Astronomia, Notas de estudo de Física
marilton-rafael-1
marilton-rafael-1

Astronomia, Notas de estudo de Física

160 páginas
50Números de download
1000+Número de visitas
100%de 0 votosNúmero de votos
4Número de comentários
Descrição
ASTRONOMIA
80 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 160
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 160 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 160 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 160 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 160 páginas
Microsoft Word - LIVRO ASTRONOMIA GEODESICA.DOC

1

ASTRONOMIA GEODÉSICA

Posicionamento pelas Estrelas

Basílio Santiago

Adriano Salviano

2

ÍNDICE

NOTA DOS AUTORES

CAPÍTULO 1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS E SISTEMAS DE COORDENADAS – Introdução à Astronomia Geodésica – Sistema Horizontal de Coordenadas – Sistema Equatorial de Coordenadas

Ângulo horário Precessão

– Relação entre os Sistemas Horizontal e Equatorial – Outros sistemas de coordenadas

Coordenadas eclíticas Coordenadas Galácticas

– Fundamentos de Geodésia História da Geodésia A figura da Terra O Elipsóide de Revolução Geóide Sistema Geodésico de Referência Determinação de Posição pela Astronomia

CAPÍTULO 2 ESTUDO ANALÍTICO DO MOVIMENTO DIURNO – Movimento diurno dos astros – Passagem meridiana – Estrelas circumpolares e estrelas invisíveis – Movimento diurno: exemplos do efeito da latitude do observador – Trigonometria Esférica Triângulos Esféricos

Fórmulas de Trigonometria Esférica Astronomia Esférica

Situações especiais

CAPÍTULO 3 MOVIMENTO ANUAL DO SOL E SISTEMAS DE TEMPO – Movimento Anual do Sol – Estações do ano e eclipses

As estações do ano em nosso planeta Eclipses

– Sistemas de Medida de Tempo Instante, Hora, Intervalo e Estado de Cronômetro As diferentes definições de hora

– Conversão entre Sistemas de Medida de Tempo Conversão de tempo solar em sideral

Tabela do Anuário Astronômico do Observatório Nacional Tabela do Astronomical Almanac

Conversão de tempo sideral em solar – Equação do Tempo

3

Tabela do Anuário Astronômico do ON contendo os valores da Equação do Tempo Tabela do Astronomical Almanac contendo os valores da Equação do Tempo

– Equação do Centro – Redução ao Equador CAPÍTULO 4 CORREÇÕES ÀS COORDENADAS EQUATORIAIS – Variação de Coordenadas Equatoriais – Precessão – Nutação

Tabela do Anuário Astronômico do Observatório Nacional Tabela do Apparent Places of Stars Deslocamento do Pólo Celeste

– Movimento do Pólo – Astrometria – Aberração – Refração

Tabela do Anuário Astronômico do ON com valores de Refração média para diferentes distâncias zenitais Tabela do Anuário Astronômico do ON com os fatores de correção de Rm para T e P

– Paralaxe e unidades de distância em Astronomia – Movimentos Próprios – Catálogos de Estrelas e Atlas na Web – Redução das coordenadas astronômicas

Tabela do Astronomical Almanac com os números Besselianos Tabela com valores dos números Besselianos de 2a ordem Tabela do Astronomical Almanac com os valores das coordenadas cartesianas X,Y,Z

CAPÍTULO 5 PRÁTICAS DE DETERMINAÇÃO ASTRONÔMICA – Roteiro para preparação de relatório de prática astronômica – Roteiro para montagem, nivelamento e calibração de Teodolito – 1ª Prática – Determinação do meridiano astronômico e do azimute

de uma mira usando a culminação de uma estrela Procedimento Observacional Exemplo – 2ª Prática – Determinação do meridiano astronômico e do azimute

de uma mira usando uma estrela em elongação Procedimento Observacional

Exemplo – 3ª Prática – Determinação de latitude usando o Método de Sterneck Procedimento Observacional Exemplo – 4ª Prática – Determinação de longitude usando Método das Alturas Iguais Procedimento Observacional – 5ª Prática – Determinação de longitude usando Método das Distâncias Zenitais Absolutas Procedimento Observacional Exemplo – 6a Prática – Determinação da hora pelo Método de Zinger CAPÍTULO 6 – EXERCÍCIOS COM SOLUÇÕES – Exercícios de Passagem Meridiana e Coordenadas Horizontais

4

– Exercícios de Trigonometria Esférica e Movimento Diurno – Exercícios de Sistemas de Tempo – Exercícios sobre variações de Coordenadas Equatoriais CAPÍTULO 7 APÊNDICES – Glossário de conceitos de Astronomia de Posição Esfera Celeste Sistema Horizontal Sistema Equatorial – Quadro Resumo de Coordenadas Celestes – Dedução das Fórmulas do Método de Zinger BIBLIOGRAFIA

5

NOTAS DOS AUTORES

Este texto tem uma origem curiosa, pois seguiu um caminho possivelmente inverso da

maioria. Inicialmente foi produzido em formato de hipertexto a ser acessado pela Internet e somente

agora está sendo publicado na forma tradicional. Para os que têm acesso à Internet sempre vale à

pena conhecer o material em sua versão eletrônica:

http://www.if.ufrgs.br/~santiago/lectures/fis2005, até porque as atualizações se dão mais

rapidamente para este último.

O endereço do hipertexto dado acima é parte do sítio Internet do Instituto de Física da

UFRGS. Este material foi inicialmente confeccionado com o objetivo de ajudar os alunos e

professores de disciplinas de Astronomia Posicional, Fundamental e Geodésica. Trata-se, portanto,

de material didático concebido como apoio ao ensino universitário. Por outro lado, o leigo

interessado em Astronomia e dispondo de conhecimento de matemática elementar como geometria

e trigonometria certamente vai se beneficiar deste material.

Na elaboração do hipertexto, originalmente foram usados trechos e figuras de alguns livros e

sítios disponíveis na Web, incluindo-se sítios do exterior. A tradução do inglês para o português,

quando necessária, foi feita por este autor. Os livros e sites da Web de onde foram retiradas partes

dos conteúdos que originalmente compunham o hipertexto, são os seguintes:

• Boczko, I., “Conceitos de Astronomia”;

• Gemael, C., “Astronomia Esférica”;

• Hatschbach, F., “Determinações Astronômicas”;

• Astronomy 250 lecture notes. Endereço na Web:

<http://ircamera.as.arizona.edu/astr_250/class_syl.html>;

• Tutorials for Astronomy. Endereço na Web: <http://www.physics.csbsju.edu/astro/>;

• Roy Fisher's Earth Rotation and Equatorial Coordinates web page. Endereço na Web:

<http://www.gb.nrao.edu/~rfisher/Ephemerides/earth_rot.html>;

• Terry Moore's web page on Coordinate Systems, Frames and Datums. Endereço na Web:

<http://granby.nott.ac.uk/~iszwww/coord1.htm>;

Tanto o hipertexto quanto o livro evoluíram com o tempo, sendo que a elaboração da versão

impressa, resultado de um projeto apoiado pelas Pró-Reitorias de Ensino e Pesquisa da UFRGS, foi

um dos principais impulsionadores deste processo de aprimoramento. O material aos poucos foi

sendo modificado e adaptado por este autor, levando-se em conta os conteúdos da disciplina de

Astronomia Geodésica I e II, do curso de Engenharia Cartográfica da UFRGS, além das demais

disciplinas oferecidas pelo Departamento de Astronomia desta universidade. Figuras semelhantes às

originais, por vezes melhoradas, bem como figuras novas, foram confeccionadas em sua maior parte

6

por Adriano Salviano, formando de Engenharia Cartográfica da UFRGS e co-autor desta versão

impressa principalmente na parte de Sistema Geodésico de Referência. Mudanças no texto e no

ordenamento da exposição dos tópicos abordados se deveram em parte às novas figuras, mas

também ao próprio processo de aprofundamento didático dos autores. Todos os capítulos do texto

foram ampliadas com relação à versão original, em especial os capítulos conceituais e o capítulos de

problemas com soluções. O Capítulo 5 em diante são, na verdade, um diferencial importante deste

livro didático, pois enfatizam a prática astronômica, dando assim maior clareza aos conceitos

teóricos apresentados.

Basílio Santiago

Adriano Salviano

7

CAPÍTULO 1

CONCEITOS FUNDAMENTAIS E SISTEMAS DE COORDENADAS

Introdução à Astronomia Geodésica O simples ato de olhar para o céu noturno, em uma noite sem nuvens e longe das luzes da

cidade, e nele identificar o grande número de estrelas de variados brilhos e cores, se constitui em

uma forma primitiva de praticar a Astronomia de Posição. Quem não teve a experiência de ver uma

"estrela cadente", ou presenciar subitamente algum fenômeno no céu (passagem de um satélite,

balão meteorológico ou mesmo um avião, aparente mudança de brilho de uma estrela, etc) e tentar

descrever a outra pessoa em que posição do céu isso aconteceu? Em geral, para o leigo, este tipo de

experiência leva ao uso das mãos: a primeira reação é apontarmos para a direção onde se deu o

fenômeno. Já outras pessoas podem tentar usar estrelas vizinhas ao ponto ou região do céu em

questão. O fato é que a necessidade de localizar e identificar objetos no céu acompanha a

civilização humana desde o seu início.

Na Antigüidade, a identificação de estrelas específicas no céu logo ao anoitecer ou

amanhecer, ou mesmo a posição do Sol no céu com relação a marcos de referência em terra eram

usados para marcar a sucessão das estações de calor ou frio, de secas ou cheias. Para facilitar seu

trabalho, muitos povos usavam as estrelas mais brilhantes do céu, juntamente com um pouco de

imaginação, para formar figuras familiares, de animais conhecidos, figuras de sua mitologia, ou

cenas cotidianas no céu noturno. Essas figuras, as constelações, já representam um avanço na

prática da Astronomia de Posição. Ao invés de apontar o dedo na direção de um certo fenômeno ou

objeto celeste, o reconhecimento das constelações no céu permitia localizar este fenômeno ou

objeto simplesmente fazendo menção à constelação cujas estrelas o circundavam.

Apesar do apelo que têm junto às pessoas (todos nós já ouvimos falar de constelações como

o Cruzeiro do Sul, Escorpião, Sagitário, Touro, etc) atualmente a Astronomia de Posição faz pouco

uso delas. O motivo para o pouco uso das constelações pode ser conhecido se nos dispusermos a

passar uma noite olhando para o céu e tentando identificar as constelações nele presentes com o

auxílio de um mapa celeste. No mapa, as estrelas que compõem a figura de cada constelação estão

ligadas por linhas, de forma que, com alguma boa vontade, podemos identificar as formas dessas

figuras que lhes dão o nome. Mas ao olharmos para o céu noturno a coisa se complica e muito. O

que vemos é simplesmente um monte de estrelas, algumas mais brilhantes, outras menos, algumas

avermelhadas, outras azuladas ou bem brancas. Aquelas figuras marcadas na carta celeste

8

simplesmente não se materializam facilmente aos nossos olhos no céu acima de nós. Uma

explicação para este fato poderia ser a de que as constelações que os mapas celestes descrevem até

hoje são as mesmas que os gregos e romanos antigos identificaram. Figuras como o Sagitário,

Centauro, Pégaso, Andrômeda, Cassiopéia, etc, fazem parte da cultura deles e não da nossa! Mas a

verdade é que somente com muito treino poderíamos começar a separar a confusão de estrelas que

vemos no céu em figuras distintas, mesmo que tentássemos identificar coisas bem familiares no céu,

como por exemplo, o Cristo Redentor, o Pão de Açúcar, o elevador Lacerda em Salvador, o prédio

do Congresso Nacional em Brasília, o mapa do Brasil, o símbolo da CBF, uma cuia de chimarrão,

animais domésticos como cachorros, gatos, bois, o que for!

Atualmente, nós temos meios mais eficazes de localizar um astro no céu. Eficaz aqui

significa objetivo e simples; na verdade tão objetivo e simples quanto a Matemática que

aprendemos no ensino básico. A posição de um astro no céu pode ser estabelecida por meio de um

sistema de coordenadas. Nas páginas que se seguem, nós vamos descrever os sistemas de

coordenadas mais usados em Astronomia de Posição, em especial o Sistema Horizontal de

Coordenadas e oSistema Equatorial de Coordenadas.Estes sistemas, assim como os demais que

veremos adiante, são todos de um mesmo tipo: a posição de uma estrela no céu pode ser definida

pela especificação do valor de dois ângulos, um deles contado ao longo de um plano de referência,

variando de 0° a 360°, e o outro contado a partir deste mesmo plano, variando de –90° a 90°. Estes

sistemas são chamados de Sistemas de Coordenadas Esféricas.

Antes de introduzirmos os sistemas horizontal e equatorial de coordenadas, contudo, faz-se

necessário estabelecer alguns conceitos elementares. Quando apontamos o dedo para alguma

estrela, estamos escolhendo uma direção no espaço. Todos os pontos situados ao longo da reta que,

partindo de nós, passa pelo nosso braço a atinge a estrela, estão na mesma direção no espaço. Mas

onde ao longo desta reta está localizada a estrela? Esta pergunta é inteiramente análoga a

perguntarmos "a que distância está essa estrela de nós?". Para uma estrela "próxima", o tamanho do

segmento de reta que nos une a ela será menor do que no caso de uma estrela "distante". Uma

mesma direção no espaço pode conter mais de uma estrela, situadas a diferentes distâncias.

O fato é que as estrelas estão tão distantes de nós que, para o efeito de sua localização no

céu, podemos considerar que elas estão a uma distância infinita! O que queremos dizer com isso é

que em Astronomia de Posição estamos apenas preocupados em caracterizar a direção na qual se

encontram os astros. Não nos interessa aqui a sua distância, bastando para nós aceitar que esta

distância é muito maior do que as distâncias com que lidamos em nossas vidas cotidianas, ou

mesmo do que o tamanho da Terra. Essa conclusão nos permite definir então a esfera celeste.Trata-

se de um conceito abstrato, mas muito importante: a esfera celeste nada mais é do que uma forma

de atribuir uma forma material ao céu de um observador. A esfera celeste tem raio infinito e centro

9

no observador. Mas como seu raio é infinito, qualquer observador situado sobre a superfície da

Terra pode se considerar igualmente situado em seu centro. Qualquer objeto celeste (Sol, Lua,

planetas, estrelas, o que for) em um dado instante está situado em um ponto da esfera celeste. Este

ponto resulta do prolongamento ad infinitum da direção no espaço na qual vemos o objeto.

Podemos desenhar círculos na esfera celeste. O exemplo mais fácil é o círculo do horizonte.

O horizonte é um círculo sobre a esfera celeste que a divide ao meio: o hemisfério que está acima

do horizonte é a parte visível da esfera celeste. Só conseguimos ver no céu os astros que estão no

hemisfério visível, acima do horizonte. A metade abaixo do horizonte, obviamente, não

conseguimos observar. O Sol, por exemplo, quando está acima do horizonte de um observador,

ilumina tudo à sua volta, caracterizando o dia; quando o Sol está abaixo do horizonte, temos

obviamente menos claridade, o que significa uma situação de noite. Aos círculos que, como o

horizonte, dividem a esfera celeste ao meio chamamos de grandes círculos ou círculos máximos. Ao

longo do nosso estudo, deparar-nos-emos com outros exemplos de grandes círculos como o equador

celeste, o meridiano astronômico e a eclíptica. Estes serão discutidos em mais detalhe ao longo do

livro, mas podemos adiantar que o primeiro divide a esfera celeste em dois hemisférios: o norte e o

sul celestes. Já a eclíptica é um grande círculo no céu percorrido pelo Sol ao longo de um ano.

Na verdade, todos os pontos e círculos que definimos sobre a superfície da Terra podem ser

prolongados ad infinitum até encontrarem a esfera celeste. Assim podemos não apenas falar de

Equador celeste e de hemisférios norte e sul celestes, mas também de pólos norte e sul celestes,

paralelos celestes (assim como os paralelos ao Equador da Terra) e meridianos celestes. Quanto a

estes últimos, o meridiano astronômico de um observador, mencionado acima, nada mais é do que a

projeção na esfera celeste do meridiano geográfico do mesmo.

Sistema Horizontal de Coordenadas

A figura I.1.1 abaixo ilustra o sistema de coordenadas horizontais. Na figura vemos a

metade da AbóbadaCeleste (= Esfera Celeste)visível ao observador situado em O. A posição da

estrela está marcada por E. O Zênite do observador é indicado por Z. O zênite é o ponto da esfera

celeste acima da cabeça do observador. De maneira mais técnica podemos defini-lo como sendo o

ponto da esfera celeste que resulta da extensão ad infinitum da vertical do observador. Assim sendo,

a direção de Z é perpendicular ao Plano Horizontal do observador, no qual se situam os pontos

cardeais: Norte (N), Leste (E), Sul (S) e Oeste (W).

O plano que contém tanto os pontos cardeais N e S quanto o zênite Z é o Plano Meridiano,

cuja intersecção com a Esfera Celeste define o Meridiano Astronômicodo observador. Este último,

por vezes chamado de Linha Meridiana, divide a esfera celeste ao meio, sendo portanto um grande

círculo. Analogamente, a intersecção do plano horizontal do observador com a esfera celeste é o

10

horizonte do observador, novamente um círculo máximo da esfera celeste. As duas metades da

esfera celeste definidas pelo horizonte são o hemisfério visível (acima do horizonte e que contém o

zênite) e o hemisfério invisível (abaixo do horizonte). A figura I.1.1, como já dissemos, representa

apenas a metade visível da esfera celeste. Como o meridiano astronômico não é todo disponível à

observação, alguns autores preferem definir como meridiano astronômico apenas o semicírculo

meridiano situado acima do horizonte. Outros fazem referência a este último como sendo o

Meridiano Superiorou ainda, Semimeridiano Superior.

O plano que contém o observador O, o zênite Z e a estrela E é chamado de Vertical da

Estrela. A intersecção do vertical da estrela com a esfera celeste define o Círculo Verticalda

mesma.

Figura I.1.1 – Sistema de coordenadas horizontais.

Pois bem, podemos situar qualquer ponto na esfera celeste com duas coordenadas. No caso

do sistema horizontal essas coordenadas são a altura h e o azimute A. Pela figura I.I.1 vemos que a

altura é o ângulo entre a direção à estrela (segmento de reta OE) e o plano do horizonte. A altura é

arbitrada como sendo positiva para pontos da esfera celeste situados acima do horizonte e negativa

para aqueles abaixo do horizonte. Já o azimute é o ângulo, contado ao longo do plano horizontal,

entre o plano meridiano e o vertical da estrela. A origem da contagem de A (ou seja, A = 0°) é em

geral arbitrada como sendo o ponto cardeal norte (N); mas alguns autores preferem usar o ponto

cardeal Sul (S). É comum também se substituir a altura h pela distância zenital z; esta última é o

ângulo entre a direção vertical (ou seja, OZ) e a direção à estrela. Fica claro, tanto pelas definições

quanto pela figura, que a altura e a distância zenital são ângulos complementares, ou seja:

h + z = 90°

Azimute e altura geralmente são definidos de forma que seus valores possam variar dentro

dos seguintes domínios: 00 3600 ≤≤ A

11

00 9090 ≤≤− h 00 1800 ≤≤ z

Valores negativos de altura se aplicam a objetos abaixo do horizonte, sendo z > 90° neste

caso.

Para fins de fixação, procuremos agora responder às seguintes perguntas:

1 – Qual a altura de um objeto exatamente no horizonte do observador?

2 – Qual a altura de uma estrela que esteja no nadir, ou seja, no ponto da esfera celeste

diametralmente oposto ao zênite?

3 – Qual o azimute de um astro que se situa no meridiano astronômico do observador, entre

o zênite e o ponto cardeal norte?

4 – Qual a altura de um astro cuja distância zenital é z = 40°?

5 – Qual o azimute de uma estrela cujo vertical contém o ponto cardeal leste (E)?

A figura I.1.2 mostra o sistema horizontal por uma outra perspectiva. No painel da direita

vemos a definição da altura h do ponto de vista de alguém que se situa no plano do horizonte. Já o

painel da esquerda mostra a definição do azimute A partir de uma perspectiva de quem olha para o

plano horizontal de cima, ou seja, ao longo da vertical do observador.

Figura I.1.2 – definição da altura h e do azimute A.

Uma observação importante sobre o sistema horizontal é que as coordenadas de um objeto

mudam com o passar do tempo. É fácil constatar isso, pois sabemos que, devido à rotação da Terra,

os astros se movem lentamente de leste para oeste. Ao nascer a leste do meridiano astronômico,

qualquer estrela terá necessariamente um azimute no domínio 0° A 180°. Já ao se por a oeste do

meridiano do observador, seu azimute será 180° A 360°. A altura (ou distância zenital)

obviamente também varia: tanto ao subir no horizonte a leste quanto ao baixar a oeste, a altura de

uma estrela é nula (h = 0°). No intervalo entre estes dois instantes, o objeto obviamente está acima

do horizonte e temos, portanto h > 0°. Na verdade, veremos mais adiante que o movimento diurno

de um astro tem a forma de um círculo na esfera celeste. Em geral, parte deste círculo está acima do

12

horizonte e parte abaixo dele. A figura I.1.3 ajuda a visualizar um arco diurno típico descrito por

uma fonte celeste. Novamente, vemos apenas a parte do arco diurno que está acima do horizonte do

observador.

Figura I.1.3 – exemplo de arco diurno descrito por um astro.

Note que na Figura I.1.3 os pontos em que o arco diurno cruza com o horizonte não

coincidem com os pontos cardeais leste (L) e oeste (W). De fato, veremos mais adiante que poucos

astros nascem (se põem) exatamente em L (W).

Além de variar com o tempo, as coordenadas horizontais de uma fonte astronômica também

dependem da posição do observador na superfície da Terra. O fato de esta última ser de tamanho

desprezível comparada com as distâncias às fontes astronômicas implica que a direção à fonte no

espaço independe da posição do observador. Por outro lado, a direção da vertical do observador

claramente depende de onde na superfície da Terra ele está. A situação é retratada na figura I.1.4,

que mostra dois observadores situados em um mesmo meridiano geográfico, mas em pontos

distintos da superfície da Terra. A direção à estrela é a mesma independentemente do ponto de

observação sobre a Terra, sendo esta direção representada pelas retas paralelas da figura. Mas as

verticais dos observadores, que pode ser aproximada como a reta originada no centro da Terra e que

passa pelo observador, aponta em direções diferentes. Em outras palavras, os zênites Z1 e Z2 dos

observadores claramente correspondem a direções distintas no espaço. O plano horizontal de cada

observador é perpendicular à vertical e, portanto também varia de orientação no espaço. Nota-se

que a altura da estrela medida pelo observador O1 é bem menor do que aquela medida por O2. Na

figura, PNG e PSG correspondem aos pólos norte e sul geográficos, respectivamente.

13

Figura I.1.4 – Variação da direção vertical e do plano horizontal com a posição do

observador na Terra

Na próxima seção veremos um sistema de coordenadas que não depende do tempo ou da

localização do observador na superfície da Terra.

Sistema Equatorial de Coordenadas

Já havíamos mencionado que os pontos e círculos que são definidos sobre a superfície da

Terra têm seus equivalentes na esfera celeste. Esta situação é retratada na figura I.1.5, na qual

vemos uma representação da Terra (esfera interna) e da esfera celeste (esfera externa). Note que

esta última tem raio infinito, o que é obviamente impossível de reproduzir na figura. Mas o

importante da figura é o fato de permitir a visualização dos equivalentes celestes ao equador e pólos

geográficos. Eles são naturalmente chamados de Equador Celestee Pólos Celestes norte e sul.

14

Figura I.1.5 – Equador e pólos celestes.

O fato de haver um único plano equatorial, reconhecido como tal por todos os observadores

em Terra, independente de onde estejam na sua superfície, constitui-se na condição básica para a

definição de um sistema de coordenadas que seja universal, ou seja, utilizável por todos os

observadores e cujas coordenadas, para uma dada fonte, tenham o mesmo valor, independentemente

de quem as mede. Este é o Sistema Equatorial (ou Uranográfico) de Coordenadas. Este sistema de

coordenadas vem sendo usado desde que os primeiros catálogos de estrelas foram criados.

O sistema equatorial de coordenadas, assim como o horizontal, é também baseado em dois

ângulos: a AscensãoReta α e a Declinação δ. Outra semelhança entre os dois sistemas é o fato de

ambos serem definidos a partir de um plano de referência. No sistema horizontal este plano é o

Plano Horizontal do observador. No sistema equatorial, como novamente implícito pelo próprio

nome, o plano de referência é o plano que contém o equador da Terra e o equador celeste, ou Plano

Equatorial. Na verdade, um observador atento vai notar que há uma enorme semelhança formal

entre os sistemas horizontal e equatorial.

Na figura I.1.6 abaixo vemos uma representação gráfica do sistema equatorial, onde T é o

observador e E é uma estrela. Também indicamos a posição do Pólo Norte Celeste (PNC). O plano

perpendicular à direção deste último e que contém o observador é o plano equatorial. A intersecção

entre o plano equatorial e a esfera celeste é o grande círculo chamado de Equador Celeste.

A declinação δ é definida como o ângulo entre o plano equatorial e a direção à estrela

(segmento TE da figura). Analogamente ao caso horizontal, o sinal de δ caracteriza os pontos dos

diferentes hemisférios separados pelo plano de referência: δ > 0° (δ < 0°) corresponde a pontos a

norte (sul) do equador celeste. Uma estrela sobre o equador celeste tem declinação δ = 0°. Já o

conjunto de todos os pontos cuja declinação é constante é chamado de Paralelo Celesteou Paralelo

de Declinação. O complemento da declinação, representado pelo ângulo p na figura, se chama

Distância Polar, sendo, como implica o próprio termo, o ângulo entre a direção à estrela e a direção

ao pólo norte celeste (segmento de reta T–PNC). A distância polar desempenha, no sistema

equatorial, o mesmo papel que a distância zenital no caso das coordenadas horizontais. Podemos

então escrever:

δ + p = 90°

15

Figura I.1.6 – Sistema de coordenadas equatoriais.

Já a ascensão reta, analogamente ao azimute no sistema horizontal, é contada ao longo do

plano de referência. Logo a origem da contagem da ascensão reta (α = 0°) é necessariamente um

ponto sobre o equador celeste. Este ponto é representado por γna figura I.1.6. O ponto γ (ou Ponto

Vernalou ainda Ponto de Áries) é um dos dois pontos da esfera celeste que pertence tanto ao

equador celeste quanto à eclíptica (ver seção sobre movimento anual do Sol). A ascensão reta é

definida como o ângulo entre o plano que contém PNC, T e γ e o plano que contém PNC, T e a

estrela E (ver figura I.1.6). A intersecção deste último (primeiro) plano com a esfera celeste define

um grande círculo chamado de círculo horário da estrela (do ponto vernal).Os pontos sobre o

círculo horário da estrela têm o mesmo valor de α. Vemos pela figura que a ascensão reta é contada

para leste e pode assumir valores entre 0º  360º. É comum, no entanto, exprimirmos a

ascensão reta em unidades de tempo. Se atribuirmos um domínio de 24h ao domínio de valores de

α acima, teremos 1h = 15°. Por exemplo, os pontos sobre o círculo horário do ponto γ têm

α = 0° = 0h. Esta relação entre ascensão reta e tempo ficará mais nítida adiante, quando discutirmos

o conceito de ângulo horário e as diferentes definições de sistemas de tempo.

Ângulo horário

Ângulo horário H de um astro é o ângulo entre o círculo horário deste astro e o meridiano

astronômico do observador. Este ângulo, assim como a ascensão reta, também é contado sobre o

equador celeste, variando de 0° H 360°. A figura I.1.7 é muito semelhante à figura I.1.6. A

diferença é a inclusão do meridiano astronômico do observador na figura. Conforme explicado

anteriormente, o meridiano é o grande círculo no céu que contém o zênite e os pontos cardeais norte

16

e sul. O meridiano necessariamente contém também os pólos celestes norte e sul. Na figura vemos

que o ângulo horário cresce, a partir do meridiano, em direção oposta à ascensão reta. H cresce para

oeste, acompanhando o movimento diurno dos astros (de leste para oeste). Já α cresce para leste,

seguindo o movimento anual do Sol. Note que enquanto a ascensão reta α e a declinação δ formam

o sistema de coordenadas equatoriais ou uranográficas, o ângulo horário H, juntamente com a

declinação δ forma o sistema horário de coordenadas.

Figura I.1.7 – Sistema horário de coordenadas.

É precisamente o fato de acompanhar o movimento diurno dos astros que torna H um

indicador útil para contagem de tempo. Por exemplo, se num dado instante uma estrela está no

meridiano astronômico de um observador, seu ângulo horário é H = 0°. Um dia depois, após a Terra

dar um giro completo em torno de seu eixo, a estrela estará novamente passando pelo meridiano do

observador. Durante estas duas passagens meridianas, o ângulo horário da estrela terá variado de 0°

a 360°. Podemos, portanto, definir a hora do dia com base no ângulo horário do astro. Daí o nome!

A verdade é que o céu é um imenso relógio, do qual os astros são os ponteiros. A partir da

posição destes ponteiros podemos então obter uma medida da hora. Por exemplo, define-se Hora

Sideral (S) como sendo simplesmente o ângulo horário do ponto vernal (ponto γ). Pela figura I.1.7,

vemos então que:

S = Hγ = H* + α∗

onde H* e α∗ se referem a uma estrela qualquer.

Podemos então definir como Dia Sideral o intervalo de tempo necessário para que o ponto

vernal passe duas vezes pelo meridiano de um observador qualquer. Em outras palavras, é o

intervalo decorrido entre duas passagens meridianasdo Ponto γ.

17

Podemos também usar o ângulo horário do Sol como indicador da hora. Uma vantagem

óbvia de fazê-lo reside no fato de que o Sol é facilmente localizável no céu, o mesmo não se

aplicando ao ponto vernal. AHora Solar(M) é então dada pela expressão:

M = Hsol + 12h

onde Hsol é o ângulo horário do Sol em um dado instante. O acréscimo de 12h serve simplesmente

para fazer com que a passagem meridiana do Sol (Hsol = 0h) corresponda ao meio-dia (M = 12h) e

não à meia-noite. Novamente podemos falar de dia solarcomo sendo o intervalo de tempo

decorrido entre duas passagens consecutivas do Sol pelo meridiano de um observador.

Por estar a Terra orbitando em torno do Sol ao mesmo tempo em que gira em torno de seu

eixo de rotação, os dias solar e sideral não têm a mesma duração. Como o sentido de ambos os

movimentos é o mesmo (anti-horário se visto do norte e horário se olhamos do sul) é fácil provar

que o dia solar é um pouco mais longo do que sideral:

Dia solar = 24h solares.

Dia sideral = 24h siderais = 23h 56min 04s solares.

Mais adiante, no Capítulo 3, voltaremos a discutir, em mais detalhe, os sistemas de

marcação de tempo usados em Astronomia.

Para fins de fixação, veja se consegue responder as perguntas abaixo.

1) Qual o valor de declinação do Pólo Sul Celeste? E qual o valor de δ para o Pólo Norte

Celeste?

2) Qual o valor de α de um ponto cujo círculo horário faz um ângulo de 180° com o círculo

horário do ponto vernal?

3) Qual o valor de δ de uma estrela situada 45° a sul do equador celeste?

4) Seja um observador situado no pólo norte geográfico da Terra. Que ponto de referência

do sistema equatorial se situa no zênite deste observador? Qual a declinação de um ponto cuja

distância zenital medida por este observador é 30°?

5) Qual o valor de distância polar de uma estrela de declinação δ = 20°? E de uma estrela

com δ = –50°?

Precessão

Finalmente, cumpre mencionar que o eixo de rotação da Terra muda de direção no espaço.

Por conseguinte, mudam no céu as posições dos pólos celestes, do equador celeste e do ponto

vernal. A este movimento chamamos de precessão do eixo (ou precessão dos equinócios). Como as

coordenadas equatoriais são definidas a partir destes pontos e círculos da esfera celeste, elas

também variam com o tempo. Fórmulas para calcular as coordenadas equatoriais de um astro em

diferentes épocas são dadas pelo Astronomical Almanac. Essas fórmulas são muito úteis, pois os

catálogos astronômicos geralmente listam as coordenadas das estrelas para uma época arredondada,

18

como 1950 ou 2000. Se quisermos localizar com precisão um objeto no céu em uma época

arbitrária, teremos necessariamente que corrigir as coordenadas catalogadas para a precessão.

A precessão do eixo é muito lenta. De maneira aproximada, a variação de α é da ordem de

3s por ano e a de δ de uns 20”/ano. A figura I.1.8 mostra a variação da posição dos pólos celestes

devida à precessão. A figura da esquerda mostra a situação no presente, em que o pólo norte celeste

(PNC) coincide aproximadamente com a estrela Polaris. Daqui a milhares de anos, o pólo celeste

norte coincidirá aproximadamente com a estrela Vega (figura da direita). No Capítulo 4

discutiremos com mais profundidade a precessão do eixo, bem como outros movimentos que levam

a variações nas coordenadas equatoriais das estrelas.

Figura I.1.8 – Precessão do eixo de rotação terrestre.

Relação entre os Sistemas Horizontal e Equatorial de Coordenadas

Vimos que o sistema de coordenadas horizontais ou altazimutais é baseado no plano do

horizonte e na vertical do observador. Por serem a horizontal e a vertical fáceis de localizar, este

sistema de coordenadas é o mais fácil de se visualizar e suas coordenadas são mais diretamente

mensuráveis. É também mais fácil montar um teodolito ou telescópio de forma que ele se mova

horizontal e verticalmente. Portanto, quase todos os instrumentos de medida astronômica têm

montagem altazimutal.

Por outro lado, vimos que, contrariamente às coordenadas equatoriais, as coordenadas

horizontais de um astro mudam com a posição do observador e com a hora do dia. Isso porque o

sistema equatorial é baseado em pontos e círculos que são universalmente reconhecidos por

qualquer observador na superfície da Terra. Já conceitos como o plano horizontal e direção vertical

são relativos. Computadores podem ser programados para transformar coordenadas de um sistema

para outro. Essas transformações podem ser deduzidas usando-se fórmulas de trigonometria

esférica. Como as coordenadas horizontais variam rapidamente com o tempo, e também dependem

19

de onde se encontra o observador, essas transformações também envolvem coordenadas temporais,

como o ângulo horário, e a latitude do observador, φ.

A Trigonometria Esférica será discutida no Capítulo 2. Uma compilação mais extensa de

fórmulas de Trigonometria Esférica pode ser obtida no livro Conceitos de Astronomia, de R.

Boczko. Outra boa compilação pode ser obtida em Astrophysical Formulae, de K. Lang, p. 504.

Uma dificuldade comum consiste em sermos capazes de visualizar, ao mesmo tempo, os

pontos e círculos pertinentes tanto ao sistema horizontal quanto ao sistema equatorial de referência.

Tentamos fazer isso na figura I.1.9. A figura mostra o plano que contém o meridiano geográfico de

observadores situados nos pontos O1 e O2 sobre a superfície da Terra. São indicados o eixo de

rotação da Terra, ligando os pólos geográficos norte (PNG) e sul (PSG), bem como o Equador

geográfico. Sabemos pela figura I.1.5 que o prolongamento do eixo de rotação leva aos pólos

celestes e que a projeção do Equador define o seu correspondente celeste.

Figura I.1.9 – Pontos e círculos de referência aos Sistemas Horizontal e Equatorial de

coordenadas.

O plano horizontal do observador em O1, assumindo-se a Terra como esférica e de

densidade uniforme, é simplesmente o plano tangente à superfície da Terra em O1, tal como

indicado. Já a vertical do observador será o prolongamento da reta que liga o centro do planeta (C)

ao observador, apontando na direção do zênite (Z1). O ângulo entre esta reta e o plano equatorial é,

por definição, a latitude (φ) de O1. Como a vertical é perpendicular à horizontal, o mesmo

acontecendo com a direção dos pólos celestes com relação ao equador celeste, fica evidente pela

figura que a altura do pólo celeste visível do observador (no caso de O1 na figura é o pólo celeste

norte, PNC) é igual à latitude do observador. Note que para O1 o pólo elevado (acima do horizonte)

é o celeste norte, enquanto que para O2, por situar-se a sul do equador da Terra, o pólo celeste

20

elevado é o sul. Para O2, portanto, a igualdade entre a altura do pólo elevado e a latitude é uma

igualdade em módulo, com sinais algébricos opostos.

Outros sistemas de coordenadas

Coordenadas Eclípticas

Este é um sistema cujo plano de referência é o da eclíptica, ou seja, o plano que contém o

caminho descrito pelo Sol no céu ao longo de um ano. Este sistema é usado com freqüência em

Astronáutica, por exemplo, para expressar e manter a posição e orientação de uma nave com relação

ao Sol. Latitude e Longitude Eclípticas são usualmente expressas em graus e são mais comumente

usadas em Astronomia do Sistema Solar. A primeira (β) é a altura do astro com relação ao plano da

eclíptica (ver figura I.1.10 abaixo). Já a longitude eclíptica (L) é contada ao longo deste plano, com

origem no ponto γ. Transformações entre este sistema e os demais podem ser encontradas em

Conceitos de Astronomia, de R. Boczko ou em Astrophysical Formulae, de K. Lang, p. 504.

Figura I.1.10 – Sistema de Coordenadas Eclípticas

Coordenadas Galácticas

Mais um sistema de coordenadas esféricas, análogo aos demais. Ele é representado na figura

I.1.11. Desta vez o plano de referência é o plano do disco da Via-Láctea, a galáxia a que pertence o

nosso Sistema Solar. Este plano faz um ângulo de 62°32' com o plano equatorial. A Longitude

Galáctica(l), contada ao longo do plano do disco, tem origem na direção ao centro da Galáxia. Note

que é difícil definir o centro da Via-Láctea, o que torna este sistema sujeito a revisões mais

freqüentes do que os anteriores. A Latitude Galáctica é usualmente denotada pela letra b, podendo,

assim como a declinação, a altura e a latitude eclíptica, assumir valores entre –90° < b < 90°. A

direção ao centro da Galáxia (ou seja, l = 0° e b = 0°) situa-se na constelação de Sagitário, ao passo

21

que o pólo norte galáctico (ou seja, b = +90°) fica na constelação da Cabeleira de Berenice. Este

sistema de coordenadas é mais aplicado em estudos que envolvem a distribuição de objetos dentro

da Via-Láctea. Consulte o livro do Lang para ver transformações entre este sistema e o equatorial.

Figura I.1.11 – Sistema de Coordenadas Galácticas.

Fundamentos de Geodésia

História da Geodésia

Nós temos, por séculos, nos preocupado com a Terra sobre a qual vivemos. Em passado

remoto, esta preocupação se limitava a mapear a vizinhança imediata de nossas casas; com o tempo,

foi se tornando útil, e mesmo necessário, localizar e mapear outras regiões, para fins de rotas

comerciais e de exploração. Finalmente, com o aumento da capacidade de se transportar a grandes

distâncias, surgiu o interesse em se estabelecer a forma, o tamanho e composição de todo o planeta.

Os gregos dos períodos arcaico e clássico tiveram idéias variadas quanto à forma e tamanho

da Terra. Homero sugeriu uma forma de um disco plano; Pitágoras e Aristóteles advogavam uma

forma esférica. Pitágoras era um matemático que considerava a esfera a figura geométrica mais

perfeita, sendo para ele, portanto, natural que os deuses dessem esta forma ao mundo. Já

Anaxímenes acreditava que a Terra tinha uma forma retangular.

A idéia de uma Terra esférica foi predominante entre os gregos. A tarefa seguinte e que

ocupou muitas mentes foi a de determinar seu tamanho. Platão estimou a circunferência da Terra

como sendo de umas 40.000 milhas. Arquimedes estimou em 30.000 milhas. Estes valores,

contudo, não passavam muito do campo da mera especulação. Coube a Erastóstenes, no século II

a.C., determinar o tamanho da Terra usando medidas objetivas.

22

Ele notou que no dia do solstício de verão os raios solares atingiam o fundo de um poço em

Siena (atual Assuan, no Egito) ao meio dia. No mesmo instante, contudo, o Sol não estava

exatamente no zênite na cidade de Alexandria, a norte de Siena; pelo tamanho da sombra que o Sol

projetava, Erastóstenes determinou o ângulo de incidência dos raios solares: 7° 12’, correspondendo

a 1/50 de um círculo. Conhecido o arco de circunferência entre as duas cidades, ou seja, a distância

entre elas, Erastóstenes pode então estimar a circunferência do globo. A distância era de umas 500

milhas (na direção norte–sul). Se essa distância corresponde a 1/50 da circunferência da Terra, esta

deveria ter então 50 x 500 = 25.000 milhas de circunferência. Este é um valor bastante próximo do

raio equatorial terrestre (24.901 milhas, valor adotado no World Geodetic System). A figura I.1.12

ilustra o método usado por Erastóstenes. Nela vemos raios solares paralelos incidindo sobre as duas

cidades, sendo que em Alexandria o ângulo com relação à vertical não é nulo, mas de 7°12’.

Figura I.1.12 – método de Erastóstenes para medir a circunferência da Terra.

A precisão de medida de Erastóstenes é incrível considerando-se todas as aproximações

embutidas no seu cálculo. Siena na verdade não está exatamente no trópico de Câncer (ou seja, os

raios solares não são estritamente perpendiculares à superfície no solstício de verão), sua distância a

Alexandria é de 453 milhas (ao invés de 500 milhas) e as duas cidades não estão alinhadas na

direção norte–sul; todos estes fatores contribuem para diminuir a precisão da medida.

Outro Grego antigo a estimar o tamanho do globo foi Posidônio. Ele utilizou uma estrela

que era circumpolar, ou seja, que estava sempre acima do horizonte, quando vista da cidade de

Rodes, tangenciando o horizonte no instante da culminação inferior (ver Capítulo 2). Esta mesma

estrela teve então sua altura medida em Alexandria e, conhecida, a distância entre as duas cidades,

foi possível a Posidônio determinar um valor de 24.000 milhas para a circunferência da Terra.

Outro filósofo grego revisou o método de Posidônio e encontrou um valor substancialmente menor:

18.000 milhas. Este valor foi o adotado por Ptolomeu, cujo trabalho e modelo de cosmos foi

adotado na Europa ao longo da Idade Média. Foi possivelmente graças a esta subestimava da

circunferência do globo que Cristóvão Colombo foi levado a crer que o Extremo Oriente estaria a

23

apenas umas 3 ou 4 mil milhas a oeste da Europa. Somente no século 15 que o valor aceito por

Ptolomeu foi revisado pelo cartógrafo finlandês Mercator.

O advento do telescópio, de tabelas logarítmicas e do método da triangulação foram

contribuições do século 17 à ciência da Geodésia. Nesta época, o Francês Picard fez medidas de

arcos que podem ser consideradas modernas. Ele mediu uma linha de base usando traves de madeira

e um telescópio para medir ângulos. Cassini posteriormente extendeu o método de Picard, fazendo

medidas de linhas de base maiores e tanto a sul quanto a norte de Paris. Quando computou o

comprimento das linhas de base equivalentes a um ângulo de 1°, Cassini notou que estas eram

maiores na direção sul do que no norte. Tal resultado foi o primeiro indício de um desvio da forma

da Terra com relação a uma esfera.

A figura da Terra

A expressão “figura da Terra” tem significados diversos em Geodésia de acordo com o

contexto e com o grau de precisão com que se deseja definir a tamanho e a forma do planeta. A

verdadeira superfície topográfica é bem diversificada, com sua variedade de formações de solo e

áreas líquidas. É nessa superfície, na verdade, que as medidas são feitas. Ela não é, contudo,

adequada para cálculos matemáticos exatos, pois as fórmulas necessárias para acomodar as

irregularidades exigiriam uma quantidade proibitiva de parâmetros e cálculos. A superfície

topográfica é, em geral, preocupação de topógrafos e de hidrógrafos.

O conceito esférico de Pitágoras oferece uma superfície simples e fácil de se lidar

matematicamente. Muitos cálculos astronômicos e de navegação fazem uso desta representação da

superfície da Terra. Ainda que uma esfera seja uma aproximação fiel e satisfatória em muitos casos,

para geodesistas interessados em medidas de grandes distâncias, envolvendo continentes e oceanos,

uma figura mais exata se faz necessária. A idéia de uma superfície plana, por outro lado, ainda é

aceitável em pesquisas sobre pequenas áreas. Modelos planos são usados em pesquisas em área

relativamente pequenas, sem nenhuma correção para a curvatura da Terra. Um levantamento de

uma cidade, por exemplo, provavelmente seria levado a cabo desprezando-se tal curvatura. Para

áreas pequenas assim, posições relativas entre pontos podem ser determinadas com exatidão sem

considerar-se o tamanho e a forma do planeta.

O Elipsóide de Revolução

Dado que a Terra é ligeiramente achatada nos pólos e se alarga mais no equador, a figura

geométrica regular usada em Geodésia e que mais se aproxima de sua verdadeira forma é o

elipsóide de revolução. O elipsóide de revolução é a figura que se obtém ao se rodar uma elipse em

torno de seu eixo menor. A figura I.1.13 mostra uma elipse e seus principais elementos.

24

E ix

o m

en or

Eixo maior

b

a

= f a a-b N

N’

φ

superfície da Terra

Figura I.1.13–Semi-eixos maior a e menor b, grande normal (N) e pequena Normal N’.

Caracterizados pelo semi-eixo maior a (raio equatorial), semi-eixo menor b (raio polar),

achatamento (f) e excentricidade (e). Onde:

• Achatamento (f): f = a

ba − ;

• Semi-eixo maior ou raio equatorial do Elipsóide (a);

• Semi-eixo menor ou raio polar do Elipsóide (b);

• Excentricidade (e): 2 2

22

2 ff a

ba e −=−=

E as referencias ao ponto em estudo:

N = Grande normal, contado perpendicularmente da superfície do elipsóide até o eixo

menor;

• 'N = Pequena normal, contado perpendicularmente da superfície do elipsóide até o eixo

maior.

Note que N e 'N são diferentes da Normal (N) que é a altura geoidal ou ondulação geoidal,

contado da superfície do elipsóide até a superfície do nível médio dos mares como se não houvesse

os continentes, superfície esta conhecida como Geóide explicado a seguir. N e 'N não se originam

do centro do elipsóide mas pela perpendicularidade a superfície do elipsóide, no entanto, N e 'N

passam pelo centro de gravidade da terra quando o ponto em estudo está sobre o plano equatorial ou

no eixo menor.

Um elipsóide de revolução é univocamente determinado pela especificação de dois

parâmetros. Geodesistas, por convenção, usam o semi-eixo maior e o achatamento. No caso da

Terra, o tamanho da figura é determinada pelo raio do equador, o semi-eixo maior, representado

pela letra a. A forma do elipsóide é definida pelo achatamento, f, que indica o quanto o elipsóide se

aproxima de uma esfera. A diferença entre um elipsóide de revolução que represente a Terra e uma

esfera é bem pequena. Isso é demonstrado pela figura I.1.14, onde vemos várias elipses, com

diferentes valores de achatamento, sendo o maior deles igual a f = 0,5 e o menor f = 1/50 = 0,02. O

valor no caso da Terra é ainda bem menor: f = 1/300 = 0,00333.

25

Figura I.1.14 – elipses com diferentes achatamentos.

Geóide

Sabemos que as medidas em Geodésia são feitas sobre a superfície aparente ou topográfica

da Terra e que os cálculos teóricos assumem um modelo, geralmente elipsoidal. Há uma outra

superfície também envolvida nos cálculos: O Geóide. Em levantamentos geodésicos, a computação

das coordenadas geodésicas de pontos é feita em um elipsóide que aproxima com precisão o

tamanho e a forma da Terra na região considerada. As medidas, por seu turno, feitas na superfície

da Terra com determinados instrumentos se referem ao geóide, tal como explicado abaixo. O

elipsóide é uma superfície regular definida matematicamente e com dimensões especificadas. O

geóide, por seu turno, coincide com a superfície média que os oceanos descreveriam se fossem

livres para se ajustar ao efeito combinado da atração gravitacional causada pela distribuição de

massa da Terra e pela força centrífuga resultante de sua rotação. Devido à distribuição irregular da

massa da Terra, a superfície do geóide é irregular e, como o elipsóide é regular, essas superfícies

não são coincidentes. As diferenças são usualmente chamadas de ondulações geoidais, alturas

geoidais ou separações geoidais.

O geóide é uma superfície ao longo da qual o potencial gravitacional é em todo lugar igual

(ou seja, é uma superfície de isopotencial). Assim, a aceleração gravitacional é sempre

perpendicular à superfície geoidal. Esta última característica é particularmente importante, pois

instrumentos óticos que contém mecanismos de nivelamento são comumente usados em medições

geodésicas. Quando ajustadas de maneira apropriada, o eixo vertical do instrumento coincide com a

direção da gravidade e é, por conseguinte, perpendicular ao geóide. O ângulo entre a linha de prumo

que é perpendicular ao geóide (por vezes chamada simplesmente de vertical) e a perpendicular ao

elipsóide (por vezes chamada de normal) é definida como o desvio da vertical.

26

Na figura I.1.15 vemos representada a superfície da Terra, com seu relevo irregular, um

elipsóide que lhe serve de modelo e o geóide. Vemos também as perpendiculares ao elipsóide a ao

geóide, e a medida do desvio, ou deflexão, da vertical mais exatamente pela sua componente

meridiana .

Figura I.1.15 – Representações da superfície da Terra: o elipsóide de revolução e o geóide, com

suas respectivas perpendiculares em um dado ponto.

Sistema Geodésico de Referência

Sistema Geodésico de Referência (SGR) é o elipsóide de revolução, acompanhando nosso

planeta em seu movimento de rotação adequando-se à representação dos pontos terrestre. Podem ser

geocêntricos conforme a origem do terno cartesiano coincida com o centro de gravidade da Terra ou

topocêntrico quando o elipsóide de revolução geocêntrico translada até um ponto da superfície do

elipsóide tangenciar um ponto do Geóide.

É definido pelo:

• Eixo Z coincidente com o eixo de rotação terrestre médio, sentido positivo para o

CTP (Conventional International Pole – Pólo Terrestre Convencional);

• Eixo X no plano do equador terrestre médio, e paralelo ao plano do Meridiano de

Greenwich;

• Eixo Y a 90º de X, de modo a tornar o sistema dextrógiro.

Caracterizado por cinco parâmetros:

• Dois parâmetros definidores do elipsóide de referência:

o Semi-eixo maior a;

o Achatamento f.

27

• Três parâmetros definidores da orientação desse elipsóide em relação ao corpo

terrestre:

o Latitude Geodésicaφ é o ângulo que a normal do elipsóide, passante pelo

ponto, forma com a sua projeção equatorial;

o Longitude geodésica λ é o ângulo λ que mede o diedro formado pelos

meridianos geodésicos do ponto considerado e de Greenwich, contada a

partir deste, positivamente por leste;

o Altura Geométrica h é o segmento da normal compreendido entre o ponto

considerado e o elipsóide. Em primeira aproximação por não serem h e a

altitude ortométrica H(altura em relação ao geóide)colineares.

ou

Três Coordenadas Cartesianas terrestres médias do Centro do Elipsóide (X0, Y0, Z0).

Na figura 1.1.16, podemos observar as coordenadas geodésicas, cartesianas e as alturas

elipsoidal, ortométrica e Normal, assim definido:

h = PB altura elipsoidal;

H = PA altitude ortométrica;

N = AB – Normal. Z

Y X

P

C

B

A

Elipsó ide de Re volu çã o O

λ

φ

Da

b

Geóide

Superf. Terra

Figura I.1.16 – Coordenadas Geodésicas e Cartesiana no elipsóide de revolução e as

superfícies do Geóide e da Terra.

As coordenadas astronômicas de um ponto na superfície da Terra diferem-se das

coordenadas geodésicas com relação a altura, a primeira se refere a altitude ortométrica e a segunda

a altura elipsoidal, devido a direção da vertical (levantadas para as coordenadas astronômicas

através de transporte da diferença de nível em relação ao datum vertical) diferir da direção da altura

28

geométrica (levantadas para coordenadas geodésicas, atualmente, pela utilização da técnica de

posicionamento através do sistema de satélites GPS – Global Position System, Sistema de

Posicionamento Global). Mas as coordenadas planimétricas tem o mesmo valor com determinado

grau de acurácia, pois é sabido que os levantamentos para coordenadas geodésicas são mais

consistentes que os levantamentos para coordenadas astronômicas devido a técnica de

posicionamento por GPS.

Um estudo interessante, não se referindo ao caso acima, se faz na vinculação das

coordenadas geodésicas e astronômicas doSistema Geodésico de Referência Topocêntrico no ponto

de tangência do elipsóide transladado e o Geóide, definido por Datum Horizontal visto na figura

I.1.17. Neste ponto se confundem a Normal e a Vertical, com as conseqüentes igualdades das

coordenadas geodésicas e astronômicas. No entanto, as direções da Normal e a Vertical não são

paralelas, gerando três parâmetros:

ξ − componente meridiana do desvio da vertical;

η – componente 1ª vertical do desvio da vertical e;

N – ondulação do geóide no Datum horizontal, distância entre a superfície do elipsóide e o

Geóide.

Pode-se, então, relacionar as coordenadas geodésicas com as astronômicas:

φ = φa + ξ

)cos(φ ηλλ −= a

h ≅ H

Onde φa e λa são respectivamente as coordenadas de latitude e longitude astronômica no

Datum e H é a altitude ortométrica.

Figura I.1.17 – Deflexão da vertical no datum horizontal.

29

O Sistema Geodésico de Referência Topocêntrico, pertence ao sistema clássico de

referenciamento utilizado em vários países, inclusive no Brasil onde é conhecido por SAD69, por

apresentar os data horizontal (vértice Chuá) e vertical (Imbituba) e a rede de referência constituída

pelas estações monumentadas, as quais representam a realização física do sistema. No entanto, no

Brasil está em curso a migração do Sistema Topocêntrico SAD69 para o Sistema Geocêntrico

SIRGAS (Sistema de Referência Geocêntrico para a América do Sul). Os dois Sistemas podem ser

visto na figura 1.1.18.

Figura I.1.18 – Elipsóides de SGR local e geocêntrico – neste caso o SAD69 e SIRGAS.

Determinação de Posição pela Astronomia

A posição de um ponto sobre a Terra pode ser obtida diretamente pela observação de

estrelas. Este método de posicionamento astronômico é o mais antigo de todos. Tem sido usado ao

longo dos anos por navegadores e, mais recentemente, por aviadores. Exploradores freqüentemente

usavam o método de posicionamento pelos astros para se situarem em regiões não cartografadas.

Geodesistas precisam de determinações astronômicas, conjuntamente com outros tipos de dados,

provenientes, por exemplo, de triangulações e trilaterações, para estabelecer posições precisas.

Posições obtidas astronomicamente e não vinculadas a levantamentos geodésicos não podem ser

relacionadas umas às outras com precisão suficiente para o cálculo de distâncias e direções.

Como o próprio termo sugere, posições astronômicas são obtidas pelas medidas de ângulos

entre uma linha de prumo (vertical) em um dado ponto e a direção a uma estrela (ou várias),

anotando-se o instante exato em que tais medidas são feitas. Ao se combinar essas observações com

dados de catálogos estelares ou anuários astronômicos, podemos então inferir os valores de latitude

e longitude do ponto de observação, aos quais chamamos de latitude e longitude astronômicas. Esta

terminologia serve para diferenciar estas coordenadas daquelas baseadas em um modelo de

elipsóide, que são ditas coordenadas geodésicas.

30

Podemos então definir latitude astronômica como sendo o ângulo entre a perpendicular ao

geóide no ponto considerado e o plano do Equador terrestre. Já longitude astronômica é definida

como o ângulo entre o plano do meridiano de Greenwich e o plano do meridiano que contém o

ponto considerado. A figura I.1.19 ilustra estas definições.

Figura I.1.19 – latitude e longitude astronômicas.

A latitude astronômica pode ser determinada pela medida da altura de uma estrela na sua

culminação superior, ou seja, sua altura máxima. Há métodos mais sofisticados que fazem uso de

mais de uma estrela. Alguns destes métodos serão apresentados neste livro, usando conceitos que

serão apresentados no Capítulo 2. Quanto à longitude astronômica, sua determinação está

intimamente associada à medidas de tempo. Como veremos em mais detalhe no Capítulo 3, a

longitude astronômica de um ponto é medida pela determinação da diferença de tempo (em horas,

minutos e segundos) entre o instante em que uma estrela específica faz sua passagem pelo

meridiano de Greenwich e o instante em que ela passa pelo meridiano do ponto considerado. Há

técnicas variadas para determinação da longitude, algumas das quais serão discutidas

posteriormente. Estas técnicas combinam medidas de tempo, em diversos sistemas de tempo

(Capítulo 3), com as informações de anuários e efemérides, do local.

Outra determinação astronômica importante é a do azimute de uma mira. Medidas azimutais

de alta precisão são usadas no método de triangulação. Novamente usando-se a figura I.1.19, o

azimute astronômico de um ponto Q com relação ao ponto P é definido como o ângulo entre o plano

meridiano que contém P e o plano que contém tanto Q quanto a perpendicular ao geóide passando

por P. Este ângulo, em geral, tem origem no ponto cardeal norte e é contado de 0° a 360° no sentido

leste.

31

Observações astronômicas são feitas com instrumentos óticos, como o teodolito, a câmara

zenital ou o astrolábio, todos contendo mecanismos de nivelamento da base do instrumento.

Quando nivelados de forma adequada, o eixo vertical desses instrumentos (que é perpendicular à

sua base) coincide com a direção da aceleração gravitacional, sendo, portanto, perpendicular ao

geóide naquele ponto. Dessa forma, determinações astronômicas sempre se referem ao geóide.

Como o geóide é uma superfície irregular, as posições assim determinadas para diferentes pontos

são independentes umas das outras.

32

CAPÍTULO 2 ESTUDO ANALÍTICO DO MOVIMENTO DIURNO

Movimento diurno dos astros As estrelas visíveis no céu noturno variam com a época do ano, a hora do dia e com a

latitude do observador.

A dependência com a época do ano é causada pelo fato de o Sol se mover com relação às

estrelas, ao longo do ano. Este movimento anual do Sol , como veremos no próximo capítulo, é o

resultado do movimento orbital da Terra em torno do Sol. O caminho do Sol no céu em seu

movimento anual se chama eclíptica. Dessa forma, as estrelas que aparecem no céu noturno, ou

seja, que estão longe da posição do Sol na esfera celeste, mudam lentamente ao longo do ano.

A dependência com a hora do dia se deve à rotação da Terra. De maneira geral, os astros

nascem e se põem no céu à medida que a Terra gira em torno de seu eixo. Como esse movimento

faz com que um observador fixo na superfície da Terra descreva um círculo no espaço, os astros,

vistos por este observador, descrevem também um círculo na esfera celeste. A este movimento

chamamos de movimento diurno. A rotação se dá de oeste para leste; logo, o movimento diurno dos

astros no céu se dá no sentido inverso, de leste para oeste. O movimento de um ponto fixo na

superfície da Terra é paralelo ao equador, mantendo-se constante, portanto, a latitude do ponto. Da

mesma forma, o círculo descrito por uma estrela em seu movimento diurno é paralelo ao equador

celeste. Portanto, não se altera a declinação δ da mesma (ou a sua distância polar p). Como o ponto

γ é fixo com relação às estrelas, também ele se move no céu ao longo do dia. A ascensão reta então

é mantida constante. Essa é a grande vantagem das coordenadas equatoriais sobre as horizontais:

enquanto a altura h e o azimute A de um astro variam ao longo do dia, devido ao movimento

diurno, a ascensão reta α e a declinação δ são fixas. Essas últimas variam apenas em escalas de

tempo muito mais longas, devido aos efeitos de precessão, nutação, aberração, paralaxe e

movimento próprio, que veremos em maior detalhe no Capítulo 4.

Passagem meridiana

Em geral, parte do círculo descrito por um astro no céu ao longo de um dia estará acima do

horizonte do observador e parte dele estará abaixo. No instante em que o astro está no plano que

contém o meridiano astronômico do observador, sua altura no céu é um extremo. Isso acontece duas

vezes em um dia sideral; na culminação superior (ângulo horário H = 0°) a altura do astro é

máxima, na culminação inferior (H = 180°) sua altura é mínima. A culminação superior é a melhor

33

ocasião para se observar o astro, já que sua altura h é máxima (distância zenital, zmin, é mínima).

Neste instante de passagem meridiana, podemos também estabelecer relações simples envolvendo a

altura hmax e declinação δ da estrela e a latitude φ do observador. O primeiro passo para isso é o de

construir o diagrama do plano meridiano do observador. Este é mostrado na figura I.2.1. Nele

vemos o observador em O, sua vertical OZ que encontra a esfera celeste no zênite (Z) e os pontos

cardeais Norte (N) e Sul (S), também pertencem ao plano meridiano o pólo celeste elevado (no caso

da figura é o pólo celeste sul, PSC) e um ponto do equador celeste que cruza o plano meridiano em

EC, cuja direção é, obviamente, perpendicular à direção ao pólo celeste. O meridiano astronômico é

representado pelo semicírculo no diagrama. A posição de uma estrela que faz sua culminação

superior também é mostrada, juntamente com sua declinação δ e sua distância zenital z. Como

latitudes e declinações a sul são arbitradas como de valor negativo, enquanto que altura acima do

horizonte e distância zenital são sempre positivas, faz-se necessário incluir um sinal negativo na

frente de alguns ângulos mostrados, como forma de compatibilizar estas definições.

Figura I.2.1 – diagrama do plano meridiano de um observador de latitude φ a sul do

equador terrestre.

Note que a figura mostra um resultado muito importante e já discutido anteriormente: a

altura do pólo elevado é numericamente igual à latitude do observador. Para enfatizarmos este

resultado fazemos uso da figura I.2.2, em que vemos o plano meridiano de um observador situado

no ponto O da superfície da Terra. Nesta figura, vemos não apenas o plano meridiano, mas também

todos os pontos na superfície da Terra que compartilham deste plano, incluindo-se ainda o centro da

Terra e os seus pólos norte e sul geográficos (PNG e PSG, respectivamente). É fácil provar, usando

equivalência de ângulos correspondentes e lembrando que o eixo de rotação é perpendicular ao

equador e que a vertical do observador é perpendicular à sua horizontal, que a altura do pólo celeste

elevado é, de fato, numericamente igual à latitude.

34

Figura I.2.2 – representação do diagrama do plano meridiano do mesmo observador que na figura

anterior.

Voltemos agora à questão fundamental da relação matemática envolvendo a altura hmax e a

declinação δ da estrela e a latitude φ do observador. São duas as relações envolvendo estas variáveis

no instante da passagem meridiana. A relação a ser usada depende da culminação superior se dar a

norte (A = 0°) ou a sul de zênite (A = 180°):

φ = δ − zmin (se A = 0°)

φ = δ + zmin (se A = 180°)

Essas duas fórmulas podem ser facilmente deduzidas pela figura I.2.3, que mostra

novamente o diagrama do plano meridiano. Note que o pólo celeste elevado agora é o pólo celeste

norte, PNC. O ponto do equador celeste que cruza o plano meridiano é EC e sua direção é

perpendicular a PNC.

A figura mostra a situação de culminação superior de duas estrelas, uma a norte do zênite

(K) e a outra a sul (V). Da figura segue imediatamente que:

φ = δk − zk (Ak = 0°)

φ = δv + zv (Av = 180°)

35

Figura I.2.3 – diagrama do plano meridiano de um observador de latitude φ > 0°, agora mostrando

as culminações de duas estrelas: EK e EV, culminando respectivamente a norte e a sul do zênite (Z).

Estrelas circumpolares e estrelas invisíveis Consideremos agora o efeito da latitude do observador sobre a visibilidade das estrelas. Por

exemplo, estrelas muito próximas do pólo norte celeste, por exemplo, estão sempre acima (abaixo)

do horizonte de observadores situados em latitudes norte (sul). Estrelas sempre acima do horizonte

são chamadas de circumpolares. Estrelas sempre abaixo do horizonte de um observador são

simplesmente chamadas de invisíveis.Para que uma estrela seja circumpolar, a altura mínima que

ela atinge durante todo o dia tem que ser positiva, ou seja, hmin > 0°. A altura mínima de qualquer

astro ocorre na sua culminação inferior. Pela figura I.2.4 podemos ver que a condição de

circumpolaridade de uma estrela para um observador no hemisfério norte é dada por:

p = 90° – δ < φ

δ > 90° – φ.

Figura I.2.4 – Diagrama do plano meridiano mostrando a região onde se situam as estrelas

circumpolares (mais escura).

36

Na figura I.2.4, o semicírculo que passa pelos pontos cardeais Norte (N) e Sul (S) e também

pelo zênite é o meridiano astronômico do observador. O pólo celeste elevado é o pólo celeste norte

(PNC), cuja direção é perpendicular ao equador celeste. Este último cruza o meridiano do

observador no ponto EC. A altura do pólo celeste visível é igual à latitude do observador, sendo que

a direção de PNC é bissetriz do arco mostrado em tonalidade escura na figura. Este arco representa

a zona ocupada pelas estrelas circumpolares para o observador em questão.

Podemos determinar nossa latitude pela observação do movimento diurno de estrelas

circumpolares. O método é ilustrado na figura I.2.5.

Figura I.2.5 – Relação entre a latitude φ do observador e as alturas de uma estrela circumpolar nas

culminações inferior (hi) e superior (hs).

Nela vemos novamente uma representação do plano meridiano de um observador. Vemos o

pólo elevado (PNC), de altura igual à latitude φ do observador. Vemos também as posições de uma

estrela circumpolar nos momentos da culminação superior (C.S.) e inferior (C.I.). Como a

declinação da estrela não muda ao longo de um dia, sua distância polar p também se mantém

constante. Assim, podemos ver facilmente pela figura que as alturas máxima (hs) e mínima (hi) da

estrela durante seu movimento diurno podem ser expressas em função de φ e p:

hi = φ − p

hs = φ + p

Logo, eliminando p do sistema de equações acima, teremos:

2 is hh +=φ

Para um observador no Hemisfério Sul da Terra, a fórmula é praticamente a mesma. A única

diferença é que temos que lembrar que, neste caso, convenciona-se que a latitude é negativa,

enquanto que as alturas de uma estrela circumpolar serão sempre positivas. Assim temos apenas que

mudar um sinal algébrico:

2 is hh +−=φ φ

37

Note que o pólo sul celeste está sempre abaixo do horizonte do observador em questão.

Estrelas suficientemente próximas a ele estarão sempre invisíveis a este observador. A situação é

retratada na figura I.2.6, onde vemos o valor de declinação mínimo (em módulo) necessário para

que uma estrela seja invisível para um observador de latitude φ. A condição para uma estrela nunca

nasça (seja invisível) é (hmax < 0°):

δ < – (90°– φ)

Figura I.2.6 – Diagrama do plano meridiano mostrando a condição de invisibilidade para um

observador no hemisfério norte terrestre.

Assim, no caso de um observador cuja latitude é φ = 45°, por exemplo, estrelas com

δ > 45° são circumpolares e estrelas com δ < − 45° são invisíveis.

As condições de circumpolaridade e invisibilidade acima se aplicam para o caso em que o

observador está no hemisfério norte da Terra (ou seja, φ > 0°). Para o hemisfério sul

(φ < 0°) teremos:

Circumpolaridade: δ < – (90 + φ)

Ιnvisibilidade: δ > (90 + φ)

Tente desenhar diagramas do plano meridiano de um observador, semelhantes aos diagramas

das figuras I.2.4 e I.2.6 acima, mas para o caso de um observador no hemisfério sul terrestre. Ao

desenhá-los, lembrando das definições de pólo e equador celestes e lembrando que a altura do pólo

sul celeste será sempre igual ao módulo da latitude do observador, você deverá ser capaz de deduzir

as expressões acima.

Movimento diurno: exemplos do efeito da latitude do observador Diferentes pontos na superfície da Terra vêem diferentes partes da esfera celeste. As

próximas 5 figuras representam, respectivamente, situações de observadores no pólo norte da Terra

(figura I.2.7), a uma latitude norte intermediária (figura I.2.8), no equador da Terra (figura I.2.9), a

uma latitude sul intermediária (figura I.2.10) e no pólo sul (figura I.2.11). Em cada uma das cinco

38

figuras, a linha cinza mais grossa denota o caminho diurno descrito por uma estrela de declinação δ

> 0° e a linha cinza mais fina representa o mesmo caminho para uma estrela de declinação δ < 0°.

Como veremos mais adiante estes caminhos representam muito bem os arcos diurnos descritos pelo

Sol em um dia de junho (linha grossa) e em um dia de dezembro (linha fina). Já nos equinócios

(aproximadamente em 21/03 e 21/09) o Sol se encontra sobre o equador celeste (linha escura),

sendo este então o caminho por ele percorrido no céu ao longo destes dias.

No pólo norte geográfico (latitude φ = +90°, figura I.2.7), o pólo norte celeste (PNC)

coincide com o zênite e o equador celeste coincide com o horizonte. Assim, o céu visível é

exatamente o hemisfério norte celeste. À medida que a Terra gira, todas as estrelas descrevem

círculos em torno de PNC, ou seja, neste caso em torno do zênite. Os círculos por elas descritos são

então paralelos ao horizonte, de altura constante (esses círculos de h constante são chamados de

almucântar). Nenhuma estrela, portanto, nasce ou se põe no céu. Todas as estrelas do hemisfério

norte celeste (ou seja, com δ > 0°) são circumpolares. As estrelas com δ < 0° são sempre invisíveis.

Se o Sol tem declinação positiva, ele também estará sempre acima do horizonte durante todo o dia.

Por exemplo, no solstício de junho (em torno de 21/06), a declinação do Sol é δ = 23,5°, o que

significa que ele estará o dia inteiro acima do horizonte, no almucântar de h = 23,5°. O inverso

ocorre no mês de dezembro, quando a declinação do Sol é negativa. Neste caso o Sol fica abaixo do

horizonte (não se vê a linha cinza mais fina no diagrama) e um observador no pólo norte da Terra

fica então imerso em noite constante.

Figura I.2.7 – Arcos diurnos para um observador no pólo norte geográfico da Terra.

A uma latitude norte intermediária (φ = +45°, figura I.2.8), o PNC está a uma altura de 45°

(a altura do pólo é sempre igual ao módulo da latitude, nunca se esqueça disso!). Metade do

equador celeste está acima do horizonte e a outra metade está abaixo. Note que isso é sempre

verdade, exceto para um observador nos pólos. O equador celeste cruza o horizonte nos pontos

cardeais leste (E) e oeste (W). Algumas estrelas são circumpolares (aquelas com δ > 45°) e outras

nunca nascem (δ < –45°). As demais estrelas nascem e se põem a cada dia, passando parte do dia

39

acima e parte do dia abaixo do horizonte. O Sol, por exemplo, não satisfaz nem a condição de

circumpolaridade nem a de invisibilidade. Isso significa que em qualquer dia do ano o Sol nascerá e

se porá a esta latitude. Claro que em junho, ele está mais próximo de satisfazer a condição de

circumpolaridade, ficando, portanto mais tempo acima do horizonte, enquanto que em dezembro a

situação se reverte e a noite é mais longa do que o dia. Note ainda que o Sol nasce a norte do ponto

cardeal leste e se põe também a norte do ponto cardeal oeste em junho, enquanto que em dezembro

tanto o nascer quanto o por do Sol se dão a sul desses pontos cardeais. Finalmente, vale notar que a

altura do Sol ao passar pelo meridiano é maior em junho do que em dezembro. Como a incidência

dos raios solares é mais perpendicular no primeiro caso do que no segundo, as temperaturas tendem

a ser maior em resposta a este aumento na insolação (e também ao fato de o Sol passar mais tempo

acima do horizonte).

Figura I.2.8 – Arcos diurnos para um observador de latitude norte intermediária (φ = +45°).

Para um observador no equador de Terra (φ = 0°. figura I.2.9), o PNC coincide com o ponto

cardeal norte (N) e o pólo celeste sul (PSC) coincide com o ponto cardeal sul. O equador celeste é

neste caso um círculo vertical, passando, portanto pelo zênite. Durante um dia, à medida que a Terra

gira em torno do seu eixo de rotação (que liga PSC a PNC), toda a esfera celeste vai sendo revelada.

Não há, por conseguinte, estrelas circumpolares nem invisíveis; todas as estrelas nascem e se põem

para este observador de latitude nula. Em qualquer dia do ano, o movimento diurno do Sol é sempre

ao longo de círculos perpendiculares ao horizonte, metade dos quais está acima do horizonte. O Sol,

portanto, fica sempre 12h acima e 12h abaixo do horizonte. Note que nos equinócios, o Sol estando

no equador celeste, ele passa pelo zênite ao meio-dia. Como a insolação não muda muito ao longo

do ano, as variações sazonais de temperatura são minimizadas nas regiões equatoriais.

40

Figura I.2.9 – Arcos diurnos vistos por um observador situado sobre o equador geográfico da Terra

(φ = +0°).

Seja agora um ponto a uma latitude intermediária sul (φ = –45°, figura I.2.10): a situação é

análoga ao caso da latitude intermediária norte. Mas desta vez é o PSC que está a uma altura de 45°.

Novamente, algumas estrelas são circumpolares (aquelas com δ < –45°) e outras nunca nascem (δ >

+45°). As demais estrelas nascem e se põem a cada dia, passando parte do dia acima e parte do dia

abaixo do horizonte. O Sol novamente nasce e se põe todos os dias. Mas agora, ele fica mais da

metade do dia acima do horizonte nos meses próximos a dezembro, resultando no verão no

hemisfério sul. Próximo a junho, seu caminho no céu ao longo do dia está majoritariamente abaixo

do horizonte. Os pontos de nascer e ocaso do Sol novamente estão a norte ou sul dos pontos

cardeais E e W, dependendo também da época do ano.

Figura I.2.10 – Arcos diurnos vistos por um observador situado em latitude sul intermediária (φ =

–45°) .

No pólo sul (latitude φ= –90°, figura I.2.11), a situação é também análoga ao caso

correspondente a norte. O PSC agora coincide com o zênite e o equador celeste coincide com o

horizonte. Assim, o céu visível é exatamente o hemisfério sul celeste. À medida que a Terra gira,

todas as estrelas descrevem círculos em torno de PSC, ou seja, neste caso em torno do zênite. Os

círculos por elas descritos são novamente almucântaresenenhuma estrela nasce ou se põe no céu:

todas as estrelas do hemisfério sul celeste são circumpolares. e todas as estrelas com δ > 0° são

41

sempre invisíveis. O Sol fica o dia inteiro acima do horizonte entre os dias 21/09 e 21/03, passando

a ficar sempre abaixo do horizonte entre 21/03 e 21/09.

Figura I.2.11 – Aarcos diurnos para um observador situado no pólo sul geográfico (φ = –90°) .

Trigonometria Esférica

Já estudamos qualitativamente o movimento diurno, concluindo que todos os astros

completam diariamente um círculo paralelo ao equador celeste. Estudamos o caso particular em que

um objeto atravessa o meridiano astronômico de um observador e vimos que nesta situação a sua

altura no céu atinge um valor extremo (máximo na culminação superior e mínimo na culminação

inferior). Além disso, estabelecemos relações matemáticas entre a latitude do observador e a

declinação e altura da estrela na passagem meridiana. Na verdade, as coordenadas de uma estrela no

céu estão associadas à posição do observador na superfície da Terra em qualquer instante, mesmo

fora da passagem meridiana. Há relações matemáticas bem mais gerais envolvendo coordenadas

horizontais, horárias e equatoriais de uma estrela e a latitude e longitude do observador. Para

deduzirmos essas relações, contudo, faz-se necessário estudarmos um ramo da Trigonometria

chamado de Trigonometria Esférica, cuja aplicação à Astronomia constitui-se no que chamamos de

Astronomia Esférica. Esta não é a mais excitante das disciplinas, mas é muito importante para a

prática da Astronomia, pois o céu tem geometria esférica e não plana.

A Trigonometria Esférica é análoga à trigonometria plana, mas com a diferença muito

importante de ser aplicada a triângulos esféricos.

Triângulos Esféricos

Um triângulo esférico é uma figura sobre uma superfície esférica que resulta quando

consideramos três grandes círculos (ou círculos máximos) sobre essa superfície. Um grande círculo

é qualquer círculo sobre a superfície esférica que a divida em dois hemisférios. Um plano que

contém um grande círculo necessariamente contém também o centro da esfera. A figura I.2.12

42

mostra um triângulo esférico. Vemos uma esfera com centro em O e três pontos em sua superfície:

A, B e C. Ao unirmos estes três pontos, dois a dois, através de círculos máximos, formamos uma

figura ABC que se assemelha a um triângulo, mas que se situa sobre a esfera: um triângulo esférico,

portanto.

Figura I.2.12 –Representação de um triângulo esférico (de vértices A, B e C) sobre a superfície de

uma esfera.

Note que um triângulo esférico não é qualquer figura de três vértices desenhada sobre uma

esfera; para ser um triângulo esférico esta figura tem que ter lados que sejam arcos de grande

círculo. Outra observação importante sobre triângulos esféricos é que tanto os seus ângulos quanto

os seus lados são medidos em unidades angulares. Os lados de um triângulo esférico são arcos de

círculo máximo que, divididos pelo raio da esfera nos dão o ângulo, com vértice no centro da esfera,

entre os pontos que eles ligam. Já os ângulos em cada vértice do triângulo esférico representam a

separação angular entre os planos dos grandes círculos que se interceptam naquele vértice.

Os triângulos esféricos têm algumas características que os distinguem dos triângulos planos.

Neste último, por exemplo, a soma dos seus ângulos internos é sempre igual a 180°. No caso dos

esféricos, a soma dos ângulos é sempre compreendida entre 180° e 540°. Existem vários livros que

abordam a Trigonometria Esférica de uma perspectiva mais geral e aprofundada, discutindo e

apresentando vários teoremas e resultados de interesse geral sobre os triângulos esféricos. Exemplos

são as apostilas sobre Trigonometria e Astronomia Esférica de C. Gemael (UFPR) e o livro

Conceitos de Astronomia, de R. Boczko. Aqui vamos adotar uma abordagem mais objetiva,

voltando-nos diretamente para situações de interesse Geodésico e Astronômico.

Na figura I.2.13 vemos um exemplo geográfico de um triângulo esférico. Trata-se do

triângulo que tem como vértices o pólo sul geográfico e as cidades de Rio de Janeiro e Cape Town

43

(África do Sul). Os lados do triângulo que ligam cada uma dessas duas cidades ao pólo sul são

simplesmente arcos ao longo dos seus respectivos meridianos geográficos (arcos de grandes

círculos, portanto). Já o lado que liga as duas cidades é também um arco de grande círculo.

Figura I.2.13 – Exemplo geográfico de um triângulo esférico.

Por que o estudo de triângulos esféricos é importante para a Astronomia? O motivo é que,

em qualquer instante, exceto pela passagem meridiana, um astro forma um triângulo esférico com o

pólo celeste de seu hemisfério equatorial e com o zênite do observador. Este triângulo é chamado de

triângulo de posição do astro. Na figura I.2.14 vemos representado o triângulo de posição de uma

estrela (cuja posição na esfera celeste é representada pela letra E). A figura inclui também a posição

do observador (O), os planos equatorial e horizontal e o plano meridiano (contendo Z, N, S e M).

Estão indicadas na figura várias coordenadas associadas à estrela, como sua altura h, sua distância

zenital z, sua declinação δ e sua distância polar p. Estão indicados ainda o ângulo horário H da

estrela e, pela altura do pólo celeste elevado (PN), a latitude φ do observador. Esta figura é

fundamental, pois envolve quase todos os conceitos e definições que vimos até agora.

Recomendamos que o leitor reveja as definições de cada coordenada e de cada ponto e círculo da

esfera celeste mostrados na figura I.2.14, até que esteja com ela bem familiarizado e entenda bem o

que está vendo.

44

Figura I.2.14 – Triângulo de posição de um astro (em branco), mostrado sobre a esfera

celeste, juntamente com as coordenadas horizontais e equatoriais, além dos pontos e círculos mais

importantes.

Fórmulas de Trigonometria Esférica

Podemos então aplicar inúmeras relações entre os elementos de um triângulo esférico ao

triângulo de posição de um astro. Estas relações são deduzidas a seguir para um triângulo esférico

genérico, de lados a, b e c e ângulos A, B e C. Considere o triângulo genérico da figura I.2.15. Na

figura também mostramos o centro da esfera, O. Conforme já mencionado, o lado a do triângulo,

por exemplo, é um arco de grande círculo que mede o ângulo, com vértice em O, entre os

segmentos de reta OC e OB, e assim por diante. O ângulo A (ou seja, com vértice em A), por seu

turno, mede a separação entre os planos OÂB e OÂC.

Figura I.2.15 – Triângulo esférico genérico (com vértices A, B e C).

Vamos agora deduzir algumas fórmulas importantes que associam lados e ângulos de um

triângulo esférico. Primeiramente, consideremos a perpendicular ao plano CBO ˆ e que passa pelo

vértice em A do triângulo da figura I.2.15. Essa reta é representada pelo segmento AP da figura. A

partir do ponto P, tomemos agora duas retas, PN e PM, perpendiculares, respectivamente, aos

45

segmentos OB e OC. Ao tomarmos estas retas, formamos na figura vários triângulos (planos)

retângulos: ANP, AMP, ONP, OMP e OAP. Além desses, são também triângulos retângulos OAN e

OAM. Usando todos estes triângulos poderemos então deduzir várias fórmulas.

Considere o triângulo OAN, por exemplo. O ângulo com vértice em O deste triângulo mede

a separação entre o cateto ON e a hipotenusa OA. Mas este ângulo é o lado b do triângulo esférico.

Logo podemos escrever:

cos(b) = OA ON ; sen(b) =

OA AN

Analogamente, considerando o triângulo OAM, cuja hipotenusa é OA (o raio da esfera),

teremos:

cos(c) = OA OM ; sen(c) =

OA AM

Sejam agora os triângulos ONP e OMP, cuja hipotenusa é OP. E sejam novamente os

ângulos com vértice em O, representados pelas letras gregas α e β. Podemos escrever:

cos(α) = OP OM ; sen(α) =

OP MP

cos(β) = OP ON ; sen(β) =

OP NP

Podemos então escrever que OM = OP cos α. Substituindo esta relação na expressão para

cos c acima e lembrando que α + β = a, temos:

OM = OA cos(c)= OP cos(aβ) = OP [cos(a)cos(β) + sen(a)sen(β)] 

 OA cos(c)= OP (cos(a) OP ON + sen(a)

OP NP ) = ON cos(a) + NPsen(a) 

OA cos(c)= OA cos(b)cos(a)+ NP sen(a)

Esta última linha resulta da expressão para ON usando o triângulo OAN, dada

anteriormente. Precisamos agora encontrar uma expressão para NP. Usando o triângulo ANP

(retângulo em P e com hipotenusa AN), temos:

NP = AN cos( )= AN cos(C)= OA sen(b)cos(C)

onde N̂ é o ângulo, com vértice em N, entre os segmentos AN e NP. Mas este ângulo é igual ao

ângulo C do triângulo esférico, ou seja, o ângulo entre os planos OAC e OBC.

Substituindo na expressão anterior temos então:

OA cos(c)= AO cos(b)cos(a)+ NP sen(a)= OA cos(b)cos(a)+ OA sen(b)cos(C)sen(a)

Resulta finalmente em:

cos(c) = cos(a)cos(b)+ sen(a)sen(b)cos(C)

Esta é a chamada fórmula dos 4 elementos, em que os 3 lados do triângulo esférico são

associados a um de seus ângulos. Note que o lado cujo co-seno aparece no lado esquerdo é aquele

46

oposto ao ângulo que entra na fórmula. Podemos escrever outras duas fórmulas análogas (cuja

dedução também é inteiramente análoga):

cos(a) = cos(b)cos(c) + sen(b)sen(c)cos(A)

cos(b) = cos(a)cos(c)+ sen(a)sen(c)cos(B)

Há também as fórmulas dos 4 elementos aplicadas a ângulos:

cos(A) = – cos(B)cos(C) + sen(B)sen(C)cos(a)

cos(B) = – cos(A)cos(C) + sen(A)sen(C)cos(b)

cos(C) = – cos(A)cos(B) + sen(A)sen(B)cos(c)

Pelas fórmulas aplicadas aos triângulos OAN, OAM, ANP e AMP acima, podemos também

deduzir a analogia dos senos.

AM = OA sen(c) = )(Bsen

AP

AN = OA sen(b) = )(Csen

AP

Logo:

OA AP = sen(b) sen(C) = sen(c) sen(B) 

)( )(

)( )(

)( )(

Asen asen

Csen csen

Bsen bsen ==

Astronomia Esférica

Apliquemos agora as fórmulas de Trigonometria Esférica, deduzidas anteriormente, ao

triângulo de posição de uma estrela, representado na figura I.2.16 pelo triângulo esférico E–Z–PNC.

Os lados deste triângulo, conforme indicado, são o complemento da latitude do observador (90° –

φ), a distância zenital z (90° – h) e a distância polar p (p = 90° – δ). Além do ângulo Q, com vértice

em E e mostrado na figura, ou outros ângulos do triângulo de posição são o ângulo horário H, com

vértice em PNC (pois é o ângulo entre o plano meridiano e o círculo horário da estrela) e 360° – A,

com vértice no zênite. Este último é o ângulo entre o plano meridiano e o vertical da estrela, estando

obviamente ligado ao azimute. O fato de seu valor ser 360° – A se deve à escolha particular da

origem do azimute na direção norte e crescendo para leste–sul–oeste.

A analogia dos senos nos dá então:

)( )(

)( )cos(

)360( )cos(

0 Hsen zsen

QsenAsen ==

− φδ 

 )( )(

)( )cos(

)( )cos(

Hsen zsen

QsenAsen ==− φδ

47

Figura I.2.16 – Triângulo de posição de um astro.

Já as fórmulas dos 4 elementos nos dão:

cos(z) = sen(δ)sen(φ) + cos(δ)cos(φ)cos(H)

sen(δ) = sen(φ)cos(z) + cos(φ)sen(z)cos(A)

sen(φ) = sen(δ)cos(z) + cos(δ)sen(z)cos(Q)

Situações especiais Existem algumas situações especiais nas quais as fórmulas se simplificam bastante. Essas

situações se caracterizam pelo fato de um ou mais dos lados ou ângulos do triângulo de posição se

tornarem nulos ou retos.

A situação mais simples é a da passagem meridiana. Neste caso o ângulo horário é H = 0°.

Pela analogia dos senos vê-se imediatamente que os senos dos demais ângulos do triângulo de

posição também têm que se anular, ou seja, o azimute, por exemplo, assume os valores A = 0° ou A

= 180°. Estes dois casos se aplicam a culminações a norte e a sul do zênite, respectivamente. É fácil

ver também, pela primeira fórmula dos 4 elementos acima, que:

cos(z) = sen(δ)sen(φ) + cos(δ)cos(φ) = cos(δ − φ) 

 z = δ − φ (quando A = 0°) ou

 z = φ − δ (quando A = 180º)

Essas expressões já haviam sido deduzidas na seção sobre o movimento diurno, usando os

diagramas do plano meridiano. O leitor cuidadoso e metódico vai notar que as mesmas relações

deveriam ser também obtidas no caso da culminação inferior, quando H = 180°. Mas, de fato, se

fizermos esta substituição nas equações deduzidas acima, teremos:

cos(z) = sen(δ)sen(φ) − cos(δ)cos(φ) = – cos(δ + φ)  z = 180º − |δ + φ|

48

Note que a inclusão do valor absoluto da soma δ + φ na expressão acima visa a

compatibilizar os domínios em que são definidas as diferentes variáveis envolvidas. A distância

zenital z, por exemplo, é definida no domínio 0° < z < 180°. Dependendo dos valores de latitude e

declinação, que são definidas no domínio entre –90° e +90°, a não inclusão do valor absoluto

poderia violar o domínio em z. Assim, ainda que haja mais soluções matemáticas para o caso de H

= 180°, a solução astronômica para a situação da culminação inferior exige que se considere o

módulo de δ + φ. Situações deste tipo não são raras e, portanto, temos que sempre ter em mente as

definições e domínios de valores para as grandezas envolvidas e adaptar as soluções matemáticas

gerais dadas pelas equações da trigonometria esférica ao caso astronômico com que estamos

lidando.

Ηá também a situação do nascer e ocaso de uma estrela, z = 90°. Neste caso, pelas fórmulas

dos 4 elementos, temos:

cos(H) = – tg(δ)tg(φ)

cos(A) = )cos( )(

φ δsen

A primeira expressão acima mostra que um astro só nasce e se põe se:

|tg(δ)tg(φ)| < 1 

|tg(δ)| < |cotg(φ)| 

|tg(δ)| < |tg(90°– φ)| 

|δ| < |(90°– φ)|

A segunda expressão resulta na mesma restrição acima, pois |cos(A)| também tem que ser

menor do que a unidade

A restrição acima também requer cuidado. Se a latitude é φ < 0, então (90° – φ) > 90º, o que

novamente viola o domínio de valores permitidos para a declinação δ. Assim, no caso de um

observador no hemisfério Sul, podemos substituir (90°–φ) por (90°+φ) , já que o módulo da

tangente será o mesmo, independente do sinal aritmético do argumento. Assim, usando o sinal

positivo no argumento, respeitamos os limites possíveis para a declinação.

Ou seja, uma estrela nasce e se põe somente se:

|δ| < 90 – φ , para φ > 0°

|δ| < 90 + φ , para φ < 0°

Essas condições também já haviam sido deduzidas anteriormente, quando estudamos

estrelas circumpolares e invisíveis.

Há ainda outras situações úteis, em que as fórmulas da Trigonometria Esférica se

simplificam. Por exemplo, quando A = 90° ou A = 270° dizemos que a estrela passa pelo 1° e 2°

49

verticais, respectivamente. Analogamente, quando H = 90° ou H= 270°, temos os círculos das 6h e

18h. Quando Q = +/– 90°, dizemos que a estrela está em elongação. Em todas estas situações o

triângulo de posição da estrela é retângulo. Há outras situações em que o triângulo de posição se

torna retilátero, ou seja, com um lado igual a 90°. Vimos o caso do nascer e ocaso (z = 90°). Há

também os casos que envolvem astros ou observadores especiais, como o de uma estrela que

pertença ao Equador Celeste (δ = 0°), ou o de um observador situado no Equador da Terra (φ = 0°).

Procure você mesmo deduzir as fórmulas dos senos e dos 4 elementos nestes casos especiais.

Um outro conceito importante é o de velocidade zenital. Esta é a taxa de variação no tempo

da distância zenital, z/H. Podemos deduzir uma expressão para a velocidade zenital usando a

fórmula dos quatro elementos envolvendo o ângulo horário:

cos(z) = sen(δ)sen(φ) + cos(δ)cos(φ)cos(H)

Para isto basta derivarmos ambos os lados desta fórmula com relação ao ângulo horário (=

tempo). Teremos então:

)()cos()cos( )(

Hsen H

dzzsen δφ−= ∂



)(

)()cos()cos( zsen

Hsen H z δφ=

∂ ∂

O valor da velocidade zenital do Sol no início ou final do dia, por exemplo, determina a

duração daquela fase do dia em que nem é dia claro nem escuridão total, o que comumente

denominamos de crepúsculo. Quanto menor o valor de z/H, mais longo é o crepúsculo. Pela

dependência da expressão acima com a latitude e com o ângulo horário, vemos que este será mais

longo em lugares de latitude alta e/ou quando o valor de H do Sol ao nascer e se por é mais distante

dos valores 90° ou 270° (ou seja, em torno dos solstícios).

50

CAPÍTULO 3

MOVIMENTO ANUAL DO SOL E SISTEMAS DE TEMPO

Movimento Anual do Sol As estrelas que vemos à noite têm posições fixas no céu umas com relação às outras (exceto

pelos efeitos secundários de aberração, paralaxe e movimento próprio, que discutiremos mais

adiante). O Sol, contudo se move por entre as estrelas a uma taxa de 1° por dia aproximadamente.

Assim, ao final de um ano, terá descrito um grande círculo no céu, a que chamamos de eclíptica. O

movimento anual do Sol no céu é causado pelo movimento orbital da Terra em torno deste. A figura

I.3.1 mostra a variação da posição do Sol no céu com relação às estrelas mais distantes à medida

que a Terra se move em sua órbita anual. A órbita corresponde à elipse mais interna da figura. A

esfera maior, mostrada em quatro diferentes posições da órbita, representa a Terra, enquanto que a

esfera central representa o Sol. A elipse mais externa da figura é a eclíptica.

Figura I.3.1 – Movimento orbital da Terra, resultando no movimento anual do Sol na esfera celeste,

sobre a eclíptica.

As estrelas formam figuras imaginárias no céu, a que chamamos de constelações. As

constelações atravessadas pela eclíptica são chamadas de constelações zodiacais. A faixa do céu

coberta por estas constelações é chamada de zodíaco. Por entre as estrelas do zodíaco move-se não

apenas o Sol, mas também os demais astros do sistema solar, como a Lua e os planetas.

Em torno do dia 21 de março o Sol, em seu caminho sobre a eclíptica, atravessa o equador

celeste. Este ponto de intersecção entre os dois grandes círculos é o ponto vernal (ou ponto γ). Neste

dia, chamado de Equinócio de março, o Sol cruza o equador celeste de sul para norte, marcando

então o fim do verão no hemisfério sul da Terra e o fim do inverno no hemisfério norte. Pela

51

definição de ascensão reta, neste dia seu valor para o Sol é α = 0h. Como está sobre o equador

celeste, a declinação do Sol no equinócio de março também é nula. Pela figura acima, vemos que o

Sol, visto da Terra, é projetado na eclíptica na direção da constelação de Peixes nesta época.

Uns 3 meses depois, em torno de 21 de junho, o Sol alcança seu maior valor de declinação:

δ = 23½°. Nesta época ele é visto sobre a constelação de Gêmeos. A partir deste instante, o Sol

começa a se mover em direção ao sul, de volta ao equador celeste. Este dia é chamado de Solstício

de junho, marcando o início do verão (inverno) no hemisfério norte (sul). Neste dia, α = 6h para o

Sol. Em torno do dia 21 de setembro, o Sol volta a cruzar o equador celeste, mas desta vez do

hemisfério norte para o hemisfério sul. É o Equinócio de setembro, fim do inverno (verão) no

hemisfério sul (norte) terrestre. O Sol está agora em Virgem. Coordenadas equatoriais do Sol:

α = 12h ; δ =0°.

Finalmente, uns 3 meses depois, o Sol atinge seu ponto mais a sul na esfera celeste: δ = –

23½°, α = 18h . Este é o Solstício de dezembro, sempre em torno do dia 21/12. É o início do verão

(inverno) no hemisfério sul (norte). A partir deste dia, o Sol começa a se mover para norte até

reatingir o ponto vernal no dia 21/3 do ano seguinte.

Figura I.3.2 – Representação da eclíptica (curva mais fina) sobre a esfera celeste, com a posição do

Sol nos equinócios e solstícios.

Em resumo, em sua jornada anual ao longo da eclíptica, o Sol percorre 24h de ascensão reta,

a uma taxa média de 2h por mês. Note que este movimento anual é independente do movimento

diurno, compartilhado por todos os astros e causado pela rotação da Terra. O movimento diurno é

mais facilmente notável, pois se dá a velocidade bem maior, de 24h por dia.

A figura I.3.2 mostra uma espécie de “mapa mundi” da esfera celeste, no qual vemos toda a

região com |δ|  47° projetada em um plano. O equador celeste é a linha horizontal que corta a

figura em duas metades. As demais linhas horizontais são paralelos de declinação, ou seja, círculos

(pequenos) contendo todos os pontos de declinação constante, no caso, com δ = +/–23,5°. Estes

paralelos de declinação sobre a abóbada celeste são as projeções no céu dos Trópicos de Câncer

(latitude φ = 23,5°) e de Capricórnio (latitude φ = –23,5°), tal como indicado. As retas verticais

representam os círculos horários, de ascensão reta constante. A eclíptica é a linha curva e mais fina,

52

sendo que os dois pontos em que ela cruza o equador celeste, no meio e no extremo direito figura,

são, respectivamente, os pontos γ e Ω.

Já a tabela abaixo mostra as coordenadas equatoriais do Sol nos equinócios e solstícios.

Posições Especiais do Sol na Eclíptica

Coords. SolNomeData Aprox.

α δ

Equinócio março 21/03 0h 0°

Solstício junho 21/06 6h 23½°

Equinócio setembro 21/09 12h 0°

Solstício dezembro 21/12 18h –23½°

Estações do Ano e Eclipses As estações do ano em nosso planeta

As estações do ano resultam do fato de que o eixo de rotação da Terra está inclinado por uns

23,5° com relação à normal ao seu plano orbital (plano da eclíptica). A este ângulo chamamos de

obliqüidade da eclíptica, sendo comumente representado pela letra grega epsilon (ε). O eixo aponta

sempre na mesma direção no espaço (exceto pelos efeitos secundários de precessão e nutação, que

discutiremos mais adiante), de forma que o pólo norte geográfico está por vezes inclinado na

direção do Sol (de junho a agosto) e por vezes na direção oposta (de dezembro a março). Estas duas

situações, obviamente, caracterizam o inverno e verão no Hemisfério Sul da Terra, sendo a situação

inversa no Hemisfério Norte.

A figura I.3.3 procura ilustrar a situação: o Sol é representado pela esfera no centro da

figura. A linha horizontal pertence ao plano da órbita da Terra em torno do Sol (este plano é

perpendicular à figura). A Terra (esfera menor) é mostrada em duas situações distintas: à esquerda,

vemos a Terra no dia do solstício de dezembro. Nesta situação, os raios solares incidem

perpendicularmente sobre o Trópico de Capricórnio (= paralelo de latitude, φ = –23,5°). Outra

maneira de dizer a mesma coisa é que a declinação do Sol é δ = –23,5°. Pelo fato do Sol iluminar

mais o Hemisfério Sul, as noites são mais curtas e os dias mais longos neste hemisfério do que no

Norte. A incidência mais perpendicular dos raios solares sobre o Hemisfério Sul também ajuda a

aquecer as regiões a sul do Equador; inicia-se, portanto, o verão (inverno) no Hemisfério Sul

(Norte) geográfico. Já na posição à direita, a Terra está no extremo oposto de sua órbita anual,

sendo este então o solstício de junho. A declinação do Sol é agora δ = +23,5° e os raios solares

53

incidem perpendicularmente sobre o Trópico de Câncer (φ = +23,5°) neste dia. Trata-se do início do

inverno (verão) no Hemisfério Sul (Norte).

Figura I.3.3 – Efeito da obliqüidade da eclíptica: situações de solstícios de dezembro (painel à

esquerda) e de junho (painel à direita).

Sabemos que o céu muda sazonalmente, havendo constelações visíveis somente no verão ou

no inverno em cada hemisfério. Isso ocorre porque, à medida que o Sol se move pela eclíptica

(como reflexo do movimento orbital da Terra em seu torno), as estrelas que aparecem no céu

noturno (ou seja, que se situam longe do Sol) variam.

Eclipses

Eclipses ocorrem quando a Terra, Sol e Lua se encontram sobre uma linha reta. Podemos

então ter duas situações distintas: 1) a Lua se situa entre o Sol e a Terra, projetando sua sombra

sobre esta última. 2) a Terra se situa entre o Sol e a Lua, projetando sua sombra sobre esta última.

No primeiro caso temos um eclipse solar, no segundo um eclipse lunar. Note que eclipses lunares só

ocorrem quando a Lua está na fase cheia, enquanto que os eclipses solares só ocorrem quando a Lua

está na fase nova.

Outra diferença é que a sombra da Lua projetada sobre a Terra não cobre toda a superfície

desta última. Já a sombra da Terra é suficientemente grande (e a Lua suficientemente pequena) para

cobrir toda a Lua. Assim, eclipses solares só são visíveis de alguns pontos da Terra, mas eclipses

lunares são visíveis por qualquer observador que tenha a Lua acima do seu horizonte quando

ocorrem.

Por que não ocorrem eclipses todo mês?

• Por que o plano da órbita da Lua em torno da Terra não coincide com o plano da órbita da

Terra em torno do Sol. Uma outra maneira de dizer isso é que a Lua não se move sobre a

eclíptica, mas sobre um outro grande círculo no céu, que faz um ângulo de 5° com a

eclíptica.

A linha que conecta os dois pontos de intersecção entre o plano da eclíptica e a órbita da Lua

é chamada de linha dos nodos. Somente quando a linha dos nodos aponta na direção do Sol podem

54

ocorrer eclipses. Há, portanto, duas épocas ao longo do ano em que podem ocorrer eclipses. Estas

épocas mudam com o tempo devido às perturbações gravitacionais sofridas pela órbita da Lua. A

linha dos nodos orbitais da Lua varre um ângulo de 360º em um período de 18,6 anos (chamado de

ciclo de Saros). A figura I.3.4 ilustra este movimento da linha dos nodos orbitais da Lua. O painel

da esquerda mostra a órbita da Lua projetada no céu, juntamente com a eclíptica, num determinado

instante. O painel da direita representa a posição relativa dos dois grandes círculos

aproximadamente 1 ano depois, tendo a órbita lunar mudado de orientação com relação à eclíptica,

o mesmo naturalmente ocorrendo com a linha dos nodos.

Figura I.3.4 – a eclíptica e a órbita lunar, cuja intersecção define a linha dos nodos lunares.

A figura I.3.5 mostra a eclíptica e a órbita da Lua projetadas sobre a esfera celeste. Elas

fazem um ângulo de 5,2° entre si. Este é o valor da inclinação da órbita da Lua em torno da Terra

com relação ao plano orbital da Terra em torno do Sol. Os dois nodos orbitais da Lua são também

mostrados. A linha que os conecta é a linha dos nodos e somente quando a Lua Cheia ou Nova

ocorrem perto destas posições temos eclipses.

Figura I.3.5 – Projeção da órbita lunar e da eclíptica na esfera celeste, sendo os nodos da órbita

lunar os pontos de intersecção entre os dois círculos.

A figura I.3.6 descreve os eclipses da Lua e do Sol usando os cones de sombra que a Lua e a

Terra projetam no espaço. Nos dois primeiros painéis, a luz do Sol vem da esquerda da figura.

Quando a Lua está à esquerda da Terra, ela é nova, pois sua face iluminada é invisível para nós. A

55

Lua cheia é representada à direita da Terra. No painel superior, as fases cheia e nova não levam os

eclipses, pois o cone de sombra da Lua (da Terra) não se projeta sobre a Terra (Lua). Essas fases

estão ocorrendo fora dos nodos orbitais, quando, portanto, o Sol não se situa ao longo da reta que

liga a Terra à Lua. No painel do meio, por outro lado, os três astros estão alinhados, fazendo com

que a sombra da Lua Nova se projete sobre uma pequena região da superfície da Terra (causando

um eclipse do Sol nesta região) e com que a sombra da Terra se projete sobre a Lua Cheia

(causando um eclipse lunar).

Figura I.3.6 – Situações favoráveis e desfavoráveis à ocorrência de eclipses. Painéis superiores:

jogo de sombras; painel inferior: elementos orbitais e jogo de sombras.

Já a painel inferior da figura I.3.6 combina os elementos orbitais e o jogo de sombras para

mostrar a situação favorável à ocorrência de eclipses. A linha dos nodos orbitais da Lua é a linha

vertical que corta o centro da figura. Ao longo dela vemos que as fases nova e cheia da Lua

acarretam eclipses. Já quando o Sol está fora da linha dos nodos (situações mostradas nas partes à

esquerda e à direita da figura), as fases nova e cheia não levam aos eclipses, pois o cone de sombra

da Lua (da Terra) não é projetado sobre a Terra (a Lua).

A ocorrência de eclipses solares é devida a uma coincidência: o fato de que os diâmetros

angulares da Lua e do Sol, vistos da Terra, são quase iguais.

Mas note que o diâmetro aparente da Lua varia ao longo do mês, pois sua órbita em torno da

Terra é uma elipse moderadamente excêntrica; no apogeu (ponto da órbita em que a distância é

56

máxima) a Lua parece ser 15% menor do que no perigeu (ponto de maior aproximação à Terra). Se

um eclipse solar ocorre na primeira situação, a Lua não cobrirá todo o Sol, ocasionando um eclipse

anular.

Sistemas de Medida de Tempo

Nas próximas seções vamos estudar em mais detalhe as diferentes formas de se medir o

tempo com base no movimento diurno dos astros. Veremos que o movimento anual do Sol, que

acabamos de estudar, leva a diferentes definições de hora solar. Veremos também a relação entre a

hora local e a longitude do observador. Mas para atingirmos estes objetivos, faz-se necessário

definirmos alguns conceitos que parecem e são simples, mas por vezes resultam em alguma

confusão.

Instante, Hora, Intervalo e Estado de Cronômetro

Uma possível fonte de confusão está em saber diferenciar conceitos como instante, hora e

intervalo de tempo e compreender exatamente o que se quer dizer com essas definições. Todos nós

temos uma noção cotidiana do tempo. Podemos ordenar, de acordo com nossa capacidade de

memória, fatos e acontecimentos em seqüência no tempo. Esta noção do tempo, baseada na nossa

experiência do dia a dia, nos faz “sentir” o tempo como algo que “passa” ininterruptamente,

levando a uma sucessão constante e linear de instantes. Não abandonemos, pois esta noção. Assim,

definimos de forma genérica o tempo como uma variável cujo valor cresce de forma uniforme e que

pode ser representada em um eixo. Um instante então pode ser entendido como um ponto ao longo

do eixo do tempo. O valor numérico desta variável, o tempo, correspondente a cada instante nós

chamamos de hora. Colocado de outra maneira, podemos identificar qualquer instante no eixo do

tempo atribuindo-lhe um valor numérico que corresponde à hora naquele instante.

Mas há diferentes formas (ou sistemas) que podemos usar para atribuir uma hora a um dado

instante. Ou seja, um determinado instante no tempo pode ser e é caracterizado por diferentes

valores de hora. No Capítulo 1 definimos pelo menos dois sistemas de tempo, a cada um dos quais

associamos uma determinada definição de hora: hora solar e hora sideral. Qualquer instante então é

caracterizado por valores, em geral diferentes, de hora solar e de hora sideral.

Consideremos agora um outro conceito extremamente importante: ointervalo. Intervalo de

tempo é a distância ao longo do eixo do tempo entre dois instantes. O valor do intervalo depende do

sistema que estamos usando para marcar hora. O quê veremos neste capítulo são justamente

diferentes definições de hora (ou dizendo em outras palavras, diferentes sistemas de tempo) e como

converter um intervalo de tempo de um sistema para outro.

Como marcamos a hora associada a um dado instante? Em geral, usa-se um cronômetro.

Existem tanto cronômetros siderais, que marcam a hora sideral, quanto cronômetros comuns,

marcando a hora solar. Nem sempre a leitura do cronômetro nos dá exatamente a hora nestes

57

sistemas. E isso nem é necessário, desde que saibamos converter a leitura feita no cronômetro em

um dado instante (chamada de instante cronométrico, I) em hora sideral ou solar. A diferença entre

a hora e o instante cronométrico é chamado de estado do cronômetro, E.

Hora = I + E

Por exemplo, S = IS + ES, onde S é a hora sideral num dado instante, IS é a leitura feita em

um cronômetro sideral neste instante e ES é o estado deste cronômetro. Como determinar o estado

de um cronômetro? Basta fazermos a leitura do instante cronométrico em um instante para o qual

saibamos com precisão a hora. Por exemplo, ao observarmos uma estrela passar pelo nosso

meridiano, sabemos que a hora sideral neste instante é igual à ascensão reta α da estrela: S = α. Se

neste instante o cronômetro indica IS, seu estado será E = S – IS = α – IS.

Conhecido o estado do cronômetro em um dado instante, espera-se que ele se mantenha

constante, pelo menos por algum tempo. Este certamente seria o caso de um cronômetro perfeito.

Na prática, há variações em E ao longo do tempo, que quantificam aquilo que chamamos de marcha

(m) de um cronômetro:

m = Hora

E

Quanto menor a marcha, mais regular é o cronômetro, mais fácil, portanto será usá-lo para

determinar a hora. Como veremos neste capítulo, a marcha de um relógio de césio, que mede o

tempo atômico, é da ordem de m = 1 / 1.000.000.000 = 10–9.

As Diferentes Definições de Hora

Vimos que, através da observação do movimento diurno dos astros, em especial pela

determinação do ângulo horário, podemos medir o tempo. Vimos os conceitos de hora sideral e

solar, baseadas, respectivamente, nos ângulos horários do ponto vernal (ponto γ) e do Sol.

S = Hγ

M = Hsol + 12h

Ou seja, à medida que a Terra rotaciona, variam os valores de ângulo horário tanto do ponto

vernal quanto do Sol, variando, portanto os valores de hora sideral e solar. A cada instante no

tempo, portanto, podemos atribuir um valor de cada uma destas definições de hora.

Nós já vimos também que, pelo fato de o Sol mover-se por entre as estrelas, ao longo da

eclíptica e de oeste para leste, a uma taxa média de 360/365,25 = 0,9856° por dia, o dia solar é mais

longo do que o dia sideral. Ou seja, o intervalo entre duas culminações superiores sucessivas do Sol

é de 3min 56,04s mais longo do que o intervalo entre duas culminações superiores sucessivas de

uma estrela, pois o Sol está constantemente se deslocando no sentido contrário ao movimento

diurno. Note que a hora que marcamos no relógio, como veremos a seguir, é ligada (mas não é

58

idêntica) à hora solar, de forma que outra maneira de dizer a mesma coisa é afirmar que uma dada

estrela passa pelo meridiano de um observador 3min 56,04s “mais cedo” a cada dia (solar).

Na verdade, existem mais de uma definição de hora solar. O motivo é que o movimento do

Sol ao longo da eclíptica não se dá uniformemente, ou seja, a velocidade angular com que o Sol se

desloca ao longo da eclíptica varia com a época do ano. Isso porque o movimento do Sol ao longo

da eclíptica é o reflexo do movimento orbital da Terra no espaço em torno dele. Sendo a órbita da

Terra uma elipse, sua velocidade angular orbital varia, sendo maior no periélio e menor no afélio.

Esta situação é bem representada na figura I.3.7, onde a elipse representa a órbita da Terra em torno

do Sol. Este último, de acordo com a 1ª Lei de Kepler, se situa em um dos focos da órbita terrestre.

O ponto P, de máxima aproximação ao Sol é o periélio, enquanto que o ponto A, de maior distância,

é o afélio. Na figura vemos dois arcos, θ1 e θ2 , varridos pela Terra em sua órbita quando próxima

do periélio e do afélio, respectivamente. Pela 2ª Lei de Kepler, sabemos que as áreas A1 e A2

varridas pela Terra são iguais se o intervalo de tempo decorrido ao varrê-las for o mesmo. Como

próximo do periélio a distância Sol–Terra é mínima, a velocidade angular tem que ser máxima para

manter constante a área varrida. Logo, o deslocamento angular do Sol sobre a eclíptica também é

variável.

Figura I.3.7 – representação do movimento orbital terrestre em torno do Sol, com sua velocidade

angular variável.

Claro que esta situação não é muito conveniente em termos de marcação da hora: não

queremos ter dias com mais de 24h e outros com menos de 24h, seria muito confuso!

Para contornar este problema, definimos uma hora solar verdadeira (V) e uma hora solar

média (M). Somente a primeira é baseada no ângulo horário do objeto luminoso que vemos no céu e

que chamamos de Sol. A hora solar média é baseada no ângulo horário do Sol Médio. OSol Médio

é um sol imaginário, mais bem comportado do que o Sol verdadeiro. Sua velocidade angular de

deslocamento no céu é constante e, portanto, seu ângulo horário varia uniformemente. Os valores de

hora solar verdadeira, V, e média, M, são dados, portanto por:

V = HV + 12h

59

M = HM + 12h

onde HV e HM são, respectivamente, os ângulos horários do Sol verdadeiro e do Sol médio.

Outra definição importante de hora é a de tempo universal (TU). Tempo universal é

simplesmente a hora solar média no meridiano de Greenwich (longitude λ = 0°). Sabemos que a

hora associada a um determinado instante no tempo, seja sideral ou solar, verdadeira ou média, não

é a mesma em todos os pontos da Terra. Ela varia com a longitude, ou seja, com o meridiano. Isso é

fácil de entender, uma vez que se um astro (sol verdadeiro, sol médio ou o ponto vernal) está

passando pelo meridiano a uma dada longitude λ1, ele certamente não poderá estar passando pelo

meridiano a uma longitude λ2, exceto se λ1 = λ2. Se em λ1, ΗM = 0°, por exemplo, em

λ2 = λ1 + ∆λ, ΗM = ∆λ. Ou seja, a diferença de hora entre dois meridianos em um dado instante é

igual à diferença de longitude entre os dois meridianos. Como dissemos, isso vale para qualquer

sistema de medida de tempo.

A figura I.3.8 ilustra este fato, mostrando a Terra vista de cima da direção do pólo norte.

Vemos na figura dois meridianos, de longitudes λ1 e λ2, respectivamente. O círculo mais externo é a

esfera celeste e nela estão indicadas a posição do ponto γ e do Sol Médio em um dado instante. O

movimento diurno se dá no sentido horário, sendo, portanto nesta direção que contamos os valores

de ângulo horário. Basta olhar para a figura para constatar que vale a igualdade:

∆S = S2 – S1 = λ2 − λ1 = Η2 − Η1 = Μ2 − Μ1 = ∆Μ

Figura I.3.8 – Posição de dois meridianos em um dado instante, com representação das horas

sideral e solar de cada um.

Note que se arbitrarmos que a longitude cresce para oeste, sendo nula no meridiano de

Greenwich, teremos que λ2 < λ1 . Logo, é necessário modificar ligeiramente a relação entre

diferença de hora e diferença de longitude:

60

∆S = S2 – S1 = λ1 − λ2 = Η2 − Η1 = Μ2 − Μ1 = ∆Μ

A inversão na posição das longitudes na expressão acima faz com que uma diferença

positiva de hora (meridiano λ2 a leste de λ1) corresponda a uma diferença positiva em longitude.

Dessa forma, podemos estabelecer uma relação simples entre a hora solar média M de um

local cuja longitude é λ e a hora universal TU:

∆Μ = M – TU = 0° – λ = – λ

Logo,

M = TU – λ

O sinal negativo resulta dessa nossa convenção de contar a longitude positivamente para

oeste, de forma que pontos de longitude λ > 0° estão atrasados com relação ao meridiano de

Greenwich. Por exemplo, se são 9h solares médias em Greenwich, TU = 9h, qual o valor de M no

meridiano de longitude λ = –75° = –5h? Trata-se de um meridiano a leste de Greenwich (longitude

negativa), de forma que sua hora solar média tem que ser adiantada com relação a este último. Pela

expressão acima, de fato teremos:

M = TU + 75° = 9h + 5h = 14h

Qual a hora que marcamos no relógio? Essa pergunta procede, principalmente à medida que

introduzimos cada vez mais sistemas de contagem do tempo. Resposta: a hora do relógio é a Hora

Legal (HL). A Hora Legal é baseada no movimento do Sol Médio, mas obedece a várias

conveniências geopolíticas. A hora solar média M varia continuamente com a longitude. Em outras

palavras, a hora solar média no Rio de Janeiro é diferente da de São Paulo por alguns minutos, pois

esta é a diferença de longitude entre os meridianos que passam pelas duas cidades. Não seria

conveniente para o comércio, indústria, política, etc que os cariocas acordassem um pouco mais

cedo, e começassem a e terminassem de trabalhar também um pouco mais cedo, simplesmente por

que o Sol passa pelo seu meridiano astronômico alguns minutos antes do que pelo meridiano dos

paulistas. Necessidades de se padronizar a hora em grandes regiões unidas econômica, cultural e

politicamente levaram à definição de grandes faixas de longitude, chamadas de fusos horários (F),

que compartilham de uma mesma hora legal. Pela convenção dos fusos horários, a superfície da

Terra é dividida em 24 fusos, compreendendo um domínio de 15° de longitude cada. O primeiro

fuso (F = 0h) é aquele cujo centro contém o meridiano de Greenwich (λ =  0º). Contrariamente ao

que fazemos com a longitude, a oeste (leste) de Greenwich os fusos são contados negativamente

(positivamente). Uma representação esquemática dos fusos horários é dada pela figura I.3.9. Nela

vemos, em linhas tracejadas, o meridiano de Greenwich, correspondente ao fuso F = 0h. Na direção

leste temos contados os fusos positivos, até F = +12h, junto à linha de mudança de data. A oeste,

temos os fusos negativos, sendo que novamente F = –12h encontra-se imediatamente a leste da

61

linha internacional de mudança de data. São mostrados também na figura I.3.9 os valores de

longitude dos meridianos centrais de cada fuso.

Figura I.3.9 – Fusos horários e seus valores centrais de longitude.

A maior parte da população brasileira está dentro do fuso F = –3h, cujo meridiano central é,

portanto, o de longitude λ = 3h x 15°/h = +45°. O domínio de valores de longitude contidos neste

fuso horário é 37,5° < λ < 52,5º. Já o primeiro fuso, cujo centro é o meridiano de Greenwich,

contém o domínio –7,5° < λ < +7,5º.

Qual a relação entre a hora legal, que marcamos no relógio, e a hora solar média M? Trata-

se de uma relação muito simples, que apenas reflete a definição de hora legal como sendo a hora

solar média no meridiano central de um fuso. Logo,

M – HL = ∆M = – ∆λ

M = HL – ∆λ

onde ∆λ neste caso é simplesmente a diferença de longitude entre o meridiano do observador e o

meridiano central do fuso horário em que este observador se situa. Considere o caso de um

observador em Porto Alegre, cuja longitude é aproximadamente λPOA = 51° (lembre-se que estamos

sempre considerando longitudes como positivas a oeste de Greenwich). Como vimos, o centro do

fuso F = –3h corresponde a λ = 45°. Logo, ∆λ = 51° – 45° = 6°. Esta diferença positiva em

longitude significa que Porto Alegre está a oeste do meridiano central do fuso F= –3. Assim, a hora

solar média em Porto Alegre está atrasada com relação a este último:

M = HL – 6° = HL – 24 min.

62

Se em um dado instante a hora legal no fuso de –3h é HL = 15h, sabemos que a hora solar

média no meridiano de Porto Alegre é MPOA = 14h36min. O ângulo horário do Sol médio com

relação a este meridiano será então HM,POA = MPOA – 12h = 2h36min.

Qual a relação entre hora legal HL em um dado meridiano de longitude λ e o tempo

universal ? Esta relação é igualmente simples:

HL = TU + F

onde F é o fuso onde se situa o meridiano de longitude λ.

Também é fácil provar esta expressão, lembrando que a diferença HL – TU nada mais é do

que a diferença de hora solar média entre dois meridianos centrais, um no fuso F (de longitude λc) e

outro em Greenwich (λ = 0°). Logo:

∆Μ = HL – TU = 0° – λc = F

Ou seja, no instante em que são 15h no fuso que contém a maior partes do território

brasileiro (F = –3h), a hora universal será TU = HL – F = 15h + 3h = 18h.

O tempo sideral também pode ser definido de mais de uma maneira. Veremos mais adiante

que a posição do ponto γ não é rigorosamente fixa entre as estrelas, devido a vários efeitos seculares

como a precessão e a nutação. Se considerarmos apenas a variação de posição do ponto vernal

causada pela precessão, falamos em ponto vernal médio. Se incorporarmos os efeitos de nutação,

teremos então o ponto vernal verdadeiro ou aparente. Assim, podemos falar de hora sideral média

ou verdadeira. A diferença entre ambas é chamada de equação dos equinócios (q):

q = SV – SM = HγV – HγM

Tanto a hora solar quanto a sideral são exemplos de sistemas de medida de tempo baseados

no movimento de rotação da Terra. São, portanto, chamados de sistemas rotacionais de medida de

tempo. Mas existem maneiras de se contar o tempo que não dependem da posição de algum astro no

céu com relação ao meridiano do observador. O tempo atômico, por exemplo, não é rotacional, já

que é baseado nas transições atômicas de átomos de Césio 133. No intervalo de um segundo de

tempo atômico ocorrem 9.192.631.770 transições de átomos de Ce133 entre dois níveis hiperfinos de

sua energia interna. Essa é a definição mais moderna de 1s.

Os sistemas rotacionais sofrem de algumas irregularidades, algumas delas previsíveis outras

não. O movimento do pólo, por exemplo, afeta a longitude de qualquer ponto na superfície da Terra,

o que se reflete no ângulo horário do Sol ou do ponto vernal (ver Capítulo 4). Além disso, a

velocidade angular de rotação da Terra não é uniforme. Há uma lenta tendência de desaceleramento

da rotação, causada pelo atrito da massa líquida do planeta, que tende a se alinhar com a Lua e o Sol

devido às marés, com a parte sólida. Além disso, há variações sazonais, provavelmente causadas

por mudanças meteorológicas, na rotação do planeta. Finalmente há componentes irregulares na

variação da rotação, ainda não explicados de maneira satisfatória.

63

Diante das irregularidades mencionadas acima, podemos na verdade definir 3 tipos de

sistemas de tempo universal:

1. TU0

Baseado apenas no valor do ângulo horário do Sol Médio medido por um observador no

meridiano de Greenwich.

2. TU1

TU0 corrigido para o efeito de variação da longitude, ∆λ, causado pelo movimento do pólo

(ver Capítulo 4):

TU1 = TU0 + ∆λ

3. TU2

TU1 corrigido para as variações sazonais na velocidade angular de rotação da Terra, ω:

TU2 = TU1 + 15

)(0ω∆

Já o tempo atômico é muito mais regular do que qualquer sistema rotacional de medida de

tempo. A regularidade da contagem do tempo usando transições de átomos de Césio, por exemplo, é

da ordem de 1 parte em 1 bilhão. Ou seja, após 1 bilhão de segundos (mais de 30 anos), a incerteza

na contagem do tempo atômico é de apenas um segundo. Por outro lado, o tempo atômico não está

diretamente sintonizado com a posição do Sol no céu. Assim, a discrepância entre o tempo atômico

e o tempo rotacional tende a aumentar com o passar do tempo. Para evitar uma desvinculação muito

grande entre o tempo atômico e o solar, faz-se necessária a definição do tempo universal

coordenado (TUC). O TUC é um sistema de tempo atômico que sofre correções periódicas para

manter-se em consonância com o tempo universal, mais especificamente com o TU1.

Existem ainda outros sistemas de tempo. O tempo das efemérides, por exemplo, é a variável

independente que entra nas expressões que nos dão a posição de planetas e de seus satélites em

algum sistema de coordenadas conveniente, como o sistema de coordenadas eclípticas. À medida

que somos capazes de formular modelos mais sofisticados para descrever os movimentos de

planetas em torno do Sol e de satélites em torno de seus planetas, o tempo das efemérides se torna

mais fácil de ser obtido, sendo também uma medida de tempo independente da rotação da Terra.

Conversão entre Sistemas de Medida de Tempo Sabemos que um dia solar médio tem 24h solares de duração, cada hora solar dividida em

60min (solares) e 3.600s (solares). Estes são os intervalos de tempo usado em nossa vida cotidiana.

Expresso nessas unidades, o dia sideral tem uma duração de 23h 56min 04,090538s. Mas podemos

definir intervalos como hora, minuto e segundo siderais, de forma que o dia sideral tenha 24h

siderais. Claro que a unidade de tempo sideral necessariamente será sempre mais curta do que a

64

unidade solar. Uma questão importante e recorrente em determinações astronômicas é a de como

converter intervalos de tempo expressos em unidades siderais em solares ou vice versa.

Conversão de tempo solar em sideral

Suponha que tenhamos um intervalo ∆S de tempo sideral. Queremos saber qual o valor

∆Μ deste intervalo em unidades de tempo solar.

Para melhor entendermos por que o mesmo intervalo tem valor numericamente maior em

unidades siderais do que solares médias, basta lembrarmos que o tempo é baseado, em ambos os

sistemas, em valores de ângulo horário: do ponto γ (Sol Médio) no caso do sistema sideral (solar

médio).

Figura I.3.10 – Diferença entre os valores associados a um intervalo de tempo nos sistemas solar e

sideral.

Na figura I.3.10 mostramos o intervalo, expresso em unidades siderais, ∆S = S2 – S1

decorrido entre dois instantes no tempo. Neste intervalo, o meridiano de um observador, devido à

rotação da Terra, varreu exatamente este ângulo ∆S no espaço. Isso porque o observador é móvel,

enquanto o ponto vernal pode ser considerado como fixo na esfera celeste durante o intervalo. Já a

posição do Sol Médio, se deslocará ligeiramente para leste, devido ao movimento anual do Sol. Sua

ascensão reta aumentará então por ∆α(°) = ∆S(°) / 366,25, onde 366,25 é o número de dias siderais

no ano. Assim, o valor do mesmo intervalo em unidade solares médias, ∆M, será menor:

∆M = ∆S – ∆α = ∆S (1 – 25,366

1 ) = ∆S (1 – 0,00273043359) = ∆S (1 – µ)

onde:

65

µ = 25,366

1 = 0,00273043359.

O mesmo fator de conversão pode ser obtido lembrando que um dia sideral tem 24h siderais,

mas apenas 23h 56min 04,090538s solares médios. Logo, temos a regra de proporcionalidade:

η+=== ∆ ∆

160027379092,1 04min5623

24 sh

h M S

onde:

η = 0,00273790926.

Note que é válida a relação:

(1 + η)(1 – µ) = 1

Assim, se conhecemos a hora sideral em um dado meridiano em um determinado instante,

S0, e desejamos conhecer a hora sideral S no mesmo meridiano decorrido um intervalo em hora

solar igual a ∆Μ, teremos:

MSSS M S ∆+=−=∆→+=

∆ ∆

)1(1 0 ηη

S = S0 + (1 + η)∆Μ

É comum, por exemplo, querermos conhecer a hora sideral S às M horas solares médias

locais em um determinado meridiano de longitude λ. Sabemos que se são M horas solares médias

locais a esta longitude, o tempo universal neste instante será TU = (M+λ) (como de hábito

adotamos a convenção de que λ > 0º a oeste de Greenwich e λ < 0º a leste de Greenwich). Das

efemérides (do ON ou do Astronomical Almanac, por exemplo) podemos ler a hora sideral S0 em

Greenwich correspondente a TU = 0h para o dia em questão. Em unidades solares médias, ter-se-ão

decorrido (M+λ) horas desde este instante. O intervalo em horas siderais correspondente será,

portanto:

∆S = ∆Μ (1 + η) = (Μ + λ) (1 + η)

A hora sideral em Greenwich, SG, no instante desejado será, portanto:

SG = S0 + ∆S = S0 + (Μ+λ)(1+η)

Mas queremos a hora sideral S no meridiano de longitude λ e não em Greenwich ( λ = 0°).

Precisamos então subtrair a diferença em longitude:

S = SG – λ = S0 + (Μ+λ)(1+η) − λ = S0 + (Μ+λ)η + Μ equação (1)

A expressão acima nos dá exatamente o que queríamos: a hora sideral em um meridiano de

longitude dada e no instante em que a hora solar média local é M. Como já mencionado, o valor de

S0, a hora sideral em Greenwich (λ = 0°) à TU = 0h é listada, dia a dia no ano, no Anuário

Astronômico do Observatório Nacional (ON) ou no Astronomical Almanac.

66

Tabela do Anuário Astronômico do Observatório Nacional

Na figura I.3.11 vê-se que a primeira coluna da esquerda lista o mês e o dia do ano. A coluna

seguinte lista o valor da hora sideral para λ = 0° (Greenwich) à TU = 0h, a que chamamos de S0.

São mostradas tanto as horas siderais aparente quanto a média. A diferença entre as duas, chamada

de equação dos equinócios é dada a seguir. Seguem-se então o valor da obliqüidade da eclíptica e os

termos de nutação de longo e curto período, tanto perpendicular quanto ao longo da eclíptica (ver

Capítulo 4).

Figura I.3.11 – Tabela do Anuário Astronômico do Observatório Nacional

Tabela do Astronomical Almanac

Na figura I.3.12 vê-se que a primeira coluna da esquerda lista o mês e o dia do ano. A

coluna seguinte lista a data Juliana. O valor da hora sideral para λ = 0° (Greenwich) à TU = 0h vem

em seguida. São mostradas tanto as horas siderais aparente quanto a média. A diferença entre as

67

duas, chamada de equação dos equinócios é dada a seguir. O valor de hora universal no instante em

que o equinócio médio cruza o meridiano de Greenwich a cada dia é listado na última coluna à

direita.

Figura I.3.12 – Tabela do Astronomical Almanac.

A fórmula acima é bastante geral. Suponha que queiramos simplesmente a hora sideral em

Greenwich a uma hora solar média local M. Como se trata do meridiano de Greenwich, a hora solar

média local é também a hora universal: TU = M. Além disso, λ = 0h. Logo, a hora sideral desejada

será:

S = S0 + M(1+η)

onde S0 é a hora sideral em Greenwich à 0h TU (que pode ser encontrada em Efemérides) e η =

0,00273790926.

Outro exemplo: provar que a hora sideral S em um meridiano de longitude λ à M = 0h solar

média local é dada por:

68

S = S0 + λη

onde, como sempre, S0 é a hora sideral em Greenwich a TU = 0h.

Consideremos ainda uma situação, bastante comum, em que temos que escolher uma estrela

para observação em um determinado dia e intervalo de hora legal. A ocasião mais favorável para

observarmos uma estrela é, em geral, próxima do instante de sua culminação superior, quando sua

altura no céu é máxima. Suponha que tenhamos o intervalo de hora legal compreendido entre HL1 e

HL2 (HL2 > HL1) para a observação. Inicialmente temos que converter hora legal HL em hora solar

média local M. Como vimos, a diferença entre as duas será igual à diferença entre a nossa

longitude, λ, e a longitude do meridiano central do fuso horário em que nos encontramos, λc.

M1 – HL1 = λc − λ  M1 = HL1 + λc − λ

M2 – HL2 = λc − λ  M2 = HL2 + λc − λ

Os valores de hora sideral S1 e S2, correspondentes, respectivamente, a M1 e M2, serão dados

pela expressão da equação (1), sendo que o valor de S0, a hora sideral em Greenwich à TU = 0h, é

sempre tirado das efemérides. Como sabemos que a culminação de uma estrela ocorre à hora sideral

igual à sua ascensão reta, α, temos que escolher nosso alvo usando o critério em ascensão reta S1 <

α < S2.

Conversão de tempo sideral em solar

Suponha agora que queiramos fazer o inverso: determinar a hora solar média local, M, dada

a hora sideral S num dado instante. Basta resolvermos a equação (1) para M:

η λη

+ −−=

1 0SSM

como:

η µ

+ =−

1 1

1 ,

M = (S – S0 – λη) (1 − µ)

onde:

µ = 0,00273043359.

Equação do Tempo A rotação da Terra nos proporciona uma unidade natural de tempo: o dia. Vimos que

podemos definir o dia solar, por exemplo, como o intervalo entre duas passagens meridianas do Sol.

Já o dia sideral é o intervalo decorrido entre duas passagens meridianas de uma estrela. Vimos que

em um dia, solar ou sideral, o ângulo horário do astro usado como referência varia de 0° a 360° (ou

de 0h a 24h).

69

Na prática, se medirmos, com um cronômetro ou relógio, a duração do dia solar, notaremos

que ela varia. Em outras palavras, o dia solar não tem uma duração fixa. Já discutimos a causa desta

variação na duração do dia solar: entre outras coisas, ela se deve ao fato de que o Sol caminha ao

longo da eclíptica com velocidade variável; quando a Terra está no periélio (ou seja, sua distância

ao Sol é mínima), a velocidade angular do Sol sobre a eclíptica é máxima, fazendo com que o dia

solar seja de maior duração. Já quando a Terra está no afélio, a velocidade angular do Sol na

eclíptica é mínima, o que torna o dia solar igualmente mínimo. Outro motivo que explica a variação

observada do dia solar é o de que a hora solar depende do ângulo horário do Sol, Hsol , medido

portanto ao longo do equador celeste. Mas o movimento do Sol se dá sobre a eclíptica. Assim,

mesmo que sua velocidade angular ao longo desta última fosse constante, sua projeção sobre o

equador celeste não o seria.

Um dia solar que não seja sempre de 24h não é muito conveniente para regular a vida das

pessoas. A solução para este problema, como já discutido, foi definir um Sol Médio. O Sol Médio é

bem comportado: ele caminha com velocidade angular constante e sobre o equador celeste. Assim,

duas culminações superiores do Sol Médio estarão sempre separadas no tempo pelo mesmo

intervalo, chamado de dia solar médio. Este tem sempre a duração de 24h tais como contadas por

um cronômetro ou relógio comuns. A diferença entre o dia solar verdadeiro e o médio é chamada de

equação do tempo. Na figura I.3.13 vemos a equação do tempo graficada ao longo do ano.

Figura I.3.13 – Gráfico de αsol med – αsol ver (= –E) em função da época do ano.

Vemos, portanto, que a equação do tempo atinge valores de mais do que 15 minutos em

determinadas épocas do ano. Geralmente representamos a equação do tempo pela letra E (às vezes

usa-se o equivalente grego ε). De qualquer forma não confunda equação do tempo com estado de

um cronômetro apenas porque usamos e mesma notação! Matematicamente temos que:

E = Hsol med – Hsol ver = αsol ver – αsol med

70

Na verdade, de acordo com esta definição, o gráfico acima representa –E, pois quando o Sol

verdadeiro cruza o meridiano mais cedo (antes do meio-dia, M=12h), sabemos que Hsol ver > Hsol med.

A segunda igualdade acima resulta do fato de que a hora sideral pode ser expressa tanto com o Sol

Médio quanto com o Verdadeiro: S = Hsol ver + αsol ver = H solmed + αsol med.

Os valores de E também podem ser encontrados nas efemérides astronômicas:

Tabela do Anuário Astronômico do ON contendo os valores da Equação do Tempo

Na Figura I.3.14, a primeira coluna lista o mês e o dia do ano. Seguem-se a ascensão reta e

declinação do Sol verdadeiro, sua distância à Terra e seu raio angular. A equação do tempo é dada

indiretamente pela última coluna, a qual lista a hora solar média (TU) em que o Sol verdadeiro

cruza o meridiano de Greenwich (λ = 0º). O valor de E para este instante, portanto, será a diferença

entre o valor listado e 12h.

Figura I.3.14 – Tabela do Anuário Astronômico do ON contendo os valores da Equação do Tempo.

71

Tabela do Astronomical Almanac contendo os valores da Equação do Tempo

Na Figura I.3.15, a primeira coluna lista o mês e o dia do ano. A penúltima coluna lista o

raio angular do Sol. A equação do tempo é dada indiretamente pela última coluna, a qual lista a hora

solar média (TU) em que o Sol verdadeiro cruza o meridiano de Greenwich (λ = 0°). O valor de E

para este instante, portanto, será a diferença entre o valor listado e 12h.

Figura I.3.15 – Tabela do Astronomical Almanac contendo os valores da Equação do Tempo.

72

Equação do Centro Além do Sol Médio, os astrônomos conceberam um outro sol imaginário, o Sol Fictício. O

Sol Fictício percorre a eclíptica, assim como o Sol Verdadeiro. A diferença é o que o primeiro o faz

a velocidade angular constante. Se os dois partem juntos do periélio (que atualmente ocorre em

torno do dia 04/01), o Sol Verdadeiro inicialmente terá uma dianteira, já que no periélio sua

velocidade é máxima. Assim, entre o periélio e o afélio (que ocorre no início de julho), o Sol

Verdadeiro percorre a eclíptica à frente do Sol Fictício. Este intervalo de tempo inclui a passagem

pelo ponto γ, em março. Os dois sóis chegam juntos ao afélio e, a partir daí e até o próximo periélio,

o Sol Fictício caminha na frente, já que no afélio a velocidade do Sol Verdadeiro é mínima.

A situação é representada na figura I.3.16. Nela Sf e Sv representam as posições do Sol

Fictício e do Verdadeiro, respectivamente. P' e A' são os pontos da órbita da Terra correspondentes

ao periélio e ao afélio. Os pontos marcados por β, representam os solstícios de dezembro e de

junho. Define-se como equação do centro (U)a diferença entre as longitudes eclípticas do Sol

Verdadeiro e do Sol Fictício:

U = λsol ver – λsol fic

Figura I.3.16 – Progressão do Sol verdadeiro e do Sol fictício ao longo da eclíptica durante o ano.

Assim, λsol ver > λsol fic entre o periélio e o afélio (de janeiro a julho) e λsol ver < λsol fic entre afélio e o

periélio (de julho a janeiro).

Redução ao Equador

Outra definição importante é a chamada redução ao equador (Q). Esta é definida como a

diferença entre a ascensão reta do Sol Verdadeiro e sua longitude eclíptica.

Q = αsol ver – λsol ver

73

Na figura I.3.17 vemos as três equações, U, Q e E, graficadas em função do dia ao longo do ano. É

fácil provar, com as definições destas equações, que:

E = U + Q

Para isto basta lembrar que o Sol médio (fictício) percorre o equador celeste (a eclíptica)

com velocidade angular constante, o que significa que sua ascensão reta αsol med (longitude eclíptica

λsol fic) tem sempre o mesmo valor, λsol fic = αsol med .

Figura I.3.17 – Equação do centro (painel superior), redução ao equador (painel do meio) e

equação do tempo (painel inferior) em função da época do ano.

74

CAPÍTULO 4

CORREÇÕES ÀS COORDENADAS EQUATORIAS

Variação de Coordenadas Equatoriais

Do ponto de vista da astrometria moderna, a Terra é uma plataforma bastante irregular para

a observação do céu. A rotação da Terra não é uniforme, seu eixo de rotação não é fixo no espaço e

mesmo a forma do planeta e as posições relativas de pontos sobre sua superfície não são fixas.

Como resultado, as coordenadas de um objeto no céu, mesmo as equatoriais, não são rigorosamente

constantes. Se muda a direção do eixo de rotação, por exemplo, mudam os valores da ascensão reta

α e da declinação δ de todos os objetos na esfera celeste. Dependendo da precisão com que

desejamos medir a posição das estrelas, faz-se necessária a correção para estes efeitos.

Na antiguidade, medidas astrométricas, ou seja, medidas da posição dos objetos no céu eram

feitas com instrumentos rudimentares, sendo, portanto de precisão baixa. Assim, os efeitos de que

trataremos neste capítulo não eram muito importantes para os antigos. Mas se objetivamos apontar

um telescópio com uma precisão de 1”, ainda assim não precisamos nos preocupar com variações

em sua forma e superfície, mas mudanças na orientação do eixo de rotação já se tornam muito

importantes. É sobre isso que trataremos nas próximas seções.

De certa forma, as coordenadas equatoriais celestes compatibilizam um sistema móvel,

baseado na Terra, com um sistema, que seria ideal, fixo com relação às estrelas distantes. Ascensão

reta e declinação são bastante análogas à longitude e latitude, usadas para a superfície da Terra.

Estes dois sistemas compartilham o mesmo eixo polar e equador, mas a grade de coordenadas

celestes não rotaciona junto com o planeta. Graças a esta característica, as coordenadas equatoriais

de uma estrela se mantêm constantes ao longo do seu movimento diurno. Contudo, a ascensão reta e

declinação verdadeiras não são fixas com relação às estrelas, pois o sistema equatorial, amarrado ao

eixo de rotação e ao equador, desloca-se com estes em função de perturbações gravitacionais

sofridas pela Terra. Para poder listar as posições das estrelas em catálogos, utilizamos então as

coordenadas baseadas na orientação do pólo e do equador em uma época específica. 1° de Janeiro

de 1950 e de 2000 (ou seja, 1950,0 e 2000,0) são as épocas mais comumente usadas.

Como vimos anteriormente, a origem da ascensão reta se dá em um dos dois pontos onde o

Sol, em seu caminho anual por entre as estrelas (eclíptica), parece cruzar com o equador celeste. A

este ponto chamamos de ponto vernal. Em três dimensões, este ponto é a projeção sobre o céu da

reta de intersecção entre o plano do equador da Terra e seu plano orbital. Como o primeiro plano é

75

sempre perpendicular ao eixo de rotação e este muda sua orientação constantemente, a posição do

Ponto vernal no céu também muda com relação às estrelas.

Na prática, as coordenadas celestes estão amarradas a objetos observáveis, pois é muito

difícil determinar observacionalmente a posição do ponto vernal e, por conseguinte, a posição de

qualquer astro no céu relativamente a este último. Assim sendo, o sistema de coordenadas

associadas à época 1950 é definido a partir de posições de estrelas publicadas no quarto Catálogo

Fundamental, o FK4, enquanto que o sistema de 2000 é baseado no quinto Catálogo Fundamental, o

FK5. Estes catálogos listam estrelas que, em sua maioria, são próximas, de forma que quaisquer

sistemas de coordenadas definidas a partir das posições destas estrelas estão sujeito a erros causados

pelos movimentos dessas estrelas na esfera celeste (movimentos próprios, ver próximas seções).

Atualmente sabemos que o equinócio obtido a partir do FK4 se desloca com relação ao do FK5 por

0,085” por século.

Atualmente, a definição mais estável de coordenadas para a época 2000 é baseada em 608

rádio-fontes extragalácticas que compõem o International Celestial Reference Frame (ICRF). Este

sistema de referência é extremamente estável, deslocando-se a menos de 0,020” por século. O ICRF

se tornou o sistema de referência fundamental adotado pela União Astronômica Internacional (IAU)

em 01/1998.

Por motivos que são em parte históricos e em parte práticos, a variabilidade temporal da

direção do eixo de rotação da Terra e da posição de um observador na superfície da Terra com

relação a ele é dividido em 4 fatores: precessão, nutação, deslocamento do pólo celeste e

deslocamento do pólo. Por definição, precessão e nutação são expressas matematicamente, usando-

se equações matemáticas apropriadas. Os outros dois fatores de variabilidade são desvios

observados (ou seja, medidos) com relação ao esperado pelas fórmulas matemáticas que descrevem

os dois primeiros. Assim sendo, a amplitude destes dois últimos não é previsível para períodos

muito longos. Todos os 4 componentes de variabilidade são discutidos com mais detalhe abaixo.

Precessão Nem o plano orbital da Terra, cuja intersecção com o céu define a eclíptica, nem o plano do

equador terrestre são fixos com relação a objetos muito distantes, como as fontes extragalácticas do

ICRF. O principal movimento é a precessão do eixo de rotação em torno da normal ao plano da

órbita (pólo eclíptico). Este movimento de precessão é causado por torques gravitacionais devidos à

Lua e ao Sol e é chamado de precessão luni-solar. O eixo de rotação da Terra varre um cone no

espaço de ângulo de vértice igual a 23,5° uma vez a cada 26.000 anos.

Há ainda a precessão planetária, causada pelas perturbações gravitacionais combinadas dos

outros planetas do Sistema Solar. Esta causa uma mudança no plano da órbita da Terra. O pólo

76

eclíptico, contudo, se move bem mais lentamente. Se imaginarmos seu movimento com relação às

fontes extragalácticas, o eixo de rotação muda de posição a uma taxa de 20” por ano, enquanto que

a normal ao plano da órbita varre apenas 0,5” no céu. Ambos os movimentos combinados formam o

que chamamos de precessão geral. Há desvios com relação à precessão geral, de curto período, que

também são previsíveis e expressos por fórmulas matemáticas, aos quais chamamos de nutação, que

será discutida na próxima seção.

Equações para o efeito da precessão, de precisão da ordem de 1”, sobre as coordenadas

equatoriais são dadas abaixo. Elas se aplicam para qualquer data dentro de um intervalo de uns 20

anos, centrado no ano 2000.

)cos(αδ n t

= ∂ ∂

)δαα ()(. tansennm t

+= ∂ ∂

onde m = 3,07419 s/ano e n = 20,0383”/ano ou 1,33589s/ano. Estes valores, como já mencionado,

são válidos por uns 20 anos, centrados no ano 2000. A variação das coordenadas ascensão reta (α) e

declinação (δ) são expressas em segundos de tempo e segundos de arco, respectivamente.

As fórmulas, como as acima, para calcular as correções sobre as coordenadas equatoriais de

um astro em diferentes épocas e para intervalos de tempo, são dadas pelo Astronomical Almanac.

Essas fórmulas são muito úteis, pois os catálogos astronômicos geralmente listam as coordenadas

das estrelas para uma época arredondada, como 1950,0 ou 2000,0. Se quisermos localizar com

precisão um objeto no céu em uma época arbitrária, teremos necessariamente que corrigir as

coordenadas catalogadas para a precessão.

Vemos pelas fórmulas acima que a precessão do eixo é muito lenta. De maneira aproximada,

a variação de α é da ordem de 3s por ano e a de δ de uns 20” por ano. A figura I.4.1 mostra a

variação da posição dos pólos celestes devida à precessão. O painel da esquerda mostra a situação

no presente, em que o pólo norte celeste coincide aproximadamente com a estrela Polaris. Daqui a

milhares de anos, o pólo celeste coincidirá aproximadamente com a estrela Vega (painel da direita).

77

Figura I.4.1 – Precessão do eixo de rotação terrestre em torno da normal à eclíptica.

Segue um exemplo de como calcular as correções para o efeito da precessão usando a

fórmula dada acima e que repetimos abaixo:

)cos(αδ n t

= ∂ ∂

)δαα ()(. tansennm t

+= ∂ ∂

Computemos a precessão do núcleo da Galáxia de Andrômeda durante 10 anos, conhecidas

suas coordenadas equatoriais no ano 2000.

α(2000) = 0h 42min 44,32s;

δ(2000) = +41° 16’ 08,5”

O primeiro passo é converter ambas para graus decimais:

3600 32,44

60 42

0 ++=α

º68467,10)71231,0(15 ==α

269028,41 3600

5,8 60 16

41 =++=δ

Cálculo da precessão:

"91,16'3"9088,19610).68467,10cos(."0383,20 / ===∂ anos anoδ

ssenanosanosanos 915,32)]269028,41tan()68476,10(33589,107419,3[10 // =+=∂α

Para computar as coordenadas para o ano 2010, essas correções devem ser adicionadas às

coordenadas do ano 2000.

Nutação Movimentos previsíveis do eixo de rotação terrestre em escalas de tempo (períodos) de 300

anos ou menos são combinados para formar o que chamamos de nutação. Esta pode ser tomada

como uma correção de primeira ordem à precessão. De acordo com o modelo de nutação mais atual,

este efeito é composto de 106 termos harmônicos envolvendo senos e co-senos com diferentes

freqüências, em sua maioria efeitos secundários de torque gravitacional do Sol e da Lua, mais 85

correções devidas a efeitos planetários. Os principais termos de nutação são: um termo de período

igual a 18,6 anos (período de precessão da órbita da Lua), um termo de 182,6 dias (meio ano), um

outro de 13,7 dias (meio mês) e um de 9,3 anos (período de rotação do perigeu lunar).

As correções para nutação dadas abaixo têm uma precisão da ordem de 1”:

∆α = [cos(ε) + sen(ε)sen(α)tan(δ)]dλ – cos(α)tan(δ)dε

∆δ = sen(ε)cos(α)dλ + sen(α)dε

78

Onde ∆α e ∆δ são adicionadas às coordenadas médias (corrigidas para precessão),

resultando nas chamadas coordenadas aparentes (ou verdadeiras). Na expressão acima, ε é a

obliqüidade da eclíptica, cujo valor pode ser obtido, dia a dia, no Astronomical Almanac. Os termos

de nutação em longitude eclíptica (dλ) e obliqüidade eclíptica (dε), respectivamente, são também

encontrados em anuários como o Astronomical Almanac, ou calculados a partir da teoria de

nutação, levando-se em conta os dois termos dominantes:

dλ = –17,3 sen(105,7 – 0,05295d) – 1,4 sen(199,5 + 1,97129d)

dε = 9,4 cos(105,7 – 0,05295d) + 0,7 cos(199,5 + 1,97129d)

onde d = Data Juliana – 2451909,5, os argumentos do seno e do co-seno sendo expressos em graus,

e dλ e dε em segundos de arco.

Tabela do Anuário Astronômico do Observatório Nacional

Na Figura I.4.2, a primeira coluna da esquerda lista o mês e o dia do ano. A coluna seguinte

lista o valor da hora sideral para λ = 0° (Greenwich) à TU = 0h, a que chamamos de S0. São

mostradas tanto a hora sideral aparente quanto a média. A diferença entre as duas, chamada de

equação dos equinócios é dada a seguir. Seguem-se então o valor da obliqüidade da eclíptica e os

termos de nutação de longo e curto período, tanto perpendicular quanto ao longo da eclíptica.

79

Figura I.4.2 –Tabela do Anuário Astronômico do Observatório Nacional.

Os coeficientes que multiplicam dλ e dε, e que dependem somente das coordenadas

equatoriais da estrela, podem ser encontrados no Apparent Places of Stars:

Tabela do Apparent Places of Stars

Na Figura I.4.3,a Tabela mostra as posições (α e δ) de diferentes estrelas de 10 em 10 dias

ao longo do ano. No alto da coluna é dada a designação da estrela, seu nome quando conhecido,

magnitude aparente e tipo espectral. Os graus e minutos (ou horas e minutos, no caso da ascensão

reta) das coordenadas equatoriais são mostrados logo abaixo. Seguem-se os segundos para os

diferentes meses e dias, dados no extremo à esquerda da página. Essas coordenadas são corrigidas

para aberração, precessão, paralaxe, movimento próprio e nutação de longo período. Na parte de

baixo de cada coluna são mostrados a posição média da estrela no ano e os coeficientes que

acompanham a correção para nutação de curto período (não incorporada nas posições listadas).

80

Figura I.4.3 –Tabela do Apparent Places of Stars.

Para ajudar a visualizar em separado os efeitos da precessão e da nutação podemos fazer uso

da figura I.4.4. Nela, vemos a posição da Terra (T), a direção do pólo da eclíptica (PE), e a direção

do pólo celeste (PC), ou seja, do eixo de rotação em duas épocas diferentes. A variação no espaço

da direção do eixo de rotação da Terra sem alterar-se a obliqüidade da eclíptica é a precessão luni-

solar, representada pelo cone maior da figura. Superposto a este há um cone menor, que representa

a variação ondular do eixo causada pela nutação.

81

Figura I.4.4 – Cones descritos pelo eixo de rotação da Terra devido à precessão e à nutação.

Deslocamento do Pólo Celeste

Este efeito é a parte imprevisível da nutação. Os valores desse efeito são publicados pelo

IERSBulletinAcom componentes em separado em longitude (dλ) e obliqüidade (dε).

Movimento do Pólo Devido a movimentos internos e deformações na forma da Terra, uma linha que interliga as

posições de diferentes observadores na sua superfície não é fixa com relação ao eixo de rotação. A

variação na posição relativa de um observador com relação a este eixo é o que chamamos de

movimento do pólo. Para um observador qualquer, este movimento tem o efeito de mudar sua

latitude e sua longitude, que por seu turno é necessária nas transformações de coordenadas terrestres

para celestes. O International Earth Rotation Service (IERS) define um sistema de referência

terrestre baseado em um eixo de referência, chamado de IERS Reference Pole (IRP). As fórmulas

abaixo nos dão a variação de latitude, longitude e do azimute de uma mira em função dos valores

médios das próprias coordenadas (φmed, λmed) e das coordenadas desse pólo médio expressas em um

sistema cartesiano, (x,y).

∆φ = φmed − φobs = xcos(λ) + ysen(λ)

∆λ = λmed − λobs = −[xsen(λ) + ycos(λ)] tan(φ)

∆Α = Αmed − Αobs = −[xsen(λ) + ysen(λ)] sec(φ)

O componente dominante do movimento do pólo, chamado de oscilação de Chandler, é um

movimento aproximadamente circular do pólo de referência em torno do pólo celeste, de amplitude

de cerca de 0,7” e um período de uns 14 meses aproximadamente. Irregularidades em escalas de

tempo mais curtas e também mais longas, devidas a movimentos no interior do planeta, são

imprevisíveis e tem que ser monitoradas por observações. A soma do componente de Chandler com

82

os componentes irregulares são publicados semanalmente no IERS Bulletin A, juntamente com

previsões para vários meses de antecipação.

Astrometria Nas seções anteriores, tratamos de algumas perturbações na posição de um astro, tais como

as devidas à precessão, à nutação e ao movimento do pólo. Estas perturbações se devem a variações

na orientação do sistema de coordenadas equatoriais como um todo. Vimos que a maior parte destes

efeitos pode ser explicada por modelos de perturbação gravitacional exercida sobre a Terra pelo

Sol, pela Lua e pelos planetas do Sistema Solar. Em outras palavras, podemos descrever de forma

matemática a mudança sistemática das coordenadas equatoriais de uma estrela qualquer devido à

precessão, à nutação, etc.

Nestas próximas seções veremos alguns outros efeitos que afetam a posição de um objeto no

céu. São eles: aberração, paralaxe, refração e movimento próprio. Todos são conceitualmente

simples e também podem ser quantificados por expressões matemáticas. Uma diferença importante

com relação aos efeitos já discutidos é que as variações causadas na posição de um astro agora não

resultam da mudança na orientação do sistema equatorial de coordenadas como um todo no espaço,

mas sim de efeitos físicos associados aos próprios objetos ou à luz que eles emitem.

Estes efeitos são também, em geral, de menor amplitude do que os anteriores, em especial se

comparados à precessão, tendo sido medidos e adequadamente descritos somente a partir do século

XIX. Isso porque, como já dissemos, medidas astrométricas evoluíram muito nos últimos tempos,

sendo este um assunto da Astrometria.

• Há um século atrás, praticava-se a Astronomia de Posição com um instrumento que só se

movia ao longo do meridiano astronômico do local, o círculo meridiano.

• Satélites no espaço estão começando a fazer medidas com muito mais precisão do que as

feitas em solo, sob a turbulenta atmosfera da Terra.

A figura I.4.5 mostra a evolução da precisão das medidas astrométricas ao longo da História.

A linha do tempo flui da esquerda para a direita, desde a época do astrônomo grego Hiparco (século

II AC) até a época do Satélite Astrométrico Hipparcos (época atual). Na parte inferior da figura,

vemos o menor ângulo que o homem era capaz de medir em cada época. Este ângulo, além de

indicado explicitamente, é também representado pela máxima distância a que uma pessoa de

estatura mediana (em torno de 1,7m) poderia estar de forma que tamanho angular pudesse ser

medido com os instrumentos da época. Assim, na Grécia antiga medidas angulares se limitavam a

1° de precisão, o que corresponde à abertura angular subentendida por uma pessoa a 100m de

distância do observador.

83

Figura I.4.5 – Evolução da precisão astrométrica ao longo da História. Para cada época é

mostrado o menor ângulo mensurável e a distância de uma pessoa para que ela cubra este ângulo.

Em tempos mais recentes, já no século XX, tornou-se possível medir ângulos da ordem de

0,00003° = 0,1”. Isso corresponde ao ângulo compreendido entre os pés e a cabeça de uma pessoa a

4000 km de distância. Não é de se estranhar que, com este brutal aumento na capacidade de se

medir aberturas angulares no céu, determinados efeitos, antes no máximo previstos, mas nunca

medidos, pudessem finalmente ser quantificados.

Aberração

A posição aparente de um objeto sofre um desvio cuja amplitude depende da amplitude de

seu movimento com relação ao observador (ou seja, sua velocidade relativa ao mesmo). Este efeito

está ligado ao fato de ser finita a velocidade de propagação da luz. A figura I.4.6 ilustra o efeito da

aberração: um projétil incide sobre um alvo em movimento, atingindo seu lado mais próximo em C.

Se o alvo estivesse em repouso, o projétil atingiria seu lado mais distante em A. Mas como o alvo

está em movimento, o projétil incide sobre o ponto B. Do ponto de vista do alvo, a direção de onde

parece vir o projétil será então a direção BC, ao invés da direção AC. O ângulo entre ambas,

a, depende da razão entre as velocidades do alvo e do projétil, assim como da direção relativa entre

estas duas velocidades, θ.

84

Figura I.4.6 – Efeito de aberração, exemplificado por um projétil que incide sobre as duas laterais

de um alvo em movimento.

Na figura acima fizemos θ = 90° para simplificar a visualização do efeito. No caso geral, o

desvio aparente a na direção do projétil visto do alvo será dado por:

)(θα sen c v=

onde θ é o ângulo entre a direção do movimento do projétil e a direção do movimento do

observador, c é a velocidade do projétil e v a velocidade do alvo.

Há dois tipos de aberração mais importantes no caso astronômico: a aberração diurna e a

aberração anual. Em ambos os casos, o alvo é o observador e o projétil é a luz proveniente de um

astro. Podemos dizer então que em ambos os casos estamos tratando do fenômeno de aberração da

luz. No caso da aberração diurna, o efeito é devido ao movimento de rotação da Terra, tal como

descrito na figura I.4.7. Nela vemos a Terra a partir da direção do pólo norte. À medida que a Terra

rotaciona, um observador qualquer na sua superfície se move no espaço, sua direção de movimento

fazendo um ângulo variável com relação à direção de onde vem a luz do objeto. O valor de v neste

caso é a velocidade do observador devido à rotação, que é máxima no equador (v = 0,4651 km/s),

tendendo a v = 0 km/s para observadores próximos aos pólos. Já o valor da velocidade da luz é c =

300.000 km/s. Pela fórmula acima, o efeito da aberração, ou seja, o ângulo entre a posição

observada e a aparente do astro será α = 0,32” para um observador no equador terrestre e zero para

um observador nos pólos. Note que este é o valor máximo, obtido assumindo-se que a incidência da

luz seja perpendicular à direção do movimento de rotação (caso mostrado na figura).

Figura I.4.7 – Efeito da aberração diurna da luz, resultado da rotação da Terra.

85

No caso da aberração anual, o deslocamento aparente na posição de uma estrela é devido ao

movimento orbital da Terra em torno do Sol. A fórmula que nos dá o valor do deslocamento

aparente é a mesma que antes. O que muda é o valor da velocidade v. A velocidade orbital da Terra

varia ao longo do ano, pois a órbita é uma elipse. Um valor médio neste caso seria v = 30 km/s.

Aplicando-se a expressão para o efeito da aberração, tem-se então α = 20,6”. Nota-se, portanto, que

a aberração anual é maior do que a aberração diurna por quase duas ordens de grandeza. Assim, a

aberração anual é mais relevante, sendo imprescindível a correção da posição de uma estrela para

este efeito, se estamos interessados em determinações astronômicas de precisão da ordem de 1”.

Note ainda que o efeito da aberração da luz, tanto diurna quanto anual, é periódico, repetindo-se em

escalas de tempo de 1 dia e 1 ano, respectivamente.

Refração

A direção de propagação da luz sofre um desvio ao atravessar a atmosfera terrestre. Este

efeito é cromático, ou seja, varia com o comprimento de onda da luz; ele é mais pronunciado para

luz azul do que para luz vermelha. O efeito sempre faz com que a altura (h) observada de um objeto

no céu seja maior do que ela realmente é. Um exemplo de refração ocorre com o Sol todos os dias.

Quando o vemos se por no horizonte, ele na verdade já está fisicamente abaixo deste último. Mas

sua imagem refratada pela atmosfera se projeta acima do horizonte. Em outras palavras, a refração

neste caso é da ordem de 35’, aproximadamente, o diâmetro angular do Sol no céu, visto da Terra.

A figura I.4.8 mostra o efeito da refração sofrida pela luz de um objeto ao incidir na atmosfera da

Terra, fazendo com que sua distância zenital observada seja menor do que a verdadeira (ou

aparente).

Figura I.4.8 – Efeito da refração da luz pela atmosfera. A luz sofre um desvio em seu caminho ao

entrar na atmosfera, fazendo com que a distância zenital medida seja menor do que a verdadeira.

A figura I.4.9 é semelhante à anterior, mas mostra a situação específica do Sol quando visto

no horizonte de um observador. O observador se situa no ponto P sobre a superfície da Terra. Ele vê

86

a imagem refratada do Sol no seu horizonte, na direção PO’. Mas, na verdade, o Sol já está

fisicamente abaixo do horizonte de P, na direção dada pelo segmento OP, que faz um ângulo Rm

(refração média) com PO’. Devido ao efeito da refração, os raios do Sol que se propagam ao longo

da direção OP, ao encontrarem a atmosfera da Terra em P’, desviam-se continuamente até atingir o

observador em P.

Figura I.4.9 – Refração sofrida pela luz do Sol quando este está nascendo ou se pondo. O Sol é

visto por uns 2 minutos, mesmo estando fisicamente abaixo do horizonte.

Como já mencionado, o por do Sol visto por um observador ocorre quando o primeiro se

encontra fisicamente 35’ abaixo do horizonte segundo. O desvio na posição do objeto é, portanto,

maior do que 0,5°. O valor do desvio causado pela refração depende da altura verdadeira do objeto,

sendo uma função decrescente da mesma. Isso é mostrado na figura I.4.10, onde vemos o valor do

desvio no eixo vertical e o valor da altura verdadeira no eixo horizontal

Figura I.4.10 – Variação do efeito médio de refração em função da altura do objeto.

Valores médios de refração também podem ser encontrados nas efemérides.

Tabela do Anuário Astronômico do ON com valores de refração média para diferentes distâncias

zenitais

Na Figura I.4.11, a coluna da esquerda são dados valores de distância zenital, na do meio o

valor correspondente de Rm e na da direita a diferença em Rm para um intervalo de 10’ em torno

do valor de z dado.

87

Figura I.4.11 –Tabela do Anuário Astronômico do ON com valores de refração média para

diferentes distâncias zenitais.

Note que além de variar com a freqüência da luz e com a altura, a refração também depende

da densidade do ar (variando, portanto com a altitude do observador) e das condições atmosféricas,

como a temperatura e a pressão. Em geral, a refração média é aquela esperada em condições padrão,

em que estas variáveis termodinâmicas têm valores específicos.

Fatores de correção a serem aplicados à refração Rm também são tabelados no Anuário

Astronômico do ON.

Tabela do Anuário Astronômico do ON com os fatores de correção de Rm para T e P

Na Figura I.4.12,a coluna à esquerda temos listados os valores de temperatura (t) e na

primeira linha no alto valores da pressão (em mm de Hg). O miolo da tabela contém os valores dos

fatores de correção a serem multiplicados por Rm.

88

Figura I.4.12 –Tabela do Anuário Astronômico do ON com os fatores de correção de Rm para T e

P.

Paralaxe e unidades de distância em Astronomia

Dentro do Sistema Solar, podemos usar o raio (ou o diâmetro) da Terra para medir paralaxes

horizontais, tal como descrito pela figura I.4.13: a distância a um planeta, por exemplo, pode ser

medida observando-o de pontos diametralmente opostos da superfície da Terra e medindo-se o

deslocamento angular do planeta com relação às estrelas ao fundo. À metade deste deslocamento

angular, conforme indicado na figura, chamamos de paralaxe. O paralaxe é comumente

representado pela letra grega π. Quanto maior o valor de π, menor é a distância ao planeta.

89

Figura I.4.13 – Efeito de paralaxe geocêntrico ou horizontal: um planeta parece se deslocar com

relação ao fundo de estrelas quando visado de pontos diametralmente opostos na superfície da

Terra.

Na verdade, há outros tipos de paralaxe, além do paralaxegeocêntrico ou horizontal definido

acima. Podemos definir, por exemplo, o paralaxeheliocêntrico, que faz uso da visada de dois

pontos opostos ao longo da órbita da Terra em torno do Sol. A figura I.4.14 mostra a situação, que é

geometricamente muito semelhante à da figura anterior; o que muda é a linha de base usada para

medir o ângulo paralático.

Figura I.4.14 – Paralaxe heliocêntrico: os pontos de visada agora se situam em extremos opostos

da órbita terrestre.

A distância média da Terra ao Sol é chamada de unidade astronômica (UA). Em termos de

quilômetros temos: 1 UA = 1,5 x 108 km. Esta distância é muito maior do que o raio da Terra, o que

faz com que, para um determinado objeto cuja distância se deseja medir, o paralaxe heliocêntrico

seja sempre maior do que o geocêntrico. Em termos mais técnicos e com base nas definições já

apresentadas, podemos dizer que fixada uma distância, π será tanto maior quanto maior for a linha

90

de base usada para medi-lo. E, mantida a linha de base, o paralaxe decresce com a distância ao

objeto.

Uma unidade de distância bem maior do que a unidade astronômica, o parsec(pc), é

definida como a distância à qual um segmento de reta de 1 UA (o sistema Terra-Sol, por exemplo)

cobre um ângulo de 1” no céu. Novamente podemos exprimir o parsec usando unidades mais

mundanas: 1 pc = 3,086x1013 km. Note que a definição do parsec está intimamente ligada ao

conceito de paralaxe heliocêntrico, pois 1 pc na verdade é a distância à qual está um objeto cujo

paralaxe heliocêntrico é π = 1”. O próprio nome parsecrepresenta abreviação das palavras paralaxe

e segundo. A partir do parsec podem-se definir unidades ainda maiores de distância, como o

kiloparsec (1 kpc = 103 pc) ou o megaparsec (1 Mpc = 106 pc). Estas são também usadas em

Astronomia, principalmente em Astronomia Galáctica e Extragaláctica. O ano-luz (AL), a distância

percorrida pela luz em um ano, às vezes é usada, principalmente em divulgação astronômica. Mas

raramente se vê distâncias expressas em anos-luz em trabalhos profissionais da área. 1 AL =

9,46x1012 km ~ 1/3 parsec.

Na figura I.4.15 vemos representado o efeito de paralaxe heliocêntrico. Analogamente ao

paralaxe horizontal, o paralaxe heliocêntrico é o deslocamento angular de uma estrela com relação

às outras ao fundo, quando a posição desta é anotada de dois pontos da órbita da Terra

diametralmente opostos.

Figura I.4.15 – Representação do paralaxe π de uma estrela (E) em função da distância Terra–Sol

(1 UA) e da distância à estrela.

Representando novamente o paralaxe heliocêntrico por π, vemos que existe uma expressão

bem simples relacionando-o com a distância à estrela.

tan(π) = 1 d

UA

Como para ângulos pequenos (<< 1 rad) a tangente é numericamente igual ao próprio ângulo

expresso em radianos, temos que:

91

tan(π) = π (rad) = 1 d

UA .

Como antecipado, a definição de paralaxe dada acima usa como linha de base o diâmetro da

órbita da Terra em torno do Sol. Se usarmos a definição de parsec, a expressão acima se simplifica

ainda mais:

p (seg. arco) = d 1

(pc)

Vale notar que o valor de π acima representa o deslocamento da estrela quando observada

em dois dias do ano separados por 6 meses. De um dia para o outro o deslocamento na posição de

um astro devido ao movimento orbital da Terra é muito menor. Na verdade, como esta última

descreve uma elipse em torno do Sol, o reflexo deste movimento na posição de estrelas próximas

será também uma elipse cujo eixo maior é dado por 2π. A posição da estrela, portanto, varia

continuamente e com periodicidade de um ano.

Movimentos Próprios Embora as estrelas pareçam estar fixas no céu, elas na verdade se movem no espaço com

velocidades altas, da ordem de dezenas ou centenas de km/s. Suas distâncias gigantescas fazem com

que estes movimentos sejam quase imperceptíveis a um observador na Terra. O movimento

aparente das estrelas no céu, reflexo de seu movimento no espaço, embora pequeno, é mensurável.

A ele chamamos de movimento próprio e o representamos pela letra grega µ.

Para melhor entendermos o que é o movimento próprio, consideremos a figura I.4.16. Nela

temos representado as posições de um observador em O e de uma estrela em E. Também está

representado, por uma seta, o vetor velocidade espacial da estrela (V). O comprimento da seta é

uma medida do módulo da velocidade, sendo que a seta aponta a direção de movimento da estrela.

Este movimento é devido ao campo gravitacional interno da nossa Galáxia, a Via-Láctea, que

impõe a cada estrela ou objeto a ela pertencente uma aceleração e uma velocidade resultantes.

Figura I.4.16 – Decomposição do movimento espacial de uma estrela em seus componentes radial e

tangencial.

92

A velocidade da estrela, conforme mostrado na figura, pode ser então decomposta em um

componente ao longo da linha de visada, a velocidade radial (Vr)e um componente perpendicular à

linha de visada, a velocidade tangencial ou transversal (Vt) Ambos os componentes são

mensuráveis e muito importantes para se determinar a forma como as estrelas se movem no interior

da Galáxia e, a partir daí, estudar a dinâmica da Via-Láctea e mesmo determinar sua massa. O

componente radial da velocidade leva a uma alteração na distância que separa o observador da

estrela. Vr pode ser medido pelo Efeito Doppler, pelo qual a freqüência das ondas de luz aumenta

(diminui) quando a fonte que as emite se aproxima (afasta) do observador. Note que este

componente, não leva a uma mudança na direção no espaço na qual se encontra a fonte. Assim, o

componente mais relevante para a Astronomia de Posição é o tangencial, que dividido pela

distância à fonte, resulta na velocidade angular com que esta se desloca na esfera celeste. Ou seja, o

movimento próprio pode ser matematicamente expresso como µ = Vt / R

.

Figura I.4.17 – Dependência do movimento próprio com a distância: objetos mais distantes têm

valores menores de µ se fixada a velocidade tangencial.

As estrelas mais próximas apresentam em geral movimentos próprios maiores. A figura

I.4.17 reflete este fato. Para uma mesma velocidade tangencial, o movimento próprio será tanto

maior quanto mais próxima estiver a estrela. Naturalmente isso também pode ser entendido

matematicamente, levando-se em conta a fórmula para µ dada acima. A estrela com maior

movimento próprio é a estrela de Barnard. Ela se desloca no céu por um ângulo de 10” a cada ano.

Trata-se também de uma das estrelas mais vizinhas ao Sistema Solar. Somente algumas estrelas

possuem movimentos próprios maiores do que 1” ao ano. Assim, a forma das constelações que as

estrelas delineiam no céu pouco se altera com o tempo. No diagrama abaixo (figura I.4.18) vemos a

forma de uma constelação boreal, a Ursa Maior, no presente (parte superior) e daqui a 10.000 anos.

93

Figura I.4.18 – Resultado do movimento próprio das estrelas da constelação da Ursa Maior

decorrido um período de 10 milênios.

Note que nosso Sol também se move no interior de nossa Galáxia, carregando consigo seus

nove planetas e corpos menores. Assim sendo, na direção do movimento do Sol, as estrelas parecem

estar divergindo de um ponto à nossa frente, chamado de ápex. Na direção contrária, elas parecem

convergir para um ponto, chamado de anti-ápex. O efeito é semelhante ao de um automóvel em

uma estrada; as bordas da estrada à nossa frente parecem se abrir à medida que avançamos,

enquanto que atrás de nós elas parecem se fechar.

Catálogos de Estrelas e Atlas na Web Posições de estrelas corrigidas para todos ou parte dos efeitos citados neste capítulo podem

ser obtidas em catálogos estelares. Comumente estes catálogos listam uma posição média para uma

determinada época (por exemplo, 1950,0 ou 2000,5). Neste caso, estas posições estão corrigidas

apenas para precessão e movimento próprio, que são efeitos de mais longo prazo. Os efeitos de

aberração e paralaxe heliocêntrico tem periodicidade anual e têm que ser incorporados quando se

deseja fazer medidas precisas de posição em um determinado dia. Note que nem todas as estrelas

têm distâncias e movimentos próprios conhecidos, o que impede que os efeitos de paralaxe e

movimento próprio sejam incorporados em suas coordenadas. Uma lista de catálogos estelares está

disponível pela Internet em:

http://simbad.u-strasbg.fr/Simbad ou http://simbad.harvard.edu/Simbad

Fotografias e imagens de diferentes campos do céu podem ser encontradas em:

http://archive.stsci.edu/dss/dss_form.html

Há ainda o Apparent Places of Stars, que lista as posições de estrelas de referência de 10 em

10 dias do ano, levando em conta todos os efeitos, exceto pela nutação de curto período e refração.

Efeitos de refração dependem da densidade e temperatura do ar e, portanto, não são incorporados

94

nas coordenadas listadas para as estrelas de um catálogo. Na próxima seção apresentamos fórmulas

gerais que permitem corrigir as coordenadas equatoriais de um astro para os diferentes efeitos.

Redução das coordenadas astronômicas

(de coordenadas médias para aparentes)

Vimos neste capítulo que há vários componentes de movimento, seja do eixo de rotação, dos

pólos celestes ou dos próprios astros no céu, que levam à variação contínua e periódica de suas

coordenadas equatoriais. Esses componentes de movimento incluem a precessão, a nutação, os

movimentos do pólo, a aberração, paralaxe, movimento próprio e refração. A maioria destes

componentes pode ser modelada e descrita por intermédio de fórmulas matemáticas ou pelo menos

tabelados em efemérides. O cálculo das coordenadas de uma estrela para um dado instante, levando

em conta estes fatores, é chamado de redução das coordenadas. Geralmente, dividimos o problema

em duas partes: redução ao ano e redução ao dia.

Na redução ao ano, transformamos as coordenadas listadas em um catálogo, que se referem

a um equinócio redondo, como 1950,0 ou 2000,0, em coordenadas para o equinócio referente ao

início ou metade do ano corrente (ou seja, 1999,0 ou 2000,5, por exemplo). Essas transformações

levam em conta apenas a precessão geral do eixo de rotação e o movimento próprio da estrela no

intervalo de tempo decorrido. Elas são do tipo:

6

32

10 ")(

200 ')( vTvT

Tv ∆+∆+∆=∆α

6

32

10 ")(

200 ')( vTvT

Tv ∆+∆+∆=∆α

onde v, v’ e v” são termos listados nos próprios catálogos de coordenadas e ∆Τ é o intervalo de

tempo entre o equinócio do catálogo e o do ano corrente.

Na redução ao dia levamos em conta as variações devidas à nutação, à aberração, ao

paralaxe e também à precessão e ao movimento próprio residuais entre o equinócio do meio do ano

e o dia considerado.

No Astronomical Almanac, por exemplo, encontramos fórmulas para a redução ao dia do

tipo:

∆α = Αa + Bb + Cc + Dd + E + J tan 2(δ)

∆δ = Αa' + Bb' + Cc' + Dd' + J' tan(δ)

onde A, B, C, D, E, J e J' são os números Besselianos, geralmente expressos em segundos de arco

(exceto por E e J, expressos em s), listados para cada dia do ano. Já a, b, c, d, a', b', c' e d' são as

chamadas constantes Besselianas da estrela, que dependem de suas coordenadas equatoriais médias

(determinadas a partir de um catálogo pela redução ao ano):

95

a = n m

+ sen(α) tan(δ)

b = cos(α)tan(δ)

c = cos(α)sec(δ)

d = sen(α)sec(δ)

a’ = cos(α)

b’ = – sen(α)

c’ = tan(α)cos(δ) − sen(δ)sen(α)

d’ = cos(α)sen(δ)

Os números Besselianos variam com o dia do ano e são tabelados no Astronomical Almanac.

Tabela do Astronomical Almanac com os números Besselianos

Na Figura I.4.19,a data (dia e mês) é dada na 1ª coluna. Os termos de correção para nutação

(dε e dλ) são listados em seguida. A obliqüidade da eclíptica é dada na 4ª coluna e os números

Besselianos A, B, C, D, e E se seguem. Finalmente, a última coluna lista a fração do ano decorrida

com relação ao equinócio médio.

96

Figura I.4.19 – Tabela do Astronomical Almanac com os números Besselianos.

Tabela com valores dos números Besselianos de 2ª ordem

Na Figura I.4.20,os valores de J (ou J’) são dados no miolo da tabela. Dia e mês são listados

na 1ª coluna, à esquerda, em intervalos de 10 dias. A hora do dia é dada na 1a linha. As unidades

em que são expressos os valores e a expressão em que eles entram são dados no final da tabela.

97

Figura I.4.20 –Tabela com valores dos números Besselianos de 2ª ordem.

As fórmulas acima incorporam apenas correções para precessão residual, nutaçãoe

aberração anual. Os coeficientes m e n no cálculo de a são aqueles que entram na correção da

ascensão reta para precessão, dada no início deste capítulo; seus valores são m = 3,075 s/ano e n =

1,336 s/ano. Já ε na expressão para c’ acima é o valor da obliqüidade da eclíptica. O componente de

paralaxe é dado pela fórmula:

∆α = πXd – πYc

∆δ = πXd’ – πYc’

onde X e Y são coordenadas cartesianas da Terra com origem no Baricentro do Sistema Solar e π é

o paralaxe heliocêntrico da estrela. Obviamente, à medida que a Terra órbita em torno do Sol, X e Y

variam; assim seus valores são também listados diariamente pelo Astronomical Almanac.

98

Tabela do Astronomical Almanac com os valores das coordenadas cartesianas X, Y, Z

Na Figura I.4.21,a data é dada na 1ª coluna, seguida dos valores de X,Y,Z e de suas

derivadas no tempo.

Figura I.4.21Tabela do Astronomical Almanac com os valores das coordenadas cartesianas X, Y,

Z.

Finalmente, temos o movimento próprio residual entre o equinócio do meio do ano e o dia

considerado:

∆α = τ µα

∆δ = τ µδ

99

onde τ, µα, µδ, são, respectivamente, a fração do ano decorrido entre o meio do ano e o dia

considerado e os componentes em ascensão reta e declinação do movimento próprio da estrela,

expressos em ”/ano.

A soma das 3 componentes de ∆α e ∆δ dadas acima nos dá a redução ao dia. A coordenadas

resultantes dessas correções são chamadas de coordenadas aparentes ou verdadeiras, em

contraposição às coordenadas médias listadas nos catálogos. Sobre as coordenadas verdadeiras

podemos ainda incorporar o efeito da refração atmosférica, que, conforme descrito acima, depende

da temperatura e pressão ambientes (tabelas quantificando esse efeito são encontradas, por exemplo,

nas Efemérides Astronômicas do Observatório Nacional), transformando-as assim em coordenadas

observadas.

100

CAPÍTULO 5

PRÁTICAS DE DETERMINAÇÂO ASTRONÔMICA

Roteiro para preparação de relatório de prática astronômica

Considerações gerais: o relatório dever ser sucinto. Ou seja, não há necessidade de escrever

frases intermináveis e com pouca ou nenhuma informação. Por outro lado, sucinto não significa

incompleto. Procure fazer do relatório algo que sirva como roteiro para que outras pessoas possam

repetir o que foi feito, passo a passo. Ou seja, não pode haver lacunas na descrição das diferentes

etapas do trabalho ou erros na descrição da seqüência com que ele foi feito.

A apresentação do relatório também conta: um texto sem rasuras, escrito em boa caligrafia

(ou digitado em computador ou máquina de escrever) e enriquecido com tabelas, fórmulas e figuras

certamente ajuda.

Quanto à ordem, ela deve seguir aproximadamente o seguinte ordenamento:

1 – Uma definição clara do(s) objetivo(s). Em outras palavras, o que se procura determinar

com o trabalho (A hora sideral? A latitude do observador? O azimute de um mira? Etc);

2 – Método de determinação: uma descrição teórica das medidas que têm que ser feitas, em

que ordem e qual a relação entre o que se vai medir e o que se procura obter (objetivo);

3 – Preparação da observação: escolha de intervalos de hora e de coordenadas, escolha do(s)

alvo(s);

4 – Preparo instrumental: montagem e nivelamento do teodolito; medidas de calibração e de

correção instrumental;

5 – Processo de tomada de medidas; apresentação dos dados obtidos; correções às medidas;

6 – Análise dos dados; métodos matemáticos e/ou estatísticos para fins de obtenção dos

objetivos. Valores obtidos e incertezas;

7 – Conclusões.

Roteiro para Montagem, Nivelamento e Calibração de Teodolito

Há muitas variedades de teodolitos, alguns para fins de Topografia e outros, com maior

precisão, de uso em Astronomia. Este roteiro visa a descrever o uso dos teodolitos Wild T2,

habitualmente utilizados nas práticas de determinação astronômica dos cursos ministrados pelo

Departamento de Astronomia da UFRGS. Para uma descrição mais detalhada dos diferentes tipos

de teodolito e suas diferentes aplicações recomendamos outras publicações, tais como o livro

“Topografia e Astronomia de Posição para Arquitetos e Engenheiros”, de F. Domingues.

101

Os teodolitos devem, antes de tudo, ser manuseados com cuidado, regra que vale para

qualquer instrumento ótico de precisão. Os Wild T2 são guardados no interior de uma cápsula

metálica composta por uma base e uma cobertura, que podem ser destacadas uma da outra pelo

acionamento de presilhas em forma de gancho situadas junto à base. Feito isso, retira-se então o

teodolito e leva-se o mesmo para uma superfície plana no ponto de observação.

O passo seguinte consiste em nivelar o instrumento, ou seja, fazer com que a base do

teodolito coincida com o plano horizontal do local de observação. O nivelamento é feito pelo

acionamento de três parafusos calantes na base do teodolito e pela observação da posição de duas

bolhas de ar: uma situada na base e a outra em uma trave no corpo do teodolito. Esta última bolha

pertence ao plano da forquilha do teodolito, que por seu turno é perpendicular à base. O

nivelamento se dá da seguinte forma: colocamos o plano da forquilha em paralelo a um par de

parafusos calantes e os acionamos, sempre girando-os no mesmo sentido (horário ou anti-horário),

até que a bolha na trave da forquilha esteja centrada. Depois giramos o corpo do teodolito em 90°,

de forma que a trave aponte na direção do parafuso restante. Acionamos este parafuso até que a

bolha seja centrada também nesta posição. Repetimos o mesmo procedimento para os demais pares

de parafusos calantes, até que possamos girar o teodolito em qualquer direção sem que a bolha

situada na trave seja descentrada. Nesta situação, a bolha da base também deverá estar bem centrada

e imóvel, independentemente da posição do instrumento.

Em várias práticas de determinação de coordenadas astronômicas, faz-se necessário

determinar valores de distância zenital. As leituras de posição vertical do teodolito sofrem de um

erro, a que chamamos de erro zenital do instrumento. Este erro, z0, pode ser determinado por leitura

verticais de uma mira fixa obtidas com a luneta do teodolito tanto na posição direta quanto inversa.

Chamemos de LVD e LVI estas medidas, respectivamente. Teremos então:

2 360

0

−+= VIVD LLz

Medidas empíricas de distância zenital podem então ser obtidas fazendo-se z = LV - z0, onde

LV é uma medida vertical de um objeto qualquer. Note que esta medida de z ainda não representa

um valor absoluto de distância zenital, pois para isso necessita ser corrigido para refração

atmosférica. Conforme vimos no Capítulo 4 da Parte I, esta correção é dada pela fórmula:

zabs = z + RmF

onde Rm e F são respectivamente o valor de refração média para a distância zenital observada e um

fator de correção para temperatura e pressão. Ambos podem ser obtidos consultando-se as tabelas

sobre o efeito de refração existentes, por exemplo, no Anuário Astronômico do Observatório

Nacional (ON).

Para estimar o efeito da refração, podemos também usar a fórmula:

102

)tan()](º273[ )(º00452,0 hCT

mbarP R

+ =

onde R é o desvio causado pela refração (expresso em graus), h é a altura do objeto (também em

graus), P é a pressão medida com um barômetro (em milibar) e T é a temperatura do ar em graus

centígrados. A pressão atmosférica no nível do mar é Patm = 1.013 mbar.

1ª Prática

Determinação do meridiano astronômico e do azimute de uma mira usando a culminação de

uma estrela

Uma estrela culmina quando sua altura atinge um valor extremo. Isso ocorre duas vezes ao

longo do dia sideral: na culminação inferior, sua altura é mínima e na culminação superiorsua

altura é máxima. Esta última situação é a mais favorável para observá-la. Em ambas as

culminações, a estrela está contida no plano meridiano do observador.

Uma outra vantagem de observarmos uma estrela durante sua culminação superior é o fato

de que, neste caso, não precisamos de trigonometria esférica para estabelecermos relações entre as

diferentes coordenadas da estrela e as coordenadas do observador. Todas as relações se simplificam

imensamente, pois o triângulo esférico da estrela deixa de existir, já que pólos, zênite e estrela estão

todos alinhados sobre o meridiano astronômico. Para observadores no hemisfério sul, por exemplo,

se a estrela culmina a sul do zênite (ou seja com azimute A = 180°), temos a seguinte relação entre

sua declinação δ, sua distância zenital mínima zmin e a latitude φ do observador:

δ = φ − zmin

Caso a estrela culmine a norte do zênite (A = 0°), podemos escrever:

δ = φ + zmin

A figura II.1 mostra a situação característica da culminação superior. A estrela K culmina a

norte do zênite (A = 0°) e a estrela V a sul (A = 180°). Neste instante suas distâncias zenitais são

mínimas, de valor zk e zv, respectivamente, tal como mostradas na figura. As duas equações acima

são claramente válidas para V e K, respectivamente.

103

Figura II.1 – Diagrama do plano meridiano de um observador, mostrando duas estrelas: EK, que

culmina a norte do zênite (Z), e EV, culminando a sul do zênite.

Basta, portanto, determinarmos o valor da distância zenital na culminação de uma estrela de

declinação conhecida para determinarmos nossa latitude. Um problema, contudo, é sabermos o

exato instante em que a estrela culmina. Isso é equivalente a determinarmos a direção norte-sul com

precisão.

Uma maneira de determinar a posição do meridiano astronômico e nossa latitude sem

conhecimento prévio de nenhum dos dois é observarmos uma estrela com um teodolito

aproximadamente de meia hora antes até meia hora depois de sua culminação superior, anotando-

lhe a leitura vertical LV e a leitura horizontal LH para diferentes instantes. Esperamos que os pontos

LV x LH, uma vez colocados em um gráfico, descrevam uma parábola. Ou seja, espera-se que eles

satisfaçam uma relação do tipo:

LV = a LH2 + b LH + c

Se ajustarmos uma parábola a estes pontos, determinando os valores dos parâmetros a, b e c,

podemos então inferir o valor de LH para o qual LV é mínimo. Basta tomarmos a derivada LV/LH

da parábola acima e a igualarmos a zero. Assim teremos:

LH(LVmin) = a b

2 −

Sabemos que este valor de LH(LVmin) corresponde ao instante da passagem meridiana, tendo

assim um azimute de 0° ou de 180°, dependendo de a estrela culminar a norte ou a sul do zênite,

respectivamente. Assim, qualquer outra leitura LH que tenhamos, como por exemplo, a leitura de

uma mira fixa qualquer, pode ser convertida em um valor de azimute. Além disso, o valor mínimo

104

de LV, obtido substituindo –b/2a na parábola, nos permite determinar a latitude φ do ponto de

observação. Este valor é:

LVmin = c a b +−

4

2

Previamente à noite de observação precisamos então definir estrelas que:

1) Culminem durante o intervalo disponível para o trabalho de campo.

Para escolhermos a(s) estrela(s) a ser(em) usada(s) temos então que seguir os seguintes

passos:

A) Dada a longitude aproximada do local da observação e o intervalo de hora legal

disponível para a mesma, obter o intervalo de hora sideral correspondente. Isso envolve uma

transformação de hora legal para hora solar média local e uma conversão de hora solar média local

em hora sideral. Sejam HL1 e HL2 os limites do intervalo de hora legal disponível para observação.

Neste caso, os limites em hora solar média, M1 e M2, correspondentes a estes dois instantes serão:

Mi = HLi + (lc – l)

onde i=1,2 e lc e l são, respectivamente, a longitude do meridiano central do fuso horário onde se dá

a observação e a longitude do observador.

Já a conversão de hora solar média local para hora sideral se faz pela equação:

Si = S0 + Mi(1 + h) + l h

onde S0 é a hora sideral em Greenwich à TU = 0h na data da observação, cujos valores, dia após

dia, são listados no Astronomical Almanac, no Anuário do Observatório Nacional ou no Apparent

Places of Stars.

B) Dado o intervalo em hora sideral, procurar estrelas que culminem dentro deste intervalo.

Sabemos que a hora sideral em que uma estrela culmina é igual à sua ascensão reta (pois no

meridiano o ângulo horário é nulo). Logo, com o auxílio de uma lista contendo as coordenadas

equatoriais de várias estrelas, tudo que precisamos fazer é determinar que estrelas têm ascensão reta

contida no intervalo de hora sideral definido no item A.

Procedimento Observacional

Uma vez definida(s) a(s) estrela(s), uma das primeiras coisas a serem feitas na noite de

observação é identificá-la(s) no céu. Após a montagem e nivelamento do teodolito, então se procede

à determinação do erro zenital, e à leitura horizontal de uma mira fixa cujo azimute queiramos

determinar.

Uma vez feitas as calibrações, estamos prontos para fazer leituras horizontais e verticais da

estrela com o teodolito para diferentes instantes, os quais devem ser anotados cuidadosamente. Note

que valores de LV precisam ser corrigidos para o erro zenital z0 do teodolito e para refração, o que

105

exige conhecimento da temperatura e pressão atmosféricas. Só com estas correções podemos obter

os valores de distância zenital, z, correspondentes às leituras verticais.

Os pontos z por LH, tomados de meia hora antes até meia hora depois do instante previsto

para a culminação, deverão formar uma parábola, sendo então possível, usando técnicas de ajuste,

determinar o valor extremo zmin. Este valor de distância zenital no instante da culminação nos

permite assim determinar a latitude. Além disso, como o azimute neste instante é 0° ou 180°, temos

também determinada a posição do nosso meridiano astronômico e do azimute da mira.

Exemplo

Tabelas de dados obtidos com o teodolito para a determinação da latitude usando a

passagem meridiana de uma estrela. A primeira tabela contem leituras de uma mira fixa, para

determinação do erro zenital do aparelho. A segunda contem os dados de Lv x Lh. (Trabalho do

aluno de Engenharia Cartográfica da UFRGS, Rafael dos Santos Genro):

Leituras Iniciais, com as quais torna-se possível calcular o erro do instrumento de medição

(teodolito) na sua leitura vertical: Tais medições fora obtidas mirando para o alvo (torre de celular),

da qual pretende-se descobrir o azimute.

Leitura Ângulo Horizontal Ângulo Vertical

1 (direta) 89º 22’ 04,5” LVD = 87º 30’ 21”

2 (inversa) 269º 21’ 46” LVI = 272º 18’ 37”

Ângulos horizontal e vertical coletados durante um intervalo de tempo de 30 minutos

prévios e posteriores à culminação da estrela Beta Carina, tendo ocorrido tal culminação

aproximadamente às 21h13min do dia em que foi feito o trabalho.

Medições Ângulo Horizontal

(LH)

Ângulo Vertical

(LV)

1 59º 34’ 17” 40º 14’ 23”

2 60º 44’ 53” 40º 00’ 02,5”

3 61º 41’ 58” 39º 52’ 30”

4 62º 12’ 53” 39º 48’ 41”

5 62º 41’ 52” 39º 45’ 04”

6 63º 26’ 59” 39º 40’ 52”

106

7 64º 18’ 45” 39º 37’ 15”

8 64º 54’ 01” 39º 35’ 12”

9 65º 43’ 13” 39º 33’ 37”

10 66º 12’ 45” 39º 32’ 45”

11 66º 42’ 11” 39º 33’ 09”

12 67º 05’ 38” 39º 33’ 17”

13 67º 31’ 57” 39º 34’ 00”

14 68º 00’ 53” 39º 34’ 42”

15 68º 25’ 45” 39º 36’ 05”

16 68º 56’ 11” 39º 38’ 02”

17 69º 20’ 40” 39º 39’ 38”

18 69º 44’ 33” 39º 41’ 10”

19 70º 18’ 03” 39º 44’ 08”

20 70º 45’ 47” 39º 48’ 04”

21 71º 29’ 19” 39º 53’ 09”

Outras referências bibiliográficas: Determinações Astronômicas, F. Hatschbach; Geodésica

Elementar e Astronomia de Campo, J. Haertel; Notas de Aula de J.M. Arana.

2ª Prática

Determinação do meridiano astronômico e do azimute de uma mira usando uma estrela em

elongação

Uma estrela está em elongaçãoquando o ângulo do triângulo esférico de posição da estrela é

retângulo na própria estrela. Chamemos o ângulo do vértice onde está a estrela de Q. Neste caso, a

elongação é caracterizada por Q = +/– 90°. A figura II.2 mostra uma estrela em elongação, sendo o

triângulo de posição (mostrado em branco) reto na estrela.

107

Figura II.2 – Triângulo de posição de uma estrela durante a elongação.

Nesta situação temos então as seguintes relações envolvendo os demais elementos do

triângulo esférico:

φ δ

cos cos±=senA (1)

δ φ

sen sen

z =cos (2)

δ φ

tan tan

cos =H (3)

onde A é o azimute da estrela, z sua distância zenital, H seu ângulo horário, δ a sua declinação e φ é

a latitude do observador.

Como o módulo de um co-seno ou seno tem necessariamente que ser  1, temos pelas

relações acima que:

| φ δ

cos cos |  1  |cos δ|  |cos φ|  |δ|  |φ|

| δ φ

sen sen |  1  |sen φ|  |sen δ|  |φ|  |δ|

Além disso, para que a elongação se dê acima do horizonte é necessário que δ e φ tenham o

mesmo sinal. Uma outra característica da situação de elongação é o fato de que o azimute atinge um

valor extremo neste instante. Assim, um gráfico de A x H (ou tempo) nos instantes que precedem e

sucedem à elongação nos dará uma parábola cujo valor extremo (máximo ou mínimo) representa o

azimute da estrela ao elongar-se. Mas este último pode sercalculadousando a expressão (1) acima,

desde que conhecidas a declinação da estrela e a latitude do observador. O sinal algébrico a ser

usado na expressão (1) dependerá de ser a elongação oriental (a leste do meridiano, 0° < A < 180°)

ou ocidental (a oeste do meridiano, 180° < A < 360°). Assim resulta que o acompanhamento de

108

uma estrela logo antes e depois da elongação nos permite determinar nosso meridiano e também o

azimute de uma mira fixa.

Previamente à noite de observação precisamos então definir estrelas que:

1) Satisfazem as condições necessárias para elongar acima do horizonte: |δ| > |φ|; δ e

φ ambas tendo o mesmo sinal.

2) E que tenham elongação ocorrendo durante o intervalo disponível para o trabalho de

campo.

Para escolhermos a(s) estrela(s) a ser(em) usada(s) temos então que seguir os seguintes

passos:

A) Dada a longitude aproximada do local da observação e o intervalo de hora legal

disponível para a mesma, obter o intervalo de hora sideral correspondente. Isso envolve uma

transformação de hora legal para hora solar local e uma conversão de hora solar local em hora

sideral. Conforme já descrito anteriormente, se HL1 e HL2 são os limites do intervalo de hora legal

disponível para observação, os limites em hora solar média, M1 e M2, serão:

Mi = HLi + (lc – l)

onde i = 1,2 e lc e l são, respectivamente, a longitude do meridiano central do fuso horário onde se

dá a observação e a longitude do observador.

Já a conversão de hora solar média local para hora sideral se faz pela equação:

Si = S0 + Mi(1 + h) + l h

onde S0 é a hora sideral em Greenwich à TU = 0h na data da observação, cujos valores, dia após

dia, são listados no Astronomical Almanac, no Anuário do Observatório Nacional ou no Apparent

Places of Stars.

B) Dado o intervalo em hora sideral, procurar estrelas que elonguem dentro deste intervalo.

Isso é feito com o auxílio de uma lista contendo as coordenadas equatoriais de várias estrelas que

satisfaçam os requisitos mínimos dados no item 1. O Apparent Places of Stars lista as coordenadas

equatoriais de centenas de estrelas de referência, atualizadas de 10 em 10 dias para os efeitos de

precessão, aberração, paralaxe, movimento próprio e nutação de longo período. Com a declinação

δ da estrela candidata e a latitude φ do ponto de observação, usa-se a fórmula (3) para determinar o

ângulo horário H de cada estrela ao elongar. Daí usa-se a expressão:

S = H + α

Para determinar se a hora sideral em que estrela elonga está dentro do intervalo definido em

A, onde α é a ascensão reta da estrela.

Procedimento Observacional

109

Uma vez definida(s) a(s) estrela(s), uma das primeiras coisas a serem feitas na noite de

observação é identificá-la(s) no céu. Após a montagem e nivelamento do teodolito, então se procede

à leitura horizontal de uma mira fixa. Como esta prática não envolve leituras verticais, não é

necessário determinar o erro zenital do instrumento.

Uma vez feitas as calibrações, estamos prontos para fazer leituras horizontais (LH) da estrela

com o teodolito para diferentes instantes, os quais devem ser anotados cuidadosamente.

Os pontos LH x t, tomados de meia hora antes até meia hora depois do instante previsto para

a elongação, deverão formar uma parábola, sendo então possível, usando técnicas de ajuste já

conhecidas, determinar o valor extremo da leitura horizontal LHmax. Este corresponderá ao azimute

da estrela no instante da elongação, permitindo-se assim transformar leituras horizontais em

determinações de A. Por exemplo, o valor de azimute de uma mira fixa será dado pela fórmula:

Amira = LHmira + Aest – LHmax

onde LHmira é o valor da leitura horizontal da mira, medido com o teodolito, LHmax é obtido do ajuste

aos pontos observados e Aest é o azimute da estrela calculado com a expressão (1).

Outras referências bibiliográficas: Determinações Astronômicas, F. Hatschbach; Geodésica

Elementar e Astronomia de Campo, J. Haertel; Notas de Aula de J.M. Arana.

Exemplo

Relatório de Prática de Determinação do Meridiano e do Azimute de uma Mira usando uma

Estrela em Elongação

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Instituto de Geociências

Disciplina: Astronomia Geodésica II

Código: FIS 02006

2ª Prática

Rafael Santos Genro Matrícula: 2795/97-7 Turma U

Professor Basílio Santiago

Período 01/01

O presente trabalho visa determinar o meridiano astronômico do observador e o azimute de

uma mira fixa com o auxílio de uma estrela no momento de sua elongação.

O trabalho foi realizado no terraço do prédio da Física, o qual foi devidamente projetado

para se instalar instrumentos de medição de coordenadas horizontais e verticais (teodolitos).

Feita a instalação do teodolito, com auxílio dos seus calantes, nivelou-se o mesmo e

escolheu-se um alvo fixo qualquer, do qual pretende-se encontrar o azimute.

110

Coletaram-se ângulos horizontais e verticais do astro em um horário próximo de sua

elongação, assim como a hora legal de cada observação, a fim de determinar-se posteriormente o

ângulo horizontal (zerado em um ponto qualquer) da estrela e a hora legal no exato instante em que

ela sofreu elongação, ou seja, (Q = 90°).

Tendo o ângulo horizontal da estrela e a hora legal, referentes ao instante mencionado,

torna-se fácil encontrar o desejado azimute do alvo, inclusive sendo possível encontrar o meridiano

astronômico do observador. Posteriormente serão dados todos os passos para encontrarem-se tais

incógnitas.

Quanto à escolha do astro para tal observação, sabendo-se a longitude aproximada do local

da observação e o intervalo de hora legal disponível para a mesma, obtém-se o intervalo de hora

sideral correspondente. Isso envolve uma transformação de hora legal para hora solar local e uma

conversão de hora solar local em hora sideral. Descobrindo-se o intervalo em hora sideral,

procuram-se estrelas que sofram elongação dentro deste intervalo. Logo, com o auxílio de uma lista

contendo as coordenadas equatoriais de várias estrelas, tudo que se precisa fazer é determinar o

ângulo horário em que a estrela sofre elongação, a fim de verificar se esta elongação ocorre no

horário desejado; Tal ângulo calcula-se da seguinte maneira:

)tan( )tan(

)cos( δ φ=h

onde φ é a latitude do observador e δ é a declinação da estrela.

– Astro: Canopus da Constelação de Carina.

δ = –52º42’07”

α = 6h23min55s

– Mira: Torre de celular num morro.

– Instrumento de Medição: Teodolito Wild T2 nº 1.

– Cronômetro, a fim de executarem-se medições subseqüentes num mesmo intervalo de

tempo.

– Lanterna.

Leituras Iniciais, com as quais torna-se possível calcular o erro do instrumento de medição

(teodolito) na sua leitura vertical, medindo-as nas posições direta e inversa com o teodolito; Tais

medições foram obtidas mirando para o alvo (torre de celular), da qual pretende-se descobrir o

azimute.

1ª Leitura Ângulo Horizontal Ângulo Vertical

Direta 115º17’22” 88º40’14,5”

Inversa # 271º13’15”

111

2ª Leitura Ângulo Horizontal Ângulo Vertical

Direta 115º17’16” #

Inversa # #

Hora legal, ângulos horizontal e vertical coletados durante um intervalo de tempo de 30min

prévios e posteriores da estrela Alfa Carina elongar, tendo ocorrido tal elongação aproximadamente

às 21h10min do dia em que foi feito o trabalho (19/04/01).

Medições Hora Legal Ângulo Horizontal Ângulo Vertical

1 20h12min37s 175º51’53” 42º11’23”

2 20h21min10s 176º17’53,5” 43º36’20,5”

3 20h26min30s 176º29’40” 44º24’21,5”

4 20h32min50s 176º41’57,5” 45º21’27,5”

5 20h40min10s 176º53’47” 46º26’46”

6 20h52min12s 177º07’25” 48º16’41”

7 20h59min52s 177º11’46” 49º26’51”

8 21h03min19s 177º13’00” 49º58’10”

9 21h09min55s 177º14’11” 50º58’08”

10 21h15min03s 177º13’18” 51º45’00”

11 21h19min44s 177º11’35” 52º28’03”

12 21h26min51s 177º07’09” 53º 03’55”

13 21h31min40s 177º05’05” 54º06’52”

14 21h36min07s 177º00’23” 54º56’15”

15 21h43min11s 177º52’27” 56º01’05”

16 21h47min16s 176º47’19” 56º37’39”

17 21h50min36s 176º43’05,5” 57º07’42”

Com o auxílio de um programa, cuja missão foi criar uma parábola ajustada a partir dos

dados anteriores, extraídos da observação da estrela, foi possível obter os parâmetros da função da

parábola em questão, podendo assim elaborar-se a equação da mesma, tornando-se viável e precisa

112

a obtenção do ângulo horizontal do astro e a hora legal no exato instante em que este sofre

elongação.

Parábola:

Lh = aH² + bH + c (1)

Onde:

Lh = Leitura do ângulo horizontal da estrela

H = Instante de Hora Legal

Parâmetros:

a = – 1,3507553

b = 57,2642316

c = – 429,674779

Derivando-se a equação (1) com relação a L:

baH H Lh +=

∂ ∂

2 (2)

Igualando-se a equação (2) a zero, a fim de obter-se máximo e/ou mínimo da leitura

horizontal:

02 =+= ∂ ∂

baH H Lh

02642316,57)3507553,1(2 =+−= ∂ ∂

H H Lh

hH 1971152732,21 )3507553,1(2

2642316,57 = −

−=

H = 21h11min50s (Instante de hora legal em que a estrela sofreu elongação)

Substituindo o valor de H encontrado na equação (1):

Lh = aH² + bH + c

Lh=(– 1,3507553) (21,1971152732h)² + (57,2642316) (21,1971152732h) + (– 429,674779)

Lh = 177,243480133º

Lh = 177º14’37” (Leitura horizontal no exato instante que a estrela sofreu elongação)

Cálculo do Azimute da mira:

Através da parábola criada com os dados extraídos da observação de Alfa Carina, extraiu-se

(Lh = 177º14’37”) que corresponde ao valor do ângulo horizontal ("zerado" em um ponto qualquer)

da estrela no exato instante de sua elongação.

O próximo passo é calcular o Azimute do astro, o qual calcula-se com a seguinte fórmula:

)cos( )cos(

)( obsf

Azsen δ=∗

113

] )cos(

)cos( [1

obsf senAz

δ−∗ =

º180º4440262623,44] )"19'04º30cos( )"07'42º52cos(

[1 += − −= −∗ senAz

Az* = 224º26’38” (Azimute de Canopus no momento de sua elongação à oeste do meridiano do

observador);

2 "16'17º115"22'17º115

2 ª2ª1 +=

+ = LeiturahLeiturahmirah

LL L

Lhmira = 115º17’19”(Leitura horizontal da mira)

Sabendo-se a leitura horizontal da mira, sendo esta a média entre as 2 leituras horizontais

iniciais do alvo, é possível encontrar o azimute do alvo através da fórmula matemática:

AzMIRA – AzCANOPUS = LhMIRA – LhCANOPUS

AzMIRA – AzCANOPUS = LhMIRA – LhCANOPUS

AzMIRA = AzCANOPUS + LhMIRA – LhCANOPUS

AzMIRA = 224º26’38” + 115º17’19” – 177º14´37´´

AzMIRA = 162º29´20” (Azimute da mira)

Conclusão:

O método adotado para descobrirmos o valor do azimute de um alvo fixo qualquer escolhido

é simples, viável e eficiente, visto que se necessita saber apenas a declinação do astro, a hora em

que este passará por elongação e a latitude do observador. Na hora da observação, basta apenas

observar a estrela durante mais ou menos 30 minutos prévios e posteriores de sua elongação, anotar

em intervalos subseqüentes de aproximadamente 5 minutos os ângulos horizontais e a hora legal da

estrela durante sua trajetória, além de obter diretamente com o teodolito o ângulo horizontal do

alvo.

3a Prática

Determinação de latitude usando o método de Sterneck

Sabemos que ao passar pelo plano meridiano de um observador, uma estrela culmina, ou

seja, atinge um valor extremo de altura. Na culminação superior a estrela cruza o semicírculo

meridiano superior do local (semicírculo superior é o que contém o zênite). Neste instante sua altura

é máxima, sendo esta uma situação favorável à sua observação.

Outra particularidade interessante da passagem meridiana é que temos nesta situação

relações bem simples envolvendo a distância zenital da estrela (que será mínima), sua declinação e

a latitude astronômica do local. Consideremos, por exemplo, a figura II.3, na qual mostramos o

plano meridiano de um observador a uma latitude φ < 0°. O pólo elevado para este observador é,

114

portanto, o pólo celeste sul (PSC). Sua altura com relação ao horizonte é em módulo igual à latitude

do observador. O pólo celeste é obviamente perpendicular ao equador celeste, que cruza o plano

meridiano no ponto EC. A declinação δ da estrela é indicada na figura, assim como sua distância

zenital. É fácil provar que:

Figura II.3 – Diagrama do plano meridiano, mostrando uma culminação a sul do zênite de um

observador de latitude φ < 0°.

δ = φ − z

Seja agora a situação indicada na figura II.4. Agora a estrela culmina a norte do zênite.

Neste caso, podemos escrever:

δ = φ + z

Figura II.4 – Diagrama do plano meridiano de um observador de latitude φ < 0°, com uma estrela

culminando a norte do zênite.

Em ambos os casos, se medirmos z e conhecermos a declinação δ, podemos determinar

nossa latitude. Note, contudo, que a determinação da distância zenital a partir de uma medida de

leitura vertical (LV) obtida com um teodolito exige duas correções: a correção para o erro zenital do

teodolito (z0) e a correção para refração (R).

zcorr = LV – z0 + R

onde z0 é obtido fazendo-se leituras verticais de uma mira fixa com o teodolito em posição direta e

invertida, enquanto que a correção para refração depende do valor de z e das condições atmosféricas

(tabelas com correções para refração podem ser obtidas no Anuário do ON).

115

Mas podemos combinar as duas equações acima usando duas estrelas: uma culminando a sul

do zênite, a uma distância zenital zs e de declinação δs = φ −zs; a outra culminando a norte do zênite

a uma distância zenital zn e de declinação δn = φ + zn.

Somando as duas equações teremos então:

2φ = δs + δn + zs − zn  φ = 22

nsns zz −+ + δδ

Este método de usar duas estrelas que culminam em lados opostos do zênite é conhecido

comoMétodo de SterneckouMétodo de Horrebow simplificado, pois se baseia no método mais

preciso de determinação de latitude originalmente desenvolvido pelo geodesista Horrebow em 1732

e aperfeiçoado pelo capitão de esquadra norte-americano Talcottem 1834. A vantagem do método

está no fato de que os erros zenitais (instrumentais) nas medidas de zs e zn são automaticamente

cancelados ao tomarmos a diferença acima. Se escolhermos estrelas que culminem a distâncias

zenitais aproximadamente iguais, a diferença zs – zn também removerá praticamente todo o efeito

devido à refração atmosférica. Portanto, com este método não há necessidade de determinarmos o

erro zenital do teodolito e o efeito da refração é minimizado.

Procedimento Observacional

Antes da noite de observação, já temos que ter definido(s) o par(es) de Sterneck a serem

usados. Além de culminarem em lados opostos do zênite, as estrelas do par devem idealmente

satisfazer às seguintes condições:

1) Suas distâncias zenitais na culminação devem ser relativamente pequenas (zs 45°e zn 

45°) de modo a minimizar correções para refração;

2) A diferença de distância zenital mínima deve ser da ordem de uns 5° ou menos (|zs – zn | 

5°), para garantir que as correções para refração se cancelem ao máximo;

3) O intervalo entre as duas culminações não deve exceder uns 30min (ou seja, |αs – αn | 

30min), de forma a que a atmosfera não mude muito entre uma observação e outra, novamente

como forma de evitar termos de refração que não se cancelem;

4) Na noite de observação, após a montagem e nivelamento do teodolito, efetuam-se as

leituras verticais (Lv) e horizontais (Lh) das estrelas do par de Sterneck, em intervalo de tempo que

compreenda o instante da passagem meridiana. As tabelas abaixo são um exemplo dos dados

coletados.

Exemplo

116

Tabelas contendo a hora legal e os valores de leitura horizontal e vertical do teodolito para

duas estrelas, uma culminando a norte do zênite e a outra ao sul (trabalho do aluno de Engenharia

Cartográfica da UFRGS, Rafael Santos Genro).

Ângulos horizontal e vertical coletados durante um intervalo de tempo de 30min prévios e

posteriores à culminação da estrela Beta Leonis a norte do zênite:

Medições Hora Legal Ângulo Horizontal Ângulo Vertical

1 19h 23min 58s 126º 25’ 39” 45º 47’ 19”

2 19h 35min 05s 122º 41’ 27” 45º 09’ 33”

3 19h 45min 30s 119º 08’ 12” 45º 01’ 27”

4 19h 57min 42s 114º 56’ 46” 44º 51’ 36”

5 20h 03min 14s 113º 01’ 15” 44º 50’ 59”

6 20h 09min 56s 110º 42’ 58” 44º 53’ 24”

7 20h 14min 38s 109º 05’ 38” 44º 57’ 01”

8 20h 19min 07s 107º 33’ 54” 45º 02’ 04”

Ângulos horizontal e vertical coletados durante um intervalo de tempo de 30 minutos

prévios e posteriores à culminação da estrela Beta Crucis a sul do zênite:

Medições Hora Legal Ângulo Horizontal Ângulo Vertical

1 20h 33min 58s 286º 38’ 52” 30º 10’ 59”

2 20h 39min 19s 287º 59’ 08” 30º 03’ 44”

3 20h 45min 10s 289º 27’ 24” 29º 57’ 22”

4 20h 50min 10s 290º 43’ 35” 29º 53’ 51”

5 20h 54min 19s 291º 46’ 59” 29º 51’ 38”

6 20h 58min 35s 292º 52’ 13” 29º 50’ 38”

7 21h 04min 16s 294º 19’ 39” 29º 51’ 00”

8 21h 10min 49s 296º 00’ 06” 29º 53’ 38”

9 21h 17min 09s 297º 36’ 32” 29º 58’ 33”

10 21h 22min 33s 298º 58’ 20” 30º 04’ 32”

117

11 21h 27min 04s 300º 05’ 24” 30º 10’ 20”

Os pontos obtidos podem então ser graficados e ter a eles ajustada uma parábola, de forma

semelhante à que foi feita em práticas anteriores. Resulta daí um valor de altura máxima (ou

distância zenital mínima), correspondente à culminação, e que pode ser diretamente inserido na

equação para a latitude φ dada acima. Havendo uma diferença considerável entre os instantes das

culminações das estrelas do par, aconselha-se a correção dos valores medidos para refração. A

figura II.5 mostra um gráfico de hmed = 90° – Lv x Lh para uma das estrelas de um par usado.

Figura II.5 – Gráfico com medidas de altura aparente, 90° – LV, em função de medidas de leitura

horizontal. A curva é uma parábola ajustada aos pontos medidos.

Outras referências bibliográficas: Determinações Astronômicas, F. Hatschbach; Geodésica

Elementar e Astronomia de Campo, J. Haertel; Notas de Aula de J.M. Arana.

4a Prática

Determinação de longitude usando Método das Alturas Iguais

Sabemos que as estrelas atingem sua máxima altura no céu ao atravessarem o meridiano

astronômico de um observador em seu movimento diurno de leste para oeste. Vimos que é possível,

conhecida a declinação δ de uma estrela, determinar a latitude φ de um local pela determinação de

sua distância zenital na culminação, zmin.

Métodos de determinação da longitude λ também existem. Analogamente à latitude,

podemos determinar λ apenas pela observação de uma estrela durante a passagem meridiana. Como

118

fazer isso? Lembrando que a longitude é dada simplesmente pela diferença de hora, sideral ou solar,

entre o nosso meridiano e o de Greenwich:

λ = HG – H

Conhecidas, para um mesmo instante, as horas siderais local e em Greenwich, temos

imediatamente a longitude. A hora sideral local em um dado instante é simplesmente a ascensão

reta do círculo horário que coincide com o meridiano naquele instante. Assim, no instante em que

uma estrela de ascensão reta α culmina para um dado observador sabemos que a hora sideral local é

simplesmente:

S = α

Se pudermos determinar a hora sideral em Greenwich neste mesmo instante, saberemos

então a longitude do local. A hora sideral em Greenwich pode ser determinada se anotarmos a hora

legal em que se deu a culminação da estrela. Seja HL esta hora. Conhecido o fuso horário F do

local, sabemos que a hora solar média em Greenwich (ou seja, o tempo universal) será:

MG = HL – F

A hora sideral em Greenwich segue facilmente pela fórmula:

SG = S0 + MG(1 + η) = S0 + (HL – F)(1 + η)

onde S0 é a hora sideral em Greenwich à 0h TU do dia da observação, que pode ser tirada das

Efemérides e η = 0,00273790926.

Um problema do método descrito acima é o de que necessitamos conhecer com bastante

precisão o meridiano local, de forma a poder observar a estrela e anotar a hora legal no instante de

sua culminação. Uma maneira de contornar este problema é usar o fato de que o movimento diurno

de uma estrela é simétrico com relação à passagem meridiana. Ou seja, o intervalo de tempo entre o

nascer e a passagem meridiana é igual ao intervalo decorrido entre esta última e o ocaso. O mesmo

se aplica às passagens da estrela por um outro almucântar diferente de h = 0°. Podemos então

escolher um determinado almucântar e observar a estrela cruzá-lo tanto a leste quanto a oeste do

meridiano. Sabemos, pela simetria do movimento diurno, que a hora legal da culminação desta

estrela será igual à média das horas legais correspondentes a estes dois instantes:

HL = 2

0HLHLL +

onde, na expressão acima, HLL e HLO são, respectivamente, as horas legais em que a estrela

atravessa o círculo de altura constante a leste e a oeste do meridiano. De resto, a determinação de

λ é igual à descrita anteriormente.

Por envolver observações de uma mesma estrela ao cruzar por duas vezes um mesmo

almucântar, este método de determinação da longitude é chamado de Método das Alturas Iguais. A

figura II.6 procura mostrar a essência do método, que consiste em anotar os valores de hora legal

119

nos instantes em que a estrela atravessa os pontos P1 e P2, respectivamente a oeste e a leste do

meridiano astronômico.

Figura II.6 – Arco diurno descrito por uma estrela, cuja intersecção com o almucântar mostrado se

dá nos pontos P1 e P2.

Procedimento Observacional

1 – Como de hábito, devemos escolher uma estrela que saibamos que vai estar próxima do

meridiano no intervalo de hora legal disponível para as observações. Isso implica uma estimativa

inicial e aproximada da longitude e a leitura de S0 das Efemérides. A primeira nos permite converter

o intervalo de hora legal disponível para intervalo de hora solar média local. A segunda nos permite

converte o intervalo de hora solar média local para intervalo de hora sideral. A estrela escolhida

deve ter ascensão reta contida dentro deste último intervalo.

2 – Sabemos que a estrela culminará no instante em que a hora sideral local for igual à sua

ascensão reta. Conhecida sua declinação, podemos determinar a altura da estrela na culminação,

hmax. Temos necessariamente que escolher um almucântar abaixo deste valor. Para não termos que

esperar muito tempo entre a travessia do almucântar a leste e a travessia posterior a oeste do

meridiano, convém escolher o almucântar de h = hmax – 1° ou algo assim. Quanto mais baixo o valor

de h, maior o intervalo de tempo decorrido entre os dois instantes em que a estrela assume aquele

valor de altura. Note que um intervalo grande de tempo pode implicar variações nas condições

atmosféricas e, por conseguinte, erros na determinação da longitude causados por efeitos variáveis

de refração atmosférica.

3 – Na noite de observação, como já sabido, deve-se proceder ao nivelamento e calibração

do teodolito, bem como à estimativa aproximada do meridiano, materializado pelo valor de azimute

120

de alguma mira fixa, suposto determinado anteriormente. Fixa-se o teodolito no nível vertical

desejado e mira-se aproximadamente na direção à estrela, até que ela entre no campo do teodolito e

cruze o retículo horizontal. Anota-se então o valor de HLL. Mantendo sempre travada a vertical do

teodolito, procura-se acompanhar a estrela em azimute. Eventualmente ela voltará a aparecer no

campo do teodolito, desta vez em movimento descendente. Anota-se então o valor de HLO no

instante em que a estrela cruza novamente o retículo horizontal.

Alternativamente à estratégia acima, pode-se simplesmente monitorar os valores de leitura

vertical da estrela, anotando-os em uma tabela juntamente com os valores de hora legal em que

foram feitas estas leituras. De posse destes dados, pode-se, como já foi feito em determinações

anteriores, ajustar-se uma parábola aos pontos e determinar a partir do ajuste, os valores de hora

legal que correspondem a um determinado valor de leitura vertical. A figura II.7 mostra os pontos

obtidos em experimento similar.

Figura II.7 – Gráfico de leitura vertical (LV) de uma estrela em torno da passagem

meridiana em função da hora legal. A curva é a parábola que melhor se ajusta aos pontos.

Pela figura, vemos que um valor de almucântar que poderia ser usado na determinação da

longitude seria o correspondente a Lv = 39,4°, por exemplo.

4 – A média dos dois valores de HL (ou o valor correspondente ao mínimo da parábola) nos

dá a hora legal da passagem meridiana, que por seu turno nos permite conhecer a hora sideral em

Greenwich correspondente a este instante. Finalmente, teremos então λ = S – SG = α – SG.

Outras referências bibiliográficas: Determinações Astronômicas, F. Hatschbach; Geodésica

Elementar e Astronomia de Campo, J. Haertel; Notas de Aula de J.M. Arana.

5a Prática

Determinação de longitude usando Método das Distâncias Zenitais Absolutas

121

Vimos que podemos determinar a longitude de um meridiano se conhecermos a hora sideral

tanto local quanto em Greenwich de um determinado instante. Estudamos o método das alturas

iguais, que usa como instante aquele da passagem de uma dada estrela pelo meridiano cuja

longitude desejamos conhecer. Mas podemos na verdade usar qualquer outro instante, desde que

possamos medir com precisão a distância zenital de uma estrela neste instante. Seja z o valor obtido,

por um observador de latitude φ, para uma dada estrela de declinação δ conhecida e em um dado

instante de hora legal HL.

Usando uma das fórmulas dos 4 elementos temos:

cos z = sen φ sen δ + cos φ cos δ cos H 

 cos H = δφ

δφ coscos

sensen-cosz

Conhecido o valor de H, o ângulo horário da estrela no instante considerado, temos a hora

sideral local:

S = H + α

Note que supomos que as coordenadas equatoriais da estrela cuja altura medimos são

conhecidas. O mesmo se aplica à latitude do local.

Pela hora legal HL, de maneira inteiramente análoga à apresentada no método das alturas

iguais, podemos inferir a hora sideral em Greenwich correspondente ao mesmo instante, SG. A

longitude então será:

λ = S – SG

Este método, portanto, pode ser usado com qualquer estrela cujas coordenadas equatoriais

sejam previamente conhecidas para o dia da observação (usando-se o Apparent Places of Stars, por

exemplo). O instante de observação também pode ser qualquer um, com o óbvio vínculo que a

estrela esteja visível no céu do observador. A desvantagem deste método, por outro lado, reside no

fato de que temos que determinar a distância zenital z absoluta, ou seja, corrigida para efeitos

instrumentais e para refração.

Procedimento Observacional

1 – A escolha da estrela é simples: basta que ela seja uma estrela de ascensão reta e

declinação conhecidas e que esteja a uma distância zenital não muito grande (para evitar correções

grandes para refração) no instante desejado para a observação.

2 – Na noite de observação, como já sabido, deve-se proceder ao nivelamento e calibração

do teodolito. Necessita-se também estimar o erro zenital do mesmo. Como já discutido, isso é feito

anotando-se as leituras verticais de uma mira fixa com o teodolito nas posições direta e inversa. Isso

feito, mira-se à estrela e, em um dado instante, anota-se tanto sua leitura vertical quanto a hora legal

122

em que esta foi feita. Aplica-se à leitura vertical as correções para o erro zenital e para refração.

Esta última depende da temperatura e pressão, que devem ser lidas com um barômetro. Uma vez

conhecido o valor de z, determina-se, pelas fórmulas dadas acima, o valor de H e de S. Com a hora

legal e o fuso em que se encontra o meridiano, determina-se então o valor de SG e, por conseguinte,

a longitude deste meridiano.

3 – Note que se são anotados N valores de z e seus correspondentes instantes de hora legal,

temos N estimativas distintas de longitude λ. Podemos então tomar o valor médio como nossa

melhor estimativa, sendo a dispersão em torno deste valor uma medida da incerteza de medida.

Outras referências bibliográficas: Determinações Astronômicas, F. Hatschbach; Geodésica

Elementar e Astronomia de Campo, J. Haertel; Notas de Aula de J.M. Arana.

Exemplo

Relatório de prática de determinação de longitude usando o Método das Distâncias Zenitais

Absolutas

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Instituto de Geociências

Disciplina: Astronomia Geodésica II

Código: FIS 02006

5ª Prática

Rafael Santos Genro Matrícula: 2795/97-7 Turma U

Professor Basílio Santiago

Período 01/01

O presente trabalho visa determinar a longitude em que o observador se encontra com o

auxílio de uma estrela.

O trabalho foi realizado no terraço do prédio da Física, o qual foi devidamente projetado

para instalarem-se instrumentos de medição de coordenadas horizontais e verticais (teodolitos).

Feita a instalação do teodolito, com auxílio dos seus calantes, nivelou-se o mesmo.

Coletaram-se ângulos horizontais e verticais do astro, assim como a hora legal de cada

observação durante a trajetória do astro.

Tendo diversos valores de ângulos verticais da estrela e a hora legal, referente à tais

instantes da observação mencionada, torna-se possível encontrar a desejada longitude do

observador, através da diferença entre Hora Sideral para o observador e Hora Sideral em

Greenwich. Tal método denomina-se “Método das Distâncias Zenitais Absolutas” devido ao fato de

que para cada valor de leitura vertical ocorrida num determinado instante de Hora Legal,

calcularemos o instante de Hora Sideral com relação ao observador e o instante de Hora Sideral

123

com relação à Greenwich no exato momento da cada leitura; Sabendo-se que a diferença entre estas

2 últimas proporciona o valor da longitude do observador, teremos assim diversas longitudes, cada

uma referente a sua respectiva medição. A Longitude do observador será a média destas diversas

longitudes. Posteriormente serão dados todos os passos para encontrarem-se tais incógnitas.

Quanto à escolha do astro para tal observação, sabendo-se a longitude aproximada do local

da observação e o intervalo de hora legal disponível para a mesma, obtém-se o intervalo de hora

sideral correspondente. Isso envolve uma transformação de hora legal para hora solar local e uma

conversão de hora solar local em hora sideral. Descobrindo-se o intervalo em hora sideral,

procuram-se estrelas que sofram elongação dentro deste intervalo. Logo, com o auxílio de uma lista

contendo as coordenadas equatoriais de várias estrelas (Apparent Places of Stars), tudo que se

precisa fazer é determinar quais estrelas têm ascensão reta contida no intervalo de hora sideral

encontrado.

– Astro: Canopus da constelação de Carina.

δ = – 52º42’07”

α = 6h 23min 55s

– Mira: Torre de celular num morro.

– Instrumento de Medição: Teodolito Wild T2 nº 1.

– Cronômetro, a fim de executarem-se medições subseqüentes num mesmo intervalo de

tempo.

– Lanterna.

Leituras Iniciais, com as quais torna-se possível calcular o erro do instrumento de medição

(teodolito) na sua leitura vertical, medindo-as nas posições direta e inversa com o teodolito; Tais

medições foram obtidas mirando para o alvo (torre de celular).

1ª Leitura Ângulo Horizontal Ângulo Vertical

Direta 115º17’22” 88º40’14,5”

Inversa # 271º13’15”

2ª Leitura Ângulo Horizontal Ângulo Vertical

Direta 115º17’16” #

Inversa # #

Hora legal, ângulos horizontal e vertical da estrela Alfa Carina coletados no dia em que foi

feito o trabalho (19/04/01).

124

Medições Hora Legal Ângulo Horizontal Ângulo Vertical

1 20h12min37s 175º51’53” 42º11’23”

2 20h21min10s 176º17’53,5” 43º36’20,5”

3 20h26min30s 176º29’40” 44º24’21,5”

4 20h32min50s 176º41’57,5” 45º21’27,5”

5 20h40min10s 176º53’47” 46º26’46”

6 20h52min12s 177º07’25” 48º16’41”

7 20h59min52s 177º11’46” 49º26’51”

8 21h03min19s 177º13’00” 49º58’10”

9 21h09min55s 177º14’11” 50º58’08”

10 21h15min03s 177º13’18” 51º45’00”

11 21h19min44s 177º11’35” 52º28’03”

12 21h26min51s 177º07’09” 53º03’55”

13 21h31min40s 177º05’05” 54º06’52”

14 21h36min07s 177º00’23” 54º56’15”

15 21h43min11s 177º52’27” 56º01’05”

16 21h47min16s 176º47’19” 56º37’39”

17 21h50min36s 176º43’05,5” 57º07’42”

Cálculo do Erro do Teodolito com relação as suas leituras verticais:

2 º360)(

0 −+= LviLvdZ

"15'03º0 2

º360)"15'13º271"5,14'40º88( 0 −=

−+=Z

1ª medição:

HL = 20h12min37s

Lv = 42º11’23”

onde HL significa a hora legal no exato instante em que o astro possuía a leitura vertical LV medida

com o teodolito;

Correção da primeira leitura vertical com relação ao erro do teodolito:

125

Zobs = Z1 – Zo

Zobs = 42º11’23” – (– 0º03’15”)

Zobs1 = 42º14’38”

Correção da primeira leitura vertical com relação à refração:

Rm = 51”

Rm = 0,0141666666667º

(Valor tirado do Almanaque Astronômico com o auxílio de uma interpolação matemática).

Zcor = Zobs1 + Rm

Zcor = 42º14’38” + 51”

Zcor1 = 42º15’29”

Tendo a distância zenital do astro corrigida com relação ao erro do instrumento de medição

e à refração, com o auxílio da seguinte fórmula matemática provinda da trigonometria esférica

aplicada à astronomia de posição, encontramos o ângulo horário H da estrela no exato instante da

captação de tal ângulo vertical Lv, através do qual torna-se viável encontrar a hora sideral S para o

observador neste instante:

cos(Z) = sen(φ)sen(δ) + cos(φ)cos(δ)cos(H)

)cos()cos( )()()cos(

)cos( δφ

δφ sensenZ H nn

−=

Dados:

n = número de medições 1 < n < 17

Hn = Ângulo Horário da estrela na enésima medição variável

Zn = Ângulo Zenital da estrela na enésima medição variável

Sn = Hora Sideral para o observador no instante da enésima medição variável

φ = –30º04’58” (Latitude do Observador) constante

δ = –52º42’07”(Declinação da Estrela) constante

α = 6h23min55s (Ascensão Reta da Estrela) constante

96510699607,0 )"07'42º52cos()"58'04º30cos(

)"07'42º52()"58'04º30()"29'15º42cos( )cos( =

−− −−−= sensenH n

H = arcos (0,651069669079)

H1 = 49º 22´ 40´´ (Ângulo Horário da estrela no instante da 1ª medição)

Sn = Hn + α

S1 = H1 + α

S1 = 49º22’40” + 6h 23min 55s

S1 = 3h 17min 31s + 6h 23min 55s

S1 = 9h 41min 26s(Hora Sideral para o observador no instante da 1ª medição)

126

Sabendo-se a Hora Sideral para o observador no instante da observação da estrela, e

descobrindo-se a Hora Sideral em Greenwich neste mesmo instante, subtraindo-se tais Horas

Siderais encontra-se finalmente a desejada Longitude do observador. Para encontrarmos a Hora

Sideral em Greenwich no instante da observação, utiliza-se a seguinte fórmula:

SGn = S0 + (HLn – F)(1 + )

Dados:

n = número de medições 1 < n < 17

SGn = Hora Sideral em Greenwich na enésima medição variável

HLn = Hora Legal para o observador na enésima medição variável

S0 = 13h 48min 38s (hora sideral às 0h em Greenwich no dia da observação retirada do

Astronomical Almanac) constante

F = – 3h (fuso horário de Porto Alegre) constante

= 0,00273790926 constante

SG = S0 + (HL – F) (1 + )

SG1 = S0 + (HL1 – F) (1 + )

SG1 = 13h 48min 38s + (20h 12min 37s + 3h ) (1 + 0,00273790926)

SG1 = 37h 05min 04s

SG1 = 13h 05min 04s

λ = SG – S

λ = SG – S

λ1 = SG1 – S1

λ1 = 13h 05min 04s – 9h 41min 26s

λ1 = 3h 23min 38s(Longitude 1 do observador oeste de Greenwich)

É importante ressaltar que este valor da longitude do observador encontrado através da 1ª

medição ainda não é o valor a ser adotado; É necessário calcular um valor de longitude para cada

medição feita durante a observação do astro utilizando os mesmos meios com os quais descobrimos

este 1º valor; Logo, com os 17 diferentes valores de longitude extrair-se-á uma média, a qual

corresponderá ao valor definitivo da longitude do observador.

Valores da Longitude calculados através das 17 medições:

λ1 = 3h 23min 38s; λ2 = 3h 22min 40s; λ3 = 3h 22min 40s; λ4 = 3h 22min 39s; λ5 = 3h 22min 46s; λ6

= 3h 22min 42s; λ7 = 3h 22min 39s; λ8 = 3h 22min 40s; λ9 = 3h 22min 41s; λ10 = 3h 22min 40s; λ11

= 3h 22min 37s; λ12 = 3h 25min 48s; λ13 = 3h 23min 42s; λ14 = 3h 22min 42s; λ15 = 3h 22min 36s;

λ16 = 3h 22min 38s; λ17 = 3h 22min 39s.

127

17 1721 λλλλ +++= obs

λobs = 3h 22min 58s (Longitude do observador à oeste de Greenwich)

λobs = 50º 44’ 31” (Longitude do observador à oeste de Greenwich)

Conclusão:

O método adotado para descobrirmos o valor da longitude do observador é simples, viável e

eficiente, visto que se necessita saber apenas a declinação e ascensão reta do astro, a latitude do

observador e a Hora Sideral à 0h em Greenwich na data da observação. Na hora da observação,

basta apenas observar o movimento diurno da estrela, anotar em intervalos subseqüentes de

aproximadamente 5min os ângulos verticais e a hora legal da estrela durante sua trajetória.

6a Prática

Determinação da hora pelo Método de Zinger

O Método de Zinger se baseia na observação de um par de estrelas ao cruzarem um

determinado almucântar aproximadamente ao mesmo tempo, uma a leste e a outra a oeste do

meridiano. Este método, contrariamente ao método das alturas iguais, não exige que se faça leituras

de ângulos com o teodolito, sejam verticais, sejam horizontais. Isso elimina as fontes de erro

inerentes a métodos anteriores. Por outro lado, para aplicarmos o Método de Zinger, precisamos

conhecer nossa latitude e faz-se necessário usar um cronômetro sideral. Precisamos também

programar previamente um par de estrelas de coordenadas conhecidas e que saibamos que irão

atravessar um determinado almucântar aproximadamente ao mesmo tempo. Este par é chamado par

de Zinger.

Sejam αE e δE, αW e δW, as coordenadas equatoriais das estrelas do par, situadas,

respectivamente, a leste e oeste do meridiano. Sejam HE e HW os ângulos horários dessas estrelas ao

atravessarem o almucântar escolhido. Vamos inicialmente definir algumas variáveis que aparecem

de forma recorrente nas expressões associadas ao método.

2 WE ααα −= ;

2 WEa

αα += ; 2

WE δδβ −= ; 2

WEb δδ += ;

2 WE HH −=γ ;

2 WE HHc

+=

Com um cronômetro sideral, podemos sempre anotar o instante cronométrico (I) de qualquer

evento. Conhecido o estado do cronômetro (E), temos então a hora sideral daquele instante.

Geralmente, o estado E é determinado pela leitura de um instante cronométrico associado a um

evento de hora sideral conhecida, como a culminação de uma estrela de coordenadas conhecidas.

Pelo Método de Zinger, vamos determinar a hora sideral e o estado do cronômetro

simultaneamente.

Seja a hora sideral em que a estrela a leste atravessa o paralelo horizontal escolhido:

128

SE = HE + αE = IE + E Eq. (I)

onde a segunda igualdade acima segue das definições de instante cronométrico e de estado de um

cronômetro. Analogamente, para a outra estrela do par teremos:

SW = HW + αW = IW + E Eq. (II)

Somando as duas equações acima e dividindo o resultado por 2, temos:

2 WE HH + +

2 WE αα + =

2 WE II + + E 

 c + a = 2

WE II + + E 

 E = c + a − 2

WE II + Eq. (III)

Note que os instantes cronométricos IE e IW são lidos com o cronômetro sideral e o valor de

a é conhecido. Precisamos apenas deduzir c para determinar o valor de E.

O valor de c é obtido a partir da seguinte expressão:

sen(M + c) = tan(φ) tan(β) cos(M) sec–1(γ) Eq. (IV)

onde M é definido pela relação:

tan(M) = tan(b) tan(β)tan–1(γ) Eq. (V)

Note que b e β dependem apenas das declinações das estrelas do par, que são previamente

conhecidas. Para obter o valor de γ, basta subtrair as equações I e II dadas anteriormente. Teremos

então:

2 WE HH − +

2 WE αα − =

2 WE II

γ = 2

WE II − − α

O valor encontrado para γ é então inserido na expressão (V) para determinarmos M. Com

este último obtemos então o valor de c, pela solução da equação (IV). O estado do cronômetro (E)

segue então pela expressão III. Note que, uma vez conhecido o valor de E, podemos então

transformar qualquer leitura de instante cronométrico em hora sideral, com óbvias aplicações para

fins de determinação da longitude ou da latitude do observador.

No apêndice abaixo, encontra-se a dedução das expressões (IV) e (V) dadas acima. Com elas

podemos então obter o valor de c e inseri-lo na Eq. (III) para deduzir o estado do cronômetro E.

Outras referências bibiliográficas: Determinações Astronômicas, F. Hatschbach; Geodésica

Elementar e Astronomia de Campo, J. Haertel; Notas de Aula de J.M. Arana.

129

CAPÍTULO 6

EXERCÍCIOS COM SOLUÇÕES

Exercícios sobre Passagem Meridiana e Coordenadas Horizontais

1) Seja um observador situado no Hemisfério Sul da Terra e que observe as

culminações inferior e superior de uma estrela circumpolar. Ele obtém hi = 20º 12’ 32,4” e Ai

= 180º, respectivamente, para a altura e azimute da culminação inferior. Para a culminação

superior, ele obtém hs = 50º 23’ 08,2” e As = 180º. Determine a latitude do observador.

Solução

Ambas as culminações se dão a sul do zênite. Logo, basta tirar uma média das alturas

máxima e mínima e lembrar que se arbitra um valor negativo para a latitude de observadores

situados no Hemisfério Sul.

2 si hh +−=φ

φ = –35º 17’ 50,3”.

2) Qual a latitude de um observador que observa a estrela Sirius passar pelo seu

meridiano astronômico a uma distância zenital zs = 39º 05’ 34,4” e azimute As = 180º. Dados:

Declinação de Sirius:  = – 16º 43’ 24,6”.

Solução

Desenhando o diagrama do plano meridiano deste observador, notamos que o equador

celestes está inclinado com relação à vertical do observador por um ângulo zs + . Logo temos:

φ = zs + = 22,3694º = 22º 22’ 9,8”

3) Seja um observador a uma latitude φ = –30º 14’ 46”. Quais das seguintes estrelas

serão circumpolares para este observador? Quais serão invisíveis? Dados, A: A = 40º; B: B =

– 80º; C = –50º; D = 75º.

Solução

Desenhando o diagrama do plano meridiano para um observador com a latitude dada, vemos

que a condição de circumpolaridade será:

"14'45º59)º90( −=+−≤ φδ

Somente B satisfaz este condição. Já a condição de invisibilidade será dada por:

"14'45º59º90 =+≥ φδ

Portanto, somente D será invisível.

130

4) Uma estrela cuja declinação é a mesma que a do Sol no Solstício de Dezembro ( = –

23º 27’) faz sua passagem meridiana a uma altura de hs = 50º 23’ 11,2” e As = 0º medidos por

uma observador. Qual a latitude do observador?

Solução

Como a passagem meridiana se dá a norte do zênite, a equação a ser usada é:

"8,48'03º63º90 −=−+= δφ sh

5) A altura máxima que o Sol atinge ao longo do ano quando visto de um dado ponto

sobre a Terra é de 60º. Em que dia do ano isso ocorre e qual o valor da latitude deste ponto

(desconsidere o sinal da latitude)?

Solução

O Sol atinge uma altura máxima menor do que 90º. Isso implica que ele nunca atinge o

zênite do observador. Neste caso, sabemos que o observador está fora da faixa de paralelos contida

pelos trópicos, ou seja, |φ |  23º 27’. Como o valor máximo de altura é 60º, o observador está 30º

além do seu trópico, isto é:

|φ | = 53º 27’

Obviamente este valor máximo de altura ocorre no solstício de verão deste observador (em

torno de 21/06 ou 22/12, dependendo do hemisfério em que ele se situa), ao meio-dia.

6) Se a ascensão reta do Sol é de  = 50º e o ângulo horário do ponto vernal para um

observador é de H = 80º, qual a hora solar local deste observador?

Solução

Pela definição de hora sideral:

S = H = H + 

Logo,

H = H –  = 30º = 2h

A hora solar será então:

M = H+ 12h = 14h

7) Seja um observador que observe as culminações inferior e superior de uma estrela

circumpolar. Ele obtém hi = 33º 24’ 21” e Ai = 180º, respectivamente, para a altura e azimute

da culminação inferior. Para a culminação superior, ele obtém hs = 76º 19’ 40” e As = 0º. Em

que Hemisfério ele se situa? Determine a latitude do observador.

Solução

Como sempre, a primeira coisa a ser feita é o desenho do diagrama do plano meridiano do

observador, contendo a linha meridiana, o zênite, a horizontal e os pontos cardeais norte e sul. Feito

isso, devemos indicar a posição da estrela em questão no instante das culminações inferior e

superior, usando os valores de altura h e azimute A dados. Feito isso, veremos imediatamente que o

131

pólo elevado, cuja direção é necessariamente bissetriz das direções à estrela nas duas culminações,

está a sul do zênite, ou seja, tem azimute Ap = 180º. Assim, sabemos de pronto tratar-se de um

observador situado no Hemisfério Sul.

Quanto ao cálculo da sua latitude, basta olharmos o diagrama para inferir uma fórmula que

relacione hi, hs e φ :

2 º90 is

hh −+−=φ

Substituindo então os valores, teremos:

"5,20'32º68 2

"21'24º33"40'19º76 º90 −=−+−=φ

8) Determinar a latitude de um observador que mede um valor zs = 67º 31’ 17” para a

distância zenital da estrela Fomalhaut ( do Peixe Austral) na passagem desta pelo seu

meridiano, sendo que esta passagem meridiana se dá a sul do zênite. Dados: declinação de

Fomalhaut:  = – 29º 37’ 20”.

Solução

Desenha-se o diagrama do plano meridiano ajuda. Nele coloca-se a horizontal do

observador, sua vertical, o meridiano astronômico, o zênite e a posição da estrela ao culminar. Note

que a declinação da estrela é dada, então podemos colocar no diagrama a posição do plano

equatorial, que estará pouco menos de 30º a norte da posição da estrela. Sabemos que a inclinação

deste plano com relação à vertical do observador é igual a latitude deste último. Logo, podemos

escrever:

zs = φ –

φ = zs + =67º 31’ 7” – 29º 37’ 20”

φ = 37º 53’ 57”

9) Seja a estrela Vega ( da Lira), cuja declinação é  = 38º 47’ 01”. Determine para

que latitudes esta estrela é:

a) Invisível (nunca nasce no céu);

b) Circumpolar (nunca se põe no céu);

c) Um objeto que nasce e se põe no céu todo dia.

Solução

a) Basta aplicarmos a condição de invisibilidade de uma estrela. Sabemos que há uma

condição para observadores situados no Hemisfério Sul, > 90º + φ , e outra para o Hemisfério

Norte, < φ 90º. Naturalmente, como se trata de uma estrela situada no Hemisfério norte celeste,

> 0º, observadores de latitude norte sempre terão esta estrela acima do horizonte em algum

instante do dia.

132

A condição que temos que aplicar então é a que vale para o hemisfério sul terrestre:

> 90º + φ φ < – 90º

Logo, Vega será invisível para latitudes:

φ < 38º47’01” – 90º = – 51º 12’ 59”

b) Analogamente ao que foi feito no item anterior, a solução consiste em aplicarmos

condições, no caso de circumpolaridade, já deduzidas anteriormente. Naturalmente, Vega só será

circumpolar para latitudes a norte do Equador terrestre. A condição de circumpolaridade que temos

que usar então é a que se refere a este hemisfério:

> 90º – φ φ > 90º –

Vega será então circumpolar para:

φ > 90º – 38º 47’ 01” = 51º 12’ 59”

c) Em latitudes intermediárias aos casos anteriores, a estrela Vega nascerá e se porá no céu

do observador diariamente. O domínio de latitudes em que isto ocorre é então:

– 51º 12’ 59” < φ < 51º 12’ 59”

Exercícios sobre Trigonometria Esférica e Movimento Diurno

1) Qual o excesso esférico de um triângulo esférico tri-retilátero? Qual o valor de sua

área se o seu raio é R = 10m?

Solução

Como o triângulo é tri-retilátero, todos os seus lados são ângulos retos:

a = b = c = 90º

Logo, pelas fórmulas dos 4 elementos, A = B = C = 90º.

= A + B + C – 180º = 90º

= 270º – 180º = 90º

A área A é dada então pela fórmula:

0

2

180 επR

A =

2 102π=A = 157,1 m2

2) Seja um triângulo esférico com um lado a = 92º 04’, ângulo a ele adjacente B = 162º

09’ e outro lado adjacente a este último c = 51º 36’. Determine os valores dos demais

elementos, b, A e C.

Solução

133

B = 162,16º; a = 92,07º; c = 51,6º

Usando a fórmula dos 4 elementos aplicada ao ângulo B, podemos determinar o lado b:

cos(b) = cos(a)cos(c) + sen(a)sen(c)cos(B)

cos(b) = (– 0,0361)(0,6211) + (0,9993)(0,7837)(– 0,9519)

cos(b) = 0,7679  b = 140,17º

Agora, usemos a analogia dos senos para obter o ângulo A:

)( )()(

)( bsen

asenBsen Asen =

4779,0 6405,0

)3063,0)(9993,0( )( ==Asen

A = 28,55º ou A = 141,45º

Finalmente, determinamos o ângulo C do triângulo com mais uma fórmula dos 4 elementos:

)()( )cos()cos()cos(

)cos( bsenasen

bac C

−=

9271,0 )6405,0)(9993,0(

)7679,0)(0361,0(62211,0 )cos( =−−−=C

C = 22,01º

3) Seja um observador de latitude φ = – 30º 60’. Ele, em um dado instante, mede h =

42º 12’ e A = 69º 30’ para a altura e azimute de uma estrela. Determine:

a) A declinação da estrela;

b) O ângulo horário no instante considerado;

c) A altura da estrela em suas culminações superior e inferior;

d) Os valores de ângulo horário da estrela ao nascer e ao se por;

e) O tempo durante o qual a estrela permanece acima do horizonte deste observador.

Solução

A = 69,5º; φ = – 30,1º; h = 42,2º

O observador está no hemisfério Sul (φ < 0º). Logo, se desenharmos o triângulo de posição

de um astro visível para este observador, veremos que ele tem lados 90º + φ , 90º + e 90º – h;

ângulos correspondentes Q, 180º – A, 360º – H. Escrevendo a fórmula dos 4 elementos que envolve

o azimute A da estrela, teremos:

)º180cos()º90()º90()º90cos()º90cos()º90cos( Asenhsenh −+−++−=+ φφδ

)]cos()[cos()cos()]()[()( Ahsenhsensen −+−=− φφδ

)cos()cos()cos()()()( Ahsenhsensen φφδ +=

134

Vê-se que está expressão, deduzida de forma independente para um observador no

Hemisfério Sul, é idêntica a obtida para o caso de um observador no Hemisfério Norte. Calculando

então a declinação da estrela:

sen( ) = (– 0,5015)(0,6717) + 0,8651)(0,7408)(0,3502) = – 0,1124

= – 6,4º

A fórmula dos 4 elementos para o ângulo horário H da estrela é:

)º360cos()º90()º90()º90cos()º90cos()º90cos( Hsensenh −+++++=− φδφδ

)cos()cos()cos())(()( Hsensenhsen φδφδ +−−=

)cos()cos()cos())(()( Hsensenhsen φδφδ +=

Vê-se, portanto, que esta fórmula também é idêntica à derivada anterior, com base em um

triângulo de posição típico para um observador no Hemisfério Norte. Calculemos então o ângulo

horário:

)cos()cos( )()()(

)cos( δφ

φδ sensenhsen H

−=

7157,0 )9938,0)(8651,0(

)1124,0)(5015,0(6717,0 )cos( =−−−=H

H = 44,3º  H = 360º – 44,3º = 315.7º

A escolha do valor H = 315,7º ao invés de H = 44,3º se deve ao fato de que o azimute A da

estrela é menor do que 180º, o que a coloca a leste do meridiano astronômico do observador.

H = 21,0468h = 21h 02min 48s

Para a culminação superior temos H = 0º. Logo:

)cos()cos()cos())(()( Hsensenhsen s φδφδ +=

sen(hs) = (– 0,5015)(– 0,1124) + (0,8651)(0,9938)

sen(hs) = 0,9161  hs = 66,4º

Para a culminação inferior temos H = 180º. Logo:

sen(hs) = (– 0,5015)(– 0,1124) – (0,8651)(0,9938)

sen(hs) = –0,8033  hs = –53,4º

Ao nascer e ocaso temos h = 0º. Logo:

)tan()tan()cos( δφ−=H

cos(H) = (0,5797)(– 0,1122) = –0,0650

H = 93,7º ou H = 266,3º

Nascer (a leste do meridiano): H = 266,3º = 17,75h = 17h 45min 05s

Ocaso (a oeste do meridiano): H = 93,7º = 6,25h = 6h 14min 54s

T = 12,5h

135

4) Seja uma estrela passando pelo primeiro vertical a uma altura h = 35º42’ às 14h

20min 50s siderais. Se sua ascensão reta é = 19h 41min 06s, determine:

a) O ângulo horário da estrela neste instante;

b) A declinação da estrela;

c) A latitude do observador;

d) A hora sideral em que a estrela passou pelo círculo das 18 horas.

Solução

S = 215,21º;  = 295,28º

Usando a relação entre hora sideral S, ascensão reta  e ângulo horário H, temos:

H = S –  = 215,21º – 295,28º = – 80,07º = 279,93º

Usemos agora a analogia dos senos:

)cos( )(

)cos( )º360(

δ Asen

h Hsen =−

9850,0 8121,0

)cos( )cos(

)cos( = −

= H hδ

=)cos(δ 0,8245  = ± 34,47º

Seja agora o cálculo da latitude do observador, φ . Como a estrela está passando pelo 1º

vertical, seu azimute é A = 90º. Logo, a fórmula dos 4 elementos que envolve o azimute se

simplifica consideravelmente:

))(()( φδ senhsensen =

5835,0 5659,0

)( )(

)( ±==

hsen sen

sen δφ

º87,759698,0)( ±=→±= φφsen

O círculo das 18h é aquele que corresponde a H18 = 270º = 18h.

H18 = 270º  H18 = H – 9,93º

S18 = S – 9,93º = 215,21º – 9,93º = 205,28º

S18 = 13h 41min 07s

5) Prove que, no momento da elongação de uma estrela (Q = ±90º), são válidas as

seguintes expressões:

)( )(

)( δ φ

sen sen

hsen = ; )cos( )cos(

)( φ h

Hsen ±= ; )tan( )tan(

)cos( h

A φ= ;

)tan( )tan(

)cos( δ φ=H ;

)cos( )cos(

)( φ δ±=Asen

Solução

Usando a fórmula dos 4 elementos associada ao ângulo Q:

)cos()()º90()cos()º90cos()º90cos( Qzsensenz δδφ −+−=−

)()()( hsensensen δφ =

136

)( )(

)( δ φ

sen sen

hsen =

Pela analogia dos senos:

)º90( )(

)( )(

φ− =

sen Qsen

zsen Hsen

)cos( )cos(

)( φ h

Hsen ±=

Aplicando a fórmula dos 4 elementos associada ao ângulo horário H:

)cos()º90()º90()º90cos()º90cos()cos( Hsensenz φδφδ −−+−−=

)cos()cos()cos()()()( Hsensenhsen φδφδ +=

)cos()cos( )()()(

)cos( φδ

φδ sensenhsen H

−=

Substituindo sen(h) pela expressão já deduzida:

)cos()cos(

)( )(

1 )(

)cos( φδ

δ δ

φ  

  

 −

= sen

sen sen

H

)cos()( )(cos)tan(

)cos( 2

δδ δφ

sen H =

)tan( )tan(

)cos( δ φ=H

Finalmente, aplicando a fórmula dos 4 elementos uma última vez:

)cos()()º90()cos()º90cos()º90cos( Azsensenz φφδ −+−=−

)cos()cos( )()()(

)cos( φ

φδ h

senhsensen A

−=

Usando novamente a expressão para sen(h):

)cos()cos(

)( )(

1 )(

)cos( φ

φ

h

hsen hsen

sen A

 

  

 −

=

)cos()( )(cos)tan(

)cos( 2

hhsen h

A φ=

)tan( )tan(

)cos( h

A φ=

6) Considere o Sol no dia do solstício de dezembro (início do verão no hemisfério Sul da

Terra). Vamos assumir que durante todo este dia sua declinação se mantém constante, de

valor  = – 23º 27’. Responda:

137

a) Quais os valores de ângulo horário do Sol no instante do seu nascer e de seu ocaso no

céu de Porto Alegre (φ = – 30º)?

b) Quanto tempo o Sol permanecerá acima e abaixo do horizonte neste dia?

c) Quais os valores de azimute do Sol ao nascer e ocaso neste dia?

Solução

= – 23,45º

Usando a fórmula dos 4 elementos associada ao ângulo horário H do Sol:

)cos()cos()cos()()()( Hsensenhsen φδφδ +=

Mas h = 0º ao nascer e ocaso. Logo:

)tan()tan()cos( φδ−=H

cos(H) = – (– 0,5774)(– 0,4338) = – 0,2505 

 H = 104,5º ou H = 255,5º

Nascer (a leste do meridiano): H = 255,5º = 17h 01min 58s;

Ocaso (a oeste do meridiano): H = 104,5º = 6h 58min 02s;

Tempo acima do horizonte: T = 13h 56min 04s;

Tempo abaixo do horizonte: T = 10h 03min 56s.

Seja agora a fórmula dos 4 elementos associada ao azimute A:

)cos()cos()cos()()()( Ahhsensensen φφδ +=

Mas h = 0º. Logo:

)cos( )(

)cos( φ δsen

A =

4599,0 8651,0 3979,0

)cos( −=−=A

A = 117,4º (nascer) ou A = 242,6º (ocaso)

7) Seja a estrela Tauris ( = 4h 41min 3s e  = 22º 55’ 03,4”). Do ponto de vista de um

observador em São Paulo (latitude φ = –23º 27’), determine:

a) A hora sideral em que ela atravessa o 1º e o 2º verticais;

b) A altura em que ela atravessa os mesmos verticais;

c) A velocidade zenital da estrela nestes instantes;

d) O valor de Q da estrela ao atravessar os dois verticais;

e) A velocidade azimutal nestes instantes.

Solução

 = 4,68h = 70,3º; = 22,92º; φ = – 23,45º

138

Para determinar a hora sideral S em um dado instante, precisamos apenas saber o ângulo

horário H da estrela, já que sua ascensão reta  é conhecida. Determinaremos inicialmente a altura

da estrela ao cruzar os verticais:

)cos()cos()cos()()()( Ahhsensensen φφδ +=

Mas A = 90º ou A = 270º. Logo:

3979,0 3894,0

)( )(

)( −

== φ δ

sen sen

hsen

sen(h) = – 0,9785  h = – 78,1º

Lembre-se que o movimento diurno é simétrico com relação ao meridiano e a posição dos

verticais também o é. Assim, a altura obtida acima se aplica a ambos os verticais.

Conhecida a altura h, podemos aplicar outra fórmula dos 4 elementos para determinar H:

)cos()cos()cos()()()( Hsensenhsen φδφδ +=

)cos()cos( )()()(

)cos( φδ

φδ sensenhsen H

−=

9746,0 8449,0 8235,0

)921,0)(9174,0( )3894,0)(3979,0(9785,0

)cos( −=−=−−−=H 

 H = 167,06º ou H = 192,94º

A correspondência entre os dois valores de A e os dois valores de H tem que respeitar a

convenção:

Leste do meridiano: 0º < A < 180º; 180º < H < 360º

Oeste do meridiano: 180º < A < 360º; 0º < H < 180º

Logo:

A = 90º  H = 192,94º = 12h 51min 46s

A = 270º  H = 167,1º = 11h 08min 14s

Cálculo da velocidade zenital:

h = – 78,1º  z = 168,1º

9174,0 2062,0

)2239,0)(9210,0)(9174,0( ±== ∂ ∂ H z

O valor de Q pode ser determinado usando-se a fórmula dos 4 elementos correspondente:

)cos()cos()cos()()()( Qhhsensensen δδφ +=

)cos()cos( )()()(

)cos( h

hsensensen Q

δ δφ −=

0889,0 1899,0 0169,0

)2062,0)(9210,0( )9785,0)(3894,0(3979,0

)cos( −=−=−−−=Q 

 Q = 95,1º

Conhecido Q, temos então a velocidade azimutal pela fórmula:

139

)( )cos()cos(

zsen Q

H A δ=

∂ ∂

3971,0 )2062,0(

)0889,0)(9210,0( −=−= ∂ ∂ H A

8) Considere as fórmulas de Astronomia Esférica no caso de um observador situado no

Equador da Terra, ou seja, de latitude φ = 0º. Prove que, neste caso, as fórmulas se

simplificam, sendo válidas as seguintes expressões:

)cos( )(

)cos( δ hsen

H = ; )tan()tan()( AHsen δ−= ; )cos( )(

)cos( h

sen A

δ= ; )tan()tan()( HhAsen −=

Solução

Usando uma das fórmulas dos 4 elementos:

)cos()cos()cos()()()( Hsensenhsen φδφδ +=

E considerando que, no caso em questão, sen(φ ) = 0 e cos(φ ) = 1, teremos:

)cos()cos()( Hhsen δ=

)cos( )(

)cos( δ hsen

H =

Considerando agora a fórmula dos 4 elementos que envolve o azimute A,

)cos()cos()cos()()()( Ahhsensensen φφδ +=

Teremos para o caso φ = 0º:

)cos()cos()( Ahsen

)cos( )(

)cos( h

sen A

δ=

Usando a analogia dos senos, temos:

)cos( )cos()(

)( δ

hAsen Hsen −=

Substituindo então cos(h) por sen( )/cos(A), tal como deduzido acima, teremos:

)cos()cos( )cos()(

)( δA hAsen

Hsen −=

)tan()tan()( δAHsen −=

Finalmente, a expressão para sen(A) decorre novamente da analogia dos senos:

)cos( )()cos(

)( h

Hsen Asen

δ−=

Substituindo cos( ) por sen(h)/cos(H), tal como verificado acima,

)tan()tan( )cos()cos( )()(

)( Hh Hh Hsenhsen

Asen −=−=

140

9) Prove que uma estrela situada sobre o equador celeste, ou seja, de declinação  = 0º,

sempre nasce exatamente no ponto cardeal leste e sempre se põe no ponto cardeal oeste. Prove

ainda que o ângulo horário desta estrela ao nascer será sempre H = 270º e ao se por ele será H

= 90º.

Solução

Se = 0º, podemos provar, usando as fórmulas dos 4 elementos, que:

)cos()cos()cos()()()( Hsensenhsen φδφδ +=

)cos()cos()( Hhsen φ=

)cos()cos()cos()()()( Ahhsensensen φφδ +=

)tan()tan()cos( hA φ−=

Ao nascer e ocaso, a altura é h = 0º. Logo estas fórmulas se simplificam ainda mais:

0)cos()cos( =Hφ

0)cos( =A

A 1ª destas expressões tem que ser válida para qualquer valor da latitude φ do observador.

Isso significa que cos(H) = 0 independentemente da latitude. Logo H = 90º (ocaso) ou H = 270º

(nascer).

Quanto à 2ª expressão, ela obviamente implica que A = 90º ou A = 270º, valores de azimute

que corresponde aos pontos cardeais leste e oeste, respectivamente.

10) Considere a estrela Achernar ( do Eridano). Sabendo-se que suas coordenadas

equatoriais são ascensão reta  = 1h 37min 42,9s e declinação  = – 57º14’12”, determine:

a) As suas coordenadas horizontais no instante de sua elongação no céu de um

observador no Rio de Janeiro (φ = – 22º53’43”). Dica: na elongação Q = ± 90º;

b) A hora sideral no instante da elongação de Achernar para o mesmo observador.

Solução

a) Vimos em problema anterior que na elongação, a fórmula dos 4 elementos para o ângulo

Q se simplifica:

)cos()cos()cos()()()( Qhhsensensen δδφ +=

)()()( hsensensen δφ =

A altura da estrela no instante da elongação é dada então pela expressão:

84001,0 38905,0

)"12'14º57( )"43'53º22(

)( )(

)( − −=

− −==

sen sen

sen sen

hsen δ φ

46315,0)( =hsen  h = 27º35’26”

Para determinar o azimute, podemos usar a analogia dos senos:

)cos( )(

)cos( )(

φδ QsenAsen −=

141

)cos( )cos(

)( φ δ±=Asen

Os dois sinais na expressão acima resultam do fato que há duas elongações de um astro a

cada dia, uma para Q = 90º outra para Q = –90º. A fórmula que usamos para determinar a altura h

envolve cos(Q), o que naturalmente leva a um único valor de altura, válido em ambas as

elongações. Mas no caso do azimute, sabemos que uma elongação se dará a leste e a outra a oeste

do meridiano astronômico do observador, o que matematicamente se obtêm com a presença de

sen(Q) acima.

Os valores de A serão então obtidos por:

58742,0 92365,0 54257,0

)"43'53º22cos( )"12'14º57cos(

)( ±=±= − −±=Asen

Note que há 4 valores de azimute que satisfazem a equação acima. Dois correspondem ao

sinal negativo, dois ao sinal positivo.

Para sen(A) = 0,58742:

A = 35,97409º = 35º 58’ 27”

ou

A = 144,02591º = 144º 01’ 33”

Para sen(A) = –0,58742:

A = –35,97409º = 324,02591º = 324º 01’ 33”

ou

A = 215,97409º = 215º 58’ 27”

Destes, temos que escolher somente dois valores, um para cada elongação. Uma maneira de

resolver esta questão é usar a fórmula dos 4 elementos para A, que no caso de elongação, como

vimos em problema anterior, se torna:

)tan( )tan(

)cos( h

A φ=

79397,0 52258,0 41491,0

)"26'35º27tan( )"43'53º22tan(

)cos( −=−=−=A

Logo, os valores de azimute em questão têm que ser ângulos de 2º e 3º quadrantes:

A = 144º 01’ 33” (elongação a leste)

e

A = 215º 58’ 27” (elongação a oeste)

Na verdade, por se tratar de um observador situado no Hemisfério Sul, e lembrando que a

elongação só se dá para estrelas com | | > |φ |, poderíamos ter imediatamente escolhido os valores

do 2º e 3º quadrantes, pois a estrela necessariamente está sempre a sul do vertical que contêm o

zênite e os pontos L e W.

142

b) Cálculo da hora sideral:

No caso em que Q = ± 90º, a fórmula para cos(H) fica:

)tan( )tan(

)cos( δ φ=H

26702,0 55388,1 41491,0

)"12'14º57tan( )"43'53º22tan(

)cos( = − −=

− −=H

Logo:

H = 74,51324º = 74º 30’ 48” (elongação a oeste)

e

H = 285,48675º = 285º 29’ 12” (elongação a leste)

As horas siderais correspondentes serão então:

S = H +  = 15

"48'30º74 + 1h 37min 42,9s = 6h 35min 46s

e

S = H +  = 15

"12'29º285 + 1h 37min 42,9s = 20h 39min 40s

Exercícios sobre Sistemas de Tempo

1) Seja um lugar de longitude  = 3h 17min 05,18s. No dia 26/10/99, calcular a hora

sideral média às 20h 30min de hora solar média local. Observação: considere que a longitude

é positiva para meridianos a oeste de Greenwich.

Solução

Hora média local:

M = 20h 30min 00s

Pelas Efemérides Astronômicas do ON, a hora sideral em Greenwich ( = 0º) à 0h TU do dia

em questão é:

S0G = 2h 15m 42,984s

Determinando a hora sideral local no instante considerado:

S = S0G + (M + ) + M

onde = 0,00273790926 e  é a longitude do local.

M +  = 23h 47min 05,18s

(M + ) = 0,06512 = 3min 54,43s

S = 22h 45min 42,984s + 3min 54,43s = 22h 49min 37,414s

2) Determinar a hora solar média no dia 26/10/99 às 14h 36min 43,3s siderais

verdadeiras de um observador de longitude  = 6h 21min 24,56s.

143

Solução

Pelas Efemérides Astronômicas do ON, a hora sideral verdadeira em Greenwich à 0h TU

será:

S0G = 2h 15min 42,054s

A hora sideral à zero hora média local (M = 0h) é dada pela expressão:

S0 = S0G + (1 – )

O intervalo de tempo sideral decorrido entre o instante considerado e M = 0h é então:

S = S – S0 = S – S0G – 

onde:

S = 14h 36min 43,3s.

A transformação de um intervalo de hora sideral em um intervalo de hora solar é:

M = S (1 – )

onde:

1 –  = 1/(1 + ) = 1 – 0,00273043359.

A hora solar média no instante pedido será então:

M = (S – S0G –  ) (1 – )

M = (S – S0G –  ) – (S – S0G –  )

onde:

 = 6,356822

 = 0,00273043359

= 0,00273790926

Calculando:

S – S0G –  = 12h 21min 1,246s – 0,017404h = 12,33294h

M = 12,33294 (1 – ) = (12,33294)(0,99727) = 12,29926

M = 12h 17min 57,3s

3) Qual a longitude de um observador cuja hora sideral é S = 13h 26min 51,4s à 0h TU

no dia 10/11/99? Dados: Hora Sideral em Greenwich à MG = 0h:

S0 = 3h 14min 51,3s.

Solução

Pelas Efemérides do ON, na data em questão a hora sideral em Greenwich à 0h TU é: S0G =

3h 14min 51,314s.

Trata-se do mesmo instante no tempo considerado no enunciado da questão. Estamos,

portanto lidando com a diferença de hora sideral em um dado instante fixo no tempo.

Essa diferença de hora sideral é, portanto:

S = 10h 12min 0,09s

144

Sendo que o meridiano cuja longitude desejamos saber está adiantado com relação a

Greenwich, a leste do mesmo.

Logo:

 = 153,00º E

4) Determine a longitude de um local cuja hora sideral média é S = 11h 49min 20,7s às

8h 14min 33s de hora solar média local do dia 15/11/99.

Solução

Pelas Efemérides do ON, a hora sideral em Greenwich à 0h TU é:

S0G = 3h 34min 34,091s

À zero hora solar média local (M = 0h), a hora sideral média local é:

S0 = S0G + 

O intervalo sideral decorrido até o instante considerado é então:

S = S – S0 = S – S0G – 

O intervalo solar correspondente será então:

M = S (1 – )

onde:

1 –  = 1/(1 + ) = 1 – 0,00273043359.

Mas como o instante inicial corresponde a M = 0h, o valor do intervalo é igual à hora solar

média local do instante considerado:

M = M = (S – S0G –  ) – (S – S0G –  )

Temos que resolver esta equação para a longitude:

)1( )1()1(

− −+−+

= µη

µµλ SSM OG

M = 8,242500h; S0G = 3,576136h; S = 11,822423h;  = 0,00273043359; =

0,00273790926.

00273043,0 790143,11566372,3242500,8

− −+=λ

 = – 6,8595h = – 102,8923º = 102,8923º E

5) Qual a hora solar verdadeira no instante em que o Sol Médio fez sua culminação

superior para um observador de longitude  = 3h 30min 30,5s no dia 26/01/94?

Solução

O Sol Médio cruzou o meridiano às 12 horas solares médias locais.

Pelas Efemérides do IAG-USP, temos para a equação do tempo (à 0h TU no dia

considerado):

= V – M = M – V = – 12min 26,35s

145

A hora verdadeira correspondente a este instante foi então:

V = M – = 12h + 12min 26,35s = 12h 12min 26,35s

Mas o valor de acima corresponde à 0h TU. Temos que saber o valor da equação do tempo

para a hora considerada.

Novamente, pelas Efemérides do IAG-USP, temos a taxa de variação horária da ascensão

reta do Sol verdadeiro (em s/hora):

h s

t v 407,10=

∂ ∂α

O Sol Médio, por percorrer o equador celeste a uma velocidade angular constante, tem uma

taxa de:

h s

t M 836,9=

∂ ∂α

Logo, para a taxa de variação da equação do tempo, inferimos:

h s

tt M 571,0=

∂ ∂

= ∂ ∂ αε

Em termos de hora solar verdadeira e média, teremos:

tt M

t V

∂ ∂−

∂ ∂=

∂ ∂ ε

Assim, mantendo M fixo em 12h, e considerando que entre 0h TU e o instante considerado

ter-se-ão decorrido M +  horas solares, teremos:

t MV

∂ ∂+−=∆ ελ)(

sV 855,8−=∆

Logo,

V = 12h 12min 26,35s – 8,855s = 12h 12min 17,50s

6) Provar que a equação do tempo, definida como  = V – M, onde V e M são,

respectivamente, as ascensões retas do Sol verdadeiro e médio, pode ser expressa como:

 = U + Q

onde U = V – f é a equação do centro (V e f são, respectivamente, as longitudes eclípticas do

Sol verdadeiro e fictício) e Q = V – M é a redução ao equador.

Solução

V = + M = Q + V

Logo:

= Q + V – M

Mas o sol médio caminha uniformemente sobre o equador celeste assim como o sol fictício

o faz pela eclíptica. Assim sendo:

146

M = f

= Q + V – f = Q + U

7) Defina tempo universal. Defina os diferentes tipos de tempo universal e discuta suas

diferenças.

Solução

Tempo Universal é a hora solar média do meridiano de Greenwich ( = 0º).

O tempo universal é um tempo rotacional, ou seja, é medido com base no ângulo horário do

Sol médio, que, como sabemos, varia devido à rotação da Terra.

Infelizmente, o movimento de rotação da Terra não é uniforme e não se dá rigorosamente

em torno de um eixo que tenha sempre os mesmos pólos. Isso leva às seguinte definições de tempo

universal:

TU0: é simplesmente obtido através de observações astronômicas. Como o Sol Médio

percorre o equador celeste uniformemente, sabemos qual o valor de sua ascensão reta a cada

instante e podemos determinar então o ângulo horário do Sol Médio a cada instante pelas

observações.

TU1: é o resultado da correção de TU0 para o movimento do pólo, pelo qual a longitude (e

também a latitude) de um local varia com o tempo.

TU2: é o resultado da correção de TU1 para a variação da velocidade de rotação da Terra.

8) Seja um lugar de longitude  = – 9h 35min 31,4s. No dia 30/11/99, calcular a hora

sideral média às 19h 16min 52,7s horas solares médias locais.

Dicas: Faz-se necessário consultar, na Biblioteca da Física, as efemérides (Astronomical

Almanac ou Apparent Places of Fundamental Stars ou Efemérides do ON ou Efemérides do

IAG), para saber o valor da hora sideral em Greenwich à MG = 0h no dia considerado.

Solução

Pelas Efemérides Astronômicas do ON, na data considerada a hora sideral em Greenwich à

0h TU é:

S0 = 4h 33min 42,422s = 4,56178h

Esta é a hora sideral em Greenwich à zero hora TU.

M = 19h 16min 52,7s = 19,28130h

 = – 9,59205h

= 0,00273790926

S = S0 + (M +) + M

S = 4,56178 + (19,28130 – 9,59205)(0,00273790926)+ 19,28130

S = 23,86961h = 23h 52min 10,6s

147

9) Qual o melhor dia do ano para observarmos a estrela Ceti, cujos valores médios de

ascensão reta e declinação para 1999 são  = 2h 25min 54,01s e  = 12º 17’ 42,0”?

Solução

O melhor dia para se observar a estrela será aquele em que ela fizer sua culminação superior

o mais próximo possível da 0h solar verdadeira do observador.

É comum as Efemérides [como a do ON ou o Astronomical Almanac (EUA)] listarem a hora

sideral à 0h TU para um observador no meridiano de Greenwich (longitude  = 0º).

Nas Efemérides do ON, por exemplo, encontramos esta lista na seção F. Vemos que nos dias

28/10 e 29/10, a hora sideral à 0h TU em Greenwich é bem próxima da ascensão reta da estrela.

Mas precisamos transformar estes valores para hora sideral à 0h solar verdadeira e na nossa

longitude (PoA = 51º 13’).

São duas transformações, portanto: uma de hora solar média para verdadeira e a outra da

longitude de Greenwich para a longitude de PoA.

A primeira transformação envolve a equação do tempo:

= M – V

onde M e V são as horas solares média e verdadeira correspondentes a um determinado instante. A

equação do tempo é essencialmente dada na seção C das Efemérides do ON: ela corresponde à

diferença entre a coluna “passagem meridiano Greenwich” e 12h.

Note que para os dias citados acima, ≅ – 6min, não sendo desprezível. Isso significa que a

hora sideral à 0h solar verdadeira em Greenwich neste dias é aproximadamente S ≅ 2h 07min para

28/10 e S ≅ 2h 11min para 29/10.

Já a transformação em  será:

S = SG + 

onde:

S e SG são as horas siderais à 0h solar verdadeira em PoA e Greenwich, respectivamente. =

0,00273790926.

Dessa forma temos uma correção adicional:

shhS 6,3300934844,060027379092,0 15

º21,51 ===∆

Levando estas correções em conta, chegamos então à conclusão de que o melhor dia de

observação é 02/11. Para ele teremos:

Hora sideral à 0h TU à  = 0º: 2h 43min 18,871s

Equação do tempo: = –16min 25,61s

Intervalo sideral entre passagem meridiana do Sol Médio e passagem meridiana do Sol

verdadeiro: S = (1+ ) = –16min 28,31s.

148

Hora sideral à 0h Sol. Ver. à  = 0º: 2h 43min 18,871s – 16min 28,31s = 2h 26min 50,56s.

Hora sideral à 0h Sol. Ver. à  = 51º 13’: 2h 26min 50,56s + 33,6s = 2h 27min 24,16s.

Este valor é o mais próxima do valor de  da estrela considerada.

10) Um observador mede o ângulo horário do Sol e obtêm H = 240º. Responda:

a) Qual a hora solar deste observador neste instante?

b) Qual a hora sideral deste observador neste instante sabendo-se que a ascensão reta

do Sol é  = 13h?

c) Qual o ângulo horário do ponto neste instante?

d) Se neste instante são meio-dia no meridiano de Greenwich, qual a longitude do

observador?

Solução

a) Hora solar baseada na posição do Sol no céu tem que ser a verdadeira:

V = H + 12h = º15 º240 + 12

V = 16h + 12h = 28h = 4h

b)

S =  + H = 13h + 16h = 29h = 5h

c)

S = H = 5h = 75º

d)

TU = 12h = V + + 

 = 12h – 4h – = 8h –

Precisamos então saber o valor da equação do tempo neste dia.

Exercícios sobre variação de Coordenadas Equatoriais

1) Determine as correções para o efeito de precessão das coordenadas equatoriais  e 

da estrela Pollux (Gemini) entre o dia 30/01/01 e o meio do mesmo ano (redução ao dia para

precessão).

Dados: coordenadas de Pollux para o equinócio médio do ano 2001 (2001.5): 2001.5 = 7h

45min 24,4s e 2001.5 = 28º 01’ 21”; precessão anual em ascensão reta: m = 3,0750 s/ano;

precessão anual em declinação: n = 20,0430 “/ano; fração do ano correspondente ao intervalo:

 = – 0,4199.

Solução

149

)cos(αδ n t

= ∂ ∂

ano ano

tn )4199,0)(44388,0( "043,20

)cos( −−=∆=∆ αδ

"7357,3=∆δ

)tan()( δαα nsenm t

+= ∂ ∂

[ ] tnsenm ∆+=∆ )tan()( ααα

)4199,0)](53221,0)(89609,0( "043,20075,3

[ −+=∆ anoano

sα

sss 558,126758,0291,1 −=−−=∆α

2) Aplicar as correções para o efeito de nutação das coordenadas equatoriais  e  da

estrela Pollux (Gemini) para o dia 30/01/01 (redução ao dia para nutação).

Dados: coordenadas de Pollux para o equinócio médio do ano 2001 (2001,5): 2001,5 = 7h

45min 24,4s e 2001,5 = 28º 01’ 21”; obliqüidade da eclíptica:  = 23,44º. Coeficientes de nutação

para o dia considerado: em obliqüidade,  = –2,176”; em longitude,  = – 15,494”.

Solução

[ ] δεδαδλδαεεα )tan()cos()tan()()()cos( −+=∆ sensen [ ] )"176,2)(53221,0)(44388,0()"494,15()53221,0)(89609,0)(3978,0(9175,0 −+−+=∆α

"669,175140,09394,22157,14 −=−−−=∆α

δεαδλαεδ )()cos()( sensen +=∆

)"176,2)(89609,0()"494,15)(44388,0)(3978,0( −+−−=∆δ

"786,0950,17359,2 =−=∆δ

3) Sabendo-se que os componentes de movimento próprio de uma estrela são

século s67,22=αµ e século

"32,43−=δµ , calcular as correções  e  devidas ao movimento próprio entre

as épocas 1950,0 e 2001,5.

Solução

ατµα =∆

s século

s século 67,11

67,22 515,0 ==∆α

δτµα =∆

"31,22 "32,43

515,0 −=−=∆ século

séculoδ

150

4) Seja uma estrela de coordenadas  = 18h 44min 51,239s e  = – 12º 56’ 19,35” na época

1999,5. Aplicar a redução (correções  e  para precessão, nutação e aberração anual) ao

dia 10/12/99 usando o método dos Números Besselianos.

Dados: razão entre os termos de precessão: m/n = 2,30125; obliqüidade da eclíptica:

tan() = 0,43355.

Dica: Obter no Astronomical Almanac de 1999 os Números Besselianos para o dia

considerado.

Solução º2134960,2817475664,18 == hα

º9387083,12−=δ

Cômputo das constantes Besselianas:

)tan()( δαsen n m

a +=

5266058,2)2297417,0)(9809094,0(30125,2 =−−+=a

)tan()cos( δα=b

0446768,0)2297417,0)(1944654,0( −=−=b

)sec()cos( δα=c

1995313,0)0260513,1)(1944654,0( ==c

)sec()( δαsend =

0064634,1)0260513,1)(9809094,0( −=−=d

1944653,0)cos(' == αa

9809094,0)(' =−= αsenb

)()()cos()tan(' δαδε sensenc −=

2029082,0)2239086,0)(9809094,0()9746101,0)(43355,0(' =−+=c

)()cos(' δα send =

0435425,0)2239086,0)(1944654,0(' −=−=d

Extraindo do Astronomical Almanac os Números Besselianos para a data pedida:

A = 2,949”; B = 6,031”; C = 4,001”; D = 20,343”; E = – 0,0020s

Fração do ano decorrida:

 = 0,4384

Reduções:

)(tan 2 δα JEDdCcBbAa +++++=∆

)(tan)0064634,1( 15 343,20

1995313,0 15 001,4

)0446768,0( 15 031,6

5266058,2 15 949,2 2 δα J+−++−+=∆

s8349773,0−=∆α

)tan(''''' δδ JEDdCcBbAa +++++=∆

151

)tan(')0435425,0)(343,20()2029082,0)(001,4()9809094,0)(31,60()1944653,0)(949,2( δδ J+−+++=∆

"415555,6=∆δ

5) Seja uma estrela de coordenadas médias  =9h 14min 35,6s e  = – 38º 42’ 29,90”

para a época 1999,5. Seu paralaxe é de p = 0,083” e os componentes de seu movimento próprio

são ano

s2487,0−=αµ e ano "5462,0=δµ . Determine suas coordenadas aparentes para o dia 23/11/99,

corrigindo-as para precessão, nutação, aberração, paralaxe anual e movimento próprio.

Dados: valor de m/n para 1999,5: m/n = 2,30125; tan() = 0,43355.

Dicas: Obter no Astronomical Almanac 1999 os Números Besselianos, a fração do ano

decorrida desde 1999,5 e as coordenadas X e Y da Terra para o dia considerado.

Solução

 = 9,2432222h = 138,6483333º; = – 38,7083056º

Primeiramente, temos que calcular as “constantes besselianas da estrela”:

)tan()( δαsen n m

a +=

a = 2,30125 + (0,6606788)(– 0,8013891) = 1,7717891

b = cos()tan( ) = (– 0,7506687)(– 0,8013891) = 0,6015776

c = cos()sec( ) = (– 0,7506687)(1,2814931) = – 0,9619766

d = sen()sec( ) = (0,6606788)(1,2814931) = 0,8466555

a’ = cos() = – 0,7506686

b’ = – sen() = – 0,6606790

c’ = tan( )cos( ) – sen()sen( )

c’ = (0,43355)(0,7803398) – (0,6606788)(– 0,6253558) = 0,7514757

d’ = cos()sen( ) = (– 0,7506687)(– 0,6253558) = 0,4694349

Os Números Besselianos para o dia considerado são:

A = 1,726”; B = 5,86”; C = 9,251”; D = 18,112”; E = – 0,0022s

Os Números Besselianos de segunda ordem para o dia considerado são:

J = – 0,000033s; J’ = – 0,0002”

Os valores das coordenadas retangulares da Terra são:

X = 0,482761147; Y = 0,784247192

A fração de tempo decorrido desde 1999,5 é:

 = 0,3919

Temos então:

)(tan 2 δα JEDdCcBbAa +++++=∆

s8656943,0000021,00022,0022308,1593283,0235016,0203874,0 =−++−+=∆α

)tan(''''' δδ JEDdCcBbAa +++++=∆

152

"2872351,1000000,05024067,89519008,68715778,32956542,1 =+++−−=∆δ

Correção para movimento próprio:

 = (0,3919)(– 0,2487) = – 0,0974653s

 = (0,3919)(0,5462) = 0,2140558”

Finalmente a correção para paralaxe:

p (dX – cY ) = [0,083)(0,408732) – (– 0,754427)]

p (dX – cY ) = 0,096542” = 0,006436s

p (d’X – c’Y ) = (0,083)(0,226625 – 0,5893426) = – 0,0301056”

 = 0,8656943 – 0,0974653 + 0,0064362 = 0,7746649s

 = 9h 14 min 36,375s

 = 10,2872351 + 0,2140558 – 0,0301056 = 10,4711853”

= –38º 42’ 19,43”

6) Um observador de latitude φ = –30º observa uma estrela com distância zenital z =

28º 32’ 47”. A temperatura do ar é T = 10,5ºC. Este observador possui um barômetro cuja

temperatura é T’ = 9,5ºC e que mede uma pressão atmosférica de H = 744 mm Hg. Determine:

a) A correção da posição da estrela devido à refração pela atmosfera.

b) A distância zenital verdadeira da estrela no instante dado.

Solução

Inicialmente, vamos aplicar correções à leitura do barômetro, conforme descrito nas

Efemérides do ON.

H = 744 + 0,1 – 1,1 – 1,0 = 742 mm HG

Utilizando as Efemérides do ON:

z = 28º  Rm = 29,7”

Correção residual:

32’47” = 0,54639º; 10’ = 0,16667º

A correção residual será então:

"656,0 16667,0 54639,0

"20,0 ==∆ mR

Logo:

Rm = 30,4”

Mas o valor calculado assume condições normais de temperatura e pressão (T = 25º; P = 760

mm Hg). Temos que aplicar correções para a pressão e temperatura. Consultando as tabelas com

essas correções, verificamos que se deve multiplicar o resultado acima por uma fator f = 1,011. O

resultado final é então:

R = fRm = 30,7”

153

Aplicando-se esta correção à distância zenital observada, teremos:

zver = zobs + R = 28º33’17,7”

7) Corrigir as coordenadas equatoriais da estrela 289 G. Puppis no dia 01/12/99 para o

efeito de nutação de curto período.

Dicas: usar as Efemérides do ON de 1999 onde constam os termos de nutação de curto

período, tanto em obliqüidade quanto em longitude. Usar também o Apparent Places of Stars

de 1999 para obter as coordenadas aparentes da estrela para o dia considerado e as constantes

de correção para nutação de curto período da estrela.

Solução

Pelo Apparent Places of Stars 1999, usando interpolação linear, determinamos as

coordenadas não corrigidas:

Dia 25,2: (s) = 33,433s; (“) = 20,44”

Dia 35,1: (s) = 33,748s; (“) = 22,96”

Para o dia 31,0 teremos então:

 = 8h 18min 33,617s; = – 36º39’21,92”

Os termos da nutação de curto período podem ser lidos das Efemérides do ON:

dφ = 0,167”; d = 0,073”

Os coeficientes da transformação são lidos do próprio Apparent Places:

da(φ ) = 0,045; dd(φ ) = – 0,23; da( ) = – 0,028; dd( ) = 0,82

A correção será, portanto:

 = da(φ ) dφ + da( ) d

 = (0,045)(0,167) + (– 0,028)(0,073)

 = 0,00036s

 = dd(φ ) dφ + dd( ) d

 = – 0,0384 + 0,05986 = 0,0214600

Coordenadas corrigidas:

 = 8h 18min 33,617s

= – 36º 39’ 21,94”

154

CAPÍTULO 7

GLOSSÁRIO DE CONCEITOS DE ASTRONOMIA DE POSIÇÃO

Neste apêndice procuramos fazer uma espécie de glossário dos termos e definições já apresentados

no texto.

Esfera Celeste

Esfera:

Uma superfície no espaço tridimensional cujos pontos são eqüidistantes de um centro.

Grande Círculo ou Círculo Máximo:

Um círculo na superfície de uma esfera que a divide em duas metades (hemisférios).

Pequeno Círculo:

Qualquer círculo sobre uma esfera que não seja máximo.

Esfera Celeste:

Um modelo de céu pelo qual o consideramos a superfície de uma esfera centrada em nós.

Todos os astros (Sol, Lua, planetas, estrelas, cometas, etc) estão localizados sobre a esfera

celeste. A esfera celeste tem as seguintes propriedades:

1. É imaginária.

2. Seu raio é considerado muito maior do que as dimensões da Terra, sendo, portanto,

qualquer ponto sobre a superfície desta última igualmente válida como centro da

esfera celeste.

3. Apesar das distâncias de diferentes astros à Terra variarem, todos são considerados

como situados sobre a esfera, tendo, portanto, uma posição aparente sobre esta. A

posição de um astro relativamente a outro na esfera celeste pode e é definida usando

coordenadas angulares.

Sistema Horizontal

Direção Vertical:

A direção diretamente acima ou abaixo de um observador. De forma mais precisa, direção

da aceleração gravitacional no ponto da superfície terrestre onde ele se encontra.

Zênite:

O ponto da esfera celeste que resulta do prolongamento ao infinito da vertical do observador

no sentido contrário à gravidade. Ponto da esfera celeste diretamente acima da cabeça do

observador

Nadir:

155

A direção diretamente abaixo do observador, ou seja, o ponto da esfera celeste

diametralmente oposto ao zênite.

Plano horizontal:

Plano perpendicular à direção vertical de um observador e que contenha o mesmo.

Horizonte:

O círculo máximo que resulta do prolongamento do plano horizontal do observador até

encontrar a esfera celeste; é a intersecção entre a esfera celeste e o plano perpendicular à

vertical do observador.

Meridiano Astronômico:

O grande círculo que passa pelo zênite do observador e pelos pontos cardeais norte e sul. É

ao mesmo tempo um círculo vertical (perpendicular ao horizonte) e um círculo horário. O

meridiano de um observador é o seu mais importante círculo de referência.

Plano Meridiano:

Plano que contém o meridiano astronômico. É o mesmo plano que contém o observador e o

eixo de rotação da Terra

Plano Vertical:

Qualquer plano perpendicular ao plano horizontal. Plano vertical de um astro é o plano que

contém o círculo vertical do mesmo.

Círculo Vertical:

Qualquer grande círculo que contenha o zênite e o nadir. Seu nome se deve ao fato de ser

um círculo perpendicular ao horizonte.

Altura (h):

Trata-se de uma das coordenadas do sistema horizontal (a outra é o azimute). A altura de um

objeto é o ângulo entre a direção ao objeto e a horizontal, ângulo este contado ao longo do

círculo vertical que contém o astro. A altura pode ser tanto positiva (h > 0°, astro acima do

horizonte) quanto negativa (h < 0°, astro invisível, abaixo do horizonte). A altura do zênite é

h = 90° e a do nadir é h = – 90°.

Azimute (A):

Outra coordenada horizontal. É o ângulo, contado ao longo do horizonte, entre a direção

norte e a base do círculo vertical do astro. Outra forma de defini-lo é como sendo a ângulo

entre o plano meridiano do observador e o vertical do astro. É geralmente contado no

sentido norte–leste–sul–oeste. A = 0°: ponto cardeal norte; A = 90°: ponto cardeal leste; A =

180°: ponto cardeal sul; A = 270°: ponto cardeal oeste.

Almucântar:

Círculo de altura constante paralelo ao horizonte. Chama-se também de paralelo de altura.

156

Sistema Equatorial

Pólos Celestes:

São os pontos da esfera celeste que resultam do prolongamento do eixo de rotação da Terra.

Os pólos celestes norte e sul são pontos fixos da esfera celeste, ou seja, não se movem no

céu de um observador durante a noite. Para um observador situado em um dos pólos

geográficos da Terra, o pólo celeste correspondente coincide com o zênite.

Equador Celeste:

O grande círculo que resulta da intersecção entre o plano equatorial terrestre e a esfera

celeste.

Círculo (ou Arco) Diurno:

O caminho aparente de uma estrela no céu durante um dia, devido à rotação da Terra.

Círculos diurnos são paralelos ao equador celeste e são círculos pequenos (exceto por uma

estrela situada no equador celeste).

Círculo Horário:

Qualquer grande círculo que contenha os pólos celestes norte e sul. Os círculos horários são

perpendiculares ao equador celeste, assim como os círculos verticais são perpendiculares ao

horizonte.

Ponto Vernal (γ):

O ponto da esfera celeste onde se situa o Sol no Equinócio de março (em torno de 21/03).

Este ponto se situa sobre o equador celeste e, ao passar por este ponto, o Sol sai do

hemisfério sul celeste e entra no hemisfério norte celeste. Também chamado de Ponto γ ou

Ponto de Áries.

Ascensão Reta (α):

É uma das coordenadas do sistema equatorial. É o ângulo, medido ao longo do equador

celeste, entre o ponto vernal e a base do círculo horário que contém o objeto. Outra

definição: ângulo entre o plano que contém o círculo horário do ponto vernal e o plano que

contém o círculo horário do astro. A ascensão reta cresce no sentido leste e, em geral, é

contada em unidades de tempo (1h = 15°; 24h = 360°).

Declinação (δ):

O ângulo entre a direção a um objeto e o plano do equador celeste, medido ao longo do

círculo horário do objeto. A declinação pode ser norte ou sul, casos em que δ > 0° e δ < 0°,

respectivamente. Pólo Sul Celeste: δ = − 90°; Pólo Norte Celeste: δ = 90°.

Ângulo Horário (H):

157

O ângulo, contado a oeste, entre o meridiano do observador e o círculo horário do objeto.

Geralmente expresso em unidades de tempo.

Eclíptica:

O caminho aparente do Sol na esfera celeste ao longo do ano. O movimento anual do Sol se

deve à revolução da Terra ao longo de sua órbita em torno do mesmo. A eclíptica é,

portanto, a intersecção entre o plano orbital terrestre e a esfera celeste. A eclíptica faz um

ângulo de aproximadamente 23,5° com o Equador Celeste. Os dois pontos de intersecção

entre estes dois grandes círculos são o ponto Vernal (γ ) e o ponto Ω , o primeiro dos quais

marca a origem da ascensão reta.

Quadro resumo de coordenadas celestes

Sistema Horizontal Horário Uranográfico Eclíptica

Plano

Fundamental Horizonte Equador Equador Eclíptica

Abscissa Azimute Âng. Horário Ascensão reta Longitude

Símbolo A H α λ

Origem Pólo Norte SMS Ponto Vernal Ponto Vernal

Sentido Direto (para

Leste)

Retrógrado

(para Oeste) Direto Direto

Variação 0° a 360° 0h a 24h 0° a 360° 0° a 360°

Ordenada Altura

(Dist. Zenital)

Declinação

(Dist. Polar)

Declinação

(Dist. Polar) Latitude

Símbolo h (Z) δ (p) δ (p) β

variação –90° a  90°

(0° a 180°)

–90° a  90°

(0º a 180°)

–90° a  90°

(0° a 180°) –90° a  90°

Referenciamento Local Misto Não-local Não-local

Eixos Vertical

(+)  Z

Eixo de

rotação

Eixo de

rotação

Eixo da

eclíptica

158

(+)  PN (+)  PN (+)  PN

Nº 3 Meridiana Linha EW Linha Equin. Linha Equin.

Nº 1 (+)  Pólo Sul (+)  Oeste (+)  Pt.

Vernal

(+)  Pt.

Vernal

Nº 2 Levógiro Levógiro Dextrógiro Dextrógiro

Fonte: Caderno Técnico – Introdução à Astronomia Esférica I – Camil Gemael (1980)

Dedução das principais fórmulas do método de Zinger

Abaixo, encontra-se a dedução das expressões (IV) e (V) dadas na apresentação do Método

de Zinger para determinação da hora. Com elas podemos então obter o valor de c e inseri-lo na Eq.

(III) para deduzir o estado do cronômetro E.

Usando uma das fórmulas dos 4 elementos aplicada à estrela que atravessa o almucântar

escolhido a leste do meridiano temos:

)cos()cos()cos()()()cos( EEE Hsensenz δφδφ +=

Aplicando agora a mesma fórmula à estrela a oeste:

)cos()cos()cos()()()cos( WWW Hsensenz δφδφ +=

Como se trata do mesmo almucântar, z é igual em ambas as equações, logo:

)]cos()cos()cos())[cos(cos()](()[( EEWWWE HHsensensen δδφδδφ −=−

)cos()cos()cos()cos()](()[tan( EEWWWE HHsensen δδδδφ −=− (A1)

Utilizemos agora as seguintes identidades trigonométricas:

 

  

 +  

  

 −=− 2

cos 2

2)()( qpqp

senqsenpsen (A.2)

)]cos())][cos(cos()[cos( 2 1

)cos())][cos(cos()[cos( 2 1

)cos()cos()cos()cos( sqrpsqrpsrqp −++−=− (A.3)

Usando-as na equação (A.1), temos:

[ ][ ]++−= 

  

 +  

  

 − )cos()cos()cos()cos( 2 1

2 cos

2 2)tan( EWBW

WEWE HHsen δδδδδδφ

[ ][ ])cos()cos()cos()cos( 2 1

EWBW HH −++ δδ (A.4)

Usando agora mais duas identidades trigonométricas,

 

  

 −  

  

 +=+ 2

cos 2

cos2)cos()cos( qpqp

qp

 

  

 −  

  

 +−=− 22

2)cos()cos( qp

sen qp

senqp

159

Ao lado direito da equação obtemos:

)()()cos()cos(2)()()cos()cos(2)cos()()tan(2 γββγβφ sencsenbbsensencbsen +=

)]()()tan()tan()(cot))[cos(()tan()tan( γβγγβφ sencsenbancsen +=

)]()tan()tan()(cot))[cos(()tan()tan( csenbancsen += βγγβφ

Usando a definição de tan(M) dada anteriormente:

)()()tan()()cos()tan()tan( γγβφ sencsenMsenc +=

)]()cos()cos()([ )cos( )(

)tan()tan( csenMcMsen M

sen += γβφ

)]sec(cos)cos()tan()tan()( γβφ MCMsen =+

Essa é a fórmula que queríamos demonstrar e que é utilizada na determinação de c e,

conseqüentemente, na derivação do estado do cronômetro, E.

160

BIBLIOGRAFIA 1. Anuário Astronômico do Instituto Astronômico e Geofísico da USP, IAG, São Paulo. 2. Anuário do Observatório Nacional, Observatório Nacional, Rio de Janeiro. 3. Apparent Places of Fundamental Stars, Astronomisches Rechen-Institut, Verlag G. Braun, Heidelberg, Germany 4. Arana, J.M., Notas de Aula. Endereço na Web: http://www2.prudente.unesp.br/dcartog/arana/Astron.pdf. 5. Astronomy 250 lecture notes. Endereço na Web: http://ircamera.as.arizona.edu/astr_250/class_syl.html. 6. Boczko, R., " Conceitos de Astronomia ", Edgar Blucher, São Paulo. 7. Domingues Felipe A.A. Topografia e astronomia de posição para engenheiros e arquitetos São Paulo, McGraw-hill do Brasil l979. 8. Domingues, F.A.A., 1979, Topografia e Astronomia de Posição para Engenheiros e Arquitetos, McGraw-Hill do Brasil, São Paulo. 9. Gemael, C., 1980, “Astronomia Esférica”, Ed. da UFPR, Curitiba. 10. Gemael, C., 1981, “Referenciais Cartesianos Utilizados em Geodéia”, Ed. da UFPR, Curitiba. 11. Haertel, J.C., 1957, Geodésia Elementar e Astronomia de Campo, Edições Ceue, Porto Alegre 12. Hatschbach, F., “Determinações Astronômicas, Hipparcos Astrometric Satellite. Endereço na Web: http://astro.estec.esa.nl/Hipparcos. 13. International Celestial Reference Frame. Endereço na Web: http://rorf.usno.navy.mil/ICRF. 14. Lang, K., 1990, “Astrophysical Formulae: a compendium for the physicist and astrophysicist”, Berlim, ISBN 0-387-09933-6. 15. Médici, R., 1989, “Astronomia de Posição”, Ed. Forense Universitária. 16. Proceedings da Conferência contendo artigos de determinação astronômica do Magro. 17. Roy Fisher's Earth Rotation and Equatorial Coordinates web page. Endereço na Web: http://www.gb.nrao.edu/~rfisher/Ephemerides/earth_rot.html. 18. Terry Moore's web page on Coordinate Systems, Frames and Datums. Endereço na Web: http://granby.nott.ac.uk/~iszwww/coord1.htm. 19. The Astronomical Almanac, Washington, U.S. Government Tutorials for Astronomy. Endereço na Web: http://www.physics.csbsju.edu/astro/

muito bom esse material,,,,,,
ES SEMPRE UMA MAIS VALIA...
gosto, amo.
amei o site que cresca mais. abracos.
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 160 páginas