Cartilha: Corredor Central da Mata Atlantica, Trabalhos de Ciências Florestais
priscila-brustin-3
priscila-brustin-3

Cartilha: Corredor Central da Mata Atlantica, Trabalhos de Ciências Florestais

52 páginas
50Números de download
1000+Número de visitas
100%de 0 votosNúmero de votos
Descrição
Trabalho de Pesquisa SOS Mata Atlantica
60 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 52
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 52 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 52 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 52 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 52 páginas
Projeto corredores

Ministério do Meio Ambiente Conservação Internacional

Fundação SOS Mata Atlântica

BRASÍLIA 2006

O CORREDOR CENTRAL DA MATA ATLÂNTICA

UMA NOVA ESCALA DE CONSERVAÇÃO

DA BIODIVERSIDADE

Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva

Ministério do Meio Ambiente Ministra Marina Silva

Secretário-Executivo Cláudio Roberto Bertoldo Langone

Secretária de Coordenação da Amazônia Muriel Saragoussi

Coordenadora do Programa-Piloto para Proteção das Florestas Tropicais Nazaré Lima Soares

PROJETO CORREDORES ECOLÓGICOS

Ministério do Meio Ambiente

Coordenador Geral Militão de Moraes Ricardo

Coordenador do Corredor Central da Mata Atlântica Roberto Xavier de Lima

Coordenador Técnico do Corredor Central da Mata Atlântica – Espírito Santo Marcelo Mores

Coordenador do Corredor Central da Amazônia Victor Paulo de Oliveira

Técnicos Ambientais Augusto Marcos de Oliveira Santiago (UCE/Bahia) Erico Grassi Cadermatori (UCG/Brasília) Felipe Martins Cordeiro de Mello (UCE/Espírito Santo) Márcio Amorim Maia da Silva (UCE/Amazonas) Renata Pires Nogueira Lima (UCG/Brasília) Tatiana Bichara Dantas (UCE/Bahia)

Técnicos Administrativo-Financeiros Jesuito Barbosa Cruz Jorge Luis Pereira

Unidades de Coordenação Estaduais – UCEs

Bahia

Governador do Estado Paulo César Ganem Souto

Secretário de Estado de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Jorge Khoury Hedaye

Coordenador Institucional do Projeto Corredores Ecológicos Carlos Augusto Pamponet Dantas

Coordenador Executivo Ivan Barreto de Carvalho Filho

Técnico Administrativo-Financeiro Hamilton Gonçalves

Estagiária Fernanda Gomes Lima

Espírito Santo

Governador do Estado Paulo Hartung Gomes

Secretária de Estado de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Maria da Glória Britto Abaurre

Secretário de Estado de Agricultura, Abastecimento, Aqüicultura e Pesca Ricardo Ferraço

Coordenadora Institucional do Projeto Corredores Ecológicos Sueli Passoni Tonini

Técnicos Ambientais Erica Rodrigues Munaro Evie Ferreira Costa Negro Gerusa Bueno Rocha Jayme Henrique Pacheco Henriques Sandra Ribeiro

Técnicos Administrativos Cláudia Santos Machado Patricia de Carli

Estagiários Antonio de Oliveira Junior Ligia Maria Conforti Protti Franciele Rodrigues Ramalho

ALIANÇA PARA CONSERVAÇÃO DA MATA ATLÂNTICA

CONSERVAÇÃO INTERNACIONAL

Presidente Angelo B. M. Machado

Vice-presidentes José Maria C. da Silva Carlos A. Bouchardet

Programa Mata Atlântica

Diretor Luiz Paulo S. Pinto

Equipe Adriana Paese Adriano Paglia Ivana R. Lamas Lúcio Bedê Mônica Fonseca

FUNDAÇÃO SOS MATA ATLÂNTICA

Presidente Roberto Luiz Leme Klabin

Vice-presidente Paulo Nogueira-Neto

Diretora de Gestão do Conhecimento Márcia Makiko Hirota

Diretor de Captação de Recursos Adauto Tadeu Basílio

Diretor de Mobilização Mario César Mantovani

Coordenadora da Aliança para Conservação da Mata Atlântica Érika Guimarães

Brasil. Ministério do Meio Ambiente. B823c O corredor central da mata atlântica : uma nova escala de

conservação da biodiversidade / Ministério do Meio Ambiente, Conservação Internacional e Fundação SOS Mata Atlântica. – Brasília : Ministério do Meio Ambiente ; Conservação Interna- cional, 2006.

46 p. : il. color., fots., maps.

Inclui bibliografia.

ISBN: 85-7738-014-9

1. Conservação no Brasil. 2. Diversidade biológica. 3. Conservação da natureza. 4. Mata Atlântica e biológica. I. Conservação Internacional. II. Fundação SOS Mata Atlântica. III. Título

CDU : 504.75

Ficha catalográfica elaborada pela Bibliotecária Ana Cristina de Vasconcellos – CRB / 6 - 505

Texto Ivana R. Lamas Luiz Paulo S. Pinto Mônica Fonseca Renata Pires N. Lima Roberto Xavier de Lima

Revisão de texto Ana Martins Marques Marcílio França Castro

Projeto gráfico GDESIGNG – Cláudia Barcellos

Fotos Cyro José Adriano Gambarini (p. 23 e 41) Bill Constant (p. 19)

APRESENTAÇÃO

A publicação que aqui apresentamos, resultado de uma parceria entre o Ministé-

rio do Meio Ambiente, por meio do Projeto Corredores Ecológicos, e a Aliança

para Conservação da Mata Atlântica, que congrega a Conservação Internacional e

a Fundação SOS Mata Atlântica, oferece uma contribuição fundamental aos técni-

cos e ao público em geral para a compreensão dos corredores ecológicos ou

corredores de biodiversidade.

A gestão territorial de corredores constitui uma experiência de mais de dez anos

no Brasil. Os corredores foram concebidos como forma de conectar áreas prote-

gidas, buscando-se sempre alternativas para o desenvolvimento de práticas de

pouco impacto nas áreas de interstícios com uma estratégia de ação descentrali-

zada. Sendo parte do Programa-Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais do

Brasil, o Projeto Corredores Ecológicos selecionou dois corredores como campo

inicial para a sua atuação: o Corredor Central da Mata Atlântica e o Corredor

Central da Amazônia.

No Corredor Central da Mata Atlântica, que abrange uma área de 8,5 milhões de

hectares, estão sendo realizadas ações de conservação dos recursos naturais por

meio da consolidação de unidades de conservação, da restauração ambiental, da

fiscalização e do monitoramento. Participação social é uma marca do programa,

desde o seu planejamento até a implantação das ações. O objetivo atual é con-

centrar investimentos e esforços na execução da segunda fase do Projeto, que se

inicia neste ano de 2006.

Do montante de recursos destinados ao Projeto para os quatro anos desta segun-

da fase, aproximadamente 49 milhões de reais estão reservados para o Corredor

Central da Mata Atlântica e provêm de doações do governo da Alemanha, por

intermédio do banco alemão Kreditanstalt für Wiederaufbau(KfW), do Fundo

Fiduciário para Proteção das Florestas Tropicais (RFT), administrado pelo Banco

Mundial e de contrapartidas da União e dos estados. Uma outra parcela de recur-

sos deve ainda ser obtida por meio de projetos que busquem o apoio da iniciativa

privada.

A integração entre o Ministério do Meio Ambiente e a Aliança para Conservação

da Mata Atlântica responde de forma exemplar ao compromisso do governo de

estabelecer parcerias com a sociedade civil para a gestão ambiental de territórios.

O objetivo é conciliar a conservação dos recursos naturais e a busca de alternati-

vas econômicas para as populações locais.

Esta publicação, ao relatar a experiência do Corredor Central da Mata Atlântica,

ajuda a perceber como um empreendimento complexo – o de criar uma nova

escala de conservação da biodiversidade – pode, com a participação de todos,

tornar-se concreto e bem-sucedido.

Marina Silva Ministra do Meio Ambiente

SUMÁRIO

O que é um corredor ecológico ou corredor de biodiversidade? ................ 9

Breve história do Projeto Corredores Ecológicos no Brasil ............................ 12

Estrutura institucional do Projeto Corredores Ecológicos ............................. 15

O Corredor Central da Mata Atlântica .................................................................... 19

Avanços na implementação do Projeto Corredores Ecológicos no Corredor Central da Mata Atlântica ................................................................. 23

Interfaces do Projeto Corredores Ecológicos .................................................. 23

Capacitação de atores sociais ........................................................................... 26

Monitoramento e conservação da biodiversidade ......................................... 27

Plano integrado de fiscalização e controle ...................................................... 30

O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos no Corredor Central da Mata Atlântica ........................................................................................... 32

Planejamento de paisagem e implementação dos corredores .................... 33

Expansão e fortalecimento de unidades de conservação ............................. 36

Proteção às espécies ameaçadas ..................................................................... 37

Outras ações do CEPF-Mata Atlântica .............................................................. 38

Perspectivas e desafios ............................................................................................... 41

Referências bibliográficas .......................................................................................... 45

O QUE É UM CORREDOR ECOLÓGICO OU CORREDOR DE BIODIVERSIDADE?

O Brasil é um dos países com maior biodiversidade do planeta: quase um

terço das florestas tropicais remanescentes do mundo estão em seu território,

e elas são reconhecidas como um dos mais importantes repositórios da diver-

sidade biológica global. Entretanto, por diversos fatores, essas áreas vêm sen-

do rapidamente convertidas para outros fins.

Grandes extensões de ecossistemas naturais são necessárias para a manuten-

ção da biodiversidade e de importantes processos ecológicos e evolutivos.

Hoje, as oportunidades de proteção de grandes áreas são reduzidas e, portan-

to, outras áreas, sujeitas a níveis variados de manejo e uso da terra, devem

também fazer parte das estratégias de conservação. As unidades de conserva-

ção geralmente são muito pequenas e isoladas; muito comumente, também,

os hábitats remanescentes não protegidos encontram-se fragmentados e sob

forte pressão e ameaça. Nessas circunstâncias, os esforços de conservação da

biodiversidade devem concentrar-se na ampliação da conectividade entre as

áreas remanescentes e no manejo da paisagem em vastas zonas geográficas

(Forman, 1995; Weins, 1996; Fonseca et al., 1997).

Para enfrentar esses desafios, o governo brasileiro e várias organizações não-

governamentais (ONGs) vêm desenvolvendo o conceito de corredor ecológico

UMA NOVA ESCALA DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

ou corredor de biodiversidade. Um

corredor corresponde a uma grande

área de extrema importância biológica,

composta por uma rede de unidades de

conservação entremeadas por áreas

com variados graus de ocupação huma-

na e diferentes formas de uso da terra,

na qual o manejo é integrado para

garantir a sobrevivência de todas as

espécies, a manutenção de processos

ecológicos e evolutivos e o desenvolvi-

mento de uma economia regional

forte, baseada no uso sustentável dos

recursos naturais (Sanderson et al.,

2003; Ayres et al., 2005).

Os corredores são configurados de

forma a favorecer a manutenção dos

processos dos ecossistemas que são

fundamentais para a sustentação da

biodiversidade a longo prazo (por

exemplo, a polinização e a dispersão de

sementes, o ciclo hidrológico e a cicla-

Os termos “corredor ecológico” e “corredor de biodiversidade” muitas vezes são usados para designar estratégias distintas. Alguns pesquisadores e conser- vacionistas utilizam o termo “corredor ecológico” referindo-se especificamente a trechos delimi- tados de vegetação nativa que conectam fragmentos. Os termos “corredor ecológico”, usado pelo Ministério do Meio Ambiente, e “corredor de biodiversidade”, usa- do pela Aliança para Conservação da Mata Atlântica, referem-se à mesma estratégia de gestão da paisagem e são tratados como sinônimos neste documento. Nessa concepção, os corredores englobam as unidades de conser- vação e as áreas com diferentes usos da terra. Os cordões de vegetação nativa que conectam fragmentos são um dos compo- nentes dos corredores, mas não o único.

gem de nutrientes) e permitir a mobilidade e o intercâmbio genético dos

componentes da flora e da fauna. Nesse contexto, fragmentos de hábitats

remanescentes desempenham importantes funções, como conectar ou

reconectar áreas maiores, manter a heterogeneidade da matriz de hábitats e

proporcionar refúgio para as espécies.

Os corredores não são unidades políticas ou administrativas, mas sim exten-

sas áreas geográficas definidas a partir de critérios biológicos para fins de

planejamento e conservação. Esses critérios têm por base o conhecimento

científico, como, por exemplo, a presença de espécies-chave relevantes nos

contextos global, regional e local (Aguiar et al., 2005; Ayres et al., 2005; Rambaldi

e Oliveira, 2005). Outros critérios técnicos, como a existência, o tamanho e o

número de áreas protegidas, os tipos de uso do solo, a representatividade das

comunidades bióticas, a diversidade de espécies, de ecossistemas e de hábitats

10

O CORREDOR CENTRAL DA MATA ATLÂNTICA

e a presença de espécies ameaçadas e endêmicas, são fundamentais e foram

considerados para a seleção dos corredores no Brasil. Para a implantação dos

corredores, são necessárias ações coordenadas que visem ao fortalecimento,

à expansão e à conexão do sistema de áreas protegidas e que incentivem as

formas de uso da terra de baixo impacto, como o adequado manejo florestal

e os sistemas agroflorestais.

O sucesso na implementação dos corredores requer um elevado grau de

envolvimento e cooperação entre as diversas instituições governamentais e

organizações da sociedade civil que atuam na região (Rambaldi e Oliveira,

2003; Fonseca et al., 2004; Ayres et al., 2005). Às ações de planejamento dos

corredores devem ser incorporadas intervenções em diferentes escalas espa-

ciais e temporais, buscando-se alternativas para uma forma mais abrangente,

descentralizada e participativa de conservação da biodiversidade. Não existe,

no entanto, uma forma definida para chegar a esses resultados. Cada corredor

tem suas características específicas e exigirá uma articulação própria entre as

políticas públicas e as comunidades atuantes em sua área.

Desde a sua concepção, os corredores vêm sendo adotados por várias orga-

nizações como estratégia de conservação da biodiversidade. O CEPF-Mata

Atlântica, por exemplo, tem como objetivo primordial assegurar o empenho

da sociedade civil nos esforços dirigidos à conservação da biodiversidade

em duas das regiões com mais alta biodiversidade da Mata Atlântica: o Cor-

redor da Serra do Mar e o Corredor Central da Mata Atlântica. A experiência

de implementação do Corredor Central da Mata Atlântica, com base nas

iniciativas do Projeto Corredores Ecológicos e do CEPF-Mata-Atlântica, é rela-

tada nesta publicação.

11

UMA NOVA ESCALA DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

BREVE HISTÓRIA DO PROJETO CORREDORES ECOLÓGICOS NO BRASIL

Até há pouco tempo, os principais instrumentos para proporcionar a conser-

vação da diversidade biológica in situ, sobre a qual o Estado exerce o direito

de posse e controle, eram as unidades de conservação públicas. O conceito

de corredores ecológicos ou corredores de biodiversidade é relativamente

novo. No Brasil, essa estratégia de conservação vem sendo construída dentro

do Ministério do Meio Ambiente desde 1997, com apoio do Banco Mundial,

por meio do Fundo Fiduciário da Floresta Tropical (RFT – Rain Forest Trust

Fund), no âmbito do Programa-Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais

no Brasil (PPG-7). Esse Programa lida com a dinâmica da fragmentação e

promove a formação e a conservação de grandes corredores na Amazônia e

na Mata Atlântica (Ayres et al., 2005).

Na fase de estruturação do Programa-Piloto, em meados dos anos 90, havia o

projeto denominado “Parques e Reservas”. As primeiras versões desse projeto

foram desenvolvidas pela Diretoria de Ecossistemas do Instituto Brasileiro do

Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) e propunham o

fortalecimento das unidades de conservação federais, com ênfase no planeja-

mento, na gestão participativa e em uma maior integração com a zona de

12

O CORREDOR CENTRAL DA MATA ATLÂNTICA

amortecimento, abordagem que já vinha sendo adotada no País. No processo

de discussão das propostas, buscaram-se procedimentos que avançassem além

do simples financiamento da elaboração dos planos de manejo, do investi-

mento em infra-estrutura e da capacitação de pessoal em unidades de

conservação.

O Programa-Piloto desenvolveu, entre 1996 e 1997, uma proposta que procu-

rava tornar viável a conservação da diversidade biológica a longo prazo a partir

do manejo de grandes extensões de terra, por meio da implantação de corre-

dores ecológicos na Amazônia e na Mata Atlântica, o que constituía uma

concepção inovadora para o País. Dessa proposta surgiu o Projeto Corredores

Ecológicos.

Os corredores ecológicos são definidos, no Projeto, como grandes áreas que

contêm ecossistemas florestais biologicamente prioritários e viáveis para a

conservação da biodiversidade na Amazônia e na Mata Atlântica. Integram

esses corredores conjuntos de unidades de conservação, terras indígenas e

áreas com diferentes formas de uso da terra. O Projeto prevê a formação de

quadros econômicos, sociais e políticos sustentáveis para conservar a

biodiversidade nos corredores.

Para a consecução do Projeto, foram indicados sete grandes corredores, cor-

respondentes a cerca de 25% das florestas tropicais úmidas do Brasil, sendo

cinco deles localizados na Amazônia (Corredor Central da Amazônia, Corredor

Norte da Amazônia, Corredor Oeste da Amazônia, Corredor Sul da Amazônia,

Corredor dos Ecótonos Sul-amazônicos) e dois, na Mata Atlântica (Corredor

Central da Mata Atlântica e Corredor Sul da Mata Atlântica ou Corredor da

Serra do Mar), conforme mostra a Figura 1. Recentemente, a Sociedade Civil

Mamirauá, no livro “Os Corredores Ecológicos das Florestas Tropicais do

Brasil”, relatou a construção desse conceito e mostrou os estudos e projetos

necessários para implementá-lo (Ayres et al., 2005).

Em função da complexidade do Projeto, iniciou-se um processo de discussão

e de ajustes sucessivos, com a realização de seminários e reuniões e a

emissão de pareceres técnicos por especialistas. Depois da missão de pré-

avaliação, foi criado no IBAMA, em junho de 1998, por iniciativa da Secretaria

Técnica do Programa-Piloto, um Grupo Técnico de Trabalho, com o objetivo

de realizar os últimos ajustes no Projeto Corredores Ecológicos e acompanhá-lo

13

UMA NOVA ESCALA DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

até a avaliação final. Esse Grupo Técnico de Trabalho, coordenado pelo IBAMA,

reunia representantes do Programa-Piloto no Ministério do Meio Ambiente;

de entidades de meio ambiente dos estados do Amazonas, da Bahia, do Espí-

rito Santo e de Minas Gerais; da Fundação Nacional do Índio (FUNAI); do

Grupo de Trabalho Amazônico (GTA) e da Rede de Organizações Não-Gover-

namentais da Mata Atlântica (RMA).

O documento que serviu de base para a avaliação final do Projeto Corredores

Ecológicos foi concluído em dezembro de 2000 pela Diretoria de Articulação

Institucional da Secretaria Executiva do Ministério do Meio Ambiente, após

várias discussões envolvendo a coordenação do Programa-Piloto, o Banco

Mundial e os doadores. O acordo de doação entre o Ministério do Meio

Ambiente e o Banco Mundial foi firmado em dezembro de 2001, e a efetivação

do Projeto ocorreu em março de 2002.

FIGURA 1Corredores propostos para o Brasil, segundo Ayres et al. (2005). Fonte: IBAMA/DIREC/CGEUC

14

O CORREDOR CENTRAL DA MATA ATLÂNTICA

Deu-se prioridade à implementação do Corredor Central da Amazônia e do

Corredor Central da Mata Atlântica tendo em vista o propósito de abordar e

testar diferentes condições nos dois principais biomas e, com base nas lições

aprendidas, preparar e apoiar a criação e a implantação dos demais corre-

dores (Ministério do Meio Ambiente, 2002).

Devido ao caráter inovador do Projeto, sua execução foi estabelecida em duas

fases. A primeira, financiada pelo Fundo Fiduciário das Florestas Tropicais (RFT),

administrado pelo Banco Mundial, com contrapartida do governo federal e

dos governos estaduais, fixou como objetivos estabelecer e operar a estrutura

institucional; elaborar os planos de gestão dos corredores; aprimorar os pro-

cedimentos de fiscalização e monitoramento; elaborar planos de manejo e

desenvolver ações em unidades de conservação selecionadas; e elaborar o

documento executivo para a segunda fase do Projeto.

Na segunda fase, será dada prioridade às ações de apoio à criação e à conso-

lidação de unidades de conservação, ao planejamento e à implantação de

minicorredores, à vigilância, à fiscalização e ao monitoramento. Para a

implementação dessas atividades, estão previstos recursos financeiros prove-

nientes do governo alemão, por meio de seu agente financiador, o Kreditanstalt

für Wiederaufbau (KfW), e da Comissão Européia. As metodologias e as abor-

dagens desenvolvidas, na primeira fase, para a proteção da biodiversidade

nos corredores selecionados deverão consolidar-se na segunda fase.

ESTRUTURA INSTITUCIONAL DO PROJETO CORREDORES ECOLÓGICOS

O Corredor Central da Mata Atlântica e o Corredor Central da Amazônia estão

sendo implementados por meio de acordos de cooperação técnica entre o Minis-

tério do Meio Ambiente e os estados do Amazonas, da Bahia e do Espírito Santo.

A estruturação institucional do Projeto tem buscado a mais ampla participa-

ção, por meio de um processo decisório descentralizado, que envolve, além

da União e dos estados, na função de mobilizadores, a sociedade civil e os

responsáveis pelas ações de conservação dos recursos naturais, na condição

de participantes nos comitês de gestão e executores.

15

UMA NOVA ESCALA DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

A gestão do Projeto Corredores Ecológicos envolve, pois, vários agentes de

decisão, que atuam em conjunto para promover a conservação da diversidade

biológica. O sistema de gerenciamento do Projeto é descentralizado tanto no

plano das decisões quanto no da execução e divide-se em quatro esferas de

ação: a de gerenciamento estratégico, a cargo da Unidade de Coordenação

Geral; a deliberativa, a cargo dos Comitês de Gestão; a operacional, a cargo

das Unidades de Coordenação Estadual; e a executiva, a cargo dos executores.

Unidade de Coordenação Geral

À Unidade de Coordenação Geral (UCG) do Projeto Corredores Ecológicos,

sob a responsabilidade do Ministério do Meio Ambiente, compete cuidar das

interfaces do Projeto com outras áreas do próprio Ministério, com outros minis-

térios, com doadores internacionais e com órgãos de apoio, como o Programa

das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e a Agência Alemã de

Cooperação Técnica (GTZ). A UCG assegura condições logísticas para que as

unidades de coordenação estaduais, os comitês e os executores possam rea-

lizar as ações que lhes competem. É nessa instância que se faz o gerenciamento

estratégico do Projeto, para garantir que sua implementação esteja de acordo

com os objetivos estabelecidos, com as diretrizes do Ministério e com os proce-

dimentos acordados com os agentes financeiros. Cabe também ao Ministério

do Meio Ambiente realizar a negociação do ajuste de políticas públicas

federais e estaduais com as diretrizes do plano de gestão de cada corredor.

Comitês de Gestão

As decisões sobre as ações necessárias e prioritárias em cada corredor são de

competência dos comitês de gestão, compostos, em caráter paritário, por re-

presentantes de órgãos governamentais e não-governamentais que atuam na

área. Esses comitês são responsáveis pelas seguintes ações: avaliação anual

da implementação do Projeto e aprovação dos relatórios semestrais de avan-

ço; monitoramento do desenvolvimento e aprovação dos planos de gestão;

proposição de critérios de seleção e classificação das atividades a serem

apoiadas; aprovação do Plano Operativo Anual (POA); aprovação de subprojetos

16

O CORREDOR CENTRAL DA MATA ATLÂNTICA

e atividades que receberão apoio do Projeto; participação no desdobramento

e na implementação de estratégias para a disseminação de informações sobre

os corredores; e desenvolvimento de parcerias para apoiar a implantação dos

corredores. Essa é uma estrutura que permite que cada um dos agentes

envolvidos seja considerado co-gestor e co-executor. Com esse mecanismo

de gestão, as decisões e as prioridades para a alocação de recursos estão mais

próximas da instância de execução.

Nos Corredores Centrais, os comitês estaduais da Reserva da Biosfera atuam

como os comitês de gestão do Projeto e possuem representantes de popula-

ções tradicionais, de ONGs ambientalistas, de setores produtivos e empre-

sariais e das três esferas governamentais. Essa forma de gestão assegura que

o governo e a sociedade compartilhem a responsabilidade pela conservação

da biodiversidade e planejem e atuem juntos na adequada utilização e dos

recursos naturais.

O compartilhamento das decisões tem levado a um engajamento efetivo dos

participantes. Progressivamente, os comitês de gestão vêm alterando suas

estruturas, com a inclusão de novos membros. No Corredor Central da Mata

Atlântica, participam dos comitês, hoje, 22 membros, 11 representantes

governamentais e 11 não-governamentais, em cada um dos estados (Bahia e

Espírito Santo).

17

UMA NOVA ESCALA DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

Unidades de Coordenação Estadual

As Unidades de Coordenação Estadual (UCEs) são responsáveis pela articula-

ção das ações dos parceiros nos corredores, pelos avanços nos procedimen-

tos de fiscalização e por outras atividades compartilhadas. As UCEs integram

a estrutura administrativa do Estado e são essenciais à implementação dos

corredores.

Em conjunto, os comitês de gestão e as UCEs são os responsáveis pelas nego-

ciações de ajuste de políticas públicas às propostas do plano de gestão do

corredor.

Executores

A estrutura institucional do Projeto conta ainda com uma ampla gama de

executores, que implementam as ações. Eles são os gestores de unidades de

conservação e os responsáveis por atividades como fiscalização e educação

ambiental.

No Corredor Central da Mata Atlântica, destacaram-se como executores na

primeira fase do Projeto: o IBAMA, o Centro de Recursos Ambientais (CRA) da

Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Bahia, o Minis-

tério Público da Bahia, o Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos

Hídricos (IEMA) e a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Hídricos

do Espírito Santo, a Secretaria de Estado de Agricultura do Espírito Santo, o

Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo (IDAF), o Institu-

to Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (INCAPER)

e ONGs.

18

O CORREDOR CENTRAL DA MATA ATLÂNTICA

O CORREDOR CENTRAL DA MATA ATLÂNTICA

O Corredor Central da Mata Atlântica tem mais de 8,5 milhões de hectares e

estende-se por todo o estado do Espírito Santo e pela porção sul da Bahia

(Figura 2). Ele abrange dois centros de endemismo, definidos com base na

área de distribuição de vertebrados (Müller, 1973; Kinzey, 1982; Costa et al.,

2000; Silva et al., 2004), de borboletas (Tyler et al., 1994) e de plantas (Prance,

1982; Soderstrom et al., 1988). Nessa região, ocorrem várias fisionomias de

floresta ombrófila, além de florestas semideciduais, restingas e manguezais,

ao longo dos estuários. O extremo sul da Bahia e o norte do Espírito Santo

constituem uma das principais áreas de mata de tabuleiro (uma variação da

floresta ombrófila densa) do Corredor Central da Mata Atlântica.Comparada

com as outras formações de matas neotropicais, a mata de tabuleiro é incomum

devido à grande diversidade de espécies e à elevada densidade de lianas

(Peixoto e Gentry, 1990).

O Corredor Central da Mata Atlântica apresenta extrema riqueza biológica e

abriga muitas espécies de distribuição restrita e ameaçadas de extinção

(Prado et al., 2003; Aguiar et al., 2005; Ayres et al., 2005; IPEMA, 2005). Em

estudo realizado pelo herbário da Comissão Executiva do Plano da Lavoura

Cacaueira (CEPLAC) e pelo Jardim Botânico de Nova York em uma reserva

19

UMA NOVA ESCALA DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

privada no município de Uruçuca (BA), foram encontradas 458 espécies de

árvores em um hectare de floresta, recorde mundial de riqueza de plantas

lenhosas (Thomas et al., 1998). Outro estudo, realizado na Estação Biológica

de Santa Lúcia (ES), em área de floresta submontana (entre 600 e 900 metros

de altitude), revelou a existência de 443 espécies de árvores também em um

único hectare (Thomaz e Monteiro, 1997). A região entre os estados da Bahia

e do Espírito Santo destaca-se ainda pela presença de diversos táxons tipica-

mente amazônicos associados à costa atlântica (Aguiar et al., 2005).

A grande diversidade de espécies revela-se, também, na fauna de vertebra-

dos. As comunidades de primatas do sul da Bahia e das terras altas do Espírito

Santo são de particular interesse, tendo em vista que essa região é uma das

poucas em que ocorrem os seis gêneros de primatas da Mata Atlântica. As 12

espécies que ocorrem no Corredor representam 60% das espécies de primatas

endêmicos da Mata Atlântica (Pinto, 1994).

O Corredor Central da Mata Atlântica possui mais de 50% das espécies de

aves endêmicas do bioma (Cordeiro, 2003). Uma diversidade de aves excep-

cionalmente elevada aparece na Bahia. Foram descobertas recentemente

cinco novas espécies e um novo gênero (Acrobatornis) no sul do estado (Aguiar

et al., 2005).

A relevância e a diversidade de ecossistemas existentes dentro dos limites do

Corredor Central da Mata Atlântica, sejam eles terrestres (os mosaicos de flo-

restas e ecossistemas associados) ou costeiros e marinhos (os manguezais, as

restingas e as áreas de recifes de corais), todos com extrema importância

biológica e em rápido processo de degradação, indicam a necessidade urgen-

te de implantação dos espaços protegidos e de sensibilização dos moradores

da região (Prado et al., 2005; IPEMA, 2005).

O Corredor Central da Mata Atlântica possui 83 unidades de conservação. As

unidades estaduais abrangem 53% de toda a superfície protegida e possuem,

em média, 10.118 hectares. As 16 unidades de conservação federais totalizam

245.036 hectares, e as reservas privadas, 11.145 hectares. Esses espaços

protegidos são locais privilegiados para o estabelecimento de estratégias e

políticas públicas que visem ao restabelecimento e à manutenção da

conectividade biológica.

20

O CORREDOR CENTRAL DA MATA ATLÂNTICA

Figura 2 – Limites do Corredor Central da Mata Atlântica, de acordo com o

Projeto Corredores Ecológicos, com suas áreas protegidas.

21

UMA NOVA ESCALA DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

No Extremo Sul da Bahia encontra-se um dos mais importantes mosaicos de

unidades de conservação do Corredor, que compreende quatro parques nacio-

nais – Descobrimento, Monte Pascoal, Pau-Brasil e Abrolhos. Juntos, esses

parques mantêm cerca de 50.000 hectares de florestas e 90.000 hectares de

áreas marinhas. As pequenas bacias hidrográficas que essas unidades de con-

servação terrestres protegem são extremamente importantes não só para a

biodiversidade da Mata Atlântica, mas também para os recifes de coral e

outros ecossistemas marinhos do parcel de Abrolhos, da Reserva Extrativista

do Corumbau e do Parque Nacional Marinho de Abrolhos. Essa região consti-

tui-se no maior e mais rico conjunto de recifes de coral do Atlântico Sul, com

altíssimo grau de endemismo da fauna marinha (Werner et al., 2000). Já no

Espírito Santo, destaca-se o complexo formado pela Reserva Biológica de

Sooretama e pela Reserva Florestal de Linhares, que protegem cerca de 44.000

hectares de matas de tabuleiro.

As principais atividades econômicas do Corredor Central da Mata Atlântica

baseiam-se no cultivo do cacau, do eucalipto e do café, na pecuária e na

exploração do turismo. O sul da Bahia é a região que mais produz cacau no

Brasil. O cacau é plantado utilizando-se um sistema denominado cabruca. Na

cabruca, árvores nativas são mantidas para sombrear os pés de cacau, que

dominam o sub-bosque. Mais de 600.000 hectares de cacau são cultivados na

Bahia, 70% dos quais sob o sistema de cabruca (Araújo, 1997). A cabruca

abriga uma grande variedade de plantas e animais nativos (Pinto, 1994; Moura,

1999) e contribui para conectar unidades de conservação. O eucalipto, princi-

pal matéria-prima para a produção de celulose, ocupa parcelas significativas

de terra no extremo sul da Bahia e no centro-norte do Espírito Santo.

No Espírito Santo está o pólo industrial de celulose mais importante do Brasil.

As empresas florestais possuem mais de 800 mil hectares de terra no Corredor,

e cerca de 35% deles são formados por fragmentos florestais em diferentes

estágios sucessionais. Isso significa que existe aí um extenso mosaico de

formações florestais com grande potencial para melhorar a conectividade ao

longo do Corredor. Mais ao sul, especialmente na região serrana capixaba,

área de ocorrência de populações importantes da preguiça-de-coleira (Bradypus

torquatus) e do muriqui-do-norte (Brachyteles hypoxanthus), um dos 25

primatas mais ameaçados do mundo, predomina a cultura cafeeira.

22

O CORREDOR CENTRAL DA MATA ATLÂNTICA

AVANÇOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO CORREDORES ECOLÓGICOS NO CORREDOR CENTRAL DA MATA ATLÂNTICA

O planejamento do Corredor Central da Mata Atlântica está avançando por meio

de um processo de intensa participação das instituições que atuam na região.

Como parte da estratégia, foram indicadas 11 áreas prioritárias para a segun-

da fase do Projeto, que estão sendo denominadas áreas focais. Essas áreas

focais foram definidas a partir do aprimoramento das informações existentes

e correspondem aos espaços estratégicos assinalados nas Figuras 3 e 4.

INTERFACES DO PROJETO CORREDORES ECOLÓGICOS

Mais de 200 organizações envolveram-se na primeira fase do Projeto Corre-

dores Ecológicos, que também manteve relações de parceria direta ou indire-

ta com projetos e políticas do Ministério do Meio Ambiente, entre os quais se

destacam as ações de capacitação em gestão ambiental nos municípios

(realização de dez encontros regionais, envolvendo todos os municípios do

estado do Espírito Santo, para discutir e incentivar a formação de corredores

23

UMA NOVA ESCALA DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

FIGURA 3 – Áreas focais do Projeto Corredores Ecológicos na Bahia.

24

O CORREDOR CENTRAL DA MATA ATLÂNTICA

FIGURA 4 – Áreas focais do Projeto Corredores Ecológicos no Espírito Santo.

25

UMA NOVA ESCALA DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

ecológicos); a promoção da fiscalização ambiental integrada, por meio da

realização de campanhas e de capacitação; e a gestão descentralizada, com o

envolvimento de diferentes fóruns e organizações da sociedade civil. Ressalte-se,

ainda, o apoio às ONGs, por meio de oficinas de elaboração de projetos para

o edital “Mosaicos de áreas protegidas: uma estratégia de desenvolvimento

territorial com base conservacionista”, publicado pelo Fundo Nacional do Meio

Ambiente (FNMA), e para o edital dos Projetos Demonstrativos da Mata Atlân-

tica (PDA-Mata Atlântica).

Dentro do mesmo esforço de integração, as áreas prioritárias de conservação

da Mata Atlântica do PROBIO foram utilizadas como base para a escolha das

áreas focais da segunda fase do Projeto, e promoveu-se a articulação com o

Programa dos Sítios do Patrimônio Natural do Brasil em áreas de atuação

comum.

CAPACITAÇÃO DE ATORES SOCIAIS

Uma vez que a participação é muito importante para o sucesso das estratégias

do Projeto Corredores Ecológicos, um grande investimento foi feito em

capacitação de atores sociais. Na primeira fase do Projeto foram realizadas 47

oficinas de capacitação, que envolveram aproximadamente mil pessoas, entre

técnicos do IBAMA, representantes das organizações estaduais de meio ambi-

ente, dos municípios, das ONGs, das unidades de conservação (incluindo as

Reservas Particulares do Patrimônio Natural – RPPNs) e do setor privado e

lideranças locais.

No Espírito Santo, foi realizada uma série de treinamentos com o objetivo de

divulgar o conceito de corredor, auxiliar na elaboração de políticas públicas

para subsidiar a implantação dos corredores e promover a atualização profis-

sional de técnicos e fiscais envolvidos com as ações do Projeto, destacando-se

os seguintes cursos: atualização sobre fiscalização ambiental nos corredores

ecológicos, workshop sobre o plano de prevenção e combate a incêndios flo-

restais, gestão ambiental em assentamentos de reforma agrária, ecoturismo,

estímulo à formação de RPPNs no Espírito Santo, ICMS ecológico, além do

seminário “Unidades de conservação: novos temas em debate” e do fórum

técnico capixaba de ecoturismo e turismo sustentável.

26

O CORREDOR CENTRAL DA MATA ATLÂNTICA

Dentre as atividades realizadas no estado da Bahia, destaca-se a oficina sobre

gestão e manejo de unidades de conservação do Corredor Central da Mata

Atlântica, com a participação de 25 gestores, que apontaram soluções para os

problemas relacionados com as unidades de conservação inseridas no Corre-

dor e discutiram temas como conservação da biodiversidade, presença das

monoculturas, introdução de espécies exóticas da fauna e da flora, elaboração

de planos de manejo, método de avaliação ecológica rápida e fontes de finan-

ciamento nacionais e internacionais para áreas protegidas. Foi também reali-

zado um curso de fiscalização ambiental, com 130 horas de duração.

Em cada um dos estados, Bahia e Espírito Santo, foi realizado um curso de

interpretação ambiental, com o objetivo de difundir um novo modo de ver a

mata e de formar multiplicadores das práticas de interpretação ambiental.

Ambos os estados também promoveram um curso sobre métodos e técnicas

de condução de reuniões e sobre planejamento participativo, tendo como

público-alvo os gestores de unidades de conservação e membros do Comitê e

dos Subcomitês da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica.

MONITORAMENTO E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

As unidades de conservação também têm sido foco das ações do Projeto

Corredores Ecológicos. Dentro dos limites do Corredor Central da Mata Atlân-

tica, sete unidades de conservação tiveram planos de manejo realizados, oito

receberam apoio para a formação de conselhos gestores e cinco, para implan-

tação de infra-estrutura.

No estado da Bahia, destacam-se as seguintes atividades:

elaboração dos planos de manejo do Parque Estadual Serra do Conduru e da Área de Proteção Ambiental (APA) do Pratigi;

atualização e mapeamento da cobertura florestal e levantamento socioambiental da APA Itacaré/Serra Grande;

revisão do zoneamento das APAs Itacaré/Serra Grande e Tinharé/Boipeba; implantação dos conselhos gestores da APA Tinharé/Boipeba e do Parque

Estadual Serra do Conduru;

implementação de ações de agroecologia no entorno dos Parques Nacionais do Monte Pascoal e do Pau-Brasil;

27

UMA NOVA ESCALA DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

aquisição e instalação de equipamentos para a implementação dos planos de manejo do Parque Estadual Serra do Conduru e das APAs do Pratigi e

Itacaré/Serra Grande;

apoio à formação dos conselhos gestores das APAs Santo Antônio, Caraíva/ Trancoso e Ponta da Baleia/Abrolhos e da Estação Ecológica Wenceslau

Guimarães;

monitoramento da cobertura florestal do estado da Bahia.

No Espírito Santo, destacam-se:

elaboração do plano de manejo do Parque Estadual da Pedra Azul; levantamento da avifauna e da mastofauna e investimentos em infra-estrutura

de fiscalização e combate a incêndios florestais no Parque Estadual do Forno

Grande;

implantação de infra-estrutura para educação ambiental, fiscalização e com- bate a incêndios florestais e do sistema de radiocomunicação do Parque

Estadual de Itaúnas;

apoio à criação do Parque Nacional dos Pontões Capixabas, com a realização do levantamento fundiário da área.

Novas informações sobre a importância biológica de várias áreas foram obti-

das por meio dessas iniciativas. A partir da elaboração do plano de manejo da

APA do Pratigi, por exemplo, foram descobertos vários sítios arqueológicos na

região, 22 espécies de anfíbios foram adicionadas ao diagnóstico e 4 novas

espécies foram descobertas para a ciência, além de terem sido registradas

novas ocorrências para a área, a exemplo do peixe do gênero Rivulus, endêmico

do bioma. O diagnóstico do plano de manejo do Parque Estadual Serra do

Conduru confirmou a grande relevância da flora e da fauna dessa unidade de

conservação. Estudos de pesquisadores da Universidade Estadual de Santa

Cruz, durante a elaboração do plano de manejo do parque, registraram o maior

número de espécies arbóreas já detectadas em uma área: 144 espécies de

árvores, em apenas 1.000m2. Outro fato relevante foi o reconhecimento, por

meio da revisão do zoneamento da APA Itacaré/Serra Grande, da formação

vegetal denominada Campo Cheiroso como uma área relictual de extrema

relevância biológica. Essa formação havia sido anteriormente caracterizada

como agrícola/antropizada.

28

O CORREDOR CENTRAL DA MATA ATLÂNTICA

Para a segunda fase do Projeto Corredores Ecológicos, a criação de unidades

de conservação terá como base os trabalhos já em andamento da equipe

técnico-científica responsável pela proposta de criação e ampliação da rede

de unidades de conservação da Bahia. Essa equipe é constituída por represen-

tantes do Ministério do Meio Ambiente, do IBAMA, de organizações governa-

mentais estaduais e municipais, de organizações da sociedade civil e de

universidades com atuação na região. Os trabalhos contam ainda com o apoio

do Comitê e dos Subcomitês da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica.

O Projeto, que também recebe apoio do CEPF-Mata Atlântica, prevê a criação

de 14 e a ampliação de 3 unidades de conservação na porção baiana do

Corredor, aumentando em seis vezes a cobertura de espaços protegidos na

região. Segundo simulações realizadas, esse incremento no sistema de unida-

des de conservação teria impacto positivo direto sobre ao menos 35 espécies

de vertebrados terrestres endêmicas e ameaçadas, conforme a “lista verme-

lha” da União Mundial para a Natureza (IUCN), das quais 3 constam na cate-

goria “criticamente em perigo”, 17, na categoria “em perigo” e 15, na categoria

“vulnerável”. O incremento da área protegida atingiria 67% das espécies de

vertebrados terrestres ameaçadas e endêmicas da Mata Atlântica que ocor-

rem no Corredor Central e 78% das espécies que têm sua distribuição restrita

ao sul da Bahia. As novas unidades contribuirão também para incluir

ecossistemas ainda pouco ou nada representados pela rede atual de áreas

29

UMA NOVA ESCALA DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

protegidas, como as florestas submontanas, as florestas estacionais semi-

deciduais, as restingas e as muçunungas.

O Projeto Corredores Ecológicos possibilitou ainda a formação e o fortaleci-

mento da rede de gestores de unidades de conservação do Corredor Central

da Mata Atlântica, um fórum que facilita o estabelecimento de parcerias, a

troca de experiências, o desenvolvimento de planejamentos conjuntos e a

discussão de temas atuais relevantes para os gestores. Foram realizados, entre

2003 e 2005, três encontros de gestores de unidades de conservação do

Corredor Central da Mata Atlântica, por meio de uma parceria entre o Projeto

Corredores Ecológicos e as ONGs Conservação Internacional, Instituto de

Estudos Socioambientais do Sul da Bahia (IESB) e Associação Flora Brasil.

PLANO INTEGRADO DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE

Nos dois estados que fazem parte do Corredor Central da Mata Atlântica

foram elaborados planos integrados de fiscalização. Esses planos têm como

objetivo a integração dos diversos órgãos responsáveis pelas atividades de

fiscalização, a fim de unificar procedimentos e de garantir maior eficiência na

proteção e na conservação da biodiversidade. As ações integradas promovem

o fortalecimento das estruturas institucionais relacionadas com os setores de

licenciamento ambiental, vigilância e controle.

No Espírito Santo, o plano de fiscalização foi elaborado com a participação do

IEMA, do IDAF, do IBAMA, da Companhia de Polícia Ambiental e do Projeto

Corredores Ecológicos, tendo como principal estratégia o patrulhamento

aéreo da Mata Atlântica. As ações de fiscalização foram feitas com o uso do

helicóptero do governo do Estado. Foram realizados sobrevôos em dez dife-

rentes setores, com uma média de duração de cinco horas por setor e periodi-

cidade quinzenal. Agressões ambientais como desmatamentos, queimadas,

impactos causados por mineração e barragens irregulares foram identificadas

e georeferenciadas. Após a realização do patrulhamento aéreo, os pontos de

agressão eram plotados em mapas e encaminhados para as equipes de terra,

que se dirigiam aos locais indicados e, quando necessário, formalizavam autos

de infração, com informações sobre a localização, a situação encontrada e as

ações realizadas.

30

O CORREDOR CENTRAL DA MATA ATLÂNTICA

Na Bahia, está sendo consolidado o Plano Integrado de Fiscalização, um siste-

ma de cooperação administrativa entre órgãos públicos federais e estaduais

(CRA, IBAMA, Superintendência de Desenvolvimento Florestal e Unidades de

Conservação, Polícia Civil, Companhia de Polícia de Proteção Ambiental,

Polícia Federal, Polícias Rodoviária Federal e Estadual e Ministério Público),

que conta também com a participação da sociedade civil. O plano tem por

objetivo elevar a eficiência e a eficácia das ações de fiscalização e desenvolver

mecanismos de monitoramento e vigilância no Corredor Central da Mata

Atlântica. Também está sendo implementado um Programa de Capacitação,

Treinamento e Sensibilização Ambiental, para servir como instrumento de

planejamento participativo, visando à redução e à gradativa erradicação das

agressões ambientais. Participaram dos cursos realizados em Salvador e

Ilhéus, com 260 horas de aulas práticas e teóricas sobre temas relacionados

com a fiscalização ambiental, 130 técnicos e fiscais ambientais. Já foram

realizadas operações de fiscalização nas três sub-regiões do Corredor Central

da Mata Atlântica na Bahia (Baixo Sul, Sul e Extremo Sul). Será elaborado,

ainda, um roteiro de procedimentos administrativos e jurídicos para elevar a

eficiência e a eficácia das ações públicas de fiscalização e controle, para cuja

execução será firmado um acordo interinstitucional. Estão também sendo

realizados a revisão e o desenvolvimento de procedimentos para dar agilidade

ao andamento dos processos de crime ambiental, de modo a acelerar e tornar

efetivos a recuperação dos danos e o pagamento das multas.

31

UMA NOVA ESCALA DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

O FUNDO DE PARCERIA PARA ECOSSISTEMAS CRÍTICOS NO CORREDOR CENTRAL DA MATA ATLÂNTICA

O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF) é fruto de uma aliança

entre a Conservação Internacional, o Banco Mundial, o Fundo Mundial para o

Meio Ambiente (GEF), a Fundação MacArthur e o governo do Japão para

apoiar projetos de conservação dos hotspots de biodiversidade mundiais

(Mittermeier et al., 2004). O CEPF procura favorecer o engajamento da socie-

dade civil nesses projetos e promover alianças de trabalho entre grupos

comunitários, ONGs, instituições de ensino e pesquisa e o setor privado.

O CEPF destinou 8 milhões de dólares à Mata Atlântica, um dos hotspots

brasileiros, e desempenha um papel inédito nesse bioma ao valorizar a abor-

dagem de certos temas que complementam os objetivos estabelecidos pelo

Projeto Corredores Ecológicos. A coordenação local do Fundo nesse bioma é

realizada pela Aliança para a Conservação da Mata Atlântica, parceria entre a

Fundação SOS Mata Atlântica e a Conservação Internacional. A coordenação,

em conjunto com parceiros regionais, definiu duas regiões prioritárias para

investimentos em conservação: o Corredor Central da Mata Atlântica e o Cor-

redor da Serra do Mar. As linhas temáticas para investimento do CEPF na Mata

32

O CORREDOR CENTRAL DA MATA ATLÂNTICA

Os hotspots de biodiversidade são áreas que apresentam uma diversidade biológica única, com grande riqueza de espécies endêmicas, e que sofrem graves ameaças de destruição. Em todo o mundo, foram reconhecidos 34 hotspots, regiões que representam 2,3% da superfície terrestre e abri- gam 50% de todas as espécies de plantas e 42% das espécies de vertebrados terrestres do mundo.

Atlântica podem ser sintetizadas em:

planejamento de paisagem e implan-

tação dos corredores, expansão e

fortalecimento de unidades de

conservação e proteção às espécies

ameaçadas.

A operacionalização do CEPF na Mata

Atlântica dá-se pelo recebimento de

propostas por demanda espontânea

ou por meio de editais lançados

pelos Programas Especiais. Foram criados três Programas Especiais para facili-

tar o apoio a pequenos projetos: o Programa de Fortalecimento Institucional,

o Programa de Incentivo às RPPNs da Mata Atlântica e o Programa para Con-

servação de Espécies Ameaçadas da Mata Atlântica.

Pela demanda espontânea são apoiados projetos propostos por organizações

da sociedade civil, por institutos de pesquisa e pelo setor privado cujos temas

centrais estejam de acordo com as prioridades de investimento aprovadas

pelo Conselho de Doadores do CEPF. Desde o início de sua operação, em

2002, o CEPF-Mata Atlântica aprovou 45 projetos apresentados por demanda

espontânea e 201 pelos Programas Especiais. Os principais resultados dos

projetos relativos ao Corredor Central da Mata Atlântica, em cada linha temática,

são apresentados a seguir.

PLANEJAMENTO DE PAISAGEM E IMPLEMENTAÇÃO DOS CORREDORES

Muitos dos projetos apoiados pelo CEPF no Corredor Central da Mata Atlân-

tica envolvem estratégias variadas de conservação da biodiversidade, com

diferentes escalas de planejamento, podendo abranger desde localidades

restritas ou cursos d’água até bacias hidrográficas e grandes regiões, como a

região cacaueira tradicional, ou mesmo um estado inteiro.

Vários projetos objetivam a definição de áreas ou ações prioritárias para a

conservação, a exemplo do projeto “Conservação da biodiversidade da Mata

33

UMA NOVA ESCALA DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

Atlântica no estado do Espírito Santo”. Nessa mesma linha, estão sendo pro-

postas ações de manejo e conservação de ambientes de cavernas em

algumas regiões do Corredor Central da Mata Atlântica, a partir da avaliação

do estado de preservação dessas cavernas, da identificação das principais pres-

sões que atuam sobre elas e da análise das comunidades de invertebrados

cavernícolas.

O desenvolvimento de instrumentos legais para a conservação da diversidade

biológica é o foco de alguns projetos apoiados pelo CEPF-Mata Atlântica. Um

deles trata do fortalecimento de leis ambientais e de sua aplicação, com vistas

à integração e à melhoria da atuação dos órgãos de proteção dos recursos

naturais no Corredor Central da Mata Atlântica. Destaca-se também o diagnós-

tico sobre o tráfico de animais silvestres no Corredor, que levará à elaboração

de um plano estratégico de combate a esse crime ambiental. Com esses pro-

jetos, pretende-se incentivar a melhoria das ações de proteção e a articulação

entre os órgãos de pesquisa, gestão, manejo, fiscalização e controle.

Ainda no tocante ao desenvolvimento de instrumentos legais para conserva-

ção, tem destaque o apoio às listas de espécies da flora e da fauna ameaçadas,

já concluídas para o estado do Espírito Santo e em processo de elaboração

para a Bahia. As chamadas “listas vermelhas” são um instrumento importante

para o monitoramento do estado da biodiversidade e para a identificação de

estratégias de conservação de espécies.O governo federal e alguns estados

adotaram essa estratégia e estabeleceram políticas para a proteção das espé-

cies da fauna e da flora ameaçadas de extinção.

Diversas ações de recuperação florestal são executadas por projetos distintos,

como a implantação de um sistema sustentado de recuperação ambiental e

gestão coletiva da paisagem na bacia do rio Caraíva, operado pela comunida-

de local, e o incentivo à criação de um comitê de gestão da bacia. A produção

de mudas de espécies nativas do bioma, o plantio em áreas degradadas e a

promoção de cursos sobre recuperação ambiental para produtores rurais são

atividades comumente executadas por várias instituições parceiras do CEPF-

Mata Atlântica.

A busca de atividades econômicas compatíveis com a implantação do Corre-

dor Central da Mata Atlântica também é um tema estratégico que está sendo

discutido e implementado por meio de vários projetos, como o relativo aos

34

O CORREDOR CENTRAL DA MATA ATLÂNTICA

sistemas agroflorestais (SAFs) no Baixo Sul da Bahia, que inclui a realização de

um diagnóstico ecológico e socioeconômico, o resgate do conhecimento

formal e informal sobre SAFs, o intercâmbio de experiências entre as comuni-

dades agrícolas e estudos de viabilidade econômica dos SAFs.

O CEPF-Mata Atlântica também estabeleceu parceria com o Programa para a

Conservação da Biodiversidade nos Sítios do Patrimônio Mundial Natural do

Brasil. Os sítios do patrimônio natural são áreas com formações físicas, bioló-

gicas e geológicas excepcionais, locais de ocorrência de espécies animais e

vegetais ameaçadas e áreas de alto valor científico, de conservação ou estéti-

co. O Programa Sítios do Patrimônio Mundial no Brasil é uma ampla parceria

que envolve o Ministério do Meio Ambiente, a Organização das Nações

Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), a Fundação das

Nações Unidas, o WWF, a The Nature Conservancy e a Conservação Interna-

cional. A aliança entre o CEPF-Mata Atlântica e o Programa está em sua fase

inicial e visa a apoiar ações de conservação no Sítio da Costa do Descobri-

mento, que se encontra inteiramente inserido no Corredor Central da Mata

Atlântica e engloba cinco unidades de conservação (as Reservas Biológicas de

Una e de Sooretama, a RPPN Veracruz e os Parques Nacionais do Pau-Brasil,

do Monte Pascoal e do Descobrimento) e uma área privada (a Reserva Florestal

de Linhares). As atividades propostas envolvem ações estruturais, como pro-

teção de espécies e ecossistemas, conscientização e educação ambiental,

treinamento e promoção do ecoturismo e outras iniciativas de desenvolvi-

mento socioeconômico sustentável.

35

UMA NOVA ESCALA DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

EXPANSÃO E FORTALECIMENTO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Recursos do CEPF vêm sendo destinados para unidades de conservação

públicas e para reservas privadas. Os projetos que envolvem unidades de

conservação investem tanto em implantação, criação ou expansão de áreas

específicas quanto no fortalecimento do sistema de áreas protegidas.

O CEPF-Mata Atlântica apoiou a criação da equipe técnico-científica que traba-

lha, juntamente com o Ministério do Meio Ambiente, no aprimoramento de

uma proposta de ampliação da rede de unidades de conservação de proteção

integral na porção baiana do Corredor Central da Mata Atlântica, como rela-

tado no item “Monitoramento e conservação da biodiversidade (Avanços na

implementação do Projeto Corredores Ecológicos no Corredor Central da Mata

Atlântica)”.

Várias ações estão sendo conduzidas especificamente para o entorno das

unidades de conservação. A conexão entre os Parques Nacionais do Desco-

brimento e do Monte Pascoal, por exemplo, está sendo estimulada por meio

do incentivo à adoção de técnicas agrícolas de baixo impacto pelos agricul-

tores familiares e proprietários de terras. No entorno da Reserva Biológica de

Una estão sendo realizadas a identificação de modelos de sistemas

agroflorestais e de uso sustentável da terra e a disseminação desses modelos

entre os agricultores.

A disseminação de conhecimentos e de experiências que favoreçam a proteção

da biodiversidade, a diminuição das pressões sobre as unidades de conser-

vação e o uso adequado das zonas de amortecimento está sendo realizada

por meio de um programa de educação ambiental para alunos da rede escolar

e de um plano de capacitação de professores e de sensibilização de agricul-

tores e proprietários rurais que vivem no entorno de duas RPPNs na região Sul

da Bahia, que estão sendo chamadas de Centros de Difusão Ambiental.

Um diagnóstico sobre a efetividade do manejo das unidades de conservação

estaduais e federais do estado do Espírito Santo foi realizado e poderá servir

de referência para o monitoramento e o planejamento dessas áreas. Estudos

dessa natureza servem como indicadores das condições das unidades e

da adequação das políticas nelas desenvolvidas. A aplicação da mesma

36

O CORREDOR CENTRAL DA MATA ATLÂNTICA

metodologia no sul da Bahia poderá fornecer uma visão integral das condi-

ções das unidades de conservação do Corredor Central da Mata Atlântica.

No bioma Mata Atlântica, devido às limitações do sistema público de áreas

protegidas, vem-se ampliando a importância da participação do setor privado

nas estratégias de conservação in situ da biodiversidade, principalmente por

meio da criação de RPPNs. Nesse contexto, o CEPF-Mata Atlântica, por meio

do Programa de Incentivo às RPPNs da Mata Atlântica, coordenado pela Alian-

ça para Conservação da Mata Atlântica, apóia diretamente os proprietários

rurais em iniciativas que promovam condições para a criação e a manutenção

de RPPNs. Nos quatro editais já lançados, o programa apoiou, no Corredor

Central da Mata Atlântica, 19 projetos voltados para a gestão de RPPNs e 20

projetos de criação de pelo menos 45 novas reservas. A maioria desses proje-

tos concentra-se na região cacaueira da Bahia. Esse incentivo permitirá a

duplicação do número de reservas no Corredor. O Programa diferencia-se por

permitir que um proprietário de terra, como pessoa física, seja proponente e

gestor dos recursos financeiros do projeto.

PROTEÇÃO ÀS ESPÉCIES AMEAÇADAS

No que se refere à proteção de espécies, são apoiados projetos mediante

demanda espontânea ou por meio do Programa de Espécies Ameaçadas, coor-

denado pela Fundação Biodiversitas juntamente com o Centro de Pesquisas

Ambientais do Nordeste (CEPAN). Os investimentos desse Programa, diferen-

temente das outras linhas de financiamento do CEPF-Mata Atlântica, não são

restritos aos corredores, mas estendem-se para todo o bioma.

Os recursos investidos por meio do Programa de Espécies Ameaçadas estão

contribuindo para aumentar os conhecimentos biológicos e para definir estraté-

gias de conservação para 15 espécies ameaçadas de extinção com ocorrência

no Corredor Central da Mata Atlântica: o pau-brasil (Caesalpinia echinata) e

bromélias do gênero Lymania; os invertebrados Leptagrion acutum (libélula)

e Heliconius nattereri (borboleta); os peixes peracuca (Kalyptodoras bahensis),

andirá (Henochilus wetlandii), surubim-do-doce (Steindachneridion doceana)

e mero (Epinephelus itajara); as aves mutum-do-sudeste (Crax blumenbachii)

e papagaio-chauá (Amazona rhodocorytha); e os mamíferos rato-da-árvore

37

UMA NOVA ESCALA DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

(Phyllomys unicollor), preguiça-de-coleira (Bradypus torquatus), muriqui

(Brachyteles hypoxanthus), bugio-marrom (Alouatta guariba guariba) e

macaco-prego-do-peito-amarelo (Cebus xanthosternos).

Outros projetos desenvolvidos a partir da demanda espontânea merecem

destaque, por tratarem de espécies raras ou endêmicas do Corredor, como

aqueles sobre viabilidade populacional do macaco-prego-do-peito-amarelo

(Cebus xanthosternos), sobre a definição das áreas prioritárias para a conser-

vação do mico-leão-da-cara-dourada (Leontopithecus chrysomelas) e sobre

promoção da conservação e do uso sustentável de uma rede de áreas impor-

tantes para a conservação de algumas das espécies de aves mais ameaçadas

da Mata Atlântica: macuquinho-baiano (Scytalopus psychopompus),

gravatazeiro (Rhopornis ardesiaca)esaíra-apunhalada (Nemosia rourei).

Essas áreas são consideradas como Important Bird Areas (IBAs) pela BirdLife

International.

Estudos que envolvem a avaliação de espécies exploradas economicamente

também auxiliam na implantação dos corredores, além de contribuir para o

manejo adequado dessas espécies. Destaca-se o estudo do estoque pesquei-

ro do caranguejo-uçá (Ucides cordatus), espécie ameaçada de sobreexplotação

(Instrução Normativa do MMA n° 5, de 21 de maio de 2004), cujos resultados

poderão também subsidiar o manejo dos manguezais de Canavieiras, na Bahia.

OUTRAS AÇÕES DO CEPF-MATA ATLÂNTICA

O CEPF-Mata Atlântica contribui para a consolidação e para uma maior arti-

culação e projeção de pequenas organizações que atuam em questões

ambientais nos corredores, por meio do Programa de Fortalecimento

Institucional. O Instituto de Estudos Socioambientais do Sul da Bahia (IESB)

coordena esse programa no Corredor Central da Mata Atlântica, e a Associação

Mico-Leão Dourado, no Corredor da Serra do Mar.

No Corredor Central, o programa, além de ter apoiado 33 projetos, realizou 7

oficinas de capacitação, envolvendo mais de 50 organizações. As oficinas

trataram dos temas gestão do terceiro setor, conservação da biodiversidade

e políticas públicas. Todas as instituições com projetos aprovados foram

38

O CORREDOR CENTRAL DA MATA ATLÂNTICA

visitadas, e foi criada uma rotina de compartilhamento de informações, assis-

tência na estruturação dos relatórios e apoio na elaboração de novos projetos.

Algumas ações do programa merecem destaque: a difusão de informações

sobre corredores e agroecologia, o incentivo à certificação de proprietários

agrícolas como produtores orgânicos, a recomposição florestal por meio do

plantio de mudas, a pesquisa científica e o apoio à criação de unidades de

conservação públicas e privadas.

Como resultado do apoio dado pelo Programa, muitas ONGs vêm conquis-

tando maior projeção no cenário conservacionista, e é nítida a sua evolução,

tanto no plano executivo quanto no de sua organização. Pelo menos 20 insti-

tuições já conseguiram novos apoios para seus trabalhos, que incluem desde

financiamentos para execução de projetos, a exemplo daqueles concedidos

pelo PDA-Mata Atlântica, até pequenos apoios institucionais e estruturais. E

novas conquistas são obtidas continuamente.

Outra iniciativa do CEPF-Mata Atlântica foi o desenvolvimento de um plano de

comunicação para os corredores. O plano de comunicação para o Corredor

Central da Mata Atlântica foi elaborado em uma oficina participativa liderada

pela Aliança para Conservação da Mata Atlântica, com a contribuição do Proje-

to Corredores Ecológicos e de outras instituições com atuação na região.

39

UMA NOVA ESCALA DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

Todos os produtos definidos como prioritários no plano estão sendo desen-

volvidos pelo CEPF. Foi criado um site na internet exclusivamente sobre os

corredores de biodiversidade da Mata Atlântica (www.corredores.org.br), no

qual, entre outras informações, apresenta-se a relação dos parceiros e dos

projetos apoiados pelo CEPF-Mata Atlântica. Além disso, foi lançada uma cam-

panha de divulgação do Corredor Central da Mata Atlântica e distribuído

material específico sobre esse Corredor. Está sendo mantida uma assessoria

de imprensa para ampla divulgação de questões de destaque para a mídia, e

há previsão de realização de oficinas sobre biodiversidade e conservação para

jornalistas.

Além dessas iniciativas, o livro “Mata Atlântica: biodiversidade, ameaças e

perspectivas”, publicado originalmente em inglês pelo Centro para Ciência Apli-

cada à Biodiversidade da Conservação Internacional, em 2003, foi traduzido

para o português e amplamente distribuído, principalmente entre instituições

de pesquisa, ONGs, órgãos de governo e ambientalistas da Mata Atlântica. O

objetivo dessa divulgação é contribuir para um melhor conhecimento sobre a

Mata Atlântica e recomendar indicadores e medidas de conservação da

biodiversidade para o bioma.

Os recursos destinados à Mata Atlântica pelo CEPF estão comprometidos nos

projetos em andamento, finalizados ou em fase de contratação. A previsão de

encerramento da atuação do CEPF no bioma é o final de 2007. Até essa data,

terão prosseguimento as atividades de monitoramento dos projetos, integração

entre as instituições envolvidas, execução do plano de comunicação e avalia-

ção geral de impacto do CEPF, bem como as de fortalecimento e estreitamento

das relações com outros programas existentes nos corredores. Será possível,

porém, perceber a influência do CEPF-Mata Atlântica por um período bem mais

extenso que o de sua atuação direta. Em primeiro lugar, em função dos resul-

tados concretos de conservação obtidos nas escalas de paisagem, áreas prote-

gidas e espécies, que irão perdurar por longo tempo. Em segundo lugar,

porque novos recursos financeiros estão sendo investidos por outras inicia-

tivas para dar prosseguimento aos projetos apoiados pelo CEPF ou aos que

estão surgindo como desdobramentos desses projetos iniciais.

40

O CORREDOR CENTRAL DA MATA ATLÂNTICA

PERSPECTIVAS E DESAFIOS

A adoção da concepção de corredores ecológicos ou de biodiversidade no

Brasil fez emergir uma nova etapa no desenvolvimento da estratégia de con-

servação do governo federal e das várias ONGs e desencadeou programas

mais ambiciosos, como é o caso do Projeto Corredores Ecológicos. O conceito

de corredor foi rapidamente incorporado pelas ONGs com atuação na Mata

Atlântica, e elas buscaram desenvolver ferramentas e parcerias para pôr em

prática ações integradas de conservação no sul da Bahia e no Espírito Santo.

No plano institucional, o trabalho nos corredores tem estimulado a participa-

ção da sociedade civil em novos níveis e promovido a interação das diferentes

instâncias administrativas do setor público.

Nesse contexto, a participação do CEPF-Mata Atlântica, com o apoio estraté-

gico e financeiro que oferece, eleva a possibilidade de êxito das ações de

conservação e valoriza as parcerias para a criação de uma estrutura de

suporte e coordenação das atividades de campo. Na execução dessas inicia-

tivas, as ONGs e os governos federal e estaduais têm trabalhado juntos, com

objetivos comuns, e buscado o envolvimento ativo dos atores locais e o

desenvolvimento de sua capacidade de planejamento e de implementação

de ações, fundamentais para a real conservação dos recursos naturais do

Corredor Central da Mata Atlântica.

41

UMA NOVA ESCALA DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

O desenvolvimento dessa estratégia, como se procurou mostrar, tem possibili-

tado avanços importantes, como o melhor planejamento para a conservação,

o aumento da escala de atuação, o fortalecimento da rede de áreas protegidas,

com a criação e a ampliação de unidades de conservação, a proteção de espé-

cies ameaçadas de extinção, a capacitação de pessoal, a integração de ações

de fiscalização e, sobretudo, a formação de redes institucionais. Ao se adotar a

escala de corredores, foram formadas várias redes de trabalho, agrupando,

por exemplo, ONGs, pesquisadores ou gestores de unidades de conservação

públicas e privadas, e, mais recentemente, empresas em setores estratégicos,

como o de turismo e o de papel e celulose, o que deu maior capilaridade às

ações de conservação. As iniciativas estão sendo desenvolvidas em etapas, e a

consolidação dos projetos a partir de áreas prioritárias (ou áreas focais), que

funcionam como núcleos irradiadores de ações, será fundamental para o avanço

no processo de implementação do Corredor Central da Mata Atlântica e para

a proteção da biodiversidade em toda a região.

Um dos grandes desafios desse processo é a ampliação de programas desti-

nados a elucidar questões sobre a dinâmica do território, as relações entre as

diferentes unidades de conservação e as áreas de florestas remanescentes,

além daquelas relacionadas com os aspectos socioeconômicos e culturais que

influenciam os padrões de uso da terra. Temas como recuperação florestal,

fiscalização e controle, práticas adequadas de uso do solo, mobilização social

para a conservação, gestão compartilhada e pagamento por serviços ambientais

necessitam avançar em resultados e escala. É necessário estimular o

engajamento das corporações e ampliar a integração entre os programas dos

agentes financiadores (por exemplo, o PDA-Mata Atlântica, o Fundo Nacional

do Meio Ambiente, o PROBIO/MMA, o CEPF-Mata Atlântica, entre outros), a

fim de permitir um melhor direcionamento de recursos e a obtenção do máxi-

mo de resultados positivos para a conservação da biodiversidade, com custo

mínimo para a sociedade.

A implementação de um corredor pode ser considerada um projeto ambicioso,

porém, os resultados iniciais do Projeto Corredores Ecológicos dão já indica-

ções da viabilidade e da eficiência do conceito. A proposta trata os problemas

de conservação de forma mais ampla e sob uma perspectiva multiinstitucional

e interdisciplinar, que leva em conta também os instrumentos de políticas

públicas e econômicas na manutenção de paisagens. Os corredores têm um

42

O CORREDOR CENTRAL DA MATA ATLÂNTICA

grande potencial para servir de estímulo à atuação em rede e à gestão ambiental

integrada. A experiência do Corredor Central da Mata Atlântica vem sendo

reproduzida em outras partes do bioma, como na Serra do Mar e na região

Nordeste, acima do rio São Francisco. Espera-se que essa abordagem traga

uma contribuição nova e promissora para um manejo dinâmico e integrado

da paisagem, e que, com isso, se ampliem as conquistas e se consolidem os

resultados de conservação da biodiversidade na Mata Atlântica e no Brasil,

ajudando o País a proteger o seu patrimônio natural e a cumprir as metas da

Convenção sobre Diversidade Biológica.

43

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Aguiar, A. P.; Chiarello, A. G.; Mendes, S. L.; Matos, E. N. 2005. Os Corredores Central e da Serra do Mar na Mata Atlântica brasileira. In: Galindo-Leal, C.; Câmara, I. G. (Eds.). Mata Atlântica: biodiversidade, ameaças e perspectivas. Belo Horizonte: Fundação SOS Mata Atlântica, Conservação Internacional e Centro de Ciências Aplicadas à Biodiversidade. cap. 11, p. 119-132.

Araújo, M. 1997. Conservação da Mata Atlântica na região cacaueira da Bahia. In: Anais do V Seminário da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica. União dos Palmares: Conselho Nacional da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica. p. 11-16.

Ayres, J. M.; Fonseca, G. A. B.; Rylands, A.B.; Queiroz, H.L.; Pinto, L. P.; Masterson, D.; Cavalcanti, R. B. 2005. Os corredores ecológicos das florestas tropicais do Brasil. Belém: Sociedade Civil Maminaurá. 256p.

Cordeiro, P. H. C. 2003. Análise dos padrões de distribuição geográfica das aves endêmicas da Mata Atlântica e a importância do Corredor da Serra do Mar e do Corredor Central para conservação da biodiversidade brasileira. In: Prado P. I.; Landau E. C.; Moura R. T.; Pinto L. P. S.; Fonseca G. A. B; Alger K. N. (Orgs.). Corredor de biodiversidade da Mata Atlântica do sul da Bahia. CD-ROM. Ilhéus: IESB/CI/CABS/UFMG/UNICAMP.

Costa, L. P.; Leite, Y. L. R.; Fonseca, G. A. B.; Fonseca, M. T. 2000. Biogeography of South American Forest mammals: endemism and diversity in the Atlantic Forest. Biotropica 32(4b): 872-881.

Fonseca, G. A. B., Pinto, L. P; Rylands, A. B. 1997. Biodiversidade e unidades de conservação. In: Anais do I Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação – Conferências e Palestras. Curitiba: Universidade Livre do Meio Ambiente, Rede Pró-Unidades de Conservação e Instituto Ambiental do Paraná. p. 189-209.

Fonseca, G. A. B.; Alger, K.; Pinto, L. P.; Araújo, M.; Cavalcanti, R. 2004. Corredores de biodiversidade: o Corredor Central da Mata Atlântica. In: Arruda, M. B.; Sá, L. F. S. N. (Orgs.). Corredores ecológicos: uma abordagem integradora de ecossistemas no Brasil. Brasília: IBAMA. p. 47-65

Forman, R. T. T. 1995. Land mosaics: the ecology of landscapes and regions. Cambridge: Cambridge University Press.

IPEMA (Instituto de Pesquisas da Mata Atlântica). 2005. Conservação da Mata Atlântica no Espírito Santo: cobertura florestal e unidades de conservação. Vitória: IPEMA, Conservação Internacional. 142p.

Kinzey, W. G. 1982. Distribution of primates and forest refuges. In: Prance, G. T. (Ed.) Biological diversification in the tropics. New York: Columbia University Press. p. 455-482.

Ministério do Meio Ambiente (MMA). 2002. Projeto Corredores Ecológicos. Programa-Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais do Brasil – PPG7. Brasília. 137p. Não publicado.

Mittermeier, R. A.; Gil, P. R.; Hoffmann, M.; Pilgrim, J.; Brooks, J.; Miitermeier, C. G.; Lamourux, J.; Fonseca, G. A. B. 2004. Hotspots revisited: earth’s biologically richest and most endangered terrestrial ecoregions. Washington, DC: Cemex.

Moura, R. T. 1999. Análise comparativa da estrutura de comunidades de pequenos mamíferos em remanescente de Mata Atlântica e em plantio de cacau em sistema de cabruca no Sul da Bahia. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

45

UMA NOVA ESCALA DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

Müller, P. 1973. The dispersal centers of terrestrial vertebrates in the neotropical realm. The Hague, Junk.

Peixoto, A. L.; Gentry, A. 1990. Diversidade e composição florística da mata de tabuleiro na Reserva Florestal de Linhares (Espírito Santo, Brasil). Revista Brasileira de Botânica 13: 19-25.

Pinto, L. P. S. 1994. Distribuição geográfica, população e estado de conservação de mico-leão- da-cara-dourada, Leonthopithecus chrysomelas (Callithrichidae, Primates). Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Prado P. I.; Landau E. C.; Moura R. T.; Pinto L. P. S.; Fonseca G. A. B.; Alger, K. (Orgs.). 2003. Corredor de biodiversidade na Mata Atlântica do Sul da Bahia. CD-ROM II. Ilhéus: IESB/CI/ CABS/UFMG/UNICAMP.

Prance, G. T. 1982. Forest refuges: evidence from woody angiosperms. In: Prance, G. T. (Ed.) Biological diversification in the tropics. New York: Columbia University Press. p. 137-158.

Rambaldi, D. M.; Oliveira, D. A. S. (Eds.). 2003. Fragmentação de ecossistemas: causas, efeitos sobre a biodiversidade e recomendações de políticas públicas. Brasília: Ministério do Meio Ambiente - Secretaria de Biodiversidade e Florestas. 510p.

Sanderson, J.; Alger, K.; Fonseca, G. A. B.; Galindo-Leal, C.; Inchausty, V. H.; Morrison, K. 2003. Biodiversity conservation corridors: planning, implementing, and monitoring sustainable landscapes. Washington, DC: Conservation International.

Silva, J. M. C.; Sousa, M. C.; Casteleti, C. H. M. 2004. Areas of endemism for passerine birds in the Atlantic Forest. Global Ecology and Biogeography 13: 85-92.

Soderstrom, T. R.; Judziewicz, E. J.; Clark, L. G. 1988. Distribution patterns of Neotropical bamboos. In: Vanzolini; P. E.; Hever, W. R. (Eds.). Proceedings of a workshop on Neotropical distribution patterns. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Ciências. p. 121-157.

Thomas, W. W.; Carvalho, A. M. V.; Amorim, A. M. A.; Garrison, J.; Arbeláez, A. L. 1998. Plant endemism in two forests in southern Bahia, Brazil. Biodiversity and Conservation 7: 311-322.

Thomaz, L. D.; Monteiro, R. 1997. Composição florística da Mata Atlântica de encosta da Estação Biológica de Santa Lúcia, município de Santa Teresa, ES. Boletim do Museu de Biologia Mello Leitão (N.Ser.) 7: 3-48.

Tyler, H.; Brown, K. S. Jr.; Wilson, K. 1994. Swallowtail butterflies of the Americas: a study in biological dynamics, ecological diversity, biosystematics and conservation. Gainesville: Scientific Publishers.

Weinz, J. A. 1996. Wildlife in patchy environments: metapopulations, mosaics and management. In: McCullugh, D. R. (Ed.) Metapopulations and wildlife management. Washington, D. C.: Island Press. p. 53-84.

Werner, T. B.; Pinto, L.P.; Dutra, G. F.; Pereira, P. G. P. 2000. Abrolhos 2000: conserving the Southern Atlantic’s richest coastal biodiversity into the next century. Coastal Management 28: 99-108.

46

O CORREDOR CENTRAL DA MATA ATLÂNTICA

AGRADECIMENTOS

O Ministério do Meio Ambiente e a Aliança para Conservação da Mata Atlân-

tica agradecem ao Fundo Fiduciário para Proteção das Florestas Tropicais,

administrado pelo Banco Mundial, e ao governo da Alemanha, por intermé-

dio do banco alemão Kreditanstalt für Wiederaufbau (KfW), doadores de

recursos ao Projeto Corredores Ecológicos, que integra o Programa Piloto

para Proteção das Florestas Tropicais do Brasil; ao governo do Japão, à Funda-

ção McArthur, ao Fundo Mundial para o Meio Ambiente (GEF) e ao Banco

Mundial, que, junto com a Conservação Internacional, compõem o grupo de

doadores do Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF).

Agradecem também ao IBAMA e aos órgãos e entidades de governo dos

estados da Bahia e do Espírito Santo empenhados na implantação do Corre-

dor Central da Mata Atlântica, em especial a Secretaria de Estado de Meio

Ambiente e Recursos Hídricos da Bahia, o Centro de Recursos Ambientais da

Bahia, o Ministério Público da Bahia, o Instituto Estadual de Meio Ambiente e

Recursos Hídricos e a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos

Hídricos do Espírito Santo, a Secretaria de Estado de Agricultura do Espírito

Santo, o Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo, o

Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural; ao

Comitê e aos Subcomitês da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica; e, por

fim, às ONGs, às associações de classe, aos proprietários de RPPNs, às uni-

versidades, às empresas e aos cidadãos envolvidos e comprometidos com a

conservação da biodiversidade que, de várias formas, vêm contribuindo para

a implantação do Corredor Central da Mata Atlântica.

Projeto Corredores Ecológicos Unidade de Coordenação Geral

CRS 514 – Bloco B – Loja 59 – 1° andar

W3 Sul – Brasília – DF

CEP 70380-525

Tel: (61) 4009-9194

Fax: (61) 4009-9193

e-mail: corredores.ecologicos@mma.gov.br

Unidade de Coordenação Estadual – Bahia (UCE/BA)

Parque Zoobotânico Getúlio Vargas

Rua Alto de Ondina, s/n, Ondina

Salvador – BA

CEP 40170-110

Tel: (71) 3237-9403 / 9407 / 9408

Fax: (71) 3237-9410

Unidade de Coordenação Estadual – Espírito Santo (UCE/ES) Projeto Corredores Ecológicos

BR-262 km 0 – Pátio Porto Velho – Núcleo “B”

Jardim América – Cariacica – ES

CEP 29140-500

Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos – Mata Atlântica

Coordenação local

Av. Getúlio Vargas, 1300 / 7o andar

Belo Horizonte – MG

CEP 30112-021

www.corredores.org.br

www.cepf.net

Até o momento nenhum comentário
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 52 páginas