Curso de recuperação de áreas degradadas, Manual de Energia e Meio Ambiente. Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)
Erbertt
Erbertt18 de abril de 2015

Curso de recuperação de áreas degradadas, Manual de Energia e Meio Ambiente. Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)

PDF (9 MB)
238 páginas
674Número de visitas
Descrição
Recuperaçãp
20 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 238

Esta é apenas uma pré-visualização

3 shown on 238 pages

baixar o documento

Esta é apenas uma pré-visualização

3 shown on 238 pages

baixar o documento

Esta é apenas uma pré-visualização

3 shown on 238 pages

baixar o documento

Esta é apenas uma pré-visualização

3 shown on 238 pages

baixar o documento
Apostila_curso_Petrobras-final.cdr

CURSO DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS

C e n t r o d e T r e i n a m e n t o d a P e t r o b r a s , R i o d e J a n e i r o - R J 2 2 a 2 6 d e s e t e m b r o d e 2 0 0 8

A Visão da Ciência do Solo no Contexto do Diagnóstico, Manejo, Indicadores de monitoramento e Estratégias de Recuperação

D e si

g n

: A C

N /2

0 0 8

Documentos 103

Curso de Recuperação de Áreas Degradadas A Visão da Ciência do Solo no Contexto do Diagnóstico, Manejo, Indicadores de Monitoramento e Estratégias de Recuperação

Embrapa Solos

Rio de Janeiro, RJ

2008

ISSN 1517-2627

Novembro, 2008

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Embrapa Solos

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Embrapa Solos Rua Jardim Botânico, 1.024 Jardim Botânico. Rio de Janeiro, RJ Fone: (21) 2179-4500 Fax: (21) 2274.5291 Home page: www.cnps.embrapa.br E-mail (sac): sac@cnps.embrapa.br

Comitê Local de Publicações

Presidente: Aluísio Granato de Andrade Secretário-Executivo: Antônio Ramalho Filho Membros: Marcelo Machado de Moraes, Jacqueline S. Rezende Mattos,

Marie Elisabeth C. Claessen, José Coelho de A. Filho, Paulo Emílio F. da Motta, Vinícius de Melo Benites, Elaine C. Fidalgo, Maria de Lourdes Mendonça Santos Brefin, Pedro Luiz de Freitas e Waldir de Carvalho Júnior.

Supervisão editorial: Jacqueline Silva Rezende Mattos Revisor de Português:André Luiz da Silva Lopes Normalização bibliográfica:Marcelo Machado Moraes Editoração eletrônica:Jacqueline Silva Rezende Mattos Foto da capa: Sílvio Roberto de Lucena Tavares

1a edição 1a impressão (2008): online

Todos os direitos reservados. A reprodução não-autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei no 9.610).

© Embrapa 2008

T231c Tavares, Sílvio Roberto de Lucena.

Curso de recuperação de áreas degradadas: a visão da Ciência do Solo no contexto do diagnóstico, manejo, indicadores de monitoramento e estratégias de recuperação / Sílvio Roberto de Lucena Tavares ... [et al.]. -- Dados eletrônicos. -- Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2008.

228 p.: il. - (Documentos / Embrapa Solos, ISSN 1517-2627 ; 103)

Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader. Modo de acesso: <http://www.cnps.embrapa.br/solosbr/publicacao.html> Título da página da Web (acesso em 18 jun. 2008).

1. Manejo do Solo. 2. Recuperação do Solo. I. Melo, Adoildo da Silva. II. Andrade, Aluísio Granato de. III. Rossi, Celeste Queiroz. IV. Capeche, Cláudio Lucas. V. Balieiro, Fabiano de Carvalho. VI. Donagemma, Guilherme Kangussú. VII. Chaer, Guilherme Montandon. VIII. Polidoro, José Carlos. IX. Macedo, José Ronaldo de. X. Prado, Rachel Bardy. XI. Ferraz, Rodrigo Peçanha Demonte. XII. Pimenta, Thaís Salgado. XIII. Título. XIV. Série.

CDD (21.ed.) 333.7316

Sílvio Roberto de Lucena Tavares

Pesquisador B da Embrapa Solos, Rua Jardim Botâni-

co, 1024. CEP: 22460-000. Rio de Janeiro, RJ.

E-mail: stavares@cnps.embrapa.br.

Adoildo da Silva Melo

Assistente A da Embrapa Solos,

E-mail: adoildo@cnps.embrapa.br

Aluísio Granato de Andrade

Pesquisador A da Embrapa Solos,

E-mail: aluisio@cnps.embrapa.br

Celeste Queiroz Rossi

Doutoranda da UFRRJ

E-mail: celesteqrossi@yahoo.com.br

Cláudio Lucas Capeche

Pesquisador B da Embrapa Solos,

E-mail: capeche@cnps.embrapa.br

Autores

Fabiano de Carvalho Balieiro

Pesquisador A da Embrapa Solos,

E-mail: balieiro@cnps.embrapa.br

Guilherme Kangussú Donagemma

Pesquisador A da Embrapa Solos,

E-mail: donagemma@cnps.embrapa.br

Guilherme Montandon Chaer

Pesquisador A da Embrapa Agrobiologia,

E-mail: gchaer@cnpab.embrapa.br

José Carlos Polidoro

Pesquisador A da Embrapa Solos,

E-mail: polidoro@cnps.embrapa.br

José Ronaldo de Macedo

Pesquisador A da Embrapa Solos,

E-mail: jrmacedo@cnps.embrapa.br

Rachel Bardy Prado

Pesquisador A da Embrapa Solos,

E-mail: rachel@cnps.embrapa.br

Rodrigo Peçanha Demonte Ferraz

Pesquisador B da Embrapa Solos,

E-mail: rodrigo@cnps.embrapa.br

Thaís Salgado Pimenta

Geóloga, Departamento de Recursos Minerais-DRM

E-mail: thais@drm.rj.gov.br

Apresentação

A gradativa evolução e cobrança da legislação ambiental ocorridas nas últi-

mas décadas, especialmente a que trata da obrigatoriedade da recuperação

de áreas degradadas, têm contribuído significativamente para o aperfeiçoa-

mento da tecnologia pertinente e tem despertado o interesse de várias cate-

gorias profissionais. Pesquisadores, técnicos e empresas estão empenhadas

na solução de diversos problemas, específicos da área.

Neste contexto, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA,

vinculada ao Ministério da Agricultura, Pescuária e Abastecimento, criada

em 26 de abril de 1973, que tem como missão viabilizar soluções para o

desenvolvimento sustentável do espaço rural e peri-urbano, por meio da

geração, adaptação e transferência de conhecimentos e tecnologias, em

benefício dos diversos segmentos da sociedade brasileira, viu-se obrigada

pela natureza de suas pesquisas, pela área geográfica de sua atuação e pelo

conhecimento e desafios acumulado na empresa e em seus quadros técnicos,

a também contribuir de forma efetiva na investigação científica e geração de

tecnologias para recuperação de áreas degradadas. A adoção da Recupera-

ção de Áreas Degradadas (RAD) como ramo da ciência é um evento recente

em nosso país, e como a maioria dessas áreas degradadas está em áreas com

atividades ligadas ao setor agropecuário ou a cadeia produtiva em volta do

agronegócio brasileiro, a Embrapa tem um papel de atuação essencial para

gerar tecnologias mitigadoras destes impactos, que podem e devem ser

adaptadas para outras situações de solos e recursos hídricos degradados por

outras atividades.

A Petrobras, a maior empresa brasileira em valor de mercado, entende que

em um cenário cada vez mais competitivo, a imagem das empresas está

relacionada à conscientização de seus empregados de que o aprimoramento

da qualidade, a minimização de impactos ao meio ambiente e a segurança do

homem e do patrimônio são fatores decisivos para o aumento da produtivida-

de. Por isso, a Companhia dedica igual atenção ao seu desenvolvimento

tecnológico e aos aspectos de proteção ao meio ambiente.

Diante deste contexto, a Petrobras contratou uma das unidades de pesquisa

do sistema Embrapa, o Centro Nacional de Pesquisa de Solos sediado no Rio

de Janeiro para ministrar esse Curso de Recuparação de Áreas Degradadas,

através da visão da Ciência do Solo no Contexto do Diagnóstico, Manejo,

Indicadores de Monitoramento e Estratégias de Recuperação, visando o trei-

namento de parte dos seus quadros técnicos ligados à área de meio ambiente,

utilizando ferramentas e conhecimentos específicos da Ciência do Solo, como

contribuição técnica no sentido de aprimorar o enfoque multidisciplinar, ne-

cessário aos técnicos envolvidos em trabalhos de RAD.

Esperamos que as informações contidas nesta apostila e transmitidas em sala

de aula e nas atividades de campo contribuam para ampliar os muitos conhe-

cimentos já adquiridos e vividos pelos quadros técnicos da área de meio

ambiente da Petróleo Brasileiro S.A.

Rio de Janeiro (RJ), Início da Primavera de 2008*

Fabiano de Carvalho Balieiro

Sílvio Roberto de Lucena Tavares

Coordenadores do Curso

* Coincidentemente, o Equinócio da Primavera do 20080 Sol Invictus da Era

Cristã acontece às 12:44 h do dia do início do Curso.

SUMÁRIO

Capítulo 1 Áreas Degradadas: Conceitos e Caracterização do Problema

Sílvio Roberto de Lucena Tavares

1.1 Introdução .................................................................................. 1 1.2 Área Degradada ........................................................................ 3

1.3 Recuperação, Reabilitação e Restauração ............................... 5 1.3.1 Recuperação ............................................................................. 6 1.3.2 Reabilitação ............................................................................... 6 1.3.3 Restauração .............................................................................. 6 1.4 Integração e Evolução dos Conceitos ....................................... 7 1.5 Referências Bibliográficas ......................................................... 8 Capítulo 2

Fundamentos de Morfologia, Pedologia, Física e Química

do Solo de Interesse no Processo de Recuperação de Área Degradada

Rodrigo Peçanha Demonte Ferraz Guilherme Kangussú Donagemma

Celeste Queiroz Rossi José Carlos Polidoro

2.1 Introdução................................................................................... 9 2.2 Solos........................................................................................... 10 2.2.1 Conceitos e Definições............................................................... 10 2.2.2 Importância e Função................................................................. 10 2.3 Formação de Solos..................................................................... 10 2.3.1 Intemperismo e Formação dos Solos......................................... 11 2.3.2 Fatores de Formação dos Solos................................................. 11 2.2.3 Mecanismos de Formação dos Solos......................................... 14 2.3.4 Processos de Formação de Solos.............................................. 15 2.4 Morfologia, Física, Química e Mineralogia dos Solos................. 17 2.4.1 Componentes e Fases dos Solos............................................... 17 2.4.2 Perfil do Solo.............................................................................. 18 2.4.2.1 Horizontes e Camadas............................................................... 18 2.4.2.2 Tipos de Horizontes ou Camadas.............................................. 18 2.4.2.3 Transição entre Horizontes......................................................... 20 2.5 Propriedades e Atributos Físicos................................................ 21 2.5.1 Cor do Solo................................................................................. 21 2.5.1.1 Conceito e Definição................................................................... 21 2.5.1.2 Significado e Interpretação......................................................... 21 2.5.1.3 Determinação da Cor do Solo.................................................... 22 2.5.2 Textura do Solo.......................................................................... 23

2.5.2.1 Conceito e Definição................................................................... 23 2.5.2.2 Classificação da Textura............................................................ 23 2.5.2.3 Significado e Interpretação......................................................... 26 2.5.3 Estrutura do Solo ....................................................................... 27 2.5.3.1 Conceito e Definição................................................................... 27 2.5.3.2 Processos de Formação da Estrutura dos Solos....................... 28 2.5.3.3 Classificação da Estrutura dos Solos......................................... 29 2.5.3.4 Significado e Interpretação......................................................... 31 2.5.4 Cerosidade................................................................................. 32 2.5.4.1 Conceito e Definição................................................................... 32 2.5.4.2 Significado e Interpretação......................................................... 32 2.5.5 Porosidade.................................................................................. 32 2.5.5.1 Conceito e Definição................................................................... 33 2.5.5.2 Significado e Interpretação......................................................... 33 2.5.6 Densidade do Solo (Ds) e das Partículas (Dp)........................... 34 2.5.6.1 Conceito e Definição................................................................... 34 2.5.6.2 Significado e Interpretação......................................................... 35 2.5.7 Consistência do Solo.................................................................. 36 2.5.7.1 Conceito e Definição................................................................... 36 2.5.7.2 2.5.7.3 2.5.8

Significado e Interpretação......................................................... Curva de compressibilidade do Solo e intervalo Hídrico Ótimo Retenção de água no solo..........................................................

37 37 38

2.5.9 Componentes Minerais dos Solos.............................................. 39 2.5.10 Componentes Orgânicos dos Solos........................................... 43 2.5.10.1 Conceito e Definição................................................................... 43 2.5.10.2 Significado e Interpretação......................................................... 43 2.6 Propriedades e Atributos Químicos............................................ 44 2.6.1 Origem das cargas elétricas no solo ......................................... 44 2.6.2 Ponto de Carga Zero (PCZ)........................................................ 45 2.6.3 Complexo Sortivo e Troca Iônica dos Solos............................... 46 2.6.4 Capacidade de Troca Catiônica – CTC ..................................... 47 2.6.5 Reação do Solo – Acidez do Solo.............................................. 48 2.6.6 Atividade da Argila ..................................................................... 49 2.6.7 Reação do Solo – Acidez do solo e calagem ............................ 49 2.7 Classificação de Solos................................................................ 51 2.7.1 Sistemas de Classificação de Solos........................................... 51 2.7.2 Classes de Solos do SBCS........................................................ 52 2.8 2.9 2.9.1 2.9.2 2.9.3 2.9.4 2.9.5 2.9.6

Levantamento e Mapeamento de Solos..................................... Aplicações do Conhecimento de Física do Solo em RAD.......... Prevenção da Degradação:........................................................ Diagnóstico de Áreas Degradadas............................................. Selamento Superficial................................................................. Compactação e Adensamento................................................... Tipo e Grau de Erosão............................................................... Planejamento da Recuperação..................................................

54 56 56 56 56 57 58 58

2.10 Referências Bibliográficas Citadas e Consultadas.................... 59

Capítulo 3 Ciclos dos Nutrientes e sua Relação com a Nutrição de

Plantas

Celeste Queiroz Rossi José Carlos Polidoro

3.1 Introdução................................................................................. 64 3.2 Ciclos dos Nutrientes ............................................................... 65 3.2.1 Ciclo do Carbono...................................................................... 65 3.2.1.1 Efeito Estufa e as Queimadas.................................................. 66 3.2.2 Ciclo do Nitrogênio.................................................................... 68 3.2.2.1 Nitrogênio e Agricultura............................................................ 69 3.2.3 Ciclo de Fósforo........................................................................ 70 3.2.4 Ciclo do Enxofre........................................................................ 71 3.3 Nutrição de Plantas .................................................................. 72 3.3.1 Nutrientes Essenciais............................................................... 72 3.3.2 Disponibilidade de Nutrientes................................................... 73 3.3.3 Macro e Micronutrientes: importância, funções e sintomas de

deficiência ................................................................................. 75

3.3.3.1 Nitrogênio .................................................................................. 75 3.3.3.2 Fósforo...................................................................................... 76 3.3.3.3 Potássio................................................................................... 77 3.3.3.4 Cálcio e Magnésio.................................................................... 79 3.3.3.5 Enxofre...................................................................................... 80 3.3.3.6 Boro............................................................................................ 81 3.3.3.7 Cloro........................................................................................... 82 3.3.3.8 Ferro........................................................................................... 83 3.3.3.9 Manganês................................................................................... 83 3.3.3.10 Zinco........................................................................................... 84 3.3.3.11 Cobre.......................................................................................... 85 3.3.3.12 Molibdênio.................................................................................. 86 3.4 Referências Bibliográficas.......................................................... 87 Capítulo 4

Caracterização de Substratos Para Fins de Recuperação de Áreas Degradadas

Fabiano de Carvalho Balieiro

4.1 Introdução.................................................................................. 89 4.2 Exemplos de Solos e Substratos Degradados........................... 90 4.3 Amostragem de Substratos Degradados .................................. 94 4.4 Atributos Físicos e Químicos mais Usados na Caracterização

de Solos e Substratos Degradados........................................... 96

4.4.1 Atributos Químicos..................................................................... 97 4.4.2 Atributos Físicos......................................................................... 98 4.4.3 Atributos Biológicos.................................................................... 99 4.5 Considerações Finais................................................................. 101 4.6 Referências Bibliográficas.......................................................... 102 Capítulo 5

Degradação do Solo e da Água: Impactos da Erosão e Estratégias de Controle

Cláudio Lucas Capeche

José Ronaldo de Macedo Rachel Bardy Prado

Thaís Salgado Pimenta Adoildo da Silva Melo

5.1 Introdução................................................................................. 105 5.2 Degradação do Solo................................................................... 106 5.2.1 Erosão........................................................................................ 106 5.2.1.1 Causas da Erosão...................................................................... 106 5.2.1.2 Tipos de Erosão......................................................................... 107 5.2.1.3 Conseqüências da Erosão......................................................... 108 5.2.2 Recuperação e Estabilização de Voçorocas.............................. 108 5.2.2.1 Conceito................................................................................... 108 5.2.2.2 Relação do Ambiente e a Ocorrência de Voçorocas................. 110 5.2.2.3 Classificação das Voçorocas..................................................... 111 5.2.2.4 Procedimentos Para a Recuperação ou Estabilização de

Voçorocas................................................................................... 111

5.3 Degradação da Água................................................................. 125 5.3.1 Conceitos Relacionados à Água................................................ 125 5.3.1.1 Ciclo Hidrológico......................................................................... 125 5.3.1.2 Distribuição e Uso da Água........................................................ 126 5.3.1.3 Doenças de Veiculação Hídrica................................................. 127 5.3.2 Conflitos Gerados pelo Uso Múltiplo da Água............................ 127 5.3.3 Unidade de Planejamento e Gerenciamento: Bacia

Hidrográfica................................................................................ 128

5.3.4 Monitoramento dos Recursos Hídricos...................................... 128 5.3.5 Levantamento de Fontes Pontuais e Difusas de Poluição......... 129 5.3.6 Degradação dos Recursos Hídricos........................................... 129 5.3.6.1 Processos de Eutrofização......................................................... 130 5.3.6.2 Interferência do Uso e Cobertura da Terra na Qualidade da

Água........................................................................................... 130

5.3.6.3 Ocorrência de Manejo Inadequado dos Recursos Naturais em Bacias Hidrográficas, Consideradas Fontes de Poluição Para o Meio Ambiente.........................................................................

131

5.3.6.4 Principais Conseqüências da Degradação Ambiental 131

Observadas em Bacias Hidrográficas........................................ 5.4 Referências Bibliográficas.......................................................... 132 Capítulo 6

Estratégias de Recuperação de Áreas Degradadas

Cláudio Lucas Capeche José Ronaldo de Macedo

Adoildo da Silva Melo

6.1 Introdução............................................................................... 134 6.2 Recomendações Básicas de Sistemas de Manejo de Solos.... 135 6.2.1 Preparo do Solo.......................................................................... 135 6.2.1.1 Condições de Umidade no Solo................................................ 136 6.2.1.2 Sentido de Preparo do Solo....................................................... 137 6.2.2 Sistemas de Cultivos.................................................................. 137 6.3 Manejo e Conservação dos Recursos Naturais........................ 140 6.3.1 Planejamento Conservacionista................................................. 140 6.3.2 Método de Controle da Erosão.................................................. 141 6.3.2.1 Nivelamento, Cálculo da Declividade e Determinação da

Curva de Nível............................................................................ 141

6.3.2.2 Locação das Curvas de Nível.................................................... 148 6.3.2.3 Terraceamento........................................................................... 151 6.3.2.4 Cobertura Vegetal/Cobertura Morta........................................... 162 6.3.2.5 Quebra-Ventos ou Cortinas Vegetais......................................... 163 6.3.2.6 Cordão Vegetal......................................................................... 163 6.3.2.7 Cordão de Pedra........................................................................ 164 6.3.2.8 Adição de Matéria Orgânica....................................................... 164 6.3.2.9 Rotação de Culturas................................................................... 171 6.3.2.10 Locação de Estradas e Caminhos............................................. 172 6.4 Referências Bibliográficas.......................................................... 173 6.5 Publicações Para Consulta........................................................ 173 Capítulo 7

Revegetação de Áreas Degradadas

Fabiano de Carvalho Balieiro

Sílvio Roberto de Lucena Tavares

7.1 Introdução................................................................................... 174 7.2 Sucessão Primária e Secundária de Florestas........................... 175 7.3 Estratégias de Revegetação com Vistas a RAD........................ 176 7.4 Sistemas Agroflorestais (SAF’s)................................................. 177 7.4.1 Classificação dos Sistemas e Agroflorestais.............................. 177 7.4.2 Sistemas Agroflorestais como Alternativa a RAD....................... 180

7.4.3 Como Implementar um Sistema Agroflorestal (SAF)................. 181 7.5 Recuperação de Mata Ciliar....................................................... 184 7.5.1 Recuperação de Mata Ciliar Usando Sistemas Agroflorestais... 187 7.6 Recuperação de Vegetação do Semi-Árido............................... 191 7.7 Recuperação de Pastagens Degradadas................................... 196 7.7.1 Degradação das Pastagens....................................................... 198 9.7.2 Como Implantar um Sistema ILP................................................ 201 7.7.2.1 Vantagens e Cuidados na Integração Agricultura-Pecuária....... 204 7.8 Referências Bibliográficas.......................................................... 206 Capítulo 8

Monitoramento de Áreas Recuperadas ou em

Recuperação

Guilherme Montandon Chaer

8.1 Introdução................................................................................... 212 8.2 Índices de Qualidade do Solo..................................................... 213 8.3 Ordenações Multivariada............................................................ 218 8.4 Considerações Finais................................................................. 225 8.5 Referências Bibliográficas.......................................................... 226

Capítulo 1

ÁREAS DEGRADADAS:

CONCEITOS E CARACTERIZAÇÃO DO PROBLEMA

Sílvio Roberto de Lucena Tavares

1.1. INTRODUÇÃO

Segundo o Banco Mundial, os solos agrícolas do mundo vêm se degradando a uma taxa de 0,1% ao ano, dados que corroboram com os estabelecidos pela FAO, que apontam a perda de cinco milhões de hectares de terras aráveis por ano devido a más práticas agrícolas, secas e pressão populacional, além de inúmeras ações antrópicas de exploração inadequada dos recursos naturais englobando o compartimento solo.

O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUD), através do GLSOD (Global Assessment of Soil Degradation – Projeto de Avaliação Mundial da Degradação do Solo), registrou que 15% dos solos do planeta (aproximadamente 20 bilhões de ha) uma área do tamanho dos Estados Unidos e Canadá junto, estão classificados como degradados devido às atividades humanas. Do total desta área degradada, 5% encontram-se na América do Norte, 12% na Oceania, 14% na América do Sul, 17% na África, 18% na Ásia, 21% na América Central e 13% na Europa. Se considerarmos as áreas inabitadas do mundo, o percentual de solos degradados no planeta sobe de 15% para 24% (OLDEMAN, 1994). O maior problema que reside nestas constatações é que a maioria destes solos degradados ou em processo de degradação está nos países menos desenvolvidos. Estima-se que 39% da população da Ásia (1,3 bilhão de pessoas) vivam em áreas com tendências para desertificação, na África, 65% dos solos agrícolas estão degradados e na América Latina e Caribe, o

Capítulo 1 – Áreas Degradadas: Conceitos e Caracterização do Problema

2

mau uso de produtos químicos e erosão degradaram 300 milhões de ha. Na Europa, dados de 2002 publicados pela Comissão Européia, estabelecem que 52 milhões de ha (16% da área agrícola total), estão afetados por algum processo de degradação (salinização, erosão, desertificação, ou excesso de urbanização).

Essa degradação ameaça a fertilidade das terras e a qualidade das águas. O solo perde a sua funcionalidade e o equilíbrio ecológico em geral. O problema é potencializado quando se leva em conta que a resiliência natural de determinadas propriedades solo é muito lenta. Estima-se sob um clima úmido, que são necessários cerca de 500 anos para que se formem uma camada de solo de 2,5 cm de espessura.

Ainda, segundo o projeto da avaliação mundial da degradação de solo do PNUD (OLDEMAN, 1994), 5 são os principais fatores de degradação dos solos listados a seguir (com os seus percentuais de participações nas áreas mundiais degradadas):

1) Desmatamento ou remoção da vegetação natural para fins de agricultura, florestas comerciais, construção de estradas e urbanização (29,4%);

2) Superpastejo da vegetação (34,5%); 3) Atividades agrícolas, incluindo ampla variedade de práticas agrícolas, como o

uso insuficiente ou excessivo de fertilizantes, uso de água de irrigação de baixa qualidade, uso inapropriado de máquinas agrícolas e ausência de práticas conservacionistas de solo (28,1%);

4) Exploração intensiva da vegetação para fins domésticos, como combustíveis, cercas, etc., expondo o solo à ação dos agentes erosivos (6,8%); e

5) Atividades industriais ou bioindustriais que causam poluição do solo (1,2%). No continente Sul Americano, segundo o GLSOD, tem-se 244 milhões de ha de

solo degradado, sendo o desmatamento responsável por 41%, o superpastejo por 27,9%, as atividades agrícolas por 26,2%, a exploração intensa da vegetação por 4,9%. Os dados relativos de solos degradados na América do Sul em decorrência das atividades industriais são ínfimos por dois motivos: falta de levantamento sistemático e global no continente de sites contaminados e/ou degradados pelos processos industriais e a baixíssima industrialização dos países do continente quando comparado aos países desenvolvidos e industrializados. No Brasil não existe até o momento nenhum estudo conclusivo quanto a quantidade e distribuição dos solos degradados em escala nacional.

É importante ressaltar, que independente da ausência de avaliações exatas a respeito da extensão de áreas degradadas no Brasil, todas as estimativas apontam o desmatamento e as atividades agropecuárias como os principais fatores de degradação dos nossos solos. O impacto causado por obras de engenharia (estradas, ferrovias, barragens, etc.), por atividades de mineração a céu aberto e por algumas atividades indústrias, certamente sensibiliza a população de modo geral, que tende a atribuir a esses fatores a responsabilidade maior pela degradação dos solos. Essa impressão é plenamente justificável, uma vez que, são atividades altamente impactantes, pois deve- se lembrar que a degradação não pode ser avaliada apenas pela extensão, mas também por sua intensidade. No caso de impactos causados por atividades mineradoras podem resultar em uma área de influência muito maior que a área de lavra, proporcionando, por exemplo, a degradação de recursos hídricos, que vão refletir em toda a bacia, como é o caso clássico de minerações de carvão a céu aberto, onde a oxidação de sulfetos metálicos que acompanham o minério promove a ocorrência de

Capítulo 1 – Áreas Degradadas: Conceitos e Caracterização do Problema

3

drenagem ácida e a solubilização de metais pesados, podendo trazer conseqüências danosas para uma área de influência muito além da área de lavra. No entanto, ao avaliar a extensão de degradação causada por estas atividades, verifica-se que ela é mínima, principalmente comparando-a ao desmatamento e ao superpastejo nos solos nacionais.

Aliado a essa crescente quantidade de terras agrícolas que estão em processo degradativo, que leva a perdas de produtividade dos sistemas de produção agrícola e a decretação por parte dos organismos internacionais como FAO e FMI, do início da “Era da alimentos caros” em virtude de vários fatores, entre eles: estoques mundiais baixos, alto preço do petróleo (que encarece os insumos e incentiva à produção de etanol à base de milho) e demanda crescente (principalmente da China que aumentou o seu consumo anual de cereais de 450 milhões de toneladas em 2001 para 513 milhões de toneladas em 2007 (STEFANO & SALGADO, 2008) e que representa hoje o maior importador de algodão e soja do mundo), além de uma previsão da população mundial para 8,3 bilhões de pessoas em 2030, é de se esperar que as políticas nacionais e internacionais de uso e manejo dos solos sejam direcionadas no caminho da sustentabilidade deste importante ecossistema chamado solo.

A complexidade dos processos de degradação e de recuperação de áreas degradadas deve-se aos inúmeros fenômenos biológicos e físico-químicos envolvidos. Por este motivo, a recuperação de áreas degradadas pode ser conceituada como um conjunto de ações idealizadas e executadas por especialistas das diferentes áreas do conhecimento humano, que visam proporcionar o restabelecimento das condições de equilíbrio e sustentabilidade existentes anteriormente em um sistema natural. O caráter multidisciplinar das ações que visem proporcionar esse retorno deve ser tomado, fundamentalmente, como o ponto de partida do processo. Assim, o envolvimento direto e indireto de técnicos de diferentes especializações permite a abordagem holística que se faz necessária (DIAS & GRIFFITH, 1998). O presente capítulo procura padronizar os termos, conceitos e definições empregados na descrição dos fenômenos de degradação e recuperação de áreas degradadas, visando facilitar aos leitores o entendimento do assunto. 1.2. ÁREA DEGRADADA

O conceito de degradação tem sido geralmente associado aos efeitos ambientais considerados negativos ou adversos e que decorrem principalmente de atividades ou intervenções humanas. Raramente o termo se aplica às alterações decorrentes de fenômenos ou processos naturais. O conceito tem variado segundo a atividade em que esses efeitos são gerados, bem como em função do campo do conhecimento humano em que são identificados e avaliados. De acordo com o uso atribuído ao solo, a definição de degradação pode então variar, como podemos verificar a seguir:

De acordo com a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), por meio da sua NBR 10703, a degradação do solo é apontada como sendo a “alteração adversa das características do solo em relação aos seus diversos usos possíveis, tanto os estabelecidos em planejamento, como os potenciais”. O conceito contempla o entendimento do solo enquanto espaço geográfico, ou seja, extrapola o sentido de

Capítulo 1 – Áreas Degradadas: Conceitos e Caracterização do Problema

4

matéria ou componente predominante abiótico do ambiente. Além disso, ao citar a expressão “alteração adversa”, sugere a aproximação com o conceito de efeito ou impacto ambiental considerado negativo. Todavia, em outra norma, a NBR 13030 (específica para mineração), define-se áreas degradadas como “áreas com diversos graus de alterações dos fatores bióticos e abióticos, causados pelas atividades de mineração”, mantendo a noção de alteração, porém sem vinculação com o uso do solo.

Já o Manual de Recuperação de Áreas Degradadas pela Mineração do IBAMA, define que “a degradação de uma área ocorre quando a vegetação nativa e a fauna forem destruídas, removidas ou expulsas; a camada fértil do solo for perdida, removida ou enterrada; e a qualidade e o regime de vazão do sistema hídrico forem alterados. A degradação ambiental ocorre quando há perda de adaptação às características físicas, químicas e biológicas e é inviabilizado o desenvolvimento sócio-econômico”.

Nas áreas das ciências biológicas e no campo geomorfológico e de paisagismo, são considerados os conceitos de perturbação ou distúrbio. No caso da área biológica, esses conceitos estão mais ligados aos aspectos relacionados à evolução de ecossistemas, onde essas alterações são resultantes de atividades humanas e que não podem ser corrigidas rapidamente. Essas podem ser divididas em três situações influenciadas pelo caráter temporal: os distúrbios súbitos e inesperados, como os decorrentes de acidentes ou falhas de origem tecnológica em processos industriais; os distúrbios que ocorrem em período de tempo significativo, mesmo que tenham sido detectados apenas recentemente, como os derivados de descargas de efluentes industriais; e os distúrbios planejados, como os de mineração em superfície. Já no campo geomorfológico e de paisagismo, esses conceitos assumem uma perspectiva espacial (“land disturbance”), correlacionando-o com os efeitos geomorfológicos produzidos na paisagem por diferentes atividades humanas como mineração em superfície, urbanização, pastagem, agricultura, usos recreativos e construção civil. Reconhecem que muitos desses distúrbios têm importância menor ou são transitórios e que a paisagem pré-existente pode ser recuperada para uma forma aceitável de produtividade e em conformidade com um plano de uso prévio.

Fundamentados em observações do campo agronômico, LAL et al. (1989), diferenciam processos e fatores de degradação do solo. Os primeiros correspondem às ações e interações químicas, físicas e biológicas que afetam a capacidade de auto- depuração do solo e a sua produtividade. Os fatores compreendem os agentes e catalisadores naturais ou induzidos pelo homem, que colocam em movimento os processos e causam alterações nas propriedades do solo e nos seus atributos de sustentação da vida. Entre os processos de degradação induzidos pelo homem citam a compactação, a erosão acelerada, desertificação, salinização, lixiviação e acidificação. Entre os fatores, mencionam a agricultura, indústria e urbanização. Citam que as alterações produzidas pelos processos geram, entre outros aspectos, efeitos negativos sobre a qualidade ambiental, estabelecendo, então, a relação com o conceito de solo enquanto espaço geográfico (“land”) e, assim, o sentido amplo de degradação do solo (“land degradation”). Ainda no campo agronômico, a degradação de terras agrícolas deve enfocar além dos processos de degradação citados acima, também os aspectos econômicos, uma vez que a perda de produtividade pode estar relacionada com a degradação do solo. Desta maneira, POWER & MYERS, citado por DIAS & GRIFFITH (1998), definem a qualidade de um solo como a sua capacidade de manter o crescimento vegetal, o que inclui fatores como agregação, conteúdo de matéria

Capítulo 1 – Áreas Degradadas: Conceitos e Caracterização do Problema

5

orgânica, profundidade, capacidade de retenção de água, taxa de infiltração, capacidade tampão de pH, disponibilidade de nutrientes, etc.

Do ponto de vista da Engenharia Civil, certamente o conceito de solo degradado deve estar relacionado com a alteração da capacidade em se manter coeso e como meio físico de suporte para edificações, estradas, por exemplo. A densidade do solo é um atributo que ilustra bem exemplo. Em termos agronômicos, solos adensados ou compactados podem caracterizar um processo de degradação (redução de sua taxa de infiltração, limitação na circulação de oxigênio, impedimento físico para o crescimento das raízes, menor disponibilidade de nutrientes, etc.). Por outro lado, essa característica é desejável como meio de suporte para edificações, ferrovias, rodovias, etc.

Os exemplos citados anteriormente evidenciam o fato de que o conceito de degradação é relativo, embora esteja sempre associado à noção de alteração ambiental adversa gerada, na maioria das vezes, por atividades humanas.

1.3. RECUPERAÇÃO, REABILITAÇÃO E RESTAURAÇÃO

De maneira similar as conceituações de áreas degradadas e degradação, a literatura técnica e os textos da legislação ambiental brasileira em vários níveis também deixam dúvidas e contradições sobre as definições exatas dos termos recuperação, reabilitação e restauração, que em muitos casos são apontados como diferentes, e em outros, como sinônimos. Novamente, pode-se dizer que a literatura é relativamente vasta, com contribuições das diferentes áreas do conhecimento. Observa-se que os termos recuperação, reabilitação e restauração, têm sido usados não apenas nos aspectos que caracterizam suas execuções, mas principalmente em função dos seus objetivos e metas. De modo geral, os termos se referem ao caminho inverso à degradação e é importante para facilitar a comunicação entre os interessados na escolha do processo a ser adotado na área degradada. 1.3.1. Recuperação

A legislação federal brasileira menciona que o objetivo da recuperação é o

“retorno do sítio do sítio degradado a uma forma de utilização, de acordo com um plano pré-estabelecido para o uso do solo, visando à obtenção de uma estabilidade do meio- ambiente” (Decreto Federal 97.632/89). Esse decreto vai de encontro ao estabelecido pelo IBAMA, que indica que a recuperação significa que o sítio degradado será retornado a uma forma e utilização de acordo com o plano pré-estabelecido para o uso do solo. Implica que uma condição estável será obtida em conformidade com os valores ambientais, estáticos e sociais da circunvizinhança. Significa também, que o sítio degradado terá condições mínimas de estabelecer um novo equilíbrio dinâmico, desenvolvendo um novo solo e uma nova paisagem. Procura sintetizar a definição do processo quando utilizado em Unidades de Conservação, GRIFFITH (1986), definiu recuperação como a reparação dos recursos ao ponto que seja suficiente para restabelecer a composição e a freqüência das espécies encontradas originalmente no local.

Capítulo 1 – Áreas Degradadas: Conceitos e Caracterização do Problema

6

1.3.2. Reabilitação

Segundo MAJER (1989) a reabilitação é o retorno da área degradada a um

estado biológico apropriado. Esse retorno pode não significar o uso produtivo da área a longo prazo, como a implantação de uma atividade que renderá lucro, ou atividades menos tangíveis em termos monetários, visando, por exemplo, a recreação ou a valorização estético-ecológica. Exemplos de reabilitação para fins recreativos é a raia olímpica da Cidade Universitária da USP, instalada em uma antiga área de extração de areia em planície aluvionar do Rio Pinheiros; construção do parque esportivo Cidade de Toronto, instalado em área de antiga extração de areia; Centro Educacional e Recreativo do Butantã, instalado em área de antiga pedreira e o lago do parque Ibirapuera, instalado em antiga cava de extração de areia, todos esses exemplos foram realizados na cidade de São Paulo-SP.

1.3.3. Restauração

O termo restauração refere-se à obrigatoriedade do retorno ao estado original

da área, antes da degradação. Esse termo é o mais impróprio a ser utilizado para os processos que normalmente são executados. Por retorno ao estado original entende-se que todos os aspectos relacionados com topografia, vegetação, fauna, solo, hidrologia, etc., apresentem as mesmas características de antes da degradação. Logo, trata-se de um objetivo praticamente inatingível, ou seja, fazer a restauração de um ecossistema, para conseqüentemente recuperar sua função, é técnica e economicamente questionável, embora alguns profissionais que atuam na área ambiental tenham equivocadamente essa meta, torna-se necessária uma nova conscientização dos mesmos sobre a inviabilidade deste processo.

1.4. INTEGRAÇÃO E EVOLUÇÃO DOS CONCEITOS Os conceitos de degradação, recuperação e congêneres geralmente são

considerados de modo integrado. A perspectiva de classificação das condições de um ecossistema em face das reflexões sobre o desenvolvimento sustentável, segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e o Fundo Mundial para a Natureza (WWF), traz uma análise conceitual ampla, identificando primeiramente os sistemas naturais como os “ecossistemas onde, desde a revolução industrial em 1750, o impacto do homem não foi maior do que o de quaisquer outras espécies nativas, e não afetou a estrutura do mesmo”. Neste caso, a mudança climática foi excluída da definição, porque as mudanças climáticas causada pelo homem devem afetar todos os ecossistemas e eliminar todos os ecossistemas naturais como definidos aqui (BITTAR, 1997).

A partir deste ponto, a abordagem da UICN define, em seqüência, os sistemas modificados, sistemas cultivados, sistemas construídos e sistemas degradados, sendo estes últimos como os “ecossistemas cuja diversidade, produtividade e condição para

Capítulo 1 – Áreas Degradadas: Conceitos e Caracterização do Problema

7

habitação foram enormemente reduzidas”. A degradação dos ecossistemas da terra é caracterizada por perda de vegetação e de solo; e a dos ecossistemas aquáticos é freqüentemente caracterizada por águas poluídas que podem ser toleradas por poucas espécies. Assim, de acordo com esse conceito, os sistemas degradados são considerados insustentáveis, sendo que, somente a sua recuperação ou reabilitação permitiria levá-los à condição de potencialmente sustentáveis, situando-se, em seqüência invertida, nas categorias de sistemas construídos, cultivados ou modificados. Negligenciar ou abandonar a área pode levar tanto à recuperação espontânea do ambiente quanto a continuidade e a intensificação do processo de degradação. Ao considerar a associação em relação ao futuro, a abordagem incorpora o conceito de sustentabilidade ambiental à questão da recuperação de áreas degradadas.

Finalmente, é importante ressaltar que apesar de haver distinção por muitos autores e profissionais envolvidos na área ambiental dos conceitos anteriormente discutidos, realizando uma breve análise comparativa entre as diferentes abordagens do tema e suas aplicações às áreas degradadas, pode-se verificar uma evolução dos conceitos ao longo das últimas décadas. De maneira geral, observa-se uma passagem do objetivo amplamente difundido de procurar restabelecer as condições originais do sítio degradado, para a busca de situações em que a estabilidade do ambiente e a sua sustentabilidade sejam garantidas. Além disso, é notável a crescente abordagem de recuperação de áreas degradadas como um processo que deve ser realizado mediante um plano previamente elaborado e com objetivos bem estabelecidos e explicitados.

Capítulo 1 – Áreas Degradadas: Conceitos e Caracterização do Problema

8

1.5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BITTAR, O. Y. Avaliação da recuperação de áreas degradadas por mineração na região metropolitana de São Paulo. 1997. 185p. Tese (Doutorado) – Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, Departamento de Engenharia de Minas, São Paulo, SP. DIAS, L. E. & GRIFFITH, J. J. Conceituação e caracterização de áreas degradadas. In: Recuperação de Áreas Degradadas, Dias, L. E. & de Mello,J.W. SOBRADE/FINEP, Viçosa, MG. p. 1-7, 1998. GRIFFITH, J. J. Recuperação de áreas degradadas em unidades de conservação. Viçosa, MG: UFV, 1986. LAL, R., HALL, G. F. & MILLER, F. P. Soil degradation. I Basic processes. In: Land Degradation & Rehabilitation, London, v. 1, n. 1, p. 51-69, jul/aug, 1989. MAJER, J. D. Fauna studies and land reclamation technology: review of the history and need for such studies. In: Animals in primary succession: the role of fauna in reclaimed lands. London: Cambridge University Press, p. 3-33, 1989. OLDEMAN, L. R. The global extent of soil degradation. In: Soil Resiliense and sustainable Land Use. GREENLAND, D. J. & SZABOCLS, I (Eds), Cab International, Wallingford, UK. p. 99-118. 1994. STEFANO, F. & SALGADO, E. O desafio de alimentar 6 bilhões de pessoas. Revista Exame. Edição 919, Ano 42 – N. 10, p. 124-131, 2008.

Capítulo 2

FUNDAMENTOS DE MORFOLOGIA, PEDOLOGIA, FÍSICA E

QUÍMICOS DO SOLO DE INTERESSE NO PROCESSO DE

RECUPERAÇÃO DE ÁREA DEGRADADA

Rodrigo Peçanha Demonte Ferraz

Guilherme Kangussú Donagemma

Celeste Queiroz Rossi

José Carlos Polidoro

2.1. INTRODUÇÃO

O presente Capítulo visa fornecer uma introdução à Ciência do Solo, destacando

os conceituais que favorecerão o entendimento dos demais. O significado e a interpretação correta dos principais atributos e propriedades físicas, químicas e mineralógicas do solo, e, como estes se relacionam com a morfologia e o comportamento físico-hídrico e edáfico dos solos também será objeto desse Capítulo. Uma breve caracterização das principais classes de solo de ocorrência em nosso território será feita a partir dos conceitos previamente apresentados.

Capítulo 2 – Fundamentos de Morfologia, Pedologia, Física e Qímica do solo de Interesse no Processo de Recuperação de uma Área Degradada

10

2.2. SOLOS 2.2.1. Conceitos e Definições

 Coleção de corpos naturais constituídos por parte sólida, líquida e gasosa, tridimensionais, dinâmicos, formados por materiais minerais e orgânicos, que ocupam a maior parte do manto superficial das extensões continentais. Contém matéria viva e podem ser vegetados (EMBRAPA, 1999);

 “O solo é o resultante da interação de cinco fatores ambientais: material de origem, clima, relevo, organismos e tempo” (JENNY, 1941);

 A pedologia e a ciência que estuda a formação do solo, e foi iniciada na Rússia por Dokuchaiev no ano de 1880. Os solos correspondem a camada viva que recobre a superfície da terra, em evolução permanente, por meio da alteração das rochas e de processos pedogenéticos comandados por agentes físicos, biológicos e químicos.

2.2.2. Importância e Função Recobrindo a maior parte das terras emersas, os solos constituem sistemas complexos formados pela interseção da litosfera, biosfera e a atmosfera terrestres. Como componente básico das paisagens, os solos apresentam funções estruturais enquanto suporte físico dos ecossistemas, além de constituir diversas funcionalidades ecológicas, como a produção biológica e a regulação do ciclo hidrológico de superfície. Além disso, constituem um importante meio fixador de carbono e depurador de efluentes, minimizando possíveis impactos ambientais. Do ponto de vista antrópico, são considerados recursos naturais, fonte de matéria-prima para a construção e industria cerâmica, e, fonte de nutrientes e água para as atividades agrosilvipastoris. 2.3. FORMAÇÃO DE SOLOS Neste capítulo veremos quais são os fatores ambientais e os processos que concorrem para a formação dos solos. Ou seja, buscar-se-á responder como os solos se formam para que se entender como eles se tornam sistemas complexos, com diversas características e propriedades das quais dependem as suas funcionalidades. De forma didática, o assunto será abordado, a princípio, fazendo-se uma breve conceituação e discussão sobre os processos conhecidos como: pedogênese e intemperismo. Depois, serão discutidos os fatores ambientais que condicionam a pedogênese, introduzindo os conceitos de mecanismos de formação de solos e finalizando pela descrição sucinta dos principais processos de formação de solos.

Capítulo 2 – Fundamentos de Morfologia, Pedologia, Física e Qímica do solo de Interesse no Processo de Recuperação de uma Área Degradada

11

2.3.1. Intemperismo e Formação dos Solos A formação dos solos ou a gênese dos solos decorre de processos físicos, químicos e biológicos que transformam os materiais parental, mineral ou orgânica, que lhes dão origem, e, recebe o nome de “pedogênese” – do prefixo e sufixo gregos: “pedon”= solos + “gênesis” = criação. Portanto: criação ou formação dos solos. Os processos físico-químicos de desagregação e decomposição mineralógica das rochas encontradas na superfície da crosta terrestre, a partir dos quais tem ocorrência a pedogênese, recebem o nome genérico de “intemperismo”. Deve-se ter em mente, no entanto, que o intemperismo e a pedogênese, não formam uma sucessão de fenômenos independentes de dinâmica linear, mas integram um gama de processos de transformação e reorganização de um novo sistema que tende a um estado de equilíbrio com as condições ambientais da superfície terrestre. No decurso da intemperização, as transformações e as neoformações dos minerais que ocorrem no ambiente de formação dos solos são condicionadas por diversos fatores físicos, químicos e biológicos. 2.3.2. Fatores de Formação dos Solos Os solos, distribuídos na paisagem, através de sua morfologia e atributos químicos, físicos e mineralógicos, refletem as condições ambientais, “históricas”, a que tiveram submetidos durante o processo de desenvolvimento e formação pedogenética. Com este entendimento, JENNY (1941), estudando os fatores ambientais que condicionam a formação dos solos, postulou que a formação dos solos ocorre em função de cinco fatores principais: material de origem, relevo, clima, tempo e organismos. O clima e os organismos constituem os fatores ativos, pois, provendo energia e matéria, exercem ações modificadoras sobre o material de origem que confere a diversidade de constituintes minerais passíveis de transformação, sendo considerado dessa um fator passivo. O relevo é considerado um fator controlador, pois, atua como condicionador do fluxo de matéria e energia. O tempo, no sentido cronológico, confere a duração em que os processos exercidos pelos fatores ativos, controlados pelo relevo, atuam sobre o material originário, permitindo maior ou menor grau de desenvolvimento (OLIVEIRA et al., 1992). O clima é sem dúvidas um dos fatores que mais exercem influência na formação dos solos, pois, condicionam os fluxos de energia e matéria necessários para os processos de intemperismo e os mecanismos e processos pedogenéticos que ocorrem na formação dos solos. Assim, os solos de regiões cujo clima confere temperaturas médias mais elevadas e farta disponibilidade de água pluvial, tendem a ter maior evolução pedogenética em comparação com os solos de regiões onde o clima apresenta deficiência de umidade (semi-aridez). Maiores volumes de água, infiltrando e percolando através dos perfis dos solos das regiões mais úmidas, promovem a hidratação dos constituintes e favorece a remoção de cátions liberados dos minerais por hidrólise acelerando os processos de transformação dos solos (OLIVEIRA et al.,

Capítulo 2 – Fundamentos de Morfologia, Pedologia, Física e Qímica do solo de Interesse no Processo de Recuperação de uma Área Degradada

12

1992). Além da hidratação e hidrólise, a solução do solo é responsável por outros processos como a dissolução, oxidação e redução que atuam na transformação dos minerais do material parental. Com efeito, o volume de água que percola o perfil é responsável pelo transporte seletivo de elementos liberados dos compostos neoformados, ou seja, propicia a lixiviação dos solutos e sílica coloidal que podem ser translocados para outros horizontes ou definitivamente removidos do solo em questão. Contrariamente, se a lixiviação do perfil de um solo, em função da pequena disponibilidade de águas pluviais, é incipiente, as reações químicas e os processo físicos descritos são atenuados contribuindo para a preservação ou pouca transformação dos materiais minerais constituintes do solo. Assim em climas úmidos e quentes há uma aceleração dos processos pedogenéticos, tendendo à formação de solos muito intemperizados, evoluídos e profundos, com reação ácida e pobres quimicamente. São solos cuja mineralogia reflete uma predominância de minerais secundários como as argilas (caulinita) e óxidos de ferro e alumínio. Por outro lado, sob condições de clima com escassez de umidade ocorre uma atenuação da intensidade dos processos de transformação do material constitutivo, favorecendo a formação de solos pouco evoluídos, rasos ou pouco profundos, cascalhentos e/ou pedregosos, ricos em minerais primários pouco alterados ou com argila de elevada atividade coloidal. Podem ainda apresentar relativa riqueza química, pouco acidez ou ligeira alcalinidade e alta salinidade. Em síntese, pode-se deduzir que a variabilidade espacial e temporal do clima, considerando as diferentes condições de fornecimento de água e energia, exerce destacada influência na formação dos solos condicionado o grau de evolução pedogenética dos mesmos. Outro fator considerado ativo, os organismos vivos (vegetação; microorganismos e mesofauna edáfica) também tem relevante papel na formação do solos, sobretudo pelos processos de adição de compostos orgânicos. Têm, também, efetiva ação de complexação de compostos químicos favorecendo translocações seletivas internas no perfil do solo. A atividade metabólica da biota do solo altera as condições químicas da solução edáfica e composição do ar do solo, afetando as reações de oxiredução e carbonatação, e, condicionando a solubilização dos compostos químicos inorgânicos derivados dos minerais das rochas. Atuam, ainda na mineralização da matéria orgânica e tem essencial influência na reciclagem de nutrientes (OLIVEIRA et al., 1992). O relevo, por sua vez, é considerado um fator de controle, pois, sua ação se reflete sobre a dinâmica da água, tanto no sentido de infiltração e percolação dentro do perfil de solo quanto no controle da erosão pelo deflúvio pluvial. Ou seja, o relevo controla a partição da água que escorre superficialmente e a que penetra no perfil do solo, possibilitando, em maior ou menor grau, os processos descritos e discutidos anteriormente. Além disso, o relevo condiciona a orientação das encostas em relação ao posicionamento do sol, determinando uma incidência diferencial da radiação solar. Dentro de uma perspectiva regional, o relevo também exerce forte influência no clima, notadamente na temperatura e regime pluviométrico que, como vimos, são fatores importantes no processo de formação dos solos. A natureza constitutiva do material de origem, de composição mineral ou orgânica, apresenta determinante influência nos resultados dos processos formação de solos, constituindo-se em um fator dos mais relevantes. Os materiais de origem são

comentários (0)

Até o momento nenhum comentário

Seja o primeiro a comentar!

Esta é apenas uma pré-visualização

3 shown on 238 pages

baixar o documento