAFIA

Escala - Relação entre duas dimensões

MD = E. MO

MD = Medida no desenho MO = Medida no terreno E = Escala

Principais escalas para plantas e cartas topográficas PAGE 17

ESCALA EQUIVALÊNCIA

Emprego1 Km (terreno)

1 cm (desenho)

Desenho Terreno 1/100 1/200 1/250

10 m 5 m 4 m

1 m 2 m

2,50 m Detalhe de edifícios; terraplenagem, etc

1/500 1/1 000 1/2 000

2 m 1 m

0,50 m

5 m 10 m 20 m

Planta de uma fazenda; Planta de uma vila; Planta de uma cadastral

1/5 000 1/10 000

0,20 m 0,10 m

50 m 100 m

Planta pequena cidade; Planta grande propriedade

1/50 000 1/100 000 1/200 000

0,02 m 0,01 m

0,005 m

500 m 1 000 m 2 000 m

Carta de diversos países e Estados; Cartas (grande país) Cartas aeronáuticas

1/500 000 0,002 m 5 000 m Carta reduzida (grande país) 1/1 000 000 0,001 m 10 000 m Carta internacional do mundo

7.6 SISTEMAS DE UNIDADES

Assim como a medida linear, temos várias unidades angulares. As unidades angulares são de acordo com a divisão de um círculo.

Grau: Um círculo dividido, a partir de seu centro, em 360 partes. Cada parte desta, é chamada de grau. Cada grau por sua vez, é dividido em 60 partes, chamada de minuto. Cada minuto é divido em mais 60 partes, chamada de segundo, e cada segundo assume as divisões decimais. Este sistema é chamado de Sexagesimal.

Grado: Um círculo dividido, a partir de seu centro, em 400 partes. Cada parte desta, é chamada de grado. Cada grado segue a divisão decimal. Este sistema é chamado de Centesimal.

Radiano: Um radiano é representado pelo ângulo formado quando o valor do comprimento do arco da circunferência é igual ao seu raio. Uma circunferência total, possui 2F 0 7 0 radianos.

7.7 PROCEDIMENTOS PARA ESTACIONAR EQUIPAMENTOS TOPOGRÁFICOS COM PRUMO ÓTICO

1. Posicione o tripé do instrumento aproximadamente na vertical do ponto topográfico. Se a superfície topográfica for irregular, posicione apenas uma perna na parte mais alta e utilize o fio de prumo para auxiliar na detecção da vertical. Procure adaptar a altura do tripé para a sua altura, não deixando de considerar a irregularidade da superfície e nem a altura do instrumento. Aproveite este momento para deixar a mesa do tripé aproximadamente nivelada e crave uma das pernas no solo (de preferência a que estiver na parte mais alta do terreno).

2. Retire o instrumento de seu estojo conforme o item 4 do manual “CUIDADOS COM EQUIPAMENTOS TOPOGRÁFICOS” e coloque-o sobre o tripé conforme o item 5 do referido manual. Posicione os três calantes numa mesma altura (de preferência num ponto intermediário do recurso total do calante). Normalmente os instrumentos possuem marcas fiduciais como anéis pintados ou parafusos de fixação de seu eixo que podem servir de referência.

3. Posicione a marca central do prumo ótico sobre o ponto topográfico utilizando as duas pernas do tripé que ainda não estão cravadas. Quando a marca estiver perfeitamente sobre o ponto topográfico, crave as pernas soltas e inicie o nivelamento da bolha circular utilizando as três pernas. Preste muita atenção na direção formada pela bolha e o círculo. Esta direção irá definir com qual perna você deverá subir ou abaixar a mesa.

PAGE 17

Conforme as ilustrações ao lado, a perna que deverá baixar a mesa é a perna 1, pois a bolha circular está na sua direção para o seu lado.

vista superior da bolha circular vista superior do tripé

4. Com a bolha perfeitamente dentro do círculo (automaticamente a mesa estará nivelada, pois os calantes estão numa mesma altura), verifique se a marca central do prumo ótico saiu da vertical do ponto. Caso tenha saído afrouxe o instrumento do tripé e posicione novamente a marca sobre o ponto topográfico.

5. Inicie então o nivelamento da bolha tubular utilizando o “Método dos Três Calantes” ou o “Método do Calante Perpendicular”(ambos descrito a seguir). Independente de qual método você optar, deverá ser feito duas vezes. Após feito, verifique se a marca central do prumo ótico saiu do ponto. Caso tenha saído volte ao passo 4.

Método dos Três Calantes: Deixe a bolha tubular paralela aos calantes 1-2 e nivele-a utilizando somente estes dois calantes. O movimento dos calantes deverão ser sempre em sentidos opostos (quando um for girado no sentido horário o outro deverá ser girado no anti-horário). Em seguida posicione a bolha tubular paralela aos calantes 2-3 e use estes calantes para nivelar a bolha. Não esqueça que os calantes devem giram em sentidos opostos. Finalmente deixe a bolha paralela aos calantes 3-1 e nivele-a também.

Método do Calante Perpendicular: Deixe a bolha paralela aos calantes 1-2 e nivele-a utilizando somente estes dois calantes. O movimento dos calantes deverão ser sempre em sentidos opostos (quando um for girado no sentido horário o outro deverá ser girado no anti-horário). Em seguida posicione a bolha tubular perpendicular aos calantes 1-2 e use somente o calante 3 para nivelar a bolha.

Movimento do calantes

8 AEROFOTOGRAMETRIA

8.1 EXECUÇÃO DAS FOTOS AÉREAS

8.1.1 CÂMARA FOTOGRÁFICA

• Nivelamento em vôo (parafusos).

• Série de fotos numeradas.

PAGE 17

• Correção do eixo longitudinal da câmera em relação à linha de vôo (devido a ventos de través)

2.. CONDIÇÕES ATMOSFÉRICAS

Principal característica do “dia aerofotogramétrico”: boa visibilidade.

3.. POSIÇÃO DO SOL

Sombras excessivas: promovem perda de nitidez (ideal: 9:30 hs às 15:00 hs).

Pouca sombra: acarreta perda do contraste entre os objetos.

4.. ERROS E DISTORÇÕES:

• Linha de vôo não retilínea devido a movimentações verticais e horizontais.

• Desnivelamento da aeronave e da câmera.

• Distorções devidas ao relevo.

1. RECOBRIMENTO DA ÁREA

Promove o aparecimento de pontos comuns em fotos consecutivas ou laterais.

Recobrimento longitudinal: necessário para permitir a observação de um par estéreofotogramétrico e para amarração.

Recobrimento lateral: para amarrar as sequências fotográficas.

PAGE 17

A : afastamento das linhas de vôo.

B : base (distância entre verticais da foto)

L : dimensão da área abrangida pela foto (quadrado)

8.3 MAPA-ÍNDICE E FOTO-ÍNDICE

Permitem a observação da área através das fotos e reconhecer a posição de cada foto na área levantada.

Deve-se observar as bandas das fotos na posição invertida e os reconhecimentos.

PAGE 17

9 CADASTRO IMOBILIÁRIO E REGISTROS PÚBLICOS

9.1 CADASTRO IMOBILIÁRIO MUNICIPAL

9.1.1 ESTRUTURA

Planta de Referência Cadastral, em escala 1: 5.000 / 1: 10.000 com codificação de quadras para amarração das Plantas de Quadra.

Planta de Valores de Terreno na mesma escala da Planta de Referência Cadastral, onde vem lançado o valor da terra, atualizado e aprovado por lei anualmente.

Planta de Equipamentos Urbanos, na mesma escala da Referência Cadastral, onde são lançados os elementos de infra estrutura que significam valor agregado aos terrenos. Em geral separam-se em três plantas: a de água e esgoto, a de luz, força e telefonia e a de esgoto pluvial, pavimentação, iluminação e edificação.

Planta de quadra em escala 1: 500 / 1: 1.000 onde estão lançados os lotes, as projeções das edificações, as medidas dos lotes, a numeração (emplacamento) da edificação e o nome da rua.

Boletim de Informações Cadastrais - BIC, onde vem indicado o nome e endereço do proprietário, a tipo de título de propriedade, as característica do lote, da edificação e dos equipamentos além de croquis do lote e da edificação.

9.1.2. FINALIDADE

A finalidade técnica da grande maioria dos cadastros é fiscal, ou seja, a cobrança do IPTU (Imposto Predial Territorial Urbano), do ISS (Imposto Sobre Serviços), do ITBI (Imposto de Transmissão de Bens Imóveis) e do ITR (Imposto Territorial Rural).

9.2. CADASTRO TÉCNICO MUNICIPAL

9.2.1. ESTRUTURA BÁSICA DO CADASTRO TÉCNICO MUNICIPAL

Carta topográfica em escala 1: 50.000 do IBGE, destinada a compreender o relevo geral do Município, sistema de drenagem geral, sistema viário básico e as relações desses elementos com os municípios vizinhos. PAGE 17

Carta topográfica 1: 10.000 ou 1: 5.000 dependendo da densidade de informações, como carta básica para a construção das demais cartas nessas escalas e para planejamento de bairro, macro planejamento de saneamento, redes elétricas, telefônicas, disposição de lixo, etc.,... e carta para cadastro fundiário rural.

Rede de referência Cadastral Municipal composta de rede de marcos materializando vértices planimétricos e Referências de nível que referenciarão os serviços de levantamentos topográficos e aerofotogramétricos.

Os vértices planimétricos deverão ser em densidade de 1 a cada 3 Km2 na área urbana e 1 a cada 16 Km2 a 1 a cada 50 Km2 na área rural dependendo da densidade de ocupação, Planta de Referência Cadastral, Planta Genérica de Valores e Plantas Indicativas de Equipamentos Urbanos, todos em escala 1: 5.000 ou 1: 10.000, dependendo da carta básica.

Planta Cadastral da Área Urbanizada em escala 1: 1.000, básica para a produção das plantas de quadras e par o cadastro de toda a infra estrutura como: rede de água, rede de esgotos sanitários, rede elétrica, de telefone, de esgoto pluvial, iluminação pública, arborização, controle das áreas de proteção ambiental e controle do sistema fundiário, inclusive do patrimônio público.

Planta de quadra em escala 1: 1.000.

Boletim de Informações Cadastrais - BIC que além de informções sobre o terreno e a edificação deve conter dados pedológicos, informações sócio-econômicas necessárias à decisões dos investimentos públicos.

Cadastro de Produtores.

Cadastro de Prestadores de Serviços.

Cadastro de Usuários de Serviços Públicos, quando de competência Municipal e em forma conveniada quando não.

Outros elementos dependendo de Município.

9.2.2. ALGUMAS POSSIBILIDADES DE UTILIZAÇÃO

Planejamento e controle do uso do solo.

Controle do parcelamento da terra.

Controle de novas edificações.

Controle e uso das edificações.

Planejamento Controle

Lançamento de impostos e taxas.

Controle da arrecadação e da cobrança da dívida.

Avaliação da política tributária.

Controle dos cadastros de infra-estrutura como subsídios a projetos .

Planejamento de obras públicas.

Planejamento e controle de: - serviços urbanos e equipamentos urbanos sociais - transporte, circulação, armazenagem - transporte coletivo - transporte e estacionamento

PAGE 17

- política urbana

Integração de atuação com os registros de imóveis.

9.2.3. ATUALIZAÇÃO

A atualização deve ser permanente, com o estabelecimento de procedimentos técnicos administrativos de intercâmbio de informações rotineiras dos atos administrativos que resultam em alterações nos imóveis cadastrados, tais como: venda do imóvel, pedidos de ligação de água, luz ou telefone, aprovação de construções, pedidos de licença de uso, etc.

9.3 ORIGEM DAS IMPRECISÕES RELATIVAS AO CONFRONTO ENTRE ÁREAS MAPEADAS DE PROPRIEDADES RURAIS E SEU TÍTULO DE DOMÍNIO

Pode-se considerar como fundamentais, para entender os problemas correntes, três fatores:

A forma como eram descritos os perímetros que deram origem aos primeiros registros de imóveis, contendo vários elementos de imprecisões;

A técnica frequentemente adotada para os levantamentos topográficos até períodos recentes;

A dificuldade para retificação de registros de imóveis.

9.3.1. DESCRIÇÕES ORIGINAIS IMPRECISAS

Exemplos:

a) “O braço de Pescaria tem uma légua de comprimento com outro tanto de quadra, compreendendo as divisões seguintes: para a parte de cima principia em um córrego seco ao correr da margem faz divisas em matas virgens, em largura divide-se em um cume de morro pertencente ao Braço da mesma Pescaria, à margem do Rio fica dividido com terras de Jerônimo Xavier Moura, tudo de acordo com registro Paroquial junto, feito no ano de 1856”.

Nome do Adquirente: Coronel Antônio Avelino Cunha. Nome do Transmitente: José Mendes de Lima.

b) “Aos dezenove de novembro de mil oitocentos e cinquenta e cinco nesta Freguesia de Iporanga, me foram apresentadas dois exemplares ambos do teor seguinte. Terras que possui Jerônimo Xavier Moura, nesta Freguesia de Iporanga: Eu Jerônimo Xavier Moura sou possuidor das terras seguintes nesta Freguesia: uma posse de terras lavradias no Bairro da Pescaria cujas medidas não conheço, mas julgo que terá umas mil e quinhentas braças de testada, confina com as terras de Salvador Henrique, indo desta Freguesia, e do Rio abaixo confina do Salto em um Córrego Seco e de fundo suponho ter três mil braças, estes terrenos foi por mim apossados em mil oitocentos e quarenta e nove”.

São elementos como estes, extraídos de processos reais, apenas para exemplificar, que se defronta no dia a dia em trabalhos de regularização fundiária, tanto no Estado de São Paulo, quanto em mais de 40 projetos analisados no Nordeste brasileiro.

9.3.2. TÉCNICAS ADOTADAS NOS LEVANTAMENTOS

Até recentemente, a técnica adotada para o levantamento Topográfico de glebas, era a de levantamento por poligonação medida com taqueômetro de leitura angular de 1 minuto sexagesimal e distâncias medidas em mira, com orientação em Norte Magnético, sem qualquer amarração à rede Geodésica brasileira.

Como consequência tem-se:

Erro transversal (angular) equivalente a 30 cm por quilômetro, considerado pequeno quando comparado a erro linear.

PAGE 17

Erro longitudinal (distância) equivalente a 2 m por quilômetro quando adotada a boa técnica, chegando a 3 m por quilômetro, na forma mais frequentemente utilizada.

Erro de rotação em relação ao Norte Geográfico (orientação) com variáveis até 2F 0 B 0 pelo uso de agulha magnética com correção pela declinação magnética, o que significa em apenas um quilômetro o desvio de cerca de 35 m em direção.

Amarrações de origem em elementos construídos em substituição à rede Geodésica.

A grande maioria dos profissionais que atuavam e atuam na área são práticos e não profissionais habilitados.

9.4 MÉTODOS PARA O CORRETO CADASTRAMENTO TÉCNICO DE IMÓVEIS RURAIS

9.4.1. MÉTODO MISTO

Procedimento: Vôo em escala 1: 25.000, recobrimento longitudinal de 60% e lateral de 30%, câmera métrica focal de 150 mm.

Rede de apoio, amarrado à rede Geodésica brasileira, com densidade de 1 vértice a cada 16 a 50 Km2, medido com G.P.S. (Global Positioning System).

Apoio foto planejado para ajuste em bloco e medido com G.P.S.

Restituição planimétrica em escala 1 : 5.000, digital dos detalhes visíveis nas fotos e necessários para a identificação de limites de propriedade e edificação.

Reambulação de campo, utilizando-se fotos ampliadas na escala de 1: 5.000, sobre as quais se identificam limites das propriedades, tipo de materializados e no caso de limites não materializados, cravam-se marcos nos locais acordados pelos confrontantes, para posterior levantamento topográfico. Simultaneamente com a reambulação são levantados os dados do ocupante, de sua família e de sua titulação (domínio ou posse).

Edição, via computador, compatibilizando-se os dados reambulados e levantados em campo por topografia com os dados levantados via aerofotogrametria.

Plotagem de planta geral e codificação dos lotes.

Produção do memorial descritivo de propriedades individualizadas, indicando-se: as coordenadas de todos os pontos de divisa em sistema único; os azimutes e distâncias de cada lado; sua materializaçãoe

confrontante; a área abrangida; o nome do titular; o código do lote.

PAGE 17

10 EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

1) No desenho, indicar as medidas a serem feita para levantamentos de todos os detalhes, usando apenas trena ao medir AB.

A resposta aparece em negrito a) quando se quer amarrar pontos usam-se triângulos. b) para amarrar detalhes que acompanham a linha medida pode-se usar perpendiculares tiradas

sem aparelho.

______________________________________________________________________________ 2) Calcular azimutes e rumos:

vértice angulo interno azimute rumo angulo quadrante

1 88.590 135.050 44.950 SE 2 111.870 66.920 66.920 NE 3 34.000 280.920 79.080 NW 4 235.110 336.030 23.970 NW 5 70.430 226.460 46.460 SW

total 540.000

Caminhamento à direita

_______________________________________________________________________________ 3) Calcular a área do polígono pelo método das duplas distâncias meridianas com origem no ponto mais oeste.

Linha Coord. parciais

Duplas distâncias meridianas

produtos Norte

Produtos Sul

x Y E W N S

0-1 5 40 55 + 55 + 5 = 115 40 x 115 = 4.600 1-2 10 10 115 + 5 + 10 = 130 10 x 30 = 1.300 2-3 10 80 130 + 10 + 10 = 150 80 x 150 = 12.000 3-4 20 5 150 + 10 - 20 = 140 5 x 140 = 700 4-5 40 30 140 – 20 - 40 = 80 30 x 80 = 2.400 5-6 20 10 80 – 40 - 20 = 20 10 x 20 = 200 6-0 55 45 0 + 0 + 55 = 55 45 x 55 =2.475

80 80 110 110 F 0 E 5pN = 14.400 F 0 E 5pS = 9.275 estaca X

Procura do ponto mais oeste 0 0 +5

1 +5 +10

2 +15 +10

3 +25 -20

4 +5 -40

5 -35 -20

O ponto mais oeste é a estaca 6 porque apresenta o maior valor

6 -55 +55

Área = 14.400 – 9275 = 2.525.50 m2 2

PAGE 17

negativo 0 0

______________________________________________________________________________ 4) Calcular a área do polígono pelo sistema de coordenadas.

estacas

Rumos

Dist.

Coordenadas parciais Coord. parciais corrigidas

Duplas distância

s meridiana

s

Produtos Norte

Produtos Sul Âng. Q x y x Y

E+ W- Cx N+ S- Cy E+ W- N+ S- 1 33F 0 B 0 7’ NE 60.672 33.148 22 50.816 63 33.126 50.753 54.694 2.775,885

2 80F 0 B 0 44’ SE 58.511 57.747 39 -9.422 -12 57.708 -9.434 145.528 1.372,911 3 58F 0 B 0 47’ NE 43.340 37.065 25 22.462 28 37.040 22.434 240.276 5.390,352 4 71F 0 B 0 37’ SE 90.464 85.847 58 -28.530 -35 85.789 -8.565 363.105 10.372,094

5 2F 0 B 0 6’ SW 99.404 -3.643 -2 -99.337 -123 -3.645 -99.460 445.249 44.284,466 6 66F 0 B 0 47’ SW 63.609 -58.458 -39 -25.075 -31 -58.497 -25.106 383.107 9.618,284

7 44F 0 B 0 39’ SW 143.22 -100.656 -68 -101.894 -127 -100.724 -102.021 223.886 22.841,064 8 38F 0 B 0 27’ NW 98.965 -64.540 -41 77.505 96 -61.581 77.409 61.581 4.766,924

9 21F 0 B 0 2’ NE 30.067 10.791 7 28.064 35 10.784 28.029 10.789 302,265 10 0F 0 B 0 ’ N 86.068 0.0 86.068 107 0 85.961 21.568 1.854,007

774.327 0.301 0.657 15.089,431 88.488,829

A = 88.488,829 = 36.699,699 m2 15.089,431

________________________________________________________________________________________________ 5) A escala e os nônios pertencem a um teodolito. Fazer a leitura na escala horária (explicando como leu) e também na escala anti horária.

Resposta: 123F 0 B 0 00’ 11’ 20” 123F 0 B 0 11’ 40” (escala horária)

236F 0 B 0 40’ 8’ 40” 236F 0 B 0 48’ 40” (escala anti-horária)

______________________________________________________________________________ 6) Compor a tabela de nivelamento geométrico, calculando as cotas dos pontos visados.

0.520 3.8162.4040.398

3.1230.4443.711

0.857

3.8022.841

RN - 1 (cota 105.215)

PAGE 17

estaca V Ré AI V Vante Cota Intermed. Mudança

RN - 1 105.215 0.520 105.735

2 2.841 102.894 3 3.802 101.933 4 0.857 104.878

3.711 108.589 5 0.444 108.145 6 3.123 105.466

0.398 105.864 7 2.404 103.460 8 3.816 102.048

Soma 4.629 7.796 Prova do cálculo: Cota final = cota inicial + F 0 E 5 V Ré - F 0 E 5 V Mud 105,215 + 4.629 109.844 - 7.796 102.049

___________________________________________________________________________ 7) Calcular a distância horizontal entre A e B e a cota de B.

Estaca Ponto visado

Mira Ângulo vertical

D dist. horiz

N dist. vert Cotasup. méd. inf.

A 1.42 B 0.81 0.57 0.32 + 5F 0 B 0 45’ 48.51 + 3.293

100.00 105.678

2 D = 100 G cos F 0 6 1 D = 100 (0.81-0.32) 0.990025 = 48.51 m

N = h F 0 B 1 50 G sen 2F 0 6 1 - m N = 1.42 + 50(0.81-0.32) sen11.5F 0 B 0 - 0.57 = + 3.293 m

__________________________________________________________________________ 8) Determinar os pontos de cota inteira e traçar as curvas de nível 13, 14, 15, 16 e 17, com interpolação gráfica.

PAGE 17

12.2

15.6

17.2

16.410 11

12 13

14 15

16 17

13

14

1510 11 1

2 1 3 1

4 1 5 1

6 17

16

17

______________________________________________________________________________ 9) Calcular o volume de corte quando o projeto exigir uma plataforma horizontal na cota 3. Área de corte: Ac = 10 (1,4 + 2 x 2,1 + 2,6) = 41 m2 2 Bc = 10 (0,2 + 2 x 1,0 + 1,8) = 20 m2 2

Volume pela fórmula de prisma:

Volume pela fórmula de tronco de pirâmide:

BIBLIOGRAFIA

DOMINGUES, Felipe Augusto Aranha, Topografia e astronomia de posição: para engenheiros e arquitetos. ESPARTEL, Lélis, Curso de topografia. ESPARTEL, Lélis, Caderneta de campo. FONSECA, Rômulo Soares, Elementos de desenho topográfico. BORGES, Alberto de Campos, Topografia, 1921.

PAGE 17

PAGE 17

Ótimo material de estudo para os estudantes de construção civil.
TOPÓGRAFO boa coisa...!
Gostei!!
Muito bom, valeu !
muito bom
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 41 páginas