Blackbook cirurgia , Teses (TCC) de Cirurgia Geral
larissa_porpino
larissa_porpino

Blackbook cirurgia , Teses (TCC) de Cirurgia Geral

1 página
17Números de download
1000+Número de visitas
75%de 4 votosNúmero de votos
2Número de comentários
Descrição
Blackbook cirurgia parte 1
20 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização1 página / 1
= IRS a(o 6 Done Blackbook de Cirurgia Centros de Referência em Trauma: Dentro de uma cidade ou conjunto de cidades pr a assistência ao trauma precisa ser organizada de forma hierarquizada em que diferentes níveis de gr avi-| dade do trauma são tratados em diferentes níveis de assistência (Posto de Saúde, Policlínica, Hospital Geral, Hospital ou Centro de Trauma). O Centro de Trauma de FrenErório a é aquele que possui equipes de plantão 24 horas badl É º com cirurgião geral emergencis- ta, ortopedista, neurocirurgião; [consultoria das demais especia- lidades principais, exames labo- lratoriais e de imagem (incluindo [tomografia e ultra-sonografia), [bloco cirúrgico e terapia intensi- iva. A Sala de Emergência do Centro de Trauma responsável pelo atendimento do trauma gra- Ive precisa ser bem organizada e tcompletamente separada das isalas [de emergência que atendem as demandas de casos simples como pequenas suturas, fraturas não com- |plicadas, emergências clínicas, etc. Os critérios de triagem da vitima de trauma, pela sua gravidade l Hquadro tt precisam ser conhecidos e seguidos por todos. Assis- O Sistema de Trauma é ativado no momento e: J para uma central de emer- o gência e informa os dados básicos sobre o acide: aci (colisão de veículos, atropelamen- tência | to, queda, violência com arma de fogo ou bran a aca, neo soterramento, incêndio, ré- , número de vítimas, condição das vítimas, tipo de at nto que está sendo prestado, local do a-| p cidente (endereço exato e referências sobre o melhor acesso). hospi- Os cuidados pré-hospitalares exigem meios de transporte adaptados, equipe treinada em tal trauma e reanimação básica e avançada (cirurgiões, enfermeiros, bombeiros, paramédicos, defesa civil), alarl € além de materiais e equipamentos para reanimação cardiopulmonar e para os procedimentos necessá- resgate rios. As medidas mais importantes durante o resgate e transporte ao Hospital de Trauma são a manu- tenção de vias aéreas, controle de hemorragias externas, tratamento do choque, imobilização e transpor- te rápido ao hospital apropriado mais próximo. Os objetivos do atendimento pré-hospitalar são: A) Segurança da área (do paciente e da equipe) B) Avaliação inicial e abordagem de emergência (A- B-C-D-E) ver abaixo C) Estabilização do paciente e procedimentos con- forme os protocolos D) Proteção do pescoço com colar cervical e imobili- zação da vitima E) Comunicação ao centro médico (número de viti- mas, gravidade das lesões e nível de instabilida- ” de do paciente, procedimentos realizados e pre- visão de tempo de chegada) F) Identificação dos sinais da gravidade do caso (cri- térios adiante), sabendo determinar qual pacien- te pode ser transferido para o hospital próximo e o qual deve ser transferido o mais rapidamente possível até um Centro de Referência em Trauma. O tipo de atendimento no local depende do tipo de acidente, da gravidade das lesões, do es- core de gravidade do trauma, da distância até o Centro de Trauma e do treinamento e equipamento da equipe, variando entre os exiremos de “resgatar e correr para o hospital” a “reanimar e estabilizar bem o | paciente antes do transporte”. Nem todos os pacientes devem ser levados ao Centro de Trauma, casos | menos graves podem ser atendidos em hospitais regionias, prontos-socorros e serviços médicos de ur- | gência locais, Os critérios de triagem para que o paciente seja levado ao Centro de Trauma principal da | região estão listados nos quadros a seguir ! O transporte para o centro hospitalar |se faz em ambulâncias, em helicópteros ou em | aeronaves equipadas para prestar suporte avan- cado de vida durante todo o trajeto. A importância 5 do resgate por helicópteros aumenta muito em casos de pacientes críticos a mais de 30 Km do Centro de Trauma e nos locais de trânsito intenso. | O método de transporte depende das | condições do paciente, da distância até o centro | de referência, do local do acidente e das condi- | ções climáticas. | A comunicação com o Centro de Trauma deve ser mantida durante todo o tempo, informando as condições da vítima e a previsão de tempo de chegada.