Curso de Tubulações Industriais, Notas de estudo de Engenharia Mecânica
filipe-alves-pinto-7
filipe-alves-pinto-7

Curso de Tubulações Industriais, Notas de estudo de Engenharia Mecânica

25 páginas
50Números de download
1000+Número de visitas
100%de 0 votosNúmero de votos
2Número de comentários
Descrição
O material deste curso, organizado em dez módulos denominados de Aula 1 até Aula 10, contém às transparências que são utilizadas em cada aula e correspondem aos resumos dos respectivos capítulos do Livro Texto. Na organização de cada módulo (aula) do curso, além do Livro Texto, foram utilizadas tabelas e gráficos do livro auxiliar, bem como, figuras e dados de diversos catálogos de fabricantes de tubos, conexões, juntas de expansão, válvulas, purgadores etc.. Para garantir um bom aproveitamento no curso, o estudante deve utilizar os resumos das transparências juntamente com o Livro Texto. Somente através do Livro Texto é que se conseguirá o pleno entendimento dos resumos apresentados neste material. Prof. Clélio
100 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 25
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 25 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 25 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 25 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 25 páginas
Microsoft Word - aula01.doc

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 1 Prof. Clélio

1

FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA DE LORENA

CURSO DETUBULAÇÕES INDUSTRIAIS

Prof. Antonio Clélio RibeiroLivro Texto: TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS Volumes 1 e 2 SILVA TELLES, Pedro Carlos Livros Técnicos e Científicos Editora S.A. Livro Auxiliar: TABELAS E GRÁFICOS PARA PROJETO DE TUBULAÇÕES SILVA TELLES, Pedro Carlos e BARROS, Darcy G. de Paula Editora Interciência Ltda.

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 1 Prof. Clélio

2

APRESENTAÇÃO

O material deste curso, organizado em dez módulos denominados de Aula 1 até Aula 10,

contém às transparências que são utilizadas em cada aula e correspondem aos resumos dos

respectivos capítulos do Livro Texto.

Na organização de cada módulo (aula) do curso, além do Livro Texto, foram utilizadas

tabelas e gráficos do livro auxiliar, bem como, figuras e dados de diversos catálogos de fabricantes

de tubos, conexões, juntas de expansão, válvulas, purgadores etc..

Para garantir um bom aproveitamento no curso, o estudante deve utilizar os resumos das

transparências juntamente com o Livro Texto. Somente através do Livro Texto é que se conseguirá

o pleno entendimento dos resumos apresentados neste material.

Prof. Clélio

RELAÇÃO DE CATÁLOGOS UTILIZADOS:

• Catálogo Geral da BÁRBARA • S. A. Tubos Brasilit • Conexões TUPY • PBA/PBS/F TIGRE • Catálogo Geral da NIAGARA • Catálogo de Produtos da ASCA • Válvulas Industriais DECA • BROWM Válvulas e Conexões • Catálogo Geral da RVM • Válvulas de Diafragma CIVA-SAUNDERS • Válvulas de Borboleta CBV-DEMCO

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 1 Prof. Clélio

3

FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA DE LORENA TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS

PROGRAMA E PLANO DE AULAS

AULA ASSUNTO ATIVIDADE 1 Tubos e Tubulações – Definições

Tubos: Materiais, Processos de Fabricação e Normalização Dimensional

Exposição Teórica

2 Meios de Ligação de Tubos, Conexões de Tubulações e Juntas de Expansão

Exposição Teórica

3 Válvulas Exposição Teórica 4 Purgadores de Vapor, Separadores e Filtros

Recomendações de Material para Serviços Exposição Teórica

5 Aquecimento, Isolamento Térmico, Pintura e Proteção Exposição Teórica 6 Disposição das Construções em uma Instalação Industrial

Arranjo e Detalhamento de Tubulações Exposição Teórica

7 Sistemas Especiais de Tubulação Suportes de Tubulação Montagem e Teste de Tubulações

Exposição Teórica Pratica de Campo

8 Desenhos de Tubulações Exposição Teórica 9 Desenho de Tubulações Exercícios 10 Exercício de Avaliação 11 A Tubulação Considerada como Elemento Estrutural

Cálculo da Espessura de Parede de Tubos e do Vão Entre Suportes Exposição Teórica

12 Dilatação Térmica e Flexibilidade de Tubulações Cálculo de Flexibilidade

Exposição Teórica

13 Cálculo de Flexibilidade Exposição Teórica 14 Cálculo de Flexibilidade Exercícios 15 Visita Técnica Pratica de Campo

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 1 Prof. Clélio

4

AULA 1 Volume I do Livro Texto

CONTEÚDO:

Capítulo 1

Tubulações Industriais: Generalidades, Classificação.

Capítulo 2

Tubos: Materiais, Processos de Fabricação, Normalização Dimensional.

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 1 Prof. Clélio

5

TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS Definição: Conjunto de tubos e seus acessórios Aplicações: Distribuição de vapor para força e/ou para aquecimento;

Distribuição de água potável ou de processos industriais; Distribuição de óleos combustíveis ou lubrificantes; Distribuição de ar comprimido; Distribuição de gases e/ou líquidos industriais.

Custo: Em indústrias de processamento, indústrias químicas, refinarias de petróleo, indústrias petroquímicas, boa parte das indústrias alimentícias e farmacêuticas, o custo das tubulações pode representar 70% do custo dos equipamentos ou 25% do custo total da instalação.

CLASSIFICAÇÃO DAS

TUBULAÇÕES

Tubulações dentro de instalações

industriais

Tubulações fora de instalações

industriais

Tubulações de processo

Tubulações de utilidades

Tubulações de instrumentação

Tubulações de drenagem

Tubulações de transporte

Tubulações de distribuição

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 1 Prof. Clélio

6

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO DE TUBOS

Laminação Dia. Grandes TUBOS SEM COSTURA Extrusão Dia. Pequenos Fundição TUBOS COM COSTURA Fabricação por solda

A QUALIDADE DO TUBO INDEPENDE DO PROCESSO DE FABRICAÇÃO

FABRICAÇÃO POR LAMINAÇÃO

Laminador Oblíquo (Mannesmann)

Laminadores de Acabamento

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 1 Prof. Clélio

7

FABRICAÇÃO POR EXTRUSÃO

Ferro Fundido (Nodular) Aços especiais não forjáveis FABRICAÇÃO POR FUNDIÇÃO Concreto Cimento-amianto Barro-vidrado

FABRICAÇÃO DE TUBOS COM COSTURA

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 1 Prof. Clélio

8

MATERIAIS PARA TUBOS É muito grande a variedade dos materiais atualmente utilizados para a fabricação de tubos. Só a ASTM especifica mais de 500 tipos diferentes.

METÁLICOS: Ferrosos: Aços-carbono Aços-liga Aços inoxidáveis Ferro fundido Ferro forjado Ferros ligados Ferro nodular Não-ferrosos Cobre Latões Cobre-níquel Níquel e ligas Metal Monel Chumbo Titânio, zircônio NÃO METÁLICOS: Materiais Cloreto de polivinil (PVC) plásticos Polietileno Acrílicos Acetato de celulose Epóxi Poliésteres Fenólicos etc. Cimento-amianto Concreto armado Barro vidrado Elastômeros (borrachas) Vidro Cerâmica, porcelana etc. A seleção e especificação do material mais adequado para uma determinada aplicação pode ser um problema difícil cuja solução depende de diversos fatores.

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 1 Prof. Clélio

9

FATORES DE INFLUÊNCIA NA SELEÇÃO DE MATERIAIS A seleção adequada é um problema difícil porque, na maioria dos casos, os fatores determinantes podem ser conflitantes entre si. Caso típico é corrosão versus custo. Os principais fatores que influenciam são:

Fluido conduzido – Natureza e concentração do fluido Impurezas ou contaminantes; pH; Velocidade; Toxidez; Resistência à corrosão; Possibilidade de contaminação.

Condições de serviço – Temperatura e pressão de trabalho.

(Consideradas as condições extremas, mesmo que sejam condições transitórias ou eventuais.)

Nível de tensões do material – O material deve ter resistência mecânica

compatível com a ordem de grandeza dos esforços presentes. ( pressão do fluido, pesos, ação do vento, reações de dilatações térmicas, sobrecargas, esforços de montagem etc.

Natureza dos esforços mecânicos – Tração; Compressão; Flexão; Esforços estáticos ou dinâmicos; Choque s; Vibrações; Esforços cíclicos etc.

Disponibilidade dos materiais – Com exceção do aço-carbono os materiais tem limitações de disponibilidade.

Sistema de ligações – Adequado ao tipo de material e ao tipo de montagem. Custo dos materiais – Fator freqüentemente decisivo. Deve-se considerar o custo direto e também os custos indiretos representados pelo tempo de vida, e os conseqüentes custos de reposição e de paralisação do sistema. Segurança – Do maior ou menor grau de segurança exigido dependerão a resistência mecânica e o tempo de vida. Facilidade de fabricação e montagem – Entre as limitações incluem-se a soldabilidade, usinabilidade, facilidade de conformação etc. Experiência prévia – É arriscado decidir por um material que não se conheça nenhuma experiência anterior em serviço semelhante. Tempo de vida previsto – O tempo de vida depende da natureza e importância da tubulação e do tempo de amortização do investimento. Tempo de vida para efeito de projeto é de aproximadamente 15 anos.

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 1 Prof. Clélio

10

OBSERVAÇÕES SOBRE A SELEÇÃO DE MATERIAIS Para a solução do problema da escolha dos materiais, a experiência é indispensável e insubstituível ou seja, material para ser bom já deve ter sido usado por alguém anteriormente. Seguir a experiência é a solução mais segura, embora nem sempre conduza à solução mais econômica. Resumindo, pode-se indicar a seguinte rotina para seleção de materiais:

1 – Conhecer os materiais disponíveis na prática e suas limitações físicas e de fabricação.

2 – Selecionar o grupo mais adequado para o caso tendo em vista as

condições de trabalho, corrosão, nível de tensão etc. 3 – Comparar economicamente os diversos materiais selecionados,

levando em conta todos os fatores de custo. COMPARAÇÃO DE CUSTOS DE MATERIAIS A comparação de custos deve ser feita comparando a relação custo/resistência mecânica ou seja, a comparação deve ser feita entre preços corrigidos que serão os preços por kg multiplicado pelo peso específico e dividido pela tensão admissível de cada material.Na comparação de custos dos materiais devem ainda ser levados em consideração os seguintes pontos:

- Resistência à corrosão ( sobreespessura de sacrifício ). - Maior ou menor dificuldade de solda - Maior ou menor facilidade de conformação e de trabalho - Necessidade ou não de alívio de tensões.

CUSTO RELATIVO DOS MATERIAIS Materiais Custo

Relativo Materiais Custo

Relativo Aço-carbono estrutural 1,00 Ferro fundido 0,95 Aço-carbono qualificado 1,15 Alumínio 2,5 Aço-liga 1,25Cr – 0,5 Mo 3,1 Latão de alumínio 7,6 Aço inoxidável tipo 304 11,5 Metal Monel 31,8 Aço inoxidável tipo 316 15,0 Titânio 41,0

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 1 Prof. Clélio

11

TUBOS DE AÇO-CARBONO ( Chamados de uso geral) BAIXO CUSTO REPRESENTA EXCELENTES QUALIDADES MECÂNICAS 90% DOS TUBOS FÁCIL DE SOLDAR E DE CONFORMAR DAS INDUSTRIAS UTILIZADO PARA: Água doce, vapor, condensado, ar comprimido, óleo, gases e muitos outros fluidos pouco corrosivos. 450ºC para serviço severo 480ºC para serviço não severo LIMITES DE TRABALHO

520ºC máximo em picos PELA TEMPERATURA 370ºC começa deformação por fluência 530ºC oxidação intensa (escamação)

-45ºC torna-se quebradiço EXITEM ACOS-CARBONO ESPECIAIS PARA BAIXAS TEMPERATURAS COM MENOS CARBONO E MAIS MANGANÊS PARA TEMPERATURAS ABAIXO DE 0ºC E ACIMA DE 400ºC É RECOMENDADO A UTILIZAÇÃO DE AÇO-CARBONO ACALMADO ( 1% de Si) O AÇO-CARBONO EXPOSTO À ATMOSFERA SOFRE CORROSÃO UNIFORME (ferrugem) E O CONTATO DIRETO COM O SOLO CAUSA CORROSÃO ALVEOLAR PENETRANTE. DE UM MODO GERAL O AÇO-CARBONO APRESENTA BAIXA RESISTÊNCIA À CORROSÃO (utiliza-se com revestimento ou joga-se com sobreespessura). OS RESÍDUOS DE CORROSÃO DO AÇO-CARBONO NÃO SÃO TÓXICOS MAS PODEM AFETAR A COR E O GOSTO DO FLUIDO CONDUZIDO. O AÇO-CARBONO É VIOLENTAMENTE ATACADO PELOS ÁCIDOS MINERAIS, PRINCIPALMENTE QUANDO DILUIDOS OU QUENTES E SUPORTA RAZOAVELMENTE O SERVIÇO COM ÁLCALIS. OS TUBOS DE AÇO-CARBONO SÃO COMERCIALIZADOS SEM TRATAMENTO (TUBO PRETO) OU PROTEGIDOS COM REVESTIMENTO DE ZINCO DEPOSITADO A QUENTE (TUBO GALVANIZADO).

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 1 Prof. Clélio

12

TUBOS DE ACOS-LIGA E AÇOS INOXIDÁVEIS OS TUBOS DE AÇOS-LIGA OU DE AÇOS INOXIDÁVEIS SÃO BEM MAIS CAROS QUE OS AÇOS-CARBONO, ALÉM DO QUE A SOLDAGEM, CONFORMAÇÃO E MONTAGEM TAMBÉM SÃO MAIS DIFÍCEIS E MAIS CARAS. Altas temperaturas

Baixas temperaturas CASOS GERAIS DE EMPREGO Alta corrosão

Necessidade de não contaminação Segurança DEFINIÇÕES: Aços-liga são todos os outros aços que contêm outros elementos, além dos que compõem os aços-carbono. Melhora resistência a fluência Aços-liga, para tubulações, destaca Mo p/ altas temperaturas duas classes importantes Mo+Cr Melhora resistência a oxidação Ni p/ baixas temperaturas Aços inoxidáveis são os que contêm pelo menos 12% de Cr que lhes conferem a propriedade de não se enferrujarem mesmo em exposição prolongada em uma atmosfera normal. Corrosão intergranular pela precipitação de carboneto AUSTENÍTICO de Cr – Sensitização (T>450) (não magnéticos) Corrosão alveolar provocada Pelo ion cloro (Cloretos,Hipo Aços inoxidáveis podem ser cloreto etc.) FERRÍTICO (magnético)

TIPOS ESTRUTURA ELEMENTOS DE LIGA (%) LIMITES DE T (ºC) DENOMINAÇÃO DO

AISI METALURGICA Cr Ni OUTROS Máxima Mínima

304 Austenítica 18 8 600 -255 304 L Austenítica 18 8 C (max.): 0,03 400 sem limite 310 Austenítica 25 20 600 -195 316 Austenítica 16 10 Mo: 2 650 -195 321 Austenítica 17 9 Ti: 0,5 600 -195 405 Ferrítica 12 - Al:0,2 470 zero

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 1 Prof. Clélio

13

ESPECIFICAÇÃO DE MATERIAL PARA TUBOS DE AÇO

NÃO CONFUNDIR ESPECIFICAÇÃO COM NORMA DIMENSIONAL. NO CASO DE TUBOS AS ESPECIFICAÇÕES MAIS COMUNS SÃO: A-53 Aço-carbono A-106 Tubo preto ASTM A-120 Preto ou Galvanizado

Aço inoxidável A-312

Tabela de Exemplo para o ASTM A-106

DIÂMETROS COMERCIAIS DOS TUBOS DE AÇO

Norma ANSI. B.36.10 Aço Carbono e Aço Liga Norma ANSI. B.36.19 Aço Inoxidáveis TODOS OS TUBOS SÃO DESIGNADOS POR UM NÚMERO CHAMADO “DIÂMETRO NOMINAL IPS” (Iron Pipe Size) ou “BITOLA NOMINAL” Até 12” o Diâmetro Nominal não corresponde à nenhuma dimensão física do tubo; a partir de 14” o Diâmetro Nominal coincide com o diâmetro externo dos tubos. NORMA DIMENSIONAL ABNT A ABNT ADOTOU A ANSI B.36 DESPREZANDO A POLEGADA DO DIÂMETRO NOMINAL USANDO O NÚMERO COMO DESIGNAÇÃO.

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 1 Prof. Clélio

14

Para cada Diâmetro Nominal fabricam-se tubos com várias espessuras de parede, denominadas “séries” ou “schedule”.

P= Pressão internade trabalho em psig .

Série = S

P1000 onde:

S= Tensão admissível do material em psig

TABELA DE DIMENSÕES DE TUBOS – ANEXO 1/AULA1 PARA CADA DIÂMETRO NOMINAL O DIAMETRO EXTERNO É SEMPRE CONSTANTE, VARIANDO APENAS O DIÂMETRO INTERNO, QUE SERÁ TANTO MENOR QUANTO MAIOR FOR A ESPESSURA DE PAREDE DO TUBO.

SEÇÕES TRANSVERSAIS EM TUBOS DE 1” DE DIÂMETRO NOMINAL

NORMALIZAÇÃO DA ABNT – P-PB-225 Diâmetros Séries

1/8”, ¼”, 3/8”, ½”, ¾”, 1”, 1¼”, 1½”, 2”, 2½”, 3”, 3½”, 4”, 5”, 6”, 8”, 10”, 12”, 14”, 16”, 18”, 20”, 22”, 24”, 26”, 30” e 36” (OS DIÂMETROS DE 1 ¼”, 3 ½” E 5” SÃO POUCO USADOS NA PRÁTICA)

10, 20, 30, 40, 60, 80, 100, 120, 140 e 160 (NÃO EXISTE DISPONÍVEL NO MERCADO TODAS AS ESPESSURAS PARA TODOS OS DIÂMETROS)

TIPOS DE PONTAS DE TUBOS

TABELA DE DIMENSÕES DE ROSCAS – ANEXO 2/AULA1

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 1 Prof. Clélio

15

DIMENSIONAMENTO DO DIÂMETRO DA TUBULAÇÃO

NA MAIORIA DOS CASOS É UM PROBLEMA

HIDRÁULICO EM FUNÇÃO:

Da vazão necessária de fluido Das diferenças de cotas existentes Das pressões disponíveis Das velocidades e perdas de carga admissíveis Da natureza do fluido Do material e tipo da tubulação

EXCEÇÕES Diâmetro do bocal do equipamento (TUBOS CURTOS)

Vão entre os suportes (VAZÕES PEQUENAS)

O CÁLCULO É FEITO POR APROXIMAÇÕES SUCESSIVAS

CÁLCULO DO DIÂMETRO

Função das velocidades de escoamento ou

Das perdas de carga

TABELA DE VELOCIDADES ECONÔMICAS – ANEXO 3/AULA1

É PRECISO EVITAR VELOCIDADES ALTAS PORQUE PODE CAUSAR VIBRAÇÕES NA TUBULAÇÃO

GRANDEZAS CONHECIDAS (Cálculo da perda de carga)

Vazão Cota e pressão dos pontos extremos Natureza do líquido ( vP,,υγ ) Comprimento equivalente

1. QUANTO MAIOR A PERDA DE CARGA MAIOR A ENERGIA PERDIDA 2. PARA DIMINUIR A PERDA DE CARGA É PRECISO AUMENTAR O

DIÂMETRO 3. RESULTA EM UM PROBLEMA ECONÔMICO

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 1 Prof. Clélio

16

CALCULADO O DIÂMETRO EM FUNÇÃO DO ESCOAMENTO É PRECISO ADEQUAR O VALOR ENCONTRADO COM AS DIMENSÕES NORMALIZADAS PARA FABRICAÇÃO DE TUBOS.

CÁLCULO DA ESPESSURA DA PAREDE DO TUBO

( Em função da pressão interna)

hS PD

t 21

= ; Onde

t1 = Espessura da parede P = Pressão interna D = Diâmetro externo Sh = Tensão admissível do material na temperatura de projeto

SÓ PODE SER UTILIZADA SE O DIÂMETRO EXTERNO FOR MAIOR QUE 6 (seis) VEZES A ESPESSURA DA PAREDE

CÁLCULO DA ESPESSURA DE PAREDE (Norma ANSI/ASME. B.31)

( ) C

PYES PDt

h

+ +

= 2

, ou ( )

C PPYES

Pdt h

+ −+

= 2

Onde: P = pressão interna de projeto. D = diâmetro externo; d = diâmetro interno Sh= tensão admissível do material na temperatura de projeto. E = coeficiente de eficiência de solda:

E=1 Para tubos sem costura e tubos com costura por solda de topo, totalmente radiografa.

E=0,9 Para tubos com costura por solda de topo, radiografia parcial E=0,85 Idem, sem radiografia, solda pelos dois lados. E=0,8 Idem, Idem, solda por um só lado.

Y = coeficiente de redução de acordo com o material e a temperatura. Y=0,4 Para tubos de aço carbono e outros aços ferríticos, em

temperaturas de até 485 °C. Y=0 Para tubos de ferro fundido.

C = soma das sobreespessura para corrosão, erosão e abertura de roscas.

AS FÓRMULAS NÃO PODEM SER APLICADAS QUANDO P/SE > 0,385 E TAMBÉM QUANDO t > D/6 A SOBREESPESSURA PARA CORROSÃO E EROSÃO SERÁ O PRODUTO DA TAXA ANUAL DE CORROSÃO PELO NÚMERO DE ANOS DA VIDA ÚTIL; PARA TUBULAÇÕES EM GERAL, TOMA-SE DE 10 A 15 ANOS DE VIDA ÚTIL. NA FALTA DE DADOS, PARA O AÇO CARBONO E AÇOS DE BAIXA LIGA, CONSIDERA-SE:

1. 1,2 mm como valor mínimo para a sobreespessura de corrosão 2. 2,0 mm em serviços de média corrosão 3. até 4,0 mm em serviços de alta corrosão

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 1 Prof. Clélio

17

DEFINIÇÃO DE UM TUBO (Especificação para Compra)

DIÂMETRO NOMINAL NÚMERO DE SÉRIE

TIPO DE EXTREMIDADE Ponta lisa Ponta chanfrada (especificada) Ponta rosqueada (especificada) PROCESSO DE FABRICAÇÃO (com ou sem costura) ESPECIFICAÇÃO DO MATERIAL TIPO DE ACABAMENTO OU DE REVESTIMENTO

QUANTIDADE Normalmente indica-se a quantidade total em unidade de comprimento ou em peso.

A indicação do comprimento da vara de tubo não é importante porque pode haver variação, em função do processo de fabricação

TUBOS DE FERRO FUNDIDO

SÃO USADOS PARA ÁGUA, GÁS, ÁGUA SALGADA E ESGOTOS, EM SERVIÇOS DE BAIXA PRESSÃO , TEMPERATURA AMBIENTE E SEM GRANDES ESFORÇOS MECÂNICOS.

ÓTIMA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO SOLO

OS TUBOS DE MELHOR QUALIDADE SÃO FABRICADOS EM MOLDES CENTRIFUGADOS

SÃO PADRONIZADOS PELO DIÂMETRO EXTERNO DE 2” A 48” COM AS Lisa EXTREMIDADES Flange Integral Ponta e Bolsa

SEGUEM AS NORMAS EB-43 e P-EB-137 DA ABNT E SÃO TESTADOS PARA PRESSÕES DE ATÉ 3 MPa ( ≅ 30 Kgf/cm2) FERRO FUNDIDO NODULAR Adição de Si, Cr ou Ni Aumenta a resistência mecânica.

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 1 Prof. Clélio

18

TUBOS DE METAIS NÃO-FERROSOS

DE UM MODO GERAL SÃO DE POUCA UTILIZAÇÃO DEVIDO AO ALTO CUSTO

Comparação geral com o Aço Carbono: Melhor resistência à corrosão NÃO-FERROSOS Preço mais elevado Menor resistência mecânica Menor resistência às altas temperaturas Melhor comportamento em baixas temperaturas COBRE E SUAS LIGAS Da atmosferaExcelente resistência ao ataque Da água, inclusive salgada Dos álcalis e dos ácidos diluídos De muitos compostos orgânicos De numerosos outros fluidos corrosivos Amônia Severo efeito de corrosão sob-tensão Aminas quando em contato com: Compostos Nitrados DEVIDO AO ALTO COEFICIENTE DE TRANSMISSÃO DE CALOR SÃO MUITO EMPREGADOS EM SERPENTINAS, COMO TUBOS DE AQUECIMENTO OU REFRIGERAÇÃO NÃO DEVEM SER EMPREGADOS PARA PRODUTOS ALIMENTARES OU FARMACÊUTICOS PELO FATO DE DEIXAREM RESÍDUOS TÓXICOS PELA CORROSÃO Tubos de Cobre B.68, B.75,B.88 PRINCIPAIS ESPECIFICAÇÕES DA ASTM Tubos de Latão B.111 Tubos de Cobre-níquel B.466

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 1 Prof. Clélio

19

ALUMÍNIO E SUAS LIGAS A atmosfera A água Muito boa resistência ao contato com: Muitos compostos orgânicos,

inclusive ácidos orgânicos

A RESISTÊNCIA MECÂNICA É MUITO BAIXA (A adição de Si, Mg ou Fe melhora a resistência mecânica)

DEVIDO AO ALTO COEFICIENTE DE TRANSMISSÃO DE CALOR SÃO MUITO EMPREGADOS EM SERPENTINAS, COMO TUBOS DE AQUECIMENTO OU REFRIGERAÇÃO

OS RESÍDUOS RESULTANTE DA CORROSÃO NÃO SÃO TÓXICOS

PRINCIPAIL ESPECIFICAÇÂO É A ASTM B.111

CHUMBO Baixa resistência mecânica Pesado CARACTERÍSTICAS excepcional resistência à corrosão Pode trabalhar com H2SO4 em qualquer concentração NÍQUEL E SUAS LIGAS APRESENTAM SIMULTANEAMENTE EXCEPCIONAL RESISTÊNCIA À CORROSÃO, E MUITO BOAS QUALIDADES MECÂNICAS E DE RESISTÊNCIA ÀS TEMPERATURAS, TANTO ELEVADAS COMO BAIXAS. Níquel Comercial

PRINCIPAIS TIPOS Metal Monel (67% Ni, 30% Cu) Inconel (80% Ni, 20% Cr) TITÂNIO, ZIRCÔNIO E SUAS LIGAS MATERIAIS COM PROPRIEDADES EXTRAORDINÁRIAS TANTO DE RESISTÊNCIA À CORROSÃO, COMO RESISTÊNCIA ÀS TEMPERATURAS E QUALIDADES MECÂNICAS; ALÉM DISSO O PESO ESPECÍFICO É CERCA DE 2/3 DO PESO DOS AÇOS. A PRINCIPAL DESVANTAGEM É O PREÇO EXTREMAMENTE ELEVADO

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 1 Prof. Clélio

20

TUBOS NÃO-METÁLICOS PLÁSTICOS (GRUPO MAIS IMPORTANTE) A UTILIZAÇÃO DE TUBOS DE PLÁSTICO TEM CRESCIDO NOS ÚLTIMOS ANOS, PRINCIPALMENTE COMO SUBSTITUTOS PARA OS AÇOS INOXIDÁVEIS Pouco peso Alta resistência à corrosão VANTAGENS Coeficiente de atrito muito baixo Facilidade de fabricação e manuseio Baixa condutividade térmica e elétrica Cor própria e permanente Baixa resistência ao calor Baixa resistência mecânica DESVANTAGENS Pouca estabilidade dimensional Insegurança nas informações técnicas Alto coeficiente de dilatação Alguns plásticos podem ser combustíveis

TERMOPLÁSTICOS Polímeros de cadeia reta

(para dia. pequenos) (Podem ser moldados pelo calor) PLÁSTICOS

TERMOESTÁVEIS Polímeros de cadeia ramificada (Termofixos) (Não podem ser moldados)

(para dia. Grandes)

PLÁSTICO AÇO CARBONO RESISTEM AOS ACÍDOS E ÁLCALIS DILUIDOS NÃO RESISTEM AOS ÁCIDOS E ÁLCALIS CONCENTRADOS

NÃORESISTEM AOS ACÍDOS E ÁLCALIS DILUIDOS RESISTEM AOS ÁCIDOS E ÁLCALIS CONCENTRADOS

QUASE TODOS OS PLÁSTICOS SOFREM UM PROCESSO DE DECOMPOSIÇÃO LENTA QUANDO EXPOSTOS POR MUITO TEMPO À LUZ SOLAR ( Ação dos raios U.V.)

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 1 Prof. Clélio

21

CIMENTO-AMIANTO - (ARGAMASSA DE CIMENTO E AREIA COM ARMAÇÃO DE FIBRAS DE AMIANTO) CONCRETO ARMADO BARRO VIDRADO (MANILHAS) VIDRO, CERÂMICA BORRACHAS (MANGEIRAS E MANGOTES)

TUBOS DE AÇO COM REVESTIMENTO INTERNO

- Revestimento anticorrosivo, ou para evitar a contaminação do fluido conduzido

FINALIDADES - Revestimento anti-abrasivos e anti-erosivos - Revestimentos refratários (isolamento térmico interno)

- Custos RAZÕES - Resistência Mecânica - Possibilidade de Fabricação

PRINCIPAIS DIFICULDADES: MONTAGEM E SOLDAGEM

AULA 1 Referente aos Capítulos 1 e 2 do Livro Texto

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 1 Prof. Clélio

22

ANEXO 1 – Livro de Tabelas (pág. 18) Folha 1 de 2

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 1 Prof. Clélio

23

5. TUBOS DE AÇO – DIMENSÕES NORMALIZADAS (Continuação)

ANEXO 1 – Livro de Tabelas (pág. 19) Folha 2 de 2

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 1 Prof. Clélio

24

ANEXO 2 – Livro de Tabelas (pág. 23) Folha 1 de 1

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 1 Prof. Clélio

25

VELOCIDADES RECOMENDADAS PARA TUBULAÇÕES

Nota: Essas velocidades são valores sugeridos que devem servir apenas como primeira aproximação

ANEXO 3 – Livro de Tabelas (pág. 28) Folha 1 de 1

Muito bom
EXCELENTE!
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 25 páginas