Ensaio Ciência, tecnologia e inovação no Mundo, Trabalhos de Ciências da Terra
felipe-bellucci
felipe-bellucci

Ensaio Ciência, tecnologia e inovação no Mundo, Trabalhos de Ciências da Terra

16 páginas
24Número de visitas
Descrição
Ensaio Ciência, tecnologia e inovação no Mundo abordando as estratégias nacionais para o tema
20 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 16
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 16 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 16 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 16 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 16 páginas

1

ENSAIO REFLEXIVO

“ABORDADEGEM DA TEMÁTICA MATERIAIS AVANÇADOS NO ÂMBITO DOS

PROGRAMAS DOS INSTITUTOS NACIONAIS DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA (INCT-

MCTIC-CNPq) E CENTROS DE PESQUISA, INOVAÇÃO E DIFUSÃO (CEPID-FAPESP)”

Aluno: Felipe Silva Bellucci

Professoras: Fernanda Sobral e Maria Carlota Paula

Disciplina – D4: Políticas Públicas de C,T& I no Brasil e no Mundo

Curso: Especialização em Gestão de Políticas de Ciência, Tecnologia e Inovação.

1. Sumário do Ensaio Reflexivo:

Este Ensaio Técnico apresenta uma análise da abordagem área de Materiais Avançados

no âmbito dos Programas dos Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCT-MCTIC-CNPq) e

Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPID-FAPESP). O tema foi escolhido pela relevância da

área de Materiais Avançados para o desenvolvimento industrial da sociedade, por se tratar de uma

nova área implantada no Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e

pela necessidade de desenvolvimento de um “Plano Nacional de Materiais Avançados”. No âmbito

do Programa INCTs do MCTIC e CNPq foram identificados 08 INCTs (7% do total) na área de

Materiais Avançados enquanto no Programa CEPID da FAPESP foram identificados 04 CEPIDs

(24% do total), demostrando o potencial da área e excelência dos grupos de pesquisa. As principais

características, excelência científica, resultados tecnológicos, interação com o setor produtivo e ações

de ensino e difusão dos Institutos e Centros dedicados a temática Materiais Avançados são

apresentados e discutidos ao longo do Ensaio Reflexivo.

2. Motivação da Escolha do Tema:

O tema de interesse para a elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é o de

Materiais Avançados e o título tentativo selecionado para o pré-projeto de TCC foi “Política

Pública na área de Materiais Avançados: Principais Características e Tendências”. Durante a

realização da Disciplina 04 foram identificadas inúmeras interfaces entre os estudos apresentados e

discutidos e a área de materiais avançados, bem como a possibilidade de aplicar os conceitos

associados ao “Políticas Públicas de C,T&I no Brasil e no Mundo” na análise da área de materiais

avançados no escopo da atual conjuntura político-econômica de C,T&I no Brasil e no mundo, bem

como possíveis cenários futuros e lições de algumas políticas públicas anteriores. Além disto, já

2

estava previsto no escopo inicial do Projeto de Conclusão de Curso analisar programas brasileiros

que possuem a temática Materiais Avançados em seu escopo.

Cabe registrar também que, com a edição do Decreto nº 8.877, de 18/10/2016*, que

alterou a estrutura do Ministério da Ciência Tecnologia e Inovação (MCTI), transformando-o em

Ministério da Ciência Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), a Coordenação-Geral de

Desenvolvimento e Inovação em Tecnologias Convergentes e Habilitadoras (CGTC), antiga

Coordenação-Geral de Micro e Nanotecnologias, da Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e

Inovação – SETEC, coordenação onde estou lotado, passou a ser responsável pelas áreas de

Nanotecnologia, Materiais Avançados, Manufatura Avançada e Fotônica. Diante deste fato, surge

uma excelente oportunidade de utilizar os conhecimentos trabalhados durante a Disciplina 04 para o

estabelecimento de subsídios para o desenvolvimento de um “Plano Nacional de Materiais

Avançados”.

3. A Área de Materiais Avançados:

Uma das principais vertentes do desenvolvimento da civilização humana foi sua

capacidade de extrair, desenvolver, caracterizar, moldar e aplicar Novos Materiais, o que os levou a

servir como marco temporal de diferentes etapas da evolução das sociedades, como por exemplo,

idades da pedra, bronze e ferro. Em grande parte, devido a corrida espacial e a necessidade industrial

de materiais com melhor performance física, nas últimas décadas, a relevância dos materiais no

desenvolvimento tecnológico tem aumentado significativamente, tornando-os, em muitos casos,

fatores determinantes para a introdução de novas tecnologias e agentes fundamentais do processo de

inovação. É de fácil constatação que a temática “Materiais Avançados” tem grande interface com

diversos setores econômicos como: energia de diversas fontes, telecomunicações, saúde, defesa e

meio ambiente†.

Materiais Avançados, definidos livremente como materiais e seu processo tecnológico

associado, com potencial para ser explorado em produtos e aplicações de alto valor agregado. Trata-

se de uma temática multidisciplinar (envolvendo, por exemplo, as áreas de física, química e

Matemática aplicada), transversal (perpassando áreas tecnológicas como eletrônica, fotônica e

biociências) e com mercado multissetorial (abrangendo os mercados de energia, transporte, cuidados

de saúde e embalagem).

* Decreto nº 8.877, de 18 de outubro de 2016, Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em

Comissão e das Funções de Confiança do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Presidência da

República, Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos, (2016).

† Materiais avançados no Brasil 2010-2022. Brasília: Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE), Ministério da

Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), 360p, 2010.

3

Dentre os materiais avançados derivados do carbono cujas excelentes propriedades físicas

e químicas tem atraído a atenção dos setores acadêmico e produtivo destaca-se o Grafeno‡. Assim

como o grafite, diamante, nanotubos de carbono e fulerenos, o grafeno é uma das formas cristalinas

do carbono e pode ser considerado com potencial de revolução similar ao domínio do plástico e do

silício. O termo “grafeno” e sua primeira descrição como folhas de carbono organizados de forma

hexagonal foi primeiramente descrita por Hanns-Peter Boehm em 1962 §. O grafeno é um material

constituído por uma camada extremamente fina de grafite, com a diferença de que possui uma

estrutura hexagonal cujos átomos individuais estão distribuídos, gerando uma fina camada de

carbono. Dependendo do grau de pureza, o grafeno pode exibe diferenciadas propriedades mecânicas,

ser transparente e excelente condutividade térmica e elétrica. Em termos de mercado, o grafeno possui

valor estimado entre US$ 15-20 mil/kg e estimasse que o mercado consumidor associado ao grafeno

possa chegar a US$ 349 milhões em 2025 **.

Cabe salientar que a área de materiais avançadas (novos materiais, materiais funcionais,

materiais sintéticos e similares) representar umas das formas mais diretas de agregação de valor em

tecnologias já estabelecidas. Neste sentido, a utilização destes materiais ou o melhoramento de

processos para obtenção de materiais tradicionais já são capazes de reduzir custos, melhorar

propriedades físicas e químicas (por exemplo: maior resistência térmica, abrasão e ao

envelhecimento, redução da densidade, aumento da condutividade elétrica, entre outras), agregar

novas funcionalidades, gerar processos mais ecologicamente sustentáveis, dar nova destinação a

resíduos e diversas outras aplicações diretas. Devido a essa versatilidade, a área de materiais

avançados exerce papel fundamental nas principais políticas públicas mundiais. Contudo, o Brasil

não dispõe hoje de uma Política ou Programa Nacional para Materiais Avançados.

‡ Gil Gonçalves; Paula Marques e Mercedes Vila. Graphene-based Materials in Health and Environment: New Paradigms. Springer International Publishing. 2016.

§ P. Boehm, A. Clauss, G. O. Fischer, U. Hofmann. Das Adsorptionsverhalten sehr dünner Kohlenstoff-Folien. Zeitschrift

für anorganische und allgemeine Chemie, Z. anorg. allg. Chem., 316: 119–127, 1962.

** Graphene Production Beyond The Hype: Electrochemical Exfoliation. Disponível em:

https://seekingalpha.com/article/3550426-graphene-production-beyond-hype-electrochemical-exfoliation e acessado em:

07 de dezembro de 2017.

4

4. Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCT)†† ‡‡§§:

O Programa Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia foi oficialmente lançado em 27

de novembro de 2008 pelo MCTIC, antigo Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), e Conselho

Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) com tem metas ambiciosas e

abrangentes associadas a possibilidade de mobilizar e agregar, de forma articulada, os melhores

grupos de pesquisa em áreas de fronteira da ciência e em áreas estratégicas para o desenvolvimento

sustentável do país; impulsionar a pesquisa científica básica e fundamental competitiva

internacionalmente; estimular o desenvolvimento de pesquisa científica e tecnológica de ponta

associada a aplicações para promover a inovação e o espírito empreendedor, em estreita articulação

com empresas inovadoras.

Além de promover o avanço da competência nacional nas devidas áreas de atuação,

criando ambientes atraentes e estimulantes para alunos talentosos de diversos níveis, do ensino médio

ao pós-graduado, o Programa também se responsabilizará diretamente pela formação de jovens

pesquisadores e apoiará a instalação e o funcionamento de laboratórios em instituições de ensino e

pesquisa e empresas, proporcionando a melhor distribuição nacional da pesquisa científico-

tecnológica, e a qualificação do país em áreas prioritárias para o seu desenvolvimento regional e

nacional. Os Institutos Nacionais devem ainda estabelecer programas que contribuam para a melhoria

do ensino de ciências e a difusão da ciência para o cidadão comum.

A criação dos institutos conta com parceria da Coordenação de Aperfeiçoamento de

Pessoal de Nível Superior (Capes/MEC) e as Fundações de Amparo à Pesquisa do Amazonas

(Fapeam), do Pará (Fapespa), de São Paulo (Fapesp), Minas Gerais (Fapemig), Rio de Janeiro

(Faperj) e Santa Catarina (Fapesc), Ministério da Saúde e Banco Nacional de Desenvolvimento

Econômico e Social (BNDES).

Para a temática Materiais Avançados, com base nas linhas de pesquisa e desenvolvimento

tecnológico, foram identificados 08 INCTs (7% do total dos INCTs) com ações que envolvem direta

e indiretamente esta área. A saber: (i) INCT de Nanomateriais de Carbono; (ii) INCT em Materiais

Complexos Funcionais; (iii) INCT de Materiais em Nanotecnologia; (iv) INCT de Fluidos

†† Página principal do Programa Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCT) do MCTIC e CNPq. Disponível

em: http://inct.cnpq.br/ e acessado em: 07 de dezembro de 2017.

‡‡ FIGUEIREDO, Vilma. O Sistema de C&T no Brasil: institucionalização e desafios. Cadernos de Ciência & Tecnologia-

CC&T, v. 15, n. 2, p. 7–25, 1998. §§ CONFAP. Resultados e Impactos do Programa Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia. São Luiz, Agosto 2016;

http://confap.org.br/news/wp-content/uploads/2016/06/panorama-INCT-CONFAP-Maranhão-1.pdf

5

Complexos; (v) INCT de Nanodispositivos Semicondutores (DISSE); (vi) INCT de Fotônica; (vii)

INCT de Eletrônica Orgânica (INEO); e (viii) INCT de Óptica e Fotônica.

5. INCTs com Atuação na Temática Materiais Avançados:

A análise associada aos INCTs que atuam na temática Materiais Avançadas foi realizada

com base em informações de área de atuação, resumo das atividades e características das instituições

e pesquisadores ***.

(i) Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Nanomateriais de Carbono – INCT

NANOCARBONO (http://inct.cnpq.br/web/inct-nanocarbono):

Área de Atuação: Nanociência associada à descoberta, à caracterização e à

funcionalização de nanomateriais de carbono. De fato, os nanomateriais de carbono têm sido

protótipos para o desenvolvimento da nanociência e nanotecnologia devido, sobretudo, à riqueza de

suas variadas propriedades estruturais e eletrônicas.

Resumo dos resultados e perspectivas: Pesquisas inéditas e aplicações de nanomateriais

de carbono; formamos recursos humanos de alta qualidade; publicações de artigos; manutenção de

uma rede nacional de pesquisadores; estimulamos a pesquisa no campo de nanomateriais de carbono

em centros e universidades emergentes; transferência de conhecimento para a sociedade, por meio de

uma série de seminários e atividades em escolas.

Coordenador do INCT: Marcos Assunção Pimenta; Instituição e Estado: UFMG-MG;

Número de Instituições participantes: 20; Número de Estados Envolvidos: 09 e Principais

pesquisadores: 70.

(ii) Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Materiais Complexos Funcionais

– INOMAT (http://inct.cnpq.br/web/inct-inomat):

Área de Atuação: Criação de conhecimento na fronteira científica em materiais

complexos funcionais e utilizar esse conhecimento na criação de produtos e processos industriais

inovadores, trabalhando com parceiros industriais. Linhas de pesquisa: Sistemas-modelo de

construção de materiais; materiais nanoestruturados funcionais; materiais para energia; materiais

catalíticos; materiais derivados da biodiversidade; materiais eletrizados, mecanismos de eletrização e

processos eletrostáticos; e metodologias de caracterização.

Resumo dos resultados e perspectivas: Os objetivos científicos do Inomat foram todos

atingidos e em vários casos amplamente superados. No projeto sobre eletrização de isolantes, os

*** Livro dos Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCT). Publicado pelo MCTIC e CNPq em 2013, 291p.

Disponível em: http://estatico.cnpq.br/programas/inct/_apresentacao/docs/livro2013.pdf e acessado em: 20 de dezembro de 2017.

6

mecanismos baseados na adsorção seletiva de íons da água foram comprovados e publicados com

grande repercussão na mídia internacional. O número de projetos com empresas excede 50,

distribuídos entre os vários pesquisadores principais. Os procedimentos usados no Inomat, nos seus

três primeiros anos, foram introduzidos no LNNano/CNPEM, que executou ou elaborou 44 projetos

com empresas.

Coordenador do INCT: Fernando Galembeck; Instituição e Estado: UNICAMP-SP;

Número de Instituições participantes: 07; Número de Estados Envolvidos: 05 e Principais

pesquisadores: 17.

(iii) Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia dos Materiais em Nanotecnologia –

INCTMN (http://inct.cnpq.br/web/inct-mn):

Área de Atuação: Gerar conhecimentos por meio de estudos básicos em síntese,

caracterização e processamento de matérias cerâmicos nanométricos; Decentralizar e difundir o

conhecimento e trazer benefícios sociais e econômicos à população; Divulgar o conhecimento em

nível fundamental até a pós-graduação; e Materiais nanoestruturados para dispositivos para conversão

e armazenamento de energia.

Resumo dos resultados e perspectivas: O INCTMN publicou 118 artigos. A qualidade

e quantidade desses artigos podem ser considerados como excelentes. Há um grande empenho em

modificar a estrutura de pesquisa, a fim de criar diferentes tipos de sistemas baseados em dispositivo.

Em termos de inovações tecnológicas, o Instituto desenvolveu vários projetos em colaboração com a

indústria. Esses projetos resultaram em várias patentes e artigos. A interação com as indústrias foi

realizada por intermédio de projetos específicos com os diferentes membros do INCTMN. As

atividades de difusão e educação continuada foram desenvolvidos através do projeto PEMCe

(www.pemce.ifsc.usp.br) - Projeto de Educação em Materias Cerâmicos.

Coordenador do INCT: Elson Longo; Instituição e Estado: UNESP-SP; Número de

Instituições: 16; Número de Estados Envolvidos: 09 e Principais Pesquisadores: 49.

(iv) Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Fluidos Complexos – INCT-FCx

(http://inctfcx.vitis.uspnet.usp.br/):

Área de Atuação: O INCT tem a missão de congregar profissionais das áreas de física,

química, biologia, imunologia, medicina, odontologia e matemática, em torno de problemas que

requeiram um enfoque multidisciplinar. Possui atividades de pesquisa, ensino e extensão.

Investigamos do ponto de vista tanto experimental quanto teórico propriedades dos cristais líquidos,

coloides magnéticos e fluidos biológicos. Com relação aos fluidos biológicos, o foco de nossos

estudos está nos lipídios e proteínas, incluindo suas interações, estruturas e funções.

7

Resumo dos resultados e perspectivas: Foram publicados 71 trabalhos científicos

envolvendo pelo menos dois grupos de pesquisa do Instituto no período. Foi demonstrada a

associação entre a periodontite e marcadores de risco de doenças cardiovasculares; Foi medido a

difusividade térmica de soluções de lipoproteína humana de baixa densidade (LDL); Investigamos a

ligação do peptídeo antimicrobiano BP100 a modelos de membranas contendo uma percentagem

molar alta de lipídios carregados negativamente; e Realizamos a exposição “Proteínas, a Essência da

Vida” no Metropolitano de São Paulo (Estação República).

Coordenador do INCT: Antônio Martins Figueiredo Neto; Instituição e Estado: IF-

USP-SP; Número de Instituições participantes: 24; Número de Estados Envolvidos: 09 e

Principais pesquisadores: 47.

(v) Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Nanodispositivos Semicondutores

– INCT DISSE (www.disse.org.br):

Área de Atuação: O INCT atua em: (i) desenvolvimento de nanodispositivos

semicondutores; (ii) estudo de propriedades fundamentais em nanoestruturas; (iii) para

nanodispositivos; (iv) crescimento de pontos quânticos auto-organizados; (v) novos fenômenos

físicos em pontos quânticos e microcavidades visando dispositivos inéditos. Os dispositivos

escolhidos como prioritários são as células solares para geração de energia renovável e fotodetectores

de infravermelho para detecção de gases tóxicos e imageamento térmico.

Resumo dos resultados e perspectivas: Vários fotodetectores de infravermelho foram

desenvolvidos, fabricados e testados, mostrando excelente desempenho. Protótipos de aparelhos para

detecção de gases utilizando sensores de infravermelho foram produzidos. Foram fabricados chips

com variadas estruturas de circuitos integrados analógicos, digitais e mistos, para o read-out desses

fotodetectores. A formação de pessoal tem sido nas áreas de engenharia, materiais e física com uma

forte ênfase em inovação e com espírito empreendedor. A transferência de conhecimentos para a

sociedade envolveu, além da elaboração e distribuição para museus de ciência de um vídeo sobre a

radiação infravermelha, o desenvolvimento de um kit experimental distribuído em escolas de ensino

médio da rede pública.

Coordenador do INCT: Patrícia Lustoza de Souza; Instituição e Estado: PUC-RJ;

Número de Instituições participantes: 11; Número de Estados Envolvidos: 05 e Principais

pesquisadores: 18.

(vi) Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Fotônica – INCT INFO

(www.info.ifsc.usp.br):

Área de Atuação: Na área de Materiais Fotônicos (propriedades ópticas de

nanopartículas metálicas em coloides, polímeros e vidros, cristais e cerâmicas dopados com íons de

8

terras raras); Na área de Dispositivos Fotônicos (lasers em fibras cristalinas e microestruturadas; e

fabricação de microestruturas poliméricas usando lasers); Na área de Spintrônica e Magneto-óptica

(dinâmica da magnetização de nanoestruturas; injeção de spin e geração de radiação por

nanoestruturas magnéticas); e Na área de Biofotônica (técnicas ópticas para diagnóstico por imagens

e sensoriamento e outros temas).

Resumo dos resultados e perspectivas: (i) Desenvolvimento de novos materiais para

dispositivos de comunicações ópticas, displays luminescentes, lasers, amplificadores ópticos,

chaveamento óptico de sinais, limitadores ópticos, etc. (ii) Desenvolvimento de novas técnicas de

caracterização óptica de materiais que terão aplicabilidade prática na escolha dos materiais

apropriados para dispositivos. (iii) A fabricação de estruturas submicrométricas em polímeros usando

lasers de alta. (iv) A fabricação de novos vidros ópticos e fibras ópticas especiais (microestruturadas

e monocristalinas) são contribuições potencialmente impactantes nas comunicações ópticas. (v) Na

Biofotônica, os vários desenvolvimentos têm potencial para aplicações fora de laboratórios

acadêmicos.

Coordenador do INCT: Cid Bartolomeu de Araújo; Instituição e Estado: UFPE-PE;

Número de Instituições participantes: 12; Número de Estados Envolvidos: 06 e Principais

pesquisadores: 27.

(vii) Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Eletrônica Orgânica – INCT

INEO (http://www.ifsc.usp.br/~ineo/):

Área de Atuação: O INCT INEO desenvolve atividades voltadas para o desenvolvimento

de dispositivos de filmes finos feitos de moléculas orgânicas, em especial, moléculas quimicamente

sintetizadas ou extraídas da natureza. Neste sentido, a rede é composta por pesquisadores que

trabalham em diferentes tópicos: química orgânica, física teórica e experimental, engenharia de

dispositivos, entre outros. A maior parte dos pesquisadores da rede estão envolvidos com o

desenvolvimento de diodos fotovoltaicos, efeito de campo orgânico, transistores, dispositivos

eletroluminescentes orgânicos, biossensores e outros.

Resumo dos resultados e perspectivas: O principal resultado obtido pelo INCT INEO

foi a expansão da área de eletrônica orgânica no Brasil. Hoje são mais de 30 grupos trabalhando em

diferentes ramos da eletrônica orgânica. Vários grupos estão envolvidos com ciência básica

relacionada as propriedades optoeletrônicas de moléculas orgânicas e filmes. Em quatro anos, a rede

formou mais do que 120 mestres e 50 doutores, e tem colaborações internacionais com vários países:

EUA, Alemanha, França, Espanha, Canadá, Portugal, etc. Promove uma oficina por ano e participa

da organização de Reuniões e simpósios nacionais e internacionais e possui projetos em parceria com

o setor privado.

9

Coordenador do INCT: Roberto Mendonça Faria; Instituição e Estado: IF-USP-SP;

Número de Instituições participantes: 20; Número de Estados Envolvidos: 07 e Principais

pesquisadores: 35.

(viii) Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Óptica e Fotônica – INCT INOF

(http://cepof.ifsc.usp.br/):

Área de Atuação: O INOF tem como missão principal desenvolver pesquisas que

avancem o estado da arte nas áreas de Física Atômica e Molecular (átomos frios), Biofotônica

(diagnóstico e tratamento de doenças), Plasmônica (nanofabricação e aplicativos), difusão de ciência

e interface com setor produtivo. Todos estes temas devem ter óptica como constituinte principal. A

combinação do conhecimento gerado nessas três grandes áreas cria as condições necessárias para

atuação no desenvolvimento de inovação tecnológica com transferência de tecnologia para empresas

existentes, empresas startups, e cooperações de diversos níveis.

Resumo dos resultados e perspectivas: Do ponto de vista de pesquisa fundamental, o

INOF possui pesquisas experimentais com condensados de Bose-Einstein e relógios atômicos. Do

ponto de vista de contribuições aplicadas, o INCT foi destaque nacional pelos resultados com técnicas

de diagnóstico óptico e tratamento de câncer. O INOF desenvolveu o programa “Aventuras da

Ciências”, no qual kits são distribuídos a escolas, e também uma série de exibições cientificas

incluindo cidades no interior do Amazonas. Através de um grande esforço, seis premiados com o

Nobel de Física e Química realizaram workshops para entregar medalhes da Olimpíada Nacional de

Física.

Coordenador do INCT: Vanderlei Salvador Bagnato; Instituição e Estado: IF-USP-

SP; Número de Instituições participantes: 11; Número de Estados Envolvidos: 07 e Principais

pesquisadores: 34.

6. Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPID)†††:

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) apoia 17 Centros

de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) que têm como missão desenvolver investigação

fundamental ou aplicada, focada em temas específicos; contribuir ativamente para a inovação por

meio de transferência de tecnologia; e oferecer atividades de extensão voltadas para o ensino

fundamental e médio e para o público em geral. O financiamento total para os 17 Centros está

estimado em cerca de R$ 1,4 bilhão, com R$ 760 milhões da FAPESP e R$ 640 milhões em salários

††† Página principal do Programa Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPID) da Fundação de Amparo à Pesquisa

do Estado de São Paulo (FAPESP). Disponível em: http://cepid.fapesp.br/home/ e acessado em: 07 de dezembro de 2017.

10

pagos pelas instituições sedes aos pesquisadores e técnicos, por um período de 11 anos. Fundos

adicionais serão obtidos pelos Centros junto à indústria e outras agências de financiamento à pesquisa.

Cada um dos CEPIDs será acompanhado por um comitê consultivo internacional e seus

resultados e planos de pesquisa terão sua continuidade avaliada pela FAPESP, no 2º, 4º e 7º anos. Os

temas de pesquisa dos 17 Centros incluem: alimentos e nutrição; vidros e cerâmica; materiais

funcionais; neurociência e neurotecnologia; doenças inflamatórias; biodiversidade e descoberta de

novas drogas; toxinas, resposta imune e sinalização celular; neuromatemática; ciências matemáticas

aplicadas à indústria; obesidade e doenças associadas; terapia celular; estudos metropolitanos;

genoma humano e células-tronco; engenharia computacional; processos oxidantes e antioxidantes em

biomedicina; violência; e óptica, biofotônica e física atômica e molecular.

O processo de seleção dos 17 CEPIDs mobilizou 150 revisores brasileiros e estrangeiros

e um comitê internacional composto por 11 cientistas convidados, além dos comitês internos da

FAPESP. As propostas foram avaliadas pelo mérito científico, ousadia, originalidade,

competitividade internacional e pela qualificação das equipes e suas lideranças. O programa CEPID

foi iniciado pela FAPESP em 2000, com suporte a 11 Centros de pesquisa de 2001 até 2013. Em

2011, foi anunciada uma segunda chamada de propostas, que deu origem aos 17 CEPIDs atualmente

apoiados.

Para a temática Materiais Avançados, com base nas linhas de pesquisa e desenvolvimento

tecnológico, foram identificados 04 CEPIDs (24% do total de CEPIDs) com ações que envolvem

direta e indiretamente esta área. A saber: (i) Centro de Pesquisa para o Desenvolvimento de Materiais

Funcionais; (ii) Centro de Pesquisa, Educação e Inovação em Vidros; (iii) Centro de Pesquisa em

Óptica e Fotônica de Campinas; e (iv) Centro de Pesquisas em Óptica e Fotônica.

7. CEPIDs Com Atuação na Temática de Materiais Avançados:

A análise associada aos CEPIDs que atuam na temática Materiais Avançadas foi realizada

com base em informações de área de atuação, resumo das atividades e características das instituições

e pesquisadores ‡‡‡.

(i) Centro de Pesquisa para o Desenvolvimento de Materiais Funcionais - CDFM

(http://cdmf.org.br):

Área de Atuação: O CDFM desenvolve materiais para solucionar problemas

relacionados à saúde, meio ambiente e energia, bem como tem foco de pesquisa na síntese de

‡‡‡ Programa FAPESP Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão CEPID. Publicado pela FAPESP em 2013, 32p.

Disponível em: http://www.fapesp.br/cepid/cepid.pdf e acessado em: 20 de dezembro de 2017.

11

materiais com composição química, microestrutura e morfologia controladas. O Centro conta com

plantas-piloto de nanopartículas funcionais e estimula a geração de novas empresas de base

tecnológica. O CDFM oferece programa de educação voltado a professores de ensino médio que

inclui cursos de extensão voltados ao uso de tecnologia da informação e comunicação.

Alguns dos principais resultados: Recentemente, pesquisadores do CDFM descobriram

um material com propriedades bactericida, fotoluminescente e fotodegradante que poderá ter

aplicações importantes na indústria de alimentos, entre outras.

Coordenador do CEPID: Elson Longo da Silva; Instituição: UNESP; Número de

Instituições participantes: 07; Pesquisadores principais: 12; e Pesquisadores: 32.

(ii) Centro de Pesquisa, Educação e Inovação em Vidros (CeRTEV)

(www.certev.ufscar.br):

Área de Atuação: O CeRTEV tem como objetivo desenvolver materiais vitrocerâmicos

com novas funcionalidades como, por exemplo, alta resistência mecânica e condutividade elétrica,

atividade biológica, óptica ou catalítica, entre outras. Os laboratórios participantes do CeRTEV

concentram esforços na investigação de materiais ópticos (óculos de laser), materiais para reforço

estrutural de uso odontológico, dispositivos para armazenamento de energia (eletrólitos e selantes

para alta temperatura) e sistemas cataliticamente ativos.

Alguns dos principais resultados: Está em fase de teste um material vitrocerâmico

denominado biosilicato, obtido a partir da cristalização de um vidro especial, que apresenta grandes

vantagens em relação ao vidro convencional. Uma das suas principais características é ser bioativo:

ao entrar em contato com fluídos corporais, como a saliva e o plasma sanguíneo, o biosilicato sofre

reações que levam à formação em sua superfície de uma camada de hidroxicarbonato apatita (HCA)

– composto quimicamente semelhante à fase mineral dos ossos. Dessa forma, tem a capacidade de

aderir a ossos, dentes e até mesmo cartilagens.

Coordenador do CEPID: Edgar Dutra Zanotto; Instituição: UFSCar; Número de

Instituições participantes: 01; Pesquisadores principais: 08; e Pesquisadores: 06.

(iii) Centro de Pesquisa em Óptica e Fotônica de Campinas (CePOF)

(http://cepof.ifi.unicamp.br):

Área de Atuação: As atividades de pesquisa do (CePOF), CEPID apoiado pela FAPESP

de 2001 a 2012, incluem estudos fundamentais em sistemas e dispositivos para geração, emissão,

transmissão, modulação, processamento, amplificação e detecção da luz para ser usada em

comunicações ópticas, na medicina, odontologia entre outras aplicações.

Alguns dos principais resultados: O CePOF ganhou posição de liderança na corrida

mundial de pesquisas relacionadas à tecnologia de amplificadores paramétricos de fibra óptica.

12

Enquanto os sistemas disponíveis garantem uma largura máxima de banda de 30 nanômetros na

região das comunicações ópticas, os pesquisadores do CePOF Campinas atingiram uma largura de

banda de 115 nanômetros. Quanto maior a largura da banda, maior o número de lasers colocados

numa única fibra e maior a capacidade de tráfego.

Coordenador do CEPID: Hugo L. Fragnito; Instituição: Unicamp; Número de

Instituições participantes: 01; Pesquisadores principais: 04; e Pesquisadores: 14.

(iv) Centro de Pesquisas em Óptica e Fotônica (Cepof)(http://cepof.ifsc.usp.br):

Área de Atuação: O Centro Cepof) disponibiliza uma infraestrutura moderna para o

estudo de tópicos relevantes em óptica e assume de forma consistente a missão de transferência de

conhecimento para o setor produtivo e a realização de um vasto programa de difusão da Ciência. As

linhas de pesquisa adotadas incorporam aspectos modernos de óptica, física atômica, materiais e

biofotônica, contemplando três frentes principais – átomos frios, plasmônica e biofotônica.

Alguns dos principais resultados: O Cepof testou com sucesso um composto extraído

da raiz da cúrcuma (Curcuma longa L.) no combate às larvas do mosquito transmissor da dengue.

Desenvolveu também uma nova possibilidade terapêutica para a artrose por meio de aparelho que

conjuga o uso simultâneo do ultrassom e do laser e cuja patente foi depositada em março de 2014

junto ao INPI. Em parceria com o Instituto Atlântico (CE), está desenvolvendo o primeiro protótipo

de equipamento para a realização de exames de aios X digital com tecnologia nacional.

Coordenador do CEPID: Vanderlei S. Bagnato; Instituição: IFSC-USP; Número de

Instituições participantes: 05; Pesquisadores principais: 10; e Pesquisadores: 14.

8. Análise Reflexiva dos INCTs e CEPIDs na Área de Materiais Avançados:

- Análise Reflexiva dos INCTs que atuam na área de Materiais Avançados:

Analisando o escopo de atuação dos INCTs, alinhamento com as diretrizes do programa e resultados

alcançados, os principais pontos de reflexão são apresentados a seguir:

(i) Forte atividade de pesquisa científica, desenvolvimento tecnológico e ensino:

Considerando que todos os 08 INCTs identificados são vinculados a instituições acadêmicas (instituto

e universidade) e seus coordenadores são professores universitários, como esperado, todos os INCTs

apresentaram excelentes resultados a nível internacional, bem como diferenciada formação de

recursos humanos especializado, em especial, mestres e doutores.

(ii) Atividades de Inovação e Interação com o Setor Produtivo: Dado que as principais

atividades realizadas pelos INCTs deste recorte metodológico foram realizadas no âmbito de

universidades e dado as restrições que nossa legislação de inovação e do magistério superior impõe,

os documentos analisados não permitem ressaltar grandes resultados de transferência tecnológica para

13

o setor produtivo. Contudo, alguns dos INCTs indicaram que possuem boa interação com o setor

produtivo e com a geração de startups de base tecnológica.

(iii) Concentração geográfica de INCTs: Tendo em vista a tradição do Sudeste do país

na pesquisa científica na área de materiais e o apoio da FAPESP, dos 08 INCTs identificados, 05

INCTs (63%) estão sediados no Estado de São Paulo e 07 INCTs (88%) estão sediados na região

Sudeste. Neste sentido, espera-se que tenha havido uma transferência de expertise, consolidação das

temáticas de pesquisa e nucleação de novos grupos em outros Estados.

(iv) Baixa interação entre os INCTs de Materiais Avançados: A despeito da

proximidade geográfica de vários INCTs, incluindo 02 INCTs na temática fotônica, no Instituto de

Física de São Carlos (IFSC-USP), não há elementos nos documentos estudados que evidenciem uma

interação ou colaboração entre os INCTs. Seria salutar que tal interação estivesse prevista no

documento de orientação do programa.

(v) Pouca participação na formulação de Programas e Políticas Públicas: Apesar de

os INCTs concentram os principais pesquisadores em suas respectivas áreas, não há evidencias

consideráveis sobre a utilização de suas expertises e experiências no auxílio a formulação de

Programas e Políticas públicas para a Ciência e Tecnologia §§§.

(vi) Atividades de Cooperação Internacional: Considerando a excelência acadêmico-

científica dos grupos de pesquisa que compõem os INCTs, as atividades colaborativas com parceiros

de outros países são fonte constante de geração de novos conhecimentos ****. Cabe enfatizar que, a

revista The Physics World listou os dez avanços em pesquisa na área de Física considerados os mais

importantes em 2017 e, em três deles, houve a participação de pesquisadores apoiados pela FAPESP

e com alguma vinculação ao programa INCTs ††††.

- Análise Reflexiva dos CEPIDs que atuam na área de Materiais Avançados:

Analisando o escopo de atuação dos CEPIDs, proposição inicial do programa, equipe de

pesquisadores e resultados preliminares, os principais pontos de reflexão são apresentados a seguir:

(i) Forte atividade de pesquisa científica, desenvolvimento tecnológico e ensino:

Similarmente ao Programa INCTs e devido a vinculados dos CEPIS, instituições acadêmicas

(instituto e universidade), como esperado, todos os CEPIDs apresentaram excelentes resultados

§§§ SOBRAL, Fernanda A. da F. e LACERDA SANTOS, Gilberto. Avaliação de Políticas Públicas de Ciência, Tecnologia

e Inovação: Propondo Abordagens a partir de casos concretos. Brasília (DF), Editora Viva 2017.

**** GASSLER, H et all. Priorities in Science and Technology Policy – an International Comparison. Janneum Research

- Institut für Technologie- Und Regionalpolitik, October 2004.

†††† Pesquisadores apoiados pela FAPESP estão nos maiores avanços na Física em 2017. Disponível em: http://agencia.fapesp.br/pesquisadores_apoiados_pela_fapesp_estao_nos_maiores_avancos_na_fisica_em_2017/26909/

e acessado em: 20 de dezembro de 2017.

14

científicos a nível internacional, bem como diferenciada formação de recursos humanos

especializado, em especial, mestres e doutores.

(ii) Aporte Financeiro ao Programa CEPID: Um dos pontos principais a ser

considerado no Programa CEPID é o aporte financeiro. A FAPESP reserva R$ 45 milhões/ano para

o programa, aproximadamente R$ 3 milhões/ano/CEPID, com duração de até 11 anos de Centro. Tais

valores são estratégicos para a realização de pesquisa no estado da arte e com valores per capita bem

acima dos padrões nacionais de financiamento.

(iii) Atividades de Inovação e Interação com o Setor Produtivo: Histórica e

geograficamente, as instituições que, posteriormente, foram credenciadas como CEPIDs na área de

Materiais Avançados já realizavam atividades conjuntas com o setor produtivo, principalmente pela

característica intrínseca da área de materiais que oferece diversas oportunidades para agregar valor a

produtos e processos já existentes.

(iv) Resultados Técnico-Científicos: Considerando que o fomento ao CEPID pode se

estender por até 11 anos e alcançar valores financeiros vultuosos (até R$ 33 milhões), cabe salientar

que, os documentos encontrados sobre os Centros e Programa, não continham informações

estruturadas e técnico-cientificas substanciais sobre as principais atividades de acompanhamento e

avaliação de resultado dos Centros e Programa.

(v) Atividades de Cooperação Internacional: No mesmo sentido da excelência

acadêmico-científica dos INCTs, os CEPIDs realizam atividades colaborativas com parceiros de

outros países constantemente e em alto nível técnico-científico, o que pode ser facilmente demostrado

pelas publicações e registros de propriedade intelectual dos Centros.

- Comparação entre as características do Programa INCT e CEPID na área de

Materiais Avançados: Comparando as principais características de cada programa e suas

implicações na área de Materiais Avançados, os principais pontos de reflexão são apresentados a

seguir:

(i) Similaridade dos Programas: Comparando as características principais dos dois

programas é possível desprender uma relativa similaridade entre eles, com exceção da abrangência

nacional dos INCTs e estadual dos CEPIDs. Cabe salientar também que, no caso do programa INCTs,

a formação de rede tem um forte caráter de formação de competências em outras localidades,

enquanto no programa CEPIDs, a atuação em rede está associada prioritariamente a busca pela

excelência científica.

(ii) Abrangência dos Objetivos: Um outroponto de similaridade entre os programas é a

abrangência dos objetivos. Em ambos os casos, as diretrizes dos programas estão direcionadas para:

(i) o aumento da sinergia devido a atuação em rede; (ii) realização de pesquisa de excelência; (iii)

15

difusão do conhecimento científico; (iv) formação de recursos humanos de alto nível; (v) interação

com o setor produtivo; e (vi) internacionalização da pesquisa. Contudo, espera-se que tais objetivos

estejam alinhados com as competências e tradição de cada INCT ou CEPID. Logo, deve-se solicitar

maior interação com o setor produtivos de grupos cuja temática e as competências favoreçam esse

objetivo.

(iii) Sobreposição de Ações e Financiamento: Devido à “similaridade” dos programas

e excelência dos grupos de pesquisa contemplados pelas chamadas, é possível identificar mesmos

grupos ou grupos similares liderando INCTs e CEPIDs em uma mesma temática simultaneamente.

Desta forma, as mesmas atividades atendem a ambos os programas e recebem financiamento de

ambas as fontes, sugerindo uma concentração de financiamento em uma mesma temática.

(iv) Indisponibilidade de Resultados: Tendo em conta que o Programa CEPID da

FAPESP foi iniciado em 2001 e o Programa INCTs foi iniciado em 2008, ambos contam com Centros

e Institutos já finalizados, cabe salientar que não estão disponíveis ou não são de fácil acesso os

resultados, relatórios e análises dos Programas em termos de acompanhamento e avaliação de

resultados. Tal escassez dificulta o acompanhamento dos impactos dos Programas em termos de

efetividade e mudança de padrões de ciência.

9. Considerações Finais em Temos de Impactos:

Como considerações finais deste Ensaio Reflexivo, associadas aos Programas INCTs e

CEPIDs, em especial, os Institutos e Centros dedicados a temática Materiais Avançados, merecem

especial destaque os seguintes pontos:

- Excelência dos Programas: É notória a excelência científico-tecnológica dos

Programas INCTs e CEPIDs, bem como a performance dos institutos e Centros. Houve uma

considerável aderência aos programas por parte da comunidade científica e setor produtivo,

representando a validação social e o êxito das iniciativas.

- Destaque da Área de Materiais: Foram identificados 08 INCTs e 04 CEPIDs

dedicados a temática Materiais Avançados, indicando a potencialidade e destaque desta área. A

despeito da concentração geográfica dos institutos e centros na região sudeste, ambos os programas

são exitosos na convergência entre a excelência científica e o estímulo a criação de novos grupos em

outros Estados.

- Impactos para a Sociedade e para Área de Materiais Avançados: Impacto

Econômico (Aumento da produtividade e qualidade do trabalho dos indivíduos e geração de valor a

produtos e processos); Impacto Científico (Aumento da qualidade e background das pesquisas

científicas); Impacto Ambiental (Geração de novas tecnologias e materiais capazes de prevenir e

remediar desastres naturais); Impacto Educacional (Aumento da qualidade do ensino técnico e

16

profissional, Melhoria da qualidade da formação do indivíduo); e Impacto Tecnológico (Maior

probabilidade de obtenção de produtos, serviços, patente, etc).

Até o momento nenhum comentário
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 16 páginas