Capítulo 3, Notas de estudo de Química
juliana-portacio-9
juliana-portacio-9

Capítulo 3, Notas de estudo de Química

30 páginas
50Números de download
1000+Número de visitas
100%de 0 votosNúmero de votos
Descrição
john russel quimica geral vol 1
80 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 30
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 30 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 30 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 30 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 30 páginas
Microsoft Word - Capítulo 3

132

Capítulo 3

TERMOQUÍMICA

TÓPICOS GERAIS

3.1 APRIMEIRA LEI DA TERMODINÂMICA

O calor

O trabalho

A energia

3.2 O CALOR E A ENTALPIA

A entalpia

A entalpia e a energia

3.3 CALORIMETRIA

A capacidade calorífica

3.4 AS EQUAÇÕES TERMOQUÍMICAS

Lei de Hess

As reações de formação

3.5 A COMBUSTÂO DO CARVÂO:

UMA ILUSTRAÇÂO TERMOQUÍMICA,

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only.

133

As reações químicas sempre estão acompanhadas de uma liberação ou absorção de

energia, ainda que a quantidade de energia seja às vezes pequena. Se a energia dos produtos é

menor que a energia dos reagentes, então, enquanto a reação avança, energia é liberada. Por outro

lado, se a energia dos produtos é maior que aquela dos reagentes, o sistema absorve energia das

vizinhanças durante o curso da reação. Em qualquer caso, a quantidade de energia liberada ou

absorvida expressa a variação da energia na mistura que reage. Isto, por certo, está de acordo com

a lei da conservação de energia.

Num sistema é possível ganhar ou perder energia de muitas maneiras; neste capítulo,

contudo, consideraremos somente o calor e o trabalho mecânico. Na Seção 1.5, estabelecemos

que o calor é uma forma de energia em trânsito de um objeto para outro.

Pode-se imaginar o calor como uma forma adquirida de energia, quando ele passa naturalmente

de um objeto mais quente para outro mais frio. Contudo, sempre que após um objeto ter

absorvido, digamos, 200 joules de calor das vizinhanças, ele não tem mais os 200 joules de calor

que tinha anteriormente. Após absorver o calor, o objeto realmente possui mais energia, mas essa

energia já não está mais na forma de calor.

O trabalho também pode ser considerado como uma forma de energia em trânsito. Uma

maneira de aumentar a energia de um sistema é realizando trabalho sobre ele; mas depois, o

sistema não "contém mais trabalho". Além disso, se o sistema realiza trabalho sobre as

vizinhanças, então ele não "perde trabalho", ainda que experimente uma diminuição na energia.

Veremos que a relação entre o calor, o trabalho e a variação de energia de um sistema é

basicamente uma.

A termoquímica refere-se ao estudo das transferências de calor que ocorrem durante as

transformações químicas e algumas transformações físicas. É uma parte da disciplina

termodinâmica, que será o assunto do Capítulo 17.

A PRIMEIRA LEI DA TERMODINÂMICA

Em química, muitas vezes falamos sobre sistemas. Um sistema é uma parte do universo

que desejamos estudar, discutir, ou talvez só visualizar. Freqüentemente, as dimensões de um

sistema são escolhidas de maneira que possamos trabalhar com ele (ou imaginar que

trabalhamos) convenientemente no laboratório; pode estar contido num tubo de ensaio, num

béquer ou num balão, por exemplo.

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only.

134

Um sistema pode ser uma substância pura ou uma mistura, e pode ser um gás, um líquido,

um sólido ou alguma combinação destes. Como já mencionado, a relação entre o calor, o trabalho

e li variação de energia de um sistema é importante; de fato, é a pedra fundamental da ciência.

Começaremos este capítulo introduzindo esta idéia básica.

O CALOR

Representamos a quantidade de calor pelo símbolo q, definido como segue:

q = quantidade de calor absorvida por um sistema

Esta definição significa que q é um número positivo quanto o sistema absorve calor das

vizinhanças. Quando o fluxo de calor está na direção oposta, isto é, quando o. sistema perde calor

para as vizinhanças, q é um número negativo. O processo pelo qual um sistema absorve calor é

chamado de endotérmico, e aquele no qual o sistema perde calor chamado exotérmico. Em

resumo:

Como o calor é uma forma de energia, q pode ser expresso em joules (J). (Veja Seção

1.7.) Quando estão envolvidas grandes quantidades de calor (ou alguma outra forma de energia) é

usado freqüentemente o quilojoule (kJ).

Talvez a característica mais importante do calor seja a de fluir natural ou espontaneamente

de um sistema mais quente (temperatura mais alta) para um sistema mais frio (temperatura mais

baixa). Embora seja possível "transferir" calor de um sistema mais frio para um outro mais

quente (isto é, aquilo que um refrigerador e um condicionador de fazem), um gasto de energia é

requerido para produzir a transferência de calor em um sentido não-natural. Assim como os

objetos físicos caem naturalmente e não sobem, o calor flui naturalmente de uma região mais

quente para uma mais fria, e não da região fria para a mais quente.

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only.

135

O TRABALHO

Na Seção 1.5, estabelecemos que o trabalho mecânico é realizado quando um objeto se

movimenta contra uma força oposta.Depois disto, o objeto tem mais energia do que tinha

anteriormente. Em outras palavras, realizar trabalho sobre um sistema é uma maneira de

aumentar a energia do sistema. O trabalho é geralmente representado pelo símbolo w e é definido

como segue:

w =quantidade de trabalho realizado sobre o sistema.

O trabalho pode ser feito sobre o sistema, ou as vizinhanças de um sistema podem realizar

trabalho sobre este. Para qualquer sistema, w é um número positivo quando as vizinhanças

realizam trabalho sobre o sistema e negativo quando o sistema realiza trabalho sobre as

vizinhanças. Resumindo:

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only.

136

Para nós, a maneira mais importante pela qual o sistema pode realizar trabalho é por

expansão; assim, ele empurra suas vizinhanças. A Figura 3.1a mostra um sistema que realiza

trabalho enquanto se expande e empurra um pistão. Para que ocorra a expansão a força exercida

pelo sistema sobre o pistão deve ser maior que a força externa exercida pelo pistão (vizinhanças).

Trabalho é feito sobre o sistema por suas vizinhanças quando ele é comprimido. A Figura 3.1b

mostra tal processo; neste caso, a força exercida sobre o pistão pelo sistema é menor que a força

externa e, assim, produz-se a compressão, ao invés de expansão. Em resumo:

Enquanto não há calor transferido entre o sistema e suas vizinhanças, a quantidade de

trabalho feita sobre o sistema é igual ao aumento da energia do sistema. Do mesmo modo, a

quantidade de trabalho feita pelo sistema sobre suas vizinhanças é igual à diminuição de energia

do sistema. É conveniente expressar o trabalho em joules ou quilojoules.

A ENERGIA

A energia é geralmente representada pelo símbolo U. Ainda que a energia absoluta de um

sistema não possa ser medida, variações na energia de um sistema são mensuráveis.

Agora nós introduziremos um importante símbolo: a letra maiúscula grega Δ (delta) que é

geralmente usada para designar "variações em". Em geral, a variação no valor de alguma

quantidade de X é representada como M, que é definida como o valor de X no estado final menos

seu valor no estado inicial, isto é,

ΔX = X final – X inicial

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only.

137

Utilizando esta convenção, a variação na energia de um sistema se escreve como ΔU,

onde

ΔU = U final - U inicial

Vimos que a energia de um sistema pode ser aumentada adicionando calor ao sistema (q >

0) ou realizando trabalho sobre ele (w > 0). A energia de um sistema pode diminuir retirando-se

calor dele (q < 0)ou permitindo que o sistema realize trabalho sobre a vizinhança (w < 0). Se

nenhum trabalho é realizado sobre ou pelo sistema, o aumento da energia do sistema

simplesmente iguala-se a qualquer calor absorvido, ou:

ΔU = q (não há trabalho realizado)

Por outro lado, se trabalho é realizado pelo ou sobre o sistema, mas não há calor

absorvido ou liberado:

ΔU = w (não há calor transferido)

Quando calor e trabalho estão envolvidos, a variação da energia de um sistema está

relacionada com estas quantidades por:

ΔU =q + w

Esta relação é conhecida como a primeira lei da termodinâmica (Em alguns textos,

especialmente os mais antigos, w é definido como o trabalho realizado pelo em vez de sobre o sistema. De acordo

com esta velha convenção, a primeira lei é escrita como. ΔU = q - w.)

Comentários Adicionais

A primeira lei da termodinâmica é uma definição algébrica da lei de conservação de

energia e a pedra fundamental da ciência. Ela simplesmente estabelece que, se a energia de um

sistema é acrescida por alguma quantidade, então uma quantidade equivalente de calor ou

trabalho deve ser fornecida ao sistema. (Em outras palavras, a energia deve vir de algum lugar.)

Do mesmo modo, se a energia de um sistema diminui, então a perda de energia não é realmente

perdida, ela é gasta como calor ou como trabalho. (Em outras palavras, a energia de um sistema

deve ir para algum lugar.) A primeira lei é perfeitamente geral, visto que nós podemos

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only.

138

classificar todas as formas de energia transferida como calor ou trabalho. (Em alguns casos,

quando isto não é conveniente, outros termos são adicionados ao lado direito da relação ΔU=q

+ w de maneira a incluir explicitamente outras formas de energias.) Por enquanto,

consideraremos apenas as maneiras como o calor e o trabalho alteram a energia de um sistema.

Exemplo 3.1 4,0 kJ de calor são fornecidos a uma quantidade de ar. Calcule ΔU para o ar

se (a) nenhum trabalho é realizado pelo ar, (b) o ar se expande e realiza 0,5 kJ de trabalho; (c) 1,0

kJ de trabalho é realizado na compressão do ar ao mesmo tempo que ele é aquecido.

Solução: (a) Nenhum trabalho é realizado, e assim o w é igual à zero:

ΔU = q + w = 4,0 kJ+ 0 =4,0 kJ

(b) Como alguma energia do sistema é utilizada para realizar trabalho de expansão (w = -

0,5 kJ), o aumento de energia do sistema será menor que na Parte a.

ΔU = q+ w = 4,0 kJ + (- 0,5 kJ) = 3,5 kJ

(c) Desta vez, o trabalho de comprimir o ar (w = 1 kJ) origina um aumento na energia do

ar ainda maior do que aquele realizado na Parte a.

ΔU =q + w = 4,0 kJ + 1,0 kJ = 5,0 kJ

Problema Paralelo: Uma quantidade de ar é expandida e realiza 5,0 kJ de trabalho.

Quanto calor é fornecido ao ar se a energia do ar aumenta em (a) 5,0 kJ, (b) 2,0 kJ, (c) 0 kJ?

Resposta: (a) 10,0 kJ, (b) 7,0 kJ, (c) 5,0 kJ.

3.2 O CALOR E AENTALPIA

A primeira lei da termodinâmica mostra que a quantidade de calor que é absorvida ou

liberada pelo sistema durante uma variação depende de como a variação ocorre. Especificamente,

depende de quanto trabalho é feito durante o processo. Por enquanto, limitaremos nossas

considerações sobre trabalho ao trabalho de expansão. Sob esta restrição, se o sistema é

impedido de se expandir (ou de se contrair), isto é, se é mantido em volume constante, não pode

fazer trabalho nem pode ser feito trabalho sobre ele durante qualquer transformação. Para

processos onde nenhum trabalho de expansão pode ser realizado, a primeira lei mostra que:

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only.

139

q =ΔU - w = Δ.U – 0 = ΔU (a volume constante).

O que, quer dizer que o calor absorvido durante um processo a volume constante é igual à

variação da energia do sistema.

A ENTALPIA

Em geral, os processos a volume constante não são tão importantes para nós como os

processos onde o trabalho de expansão ou compressão podem ser realizados. No laboratório, a

maioria dos processos são conduzidos à pressão constante, ou quase constante, e não a volume

constante. A quantidade de calor, q, absorvido durante o processo tem um valor fixo. Da primeira

lei vemos que:

q = ΔU - w

O que quer dizer que o calor absorvido durante o processo é igual ao aumento na energia

do sistema menos qualquer trabalho realizado sobre o sistema. O calor absorvido sob condições

de pressão constante é representado de um modo especial. É chamado variação de entalpia, H,

do sistema (A palavra entalpia provém do alemão enthalten, "conter". Um nome antigo, mas impróprio para entalpia é "conteúdo calórico".

(Daqui para frente consideraremos H corno símbolo para esta quantidade.) Nós definiremos entalpia rigorosamente na Seção 17.1.) Isto é,

q = ΔH (à pressão constante)

E por isso

ΔH = ΔU n

Comentários Adicionais

Por enquanto, consideremos que a expressão "ΔH" é uma forma simples de dizer "calor

absorvido à pressão constante". Uma razão para focalizar processos à pressão constante é que

freqüentemente observamos reações que se realizam sob condições de pressão constante ou

quase constante, tal como a pressão constante da atmosfera.

A ENTALPIA E A ENERGIA

Em muitos processos que ocorrem sob pressão atmosférica simples, o trabalho realizado

sobre ou pelo sistema é comparativamente pequeno, algumas vezes insignificante.

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only.

140

Quando um mol de gelo funde a uma atmosfera (abreviada atm, é uma unidade de pressão

que não faz parte do sistema SI, embora seja usada normalmente. A definição desta unidade e a

relação desta com outras unidades de pressão são encontradas no Capítulo 4. A pressão (ar)

barométrica ao nível do mar muitas vezes não está longe de 1 atm.) de pressão, por exemplo,

pouco trabalho é realizado porque a variação em volume da água é muito pequena. Neste caso,

como o sistema contrai um pouco enquanto o gelo funde, as vizinhanças realizam uma pequena

quantidade de trabalho sobre o sistema. Contudo, como a variação de volume é tão pequena, este

trabalho chega somente a 0,0002 kJ. Em comparação, a quantidade de calor, q, absorvido durante

este processo à pressão constante é muito maior, 6,01 kJ. Neste caso, w é tão pequeno que é

desprezível quando comparado com o calor absorvido, e como ΔH = ΔU - w,

ΔH ≈ ΔU

Isto significa que quando o gelo funde à pressão constante, o aumento na energia da água

é essencialmente igual ao calor absorvido. (O símbolo significa "é aproximadamente igual a".)

Isto pode ser mostrado assim:

H2O(s) H2O(l) ΔH ≈ ΔU = 6,01 kJ/mol

Nas transformações físicas e químicas que envolvem somente líquidos e sólidos, é comum

ΔHe ΔU diferirem somente numa pequena quantidade. Mesmo nos casos onde o trabalho de

expansão é maior, como ocorre freqüentemente quando gases estão envolvidos, é ainda comum

que o w seja uma quantidade consideravelmente menor que ΔU. Por exemplo, quando 1,00 mol

de água é fervido a 100 °C e a 1 atmosfera de pressão, ΔH, o calor absorvido pela água é 40,7 kJ,

e w é - 3,1 kJ. (O sinal de menos em w significa que o sistema realiza trabalho sobre as

vizinhanças, assim como a expansão que ocorre durante a variação de líquido a gás.) Por isso;

como

O processo de ebulição pode ser mostrado como:

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only.

141

Isto significa que, dos 40,7 kJ de calor para ferver um mol de água, 37,6 kJ são

empregados para realizar a conversão do líquido a gás, e um adicional de 3,1 kJ é empregado

para realizara trabalho de empurrar a atmosfera.

A equação termoquímica (ver Seção 3.4),

Nos diz que 40,7 quilojoules de calor são absorvidos por um mol de água líquida quando

é fervida a uma pressão constante de 1 atm. Isto também significa que a 100 °Ce 1 atm, a entalpia

de 1,00 mol de água gasosa é 40,7 kJ maior que a água líquida.

Sob as mesmas condições, 40,7 kJ de calor devem ser removidos de 1,00 mol água gasosa

(vapor) a 100 °C para ser condensada:

Observe que o sinal de menos significa que o calor é perdido pelo sistema. As variações

de entalpia na ebulição e condensação da água são mostradas esquematicamente na Figura 3.2.

Exemplo 3.2 Uma certa reação se realiza à pressão constante. Durante o processo, o

sistema absorve das vizinhanças 125 kJ de calor, e como o sistema se expande no decorrer

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only.

142

reação, ele realiza um trabalho de 12 kJ sobre as vizinhanças. Calcule o valor de q, w, ΔU, ΔH do

sistema.

Solução: Do enunciado do problema,

q = 125 kJ

w = -12 kJ

Como o processo se realiza à pressão constante,

ΔH = q = 125 kJ

Da primeira lei, temos que:

ΔU = q+ w = 125 kJ + (-12 kJ) = 113 kJ

Problema Paralelo: Uma certa reação química se realiza à pressão constante e libera 225

kJ de calor. Enquanto oprocesso se realiza, osistema se contrai quando as vizinhanças realizam

trabalho de 15 kJ. Calcule os valores de q, w, ΔU, e ΔH do sistema. Resposta: q = -225 kJ, w =

15 kJ, ΔH = -225 kJ, ΔU= -210 kJ.

Comentários Adicionais

É bem possível que neste ponto você não se sinta seguro o suficiente quanto à

compreensão do conceito de entalpia. De fato, é verdade que ainda não definimos rigorosamente

esta quantidade. (Ela virá mais tarde no Capítulo 17.) Por enquanto, é suficiente lembrar que a

variação de entalpia, ΔH, é uma quantidade usada para indicar o total de calor absorvido ou

liberado durante um processo realizado à pressão constante. Daqui em diante neste livro,

virtualmente toda absorção e emissão de calor serão indicadas especificando o valor de ΔH para

cada processo.

3.3 CALORIMETRIA

O calor liberado ou absorvido durante as transformações físicas e químicas é medido no

laboratório por meio de um calorímetro (provém da palavra calorie (cal), que não é uma unidade SI de energia. A

princípio uma caloria foi definida como a quantidade de calor necessária para aumentar a temperatura da água de 14,5 °C para

15,5 °C. Agora é definida em termos de unidade SI, o joule: 1 cal = 4,184 J, exatamente.) Um tipo de calorímetro é a

bomba calorimétrica, mostrada na Figura 3.3. Os reagentes são colocados num recipiente de aço

de paredes resistentes chamado bomba, o qual está imerso numa quantidade de água contida num

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only.

143

recipiente isolado. Após terem sido medidas as temperaturas inicial da água e do interior do

calorímetro, a reação inicia-se, muitas vezes, pela passagem de uma corrente elétrica através de

um fio para ignição; como foi mostrado. A variação de temperatura é acompanhada, e a

temperatura final é determinada.

A CAPACIDADE CALORÍFICA

Para calcular a quantidade de calor liberada ou absorvida durante a reação, é necessário

conhecer a capacidade calorífica do interior do calorímetro, incluindo a bomba, os ser

componentes e a água. A capacidade calorífica de um sistema é a quantidade de calor necessária

para elevar a temperatura de um sistema em 1°C. Para uma substância pura

como a água num calorímetro, a capacidade calorífica é muitas vezes expressa por mol daquela

substância e então é chamada capacidade calorífica molar, C (Relacionado à capacidade calorífica de uma

substância está o seu calor específico, a razão de sua capacidade calorífica e a da água. Os calores específicos não têm dimensões;

eles são numericamente iguais às capacidades caloríficas quando estas são expressas em termos de calorias e gramas, isto é, como

cal/°C g). . As unidades SI para a capacidade calorífica molar são joules por grau Celsius por mol,

abreviadas:

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only.

144

J °C mol

Nota: É comum escrever unidades complexas como estas numa única linha, como neste

caso:

J °C-l mol-l

Isto é dito do mesmo modo como joule por grau Celsius por mol.

Comentários Adicionais

Observe que quando uma unidade complexa se escreve desta maneira, as unidades

individuais são tratadas como se fossem símbolos algébricos. Tal como x / yz pode ser escrita

como xy 1z-1, pode também J / °C mol ser escrito como JC-1mol-l. Esta é uma forma normal de

escrever unidades complexas e as empregaremos freqüentemente deste ponto em diante. Um

outro exemplo é "quilojoules por mol", ou kJ / mol , que pode ser escrito na forma kJmol-l.

A capacidade calorífica relaciona a quantidade de calor, q, absorvida por substância ao

aumento de temperatura de um sistema. Se nós representarmos ΔT como a variação de

temperatura (ΔT= T final – Tinicial), C, a capacidade calorífica molar, e n o número de mols de

substância, então:

q = n C ΔT

As capacidades caloríficas molares de algumas substâncias são dadas na Tabela 3.1.

Ainda que as capacidades caloríficas variem um pouco com a temperatura, o efeito é muitas

vezes insignificante. Além disso, elas dependem de a pressão ou o volume serem mantidos

constantes. (Ver Seção 3.2.) Os valores dados na Tabela 3.1 estão em condições de pressão

constante.

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only.

145

Comentários Adicionais

A aplicação da análise dimensional a uma relação algébrica dó "mundo real" muitas

vezes fornece a compreensão dessa relação. Por exemplo, considere a fórmula q = n C ΔT e

substitua as unidades de cada termo pelo mesmo termo correspondente, isto é, J por q, mol por

n, J °C-1 mol-1 por C, e °C por ΔT. É possível visualizar que ambos os membros da equação têm

unidades de energia? Entender as partes de uma fórmula ou equação toma mais fácil sua

memorização.

Exemplo 3.3 Uma amostra de 15,0 g de ouro (capacidade calorífica 25,4 J °C-l mol-1) é

aquecida de 16,1 °C para 49,3 °C. Na hipótese de que a capacidade calorífica do ouro seja

constante neste intervalo, calcule a quantidade de calor absorvida pelo ouro.

Solução: A massa atômica do ouro é 197. Portanto, 15,0 g de ouro é:

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only.

146

Problema Paralelo: Um pedaço de cobre de 75,0 g é resfriado de 128,2 para 24,l °C.

Empregando os dados da Tabela 3.1, calcule quanto calor é liberado pelo cobre. Resposta: 3,00

kJ.

Os calorímetros são projetados para manter a transferência de calor entre o interior e as

vizinhanças a um mínimo valor absoluto. Numa bomba calorimétrica, assume-se que a

quantidade de calor absorvido (ou liberado) pela combinação de água, o interior do calorímetro, a

bomba e a mistura reagente seja igual à produzida (ou absorvida) pela reação que ocorre na

bomba.

O método para calcular a quantidade de calor produzido ou absorvido durante uma reação

é melhor mostrado num exemplo:

Exemplo 3.4 Uma amostra de 0,828 g de metanol (álcool de madeira, CH3OH) é colocada

numa bomba calorimétrica com uma quantidade de gás oxigênio (sob pressão) suficiente para

assegurar a combustão completa. O calorímetro contém 1,35 kg de água, e capacidade calorífica

do interior do calorímetro (sem água) é 1,06 kJ °C-1.

Quando o metanol queima, a temperatura aumenta de 23,10 para 25,90 °C. Qual é calor

molar de combustão do metanol? (Quanto calor é liberado durante a combustão de 1,00 mol de

metanol?)

Solução: O calor liberado quando 0,828 g de metanol queima é absorvido em parte pela

água e em parte pelo calorímetro. O número de mols de água (massa molecular 18,0) é:

A variação da temperatura é:

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only.

147

Da Tabela 3.1, achamos a capacidade calorífica molar da água, CH2O sendo 75,3 J°C -1mol-1.

O calor absorvido pela água é então:

O calor absorvido pelo interior do calorímetro, qcal, é:

Onde Ccal é a capacidade calorífica no interior do calorímetro. O calor total absorvido é:

E deve ser igual à quantidade de calor liberado na queima de 0,828 g de metanol. Como a massa

molecular do metanol é 32,0, o número de mols de metanol é

E, por isso, a quantidade de calor liberado quando 1,00 mol de metanol queima é:

Problema Paralelo: Uma amostra de 0,728 g de etanol (álcool de cereais, C2H5OH) é

queimada no mesmo calorímetro do exemplo anterior. Neste experimento, a quantidade de água

no calorímetro é 1,20 kg, e a temperatura aumenta de 24,86 para 29,18 °C. Qual é o calor molar

de combustão do etanol? Resposta: 1,66 x 10 kJ mol-1.

O calorímetro é utilizado no laboratório para inúmeros propósitos, incluindo a

determinação da energia produzida na queima de combustíveis, e o "conteúdo calórico" dos

alimentos. (Acidentalmente, a caloria nutricional é realmente a quilocaloria - uma caloria

nutricional é igual a 4,184 kJ.) As medidas calorimétricas são utilizadas para ajudar a melhorar a

eficiência da energia dos processos químicos industriais.

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only.

148

3.4 AS EQUAÇÕES TERMOQUÍMICAS

Podemos observar (Seção 3.2) que, quando uma reação química se realiza à pressão

constante, a quantidade de calor liberado ou absorvido é expressa pela variação da entalpia do

sistema. Isto é chamado usualmente de calor de reação, ou entalpia da reação e, representado por

ΔH ou ΔHreação e seu sinal algébrico indica se a reação é endotérmica ou exotérmica(Ver Seção

3.1.) Revendo:

LEI DE HESS

A combinação de uma equação química balanceada e o correspondente valor de ΔH para a

reação é chamada equação termoquímica.

Quando 1,00 mol de carvão é queimado com um excesso de oxigênio à pressão constante,

1,00 mol de oxigênio é consumido, 1,00 mol de dióxido de carbono é formado, 393,5 kJ de calor

é liberado. A equação termoquímica para esta reação é:

C(s) + O2 (g) CO2(g) ΔH = - 393,5 kJ (3.1)

É possível realizar este processo em duas etapas. Primeiro, o carvão é queima em uma quantidade

limitada de oxigênio para formar monóxido de carbono:

C (s) +1/2 O2 (g) CO2 (g) ΔH = - 110,5 kJ (3.2)

Logo depois, o monóxido de carbono é queimado em oxigênio adicional para formar dióxido de

carbono:

CO (g) + 1/2 O2 CO2(g) ΔH = - 283,0 kJ (3.3)

Observe que o efeito líquido ou geral das reações (3.2) e (3.3) é o mesmo da reação (3.1).

Observe, também, que a soma algébrica dos valores de ΔH das reações (3.2), e (3.3) iguala-se

ao valor de ΔH da reação (3.1).

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only.

149

Isto ilustra o fato de que, quando as equações químicas são adicionadas como se fossem

equações algébricas, os valores de ΔH correspondentes podem também ser adicionados?

Este é um exemplo da Lei de Hess da soma de calor constante, geralmente conhecida

simplesmente como Lei de Hess.

Lei de Hess: a variação de entalpia para qualquer processo depende somente da

natureza dos reagentes e produtos e independe do número de etapas do processo ou da maneira

como é realizada a reação. A Figura 3.4 ilustra esquematicamente a Lei de Hess para o processo

C CO CO2.

AS REAÇÕES DE FORMAÇÃO

A Lei de Hess simplifica muito o trabalho de tabelar as variações de entalpia das reações,

eliminando a necessidade de uma imensa lista de todas as possíveis reações e seus

correspondentes valores de ΔH. Em vez disso, os valores de somente um tipo de reação, a reação

de formação, são tabelados, e estes podem ser utilizados para calcular os valores de ΔH das

outras reações. A reação de formação é aquela em que um mol de um único produto é formado a

partir de seus elementos (não-combinados). A reação de carvão com oxigênio para formar

dióxido de carbono é um exemplo de uma reação de formação:

C(s) + O2 (g) CO2(g)

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only.

150

Comentários Adicionais

Por que a seguinte reação não é classificada como reação de formação?

CO (g) +1/2 O2 (g) CO2 (g)

Resposta: Porque o reagente, CO, não é um elemento não combinado.

Os valores de ΔH das reações de formação são geralmente tabelados, no caso em que cada

substância está no seu estado padrão, ou seja, na forma mais estável a 1 atmosfera de pressão.

Então; o valor de ΔH na reação de formação é chamado de calor padrão de formação, ou

entalpia padrão de formação do produto. Ele é representado pelo símbolo ΔH°f, onde o índice

superior ° indica estado padrão, e o índice subscrito, f, formação. Ainda que a temperatura não

esteja contida no termo estado padrão e a substancia tenha, portanto, um estado padrão para cada

temperatura, os calores-padrão de formação geralmente são tabelados a temperatura de 25°C. A

Tabela 3.2 fornece os calores-padrão formação de algumas substâncias. Mais valores são dados

no Apêndice G.

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only.

151

Observe que na Tabela 3.2 aparecem os calores-padrão de formação para alguns

compostos. Isto ocorre porque na formação de um elemento a partir dele mesmo, tal como:

H2(g) H2(g),

Não há realmente nenhuma variação e, desse modo, o valor de ΔH° para: essa "não-

reação" deve ser zero. (H produtos – H reagentes = 0) Assim, a entalpia-padrão de formação de

um elemento não-combinado é zero.

A variação da entalpia de uma reação química é o calor absorvido quando a reação se

verifica sob condições de pressão constante. Quando todos os reagentes e produtos estão no

estado padrão, ΔH°, dá-se o nomede calor padrão de reação, ou entalpia-padrão de reação.

O exemplo seguinte ilustra o uso dos calores-padrão de formação no cálculo do calor

padrão da reação. Observe que a inversão da equação da reação ocasiona uma mudança de sinal

algébrico no valor de ΔH, pois reagentes se transformam em produtos e vice-versa.

Exemplo 3.5 Utilizando a Tabela 3.2, calcule ΔH° para a seguinte reação a 25°C:

NH3(g) + HCl(g) NH4Cl(s)

Solução: Da tabela podemos obter os seguintes calores molares de formação:

Comentários Adicionais

O "mol-1"em cada uma das unidades anteriormente citadas é lido "por mol" e refere-se ao

fato de que, em cada caso, um mol de uma substância é formado. Nas reações em que "mol-1"

não é apropriado, ele é omitido e a unidade é dada só com "kJ". De qualquer forma, o valor de

ΔH sempre corresponde aos números de mais mostrados na equação.

Além disso, observe que, porque escrevemos cada equação para mostrar a formação de

somente um mol de produto a partir de seus elementos, foi necessário utilizar coeficientes

fracionários nos reagentes.

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only.

152

Se invertermos as primeiras duas equações anteriores mudando o sinal de cada valor de

ΔH, e logo as adicionarmos à terceira equação, obtemos:

Problema Paralelo: Calcule ΔH° a 25 °C para a reação:

Se você observar de perto o Exemplo 3.5 verá que a resolução utilizada para calcular o

valor de ΔH° da reação

Pode ser resumida como se segue:

Observe que cada termo do lado direito das igualdades consiste em produto de um

coeficiente na equação balanceada vezes o calor molar de formação da substância. (Neste

exemplo todos os coeficientes são iguais a 1.) Isto ilustra o fato de que o calor da reação é igual à

soma dos calores de formação dos produtos menos a soma dos calores de formação dos

reagentes, ou, em notação matemática,

[A letra grega maiúscula Σ (sigma) significa "soma".]

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only.

153

Exemplo 3.6 Determine o calor padrão molar de combustão do metanol, CH3OH, em

oxigênio para formar dióxido de carbono e vapor de água

Solução: A equação balanceada para esta reação é:

Observe que cada calor molar de formação é multiplicado pelo número de mols da

substância que aparece na equação balanceada.

Problema Paralelo: Repita o cálculo anterior, assumindo que há formação de água

líquida. (Antes de começar, pergunte-se: deve ser produzido mais ou menos calor?). Resposta: -

726,1 kJ. (Uma quantidade maior é liberada quando nenhum calor é usado para vaporizar a água.)

3.5 A COMBUSTÃO DO CARVÃO: UMA ILUSTRAÇÃO TERMOQUÍMICA

No mundo de hoje, o carvão é o combustível mais usado. Além disso, mais energia

química está potencialmente disponível de conhecidas reservas de carvão do que de qualquer

outra fonte na terra, com a possível exceção do óleo de xisto. O carvão está longe de ser uma

substância pura; é composto em grande parte de carbono, mas podem estar presentes outros

elementos, incluindo enxofre, oxigênio, nitrogênio, cálcio, ferro, hidrogênio, silício e alumínio.

Como o carvão é uma mistura complexa, não é possível escrever uma equação termoquímica

única que represente corretamente sua combustão.

Quando a forma mais estável de carbono puro, o grafite, é queimado com excesso de

oxigênio, forma-se o dióxido de carbono. Quando ele é queimado por um: quantidade limitada de

oxigênio, o monóxido de carbono é formado. As equações termoquímicas para estas duas reações

são:

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only.

154

Os carvões são classificados tomando-se por base o seu conteúdo de carbono e o calor que

produzem quando queimam. Na Tabela 3.3 são registrados quatro tipos de carvões, junto com

seus calores de combustão aproximados, por grama. Além disso, o correspondente calor de

combustão do carbono puro (grafite) é mostrado para efeito de comparação.

Tabela 3.3 Calores de combustão de alguns carvões, por grama.

O carvão é muito usado como fonte de carbono para obter outros combustíveis. Um

importante combustível industrial, o gás de água, é uma mistura de gases hidrogênio e

monóxido de carbono. Ele é obtido pela reação do vapor com o carbono do carvão, a

temperaturas elevadas.

A mistura resultante é mais fácil de queimar em grandes fornos e queimadores do que o

carvão, por ser um gás e não produzir cinzas. A mistura pode ser queimada diretamente e as duas

reações de combustão são:

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only.

155

Ou pode ser tratado com mais vapor para converter CO em CO2

O hidrogênio na mistura pode reagir com mais carbono do carvão para formar metano:

O processo global para converter carvão e água em metano (e o subproduto dióxido de

carbono) é a soma das Equações (3.4), (3.7) e (3.8):

Na mistura resultante dos gases, o dióxido de carbono não tem valor combustível, mas o

calor molar de combustão do metano é alto:

Por grama, o calor de combustão do metano é ainda mais alto do que o do carvão, e

mistura combustível é mais fácil de ser introduzida nos queimadores.

Comentários Adicionais

Observe de novo as Equações (3.5) e (3.6); elas mostram o que acontece na queima de

uma mistura de monóxido de carbono e hidrogênio. Observe ainda que devem ser escritas duas

equações separadas, uma para a queima de cada uma das duas substâncias, na mistura. Seria

incorreto combiná-la sem uma única equação. (Você consegue entender por quê? Pense na

estequiometria que estaria envolvida.).

RESUMO

A termoquímica é o ramo da química que diz respeito à relação entre calor e

transformações químicas. A quantidade de calor liberado ou absorvido num sistema reagente

depende (1) natureza da reação, isto é, dos reagentes e produtos, (2) das quantidades dos

reagentes, e (3) das condições impostas na mistura reagente. A termoquímica diz respeito

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only.

156

também à transferência de calor durante certos processos físicos, tais como as mudanças de

estado.

Quando a reação se verifica num recipiente fechado a volume constante, evitando assim

que a mistura que reage realize qualquer trabalho de expansão, o calor absorvido (q) é igual ao

aumento de energia (ΔU) do sistema.

q = ΔU (à volume constante

Quando o calor é absorvido, q e ΔU são quantidades positivas; quando o calor é liberado,

são negativas.

Quando a reação se verifica à pressão constante, a mistura que reage pode expandir-se

contra a pressão exercida pelas vizinhanças. Nesse caso, o calor absorvido, durante o processo é

igual ao aumento de entalpia (ΔH) do sistema.

q = ΔH (à pressão constante)

Quando a pressão é constante, a variação da entalpia, ΔH, é igual à variação da energia,

ΔH, menos o trabalho realizado sobre o sistema, w.

q = ΔH = ΔU - w (à pressão constante)

ΔH é positivo quando o calor é absorvido e negativo quando o calor é liberado.

A relação

q = ΔU - w

Muitas vezes escreve-se

ΔH = q + w

Esta relação representa a primeira lei da termodinâmica.

O calor liberado ou absorvido durante uma reação pode ser medido num calorímetro,

instrumento que contém uma quantidade de água conhecida e que ganha ou perde o calor perdido

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only.

157

ou ganho pelo sistema reagente. Esta quantidade pode ser calculada a partir do aumento ou

diminuição da temperatura da água e do calorímetro.

O aumento da temperatura de uma substância está relacionado à quantidade de calor que

ela absorve, de acordo com a equação.

q = nCΔT

Onde q é o calor absorvido, n é o número de mols da substância, ΔT é o aumento da

temperatura, e C é a capacidade calorífica molar da substância, que é a quantidade de calor

necessária para elevar a temperatura de um mol de 1°C.

A equação termoquímica expressa a relação entre a estequiometria molar de uma reação e

a quantidade de energia calorífica liberada ou absorvida. ΔHreação depende das identidades dos

reagentes e produtos, mas não do número ou natureza das etapas entre eles; este é um enunciado

da lei de Hess.

O calor-padrão ou entalpia de formação (ΔH°f) de um composto é o valor de ΔH° da

reação onde um mol do composto é formado a partir de seus elementos, todos em seu estado

padrão. O estado padrão de uma substância é a forma mais estável da substância a 1 atm de

pressão. Os valores de ΔH°f são úteis para calcular os valores ΔH°f dos vários tipos de reações.

PROBLEMAS

O Calor, a Energia e a Entalpia.

* 3.1 Quando uma determinada reação se verifica a volume constante, 10,0 kJ de calor é

absorvido pelo sistema das vizinhanças. Calcule o valor de (a) q? (b) ΔU? (c) ΔH (d) w

* 3.2 Uma determinada reação se realiza a pressão constante. Se 8,0 kJ de calor absorvido

pelo sistema, e 3,0 kJ de trabalho é realizado pelo sistema sobre as vizinhanças, qual é o valor de

(a) q? (b) ΔH? (c) w?

* 3.3 Uma reação se realiza a pressão constante. Se 8,0 kJ de calor é liberado pelo

sistema, e 2,0 kJ de trabalho é realizado pelo sistema sobre as vizinhanças, qual o valor de (a) q?

(b) ΔU?(c) ΔH?(d) w?

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only.

158

3.4 Por que ΔU e ΔH são aproximadamente iguais nos processos de fusão e congelamento,

mas são diferentes nos processos de vaporização e condensação?

3.5 Para quais dos seguintes processos são significativamente diferentes as medidas de ΔU

e ΔH?

(a) Fusão do CO2 sólido

(b) Sublimação do naftaleno sólido (mudança diretamente para gás)

(c) CaO sólido e CO2 gasoso juntos para formar CaCO3 sólido

(d) HCl gasoso e NH3 gasoso combinados para formar NH4Cl sólido

(e) H2 gasoso e Cl2 gasoso combinados para formar HCl gasoso.

3.6 Para cada um dos processos descritos no problema 3.5 onde ΔU e ΔH são

significativamente diferentes, determine qual das duas quantidades é maior.

Capacidade Calorífica

3.7 Calcule a quantidade de calor necessária para elevar a temperatura de 1,00 g ferro de

1,6 para 92,8°C.

3.8 Quando 4,4 kg de NaCl resfria de 67,2 para 25,0°C, quanto calor é ganho pelas

vizinhanças?

* 3.9 Uma amostra de 185 g de cobre a 72,1 °C é resfriada pela perda de 45,0 J de calor.

Qual é a temperatura final do cobre?

3.10 Um pedaço de 262 g de alumínio a 128,1 °C é imerso em 142 g de água a 14,6°C.

Qual é a temperatura final, se não há perda de calor no sistema?

* 3.11 Um pedaço de 25,0 g de ferro à temperatura de 14,4 °C é colocado em contato com

um pedaço de 35,0 g de ouro à temperatura de 64,1 °C.

(a) Assumindo que não há perda de calor pelo sistema combinado, calcular a temperatura final.

(b) Quanto calor ganha o ferro?

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only.

159

(c) Quanto calor perde o ouro?

3.12 Um anel de ouro à temperatura do corpo (isto é, 37,00 °C)é imerso em 20,0 g de

água a 10,0 °C. Se a temperatura final é 10,99°C, qual é a massa do anel? (Assuma que não há

perda ou ganho de calor pelo sistema combinado.)

Calorimetria

* 3.13 Uma amostra de 1,000 g de sacarose (açúcar de cana, C12H22O11) é colocada numa

bomba calorimétrica e queimada em oxigênio. O calorímetro contém 1,200 kg de água, e sua

temperatura aumenta de 22,90 para 25,54 /C. Se a capacidade calorífica total do interior do

calorímetro (sem água) é 1,230 kJ°C-1, qual é o calor molar de combustão da sacarose?

3.14 Uma amostra de 1,626 g de cânfora, C10H16O, é queimada em oxigênio num

calorímetro que contém 1,460kg de água a uma temperatura inicial de 22,14°C. A capacidade

calorífica do interior do calorímetro (sem água) é 1,226 kJ°C-l. Se a temperatura final é 30,74 °C,

qual é o calor molar de combustão da cânfora?

* 3.15 Uma amostra de 1,349 g de cafeína pura, C8H10O2N4 é queimada em oxigênio num

calorímetro que contém 1,828 kg de água. A capacidade calorífica total do interior do calorímetro

(sem água) é 1,648 kJ°C-1. Se a temperatura do sistema muda de 21,32 para 24,99 °C, qual é o

calor molar de combustão da cafeína?

Calores de Reação e a Lei de Ais

* 3.16 Calcule o calor-padrão molar de combustão do etanol, C2H5OH, para formar

CO2(g) e H2O(l).

3.17 Calcule o calor-padrão molar de combustão do metanol, CH3OH, para formar

CO2(g)e H2O(l).

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only.

160

3.18 A 25 °C o calor-padrão molar de formação da água líquida é -285,8 kJ mol-1, e da

água gasosa -241,8 kJ mol-1. Calcule o calor molar de vaporização da água a esta temperatura.

Compare sua resposta com o valor publicado, 40,7 kJ mol-1, e explique qualquer diferença.

* 3.19 O calor padrão de combustão do butano gasoso, C4H10, a 25 °C é -2,880 x 10 3 kJ

mol-1 quando os produtos são CO2(g) e H2O(1). Calcule o valor de ΔH°combustão se os produtos são

(a) CO2(g) e H2O(g) (b) CO(g) e H2O(l).

* 3.20 Calcule o valor de ΔH° a 25 C para cada uma das seguintes reações:

3.21 Calcule ΔH° a 25 °C para combustão do H2S(g) formando SO2(g) e H2O(l).

PROBLEMAS ADICIONAIS

3.22 Em algumas reações químicas, ΔU ΔH. Dê uma característica dos reagentes

produtos e uma característica das vizinhanças que conduzem a esta situação.

3.23 Calcule ΔH° a 25 °C para a reação

3.24 Quanto calor é necessário para elevar a temperatura de 525 g de cobre de 35 para

345 °C?

* 3.25 Uma amostra de 2,326 g de antraceno sólido, C14H10, é colocada num calorímetro e

queimada em oxigênio. O calorímetro tem uma capacidade calorífica de 1,626 kJ°C-1 e contém

1,148 kg de água. Se a temperatura medida aumenta de 24,126 para 38,667 °C, qual é o calor

molar de combustão do antraceno? (Use 75,29 J°C-1mol-1 para a capacidade calorífica molar da

água.)

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only.

161

3.26 Para a água o calor molar de fusão é 6,01 kJ mol-1 -I a 0 °C, e o calor molar de

vaporização é 40,66 kJ mol-1 a 100 °C. Se a capacidade calorífica média da água entre 0 e 100 °C

é 75,48 J °C mol-1, qual o valor de ΔH para o processo:

3.27 Calcule o valor de ΔH° a 25 °C para a reação:

3.28 O que é mais eficiente energeticamente: a conversão, por queima do carbono,

presente no carvão, para metanol (CH3OH), ou a queima do carbono diretamente? Explique.

3.29 O.que é mais eficiente energeticamente, a conversão, por queima do carbono,

presente no carvão para água gasosa, ou a queima do carbono diretamente? Explique.

3.30 O ΔH° de combustão de ácido benzóico, HC7H5O2, é -3227 kJ mol -1. Num

experimento, 0,8624 g de ácido benzóico é colocado num calorímetro e queimado em oxigênio.

A água no calorímetro tem uma massa de 1,046 kg, e sua temperatura aumenta de 23,812 para

27,920 °C. Num segundo experimento, 0,7421 g de codeína, C18H23O4N,é colocado no mesmo

calorímetro e queimado igualmente. Desta vez, o calorímetro tem 1,089 kg de água e sua

temperatura aumenta de 24,126 para 28,102 °C. Usando 75,290 J°C-1mol-1 como capacidade

calorífica da água, calcule (a) a capacidade calorífica do calorímetro (sem a água) e (b) o calor

molar de combustão da codeína.

3.31 Calcule ΔH° para a reação

* 3.32 Se o calor de combustão do hexano, C6H14, a 25 °C é -4163 kJ mol -1, qual é o

calor-padrão de formação do hexano nesta temperatura?

Generated by Foxit PDF Creator © Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only.

Até o momento nenhum comentário
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 30 páginas