Artigo metodologia 2015 1, profª cecília de castro bolina, Pesquisas de Engenharia Civil. Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO)
ramalhopaulo
ramalhopaulo29 de fevereiro de 2016

Artigo metodologia 2015 1, profª cecília de castro bolina, Pesquisas de Engenharia Civil. Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO)

PDF (393 KB)
12 páginas
290Número de visitas
Descrição
Artigo de Metologia Cientifica
20 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 12

Esta é apenas uma pré-visualização

3 shown on 12 pages

baixar o documento

Esta é apenas uma pré-visualização

3 shown on 12 pages

baixar o documento

Esta é apenas uma pré-visualização

3 shown on 12 pages

baixar o documento

Esta é apenas uma pré-visualização

3 shown on 12 pages

baixar o documento
MODELO PARA A FORMATAÇÃO DOS ARTIGOS A SEREM UTILIZADOS NO ENEGEP 2003

ENG 2510 – Metodologia Científica e Tecnológica Profa. Cecília de Castro Bolina

Março/2015

A formação do engenheiro e suas perspectivas profissionais

Paulo Henrique Rodrigues Ramalho (PUC Goiás) 2013.2.025.001-1

Lorrainy Correia de Paula (PUC Goiás) 2013.1.025.048-2

Fernanda Maria Tereza Gonçalves (PUC Goiás) 2013.2.0025.0750-5

Pedro Henrique do Vale Motta (PUC Goiás) 2014.2.0025.0716-4

Gusttavo Henrique Vieira (PUC Goiás) 2013.2.025.000-3

Mateus Pontes Borges (PUC Goiás) 2013.2.0025.0708-4

Profª Cecília de Castro Bolina

Resumo

Atualmente nota-se que a engenharia civil é uma área de formação muito procurada devido o

cenário atual de transformações, crescimento e desenvolvimento, mas será que os

graduandos e profissionais atuais estão atentos ao perfil que é exigido? E como é o perfil

desse engenheiro atual? O presente artigo mostrará um breve comentário do histórico da

engenharia civil, e do curso na Pontifícia Universidade Católica de Goiás, e mostrará o

resultado de uma pesquisa realizada com alunos formandos e concluintes do curso, buscando

traçar um perfil desses graduandos em relação ao perfil atual, o que esperam do futuro

profissional e como se encontram as expectativas em relação a essa área de formação tão

buscada ultimamente.

Palavras-chave: Expectativas, Capacitado, Conhecimento.

1. Introdução

Nota-se no Brasil que a partir do ano de 2010, em áreas como infraestrutura, construção

civil, programas de aceleração do crescimento, e de habitação do governo, o aumento da

demanda por profissionais da área de construção civil, como o engenheiro, e,

consequentemente, a procura pelo curso de Engenharia Civil.

Na Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC Goiás), instituição onde será

realizada a pesquisa para abordar a opinião dos alunos de engenharia sobre o cenário atual do

mercado de trabalho, o curso de Engenharia Civil tem como perfil formar um profissional

capacitado para atuar nas diversas áreas da engenharia, como elaboração de pesquisas, gestão,

projetos, análises, perícias, avaliações, vistorias, execução e fiscalização de projetos e

planejamento, procurando formar um profissional que contribuirá com o desenvolvimento da

sociedade, em setores como infraestrutura, transporte e áreas afins.

O curso de Engenharia Civil da PUC Goiás teve seu início no ano de 1976, com

autorização do Conselho Universitário e no ano de 1982 foi reconhecido por meio do

Decreto/Portaria nº 25 de 08 de janeiro de 1982 do Ministério da Educação e Cultura.

A primeira escola de engenharia segundo Laudares e Ribeiro (2000) foi a École des

Ponts et Chaussées, criada na França no ano de 1775, que nesse período inicial concentrava a

formação dos profissionais para a área da construção civil especificadamente pontes e

estradas. A segunda escola também na França tinha foco no estudo dos minerais. No mundo

as escolas de engenharia chegaram no século 19.

No Brasil, as primeiras escolas de engenharia que iniciaram no começo do século 19,

tinham relações diretas com o contexto do período no âmbito da sociedade da época, como a

arte militar, pois no cenário da época o foco era segurança e repressão.

ENG 2510 – Metodologia Científica e Tecnológica Profa. Cecília de Castro Bolina

Março/2015

As mudanças ocorridas no cenário sociopolítico-econômico da década de 90, tiveram

impactos diretos na relação de abordagem e ensino da Engenharia nas universidades. No

século 20, com a expansão industrial, favorece uma nova política na formação dos

engenheiros, como a fragmentação das tarefas, o que institui uma maior diversidade das

especializações da profissão, tendo assim um aspecto mais generalista do conhecimento. De

acordo com Laudares e Ribeiro (2000), no final do século 19 e início do século 20, a um

engenheiro portador de um conhecimento teórico e generalista, era conferida a tarefa de

implantação e gestão do setor industrial do país, tendo a função de organizar e gerir os

trabalhos de acordo com o padrão tecnológico e revolucionário da época, na qual acontecia a

transição da primeira revolução tecnológica para a segunda e se observava a passagem do

campo para as cidades, da agricultura para a indústria. Sendo assim, o engenheiro teve papel

fundamental no implante do setor industrial brasileiro. Nesse período as escolas de engenharia

tinham como base conceitual os fundamentos essencialmente teóricos da Matemática e Física,

sendo uma área exclusivamente das ciências exatas, onde hoje se tem uma base curricular

mais ampla com visões de formação profissional mais extensa que não busca só uma

formação teórica, mas humanística e adaptadas exigências e relações pessoais do contexto

atual de transformações, e constantes evoluções da construção civil.

Ainda segundo Laudares e Ribeiro (2000), a terceira revolução industrial que ocorreu

no Brasil nos anos 90 foi caracterizada pelo desenvolvimento da microeletrônica e da

informática, pelas bases da biotecnologia e da química, o que gerou um salto na engenharia

civil, possibilitando o uso e aperfeiçoamento dessas tecnologias na área da engenharia e

revolucionando o modo de coordenação e elaboração de projetos, agilidade, pesquisas e

avanços na engenharia como um todo.

Segundo Laudares e Ribeiro (2000), a qualificação do trabalhador tem sido um

elemento importante em discussões e pesquisas na Sociologia do Trabalho, diante do

ambiente atual de várias transformações tem-se um grande desafio a atualização constante e

aperfeiçoamento dos profissionais. Nose e Rebelatto (2001), afirmam que devido a essas

transformações e mudanças, são cada vez mais criteriosas as qualificações exigidas pelos

postos de trabalho em qualquer setor, o que acarreta uma grande coação sobre as praticas e

necessidades educacionais no ensino da engenharia.

O curso de engenharia civil na PUC Goiás, que, antes, tinha o nome de Universidade

Católica de Goiás, teve seu início no ano de 1976 com 360 vagas. Até o ano atual uma média

de 6.660 graduandos já passaram pela universidade. O curso tem duração de cinco anos e

conta com os turnos matutino, vespertino e noturno, no nível de Bacharelado (PUC Goiás,

2015). Segundo o site institucional da PUC Goiás, o projeto pedagógico do curso está em

sincronia com as mudanças desde o início do século, buscando contribuir com o

desenvolvimento do estado de acordo com as demandas das atividades atuais, de concordata

com o que há de mais atual na formação do engenheiro civil (PUC Goiás, 2015) e segue as

diretrizes curriculares do Ministério da Educação e Cultura do Brasil. De acordo com a

Resolução do Conselho Nacional de Educação/ Câmara de Educação Superior (Resolução

CNE/CESNº 11/2002, de 11 de março de 2002), o curso de engenharia tem como ênfase

formar um profissional generalista, humanista e crítico, adaptado a absorver e desenvolver

tecnologias, resolver problemas, com visão ética, humana para que possa atender as demandas

da sociedade.

Com base nessa nova visão de formação e qualificação profissional observa-se que a

formação acadêmica do profissional de engenharia não se faz mais exclusivamente pelas

ciências exatas, o que exige visões amplas, posições flexíveis, criatividade por parte do

ENG 2510 – Metodologia Científica e Tecnológica Profa. Cecília de Castro Bolina

Março/2015

egresso e das instituições para que seja integrada à formação uma multidisciplinaridade na

área de atuação do engenheiro e não uma mera formação teórica. Sendo assim Laudares e

Ribeiro (2000), pontuam que a instituição tem uma missão fundamental na formação do

engenheiro civil, um alicerce para a construção profissional, programas para proporcionar ao

egresso uma visão de futuro, promovendo sempre uma educação continuada.

Nessa nova perspectiva, qual seria então o perfil exigido no mercado de trabalho em

2015? A tabela a 1 mostra um comparativo feito entre cinco autores (Moraes, Ferreira, Longo

e Telles, Salum) de artigos científicos a respeito de quais seriam as principais características

buscadas nos profissionais de engenharia (NOSE; REBELATTO, 2001):

Tabela 1: Comparação entre os vários perfis do engenheiro

Perfil Base

(Nose e Rebelatto)

Moraes

(1999)

Ferreira

(1999)

Longo e Telles

(1998)

Salum

(1999)

Ser capaz de

trabalhar em equipe

X

X

X

X

Ser capaz de

trabalhar levando

em consideração a

ética

X

X

X

Ter conhecimentos

técnicos sólidos

X

X

Ser capaz de

administrar

mudanças

X

X

X

Ter espírito de

liderança

X

X

X

Ser capaz de

trabalhar sobre

pressão

Ter capacidade de

negociação

Ser capaz de tomar

decisões

X

Ser flexível X

Ter iniciativa e

espírito de

empreendedor

X

X

X

Ter habilidade em

trabalhar com

pessoas

X

X

X

Ter conhecimento

da língua inglesa

X

X

X

Ter conhecimento

de informática

X

X

X

FONTE: (Nose e Rebelatto ,2001)

ENG 2510 – Metodologia Científica e Tecnológica Profa. Cecília de Castro Bolina

Março/2015

Ainda de acordo com Nose e Rebelatto (2001), nenhum dos autores entrevistados

salientou a importância do engenheiro ser capaz de entender o seu papel na sociedade, e os

impactos que eles podem causar na sociedade e no meio ambiente. Isso porque o engenheiro

tem que ter o senso de que suas ações podem afetar diretamente não só a empresa em que

atua, mas o seu meio e a comunidade com quem ele opera de forma geral, pois o engenheiro

trabalha com materiais que podem se esgotar, ou podem causar dano ao meio ambiente se

utilizados de forma inadequada. Sendo assim, essa visão deve estar presente em cada

profissional.

Nota-se também que, apesar de ser uma tabela de comparação de meados dos anos

1990, mostra se atual as qualificações buscadas no engenheiro nos dias de hoje. Na questão de

atualização profissional, a educação continuada é de suma importância no contexto

profissional de intensas mudanças. O engenheiro deve ter em mente que deve se aperfeiçoar

constantemente buscando novos conhecimentos, para acompanhar as transformações do

ambiente de trabalho. Com isso entra o papel da universidade de oferecer cursos de

especialização, extensão, e aperfeiçoamento.

Tradicionalmente é dado às universidades o papel da formação profissional, e sendo

instrumento de preparação para o mercado de trabalho, ela vem desempenhando esse dever

ajudando no processo de construção e conhecimento técnico, para que as pessoas possam

desempenhar tal papel. Mas também é de responsabilidade do profissional formado buscar

sempre uma “reciclagem” para somar seus conhecimentos adquiridos e aplicá-los no meio de

trabalho, pois o engenheiro em seu meio de atuação é visto como um difusor, líder, um

multiplicador de trabalho e gerencia, sendo o respaldo do trabalho que exerce.

2. Objetivos

2.1 Objetivos Gerais

O objetivo geral do presente é traçar, por meio de um questionário com cinco alunos

ingressantes e cinco alunos concluintes do curso de Engenharia civil da Pontifícia

Universidade Católica de Goiás, o perfil dos alunos em relação ao mercado de trabalho.

Artigo realizado no decorrer do curso da disciplina de Metodologia Científica e Tecnológica

afim de obter nota para aprovação.

3.Metodologia

Para a realização dessa pesquisa, o tipo de coleta de dados utilizada foi por meio de

questionário elaborado pela professora Cecília de Castro Bolina da disciplina de Metodologia

Científica e Tecnológica com questões abertas e fechadas com cinco alunos calouros e cinco

alunos concluintes do curso de Engenharia Civil da PUC Goiás. Foram aplicadas quatro

questões abertas e oito fechadas. As questões abertas foram escolhidas pois permitem ao

informante responder usando sua própria opinião e proporcionar a quem fará a síntese desses

dados uma visão maior da perspectiva do entrevistado acerca do tema proposto. Foram

também aplicadas questões fechadas, pois facilita a interpretação estatística dos elementos e

permite uma melhor comparação das expectativas dos alunos calouros e concluintes a respeito

dos temas abordados nas questões.

ENG 2510 – Metodologia Científica e Tecnológica Profa. Cecília de Castro Bolina

Março/2015

4.Resultados e discussões

Aplicando o questionário a cinco alunos formandos e cinco alunos concluintes foram

obtidos os resultados seguintes que serão abordados e discutidos. Inicialmente foi questionado

o sexo dos entrevistados. Na amostra de alunos calouros 100% são do sexo masculino e na

amostra de concluintes 60% são do sexo masculino e 40% do sexo feminino. Pode-se notar

que o numero de ingressantes do sexo masculino e concluintes ainda é alto se comparado ao

sexo feminino, sendo que na amostra de calouros não se obteve nenhum aluno do sexo

feminino. Importante ressaltar que, apesar do número de graduandos na amostra ser em sua

maioria do sexo masculino, nos últimos anos observa-se um crescente número de mulheres

ingressantes no curso de Engenharia Civil, que no início não era comum, salientando que a

igualdade de gênero está muito presente no cenário atual.

Com relação à idade dos ingressantes, um entrevistado possui 19 anos e os quatro

restantes, 17 anos. Já na amostra de concluintes observa-se uma variação entre 20 e 28 anos.

Quando questionado a cidade e estado de origem na amostra de ingressantes, 100% da

amostra pertence ao estado de Goiás, com 60% desse total pertencentes a cidades do interior

do estado e 30% oriundos da capital do estado, Goiânia. Na amostra de alunos concluintes

tem-se 40% oriundos de cidades do interior do estado de Goiás, 40% da capital do estado,

Goiânia, e 20%, que corresponde a somente um entrevistado, advindo do estado da Bahia, o

que para a amostra, revela uma homogeneidade entre graduandos do interior ou outros estados

em relação a capital, onde está instalada a PUC Goiás.

Na figura 1 tem-se um gráfico que mostra, em números, a quantidade de

entrevistados que, após graduados, pretendem cursar algum curso de pós-graduação. Pode se

notar na figura 1 que quatro alunos calouros entrevistados pretendem cursar algum curso de

pós-graduação, ao passo que esse número se repete na amostra de formandos, mostrando que

atualmente os graduandos estão preocupados com uma especialização ao término do curso, o

que é muito importante pois observa-se que o mercado de trabalho está em busca sempre de

um profissional especializado e atualizado com novas tecnologias, experiências e

conhecimentos.

ENG 2510 – Metodologia Científica e Tecnológica Profa. Cecília de Castro Bolina

Março/2015

Figura 1. Pretendem cursar algum curso de pós-graduação

No decorrer do questionário, foi abordado em que tipo de escola os entrevistados

cursaram o ensino médio. Os resultados podem ser verificados na figura 2.

Observa-se que, dos graduandos formandos, três são de escola particular e dois de

escola pública. Já na amostra de calouros, também nota-se as mesmas características, salvo

que um entrevistado cursou a maior parte em escola particular. Pode-se então ressaltar que,

apesar do número de alunos de escola particular ainda ser maior, há uma parcela considerável

de alunos de escola pública, tendo em vista que a universidade sempre busca meios de

oferecer a inclusão de alunos de baixa renda, com programas de bolsas da própria instituição,

bolsas do governo e programas de financiamento, que são importantes pois oferecem a

pessoas de diferentes classes sociais a oportunidade de cursarem o ensino superior.

Tal fato pode ser notado também quando perguntado aos entrevistados se recebiam

algum auxilio financeiro para realização do curso, onde verifica-se que na amostra de

calouros 2 alunos recebem ajuda de familiares e 3 não recebem tal ajuda, o que vai de acordo

com o que foi mostrado anteriormente, onde 4 alunos vem de escola particular ou maior parte,

e 1 de escola pública.

Já na amostra de formandos verifica-se que 2 não recebem ajuda, 2 recebem ajuda

familiar, e 1 ressalta que na vida acadêmica sempre teve que conciliar estudo e trabalho afim

de sustentar o curso, sendo contemplado com uma bolsa no 3º período de graduação,

realizando, em troca, trabalhos voluntários e monitoria na própria universidade, o que é

importante para a formação de um bom profissional, proporcionando um amadurecimento

humano e de caráter. Portanto, com os programas de bolsas, muitos alunos tem que realizar

trabalhos voluntários para manutenção de suas bolsas, oferecendo além da formação

profissional, uma formação humana e social do graduando, sendo um diferencial na

desenvolvimento do futuro engenheiro civil.

0

1

2

3

4

5

Calouros Formandos

N ú

m e

ro s

d e

a lu

n o

s e

n tr

e vi

st ad

o s

Cursarão

Não cursarão

ENG 2510 – Metodologia Científica e Tecnológica Profa. Cecília de Castro Bolina

Março/2015

Figura 2. Tipo de escola cursada no ensino médio

Na figura 3, tem-se uma relação das amostras quando indagados sobre o desejo de

trabalhar na área do curso após formados.

Nesse ponto analisa-se que o desejo dos alunos calouros é alto ou muito alto em

trabalhar na área do curso, ao passo que para os formandos, o número de graduandos que tem

grande interesse em trabalhar na área do curso ainda é maioria. Porém nota-se que um aluno

graduando atribuiu classificação média, o que pode ser explicado tendo em vista que no início

do curso os alunos ainda não tem um amadurecimento ou visão ainda formados, mas nota-se o

interesse dos mesmos em relação à área do curso, e verifica-se que formandos geralmente

confirmam essa expectativa, o que é bom pois mostra que formam-se profissionais realizados

na escolha do curso, abrangendo as mais variadas áreas de atuação que a formação acadêmica

oferece a esse futuro profissional.

Formandos Calouros

0

1

2

3

4

5

N ú

m e

ro s

d e

a lu

n o

s e

n tr

e vi

st ad

o s

Escola pública

Escola particular

Maior parte em escola pública

Maior parte em escola particular

ENG 2510 – Metodologia Científica e Tecnológica Profa. Cecília de Castro Bolina

Março/2015

Figura 3. Desejo de trabalhar na área do curso quando se formar

Na figura 4 verifica-se que calouros, em seu total, classificaram seu aprendizado como

alto (3 alunos) e muito alto (2 alunos), e formandos como alto (4 alunos) e médio (1 aluno), o

que para a amostra é considerável. Mas é importante ressaltar que, apesar da classificação

como muito alto, é essencial a busca constante, seja durante ou após o curso, de conhecimento

ou informação na área do curso, sendo o aprendizado adquirido no decorrer da graduação o

único meio de formação do profissional, o que fornece o diferencial do graduado capacitado

com diferentes raciocínios para a solução dos problemas que deverá solucionar.

Figura 4. Aprendizado durante o curso

Calouros Formandos

0

1

2

3

4

5 N

ú m

e ro

d e

a lu

n o

s e

n tr

e vi

st ad

o s

Muito alto

Alto

Médio

Baixo

Muito baixo

Calouros Formandos

0

1

2

3

4

5

N ú

m e

ro d

e a

lu n

o s

e n

tr e

vi st

ad o

s

Muito alto

Alto

Médio

Baixo

Muito baixo

ENG 2510 – Metodologia Científica e Tecnológica Profa. Cecília de Castro Bolina

Março/2015

A figura 5 mostra como os graduandos consideram a remuneração dos profissionais da

área de formação do curso de engenharia civil.

Na figura 5 nota-se que, tanto calouros como formandos, consideram a remuneração

melhor que em outras áreas e somente um graduando em cada amostra considerou

equivalente as outras áreas e um formando não sabe ou não opinou, o que mostra porque

muitos alunos buscam o curso de engenharia civil, pois consideram a área bem remunerada.

Figura 5. Como o mercado remunera os profissionais da sua área de formação

A figura 6 mostra a expectativa dos entrevistados em relação ao curso de engenharia

civil.

Na figura 6 nota-se que há uma coincidência em relação à opinião dos graduandos

formandos e calouros referente às expectativas do curso, pois ambas as partes apresentam 4

alunos que consideram que o curso atendeu as expectativas, e 1 em cada amostra consideram

que o curso superou suas expectativas, o que mostra que os integrantes da amostra encontram-

se realizados com o que esperavam do curso de engenharia.

0

1

2

3

4

5

Calouros Formandos

N ú

m e

ro d

e a

lu n

o s

e n

tr e

vi st

ad o

s

Melhor do que outras áreas

Equivalente a outras áreas

De forma pior que outras áreas

Não sabe/ Não opinou

ENG 2510 – Metodologia Científica e Tecnológica Profa. Cecília de Castro Bolina

Março/2015

Figura 6. Expectativa com relação ao curso

Por fim, foi questionado sobre a área que os graduandos pretendem atuar, estando os

resultados presentes na figura 7.

Essa questão foi muito diversa em relação a calouros e formandos. Os ingressantes,

em sua maioria (4 alunos), pretendem incialmente atuar na área da construção civil, e minoria

(1 aluno) visa projetos. Já os concluintes, 2 alunos pretendem atuar na área de projetos, 1

aluno visa a construção civil, 1 a perícia técnica, e somente 1 não decidiu. Na amostra

observa-se que, inicialmente, os graduandos pretendiam atuar na área de construção civil, mas

com o amadurecimento acadêmico e experiência no decorrer do curso, essa pretensão sofre

mudanças justificadas pela interação que o acadêmico tem com as vastas áreas de atuação,

que faz com que esse futuro profissional desperte interesse pelas mais diversas áreas de

atuação na finalização da graduação.

1 1

Calouros Formandos

0

1

2

3

4

5

N ú

m e

ro d

e a

lu n

o s

e n

tr e

vi st

ad o

s

Superou as expectativas

Atendeu as expectativas

Não atendeu as expectativas

Não sabe/ Não opinou

ENG 2510 – Metodologia Científica e Tecnológica Profa. Cecília de Castro Bolina

Março/2015

Figura 7. Área que pretende atuar

5.Conclusões

É fato que, atualmente, o mercado de trabalho exige não mais aquele profissional

teórico, exige um engenheiro civil com um conhecimento amplo, diversificado, atualizado,

pois no cenário atual de constantes mudanças, aperfeiçoamento e criação de novas tecnologias

é imprescindível que engenheiro civil atual tenha um amplo conhecimento. Na amostra

observa-se que ocorrem mudanças no perfil dos novos engenheiros, como um número mais

expressivo de mulheres formando na área, o que é importante, pois como muitas vezes a

engenharia é um trabalho em equipe, diferentes visões são importantes no momento de tomar

decisões acerca de um problema ou solução, oferecendo maior qualidade ao trabalho

executado.

Verificou-se que os graduandos atuais tem um interesse maior em uma especialização

pós-graduação, o que é muito bem vindo, acrescentando à sua formação novas informações.

Também nota-se que há uma diversidade social no curso, visto que no passado formavam-se,

em maioria, pessoas com maior poder aquisitivo e hoje podemos ver mudanças tanto por parte

da faculdade ao oferecer programas que estimulam e facilitam a entrada de diferentes pessoas

de todas as classes sociais, não só no curso de engenharia, mas em todas as áreas do

conhecimento, e também o interesse maior da população atual mais atentada a uma formação

superior que impulsiona um maior número de graduandos de forma heterogenia.

Constata-se que a escolha do curso de engenharia se deve a muitos fatores, sendo que

o fator de grande maioria ainda é a remuneração considerada alta por parte das pessoas que

ingressarão ou que cursam, é também importante ressaltar que hoje o profissional está atento

as transformações do mercado e buscando se especializar em diversas áreas não sendo mais

aquele profissional “genérico” atuante em diversas áreas, mas sim aquele profissional

qualificado para o mercado exigente as mais variadas áreas.

1

2

0

1

2

3

4

5

Calouros Formandos

N ú

m e

ro d

e a

lu n

o s

e n

tr e

vi st

ad o

s

Projetos

Construção civil

Perícia técnica

Não decidiu

ENG 2510 – Metodologia Científica e Tecnológica Profa. Cecília de Castro Bolina

Março/2015

Conclui-se, então, que com as mudanças sofridas desde a criação do curso de

engenharia civil até os dias atuais, o perfil tanto do curso como dos profissionais sofreram

mudanças drásticas e importantes que definem o que se busca hoje no profissional da área,

como do graduando na área em relação as expectativas do curso, com a facilidade de acesso e

variedade de ramificação profissional. O curso de engenharia civil é bastante buscado e

estimado pelos graduandos, agitando o meio profissional. Sendo assim, é absorvido pelo

mercado quem tem uma formação diferenciada e é isso que a maioria dos graduandos tem

buscado caminhar, em conjunto com o que é requisitado hoje pelas empresas ou pessoas que

buscam os serviços do engenheiro civil.

6.Referências Bibliográficas

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. RESOLUÇÃO CNE/CES11, DE 11 DE

MARÇO DE 2002.

Disponível: < http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES112002.pdf>. Acesso em 20 de

março de 2015.

LAUDARES, J. B.; RIBEIRO, S. (2000) Trabalho e formação do engenheiro. Brasília

Disponível: < http:// http://rbep.inep.gov.br/index.php/RBEP/article/viewFile/135/135>.

Acesso em 16 de março de 2015.

NOSE, M. M.; REBELATTO, A. N.O perfil do engenheiro segundo as empresas. São

Paulo:2001.

Disponível:<http://www.abenge.org.br/CobengeAnteriores/2001/trabalhos/DTC007.pdf>.

Acesso em 16 de março de 2015.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS. Ensino. Goiânia: 2015.

Disponível < http://sites.pucgoias.edu.br/cursos/engenhariacivil/> Acesso em 16 de março de

2015.

comentários (0)

Até o momento nenhum comentário

Seja o primeiro a comentar!

Esta é apenas uma pré-visualização

3 shown on 12 pages

baixar o documento