EutrofizaÇÃo, Slides de Algas e Fungos. Universidade Estadual do Ceará (UECE)
concei_o_de_souza
concei_o_de_souza28 de Agosto de 2015

EutrofizaÇÃo, Slides de Algas e Fungos. Universidade Estadual do Ceará (UECE)

PPTX (18 MB)
42 páginas
947Número de visitas
Descrição
Tipos de eutrofização e suas causas.
20pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 42
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 42 pages
baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 42 pages
baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 42 pages
baixar o documento
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 42 pages
baixar o documento

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ – FAFIDAM CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DISCIPLINA DE LIMNOLOGIA

RIOS COMO ECOSSISTEMAS

Prof.(a) Msc Maria da Conceição de Souza

Limoeiro do Norte, 2015.

RIOS COMO ECOSSISTEMAS

1. Permanente movimento horizontal das correntes

Unidirecional 2. Interação com a bacia

hidrográfica Contribuição de material alóctone

 Maior disponibilidade de luz  Perifíton e macrófitas aquáticas  Planctôn  baixa corrente

FAUNA  Invertebrados bentônicos  Vertebrados  peixes

RIOS COMO ECOSSISTEMAS

 Matéria é sempre carregada à jusante  Características físicas:  largura e profundidade do canal do rio  velocidade da corrente declividade  rugosidade do sedimento  grau de sinuosidade  principais tributários

PROCESSOS DE TRANSPORTE

 Características espaciais/temporais  Precipitação  Perenidade ou intermitência  Taxa de vazão dos tributários

PROCESSOS DE TRANSPORTE

Forte influência sobre a biota

Transporte de matéria orgânica e inorgânica  Deriva da erosão das margens  Material de maior tamanho  à montante  Material particulado fino  à jusante

PROCESSOS DE TRANSPORTE

PROCESSOS DE TRANSPORTE

PERFIL LONGITUDINAL

 Riachos, pequenos rios e córregos  tamanho menor do que o rio  Rios e riachos  declive acentuado e sinuosidade à jusante

PERFIL LONGITUDINAL  Classificação de acordo com sua ordem  Primeira ordem  pequenos riachos e fontes das cabeceiras  Segunda ordem  encontro de dois riachos de primeira ordem

FLUTUAÇÃOES DE NÍVEL e CICLO DE DESCARGA

DESCARGAS NOS RIOS DETERMINAM SUAS PRINCIPAIS PROPRIEDADES

1. Precipitação 2. Geologia 3. Geomorfologia 4. Declividade 5. Vegetação ou barragens 6. Sedimento do fundo

CLASSIFICAÇÃO E ZONAÇÃO  Lagos e reservatórios  estado trófico  Rios ???????  Características físicas e a fauna de peixes e invertebrados  Fauna de peixes  Fauna de invertebrados

Saúde (equilíbrio) do sistema

CLASSIFICAÇÃO E ZONAÇÃO  Características físicas do fundo  Associação de animais bentônicos  pH Ácidos não-tamponados, fracamente ácidos e alcalinos

 Macrófitas

CLASSIFICAÇÃO E ZONAÇÃO  Illies (1961), classificação mais usada a) Rhithron

Zona de alta velocidade de corrente volume de poucos m3 temperatura média de 20°C substrato (rochas, pedras, seixos e areia fina)

CLASSIFICAÇÃO E ZONAÇÃO  Illies (1961), classificação mais usada b) Potamon

Zona de baixa velocidade de corrente volume alto m3 temperatura média maior que 20°C substrato sedimento orgânico baixas concentrações de oxigênio

CONCEITO CONTINUUM DO RIO

Um teoria que passou a ser conceito, mas que possui suas exceções

1. Ordem do rio 2. Matéria orgânica particulada 3. Invertebrados bentônicos

ALTERAÇÕES DESDE A CABECEIRA ATÉ O

DESAGUE EM OUTRO RIO OU ESTUÁRIO

1. Na cabeceira do rio Grande contribuição de matéria orgânica partícula

grosso de origem alóctone Decomposição foliar e animais bentônicos

2. Próximo ao deságue Grande contribuição de fitoplâncton e zooplâncton Fotossíntese menor que a respiração Matéria orgânica fina  origem autóctone

CONCEITO CONTINUUM DO RIO

PRODUÇÃO PRIMÁRIA RIOS SÃO SISTEMAS IRREGULARES

De modo geral 1. Organismo autotróficos

algas angiospermas briófitas

Cabeceira do rio com alta velocidade é

dominada por metabolismo heterotrófico

PRODUÇÃO PRIMÁRIA RIOS SÃO SISTEMAS IRREGULARES

De modo geral 1. Correnteza baixa

alta concentração de nutrientes macrófitas e fitobentos mais importante

Perifíton é de extrema importância em rios

TEIA ALIMENTAR EM RIOS DOMINDA PELOS INVETEBRADOS BENTÔNICOS E PELOS PEIXES

1. Poucas diferenças nos tipos de alimentos 2. Os níveis tróficos tradicionais não respondem bem ao sistema

3. Classificação funcional 4. Elevado importância da alça microbiana

A DERIVA Um conjunto muito grande de organismos vivos ou de detritos que se deslocam com as correntes para jusante e podem ser fonte de alimentos para muitos organismo

Massas de microfitobento

s

Larvas de insetos

Macrófitas flutuantes

Adaptações e estratégias de flutuação

RECUPERAÇÃO DE RIOS

RECUPERAÇÃO DE RIOS 1. Reabilitação das margens dos

rios recuperação da mata ciliar evita a erosão das margens

2. Reabilitação dos corredores de vegetação refúgios da biodiversidade reoxigenação dos rios

3. Controle da entrada de nutrientes

EUTROFIZAÇÃO

EUTROFIZAÇÃO Aumento da concentração de nutrientes, especialmente fósforo e nitrogênio, nos ecossistemas aquáticos, que tem como

consequência o aumento de suas produtividadesOLIGOTRÓFICO MESOTRÓFICO EUTRÓFICO HIPERTRÓFICO

comentários (0)
Até o momento nenhum comentário
Seja o primeiro a comentar!
Esta é apenas uma pré-visualização
3 shown on 42 pages
baixar o documento