Enfermagem materno infantil-rn, Notas de estudo de Enfermagem

Enfermagem materno infantil-rn, Notas de estudo de Enfermagem

37 páginas
50Números de download
1000+Número de visitas
9Número de comentários
Descrição
materno e R.N
90 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 37
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 37 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 37 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 37 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 37 páginas
ENFERMAGEM MATERNO INFANTIL

ATENÇÃO A SAÚDE DO R.N

ENFERMAGEM MATERNO INFANTIL

ATENÇÃO A SAÚDE DO RÉCEM NASCIDO   Definição : Recém-nascido é a criança desde

o nascimento, até completar 28 dias de vida, sendo totalmente dependente dos cuidados materno. Essa dependência e as respostas progressivas que a criança demonstra aos cuidados maternos fortificam o sentimento de afeto entre mãe e filho e, o elo fundamental deste relacionamento é a amamentação que em qualquer circunstância, deve ser estimulada. É também desejável que os cuidados com o recém-nascido, mesmos os mais elementares, sejam prestados pela mãe.

   

 Classificação de acordo com a IG

 Considera-se como IG ao nascer, o tempo provável de gestação até o nascimento, medido pelo número de semanas entre o primeiro dia da última menstruação e a data do parto.

 O tempo de uma gestação desde a data da última menstruação até seu término é de 40 semanas. Sendo assim, considera-se:

  a) RN prematuro - toda criança nascida antes de

37 semanas de gestação; b) RN a termo - toda criança nascida entre 37 e

42 semanas de

CLASSIFICAÇÃO  gestação; c) RN pós-termo - toda criança nascida após

42 semanas de gestação.    Quanto menor a IG ao nascer, maior o risco de

complicações e a necessidade de cuidados neonatais adequados. Se o nascimento antes do tempo acarreta riscos para a saúde dos

 bebês, o nascimento pós-termo também. Após o período de gestação considerado como fisiológico, pode ocorrer diminuição da oferta de oxigênio e de nutrientes e os bebês nascidos após 42 semanas de gestação podem apresentar complicações respiratórias e nutricionais importantes no período neonatal.

Classificação de acordo com a relação peso/IG

Essa classificação possibilita a avaliação do crescimento intrauterino, uma vez que de acordo com a relação entre o peso e a IG os bebês são classificados como:

  a)  adequados para a idade gestacional (AIG) – são os neonatos cujas linhas referentes a peso e a IG se encontram entre as duas curvas do gráfico. Em nosso meio, 90 a 95% do total de nascimentos são de bebês adequados para a IG;

   

CLASSIFICAÇÃO IG  b)      pequenos para a idade

gestacional (PIG) - são os neonatos cujas linhas referentes a peso e a IG se encontram abaixo da primeira curva do gráfico. Esses bebês sofreram desnutrição intra-uterina importante, em geral como conseqüência de doenças ou desnutrição maternas.

CLASSIFICAÇÃO IG  c) grandes para a idade

gestacional (GIG) - são os neonatos cujas linhas referentes ao peso e a IG se encontram acima da segunda curva do gráfico. Freqüentemente os bebês grandes para a IG são filhos de mães diabéticas ou de mães Rh negativo sensibilizadas.

Os RNs possuem características anatômicas e funcionais próprias.  O peso dos bebês é influenciado por diversas

condições associadas à gestação, tais como:  •        Fumo, uso de drogas, paridade e alimentação

materna.  •        Os RNs apresentam durante os cinco primeiros

dias de vida uma diminuição de 5 a 10% do seu peso ao nascimento, chamada de perda ponderal fisiológica, decorrente da grande eliminação de líquidos e reduzida ingesta..

 •        Entre o 8º (RN a termo) e o 15º dia (RNs prematuros) de vida pós-natal, os bebês devem recuperar o peso de nascimento.

SINAIS VITAIS RN  •        Os sinais vitais refletem as condições de

homeostase dos bebês, ou seja, o bom funcionamento dos seus sistemas respiratório, cardiocirculatório e metabólico; se os valores encontrados estiverem dentro dos parâmetros de normalidade, temos a indicação de que a criança se encontra em boas condições no que se refere a esses sistemas.

 Os RNs são extremamente termolábeis, ou seja, têm dificuldade de manter estável a temperatura corporal, perdendo rapidamente calor para o ambiente externo

O Crescimento da Criança

 O ser humano compartilha com todos os outros animais o processo biológico do crescimento e desenvolvimento, porém apresenta uma característica particular – o tempo prolongado necessário à sua maturação durante toda a infância e adolescência. É como se a natureza, reconhecendo a lenta e complexa evolução de seu sistema nervoso, cooperasse com um período maior destinado aos seus cuidados e à sua educação.

CRESCIMENTO DA CRIANÇA  A atitude e a postura dos RNs, nos primeiros dias de vida,

refletem a posição em que se encontravam no útero materno. Por exemplo, Os bebês que estavam em apresentação cefálica tendem a manter-se na

posição fetal tradicional - cabeça fletida sobre o tronco, mãos fechadas, braços flexionados, pernas fletidas sobre as coxas e coxas, sobre o abdômen.

A avaliação da pele do RN fornece importantes informações acerca do seu grau de maturidade, nutrição, hidratação e sobre a presença de condições patológicas.

A pele do RN a termo, AIG e que se encontra em bom estado de hidratação e nutrição, tem aspecto sedoso, coloração rosada (nos RNs de raça branca) e/ou avermelhada (nos RNs de raça negra), turgor normal e é recoberta por vernix caseoso.

CRESCIMENTO E CARACTERÍSTICAS R.N  Nos bebês prematuros, a pele é fina e gelatinosa e nos bebês

nascidos pós-termo, grossa e apergaminhada, com presença de descamação — principalmente nas palmas das mãos, plantas dos pés — e sulcos profundos. Têm também turgor diminuído. Das inúmeras características observadas na pele dos RNs destacamos as que se apresentam com maior frequência e sua condição ou não de normalidade.

    a) Eritema tóxico - consiste em pequenas lesões avermelhadas,

semelhantes a picadas de insetos, que aparecem em geral após o 2º dia de vida. São decorrentes de reação alérgica aos medicamentos usados durante o trabalho de parto ou às roupas e produtos utilizados para a higienização dos bebês.

b) Millium - são glândulas sebáceas obstruídas que podem estar presentes na face, nariz, testa e queixo sob a forma de pequenos pontos brancos.

CRESCIMENTO E CARACTERÍSTICAS  c) Manchas mongólicas - manchas azuladas

extensas, que aparecem nas regiões glútea e lombossacra. De origem racial – aparecem em crianças negras, amarelas e índias - costumam desaparecer com o decorrer dos anos.

d) Petéquias - pequenas manchas arroxeadas, decorrentes de fragilidade capilar e rompimento de pequenos vasos. Podem aparecer como conseqüência do parto, pelo atrito da pele contra o canal do parto, ou de circulares de cordão — quando presentes na região do pescoço. Estão também associadas a condições patológicas, como septicemia e doenças hemolíticas graves.

CARACTERÍSTICAS  e) Cianose - quando localizada nas extremidades (mãos e

pés) e/ ou na região perioral e presente nas primeiras horas de vida, é considerada como um achado normal, em função da circulação

f) Icterícia - coloração amarelada da pele, que aparece e evolui no sentido craniocaudal, que pode ter significado fisiológico ou patológico de acordo com o tempo de aparecimento e as condições associadas. As icterícias ocorridas antes de 36 horas de vida são em geral patológicas e as surgidas após esse período são chamadas de fisiológicas ou próprias do RN.

g) Edema - o de membros inferiores, principalmente, é encontrado com freqüência em bebês prematuros, devido as suas limitações renais e cardíacas decorrentes da imaturidade dos órgãos. O edema generalizado (anasarca) ocorre associado à insuficiência cardíaca,insuficiência renal e distúrbios metabólicos.

CARACTERÍSTICAS  •        Os cabelos do RN a termo são em geral

abundantes e sedosos; já nos prematuros são muitas vezes escassos, finos e algodoados. A implantação baixa dos cabelos na testa e na nuca pode estar associada à presença de malformações cromossomiais. Alguns bebês podem também apresentar lanugem, mais freqüentemente observada em bebês prematuros..

 As unhas geralmente ultrapassam as pontas dos dedos ou são incompletas e até ausentes nos prematuros.

  

CARACTERÍSTICAS  Ao nascimento os ossos da cabeça não estão ainda

completamente soldados e são separados por estruturas membranosas denominadas suturas. Assim, temos a sagital (situada entre os ossos parietais), a coronariana (separa os ossos parietais do frontal) e a lambdóide (separa os parietais do occipital). Entre as suturas coronariana e sagital está localizada a grande fontanela ou fontanela bregmática, que tem tamanho variável e só se fecha por volta do 18º mês de vida. Existe também outra fontanela, a lambdóide ou pequena fontanela, situada entre as suturas lambdóide e sagital. É uma fontanela de pequeno diâmetro, que em geral se apresenta fechada no primeiro ou segundo mês de vida.

  Alterações podem aparecer na cabeça dos bebês como conseqüência de sua passagem pelo canal de parto. Dentre elas temos

a) Cefalematoma - derrame sangüíneo que ocorre em função do rompimento de vasos pela pressão dos ossos cranianos contra a estrutura da bacia materna. Tem consistência cística (amolecida com a sensação de presença de líquidos), volume variável e não atravessa as linhas das suturas, ficando restrito ao osso atingido. Aparece com mais freqüência na região dos parietais, são dolorosos à palpação e podem levar semanas para ser reabsorvidos.

b) Bossa serossangüínea - consiste em um edema do couro cabeludo, com sinal de cacifo positivo cujos limites são indefinidos, não respeitando as linhas das suturas ósseas. Desaparece nos primeiros dias de vida.

CARACTERÍSTICAS ANATÔMICAS  Os olhos dos RN podem apresentar alterações sem maior

significado, tais como hemorragias conjuntivais e assimetrias pupilares.

 As orelhas devem ser observadas quanto à sua implantação que deve ser na linha dos olhos. Implantação baixa de orelhas é um achado sugestivo de malformações cromossomiais.

 No nariz, a principal preocupação é quanto à presença de atresia de coanas, que acarreta insuficiência respiratória grave. A passagem da sonda na sala de parto, sem dificuldade, afasta essa possibilidade.

 A boca deve ser observada buscando-se avaliar a presença de dentes precoces, fissura labial e/ou fenda palatina.

 O pescoço dos RNs é em geral curto, grosso e tem boa mobilidade. Diminuição da mobilidade e presença de massas indicam patologia, o que requer uma avaliação mais detalhada.

CARACTERÍSTICAS ANATÔMICAS  O tórax, de forma cilíndrica, tem como características principais um apêndice

xifóide muito proeminente e a pequena espessura de sua parede. Muitos RNs, de ambos os sexos, podem apresentar hipertrofia das glândulas mamárias, como conseqüência da estimulação hormonal materna recebida pela placenta.Essa hipertrofia é bilateral. Quando aparece em apenas uma das glândulas mamárias, em geral é conseqüência de uma infecção por estafilococos.

 O abdômen também apresenta forma cilíndrica e seu diâmetro é 2-3cm menor que o perímetro cefálico. Em geral, é globoso e suas paredes finas possibilitam a observação fácil da presença de hérnias umbilicais e inguinais, principalmente quando os bebês estão chorando e nos períodos após a alimentação. A distensão abdominal é um achado anormal e quando observada deve ser prontamente comunicada, pois está comumente associada a condições graves como septicemia e obstruções intestinais.

 O coto umbilical, aproximadamente até o 4º dia de vida, apresenta-se com as mesmas características do nascimento - coloração branco- azulada e aspecto gelatinoso. Após esse período, inicia-se o processo de mumificação, durante o qual o coto resseca e passa a apresentar uma coloração escurecida. A queda do coto umbilical ocorre entre o 6° e o 15º dia de vida.

  

CARACTERÍSTICAS ANATÔMICAS  A genitália masculina pode apresentar alterações devido à

passagem de hormônios maternos pela placenta que ocasionam, com freqüência, edema da bolsa escrotal, que assim pode manter-se até vários meses após o nascimento, sem necessidade de qualquer tipo de tratamento.A palpação da bolsa escrotal permite verificar a presença dos testículos, pois podem se encontrar nos canais inguinais. A glande está sempre coberta pelo prepúcio, sendo então a fimose uma condição normal.

 Deve-se observar a presença de um bom jato urinário no momento da micção.

 A transferência de hormônios maternos durante a gestação também é responsável por várias alterações na genitália feminina. A que mais chama a atenção é a genitália em couve- flor. Pela estimulação hormonal o hímen e os pequenos lábios apresentam-se hipertrofiados

 ao nascimento não sendo recobertos pelos grandes lábios. Esse aspecto está presente de forma acentuada nos prematuros.

CARACTERÍSTICAS ANATÔMICAS  Em relação ao ânus, a principal observação a ser

feita diz respeito à permeabilidade do orifício. Essa avaliação pode ser realizada pela visualização direta do orifício anal e pela eliminação de mecônio nas primeiras horas após o nascimento. Outro ponto importante refere-se às eliminações vesicais e intestinais. O RN elimina urina várias vezes ao dia. A primeira diurese deve ocorrer antes de completadas as primeiras 24 horas de vida, apresentando, como características, grande volume e coloração amarela-clara. As primeiras fezes eliminadas pelos RNs consistem no mecônio.

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NOS CUIDADOS IMEDIATOS E MEDIATOS AO RN:

 

 Os cuidados imediatos ao RN são aqueles dispensados logo após o nascimento, ainda na sala de parto. Os principais objetivos são: auxiliar o bebê a fazer a transição da vida intrauterina

 para a vida extra-uterina, assegurar a manutenção de sua temperatura corporal e promover o elo afetivo entre RN - mãe e seus familiares

CUIDADOS IMEDIATOS AO R.N

berço aquecido e/ou incubadora; ! campos aquecidos ou toalha ou cobertores; ! material para aspiração: bulbo (pera), aspirador à

vácuo, sondas de aspiração n° 6, 8 e 10, sonda gástrica n° 8 e seringa

de 20 ml; ! material para ventilação: ambú, máscaras faciais

(tamanhos para RN a termo e prematuro - de preferência acolchoadas) e fonte de oxigênio com fluxômetro;

! material para intubação: laringoscópio com lâmina reta n. 0 e

1, lâmpadas e pilhas para o laringoscópio, cânulas traqueais n. 2.5, 3.0, 3.5, 4.0, tesoura, luvas estéreis;

! medicações: adrenalina, bicarbonato, glicose a 10%, água destilada,

solução fisiológica a 0,9%;

CUIDADOS IMEDIATOS  estetoscópio;

! esparadrapo; ! seringas (1ml, 3ml, 5ml, 10ml, 20 ml) e agulhas (13 x 4,5 ou 25 x7). Um cuidado importante a ser tomado na sala de parto consiste em manter as vias aéreas superiores (boca e nariz) pérveas, ou seja, desobstruídas. Assim, deve-se posicionar o RN em decúbito dorsal, com o pescoço ligeiramente estendido para proceder à aspiração.

Quando houver grande quantidade de secreção na boca, deve- se lateralizar a cabeça, acumulando a secreção na lateral desta, o que facilita

a remoção. Assim, evita-se o acúmulo de secreção na faringe posterior e conseqüente aspiração pelo RN.

Aspire delicadamente primeiro a boca e depois o nariz. Este cuidado

garante que não haja nenhuma secreção nas vias aéreas, caso o RN inspire durante a aspiração do nariz.

ESCALA DE APGAR

CUIDADOS MEDIATOS /R.N Aferição de sinais vitais  Não existe diferença na verificação dos

sinais vitais em RN. precisamos atentar para alguns cuidados, pois alguns RNs podem ficar agitados ou chorosos quando manipulados pelos

PARAMETROS  Os parâmetros de normalidade dos

sinais vitais no RN são:  ! Freqüência respiratória - 25/60

incursões respiratórias por  minuto;  ! Freqüência cardíaca - 120/180

batimentos por minuto;  ! Temperatura - 36, 0 a 37,0ºC (axilar).

CUIDADOS MEDIATOS  Verificação da respiração (R)  A respiração deve ser avaliada durante um

minuto completo. Nos RN observam-se os movimentos abdominais e não os torácicos, já que neles a respiração é realizada pelo diafragma. Ao verificar a respiração, devemos atentar também para sua profundidade, bem como para a identificação de eventuais sinais de cansaço, cianose, batimentos das asas do nariz.

Cuidados mediatos  Verificação da freqüência cardíaca (FC)  Essa verificação em recém-nato é mais

confiável quando realizada por meio do pulso apical, quando colocamos o estetoscópio sobre o tórax, entre o esterno e o mamilo esquerdo do bebê.

 A freqüência do coração é contada durante um minuto, prestando-se atenção ao itmo e pulsação

Cuidados mediatos  c) Verificação da temperatura (T)  A verificação de temperatura corporal pode ser medida no reto ou na

axila. No entanto, quando há necessidade de constantes aferições, a introdução freqüente de um termômetro no reto pode causar danos à mucosa retal, sendo recomendável a verificação de preferência na axila.

    ! Verificação das medidas antropométricas  Nessas medidas verifica-se o peso, o comprimento/estatura e os

perímetros cefálicos, torácicos e abdominais que são parâmetros importantes para a avaliação e acompanhamento dos bebês.

Cuidados mediatos  Verificação do peso Tal procedimento deve ser realizado no momento da admissão do RN,

diariamente e sempre que houver necessidade de nova avaliação. Servirá de base para o controle da curva ponderal. O material necessário é colocado em carrinho com balança própria para RN (até 15 kg), papel toalha, compressa de gaze, frasco com álcool a 70% e impresso próprio para registro.

Antes de verificar o peso do recém–nascido, certifique-se de que o ar refrigerado encontre-se desligado ou que as janelas estejam fechadas, evitando a hipotermia do bebê. Limpe a cuba da

balança com álcool, realize a calibração da mesma e forre-a com papel toalha.   b) Verificação da estatura A estatura é verificada com régua antropométrica ou fita métrica e

servirá de base para a avaliação do crescimento. Coloque o RN em decúbito dorsal em uma superfície plana

Cuidados mediatos/ estatura  apoiando a parte fixa da régua na sua

cabeça e a parte móvel no calcanhar. Estenda as pernas do bebê, segurando em seus joelhos, mantendo a régua bem posicionada ou a fita bem esticada e proceda à leitura.

Cuidados mediatos  c) Perímetro cefálico (PC) A circunferência da

cabeça aumenta rapidamente em função do crescimento do cérebro. A média da circunferência ao nascimento é de 33 a 37cm, aumentando até 46 ou 47cm no final do primeiro ano de vida. O perímetro cefálico é igual ao do tórax ou maior 2 cm. Servirá de base para a avaliação do crescimento e desenvolvimento. É realizada com o bebê em decúbito dorsal, passando-se a fita métrica a partir da maior saliência do osso occipital e acima das sobrancelhas, realizando-se então a leitura.

Cuidados mediatos  d) Perímetro torácico (PT) É a medida da circunferência do tórax, sendo verificado com

fita métrica, variando em torno de 33 cm. O RN deve estar posicionado em decúbito dorsal, sem roupa. Passa-se a fita ao redor do tórax na altura dos mamilos, realizando a leitura.

e) Perímetro abdominal (PA) É a medida da circunferência do abdômen, sendo verificada

com fita métrica, variando em torno de 35cm. O RN deve estar em decúbito dorsal e sem roupa. O perímetro abdominal é medido passando-se a fita em torno do abdome, logo acima do umbigo. Realize a leitura.

É importante ressaltar que o registro das medidas antropométricas no prontuário da criança deve ser realizado imediatamente após à verificação das mesmas. Caso não seja possível, registre após a realização de todos os cuidados antes de encaminhar o RN para a mãe.

Cuidados mediatos  Realizar higiene corporal do recém-nato  A primeira higiene visa a retirar o excesso de sangue ou outras

sujidades, principalmente na região da cabeça, não sendo necessário retirar todo o vernix caseoso, pois ele será absorvido pela pele espontaneamente. O banho de imersão (na banheira ou bacia) é aquele feito quando

 o RN se encontra em condições clínicas estáveis. Por ser o tipo de banho que será feito em casa, após a alta, deve-se encorajar a participação materna durante sua realização. O material necessário é: algodão; cotonetes; sabonete neutro (glicerina sem perfume); gaze; lençol macio ou toalha; fralda (de preferência descartável); luvas de procedimento; escovinha de nylon

Cuidados mediatos  Realizar curativo do coto umbilical  O curativo do coto umbilical é feito diariamente após o banho

ou sempre que estiver molhado de urina ou sujo de fezes. Tem por objetivo promover a cicatrização, por meio da mumificação

 evitar a contaminação local.  É importante atentar a qualquer anormalidade, como presença

de sangramento, secreção purulenta, hiperemia, edema e odor fétido.

 O material necessário é: frasco com álcool a 70%, cotonete e gaze. O curativo consiste na limpeza da base do coto com o cotonete embebido em álcool, fazendo movimentos suaves e circulares.

Cuidados mediatos  Administrar vitamina K  Ao nascer, o bebê não tem ainda capacidade

de coagulação sangüínea devido à imaturidade do fígado, sendo necessária a administração da vitamina K, objetivando prevenir a doença hemorrágica no período neonatal. Aplica-se na região vasto-lateral da coxa por via IM ou gotas por VO.

material otimo para estudo mim ajudou muito obrigado.
Ótimo, tudo que ia pesquisar tem aqui... Perfeito.
Muito bom amei.
adorei,de fácil entendimento,ótimo material.
muito bom p/ atualização e reciclagem do profissional em saúde
1-5 de 9
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 37 páginas