Evolução das Plantas Superiores - Apostilas - Biologia_Parte2, Notas de estudo de Biologia. Centro Universitario Nove de Julho (UNINOVE)
Jose92
Jose9214 de março de 2013

Evolução das Plantas Superiores - Apostilas - Biologia_Parte2, Notas de estudo de Biologia. Centro Universitario Nove de Julho (UNINOVE)

PDF (505 KB)
33 páginas
1Números de download
707Número de visitas
Descrição
Apostilas de Biologia sobre o estudo da Evolução das Plantas Superiores, duração e queda das folhas, distribuição dos folíolos na raque, anatomia interna da folha.
20 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 33

Esta é apenas uma pré-visualização

3 shown on 33 pages

baixar o documento

Esta é apenas uma pré-visualização

3 shown on 33 pages

baixar o documento

Esta é apenas uma pré-visualização

3 shown on 33 pages

baixar o documento

Esta é apenas uma pré-visualização

3 shown on 33 pages

baixar o documento

• Já em Drosera e Drosophyllum as folhas modificadas são tentáculos recobertas de pêlos glandulares móveis, que segregam substâncias que digerem os insetos.

• Em Dionaea, as lâminas foliares, com bordos fimbriados, prendem-se e se distinguem das folhas normais (nomofilos) pelo tamanho, forma, consistência e cor, e que se encontra ou na base de uma flor, chamada bráctea mãe, ou de uma inflorescência

Duração e queda das folhas.

• Duração ou seja, o tempo que as folhas permanecem nas plantas é importantes do ponto de vista da arborização das vias públicas, praças, jardins, parques e também rodovias.

• Podemos considerar os seguintes casos:

• Folhas persistentes são as que permanecem por mais de um ano, como na laranjeira, limoeiro, coqueiro. Tais plantas, são também chamadas sempre-verdes porque novas folhas se formam a medida que as mais idosas vão caindo.

• Caducas ou decíduas, quando as folhas caem prematuramente, deixando a planta despida durante o inverno ou estação seca.

• Marsescentes, quando as folhas secam e

• As folhas compostas constam de um pecíolo comum, a raque, da qual nascem folhas pequenas chamadas folíolo providos de pequeno pecíolo chamado de peciólulo.

• As vezes a folha composta é tão grande que pode confundir-se com um ramo, porém se distingue deste, porque possui um gema na axila. A falta de gemas nas axilas dos folíolos comprova que estes são apenas parte de uma folha composta.

Quanto à distribuição dos folíolos na raque

• geminada, quando possui dois folíolos, como no jatobá ou jataí (Hymenaea sp.)

• trifoliada ou ternada, quando possui três folíolos, como no feijoeiro, no trevo (Oxalis sp.)

• digitada ou palmada, quando os folíolos convergem no mesmo ponto, na extremidade do pecíolo, como nos ipês amarelo e roxo (Tabebuia spp.)

• penada, quando os folíolos se inserem ao longo do raque, em posição oposta ou alteram, podendo ser paripinada (terminando por um par de folíolos) como na canafístula (Cassia fistula) ou imparipinada (terminando por um folíolo), como na tipuna (Tipuana speciosa)

ANATOMIA INTERNA DA FOLHA

Needed for land and dry conditions = stomata, mosses and up.

on underside of leaves or fronds

Operated by h20 pressure – and sugar- starch amounts and sunlight.

Value in letting in CO2, let out H20 for cooling. But retain most H20

Em corte transversal, uma folha apresenta as seguintes zonas e tecidos

• epiderme - existe sempre na folha uma epiderme superior e uma epiderme inferior, ambas com uma única camada de células, bem unidas entre si e sem cloroplastos. A epiderme está coberta por uma cutícula mais ou menos espessa e pode apresentar pêlos e estomas, geralmente mais espessos na página inferior em dicotiledóneas mas igualmente distribuídos em monocotiledóneas;

Epiderme

• A epiderme, um tecido primário simples formado pela protoderme, é constituído por uma única camada de células que recobrem todo o corpo da planta, tal como a pele dos vertebrados, por exemplo.

• Geralmente estas células apresentam paredes finas, embora a parede externa seja um pouco mais espessa que as restantes. No entanto, existem algumas situações (agulhas dos pinheiros, por exemplo) em que as paredes são relativamente espessadas.

• Nas epidermes aéreas surge uma cutícula, uma camada não celular de substâncias lipídicas como a cutina, segregada pelas células da epiderme e que apresenta propriedades impermeabilizantes.

As células epidérmicas são sempre vivas e arrumadas compactamente, sem espaços entre si, com capacidade de divisão. Os vacúolos são grandes e podem conter pigmentos ou taninos. Podem, ainda, apresentar cloroplastos, nomeadamente as células do aparelho estomático

estomas

• Os estomas surgem nas epidermes aéreas, locais que permitem as trocas gasosas e cuja abertura é regulada por células especializadas (células guarda).

• É comum as epidermes apresentarem pelos ou tricomas. Em regra, os pelos da raiz são simples expansões das células epidérmicas, enquanto os pelos das folhas e caules são multicelulares.

• Uma excepção a essa regra é a fibra de algodão, um pelo epidérmico de paredes celulósicas espessas da semente do algodoeiro.

• Um dos pelos mais complexos é da da folha de urtiga, como um fino tubo de extremidade reforçada por deposição de sílica na parede celular. O ferimento causado pela penetração dessa ponta aguçada na pele de um animal permite a entrada do conteúdo celular, contendo compostos altamente irritantes.

• Outras substâncias segregadas por pelos epidérmicos incluem os princípios activos da droga marijuana, retirados da epiderme da planta Canabis.

• A função dos pelos depende da sua localização no corpo da planta, em raízes aumentam a área de absorção da solução do solo, enquanto em órgãos aéreos evitam a perda excessiva de água, protegem contra insectos, etc.

mesófilo - zona média da folha, é composto por:

• parênquima fotossintético. Existem dois tipos de mesófilo: • assimétrico - neste caso, característico das dicotiledóneas,

junto á epiderme superior existe parênquima em paliçada, com células muito juntas e alongadas, e junto á epiderme inferior parênquima lacunoso;

• • simétrico - as camadas de parênquima em paliçada e lacunoso

repetem-se junto á epiderme inferior tornando a estrutura simétrica. Pode igualmente existir apenas parênquima lacunoso entre as epidermes. Este tipo de mesófilo é característico das monocotiledóneas

tecidos vasculares - formados pelo xilema e floema

• Função de sustentação e transporte de nutrientes orgânicos e minerais, localizando-se no interior do mesófilo.

• O xilema está sempre virado para a página superior da folha. Geralmente existe a chamada baínha vascular, formada por colênquima ou esclerênquima, que dá sustentação e impede a quebra dos feixes. Os feixes de maior calibre notam-se á superfície da folha, formando as nervuras.

• Em folhas de dicotiledóneas as nervuras ramificam- se sucessivamente, formando uma rede. Em monocotiledóneas as nervuras são paralelas, apresentando todas o mesmo diâmetro em corte transversal

Tecidos vasculares

Xilema

O xilema é o tecido de transporte de água e sais minerais através do corpo das plantas. Trata-se de um tecido complexo, com origem no procâmbio ou no câmbio vascular, conforme se trate de xilema primário ou secundário.

Podem ser reconhecidos 4 tipos de células no xilema de uma angiospérmica

• traqueídos - células relativamente longas e estreitas, com parede secundária lenhificada, o que as torna células mortas.

• As suas extremidades transversais são estreitas e cobertas por uma fina membrana, enquanto as paredes laterais são espessas e apresentam mumerosas pontuações ou poros, locais onde não existe parede secundária, permitindo a passagem de substâncias.

• Estas células alinham-se topo a topo, de modo a facilitar o movimento de água no seu interior

• elementos dos vasos - células mais curtas e largas que os traqueídos, apresentam a mesma parede secundária lenhificada. Neste caso, as paredes transversais desaparecem, ficando as células, alinhadas topo a topo, a formar um tubo.

• As paredes laterais apresentam pontuações, simples ou aureoladas. Este tipo de célula é muito mais eficiente na deslocação de água, mas menos eficiente como estrutura de suporte. Pode apresentar, ainda, um importante problema: está muito mais sujeito á formação de bolhas de ar, que podem bloquear a passagem de água para as zonas superiores da planta.

• fibras xilémicas - surgem como resultado da pouco capacidade de suporte dos elementos dos vasos. São fibras de esclerênquima que intermeiam as células transportadoras do xilema;

• células parenquimatosas - células com função de reserva e controlo do movimento de soluções no tecido vascular

comentários (0)

Até o momento nenhum comentário

Seja o primeiro a comentar!

Esta é apenas uma pré-visualização

3 shown on 33 pages

baixar o documento