Dendrologia, Notas de estudo de Engenharia Florestal
gracielle-damasceno-6
gracielle-damasceno-6

Dendrologia, Notas de estudo de Engenharia Florestal

73 páginas
50Números de download
1000+Número de visitas
100%de 0 votosNúmero de votos
Descrição
Apostila
80 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 73
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 73 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 73 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 73 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 73 páginas
Apostila Dendrologia fev 2010

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

APOSTILA DENDROLOGIA

Eucalyptus deglupta

Posoqueria latifolia

Autores: Dr. Alexander Christian Vibrans e acadêmico Alexandre A. de Oliveira

contato: acv@furb.br

Blumenau

Fevereiro de 2010

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

Programa

1. DENDROLOGIA GERAL 1.1. Introdução 1.2. Taxonomia vegetal 1.3. Morfologia e descrição dendrológica

1.3.1 Tronco e casca 1.3.2 Ramificação e copa 1.3.3 Folha 1.3.4 Flor 1.3.5 Fruto e semente

1.4 Chaves dendrológicas 1.5 Coleta e preparo de material para coleções (herbário, carpoteca, xilotecas) 1.6 Biologia reprodutiva de espécies arbóreas 1.7 Grupos ecológicos de árvores 1.8 Fenologia

2. DENDROLOGIA ESPECÍFICA

2.1. Espécies importantes e suas características morfológicas, ecológicas e econômicas.

2.1.1. Gimnospermas (coníferas): Araucariaceae, Podocarpaceae 2.1.2. Angiospermas (magnoliófitas): Annonaceae, Arecaceae, Asteraceae, Apocynaceae, Aquifoliaceae, Araliaceae, Bignoniaceae, Boraginaceae, Euphorbiaceae, Fabaceae, Lauraceae, Lecythidaceae, Magnoliaceae, Melastomataceae, Meliaceae, Myrtaceae, Moracaeae, Myristicaceae, Myrsinaceae, Rhamnaceae, Sapindaceae, Sapotaceae, Verbenaceae.

2.2 Espécies exóticas cultivadas no Brasil Bibliografia recomendada

BACKES, P., IRGANG, B. 2002. Árvores do Sul: guia de identificação & interesse ecológico, as

principais espécies nativas sul-brasileiras. Santa Cruz do Sul: Instituto Souza Cruz, 326 p.

CAMARGOS, J. A.A. 2001. Catálogo de árvores do Brasil. 2. ed. Brasília, D.F: Instituto Brasileiro do

Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, 896p.

CARAUTA, J.P.P., DIAZ, B.E. 2002. Figueiras no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. da UFRJ, 211p.

CARUSO, M.M.L.1983. O desmatamento da Ilha de Santa Catarina de 1500 aos dias atuais.

Florianópolis: Editora da UFSC, 158p.

CARVALHO, P.E.R. 1994. Espécies florestais brasileiras. Colombo: Embrapa, 639p.

_______. Espécies arbóreas brasileiras. Colombo: Embrapa, vol. 1 (2003), 1040p.; vol. 2 (2007),

627p.; vol.3 (2008) 604p.

CORREA, M. Pio, 1984. Dicionário das plantas úteis do Brasil e das exóticas cultivadas. Brasília:

IBDF. Vol.1-5.

EMBRAPA.1988. Zoneamento ecológico para plantios florestais no Estado de Santa Catarina. Curitiba:

Embrapa, 113p.

GONÇALVES, E.G.; LORENZI, H. Morfologia vegetal. São Paulo: Instituto Plantarum. 2007. 441p.

HUECK, K. 1972. As florestas da America do Sul: ecologia, composição e importância econômica. São

Paulo: Polígono, 466p.

IBAMA.1991. Padronização da nomenclatura comercial brasileira das madeiras tropicais amazônicas.

Brasília: IBAMA, 95p.

IBGE. 1990-93. Geografia do Brasil. Volume 1-4. Rio de Janeiro: IBGE

_____. 1991. Manual técnico da vegetação brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 92p.

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

KLEIN, R.M. 1960. O aspecto dinâmico do pinheiro brasileiro. Sellowia 12:17-44.

_______1979/80. Ecologia da flora e vegetação do vale do Itajaí. Sellowia. 31/32, p. 1-399.

_______ 1982. Contribuição à identificação de árvores nativas nas florestas do sul do Brasil.

Congresso Nacional sobre Essências Nativas. Campos do Jordão. Anais. Vol. I, p.421-440.

LAMPRECHT, H. 1990. Silvicultura nos trópicos. Eschborn: GTZ, 343p.

LORENZI, H. 1992. Árvores Brasileiras. Nova Odessa: Editora Plantarum, 352p.

_____. 1998. Árvores Brasileiras. Vol.II. Nova Odessa: Editora Plantarum, 352p.

_____. 2003. Árvores exóticas do Brasil. Nova Odessa: Editora Plantarum, 368p.

MAINIERI, C., CHIMELO, J. P. 1989. Fichas de características das madeiras brasileiras. São Paulo:

IPT, 418p.

MARCHIORI, J.N.C.1995. Elementos de Dendrologia. Santa Maria: Ed. da UFSM, 163p.

_____. 1996. Dendrologia das Gimnospermas. Santa Maria: Ed. da UFSM, 158p.

_____. 1997. Dendrologia das Angiospermas - Leguminosas. Santa Maria: Ed. da UFSM, 199p.

_____. 1997. Dendrologia das Angiospermas - das Magnoliáceas às Flacourtiáceas. Santa Maria: Ed.

da UFSM, 271p.

______, 2000. Dendrologia das angiospermas: das bixáceas às rosáceas. Santa Maria: Ed.

UFSM, 240p.

_____, SOBRAL,M. 1997. Dendrologia das Angiospermas – Myrtales. Santa Maria: Ed. da UFSM,

304p.

RAMOS, V. S. et al. 2008. Árvores da floresta estacional semidecidual: guia de identificação de

espécies. São Paulo: Edusp/Fapesp, 312p.

REITZ, .R. 1959. Os nomes populares das plantas de Santa Catarina. Sellowia 11:9-148.

_____ (ed.) 1965 - . Flora Ilustrada Catarinense. Itajaí. Herbário Barbosa Rodrigues.

REITZ, P.R., KLEIN, R.M., REIS, A. 1978. Projeto Madeira de Santa Catarina. Itajaí: HBR, 284p.

_____. sem ano. Projeto Madeira do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Sudesul, 525p.

RIBEIRO, J. E. L.da S. et. al. 1999. Flora da Reserva Ducke: guia de identificação das plantas

vasculares de uma floresta de terra-firme na Amazônia Central. Manaus: INPA, 798p.

SOBRAL, M.; JARENKOW, J.A. (org.) Flora arbórea e arborescente do Rio Grande do Sul, Brasil. São

Carlos: RiMa: 2006, 350 p.

SCHULTZ, A. R. 1980. Introdução à botânica sistemática. 5. ed. Porto Alegre: Ed. da URGS.

SOUZA, H.M. et al. 2004. Palmeiras no Brasil. Nova Odessa: Editora Plantarum, 416p.

SOUZA, V. Castro; LORENZI, H. 2008. Botânica sistemática: guia ilustrado para identificação das

famílias de Fanerógamas nativas e exóticas no Brasil, baseado em APG II.2. ed. Nova Odessa:

Instituto Plantarum, 704 p.

VELOSO, H.P. et al. 1991. Classificação da vegetação brasileira, adaptada a um sistema universal.

Rio de Janeiro: IBGE, 123p.

WALTER, H. 1986. Vegetação e zonas climáticas. São Paulo: EPU, 325p.

WANDERLEY, M. G. Lapa. 2003 - . Flora fanerogâmica do estado de São Paulo. São Paulo: FAPESP,

RiMa, vol. 1 - 4.

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

DENDROLOGIA(Estudo das árvores): definições Morfologia, nomenclatura, distribuição geográfica, utilidades (Teofrasto, Grécia, século IV a.C.). Nomenclatura, sinônimos, utilização e provérbios, curiosidades Ulisse Aldrovandi (Bologna, 1668). Taxonomia, nomenclatura, morfologia, anatomia, fenologia, distribuição

geográfica, importância econômica, sub-espécies, variedades, formas e grupos como gênero e família (Dayton, 1945).

Descrição de características morfológicas, ecológicas e econômicas das árvores MORFOLOGIA - baseada em caracteres primários (morfologia floral); - usando também caracteres secundários para o fácil

reconhecimento (porte, forma da copa e do tronco; cor, estrutura e aspecto da casca e das folhas; presença de acúleos, espinhos, látex, exsudações, odores, entre outros).

ECOLOGIA - Autecologia distribuição geográfica natural, exigências de

sítio (condições macro e microclimáticas e edáficas), biologia reprodutiva e estratégias de reprodução.

- Sinecologia posição e função das árvores nas comunidades de

plantas, as interações com outras plantas e a fauna. - Aspectos históricos histórico da ocorrência das espécies e de sua

distribuição geográfica. ECONOMIA - Importância econômica das árvores Utilização artesanal e industrial (histórica e atual) de

seus produtos; cultivo das espécies para fins produtivos e de conservação (recuperação).

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

FICHA DENDROLÓGICA Taxonomia Família, gênero, espécie; Nomes populares.

Características morfológicas Aspecto geral (hábito); Tronco, raízes, ramificação; Folhas; Flores e Inflorescências; Frutos e sementes. Biologia reprodutiva Fenologia; Vetores de polinização; Vetores de dispersão; Estratégia de reprodução. Habitat / Autecologia Região bioclimática, solo, exposição, Preferências de sitio (encosta, topo de morro, várzea); Estádio sucessional, grupo ecológico. Distribuição geográfica Centro, limites; Ocorrência atual e histórica; refúgios. Emprego da madeira ou de outros produtos Características físicas/químicas do lenho; Emprego atual e histórico; Uso industrial, artesanal e potencial. Silvicultura (cultivo e manejo) Coleta e armazenamento de sementes; Germinação, quebra de dormência; Produção de mudas; Crescimento e produção; Tratamentos silviculturais; Melhoramento;

Uso p/ arborização urbana; Uso p/ recuperação de áreas degradadas; Uso medicinal; Pragas e doenças.

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

1.2 TAXONOMIA

TERMINOLOGIA E DESCRIÇÃO DENDROLÓGICA (segundo MARCHIORI, 1995; modificado) ÁRVORE - planta com caule muito lignificado e perene; caule livre e erguido,

só ramificando a uma certa altura (forma uma copa); altura > 5 m. RAÍZES - geralmente subterrâneas: pivotante (axial); fasciculada; tuberosa; - raízes superficiais: tabulares em Ficus, Enterolobium, Schizolobium; Sloanea e muitas outras espécies; - raízes respiratórias (pneumatóforos) em Taxodium distichum; - raízes escoras em Cecropia e Rhizophora mangle; - raízes adventícias (Ficus elastica). - grampiformes (em Ficus pumila). CAULE - haste; tronco (fuste); colmo (oco ou cheio; gramíneas); estipe (arecáceas);cladódio(caule fotossintetizante); filocládio chatado); sarmento (videira); volúvel (liana). TRONCO - fuste reto, tortuoso, inclinado: - reto: Virola bicuhyba; Aspidosperma parvifolium, Liquidambar Styraciflua; - tortuoso: Cabralea canjerana, espécies ripárias: Parapiptadenia

rigida, Salix humboldtiana espécies do cerrado: Acacia caven, Schinus molle;

- com espinhos: Fabaceae (Caesalpinoideae) (Gleditschia), Euphorbiaceae (Hura); Salicaceae (Xylosma), Rubiaceae (Randia). Phytolaccaceae (Seguieria);

- inclinado: Araucaria columnaris, Cecropia, Euterpe edulis - com sapopemas: Ficus, Sloanea;

- anomalias: “barrigudas” em Malvaceae: Ceiba pentandra (Sumaúma) e Ceiba speciosa (Paineira), Adansonia (Baobab), Cavanillesia (Barriguda);

- secção transversal geralmente circular; - irregular, acanalado, lobulado em Vitex (Tarumã) e algumas

Myrtaceae (Guaramirins). CASCA - casca interna: tecido externo ao câmbio vascular (floema ativo e inativo);

- casca externa: tecido externo ao câmbio cortical; (periderme ± suberosa; epiderme (ritidoma), ± deiscente em placas

- textura: - lisa: Myrtaceae (Eugenia, Myrciaria, Psidium, Eucalyptus)

Lythraceae (Lagerstroemia indica); Fabaceae (Caesalpinia ferrea); - áspera sem fendas: Enterolobium, Schizolobium, Agathis,

Magnolia ovata, Copaifera trapezifolia; - fissuras (na periderme e epiderme): - próximas e finas: Myrocarpus frondosus (Cabreúva); - profundas: Cedrela (com placas retangulares), Pinus;

- em forma de Y: Handroanthus, Colubrina glandulosa; - placas quadradas regulares: Heisteria silvianii (Casca-de-tatu);

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

- deiscência em placas (epiderme): - placas irregulares: Platanus, Virola, Ocotea catharinensis,

Aspidosperma, E. citriodora, E. maculata; - longitudinais: Annona cacans, Luehea divaricata;

- placas pequenas: Parapiptadenia rigida; - cicatrizes dos pecíolos das folhas e galhos: Schizolobium

parahyba; - cristas lineares: (Piptadenia gonoacantha);

- côr: branca acinzentada (E. camaldulensis), esverdeada (Eugenia, E.deglupta), avermelhada (Myrcianthes);

- odor: Lauraceae (Ocotea, Nectandra, Cryptocarya), Fabaceae (cheiro de feijão);

- sabor: Cinnamomum (Canela), Capsicodendron (picante) Parapiptadenia rigida, Acacia mearnsii (adstringente).

ESPINHOS / ACÚLEOS - acúleos: formações epidérmicas sem ligação ao xilema, saem

facilmente (Bauhinia forficata, Rosa, Ceiba speciosa, Zanthoxylum, Piptadenia);

- espinhos: folhas ou ramos metamorfoseados, ligados ao xilema e floema, firmemente presos (Acacia, Citrus, Caesalpinia echinata, Randia ferox).

EXSUDAÇÕES - Látex branco esparso: Olacaceae (Heisteria), Anacardiaceae (Mangifera indica); - Látex branco abundante:

Apocynaceae (Tabernaemontana), Moraceae (Ficus, Brosimum), Euphorbiacaea (Sapium, Pachystroma, Hevea), Sapotaceae (Manilkara); - Látex amarelado: Moraceae (Sorocea bonplamdii); - Látex vermelho-sanguíneo: Virola bicuhyba, Croton urucurana,

Pterocapus rohrii; - Latex branco/ amarelado/ claro e pegajoso: Clusiaceae (Calophyllum brasiliense), Burseraceae (Protium kleinii). - Resina na casca: Agathis, Araucaria, Protium. - Resina na madeira: Pinaceae (Pinus), Fabaceae (Copaifera trapezifolia; Copaifera

langsdorffii), Dipterocarpaceae. RAMIFICAÇÃO - tronco indiviso – Arecáceas - monopodial - dominância permanente do meristema apical; - Coníferas: quase todos os gêneros arbóreos; Araucaria: apenas em árvores velhas o meristema apical para de crescer (copa em forma de taça); Virola; Xilopia - simpodial – meristema de ramos laterais dominante, não há

eixo principal definido (a maioria das Angiospermas arbóreas); - Schizolobium: crescimento inicial monopodial, em árvores adultas simpodial;

- ascendente: Cedrela, Myrocarpus, Cordia; - pendente: Salix humboldtiana, Salix babylonica;

- horizontal (“pagoda crown”): Combretaceae (Terminalia catappa);

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

- verticilada: ramos em verticilos, com internódios sem ramos: Araucaria, Pinus, Abies, Picea;

- fastigiada: ramos em feixes paralelos ao tronco, copa colunar. Cupressus sempervirens, Populus nigra.

FOLHA - bainha, (estípulas), (pulvino), pecíolo, limbo + GEMA. - reduzidos a filódios (pecíolo alado); ou áfilas - catafilos (escamas que cobrem a gema) - adaptadas / transformadas em gavinhas, espinhos Filotaxia: (disposição das folhas no caule)

- alterna: Lauraceae e muitas outras famílias; - oposta: Myrtaceae, Rhamnaceae, Nyctaginaceae, Monimiaceae

e algumas, Verbenaceae (Tectona, Gmelina), Bignoniaceae; - oposta-cruzada: Rubiaceae, com estípulas: Coffea arabica

Quiina gaziovii; - verticilada (> 2 folhas inseridas no mesmo nó: alg. Verbenaceae,

Apocynaceae (Rauvolfia sellowii) - dística (num único plano): Casearia (Salicaceae), Annona

(Annonaceae); - espiralada (em n-planos): Myrsine coriacea, Hyeronima alchorneoides, Dillenia indica entre outras; Estipulas - apical (terminal); lateral; interpeciolar; intrapeciolar.

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

CLASSIFICACÃO DAS FOLHAS - simples: (Ocotea, Eucalyptus, Myrsine, Miconia, Eugenia); - composta (limbo dividido em folíolos):

- composta bi-foliolada: (Hymenaea); - composta bi-lobada: (Bauhinia); - tri-foliolada: (Balfourodendron, Erythrina, Hevea, Allophylus, Helieta, Clitoria); -digitada (palmada): (Handroanthus, Schefflera,

Pseudobombax, Ceiba, Joannesia, Lamanonia); -composta pinada: (paripinada Cedrela, Inga, Weinmannia),

(imparipinada Trichilia; Schinus therebenthifolius, Erythrina, lonchocarpus, Machaerium);

- composta bi-pinada: (Enterolobium, Caesalpinia, Mimosa scabrella);

- composta tri-pinada (Aralia, Melia,). FORMA DO LIMBO - acicular: linear, com peq. diâmetro, cilíndrica, com ponta aguda

(acículas de coníferas); - linear: estreita e longa, não cilíndrica (Podocarpus, Eugenia sprengelli); - lanceolada: Salix, Eucalyptus dunnii, Nectandra lanceolata;

- oblonga: Pachystroma longifolium,; - peltada / lobulada: Cecropia, Manihot glaziovii;

- palmada / digitada: Platanus, Acer; Handroanthus - lanceolada/ oblanceolada; ovada/obovada; elíptica; cordiforme,

espatulada, deltóide, rômbiforme ÁPICE DA FOLHA - agudo, cuneado, obtuso, arredondado, retuso, emarginado, atenuado, cuspidado, acuminado, mucronado (com “espinho”), truncado.

MARGEM DO LIMBO

- inteira, repanda, crenada, denteada, serreada, erosa, crespa crespa, sinuada; revoluta, (Cycas revoluta); lobada (Quercus), fendida (Cecropia), laciniada (Grevillea robusta).

BASE DO LIMBO - aguda, cuneada, obtusa, arredondada decurrente, truncada, atenuada, assimétrica, cordada, subcordada, sagitada, hastada, NERVAÇÃO - uninérvia: Podocarpus; - paralelinérvia: Monocotiledôneas (Arecaceae, Poaceae),

Manilkara (Sapotaceae), Calophyllum (Clusiaceae), Ginkgo biloba (Ginkgoaceae);

- curvinérvia: Melastomataceae; - peninérvia (pinatinérvia): Mangifera indica; Casearia sp;

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

- palmatinérvia: Platanus, Acer; - trinérvia: Alchornea triplinervia, Luechea divaricata. - broquidódroma (fechada); camptódroma (aberta) CONSISTÊNCIA DO LIMBO - membranácea, cartácea (pergaminho), coriácea (Ilex), carnosa/

suculenta (Clusia criuva, Psidium cattleyanum). PILOSIDADE - glabras: (sem pêlos) Eugenia uniflora, Ligustrum, Campomanesia

xanthocarpa (áspera em função da nervação); - tricomas tectores, glandulares, urticantes - aveludada: (Luehea divaricata, Handroanthus albus); - áspera: escabro (Trema micrantha); - curto (< 1mm) incano, pubescente, piloso, velutino; - médio (1 a 3mm) tomentoso, hirsuto; - longo (> 3mm) barbado, lanuginoso; - domácias: (tufos de pêlos nas axilas das nervuras, pequenas cavidades) Ocotea catharinesis, Ocotea tristis, Ocotea pulchella; - domácias: (urceoladas): Psychotria carthagenensis, Citronella paniculata, Citronella gongonha, Rudgea recurva. GLÂNDULAS - glândulas na parte inferior do limbo ou no pecíolo: (Prunus

myrtifolia, Parapiptadenia rigida, Inga sp, Acacia mearnsii, Sapium glandulosum, Tetrorchidium rubrivenium, Aparisthmium cordatum);

- glândulas na margem (Euphorbiaceae); ESPINHOS - na folha em Sorocea, Pachystroma, Zollernia, Jodina, Castanea. HETEROFILIA

- Araucaria heterophylla, Juniperus, Eucalyptus (variação de filotaxia e forma das folhas com a idade da planta).

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

EPIDERME – tecidos de revestimento

Células comuns ou estruturas especializadas: o Emergências, Tricomas (pêlos), Estômatos, Lenticelas, Súber (periderme)

EMERGÊNCIAS – apêndices superficiais de origem epidérmica

o Acúleos (pluricelulares, rígidos, pontiagudos, sem tecido vascular) (espinhos são folhas modificadas, tem tecido vascular e ligação ao sistema vascular do caule)

ESTÔMATOS o Estuturas pluricelulares para troca de gases e de vapor d’água o Células guarda (oclusoras) que envolvem o poro (ostíolo); câmara

subestomática (espaço intercelular) no parênquima; LENTICELAS

o Manchas claras no caule de forma lenticelar, oval, circular ou irregular o Em locais com tecido com espaço intercelular (tecido frouxo) o Função: troca de gases (análogas aos estômatos)

SÚBER (somente em caules, com crescimento de meristema secundário (câmbio)

o Tecido compacto composto por células mortas (paredes contêm suberina) o Função: isolamento térmico e proteção

TRICOMAS – apêndices epidérmicas salientes na superfície da planta

o PÊLOS DE COBERTURA, uni- ou pluricelulares, ápice simples, bifurcado ou ramificado, afilado ou arredondado

o Função: proteção contra perda de água e contra (pequenos) predadores

o PÊLOS GLANDULARES OU SECRETORES, uni- ou pluricelulares, com base e/ou ápice secretor (caule de Cucurbita pepo, abóbora)

o TRICOMAS GLANDULARES –

1. glândulas de sal (secretam sais inorgânicos de plantas em ambiente

salino) 2. glândulas digestivas (secreção de enzimas para digestão de vitimas -

insetos) 3. glândulas secretoras (eliminação de substancias intermediárias ou finais

do metabolismo; muitas vezes função desconhecida) 4. nectários (normalmente florais, mas tb. Foliais – Ingá): secreção de

açúcar 5. hidatódios (≈ estômatos responsáveis pela gutação – eliminação de

água) o ESCAMAS (pelos pluricelulares com pedúnculo, em Handroanthus avellanedae)

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

FLOR (ver ilustrações in: Vidal, W.N. Botânica – organografia. Viçosa: UFV, 1999) Organização de flor, fruto e semente

Conjunto Parte Detalhes Conjunto Fruto e semente

Pedúnculo Brácteas

Receptáculo

Verticilos florais

Sépalas Hipanto (fusão)

Cálice Pétalas Corola Estames Antera, Filete Androceu Carpelos Estigma,

estilete, ovário, lóculo, óvulo

Gineceu (pistilo)

Epi-, Meso, Endocarpo, Semente (Testa, Endosperma, Embrião)

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

INFLORESCÊNCIA Espiga composta por flores sésseis, muito próximas e inseridas

ao longo de um eixo (Callistemon sp, Maclura tinctoria - tajuva);

Racemo (ou cacho) flores pediceladas, inserindo-se espaçadamente

(Phytolacca dioica – umbu, Quillaja brasiliensis – pau-de- sabão);

Panícula racemo composto de racemos, em forma cônica

(Nectandra megapotamica – canelinha-imbuia, Citronella paniculata – falsa-congonheira);

Corimbo flores pediceladas, inseridas em diferentes pontos, mas

que alcançam a mesma altura (Pyrus communis, Spathodea campanulata);

Amentilho tipo especial de espiga, geralmente pendente e composta

por numerosas flores unissexuais (Salix humboldtiana, Populus nigra, Casuarina cunninghamiana);

Espádice tipo de espiga de eixo carnoso, protegida por grande

bráctea, chamada espata (Philodendron selloum, Monstera deliciosa);

Umbela composta por várias flores, com pedicelos de igual

tamanho (Dendropanax australis – Pau-toa); Capítulo flores geralmente sésseis e muito próximas entre si,

inseridas sobre uma base comum (Mimosa scabrella – bracatinga, Acacia caven - espenilho, Dasyphyllum spinescente - Sucará);

Sicônio receptáculo em forma de urna, encerrando inúmeras

flores em seu interior (Ficus sp); Dicásio eixo principal termina em flor, após formar dois ramos

laterais, que também terminam em flor (Vitex megapotamica – Tarumã, Amaioua guianensis);

Estróbilo (ou cone) tipo espiga especial de espiga, formada por um eixo

rodeado de escamas (micros ou macrosporófilos), que transportam esporângios (Pinus elliottii, Araucaria angustifolia, Casuarina sp.);

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

CLASSIFICAÇÃO DOS FRUTOS (simplificada) A. FRUTOS SIMPLES - uma flor, um ovário, um ou mais carpelos (sincárpicos) Deiscentes:

Folículo - derivado de 1 carpelo, abrindo-se por uma só fenda (ao longo da sutura ventral do carpelo): Aspidosperma, Grevillea, Magnolia. Sloanea Legume - derivado de 1 carpelo, abrindo-se por 2 fendas (ao longo da nervura da folha carpelar), geralmente polispérmica (a maioria das Leguminosae: Phaseolus, Cássia etc). Câpsula - 2 a muitos carpelos, abrindo se por 2 ou mais fendas (deiscências), geralmente polispérmica, seca, raramente carnosa (Theobroma)

a) cápsula septífraga/septicida: abre na soldadura dos carpelos: Cedrela, Handroanthus, Luehea, Clusia, Qualea;

b) cápsula loculicida: abre no meio da parede do septo: Cabralea, Ceiba, Vochysia;

c) pixídio: deiscência transversal: sapucaia (Lecythis), jequitibá (Cariniana);

Indeiscentes: Sâmara: com pericarpo seco e alado, monospérmica: Centrolobium,

Tipuana, Myrocarpus, Acer, Machaerium, Pterogyne; Bolota: com cúpula, monospérmica: Ocotea, Nectandra, Quercus. Noz: pericarpo seco e muito duro, com uma semente livre do pericarpo:

Juglans, Carya (pecan). Drupa: pericarpo carnoso, coriáceo ou fibroso, monospérmica, endocarpo

endurecido (caroço): Azeitona (Olea), manga (Mangifera), pêssego (Prunus), côco (Cocos nucifera), louro (Cordia superba)

Baga: polispérmica, pericarpo carnoso, sem caroço: mamão (Carica), goiaba Psidium), uva (Vitis), tomate (Lycopersicum), quiwi (Actinidia deliciosa);

Hesperídeo: baga com epicarpo coriáceo, endocarpo com bolsas repletos de suco: limão, laranja (Citrus);

Peponídeo: baga com cavidade central: Melão, melancia. B. FRUTOS AGREGADOS – uma flor, muitos ovários e carpelos livres (apocárpicos) ± concrescidos ao redor de um receptáculo comestível

Annonaceae (Annona, Duguetia), Magnoliaceae (Magnolia ovata), morango (Fragaria); framboesa (Rubus), Frutíolos (folículiformes) livres: (Guatteria, Xilopia)

C. INFRUTESCÊNCIAS (FRUTOS MULTIPLOS) – ovários de muitas flores concrescidos amora (Morus), jaca (Artocarpus); abacaxi (Ananas) Sicônio: figo (Ficus). D. PSEUDOFRUTOS Com pedúnculo comestível: Anacardium (caju), Hovenia dulcis.

Com receptáculo comestível: pêra (Pyrus), maçã (Malus)

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

CHAVE EXPERIMENTAL PARA O RECONHECIMENTO EM CAMPO DE ALGUMAS FAMÍLIAS BOTÂNICAS COM REPRESENTANTES ARBÓREOS NO

SUL DO BRASIL (baseada em caracteres vegetativos) segundo C. V. Roderjan (UFPr), modificado.

EIXO DE CRESCIMENTO MONOAXIAL - Esgalhamento verticilado: Araucariaceae, Podocarpaceae e Myristicaceae

(Virola); - Sem esgalhamento, folhas apicais: Arecaceae. EIXO DE CRESCIMENTO POLIAXIAL - Folhas simples opostas: - curvinervadas: Melastomataceae; - com estípulas interpeciolares: Rubiaceae; terminais em Psychotria e Posoqueria -aromáticas e com pontos translúcidos: Myrtaceae (com nervura coletora, submarginal); - terço superior do limbo geralmente serreado: Monimiaceae; - latescentes: Clusiaceae, Apocynaceae, Moraceae. - folhas glabras e sem nervuras salientes: Nyctaginaceae (Guapira). - Folhas simples/verticiladas: Verbenaceae, algumas Apocynacaeae e, ramos com lenticelas (Aspidosperma); - Folhas simples alternas: - dísticas: Salicaceae (Casearia), Annonaceae, Phytolaccaceae, Myristicaceae (Virola), Lacistemataceae; - palmipartida ou peltada: Cecropia (Urticaceae); - com estípula apical: Moraceae, Magnoliaceae; - com glândulas: Euphorbiaceae, Rosaceae; - nervuras 2as terminando na margem: Anacardiaceae; - venação em forma de rede: Erythroxylum (Cocão), Laurus nobilis (Louro), - com mau odor: Solanaceae; - com domácias: Ocotea catharinensis, Ocotea porosa, Ocotea tristis, Trichilia elegans; - com espinhos: Euphorbiaceae, Moraceae (Sorocea), Celastraceae (Maytenus), Fabaceae (Zollernia), Myrtaceae (Myrcianthes pungens), Fagaceae (Castanea sativa); - casca viva lactescente: Sapotaceae, Euphorbiaceae, Moraceae; - casca viva com bolsas de resina: Myrsinaceae; - com odor característico: Lauraceae (nervura reticulada: Ocotea; não reticulada: Nectandra); - com várias estípulas interpeciolares foliáceas, grandes: (Quinaceae), Azara uruguayensis (Salicaceae).

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

- Folhas compostas: - bifolioladas: Caesalpinoideae; - trifoliadas opostas: Rutaceae (Esenbeckia); - trifoliadas alternas: Sapindaceae, Anacardiaceae, Meliaceae, Fabaceae (Papilionideae); Rutaceae; - casca com sabor amargo: Picrasma crenata; - digitadas opostas: Bignoniaceae, Lamiaceae, Cunoniaceae; - digitadas alternas: Malvaceae (folíolos ± sésseis), Araliaceae (folíolos peciolados); - pinadas opostas: Cunoniaceae; Fabaceae (Papilionideae); - pinadas alternas: Meliaceae, Burseraceae, Rutaceae; Proteaceae (Roupala) - pinadas alternas com glândulas translúcidas: Myrocarpus frondosus (Fabaceae), Zanthoxylum rhoifolium (Mamica-de-cadela); - com pulvinos: Fabaceae (Faboideae, Caesalpinoideae); - com glândulas e espinhos: Rutaceae; - com folíolo apical abortado: Sapindaceae; - bipinadas opostas: Bignoniaceae;

- bipinadas alternas: Fabaceae (Mimosoideae, Caesalpinoideae).

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS DAS PRINCIPAIS FAMÍLIAS BOTÂNICAS COM REPRESENTANTES ARBÓREOS NO SUL DO

BRASIL PARA FINS DE RECONHECIMENTO EM CAMPO (Adaptado de GIMENEZ SAA (1978) para a América tropical e utilizado por RODERJAN, UFPr, modificado).

ANGIOSPERMAE LILIATAE (Monocotiledôneas) ARECACEAE - Folhas compostas, pinadas ou palmadas, alternas apicais, paralelinérvias, sem

estípulas; eixo monopodial, geralmente com cicatrizes peciolares (anéis) no estipe:

- Syagrus (Jerivá), Euterpe (Palmito), Attalea (Indaiá), Butia (Butiá), Bactris (Tucum), Geonoma (Guaricana).

ANGIOSPERMAE MAGNOLIOPSIDA (Dicotiledôneas) ANACARDIACEAE - Folhas simples ou compostas (imparipinadas), alternas, sem estípulas; nervuras

laterais terminando na margem da folha: - Imparipinadas; com ráquis alado: Schinus terebinthifolius (aroeira); Tapirira; - Simples: Lithraea brasiliensis (Bugreiro); Schinus polygamus (Assobieira). ANNONACEAE - Folhas simples, alternas dísticas, sem estípulas, margem inteira; casca

desprende em tiras; eixo dos raminhos geralmente em zig-zag: - Annona (Rollinia syn.) (araticum), Xylopia (Pindaíba), Guatteria (Cortiça) APOCYNACEAE - Folhas simples, alternas, opostas ou verticiliadas, sem estípulas, raminhos com

muitas lenticelas; fruto folículos germinados; frutos e ramos jovens laticíferos: - Aspidosperma (Peroba), Tabernaemontana (Peschiera syn.) (Leiteiro). AQUIFOLIACEAE - Folhas simples, alternas, com estípulas, geralmente obovadas e de margem

serreada, coriáceas; casca interna arenosa: - Ilex (Erva-mate, Caúna, Congonha).

ARALIACEAE - Folhas simples ou compostas digitadas bi a tripinadas, alternas, com estípulas apicais: - Schefflera (Didymopanax syn.) (Mandiocão), Dendropanax (maria- mole, folha simples), Aralia warmingiana – (Cinamamo-do-mato).

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

ASTERACEAE - Folhas simples, alternas, sem estípulas, geralmente pilosas; casca interna

geralmente escura e arenosa: Piptocarpha (Vassourão-branco), Vernonanthura (Vernonia syn.) (Vassourão-preto).

BIGNONIACEAE - Folhas compostas, opostas, sem estípulas; - Folhas digitadas: folíolos longos e peciolados: Handroanthus, Zeyhera,

Cybistax (ipês); exceto: Tabebuia cassinoides (Caxeta) - folhas simples opostas;

- Folhas bipinadas: Jacaranda (Caroba, Jacarandá-mimoso). BORAGINACEAE - Folhas simples, alternas, de margem inteira ou recortada. Inflorescência paniculada. - normalmente no gênero Cordia, presença de folha isolada na bifurcação dos ramos CARDIOPTERIDACEAE - Folhas simples, alternas, de margem inteira ou recortada (espinhosos), presença de domácias urceoladas. - Margem inteira: Citronella gongonha (Congonha); - Margem espinescente: Citronella paniculata (Falsa-congonheira); CARICACEAE - Folhas alternas, palmatilobadas, compostas digitadas ou raramente inteiras. Plantas lactescentes, normalmente aculeadas. - Folhas palmatilobadas: Vasconcella quercifolia (Mamoeiro); - Folhas compostas digitadas: Jacaratia spinosa (Mamoeiro-do-mato). MALVACEAE - Folhas compostas digitadas, alternas, com estípulas laterais; tronco geralmente

cilíndrico, mais largo próximo à base; madeira de baixa densidade podendo apresentar acúleos:

- Pseudobombax (Embirussu), Ceiba (Paineira), com acúleos. CLUSIACEAE - Folhas simples, opostas, sem estípulas; - Folhas não laticíferas, verde-escura, nervação expressiva; casca interna

laticífera: Calophyllum (Guanandi), Garcinia (Bacopari), Clusia (Mangue-de- formiga).

COMBRETACEAE - Folhas simples, alternas, de margem inteira, normalmente congesta no ápice

dos ramos. - Buchenavia kleinii (Tatajuva, guarajuva); - Terminalia australis (Sarandi); - Terminalia catappa (Sombreiro-da-praia, exótica).

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

CUNONIACEAE - Folhas compostas digitadas ou pinadas, opostas, margem recortada, estípulas

presentes interpeciolares grandes. - Folhas digitadas: Lamanonia (Guaperê); - Folhas imparipinadas com ráquis alado: Weinmannia (Gramimunha). EUPHORBIACEAE - Folhas simples, alternas, espiraladas, com estípulas, em geral um par de

glândulas na união do pecíolo com o limbo ou na base deste, geralmente margem serreada:

- Folhas com glândulas: Tetrorchidium, Sebastiania - Folhas com glândulas e látex: Sapium (Leiteiro), Croton (Sangueiro); - Folhas sem látex: Alchornea (Tapiá), SALICACEAE - Folhas simples, alternas, dísticas ou espiraladas, com estípulas, margem serreada, glândulas translúcidas às vezes presentes: - Casearia (Guaçatunga), Xylosma (Sucará). LAMIACEAE – Folhas simples, raramente compostas (Vitex); sem estípulas, geralmente serreadas - oposta cruzada, caule tetragonal: (Aegiphila); - digitada, oposto cruzada: (Vitex megapotamica); - simples oposta cruzada (Tectona, Gmelina). LAURACEAE - Folhas simples, alternas, sem estípulas, geralmente lanceoladas; com domácias;

planta aromática, casca interna arenosa (exceto Ocotea puberula - canela-sebo, guaicá): - Ocotea, Nectandra, Cinnamomum, Persea, Aniba (canelas).

FABACEAE (LEGUMINOSAS) - Folhas compostas, alternas, com estípulas e pulvinos (articulações); fruto

legume/sâmara. MIMOSACEAE/MIMOSOIDEAE - Folhas bipinadas com glândulas no ráquis: - Mimosa (bracatinga), Acacia, Piptadenia (angico), Enterolobium (timbaúva); CAESALPINACEAE/CAESALPINIOIDEAE - Folhas bipinadas sem glândulas no ráquis: Caesalpinia (Sibipiruna),

Schizolobium (Guapuruvú); - Folhas paripinadas: Senna (Chuva-de-ouro), Cassia, Copaifera (Pau-de-óleo), Pterogyne (Amendoim); - Folhas bifoliadas: Hymenaea (Jatobá); - Folhas simples: Bauhinia (Pata-de-vaca). FABACEAE/FABOIDEAE - Folhas imparipinadas: Dalbergia (Jacarandá), Myrocarpus (Cabreúva),

Centrolobium (Araribá).

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

MAGNOLIACEAE - Folhas simples, alternas, com estípula apical, sem exsudações, com cicatriz no

pecíolo: - Magnolia ovata (Baguaçu); - Magnolia champaca (Champaca, exótica). MALVACEAE - Folhas simples; filotaxia alterna-espiralada; com estípulas (Luehea divaricata) - Folhas compostas-digitadas; filotaxia alterna-espiralada; margem inteira ou serreada (Ceiba, Pseudobombax) MELASTOMATACEAE - Folhas simples, opostas, sem estípulas, curvinérvias: - Tibouchina (Quaresmeira), Miconia (Jacatirão). MELIACEAE - Folha composta, alternas, sem estípulas, geralmente grandes, casca freqüentemente aromática: - Folhas pinadas: Cedrela (Cedro), Cabralea (Canjerana), Guarea (Baga-de-

morcego), Trichilia; - Folhas (às vezes!) trifolioladas: Trichilia (Catiguá). MONIMIACEAE - Folhas simples, opostas, sem estípulas, com pontos translúcidos aromáticos,

margem serreada no terço superior; -Mollinedia (Pimenteira); Henecartia omphalandra (Canema) MORACEAE - Folhas simples, alternas, com estípula terminal,1°par de nervuras formando

ângulo reto; normalmente com látex; - Ficus (Figueira); Brosimun (Leiteiro); Sorocea bonplandii (Cincho). MYRISTICACEAE - Folhas simples, alternas, sem estípulas, dísticas; planta de crescimento

monopodial e ramificação verticilada, plantas lactescentes (vermelho- sanguineo):

- Virola (Bicuíba, Bocuva), Myristica (noz-moscada). MYRSINACEAE - Folhas simples, alternas, sem estípulas (a folha nova apical parece estípula),

nervação inexpressiva; casca interna com bolsas de resina; - Myrsine, (Rapanea syn.) (Capororoca); Ardisia (Pau-de-charco); Cybianthus. MYRTACEAE - Folhas simples, opostas, sem estípulas, margem inteira, com pontos

translúcidos aromáticos; nervuras secundárias geralmente numerosas, paralelas e pouco visíveis;

- Myrcia (guamirim), Eugenia (pitanga), Campomanesia (guabiroba).

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

NYCTAGINACEAE - Folhas simples, oblongas, com margem inteira, de consistência mole, carnosa,

oxidam ao secar: - Folhas alternas com ramos armados: (Bougainvillea); - Folhas opostas: (Neea, Guapira, Pisonia). PROTEACEAE - Folhas simples ou compostas pinadas, alternas, sem estípulas; lâminas foliares

com acentuado polimorfismo (inteiras, serreadas ou lobadas), geralmente coriáceas, pilosas no dorso; ritidoma com lenticelas pequenas e alinhadas, casca interna tipicamente trançada e arenosa:

- Roupala (Carvalho-brasileiro), Grevillea (Grevilha). PHYLLANTHACEAE - Folhas simples, alternas, glândulas ocasionalmente presentes na lâmina, latescentes ou não. - Hieronyma (Licurana), Phyllanthus riedelianus (Quebra-pedra). PHYTOLACCACEAE - Folhas simples, alternas, glabras, coriáceas, geralmente margem crespa ramos imermes ou armados: - Phytolacca (Celolão), Seguieria langsdorffii – ramos armados (pau d’alho). ROSACEAE - Folhas simples, alternas, sem estípulas, com glândulas na base, sem exudações

ou odores: Prunus (Pessegueiro-bravo). RUBIACEAE - Folhas simples, opostas-cruzadas, com estípulas interpeciolares: - Bathysa (Queima-casa), Amaioua (Carvoeiro), Posoqueira (Baga-de-macaco),

Psychotria, Coffea. RUTACEAE - Folhas simples ou compostas, trifolioladas ou imparipinadas, alternas ou

opostas, sem estípulas. - Simples alternas: Esenbeckia grandiflora (Pau-de-cutia), Pilocarpus

pauciflorus (Jaborandi); - Trifolioladas opostas: Balfourodendron (Pau-marfim), Esenbeckia (Guatambu

folha simples); - Imparipinadas alternas, com pontos translúcidos e odor cítrico; ritidoma

geralmente com acúleos: Zanthoxylum (Mamica-de-porca), plantas inermes Pilicarpus pennatifolius (Jaborandi).

SAPINDACEAE - Folhas simples ou compostas, trifolioladas ou imparipinadas terminando em um

apêndice terminal no ápice da raque, (folíolo abortado), alternas, sem estípulas: - Simples: Dodonea viscosa – (Vassoura-vermelha); - Trifolioladas de margem serreada: Allophyllus (Vacum, chal-chal);

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

- Imparipinadas de margem inteira: Matayba (Miguel-pintado, Camboatá); de margem serreada: Cupania (Cuvatã, Camboatá), Diatenopteryx sordifolia (Maria-preta).

SIMAROUBACEAE - Folhas alternas, simples ou compostas pinadas, freqüentemente com

substâncias amargas na casca. - Folhas simples e alternas: Castela tweediei (Romãnzeira); - Folhas compostas alternas: Picrasma crenata (Pau-amargo). SAPOTACEAE - Folhas simples, alternas, coriáceas, altamente laticífera: - Chrysophyllum – (Aguaí), mata-olho, Pouteria – (Leiteiro-preto). SOLANACEAE - Folhas simples, alternas, com ou sem estípulas, geralmente pilosas e com mau

odor; - Solanum (Fumo-bravo, Canema); Brunfelsia (Manacá-de-jardim); - Acnistus (Esporão-de-galo); Cestrum intermedium (Coerana). URTICACEAE - Folhas simples alternas ou opostas, com estipulas. - Folhas alternas: Coussapoa microcarpa (mata-pau) – estípula terminal normalmente pilosa, forma de vida variável (hemiepífita/arbórea/constrictora); - Folhas opostas: Bohemeria caudata – (Urtiga-mansa). VERBENACEAE - Folhas simples ou compostas, opostas e/ou vertciladas, sem estípulas: - Verticiladas com glândulas na base: Citharexylum (tucaneiro); - Opostas, provida de espinhos: Citharexylum montevidense. VOCHYSIACEAE - Folhas simples, verticiladas, sem estípulas e sem glândulas: - Vochysia (guaricica); - Qualea (glândulas na base do pecíolo); - Callisthene (filotaxia opostas, subdísticas).

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

Chaves dicotômica para as familias do Campus 1

Autor: Alexandre A. de Oliveira Chave 1 - Folhas compostas-pinadas-digitadas 1A) Filotaxia alterna-espiralada; ramos armados; plantas lactescentes.............Caricaceae 1B) Filotaxia aterna-espiralada e/ou oposta-cruzada; ramos inermes; plantas não lactescentes ........................................................................................................................5 2A) Margem do folíolo totalmente serreada......................................................Malvaceae 2B) Margem inteira ou eventualmente serreado no terço superior...................................3 3A) Folhas com estipulas evidentes (apicais)......................................................Uricaceae 3B) Folhas com o estipulas pequenas ou então ausente....................................................4 4A) Nervação pinada-broquidodroma ..................................................Lamiaceae (Vitex) 4B) Nervação diferente......................................................................................................5 5A) Ramos obtusamente-tetragonais; folíolo concolores/discolores.............Bignoniaceae 5B) Ramos cilíndrico-estriados; folíolos discolores (face abaxial) ou variegato .............................................................................................................Araliaceae Chave 2 – Folhas pinadas-imparipinadas 1A) Folhas com bainha amplexicaule ou envolvendo parte da mesma......Arecaceae; Liliaceae 1b) Folhas sem bainha................................................. ................................................... 2 2A) Folhas com glândulas translúcidas..............................................................Rutaceae 2B) Folhas sem glândulas translúcidas.............................................................................3 3A) Folhas com apêndice apical...(folíolo abortado.......... .........................Sapindaceae 3B) Folhas sem apêndice apical...(folíolo abortado)....................................................4 4A) Ramos e folhas aromáticas (terebintina, pimenta) eventualmente com exudações de resina ......................................................................................................Anacardiaceae 4B) Ramos não aromáticas; sem exsudações.............................................................5 5A) Gema de crescimento intermitente geralmente presente (Guarea); superfície (ramos/folhas) sempre pilosas normalmente (pubescente); domáceas presentes (Cabralea, Trichilia cassaretoi); odor enjoátiva quando maceradas (Cedrela)....Meliaceae; glândulas presentes ou ausentes; filotaxia alterna..............................................................................................Meliaceae 5B) Gema de crescimento ausente; superfície (ramos/folhas) glabras raramente pilosas (pubescente); domáceas ausentes; glândulas presentes ou ausentes odor fraco quando macerado; filotaxia alterna, oposta (Spathodea) e/ou verticilada (Platymiscium)....................................................................................Fabaceae/Bignoniaceae

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

Chave 3 – Folhas trifolioladas ou paripinadas 1A) Folíolos com margem inteira......................................................................................2 1B) Folíolos com margem serreada.................................................................Sapindaceae 2A) Filotaxia oposta-cruzada; ramos obtusamente-tetragonal......................Bignoniaceae 2B) Filotaxia alterna-espiralada; ramos cilíndrico inconspicuamente estriado....Fabaceae Chave 4 – Folhas compostas-bipinadas 1A) Filotaxia alterna-espiralada.......................................................................................2 1B) Filotaxia oposta-cruzada.........................................................................Bignoniaceae 2A) Folíolos linear-lanceolados (pseudolobulado).......................................Proteaceae 2B) Folíolos de forma variável, exeto linear-lanceolado.....................................Fabaceae

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

Chave 5 – Folhas simples (tabela 1)

Família Filotaxia

Crescimento foliar Aroma Estípulas Superfície Margem Glân-dulas Outros

Annonaceae alterna-distica Não congesto - ausente - inteira - ritidoma

persistente

Apocynaceae decussada, alterna-

espiralada congesto/não

congesto - ausente - inteira - lenticelas

Asteraceae alterna-espiralada Não congesto - ausente indumento inteira-serreada - -

Aquifoliaceae alterna-espiralada Não congesto sim inconspícua - serreada ou

inteira - -

Boraginaceae alterna-espiralada congesto/não

congesto - ausente - - - -

Celastraceae alterna-distica Não congesto - ausente crenada -

ramo achatado

(nó)

Chyrsobalanaceae alterna-espiralada Não congesto - presente indumento - - -

Combretaceae alterna-espiralada congesto - ausente - - - -

Dilleniaceae alterna-espiralada congesto - ausente - denteada -

Elaeocarpaceae alterna-espiralada Não congesto - presente - - - geniculo (joelho)

Erythroxylaceae alterna-espiralada Não congesto - presente - - - estip.

Intrapeciolar

Euphorbiaceae alterna-espiralada Não congesto - presente - - margem, pecíolo -

Fabaceae alterna-espiralada Não congesto - presente-

lateral - serreada-

espinescente - estip.

Intrapeciolar

Lauraceae alterna-espiralada Não congesto sim ausente - inteira - -

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

Lecythidaceae alterna-dística Não congesto - ausente - crenada- serreada -

pecíolo achatado

Magnoliaceae alterna-espiralada Não congesto - presente-

apical - - - citratrizes foliares

Malvaceae alterna-espiralada Não congesto - presente - - - -

Moraceae alterna-espiralada Não congesto - presente-

apical - - base

(fac.abax.) -

Myristicaceae alterna- distica congesto/não

congesto - ausente - fac.abax cinerea - -

Myrsinaceae alterna-espiralada congesto/não

congesto - ausente - - - canais

secretors

Phyllanthaceae alterna-

(espiralada,dística) congesto/não

congesto - presente - - - -

Phytollaccaceae alterna-espiralada Não congesto - presente - - - acúleo

geminado

Piperaceae alterna-distica Não congesto sim presente - - - entrenós visivéis

Peraceae alterna-distica Não congesto - inconspícua - - - venação (nuvens)

Polygonaceae alterna-espiralada Não congesto - ausente - - - presença de

ocrea

Olacaceae alterna-espiralada Não congesto - ausente - - - Ramos

estriados

Theaceae alterna-espiralada Não congesto - presente - - - Escama (ápice)

Rhamnaceae alterna-distica (oposta a

suboposta) Não congesto - ausente - - - -

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

Rosaceae alterna-espiralada congesto - presente fac.abx

indumento denteada - -

Rutaceae alterna-espiralada congesto - ausente - - translú-cidas geniculo (joelho)

Salicaceae alterna-distica não congesto - presente - serreada translú-cidas -

Sapotaceae alterna-espiralada não congesto - ausente - - - -

Solanaceae alterna-espiralada não congesto sim ausente - inteira - odor ruim

Urticaceae alterna-espiralada-dística

(suboposta) congesto/não

congesto - presente - - - -

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

Chaves dicotômicas das espécies do Campus 1 (por família)

Autor: Alexandre A. de Oliveira Anacardiaceae Folhas compostas pinada-imaripinada; congestas; margem inteira; folhas pouco aromático; superfície glabra ou pilosa;..............................................Tapirira guianensis Folhas compostas raramente pinada-imaripinada e comumente paripinada; não congesta; folhas muito aromáticas; margem dentado, crenado; superfície glabra ou pilosa

Ramos flexíveis; folhas pendentes; limbo linear-lanceolado.........................Schinus molle Ramos ascendentes; folhas não pendentes; limbo elíptica, oblonga ....Schinus terenbithifolius

Annonaceae Venação peninervéa

Ramos pouco lenticelados Ramos e folhas densamente pubescente-ferrugíneo em ambas as faces.

..................Annona silvatica

Ramos glabros; superfície da face adaxial glabra e face abaxial revestido por tricomas estrelado puntiformes dipostos sistemáticamente sobre o limbo ....................Duguetia lanceolata

Ramos distintamente lenticelados

Raminhos não verrucosos a cilíndricos; lenticelas esparsas brancas; limbo elíptico a estreitamente-elíptico, (5-16 x 2-5.5 cm)............Annona neosericea

Raminhos verrucosos a pouco cilíndricos; lenticelas abundantes brancas; limbo elíptico a estreitamente-elíptico, (4-9 x 2-2.5 cm)..............Annona rugulosa

Venação broquidódroma

Venação broquidódroma; margem / nervura principal eventualmente amarelada; limbo estreitamente-elíptica; base atenuada...........................................Annona cacans

Venação broquidódroma; margem / nervura principal não amarelado; limbo estreitamente- elíptica a elíptica; base aguda-decurrente..............Guatteria australis Venação obscuramente broquidódroma; nervura principal não amarelado; limbo estreitamente-elíptica; base atenuada.....................................Xilopia brasiliensis

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

Apocynaceae Plantas lactescentes, látex abundante leitoso (branco); ramos escassamente lenticelado; superfície glabra e/ou pubescente; filotaxia oposta-cruzada.....Tabernaemontana catharinensis Plantas não lactescentes; ramos distintamente lenticelados; superfície glabra ou tomentosa; filotaxia alterna-espiralada.

Ramos robustos; limbo obovada (10 – 15 x 4 – 8 cm); pecíolo robusto (1- 2 cm) superfície amarelo-tomentosa; lenticelas esparsas elípticas...Aspidosperma camporum Ramos finos; limbo elíptica, espatulada (5 – 12 x 4 – 8 cm); pecíolo fino (1,5 – 5 cm); superfície glabra; lenticelas abundantes punctiformes..........Aspidosperma australe

Araliaceae

Folhas composta-digitada; pecíolo 15-40 cm lenticelado; textura do folíolo subcoriácea; discolor; superfície da face abaxial ferrugíneo-tomentosa..................Schefflera morototoni Folhas composta-digitada; pecíolo 5-10 cm pouco lenticelado; textura do folíolo coriácea; concolor e/ou variegado (manchas); superfície da face abaxial glabrescente......S.arborícola Araucariaceae Folhas simples ;filotaxia alterna-imbricada; limbo lanceolado; ápice agudo-pungente; textura coriácea........................................................................................Araucaria angustifolia Folhas simples; filotaxia alterna-imbricada; limbo variável com idade da planta, triangular, lanceolado, acicular-curvo; ápice incurva; textura coriácea.............Araucaria heyerophylla Arecaceae 1A) Folhas palmadas (flabeliformes); pecíolo armado (espinhos)...........Livistona chinensis 1B) Folhas de outra forma; pecíolo inerme...................2 2A) Folhas compostas-bipinadas...................................................................Caryota mitis 2B) Folhas apenas pinadas...........................3 3A) Pinas distribuídas e agrupadas em mais de um plano da ráquis.......................... ............................Syagrus romanzoffiana 3B) Pinas dispostas em apenas um plano..........................4 4A) Pinas irregularmente pinadas..........................................Geonoma gamiova 4B) Pinas regulamente pinadas..........................................5 5A) caules múltiplos; pinas 40 – 60; coloração verde-amarelada; orientação ascendente ;bainha branco-farináceo..........................................................Dypsis lutescens 5B) caules solitário; pinas 65- 72; coloração verde-escura; orientação horizontalmente; bainha verde- clara a escura................................................................Euterpe edulis

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

Asteraceae Ramos e folhas ferrugíneo-tomentosas; margem inteira-serreada.........Piptocarpha axillaris Ramos e folhas branco-tomentoso e/ou hirsuto; margem inteira, inteira-serreada.

Forma do limbo elíptica, lanceolada (14 x 5 cm); lamina enrugada na face adaxial ............................................................................Vernonanthura divaricata Forma do limbo linear-lanceoalada (3-7 x 0,15 cm); nervuras trinervada........... ...........................................................................Baccharis semiserrata

Boraginaceae Folhas congetas; limbo eliptico-oblongos; pecíolo fulgentes (tricomas eriçados) 2 – 4 cm ..............................................................................................Cordia trichotoma Folhas bem distribuídas; limbo eliptico, obovado; pecíolo glabrescente 1-1,5 cm ... Cordia silvestris Clusiaceae Filotaxia opostas-dísticas; limbo lanceolado, oblongo; pecíolo curvo; margem inteira; textura coriácea; nervuras secundárias perpendiculares a nervura principal e nervuras 3° inconspícua.................................................................................Garcinia gardneriana Filotaxia opostas-cruzada; limbo oblongo-elipitico; pecíolo ascendente; margem inteira; textura coriácea; nervuras secundárias perpendiculares a nervura principal e nervuras 3°conspícua...................................................................................Calophyllum brasiliense Fabaceae Folhas simples e/ou bilobadas Folhas simples bilobadas; margem inteira.............................................2

Folhas simples não lobadas; margem serreada-espinescente....Zollernia ilicifolia

Ramos inerme...........................................................................Bauhinia variegata Ramos armado............................................................................Bauhinia forficata

Folha composta-trifoliolada

Ramos armados (limbo,nervuras, ráquis); limbo rômbica-elíptica ... Erythrina speciosa

Ramos inermes; limbo ovado-lanceolado, lanceolado...........Clitoria fairchildiana

Folhas compostas-pinada-imparipinada –paripinada Nectários extraflorais presentes Pecíolo alado e/ou com alas vestigiais; ráquis alada; folíolos 4 pares; superfície em ambas as faces pubescente a viloso............. Inga vera

Pecíolo semialado; ráquis semialada; folíolos 2 pares; superfície glabra em ambas as faces.......................................................Inga marginata

Nectários extraflorais ausentes

Número de folíolos 4-8 pares; opostos; subagudo, acuminado; ráquis cilíndrica em secção transversal.....................................Cassia fistula

Número de folíolos 8-12 pares; opostos; subagudo, acuminado-apiculado; ráquis triangular em secção transversal....C.leptophylla

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

Folhas compostas-bipinada (tabela 2)

Pinas Glândulas

Espécie Ramos/estípulas Pares Filotaxia N° Posição

Caesalpinia echinata aculeado 2 a 6 alterna - -

Caesalpinia pluviosa lenticelado 6 a 9 alterna -

Caesalpinia ferrea Lenticelado 2 a 3 oposta - -

Caesalpinia sp. aculeado - oposta - -

Delonix regia foliácea 8 a 10 oposta - -

Enterolobium contortisiliquum lenticelado 3 a 7 oposta 1 pecíolo

Mimosa bimucronata aculeado 4 a 9 oposta - -

Parapitadenia rigida inerme 3 a 6 oposta 1 P + n R Peciolo/ráquis

Piptadenia gonoacantha aculeado 5 a 9 oposta 1 P + 2 R

Peltophorum dubium inerme 12 a 2 oposta ? ?

Schizolobium parahyba viscoso/pegagoso - oposta - -

Abarema langsdorffii Pubescente/acastanhado 4 a 9 oposta 1 a 3 Pecíolo/ráquis

Folhas compostas-pinadas-imparipinadas (tabela 3)

Nervuras

Espécie Gema/ramo N° folílolos Tricomas Fa.abaxial Fac.adaxial Pulvino

Andira fraxinifolia tomentoso-ferrugíneo 9 a 13 castanho-sericea - - ausente

Cetrolobium robustum glandulas punctiformes (circulo) 13 a 19 tomentoso Peninérveo presente

Dalbergia frutescens estriado/ lenticelado 7 a 10 glauco - - presente

Platymiscium floribundum fistuloso (entre ocos a sólidos) 5 a 7 glabro Peninérveo presente

Pterocarpus rohrii estriado 5 a 8 glabra - - presente

Copaifera trapezifolia pubescente 4 a 9 glabra - - ausente

Lonchocarpus guillemineanus lenticelado 4 a 8 glabra - - presente

Machaerium aculeatum aculeado / ferrugíneo-tomentoso 29 a 43 tomentoso - - presente

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

32

Lamiaceae Ramos tetragonais; folhas simples; filotaxia oposta-cruzada; pecíolo em torno de 1 cm ....................................................................................................................Aegiphila integrifolia Ramos cilíndricos; folhas compostas-digitadas; filotaxia oposta-cruzada; pecíolo maior de 5 cm .......................................................................................Vitex megapotamica Lauraceae Nervação triplinervada a subtriplinervada, exceto em O.catharinesis que poderá apresentar nervação também peninérvea

Folhas bem distribuidas ao longo do ramos; ramos hirsutos; folhas ovadas; domácias presentes (tufos).........................................................................................Cinnamomum glaziovii Folhas bem distribuídas ao longo do ramos; ramos glabros; folhas ovadas-lanceoladas; domacias ausentes.................................................................................Cinnamomum cf. burmanii Folhas aglomeradas; folhas lanceoladas a estreitamente elípticas; domácias presentes (tufos).....................................................................................Ocotea catharinensis

Nervação broquidódroma, eucamptódroma ou broquidódroma-eucamptódroma

Filotaxia oposta a subopostas; superficie da faze abaxial ferrugínea-tomentosa .......................................................................................................Nectandra oppositifolia Filotaxia alterna, pseudoverticilida; superfície da face abaxial glabra a glabrescente (tabela 4)

Malvaceae Folhas simples; filotaxia alterna-espiralada; venação trinervada; estípulas persistentes; superfície pubescente na face adaxial e branco-tomentoso na face abaxial; margem serreada.................................................................................Luehea divaricata Folhas compostas-digitadas; filotaxia alterna-espiralada; superfície glabra em ambas as faces; venação pinado-broquidódroma; estípulas inconspícuas; margem inteira ou serreada... Folíolulos articulado..................................Ceiba speciosa Folíolulos inarticulados..............................Pseudobombax grandiflorus

Nervação

Espécie Ramos Formas n°pares Reticulação

Nectandra menbranacea Glabro lanceolada a largamente

lanceolada 3 a 7 Inconspícuas

Nectandra megapotamica Glabro elíptica-lanceolada 5 a 12 Inconspícuas

Endlicheria paniculata Piloso elíptica, ovada 4 a 12 Inconspícuas (tricomas)

Cryptocarya moschata Glabro elíptica,lanceolada 5 a 8 Conspícua

Ocotea puberula Glabro ovado-elíptica 6 a 8 Inconspícuas

Ocotea odorifera Glabro lanceolada 5 a 13 Conspícua

Aniba firmula Glabro/

ascastanhado oblanceolada, elíptica 7 a 10 Obscuras

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

33

Meliaceae Folhas compostas-pinada-imapripinada; raquis semi-cilindrica; superficie dos ramos puberulos; acastanhadada..............................................................................................Trichilia casretoii Folhas compostas-pinada-paripinada; superfície dos ramos e folhas revestido de tipo de trioma; domácias presentes ou ausentes.

Folhas e ramos encoberto por tricomas; superfície hirsuto a tomentosa; base normalmente aguda, obtusa; venação 2º impressa na face abaxial e salientes na face abaxial; folíolos terminal oblongo; gema de crescimento ausente lanceolado............................................................ .........................Cedrela fissilis Folhas de coloração verde-escura; superfície glabra ou glabresecente; domácias presentes; base normalmente obliqua; folíolo terminal oblongo; venação 2º impressa na face abaxial e salientes na abaxial;gema de crescimento ausente...................................................................................Cabralea canjerana Folhas e ramos encoberto por tricomas; superfície pubescente em ambas as faces; domácias normalmente presentes; base aguda; folíolo terminal obovado ; venação 2º impressa na face abaxial e salientes na abaxial; gema de crescimento presente, intemitente....................................................Guarea macrophylla

Monimiaceae Ramos suberosos; fissurado; limbo ovado, lanceolado (4 – 10 x 2,5 – 4,0 cm); margem inteira-serreada (metade distal); superfície da face abaxial densamente pilosa; venação pouco visível na face adaxial e proeminente na face abaxial............Mollinedia triflora Ramos cilíndricos pilosos-fulvescentes; limbo ovado, obovado, elíptico, lanceolado (8 – 12 x 2,5 – 5,0 cm); margem inteira-serreada, crenada (metade distal); superfície de ambas as faces tomentosa a glabrescente; venação impressas na face adaxial e salientes na face abaxia l. ..........Mollinedia schottiana Myrsinaceae Ramos delgados coberta por tricomas tomentoso-ferrugineo; limbo lanceolado a estreitamente lanceolado; textura menbranácea; pecíolo de cor roxa; nervuras inconspícuas em ambas as faces.................................................Myrsine coriácea Ramos robustos glabros; limbo oblanceolado, elíptico a estreitamente lanceolado; pecíolo de tom verde; textura coriácea, subcoriácea; nervuras conspícuas somente na face abaxial..............................................................................Myrsine umbellata Myrtaceae 1A) Ramos glabros..................................................................................................11 1B) Ramos com indumento..........................................................................2 2B) Ramos / folhas com indumento de coloração ferrugíneo................................3 2A Ramos e folhas com indumento diferente....................................................... 10 3A) Folhas sésseis a subsésseis....................................................Eugenia catharinensis 3B) Folhas pecioladas, pecíolo evidente............................................................4

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

34

4A) ramificação dicotômica...................................................Calyptranthes strigipes 4B) ramificação não dicotômica;.......................................................................5 6A) Nervação reticulada evidente as vezes veias amareladas, transparentes .............. ..........................................Marlierea eugeniopsoides / Mrcia richardiana 6B) Nervação não reticulada.....................................................................................7 7A) Pecíolo robusto...........................................................................Marlierea tomentosa 7B) Pecíolo fino....................................................................................................7 8A) Ápice acuminado a longo acuminado.......................................Myrcia splendens 8B) Ápice variável...............................................................................................9 9A) Nervuras secundárias da face abaxial salientes; indumento imperceptível a olho nú ........................................................................................................ E. neoaustralis 9B) Nervuras secundárias viseis em ambas as faces; indumento sobre as nervuras e e pecíolo .......................................................................................................Marleirea obscura 10A) Textura membranácea; superfície pilosas em ambas as faces; limbo oval-oblongas; ápice do ramo piloso................................................................................................Myrcia tijucensis 10 B) Textura membranácea; limbo lanceolado; superfície da face abaxial serícea; ápice do ramo glabro..............................................................................................Eugenia pyriformis 11A) Ramificação dicotômica.........................................................Calyptranthes lucida 11B) Ramificação não dicotômica.............................................................12 12A) Margem ondulada, repanda.....................Campomanesia xanthocarpa/ Eugenia ternatifolia 12B) Margem inteira...................................................................................13 13A) Face abaxial indumento branco..............................................................Myrcia pubipetala 13b) Face abaxial glabra...............................................................................14 14A) Margem simulando dentes ou margem cartilaginosa amarela...........Eugenia platysema/ E. hiemalis 14B) Margem inteira nunca com dentes......................................................................15 16A) Ramos cilíndricos..............................................................................................17 16B) Ramos tetragonais................................................................................ Psidium guajava 17A)Nervação peniparalinérvia.....................................................................Syzygium cumini 17B) Nervação tradicional...............................................................................18 18A)Ápice agudo normalmente agudo-atenuado.......................Syzygium jambos / E .uniflora 18B) Ápice variável, nunca atenuado.................................................................19 19A)Textura menbranácea...........................................................................E. involucrata 19B) Textura coriácea..................................................................................................20 21A) Folhas obovado-oblongas; pseudoestípulas situadas nas gemas.......E. brasilienis 21B) Folhas obovadas; pesudoestípulas ausente.............................Psidium catleianum

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

35

Proteaceae Folhas +/- aglomerada; filotaxia alterna-espiralada; folhas bipinada; foliolos llinear-lobulado; discolores........................................................... Grevillea robusta Ramos fistulosos; entrenós visíveis; presença de ócrea decídua + pecíolo achatado- caniculado........................................................................Triplaris americana Piperaceae Entrenós evidentes, um pouco intumescidos, superfície glabra ou pubescente na face abaxial e na face abaxial glabra; limbo lanceolada, elípticas e/ou elíptico-lanceolada; base fortemente assimétrica; textura papirácea; aromáticas................Piper arboreum Entrenós evidentes, um pouco intumescidos; superfície pubescente da face abaxial hirsuto-pubescente, principalmente sobre as nervuras; limbo lanceolado-elíptico; base assimétrica; textura membranácea; superfície da face abaxial; arómáticas (safrol) ...........................................................................................Piper hispidinervium Rhamanaceae Ramos novos ferrugíneo; filotaxia oposta, suboposta; textura coriácea; nervação pinada-ascendente, sendo na face adaxial demarcadas e na face abaxial salientes .............................................................................Colubrina glandulosa Ramos novos puberulos; filotaxia alterna; textura membranácea; nervação trinervada, sendo na face adaxial visíveis e na face abaxial subsalientes..............Hovenia dulcis Rutaceae Ramos e folhas aculeados e/ou inermes; folhas compostas pinada-imparipinada; margem serrado- crenado; pecíolo caniculado; glândulas translúcidas presentes............................................................................Zanthoxylum rhoifolium Ramos e folhas inermes; folhas simples-unifolioladas; margem inteira, subrevoluta; glândulas obscuras sobre a lâmina; peciolo geniculado (joelho)...Esenbeckia grandiflora Salicaceae Ramos nodosos densamente lenticelado; folhas simples alterna-dística; limbo elíptico a arredondado; textura membranácea; glândulas translúcidas presentes; ápice longo acuminado. ............................................................................................Casearia decandra Ramos cilíndricos lenticelas escassas; folhas simples alterna-dística; limbo ovado-oblongo; textura coriácea; glândulas translúcidas presentes; ápice acuminado. .....................................................................................................Casearia silvestris

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

36

Sapindaceae Folhas compostas-trifolioladas. ............................................................Alophyllus edulis Folhas compostas pinadas-imaparipinada........................

Ramos robustos; cicatrizes foliares evidentes; folíolos ascendentes; subopostos; limbo oblongo- lanceolado a ovado-lanceolado; margem inteira; apêndice apical, (folíolo abortado).; nervuras demarcadas na face abaxial.......Matayba intermedia Ramos robustos/ torcidos; cicatrizes foliares evidentes; folíolos ascendentes; subopostos; limbo oblongo; margem serreado-denteado; apêndice presente ou ausente; nervuras salientes na face abaxial...................................Cupania vernalis

Solanaceae Ramos cilíndrico; limbo oblongo, elíptico, obovalado ( 15 – 25 cm de comprimento); textura membranácea................................................................Acnistus arborescens Ramos cilíndrico/ nodoso; limbo lanceolado, ovada, oblanceolada, obovada ( 2 – 13 cm de comprimento); textura membranácea, coriáceo

Ramos lenticelado; pseudoestipulas axilares persistente; odor forte (ruim)......Cestrum intermedium Ramos não lenticelado; estipulas ausentes; odor fraco........... Brunfelsia uniflora

Urticaceae Filotaxia alterna-espiralada; folhas palmatilobadas (mão); estípula presente conada no apíce conspícua; nervação actinódroma..............................................................Cecropia glaziovi Filotaxia opostas, sub-opostas; folhas simples; estípula presentes pequena (inconspícua); margem duplo- serreado; nervação trinervada...................................................Boehmeria caudata Verbenaceae Ramos inermes, tetragonais; filotaxia oposta e/ou verticilida em ramos adultos; pecíolo comumente de cor laranja; um par de glândulas presentes no ápice do pecíolo ....................Citharexylum mirianthum

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

37

Folha compostas digitadas (palmadas) ou trifoliolada

Folha compostas imparipinada e/ou bipinada (palmadas)

Margem dos folíolos serrilhados.Jacaranda micranta

Folha com 8 pares de folíolos....Spathodea campanulata

Folha com inúmeros folíolos

Folhas com margem, inteira

Folhas curto pecioladas >15cm

Folhas longo pecioladas (4 x 15

cm)...C. antisyphilitica

Número de folíolos 5

Número de foliolos 3...H. roseoalbus

Folhas com margem, serreada

Folíolos com a parte distal, normalmente com poucos denstes..T. chrysotricha

Folíolos totalmente serrilhados..T heptaphylla

Folhas com tricomas de cor ferruginea..T. umbella

Folhas normalmente glabras ou glabrescente, exeto na inserção das nervuras secundárias...Handroanthus impetiginosus

Margem dos folíolos inteiro....Jacaranda mimosifolia

Bignoniaceae

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

38

Margem do limbo serreado ou denteado

Ramos verdes, textura coriacea, com gemas alongadas..G.concolor

Ramos avermelhados, textura menbranácea, com gemas não alongadas..Euphorbia cotinifolia

Folhas com tricomas estrelado- pubescente..A mollucanus

Folhas com um par de glândulas eretas na base do pecíolo

Inflorescência subapical, do tipo espiga..Pausandra morisiana

Inflorescência terminal do tipo espiga......Sapium glandulosum

Folhas trinervadas (3 nervuras principais partindo da base)

Folhas peninervadas

A inserção do 1º nervura se dá acima do meio do limbo......A. triplinervia

A inserção do 1º nervura se dá abaixo do meio do limbo......A. glandulosa

Ramos cilíndricos, lâmina elíptica a oblanceolada, ( 10- 18 x 4-8 cm).. Tetrorchidium rubrivennium

Margem do limbo inteiro

Euphorabiaceae

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

39

Lâmina glabra e/ou glabrescente

Lâmina pilosa

Lamina macia, tricomas de cor amarelo a ferrugíneo...F. gomeleiraFolhas grandes

Folhas pequenas

Pecíolo longo, lamina de base truncada a cordada..F. eximia

Pecíolo curto, lamina de base aguda, truncada ou retuso ..F.adhatodifolia

Folhas médias

Lâmina de ápice longo- acuminado..F. benjamina

Face abaxial com nervuras conspicua......F. microcarpa

Face abaxial com nervuras secundarias salientes...F. cestrifolia

Folhas pendentes; sicônios dispostos aos pares, com ostíolo crateriforme.................................F. citrifolia

Folhas orientadas horizontalmente; sicônios dispostos aos pares, com ostíolo plano.................F. cf.enormis

Ficus

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

40

Folhas grandes oval, elíptica; nervuras acródromas suprabasais.

Miconia cabussu

Folhas pequenas, elíptica; nervuras acródromas basais 3 e o 1º par suprabasal

Tibouchina mutabilis

Ramos novos com projeções interpeciolares

Miconia cinnamomifolia

Folhas pilosas, tricomas lepidotos

e/ou estrigosos (discolores)

Ramos tetragonais alados

Tibouchina granulosa

Ramos tetragonais não alados

Folhas glabras raramente com tricomas (concolor)

Melastomataceae - Folhas

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

41

Fruto seco do tipo cápsula, contendo inúmeras sementes

Tibouchina

Fruto seco do tipo carnoso bacáceo, contendo 1 ou + sementes

Inflorescência terminal Inflorescência pseudolateral ou lateral

Flores com pétalas agudo e/ou acuminado no ápice

Leandra

Flores com pétalas com ápice obtuso ou arredondadas, raramente emarginado...

Miconia

Flores com pétalas arredondadas no ápice, raramente emarginado..Clidemia

Melastomataceae – Flores e frutos

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

42

Estípulas grandes, ovadas, obovadas...

Psychotria carthagenensis

Estípulas pequena, de inúmeras formas; conadas na base e/ou lobadas

Folhas pilosas, coberta por tricomas ferrugíneo tomentoso

Bathysa australis

Folhas glabras

Lâmina lanceolada a estritamente lanceolada..Psychotria vellosiana

Laminas, oblongas, oblongo-elipitica,elipicas ovadas

Ápice de forma abruptamente acuminado.., com 5-7 nervuras secundárias de cada lado... Rudgea recurva

Ápice acuminado, com 9-15 nervuras secundárias de cada lado

Rudgea jasminoides

Ápice agudo, com 4-7 nervuras secundarias em cada lado

Psychotria defexa

Ápice agudo ou obtusamente acuminado, com 5-8 nervuras de cada lado

Tocoyena sellowiana

Rubiaceae

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

43

Detalhamento de algumas famílias Aquifoliaceae

• Arbustos ou árvores. • Folhas: simples, alternas, com estípulas caducas; coriáceas ou

cartáceas, peciolo sulcado. • Margem: inteira ou recortada, dentada. • Inflorescência: axilar, cimosa, solitária, racemo ou dicásio. • Flores: pouco vistosas, unissexuadas ou menos freqüentemente

bissexuadas, tetrâmeras, axilares

Cálice e Corola: 4(-8)-mera, geralmente com sépalas e pétalas unidas apenas na base.

Androceu: alternipétalos, raramente numerosos freqüentemente epipétalos, anteras rimosas.

Ovário: súpero (flores hipóginas), 4-6 carpelar, placentação axial ou pendula, lóculos uniovulados, estilete único ou estigma séssil.

Fruto: drupa de coloração vermelha;Mesocarpo carnoso; endocarpo lenhoso, pétreo e com uma única semente...

Em Santa Catarina

• Ilex brevicuspis • Ilex chamaedryfolia • Ilex dumosa • Ilex theezans • Ilex paraguariensis • Ilex pseudobuxus • Ilex microdonta • Ilex taubertiana • Ilex kleinii • Ilex aquifolium (exótica)

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

44

Bignoniaceae Distribuição geográfica: pantropical Mundo: 120 gêneros cerca de 800 espécies Brasil: 32 gêneros cerca de 350 espécies Santa Catarina: 28 gêneros e cerca de 43 espécies Principais características

• Árvores, arbustos ou lianas • Folhas: opostas ou raramente alternas, • Tipo: compostas (digitadas, (bi-) pinadas, raramente simples

(Crescentia) • Sem estípulas • Margem: Inteira ou frequentemente serrilhada • Consistência: geralmente coriácea • Superfície: glabra ou pilosa

Folhas digitadas – com folíolos longos e peciolados: Tabebuia – Ipê; Cybistax – Ipê-verde e Zeyheria - Ipê-tabaco Folha compostas pinadas: Spathodea (exótica) – Tulipeira e Tecoma (exótica) - Amarelinho Folhas compostas bipinadas Jacaranda – Caroba. Folhas simples Crescentia (exótica) – Cuieira e Tabebuia cassionoides - Caxeta

• Flores: vistosas, bissexuadas, zigomorfas, diclamideas. – Cálice: pentâmero gamossépalo, prefloração imbricada. – Corola: pentâmera gamopétala, bilabiada , prefloração

imbricada. – Androceu: 4 estamos (ou 2, com estaminoides reduzidos), com

anteras rimosas (abertura longitudinais). – Gineceu: ovário súpero, bicarpelar, bilocular e placentação

axial.

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

45

• Inflorescência: cimosa ou racemosa, • freqüentemente paniculada.

Lenho: Geralmente muito pesado e duro; Densidade aproximadamente 1070 kg/m³ (seco); Coloração escura (alburno claro); Superfície pouco brilhante, lisa, aspecto “oleoso”; Alta resistência mecânica; Baixa retratibilidade volumétrica; Moderadamente difícil de trabalhar, ferramentas perdem o fio; Resistentes a insetos e fungos. Usos Tabebuia cassinoides (Lam.) DC: Ocorrência litoral PR, SP; Indústria de lápis; manejo talhadia. Tabebuia heptaphylla (Vell.) Ocorrência da Bahia ao norte, Argentina ao Sul; FED, FES, FOM, FOD. Principais usos: dormentes, tacos, portais, postes, eixos de roda, vigas, quilhas de navio, degraus de escada, bolas de boliche, mobiliário. Uso medicinal: Casca – chá e Gripe, úlcera, câncer, rheuma, diabetes. Muitas lianas Importantes na FOD e FOM Pandorea (exótico) - Sete-léguas; Campsis (exótico) – Trombeta-chinesa; Dolichamdra – Pata-de-galo; Pyrostegia – Cipó-são-joão; Lundia – Cipó-alho; Anemopaegma – Pente-de-macaco; Melloa – Cipó-de-corda e Amphilophium – Cipó-d’água.

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

46

Euphorbiaceae A família inclui cerca de 300 gêneros e 6000 espécies (pantropical). No Brasil ocorrem cerca de 70 gêneros e 1000 espécies. Considerada com uma das principais famílias da flora brasileira e uma das mais complexas do ponto de vista taxonômico

• Ervas, arbustos, árvores. • Plantas lactescentes. • Tipo de folha: simples ou menos freqüentemente compostas (Hevea). • Folhas: simples, alternas, raramente opostas. • Margem: inteira, serreada , dentada, lobulada. • Glândulas: presentes . • Estípulas: presentes. • Superfície: glabra ou pilosa. • Inflorescência: cimosa ou racemosa. • Flores: não vistosas, unissexuadas (plantas monóicas ou dióicas),

actinomorfa, aclamídeas ou monoclamídeas; • Cálice: 3-6-meros, dialissépalo ou gamossépalo, prefloração

valvar ou imbricada. • Corola: 3-6-mera, dialipétala ou gamopétala, prefloração valvar

ou imbricada. – Androceu: 1-numerosos, livres ou unidos, anteras rimosas;

disco nectarífero presente. – Gineceu: ovário supero (2-)3(- pluri)-locular, placentação axial,

lóculos uniovulados. – Fruto: cápsula com deiscência elástica Tricoca, raramente baga,

drupa ou sâmara. – Sementes: freqüentemente ariladas ou com carúncula (Ricinus,

por exemplo). Plantas lactescentes (maioria) Látex branco gênero Hevea (H. brasiliensis, H. benthamiana, H. guianensis, H. pauciflora, H. microphylla, H. spruceana). Tóxico, irritante Sapium – pela-cavalo, leiteiro (fatal à vista, não à pele); Manihot glaziovii – Mandioqueiro e Pachystroma (pele) – Mata-olho. Potável Brosimum potabile;

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

47

Lauraceae

No Brasil é representada por 25 gêneros e cerca de 400 espécies. Esta é uma das famílias mais complexas, do ponto de vista taxonômico, pelo grande número de espécies • Arvores ou arbustos; • Folhas: alternas, raramente opostas. • Simples; • Margem: Inteira; • Superfície: Glabras ou pilosas • Textura: Coriácea a subcoriácea; • Estípulas: Ausentes. • Algumas com domáceas • Freq.: ápice acuminado e base cuneada • Nervura broquidódroma (aberta) • Inflorescência: Panículas • Flores: Bissexuadas ou raramente unissexuada; plantas monóicas e

dióicas, actinomorfas; • Cálice: Trímero, dialissépalo • Corola: Trímera, dialipétala, • Androceu: 1 a 3 verticilos verticilos de 3 estames , mas

freqüentemente 2-4 verticilos de estaminódios, filetes freqüentemente com um par de nectaríferos na base, anteras valvar

Ovário: Súpero (flores periginias), unicarpelar, placentação pendula, uniovulado.

Fruto: Drupa com cúpula (=Bolota, monospérmica), geralmente com hipanto persistente formando uma cúpula, as vezes envolvendo inteiramente o fruto (Cryptocaya sp).

• Drupa com pericarpo carnoso; Persea até 20 cm e Cryptocarya 1-2 cm. Uso Especiarias Laurus nobilis - louro (Mediterrâneo); Cinnamomum zeylanicum – canela (Sri Lanka); Cinnamomum verum – canudinho; Cinnamomum aromaticum – canela (China) Cinnamomum canfora – cânfora .

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

48

Frutos Persea americana (América central) e (Mesocarpo comestível). Óleos Ocotea odorifera – sassafrás; Aniba suckei – pau-rosa; Aniba roseodora – pau-rosa e Sassafras albidum – Safrol. Madeira Ocotea catharinensis; Ocotea porosa; Mezilaurus itauba; Nectandra sp; Endlicheria sp; Aniba sp e Cryptocarya sp.

Meliaceae

• Arbustos ou árvores • Filotaxia: alternas espiraladas raramente opostas • Tipo de folha: simples ou composta (pinada ou bipinada.) • Superfície: glabra a pilosa • Margem: inteira, recortada ( Melia sp) • Estípulas: ausente • Consistência: geralmente coriácea a membranácea • Inflorescência: cimosa • Flores: bissexuais, plantas monóicas, dióicas ou polígamas;

actinomorfas, diclamídeas. – Cálice: 3-5(-7)-mero, gamossépalo, prefloração imbricada. – Corola: 3-7-mera, gamopétala ou dialipétala, prefloração valvar

ou imbricada – Androceu: estames em número igual ou dobro das pétalas,

unido por um tubo ou livre, anteras rimosas, disco nectarífero geralmente presente

– Gineceu: gamocarpelar, ovário súpero 2-6(-pluri)-carpelar e locular, placentação axial, lóculos uni a pluriovualdos.

– Fruto: drupa (Melia), baga (Aglaia) ou mais freqüentemente cápsulas.

– Semente: freqüentemente alada ou arilada 50 gêneros, com mais de 1000 espécies

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

49

Santa Catarina Cedrela fissilis (Cedro); Cabralea canjerana (Canjerana); Trichilia sp. (Guacá, Catiguá) e Guarea (Catiguá). Brasil/ América Swietenia (mogno, Agoano, Caoba); Cabralea canjerana (Canjerana); Cedrela odorata (Cedro-rosa); Cedrela lilloi (Sul da América do Sul)e Carapa (Andiroba). África Khaya (Acaju); Entandrophragma (Sipo) e Lovoa. Ásia Melia (Cinamomo); Azadirachta (Neem) e Toona. Pantrópico Carapa. Os gêneros Trichilia, Guarea, Cedrela, Cabralea Todos: folhas compostas alternas, folíolos opostos ou subopostos, Flores geralmente unissexuais Trichilia P. Browne Folhas compostas, imparipinadas ou, raramente, trifolioladas. Trichilia lepidota Mart. Pecíolo e ráquis estrelado-pubescente a tomentoso; Folíolos opostos com pecíolos de 2 a 4 (14) mm e Pecíolo na face superior glabro, na face inferior pubescente. Trichilia casarettoi C. DC Folíolos grossos, carnosos, pecíolo de 2 a 7 mm; Glabros em ambos os lados, com exceção de pequenos tufos de pelos nas axilas das nervuras secundárias (face inferior) e Nervuras proeminentes embaixo. Trichilia elegans A. Juss. Folíolos finos, oblongos com ápice acuminado. Guarea macrophylla Vahl. Folhas pinadas com broto terminal muitas vezes reduzido, apresentando crescimento intermitente; Indumento ± denso, de grosseiramente pubescente a glabro e Folíolos opostos ou subopostos, com pecíolos de 2 a 5 mm.

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

50

Cabralea canjerana (Vell.) Mart. Folhas geralmente paripinadas, raramente imparipinadas, com crescimento apical limitado; Folíolos terminais muitas vezes reduzidos ou vestigiais e Folíolos com base assimétrica com pecíolos de 3 mm. Cedrela fissilis Vell. Folhas paripinadas, raramente imparipinadas, com folíolo terminal abortivo; Pecíolo pubescente a tomentoso; Folíolos sésseis a subsésseis, opostos ou subopostos face inferior geralmente densamente velutino-piloso e Fruto de 4 a 9 cm de comprimento. Cedrela odorata L. Folíolos geralmente sésseis e glabros e Fruto menor, de 2 a 4 cm de comprimento. Moraceae

• Ervas, arbustos ou lianas • Tipo de folha: simples • Filotaxia: alterna ou raramente opostas (Bagassa) • Margem: inteiros ou recortados • Plantas lactescentes • Estípula: amplexicaule (Ficus) • Inflorescência: geralmente espiciforme (Maclura), racemiforme

(Sorocea) ou formando um sicônio (Ficus) • Flores: não vistosas, unissexuadas (plantas monóicas ou dióicas),

actinomorfas, monoclamídeas • Cálice: 4-5(-8)-mero, gamossépalo ou dialissépalo, prefloração valvar

ou imbricada • Androceu: estames 1-5(-15), opositissépalos , livres entre si, anteras

rimosas • Gineceu: ovário súpero ou ínfero, geralmente bicarpelar e unilocular,

placentação pêndula ou raramente pariental, uniovulado • Fruto: aquênios (Ficus), drupas ou aquênio infrutescência resultantes

na fusão de drupas

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

51

Principais representantes no estado de SC • Brosimum glazioui • Brosimum lactescens • Ficus adhatodifolia • Ficus cestrifolia • Ficus citrifolia • Ficus eximia • Ficus luschnathiana Ficus enormis • Maclura tinctoria • Sorocea bomplandii

O gênero Ficus

• Árvores ou hemi-epífitas • Monóicas • Látex leitoso, branco a creme, ralo ou espesso • Estípulasterminais, completamente amplexicaules, caducas, raro

persistentes, ápice acuminado, verdes a avermelhadas ou castanho- amareladas vináceas (roxeado)

• Folhas simples, inteiras, alternas-espiraladas, pecioladas; glândulas acropeciolares ou baselaminares; lâminas elípticas, oblongas, obovais ou ovais

• Sicônio com anisostilia, axilar, solitário ou aos pares, globoso, oblongo ou piriforme

• Ficus caracteriza-se principalmente pelo hábito arbóreo ou hemiepifítico, presença de látex leitoso em todas as partes da planta, estípulas terminais bem desenvolvidas, folhas com glândulas na base da lâmina ou no pecíolo, inflorescências únicas, bissexuadas, denominadas sicônios, que abrigam numerosas flores estaminadas e pistiladas circundadas por bractéolas, frutos do tipo drupa com exocarpo membranáceo,reduzido, por essa razão muitas vezes lembrando um aquênio.

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

52

Verbenaceae • Ervas, arbustos, árvores • Aromáticas • Ramos quadrangulares (Citharexylum) • Folhas simples • Margem geralmente serreada • Textura coriácea a membranácea • Filotaxia oposta, raramente verticilada (Citharexylum) • Inflorescência racemosa • Flores pouco vistosas, bissexuadas, zigomorfas, diclamídeas;

• Cálice: pentâmero, gamossépalo, prefloração imbricada, geralmente persistente

• Corola: pentâmera, gamopétala, bilabiada, prefloração imbricada

• Androceu: estames 4, ou seja, didínamos • Gineceu: ovário súpero, bicarpelar placentação ereta, 2 óvulos

por carpelo • Fruto drupa ou esquizocarpo

Tectona grandis L. f. Teca, teak Arvore de grande porte DAP até 25,0 cm, altura até 50 cm Folhas Grandes; decussadas e decíduas com estação seca, perene

quando sempre úmida. Flores Pequenas brancas-amareladas em panículas e Floração precoce, um mês após a chuva. Fruto Drupa de 1 a 2 cm de comprimento com até 4 sementes; Endocarpo duro e Mesocarpo semelhante ao fruto. 400 a 1500 frutos por kg. Distribuição Natural Índia, Tailândia, (Laos, Vietnã). Florestas semi-decíduas/ deciduais cultivado de longa data: Indonésia, (Java) até 1300 m de altitude e Trinidad, Honduras, Nigéria, Camarões, Togo. Clima amplitude entre: 750 mm 5-7 meses de seca NW índia; 2500 mm 3-4 meses de seca (Java); Temperatura media anual: 21°C a 28°C e Mínima absolutas: +2ºC.

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

53

Solo Exige solo leves, bem drenados, boa base de nutrientes e ph +- neutro não tolera solos pobres pesados e úmidos. Então solos aptos para a agricultura (Conflitos). Ecologia Pioneiro longeva; Rotação tradicional 80 anos; (sistema agrossilvicultural 2-3 anos: “Tumpang-sari / taungya” Cultivo Semeadura direta; Plantio de stumps no início de período de chuvas (novembro); Espaçamento largo 3x3, 3x4 e Regeneração natural não funciona Madeira 0,65 g/cm³ a 15%; Alburno claro; Cerne marrom avermelhado escuro; Muito estável grande resistência, tração/ flexão semelhante ao mogno Estável em relação a umidade; Durável imune a cupim, fungos, carunchos e Boa de trabalhar (serra, lixa, etc). Uso Aplicação assoalhos de embarcações, móveis de luxo, janelas, portas, laminas faqueadas, pisos, esquadrias e Alburno excelente para obras internas (pouco durabilidade). Preço 800 a 2000 dólares/m³ (DAP de 40 cm). Gmelina arborea Roxb. ex Sm. Folhas Simples opostas, ovais, com margem serreada quando jovem, depois margem inteira. Frutos 2-3 cm carnoso, amarelas. Distribuição +- Teca; Exige clima úmido e Plantio Jarí 60.000 ha. Pioneira longeva muito exigente a qualidade do solo. Madeira 0,44-0,55 g/cm³ secas e de qualidade inferior à teca “Gray teak”.

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

54

Ecologia de espécies arbóreas

SÍNDROMES DE POLINIZAÇÃO ANEMOFILIA Pinus, Araucaria, Alnus, Betulus, Fagus ENTOMOFILIA A maioria das espécies arbóreas tropicais ENTOMO/ ANEMOFILIA Trema micrantha ENTOMO/ ORNITOFILIA Citharexylum myrianthum ENTOMO/ FALENOFILIA (MARIPOSAS)

Guapira opposita

CANTAROFILIA (BESOUROS) Annona, Xilopia, Magnolia QUIROPTEROFILIA Pseudobombax, Inga sessilis

SÍNDROMES DE DISPERSÃO

AUTOCORIA Parapiptadenia rigida, Outras Leguminosas BARICORIA Annona

ANEMOCORIA

Jacaranda, Handroanthus, Cybistax, Schizolobium, Centrolobium, Cedrela, Pseudobombax, Ceiba, Populus

ENDOZOOCORIA

MAMALOCORIA Araucaria ORNITOCORIA

Araucaria, Copaifera Virola, Magnolia, Lecythis, Ormosia (!) e muitas outras

QUIROPTEROCORIA Andira anthelminthica, Eugenia involucrata, Cecropia sp

ENTOMOCORIA Hieronyma alchorneoides EXOZOOCORIA MAMALOCORIA Pega-pega, Baccharis

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

55

PADRÕES DE COR E ODOR ASSOCIADOS AOS SISTEMAS DE DISPERSÃO

CARACTERÍSTICAS DOS GRUPOS ECOLÓGICOS

CARACTERÍSTICAS PIONEIRAS CLIMÁCICAS NÚMERO DE ESPÉCIES NA COMUNIDADE

1 - 5

> 100

CICLO DE VIDA DAS DOMINANTES

< 10 ANOS

100 - 1000 ANOS

TOLERÂNCIA À SOMBRA DAS DOMINANTES

MUITO INTOLERANTES TOLERANTES ATÉ EXIGENTES

VARIABILDADE GENÉTICA

MAIOR ENTRE AS POPULAÇÕES MENOR DENTRO DA POPULAÇÃO

MENOR ENTRE AS POPULAÇÕES MAIOR DENTRO DA POPULAÇÃO

PLASTICIDADE FENOTÍPICA ALTA BAIXA

TIPO DE DISPERSÃO CÔR ODOR

ABIÓTICA BARICORIA (gravidade) variável nenhum AUTOCORIA (abertura do fruto)

variável nenhum

HIDROCORIA (água) várias, usualmente verde ou marrom

nenhum

ANEMOCORIA (vento) várias, usualmente verde ou marrom

nenhum

BIÓTICA MAMALOCORIA (mamíferos)

marrom, verde, branca, laranja, amarela

fraco ou aromático

ORNITOCORIA (aves)

conspícua,contrastante preta, azul, vermelha, laranja, branca, verde, púrpura

leve ou nenhum

QUIROPTEROCORIA (morcegos)

verde , branca, levemente amarelada

aromático

ICTIOCORIA (peixes) variável ? ENTOMOCORIA (insetos) MIRMECORIA (formigas)

variável, preta, marrom ?

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

56

Grupos ecológicos de espécies arbóreas de acordo com REIS (1997), modificado

PIONEIRAS OPORTUNISTAS CLÍMAX

SEMENTES Produção contínua de sementes ou chuva de sementes

Produção contínua de sementes ou chuva de sementes

Apresenta anos de baixa ou nenhuma produção, é comum a “mast-years”

Apresentam dormência Não apresentam dormência Dormência curta ou ausente

Longevidade média e longa

Curta longevidade Longevidade curta, muitas são recalcitrantes

Reservas nutricionais pequenas

Reservas nutricionais pequenas

Reservas nutricionais grandes

Produzidas em grande quantidade

Produzidas em grande quantidade

Produzidas em menor quantidade

DISPERSÃO Anemocórica ou zoocórica Anemocórica para a

maioria das espécies, e algumas zoocóricas

Barocórica ou zoocórica

GERMINAÇÃO Algumas espécies são fotoblásticas e termoblásticas

Poucos fatores como luz e temperatura afetam a germinação

Requer alto conteúdo de umidade para o início da germinação

Requer um balanço entre os tipos de luz vermelho/vermelho longo, e/ou choque térmico para germinar

Sementes germinam em condição de luz ou de sombra

Capaz de germinar sobre o dossel em condições de baixa relação vermelho/vermelho intenso

Germinação rápida após a indução do processo terminativo ou quebra de dormência

Rápida germinação após a indução do processo germinativo

Imediata após dispersão ou após a indução

PLÂNTULAS Requer luz direta para o seu crescimento

Cresce em condições de sombra ou baixa luminosidade

Ciofítica, cresce em condições de baixa intensidade de luz

Mais independente das Rápido crescimento, Crescimento lento,

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

57

reservas da semente independente das reservas da semente

depende em grande parte das reservas das sementes

PLANTA JOVEM Rápido crescimento Crescimento lento em

condições de sombra Crescimento lento em condição de sombra, podendo ser interrompido

Competição intra- específica por luz e espaço

Planta jovem ciófita e planta adulta heliófita

O tamanho das clareiras pode ser limitante para o seu estabelecimento

Capaz de se manter à sombra ou em condições de peq. ou grandes cla- reiras, que não são limitan- tes ao seu estabelecimento

REGENERAÇÃO NATURAL Regeneram-se a partir de bancos de sementes persistentes ou não ou a partir de banco de plântulas efêmeras

Algumas espécies formam bancos de plântulas

Regeneração a partir de bancos de plântulas ou da queda de sementes em locais com condições propícias ao estabelecimento

POLINIZAÇÃO Animais não especialistas Animais mais ou menos

especialistas Animais especialistas

BANCO DE SEMENTES Presente Ausente Ausente

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

58

Algumas características das árvores por grupo ecológico, de acordo com Ferretti (2002).

Características

GRUPO ECOLÓGICO Pioneira

(P) Secundária

inicial (I) Secundária tardia (T)

Clímax (C)

Crescimento Muito rápido Rápido Médio Lento ou muito lento

Madeira Muito leve Leve Medianamente dura

Dura e pesada

Tolerância à sombra

Muito intolerante Intolerante Tolerante no estágio juvenil

Tolerante

Regneração Banco de sementes

Banco de plântulas

Banco de plântulas

Banco de plântulas

Dispersão das sementes

Ampla (zoocoria com alta

diversidade de dispersores); anemocoria; a

grandes distâncias

Restrita (barocoria);

Ampla (zoocoria com poucas espécies);

anemocoria; a grandes

distâncias

Principalmente

vento

Ampla (zoocoria com grandes

animais); restrita

(baricoria)

Tamanho das sementes e frutos dispersados

Pequeno

Médio

Pequeno e médio, mas sempre leve

Grande e pesado

Dormência das sementes

Induzida (foto- ou

termoregulada)

Sem

Sem

Inata (imaturidade do

embrião) Idade da 1ª reprodução

Prematura (1-5 anos)

Intermediária (5-10 anos)

Relativamente tardia

(10-20 anos)

Tardia (> 20 anos)

Dependência de polinizadores específicos

Baixa

Alta

Alta

Alta

Tempo de vida Muito curto (até 10 anos)

Curto (10-25 anos)

Longo (25-100 anos)

Muito longo (> 100 anos)

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

59

FLORESTA CLIMÁCICA

90 – ANOS

FLORESTA SECUNDÁRIA 50 – 90 ANOS

FLORESTA SECUNDÁRIA 30 – 50 ANOS

CAPOEIRÃO 15 – 30 ANOS

CAPOEIRA 10 – 15 ANOS

CAPOEIRINHA 5 – 10 ANOS

MATAGAL 1 – 5 ANOS

OCOTEA CATHARINENSIS SLOANEA GUIANENSIS

EUTERPE EDULIS PSYCHOTRIA SUTERELA

SLOANEA SPP. OCOTEA SPP.

HIERONYMA SPP.

TAPIRIRA SPP. OCOTEA SPP.

NECTANDRA SPP.

MICONIA SPP.

RAPANEA SPP. TIBOUCHINA SPP.

BACCHARIS SPP.

ANDROPOGON SPP. SCHIZACHYRIUM SPP. MELINIS MINUTIFLORA

PTERIDIUM AQUILINUM

ZOOCORIA

ZOOCORIA ANEMOCORIA

ANEMOCORIA

ZOOCORIA

ZOOCORIA

ZOOCORIA

ZOOCORIA ANEMOCORIA

ANIMAIS DE PORTE GRANDE

ANIMAIS DE PORTE PEQUENO

Fig. : Estádios Sucessionais da Foresta Ombrófila densa de acordo com REIS, A. (1996).

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

60

CLASSIFICAÇÃO TAXONÔMICA DAS GIMNOSPERMAS

Reino Plantae Divisão: Bryophyta Divisão Pteridophyta SpermatophytaClasse Filicatae Família Cyatheaceae Família Dicksoniaceae Sub-divisão Gimnospermae Angiospermae Classe Cycadopsidae Classe Magniolatae Ordem Cycadales (Dicotyledones) Família Cycadaceae Gênero CycasClasse Liliatae (Monocotyledones) Ordem Ginkgoales Família Ginkgoaceae Gênero Ginkgo Classe Coniferopsidae Ordem Coniferae Família Pinaceae Família Cupressaceae Família Podocarpaceae Família Cephalotaxaceae Família AraucariaceaeClasse Taxopsidae Ordem Taxales Família Taxaceae Gênero Taxus

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

61

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DOS GÊNEROS DE GIMNOSPERMAS ARBÓREAS REGIÕES TROPICAIS E SUBTROPICAIS REGIÕES TEMPERADAS

FAMÍLIA GÊNERO ÁSIA/OCEANIA AMÉRICA ÁFRICA ÁSIA AMÉRICA EUROPA Araucariaceae Agathis (21) Araucaria (19) Cephalotaxaceae Cephalotaxus (1) Cycadaceae Cycas (91) Ginkgoaceae Ginkgo (1) Cupressaceae Callitris (19)

Chamaecyparis (6) Cupressus (20) Juniperus (142) Keteleeria (14) Libocedrus (2) Pilgerodendron (1) Taxodium (2) Metasequoia (1) Taiwania (1) Cunninghamia (2) Athrotaxis (3) Thuja (5) Cryptomeria (1) Fizroya (1) Sequoiadendron (1) Sciadopitys (1) Pinaceae Pinus (111) Picea (33) Abies (51) Larix (11) Podocarpaceae Podocarpus (105) Dacrydium (1) Phyllocladus (1) Taxaceae Taxus (1)

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

62

CHAVE PARA GIMNOSPERMAS (de acordo com Marchiori, 1996, modificada) Folhas pinadasCycas Folhas em forma de leque, bilobadasGinkgo A. Filotaxia oposta, oposta cruzada ou verticilada a) Folhas escamiformes, “coladas” no ramo............Cupressaceae Raminhos cilíndricos...................................Cupressus Raminhos pendentes C. funebris Raminhos não pendentes Cones femininos < 15mm C. lusitanica Cones femininos 30-40mm C. sempervirens Raminhos planos (achatados) Cones globosos Chamaecyparis (falso cipreste) Cones oblongos ou ovóides Thuja b) Folhas escamiformes e aciculares no mesmo ramo (dimorfismo)....Juniperus Aciculares em 3 a 4 por verticilo J. comunis Escamas ou acículas no mesmo ramo J. virginiana B. Filotaxia diferente a) Folhas aciculares curtas (<11mm) Copa colunar Cone feminino 10 a 15mm Araucaria columnaris b) Folhas aciculares ponti-agudas, arqueadas ao ramo Cone feminino 40mm Cryptomeria japonica c) Folhas escamiformes ou sub-acículas até 11mm Sequoiadendron giganteum

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

63

aa) Folhas (acículas) em fascículos Folhas (acículas) em 2 a 5 por fascículo Pinus Folhas (acículas) em muitas por fascículo Acículas caducas Larix Acículas persistentes Cedrus bb) Folhas (acículas) solitárias Lineares, estreitas < 4mm Podocarpus lambertii Lineares, largas, 6-15mm Podocarpus sellowii Opostas, não pungentes, largas Agathis robusta Folhas não-opostas, com ápice pungente Folhas lanceoladas, 6-10mm x 20-60mm Araucaria angustifolia Folhas mais largas, quase triangulares

Araucaria bidwillii Folhas largas, 15-25mm

Araucaria araucana cc) Folhas dísticas Decíduas, em raminhos, sem faixas estomatais na face inferior Taxodium distichum Persistentes Metasequoia Acículas 20-50mm, com duas linhas estomatais na face inferior Cunninghamia lanceolata Acículas 10-25mm, cones no ápice do raminho Sequoia sempervirens dd) Acículas espiraladas Cones femininos erguidos................. Abies Cones femininos pendentes............... Picea Cones com brácteas trífidas...............Pseudotsuga

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

64

CRITÉRIOS PARA IDENTIFICAÇÃO DE ESPÉCIES DE Pinus

OCORRÊNCIA NATURAL (LOCAL DE CULTIVO) NÚMERO DE ACÍCULAS - duas três ou cinco por fascículo; - número variável. CARACTERÍSTICAS DAS ACÍCULAS

- côr, comprimento, bordos serrilhados, dentados ou inteiros; - pendentes ou não; - secção transversal circular, semi-circular, triangular; - número e posição dos canais resiníferos; - linhas estomáticas. CONES MASCULINOS - forma e cor. CONES FEMININOS - forma, côr e comprimento; - sésseis ou pedunculados; - pendentes ou não; - em grupos, verticilados ou solitários; - persistentes ou caducas; - forma das escamas, espinhosas ou inermes. SEMENTES - forma, tamanho, ápteras ou com asa; - comprimento da asa.

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

65

Chave para identificação as principais espécies de Pinus

de M. Takao Inoue (UFPR)

Fascículos com 2 acículas...................................................................................................2 Fascículos com 3 acículas...................................................................................................3 Fascículos com número variável de acículas......................................................................6 2.1 Acículas com comprimento de 7 a 12 cm, flexíveis. Cones de 4 a 6 cm de comprimento, oblongo-ovados até cônicos, quase sésseis; qnado aberto a parte dorsal interna da escama torna-se preta...................................................................................Pinus echinata Mill.2.2 Acículas de 18 a 25 cm de comprimento, rígidas; cones maduros de 7 a 15 cm de comprimento, pedunculados, castanho avermelhados ...........................................................................Pinus elliottii var. densa Little et Dorman3.1 Acículas com comprimento até 25 cm ...........................................................................4 Acículas com comprimento até 45 cm, flexíveis, cones femininos de 15 a 25 cm de comprimento, sésseis ou sub-sésseis, apéndice dorsal com espinho de 1 a 2 mm, quando se desprende sempre deixa algumas escamas basais no ramo ...............................................................................................................Pinus palustris Mill. Cones assímétricos...............................................................................................................5 Cones simétricos, curto-pedunculados, ovoides, marron brilhante, de 5 a 7 cm ........................................................................................................Pinus khasya Royle Cone cilíndrico-oval, a ovado-oblongo, de 5 a 15 cm de comprimento, séssil a sub-séssil, muito persistentes, escama com forte espinho ponteagudo no umbo dorsal .........................................................................................................................Pinus taeda L. Cone feminino de 5 a 10 cm de comprimento, cônico quando fechado, oblongo quando aberto, sementes ovoides de 6 x 3 x 2 cm ............................................Pinus caribaea var. caribaea6. Fascículos com 3, 4 ou 5 acículas.....................................................................................7 Fascículos com 2 ou 3 acículas.........................................................................................9 7. Acículas com até 25 cm de comprimento.........................................................................8 Acículas com comprimento de 25 a 30 cm, cones largos ovados, com 5 a 9 cm de comprimento, com pedúnculo longo e curvo ...................................Pinus oocarpa Schiede8.1 Acículas delgadas, caídas, verde-amareladas, ápice pontiagudo, bordos finamente serrilhados, em fascículos de 3; cones femininos ovoídes e sésseis, agrupadas de 2 a 6, marrom claro brilhante.......................................................Pinus patula Cham. e Schlecht

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

66

8.2 Acículas mais ou menos rígidas, cones femininos 6 a 14 cm de comprimento .......................................................................................Pinus caribaea var. hondurensis Mor. Cones femininos de 4 a 12 cm de comprimento, com apófise castanho claro brilhante levemente estriada, com um débil ou ausente espinho ......................... P. caribaea var. bahamensis Mor. 9.2 Cones femininos de 7 a 15 cm de comprimento, com apófise lustrosa, larga e curva, umbo dorsal apresentando um forte e afiado espinho ..................Pinus elliottii var. elliottii Engelm.

Algumas importantes espécies do gênero Pinus

ESPÉCIE ORIGEM ALT.

(m) TEMP. MÉDIA

PRECIP. (mm)

USO

Pinus elliottii var. elliottii

Sul e sudeste USA

0-300 15–24ºC 650-2500 Pap./Cel. Proc. mec. Resina

Pinus taeda

Sul e sudeste USA

0-300 13-19ºC 900-2200 Pap./Cel. Proc. mec.

Pinus patula

México (18-24ºN

1400- 3200

12-18ºC 750-2000 Pap./Cel.

Pinus caribaea var. caribaea

Cuba (22-23ºN)

0-500 24-26ºC 1000- 1800

Proc. mec.

Pinus caribaea var. hondurensis

America Central (12-18ºN)

0-1000 21-27ºC até 6 meses de seca

Proc. mec. Pap./Cel. Resina

Pinus caribaea var. bahamensis

Bahamas (24-27ºN)

0-200 22-26ºC 1000- 1500

Proc. mec. Pap./Cel. Resina

Pinus radiata

Monterey (35-37ºN)

0-350 16ºC 400-500 Pap./Cel. Proc. mec.

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

67

O GÊNERO Eucalyptus (“Gum trees”) Ordem: Myrtales Família: Myrtaceae Subfamília: Leptospermoideae Cerca de 600 espécies. Distribuição geográfica: 07º N – 43º S da Tasmânia, Austrália, Papua-Nova-Guiné, até as

Filipinas. Regiões climáticas: desde clima árido, semi-árido, temperado, subtropical até

tropical úmido. Introduzido no Brasil em 1825 (Jardim Botânico RJ) e em 1868 no Rio Grande do Sul Cultivado em maior escala em São Paulo desde 1904 (para dormentes e postes) Plantios em grande escala a partir de 1966 (incentivos fiscais) • para produção de energia (Minas Gerais); • para produção de papel e celulose (São Paulo, Espírito Santo, Bahia, Minas

Gerais, Paraná, Amapá, Rio Grande do Sul). Uso para processamento mecânico (madeira serrada) recente (Klabin-PR, Aracruz-ES, Flosul-RS). Grandes produtores: Brasil, Índia, China, África do Sul, Espanha, Portugal,

Angola, Chile. Apenas 2 espécies não ocorrem na Austrália: E. urophylla Timor e Indonésia E. deglupta (com folhas opostas!!) – Papua e Nova-Guinea, Molucas (Indonésia),

Mindanao (Filipinas). Incremento alto como exóticos (fora da região de origem)

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

68

ESPÉCIES IMPORTANTES REGIÕES TROPICAIS úmidas: E. deglupta, E. urophylla, E. tereticornis; secas: E. camaldulensis, E. alba. REGIÕES SUBTROPICAIS (SEM GEADA)

E. grandis, E. urophylla (E. urograndis), E. saligna, E. robusta, E. citriodora, E. microcorys, E. paniculata.

REGIÕES SUBTROPICAIS (COM GEADA)

E. viminalis, E. dunnii, E. deanii, E. regnans (82m!), E. benthamii, E. globulus, E. cinerea (folhas opostas!).

REGIÕES DE CLIMA MEDITERRÂNEO

E. globulus, E. camaldulensis. REGIÕES DE CLIMA ÁRIDO/SEMI-ÁRIDO

E. camaldulensis.

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

69

CRITÉRIOS PARA IDENTIFICAÇÃO DE ESPÉCIES DE Eucalyptus

OCORRÊNCIA NATURAL (OU LOCAL DE CULTIVO)

- ao norte do trópico do capricórnio (espécies tropicais); - ao sul do trópico (espécies subtropicais e temperadas).

CASCA

- casca cai da quase totalidade do tronco; - casca persistente na maior porção do tronco; - gum barks, ironbarks e stringbarks. FOLHAS

- opostas, alternas, sésseis, pecioladas; - tonalidade igual ou diferente nas duas faces; - forma (linear, oblonga, lanceolada, ovóide, elíptica, oblíqua). INFLORESCÊNCIA

- simples ou composta; - número de botões florais.

FLORES E FRUTOS

- forma e tamanho do fruto (oblongo, cilíndrico, ovóide, hemisférico, campanulado, cônico, globular, em forma de pêra, urna, barril);

- séssil ou com pedicelo; - forma do botão floral e do opérculo (hemisférico, cônico, alongado,

cilíndrico, achatado, ponte-aguda, obtuso).

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

70

CARACTERÍSTICAS DE ALGUMAS ESPÉCIES IMPORTANTES DO GÊNERO Eucalyptus

ESPÉCIE CASCA FOLHAS INFLORES-

CÊNCIA BOTÕES OPÉR- CULO/

CÁLICE

LENHO COR

DENSI- DADE g/cm³

E. grandis E. saligna

gum 10-20 x 2- 4cm

simples pedunculada

em 6 a 15 pedicela- dos

rosado claro

0,69

E. citriodora gum, manchas de coloração diferente

juvenis ásperas e pilosas odor a limão

composta umbeliforme pedunculada

3 a 5 por umbela opérculo <cálice

castanho claro, cinza

0.93 a 1,04

E.dunnii gum lanceolada s

simples

≠ 3 pedicela- dos

clara 0,70

E. viminalis gum longas tiras

opostas ou alternas sésseis ou não

simples pedunculada

em 3 amarelo claro

0,72

E.robusta stringbark, persisten- te

8-18 x 3- 7cm pecíolo caniculado

simples pedunculada

em 5 a 10 quase sésseis

castanho avermelha- do

0,80

E. urophylla stringbark , casca persistent e, fibrosa, placas retangular es

nervura oblíqua marcada pecíolo 2 cm

simples pedunculada

em 7 a 11 fruto globoso opérculo >cálice

castanho avermelha- do

0,65

E. globulus gum, tiras longas, grã espiralado

pendentes lanceola- das 10-25 x 2- 4cm

solitária subséssil

quadran- gular verrucoso

castanho amarelo claro

0,70

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

71

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

72

Outras espécies exóticas cultivadas no Brasil “Pioneiras” - Artocarpus heterophyllus - Moraceae (Índia) – jaca, jackfruit; - Citrus sp. - Rutaceae (China); - Cocos nucifera – Arecaceae – (Polinésia ??) – coqueiro, coconut; - Mangifera indica - Anacardiaceae (Índia) – mangueira, mango tree; - Persea americana – Lauraceae (América Central) - abacateiro, avocado; -Tamarindus indica - Fabaceae (África) – tamarindo, tamar-hindi (tâmara indiana). Gimnospermae - Agathis robusta - Araucariaceae (Austrália, Nova Guiné); - Araucaria cunninghamia - Araucariaceae (Austrália, Nova Guiné); - Araucaria columnaris - Araucariaceae (Nova Caledônia); - Araucaria heterophylla - Araucariaceae (Ilha de Norfolk); - Cunninghamia lanceolata - Cupressaceae (China, Vietnam, Laos); - Cupressus lusitanica - Cupressaceae (América Central); - Cryptomeria japonica – Cupressaceae (China, Japão); - Ginkgo biloba - Ginkgoaceae (Leste da Ásia); - Juniperus sp. - Cupressaceae (América do Norte, Europa, Ásia); - Pinus sp. - Pinaceae (América Central e do Norte); - Taxodium distichum - Cupressaceae (Sudeste dos EUA); - Thuja sp. - Cupressaceae (Canadá, EUA). Angiospermae Monocotyledones - Archontophoenix sp. - Arecaceae (Austrália); - Phoenix sp. - Arecaceae (Ilhas Canárias); - Roystonea sp. - Arecaceae (Caribe). Dicotyledones - Acacia sp. - Fabaceae (Pantrópica); - Albizzia falcata - Fabaceae (Ilhas Molucas); - Aleurites moluccana - Euphorbiaceae (Sudeste da Ásia, Austrália); - Alnus glutinosa - Betulacae (Europa); - Casuarina equisetifolia - Casuarinaceae (Sudeste da Ásia, Austrália); - Delonix regia - Fabaceae (Madagaskar); - Eucalyptus sp. - Myrtaceae (Austrália); - Ficus elastica - Moraceae (Sudeste da Ásia); - Gmelina arborea –Verbenaceae (Sul e sudeste da Ásia); - Grevillea robusta - Proteaceae (Austrália); - Hovenia dulcis - Rhamnaceae (China, Japão); - Leucaena leucocephala - Fabaceae (América Central); - Liquidambar styraciflua – Hamamelidaceae (Sul e sudeste EUA); - Melia azedarach - Meliaceae (Índia); - Magnolia champaca – Magnoliaceae; - Paulownia fortunei - Paulowniaceae (China); - Populus nigra - Salicaceae (Europa); - Spathodea campanulata - Bignoniaceae (Oeste da África); - Tamarindus indica - Fabaceae (África); - Tectona grandis - Verbenaceae (Índia, Birma, Malásia); - Terminalia catappa - Combretaceae (Índia); - Toona ciliata - Meliaceae (Austrália).

Universidade Regional de Blumenau - FURB Prof. Dr. Alexander C. Vibrans Curso de Engenharia Florestal

73

LISTA DE ESPÉCIES DO ARBORETO DA

EPAGRI - ITAJAÍ Nativas de Santa Catarina: Cordia trichotoma (Boraginaceae) – Louro Colubrina glandulosa (Rhamnaceae) - Sobraji Exóticas: Acacia angustissima (Fabaceae) Acacia auriculiformis (Fabaceae) Acacia mangium (Fabaceae) Acacia nigra (Fabaceae) Acacia trinervia (Fabaceae) Agathis robusta (Araucariaceae) Albizzia chinensis (Fabaceae) Albizzia lebek (Fabaceae) Araucaria excelsa (Araucariaceae) Casuarina cunninghamiana (Casuarinaceae) Casuarina equisetifolia (Casuarinaceae) Cupressus lusitanica (Cupressaceae) Hovenia dulcis (Rhamnaceae) Liquidambar styraciflua (Hamamelidaceae) Melia azedarach (Meliaceae) Pinus elliottii Pinus taeda Pinus kesiya Pinus tecunumanii

Pinus oocarpa Pinus caribaea var. caribaea Pinus caribaea var. hondurensis Pinus caribaea var. bahamensis

Eucalyptus deanei E. maculata E. tereticornis E. robusta E. saligna E. grandis E. pelita E. toreliana

E. citriodora E. botryoides E. paniculata E. microcorys E. propinqua E. camaldulensis E. “robrandis” E. urophylla

Até o momento nenhum comentário
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 73 páginas