Farmacobotânica, Notas de estudo de Bioquímica
gedisson-souza-10
gedisson-souza-10

Farmacobotânica, Notas de estudo de Bioquímica

159 páginas
50Números de download
1000+Número de visitas
Descrição
FARMACOBOTÂNICA
90 pontos
Pontos de download necessários para baixar
este documento
Baixar o documento
Pré-visualização3 páginas / 159
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 159 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 159 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 159 páginas
Esta é apenas uma pré-visualização
3 mostrados em 159 páginas

Fotos da capa, da esquerda para a direita:

1. Baccharis trimera (Less.) DC.

2. Emilia fosbergii Nicolson

3. Mikaniainvolucrata Hook. & Arn.

4. Mikaniacordifolia (L.f.) Willd.

5. Vernonia scorpioides (Lam.) Pers.

6. Baccharis singularis (Vell.) G.M. Barroso

7. Sphagneticola trilobata (L.) Pruski

8. Barrosoa betoniciformis (DC.) R.M. King & H. Rob.

9. Crepis japonica (L.) Benth.

10. Piptocarpha leprosa (Less.) Baker

11. Centratherum punctatum Cass.

12. Achyroclinesatureoides (Lam.) DC.

Fotos: 1, 8-9: R.S. Bianchini; 2, 6, 12: F.O. Souza, 3-5: S.E. Martins, 7: A.L. Santos, 10-11: R.P. Romanini.

Layout da capa: Anderson Luiz dos Santos

FÁTIMA OTAVINA DE SOUZA

ASTERACEAE NO PARQUE ESTADUAL DA ILHA

DO CARDOSO, CANANÉIA, SP.

Dissertação apresentada ao Instituto de Botânica da Secretaria

do Meio Ambiente, como parte dos requisitos exigidos para

obtenção do título de MESTRE em BIODIVERSIDADE

VEGETAL e MEIO AMBIENTE, na Área de concentração

de Plantas Vasculares em análises ambientais.

Orientadora: Dra. Rosangela Simão Bianchini

SÃO PAULO

2007

Ficha Catalográfica elaborada pela Seção de Biblioteca do Instituto de Botânica

Souza, Fátima Otavina de

S729a Asteraceae no Parque Estadual da Ilha do Cardoso, Cananéia , SP/

Fátima Otavina de Souza -- São Paulo, 2007.

147p. il.

Dissertação (Mestrado) -- Instituto de Botânica da Secretaria de

Estado do Meio Ambiente, 2007

Bibliografia.

1. Asteraceae. 2. Mata Atlântica. 3. Florística. I. Título

CDU 582.998

Comissão Julgadora:

Lucia Rossi Roberto Lourenço Esteves Prof(a). Dr(a). Prof(a). Dr(a).

Dra. Rosangela Simão Bianchini Orientadora

AGRADECIMENTOS

Quero expressar os meus mais sinceros agradecimentos a todos que contribuíram de alguma forma para que este trabalho tenha sido desenvolvido e meu objetivo alcançado, em especial: Ao Instituto de Botânica, na pessoa do ex-diretor geral Dr. Luiz Mauro Barbosa pela utilização das instalações durante o desenvolvimento deste trabalho. À Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), pela concessão da bolsa de mestrado (processo 04/11499-7). Ao Instituto Florestal, órgão responsável pela unidade do Parque Estadual da Ilha do Cardoso, na pessoa do ex- diretor geral Dr. João Batista Baitello, por permitir a coleta do material botânico e a utilização da infra-estrutura na Ilha. À minha querida orientadora, Dra. Rosangela Simão Bianchini, que me apresentou e incentivou a trabalhar com as maravilhosas Asteraceae, pela confiança, paciência, amizade e por me deixar caminhar quase que sozinha. Aos coordenadores do programa de pós-graduação em biodiversidade vegetal e meio ambiente e aos funcionários e estagiários da secretaria de pós-graduação, especialmente a Márcia R. Ângelo e Antonio A. C. Borges, pela atenção e serviços prestados. Aos curadores dos herbários visitados HRCB, IAC, SP, SPF, SPSF, UEC e do Instituto Plantarum, pela atenção e disponibilidade que me receberam e pelo empréstimo de materiais. Aos membros da banca do exame de qualificação Fábio de Barros, Maria das Graças Lapa Wanderley e Mara Agelina Galvão Magenta, pelas críticas e valiosas sugestões. A todos os professores das disciplinas cursadas, com os quais pude ampliar meus conhecimentos, em especial, Carlos E.M. Bicudo, Fábio de Barros, Jefferson Prado, Maria das Graças L. Wanderley, Tarciso Filgueiras, Renato Mello Silva, Rosangela S. Bianchini e Sergio Romaniuc Neto.

Aos funcionários e pesquisadores da seção de curadoria do herbário, Ana Célia Calado, Cintia Kameyama, Eduardo L.M. Catharino, Fábio de Barros, Claudinéia Inácio, Georgete J. Silva, Gerlene L. Esteves, Inês Cordeiro, Jefferson Prado, Letícia R. Lima, Lucia Rossi, Lurdes Indrigo, Maria Cândida H. Mamede, Maria das Graças L. Wanderley, Maria Margarida R.F. Melo, Marie Sugiyama, Mizué Kirizawa, Tereza Yano, Regina T. Shirasuna, Sergio Romaniuc Neto e Sonia Aragaki, por estarem sempre dispostos a nos ajudar e pelos momentos agradáveis compartilhados durante todos esses anos, não apenas durante o mestrado.

Ao Jefferson Prado e Cintia Kameyama, pelo auxílio e sugestões na citação do cabeçalho das espécies.

Aos Sinanterólogos Mara A.G. Magenta, João Semir e Roberto L. Esteves, pelas dicas, auxílio e sugestões de bibliografia.

Aos funcionários da biblioteca Jéferson A. de Souza, Maria Helena S.C.F. Gallo e Sueli P. de Caldas e a estagiária Tais C. da Silva, pela prestatividade e atenção com a qual sempre me atenderam.

Às funcionárias do Xerox Maria R.P. Oliveira, Sirléia C. Ferreira e Rosalina de Mattos, pelos trabalhos prestados durante esses anos.

Aos motoristas Luiz Zanqueta e Aliomar O. Gomes (Mazinho) por terem nos conduzido até Cananéia, sempre com muito profissionalismo e simpatia.

Às amigas Marie Sugyama e Suzana E. Martins pessoas maravilhosas, pelo apoio que me deram, pelas viagens de coleta, companhia, auxílio, conselhos e sugestões e, principalmente pela amizade.

À Margarida pelo profissionalismo, convivência agradável, amizade, por sempre nos ajudar e especialmente pela disponibilidade em ler a dissertação e pelas sugestões.

À Tatiana Konno, pela paciência em ler o tratamento taxonômico, pelas dicas e correções.

À Marília C. Duarte, pela disposição em comparar a chave dos gêneros com as descrições e pelas valiosas sugestões. À Cíntia V. Silva, Maira e Renata pela disponibilidade e tentativa em testar a chave para as espécies de Baccharis e Mikania e a Berta que persistiu e conseguiu chegar até o final. Ao Leonardo M. Versieux e Luiz Climaco, pelas correções e sugestões do abstract. Ao Mutirão de ajuda realizado pela Bia, Letícia e Rosangela no Herbário UEC em busca das Asteraceae da Ilha do Cardoso, se não fossem por vocês eu teria que voltar várias vezes à Campinas. Às meninas da palinologia Angela Maria S.C. Pando, Bianca A. Moreira, Maria Amélia V. Cruz-Barros e Maria Izabel T.M. Guimarães, que me ajudaram com a terminologia polínica na época do exame de qualificação. Aos companheiros de coleta Suzana, Marie, Rebeca, Fábio de Barros, Rosangela, Margarida, Enrique Forero, Paulo Oliva e Rafael Louzada, por terem compartilhado comigo das viagens à Ilha, além é claro, dos carrapatos, pernilongos, chuvas e mosquitos pólvoras. Ao Anderson pela elaboração maravilhosa do layout da capa e editoração gráfica das pranchas. Ao ilustrador botânico (e também artista) Klei Rodrigo de Sousa por ter ilustrado com profissionalismo, sensibilidade e precisão as pranchas, tendo sido capaz de materializar a beleza singela que existe nas Asteraceae. Aos queridos amigos com os quais convivi por muito tempo e que agora estão um pouco mais distantes, mas continuam no meu coração, Ana Paula Prata (minha amiga irmã), João Vicente C. Nunes, Paula Hervencio e Viviene S. Oliveira. À minha amiga Flávia que assim que a conheci, percebi o quanto especial é, tão determinada, objetiva e meiga, obrigada pela força e palavras sábias nos momentos em que precisei. Às amigas do Pré-histórico Bia e Marília, por todos esses anos de convivência agradável e também momentos de estresses, pelas caminhadas após o almoço e conversas não botânicas. Ah! E se não tomarmos cuidado logo viraremos patrimônio do Instituto de Botânica com número de tombo e tudo. Aos colegas que com o tempo tornaram se amigos especiais Anderson, Berta, Cíntia, Gisele, Lívia, Rafael, Rebeca e Renata, pelo carinho, auxílios e momentos maravilhosos que passamos juntos. A todos os colegas e amigos com os quais tive o prazer de conviver durante esses anos de Instituto: Ana Carolina Laurenti, Anderson L. Santos, Agatha D. Gameiro, Alexandra H. L. Boldrin, Bárbara M. Guido, Berta Lúcia P. Villagra, Bianca A. Moreira, Carina T. Miyazato, Cíntia V. Silva, Daniel S. C. Ito, Fábio Pinheiro, Flávia R. Cruz, Gisele O. Silva, Igor F. Borges, Juliana K. R. Hirata, Klei R. Sousa, Leonardo M. Versieux, Lívia R. Mendonça e Souza, Luciana Fiorato, Luciano M. Silva, Maira H. Januário, Maria Beatriz R. Caruzo, Maria F. R. Siles (Paki), Marília C. Duarte, Marília Pereira, Patrícia São José, Pedro V. Eisenlohr, Rafael Louzada, Rebeca P. Romanini, Renata Sebastiani, Rubens T. Queiroz, Simone A. Silva e Thais T. Lima, por todos os momentos bons que passamos juntos. Às minhas ex-professoras Oriana Fávero e Sandra A. Lieberg, pelo incentivo e amizade, especialmente à Sandra que me incentivou a ir para a área de botânica. Aos amigos Tioko Ajimura e Domingos Sinibaldi, pessoas maravilhosas com as quais compartilhei dez anos da minha vida, aos quais devo muito do que sou hoje. Aos meus pais, irmãos e sobrinhos que mesmo não compreendendo direito o que eu faço me apóiam e admiram. Ao meu esposo Luiz C. Buturi, por tudo que representa na minha vida, pela cumplicidade, companheirismo, incentivo, apoio, compreensão e patrocínio, por tornar possível a realização deste trabalho, dedico.

RESUMO

Este trabalho é o resultado do levantamento florístico das Asteraceae no Parque Estadual da Ilha do

Cardoso, localizado no município de Cananéia, extremo sul do Estado de São Paulo, entre as

coordenadas 25°03’05’ – 25°18’18’S e 47°53’48’ – 48°05’42’W. O estudo foi baseado na análise de

218 exsicatas provenientes da Ilha do Cardoso e observações das espécies em campo. Foram

amostradas 51 espécies, distribuídas em 29 gêneros, pertencentes às subfamílias Asteroideae e

Cichorioideae. A maioria dos gêneros amostrados, ou seja , 79% apresentou apenas uma espécie e os

gêneros com mais de um representante foram: Mikania (13 spp.), Baccharis (4 spp.), Vernonia (4 spp.),

Piptocarpha (3 spp.), Pterocaulon (2 spp.) e Symphyopappus (2 spp.). Além de contribuir para o

conhecimento da flora local, este trabalho auxiliará também no conhecimento das Asteraceae para a

Flora Fanerogâmica do Estado de São Paulo. Foram elaboradas chaves de identificações, descrições

e ilustrações para os gêneros e espécies, comentários sobre distribuição geográfica, importância

econômica, nomes populares, além de outras informações relevantes.

Palavras chave: Astereae, Florística, Mata Atlântica, Ilha do Cardoso.

ABSTRACT

This work presents a floristic survey of the Asteraceae in the “Parque Estadual da Ilha do Cardoso”,

located at Cananéia town, in the southernmost of the state of São Paulo, between 25°03’05’ –

25°18’18’S and 47°53’48’ – 48°05’42’W. This study was based on the analysis of 218 herbarium

sheets from “Ilha do Cardoso”, and the observations of the species in the field. Fifty one species

were sampled, distributed in 29 genera, belonging to subfamilies Asteroideae and Cichorioideae.

Most of the sampled genera, corresponding to 79%, is represented only by a single species, and the

genera with more than one species are: Mikania (13 spp.), Baccharis (4 spp.), Vernonia (4 spp.),

Piptocarpha (3 spp.), Pterocaulon (2 spp.), and Symphyopappus (2 spp.). Besides contributing to the

knowledge of the local flora, this research will also improve the knowledge of the Asteraceae for the

study of Phanerogamic Flora of the State of São Paulo project. The text includes not only wild

plants, but also weeds species. It provides scientific and common names, taxonomic descriptions,

identification keys, illustrations, geographic ranges, economic importance, and other relevant

biological information.

Key words: Astereae, Floristic, Atlantic Forest, Ilha do Cardoso.

SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO ................................................................................................................................................. 1

2. MATERIAL E MÉTODOS ........................................................................................................................... 9

2.1. Área de Estudo ........................................................................................................................................... 9

2.2. Levantamento Bibliográfico ................................................................................................................... 10

2.3. Consulta aos Herbários para Estudo das Coleções ............................................................................. 11

2.4. Viagens de Coleta e Processamento do Material Botânico ................................................................ 11

2.5. Análise dos Materiais e Elaboração da Dissertação ............................................................................ 12

3. RESULTADOS E DISCUSSÃO ................................................................................................................. 17

Listagem dos gêneros e espécies encontrados na Ilha do Cardoso ......................................................... 17

Asteraceae Bercht. & J. Presl ......................................................................................................................... 20

Chave para os Gêneros ............................................................................................................................ 21

1. Acanthospermum Schrank .......................................................................................................................24

1.1. Acanthospermum australe (Loefl.) Kuntze .................................................................................. 25

2. Achyrocline (Less.) DC. .......................................................................................................................... 26

2.1. Achyrocline satureioides (Lam.) DC. ............................................................................................. 27

3. Ageratum L. ............................................................................................................................................ 29

3.1. Ageratum conyzoides L. .................................................................................................................. 30

4. Austroeupatorium R.M. King & H. Rob. ............................................................................................. 31

4.1. Austroeupatorium inulifolium (Kunth) R.M. King & H. Rob. .................................................. 32

5. Baccharis L. .............................................................................................................................................. 33

Chave para as Espécies ..................................................................................................................... 35

5.1. Baccharisbrachylaenoides DC. ....................................................................................................... 36

5.2. Baccharisschultzii Baker ............................................................................................................... 37

5.3. Baccharissingularis (Vell.) G.M. Barroso . .................................................................................. 39

5.4. Baccharistrimera (Less.) DC. ....................................................................................................... 41

6. Barrosoa R.M. King & H. Rob. ............................................................................................................ 45

6.1. Barrosoa betoniciformis (DC.) R.M. King & H. Rob. ................................................................. 46

7. Bidens L. .................................................................................................................................................. 47

7.1. Bidenspilosa L. .............................................................................................................................. 48

8. Campuloclinium DC. ............................................................................................................................... 49

8.1. Campuloclinium purpurascens (Sch. Bip. ex Baker) R.M. King & H. Rob. ............................. 50

9. Centratherum Cass. ................................................................................................................................. 51

9.1. Centratherum punctatum Cass. ...................................................................................................... 52

10. Conyza Less. ......................................................................................................................................... 53

10.1. Conyza bonariensis (L.) Cronquist ............................................................................................. 54

11. Crepis L. ................................................................................................................................................ 56

11.1. Crepis japonica (L.) Benth. ......................................................................................................... 57

12. Eclipta L. ............................................................................................................................................... 57

12.1. Eclipta prostrata (L.) L. ..............................................................................................................58

13. Elephantopus L. ..................................................................................................................................... 59

13.1. Elephantopus mollis Kunth ......................................................................................................... 60

14. Emilia Cass. ......................................................................................................................................... 61

14.1. Emilia fosbergii Nicolson ........................................................................................................... 62

15. Erechtites Raf. ....................................................................................................................................... 63

15.1. Erechtitesvalerianifolia (Spreng.) DC. ....................................................................................... 63

16. Gamochaeta Wedd. ............................................................................................................................... 65

16.1. Gamochaeta americana (Mill.) Weed. ........................................................................................ 66

17. Mikania Willd. ..................................................................................................................................... 67

Chave para as Espécies ..................................................................................................................... 68

17.1. Mikania biformis DC. ................................................................................................................. 70

17.2. Mikania cordifolia (L.f.) Willd. .................................................................................................. 71

17.3. Mikania hastato-cordata Malme ................................................................................................. 73

17.4. Mikania hoehnei B.L. Rob. ........................................................................................................ 74

17.5. Mikania involucrata Hook. & Arn. ........................................................................................... 75

17.6. Mikania laevigata Sch. Bip. ex Baker ....................................................................................... 76

17.7. Mikania lundiana DC. ............................................................................................................... 78

17.8. Mikania micrantha Kunth ......................................................................................................... 79

17.9. Mikania sericea Hook. & Arn. .................................................................................................. 80

17.10. Mikania smaragdina Dusén ex Malme . ................................................................................. 81

17.11. Mikania ternata (Vell.) B.L. Rob. .......................................................................................... 82

17.12. Mikania trinervis Hook. & Arn. ............................................................................................ 84

17.13. Mikania sp. .............................................................................................................................. 85

18. Pentacalia Cass. ..................................................................................................................................... 90

18.1. Pentacaliadesiderabilis (Vell.) Cuatrec. ...................................................................................... 91

19. Piptocarpha R. Br. ................................................................................................................................. 92

Chave para as Espécies ..................................................................................................................... 93

19.1. Piptocarpha leprosa (Less.) Baker ............................................................................................... 93

19.2. Piptocarphanotata (Less.) Baker ............................................................................................... 95

19.3. Piptocarphaoblonga (Gardn.) Baker .......................................................................................... 96

20. Pluchea Cass. ......................................................................................................................................... 99

20.1. Plucheasagittalis (Lam.) Cabrera .............................................................................................. 99

21. Porophyllum Guett. ............................................................................................................................101

21.1. Porophyllumruderale (Jacq.) Cass. ...........................................................................................101

22. Praxelis Cass. ......................................................................................................................................102

22.1. Praxelisclematidea (Griseb.) R.M. King & H. Rob. .............................................................103

23. Pterocaulon Elliott ...............................................................................................................................104

Chave para as Espécies ...................................................................................................................105

23.1. Pterocaulonalopecuroides (Lam.) DC. .......................................................................................105

23.2. Pterocaulonangustifolium DC. ...................................................................................................107

24. Senecio L. .............................................................................................................................................108

24.1. Seneciobrasiliensis (Spreng.) Less. ...........................................................................................109

25. Sphagneticola O. Hoffm. ....................................................................................................................110

25.1. Sphagneticolatrilobata (L.) Pruski ............................................................................................111

26. Stifftia J.C. Mikan ..............................................................................................................................112

26.1. Stifftia parviflora (Leandro) D. Don. .....................................................................................113

27. Symphyopappus Turcz. ........................................................................................................................114

Chave para as Espécies ...................................................................................................................115

27.1. Symphyopappusitatiayensis (Hieron.) R.M. King. & H. Rob. ..............................................115

27.2. Symphyopappuslymansmithii B.L. Rob. ...................................................................................116

28. Tagetes L. .............................................................................................................................................117

28.1. Tagetes minuta L. ......................................................................................................................118

29. Vernonia Schreb. ...............................................................................................................................119

Chave para as Espécies ...................................................................................................................121

29.1. Vernoniaargyrotrichia Sch. Bip. ex Baker . .............................................................................122

29.2. Vernoniabeyrichii Less. ............................................................................................................123

29.3. Vernonia puberula Less. ...........................................................................................................124

29.4. Vernoniascorpioides (Lam.) Pers. ............................................................................................126

4. LISTA DE EXSICATAS .............................................................................................................................130

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS ....................................................................................................................132

6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ....................................................................................................135

ÍNDICE DE FIGURAS

Fig. 1. Mapa de localização do Parque Estadual da Ilha do Cardoso e os diferentes tipos de

vegetação ......................................................................................................................................................... 15

Fig. 2. Prancha de Fotos dos diferentes tipos de vegetação .................................................................... 16

Fig. 3. Prancha de Fotos de Achyrocline satureoides (Lam.) DC.; Baccharissingularis (Vell.) G.M. Barroso;

Barrosoa betoniciformis (DC.) R.M. King & H. Rob.; Centratherum punctatum Cass.; Conyza bonariensis (L.)

Cronquist; Emiliafosbergii Nicolson .............................................................................................................. 43

Fig. 4-8. Ilustrações de Baccharisbrachylaenoides DC. ................................................................................... 44

Fig. 9-13. Ilustrações de Baccharisschultzii Baker . ....................................................................................... 44

Fig. 14-18. Ilustrações de Baccharissingularis (Vell.) G.M. Barroso .......................................................... 44

Fig. 19-22: Ilustrações de Baccharistrimera (Less.) DC. ............................................................................. 44

Fig. 23-25. Ilustrações de Mikaniabiformis DC. .......................................................................................... 87

Fig. 26-29. Ilustrações de Mikaniacordifolia (L.f.) Willd. ........................................................................... 87

Fig. 30-32. Ilustrações de Mikaniahastato-cordata Malme . ......................................................................... 87

Fig. 33-38. Ilustrações de Mikaniahoehnei B.L. Rob. ................................................................................. 87

Fig. 39-42. Ilustrações de Mikaniainvolucrata Hook. & Arn. .................................................................... 87

Fig. 43-45. Ilustrações de Mikanialaevigata Sch. Bip. ex Baker ............................................................... 87

Fig.46. Prancha de Fotos de Mikaniabiformis DC.; Mikania cordifolia (L.f.) Willd.; Mikania hoehnei B.L.

Rob.; Mikania involucrata. Hook. & Arn.; Piptocarpha leprosa (Less.) Baker .............................................. 88

Fig. 47-50. Ilustrações de Mikanialundiana DC. ........................................................................................ 89

Fig. 51-54. Ilustrações de Mikania micrantha Kunth . ................................................................................. 89

Fig. 55-59. Ilustrações de Mikania sericea Hook. & Arn. ........................................................................... 89

Fig. 60-63. Ilustrações de Mikania smaragdina Dusen ex Malme .............................................................. 89

Fig. 64-66. Ilustrações de Mikania ternata (Vell.) B.L. Rob. ...................................................................... 89

Fig. 67-69. Ilustrações de Mikania trinervis Hook.& Arn. ......................................................................... 89

Fig. 70-78. Ilustrações de Piptocarphaleprosa (Less.) Baker ........................................................................ 98

Fig. 79-83. Ilustrações de Piptocarphanotata (Less.) Baker ......................................................................... 98

Fig. 84-88. Ilustrações de Piptocarphaoblonga (Gardn.) Baker ................................................................... 98

Fig. 89-88. Ilustrações de Stifftiaparviflora (Leandro) D. Don. ................................................................. 98

Fig. 93-95. Ilustrações de Symphyopappus itatiaiensis (Hieron.) R.M. king. & H. Rob. ............................ 98

Fig. 96-98. Ilustrações de Symphyopappus lymansmithii B.L. Rob. .............................................................. 98

Fig. 99-105. Ilustrações de Vernoniaargyrotrichia Sch. Bip. ex Baker ..................................................... 128

Fig. 106-110. Ilustrações de Vernoniabeyrichii Less. ................................................................................. 128

Fig. 111-116. Ilustrações de Vernoniapuberula Less. ................................................................................ 128

Fig. 117-122. Ilustrações de Vernoniascorpioides (Lam.) Pers. ................................................................. 128

Fig. 123. Prancha de Fotos de Vernoniaargyrotrichia Sch. Bip. ex Baker; Vernoniabeyrichii Less.;

Vernonia puberula Less.; Vernoniascorpioides (Lam.) Pers. .......................................................................... 129

1

1. INTRODUÇÃO

Considerada uma das maiores famílias, representando cerca de 1/10 de todas as

Angiospermas, Asteraceae possui aproximadamente 23.000 espécies distribuídas em 1.535

gêneros (Bremer, 1994).

Possui distribuição cosmopolita sendo encontrada em todos os continentes, com

exceção do Antártico, e seus representantes normalmente apresentam adaptações às várias

condições ambientais e ecológicas (Barroso et al., 1991; Judd et al., 1999).

A América Latina é considerada um centro de diversidade de Asteraceae, sendo que

na América do Sul, em algumas regiões semi-áridas e na Patagônia, os representantes de

Asteraceae correspondem a 20% da flora (Cabrera, 1978). Para o Brasil são estimados

aproximadamente 180 gêneros e 3.000 espécies (Hind, 1993) com distribuição desde as

regiões mais frias e úmidas, como as serras do Sudeste e Sul, até as áreas secas na região do

semi-árido nordestino (Pereira, 1989), sendo menos freqüentes em formações florestais

(Hind, 1993).

São plantas com hábito variável abrangendo desde ervas até arbustos, mais raramente

árvores; podem ser monóicas, dióicas ou poligamo-dióicas. As folhas são alternas ou

opostas, raramente verticiladas, pecioladas ou sésseis, simples, inteiras, lobadas ou dissectas,

distribuídas ao longo dos ramos, em rosetas basais ou ausentes; estípulas geralmente

ausentes.

O indumento é variável, constituído de tricomas multicelulares unisseriados ou

multisseriados, composto de células uniformes ou células basais e terminais modificadas.

Geralmente apresentam tricomas tectores que podem ser simples, estrelados, malpiguiáceos

ou escamiformes, também são comuns tricomas glandulares depressos na face abaxial das

folhas, e neste caso, aparecem como pontos pretos, translúcidos ou estrias alongadas. Sua

secreção é responsável pela aparência envernizada das folhas de alguns gêneros, em especial

de Baccharis L., Eupatorium L. sensu lato, Gochnatia Kunth e Symphyopappus Turcz. (Metcalfe &

Chalk, 1950). Tricomas unicelulares são raros, sendo exclusivos da subfamília

Barnadesoideae (Bremer, 1994).

Quanto à anatomia, a principal característica é a ocorrência de canais laticíferos e

resiníferos, sendo que sua distribuição nos membros da família tem valor taxonômico, uma

vez que canais ou cavidades de látex são característicos de Cichorioideae, especialmente na

2

tribo Lactuceae, enquanto que canais ou cavidades de resinas são comuns nos representantes

de Asteroideae (Bremer, 1994).

Uma das principais características das Asteraceae é a diversidade de substâncias

químicas, especialmente os polifrutanos inulinas e as lactonas sesquiterpênicas, além de óleos

voláteis terpenóides e algumas classes de alcalóides, principalmente alcalóides pirrolizidínicos

característicos do gênero Senecio L., estando ausentes os iridóides e taninos (Cronquist, 1981).

A diversidade estrutural dos terpenos, em especial das lactonas sesquiterpênicas e dos

furanosesquiterpênos levou Seaman (1982) a fazer um estudo analisando as variedades destes

terpenos na família e concluiu que estes compostos podem ser aplicados nos diferentes

níveis taxonômicos, podendo auxiliar nas análises cladísticas, salientando, entretanto, que

para delimitar espécies não são muito seguros, uma vez que é comum a ocorrência de

“quimiotipos”, podendo ser úteis no reconhecimento de ecotipos, variedades ou

subespécies.

Asteraceae é facilmente reconhecida pelas flores reunidas em capítulos, formando um

pseudanto, que podem ser isolados ou agrupados nas mais diversificadas inflorescências,

formando capitulescências corimbiformes, paniculiformes, tirsóideo-paniculadas,

racemiformes, espiciformes, fasciculadas, glomeruliformes ou até mesmo formando

capítulos de capítulos envoltos por invólucro secundário.

Os capítulos podem ser classificados quanto ao sexo e à morfologia das flores

(adaptado de Bremer, 1994): Quanto ao sexo, podem ser heterógamos (constituídos de

flores monoclinas e flores diclinas, femininas ou neutras) e homógamos (compostos apenas

por flores monoclinas ou flores diclinas). Com relação à morfologia floral, são classificados

em disciformes (formados por dois tipos de flores, marginais filiformes e centrais tubulosas),

discóides (constituídos por flores tubulosas, ou flores liguladas, ou bilabiadas) e radiados

(com flores do raio liguladas e flores do disco tubulosas).

Em torno do receptáculo estão dispostas as brácteas involucrais, que apresentam

morfologia e número variados, sendo constante em alguns gêneros, como em Mikania Willd.,

que apresenta sempre quatro. As brácteas involucrais normalmente são livres entre si,

podendo ser parcial ou totalmente conatas, formando um invólucro gamofilo como em

Xanthium L. O receptáculo pode ser plano, cônico, côncavo, convexo ou cilíndrico;

epaleáceo ou paleáceo.

3

As flores são sempre epíginas com corola pentâmera e gamopétala, quase sempre de

tamanho reduzido, podendo ser actinomorfa (tubulosa, campanulada, infundibuliforme ou

hipocrateriforme), ou zigomorfa (ligulada ou bilabiada).

O androceu é constituído de cinco estames epipétalos com filetes livres e anteras

introrsas conatas pelas tecas, formando um tubo ao redor do estilete; as anteras apresentam

apêndice apical do conectivo diferenciado e base obtusa, truncada, sagitada ou caudada.

Quanto à morfologia polínica, Asteraceae é euripolínica, apresentando três tipos de

abertura: colpos, poros e cólporos (Erdtman, 1952). A ornamentação da exina pode ser

equinada, equinolofada ou psilofada. A ampla variedade no padrão de ornamentação e

estrutura morfopolínica além de possibilitar o reconhecimento de novos tipos polínicos, são

caracteres importantes para auxiliar a delimitação de gêneros (Corrijo et al., 2005).

O gineceu é formado por um ovário ínfero, bicarpelar, unilocular com apenas um

óvulo de placentação basal. O estilete é dividido em dois ramos com tricomas coletores no

dorso. A área estigmática pode estar distribuída internamente nos ramos ou em duas linhas

marginais. A disposição dos tricomas e a morfologia dos ramos do estilete estão relacionadas

ao mecanismo de apresentação do grão de pólen, e têm valor taxonômico no

reconhecimento de tribos (Bremer, 1994).

A maioria das Asteraceae apresenta polinização entomófila, principalmente por

abelhas e borboletas. A ornitofilia ocorre em alguns gêneros da tribo Mutisieae e a

anemofilia, apesar de pouco freqüente, é comum nos gêneros Xanthium L., Ambrosia L.,

Artemisia L. e Baccharis L. A quiropterofilia foi referida até o momento apenas para

Gongylolepis jauaensis (Aristeg., Maguire & Steyerm.) V.M. Badillo, uma espécie endêmica da

Guaiana Venezuelana (Pruski, 1997a).

Os frutos de Asteraceae são secos, indeiscentes, com apenas uma semente e testa

aderida ao endocarpo, denominados normalmente de cipselas ou aquênios (Bremer, 1994;

Spjut, 1994). Alguns táxons apresentam depósito de fitomelanina na parede dos frutos,

tornando-os negros, frutos com esse tipo de depósito são denominados carbonizados,

característica exclusiva dos representantes de Heliantheae e Eupatorieae (Robinson, 1981).

Os frutos apresentam morfologia diversificada e epicarpo geralmente costado, rugoso,

verrugoso ou liso, glabro ou piloso. Na região basal na área de fixação, forma-se um calo,

simétrico ou assimétrico, chamado carpopódio, que pode ser útil no reconhecimento de

gêneros e algumas espécies (Robinson, 1981; Bremer, 1994; Esteves, 2001).

4

O cálice em Asteraceae é altamente modificado em pápus, normalmente cerdosos,

constituído de cerdas escabras, barbeladas ou plumosas; quando as cerdas são largas e

geralmente aplainadas, são denominadas cerdas aristadas; quando se apresentam mais largas

do que longas são escamas; quando as cerdas são curtas e conatas o pápus é coroniforme, ou

ainda o pápus pode estar ausente. Os elementos dos pápus podem estar dispostos em uma

ou mais séries e serem persistentes ou caducos na maturação do fruto (Bremer, 1994). O

pápus é essencial na dispersão do diásporo e sua morfologia está diretamente relacionada à

dispersão. Desta forma, pápus cerdosos e plumosos estão relacionados à anemocoria,

enquanto os aristados à epizoocoria (Magenta, 1998).

Provavelmente a maior contribuição das Asteraceae para o homem é a ecológica, uma

vez que são responsáveis pela grande diversidade de espécies e, portanto, favorecem a

estabilidade e sustentabilidade produtiva das vegetações em áreas secas do mundo, tais como

os cerrados, capoeiras, campos e semi-áridos, especialmente nas regiões tropicais e

subtropicais (Heywood, 1979). Economicamente são pouco utilizadas na alimentação; têm

potencial medicinal, toxicológico e alergogênico, destacando-se sem dúvida como planta

ornamental ou daninha.

Os caracteres ecológicos que distinguem as Asteraceae das demais famílias são os

pseudantos, o mecanismo especializado de apresentação do pólen e a diversidade de armas

químicas presentes em todos os membros da família (Cronquist, 1981). Por isso, alguns

autores (Cronquist, 1981; Bremer, 1994) sugeriram que o grande sucesso de Asteraceae deva-

se a associação dos compostos químicos com a morfologia especializada, pois apenas a

morfologia especializada, como as flores reunidas em capítulos e o mecanismo secundário de

apresentação do pólen também são encontrados em outras famílias, porém estas não

apresentam a grande diversidade de Asteraceae.

Mesmo sendo um táxon com numerosas espécies, Asteraceae sempre foi considerada

como um grupo natural bem sustentado por caracteres sinapomórficos, tais como: lactonas

sesquiterpênicas, cálice altamente modificado em pápus, anteras conatas com deiscência

introrsa formando um tubo ao redor do estilete; mecanismo secundário de apresentação de

pólen com estilete modificado funcionando como uma escova; ovário bicarpelar com apenas

um óvulo de placentação basal e fruto com endosperma constituído de apenas uma camada

inconspícua (APG II, 2003; Barkley et al., 2006).

Estudos sugerem que as Asteraceae tiveram origem na América do Sul, no Eoceno

Superior com posterior migração para a América do Norte (DeVore & Stuessy, 1995).

5

A família está posicionada na Ordem Asterales, normalmente sozinha ou junto com

outras pequenas famílias. Cronquist (1988) considerou Asteraceae como única família da

Ordem Asterales, relacionado-a com as Ordens Gentianales, Rubiales, Dipsacales e

Calycerales. Atualmente, estudos filogenéticos baseados em dados morfológicos e

moleculares, como os de APG II (2003), corroboram o posicionamento de Asteraceae em

Asterales juntamente com outras dez famílias. Os caracteres sinapomórficos que sustentam a

posicionamento dessas famílias na ordem são os botões florais com deiscência valvar,

presença de parênquima paratraqueal, substâncias químicas como oligo ou polifrutanos,

ácido elágico e mecanismo especializado de apresentação do grão de pólen. Dentre essas

famílias, Asteraceae emerge juntamente com Menyanthaceae, Goodeniaceae e Calyceraceae,

formando um grupo monofilético sustentado pela presença de ácido caféico, elementos de

vasos com perfurações simples e corola conata em tubo com fusão marginal e, dentro desse

clado, Calyceraceae aparece como grupo irmão de Asteraceae, ambas compartilhando de

cálice modificado e persistente, tipo de nervação da corola, ovário bicarpelar com apenas um

óvulo, pólen com depressão intercolpar e fruto do tipo cipsela (APG II, 2003; Barkley et al.,

2006).

O posicionamento inframiliar também não sofreu grandes modificações nos últimos

100 anos, uma vez que Cassini (1819) foi um dos primeiros autores a considerar subdivisões

em Asteraceae, utilizando como caracteres diagnósticos para o reconhecimento das tribos a

morfologia do estilete e das anteras. Esse autor, baseando-se nessas características, descreveu

19 tribos, das quais 13, mesmo após 176 anos e com os diversos estudos, não sofreram

grandes modificações, sendo aceitas no trabalho de Bremer (1994), ainda um dos mais atuais.

Bentham (1873) tendo como base os estudos de Cassini (1819), Lessing (1829, 1830,

1831) e De Candolle (1836-1838), separou as Asteraceae em duas subfamílias e 13 tribos.

Essa classificação foi bem aceita e considerada a base da sistemática sobre a qual a família

tradicionalmente é colocada. Hoffmann (1894) realizou algumas modificações nessa

classificação, mas reconheceu as subdivisões de Bentham, sendo esse tratamento adotado

por muito tempo nos trabalhos com Asteraceae. Em 1977, Heywood et al. fizeram um

estudo geral com as Asteraceae, propuseram algumas modificações e o reconhecimento de

17 tribos.

Bremer & Jansen (1992) publicaram um estudo filogenético baseado em dados

morfológicos e moleculares com DNA do cloroplasto. Neste estudo, excluíram a subtribo

Barnadesiine de Mutisieae, elevando-a a categoria de subfamília. Dois anos depois, a primeira

6

autora publicou o livro “Asteraceae Cladistics & Classification”, onde, com base no estudo

de 1992, propôs uma nova classificação de Asteraceae e a divisão em três subfamílas, 19

tribos e 83 subtribos. De acordo com essa classificação as três subfamílias de Asteraceae são:

• Barnadesioideae: representada por plantas lenhosas com espinhos ou acúleos; flores

com corola bilabiada; presença de tricomas unicelulares longos na corola, nos frutos e nos

pápus; estilete com ramos curtos, papilosos e frutos espinhos. É exclusiva da América do

Sul, principalmente nas regiões andinas. Possui uma tribo, nove gêneros e 92 espécies.

• Cichorioideae: constituída de plantas geralmente herbáceas ou subarbustos,

latescentes, os capítulos normalmente são homógamos com brácteas involucrais numerosas;

ramos do estilete com ápice agudo e superfície estigmática interna. É cosmopolita e está

representada por seis tribos, 57 subtribos, 341 gêneros e 6.700 espécies.

• Asteroideae: apesar de alguns caracteres terem sofrido reversão, a grande maioria dos

seus representantes possue o capítulo, quando radiado, constituído de flores do raio

verdadeiras (isto é, flores liguladas tridentadas) e do disco com lobos curtos; pólen caveado;

ramos do estilete com área estigmática em duas linhas marginais; ausência de laticíferos e

presença de substâncias químicas como benzofuranos e benzopiranos. É cosmopolita,

possui 76 tribos, 1.235 gêneros e 16.000 espécies.

Após o trabalho de Bremer (1994) as grandes modificações em relação às Asteraceae

devem-se aos trabalhos do APG I (1998) e APG II (2003), mais precisamente ao APG II.

Nesse trabalho, os estudos filogenéticos foram baseados em dados moleculares associados a

morfológicos e os resultados sugerem a divisão da família em 10 subfamílias mais o “grupo”

informal Stifftia. As Barnadesioideae emergiram como grupo irmão das outras Asteraceae e

as Mutisioideae juntamente com o “grupo Stifftia” e mais oito subfamílias formando um

grupo monofilético sustentado por sinapomorfias como ramos do estilete longos, pilosos e

inversão do DNA do cloroplasto.

Por mais que a divisão infrafamiliar ainda seja um estudo em processo de adaptação,

atualmente um dos grandes problemas dentro de Asteraceae é sem dúvida a circunscrição de

grandes gêneros como Aster L., Eupatorium L., Senecio L. e Vernonia Shreb. (Nakajima, 2000) e

para o Brasil as grandes modificações são percebidas principalmente em Eupatorium e

Vernonia, gêneros bem representados e muito importantes na flora brasileira.

A Tribo Eupatorieae tradicionalmente considerada homogênea sofreu modificações

com os vários trabalhos publicados nos últimos trinta anos. Durante a década de 70, na

tentativa de encontrar características que ajudassem na delimitação dos diversos táxons dessa

7

Tribo, King & Robinson publicaram numerosos trabalhos, a grande maioria sobre gêneros

ou espécies novas, utilizando como características diagnósticas especialmente os

microcaracteres. Esses trabalhos foram posteriormente sintetizados por King & Robinson

(1987) no livro “The genera of the Eupatorieae”. Com a criação dos novos gêneros e o

restabelecimento de outros, a tribo Eupatorieae, anteriormente constituída de 32 gêneros,

passou a abrigar 180 gêneros, dos quais 99 eram novos. Eupatorium L. sensu lato foi o gênero

que sofreu mais divisões, sendo segregado em 80 novos gêneros, muitos dos quais

monoespecíficos. Desta forma, Eupatorium, um gênero tradicionalmente representado por

1.200 espécies, passou a ser composto de apenas 45 espécies praticamente restritas à

América do Norte, com algumas exceções na América Central, Antilhas e Ásia (King &

Robinson, 1987; Esteves, 2001).

Outro táxon que também passou por modificações durante esses anos foi

Vernonieae. Em 1999, Robinson publicou um trabalho propondo uma nova classificação

para as Vernonieae americanas, esse estudo foi baseado nos vários trabalhos realizados por

ele e outros autores durante os anos de 1973 a 1999. A principal modificação ocorreu no

gênero Vernonia que foi segregado em outros, como por exemplo, Lessingianthus H. Rob. (100

spp.), Vernonanthura H. Rob. (65 spp.) e Cyrtocymura H. Rob. (6 spp.). O gênero Vernonia

passou a abrigar 500 espécies, ficando representado no Novo Mundo apenas por espécies da

América do Norte e Vernonieae, tradicionalmente constituída de 72 gêneros, passou a

abrigar 98, dos quais 17 eram novos.

Apesar dos inúmeros trabalhos taxonômicos realizados no mundo todo com

Asteraceae, quando levado em consideração o tamanho da família, estes ainda são

insuficientes. Dentre esses trabalhos, destacam-se algumas revisões de tribos, como por

exemplo: Senecioneae (Nordenstam, 1978), Heliantheae (Robinson, 1981), Liabeae

(Robinson, 1983), Eupatorieae (King & Robinson, 1987), Inuleae (Anderberg, 1989, 1991),

Mutisieae (Hansen, 1991) e Astereae (Nesom, 1994). Em relação aos gêneros, citam-se as

revisões de Bidens L. (Sherff, 1937), Pentacalia Cass. (Robinson & Cuatrecasas, 1978),

Centratherum Cass. e Phyllocephallum Blume (Kirkman, 1981), Piptocarpha R. Br. (Smith, 1984),

Lychnophora Mart. (Semir, 1991) e Pluchea Cass. (King-Jones, 2001).

Para o Brasil, dentre os trabalhos de cunho geral, destacam-se os de Baker (1873,

1876, 1882, 1884) para a Flora Brasiliensis, além de levantamentos florísticos para

determinadas áreas, como a Flora Paulista (Loefgren, 1897), Flora do Itatiaia e do Rio de

Janeiro-RJ (Barroso, 1957; 1959), de Mucugê-BA (Harley & Simmons, 1986), Flora da Serra

8

do Cipó-MG (Leitão Filho & Semir, 1987), do Pico das Almas-Ba (Hind, 1995), do Parque

Estadual da Serra da Canastra-MG (Nakajima, 2000), do Parque Estadual das Fontes do

Ipiranga-SP (Nakajima et al., 2001), de Grão-Mogol-MG (Hind, 2003) e de Picinguaba-SP

(Moraes & Monteiro, 2006).

Além desses levantamentos, outros trabalhos de importância e que têm contribuído

para o conhecimento das Asteraceae no Brasil são os tratamentos taxonômicos para tribos e

gêneros, como: Aspilia Thou. (Santos, 2001), Baccharidinae (Barroso, 1976; Barroso & Bueno,

2002), Eupatorium L. (Barroso, 1950), Heliantheae (Pereira, 1989), Ichthyothere Mart. (Pereira,

2001), Lychnophora Mart. (Semir, 1991), Mikania Willd. (Barroso, 1958; Ritter, & Miotto,

2005.), Mutisieae (Cabrera & Klein, 1973; Mondin, 1996; Roque & Pirani, 1997), Senecio L.

(Cabrera, 1957), Senecioneae (Cabrera & Klein, 1975; Matzenbacher, 1998), Stevia Cav.

(Monteiro, 1982), Stilpnopappus Mart. ex DC. (Esteves, 1993) e Trichogonia Gardn. (Barroso,

1951).

A família está representada no Estado de São Paulo, de acordo com levantamento no

banco de dados da “Flora Fanerogâmica do Estado de São Paulo”, por cerca de 160 gêneros

e 635 espécies e, apesar da grande representatividade, são poucos os trabalhos taxonômicos

ou florísticos, destacando-se além de alguns já citados, os de Leitão Filho (1972) com as

Vernonieae, de Magenta (1998) com Ambrosiinae, Galinsoginae e Coreopsidnae e de

Esteves (2001) com Eupatoriumsensu lato; bem como as listagens de Asteraceae para o Parque

Estadual da Ilha do Cardoso (Leitão Filho, 1991), para a Estação Ecológica Juréia-Itatins

(Semir, 2004) e para a Reserva Biológica do Alto da Serra de Paranapiacaba (Kirizawa, 2004).

O Parque Estadual da Ilha do Cardoso, local onde foi efetuado o levantamento das

Asteraceae, está localizado no extremo sul do Estado de São Paulo, no município de

Cananéia, divisa com o Estado do Paraná, entre as coordenadas 25°03’05’ – 25°18’18’S e

47°53’48’ – 48°05’42’W. Estudos científicos referentes à botânica na Ilha do Cardoso estão

sendo publicados desde 1979, sendo um dos pioneiros o de De Grande & Lopes (1981). O

projeto Flora Fanerogâmica da Ilha do Cardoso iniciou-se oficialmente em dezembro de

1982, entretanto as coletas estavam sendo realizadas muito antes; vários anos de coletas

sistemáticas resultaram em uma coleção com mais de 4.500 exsicatas, amostradas em

diversas áreas da Ilha (Barros et al., 1991). Em 1991 foi publicado o primeiro volume da

série “Flora Fanerogâmica da Ilha do Cardoso” e, desde então, 11 volumes foram

publicados, com 112 famílias já concluídas, restando apenas as grandes famílias como

Orchidaceae, Fabaceae, Myrtaceae e Asteraceae. A família Orchidaceae foi concluída por

9

Romanini (2006) e será publicada no volume 13, e Asteraceae que foi o objeto de estudo

desse trabalho, provavelmente comporá o volume 14 da série.

O presente trabalho teve como principais objetivos o levantamento florístico das

Asteraceae ocorrentes na Ilha do Cardoso e o preparo da monografia da família, a ser

publicada na série “Flora Fanerogâmica da Ilha do Cardoso”, contribuindo desse modo para

o conhecimento das Asteraceae da flora brasileira, em especial na flora local e da flora no

Estado de São Paulo, além de contribuir para o treinamento e formação da autora, visando

estudos futuros com essa família tão importante e tão bem representada no Brasil.

2. MATERIAL E MÉTODOS

2.1. Área de Estudo A Ilha do Cardoso está situada no extremo sul do Estado de São Paulo, no município

de Cananéia na divisa com o Estado do Paraná, entre as coordenadas 25°03’05’ – 25°18’18’S

e 47°53’48’ – 48°05’42’W (Fig. 1). Possui forma irregular, com a porção norte mais larga que

vai se estreitando em direção ao sul. Sua extensão é de cerca de 30km com largura máxima

de 10km e área total de aproximadamente 22.500 ha. (Negreiros et al., 1974; Pfeifer et al.,

1989; Barros et al., 1991).

Apresenta topografia montanhosa com uma parte central formada por um maciço

montanhoso com altitude superior a 800m, composto por rochas metamórficas do pré-

cambriano, com afloramento de rochas magmáticas (Negreiros et al,. 1974). O entorno é

ocupado pela planície litorânea com pequenos morros isolados, que segundo Noffs &

Baptista-Noffs (1982) é uma formação que ocorreu por meio da união de antigas ilhas. O

clima é classificado como mesotérmico, super úmido, com excesso de chuva no verão

(Funari et al., 1987).

As condições climáticas, juntamente com a topografia e os fatores marítimos,

favoreceram o desenvolvimento dos vários tipos de vegetação encontrados na Ilha do

Cardoso (Fig. 2), tais como vegetação pioneira de duna, vegetação de mangue, de restinga,

bem como floresta pluvial tropical de planície litorânea e floresta pluvial tropical da Serra do

Mar, além de vegetação de altitude, proporcionando uma paisagem diversificada e uma rica

biodiversidade (Barros et al., 1991).

A Ilha do Cardoso foi transformada em Parque Estadual por meio do decreto 40.319

de 3 de julho de 1962, e em 1978 criou-se o Centro de Pesquisas Aplicadas de Recursos

10

Naturais da Ilha do Cardoso (CEPARNIC), objetivando promover uma política de recursos

naturais, voltada à preservação, valorização e exploração racional desses recursos (Barros et

al., 1991). Após alguns anos, devido à subutilização, o CEPARNIC foi desativado e o local

onde estava instalada sua estrutura atualmente é denominado de “Núcleo Perequê” (SMA,

1998).

O Parque Estadual da Ilha do Cardoso (PEIC) integra o complexo estuarino-lagunar

de Iguape-Cananéia-Paranaguá, que de acordo com a União Internacional de Conservação

da Natureza (IUCN) é o terceiro estuário do mundo em termos de produtividade primária,

além de uma das mais importantes reservas de água doce dos Estados do Paraná e São

Paulo, tendo sido considerado pela UNESCO em 1982 como sendo zona núcleo da Reserva

da Biodiversidade da Mata Atlântica, um patrimônio da humanidade (Barros et al., 1991;

SMA, 1998).

É um dos remanescentes de Mata Atlântica melhor preservado do Brasil, e muito

importante por abrigar várias espécies da fauna brasileira ameaçadas de extinção, dentre as

quais se destacam, a araponga (Procnias nudicollis (Vieillot, 1817)), o jacaré-do-papo-amarelo

(Caimanlatirostris (Daudin, 1802)), os macacos bugio (Alouattaguariba (Humboldt, 1812)) e

mono-carvoeiro (Brachytelesarachnoides (É. Geoffroy, 1806)), a lontra (Lontralongicaudis

(Olfers, 1818)), o papagaio-de-cara-roxa (Amazonabrasiliensis (Linnaeus, 1758)) e o veado-

mateiro (Mazamaamericana (Erxleben, 1777)), além de espécies endêmicas, como o morcego

Lasiurusebenus (Fazollari-Corrêa, 1993), sendo fundamental para a manutenção de algumas

espécies de aves migratórias (SMA, 1998).

Representa também um importante registro histórico e cultural das civilizações

antigas, uma vez que foram encontrados vários depósitos de sambaquis na Ilha do Cardoso

com idade estimada entre 2.000 a 4.000 BP, representando vestígios de uma ocupação

anterior a dos índios (Barros et al., 1991).

2.2. Levantamento Bibliográfico A pesquisa bibliográfica foi realizada inicialmente consultando trabalhos com

Asteraceae e bases de dados eletrônicas disponíveis na Internet destacando:

• HUH (http://www.huh.harvard.edu/databases/index.html);

• IPNI (http://www.ipni.org/ipni/plantnamesearchpage.do);

• KBD (http://www.kew.org/kbd/searchpage.do);

11

• MBG W3 Tropicos (http://mobot.mobot.org/W3T/Search/vbib.html).

Para a aquisição dos trabalhos foram visitadas as bibliotecas do Instituto de Botânica,

onde se encontram depositadas muitas obras raras; do Instituto de Biologia da Universidade

de Campinas (UNICAMP) e do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo

(USP). Alguns foram adquiridos via banco de dados na Internet como:

• Botanicus Digital Library (http://www.botanicus.org);

• COMUT (http://comut.ibct.br/);

• Gallica (http://gallica.bnf.fr).

Importantes trabalhos também foram adquiridos por intermédio dos especialistas Dr.

Roberto Lourenço Esteves e Dr. Jimi Naoki Nakajima.

2.3. Consulta aos Herbários para Estudo das Coleções O levantamento das espécies de Asteraceae ocorrentes na Ilha do Cardoso teve como

base os materiais botânicos constantes da listagem de Leitão Filho (1991), acrescidos de

coletas posteriores depositadas na Coleção “Flora Fanerogâmica da Ilha do Cardoso” do

Herbário SP e das coleções de alguns herbários paulistas, especialmente naqueles onde estão

depositados materiais provenientes da Ilha do Cardoso; além dos materiais coletados nas

viagens realizadas durante o período de desenvolvimento do projeto de mestrado. Quando

necessário, foram solicitados empréstimos de exsicatas.

Foram analisadas as coleções dos seguintes herbários, acrônimos segundo Holmgren

et al. (1990): HRCB, IAC, SP, SPF, SPSF, UEC, além do Herbário do Instituto Plantarum

em Nova Odessa, SP e fotos de materiais do RB.

Foram examinadas 218 exsicatas provenientes da Ilha do Cardoso, além de outras

utilizadas como material adicional e/ou para observações das variações morfológicas, assim

como para o levantamento dos dados sobre as áreas de ocorrência.

2.4. Viagens de Coleta e Processamento do Material Botânico Apesar da fase de coleta do Projeto “Flora Fanerogâmica da Ilha do Cardoso” ter-se

encerrado há mais de dez anos, foram realizadas viagens para complementação de coletas,

estudo das espécies no campo e de registros fotográficos. Foram realizadas seis viagens com

duração de quatro ou cinco dias cada, contemplando os meses de abril, maio, agosto e

setembro de 2005, e março e outubro de 2006. Essas viagens foram importantes, pois

12

permitiram a observação das espécies em campo, além de terem favorecido o aumento no

número de espécies registradas.

O procedimento adotado para o processamento dos materiais foi o tradicional

utilizado em coletas taxonômicas. Além do material herborizado, alguns capítulos foram

fixados em álcool 70% para posterior análise em laboratório e preparo das ilustrações.

Das 51 espécies ocorrentes na Ilha do Cardoso, foram coletadas e incorporadas 37

espécies à coleção da Flora Fanerogâmica da Ilha do Cardoso, num total de 61 exsicatas.

Essas exsicatas estão depositadas no Herbário SP e duplicatas serão distribuídas a outros

herbários, em especial R e UEC.

2.5. Análise dos Materiais e Elaboração da Dissertação O estudo e a identificação dos materiais foram realizados no laboratório da Seção de

Curadoria do Herbário do Instituto de Botânica, com o auxílio de bibliografia especializada e

chaves específicas para os gêneros e espécies. Para confirmação da identificação, além de

comparação com dados da bibliografia, as exsicatas foram comparadas com diversos

materiais depositados nos herbários estudados. Para algumas espécies foi possível o exame

dos exemplares tipos, das descrições originais ou fotografias de tipos.

As informações morfológicas sobre os capítulos e as flores foram baseadas nas

análises de materiais fixados em álcool etílico 70% ou reidratados em água por 20 a 30

segundos em forno de microondas. As estruturas foram observadas e medidas sob

estereomicroscópio Olympus® SZ51 com régua milimétrica acoplada.

As medidas utilizadas referem-se ao menor e maior tamanho das estruturas e quando

não foi possível observar essas variações, utilizou-se o termo cerca de (ca.). Sempre que

possível, as medidas foram baseadas em estruturas “maduras”.

No tratamento taxonômico as descrições seguem as normas das monografias da série

Flora Fanerogâmica da Ilha do Cardoso (FFIC), com algumas exceções como, por exemplo,

no tratamento taxonômico para os gêneros, pois optou-se caracterizar todos os gêneros. As

descrições dos gêneros foram feitas com base em dados de bibliografia e estas estão referidas

no texto, enquanto que as descrições das espécies foram feitas exclusivamente com base nos

espécimes provenientes da Ilha do Cardoso e complementadas, quando necessário, com

materiais adicionais.

Foram citados os basiônimos e nos casos de sinônimos apenas quando houve

alterações nomenclaturais recentes. As citações dos tipos foram feitas com base em trabalhos

13

de revisão e bases de dados disponíveis na Internet. O status do tipo só foi referido quando

já tinha sido citado em revisões ou quando foi possível examinar a obra original e o tipo.

As informações sobre distribuição geográfica e importância econômica foram

extraídas de dados bibliográficos.

Para a nomenclatura da família adotou-se o trabalho de Bremer (1994) e para a

padronização dos termos morfológicos gerais, Font Quer (1970), Radford et al. (1974) e

Stern (1992). Para o padrão de nervação utilizou-se o trabalho de Hickey (1973) e para os

frutos adotou-se Spjut (1994) que define “cipselas” os frutos simples, indeiscentes,

antocárpicos, constituídos de cerdas, páleas ou aristas derivadas de outras partes acessórias

que se estendem além da parte apical do pericarpo, auxiliando na dispersão; “aquênio” termo

usado para denominar os frutos simples, indeiscentes, antocárpicos, com o pericarpo

contíguo à semente, sendo vestigial ou ausente as partes do perianto e receptáculo.

As abreviações dos nomes dos autores dos táxons estão de acordo Brummitt &

Powell (1992); para as obras clássicas adotou-se Stafleu & Cowan (1976-1988) e para os

periódicos, Lawrence et al. (1968) e Bridson & Smith (1991).

A nomenclatura utilizada para a designação do hábito no tratamento de Mikania

Willd. foi a de Gentry (1991) que define como “Lianas” as plantas com ramos relativamente

espessos, lenhosos e volúveis, enquanto que plantas com ramos delgados, herbáceos e

volúveis são definidas como “vines”, tratadas no presente trabalho como “trepadeiras”.

Quanto ao indumento, a denominação de tricomas multicelulares unisseriados ou

multisseriados, refere-se às observações feitas no material herborizado sob

estereomicroscópio sem prévio tratamento.

A chave de identificação para os gêneros foi elaborada com base nas características

das espécies encontradas na Ilha do Cardoso.

Foi adotada a classificação de Bremer (1994) para o tratamento da família; para os

gêneros de Eupatorieae utilizou-se a classificação de King & Robinson (1987), especialmente

porque já foi realizado o estudo de Eupatoriumsensu lato por Esteves (2000) para a Flora

Fanerogâmica do Estado de São Paulo, no qual foi reconhecido e aceito os gêneros

segregados de Eupatorium. Por outro lado, para o tratamento de Vernoniasensu lato adotou-se

o conceito clássico, uma vez que ainda são poucos os trabalhos realizados no Brasil com esse

táxon que adotam a classificação de Robinson (1999).

Para confeccionar as pranchas foram selecionados alguns táxons, tendo-se

priorizando aqueles pouco ilustrados e/ou não considerados ruderais. As ilustrações a lápis

14

de detalhes dos capítulos e detalhes das flores representados nas pranchas de Mikania foram

realizadas pela autora, já as ilustrações das demais pranchas e a cobertura a nanquim foram

executadas pelo ilustrador Klei Rodrigo de Sousa. As ilustrações dos ramos foram baseadas

em material herborizado e em alguns casos complementadas com auxílio de fotografias. Nas

ilustrações, em especial dos ramos, folhas e brácteas, o indumento não foi representado na

sua totalidade, o mesmo ocorreu na representação dos pápus.

Seguindo as normas da FFIC, as pranchas foram apresentadas em ordem alfabética

do táxon e numeradas consecutivamente com números arábicos. Além das pranchas a

nanquim, foram elaboradas pranchas coloridas com fotografias dos diferentes tipos de

vegetação e de algumas espécies.

Para o presente estudo decidiu-se incluir até mesmo as espécies consideradas ruderais,

uma vez que muitas das espécies encontradas se enquadram nessa categoria e excluindo-as a

dissertação não cumpriria um dos objetivos de uma flora que é auxiliar futuros estudos

botânicos na área. Certamente com o tempo e o aumento de visitantes na Ilha do Cardoso,

devido ao ecoturismo e ao próprio mecanismo de dispersão das Asteraceae, outras espécies

consideradas ruderais poderão ser amostradas em levantamentos futuros.

15

Fig. 1: Mapa de localização do Parque Estadual da Ilha do Cardoso e dos diferentes tipos de

vegetação (modificado de Pfeifer et al., 1989 e de Barros et al., 1991).

16

FE

C D

A B

Fig. 2: A: Estrada da Captação, vegetação de Floresta Pluvial Tropical de Planície Litorânea.

B: Restinga do Pereirinha, floresta baixa de restinga. C: Praia do Itacuruçá, restinga brejosa.

D: Rio Canjoca, em segundo plano vegetação de mangue, ao fundo vegetação de Floresta

Pluvial Tropical da Serra do Mar. E: Marujá, Praia da Tapera, em segundo plano vegetação

de costão rochoso, ao fundo Floresta Pluvial Tropical da Serra do Mar. F: Restinga do

Maruja, fruticeto (Fotos: A, D, E-F: F.O. Souza; B-C: R.P. Romanini).

17

3. RESULTADOS E DISCUSSÃO

O levantamento das Asteraceae no Parque Estadual da Ilha do Cardoso resultou em

uma coleção com 51 espécies distribuídas em 29 gêneros, a maioria composto por apenas

uma espécie. Dentre os gêneros com maior diversidade estão Mikania com 13 espécies,

Baccharis e Vernonia com quatro espécies cada e Piptocarpha com três.

Asteraceae está representada na área pelas subfamílias Asteroideae e Cichorioideae,

sendo Asteroideae mais diversificada com 23 gêneros distribuídos em sete tribos.

Muitas das espécies encontradas apresentam ampla distribuição e algumas são

consideradas ruderais, como Acanthospermum australe (Loefl.) Kuntze, Bidens pilosa L., Conyza

bonariensis (L.) Cronquist e Porophyllum ruderale (Jacq.) Cass., por outro lado, Mikaniahastato-

cordata Malme e Mikaniahoehnei B.L. Rob., apesar de apresentarem distribuição ao longo de

toda a costa Sudeste e Sul brasileira, possuem populações relativamente pequenas nas áreas

de ocorrência e M. hoehnei é rara até mesmo nas coleções dos herbários visitados. Outras

espécies pouco comuns na Ilha do Cardoso são Baccharis brachylaenoides DC. e Mikania

smaragdina Dusen ex Malme, ambas apresentam distribuição restrita na Ilha, tendo sido

coletadas apenas no Morro e Pico do Cardoso. Também foi encontrado um espécime de

Mikania que provavelmente seja um táxon inédito para ciência.

Além de verificar a diversidade de Asteraceae ocorrente na área, esse levantamento

contribuiu para o aumento da coleção da Flora Fanerogâmica da Ilha do Cardoso uma vez

que foram acrescidas à coleção 61 exsicatas, contemplando 37 espécies, representando 73%

de todas as Asteraceae ocorrentes na Ilha.

A seguir estão listados os gêneros e espécies encontrados na Ilha do Cardoso com

suas respectivas subfamílias e tribos de acordo com a classificação de Bremer (1994).

ASTEROIDEAE

Astereae (2 gêneros, 5 espécies)

Baccharis brachylaenoides DC.

Baccharis schultzii Baker

Baccharis singularis (Vell.) G.M. Barroso

Baccharis trimera (Less.) DC.

Conyza bonariensis (L.) Cronquist

18

Eupatorieae (7 gêneros, 20 espécies)

Ageratum conyzoides L.

Austroeupatorium inulifolium (Kunth) R.M. King & H. Rob.

Barrosoa betoniciformis (DC.) R.M. King & H. Rob.

Campuloclinium purpurascens (Sch. Bip. ex Baker) R.M. King & H. Rob.

Mikania biformis DC.

Mikaniacordifolia (L.f.) Willd.

Mikaniahastato-cordata Malme

Mikaniahoehnei B.L. Rob.

Mikaniainvolucrata Hook. & Arn.

Mikanialaevigata Sch. Bip. ex Baker

Mikanialundiana DC.

Mikaniamicrantha Kunth

Mikaniasericea Hook. & Arn.

Mikania smaragdina Dusen ex Malme

Mikania ternata (Vell.) B.L. Rob.

Mikania trinervis Hook. & Arn.

Mikania sp.

Praxelis clematidea (Griseb.) R.M. King & H. Rob.

Symphyopappus itatiayensis (Hieron.) R.M. King. & H. Rob.

Symphyopappus lymansmithii B.L. Rob.

Gnaphalieae (2 gêneros, 2 espécies)

Achyroclinesatureoides (Lam.) DC.

Gamochaetaamericana (Mill.) Weed.

Helenieae (2 gêneros, 2 espécies)

Porophyllum ruderale (Jacq.) Cass.

Tagetes minuta L.

Heliantheae (4 gêneros, 4 espécies)

Acanthospermum australe (Loefl.) Kuntze

Bidens pilosa L.

19

Eclipta prostrata (L.) L.

Sphagneticola trilobata (L.) Pruski

Plucheeae (2 gêneros, 3 espécies)

Pluchea sagittalis (Lam.) Cabrera

Pterocaulon alopecuroides (Lam.) DC.

Pterocaulon angustifolium DC.

Senecioneae (4 gêneros, 4 espécies)

Emilia fosbergii Nicolson

Erechtites valerianifolia (Spreng.) DC.

Pentacalia desiderabilis (Vell.) Cuatrec.

Senecio brasiliensis (Spreng.) Less.

CICHORIOIDEAE

Lactuceae (1 gênero, 1 espécie)

Crepis japonica (L.) Benth.

Mutisieae (1 gênero, 1 espécie)

Stifftia parviflora (Leandro) D. Don.

Vernonieae (4 gêneros, 9 espécies)

Centratherum punctatum Cass.

Elephantopus mollis Kunth

Piptocarpha leprosa (Less.) Baker

Piptocarpha notata (Less.) Baker

Piptocarpha oblonga (Gardn.) Baker

Vernonia argyrotrichia Sch. Bip. ex Baker.

Vernonia beyrichii Less.

Vernonia puberula Less.

Vernonia scorpioides (Lam.) Pers.

20

ASTERACEAE Bercht. & J. Presl, Prir. Rostlin: 254. 1820, nom. cons.

Tipo: Aster L., Sp. pl. 2: 872-877. 1753.

Ervas anuais ou perenes, subarbustos ou arbustos eretos ou escandentes, raro

árvores; monóicos, dióicos ou polígamo-dióicos. Folhas alternas ou opostas, às vezes

verticiladas ou em roseta basal, inteiras a pinatissectas; pecioladas ou sésseis; estípulas

geralmente ausentes. Capitulescência corimbiforme, paniculiforme, tirsóide-paniculada,

racemiforme, espiciforme, glomeruliforme, de capítulos secundários ou monocéfala.

Capítulos pedunculados ou sésseis, homógamos discóides, ligulados ou bilabiados e

heterógamos radiados ou disciformes; invólucro unisseriado a plurisseriado, brácteas

involucrais imbricadas, subimbricadas ou eximbricadas, foliáceas, escariosas a coriáceas,

livres, parcial ou totalmente conatas; receptáculo plano, cônico, côncavo ou convexo,

epaleáceo ou paleáceo. Flores epíginas, protândricas, monoclinas, diclinas ou neutras, corola

pentâmera, gamopétala, actinomorfa ou zigomorfa, tubulosa, campanulada,

infundibuliforme, ligulada ou bilabiada; androceu isostêmone, estames epipétalos, filetes

livres, anteras bitecas conatas em tubo em torno do estilete, descência introrsas, apêndice

apical distinto, base obtusa, truncada, sagitada ou caudada; gineceu sincárpico, bicarpelar,

ovário ínfero unilocular, uniovulado, óvulo anátropo, unitegumentado, tenuinucelado e

placentação basal, ramos do estilete com tricomas coletores no dorso e área estigmática

internamente continua ou em duas linhas marginais. Frutos cipselas, aquênios, raro diclésios

ou cataclésios, geralmente obcônicos, fusiformes, cilíndricos, arredondados ou comprimidos,

costados, rugosos, tuberculados ou lisos, glabros ou pilosos; carpopódio conspícuo ou

inconspícuo, simétrico ou assimétrico; pápus cerdosos, aristados, escamiformes,

coroniformes ou ausentes, cerdas escabras, barbeladas ou plumosas.

Família cosmopolita encontrada em todos os continentes com exceção do Antártico e

nos mais variados ambientes e tipos de vegetação. Possui 1.535 gêneros e cerca de 23.000

espécies, sendo considerada uma das maiores famílias entre as Angiospermas (Bremer,

1994). Asteraceae está representada no Brasil por aproximadamente 180 gêneros e 3.000

espécies (Hind, 1993) com distribuição desde as regiões mais frias e úmidas, como as serras

do Sudeste e Sul, até as áreas secas na região do semi-árido nordestino (Pereira, 1989), sendo

menos freqüentes em formações florestais.

21

CHAVE PARA OS GÊNEROS

1. Folhas opostas, raras superiores alternas.

2. Lianas ou trepadeiras, volúveis ou escandentes; brácteas involucrais 4, dísticas; capítulos

com 4 flores ....................................................................................................................... 17. Mikania

2.’ Ervas, subarbustos, arbustos ou arvoretas eretos ou prostrados; brácteas involucrais

numerosas, subimbricadas, imbricadas ou eximbricadas; capítulos com 5 ou mais flores.

3. Folhas pinatissectas.

4. Folhas densamente glandulosas; invólucro unisseriado, brácteas involucrais

conatas; aristas do pápus sem tricomas retrorsos........................................... 28. Tagetes

4’. Folhas sem glândulas; invólucro 2-seriado, brácteas involucrais livres; aristas do

pápus com tricomas retrorsos................................................................................ 7. Bidens

3’. Folhas inteiras ou lobadas.

5. Capítulos heterógamos, radiados.

6. Brácteas involucrais internas envolvendo as flores do raio, equinadas e

acrescentes nos frutos; aquênios lisos; pápus ausentes .............. 1.Acanthospermum

6’. Brácteas involucrais internas não acrescentes no fruto; aquênios tuberculados;

pápus coroniformes.

7. Folhas inteiras, lâmina estreito elíptica; páleas lineares, não carenadas; corola alva

ou esverdeada ...................................................................................................... 12. Eclipta

7’. Folhas 3-lobadas, lâmina ovada a elípticas; páleas oblanceoladas, carenadas;

corola amarela ....................................................................................... 25. Sphagneticola

5’. Capítulos homógamos, discóides.

8. Ervas eretas ou decumbentes; receptáculo cônico.

9. Pápus aristados, 5-6 aristas aplainadas............................................... 3. Ageratum

9’. Pápus cerdosos, numerosas cerdas escabras.

10. Invólucro cilíndrico; brácteas involucrais imbricadas, caducas; anteras com

apêndice apical mais largo que longo, base cordada; cipselas 3-4 costadas ou

angulosas, comprimidas ......................................................................... 22. Praxelis

10’. Invólucro campanulado; brácteas involucrais eximbricadas, persistentes;

anteras com apêndice apical mais longo que largo, base obtusa; cipselas 5

costadas, não comprimidas.

22

11. Lâmina foliar com base atenuada; invólucro maior que 7,0mm compr.;

base do estilete pilosa; receptáculo com projeções que se encaixam nas

aureolas de inserção dos carpopódios; cipselas 3,0-4,0mm compr.,

estipitadas, piloso-glandulosas........................................... 8. Campuloclinium

11’. Lâmina foliar com base subcordada a cordada; invólucro até 4,5mm

compr.; base do estilete glabra; receptáculo sem as projeções de encaixe das

aureolas do carpopódio; cipselas com ca. 1,5mm compr., não estipitadas,

glabras ou esparso-glandulosas ........................................................ 6. Barrosoa

8’. Subarbustos, arbustos ou arvoretas, eretos; receptáculo plano ou subconvexo.

12. Capítulos com mais de 5 flores; base do estilete pilosa; carpopódio

conspícuo; pápus com cerdas livres, persistentes ............. 4. Austroeupatorium

12’. Capítulos com 5 flores; base do estilete glabra; carpopódio inconspícuo;

pápus com cerdas unidas na base em anel e caducas em conjunto.........................

................................................................................................... 27. Symphyopappus

1’. Folhas alternas ou basais rosuladas.

13. Invólucro unisseriado.

14. Folhas e brácteas involucrais com glândulas alongadas odoríferas. 21. Porophyllum

14’. Folhas e brácteas involucrais sem glândulas alongadas.

15. Capítulos radiados; corola amarela.

16. Arbustos apoiantes ou escandentes; folhas inteiras; ramos do estilete glabros;

cipselas pentagonais, 5 costadas............................................................. 18. Pentacalia

16’. Ervas, subarbustos ou arbustos, eretos; folhas pinatissectas; ramos do estilete

com coroa de tricomas; cipselas cilíndricas, 8-10 costadas .................... 24. Senecio

15’. Capítulos discóides ou disciformes; corola rósea, avermelhada, alaranjada,

esverdeada ou lilás.

17. Capítulos disciformes, caliculados; flores marginais com corola filiforme e

centrais com corola tubulosa................................................................ 15. Erechtites

17’. Capítulos discóides, desprovidos de calículo; todas as flores com corola

tubulosa........................................................................................................... 14. Emilia

13’. Invólucro 2 a multisseriado.

18. Capítulos discóides.

19. Ervas latescentes, látex branco; corola ligulada, amarela, lígula conspícua;

cipselas 12 costadas............................................................................................. 11. Crepis

23

19’. Ervas, subarbustos, arbustos ou árvores sem látex; flores alvas, creme, lilás ou

púrpuras, lígulas ausentes ou inconspícuas; cipselas 3-10 costadas, estriadas ou

lisas.

20. Subarbustos, arbustos ou arvoretas dióicos; capítulos pistilados com corola

filiforme; capítulos estaminados com corola tubulosa........................ 5. Baccharis

20’. Ervas, subarbustos, arbustos ou árvores monóicos; capítulos com todas as

flores com corola tubulosa ou infundibuliforme.

21. Brácteas subinvolucrais foliáceas.

22. Capítulos reunidos em capítulos secundários, dispostos em

capitulescência corimbiforme ou paniculiforme, 1-5 flores; invólucro

cilíndrico; corola alva; pápus aristados............................... 13. Elephanthopus

22’. Capítulos solitários, multifloros; invólucro cupuliforme; corola lilás a

arroxeada; pápus cerdosos ........................................................ 9. Centratherum

21’. Brácteas subinvolucrais ausentes ou escamiformes.

23. Lâmina foliar glabra; brácteas involucrais subimbricadas; ramos do

estilete curtos, arredondados, glabros; pápus unisseriados.............. 26. Stifftia

23’. Lâmina foliar com indumento de tricomas simples, estrelados ou

escamiformes; brácteas involucrais imbricadas; ramos do estilete longos,

agudos ou obtusos, pilosos até abaixo do ponto de bifurcação; pápus

bisseriados.

24. Face abaxial das folhas com indumento de tricomas tectores estrelados

ou escamiformes; capitulescência axilar; brácteas involucrais caducas ..........

.................................................................................................... 19. Piptocarpha

24’. Face abaxial das folhas com indumento de tricomas tectores simples;

capitulescência terminal; brácteas involucrais persistentes..... 29. Vernonia

18’. Capítulos disciformes.

25. Face abaxial das folhas estrigosa.

26. Ramos alados; capitulescência corimbiforme; capítulos com mais de 100

flores ............................................................................................................... 20. Pluchea

26’. Ramos não alados; capitulescência paniculiforme; capítulos com 50-60 flores .

.......................................................................................................................... 10. Conyza

25’. Face abaxial das folhas lanosa.

27. Capítulos com 5 flores ..................................................................... 2.Achyrocline

24

27’. Capítulos com mais de 10 flores.

28. Invólucro cilíndrico a ovóide; pápus com cerdas unidas na base em anel e

caducas em conjunto...................................................................... 16. Gamochaeta

28’. Invólucro campanulado; pápus com cerdas livres.............. 23. Pterocaulon

1. Acanthospermum Schrank, Pl. rar. hort., monac. 2: 53. 1820, nom. cons.

Tipo: Acanthospermumbrasilum Schrank, Pl. rar. hort., monac. 2: 53. 1820.

Sinômino: Centrospermum Kunth, Nov. gen, sp. 4: 212. 1818.

Ervas anuais, eretas ou prostradas. Folhas pecioladas ou sésseis, opostas, inteiras a

lobadas. Capítulos sésseis ou pedunculados, heterógamos, radiados, plurifloros, solitários ou

em cimas bracteadas; invólucro 2-seriado, brácteas involucrais externas elípticas a ovadas,

foliáceas, internas envolvendo as flores do raio, equinadas, espinhos retos ou uncinados,

acrescentes no fruto; receptáculo convexo, paleáceo, páleas envolvendo as flores do disco,

geralmente caducas. Flores do raio 5-10, pistiladas, unisseriadas, corola amarelo-claro, limbo

curtamente 2-3-denteado. Flores do disco 5-30, estaminadas, corola amarelada, creme ou

alva, tubuloso-infundibuliforme a campanulada, 5-laciniada; anteras negras, apêndice ovado

ou obtuso, base cordada a sagitada; ramos do estilete clavados ou obtusos, pilosos, região

estigmática em duas linhas. Aquênios negros, obcônicos a oblongo-fusiformes, lisos e

glabros, às vezes levemente comprimidos, diásporos equinados, devido às brácteas

involucrais acrescentes; pápus ausentes.

Gênero representado por oito espécies com distribuição em toda a América Tropical

(Nash, 1976), das quais duas, Acanthospermum australe (Loef.) Kunth e A. hispidum DC.,

ocorrem como introduzidas também nas regiões paleotropicais (Pruski, 1997a). No Brasil

são encontradas Acanthospermum australe e A. hispidum.

De Candolle (1836) sinonimizou Acanthospermum em Centrospermum Kunth, entretanto,

apesar de correta, essa sinonimização não foi adotada em trabalhos posteriores e, atualmente,

é um nome conservado sobre Centrospermum, uma vez que possui interesse econômico, sendo

amplamente conhecido e adotado em literaturas de agronomia, ecologia e jardinagem, bem

como nos trabalhos de inventários florísticos (Pruski, 1997b).

25

Acanthospermum e Melampodium L. têm em comum as flores do disco monoclinas

funcionalmente estaminadas e o invólucro constituído de brácteas involucrais internas que

envolvem os frutos das flores radiais, sendo distintos especialmente pela ornamentação na

parede dos aquênios que em Acanthospermum élisa e em Melampodium é estriada (Robinson,

1981; Stuessy, 1975).

1.1. Acanthospermum australe (Loefl.) Kuntze, Revis. gen. pl. 1: 303. 1891.

Basiônimo: Melampodiumaustrale Loefl., Iter hispan.: 268. 1758. Tipo: Venezuela, “ad fluvium

Orinoco per Barcellonam & Las Missiones de Piritu”, Loefling s.n., 17-XII-1754 (LINN).

Nomes vulgares: carrapichinho, carrapicho-rasteiro, chifrinho (Kissmann & Groth 1999;

Nakajima, 2001).

Ilustração em: Pruski (1997a), p. 197, fig. 156.

Erva prostrada, indumento constituído de tricomas tectores unisseriados,

multicelulares e/ou tricomas glandulares sésseis ou estipitados, acastanhados ou alvos; ramos

cilíndricos, vináceos, hirsutos, tricomas alvos. Lâmina foliar ovada ou deltóide, 2,0-2,5cm

compr., 1,3-1,5cm larg., subcartácea, glabrescente, denso-glandulosa, ápice agudo a obtuso,

base atenuada, margem serreada na metade superior, nervação acródroma; pecíolo 2,0-

3,5mm compr. Capítulos em cimas bracteadas, terminais ou axilares, pedúnculos 0,7-1,0cm

compr., tomentosos, acastanhados; brácteas involucrais externas 5, ovadas a elípticas, 2,5-

3,5mm compr., 2,0-2,5mm larg., foliáceas a membranáceas, estrigoso-glandulosas,

glabrescentes, ápice agudo a obtuso, margem ciliada, internas glandulosas, espinhos

uncinados; páleas oblanceoladas, ca. 2,0mm compr., 0,5mm larg., escariosas, carenadas,

margem inteira, fimbriada na porção apical. Floresdo raio 5-8 (-9), corola tubulosa, 1,3-

1,5mm compr., ca. 0,5mm larg., esparso-glandulosa, tricomas estipitados, irregularmente 3-

laciniada, lacínios glabros; ramos do estilete ca. 0,3mm compr., papilosos. Floresdo disco

12-21, corola infundibuliforme, 2,0-2,3mm compr., tubo 0,5-0,7mm compr., ca. 0,2mm larg.,

piloso na região externa da fauce; limbo 1,5-1,6mm compr., ca. 1,0mm larg., glabro, lacínios

ca. 0,5mm, glandulosos; anteras com apêndice ovado, base cordada; ramos do estilete

clavados. Aquênios oblongo-fusiformes, 2,0-5,0mm compr., 1,5-2,0mm larg.; diásporo com

espinhos uncinados.

26

Observações: Acanthospermum australeocorre no sudeste dos Estados Unidos, Antilhas

e toda América do Sul, exceto no Equador e no Chile, nas regiões paleotropicais apenas

como introduzida (Pruski, 1997a). No Brasil pode ser encontrada em praticamente todos os

Estados (Nakajima, 2000). Apesar de ser considerada planta ruderal não é comum na Ilha do

Cardoso, tendo sido coletada apenas duas vezes em vegetação de duna.

Acanthospermum australe pode ser diferenciada de A. hispidum por esta última apresentar

capítulos sésseis e diásporos com espinhos eretos e apicalmente terminados por duas

projeções eretas bem desenvolvidas.

Material examinado: J.E.L. Ribeiro 577, fr., dunas, 30-V-1989 (HRCB); G.L.

Webster 25545, fl., fr., 25°05’S, 47°55’W, fruticeto com Dalbergia, local arenoso, 14-X-1986

(SP).

2. Achyrocline (Less.) DC., Prodr. 6: 220. 1838.

Tipo: Achyroclinesatureioides (Lam.) DC., Prodr. 6: 220. 1838.(=Gnaphalium satureioides Lam.)

Ervas perenes, subarbustos ou arbustos, eretos ou decumbentes, indumento

geralmente tomentoso, aracnóide a lanoso; ramos alados ou não. Folhas sésseis ou

pecioladas, alternas, lâmina linear a ovada. Capitulescência glomeruliforme, cimoso-

paniculada a corimbiforme, laxa ou densa, raro capítulos solitários. Capítulos sésseis ou

curto pedunculados, heterógamos,disciformes, paucifloros; invólucro cilíndrico, ovóide,

oblongo ou campanulado, 2-3-seriado, brácteas involucrais imbricadas, escariosas, hialinas,

cremes, amarelas ou alvas, externas gradualmente menores, lanosas na base, internas

glandulosas; receptáculo plano, normalmente epaleáceo. Flores marginais normalmente até

10, pistiladas, corola creme ou amarelada, filiforme, 5-laciniada ou 2-4-fendida. Flores

centrais 1-4 (-6), monoclinas, corola creme ou amarelada, tubulosa, 4-5-laciniada, lacínios

pilosos, tricomas glandulares estipitados; anteras com apêndice estreito-ovado, base caudada;

base do estilete espessada, glabra, ramos delgados, truncados, pilosos. Cipselas cilíndricas a

ovóides, 4-5-costadas, levemente comprimidas, papilosas; pápus unisseriados, cerdas livres,

escabras, caducas.

27

Achyrocline compreende cerca de 30 espécies com maior diversidade na América do

Sul, das quais quatro ou cinco ocorrem no México e América Central, e algumas na África e

Madagascar (Dillon & Alva, 1991a; Giangualani, 1976). São referidas para o Brasil quatro

espécies com distribuição principalmente nas regiões Sudeste e Sul (Nakajima, 2000).

De Candolle (1836) elevou as espécies de Gnaphalium subgen. Achyrocline Less. que

apresentavam flores pistiladas em uma única série à categoria de gênero, referindo para o

novo gênero 12 espécies, das quais cinco eram novas, deixando em Gnaphalium L. apenas as

espécies de flores pistiladas em duas séries (Giangualani, 1976).

Para Dillon & Alva (1991a), Achyrocline é caracterizado por espécies com capítulos

heterógamos com poucas flores e cipselas com epicarpo papiloso, composto de células

epidérmicas apicais imbricadas. Entretanto, essa última característica também é encontrada

em Gnaphalium e Stenocline DC., gêneros morfologicamente relacionados à Achyrocline e

diferenciados em geral pelo número de flores e tamanho dos capítulos. Para esses autores, os

limites genéricos entre Achyrocline, Gnaphalium e Stenocline ainda não estão bem definidos,

necessitando de mais estudos, opinião já expressada por Cabrera (1961) para Achyrocline e

Gnaphalium. Por outro lado, para Giangualani (1976), além da afinidade morfológica com

Gnaphalium, Achyrocline assemelha-se também a Gamochaeta Wedd. e Lucila Cass.,

distinguindo-se em geral por esses dois gêneros apresentarem pápus com cerdas unidas na

base em anel e caducas em conjunto

2.1. Achyrocline satureioides (Lam.) DC., Prodr. 6: 220. 1838.

Basiônimo: Gnaphaliumsatureioides Lam., Encycl. 2(2): 747. 1788. Tipo: Uruguai, Montevidéu,

Commerson s.n., 1767 (Holótipo P; Isótipo G).

Nomes vulgares: macela, macela-amarela (Kissmann & Groth, 1999).

Ilustração em: Giangualani (1976), p. 564, fig. 6.

Fig. 3 A.

Erva 50,0-80,0cm alt., cespitosa, indumento constituído de tricomas tectores,

unisseriados, unicelulares, alvos; ramos cilíndricos, não alados. Folhas sésseis, lâmina

elíptica, 3,8-7,5cm compr., 0,4-1,0cm larg., membranácea, discolor, face adaxial verde,

glabrescente, abaxial cinérea, lanosa, ápice agudo, base decorrente ou obtusa, margem inteira,

nervação broquidódroma. Capitulescência cimoso-corimbiforme, glomeruliforme.

28

Capítulos sésseis a subsésseis, 5 flores; invólucro estreito-ovóide, 4,5-5,5mm compr., 1,0-

2,0mm larg., 3-seriado, brácteas involucrais ovadas a oblongas, amareladas, ápice agudo, base

com mácula esverdeada, externas 3,0-3,5mm compr., ca. 1,0mm larg., internas 4,5-5,5mm

compr., ca. 0,8mm larg.; receptáculo epaleáceo. Flores marginais 4, corola creme, 3,5-

3,7mm compr.; ca. 0,2mm larg., base alargada, 5-laciniada, lacínios curtos, ca. 0,1mm, piloso-

glandulosos; ramos do estilete obtusos, ca. 0,6mm compr., papilosos. Flores centrais 1,

monoclinas, corola 3,5-3,7mm compr., 0,4mm larg., 5-laciniada, lacínios ca. 0,4mm,

glandulosos, tricomas estipitados; estilete 5,0-5,3mm, ramos ca. 0,8mm. Cipselas negras,

cilíndricas, 0,5-0,6mm compr., ca. 0,4mm larg., lisas ou 4 costadas, glabras; pápus 3,0-3,5mm,

cerdas amareladas.

Observações: Achyroclinesatureioides é nativa da América do Sul, sendo muito comum

no Peru, Bolívia, Brasil, Uruguai e Argentina, tanto em vegetação de campos de altitude

quanto em restinga (Dillon & Alva, 1991 b). Na Ilha do Cardoso ocorre principalmente em

vegetação de duna.

Das quatro espécies encontradas no Brasil, A. satureioides é morfologicamente mais

relacionada à A. alata (Kunth) DC., sendo distinta principalmente por esta apresentar ramos

alados.

Achyroclinesatureioides é utilizada na medicina popular em infusões no tratamento de

problemas gástricos e também como enchimento de travesseiros e almofadas com efeito

calmante (Kissmann & Groth, 1999).

Material examinado: D.A. De Grande & E.A. Lopes 59, fl., próximo ao centro de

pesquisa, 05-IV-1978 (SP, SPSF); S. Romaniuc Neto et al. 02, fl., duna posterior em frente

ao CERPANIC, 05-IV-1982 (SP); M. Sakane 446, fl., fr., Praia do Marujá, 16-III-1976 (SP);

F.O. Souza & R.S. Bianchini 224, fl., fr., Praia de Itacuruçá, vegetação de duna, 17-IV-2005

(SP); F.O. Souza et al. 250, fl., Praia do Marujá, trilha próxima à Pousada do Cardoso, 03-VI-

2005 (SP).

29

3. Ageratum L., Sp. pl. 2: 839. 1753.

Tipo: Ageratum conyzoides L., Sp. pl. 2: 839. 1753.

Ervas anuais ou perenes, raro subarbustos; ramos cilíndricos, estriados, laxamente

pubérulos a hirsutos. Folhas pecioladas, opostas, raro alternas, lâmina elíptica, ovada,

estreito-ovada ou deltóide, face abaxial glanduloso-pontuada, glândulas grandes, globosas,

margem inteira, denteada ou crenada. Capitulescência corimbiforme, capítulo solitário ou

panícula irregular. Capítulos pedunculados, homógamos, discóides, 20-120 flores; invólucro

2-3-seriado, brácteas involucrais eximbricadas, oblongas a estreito-ovadas, escariosas;

receptáculo cônico, epaleáceo. Corola alva, azul, lavanda ou lilás, infundibuliforme, 5-

laciniada, lacínios triangulares, papilosos em ambas as faces, às vezes externamente híspidos;

anteras com apêndice distinto, bem desenvolvido, ovado; ramos do estilete agudos,

papilosos. Cipselas 4-5-costadas, glabras ou curto-sedosas; carpopódio distinto, bem

desenvolvido e assimétrico; pápus com 5-6 aristas aplainadas, coroniformes ou ausentes.

Ageratum possui 44 espécies distribuídas nas Américas Central e do Sul, inclusive em

regiões insulares. Espécies como Ageratumconyzoides L. e A.houstonianum Miller apresentam

distribuição mais ampla devido à introdução como plantas ornamentais ou medicinais

(Bremer, 1994). No Brasil são encontradas cinco espécies, das quais três possuem vasta

distribuição, especialmente nas regiões Sudeste e Sul (Nakajima, 2000).

Tradicionalmente, as espécies de Ageratum são caracterizadas por apresentarem

apêndices das anteras bem distintos, relativamente grandes e cipselas com cinco costelas.

Robinson (1913) redelimitou o gênero, caracterizando-o por apresentar espécies com pápus

constituído de cinco escamas bem distintas, ou por uma estrutura curta (coroniforme)

formada por escamas conatas ou pápus ausentes, sendo esse conceito adotado por Johnson

(1971) na revisão de Ageratum. Posteriormente, King & Robinson (1972a) transferiram

algumas espécies de Alomia Kunth (gênero exclusivo do México) para Ageratum, que passou a

ser delimitado especialmente por seus representantes apresentarem folhas com face abaxial

glanduloso-pontuada, glândulas grandes, globosas, receptáculo cônico, apêndice das anteras

e carpopódio distintos, bem desenvolvidos, e pápus coroniformes, aristados ou ausentes

(King & Robinson, 1987; Nakajima, 2000).

30

3.1. Ageratum conyzoides L., Sp. pl. 2: 839. 1753. Tipo: Lectótipo, designado por Jarvis &

al., Regnum Veg. 127: 15. 1993: in Hermann, Parad. Bot., ic. 161. 1698.

Nomes vulgares: catinga-de-bode, mentrasto, picão-roxo (Cabrera & Klein, 1989; Kissmann

& Groth, 1999).

Ilustrações em: Funk & Pruski (1996), p. 89, fig. 30; Pruski (1997a), p. 206, fig. 162.

Erva ereta, 25,0-60,0cm alt., indumento constituído de tricomas tectores unisseriados,

multicelulares, translúcidos e/ou tricomas glandulares, dourados; ramos geralmente vináceos,

hirsutos. Folhas opostas,lâmina ovada, 1,5-3,5cm compr., 1,0-1,7cm larg., membranácea,

face adaxial esparso-estrigosa, face abaxial esparso-hirsuta, glandulosa, ápice agudo, base

curto-atenuada a obtusa, margem crenada, nervação actinódroma basal; pecíolo 0,5-2,5cm.

Capitulescência em cimas corimbiformes. Capítulos com 30-54 flores; invólucro 2-3-

seriado, campanulado, 3,5-4,0mm compr., 3,0mm larg., brácteas involucrais esparso-pilosas,

ápice arroxeado, agudo a mucronado, margem esparso-serreada, externas 3,0-3,5mm compr.,

0,9mm larg., internas 4,0-4,5mm compr., 0,5-0,7mm larg. Corola alva, azul-claro, lavanda a

lilás, 1,6-2,0mm compr., pouco diferenciada em tubo e limbo, base alargada, tubo ca. 1,0mm

compr., 0,2mm larg., glanduloso; limbo 1,0mm compr., 0,5mm larg., glabro, 4-laciniado,

lacínios ca. 0,2mm, externamente híspidos; anteras com base obtusa; ramos do estilete

1,5mm compr. Cipselas negras, cilíndricas, 1,0-1,6mm compr., 0,3mm larg., 4-5-costadas,

costelas curto-sedosas, carpopódio alvo; pápus aristados, 5 aristas aplainadas, ca. 1,7mm

compr., alvas, unidas na base, margem serreada.

Observações: Espécie nativa das Américas Central e do Sul, atualmente com

distribuição pantropical, ocorrendo desde o nível do mar até 2.500m de altitude (Johnson,

1971). No Brasil é encontrada em praticamente todos os Estados, principalmente em áreas

antropizadas e em lavouras, sendo menos freqüente na região Sul (Kissmann & Groth,

1999). Na Ilha do Cardoso ocorre em terrenos arenosos e úmidos, próximos às casas e

laboratórios.

Ageratumconyzoides compartilha com A. houstonianum o tipo de capitulescência,

formato das folhas e tipo de tricomas, podendo ser diferenciada de A. houstonianum por esta

possuir flores com corola maior, ca. 3,0mm compr., lacínios com indumento mais denso e

aristas do pápus com estreitamento gradual em direção ao ápice (King & Robinson, 1975).

31

Johnson (1971) reconheceu duas subespécies para A. conyzoides, a subsp. conyzoides e a

subsp. latifolium, distinguindo-as por caracteres relacionados ao comprimento e formato do

ápice das aristas do pápus e, de acordo com essa classificação, os materiais da Ilha do

Cardoso enquadram-se na subespécie típica.

Espécie de grande importância econômica, provavelmente foi uma das primeiras

plantas cultivada na Europa, uma vez que sua “domesticação” foi referida por Linnaeus, em

1748, no Hortus Upsaliensis (Johnson, 1971). Além de ser considerada ruderal, invadindo

lavouras e jardins, é muito utilizada por populações rurais em praticamente todos os locais

de sua ocorrência como erva medicinal no tratamento de diversas doenças, geralmente

relacionadas ao sistema circulatório.

No Brasil, Ageratumconyzoides é considerada planta com valor medicinal, sendo usada

na forma de infusão com ação carminativa, febrífuga, diurética, antiflamatória, analgésica e

cicatizante, fazendo parte do Programa de Aproveitamento de Plantas Medicinais Brasileiras

da Central de Medicamentos (CEME). Também é benéfica no controle do ácaro vermelho

que ataca plantações de cítricos (Kissmann & Groth, 1999).

Material examinado: A. Custodio Filho & S.F.C. Muniz 131, fl., fr., próximo aos

laboratórios, terreno alagado, 21-VIII-1979 (SP); T.M. Lewinsohn et al. 18206, fl., fr., beira

da estrada em mata de restinga e em torno da estação, em local úmido e sombreado, 03-XII-

1985 (UEC).

4. Austroeupatorium R.M. King & H. Rob., Phytologia 19(7): 433. 1970.

Tipo: Eupatorium inulifolium Kunth, Nov. gen. sp. 4: 85. 1820.

Ervas, subarbustos ou arbustos perenes, eretos; ramos cilíndricos, estriados. Folhas

opostas, às vezes as superiores subopostas ou alternas, pecioladas, lâmina inteira, ovada a

estreito-oblonga, margem crenulada a serreada. Capitulescência paniculoso-corimbosa.

Capítulos curto-pedunculados, homógamos, discóides, 8-20 flores; invólucro 2-3-seriado,

brácteas involucrais escariosas, geralmente semelhantes no comprimento; receptáculo plano

ou subconvexo, epaleáceo. Flores monoclinas, corola creme ou lilás, estreito-

infundibuliforme, externamente glandulosa, 5-laciniada, lacínios triangulares, internamente

glabros; anteras com apêndice ovado-oblongo, base obtusa, colar cilíndrico; base do estilete

32

engrossada, pilosa, ramos obtusos, curto-papilosos. Cipselas prismáticas, 5-costadas,

glandulosas; carpopódio conspícuo, alongado; pápus cerdosos, cerdas livres, escabras,

persistentes.

Austroeupatorium compreende 13 espécies distribuídas principalmente na América do

Sul, com A. inulifolium (Kunth) R.M. King & H. Rob. ocorrendo como introduzida na

Indonésia e Sri Lanka (King & Robinson, 1987).

Esse gênero foi estabelecido por King & Robinson (1970a) a partir de espécies de

Eupatorium L.sect. Heterolepis Baker que apresentavam carpopódio distinto e colar das anteras

com espessamento da parede celular em forma de anel.

De acordo com King & Robinson (1987) Austroeupatorium é semelhante à Eupatorium

sensu stricto por apresentar corola glandulosa com lacínios internamente glabros e

externamente papilosos, base do estilete pilosa e as cipselas com epicarpo glanduloso,

entretanto difere de Eupatorium por este apresentar carpopódio inconspícuo e colar das

anteras com parede celular com pontuações moniliformes. Além dessas características,

Esteves (2001) refere o formato do invólucro para auxiliar na separação dos gêneros, sendo

campanulado em Austroeupatorium e cilíndrico em Eupatorium.

4.1. Austroeupatorium inulifolium (Kunth) R.M. King & H. Rob., Phytologia 19(7):

434. 1970.

Basiônimo: Eupatorium inulifolium Kunth, Nov. gen. sp. 4: 85. 1820. Tipo: Colombia, “Crescit

in dumetis juxta urbem Mariquitae Novo-Granatensium, alt. 430 hex.”, Humboldt & Bonpland

s.n., VI-1801 (P).

Ilustrações em: King & Robinson (1987), p. 68, prancha 5; Pruski (1997), p. 208, fig. 165.

Subarbusto até 2,5m alt., indumento constituído de tricomas tectores, unisseriados,

multicelulares, acastanhados e/ou tricomas glandulares sésseis, acastanhados; ramos

pintalgados de verde-escuro, curto-vilosos. Folhas opostas, superiores alternas, lâmina

ovada a estreito-ovada, 8,0-16,0cm compr., 3,0-10,0cm larg., membranácea a cartácea,

discolor, face adaxial verde-escuro, curto-estrigosa, abaxial verde-claro, esparso-vilosa,

glandulosa, ápice acuminado a caudado, base atenuada a decorrente, margem serreado-

glandulosa, nervação actinódroma supra-basal, tomentosa; pecíolo 2,0-3,0cm, curto-viloso,

33

tomentoso. Capítulos com 10 flores; invólucro 3-seriado, campanulado, 3,5-5,0mm compr.,

3,0-3,5mm larg., brácteas involucrais creme-esverdeadas, ovadas a oblongas, externas 1,5-

2,5mm compr., 0,6-1,0mm larg., esparso-vilosas, glandulosas, ápice arredondado, margem

ciliada, internas 3,5-6,0mm compr., 0,8-1,0mm larg., glabras, 1-3-nervadas, ápice agudo,

margem ciliada em direção ao ápice; receptáculo plano. Corola creme, 3,0-4,0mm compr.,

base alargada, tubo 2,0-2,5mm compr., ca. 0,4mm larg., limbo 1,0-1,5mm compr., ca. 0,6mm

larg., lacínios ca. 0,5mm; ramos do estilete 2,6-3,3mm compr. Cipselas negras, 1,0-1,7mm

compr., ca. 0,4mm larg., esparso-glandulosas a glabras, costelas alvas; pápus 3,0-4,0mm,

cerdas creme.

Observações: Espécie com distribuição na América Central e Sul, sendo encontrada

desde o Panamá até a Argentina, e como introduzida na Indonésia e Sri Lanka (King &

Robinson, 1987). É encontrada em praticamente todo o território brasileiro, exceto na região

Norte (Esteves, 2001).

Austroeupatoriuminulifolium é facilmente confundida com Heterocondylusalatus (Vell.)

R.M. Rob., quando em estado vegetativo, principalmente pelo formato, margem e

indumento das folhas. Diferenciam-se geralmente por caracteres florais, como o tipo de

capitulescência e o número de flores no capítulo, que em H. alatus são sempre amplas

panículas e capítulos com maior número de flores, geralmente vinte.

Material examinado: D.A. De Grande & E.A. Lopes 87, fl., fr., 19-IV-1978 (SPSF);

F.O. Souza et al. 231, fl., fr., próximo ao trapiche, borda de mata próxima ao costão

rochoso, 17-IV-2005 (SP).

5. Baccharis L., Sp. pl. 2: 860. 1753. nom. cons.

Tipo: Baccharishalimifolia L., Sp. pl. 2: 860. 1753.

Subarbustos, arbustos ou arvoretas, dióicos; ramos cilíndricos, angulosos ou alados,

folhosos ou áfilos. Folhas sésseis ou pecioladas, geralmente alternas, forma, tamanho e

textura variadas, pilosas ou glabras. Capitulescência paniculiforme, corimbiforme,

espiciforme ou capítulos isolados. Capítulos pedunculados ou sésseis, homógamos,

discóides; invólucro campanulado, ovóide, subgloboso ou cilíndrico, 3-8-seriado, brácteas

34

involucrais imbricadas, escariosas a subcoriáceas; receptáculo plano, côncavo ou convexo,

alveolado, epaleáceo ou paleáceo. Floresestaminadas com corola geralmente creme a alva,

tubulosa, tubo estreito ou alargado, limbo campanulado, infundibuliforme ou

hipocrateriforme, 5-laciniado, lacínios curtos ou longos, retos ou revolutos; anteras com

apêndice do conectivo oblongo, base obtusa; estilete tênue, claviforme, ápice inteiro ou

dividido em dois ramos curtos; ovário rudimentar, estéril; pápus unisseriados, cerdas

estrigosas, flexuosas ou crespas na base, geralmente espessadas no ápice. Flores pistiladas

com corola geralmente creme ou alva, filiforme, truncada, denteada ou curto-ligulada; estilete

exserto, ramos linear-oblongos, subulados ou agudos, margem engrossada ou não, papilosos.

Cipselas ovóides, cilíndricas a obcônicas, 5-10-costadas ou estriadas, glabras ou

pubescentes; pápus unisseriado, cerdosos, cerdas delgadas, eretas ou crespas, escabras.

Gênero exclusivamente americano com cerca de 400 espécies (D´Arcy, 1975; Nesom,

1990) distribuídas desde o sul dos Estados Unidos até o extremo sul da Argentina e Chile

(Giuliano, 2001). No Brasil está representado por cerca de 120 espécies, com maior

diversidade nas regiões Sudeste e Sul (Barroso, 1976). Para o Estado de São Paulo estão

listadas no banco de dados da Flora Fanerogâmica de São Paulo cerca de 80 espécies, das

quais, quatro estão representadas na Ilha do Cardoso.

Seus representantes ocorrem em diversos ambientes, desde muito úmidos a

extremamente secos e nas mais variadas formações vegetais. Algumas espécies são bem

definidas, endêmicas de determinadas áreas, enquanto que outras são polimórficas e de

ampla distribuição geográfica (Cuatrecasas, 1969). Os centros de diversidade de espécies são

os Andes da Colômbia e regiões Centrais do Chile e Argentina, áreas montanhosas do

Sudeste do Brasil, Uruguai e leste do Paraguai e um pequeno centro no México, onde muitas

espécies são endêmicas (Müller, 2006).

Linnaeus (1753) ao estabelecer o gênero Baccharis reconheceu quatro espécies, das

quais apenas Baccharishalimifolia L.apresenta a dioicia que atualmente caracteriza o gênero,

contrariando a diagnose original, na qual o táxon foi descrito como monóico. Em 1807,

Persoon apud Barroso (1976) sinonimizou todas as espécies de Molina Ruiz & Pav. (um

gênero dióico) em Baccharis, sendo esta delimitação amplamente aceita e adotada por vários

autores e, desde então, o caráter dioicia vem sendo considerado como uma sinapomorfia de

Baccharis e adotado por vários autores (Kunth, 1820; De Candolle, 1836; Baker, 1882,

Heering, 1905; Cuatrecasas, 1967, 1969; Cabrera, 1971; Barroso, 1976; Hellwig, 1993), sendo

35

esse nome conservado pelo Código Internacional de Nomenclatura Botânica (McNeill et al.,

2006).

Três espécies foram segregadas de Baccharis, duas passaram a compor o gênero

Baccharidastrum Cabrera por apresentarem 2-6 flores masculinas em capítulos com muitas

séries de flores femininas, e uma única espécie foi situada em Baccharidiopsis G.M. Barroso

por apresentar indivíduos monóicos e dióicos. Entretanto, em alguns trabalhos mais recentes

(Nesom, 1988a,b; Bremer, 1994; Nakajima et al., 2001; Müller, 2006), a delimitação do

gênero vem sendo reavaliada, e as espécies desses dois gêneros foram novamente agregadas

em Baccharis, que passou a ser caracterizado por espécies dióicas com algumas exceções

androginodióicas.

CHAVE PARA AS ESPÉCIES

1. Subarbustos cespitosos; ramos alados, áfilos ou folhas reduzidas até 5,0mm compr. .............

.........................................................................................................................................5.4. B. trimera

1.’ Arbustos ou arvoretas; ramos cilíndricos, folhosos, folhas maiores que 20,0mm compr.

2. Margem das folhas serreada, nervação acródroma; capítulos estaminados geralmente

solitários, os pistilados agrupados em capitulescências curtas, racemiformes ........................

.............................................................................................................................. 5.2. B. schultzii

2.’ Margem das folhas inteira, nervação broquidódroma; capítulos estaminados e

pistilados em amplas capitulescências paniculiformes ou corimbiformes.

3. Invólucro dos capítulos estaminados 3,0-4,0mm compr., corola infundibuliforme,

2,5-3,0mm, glabra, lacínios patentes; capítulos pistilados com ca. 15 flores, invólucro

campanulado, 3,5-4,0mm compr., corola 2,5-3,0mm compr., anel de tricomas no ¼

superior; cipselas 5 costadas, esparso-pilosas; pápus 3,3-4,0mm compr............................

............................................................................................................5.1. B. brachylaenoides

3.’ Invólucro dos capítulos estaminados 5,0-9,0mm compr., corola tubulosa, 5,0-

6,0mm, pilosa; capítulos pistilados com ca. 30 flores, invólucro cilíndrico, 7,0-10,0mm

compr., corola 4,5-5,0mm compr., esparso-pilosa; cipselas 10 costadas, glabras; pápus

7,0-10,0mm compr. .................................................................................... 5.3. B. singularis

36

5.1. Baccharis brachylaenoides DC., Prodr. 5: 421. 1836. Tipo: Brasil, Rio de Janeiro,

Corcovado, Lund 609. 1834 (G)

Fig. 4-8.

Arbusto 1,0-4,0m alt.; ramos cilíndricos, estriados, glabros. Folhas sésseis, verticiladas,

lâmina oblanceolada a elíptica, 7,5-17,0cm compr., 1,2-3,0cm larg., subcoriácea, glabra,

discolor, face adaxial verde-escura, abaxial verde-clara, ápice acuminado a agudo,

mucronulado, base decorrente, margem inteira, revoluta, nervação broquidódroma, nervura

central proeminente na face abaxial. Capitulescência terminal, frondoso-bracteada,

paniculiforme em indivíduos masculinos e corimbiformes em femininos; bráctea

subinvolucral triangular 2,0-3,0mm compr., ca. 0,4mm larg., glabra, margem fimbriada a

ciliada. Capítulosestaminados pedunculados, ca. 20 flores; invólucro campanulado, 3,0-

4,0mm compr., 2,5-3,0mm larg., 2-3-seriado, brácteas involucrais ovadas a oblongas,

escariosas, glabras, mais escuras na base, externas 1,3-2,0mm compr., ca. 0,7mm larg.,

margem fimbriada, ápice ciliado, internas 2,5-3,5mm compr., 0,7-1,2mm larg., margem

hialina, irregular, ápice obtuso a arredondado, fimbriado a ciliado; receptáculo cônico,

epaleáceo. Corola infundibuliforme, 2,5-3,0mm compr., pouco diferenciada em tubo e

limbo, glabra, lacínios 1,0-1,2mm, triangulares, patentes; pápus com cerdas 2,5-3,0mm, eretas

ou levemente crespas na base, alvas. Capítulos pistilados pedunculados, ca. 15 flores;

invólucro campanulado, 3,0-4,0mm compr., 3,0-3,5mm larg., 3-seriado, brácteas involucrais

ovadas a estreito-ovadas, glabras, externas 1,5-1,7mm compr., 1,0mm larg., margem

fimbriada, ápice obtuso, ciliado, internas 3,5-4,0mm compr., 0,8mm larg., margem hialina,

fimbriada em direção ao ápice, ápice agudo; receptáculo convexo, paleáceo, páleas lineares,

ca. 4,5mm compr. Corola 2,5-3,0mm compr., ca. 0,3mm larg., glabra, anel de tricomas no

1/4 superior do tubo; estilete 6,0mm compr., glabro, ramos ca. 1,0mm compr., escuros,

glabros. Cipselas acastanhadas, cilíndricas, 1,5-1,8mm compr., 0,5mm larg., 5 costadas,

esparso-pilosas, tricomas concentrados na região apical; pápus 3,3-4,0mm, cerdas eretas,

alvas.

Observações: Distribui-se por toda América Tropical, desde a região do Caribe até o

Brasil (Cuatrecasas, 1967; 1969), principalmente em vegetações de altitude. No Brasil ocorre

nos Estados da Bahia, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio

37

Grande do Sul (Barroso, 1976; Barroso & Bueno, 2002). Na Ilha do Cardoso é rara, tendo

sido coletada até o momento apenas no Morro do Cardoso, em vegetação de floresta de

encosta.

Espécie polimórfica, apresentando variações no tamanho e formato das folhas,

levando especialistas ao reconhecimento de variedades ou formas (Cuatrecasas, 1967, 1969;

Barroso, 1976; Barroso & Bueno, 2002). Entretanto, neste trabalho não se adotou esse

conceito devido aos poucos materiais analisados.

Baccharisbrachylaenoides é muito semelhante à Baccharisgrandimucronata I.L. Teodoro,

quanto ao formato das folhas e morfologia das flores, sendo distintas principalmente por B.

grandimucronata apresentar folhas com margem serreada na metade superior. Outra espécie

geralmente confundida com B. brachylaenoides é B. ligustrina DC., entretanto, esta última possui

folhas linear-espatuladas, normalmente mais estreitas (até 1,5cm larg.), densamente

glandulosas, receptáculo dos capítulos pistilados epaleáceo e cipselas glandulosas.

Material examinado: F. Barros et al. 1889, fl. ♀, Morro do Cardoso, primeiro pico

na trilha para o Pico do Cardoso, 12-IX-1990 (K, SP, UEC).

Material adicional examinado: A. Custodio Filho 100, fl. ♀, São Paulo, Santo

André, Estação Biológica do Alto da Serra de Paranapiacaba, picada 7, 01-VIII-1979 (SP); G.

Eiten & L.T. Eiten 7484, fl. ♂, Rio de Janeiro, Resende, Parque Nacional do Itatiaia, 1845m

altitude, 28-VIII-1966 (SP); F.C. Hoehne, fl. ♂, São Paulo, Santo André, Alto da Serra, 28-

VIII-1918 (SP2386); H.F. Leitão Filho 854, fl. ♀, São Paulo, rodovia São Luiz do Paraitinga-

Ubatuba, 23-VII-1969 (IAC, SP); M. Sakane 166, fl. ♀, São Paulo, Campos do Jordão, 18-

VIII-1974 (K, SP); S. Sarti & D. Santos Jr. 4647, fl. ♀, São Paulo, km 69 na estrada São José

dos Campos-Caraguatatuba, 20-I-1977 (SP, UEC).

5.2. Baccharis schultzii Baker, in Martius, Fl. bras. 6(3): 78. 1882. Tipo: Brazil, “Umbr.

St. Carlos”, Riedel 1733, s.d. (Síntipo NY, Foto 162327!)

Fig. 9-13.

Arvoreta até 2,5m alt.; ramos cilíndricos, glabros, folhosos, cicatricosos. Folhas

verticiladas, lâmina elíptica, raro oblanceolada, 4,0-6,0cm compr., 1,5-2,0cm larg., coriácea,

face adaxial glabra, abaxial glandulosa, glândulas enegrecidas, imersas, ápice agudo a obtuso,

38

base atenuada, margem serreada na metade superior, nervação acródroma basal; pecíolo 1,0-

1,5cm; bráctea subinvolucral elíptica a espatulada, 6,0-35,0mm compr., 1,5-15,0mm larg.,

glabra. Capítulos estaminados pedunculados, geralmente solitários, dispostos em ramos

apicais, ca. 14 flores; invólucro campanulado, 5,0-6,0mm compr., 4,0mm larg., 4-seriado,

brácteas involucrais ovadas a elípticas, escariosas, brilhantes, glabras, ápice fimbriado, mácula

escura na região apical, externas 1,5mm compr., ca. 1,2mm larg., internas ca. 4,8-5,5mm

compr., 1,2mm larg.; receptáculo plano, epaleáceo. Corola tubulosa, 4,0-5,5mm compr., ca.

1,0mm larg., pilosa na região externa da fauce, lacínios oblongos, 2,0mm, revolutos; pápus

4,0-5,0mm, cerdas alvas, crespas até a metade, ápice alargado. Capítulos pistilados sésseis,

2-6 agrupados em capitulescência curta, racemiforme, 10-11 flores; invólucro cilíndrico, 6,0-

8,5mm compr., ca. 4,0mm larg., 4-seriado, brácteas involucrais ovadas a elípticas, escariosas,

brilhantes, glabras, margem inteira, hialina; externas 0,8-1,2mm compr., ca. 0,7mm larg.,

ápice com mácula acastanhado-esverdeada; internas 7,0-9,0mm compr., 1,0mm larg., ápice

ciliado; receptáculo plano, alveolado. Corola 4,0-4,5mm compr., ca. 0,1mm larg., glabra,

ápice denteado, base alargada; estilete 6,0mm compr., ramos agudos ca. 1,0mm compr.

Cipselas elipsóides, 1,5-2,5mm compr., ca. 0,3mm larg., 10 costadas, costelas evidentes,

glabras; pápus 6,0mm compr., cerdas eretas, alvas.

Observações: Ocorre nos Estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e Santa

Catarina (Barroso & Bueno, 2002). Na Ilha do Cardoso é rara e foi coletada até o momento

apenas no Pico do Cardoso, a cerca de 840m de altitude, onde a vegetação característica é de

fruticeto fechado.

Baccharis schultzii assemelha-se a B. dentata (Vell.) G.M. Barroso quanto ao formato das

folhas e tipo de capitulescência, sendo diferenciada especialmente por B. dentata apresentar

nervação broquidódroma e a margem das folhas com dentes bem evidentes, esparsos e

profundos.

Material examinado: F. Barros 2256, fl. ♂, Pico do Cardoso, ca. 840m, 09-IV-1991

(SP).

Material adicional examinado: W. Hoehne 142, fl. ♂, São Paulo, Jabaquara, 04-

VIII-1949 (SP); W. Hoehne 143, fl. ♀, São Paulo, Jabaquara, 04-VIII-1949 (SP); W. Hoehne,

fl. ♀, São Paulo, Parque do Estado de São Paulo, 18-VI-1946 (SP313113); F.O. Souza et al.

131, fl. ♂, São Paulo, Município de Caraguatatuba, Parque Estadual da Serra do Mar, Núcleo

39

Caraguatatuba. Trilha da Pedra Verde, Mata Ombrófila Densa, 20-VII-2000 (SP); A. Usteri,

fl. ♀, São Paulo, Água Branca, 30-VIII-1905 (SP16560).

5.3. Baccharis singularis (Vell.) G.M. Barroso, Rodriguesia 28(40): 96. 1976.

Basiônimo: Chrysocomasingularis Vell., Fl. flumin. 8: 325. 1829 (1825). Tipo: Lectótipo,

designado por Barroso, Rodriguesia 28(40): 96. 1976: Ícone 8, Fl. flumin., tab. 7. 1831

(1827).

Nomes vulgares: cambará-da-praia, cambará-da-serra (Barroso, 1976).

Fig. 3 B, 14-18.

Arbusto 1,0-3,0m alt.; ramos cilíndricos, estriados, glabrescentes, folhosos. Folhas

verticiladas, lâmina obobovada a elíptica, 2,5-6,5cm compr., 1,5-3,0cm larg., coriácea, face

adaxial glabra, brilhante, face abaxial denso-glandulosa, glândulas enegrecidas, imersas, ápice

obtuso a arredondado, mucronulado, base atenuada, margem inteira, revoluta, nervação

broquidódroma, nervura central proeminente na face abaxial, sulcada na adaxial,

acastanhada; pecíolo 0,5-1,0cm compr., glabro. Capitulescência terminal corimbiforme;

bráctea subinvolucral triangular, 3,0-5,0mm, ca. 1,0mm larg., brilhante, glabra. Capítulos

estaminados pedunculados, ca. 20 flores; invólucro campanulado, 5,0-7,0mm compr., 3,0-

5,0mm larg., 4-seriado, brácteas involucrais ovadas a elípticas, paleáceas, glabras, ápice

obtuso, ciliado, externas 3,0mm compr., 2,0mm larg., margem ciliada, internas 5,0-7,0mm

compr., ca. 1,5mm larg., margem hialina; receptáculo plano, alveolado. Corola tubulosa, 4,5-

6,0mm compr., ca. 2,0mm larg., pilosa, lacínios 1,5mm, agudos, revolutos; pápus 4,5-5,0mm

compr., cerdas eretas, ápice alargados, alvas. Capítulos pistilados pedunculados, ca. 30

flores; invólucro turbinado, 7,0-10,0mm compr., 3,0-5,0mm larg., 4 seriado, brácteas

involucrais ovadas a oblongas, paleáceas, glabras, ápice ciliado, margem inteira, hialina,

externas 2,0-2,5mm compr., 1,5mm larg., internas 7,0-10,0mm compr., 2,0mm larg.;

receptáculo plano, alveolado. Corola 4,5-5,0mm compr., ca. 0,3mm larg., esparso pilosa,

curto-denteada, ca. 0,5mm; estilete 6,0mm compr., ramos oblongos, ca. 1,0mm compr.,

glabros. Cipselas elipsóides, 1,5-2,5mm compr., 0,5mm larg., glabras, 10 costadas; pápus

7,0-10,0mm compr., cerdas eretas, alvas.

40

Observações: Baccharis singularis distribui-se no Uruguai e no Brasil desde a Bahia até o

Rio Grande do Sul (Barroso & Bueno, 2002), tipicamente nas formações vegetais de

restinga. Na Ilha do Cardoso ocorre isoladamente ou em grupos, principalmente no fruticeto

ou às margens de trilhas.

De acordo com Barroso (1976), B. singularis é semelhante a B.cassinifolia DC. quanto

ao hábito e forma das folhas, diferindo-se principalmente pela disposição dos capítulos nos

ramos da inflorescência. No entanto, observou-se que a disposição dos capítulos nos ramos

também é variável, ocorrendo padrões intermediários entre as duas espécies. Além da grande

semelhança, ambas têm em comum a distribuição geográfica, dificultando a delimitação. Por

isso é freqüente encontrar nos herbários identificações diferentes para duplicatas do mesmo

material.

Por ser uma espécie comum na vegetação de restinga e ao longo da costa brasileira ou

em áreas de restinga com interferência antrópica, Barroso & Bueno (2002) sugeriram o

plantio de B. singularis como planta nucleadora de vegetação em áreas degradadas.

Material examinado: F. Barros 997, fr., as margens do Rio Sítio Grande, 20-III-

1984 (K, SP, UEC); D.A. De Grande & E.A. Lopes 223a, fl. ♂, Restinga de Itacuruçá, 13-II-

1979 (SP, UEC); D.A. De Grande & E.A. Lopes 223b, fl. ♀, Restinga de Itacuruçá, 13-II-

1979 (SP, UEC); A.M. Fortes 10, fr., 2510’S 48’W, 7-IV-1982 (K, SP); M. Kirizawa & T.M.

Cerati 1435, fl., fr., mata do Morro Tajuba, 17-IV-1985 (SP); M. Sakane 551, fl., fr., Restinga

do Marujá, 02-IV-1976 (SP); M. Sakane 552, fl. ♂, Restinga do Marujá, 02-IV-1976 (SP); J.S.

Silva 378, fr., 05-IV-1975 (SP); F.O. Souza et al. 205, fl. ♂, Estrada da Captação, 02-VI-2004

(SP); F.O. Souza et al. 206, fl. ♀, Estrada da Captação, 02-VI-2004 (SP); F.O. Souza et al.

216, fl. ♂, Estrada da Captação, 14-IV-2005 (SP); F.O. Souza et al. 217, fl. ♀, Estrada da

Captação, 14-IV-2005 (SP); F.O. Souza et al. 248, fl., fr., Restinga do Marujá, 03-VI-2005

(SP); F.O. Souza et al. 270, fl. ♂, Rio Canjoca, Floresta de Encosta, margem do rio, 21-III-

2006 (SP); F.O. Souza et al. 271, fr., Rio Canjoca, Floresta de Encosta, margem do rio, 21-

III-2006 (SP).

41

5.4. Baccharis trimera (Less.) DC., Prodr. 5: 425. 1836.

Basiônimo: Molinatrimera Less., Linnea 6: 141. 1831. Sintipos: Brasil, Santa Catarina, Chamisso

s.n., s.d.; Rio de Janeiro, Beyrichs.n., s.d. (KW).

Nomes vulgares: carqueja, carqueja-amarga, carqueja-verdadeira (Barroso & Bueno, 2002).

Fig. 19-22.

Subarbusto até 2,5m alt., cespitoso; ramos alados, alas 2,0-20,0mm larg., glutinoso-

glandulosos, glândulas globosas, hialinas. Folhas ausentes ou reduzidas, ovadas ou

reniformes, 1,0-5,0mm compr. Capitulescência espiciforme, capítulos agrupados de 3-6;

bráctea subinvolucral ovada, ca. 1,5mm compr., 1,0mm larg., glutinosa. Capítulos

estaminados 17-24 flores; invólucro campanulado, 2,5-3,5mm compr., 2,5-3,0mm larg., 3-

seriado, brácteas involucrais ovadas, elípticas a oblongas, paleáceas, glabras, margem hialina,

ápice ciliado ou fimbriado; externas 1,5-2,3mm compr., 1,0-1,3mm larg.; internas 2,5-3,5mm

compr., 0,7-1,0mm larg.; receptáculo plano, epaleáceo, alveolado. Corola tubuloso-

campanulada, 3,0-4,5mm compr., glabra; tubo 1,5-2,5mm compr., ca. 0,4mm larg.; limbo 1,5-

2,0mm compr., 1,0-1,3mm larg.; lacínios 1,0-1,5mm, triangulares, levemente revolutos; pápus

3,0-4,0mm, compr., cerdas alvas, crespas no ápice. Capítulos pistilados 40-65 flores;

invólucro campanulado, 3,5-5,0mm compr., 2,5-3,0mm larg., 3-seriado, brácteas involucrais

ovadas, elípticas a oblongas, paleáceas ou membranáceas, glabras, ápice ciliado, externas 1,8-

2,0mm compr., 1,3mm larg., margem irregular, internas 2,8-4,0mm compr., 0,7-1,0mm larg.,

margem hialina, curto-fimbriada a inteira; receptáculo plano, epaleáceo, alveolado. Corola

2,0-3,0mm compr., ca. 0,1mm larg., glabra, 3-denteada; dentes curtos, estilete 3,5-4,3mm

compr., ramos agudos a obtusos ca. 1,0mm compr., glabros. Cipselas cilíndricas, 0,5-2,5mm

compr., ca. 0,2mm larg., 5 costadas, glabras; pápus 3,5-4,0mm, cerdas alvas, eretas, ápice

levemente crespo.

Observações: Apresenta ampla distribuição na América do Sul, ocorrendo na Bolívia,

Paraguai, norte da Argentina, Uruguai e no Brasil nas regiões Sudeste e Sul, principalmente

nos campos meridionais e em vegetações de altitudes, além de áreas antropizadas (Barroso &

Bueno, 2002). Na Ilha do Cardoso, é muito comum na estrada da captação, área com

vegetação de transição restinga-floresta de encosta com interferência antrópica.

42

Baccharistrimera pertence à seção Caulopterae DC., caracterizada por espécies com

ramos alados e folhas muito reduzidas, tendo sida tratada por Barroso (1976) como um

grupo informal (“Grupo Trimera”), constituído de 19 espécies. A delimitação de espécies

desse “grupo” é tênue, principalmente por apresentarem caracteres com grande plasticidade.

Baccharis trimera é muito semelhante a outras espécies desse “grupo”, em especial a B.

myriocephala DC. e os caracteres utilizados na delimitação são variáveis e pouco consistentes,

necessitando de uma revisão. A largura das alas dos ramos, muito utilizada para a distinção

de espécies, deveria ser usada com mais cautela, pois foi observado que quando os

indivíduos crescem à sombra ou estão em estágio vegetativo, as alas dos ramos ficam

maiores e mais largas.

Por tratar-se de um “complexo” polimórfico de difícil delimitação, Baker (1882)

considerou B. trimera juntamente com outras espécies de caule alado como sendo variedades

de B. genistelloides Less.

Na listagem de Leitão Filho (1991), foram referidas para a Ilha do Cardoso duas

espécies da seção Caulopterae: B. myriocephala e B. trimera. Entretanto, após análise do material

e com base nas observações já citadas, optou-se considerar todos os espécimes analisados de

caule alado como Baccharis trimera.

Barroso & Bueno (2002) referiram que, dentre os vários usos de B. trimera como

planta medicinal, o mais comum é sob a forma de infusão para problemas digestivos. Além

disso, algumas substâncias químicas isoladas dessa espécie tiveram ações biológicas eficazes

no tratamento contra a cercária de Schistosomamansoni Sambon, 1907 e letal para o molusco

hospedeiro, além de inibir o crescimento do protozoário causador da doença de chagas.

Material examinado: F. Barros & R.T. Nimomia 1695, fl. ♂, Itacuruçá, restinga, 05-

VII-1989 (SP, K); A. Custodio Filho et al. 724, fl. ♂, Praia de Itacuruçá, restinga, 04/08-I-

1982 (SP, K); S.C. Chiea 550, fl. ♀, Estrada da Captação, 19/22-X-1987 (SP); P.H. Davis et

al. D60793, fl. ♂, fruticeto, 09-IX-1976 (SP); L.S.R. Duarte 09, fl. ♀, restinga, 21-X-1981 (K,

SP); M. Fonseca 495, fl. ♂, Restinga do Pereirinha, 23-X-1981 (K, SP); E. Forero et al. 8633,

fl. ♀, Praia de Itacuruçá, restinga, 08-X-1990 (SP); S.L. Jung-Mendaçolli 514, fl. ♀, Morro do

Marujá, 18-VIII-1982 (K, SP); S.J. Silva & M. Kirizawa 78, fl. ♀, Estrada da Captação,

restinga, solo arenoso, 16-X-1990 (SP); F.O. Souza et al. 264, fl. ♂, Praia de Itacuruçá,

restinga, local alagado, 27-IX-2005 (SP).

43

A

E F

D

B

C

Fig. 3: A: Achyrocline satureoides(Lam.) DC. B: Baccharis singularis (Vell.) G.M. Barroso. C:

Barrosoabetoniciformis(DC.) R.M. King & H. Rob. D: Centratherum punctatumCass.E: Conyza

bonariens s(L.) Cronquist. F: Emilia fosberguii Nicolson (Fotos: A, D: R.P. Romanini; B-C, F: F.O.

Souza; E: R.S. Bianchini).

i

44

Fig. 4-8: Baccharis brachylaenoides DC. 4: ramo com capitulescência ♀; 5: capítulo ♀; 6: flor ♀. 7: capítulo ♂; 8: flor

♂. Fig. 9-13: Baccharis schul zii Baker. 9: ramo com capitulescência ♂; 10: capítulo ♀; 11: flor ♀; 12: capítulo ♂; 13:

flor ♂. Fig. 14-18: Baccharis singularis (Vell.) G.M. Barroso. 14: ramo com capitulescência ♀; 15: capítulo ♀, 16: flor

♀; 17: capítulo ♂; 18: flor ♂. Fig. 19-22: Baccharis trimera (Less.) DC. 19: detalhe do ramo com capítulo ♀; 20: flor ♀;

21: detalhe do ramo com capítulo ♂; 22: flor ♂(4-6: Barros 1889; 7-8: Hoehne SP2386; 9,12,13: Barros 2256; 10-11:

Hoehne SP313113; 14-16: Souza et al. 216; 17-18: Souza et al. 217; 19-20: Fonseca 495; 21-22: Duarte 9).

t

45

6. Barrosoa R.M. King & H. Rob., Phytologia 21: 26. 1971.

Tipo: Eupatorium candolleanum Hook. & Arn., Compan. Bot. Mag. 1: 243. 1835

Ervas perenes; ramos cilíndricos, estriados, pubescentes. Folhas sésseis ou

pecioladas, opostas, inteiras, lâmina ovada a estreito-ovada, margem serreada a crenada.

Capitulescência terminal em cimas corimbiformes. Capítulos sésseis ou pedunculados,

homógamos, discóides, 20-60 flores; invólucro campanulado, semelhante no comprimento e

largura, 2-3-seriado, brácteas involucrais eximbricadas, geralmente iguais no comprimento,

estreito-ovadas, persistentes; receptáculo cônico, epaleáceo, sem projeções de encaixe das

aureolas dos carpopódios. Flores monoclinas, corola alva, rósea, azulada ou púrpura,

infundibuliforme, lacínios triangulares, glanduloso-papilosos em ambas as faces; anteras com

apêndice apical mais longo que largo, base obtusa, colar curto, cilíndrico ou ligeiramente

espessado; base do estilete levemente espessada, glabra, ramos lineares a claviformes, curto-

papilosos. Cipselas prismáticas, 5 costadas, glabras ou esparso-glandulosas; carpopódio

distinto, simétrico, decorrente nas costelas; pápus unisseriados, cerdosos, cerdas livres,

escabras, persistentes ou caducas.

Barrosoa é formado por 10 espécies com distribuição na América do Sul, ocorrendo

no Paraguai, Uruguai, Argentina e no Sudeste e Sul do Brasil, sendo três espécies

exclusivamente brasileiras (Esteves, 2001).

Gênero estabelecido por King & Robinson (1971a) a partir de espécies de Eupatorium

da seçãoConoclinium (DC.) Baker, caracterizadas por apresentarem invólucro campanulado,

tão longo quanto largo, brácteas involucrais de tamanhos semelhantes e receptáculo cônico,

epaleáceo.

Barrosoa assemelha-se a Dasycondylus R.M. King & H. Rob., podendo ser diferenciados

por este último apresentar estilete com base pilosa e cipselas sedosas. Outro gênero

morfologicamente muito semelhante à Barrosoa é Campuloclinium DC., sendo distinto por

possuir capítulos maiores, receptáculo com projeções onde são inseridas as aureolas do

carpopódio e cipselas estipitadas, além da base do estilete também pilosa (King & Robinson,

1987).

46

6.1. Barrosoa betoniciformis (DC.) R.M. King & H. Rob., Phytologia 21(1): 27. 1971.

Basiônimo: Conoclinium betoniciforme DC., Prodr. 5: 135. 1836. Tipo: Brasil, Rio de Janeiro,

Lund s.n., s.d. (G).

Sinônimo: Eupatoriumbetoniciforme (DC.) Baker, in Martius Fl. bras. 6: 362. 1876.

Ilustrações em: Baker (1876), vol. 6, part. 2, tab. 96; Esteves (2001), p. 70, fig. 13.

Fig. 3 C.

Erva 50,0-80,0cm alt., indumento constituído de tricomas multicelulares,

unisseriados, tectores e/ou glandulares sésseis ou estipitados, alvos; ramos vilosos, hirsutos.

Lâmina foliar ovada, 2,7-4,5cm compr., 2,0-3,0cm larg., membranácea, discolor, face adaxial

verde-escura, esparso estrigoso-glandulosa, abaxial verde-clara, viloso-glandulosa, ápice

agudo, base subcordada a cordada, sinus 3,0-5,0mm compr., margem crenada, nervação

actinódroma basal, vilosa; pecíolo 1,0-2,0cm. Capítulos pedunculados, 30-60 flores;

invólucro 3-seriado, 3,5-4,5mm compr., 4,0-4,5mm larg., brácteas involucrais verdes, ovadas

a oblongas, hirsuto-glandulosas, ápice agudo a acuminado, externas 2,7-3,0mm compr.,

1,0mm larg., margem ciliada, internas 3,5-4,0mm compr., 0,5mm larg., ciliada em direção ao

ápice. Corola lilás a arroxeada, 2,0-2,6mm compr., ca. 0,5mm larg., glabra; lacínios curtos, ca.

0,3mm; anteras com apêndice oblongo; base do estilete levemente espessada, ramos 2,5mm.

Cipselas negras, 1,0-1,5mm compr., ca. 0,4mm larg., esparso-glandulosas, glândulas

concentradas no ápice, costelas glabras; pápus 1,5-2,0mm, cerdas alvas, persistentes.

Observações: Barrosoa betoniciformis é encontrada no Uruguai. Nordeste e Sudeste e Sul

do Brasil, desde a Bahia até o Rio Grande do Sul (Cabrera & Klein, 1989; Esteves, 2001). Na

Ilha do Cardoso foi coletada em vegetação de restinga, em solo arenoso e úmido.

Espécie tradicionalmente tratada como Eupatoriumbetoniciforme (DC.) Baker, sendo

normalmente reconhecidos táxons infraespecíficos. Baker (1876), com base principalmente

em caracteres relacionados ao porte, tipo de ramos, forma da lâmina e base das folhas,

reconheceu três variedades para esse táxon: var. ascendens, representada por plantas pequenas

com ramos decumbentes e folhas de até 2,0cm; var. betoniciforme com folhas oblongo-ovadas

e base subcordada à cordada; e var. hastatum representada por plantas com folhas ovada-

deltóides e base hastada a truncada. Os espécimes provenientes da Ilha do Cardoso

enquadram-se na variedade típica.

47

Material examinado: F. Barros 2332, fl., fr., restinga de Itacuruçá, terreno

periodicamente inundável, 30-X-1991 (SP, UEC); F. Barros 3111, fl., Restinga do Pereirinha,

mata de restinga baixa, 27-IX-2005 (SP); P.H. Davis et al.D60623, fl., fr., em mata, 7-IX-

1976 (UEC); C. Kameyama 166, fl., fr., Estrada da Captação, na margem da floresta de

restinga, 6-XII-2006 (SP); T.M. Lewinsohn et al. 18202, fl., fr., beira de estrada em torno da

estação, mata de restinga, 03-XII-1985 (UEC); G.J. Shepperd et al. 8589, fl., fr., restinga, 16-

X-1978 (UEC); F.O. Souza et al. 213, fl., fr., Trilha da Captação, 14-IV-2005 (SP); F.O.

Souza et al. 249, fl., fr., Praia do Marujá, trilha próxima à Pousada do Cardoso, restinga, 03-

VI-2005 (SP); M. Sztutman et al. 178, fl., fr., Trilha da Captação, 25°4’S, 47°5’W, trecho de

floresta de restinga baixa, 8-I-1999 (ESA, SPSF, UEC).

7. Bidens L., Gen. pl. ed. 2: 362. 1754.

Tipo: Bidens tripartita L., Sp. pl.. 2: 831-832. 1753.

Ervas ou subarbustos anuais ou perenes, raro arbustos; ramos angulosos ou

tetragonais, estriados, glabros ou pilosos. Folhas pecioladas, opostas ou raro superiores

alternas, inteiras a pinatissectas, margem denteada a serreada. Capitulescência

corimbiforme, paniculiforme ou capítulos solitários, terminal ou axilar. Capítulos

pedunculados, heterógamos, radiados ou homógamos discóides; invólucro campanulado, 2-

seriado, brácteas involucrais imbricadas, livres, externas ovadas, lineares a oblanceoladas,

membranáceas, híspidas, margem glabra ou ciliada, internas ovadas a oblongas,

membranáceas, margem hialina; receptáculo plano ou subconvexo, paleáceo, páleas estreito-

ovadas, escariosas. Floresdo raio pistiladas ou estéreis, corola amarela ou alva, ligulada, 3-

lobada. Flores do disco normalmente monoclinas, corola amarela, tubulosa, 5-laciniada;

anteras acastanhadas ou negras, apêndice estreito-ovado, ducto resinífero central, base

obtusa ou sagitada; ramos do estilete curtos, achatados. Cipselas negras, tetragonais, 3-4

costadas, às vezes comprimidas, ápice estrigoso; pápus aristado, 2-4 aristas barbeladas,

tricomas retrorsos.

Gênero cosmopolita constituído de aproximadamente 240 espécies, com maior

distribuição nas Américas do Norte e do Sul. Está representado no Brasil por 13 espécies,

com maior ocorrência nas regiões Sudeste e Centro-Oeste (Nakajima, 2000).

48

Bidens é caracterizado por espécies que apresentam cipselas aristadas, barbeladas e

com tricomas retrorsos, diferindo de Cosmos Cav., gênero morfologicamente relacionado, por

este apresentar cipselas rostradas (Nakajima, 2000).

7.1. Bidens pilosa L., Sp. pl. 2: 832. 1753. Tipo: Lectótipo designado por D'Arcy, Ann.

Miss. Bot. Gard. 62: 1178. 1975: “Habitat in América” (LINN 975.8).

Nomes vulgares: picão, picão-preto, fura-capa, piolho-de-padre (Lorenzi, 1991).

Ilustrações em: Cabrera & Klein (1980), p. 237, est. 67; Magenta (1998), p. 53, fig. 10 (A-F).

Subarbusto ca. 40,0cm alt., glabrescente, indumento constituído de tricomas

tectores, multicelulares, unisseriados, curtos ou longos e/ou tricomas glandulares; ramos

angulosos, duas costelas bem marcadas, vináceos, glabrescentes. Folhas opostas,

pinatissectas, lâmina com 3 segmentos, ovados a estreito-ovados, 3,5-6,7cm compr., 2,0-

3,0cm larg., membranáceos ou cartáceos, face adaxial estrigoso-glandulosa, face abaxial com

tricomas esparsos, ápice agudo, mucronado, base atenuada, margem denteada, ciliada,

nervação craspedódroma; pecíolo 2,0-3,5cm, amplexicaule, viloso. Capitulescência

paniculiforme constituída de dicásios; pedúnculo 2,5-4,5cm, glabro. Capítulos discóides, ca.

35 flores; invólucro 4,0-5,0mm, 5,0-5,5mm larg.; brácteas involucrais verdes, oblanceoladas,

ovadas a oblongas, externas 2,5-3,0mm compr., ca. 1,0mm larg., vilosas, tricomas

concentrados no ápice e base, ápice agudo a obtuso, ciliado, glanduloso, mucronado,

internas 2,5-4,0mm compr., ca. 1,0mm larg., glabras, ápice agudo; receptáculo subconvexo,

páleas 5,5-6,0mm compr., ca. 0,7mm larg., 6-nervadas, nervuras acastanhadas, margem

ciliada. Flores monoclinas,corola amarelada, 3,5-4,5mm compr., piloso-glandulosa, tubo

1,0-1,5mm compr., ca. 0,4mm larg., limbo 2,5-3,0mm compr., 1,5mm larg., lacínios

triangulares, ca. 0,5mm, internamente glandulosos, externamente papiloso-glandulosos;

anteras negras, apêndice ovado, base caudada; ramos do estilete ca. 1,5mm compr.,

papilosos. Cipselas 5,0-5,5mm compr., 0,6-1,0mm larg., 4-angulosas, verrugosas, esparso

estrigosas; carpopódio cilíndrico, ca. 0,5mm, simétrico; pápus 3-aristados, aristas 2,5-3,0mm,

amarelo-esverdeadas.

Observações: Espécie provavelmente nativa do Caribe, considerada ruderal e

atualmente distribuída em praticamente todas as regiões tropicais e subtropicais do mundo

49

(Moraes & Monteiro, 2006). Na Ilha do Cardoso foi coletada em área antropizada próxima

às casas.

Devido à plasticidade morfológica desse táxon, Sherff (1937) reconheceu 10

variedades em Bidenspilosa, considerando como caracteres diagnósticos a morfologia das

folhas e capítulos, além da presença, cor e comprimento das flores liguladas. Por outro lado,

Ballard (1986), fazendo uso da citogenética e da fitoquímica, reconheceu três espécies dentro

do “complexo Bidens pilosa” (B. alba (L.) DC., B. odorata Cav. e B. pilosa), sendo esse

posicionamento adotado por Magenta (1998) no tratamento das Heliantheae para a Flora

Fanerogâmica do Estado de São Paulo e também adotado no presente trabalho.

Material examinado: F.O. Souza et al. 255, fl., fr., Restinga do Marujá, trilha

próxima às casas dos pescadores, 04-VI-2005 (SP).

8. Campuloclinium DC., Prodr. 5: 136. 1836.

Tipo: Campuloclinium macrocephalum (Less.) DC., Prodr. 5: 137. 1836. (=Eupatorium

macrocephalum Less.).

Ervas ou subarbustos eretos, indumento constituído de tricomas tectores e

glandulares; ramos cilíndricos, estriados, geralmente híspidos. Folhas sésseis ou curto-

pecioladas, opostas ou alternas, inteiras. Capitulescência terminal corimbiforme, congesta

ou laxa. Capítulos pedunculados, homógamos, discóides, 30-100 flores; invólucro

campanulado, 3-4 seriado, brácteas involucrais subimbricadas ou eximbricadas, geralmente

iguais no comprimento, persistentes; receptáculo cônico com projeções que se encaixam nas

aureolas de inserção dos carpopódios, epaleáceo. Flores monoclinas, corola rosa, lilás a

púrpura, infundibuliforme, pouco diferenciada em tubo e limbo, 5-laciniada, lacínios

triangulares, internamente mamilosos ou papilosos, externamente piloso-glandulosos; anteras

com apêndice apical mais largo do que longo, base obtusa, colar cilíndrico; base do estilete

levemente espessada, pilosa a esparso pilosa, ramos obtusos a claviformes, mamilosos a

papilosos. Cipselas prismáticas, base estipitada, 5 costadas, costelas proeminentes, alvas,

piloso-glandulosas, tricomas tectores geminados e glandulares estipitados; carpopódio

distinto, aneliforme a curto-cilíndrico; pápus unisseriados, cerdosos, cerdas escabras,

persistentes.

50

Gênero constituído de 14 espécies, das quais, 13 espécies ocorrem no Brasil, sendo

uma delas Campuloclinium burchellii (Baker) R.M. King & H. Rob. com ocorrência também no

Paraguai e Argentina; C. macrocephalum (Less.) DC. apresenta distribuição mais ampla

ocorrendo desde o México até a Argentina e C. hickenii (Cabrera & Vittet) R.M. King & H.

Rob. é exclusiva da Argentina (King & Robinson, 1987; Esteves, 2001).

Campuloclinium foi estabelecido por De Candolle (1836) para inserir cinco espécies que

apresentavam o receptáculo cônico e epaleáceo. Posteriormente, Baker (1876) subordinou

esse gênero a Eupatorium, tratando-o como uma seção e utilizou como caráter diagnóstico o

tamanho relativamente grande dos capítulos, juntamente com o receptáculo cônico e

epaleáceo, já referido por De Candolle. Em 1972a, King & Robinson restabeleceram

Campuloclinium, utilizando como caracteres diagnósticos o carpopódio bem desenvolvido e

distinto, a base do estilete pilosa, as cipselas estipitadas e o receptáculo cônico com

protuberâncias encaixadas no recesso formado pela inserção do carpopódio (Esteves, 2001).

Esta última característica seria de acordo com King & Robinson (1987) exclusiva do gênero

dentro da Tribo Gyptidinae, porém, Esteves (2001) observou que esse tipo de inserção

ocorre também em Ayapana Spach. (Tribo Ayapaninae) e referiu que essa condição

isoladamente é útil apenas na distinção entre Campuloclinium e gênero afins, como Barrosoa

R.M. King & H. Rob., Dasycondylus R.M. King & H. Rob. e Praxelis Cass.

8.1. Campuloclinium purpurascens (Sch. Bip. ex Baker) R.M. King & H. Rob.,

Phytologia 24(3): 172. 1972.

Basiônimo: Eupatorium purpurascens Sch. Bip. ex Baker, in Martius Fl. bras. 6(2): 356. 1876.

Síntipos: Brasil, Minas Gerais, “in campis ad Caldas”, Regnell I-239, s.d. (K); Sello 174, s.d. (B).

Ilustração em: Esteves (2001), 94, fig. 20 G.

Erva robustaca.1,0m alt., indumento de tricomas unisseriados, multicelulares, tectores

e/ou glandulares, sésseis ou estipitados, alvos, hialinos ou vináceos; ramos cilíndricos,

pintalgados de vináceos, hirsutos, tricomas tectores vináceos. Folha com lâmina ovada, 3,5-

6,0cm compr., 2,0-2,5cm larg., cartácea, face adaxial estrigoso-glandulosa, tricomas tectores

longos entremeados por curtos, face abaxial estrigosa, denso glandulosa, tricomas alvos,

ápice agudo, base atenuada, margem crenada, nervação actinódroma basal, 5 nervuras;

pecíolo 1,0-1,3cm, hirsuto. Capitulescência laxa. Capítulos longo pedunculados, 8,0-

51

20,0mm compr., 30-36 flores; invólucro 3-seriado, 7,0-9,0mm compr., 5,0-6,0mm larg.,

brácteas involucrais triangulares a oblongas, viloso-glandulosas, ápice agudo, margem

esparso ciliada a ciliada, externas verdes, 5,7-6,0mm compr., 1,0mm larg., 3-nervadas,

glandulosas, tricomas glandulares sésseis, internas alvo-vináceas, 6,0-9,0mm compr., 0,6mm

larg., tricomas glandulares estipitados. Corola lilás, 4,5-5,0mm compr., ca. 0,7mm larg., tubo

e limbo pouco distintos, esparso-glandulosa na região do limbo, tricomas estipitados, lacínios

ca. 0,5mm; base do estilete pilosa, ramos obtusos, ca. 4,0mm. Cipselas negras, 3,0-4,0mm

compr., ca. 0,4mm larg., esparsamente glandulosas, costelas alvas, curto-pilosas; pápus 4,0-

4,5mm, cerdas alvas, unidas na base.

Observações: Espécie com distribuição no Paraguai, norte da Argentina e Brasil, nos

Estados de Minas Gerais, São Paulo, Paraná e Santa Catarina (Esteves, 2001). Na Ilha do

Cardoso foi coletada em vegetação de floresta de planície em solo arenoso e úmido.

Campuloclinium purpurascens é caracterizada pelo hábito robusto, ramos hirsutos

pintalgados de vináceo, pela densa capitulescência com capítulos longo-pedunculados,

brácteas involucrais de comprimento desiguais, flores com corola lilás, cipselas longas e

estipitadas.

Material examinado: F.O. Souza et al. 212, fl., fr., Trilha da Captação de Água, floresta

de planície, solo arenoso e úmido, 14-IV-2005 (SP).

9. Centratherum Cass., Bull. Soc. Philom.: 31. 1817.

Tipo: Centratherum punctatum Cass., in Cuvier, Dict. sci. nat. 7: 384. 1817.

Ervas a subarbustos, eretos ou decumbentes; ramos cilíndricos, glabrescentes a

vilosos. Folhas pecioladas ou sésseis, alternas, lâmina estreito-ovada, ovada, elíptica ou

obovada, ápice agudo a acuminado, base atenuada, margem serreada, raro inteira. Capítulos

solitários, raro 3-4 aglomerados, pedunculados, terminais ou axilares, homógamos, discóides,

multifloros; brácteas subinvolucrais foliáceas; invólucro multisseriado, brácteas involucrais

imbricadas, membranácea a escariosas, externas patentes, internas eretas; receptáculo plano a

subconvexo, epaleáceo. Flores monoclinas, corola lilás a arroxeada, tubulosa, 5-laciniada,

52

lacínios profundos; anteras com apêndice ovado, base sagitada. Cipselas cilíndricas, 8-10

costadas; pápus cerdosos, cerdas curtas, escabras, caducas.

Tradicionalmente Centratherum compreende 20 espécies com distribuição no Novo e

Velho Mundo. No entanto, após a revisão de Kirkman (1981), o gênero foi redelimitado e

atualmente compreende apenas duas espécies exclusivamente tropicais, distribuídas nas

Américas Central e Sul, ocorrendo como introduzidas na Austrália e Filipinas. Ambas as

espécies estão representadas no Brasil, sendo Centratherum confertum K. Kirkman restrita ao sul

do País e C. punctatum Cass. com ampla distribuição em todos os Estados (Nakajima, 2000).

9.1. Centratherum punctatum Cass., in Cuvier, Dict. sci. nat. 7: 384. 1817. Tipo: Brazil,

Panamá, Jussieu s.n, s.d. (Holótipo P-JU).

Nomes vulgares: botão-de-lapela, perpétua, perpétua-roxa, perpétua-do-mato (Lorenzi, 1991;

Kissmann & Groth, 1999).

Ilustrações em: Elias (1975), p. 559, fig. 2; Cabrera & Klein (1980), p. 237, est. 67; Jones

(1980), p. 58, fig. 6; Pruski (1997), p. 237, fig. 195.

Fig. 3 D.

Subarbusto 30,0-80,0cm alt., ereto, indumento constituído de tricomas tectores,

unisseriados, multicelulares, alvos; ramos freqüentemente vináceos, cicatricosos,

glabrescentes, jovens vilosos. Folhas sésseis, lâmina ovada a oblanceolada, 2,5-5,5cm

compr., 1,5-2,5cm larg., membranácea, face adaxial estrigoso-glandulosa, tricomas finos e

grossos, abaxial esparso-pubescente, ápice obtuso, mucronado, base decorrente, margem

serreada-mucronada; nervação craspedódroma, hirsuta. Capítulos solitários, terminais, ca.

100 flores; brácteas subinvolucrais 5-8 em roseta, elípticas, 7,0-25,0mm compr., 6,0-10,0mm

larg., foliáceas, estrigosas; invólucro cupuliforme, 8,0-10,0mm, 15,0-20,0mm larg., 4-6-

seriado, brácteas involucrais verdes, triangulares, oblongas a oblanceoladas, glabras,

escariosas, ápice vináceo, margem, inteira, hialina, externas triangulares 3,0-3,5mm compr.,

2,0-2,5mm larg., ápice aciculado, internas oblanceoladas, 7,0-10,0mm compr., 2,0-2,5mm

larg., 4-nervadas, ápice arredondado, apiculado; receptáculo plano. Corola lilás a arroxeada,

8,0-8,5mm compr., tubo estreito, 3,5-4,0mm compr., ca. 0,4mm larg., piloso, limbo 4,0-

4,5mm compr., ca. 1,5mm larg., região externa da fauce glandulosa, tricomas estipitados e

53

sésseis, lacínios 2,0-2,5mm; base do estilete espessada, glabra, ramos agudos, 1,5-2,0mm,

pilosos. Cipselas acastanhadas, 1,2-2,0mm compr., 0,7-1,0mm larg., 10 costadas, glabras;

pápus 2,5mm, cerdas alvas.

Observações: Kirkman (1981) reconheceu táxons infra-específicos em Centratherum

punctatum, considerando três subespécies com distribuição desde o México até o nordeste da

Argentina (Cristóbal & Dematteis, 2003). No Brasil é encontrada em praticamente todos os

Estados e, na Ilha do Cardoso ocorre tanto em vegetação de restinga quanto em áreas

perturbadas, próximas às casas, em solo arenoso e seco ou fértil e úmido.

Espécie muito ornamental devido aos capítulos grandes e vistosos, indicada para

plantio em canteiros na formação de maciços em pleno sol (Kissmann & Groth, 1999).

Material examinado: S.C. Chiea 551, fl., fr., restinga, 19 a 22-X-1987 (SP); A. Custodio

Filho & S.F.C. Muniz 138, fl., fr., alagado próximo à praia, 21VIII-1979 (SP); A. Custodio

Filho & S.F.C. Muniz 139, fl., fr., alagado próximo à praia, 21VIII-1979 (SP); D.A. De

Grande & E.A. Lopes 112, fl., fr., 6-VII-1978 (SP, SPSF); S. Romaniuc Neto & M. Kirizawa

188, fl., fr., 30-VIII-1984 (SP, UEC); G.J. Shepherd et al. 8781, fl., restinga, 13-X-1978 (SP,

UEC); F.O. Souza & R.S. Bianchini 229, fl., fr., gramado atrás do refeitório, 17-IV-2005

(SP); M. Sugiyama et al. 662, fl., fr., próximo aos laboratórios, 20-IV-1986 (SP); M. Sztutman

et al.164, fl., fr., Trilha da Captação, 25°04”S 47°5”W, trecho de restinga, 8-I-1999 (SPSF,

UEC).

10. Conyza Less., Syn. gen. Compos. 203. 1832, nom. cons.

Tipo: Conyza chilensis Spreng, Novi provent. : 14. 1818.

Ervas anuais, raramente subarbustos perenes. Folhas alternas, inteiras a pinatífidas,

membranáceas, pubescentes ou glabras, margem inteira ou serreada. Capitulescência em

panículas laxas ou congestas, em racemos ou capítulos solitários. Capítulos heterógamos,

disciformes; invólucro ovóide, turbinado ou campanulado, 2-4-seriado, brácteas involucrais

lineares, estreito-ovadas, ovadas ou elípticas; receptáculo plano, alveolado. Floresmarginais

pistiladas, numerosas; corola creme a branca, filiforme, ápice denticulado ou truncado, lígula

ausente ou inconspícua; estilete exserto, ramos lineares, margem engrossada, região

54

estigmática esparso-papilosa. Flores centrais monoclinas ou funcionalmente estaminadas,

geralmente em menor número; corola amarelada ou creme, tubulosa ou infundibuliforme, 4-

5-laciniada; anteras com apêndice apical oblongo ou subulado, base obtusa; ramos do estilete

oblongos, comprimidos, margem engrossada, região estigmática papilosa. Cipselas

elipsóides ou oblongo-elipsóides, pilosas a glabras, geralmente comprimidas, 2 costelas

laterais; pápus unisseriados, cerdas delgadas, escabras ou bisseriados, internas largas e

externas curtas formando uma coroa.

Conyza é composto de aproximadamente 60 espécies com distribuição pantropical,

com poucas espécies nativas ou de ampla distribuição em regiões temperadas (D´Arcy,

1975).

A delimitação entre Conyza Less. e Erigeron L. sempre foi tênue e muito difícil,

resultando em diferentes interpretações (Baker, 1882; Cronquist, 1943; D´Arcy, 1975). A

presença de lígula nas flores pistiladas tem sido utilizada na separação dos gêneros, mas esse

caráter é variável e algumas vezes de difícil visualização, devido ao tamanho reduzido. Na

tentativa de facilitar a delimitação dos gêneros, Cronquist (1943) redefiniu-os considerando

além das flores liguladas, o número de flores monoclinas e pistiladas, e o tamanho e forma

do limbo das flores pistiladas. Com base nessas características, todas as espécies de Erigeron

sect. Caenotus que apresentavam as flores pistiladas numerosas, ausência de lígula ou lígula

inconspícua foram transferidas para Conyza.

10.1. Conyza bonariensis (L.) Cronquist, Bull. Torrey Bot. Club 70: 632. 1943.

Basiônimo: Erigeronbonariensis L., Sp. pl. 2: 863. 1753. Tipo: Lectótipo designado por D'Arcy,

Ann. Miss. Bot. Gard. 62: 1021. 1975: “Habitat in America australi” (LINN. 994.11).

Nomes vulgares: buva, erva-lanceta, voadeira (Kissmann & Groth, 1999).

Ilustração em: Nash (1976), p.488. fig. 33; Funk & Pruski (1996), p. 96, fig. 34.

Fig. 3 E.

Erva 0,80-1,5m alt.; ramos cilíndricos, estriados a canaliculados, às vezes vináceos na

base, esparso-pilosos a glabrescentes, tricomas tectores, alvos. Folhas sésseis, dispostas ao

longo dos ramos, inteiras, lâmina elíptica a oblanceolada, 2,5-8,5cm compr., 0,5-1,0cm larg.,

esparso-estrigosa em ambas as faces, concolor, tricomas alvos concentrados nas nervuras,

55

ápice agudo, margem inteira a irregularmente serreada em direção ao ápice, nervação

broquidódroma. Capitulescência paniculiforme laxa ou congesta. Capítulos pedunculados,

50-60 flores; invólucro campanulado, 3,0-5,0mm compr., 2,5-3,0 mm larg., 2-3-seriado,

brácteas involucrais ovadas a elípticas, membranáceas, glabrescentes, margem hialina,

irregularmente laciniada a ciliada no ápice. Flores pistiladas 50-53, corola branco-

esverdeada a creme, filiforme, 3,5-4,5mm compr., ca. 0,1mm larg., tricomas esparsos no

limbo, 4-5-laciniada, lacínios curtos, irregulares, glabros; ramos do estilete excertos. Cipselas

elipsóides, 0,5-1,0mm compr., 0,1-0,3mm larg., achatadas ventralmente, seríceas; pápus

unisseriados, cerdas 3,5-4,0mm compr. filiformes, escabras, alvas. Flores monoclinas 7-10,

corola creme, tubulosa, 3,0-4,5mm compr., ca. 0,5mm larg., glabra, 5-laciniada, lacínios

regulares, esparso-pilosos; anteras com apêndice subulado. Cipselas 0,7-1,0mm compr., ca.

0,5mm larg., cilíndricas, achatadas ventralmente, seríceas; pápus unisseriados, 3,0-4,0mm

compr., cerdas delgadas, escabras, alvas.

Observações: Espécie provavelmente nativa da Argentina, mas atualmente com

distribuição cosmopolita (Cuatrecasas, 1969), comum em vegetação antropizada, sendo

considerada ruderal. Na Ilha do Cardoso é encontrada principalmente em vegetação de

dunas.

Alguns autores (Aristeguieta, 1964; D´Arcy, 1975; Nakajima et al., 2001) utilizaram

como caracteres diagnósticos para a delimitação das espécies de Conyza a forma e tamanho

das folhas, tipo de capitulescência, tamanho dos capítulos e o número de flores monoclinas.

Desta forma, Conyzabonariensis assemelha-se à C. canadensis (L.) Cronquist, quanto ao hábito,

distinguindo-se principalmente pela capitulescência mais densa, pelos capítulos com mais

flores e pela lígula inconspícua ou ausente na corola feminina. Outra espécie

morfologicamente relacionada a Conyzabonariensis é C. chilensis (L.) Cronquist, sendo

diferenciada por esta última apresentar hábito não ramificado, folhas geralmente basais,

capitulescências compactas e capítulos com invólucros maiores com cerca de 8,0mm

(Aristeguieta, 1964).

De acordo com Cuatrecasas (1969), C. bonariensis apresenta variação quanto à

densidade do indumento, estrutura da ramificação e da capitulescência, além do tamanho dos

capítulos. Essa variação foi observada nos materiais da Ilha do Cardoso, como no exemplar

F.O. Souza et al. 267, coleta de um indivíduo que tinha ramos com capitulescência

racemiforme e ramos com capitulescência corimbiforme.

56

Material examinado: E. Forero et al. 8663, fl., Restinga de Itacuruçá, 8-X-1980 (SP,

UEC); T.M. Lewinsohn et al. 18203, fl., fr., próximo à estação, beira de estrada em mata de

restinga, 3-XII-1985 (UEC); F.O. Souza & R.S. Bianchini 225, fl., Praia de Itacuruçá, 17-IV-

2005 (SP); F.O. Souza et al. 235, fr., Praia do Marujá, duna próxima à bica, 03-VI-2005 (SP);

F.O. Souza et al. 265, fl., Praia de Itacuruçá, duna logo após a Ponta do Perigo, 27-IX-2005

(SP); F.O. Souza et al. 267, fl., Praia de Itacuruçá, restinga, 27-IX-2005 (SP); M. Sztutman et

al. 211, Trilha da Captação, 25°4´S 47°5´W, 08-I-1999 (SP, SPSF, UEC).

11. Crepis L., Sp. pl. 2: 805. 1753

Tipo: Crepis biennis L., Sp. pl. 2: 807. 1753.

Ervas anuais, bianuais ou perenes, latescentes, esparso-pubescentes a glabras. Folhas

alternas, geralmente rosuladas, inteiras a pinatífidas, pecioladas. Capítulos homógamos,

discóides, solitários ou em capitulescência corimbiformes, pedunculados, paucifloros ou

multifloros; invólucro 2-seriado; receptáculo plano ou convexo, geralmente epaleáceo.

Flores monoclinas,corolaligulada, amarela, alva, raramente rósea, às vezes externamente

avermelhadas ou esverdeadas, lígula conspícua; anteras com apêndice agudo ou oblongo,

base cordada; ramos do estilete filiformes, agudos ou truncados, amarelados ou esverdeados.

Cipselas cilíndricas a fusiformes, 10-35 costadas, glabras ou escabras; pápus cerdosos,

cerdas barbeladas, rígidas, maleáveis ou muito macias, curtas ou tão longo quanto à corola,

unidas na base ou livres, persistentes ou caducas, amareladas, alvas ou esverdeadas.

Gênero cosmopolita com aproximadamente 200 espécies, apresentando como

provável centro de origem a Ásia Central (Babcock, 1947a).

Para a delimitação das espécies de Crepis, Babcock (1947b) utilizou como caracteres

diagnósticos a coloração e indumento das flores, o comprimento do tubo em relação à lígula,

o comprimento e largura da lígula, além do tamanho dos dentes da lígula.

É muito comum a formação de híbridos entre as espécies desse gênero, dificultando

ainda mais a delimitação das espécies (Babcock, 1947a).

57

11.1. Crepis japonica (L.) Benth., Fl. Hongk. 194. 1861.

Basiônimo: Prenanthesjaponica L., Mant. pl. 1. 194. 1771. Tipo: Lectótipo, designado por

Grierson, Handb. Fl. Ceylon 1:268. 1980: Japão, Kleynhoff s.n., s.d. (LINN 952.6).

Nome vulgar: barba-de-falcão (Lorenzi, 1991).

Erva até 25,0cm alt., anuais, látex branco, indumento de tricomas tectores

unisseriados, multicelulares, acastanhados ou hialinos; ramos curtos de base vinácea, esparso-

vilosos. Folhas alternas, lâmina violada a panduriforme, 3,5-5,5cm compr., 2,5-3,5cm larg.,

membranácea, glabra, ápice arredondado a agudo, base decorrente, margem esparso-

denteada, apiculada, nervação acródroma; pecíolo 2,5-5,0cm, viloso. Capitulescência

corimbiforme. Capítulos pedunculados, ca. 20 flores; invólucro cilíndrico, 4,5-5,0mm

compr., 2,0-2,5mm larg., brácteas involucrais verdes, ovadas a oblongas, glabras, carnosas (in

vivo), margem hialina, externas 1,4-1,5mm compr., ca. 1,0mm larg., ápice agudo a obtuso,

internas 4,5-5,0mm compr., ca. 1,0mm larg, ápice agudo; receptáculo glabro. Corola amarela,

5,0-6,0mm compr., tubo 2,0-2,5mm compr., 0,3mm larg., pilosos, lígula 3,0-3,5mm compr.,

1,0mm larg., glabra, 5-laciniada, lacínios curtos, ca. 0,5mm; anteras negras, apêndice oblongo,

base caudada; estilete amarelo, ramos curtos, ca. 0,3mm, agudos, pilosos. Cipselas

acastanhadas, elipsóides a fusiformes, 1,0-2,2mm compr., 0,4-0,6mm larg., 12 costadas,

escabras; pápus 3,0-3,5mm, cerdas livres, alvas, decíduas.

Observações: Espécie cosmopolita considerada ruderal, sendo encontrada geralmente

em viveiros, hortas e jardins (Lorenzi, 1991). Na Ilha do Cardoso foi coletada próxima às

casas em solo arenoso e úmido.

Material examinado: F.O. Souza et al. 230, fl., fr., próximo aos laboratórios, solo

arenoso e úmido, 17-IV-2005 (SP).

12. Eclipta L., Mant. pl. 2: 286. 1771.

Tipo: Eclipta alba (L.) Hassk., Pl. jav. rar.: 528. 1848.

Ervas anuais ou perenes, geralmente prostradas, escabro-pubescentes. Folhas sésseis

ou curto-pecioladas, opostas, inteiras, lâmina elíptica a estreito-ovada, cartácea, margem

58

serreada, denticulada ou inteira. Capítulos terminais ou axilares, normalmente solitários,

heterógamos, radiados; invólucro 2-seriado, hemisférico a campanulado, brácteas involucrais

imbricadas, geralmente iguais ou externas mais largas, membranáceas; receptáculo plano ou

convexo, paleáceo, páleas lineares, não carenadas. Floresdo raio pistiladas, corola ligulada,

alva. Flores do disco monoclinas, corola tubulosa, 4-5-laciniada; anteras negras, apêndice

ovado, base caudada; ramos do estilete obtusos. Aquênios negros, obcônicos, comprimidos,

tuberculados, os do raio trígonos, os do disco quadrangulares; pápus ausentes ou

coroniformes.

Gênero constituído de três ou quatro espécies, sendo mais freqüente nas regiões

Tropicais (Pruski, 1997b).

Eclipta e Sphagneticola O. Hoffm. têm em comum o hábito herbáceo, geralmente

prostrado e a morfologia dos aquênios, sendo distintas especialmente pelo formato das

folhas e páleas do receptáculo.

12.1. Eclipta prostrata (L.) L., Mant. pl. 2: 286. 1771.

Basiônimo: Verbesina alba L., Sp. pl. 2: 902. 1753. Tipo: USA, “Habitat in Virginia”, Surinamo

s.n., s.d. (LINN 1020.1)

Nomes vulgares: agrião-do-brejo, erva-de-botão, pimenta-d’água (Kissmann & Groth, 1999).

Ilustração em: Pruski (1997b), p. 264, fig. 221.

Erva até 30,0cm alt., anuais, indumento de tricomas unisseriados, bicelulares, célula

basal curta, apical longa, alvos; ramos cilíndricos, avermelhados, escabros. Folhas sésseis,

lâmina estreito-elíptica, 5,0-8,3cm compr., 1,2-2,0cm larg., estrigosa, face adaxial mais densa,

ápice agudo, mucronado, base decorrente, margem esparso-serreada, glandulosa, nervação

hifódroma. Capítulos solitários ou aos pares; pedúnculo 2,0-4,8cm, hirsuto, ca. 150 flores;

invólucro campanulado, 4,0-4,5mm compr., 6,0-6,5mm larg., brácteas involucrais verdes,

elípticas, margem ciliada em direção ao ápice, externas 4,0-4,5mm compr., 2,0-2,3mm larg.,

5-nervadas, estrigosas, ápice mucronado, internas 3,0-3,2mm compr., ca. 1,5mm larg., 4-

nervadas, glabras, ápice agudo; receptáculo plano, páleas lineares, 2,0-2,6mm compr.,

persistentes. Floresdo raio ca. 100, corola alva, ligulada, 1,8-2,0mm compr., glabra, tubo

59

curto, ca. 0,6mm compr., 1-2-laciniada; ramos do estilete curtos, ca. 1,0mm compr.,

truncados, glandulosos. Flores do disco ca. 50, corola esverdeada, tubuloso-campanulada,

1,4-1,7mm compr., ca. 1,0mm larg., 5-laciniada, lacínios ca. 0,5mm, internamente papilosos;

ramos do estilete insertos, papilosos. Aquênios 2,0-2,4mm compr., 0,6-0,9mm larg., rugoso-

verrugosos; pápus coroniformes.

Observações: Espécie com ampla distribuição desde o Canadá até a América do Sul,

inclusive nas regiões insulares, ocorrendo também nos países paleotropicais (Pruski, 1997b).

No Brasil é encontrada em praticamente todos os Estados, sendo mais freqüente nas

regiões Norte e Nordeste, em áreas úmidas, especialmente em lavouras irrigadas, onde causa

danos por abrigar em suas raízes espécies de nematóides (Kissmann & Groth, 1999). Na Ilha

do Cardoso foi coletada em vegetação de restinga, em solo arenoso e úmido.

Ecliptaprostrata é caracterizada por apresentar ramos avermelhados, folhas estreito-

elípticas, escabras, cobertas de tricomas grossos e alvos, capítulos solitários ou aos pares e

pequenas flores alvas.

Material examinado: F.O. Souza et al. 211, fl., fr., Trilha da Captação, restinga, 14-

IV-2005 (SP); M. Sztutman et al. 214, fr., Trilha da Captação, 25°04'S 47°5'W, trecho de

floresta de restinga baixa, 8-I-1999 (UEC).

13. Elephantopus L., Sp. pl. 2: 814. 1753.

Tipo: Elephantopus scaber L., Sp. pl. 2: 814. 1753.

Subarbustos perenes, eretos; ramos cilíndricos. Folhas sésseis ou curto-pecioladas,

alternas ou basais rosuladas, inteiras, lâmina membranácea ou cartácea, margem inteira,

crenada ou denteada. Capítulos homógamos, discóides, sésseis, reunidos em capítulos

secundários, geralmente longo-pedunculados, dispostos em capitulescência corimbiforme ou

paniculiforme, 1-5 flores; brácteas subinvolucrais 1-3, foliáceas; invólucro cilíndrico, 4-

seriado, brácteas involucrais geralmente 8, decussadas; receptáculo plano, epaleáceo,

alveolado. Flores monoclinas, corola alva ou púrpura, tubulosa ou levemente zigomorfa, 5-

laciniada; anteras com apêndice obtuso, base caudada. Cipselas obovóides, 10 costadas, às

60

vezes comprimidas, sedosas, carpopódio cilíndrico, assimétrico; pápus unisseriados ou

bisseriados, aristados, 5-30 aristas.

Elephantopussensu lato é constituído de aproximadamente 25 espécies, distribuídas

principalmente nas regiões tropicais, desde o México e Cuba, até o Norte da Argentina, e

como introduzida na África e Ásia tropical (Clonts & MacDaniel, 1978). No Brasil, são

encontradas 10 espécies com ocorrência em praticamente todos os Estados (Nakajima,

2000).

Gêneros tradicionalmente relacionados a Elephantopus, como Elephantosis Less.,

Orthopappus Gleason e Pseudelephantopus Rohr, foram sinonimizados por Clonts & MacDaniel

(1978) em Elephantopus. Esse posicionamento não foi adotado nos trabalhos de (Barroso,

1991; Robinson, 1996, 1999; Cristóbal & Dematteis, 2003), onde Elephantopus, Orthopappus e

Pseudolephantopus foram tratados como gêneros distintos.

13.1. Elephantopus mollis Kunth, Nov. gen. sp. 4: 26. 1820. Tipo: Venezuela, Caracas,

Humboldt & Bonpland 627, s.d. (Holótipo P).

Nomes vulgares: erva-de-veado, fumo-bravo, pé-de-elefante (Kissmann & Groth, 1999)

Ilustrações em: Elias (1975), p. 877, fig., 7; Jones (1980), p. 64, fig. 8; Funk & Pruski (1996),

p.99, fig. 36; Pruski (1997), p.267, fig. 223.

Subarbusto 0,8-1,0m alt.; pouco ramificado, indumento constituído de tricomas

tectores longos, unisseriados, alvos; ramos estriados. Folhas sésseis, alternas, lâmina

oblanceolada a elíptica, 9,5-15,5cm compr., 5,0-6,0cm larg., membranácea a cartácea,

discolor, face adaxial verde-escura, estrigosa, face abaxial verde-clara, velutina, ápice agudo a

arredondado, base decorrente, ciliada, margem revoluta, denteada, nervação acródroma,

tricomas concentrados nas nervuras. Capitulescência corimbiforme. Capítulos com 4

flores; brácteas subinvolucrais 2-3, largo-ovadas a deltóides, 7,9-10,0mm compr., 1,5-6,7mm

larg., cartáceas, nervuras alvas e bem marcadas na face abaxial, ápice acuminado, base pilosa,

margem esparso-serreada, ciliada; invólucro cilíndrico, 5,5-6,5mm compr., ca. 3,0mm larg.,

brácteas involucrais verdes, triangulares a oblongas, escariosas, quilhadas, glabras ou esparso-

pilosas, ápice acuminado, margem inteira, externas 3,5-4,5mm compr., 0,7-1,0mm larg.,

internas 5,5-6,5mm compr., 1,0-1,4mm larg. Corola alva, 5,0-5,5mm compr., glabra, tubo

61

3,0-3,25mm compr., ca. 0,3mm larg., limbo 2,0-2,25mm compr., ca. 0,7mm larg., 5-laciniada,

lacínios 1,5mm; anteras insertas; ramos do estilete ca. 3,0mm compr. Cipselas acastanhadas,

obovóides, 2,0-2,5mm compr., 1,0mm larg., 5 costadas, seríceas; pápus unisseriados, aristas

4,0-4,5mm compr., livres, base alargada, margem fimbriadas, alvas.

Observações: Espécie de ampla distribuição nos países neotropicais e como

introduzida na África tropical, sudeste da Ásia e nas Ilhas Fuji, Havaí e Micronésia (Pruski,

1997a). Apesar de ruderal, na Ilha do Cardoso foi coletada em vegetação de restinga.

Material examinado: F.O. Souza et al. 214, fl., fr., Trilha da Captação, 14-IV-2005

(SP); F.O. Souza et al. 253, fl., fr., Restinga do Marujá, fruticeto, 04-VI-2005 (SP); M.

Sztutman et al. 209, fl., fr., Trilha da Captação, 25°04'S47°5'W, trecho de floresta de restinga

baixa, 08-I-1999 (UEC).

14. Emilia Cass., Bull. Soc. Philom. 1817: 68. 1817.

Tipo: Emiliaflammea Cass., in Cuvier Dict. Sci. Nat. 14: 406. 1819.

Ervas geralmenteanuais. Folhas alternas, inteiras ou pinatífidas, geralmente com

dimorfismo entre as folhas basais e apicais. Capitulescência corimbosa, laxa, terminal.

Capítulos homógamos discóides, pedunculados, desprovidos de calículo; invólucro

cilíndrico a campanulado, unisseriado, brácteas involucrais em número reduzido, unidas na

base, reflexas na maturação; receptáculo convexo ou plano, epaleáceo. Flores monoclinas,

corola alaranjada, vermelha ou lilás, tubulosa, delgada, 5-laciniada; estames com filetes

levemente engrossados junto às tecas, formando o colar, antera com apêndice ovado, base

obtusa; ramos do estilete agudos a obtusos, longo-papilados. Cipselas cilíndricas a oblongo-

elípóides, 5 costadas; pápus unisseriados, cerdosos, cerdas numerosas, escabras ou

barbeladas, decíduas.

Gênero paleotropical constituído de aproximadamente 100 espécies (Jeffrey, 1986;

Tadesse & Beentje, 2004), algumas com distribuição mais ampla como Emilia coccinea (Sims)

G. Don, E. forsbergii Nicolson e E. sonchifolia (L.) DC. ex Wight, que ocorrem também nos

neotrópicos (Cabrera, 1950; Nicolson, 1976).

62

14.1. Emilia fosbergii Nicolson, Phytologia 32: 33. 1975.

Tipo: Bahamas,New Providence, próxima a Nassau, A.H. Curtis 6, 29-XII-1902 (Holótipo

US; Isótipos F, GH, MO, NY, US).

Nomes vulgares: emília, serralha-mirim (Nakajima et al. 2001)

Ilustrações em: Barkley (1975), p. 1249, fig. 94; Funk & Pruski (1996), p. 101, fig. 37; Pruski

(1997), p. 270, fig. 226.

Erva anual, até 50,0cm alt.; indumento constituído de tricomas tectores, unisseriados,

multicelulares, translúcidos e/ou tricomas glandulares; ramos cilíndricos, glabrescentes.

Folhas sésseis ou basais pseudopecioladas, lâmina estreito-ovada, lirada a rômbica, 5,5-

13,0cm compr., 3,5-5,0cm larg., membranácea, face adaxial glabrescente, abaxial pontuada de

glândulas alvas, ápice agudo, base auriculada, amplexicaule, às vezes atenuada, margem

denteada, cartilaginosa, nervação craspedódroma, nervura central esparso-vilosa. Capítulos

com ca. 60 flores; invólucro turbinado, 10,0-13,0mm compr., 5,0mm larg., brácteas

involucrais verdes, oblongas, carnosas (in vivo), glabras, ápice agudo, acastanhado, esparso-

viloso, margem hialina; receptáculo subconvexo. Corola vermelha, 8,0-9,0mm compr.,

glabra, tubo estreito, 4,5-5,0mm compr., ca. 0,1mm larg., base alargada, limbo ca. 3,5-4,0mm

compr., 0,4mm larg., lacínios 1,0-1,5mm, curto-pilosos; anteras com apêndice estreito-ovado,

base obtusa; estilete ca. 9,0mm compr., ramos do estilete 1,0-1,5mm compr., amarelos,

obtusos, pilosos. Cipselas acastanhadas, cilíndricas, 3,5-4,0mm compr., ca. 1,0mm larg., 5

costadas, costelas pilosas; pápus 7,0-8,0mm, cerdas barbeladas, alvas.

Observações: Emilia fosbergii provavelmente possui origem híbrida, nativa da Flórida,

Antilhas, Ilhas do Pacífico e Brasil (Nicolson, 1976). No Brasil é encontrada em

praticamente todos os Estados, sendo considerada ruderal. Na Ilha do Cardoso foram

encontrados apenas alguns indivíduos próximos às casas.

Espécimes de E. fosbergii normalmente são identificados como E. sonchifolia, pois

ambas são muito semelhantes, principalmente quanto ao formato das folhas. E. sonchifolia é

caracterizada por alguns autores por apresentar capítulos com invólucro menor (até

10,0mm), com menos flores (30-40) e corola rosada, geralmente não excedendo o invólucro.

Ao analisar os materiais de herbário não foi possível constatar essas diferenças, uma vez que

são bem variáveis, sendo provavelmente a cor da corola a única característica distintiva.

63

Material examinado: F.O. Souza et al. 223, fl., fr., próximo aos laboratórios, restinga,

17-IV-2005 (SP).

15. Erechtites Raf., Fl. ludov. 65. 1817.

Tipo: Erechtitespraealta Raf., Fl. ludov. 65. 1817.

Ervas anuais ou perenes, eretas; ramos estriados, folhosos, glabros a pilosos. Folhas

alternas, sésseis ou curto-pecioladas, lobadas a pinatissectas, raro inteiras, ápice agudo, base

decorrente ou amplexicaule. Capitulescência corimboso-paniculada. Capítulos

heterógamos, disciformes, caliculados; invólucro cilíndrico, unisseriado, base alargada,

brácteas involucrais lineares ou estreito-ovadas, em geral iguais, coniventes e eretas,

divergentes e deflexas na maturação; receptáculo plano, epaleáceo, alveolado ou fimbriado.

Flores marginais pistiladas, corola filiforme, 4-5-laciniada; ramos do estilete agudos,

glabros. Flores centrais monoclinas, corola tubulosa, 5-laciniada; antera com apêndice

ovado, base obtusa; ramos do estilete truncados a levemente obtusos, papilosos. Cipselas

cilíndricas a subfusiforme, 10 costadas, costelas proeminentes, cartilaginosas; pápus

multisseriados, cerdas capilares, barbeladas.

No seu trabalho de revisão para o gênero, Belcher (1956) reconheceu cinco espécies

de Erechtites e considerou categorias infra-específicas como variedades e formas.Erechtites

hieracifolia (L.) Raf. ex DC. é polimórfica e muito comum nas regiões mais úmidas das

Américas, e como invasora na Europa Central, Havaí, Indonésia e sudeste da Ásia; E.

valerianifolia (Spreng.) DC. apresenta ampla distribuição nas Américas tropical e subtropical,

ocorrendo também como invasora em ilhas tropicais do Pacífico, no nordeste da Austrália e

sudeste da China; enquanto que E. missionum Malme, E. goyazensis (Gard.) Cabr. e E. ignobilis

Baker são exclusivas da América do Sul. No Brasil, o gênero está representado pelas cinco

espécies.

15.1. Erech ites valerianifolia (Spreng.) DC. Prod. 6: 295. 1838. t

Basiônimo: Seneciovalerianifolius Link ex Spreng., Syst. veg. 3: 565. 1826. Tipo: Brasil: Bahia,

J.S. Blanchet 725. 1831 (Holótipo NY, Foto!).

64

Nomes vulgares: capariçoba-vermelha, caraçova, caruru-amargoso, erva-gorda (Cabrera &

Klein, 1975).

Ilustrações em: Baker (1882), vol. VI, part. III, tab. 82; Barkley (1975), p. 1252, fig. 95;

Pruski (1997), p. 272, fig. 229.

Erva até 1,5m alt., ereta, anual; ramos estriados, glabros. Folhas pinatissectas, lâmina

11,0-17,0cm compr., 3,0-4,0cm larg., membranácea, glabrescente a glabra em ambas as faces,

lobos elípticos a estreito-ovados, margem irregularmente esparso-serreada, base decorrente,

nervação craspedódroma; pecíolo 2,0-3,0cm compr. Capitulescência paniculiforme.

Capítulos pedunculados, 50-60 flores; brácteas do calículotriangulares, 3,0-3,5mm compr.,

ca. 0,3mm larg., margem ciliada; invólucro cilíndrico, 8,0-10,0mm, 3,0-4,0mm larg.,

unisseriado, brácteas involucrais verdes, triangulares, 8,0-10,0mm compr., ca. 0,7mm larg.,

carnosas (in vivo), uninérveas, glabras a esparso-pilosas no ápice, ápice agudo, margem

hialina; receptáculo epaleáceo. Flores marginais 40-50, corola lilás, 8,0-9,5mm, glabra, tubo

7,0-8,0mm compr., 0,1mm larg., limbo ca. 1,0-1,5mm compr., 0,3mm larg., 5-laciniada,

lacínios ca. 0,4mm, externamente papilosos; ramos do estilete ca. 0,4mm compr. Flores

centrais 6-10, corola lilás, 9,0-11,0mm compr., glabra, tubo 8,0-8,5mm compr., 0,1mm larg.,

limbo ca. 2,0-2,5mm compr., 0,5mm larg., 5-laciniada, lacínios ca. 0,4mm, externamente

papilosos; anteras com apêndice estreito-ovado; ramos do estilete truncados, 0,7mm.

Cipselas acastanhadas, cilíndricas, 2,0-2,5mm compr., ca. 0,5mm larg., 10 costadas, costelas

alvas, epicarpo viloso, tricomas tectores curtos, alvos; pápus ca. 8,0mm, cerdas lilases, livres,

caducas.

Observações: Segundo Belcher (1956), Erechtitesvalerianifolia apresenta distribuição em

toda América Tropical e freqüentemente forma híbrido com E hieracifolius var. cacalioides

(Fisch. ex Spreng. ) Griseb., invadindo regiões da Ásia tropical, várias ilhas do Pacífico e

nordeste da Austrália. De acordo com esse autor, E. valerianifolia apresenta quatro formas,

sendo diferenciadas especialmente pelo formato das folhas. Os materiais da Ilha do Cardoso

pertencem à forma valerianifolia.

Vale a pena ressaltar que até a publicação do trabalho de Nicolson (1991), a autoria

do basiônimo de E. valerianifolia era atribuída a “Wolf”, citada em uma listagem de sementes

para Berlim, datada de 1925. Entretanto, a obra na qual a espécie teria sido descrita, bem

65

como o registro de algum funcionário do Herbário de Berlim chamado “Wolf” não foram

localizados, atribuindo-se a autoria do basiônimo a Spreng.

Material examinado: T.M. Lewinsohn et al. 18204, fl., próximo à estação

(CERPANIC), beira da estrada em mata de restinga, 03-XII-1985 (UEC); C.F.S. Muniz & A.

Custodio Filho 137, fl., 14-VIII-1979 (SP); C.F.S. Muniz & A. Custodio Filho 140, fl., 24-

VIII-1979 (SP); F.O. Souza 259, fl., fr., ao lado da tapera do antigo gerador, restinga, 23-

VIII-2005 (SP); M. Sztutman et al. 197, fl., Trilha da Captação, 25°4´S 47°5´W, Floresta

Ombrófila Densa, 08-I-1999 (ESA); M. Sztutman et al. 210, fl., Trilha da Captação, 25°4´S

47°5´W, Floresta Ombrófila Densa, trecho de floresta de restinga, 08-I-1999 (ESA).

16. Gamochaeta Wedd., Chlor. and. 1: 151. 1856.

Tipo: Gamochaetaamericana (Mill.) Wedd., Chlor. and. 1: 151. 1856. (=Gnaphalium americanum

Mill.)

Ervas anuais ou perenes, indumento tomentoso ou lanoso. Folhas alternas, ao longo

dos ramos, às vezes em roseta basal, normalmente sésseis, inteiras, lâmina oblanceolada a

espatulada. Capitulescência glomeruliforme, espiciforme, corimbiforme ou paniculiforme.

Capítulos heterógamos, disciformes; invólucro cilíndrico a ovóide, 3-4-seriado, brácteas

involucrais imbricadas, escariosas ou membranáceas, margem hialina; receptáculo plano a

côncavo, epaleáceo. Floresmarginais 30-100, pistiladas, corola filiforme, 3-5-laciniada;

ramos do estilete delgados. Flores centrais 1-5, monoclinas, corola creme, alva ou púrpura,

tubulosa, 5-laciniada; anteras com apêndice apical obtuso, base caudada; ramos do estilete

achatados, truncados, penicelados. Cipselas obovóides a elipsóides, epicarpo reticulado,

glanduloso, glândulas papilosas sésseis, acastanhados, mucilaginosos; pápus cerdosos,

unisseriados, cerdas escabras, barbeladas, unidas na base em anel e caducas em conjunto

Gênero representado por cerca de 80 espécies com ampla distribuição, especialmente

nas regiões quentes do Novo Mundo, com várias espécies invasoras no Velho Mundo

(Dillon & Alva, 1991b). A América do Sul é considerada o centro de diversidade do gênero,

sendo responsável por abrigar metade das espécies conhecidas.

66

Gamochaeta foi criado por Weddel (1856) com base em quatro espécies de Gnaphalium

L. que apresentavam as cerdas do pápus unidas na base, formando um anel. Vários autores

posteriores a Weddel não adotaram esse posicionamento e preferiram considerar Gamochaeta

como uma seção de Gnaphalium. Em 1961, Cabrera publicou um estudo com as espécies da

tribo Inuleae-Gnaphalineae da América do Sul e restabeleceu o gênero Gamochaeta, propôs

22 novas combinações e três espécies novas foram descritas para a Argentina. Entretanto,

mesmo após esse trabalho, as divergências entre os autores em aceitarem Gamochaeta como

gênero permaneceram, tendo em vista que muitos consideraram inconsistentes os caracteres

utilizados para o reconhecimento desse táxon.

Atualmente, em alguns trabalhos (Dillon & Alva, 1991a, b; Moraes & Monteiro,

2006), Gamochaeta é tratado como gênero, sendo caracterizado principalmente pela união das

cerdas do pápus em anel e caducas em conjunto, além do formato das folhas basais

(oblanceoladas a espatuladas), do invólucro (cilíndrico a ovóide), do número de flores

pistiladas em relação ao de flores monoclinas e a ornamentação do epicarpo das cipselas

(reticulado com glândulas papilosas sésseis).

Por compreenderem espécies morfologicamente muito semelhantes, a delimitação e a

taxonomia desse táxon é muito difícil, necessitando de mais estudos para uma circunscrição

consistente (Dillon & Alva, 1991a).

16.1. Gamochaeta americana (Mill.) Weed., Chlor. and. 1: 151. 1856.

Basiônimo: Gnaphaliumamericanum Mill., Gard. dict. 8: 8. 1768. Tipo: Antilhas, Jamaica,

Houstoun s.n., 1731. (Holótipo BM).

Sinônimo: Gnaphaliumspicatum Lam., Encycl. 2: 757. 1788.

Ilustração: Nash (1976), p. 499, fig. 44.

Erva anual até 30,0cm alt., indumento lanuginoso-tomentoso, constituído de

tricomas tectores longos, unisseriados e unicelulares; ramos cilíndricos. Folhas sésseis,

lâmina espatulada, 4,5-7,0cm compr., 0,5-0,9cm larg., cartácea, discolor, face adaxial verde-

escura, glabrescente, face abaxial cinérea, denso-lanosa, margem inteira, ápice obtuso,

mucronado, base decorrente, nervação hifódroma. Capitulescência espiciforme. Capítulos

sésseis, 83 flores; invólucro 3-seriado, cilíndrico a estreito-ovóide, 3,5-4,0mm compr., 3,0mm

67

larg., brácteas involucrais ovadas a estreito-ovadas, amareladas ou acastanhadas, escariosas,

margem inteira, externas 2,0-3,0mm compr., 1,2mm larg., esparso-pilosas na base, ápice

agudo, internas 3,5-4,0mm compr., 0,7mm larg., glabras, ápice agudo a acuminado;

receptáculo côncavo. Flores marginais ca. 80, corola creme, 2,5-3,0mm compr., ca. 0,1mm

larg., glabra, 2-3-laciniada, lacínios irregulares, ca. 0,1mm. Flores centrais 3, corola creme,

2,5-3,0mm compr., ca. 0,3mm larg., glabra, 5-laciniada, lacínios patentes; anteras levemente

exsertas; ramos do estilete ca. 0,4mm compr. Cipselas elipsóides, 0,5-0,7mm compr., ca.

0,2mm larg.; pápus 2,5-2,8mm compr., cerdas alvas.

Observações: Espécie com distribuição em toda a América Central e Sul, ocorrendo

como invasora nos Estados Unidos e Nova Zelândia (Dillon & Alva, 1991a). Na Ilha do

Cardoso não é muito freqüente, tendo sido coletada apenas em vegetação de anteduna e

fruticeto.

Gamochaeta americana é muito semelhante a G. purpurea (L.) Cabr. quanto ao hábito,

formato das folhas e tipo de inflorescência, sendo diferenciadas por Dillon & Alva (1991a)

especialmente por G.purpurea apresentar folhas concolores com indumento lanoso-

tomentoso em ambas as faces e ápice das brácteas involucrais normalmente purpúreo.

Material examinado: F.O. Souza et al. 247, fl., fr., Praia do Marujá, vegetação de

anteduna, 03-VI-2005 (SP); G.L. Webster 25549, fl., fr., fruticeto, 14-X-1986 (SP).

17. Mikania Willd., Sp. pl. 3(3): 1742. 1803. nom. cons.

Tipo: Mikaniascandens (L.) Willd., Sp. pl. 3(3): 1743. 1803. (=Eupatoriumscandens L)

Lianas ou trepadeiras, escandentes ou volúveis, raro subarbustos eretos; ramos

cilíndricos ou angulosos, maciços ou fistulosos. Folhas opostas, raramente verticiladas,

lâmina inteira, lobada ou pinatissecta; pecioladas ou sésseis; estípulas ausentes ou presentes.

Capitulescência em panícula de espiga, em panículas de glomérulos ou em cimas

corimbiformes. Capítulos pedunculados ou sésseis, homógamos, discóides; brácteas

subinvolucrais persistentes, geralmente menor do que o invólucro; invólucro cilíndrico, 2-

seriado, brácteas involucrais 4, dísticas, livres, as internas normalmente maiores do que as

externas; receptáculo plano, epaleáceo, alveolado. Flores 4, monoclinas, corola alva, creme,

68

esverdeada ou arroxeada, tubulosa; tubo estreito, limbo tubuloso, infundibuliforme ou

campanulado, 5-dentado ou 5-laciniado; anteras com apêndice ovado a oblongo, base

normalmente obtusa; ramos do estilete longos, lineares, geralmente clavados, papilosos.

Cipselas prismáticas, 5 (-10) costadas, glabras ou pilosas; pápus unisseriados, cerdosos,

cerdas barbeladas ou escabras, alvas, amarelas ou arroxeadas, persistentes.

King & Robinson (1987) reconheceram 415 espécies em Mikania,distribuídas

preferencialmente nas regiões tropicais e subtropicais do Novo Mundo, com maior

diversidade na América do Sul (Cabrera & Vittet, 1963; Cabrera & Klein, 1989), com poucas

espécies ocorrendo no Velho Mundo (Holmes 1995). No Brasil, ocorrem 171 espécies (King

& Robinson, 1987), a maioria habitando o interior ou a orla de matas. Na Ilha do Cardoso é

o gênero mais diversificado com 13 espécies, encontradas em orla ou interior da floresta de

restinga, sendo menos freqüente em vegetação de duna.

Mikania é um gênero monofilético, considerado um dos mais homogêneos da tribo

Eupatorieae. Essa uniformidade morfológica e conseqüente sobreposição dos caracteres

dificultam na delimitação entre as diversas espécies (Ritter & Miotto, 2005), sendo

reconhecidos “complexos específicos” (Robinson, 1934a; Ritter & Miotto, 2005).

O gênero é caracterizado principalmente por apresentar plantas trepadeiras ou lianas

(apenas cerca de 50 espécies apresentam hábito eretos), folhas opostas, capítulos precedidos

por brácteas subinvolucrais, anteras exsertas da corola na antese, cipselas geralmente com

cinco costelas e pápus cerdoso com cerdas barbeladas (Holmes, 1995), também são

característicos de Mikania, o invólucro constituído de quatro brácteas e quatro flores por

capítulo.

CHAVE PARA AS ESPÉCIES

1. Folhas palmatífidas a pinatissectas ................................................................... 17.11.M. ternata

1’. Folhas inteiras ou lobadas.

2. Capítulos sésseis dispostos em capitulescência parcial espiciforme ou glomeruliforme

3. Ramos fistulosos; capitulescência parcial espiciforme; bráctea subinvolucral ovada, ca.

1,0-1,5mm compr.; corola 3,0-4,5mm compr., lacínios curtos ca. 0,5mm compr.;

cipselas 1,5-2,0mm compr. ......................................................................... 17.7.M. lundiana

69

3’. Ramos maciços; capitulescência parcial glomeruliforme; bráctea subinvolucral estreito-

ovada, 3,0-6,0mm compr.; corola 6,0-7,5mm compr., lacínios 1,5mm compr.; cipselas

2,5-3,5mm compr......................................................................................... 17.6.M. laevigata

2’. Capítulos pedunculados em capitulescência dicasial, paniculiforme ou corimbiforme.

4. Folhas 10,5-15,5cm compr., face adaxial hirsuto-estrigosa, abaxial denso serícea .............

..............................................................................................................................17.9. M. sericea

4’. Folhas 1,7-10,0cm compr., glabras a glabrescentes em ambas as faces ou abaxial vilosa

5. Base das folhas atenuada, obtusa ou arredondada.

6. Folhas com nervação actinódroma; bráctea subinvolucral 6,0-9,0mm compr.;

invólucro 6,0-7,0mm compr. .........................................................17.5. M. involucrata

6’. Folhas com nervação acródroma; bráctea subinvolucral 1,0-5,5mm compr.;

invólucro com até 6,0mm compr.

7. Base das folhas atenuada, face abaxial glandulosa, glândulas imersas

enegrecidas, margem serreada; capitulescência corimbiforme......................................

.......................................................................................................17.10.M. smaragdina

7’. Base das folhas arredondada a obtusa, glabra ou face abaxial esparso-vilosa,

margem inteira; capitulescência paniculiforme.

8. Bráctea subinvolucral estreito-ovada, ca. 1,0mm compr.; invólucro 2,5-3,5mm

compr.; corola infundibuliforme, 3,0-3,8mm compr. .............17.12.M. trinervis

8’. Bráctea subinvolucral elíptica, 3,0-4,0mm compr.; invólucro 4,5-5,0mm

compr.; corola tubuloso-campanulada, 4,0-5,0mm compr. .....17.1. M. biformis

5’. Base das folhas subcordada, cordada ou hastada.

9. Base das folhas hastada, sinus ausentes, nervação acródroma . 17.1.M. biformis

9’. Base das folhas cordada ou hastada, sinus com mais de 2,0mm compr.,

nervação actinódroma ou campilódroma.

10. Ramos e folhas glabros; nervação campilódoma

11. Base das folhas cordada; estípula lobada; capitulescência corimbiforme;

bráctea subinvolucral ovada a elíptica 7,0-9,5mm compr.; cipselas

glandulosas, 7 costadas, costelas glabras ..............................17.4.M. hoehnei

11’. Base das folhas hastada a subcordada; estípula ausente; capitulescência

paniculiforme; bráctea subinvolucral espatulada ou oblonga 3,5-4,5mm

compr.; cipselas eglandulosas, 5 costadas, costelas curto-pilosas ....................

.....................................................................................17.3.M. hastato-cordada

70

10’. Ramos e folhas vilosos, estrigosos a glabrescentes; nervação actinódroma.

12. Folhas inteiras com margem crenato-denteada a serreada; capitulescência

corimbiforme.

13. Ramos hexagonais; bráctea subinvolucral elíptica a ovada, 4,0-9,0mm

compr., vilosa; invólucro 6,5-9,0mm compr.; corola 5,0-6,5mm compr.;

cipselas 3,0-3,8mm compr. ............................................17.2.M. cordifolia

13’. Ramos cilíndricos; bráctea subinvolucral estreito-ovada, 2,5-3,5mm

compr., glabra; invólucro 4,5-6,0mm compr.; corola 3,0-4,0mm

compr.; cipselas 1,0-1,5mm compr. .......................... 17.8.M. micrantha

12’. Folhas lobadas com margem inteira; capitulescência paniculiforme ........

............................................................................................... 17.13.Mikania sp.

17.1. Mikania biformis DC., Prodr. 5: 202. 1836. Tipo: Brasil, Bahia, Blanchet 1557, s.d. (P).

Fig. 23-25, 46 A.

Liana escandente; indumento constituído de tricomas tectores simples, unisseriados,

multicelulares, acastanhados; ramos cilíndricos, maciços, estriados, glabrescentes, ramos

apicais vilosos; entrenós 6,5-18,0cm. Folhas inteiras, lâmina ovada a elíptica, 4,5-10,5cm

compr., 1,3-3,0cm larg., membranácea a subcoriácea, glabra ou face abaxial esparso-vilosa,

ápice acuminado, base hastada a obtusa, margem inteira, revoluta, nervação acródroma, 3-5

nervuras evidentes; estípulas ausentes; pecíolo 1,5-3,5cm, estriado, viloso. Capitulescência

paniculiforme em dicásios; pedúnculos seríceo-vilosos; bráctea subinvolucral junto ao

capítulo, elíptica, 3,0-4,0-mm compr., ca. 1,0mm larg., glabra, ápice agudo, ciliado, margem

inteira, esparso ciliada. Capítulos pedunculados; invólucro 4,5-5,0mm compr., brácteas

involucrais oblongas, glabras a esparso-pilosas, margem inteira, curto-ciliada, ápice irregular,

agudo a obtuso, ciliado. Corola creme, tubuloso-campanulada, 4,0-5,0mm compr., tubo 2,0-

2,6mm compr., 0,5mm larg., esparso-piloso a glabro, levemente alargado na base, limbo 2,0-

2,4mm compr., 1,5-2,0mm larg., glabro, lacínios 1,5-1,7mm; anteras com apêndice ovado;

base do estilete levemente espessada, ramos 4,0mm compr. Cipselas obovóides, 3,0-5,0mm

compr., ca. 1,0mm larg., 5 costadas, esparso-pilosas a glabras; pápus 4,5-5,0mm, cerdas alvas.

71

Observações: Espécie com ampla distribuição, ocorrendo no Brasil desde o sul da

Bahia até Santa Catarina (Moraes & Monteiro, 2006). Na Ilha do Cardoso cresce no interior

da mata de restinga, na borda da floresta de encosta e em vegetação de restinga.

Mikania biformes assemelha-se a M. chlorolepis Baker, espécie não registrada para a área,

principalmente pelo formato das folhas, das brácteas subinvolucrais e pelo padrão de

capitulescência, distinguindo-se por esta última apresentar ramos pilosos, fistulosos, folhas

esparso-denteadas e corola com tubo curto, até 1,0mm. Outra espécie morfologicamente

muito relacionada é M. diversifolia DC. que, de acordo com Barroso (1958), diferencia-se de

M. biformes por apresentar capítulos com brácteas subinvolucrais e flores maiores, diferenças

estas não consideradas por Baker (1876) que as sinonimizou, o que foi aceito por Moraes &

Monteiro (2006).

Material examinado: P.H. Davis et al. D60791, fl., fr., floresta de encosta, 09-IX-

1976 (SP); E. Forero et al. 8797, fl., fr., restinga, 10-X-1980 (K, SP); F.O. Souza et al. 256, fl.,

próximo ao antigo gerador, restinga, 23-VIII-2005 (SP); F.O. Souza et al. 263, fl., Estrada da

Captação, 24-VIII-2005 (SP); F.O. Souza et al. 269, fl., fr., Estrada da Captação, restinga, 28-

IX-2005 (SP); R.G. Udulutsch et al. 2414, fl., fr., restinga, 26-IX-2003 (ESA, SP).

17.2. Mikania cordifolia (L.f.) Willd., Sp. pl. 3(3): 1746. 1803.

Basiônimo: Cacalia cordifolia L.f., Suppl. pl.: 351. 1781. Síntipos: Colômbia, “Habitat in

America meridionali”, Mutis 135, 1818, s.d. (LINN 976.4; US ).

Nomes vulgares: erva-de-cobra, erva-de-sapo, cipó-cabeludinho, cipó-catinga, coração-de-

jesus, guaco (Cabrera & Klein, 1989; Kissmann & Groth, 1999).

Fig. 26-29, 46 B-C.

Trepadeira volúvel; indumento constituído de tricomas tectores simples,

unisseriados, multicelulares, alvos e/ou tricomas glandulares sésseis, globosos, acastanhados;

ramos hexagonais, maciços, estriados, curto-vilosos; entrenós 4,0-19,0cm. Folhas inteiras,

lâmina ovada, 4,3-9,0cm compr., 3,7-10,0cm larg., membranácea, face adaxial estrigosa,

glabrescente, esparso-glandulosa, abaxial estrigosa a vilosa, glandulosa, ápice agudo,

mucronulado, base cordada, sinus 0,5-1,5cm, margem crenado-denteada a serreada,

glandulosa, nervação actinódroma; estípulas fimbriadas (às vezes caducas in sicco); pecíolo

72

2,5-7,5cm, sulcado, denso-viloso. Capitulescência corimbiforme; bráctea subinvolucral

disposta junto ao capítulo, elíptica a ovada, 4,0-9,0mm compr., 1,5-2,5mm larg., vilosa,

glandulosa, ápice agudo a acuminado, margem ciliada. Capítulos cuto-pedunculados, 3,0-

5,0mm; invólucro 6,5-9,0mm compr., brácteas involucrais oblongas a oblanceoladas,

externas vilosas, glandulosas, ápice agudo, margem ciliada, internas estriadas, glabras, ápice

ciliado, margem inteira. Corola creme, tubulosa, 5,0-6,5mm compr., 0,5-1,5mm larg., não

diferenciada em tubo e limbo, esparso pilosa a glabra, lacínios ca. 1,5-2,5mm; anteras

acastanhadas, apêndice oblongo; base do estilete espessada, ramos 4,5mm compr. Cipselas

cilíndricas, 3,0-3,8mm compr., ca. 1,0mm larg., 5 costadas, esparso-pubescentes a glabras,

tricomas alvos; pápus 5,0-6,0mm, cerdas alvas.

Observação: Mikania cordifolia apresenta ampla distribuição geográfica, ocorrendo em

toda a América Tropical e Subtropical, desde o Sudeste dos Estados Unidos até a Argentina

(King & Robinson, 1987; Holmes & McDaniel, 1992;). No Brasil ocorre em praticamente

todos os Estados, geralmente em orla de mata (Ritter & Miotto, 2005). Na Ilha do Cardoso é

comum ao longo de toda a vegetação de restinga, sobre a vegetação de duna, na orla de mata

e às margens das trilhas.

Espécie morfologicamente afim de M.micrantha Kunth por apresentar folhas

cordiformes e capitulescências corimbiformes, distinguindo-se desta pelos ramos hexagonais,

formato e tamanho das brácteas subinvolucrais e pelos capítulos com invólucros e flores

maiores.

Material examinado: M. Kirizawa & T.M. Cerati 1423, fl., fr., Restinga do

Pereirinha, ao lado de brejo, 16-IV-1985 (SP); H.F. Leitão Filho et al. 20318, fl., fr., duna e

restinga, 19-V-1988 (UEC); M. Sakane 229, fl., Praia do Pereirinha, restinga, 04-IV-1975

(SP); F.O. Souza & R.S. Bianchini 227, fl., Praia de Itacuruçá, vegetação de duna, 17-IV-2005

(SP); F.O. Souza et al. 234, fl., fr., Marujá, Praia da Tapera, fruticeto baixo, solo arenoso, 03-

VI-2005 (SP); F.O. Souza et al. 243, fl., fr., Marujá, Praia da Tapera, fruticeto, 03-VI-2005

(SP).

73

17.3. Mikania hastato-cordata Malme, Ark. Bot. 24a(6): 39. 1932. Tipo: Brasil, “Quinta

pr. Rio Grande, in silvula humida,” Malme 227, 05-XI-1901 (S).

Fig. 30-32.

Trepadeira delicada, volúvel, indumento de tricomas tectores, unisseriados,

multicelulares, curtos, acastanhados e/ou tricomas glandulares sésseis; ramos cilíndricos,

maciços, vináceos, estrias pouco evidentes, glabros; entrenós 4,5-15,0cm. Folhas inteiras,

lâmina ovada a triangular, 1,7-6,2cm compr., 1,5-3,5cm larg., subcoriácea, glabra a denso-

glandulosa em ambas as faces, ápice acuminado a caudado, base hastada a subcordada, sinus

2,0-6,0mm, margem inteira, revoluta, nervação campilódroma; estípula ausente, região do nó

tomentosa, tricomas curtos, acastanhados; pecíolo 2,0-3,0cm, levemente achatado, glabro a

farináceo. Capitulescência paniculiforme; bráctea subinvolucral junto ao capítulo,

espatulada ou oblonga, 3,5-4,5mm compr., 0,5mm larg., glabra, ápice assimétrico, esparso-

ciliado,margem inteira. Capítulos pedunculados, vilosos; invólucro 7,0-7,5mm compr.,

brácteas involucrais oblongas, glabras, nervadas, nervura acastanhada, ápice agudo, piloso,

base rugosa, pilosa, margem inteira. Corola creme, tubuloso-infundibuliforme, 4,5-5,0mm

compr., glabra, eglandulosa, tubo 2,0-2,5mm compr., 0,4mm larg., limbo 2,0-2,5mm compr.,

1,2mm larg., lacínios 1,5mm; anteras com apêndice ovado; base do estilete ovada, ca. 1,0mm

compr., glabra, ramos ca. 2,0mm compr., Cipselas obcônicas, 3,0-4,0mm compr., 0,6mm

larg., 5 costadas, eglandulosas, canescentes, costelas escabras, curto pilosas; pápus 4,0-4,5mm

compr., cerdas alvas.

Observações: Mikania hastato-cordata ocorre nas regiões Sudeste e Sul do Brasil

(Barroso, 1958; Cabrera & Vittet, 1963; Cabrera & Klein, 1989; King & Robinson, 1987),

principalmente em florestas de restinga. Na Ilha do Cardoso é pouco freqüente, tendo sido

coletada sobre árvores na orla da mata (Ritter & Mioto, 2005).

Mikania hastato-cordata é morfologicamente semelhante a M. hoehnei B.L. Rob. quanto

ao hábito delicado, tipo de venação e formato das folhas e da corola, diferindo desta,

principalmente por apresentar capitulescência paniculiforme, bráctea subinvolucral

espatulada ou oblonga, menor do que o invólucro, brácteas involucrais com nervuras

acastanhadas, corola glabra, eglandulosa e cipselas também eglandulosas com costelas curto-

pilosas.

74

Material examinado: F.O. Souza et al. 260, fl., fr., Núcleo do Perequê, atrás dos

laboratórios, restinga, 23-VIII-2005 (SP).

17.4. Mikania hoehnei B.L. Rob., Contr. Gray Herb. 104: 36. 1934. Tipo: Brasil, São

Paulo [Rio de Janeiro], Japuhyha, Hoehne & Gehrt 17376, 17-IV-1926 (Holótipo G, Isótipo

SP!).

Sinônimo: Cacaliacordata Vell., Fl. flumin. 314. 1825 (1829) syn. nov.

Fig. 33-38, 46 D.

Trepadeira delicada, volúvel; ramos cilíndricos, maciços, estriados, vináceos,

glabros; entrenós 7,0-14,0cm. Folhas inteiras, lâmina ovada, 3,0-4,2cm compr., 2,5-3,8cm

larg., subcoriácea (carnosa in vivo), glabra em ambas as faces, abaxial glandulosa, glândulas

imersas enegrecidas, ápice caudado, base cordada, sinus 3,0-8,0mm, imbricados, margem

inteira, revoluta, nervação campilódroma; estípula lobada, pubescente; pecíolo 1,0-2,0cm,

glabrescente a glabro. Capitulescência corimbiforme;bráctea subinvolucral disposta junto

ao invólucro, ovada a oblonga, 7,0-9,5mm compr., 3,0-4,5mm larg., glabra, glandulosa, ápice

agudo, margem inteira, esparso-ciliada. Capítulos pedunculados, 4,0-8,0mm compr.;

invólucro 6,0-7,0mm compr., brácteas involucrais oblongas a oblanceoladas, glabras, base

calosa, margem inteira, externas com ápice arredondado, piloso, internas com ápice agudo,

ciliado. Corola esverdeada, tubuloso-infundibuliforme, 4,5-5,0mm compr., esparso-pilosa,

glandulosa, tubo 2,5mm compr., 0,5mm larg., limbo 2,0-2,5mm compr., 1,0mm larg.; lacínios

1,0mm, glândulas concentradas no ápice; anteras cinzo-escuras, apêndice ovado; base do

estilete espessada, ramos 2,0mm compr. Cipselas negras, obcônicas, 3,5-4,0mm compr., 0,5-

1,0mm larg, 7 costadas, glandulosas, glândulas arredondadas, alvas, esparso pilosas, costelas

glabras; pápus 4,5-5,0mm, cerdas alvas.

Observações: Ocorre no Sudeste e Sul do Brasil, desde o Rio de Janeiro até Santa

Catarina (Cabrera & Vittet, 1963; Cabrera & Klein, 1989). Foi referida por Cabrera & Klein

(1989) como sendo rara em Santa Catarina, o mesmo ocorrendo na Ilha do Cardoso onde

até o momento foi amostrada uma única vez. Também é pouco freqüente em coleções dos

herbários visitados. Foi coletada no interior de mata de restinga com vegetação

predominante de Clusiaceae.

75

Mikania hoehnei é caracterizada pelo hábito delicado, ramos vináceos, brácteas

subinvolucrais ovadas, foliáceas e maiores que o invólucro, pelas flores esverdeadas com

anteras cinzo-escuras, estilete vináceo e cipselas negras, glandulosas. É semelhante à M.

hastato-cordata Malme, no entanto, nesta espécie as capitulescências são paniculiformes com

brácteas subinvolucrais espatuladas, menores do que o invólucro, as brácteas involucrais

possuem nervuras evidentes e as cipselas são curto-pilosas, eglandulares.

No protólogo da descrição original de M. hoehnei, Robinson (1934b) refere como

holótipo o material coletado por Hoehne & Gehrt 17.376, citando como local da coleta

“Japuhyha São Paulo”. No entanto, ao examinar o isótipo depositado no Herbário SP,

verificou-se que no rótulo da exsicata, Japuhyha é citada para o Estado do Rio de Janeiro;

provavelmente houve erro ao transcrever as informações.

A ilustração de Velloso (1829), tab. 55 para Cacalia cordata enquadra-se perfeitamente

na descrição de M. hoehnei. Entretanto já existe uma espécie descrita para a Ásia com esse

epíteto (Mikania cordata Rob.), sendo morfologicamente distinta da espécie brasileira, não

sendo possível, portanto, a utilização do epíteto de Velloso em Mikania.

Material examinado: F.O. Souza et al. 210, fl., fr., Restinga do Pereirinha, trilha para

Poço das Antas, 14-IV-2005 (SP).

Material adicional examinado: F.C. Hoehne & A. Gehrt, fl., fr., Rio de Janeiro,

“Japuhyba, E. do Rio de Janeiro”, 17-IV-1926 (SP17376, Isótipo!); W. Hoehne 5723, fl., fr.,

Rio de Janeiro, próximo ao Recreio dos Bandeirantes, Guanabara, 04-IV-1964 (SP); W.

Hoehne 5989, fl., fr., Rio de Janeiro, estrada BR-6, Guanabara, 21-V-1965 (SP).

17.5. Mikania involucrata Hook. & Arn., Comp. Bot. Mag. 1: 243. 1835. Tipo: Brasil,

Santa Catarina, Tweedie s.n., s.d. (Holótipo K).

Fig. 39-42, 46 E-F.

Trepadeira volúvel; ramos cilíndricos, estriados, vilosos, basais glabrescentes,

tricomas acastanhados; entrenós 8,0-15,5cm compr. Folhas inteiras, lâmina ovada a

triangular, 3,5-5,7cm compr., 2,9-3,9cm larg., coriácea, face adaxial glabrescente, glandulosa,

abaxial viloso-glandulosa, glândulas globosas douradas, ápice mucronado, base obtusa,

margem inteira, revoluta, ciliada, nervação actinódroma; estípula ausente; pecíolo 1,7-2,3cm,

76

cilíndrico, estriado, viloso. Capitulescência corimbiforme; bráctea subinvolucral elíptica,

6,0-9,0mm compr., 3,0mm larg., côncava, carenada, glabra, ápice agudo, margem inteira,

curto-ciliada. Capítulos pedunculados, 3,0-4,0mm, vilosos; invólucro 6.0-7,0mm compr.,

brácteas involucrais oblongas, ápice agudo, curto-ciliado, base calosa, vilosa, margem inteira,

hialina. Corola creme, tubulosa, 5,0-6,0mm compr., glabra, tubo 1,0-1,5mm compr., 0,5mm

larg., limbo 4,0-4,5mm compr., 2,5mm larg., lacínios 1,3mm compr.; anteras com apêndice

agudo; base do estilete espessada, ramos ca. 3,0mm compr. Cipselas cilíndricas, 4,0-4,5mm

compr., 0,5mm larg., 5 costadas, esparso glandulosas, costelas bem evidentes; pápus 5,5-

6.0mm compr., cerdas alvas.

Observações: No Brasil, distribui-se nos Estados do Sudeste e Sul, sendo exclusiva de

vegetação de restinga (Cabrera & Klein, 1989; Ritter & Mioto, 2005).

Dentre as espécies estudadas, Mikania involucrata assemelha-se à M. hoehnei quanto ao

hábito, tipo de capitulescência, tamanho e disposição das brácteas subinvolucrais e

comprimento do invólucro, sendo diferenciada pelos ramos vilosos, pela nervação

actinódroma, pelas brácteas subinvolucrais elípticas, côncavas e carenadas e pela corola

glabra com tubo menor.

Material examinado: D.A. De Grande & E.A. Lopes 326, fl., trilha de acesso ao

trapiche do Pereirinha, 27-IX-1979 (K, SP); E. Forero et al. 8617, fl., próximo aos

laboratórios, 08-X-1980 (K, SP); E. Forero et al. 8671, fl., restinga de Itacuruçá, 08-X-1980

(K, SP), S.E. Martins et al. 904, fl., fr., Praia do Marujá, beira da trilha, fruticeto, 28-X-2005

(SP); Xavier et al. 26, fl., fr., 27-X-1982 (SP).

17.6. Mikania laevigata Sch. Bip. ex Baker, in Martius Fl. bras. 6(2): 241. 1876. Tipo:

Brasil, “habitat in Brasilia meridionali”, Sello 232, s.d. (B).

Nome vulgar: guaco

Fig. 43-45.

Liana escandente; indumento constituído de tricomas tectores simples unisseriados,

multicelulares e tricomas glandulares, sésseis, acastanhados; ramos cilíndricos, maciços,

estriados, vináceos, glabrescentes, vilosos nos nós; entrenós 6,0-14,0cm. Folhas inteiras,

77

lâmina ovada, 6,5-15,0cm compr., 2,5-8,0cm larg., coriácea (carnosa in vivo), face adaxial

glabra, abaxial glabrescente, glandulosa, glândulas imersas, ápice agudo a acuminado, base

obtusa a atenuada, margem inteira, revoluta, nervação acródroma supra-basal, 3-5-nervuras;

estípula ausente; pecíolo 1,2-4,5, cilíndrico, liso, glabrescente. Capitulescência

paniculiforme, parciais glomeruliformes; bráctea subinvolucral estreito-ovada, 3,0-6,0mm

compr., 0,5-1,0mm larg., esparso-vilosa a glabra, ápice agudo, margem ciliada. Capítulos

sésseis a subsésseis; invólucro 6,0-8,0mm compr., brácteas involucrais oblongas a estreito-

ovadas, esparso-estrigosa a glabras, ápice agudo, piloso, ciliado, base calosa, margem inteira,

hialina. Corola creme, infundibuliforme, 6,0-7,5mm compr., glabra, tubo 2,0-3,0mm compr.,

1,0mm larg., limbo 4,0-4,5mm compr., 2,0mm larg., lacínios 1,5mm compr., pilosos; anteras

castanhas, apêndice ovado; base do estilete espessada, ramos 4,5-5,0mm compr. Cipselas

cilíndricas, 2,5-3,5mm compr., 1,0mm larg., 5 costadas, glabrescentes; pápus 7,0-7,5mm

compr., cerdas alvas.

Observações: Ocorre no Sudeste e Sul do Brasil (King & Robinson, 1987) em orla e

interior de matas (Ritter & Mioto, 2005). Na Ilha do Cardoso é pouco freqüente, tendo sido

coletada na margem da Estrada da Captação em vegetação de restinga.

Mikania laevigata é caracterizada pelas folhas inteiras, ovadas, coriáceas (carnosas in vivo) e

brilhantes, pelas capitulescências paniculiformes com capítulos sésseis, dispostos em

capitulescências parciais glomeruliformes, pela corola com tubo curto, além do odor

característico de cumarina que permanece na planta mesmo quando seca. Assemelha-se a M.

glomerata Spreng., espécie não encontrada na Ilha, entretanto, esta pode ser diferenciada

principalmente por apresentar folhas lobadas. Outra espécie muito semelhante a M. laevigata

é M. paniculata DC., porém, esta última difere por apresentar as folhas maiores e os capítulos

com invólucro menor, até 3,0mm compr.

Mikania laevigata e M. glomerata são comercializadas para fins medicinais sob o nome

de guaco.

Material examinado: M.R. Gorenstein et al. 57, veg. Trilha da Captação, 25°4’S

47°05’W, restinga baixa, 8-I-1999 (ESA); F.O. Souza et al. 262, fl. fr., Estrada da Captação,

restinga, 24-VIII-2005 (SP).

78

17.7. Mikania lundiana DC., Prodr. 7: 270. 1838. Tipo: Brasil, Lund s.n., s.d. (C).

Fig. 47-50.

Liana escandente; ramos cilíndricos, fistulosos, estriados, glabros, raro apicais

vilosos, glândulas globosas douradas; entrenós 3,5-15,0cm; região do nó tomentosa. Folhas

inteiras, lâmina ovada, 5,0-8,5cm compr., 2,5-5,3cm larg., subcoriácea, discolor, face adaxial

verde, glabra, abaxial acastanhada, glabra, denso-glandulosa, ápice agudo, base atenuada,

margem inteira, revoluta, nervação acródroma, 2 basais e 3 supra-basais; estípula ausente;

pecíolo 1,5-2,5cm, estriado, glabro. Capitulescência paniculiforme, parciais espiciformes;

bráctea subinvolucral ovada, 1,0-1,3mm compr., 0,5mm larg., glabra, ápice agudo, margem

inteira, esparso-ciliada. Capítulos sésseis; invólucro 3,8-5,5mm compr., brácteas involucrais

oblongas, gabras, ápice arredondado, margem esparso-ciliada. Flores perfumadas, corola

creme, infundibuliforme, 3,0-4,5mm compr., glabra, pouco diferenciada em tubo e limbo,

lacínios curtos, ca. 0,5mm compr.; anteras com apêndice ovado; base do estilete espessada,

ramos 2,5mm compr. Cipselas enegrecidas, cilíndricas, 1,5-2,0mm compr., 0,4mm larg., 5

costadas, glabras; pápus 4,0-4,5mm compr., cerdas alvas.

Observações: Mikania lundiana apresenta distribuição no Brasil chegando até o norte

da Argentina. No Brasil, ocorre desde o sul da Bahia até o Rio Grande do Sul, no interior e

em orla de matas (Ritter & Miotto, 2005). Na Ilha do Cardoso foi coletada em vegetação de

mata de planície e vegetação de restinga, geralmente próxima a rios.

Assemelha-se a M. laevigata quanto ao formato das folhas, tipo de nervura e

arquitetura geral da inflorescência, diferindo desta, em especial pelos ramos fistulosos,

capitulescências parciais espiciformes e brácteas subinvolucrais menores.

Material examinado: F. Barros & P. Martuscelli 1637, fl., fr., estrada para Morro

Três Irmãos, mata de planície, 25-IV-1989 (K, SP); M. Kirizawa 1643, fl., Restinga do

Pereirinha, margem da Estrada da Captação, 10-VI-1986 (K, SP); M.C.H. Mamede et al. 176,

fl., Marujá, trilha para Praia de Lages, descendo o Morro do Marujá, 21-VI-1989; E.F. Pedra

et al. 01, fl., mata primária, solo arenoso, 06-IV-1982 (K, SP); F.O. Souza et al. 222, fl., fr.,

próximo ao Rio Perequê, mata de planície, 16-IV-2005 (SP).

79

17.8. Mikania micrantha Kunth, Nov. gen. sp. 4: 105. 1818. Tipo: Venezuela, Caripe,

Humboldt & Bonpland 235, IX (Holótipo P-HBK).

Fig. 51-54.

Trepadeira delicada, volúvel; ramos cilíndricos, fistulosos, estriados, glabrescentes a

esparso-vilosos; entrenós 7,5-14,5cm. Folhas inteiras, lâmina ovada a triangular, 3,5-6,5cm

compr., 2,7-5,7cm larg., membranácea, face adaxial glabrescente, glandulosa; abaxial

estrigoso-glandulosa, ápice agudo, apiculado, base cordada, sinus 5,0-10,0mm, margem

crenado-denteada, ciliado-glandulosa, nervação actinódroma; estípulas lobadas, laciniadas;

pecíolo 2,5-3,5cm, estriado, viloso. Capitulescência corimbiforme, formada por dicásios;

bráctea subinvolucral estreito-ovada, 2,5-4,0mm compr., ca. 0,3mm larg., glabra, às vezes

esparso-glandulosa, ápice acuminado a caudado, ciliado, margem inteira, lisa a ciliada.

Capítulos pedunculados; invólucro 4,5-6,0mm compr., brácteas involucrais oblongas,

gabras, membranáceas, margem esparso-ciliada, ápice acuminado a agudo, ciliado. Flores

perfumadas, corola alva, tubuloso-campanulada, 3,0-4,0mm compr., tubo 2,0-2,5mm compr.,

ca. 0,3mm larg., glanduloso, limbo 1,0-1,5mm compr., 0,6mm larg., esparso-glânduloso,

lacínios 0,5mm compr.; anteras com apêndice agudo; base do estilete espessada, ramos

2,5mm compr.. Cipselas cilíndricas, 1,0-1,5mm compr., 0,3mm larg., 5 costadas,

glandulosas; pápus 3,0-4,0mm compr., cerdas alvas.

Observações: Das espécies de Mikania estudadas, M. micrantha é a que apresenta

distribuição mais ampla, ocorre no México, América Central, Antilhas e nordeste da América

do Sul (King & Robinson, 1975). King & Robinson (1987) atribuíram essa ampla

distribuição geográfica à introdução humana. No Brasil, ocorre em praticamente todos os

Estados, comumente em bordas de matas (Ritter & Miotto, 2005). Muito comum na Ilha do

Cardoso, é encontrada ao longo das trilhas e locais antropizados, geralmente em solo

arenoso.

Mikania micrantha é morfologicamente relacionada à M. scandens Willd., espécie do

leste dos Estados Unidos. Devido à grande plasticidade dessas duas espécies, Robinson

(1934a) colocou-as em um “grupo” denominando-o de “complexo scandens”. Esse

polimorfismo também foi observado por Ritter & Miotto (2005) nos espécimes de M.

micrantha para o Rio Grande do Sul.

80

Assemelha-se à M. cordifolia, contudo esta é mais robusta, apresenta ramos hexagonais,

brácteas subinvolucrais, capítulos e flores maiores, além das brácteas subinvolucrais vilosas.

Outra espécie também muito semelhante é M. trachypleura B.L. Rob., porém nesta espécie,

apesar dos ramos serem hexagonais, as folhas são triangulares a deltóides, as brácteas

involucrais são pilosas e as flores relativamente menores, até 3,0mm.

Material examinado: M.C.B. Attié et al. 02, fl., restinga em frente ao alojamento,

solo arenoso, 02-IV-1982 (K, SP, UEC); D.A. De Grande & E.A. Lopes 58, fl., fr., Centro

de Pesquisa, 05-IV-1978 (K, SP); E. Forero et al. 8578, fl., fr. restinga, 7-IV-2005 (UEC); M.

Kirizawa et al. 945, fl., fr., Sítio Pedro Luiz, mata, 20-IV-1983 (SP); S. Romaniuc Neto et al.

23, fl., fr., mata de terra firme, solo bem drenado, beira da mata, 23-VII-1982 (K, SP); M.

Sakane 451, fl., Praia do Pereirinha, 15-III-1976 (SP); F.O. Souza et al. 220, fl., fr., restinga

próxima aos laboratórios, solo arenoso, 14-IV-2005 (SP).

17.9. Mikania sericea Hook. & Arn., Comp. Bot. Mag. 1: 243. 1835. Tipo: Brasil, Sello

724, s.d. (B).

Fig. 55-59.

Liana escandente,coberta por indumento ferrugíneo, constituído de tricomas

tectores simples, unisseriados, multicelulares; ramos cilíndricos, estriados, híspidos; entrenós

2,5-10,5cm. Folhas inteiras, lâmina ovada, 10,5-15,5cm compr., 2,5,7-5,0cm larg., cartácea,

discolor, face adaxial verde-escura, hirsuto-estrigosa, face abaxial ferrugínea, denso-serícea,

ápice acuminado a caudado, base arredondada, margem inteira, nervação eucamptódroma;

estípula ausente; pecíolo 1,5-3,0cm, cilíndrico, seríceo. Capitulescência paniculiforme;

bráctea subinvolucral ovada, 3,0-4,0mm compr., 1,0-2,0mm larg., serícea, ápice agudo,

margem ciliada. Capítulos pedunculados; invólucro 4,0-4,5mm compr., brácteas involucrais

oblongas a oblanceoladas, externas seríceas, ápice agudo, margem irregularmente ciliada,

internas glabrescentes, ápice agudo. Corola creme-esverdeada, tubuloso-campanulada, 3,0-

4,0mm compr., glabra, tubo 1,4-2,0mm compr., 0,3-0,5mm larg., alargado na base; limbo

1,5-2,0mm compr., 1,7-2,0mm larg.; lacínios 1,0mm compr.; anteras com apêndice ovado;

base do estilete espessada, ca. 0,3mm compr., ramos 3,5mm. Cipselas negras, obcônicas,

2,0-3,5mm compr., ca. 0,3mm larg., 5 costadas, glabras; pápus 3,5mm compr., cerdas creme.

81

Observações: Espécie com distribuição no Sudeste e Sul do Brasil, desde o Rio de

Janeiro até Santa Catarina (Cabrera & Klein, 1989), em interior e orla de mata. Na Ilha do

Cardoso, ocorre na orla da mata de restinga.

Mikania sericea é facilmente distinta das demais espécies ocorrentes na Ilha do

Cardoso pelo indumento ferrugíneo que recobre toda a planta. Morfologicamente

assemelha-se à M. hirsutissima DC., mas difere por esta apresentar indumento hirsuto a

hirsuto-lanoso e folhas com base cordada e margem curto-denteada.

Material examinado: E.A. Anunciação & S.J.G. Silva 08, fl., fr., estrada para Morro

da Captação, restinga, 23-VII-1990 (K, SP); A. Custodio Filho & S.F.C. Muniz 163, fl., Praia

do Pereirinha, 22-VIII-1979 (SP); S. Romaniuc Neto & M. Kirizawa 205, 22-VIII-1984 (SP).

17.10. Mikania smaragdina Dusén ex Malme, Kongl. Svenska Vetenskapsakad.

Handl. Ser. 3. 12(2): 55. 1933. Tipo: Brasil, Paraná, Roça Nova, 885m altitude, Dusén

101094A, 15-III-1909 (G, Foto NY!).

Fig. 60-63.

Liana apoiante; ramos cilíndricos, fistulosos, estriados, glabros; entrenós 2,3-5,5cm;

cicatriz da estípula evidente. Folhas inteiras, lâmina elíptica, 4,0-6,7cm compr., 1,7-3,5cm

larg., coriácea, glabra, face abaxial glandulosa, glândulas imersas enegrecidas, ápice

acuminado, base atenuada, margem revoluta, serreada na 2/3 superior, nervação acródroma;

pecíolo 0,6-2,0cm, liso, glabro. Capitulescência corimbiforme; bráctea subinvolucral

elíptica, 4,0-5,5mm compr., 1,7-2,0mm larg., glabra, ápice agudo, curto-ciliado, margem

inteira, ciliada. Capítulos pedunculados; invólucro 5,5-6,5mm compr., brácteas involucrais

oblongas, glabras, ápice agudo, ciliado, base calosa, velutina, margem curto-ciliada. Flores

perfumadas, corola alva, tubuloso-campanulada, 4,0-4,6mm compr., glabra, tubo 2,0-2,3mm

compr., ca. 0,5mm larg., limbo 2,0-2,3mm compr., 2,0mm larg., lacínios 1,5-2,0mm compr.;

anteras com apêndice obtuso; base do estilete espessada, ramos 3,0mm compr. Cipselas

cilíndricas, 3,0-4,0mm compr., ca. 0,6mm larg, esparso-pilosa; pápus 3,5mm compr., cerdas

alvas.

82

Observações: Encontrada nas regiões Sudeste e Sul do Brasil, em orla e interior de

matas (Barroso, 1958; Ritter & Miotto, 2005). Com rara e restrita ocorrência na Ilha do

Cardoso, foi coletado apenas um material no Pico do Cardoso, a cerca de 840m, onde a

vegetação característica é de fruticeto fechado.

No tratamento das Compositae Paranaensis, Malme (1933) com base na variação do

hábito (volúvel ou apoiante), reconheceu duas variedades para M. smaragdina. Entretanto,

essas variações não foram observadas por Ritter & Miotto (2005), que preferiram não

considerar variedades para o Rio Grande do Sul. Da mesma forma, neste trabalho não foram

reconhecidas variedades, considerando que o número de material analisado foi bem restrito.

Mikania smaragdina é semelhante à M. trinervis Hook & Arn., no entanto, esta última

apresenta ramos maciços, margem foliar inteira, capitulescência paniculiforme, brácteas

subinvolucrais estreito-ovadas, pequenas, ca. 1,0mm, invólucro e corola também menores e

lacínios pouco profundos, cerca de 1,0mm e glandulosos.

Material examinado: F. Barros 2269, fl., fr., Pico do Cardoso, ca. 840m, 09-V-1991

(SP).

Material adicional examinado: G. Hatschbach 1392, fl., fr., Paraná, Peraquara, Rio

do Corvo, Picada Mãe Catira, 01-V-1949 (MBM, SP).

17.11. Mikania te nata (Vell.) B.L. Rob., Contr. Gray Herb. 39: 198. 1911. r

Basiônimo: Cacalia ternata Vell., Fl. flumin., 315. 1825 (1829). Tipo: Lectótipo, designado por

Robinson, Contr. Gray Herb. 39: 198. 1911: Ícones 8, Fl. flumin., tab. 56. 1827 (1831).

Fig. 64-66.

Trepadeira delicada, volúvel, indumento de tricomas tectores, multicelulares, alvos;

ramos cilíndricos, estriados, glabros, apicais esparso-tomentosos, entrenós 6,5-9,5cm.

Folhas palmatífidas a pinatissectas, lâmina com segmentos elípticos a ovados, 2,0-4,5cm

compr., 1,5-2,0cm larg., membranáceos, glabros em ambas as faces, ápice agudo,

mucronado, base decorrente, margem irregularmente fendida, ciliada, nervação peninérvia;

estípula fimbriada; pecíolo 3,0-6,5cm, levemente estriado, glabro. Capitulescência

corimbiforme; bráctea subinvolucral estreito-ovada, 4,0-4,5mm compr., 0,5mm larg., glabra,

ápice agudo, margem inteira. Capítulos pedunculados; invólucro 4,5-5,5mm compr.,

brácteas involucrais lineares, paleáceas, glabras, estriadas, estrias castanhas, ápice acuminado,

83

ciliado, margem inteira, lisa. Corola creme, infundibuliforme, 5,0-5,5mm compr., glabra,

tubo 1,5mm compr., 0,5mm larg., limbo 3,5-4,0mm compr., 1,5mm larg., estrias

acastanhadas no ápice, lacínios 1,0-1,5mm compr.; anteras com apêndice obtuso; base do

estilete espessada, ramos 6,0mm compr. Cipselas cilíndricas, 3,0-3,6mm compr., 0,6mm

larg., glabras; pápus 5,0-6,0mm compr., cerdas alvas.

Observações: Mikamia ternata ocorre no Brasil, Paraguai, Peru e Argentina, (Barroso,

1958; Holmes & McDaniel, 1982; Cabrera & Klein, 1989). No Brasil é encontrada nas

regiões Nordeste, Sudeste e Sul, em orla e interior de matas (Ritter & Miotto, 2005). Espécie

pouco freqüente, coletada com material fértil apenas uma vez na Ilha do Cardoso. Durante

as viagens de coleta foram observados na Estrada da Captação alguns indivíduos, todos em

estado vegetativo.

Robinson (1911) publicou a combinação de Cacalia ternata Vell. em Mikania, nome

amplamente utilizado. Holmes & McDaniel (1979) restabeleceram o binômio M. dentata

Spreng., que tem prioridade sobre M. ternata, passando desde então a ser sinônimo de M.

dentata. Entretanto, ao examinar o tipo de M. dentata, Holmes (2001) verificou que se tratava

de um exemplar de Calea pinnatifida Banks ex Steud., restabelecendo assim o binômio

Mikania ternata (Ritter & Miotto, 2005).

Mikamia ternata apresenta grande variedade morfológica quanto ao tamanho e

formato das folhas, sendo semelhante à M. ullei Hieron., porém esta apresenta

capitulescência paniculiforme, flores menores com até 4,0mm e corola profundamente

laciniada.

Material examinado: S.L. Jung-Mendaçolli & E.A. Lopes 548, fl., fr., Estrada da

Captação, 23-V-1983 (SP).

Material adicional examinado: S.E. Martins et al. 469, fl., fr., São Paulo, Bertioga,

Praia do Itaguaré, 06-VI-1999 (SP, USC); C.A. Monteiro et al. 13, fr., São Paulo, Cananéia,

Ilha Comprida, estrada entre a balsa e a Praia da Ilha Comprida, 25°01’04’’S, 47°54’43’W,

restinga com transição para duna, 08-IX-1994 (HRCB, K, SP, SPF, UEC); M.

Wongtschowski et al. 29, fl., fr., São Paulo, Cananéia, estrada Pariquera-Açú-Cananéia,

02,9”S, 47°50’30,3”W, mata de restinga, 06-IX-1994 (HRCB, K, SP, SPF, UEC).

84

17.12. Mikania trinervis Hook. & Arn., Comp. Bot. Mag. 1: 244. 1835. Tipo: Brasil,

Santa Catarina, Tweedie s.n., s.d. (K).

Fig. 67-69.

Liana apoiante; ramos cilíndricos, maciços, estriados, glabros; entrenós 2,5-8,8cm.

Folhas inteiras, lâmina elíptica a ovada, 6,5-9,0cm compr., 2,8-4,0cm larg., coriácea, glabra

em ambas as faces; ápice agudo, base obtusa a arredondada, margem inteira, nervação

acródroma basal; estípula ausente; pecíolo 1,3-2,0cm, cilíndrico, glabro. Capitulescência

paniculiforme; bráctea subinvolucral estreito-ovada, ca. 1,0mm compr., 0,3mm larg., vilosa,

esparso-ciliada, ápice agudo, margem inteira. Capítulos pedunculados; invólucro cilíndrico,

2,5-3,5mm compr., brácteas involucrais estreito-ovadas, esparso-vilosas, ápice agudo, base

calosa, vilosa, margem inteira, esparso-ciliada. Corola alva, infundibuliforme, 3,0-3,8mm

compr., glabra, tubo 1,0-1,3mm compr., ca. 0,4mm larg., limbo 2,0-2,5mm compr., 1,0mm

larg., lacínios 0,5-1,0mm compr.; anteras castanhas, apêndice ovado; base do estilete

levemente espessada, ramos 2,3mm compr. Cipselas cilíndricas, 2,0-3,3mm compr., ca.

0,5mm larg., 5 costadas, pilosas, tricomas acastanhados; pápus 2,5-3,0mm compr., cerdas

alvas.

Observações: Apresenta distribuição no Sudeste e Sul do Brasil (Barroso, 1958;

Cabrera & Vittet, 1963). Na Ilha do Cardoso foi coletada no interior da mata e às margens

das trilhas, em vegetação de restinga e floresta de encosta.

Mikania trinervisé caracterizada pelas folhas lustrosas, inteiras, coriáceas com três

nervuras basais, pelas capitulescências com brácteas subinvolucrais estreito-ovadas, pequenas

com cerca de 1,0mm, invólucro até 3,5mm, lacínios da corola pouco profundos e cipselas

velutinas. Assemelha-se à M. smaragdina (ver comentário nesta espécie). Outra espécie

morfologicamente semelhante é M. lindbergii Baker, entretanto, esta espécie apresenta folhas

com 3 nervuras supra-basais, brácteas subinvolucrais maiores com cerca de 2,0mm,

glandulosas e invólucro também maior com cerca de 4,5mm e brácteas involucrais

glandulosas.

Material examinado: D.A. De Grande & E.A. Lopes, fl., fr., próximo aos geradores,

restinga, 06-X-1979 (SP162713); M.M.R.F. Melo & A. Chautems 679, fl., fr., Morro do

Cardoso, às margens do Rio Cardoso, 17-IX-1986 (K, SP); C.F.S. Muniz & A. Custodio

85

Filho 110, fl., fr., 22-VIII-1979; S. Romaniuc Neto et al. 273, fl., fr., Morro da Captação,

mata, 10-VIII-1985 (K, SP).

17.13. Mikania sp.

Trepadeira delicada, volúvel, indumento constituído de tricomas tectores,

unisseriados, multicelulares e/ou tricomas glandulares, acastanhados; ramos cilíndricos,

maciços, estriados, glabrescentes; entrenós 5,0-9,3cm. Folhas lobadas, lâmina ovada, 3,3-

3,7cm compr., 2,3-2,5cm larg., membranácea, face adaxial glabrescente, face abaxial

glandulosa, ápice longo acuminado, base cordada, lobos pouco a muito profundos, sinus 7,0-

10,0mm, margem inteira, revoluta, nervação actinódroma 3-5 nervuras evidentes; estípula

inteira; pecíolo 2,0-3,0cm, viloso. Capitulescência paniculiforme; bráctea subinvolucral

linear, 1,5mm compr., 0,4mm larg., glandulosa, glândulas em depressões, ápice agudo,

ciliado, margem inteira. Capítulos pedunculados;invólucro 5,5mm, brácteas involucrais

elípticas, ápice ciliado, margem inteira, externas glandulosas, internas glabras. Corola alva,

tubuloso-campanulada, 4,0-4,3mm compr., tubo 2,0mm compr., 0,5mm larg., glabro,

glanduloso na região externa da fauce, limbo 2,0-2,3mm compr., 1,5mm larg, lacínios 1,0mm

compr., glandulosos; anteras com apêndice obtuso, base do estilete espessada, ramos 2,7mm

compr.. Cipselas obcônicas, 3,0mm compr., 0,7mm larg., glandulosas, 5 costadas, costelas

curto-pilosas; pápus 4,5mm compr., cerdas alvas.

Observações: Na Ilha do Cardoso foi coletado apenas um material, em vegetação de

restinga em processo de regeneração.

Quanto ao aspecto geral, assemelha-se às espécies do “complexo scandens” de

Robinson (1922); no entanto neste “complexo” as espécies possuem folhas inteiras e

capitulescências corimbiformes, caracteres não encontrados no espécime coletado.

Apresenta características comuns às duas espécies desse complexo, M. cynanchyfolia

Hook & Arn e M. micrantha Kunth, entretanto M. cynanchyfolia possui folhas com face abaxial

densamente pilosa, capitulescências em corimbos e cipselas apenas gladulosas, enquanto que

M. micrantha apresenta ramos fistulosos, folhas cordiformes não lobadas com margem

crenado-denteada e capitulescências corimbiformes.

86

Comparando o indivíduo encontrado na Ilha do Cardoso com as espécies estudadas

por Barroso (1958), esse é semelhante ao grupo de folhas 3-5-lobadas de base cordada; no

entanto, as características não se enquadram com as espécies mais próximas, M. punctata

Gard.e M. vitifolia DC., pois ambas possuem folhas bem maiores com 15,0-18,0cm compr. e

12,0-15,0cm larg., com nervuras pilosas e pecíolo de 8,0cm compr.

Dentre as espécies ocorrentes na Ilha do Cardoso, assemelha-se à M. micrantha e M.

hastato-cordada, diferindo da primeira, além das diferenças já citadas acima, pelas anteras

creme com apêndice ovado, e da segunda pela forma das folhas, tamanho do invólucro e das

brácteas subinvolucrais e cipsela eglandulares..

Material examinado: S.C. Chiea et al. 508, fl., fr., Estrada da Captação, 22-VII-1996

(K, SP).

87

i

i

Fig. 23-25: Mikania biformis DC. 23: ramo com capitulescência; 24: bráctea subinvolucral; 25: flor. Fig. 26-29:

Mikaniacordifolia (L.f.) Willd. 26: folha; 27: detalhe da capitulescência; 28: bráctea subinvolucral; 29: flor jovem. Fig.

30-32: Mikaniahastato-cordata Malme. 30: folha; 31: bráctea subinvolucral; 32: flor. Fig. 33-38: Mikan ahoehnei

B.L. Rob. 33: ramo com capitulescência; 34: capítulo evidenciando bráctea subinvolucral; 35: bráctea involucral; 36: flor;

37: detalhe das anteras; 38: estilete. Fig. 39-42: Mikaniainvolucrata Hook. & Arn. 39: folha; 40: detalhe da

capitulescência; 41: capítulo com bráctea subinvolucral; 42: flor. Fig. 43-45: Mikanialaev gata Sch. Bip. ex Baker. 43:

folha; 44: bráctea subinvolucral; 45: flor jovem (23-25: Souza et al. 269; 26-29: Souza et al. 227; 30-32: Souza et al. 260;

33-38: Souza et al. 210; 39,42: Martins et al. 904; 40-41: Xavier 26; 43-45: Souza et al. 262).

88

Fig.46: A: Mikania biformis DC. B-C: Mikania cordifolia (L.f.) Willd.; C: estípula. D: Mikania hoehnei B.L. Rob. E-

F: Mikania involucrata. Hook. & Arn.; F: detalhe da capitulescência. G-H: Piptocarpha leprosa (Less.) Baker; H:

capitulescência (Fotos: A, D: F.O. Souza; B-C, E-F: S.E. Martins;. G-H: R.P. Romanini).

HG

D

F

E

C

BA

89

Fig. 47-50: Mikania lundiana DC. 47: ramo com capitulescência; 48: capítulo; 49: bráctea subinvolucral; 50: flor. Fig.

51-54: Mikania micranthaKunth. 51: folha; 52: capítulo; 53: bráctea subinvolucral; 54: flor. Fig. 55-59: Mikania

sericea Hook. & Arn. 55: ramo com capitulescência; 56: detalhe da capitulescência com a bráctea subinvolucral e sem as

flores; 57: detalhe da margem da bráctea subinvolucral; 58: detalhe da margem das brácteas involucrais; 59: flor. Fig. 60-

63: Mikania smaragdinaDusen ex Malme. 60: folha; 61: capítulo com bráctea subinvolucral; 62: bráctea involucral; 63:

flor. Fig. 64-66: Mikania ternata(Vell.) B.L. Rob. 64: folha; 65: capítulo com bráctea subinvolucral; 66: flor. Fig. 67-69:

Mikania trinervis Hook.& Arn. 67: folha; 68: capítulo com bráctea subinvolucral; 69: flor. (47-50: Souza et al. 222; 51-

54: Souza et al. 220; 55-59: Anunciação 8; 60-63: Barros 2269; 64-66: Mendaçolli 548; 67-69: Melo & Chautems 679).

90

18. Pentacalia Cass., in Cuvier Dict. Sci. Nat. 48: 461. 1827.

Tipo: Pentacaliaarborea (Kunth) H. Rob. & Cuatrec., Phytologia 40(1): 39. 1978. (=Cacalia

arborea Kunth).

Arbustos apoiantes ou escandentes, raro epifíticos; ramos cilíndricos, pubescentes,

glabrescentes ou glabros. Folhas pecioladas, alternas, dispostas ao longo dos ramos, inteiras,

lâmina ovada, elíptica a oblonga, cartácea ou coriácea, ápice agudo a obtuso, base

arredondada a atenuada, margem geralmente inteira, nervação broquidódroma.

Capitulescência corimbiforme-paniculada ou tirsóide-paniculiforme. Capítulos

pedunculados, heterógamos, geralmente radiados; invólucro campanulado ou cilíndrico,

unisseriado, caliculado, brácteas involucrais 8-9, lineares a estreito-ovadas, persistentes;

receptáculo plano, epaleáceo, alveolado. Flores do raio 5-6, pistiladas, corola amarela,

ligulada. Flores do disco 6-7, monoclinas, corola amarela, tubuloso-campanulada, 5-

laciniada; anteras com apêndice oblongo, pouco distinto, base curto-sagitada, colar presente;

ramos do estilete obtusos a truncados, glabros, região estigmática em linhas. Cipselas

pentagonais, 5 costadas, geralmente glabras; pápus unisseriados, cerdosos.

Gênero neotropical constituído de aproximadamente 200 espécies, distribuídas nas

Américas Central e do Sul (Pruski, 1997a; Matzenbacher, 1998). No Brasil ocorrem apenas

duas espécies, Pentacaliadesiderabilis (Vell.) Cuatrec., com distribuição mais ampla ocorrendo

em praticamente todos os Estados das regiões Sudeste e Sul, enquanto que P.tropicalis

(Cabr.) C. Jeffrey está restrita aos Estados do Espírito Santo e Rio de Janeiro (Matzenbacher,

1998).

Robinson & Cuatrecasas (1978) restabeleceram Pentacalia, considerando como

principal característica diagnóstica para o reconhecimento do gênero o formato pentagonal

das cipselas, caráter esse já adotado por Cassini em 1827 apud King & Dawson (1975).

Cuatrecasas (1981) publicou um trabalho complementando a descrição de Pentacalia,

descrevendo-o como um gênero representado por espécies subarbustivas com caules ou

ramos escandentes, raro epifítico, além das cipselas pentagonais.

Pentacalia foi criado a partir de numerosas espécies lenhosas que compunham a seção

Streptothamni Greenm. de Senecio L. Atualmente, com a publicação dos gêneros Dendrophorbium

e Monticalia por Jeffrey (1992), também representados por espécies lenhosas, houve algumas

modificações nos limites genéricos de Pentacalia e Senecio, entretanto, essas modificações

91

ainda não estão bem estabelecidas, necessitando de mais estudos para um delimitação

satisfatória.

18.1. Pentacalia desiderabilis (Vell.) Cuatrec., Phytologia 52(3): 164. 1982.

Basiônimo: Seneciodesiderabilis Vell., Fl. flumin. icon. 108. 1827 (1831). Lectótipo, designado

por Cuatrecasas, Phytologia 52(3): 164. 1982: Ícones 8, Fl. flumin., tab. 108. 1827 (1831).

Nome vulgar: catião-trepador (Cabrera & Klein, 1975).

Ilustração em: Matzenbacher (1998), p. 217, fig. 62.

Arbusto escandente; ramos estriados, glabros, ritidoma espesso. Lâmina foliar

elíptica, 6,5-10,0cm compr., 2,0-3,0cm larg., coriácea, glabra, ápice obtuso ou agudo,

mucronado, base atenuada, margem cartilaginosa, nervura evidente na face abaxial; pecíolo

1,0-1,5cm. Capitulescência tirsóide-paniculiforme. Capítulos pedunculados, radiados, 12

flores; brácteas do calículo estreito-ovadas, 3,5-4,0mm compr. ca. 0,5mm larg., ápice agudo,

ciliado, margem esparso-ciliada; invólucro cilíndrico, 6,0-9,0mm compr., 3,0-4,0mm larg.,

unisseriado, brácteas involucrais estreito-ovadas, oblongas, cartácea, glabrescentes, 3-

nervadas, ápice ciliado, margem inteira, hialina. Flores do raio 5, corola 5,0-5,5mm compr.,

lígula elíptica, glabra, 3-denteada; estilete excerto, ramos ca. 1,0mm, glabros. Flores do

disco 7, corola tubuloso-campanulada, 5,0-6,2mm compr., glabra, tubo 3,5-3,7mm compr.,

ca. 0,5mm larg., limbo 1,5-2,5mm compr., 1,3mm larg., lacínios 5, regulares, ca. 1,0mm;

ramos do estilete truncados, 2,0-2,5mm compr. Cipselas acastanhadas, 1,0-2,0mm compr.,

ca. 0,3mm larg., glabras; pápus 3,0-4,5mm compr., cerdas escabras, alvas.

Observações: Espécie exclusivamente brasileira, encontrada desde Minas Gerais até o

Rio Grande do Sul, geralmente em vegetação de Floresta Ombrófila Mista e Floresta

Ombrófila Densa de encosta, onde, quando florida produz um belo efeito ornamental à

paisagem devido à coloração amarelo-ouro das flores (Cabrera & Klein, 1975; Matzenbacher,

1998). Na Ilha do Cardoso foi coletada em vegetação de restinga.

Pentacaliadesiderabilis pode apresentar hábito hemi-epifítico primário no interior da

mata, ou rupícola nos paredões rochosos da encosta atlântica (Waechter, 1992 apud

Matzenbacher, 1998).

92

Material examinado: F. Barros & R.T. Nimomia 1666, fl., fr., trilha para Morro Três

Irmãos, restinga, 3-VII-1989 (SP); R. Goldenberg 28609, fl., fr., restinga, 10/13-VI-1993

(UEC); M. Kirizawa 1646, fl., fr., Restinga do Pereirinha, 10-VI-1986 (SP); M. Kirizawa

1794, fl., fr., Restinga do Pereirinha, 15-X-1986 (SP); H.F. Leitão Filho et al. 10779, fl., fr.,

11/12-XII-1979 (UEC); H.F. Leitão Filho et al. 20353, fl., fr., restinga, 20-V-1988 (UEC); P.

Martuscelli 1047, fl., fr., Estrada da Captação, 10-VI-1990 (SP).

19. Piptocarpha R. Br., Trans. Linn. Soc. London 12(1): 121. 1817.

Tipo: Piptocarpha brasiliana Cass., in Cuvier, Dict. sci. nat. 41: 109. 1826.

Arbustos subescandentes a escandentes, raro árvores, indumento tomentoso ou

lepidoto, constituído de tricomas tectores simples, estrelados ou escamiformes e tricomas

glandulares. Folhas sésseis ou pecioladas, alternas, raro apicais opostas ou subopostas,

inteiras, face adaxial geralmente glabra, abaxial estrelado-tomentosa a lepidota, margem

inteira ou denteada. Capitulescência axilar, em cimeiras glomeruliformes, pseudoumbelas

ou paniculiformes, freqüentemente em ramos laterais curtos. Capítulos sésseis ou

pedunculados, homógamos, discóides, paucifloros a multifloros; invólucro ovóide, cilíndrico,

campanulado ou turbinado, multisseriado, brácteas involucrais imbricadas, escariosas,

externas persistentes, internas caducas ou todas caducas, raramente todas persistentes;

receptáculo cilíndrico ou convexo, epaleáceo, raro paleáceo. Flores monoclinas, corola

creme ou alva, tubulosa, geralmente tubulosa, 5-laciniada, lacínios profundos, geralmente

revolutos; curto pubescentes, eglandulares ou glandulares; anteras exsertas, apêndice ovado,

base caudada; ramos do estilete delgados, agudos ou obtusos, pilosos até abaixo do ponto de

bifurcação. Cipselas cilíndricas ou angulosas, truncadas no ápice, costadas ou lisas, às vezes

glandulosas entre as costelas; pápus bisseriados, cerdas externas curtas, filiformes ou lineares,

cerdosas ou paleáceas, geralmente inconspícuas, internas longas, filiformes, cerdosas,

freqüentemente tão longas quanto à corola, alvas ou amareladas.

Gênero neotropical constituído de aproximadamente 45 espécies de difícil

delimitação (Hind, 2003).

O gênero Piptocarpha é dividido em dois subgêneros, o subg. Piptocarpha, comum nas

florestas das regiões Centrais e Norte dos Andes e em regiões litorâneas no Norte da

93

América do Sul e o subg. Hypericoides,mais diversificado e abundante em vegetações das

florestas de encostas do leste e sudeste do Brasil (Smith, 1984).

CHAVE PARA AS ESPÉCIES

1. Ramos 5-angulosos, gríseo-dourados; capitulescência curto racemiforme ......................

............................................................................................................................... 19.2. P. notata

1.’ Ramos cilíndricos, acastanhados; capitulescência glomeruliforme.

2. Lâmina foliar elíptica, face abaxial acastanhada, denso-glandulosa, glândulas

castanho-avermelhadas, ápice agudo; corola 7,5-8,0mm compr., glabra.....................

.................................................................................................................... 19.1. P. leprosa

2.’ Lâmina foliar oblonga, face abaxial argênteo-dourada, esparso glandulosa,

glândulas douradas, ápice longo acuminado, raro agudo; corola 4,5-5,0mm

compr., tubo glanduloso ...................................................................... 19.3. P. oblonga

19.1. Piptocarpha leprosa (Less.) Baker, in Martius Fl. bras. 6(2): 128. 1873.

Basiônimo: Vernonia leprosa Less., Linnaea 4: 252. 1829. Tipo: Brasil, Sello s.n., s.d. (GH).

Fig. 46 G-H, 70-78.

Arbusto escandente, indumento constituído de tricomas tectores escamiformes e

simples e tricomas glandulares, alvos, acastanhados ou avermelhados; ramos cilíndricos,

estriados, apicais em ziguezague, glabrescentes, acastanhados, entrenós 2,0-4,5cm compr.

Folhas alternas,lâmina elíptica, 6,5-11,5cm compr., 2,5-4,5cm larg., cartácea, discolor, face

adaxial verde-escuro, glabra, face abaxial acastanhada, lepidoto-tomentosa, denso-glandulosa,

tricomas escamiformes acastanhados, margem fimbriada, glândulas globosas, castanho-

avermelhadas e tricomas simples caducos, ápice agudo, base assimétrica à obtusa, margem

inteira, às vezes denticulada em direção ao ápice, revoluta, nervação broquidódroma; pecíolo

1,0-2,5cm, indumento igual ao do ramo. Capitulescência glomeruliforme. Capítulos

sésseis, 3 flores; invólucro 4-5-seriado, cilíndrico, 5,0-6,5mm compr., 2,0mm larg., brácteas

involucrais ovadas, elípticas a oblongas, glabras, ápice obtuso a agudo, esparso glanduloso,

94

margem inteira, ciliada em direção ao ápice, externas 2,5-3,0mm compr., 1,5mm larg., mácula

castanho-esverdeada no ápice, internas 5,0-5,5mm compr., 1,5mm larg.; receptáculo

cilíndrico. Flores perfumadas, corola alva, tubulosa, 7,5-8,0mm compr., glabra, pouco

diferenciada em tubo e limbo, ca. 3,0mm larg., lacínios agudos, 3,0-4,0mm, revolutos; anteras

atro-purpúreas, apêndice apical agudo; ramos do estilete 2,5mm compr., alvos. Cipselas

amareladas, cilíndricas, 3,5-5,0mm compr., 1,0-1,5mm larg., lisas ou 3-4 angulosas, glabras,

carpopódio cilíndrico, simétrico; pápus com cerdas externas ca. 1,0mm compr., internas 6,0-

6,5mm compr., alvas.

Observações: Piptocarphaleprosa ocorre na Venezuela e no Brasil, nos Estados da

Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná, em vegetação de floresta de encosta em altitudes

de 50 a 1700m (Smith, 1984).

Populações de P. leprosa, tanto na Venezuela quanto no Brasil, ocorrem em áreas

geograficamente consideradas como refúgios, sendo essa distribuição disjunta melhor

explicada pela provável interconexão no passado durante os períodos de clima úmido das

florestas da região Norte e Noroeste com as florestas mais próximas da costa atlântica da

América do Sul, onde as populações eram contínuas e, após as mudanças climáticas, foram

isoladas (Smith, 1984).

Piptocarpha leprosa é caracterizada pelas folhas elípticas com face abaxial acastanhada,

lepidoto-tomentosa, densamente pontuada com glândulas globosas castanho-avermelhadas.

A densidade do indumento pode ser variável, como observado no material T.B. Breier &

R.B. Singer 191, que mesmo em estágio vegetativo pôde ser identificado pela presença do

indumento na face abaxial constituído de tricomas semelhantes aos dos demais materiais

analisados, porém menos denso.

Material examinado: J.B. Baitelo 101, fl., trilha para o Poço das Antas, 12-VII-1983

(SP); T.B. Breier & R.B. Singer 191, veg., parcela permanente, 20-VI-2002 (UEC); P.H.

Davis et al. D.60603, fr., floresta de encosta, 7-IX-1976 (UEC); M.R. Gorenstein et al. 58,

fr., Trilha da Captação, 8-I-1999 (ESA, SPSF); M.M.R.F. Melo 448, fl., base do Morro do

Marujá, 18-VIII-1982 (SP); F.O. Souza et al. 261, fl., fr., Trilha da Captação, restinga, 24-

VIII-2005 (SP).

95

19.2. Piptocarpha notata (Less.) Baker, in Martius Fl. bras. 6(2): 129. 1873.

Basiônimo: Vernonianotata Less., Linnaea 4: 256. 1829. Tipo: Brasil, Sello s.n., s.d. (Holótipo

B; Isótipos GH, P, W).

Nome vulgar: braço-de-mico (Cabrera & Klein, 1980).

Fig. 79-83.

Arbusto escandente, constituído de tricomas tectores estrelados ou escamiformes e

tricomas glandulares, alvos, dourados ou acastanhados; ramos geralmente 5-angulados,

gríseo-dourados, lepidotos, tricomas escamiformes e glandulares, dourados, entrenós 1,0-

2,0cm compr. Folhas alternas,lâmina elíptica, 6,0-10,0cm compr., 2,0-3,5cm larg., cartácea,

discolor, face adaxial verde, glabra, face abaxial argênteo-tomentosa, glandulosa, tricomas

escamiformes alvos, lacínios profundos, glândulas douradas, ápice agudo a acuminado, base

atenuada, margem inteira, revoluta, nervação broquidódroma; pecíolo 0,7-1,0cm, indumento

igual ao do ramo. Capitulescência curto racemiforme, 2 ou maisramos no mesmo nó.

Capítulos curto-pedunculados, pedúnculo ca. 0,5mm, 3 flores; invólucro 4-seriado,

cilíndrico, 5,0-5,5mm compr., 2,0mm larg., brácteas involucrais ovadas, elípticas a oblongas,

glabras, ápice obtuso, mácula acastanhada, denso vilosa, margem ciliada, externas 1,0-1,5mm

compr., 1,0mm larg., internas 3,5-4,0mm compr., 1,0-1,5mm larg.; receptáculo cilíndrico.

Flores perfumadas, corola alva, tubulosa, 5,0-6,0mm compr., pouco diferenciada em tubo e

limbo, lacínios agudos, ca. 3,0mm, revolutos, externamente glandulosos; anteras com

apêndice agudo; ramos do estilete 2,5mm compr., alvos. Cipselas jovens, acastanhadas,

obcônicas, 2,0-2,5mm compr., 1,5mm larg., 10 costadas, glabras, carpopódio cilíndrico,

simétrico, 0,1mm; pápus com cerdas externas 1,0mm compr., internas 5,0-5,5mm compr.,

alvas.

Observações: Espécie exclusivamente brasileira com distribuição nas regiões

montanhosas dos Estados de Minas Gerais e em floresta de encosta de São Paulo até o Rio

Grande do Sul (Cabrera & Klein, 1980; Smith, 1984). Na Ilha do Cardoso foi coletada em

vegetação de restinga e floresta de encosta.

Piptocarpha notata é morfologicamente semelhante à P. leprosa e P. quadrangularis (Vell.)

Baker quanto ao tipo de indumento dos ramos e número de flores por capítulos, sendo

distinta de P. leprosa pelos ramos 5-angulados, folhas com indumento gríseo-dourado e

96

capitulescência curto racemosa e de P. quadrangularis por esta apresentar hábito robusto,

folhas elípticas ovadas, capitulescências maiores, mais densas e flores também maiores, além

dos ramos que geralmente são 4-angulados.

Por serem muito relacionadas e conseqüentemente de difícil delimitação, P. notata

poderia ser tratada como nível infraespecífico de P. quadrangularis, entretanto, devido às

pequenas diferenças acima citadas, além de tipos de flavonóides encontrados nas folhas,

Smith (1984) preferiu tratá-las como táxons distintos, apesar de considerar necessário mais

trabalho de campo e estudos biossistemáticos para melhor compreensão e delimitação desses

táxons.

Material examinado: F. Barros 465, fl., próximo à captação de água salgada, 8-X-

1980 (SP); F. Barros 1732, fl., Morro do Pereirinha, 26-IX-1989 (SP); E. Forero et al. 8608,

fl., próximo aos laboratórios, 8-XII-1980 (SP).

19.3. Piptocarpha oblonga (Gardn.) Baker, in Martius Fl. bras. 6(2): 121-122. 1873.

Basiônimo: Vernoniaoblonga Gardn., London J.Bot. 5: 211. 1846. Tipo: Minas Gerais, “in

sylvis prope Morro Velho”, Gardner 4759, s.d. (Holótipo BM; Isótipos E, F, G, K, NY, US).

Nomes vulgares: braço-do-rei, cambará, cipó-cambraia, guaxima-de-mangue (Leitão Filho,

1972; Cabrera & Klein, 1980).

Fig. 84-88.

Arbusto escandente, indumento constituído de tricomas tectores estrelados e

tricomas glandulares sésseis, dourados e/ou alvos; ramos cilíndricos, estriados, glabrescentes,

acastanhados, entrenós 1,5-2,5cm compr. Folhas alternas,lâmina oblonga, 4,5-9,0cm

compr., 1,5-2,5cm larg., cartácea, discolor, face adaxial verde-escuro, glabra, face abaxial

argênteo-dourada, tomentosa, esparso glandulosa, glândulas douradas, tricomas estrelados

estipitados, ramos longos, geralmente 7, ápice longo-acuminado ou agudo, base assimétrica a

obtusa, margem inteira, revoluta, às vezes denticulada no 1/3 superior, nervação

broquidódroma; pecíolo 0,5-1,0cm, indumento igual ao dos ramos. Capitulescência

glomeruliforme. Capítulos sésseis, 3 flores; invólucro 4-5-seriado, cilíndrico, 5,0-5,5mm

compr., 2,0mm larg., brácteas involucrais castanho-esverdeadas, elípicas a oblongas, glabras,

ápice obtuso, margem inteira, ciliada em direção ao ápice, externas 2,5-3,0mm compr., 1,0-

97

1,5mm larg., mácula acastanhada no ápice, esparso viloso, internas 4,5-5,0mm compr., 1,5-

2,0mm larg.; receptáculo cilíndrico. Corola creme, tubulosa 4,5-5,0mm compr., ca. 1,5mm

larg., pouco diferenciada em tubo e limbo, tubo 2,0mm compr., região do tubo glandulosa,

limbo 2,5-3,0mm compr., lacínios agudos, 2,5-3,0mm; anteras com apêndice apical obtuso;

base do estilete levemente espessada, ramos 2,0mm compr., papilosos. Cipselas castanho-

claras, cilíndricas, 3,5-4,0mm compr., 1,0mm larg., lisas a 3-angulosas, glabras, carpopódio

cilíndrico, simétrico; pápus com cerdas externas 1,0-1,5mm compr., internas 5,0-5,5mm

compr., alvas, ápice alargado.

Observações: Espécie brasileira de ampla distribuição, ocorrendo tanto em vegetação

de floresta de encosta no Sudeste e Sul, quanto em vegetação de floresta semi-estacional no

Centro-Oeste do Brasil (Smith, 1984). Na Ilha do Cardoso foi coletada em vegetação de

restinga.

Piptocarphaoblonga é caracterizada pelas folhas oblongas a elípticas, argenteo-douradas

na face abaxial, tricomas estrelados com raios longos bem definidos, densas capitulescências

glomeruliformes e corola glandulosa na região do tubo.

Smith (1984) reconheceu duas subespécies em Piptocarpha oblonga, utilizando como

caracteres diagnósticos o tamanho do tubo e lacínios da corola, e o comprimento das

cipselas, além da distribuição geográfica. A subsp. oblonga foi descrita por apresentar flores e

cipselas menores, tubo 2,5-3,0mm, lacínios 3,0-3,5mm e cipselas 3,5-4,0mm, além de

distribuição nas florestas de Minas Gerais, Goiás e Distrito Federal; enquanto a subsp. lepdota

por possuir corola com tubo 3,5-4,0mm, lacínios 3,0-4,0mm, cipselas 4,0-5,0mm e

ocorrência nas florestas de encosta do Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e Santa Catarina.

Considerando o tamanho da cipsela, as populações da Ilha do Cardoso pertencem à subsp.

oblonga, por outro lado não foram examinadas corolas maduras e a distribuição referida pelo

autor não inclui São Paulo, sendo assim, no presente trabalho não foram reconhecidas

subespécies.

Material examinado: I. Cordeiro et al. 357, fr., Morro do Cardoso, mata de restinga,

próxima ao Rio Cardoso, 14-X-1986 (SP); S.J.G. Silva & E.A. Anunciação 34, fl., estrada

para morro da Captação, restinga em solo arenoso, 23-VII-1990 (SP).

98

Fig. 70-78: Piptocarphaleprosa (Less.) Baker. 70: ramo com capitulescência; 71: esquema do ramo em corte transversal; 72: tricoma

tector simples; 73: tricoma escamiforme em vista lateral; 74: tricoma escamiforme em vista frontal; 75: tricoma glandular; 76:

capitulescência; 77: capítulo; 78: flor. Fig. 79-83: Piptocarphanotata (Less.) Baker. 79: esquema do ramo em corte transversal; 80:

detalhe dos ramos da capitulescência; 81: tricoma escamiforme em vista lateral; 82: tricoma escamiforme em vista frontal; 83: tricoma

glandular. Fig. 84-88: Piptocarphaoblonga (Gardn.) Baker. 84: esquema do ramo em corte transversal; 85: capitulescência; 86:

tricoma estrelado em vista lateral; 87: tricoma estrelado em vista frontal; 88: tricoma glandular. Fig. 89-92: Stifftiaparviflora

(Leandro) D. Don. 89: ramo com capitulescência; 90: capítulo; 91: corola; 92: cipsela com pápus. Fig. 93-95: Symphyopappus

itatiaiensis (Hieron.) R.M. King. & H. Rob.93: folha; 94: capítulo; 95: flor. Fig. 96-98: Symphyopappus lymansmithii B.L. Rob.

96: folha; 97: capítulo; 98: flor. (70-78: Souza et al. 261; 79-83; Barros 1732; 84-88: Silva & Anunciação 34; 89-92: Romaniuc Neto &

Kirizawa 189; 93-95: Souza et al. 233; 96-98: Custodio Filho 742).

99

20. Pluchea Cass., Bull. Sci. Soc. Philom.: 31. 1817.

Tipo: Pluchea marylandica (Michx.) Cass., in Cuvier, Dict. sci. nat. 42: 2. 1826. (=Conyza

marylandica Michx.).

Arbustos, subarbustos ou ervas, indumento constituído de tricomas tectores

unicelulares ou multicelulares, uni ou bisseriados e/ou tricomas glandulares; ramos

geralmente alados, folhosos. Folhas sésseis, alternas, lâmina linear, estreito-ovada, oblonga a

oblanceolada, menos freqüente obovada, membranácea, coriácea ou cartácea, ápice agudo ou

obtuso, raro acuminado, base auriculada ou decorrente, margem inteira, serreada ou

denteada. Capitulescência geralmente corimbiforme. Capítulos pedunculados,

heterógamos, disciformes; invólucro campanulado, cilíndrico ou obcônico, 3-7 seriado,

brácteas involucrais imbricadas, ovadas a lineares, membranáceas ou escariosas; receptáculo

côncavo ou plano, epaleáceo. Flores marginais numerosas, pistiladas, corola filiforme, 3-4

curto-denteada; ramos do estilete obtusos, exsertos, profundamente dividido, glabros. Flores

centrais numerosas, monoclinas ou estaminadas, 4-5-laciniada, lacínios pouco profundos,

externamente glanduloso; anteras com apêndice obtuso ou agudo, base sagitada; ramos do

estilete obtusos, indivisos, pilosos, duas linhas estigmáticas na face adaxial. Cipselas

cilíndricas ou fusiformes, inconspicuamente 5-7 costadas ou lisas, glabras ou pilosas,

carpopódio cilíndrico, simétrico, mais desenvolvido nas flores centrais; pápus unisseriados,

cerdas livres, barbeladas.

Gênero composto por cerca de 40 espécies tropicais e subtropicais, com maior

diversidade no velho mundo, tendo como centro de diversidade o leste da África e a

Austrália (King-Jones, 2001). Baker (1876) referiu três espécies para o Brasil

Por serem plantas aromáticas com odor agradável, muitas espécies são utilizadas na

medicina popular, além do uso como forrageiras e cercas vivas (King-Jones, 2001).

20.1. Pluchea sagittalis (Lam.) Cabrera, Bol. Soc. Argent. Bot. 3(1): 36. 1949.

Basiônimo: Conyza sagittalis Lam., Encycl. 2(1): 94. 1786. Tipo: Uruguai, Commerson s.n. 1767

(P).

Nomes vulgares: erva-lucena, lucena, madrecravo, quitoto, tabacarana (Lorenzi & Matos,

2002).

100

Ilustrações em: Cabrera (1953), p. 490, fig. 177 G-L; Pruski (1997a), p. 345, fig. 292; Dalpiaz

& Ritter (1998), p. 18, fig. 4.

Erva até 80,0cm alt., indumento constituído de tricomas tectores unicelulares e

multicelulares, alvos; ramos alados, vilosos. Folhas inteiras, lâmina oblonga a oblanceolada,

7,5-10,5cm compr., 2,5-3,5cm larg., membranácea, concolor, face adaxial glabrescente, face

abaxial estrigosa, ápice obtuso, agudo, mucronado, base decorrente, margem denteada;

nervação eucamptódroma, nervura verde, bem evidente, vilosa, tricomas tectores

acastanhados. Capitulescência corimbiforme. Capítulos ca. 130 flores; invólucro cupulado,

6,0-10,0mm compr., 8,0-10,0mm larg., 4-seriado, brácteas involucrais ovadas, oblongas a

lineares, ápice apiculado externas 3,0-3,5mm compr., 1,0-1,5mm larg., membranáceas,

tomentosas, ápice agudo a acuminado, internas 7,0-8,5mm compr., ca. 0,5-0,8mm larg.,

escariosas, glabrescente, ápice caudado, margem ciliada em direção ao ápice; receptáculo

plano. Flores marginais ca. 100, corola alva, 5,0-6,0mm compr., ca. 0,1mm larg., base

alargada, limbo 3-denteado, dentes curtos ca. 0,2mm, pilosos; ramos do estilete ca. 0,8mm,

glabros. Flores centrais ca. 30, monoclinas, corola alva, 7,0-8,0mm compr., glabra, tubo 4,0-

4,5mm compr., ca. 0,4mm larg., limbo 3,0-3,5mm compr., ca. 1,0mm larg., lacínios 5,

regulares, ca. 0,7mm, glandulares, tricomas estipitados; anteras creme, apêndice obtuso;

ramos do estilete ca. 1,0mm compr., acastanhado. Cipselas acastanhadas, cilíndricas, 0,7-

1,0mm compr., ca.0,3mm larg., 4-5 costadas, costelas alvas, esparso-pilosas a glabras,

carpopódio ca. 0,1mm; pápus 5,0-6,5mm compr., alvos.

Observações: Plucheasagittalis apresenta distribuição em toda a América do Sul. No

Brasil ocorre principalmente nos Estados do Sudeste e Sul (Dalpiaz & Ritter, 1998). Na Ilha

do Cardoso foi coletada em vegetação de restinga e em áreas próximas às casas,

normalmente em solo úmido.

Além das várias aplicações dessa espécie na medicina popular, estudos comprovaram

efeitos farmacológicos devido à presença dos flavonódes centauriedina e crisopenol D,

eficientes no tratamento de câncer de nasofaringe (Dalpiaz & Ritter, 1998). Outra função

atribuída à espécie é a atividade antimicrobiana contra o protozoário Trypanosomacruzi

(Lorenzi & Matos, 2002).

101

Material examinado: D.A. De Grande & E.A. Lopes 380, fl., fr., próximo ao centro

de pesquisa, 7-11-1980 (SP); F.O. Souza et al. 221, fl., fr., Praia de Ipanema, restinga brejosa,

15-IV-2005; F. O. Souza et al. 246, fl., fr., Marujá, trilha próxima à Pousada do Cardoso, 3-

VI-2005 (SP).

21. Porophyllum Guett., Hist. Acad. Roy. Sci. Mem. Math. Phys. Paris 1750: 377-378. 1754.

Tipo: Porophyllum ruderale (Jacq.) Cass., in Cuvier, Dict. sci. nat. 43: 56. 1826

Ervas anuais ou perenes, raro subarbustos; ramos cilíndricos, estriados, glabros.

Folhas pecioladas, opostas ou alternas, inteiras, lâmina elíptica, oblonga a linear, margem

inteira ou crenada. Capitulescência cimosa, corimbiforme ou paniculiforme. Capítulos

homógamos, discóides; invólucro cilíndrico a campanulado, unisseriado, brácteas involucrais

5-9, lineares a oblongas, livres ou conatas na base, geralmente com 2 fileiras de glândulas;

receptáculo plano ou subcônico, epaleáceo. Flores monoclinas, corola amarela, vinácea ou

purpúrea, infundibuliforme ou tubulosa, tubo curto ou longo; anteras com apêndice ovado a

oblongo, base normalmente obtusa; ramos do estilete subulato-filiformes, pilosos. Cipselas

fusiformes ou cilíndricas, multiestriadas, híspidas; pápus com cerdas escabras.

Porophyllum é um gênero neotropical, constituído de 28 espécies tropicais e

subtropicais, com distribuição desde o sudeste dos Estados Unidos até a Argentina, tendo

como centro de diversidade o México (Willians, 1976; Pruski, 1997a).

21.1. Porophyllum ruderale (Jacq.) Cass., in Cuvier, Dict. sci. nat. 2 ed., 43: 56. 1826.

Basiônimo: Kleiniaruderalis Jacq., Enum. Syst. Pl. 8: 28. 1760. Tipo: Lectótipo, designado por

Keil, Ann. Missouri. Bot. Gard. 62: 1234. 1975: Select. stirp. amer. hist., tab. 127. 1763.

Nomes vulgares: arnica, couvinha, couve-cravinho, cravo-de-urubu, erva-fresca (Kissmann

& Groth, 1999; Lorenzi & Matos, 2002).

Ilustração em: Pruski (1997a), p. 347, fig. 293.

Erva anual até 80,0cm alt.; ramos cilíndricos, estriados, vináceos, glabros. Folhas

alternas, lâmina elíptica a oblonga, 2,0-2,5cm compr., 10,8-1,0cm larg., papirácea, glabra,

102

coberta por cera, ápice agudo, base atenuada, margem inteira, glandulosa, glândulas

alongadas, vináceas; nervação acródroma; pecíolo 1,0cm. Capitulescência corimbiforme,

folhosa. Capítulos pedunculados, 20-25 flores; invólucro estreito-ovóide, 17,0-20,0mm,

brácteas involucrais 5, verdes, oblongas, glabras, conatas, livres na frutificação, glandulosas,

glândulas alongadas longitudinais, vináceas, ápice levemente patente, margem inteira, hialina,

lisa; receptáculo plano a subcônico. Corola vinácea, tubulosa, 10,0-11,0mm, tubo longo, 8,5-

9,0mm compr., ca. 0,2mm larg., limbo 1,5-2,0mm compr., 1,0mm larg., 5-laciniada, lacínios

ca. 0,5mm, pilosos; anteras com apêndice oblongo; ramos do estilete 3,0mm compr., pilosos.

Cipselas negras, cilíndricas, 8,0-9,0mm compr., ca. 0,5mm larg., estriadas, reticuladas,

velutinas, tricomas dourados, carpopódio conspícuo, 0,5mm compr., assimétrico; pápus 8,5-

9,0mm, cerdas creme, livres.

Observações: Porophyllumruderale apresenta ampla distribuição, ocorrendo desde o sul

dos Estados Unidos até a Argentina (Nicolson, 1991). No Brasil é encontrada em

praticamente todos os Estados e, apesar de ser considerada ruderal, na Ilha do Cardoso não

é muito comum. Foram observados alguns indivíduos em vegetação de restinga, em solo

arenoso.

Dentre as espécies de Porophyllum ocorrentes no Brasil, P. ruderale é facilmente distinta

por apresentar as folhas mais largas.

Porophyllum ruderale também é popularmente conhecida como arnica, sendo utilizada

na medicina popular para as mesmas finalidades da arnica-do-campo (Solidagochilensis

Meyen), como cicatrizante, adstringente e digestiva, além do uso veterinário no tratamento

de uma doença bacteriana que ataca bovinos (Lorenzi & Matos, 2002).

Material examinado: F.C. Muniz 527, fl., fr., estrada da Captação, 15-XII-1983 (SP);

M.R.O. Santos et al. 5, fl., fr., restinga próxima ao alojamento, solo arenoso, 5-IV-1982 (SP);

F.O. Souza & R.S. Bianchini 228, fl., fr., restinga de Itacuruçá, 17-IV-2005 (SP).

22. Praxelis Cass., Dict. Sci. Nat. 43: 261. 1826.

Tipo: Praxelisvillosa Cass., in Cuvier, Dict. sci. nat.2 ed., 43: 261. 1826. (≡Praxelispauciflora

(Kunth) R.M. King & H. Rob.).

103

Ervas eretas ou decumbentes, raro subarbustos; ramos cilíndricos, estriados ou lisos,

glabros ou pilosos. Folhas sésseis ou pecioladas, opostas, inteiras, margem subinteira a

serreada; Capitulescência monocéfala, corimbiforme ou paniculiforme, laxa. Capítulos

pedunculados, homógamos, discóides, 25-50 flores; invólucro cilíndrico, 2-3-seriado,

brácteas involucrais imbricadas, geralmente caducas na maturação; receptáculo cônico,

epaleáceo. Flores monoclinas, corola infundibuliforme ou tubulosa, 5-laciniada, lacínios

curtos, internamente papilosos, externamente glabros ou esparso-papilosos, às vezes

glandulosos; anteras com apêndice apical mais largo que longo, base cordada, colar

bulbiforme com células numerosas, subquadradas; base do estilete não espessada, ramos

longos, claviformes. Cipselas obcônicas, comprimidas, 3-4 costadas ou angulosas, pilosas;

carpopódio distinto, aneliforme, assimétrico; pápus unisseriados, cerdosos, cerdas escabras.

Gênero representado por 13 espécies com distribuição restrita à América do Sul, das

quais seis são exclusivamente brasileiras (King & Robinson, 1970). No Brasil ocorrem

principalmente nas regiões Sudeste e Centro-Oeste (Esteves, 2001).

King & Robinson (1970) restabeleceram Praxelis a partir das espécies de Eupatorium

seção Praxelis (Cass.) Benth. que apresentavam capítulos cilíndricos ou estreito-

campanulados, longo-pedunculados, brácteas involucrais caducas, receptáculo distintamente

cônico e pápus cerdosos com numerosas cerdas capilares escabras. Além dessas

características, outros caracteres diagnósticos do gênero são as cipselas obcônicas,

comprimidas e o carpopódio aneliforme e assimétrico com parede celular espessada

(Esteves, 2001).

22.1. Praxelis clematidea (Griseb.) R.M. King & H. Rob., Phytologia 20(3): 194. 1970.

Basiônimo: Eupatoriumclematideum Griseb., Jahresber. Pollichia 22-24: 258. 1866. Tipo:

Argentina, Hieronymus & Lorentz s.n., XII-1872/I-1873 (C).

Erva até 30,0cm alt., indumento de tricomas tectores multicelulares e unisseriados,

alvos e translúcidos; ramos cilíndricos, lisos, glabrescentes. Folhas dispostas ao longo dos

ramos, lâmina ovada, elíptica a rômbica, 2,2-3,3cm compr., 1,2-3,0cm larg., membranácea,

esparso-pilosa, tricomas longos concentrados nas nervuras, ápice apiculado, base atenuada,

margem serreada na ½ superior, ciliada, nervação acródroma imperfeita; pecíolo 0,5-1,5cm

Capitulescência corimbiforme, laxa. Capítulos 30-35 flores; invólucro 6,0-6,5mm compr.,

104

3,0-4,0mm larg., 3-seriado, brácteas involucrais esverdeadas, ovadas a oblongas, escariosas,

glabras, ápice agudo a cuspidado, margem inteira, hialina, caducas, externas ovadas, 3,0-

3,5mm compr., 1,0-1,5mm larg., 5-nervadas, internas oblongas, 4,3-6,5mm compr., 0,7-

1,0mm larg., 3-nervadas. Corola lilás, infundibuliforme, 3,0-3,5mm compr., ca. 0,6mm larg.,

glabra, 5-laciniada, lacínios curtos, 0,6mm, esparso-papilosos; anteras com apêndice ovado;

ramos do estilete 2,5mm compr., papilosos. Cipselas negras 1,7-2,0mm compr., 0,6-0,8mm

larg., 3-angulosas, pilosas, tricomas curtos, acastanhados; carpopódio alvo; pápus 3,5mm

compr., cerdas alvas.

Observações: Praxelisclematideaocorre na Bolívia, Paraguai, Brasil e Argentina

(Cabrera, 1989). No Brasil tem ampla distribuição, ocorrendo desde a Bahia até o Rio

Grande do Sul, sendo comum em vegetação de Cerrado (Esteves, 2001). Mesmo sendo

considerada planta ruderal, populações dessa espécie são pouco freqüentes na Ilha do

Cardoso, tendo sido coletada apenas em duas áreas: próximo às casas, em área antropizada, e

em vegetação de restinga no fruticeto.

Esteves (2001) referiu Praxelis diffusa (Rich.) Pruski como a espécie morfologicamente

mais semelhante a P.clematidea, distinguindo-as principalmente pela morfologia dos capítulos.

P. diffusa possui hábito mais delicado, capítulos menores, solitários e longo pedunculados,

além de ocorrência mais restrita às regiões Norte e Nordeste. Entretanto, após análise dos

materiais depositados nos herbários visitados, verificou-se que esses caracteres são variáveis

nos dois táxons, necessitando provavelmente de uma análise mais cuidadosa para uma

circunscrição satisfatória.

Material examinado: F.O. Souza et al. 219, fl., fr., próximo aos laboratórios,

restinga, 14-IV-2005 (SP); F.O. Souza et al. 254, fl., fr., restinga do Marujá, fruticeto, 04-VI-

2005 (SP).

23. Pterocaulon Elliott, Sketch bot. S. Carolina 2(4): 323-324. 1823.

Tipo: Pterocaulon pycnostachyum (Michx.) Elliott., Sketch Bot. S. Carolina 2(4): 324. 1823.

Ervas ou subarbustos, normalmente cobertos por indumento lanososo, tomentoso

ou glanduloso-pubescente, xilopódio geralmente presente; ramos eretos, cilíndricos,

105

freqüentemente alados. Folhas sésseis, alternas, geralmente inteiras, lâmina linear, estreito-

ovada, elíptica a obovada, cartácea, face abaxial lanosa, base decorrente nos ramos,

formando as alas, margem denteada. Capitulescência constituída de capítulos sésseis,

heterógamos, disciformes, dispostos em espigas de glomérulos, glomérulos de segunda

ordem ou panículas de espigas; invólucro normalmente campanulado, multisseriado, brácteas

involucrais imbricadas, subcoriáceas ou escariosas, externas lanosas, internas geralmente

glabras, caducas; receptáculo plano a ligeiramente côncavo, hirsuto ou glabro, epaleáceo.

Flores marginais numerosas, pistiladas, corola filiforme, 2-3-denteada. Flores centrais

poucas, geralmente 1, monoclinas ou estaminadas, corola tubulosa, 5-laciniada; anteras com

apêndice estreito-ovado, base sagitada; ramos do estilete agudo, pilosos. Cipselas elipsóides,

fusiformes ou obcônicas, às vezes levemente comprimidas, costadas, pubescentes; pápus

cerdosos, unisseriados a multisseriados, cerdas livres, delgadas, escabras.

Pequeno gênero representado por 18 espécies, das quais 12 são exclusivamente

americanas, ocorrendo desde o sul dos Estados Unidos até a região central da Argentina, as

demais espécies estão distribuídas na Austrália, Nova Caledônia, Indonésia e sudeste da Ásia

(Cabrera & Ragonese, 1978). O gênero está representado no Brasil por 10 espécies, das quais

duas foram encontradas na Ilha do Cardoso.

CHAVE PARA AS ESPÉCIES

1. Lâmina foliar elíptica a oblanceolada, 6,5-7,0cm compr., 2,0-3,0cm larg.; capitulescência

espiciforme; capítulos com 42 flores...........................................................23.1.P. alopecuroides

1.’ Lâmina foliar linear-oblonga, 4,7-5,5cm compr., 0,7-1,0cm larg.; capitulescência

glomeruliforme; capítulos com 17 flores ..................................................23.2.P. angusti olium f

23.1. Pterocaulon alopecuroides (Lam.) DC., Prodr. 5: 454. 1836.

Basiônimo: Conyzaalopecuroides Lam., Encycl. 2(1): 93. 1786. Tipo: Martinique, Commerson s.n.,

s.d. (P).

Nomes vulgares: barbasco, verbasco (Kissmann & Groth, 1999).

106

Ilustração em: Cabrera & Ragonese (1978), p. 207, fig 6; Pruski (1997a), p. 351, fig. 297.

Erva até 80,0cm alt., indumento constituído de tricomas longos, delgados, alvos,

xilopódio alongado; ramos lanosos, alados. Folhas inteiras, lâmina elíptica a oblanceolada,

6,5-7,0cm compr., 2,0-3,0cm larg., cartácea, discolor, face adaxial verde-escura, bulada,

glabrescente, face abaxial alvo-lanosa, ápice obtuso, agudo ou acuminado, base decorrente

formando alas nos ramos, margem revoluta, curto-serreada; nervação broquidódroma.

Capitulescência espiciforme, congesta. Capítulos com 42 flores; invólucro campanulado,

5,0-6,0mm compr., 3,0-4,0mm larg., 3-seriado, brácteas involucrais estreito-ovadas,

escariosas, nervura central esverdeada, margem inteira, externas 3,5-4,0mm compr., ca.

1,0mm larg., ápice acuminado, internas 4,5-5,5mm compr., ca. 0,5mm larg., esparso-lanosas a

glabras, ápice longo acuminado, ciliado. Flores marginais 40, corola filiforme, 6,0-6,7mm

compr., ca. 0,1mm larg., glabra, 3-denteada; ramos do estilete ca. 0,7mm compr., glabros.

Flores centrais 2, monoclinas, corola tubulosa, 4,5-5,5mm compr., glabra, tubo 3,0-3,5mm

compr., ca. 0,5mm larg., limbo 1,5-2,0mm compr., ca. 1,0mm larg., lacínios 5, regulares, ca.

0,7mm, externamente glandulosos; ramos do estilete 1,5-2,0mm compr. Cipselas jovens

acastanhadas, cilíndricas, 0,7-1,0mm compr., ca. 0,3mm larg., pilosas, carpopódio simétrico,

ca. 0,1mm compr.; pápus 6,5-7,0mm compr., unisseriados, cerdas alvas.

Observações: A distribuição de Pterocaulonalopecuroides concentra-se na América

Tropical, desde Cuba e ilhas adjacentes até a Argentina (Cabrera & Ragonese, 1978; Pruski,

1997a). Na Ilha do Cardoso foi coletada em vegetação de restinga.

Pterocaulonalopecuroides é pouco distinta de P. virgatum (L.) DC., sendo diferenciadas em

geral por esta última apresentar folhas estreito-ovadas e capitulescências em espigas laxas.

Tendo em vista a ocorrência de indivíduos com características intermediárias, alguns autores

como Pruski (1997a), consideram P. virgatum sinônimo de P. alopecuroides.

Material examinado: F.O. Souza et al. 218, fl., fr., trilha da Captação, restinga, 14-

IV-2005 (SP).

107

23.2. Pterocaulon angusti olium DC., Prodr. 5: 454. 1836. Tipo: Brasil, São Paulo,

Gaudichaud 1833, s.d., (Holótipo P)

f

Ilustração em: Cabrera & Ragonese (1978), p. 212, fig. 7.

Erva até 30,0cm alt., indumento de tricomas longos, delgados, alvos, xilopódio

globoso; ramos lanosos, curtamente alados, alas inconspícuas. Folhas inteiras, lâmina linear-

oblonga 4,7-5,5cm compr., 0,7-1,0cm larg., cartácea, discolor, face adaxial verde-escura,

bulada, glabra, face abaxial alvo-lanosa, ápice obtuso, apiculado, base decorrente, margem

denticulada; nervação hifódroma, nervura evidente na face adaxial, lanosa. Capitulescência

glomeruliforme. Capítulos com 17 flores; invólucro campanulado, 4,5-5,0mm compr., ca.

3,0mm larg., 3-seriado, brácteas involucrais oblongas a triangulares, escariosas, margem

inteira, externas 2,0-2,5mm compr., ca. 0,7mm larg., lanosas, 1-nervada, nervura esverdeada,

ápice agudo, interna 4,5-5,0mm compr., ca. 0,4mm larg., glabrescente, ápice acuminado,

ciliado. Flores marginais 15, corola 5,0-5,5mm compr., ca. 0,2mm larg., glabra, 5-denteada,

ca. 0,2mm; ramos do estilete ca. 0,5mm compr., glabros. Flores centrais 2, monoclinas,

corola 4,5-5,5mm compr., glabra, tubo 3,0-3,5mm compr., ca. 0,5mm larg., limbo 1,5-2,0mm

compr., ca. 1,0mm larg., lacínios 1,0-1,3mm, externamente glandulosos; ramos dos estiletes

obtusos, 2,0-2,5mm compr., papilosos. Cipselas jovens acastanhadas, obcônicas, 0,8-1,0mm

compr., ca. 0,4mm larg., pilosas, carpopódio simétrico ca. 0,1mm; pápus 5,0-5,5mm compr.,

unisseriados, cerdas alvas.

Observações: Espécie com distribuição no Brasil, Paraguai, Uruguai e nordeste da

Argentina. No Brasil é encontrada nos Estados do Sudeste e Sul. Na Ilha do Cardoso foi

coletada em vegetação de duna, em local úmido.

Cabrera & Ragonese (1978) comentaram sobre a plasticidade da espécie,

principalmente no que se refere aos caracteres foliares, uma vez que observaram exemplares

com folhas lineares e agudas, enquanto que outros apresentavam folhas mais curtas e largas

até subobtusas.

Material examinado: H.F. Leitão Filho et al. 725, fl., fr., 4/8-I-1982 (SP); F.O.

Souza & R.S. Bianchini 274, fl., fr., Praia de Itacuruçá, duna, 14-X-2006 (SP).

108

24. Senecio L., Sp. pl. 2: 866. 1753.

Tipo: Senecio vulgaris L., Sp .pl. 2: 867. 1753.

Ervas anuais ou perenes, subarbustos ou arbustos eretos; ramos cilíndricos,

pubescentes ou glabros. Folhas sésseis ou pecioladas, alternas, dispostas ao longo dos ramos

ou em rosetas basais, inteiras a pinatissectas, forma, textura e indumento variáveis.

Capitulescência terminal ou axilar, corimbiforme, paniculiforme ou capítulos solitários.

Capítulos heterógamos, normalmente radiados; caliculado; invólucro cilíndrico,

campanulado ou urceolado, unisseriado; receptáculo plano ou subconvexo, epaleáceo,

alveolado. Flores do raio pistiladas, 1-seriadas, corola ligulada, lígula geralmente filiforme, 3-

dentada, às vezes reduzida ou ausente. Flores do disco multisseriadas, monoclinas, corola

tubulosa, 5-laciniada; anteras com apêndice ovado, pouco distinto, base obtusa, colar

presente, dilatado na base; ramos do estilete truncados com coroa de tricomas, linha

estigmática distinta. Cipselas cilíndricas, 8-10 costadas, glabras ou pilosas; pápus cerdosos,

cerdas capilares, barbeladas, geralmente caducas.

Senecio é cosmopolita e o maior gênero de Asteraceae com cerca de 1.300 espécies,

tendo como centro de diversidade a América do Sul e a África (Bremer, 1994), não

ocorrendo apenas na região polar e Amazônica (Cabrera & Klein, 1975). No Brasil são

encontradas 67 espécies com distribuição em áreas montanhosas do Sul e Sudeste

(Nakajima, 2000).

Devido à diversidade de espécies, a taxonomia de Senecio sempre foi muito difícil e

com a finalidade de facilitar a delimitação desse táxon, autores como Nordenstam (1978) e

Jeffrey (1986 e 1992) excluíram grupos monofiléticos de Seneciosensu lato. Com essas

segregações, Senecio sensu stricto passou a ser considerado relativamente homogêneo, porém as

delimitações entre as espécies ainda não estão bem definidas, necessitando de mais estudos e

provavelmente novas segregaçãoes serão necessárias (Bremer, 1994).

Senecio sensu stricto é caracterizado por espécies com flores marginais liguladas, lígula

geralmente filiforme, anteras com apêndice apical reduzido e base obtusa, tecido do

endotécio com espessamento anticlinal, colar alongado e dilatado na base; ramos do estilete

truncados com uma coroa de tricomas no ápice e cipselas com 8-10 costelas (Nakajima,

2000).

109

Muitas espécies de Senecio são cultivadas como ornamentais e algumas são

extremamente venenosas devido à presença de alcalóides, sendo responsáveis por

intoxicações e mortes de vários animais, principalmente bovinos (Bremer, 1994).

24.1. Senecio brasiliensis (Spreng.) Less., Linnaea 6: 249. 1831.

Basiônimo: Cinerariabrasiliensis Spreng., Neue Entdeck. Pflanzenk. 2: 142. 1820 (1821). Tipo:

Brasil, Sello s.n., s.d. (G).

Nomes vulgares: cardo-morto, catião, cravo-do-campo, flor-de-finados, flor-das-almas,

maria-mole (Kissmann & Groth, 1999).

Ilustrações em: Baker (1884), vol. VI, part. 3, tab. 88; Matzenbacher (1998), p. 85, fig. 18.

Subarbusto ca. 80,0cm alt.; ramos cilíndricos, estriados, glabros. Folhas sésseis,

dispostas ao longo dos ramos, pinatissectas, lâmina com seguimentos estreito-ovados, 4,5-

8,0cm compr., 0,4-0,7cm larg., cartáceos, glabros, discolores, face adaxial verde escura,

glabrescente, abaxial cinérea, lanosa, ápice agudo, mucronado, base decorrente, margem

revoluta, denteada em direção ao ápice, nervação hifódroma. Capitulescência terminal

corimbiforme. Capítulos radiados, longo-pedunculados, 10,0-20,0mm, 50-54 flores; brácteas

do calículo estreito-ovadas, 3,0-3,5mm compr., ca. 0,5-0,7mm larg., ápice acastanhado,

margem ciliada; invólucro campanulado, 8,0-10,0mm compr., 6,0-7,5mm larg., brácteas

involucrais estreito-ovadas 9,0-9,5mm compr., 1,0mm larg., glabras, 1-nervadas, ápice agudo,

acastanhado, piloso, margem inteira, hialina; receptáculo plano. Flores do raio 10-12, corola

amarela, 14,0-15,0mm compr., tubo 6,5-7,0mm compr., ca. 0,5mm larg., lígula oblonga,

glabra, 7,5-8,0mm compr., 2,0mm larg.; ramos do estilete ca. 1,0mm compr. Flores do

disco 42-44, corola amarela, tubuloso-campanulada, 8,0-9,5mm compr., glabra, tubo 5,0-

5,5mm compr., ca. 0,5mm larg., limbo ca. 3,0-4,0mm compr., 1,3mm larg., lacínios regulares,

agudos, ca. 1,0mm; base obtusa; ramos do estilete 2,0-2,5mm compr. Cipselas jovens

acastanhadas, cilíndricas, 8,0-8,5mm compr., ca. 0,3mm larg., 8 costadas, pubescentes; pápus

3,0-4,5mm compr., cerdas alvas, caducas.

Observações: Espécie com ampla distribuição na América do Sul, encontrada no

Uruguai, Paraguai, Brasil e Argentina, geralmente em vegetação campestre ou áreas de

vegetação degradada. No Brasil é mais comum no Sudeste e Sul, desde Minas Gerais até o

110

Rio Grande do Sul (Matzenbacher, 1998). Na Ilha do Cardoso foi coletada em área

antropizada próxima às casas.

Senecio brasiliensis é caracterizada pelas folhas pinatisectas, discolores, face adaxial

verde-escura e abaxial cinérea, segmentos oblongos inteiros e pelas densas capitulescências

corimbiformes com flores amarelas odoríferas.

É uma planta muito ornamental devido às densas capitulescências com coloração

amarelo intenso que contrastam com as folhas verde-escuras, por outro lado, é

extremamente tóxica devido à presença de algumas classes de alcalóides, principalmente

alcalóides pirrolizidínicos. Essas substâncias podem causar lesões necróticas no fígado, além

de apresentarem propriedades carcinogênicas (Kissmann & Groth, 1999).

Material examinado: D.A. De Grande et al. 333, fl., fr., próximo ao centro de

pesquisa, 11-X-1979 (SP); L.S.R. Duarte 12, fl. Restinga do Pereirinha, 23-X-1981 (K, SP).

25. Sphagneticola O. Hoffm., Notizbl. Konigl. Bot. Gart. Berlin 3(22): 36. 1900.

Tipo: Sphagneticola ulei O. Hoffm., Notizbl. Konigl. Bot. Gart. Berlin 3(22): 36. 1900.

Ervas perenes, prostradas, puberulentas a pubescentes; ramos simpodiais,

estoloníferos. Folhas opostas, sésseis ou curto-pecioladas, geralmente 3-lobadas.

Capitulescência terminal, às vezes aparentemente lateral devido à disposição dos capítulos,

geralmente unicapitada. Capítulos longo pedunculados, heterógamos, radiados, invólucro 2

(-3)-seriado, brácteas involucrais foliáceas, subimbricadas; receptáculo convexo, paleáceo,

páleas carenadas. Flores do raio pistiladas, corola ligulada, glandulosa, amarela ou

alaranjada. Flores do disco monoclinas, corola tubulosa, amarela ou alaranjada; anteras

negras, apêndice ovado, base caudada; ramos do estilete obtusos. Aquênios negros,

obcônicos, comprimidos, tuberculados, os do raio trígonos, os do disco quadrangulares;

pápus ausentes ou coroniformes.

Pequeno gênero representado por quatro espécies, sendo Sphagneticola brachycarpa

(Baker) Pruski, S.gracilis (Richard) Pruski e S. trilobata (L.) Pruski nativas das planícies

tropicais e subtropicais do Novo Mundo e, S. calendulecea (L.) Pruski restrita às regiões do

111

sudeste da Ásia e ilhas adjacentes (Puski, 1996). No Brasil ocorrem S. brachycarpa e S. trilobata,

geralmente em locais úmidos ou brejosos.

Gênero caracterizado por apresentar espécies de hábito herbáceo, estolonífero, com

ramos alongados simpodialmente, disposição terminal dos capítulos, receptáculo com páleas

largas carenadas e pelas flores do raio com limbo glanduloso, além das anteras negras com

apêndice ovado e aquênios tuberculados.

Pruski diferenciou Sphagneticola de Wedelia Jacq., por esse último apresentar plantas

com hábito herbáceo ou subarbustivo, ereto, folhas geralmente inteiras, flores do raio com

limbo bilabiado, eglanduloso, híspido e aquênios lisos, pubescentes (Funk & Pruski, 1996).

25.1. Sphagneticola trilobata (L.) Pruski, in Funk & Pruski, Mem. New York Bot.

Gard. 87: 114. 1996.

Basiônimo: Silphiumtrilobatum L., Sys. nat., ed. 10: 1233. 1759. Tipo: "Habitat in America"

(LINN 1032.9).

Sinônimos: Wedeliapaludosa DC., Prodr. 5: 538. 1836; Wedeliatrilobata (L.) Hitchc., Annual

Rep. Missouri Bot. Gard. 4: 99. 1893.

Nomes vulgares: margarida, margaridão, mal-me-quer-do-brejo, vadélia, vedelia (Kissmann

& Groth, 1999).

Ilustrações em: Funk & Pruski (1996), p. 117, fig.47; Pruski (1997a), p. 361, fig. 305.

Erva estolonífera, indumento constituído de tricomas tectores unisseriados,

multisseriados alvos ou acastanhados e/ou tricomas glandulares; ramos cilíndricos,

geralmente vináceos, estriados, glabrescentes. Folhas sésseis, 3-lobadas, lâmina ovada a

elíptica, 6,0-7,0cm compr., 2,0-2,5cm larg., membranácea, face adaxial estrigosa, face abaxial

estrigoso-glandulosa, glândulas alvas, ápice agudo, mucronado, base decorrente, margem

serreado-glandulosa, glândulas acastanhadas, nervação actinódroma supra-basal. Capítulos

solitários, pedúnculos 6,0-12,5cm compr., 40-42 flores; invólucro hemisférico, 10,0-10,5mm;

10,0mm larg., 2-seriado, brácteas involucrais foliáceas, verdes, elípticas a oblanceoladas, ápice

agudo, vináceo, margem ciliada, externas 10,0-10,5mm compr., 2,5-3,0mm larg., estrigosas,

internas 8,0-8,5mm compr., ca. 2,5mm larg., glabrescentes; receptáculo com páleas

oblanceoladas, 7,5-8,0mm compr., ca. 1,5mm larg., 1-nervadas, carenas acastanhadas, ápice

serreado, apiculado. Flores do raio 10-12, corola amarela, 10,0-12,0mm compr., tubo 1,0-

112

2,0mm compr., ca. 0,7mm larg., limbo 9,0-10,0mm compr., ca. 4,0mm larg., 5-nervado,

externamente glanduloso, ápice 3-lobado. Flores do disco ca. 30, corola amarela, tubulosa,

4,0-4,5mm compr., tubo ca. 1,0mm compr., 0,5mm larg., limbo 3,0-3,5mm compr., 1,0-

1,5mm larg., curtamente 5 laciniado, lacínios agudos, ca. 0,5mm compr., internamente

pilosos, externamente glandulosos, levemente patentes; estilete ca. 4,0mm compr., ramos do

estilete ca. 0,6mm compr., papilosos. Aquênios maduros 3,0-3,5mm compr., 0,5-0,8mm

larg., piloso-glandulosos no ápice; pápus coroniformes.

Observações: Espécie com ampla distribuição, ocorrendo desde o México e Antilhas

até o Sul da Argentina, e como cultivada no leste da Austrália, Malásia e Ilhas do Pacífico,

além das regiões subtropicais do Novo Mundo (Pruski, 1996).

Sphagneticola trilobata é vegetativamente semelhante a S. gracilis (Rich.) Pruski, sendo

distintas por essa última apresentar folhas e capítulos menores, além de sua ocorrência

restrita às Antilhas.

Espécie ornamental muito utilizada em jardinagem como forração de canteiros e

taludes, sendo indicada tanto para locais muito úmidos quanto secos, a meia sombra ou em

pleno sol.

Material examinado: F.O. Souza et al. 236, fl., fr., Restinga do Marujá, próxima à

bica, solo arenoso, 03-VI-2005 (SP); F.O. Souza et al. 241, fl., fr., Marujá, Praia da Tapera,

restinga brejosa, 03-VI-2005 (SP).

26. Stifftia J.C. Mikan, Del. fl. faun. bras.: t. 1. 1820, nom. cons.

Tipo: Stifftia chrysantha Mikan, , Del. fl. faun. bras.: t. 1. 1820.

Árvores ou arvoretas. Folhas alternas, curto pecioladas, inteiras, lâmina elíptica ou

oblonga a oblanceolada, normalmente glabra, ápice obtuso a curto apiculado, margem

inteira. Capitulescência paniculiforme, cimeiras axilares ou capítulos solitários. Capítulos

pedunculados, homógamos, discóides; invólucro campanulado, multisseriado, brácteas

involucrais subimbricadas, persistentes; receptáculo plano, epaleáceo. Flores 1-40, corola

alva, amarelada ou avermelhada, tubulosa ou infundibuliforme, 5-laciniada, lacínios

profundos, revolutos; anteras com apêndice estreito-ovado, base sagitada, livre; ramos do

113

estilete curtos, arredondados, glabros. Cipselas cilíndricas, glabras a esparso pubescente;

carpopódio aneliforme ou cilíndrico, simétrico; pápus longos, vistosos, cerdas livres,

escabras, alvas, amareladas ou avermelhadas.

Pequeno gênero Neotropical representado por seis espécies e duas variedades, com

distribuição quase exclusiva ao Brasil, sendo uma única ocorrência extra-brasileira: Stifftia

cayennensis H. Rob. & B. Kahn,conhecida apenas pela coleção tipo e referida para a Guiana

Francesa. As espécies são mais comuns nos Estados da Bahia, Espírito Santo, Rio de Janeiro,

Minas Gerais e São Paulo, com apenas uma espécie, Stifftia uniflora Ducke com distribuição

nos Estados do Amazonas, leste do Pará e Amapá (Robinson, 1991).

26.1. Stifftia parviflora (Leandro) D. Don., Trans. Linn. Soc. London 16: 291. 1833.

Basiônomo: Augusta parviflora Leandro, Denkscher. K. Baier. Akad. Wiss. 7: 237. 1820. Tipo:

Brasil, próximo ao Rio de Janeiro, Leandro s.n., s.d. (P?, M?)

Fig. 89-92.

Árvore 8,0m alt.; ramos cilíndricos, estriados, glabros. Lâmina foliar oblanceolada,

elíptica a oblonga, 11,0-14,0cm compr., 3,0-4,5cm larg., cartácea, glabra, concolor, ápice

agudo a obtuso, base atenuada, nervação eucamptódroma, nervura impressa; pecíolos 1,0-

1,5cm compr. Capitulescência paniculiforme, formada por cimeiras; bráctea subinvolucral

ovada, 1,5mm compr., ca. 1,0mm larg., côncava, margem ciliada. Capítulos pedunculados,

10,0-15,0mm compr., 12-14 flores; invólucro 3-seriado, campanulado, 6,5-8,0mm compr.,

6,5-7,5mm larg., brácteas involucrais ovadas a oblongas, escariosas, glabras, ápice obtuso,

margem curto-ciliada, externas 2,5-3,0m compr., ca. 2,0-2,5mm larg., internas 6,0-7,5mm

compr., 1,8-2,5mm larg.; receptáculo epaleáceo, alveolado. Corola alva, infundibuliforme,

10,0-13,5mm compr., glabra, tubo inconspícuo, 2,0-2,5mm compr., 0,7mm larg., limbo 8,0-

11,0mm compr., 1,5-2,0mm larg., lacínios 6,5-7,0mm, agudos, revolutos; anteras com base

papilosa; estilete 12,0mm compr., ramos curtos, ca. 1,0mm compr. Cipselas acastanhadas,

cilindrícas, 6,0-10,0mm compr., 1,0-1,5mm larg., 5 costadas, pubescentes, tricomas curtos;

pápus unisseriados, 8,5-10,0mm compr., cerdas com ápice alargado, amareladas (in sicco).

114

Observações: Ocorre nos Estados do Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais e

São Paulo, em vegetação de cerrado até floresta de encosta (Roque & Pirani, 1997). Na Ilha

do Cardoso é pouco freqüente e foi referida apenas para uma área próxima ao Rio Canjoca,

em vegetação de floresta de encosta com solo úmido; recentes expedições à área não

resultaram em novas coletas.

Robinson (1991), ao descrever Stifftia racemosa para o Estado de Minas Gerais

considerou-a semelhante à S. parviflora, distinguindo-a principalmente pela capitulescência

racemosa, ausência de brácteas subinvolucrais, pedúnculo maior, ca. 20,0mm e tubo da

corola conspícuo e piloso. Entretanto, Roque & Pirani (1997) não adotaram esse

posicionamento no tratamento do gênero para a Flora da Serra do Cipó, por considerarem

os caracteres diagnósticos utilizados por Robinson de difícil aplicação, uma vez que são

variáveis e adotaram o binômio mais antigo, S. parviflora.

Material examinado: S. Romaniuc Neto & M. Kirizawa 189, fl., fr., Rio Canjoca,

beira do rio, solo úmido, 21-VIII-1984 (SP).

27. Symphyopappus Turcz., Bull. Soc. Imp. Natural. Moscou 21: 583. 1848.

Tipo: Symphyopappusdecussatus Turcz., Bull. Soc. Imp. Natural. Moscou 21: 584. 1848.

Abustos ou arvoretas, normalmente viscosos; ramos cilíndricos, glabros. Folhas

pecioladas ou sésseis, opostas, raro apicais alternas, inteiras, lâmina elíptica, ovada ou

obovada, margem serreada, ápice agudo a obtuso, freqüentemente glandulosa em ambas as

faces, viscosa. Capitulescência corimbiforme. Capítulos pedunculados, homógamos,

discóides, 5 flores; invólucro cilíndrico, 3-5-seriado, brácteas involucrais subimbricadas,

normalmente persistentes, às vezes caducas; receptáculo plano ou subconvexo, normalmente

epaleáceo, alveolado. Corola alva, rosada a púrpura, tubulosa, 5-laciniada, lacínios

triangulares ou oblongo-triangulares, externamente papilosos; anteras com apêndice agudo,

base obtusa; base do estilete cilíndrica, glabra, ramos lineares, obtusos, curto-papilosos.

Cipselas obcônicas, 4-5-costadas; glabras ou esparso-glandulosas, tricomas estipitados;

carpopódio inconspícuo, cilíndrico, simétrico, decorrente nas costelas; pápus bisseriados,

cerdosos, cerdas unidas na base em anel, caducas em conjunto.

115

Symphyopappus é um pequeno gênero com sete espécies endêmicas do Brasil e com

ocorrência desde o Estado da Bahia até o Rio Grande do Sul (Hind, 2003).

Tradicionalmente este gênero é caracterizado por espécies com cerdas do pápus

unidas na base em anel e caducas em conjunto. Em 1978, King & Robinson redelimitaram o

gênero, que passou a ser reconhecido por abrigar plantas normalmente viscosas e glabras,

com pedúnculo fortemente costado e capítulos constituídos de apenas cinco flores

(Nakajima, 2000).

CHAVE PARA AS ESPÉCIES

1. Arvoretas 3,0-3,5m alt.; folhas com pecíolo 1,0-2,0cm, lâmina estreito-ovada, 7,0-12,0cm

compr., eglandulosa; invólucro 3-seriado; corola 3,5-5,0, alva, lacínios levemente patentes.......

................................................................................................................................ 27.1. S. itatiayensis

1.’ Arbustos até 1,5m alt.; folhas sésseis, lâmina obovada, 4,0-5,0cm compr., glandulosa;

invólucro 4-seriado; corola 5,5-6,5, vinácea, lacínios eretos....................27.2. S. lymansmithii

27.1. Symphyopappus itatiayensis (Hieron.) R.M. King. & H. Rob., Phytologia 22:

116. 1971.

Basiônimo: Eupatoriumitatiayense Hieron., Bot. Jahrb. 22: 764-765. 1897. Tipo: Brasil, Minas

Gerais, entre 1200m alt., próximo à Itatiaia, Kuntze s.n, XII-1892 (B).

Nomes vulgares: chilca, erva-de-bicha, vassoura-braba (Cabrera & Klein, 1989).

Fig. 93-95.

Arvoreta 3,0-3,5m alt.; ramos estriados, glabros, acastanhados no ápice. Folhas

opostas,lâmina estreito-ovada, 7,0-12,0cm compr., 1,5-3,5cm larg., cartácea, glabra,

eglandulosa, face adaxial brilhante, abaxial opaca, ápice agudo a acuminado, base atenuada,

margem serreada, nervação acródroma basal imperfeita, nervuras impressas, acastanhadas;

pecíolo 1,0-2,0cm. Capitulescência corimbiforme. Capítulos sésseis ou curto-

pedunculados, ca. 1,5mm compr.; invólucro 3-seriado, cilíndrico, 7,0-9,0mm compr., 2,5-

116

3,0mm larg., brácteas involucrais verdes, ovadas a oblongas, escariosas, glabras, 3-5 nervadas,

ápice agudo a obtuso, margem hialina, externas 1,5-2,5mm compr., 1,5mm larg., internas 4,5-

7,0mm compr., 1,5mm larg., margem ciliada em direção ao ápice, persistentes na maturação;

receptáculo subconvexo. Corola alva, tubulosa, 3,5-5,0mm compr., ca. 0,5mm larg., não

diferenciada em tubo e limbo, glabra, lacínios agudos, 0,5mm, esparso glandulosos,

levemente patentes; ramos do estilete 1,5-3,0mm compr., alvos. Cipselas castanho-claras,

1,2-2,5mm compr., 0,5mm larg., 5 costadas, reticuladas, glabrescentes, tricomas

concentrados no ápice; pápus com cerdas 4,0-5,0mm, escabras, alvas.

Observações: Symphyopappusitatiayensis é encontrada nas regiões Sudeste e Sul, desde

Minas Gerais até Santa Catarina (Cabrera & Klein, 1989). Na Ilha do Cardoso foi coletada

em vegetação de restinga.

Espécie caracterizada pelas folhas com lâmina estreito-ovada, capitulescências densas,

corimbiformes e alvas, capítulos com invólucro 3-seriado e lacínios da corola agudos,

levemente patentes.

Material examinado: A. Custodio Filho et al. 742, fl., fr., trapiche, 4/8-I-1982 (SP);

D.A. De Grande & E.A.Lopes 341, fl., Trilha da Captação, 4-XI-1972 (SP); H.F. Leitão

Filho & J.Y. Tamashiro 17994, fl., mata de restinga, 3-XII-1985 (UEC); M.M.F. Melo et al.

656, fl., fr., Sítio Santa Cruz, 27-II-1986 (SP).

27.2. Symphyopappus lymansmithii B.L. Rob., Contr. Gray Herb. 96: 19. 1931.

Basiônimo: Eupatoriumlymansmithii (B.L. Rob.) Steyerm., Fieldiana, Bot. 28(3): 636. 1953.

Tipo: Brasil: São Paulo, Santo André, Estação Biológica do Alto da Serra, L.B. Smith 1914,

15-II-1929 (Isótipo SP!).

Fig. 96-98.

Arbusto até 1,5m alt.; ramos vináceos, cilíndricos, estriados, cicatricosos, glabros.

Folhas sésseis, opostas,lâmina obovada a elíptica, 4,0-5,0cm compr., 1,0-2,0cm larg.,

coriácea, glandulosa, glândulas emersas enegrecidas, ápice agudo a obtuso, base decorrente,

margem irregularmente serreada na ½ superior, nervação acródroma, nervuras impressas,

117

brilhantes. Capitulescência corimbiforme. Capítulos pedunculados, 2,0-5,0mm compr.;

invólucro 4-seriado, cilíndrico, 5,0-10,0mm compr., 1,5-2,5mm larg., brácteas involucrais

verdes, ovadas a oblongas, coriáceas, glabras, brilhantes, 3-nervadas, ápice obtuso, vináceo,

margem curto-ciliada em direção ao ápice, externas 1,5-3,0mm compr., 1,0-1,5mm larg.,

internas 6,0-7,0mm compr., 1,0-1,5mm larg., caducas na maturação; receptáculo subconvexo.

Corola vinácea, tubulosa, 5,5-6,5mm compr., ca. 1,0mm larg., pouco diferenciada em tubo e

limbo, glabra, lacínios obtusos, 0,5mm, glandulosos, eretos; ramos do estilete 4,5-5,0mm

compr., alvos. Cipselas acastanhadas, base mais escura, 1,7-2,5mm compr., 0,7mm larg.,

reticuladas, 5-costadas ou lisas, glabras, tricomas esparsos no ápice; pápus 4,5-5,0mm, cerdas

escabras, alvas.

Observações: Symphyopappuslymansmithii ocorre nas regiões Sudeste e Sul, desde São

Paulo até Santa Catarina (Cabrera & Klein, 1989). Na Ilha do Cardoso é encontrada em

vegetação de duna e restinga.

Os materiais analisados provenientes da Ilha do Cardoso apresentam pequena

variação em relação ao material tipo, em especial quanto à morfologia da folha. No material

L.B. Smith 1914, as folhas são mais vistosas, quase elípticas, 5,0-5,5cm compr., 3,0-3,5cm

larg., base atenuada, margem regularmente serreada e pecíolo 0,7-10,0mm compr.

Material examinado: D.A. De Grande & E.A. Lopes 91, fl., fr., Praia de Itacuruçá,

restinga, 4-V-1978 (SP); M. Sakane 454, fl, Praia do Marujá, 16-III-1976 (SP); F.O. Souza

233, fl., fr., Praia de Itacuruçá, vegetação de duna, 17-IV-2005 (SP).

Material adicional examinado: L.B. Smith 1914, fl., fr., São Paulo, Santo André,

Estação Biológica do Alto da Serra, 15-II-1929 (Isótipo SP!).

28. Tagetes L., Sp. pl. 2: 887. 1753.

Tipo: Tagetes patula L. Sp. pl. 2: 887. 1753.

Ervas anuais ou perenes a subarbustos, aromáticos. Folhas opostas, superiores

alternas, inteiras a pinatissectas, densamente glandulosas. Capítulos heterógamos, radiados;

solitários ou agregados em cimas corimbiformes; calículo ausente; invólucro cilíndrico,

turbinado ou campanulado, unisseriado, brácteas involucrais parcial ou totalmente conatas,

118

glândulas em 2 ou mais fileiras; receptáculo convexo a cônico, epaleáceo. Flores do raio

pistiladas, até 20, corola amarela, alaranjada, alva ou avermelhada, ligulada, lígula curta ou

longa. Flores do disco monoclinas, poucas ou numerosas, corola infundibuliforme,

geralmente amarela; anteras com apêndice ovado, base obtusa; ramos do estilete truncados,

pilosos. Cipselas negras, cilíndricas, fusiformes ou obcônicas, levemente comprimidas;

pápus escamiformes ou aristados, raramente ausentes.

Gênero exclusivo do Novo Mundo, constituído de aproximadamente 50 espécies

tropicais ou subtropicais com ocorrência principalmente nas regiões montanhosas desde o

Sudeste dos Estados Unidos até a Argentina (Villarreal & Villaseñor, 2004), tendo como

centro de diversidade o México. No Brasil está representado por três espécies (Baker, 1884).

Algumas espécies são usadas como ornamentais ou na alimentação, entretanto,

devido à presença de óleos essenciais são muito utilizadas para fins medicinais (Villarreal &

Villaseñor, 2004).

28.1. Tagetes minuta L., Sp. pl. 2: 887. 1753. Tipo: não localizado

Nomes vulgares: alfinete-do-mato, chinchilho, coari, cravo-de-defunto, cravo-do-mato, erva-

fedorenta, estrondo, rabo-de-fogete, rabo-de-rojão (Kissmann & Groth, 1999; Lorenzi &

Matos, 2002).

Ilustração em: Velloso (1927 (1831)), t. 116.

Ervas até 60,0cm alt.; ramos cilíndricos, estriados, cicatricosos, vináceos, glabros.

Folhas pinatissectas, segmentos estreito-ovados, 1,5-2,0cm compr., 0,2-0,4cm larg.,

membranáceos, glabros, ápice agudo, base decorrente, margem crenato-serreada, glandulosa,

glândulas elípticas alaranjadas (in vivo); nervação hifódroma. Capitulescência em cimas

corimbiformes. Capítulos pedunculados, 9-12 flores; invólucro cilíndrico, 9,0-13,0mm

compr., 2,5-3,0mm larg., brácteas involucrais verdes, glabras, conatas mesmo na frutificação,

glândulas alongadas, alaranjadas, ápice obtuso; receptáculo subcônico. Flores do raio 2-3,

pistiladas, corola amarelo-clara, 4,5-5,0mm, ligulada, tubo piloso, lígula 2-lobada. Flores do

disco 7, monoclinas, corola amarelo-escura, tubulosa, 3,0-5,0mm, pilosa, tubo 1,5mm

compr., ca. 0,7mm larg., limbo 1,5-3,5mm compr., 1,5mm larg., 5-laciniada, lacínios agudos,

1,5mm; ramos do estilete 1,0-1,5mm compr. Cipselas fusiformes, 7,5-8,0mm compr., ca.

119

0,4mm larg., 4 costadas, reticuladas, pilosas, tricomas curtos, adpressos, dourados;

carpopódio castanhado-avermelhado, conspícuo, ca. 0,4mm, assimétrico; pápus aristados, 4

aristas, aristas menores 0,7-1,0mm compr., maiores 3,0-3,5mm compr., livres, alvas.

Observações: Espécie provavelmente nativa da América do Sul e atualmente

encontrada em várias partes do mundo devido a introdução humana. Possui ampla

distribuição no Brasil, ocorrendo desde a região Nordeste até a Sul (Kissmann & Groth,

1999). Apesar de considerada ruderal, na Ilha do Cardoso foi encontrada apenas em

vegetação de duna.

Planta aromática muito utilizada na medicina popular sob a forma de decocção e

infusão para o tratamento de várias doenças, entre as quais afecções urinárias, bronquite,

cólicas intestinais, defluxo, dispepsia, resfriado e reumatismo articular. Devido à presença de

substância química específica nas raízes, foi muito empregada por cafeicultores no combate

de algumas espécies de nematóides. Também é referida como tóxica, além do óleo essencial

causar irritação na pele e olhos (Lorenzi, 1991; Kissmann & Groth, 1999; Lorenzi & Matos,

2002).

Material examinado: F.O. Souza & R.S. Bianchini 226, fl., fr., restinga de Itacuruçá,

dunas, 17-IV-2005 (SP), F.O. Souza et al. 266, fl., fr., restinga de Itacuruçá, dunas, 27-IX-

2005 (SP).

29. Vernonia Schreb., Gen. pl. 2: 541. 1791, nom. cons.

Tipo: Vernonianoveboracensis (L.) Michx., Fl. Bor. Amer. 2: 95.1803. (=Serratulanoveboracensis

L.)

Arbustos, subarbustos ou árvores; ramos eretos, raro escandentes. Folhas sésseis ou

pecioladas,alternas ou basais rosuladas, geralmente inteiras, lâmina elíptica, ovada a estreito-

ovada, freqüentemente pilosa, margem normalmente inteira. Capitulescência cimosa,

corimbiforme, paniculiforme, glomeruliforme ou capítulos solitários. Capítulos

pedunculados ou sésseis, homógamos, discóides; campanulados, cilíndricos ou turbinados;

invólucro multisseriado, brácteas involucrais imbricadas, geralmente agudas, pilosas;

receptáculo plano ou subconvexo, epaleáceo, alveolado. Flores monoclinas, corola tubulosa,

120

púrpura, lilás ou alva, 5-laciniada; anteras com apêndice ovado, obtuso ou agudo, base

caudada ou sagitada; ramos do estilete longos, agudos, pilosos até abaixo do ponto de

bifurcação. Cipselas cilíndricas ou obcônicas, costadas ou lisas, glabras ou pilosas;

carpopódio conspícuo, simétrico; pápus bisseriados, purpúreos ou alvos, cerdas livres,

internas maiores, capilares, cilíndricas ou levemente aplainadas, escabras, externas menores,

escamosas, aplainadas ou cerdosas.

Vernoniasensu lato é um dos maiores gêneros de Asteraceae, com cerca de 1.000

espécies distribuídas nas regiões tropicais e subtropicais da América, África e Ásia (Leitão

Filho, 1972; Jones, 1982).

Tradicionalmente o gênero está dividido em dois subgêneros e quatro seções cada,

delimitados principalmente pelo tipo de substâncias químicas, em especial lactonas

sesquiterpênicas, coloração das flores e número cromossômico. O subgênero Vernonia é

exclusivo do Novo Mundo e suas espécies possuem flores arroxeadas e n= 16 ou 17,

enquanto o subgênero Orbisvestus S.B. Jones está restrito ao Velho Mundo e suas espécies

apresentam flores amareladas ou alaranjadas e número cromossômico n= 9 ou 10 (Jones,

1982). Entretanto, estudos preliminares de cpDNA incluindo espécies de Vernonia do Velho

e Novo Mundo não corroboraram essa divisão e os resultados sugeriram o parafiletismo ou

mesmo polifiletismo desse táxon (Robinson, 1999).

Robinson (1999), com base em vários trabalhos, principalmente sobre descrições de

espécies novas, realizados por ele e outros autores durante os anos de 1973 a 1999, segregou

Vernonia em vários gêneros. Esses novos gêneros foram criados, na grande maioria, a partir

das espécies neotropicais, restringindo os representantes de Vernonia sensu stricto do Novo

Mundo apenas à América do Norte. Neste estudo, os principais caracteres utilizados foram

os morfológicos, como filotaxia e venação das folhas, tipos de tricomas, formato das

capitulescências, persistência ou não das brácteas involucrais internas, presença ou ausência

de páleas no receptáculo, número de brácteas e de flores, forma, cor, pilosidade e lobos da

corola, formato do apêndice e base das anteras, base do estilete e forma e dimorfismo das

cipselas.

De acordo com essa classificação, as quatro espécies de Vernoniasensu lato ocorrentes

na Ilha do Cardoso pertencem a três gêneros:

121

Cyrtocymura H. Rob.: apresenta espécies com capitulescência cimoso-escorpióide,

bracteada e reversão no tipo de pólen equinolofado, possuindo seis espécies com

ocorrência na América Tropical.

Lepidaploa H. Rob.. espécies com capitulescência com brácteas e brácteas

subinvolucrais reduzidas, capítulos bem desenvolvidos, sésseis e pólen equinolofado.

É o maior gênero segregado de Vernonia com 142 espécies de ampla distribuição,

ocorrendo no México, Antilhas e Américas Central e Sul.

Vernonanthura H. Rob.: apresenta espécies com base das anteras distintamente

caudada, ductos resiníferos nos lobos da corola e pólen lofado. Constituído de 68

espécies amplamente distribuídas na América Tropical.

Entretanto, para este trabalho, as espécies ocorrentes na Ilha do Cardoso foram

tratadas no conceito tradicional de Vernonia, uma vez que os caracteres utilizados por

Robinson (1999) na delimitação dos gêneros não são muito consistentes, necessitando de um

estudo mais refinado.

CHAVE PARA AS ESPÉCIES

1. Ramos lisos, velutinos, tricomas dourados ou argênteos; lâmina foliar estreito-ovada, face

abaxial argêntea, base obtusa, assimétrica ................................................... 29.1. V. argyrotrichia

1.’ Ramos estriados, pubérulos, tomentosos ou curto-vilosos, tricomas acastanhados ou

ferrugíneos; lâmina foliar elíptica ou oblanceolada, face abaxial verde a ferrugínea, base

atenuada, simétrica.

2. Lâmina foliar concolor; capítulos com 45-50 flores ..........................29.4. V. scorpioides

2.’ Lâmina foliar discolor; capítulos com 9-12 flores.

3. Capitulescência paniculiforme, formada por cincinos curtos; capítulos sésseis;

invólucro 3-5-seriado, campanulado, 4,0-4,5mm compr.; corola lilás, 4,0-6,5mm,

eglandulosa, lacínios glabros; pápus com cerdas internas 3,0-3,5mm, externas 1,0-

1,5mm .......................................................................................................... 29.2. V. beyrichii

3.’ Capitulescência corimbiforme; capítulos pedunculados; invólucro 5 a

multisseriado, cilíndrico, 5,5-7,0mm compr.; corola alva, 6,0-8,0mm, esparso

glandulosa, ápice dos lacínios comoso; pápus com cerdas interns 5,0-5,5mm, externas

0,5-0,8mm ...................................................................................................29.3. V. puberula

122

29.1. Vernonia argyrotrichia Sch. Bip. ex Baker, Fl. br. 6(2): 96. 1873. Tipo: Brasil, Sello

1153, s.d. (B).

Sinônimo: Lepidaploaargyrotrichia (Sch. Bip. ex Baker) H. Rob., Proc. Biol. Soc. Wash. 103(2):

482. 1990.

Fig. 99-105, 123 A.

Arbusto 1,0-2,0m alt., indumento constituído de tricomas tectores simples,

unisseriados, multicelulares, argênteos ou dourados; ramos escandentes, cilíndricos, lisos,

velutinos, tricomas dourados ou argênteos. Folhas alternas, lâmina estreito-ovada, 11-

13,5cm compr., 3,0-4,5cm larg., cartácea, discolor, face adaxial verde-escura, estrigosa, face

abaxial argêntea, denso-serícea, tricomas mais curtos nas nervuras, ápice acuminado, base

obtusa, assimétrica, margem inteira, levemente revoluta, nervação eucamptódroma; pecíolo

0,5-1,0cm, velutino. Capitulescência paniculiforme, folhoso-bracteada, formada por

cincinos longos; brácteas semelhantes às folhas, diminuindo gradativamente em direção ao

ápice da capitulescência, geralmente ovadas, as basais 10,0cm compr., 2,0cm larg., as apicais

0,4cm compr., 0,3cm larg., 2-4 capítulos por bráctea. Capítulos sésseis, 20-22 flores;

invólucro 4-5-seriado, campanulado, 5,0-6,0mm compr., 4,0-5,0mm larg., brácteas

involucrais estreito-ovadas, paleáceas, tomentosas, 1-nervadas, ápice acuminado e pungente,

externas 2,5-3,0mm compr., ca. 1,0mm larg., internas 5,0-6,0mm compr., 1,0-1,5mm larg.,

ápice acastanhado. Corola lilás, infundibuliforme 5,0-5,5mm compr., pouco diferenciada em

tubo e limbo, ca. 1,0mm larg., lacínios agudos, 2,0-2,5mm, externamente pilosos; anteras

com apêndice ovado, agudo, base sagitada; ramos do estilete 1,5mm compr., agudos,

pilosidade estendendo-se até 0,7mm abaixo do ponto de bifurcação. Cipselas douradas,

obcônicas, 1,0-2,0mm compr., 0,7mm larg., ca. 7 costadas, seríceas, tricomas alvos,

carpopódio pouco distinto, cilíndrico, ca. 0,1mm; pápus bisseriados, cerdas alvas, externas

0,5-0,7mm, aplainadas, denteadas, internas 4,0-4,5mm compr., cilíndricas.

Observações: Espécie com distribuição restrita aos Estados da região Sudeste. Em

São Paulo é comum nas regiões litorâneas (Leitão Filho, 1972). Na Ilha do Cardoso foi

coletada em borda de floresta de restinga, em solo arenoso bem drenado.

Vernoniaargyrotrichia é facilmente reconhecida pelo indumento argenteo-seríceo que

recobre a face abaxial das folhas e as capitulescências, além dos capítulos sésseis dispostos

123

em cincinos longos, com brácteas folhosas que diminuem gradativamente em direção ao

ápice da capitulescência.

Esta espécie é muito semelhante à V. cotoneaster (Willd. ex Spreng.) Less. quanto ao

formato das folhas, tipo de indumento e formato das capitulescências, diferindo por V.

cotoneaster apresentarhábito subarbustivo (normalmente não mais que 1,0m de altura), folhas

menores e principalmente pelas brácteas de tamanho relativamente constante até o ápice da

capitulescência, sendo mais comum em vegetação de cerrado ou campo rupestre, de acordo

com os materiais examinados nos herbários.

Material examinado: D.A. De Grande & E.A. Lopes 63, fl., fr., próximo ao Centro

de Pesquisa (SP, UEC); S. Romaniuc Neto et al. 22, fl., beira de mata primária, solo bem

drenado, 6-IV-1982 (SP, UEC); F.O. Souza et al. 232, fl., fr., próximo às casas dos

pesquisadores, restinga arbórea, 17-IV-2005 (SP); M. Sugiyama et al. 648, fl., Morro dos

Andrades, 18-IX-1986 (SP, UEC); M. Sugiyama & M. Kirizawa 761, fl., fr., Sítio Pedro Luis,

18-V-1988 (SP).

29.2. Vernonia beyrichii Less., Linnaea 4: 275. 1829. Tipo: Brasil, Lund s.n., s.d. (C).

Sinônimo: Vernonanthurabeyrichii (Less.) H. Rob., Phytologia 73(2): 69. 1992.

Fig. 106-110, 123 B-C.

Arbusto 0,8-3,5m alt., tricomas tectores simples, unisseriados, multicelulares,

acastanhados; ramos cilíndricos, estriados, geralmente vináceos, curto-vilosos, tricomas

acastanhados. Folhas alternas, lâmina elíptica, 5,5-10,5cm compr., 1,3-2,5cm larg., cartácea,

discolor, face adaxial verde-escuro, curto-estrigosa, tricomas acastanhados, face abaxial

verde-clara, tricomas muito curtos, alvos, dispostos aleatoriamente, ápice acuminado,

mucronado, base atenuada, margem inteira a esparso-serreada, revoluta, nervação

broquidódroma, curto-vilosa, tricomas acastanhados; pecíolos 0,5-1,0cm, curto-vilosos.

Capitulescência paniculiforme, formada por cincinos curtos; brácteas inconspícuas.

Capítulos sésseis, 10-12 flores; invólucro 3-5-seriado, campanulado, 4,0-4,5mm compr., 3,0-

4,0mm larg., brácteas involucrais verdes, ovadas a oblongas, paleáceas, esparso-vilosas, ápice

agudo a obtuso, mucronado, margem acastanhada (in vivo), ciliada, externas 2,0-2,5mm

compr., ca. 1,0mm larg., internas 4,0-4,5mm compr., 1,5mm larg. Corola perfumada, lilás,

124

infundibuliforme, 4,0-6,5mm compr., glabra, tubo 2,0-2,3mm compr., 0,5mm larg., limbo

2,0-3,5mm compr., 1,0-1,3mm larg., lacínios 2,0-2,3mm, agudos; anteras lilases, apêndice

ovado, agudo, base sagitada; base do estilete levemente espessada, ramos do estilete 2,0

compr., agudos, pilosidade estendendo-se até 0,5mm abaixo do ponto de bifurcação.

Cipselas acastanhadas, obcônicas, 1,0-1,5mm compr., 0,5-0,7mm larg., ca. 5-costadas,

seríceas, tricomas alvos, carpopódio distinto, cilíndrico, ca. 0,2mm; pápus bisseriados, cerdas

acastanhadas, externas 1,0-1,5mm, levemente aplainadas, internas 3,0-3,5mm compr.,

cilíndricas.

Observações: Ocorre nos Estados das regiões Sudeste e Sul até o Paraná (Leitão

Filho, 1972). Na Ilha do Cardoso é comum próximo às trilhas. Quando está florida, devido à

coloração lilás e a abundância das flores, forma uma bela paisagem, sendo muito comum a

presença de abelhas e pequenas borboletas visitando suas flores.

Esta espécie pode ser reconhecida no campo pelas folhas elípticas e estreitas, pelas

densas capitulescências com capítulos sésseis precedidos de brácteas inconspícuas, brácteas

involucrais verdes com margem castanha, corola, estilete e anteras lilases e pápus

acastanhados.

Vernoniabeyrichii é muito semelhante a V. lindberguii Baker, sendo distintas em geral,

pela última apresentar folhas estreito-ovadas, membranáceas, capitulescência corimbiforme e

invólucro bisseriado.

Material examinado: T.M. Cerati & M. Kirizawa 166, fl., fr., 16-IV-1985 (SP); D.A.

De Grande & E.A. Lopes 61, fl., fr., próximo ao centro de pesquisa, 5-IV-1978 (SP); A.M.

Fortes et al. 12, fl., fr., mata, 7-IV-1982; M. Kirizawa et al. 925, fl., fr., Morro do Jacareú, 19-

IV-1983 (SP); F.O. Souza et al. 215, fl., fr., Trilha da Captação,19-IV-2005 (SP); M.M.

Takeda et al. 10, fl., fr., Marujá, restinga, solo arenoso, 6-IV-1982 (SP).

29.3. Vernonia puberula Less., Linnaea 6: 649. 1831. Tipo: Brasil, Dusen 7077,19-X-1908

(B).

Sinônimo: Vernonanthurapuberula (Less.) H. Rob., Phytologia 73(2): 73. 1992.

Nomes vulgares: cambará-branco, pau-toicinho, sabugueiro-do-brejo, vasourão-do-brejo

(Cabrera & Klein, 1980).

125

Fig. 111-116, 123 D-E.

Arbusto ou árvores, 2,0-7,0m alt., indumento constituído de tricomas unisseriados,

multicelulares, acastanhados ou ferrugíneos, tectores simples e/ou gandulares; ramos

cilíndricos, estriados, curto-tomentosos, tricomas ferrugíneos. Folhas alternas, lâmina

oblanceolada ou elíptica, 9,0-12,5cm compr., 2,8-3,0cm larg., membranácea a subcoriácea,

discolor, face adaxial verde, glabrescente, curto-estrigosa, glandulosa, tricomas castanhos,

face abaxial verde a ferrugínea, serícea a estrigoso-glandulosa, tricomas castanhos, glândulas

douradas, ápice agudo a obtuso, mucronado, base atenuada, margem inteira a

inconspicuamente serreada no 1/3 superior, revoluta, nervação eucamptódroma a

broquidódroma, nervura tomentosa, tricomas dourados; pecíolos 1,0cm, base alargada,

tomentosos. Capitulescência corimbiforme, ampla; brácteas inconspícuas. Capítulos

pedunculados, 9-12 flores; invólucro 5 a multisseriado, cilíndrico, 5,5-7,0mm compr., 3,0-

4,0mm larg., brácteas involucrais verdes, ovadas a obovadas, cartáceas, seríceas, tricomas

dourados, ápice obtuso, ferrugíneo (in vivo), margem ciliada, externas 1,5-2,5mm compr., ca.

1,0-1,5mm larg., internas 4,0-5,5mm compr., 1,5mm larg. Corola alva, tubulosa 6,0-8,0mm

compr., esparso glandulosa, tricomas glandulares estipitados, dourados, tubo 2,5-3,5mm

compr., ca. 0,5mm larg., limbo 3,5-4,5mm compr., 1,0-1,5mm larg., constricto, lacínios

2,0mm, ápice comoso-glanduloso, tricomas alvos; anteras castanhas, apêndice ovado, agudo,

base sagitada; ramos do estilete 2,5-3,0mm compr., agudos, pilosidade estendendo-se até

0,7mm abaixo do ponto de bifurcação. Cipselas acastanhadas, obcônica, 1,5-2,5mm compr.,

0,4mm larg., 10 costadas, seríceas, tricomas alvos, glândulas douradas próximo ao

carpopódio, carpopódio cilíndrico, ca. 0,3mm; pápus bisseriados, cerdas alvas, externas 0,5-

0,8mm compr., aplainadas, ca. 0,2mm larg., serreadas, internas 5,0-5,5mm compr.,

cilíndricas.

Observações: Espécie com distribuição nas regiões Sudeste e Sul do Brasil, de Minas

Gerais até o Rio Grande do Sul, característica das florestas pluviais de encostas e vegetação

arbustiva de restinga, sendo comum em solos úmidos ou brejosos (Cabrera & Klein, 1980).

Na Ilha do Cardoso foi coletada ao longo da Trilha da Captação, em vegetação de restinga

com solo arenoso e úmido, às vezes alagado.

Em campo, V.puberula pode ser reconhecida por ser uma arvoreta com ramos verdes

cobertos de tricomas ferrugíneos, invólucro alongado multisseriado, brácteas involucrais

126

verdes com ápice ferrugíneo, flores com corola, ramos do estilete e pápus alvos e anteras

castanhas.

Cabrera & Klein (1980) referiram V.puberula como sendo ideal para ser utilizada

como planta pioneira no sombreamento de espécies de ambientes úmidos com crescimento

lento, além de sua madeira ser útil para caixoteria e aglomerado.

Material examinado: F. Barros 1762, fl., fr., Trilha da Captação, solo arenoso, 28-

XI-1989 (SP); E.R. Batista et al. 76, fr., 25°4’S 47°5’W, floresta de encosta, 8-I-1999 (SPSF);

R. Castro 83, fl., fr., floresta de planície, 12-IX-2003 (ESA, HRCB); Custodio Filho et al.

916, fl. fr., 20/24-IX-1982 (SP); E. Forero et al. 8580, fl., restinga, 7-X-1980 (SP); M.

Kirizawa & G.L. Webster 1798, fr., Morro da Captação, mata de encosta, 15-X-1986 (SP);

M. Kirizawa 2021, fr., próximo ao Rio Perequê, mata de baixada, 10-XII-1987 (SP); D.

Sampaio et al. 125, fr., 25°4’S 47°5’W, floresta de restinga baixa, 8-I-1999 (SPSF); F.O.

Souza et al. 268, fl., fr., Trilha da Captação, solo arenoso e úmido, 12-IX-2005 (SP); G.L.

Webster 25559, fl., fr., restinga, 15-X-1986 (SP).

29.4. Vernonia scorpioides (Lam.) Pers., Syn. Pl. 2: 404. 1807.

Basiônimo: Conyzascorpioides Lam., Ency. Méth., Bot. 2(1): 88. 1786. Tipo: Brasil, Commerson

s.n., s.d. (Holótipo P).

Sinônimo: Cyrtocymurascorpioides (Lam.) H. Rob., Proc. Biol. Soc. Wash. 100(4): 852. 1987.

Nomes vulgares: erva-preá, cambará-branco, pau-toicinho, sabugueiro-do-brejo, vasourão-

do-brejo (Cabrera & Klein, 1980).

Fig. 117-122, 123 F-G.

Subarbusto 0,40-1,70m alt., indumento constituído de tricomas tectores simples,

unisseriados, multicelulares, acastanhados; ramos escandentes, cilíndricos, estriados,

pubérulos, tricomas curtos, adpressos, acastanhados. Folhas alternas, lâmina elíptica, 4,5-

10,5cm compr., 1,5-3,8cm larg., membranácea, concolor, face adaxial curto-estrigosa a curto-

vilosa, glabrescente, face abaxial curto-estrigosa, com alguns tricomas crespos, ápice agudo,

base atenuada, margem serreada a inteira, nervação eucamptódroma chegando a

broquidódroma no ápice; pecíolos curtos, ca. 0,5mm. Capitulescência formada por

cincinos longos; brácteas inconspícuas, geralmente um capítulo por bráctea. Capítulos

127

sésseis, 45-50 flores; invólucro 3-seriado, campanulado, 5,5-7,0mm compr., 5,5-6,0mm larg.,

brácteas involucrais ovadas a estreito-ovadas, cartáceas, seríceas a glabrescentes, tricomas

alvos, ápice aciculado a agudo, escuro, reflexo na maturação, externas 2,5-3,5mm compr.,

1,5mm larg., internas 5,0-5,5mm compr., 1,5mm larg. Corola alva ou lilás, infundibuliforme

6,0-7,5mm compr., tubo ca. 1,0mm compr., 0,3mm larg., limbo 6,0-6,5mm compr., 1,0-

1,5mm larg., lacínios 1,5-2,5mm, externamente piloso-glandulosos, tricomas alvos; anteras

castanhas, apêndice ovado, agudo, base sagitada; base do estilete espessada, ramos 1,5mm

compr., agudos, pilosidade estendendo-se até 0,5mm abaixo do ponto de bifurcação.

Cipselas acastanhadas, obcônicas, 1,0-1,5mm compr., 0,5mm larg., 9 costadas, seríceas,

tricomas alvos, pápus bisseriados, cerdas alvas, externas 1,0mm, aplainadas, ca. 0,1mm larg.,

fimbriadas, internas 5,0-6,0mm compr., cilíndricas.

Observações: Vernoniascorpioides é encontrada em toda a América Tropical, desde a

Nicarágua até o Nordeste da Argentina (Cabrera & Klein, 1980; Cristóbal & Dematteis,

2003). No Brasil ocorre em praticamente todos os Estados, especialmente em vegetação

secundária, às margens dos rios, em vegetação de restinga e em locais antropizados (Cabrera

& Klein, 1980). Na Ilha do Cardoso foi coletada em vegetação de restinga e também em

áreas antropizadas próximas às casas.

É considerada planta medicinal, sendo utilizada na forma de chás ou banho de

assento no tratamento de hemorróidas, ou ainda, em infusões para tratar disenteria (Cabrera

& Klein, 1980). Na Ilha do Cardoso a infusão das folhas e flores é utilizada no tratamento de

afecção da pele.

Material examinado: F. Barros 1763, fl., fr., 27-IX-1989 (SP); D.A. De Grande &

E.A. Lopes 16, fl., fr., próximo ao Centro de Pesquisa, 10-X-1977 (SP, SPSF); D.A. De

Grande & E.A. Lopes 127, fl., fr., 27-IX-1989 (SP); S.E. Martins et al. 907, fl., fr., Praia do

Marujá, fruticeto, 28-X-1982 (SP); J. Mattos et al. 16176, fr., perto do Centro de Pesquisa,

várzea, terreno arenoso, 27-XI-1974 (SP); R.D. Marassi et al. 30, fl., fr., Rio Bopeva, 27-X-

1982 (SP); F.O. Souza et al. 245, fl., fr., Praia do Marujá, restinga, 3-VI-2005 (SP); M.

Sztutman et al. 185, fl., fr., Trilha da Captação, 25 04' S 47 05’ W, trecho de Floresta de

Restinga Baixa, 8-I-1999 (ESA).

128

Fig. 99-105: Vernoniaargyrotrichia Sch. Bip. ex Baker. 99: ramo com capitulescência; 100: capítulo sem as flores; 101:

brácteas involucrais; 102: Corola; 103: detalhe do lacínio; 104: cipsela com pápus; 105: detalhe das cerdas externas do

pápus. Fig. 106-110: Vernonia beyrichii Less. 106: folha; 107: capítulo; 108: brácteas involucrais; 109: flor; 110: cipsela

com pápus. Fig. 111-116: Vernonia puberula Less. 111: folha; 112: capítulo; 113: brácteas involucrais; 114: corola; 115:

detalhe do lacínio, 116: cipsela com pápus. Fig. 117-122: Vernonia scorpioides (Lam.) Pers. 117: folha; 118: capítulo

imaturo; 119: brácteas involucrais; 120: corola; 121: detalhe do lacínio; 122: cipsela com pápus. (99-105: Souza et al. 232;

106-110: Souza et al. 215; 111-116: Souza et al. 268; 117-122: Souza et al. 245).

129

A

F G

ED

C

B

Fig. 123: A: Vernonia argyrotrichia Sch. Bip. ex Baker. B-C: Vernonia beyrichii Less.; C: detalhe

do capítulo. D-E: Vernonia puberula Less.; E: detalhe do capítulo, F-G: Vernonia scorpioides

(Lam.) Pers.; G: detalhe do capítulo (Fotos: A-E: F.O. Souza; F-G: S.E. Martins).

130

4. LISTA DE EXSICATAS

Anunciação, E.A.: 08 (17.9).

Attié, M.C.B.: 02 (17.8).

Baitelo, J.B.: 101 (19.1).

Barros, F.: 465 (19.2); 997 (5.3); 1637

(17.7); 1666 (18.1); 1695 (5.4); 1732 (19.2);

1762 (29.3); 1763 (29.4); 1889 (5.1); 2256

(5.2); 2269 (17.10); 2332 (6.1); 3111 (6.1).

Batista, E.R.: 76 (29.3).

Breier, T.B.: 191 (19.1).

Castro, R.: 83 (29.3).

Cerati, T.M.: 166 (29.2).

Chiea, S.C.: 508 (17.13); 550 (5.4); 551

(9.1).

Cordeiro, I.: 357 (19.3).

Custodio Filho, A.: 100 (5.1); 131 (3.1);

138 (9.1);139 (9.1); 163 (17.9); 724 (5.4);

742 (27.1); 916 (29.3).

Davis, P.H.: D60603 (19.1); D60623

(6.1); D60791 (17.1); D60793 (5.4).

De Grande, D.A.: 16 (29.4); 58 (17.8); 59

(2.1); 61 (29.2); 63 (29.1); 87 (4.1); 91

(27.2); 112 (9.1); 127 (29.4); 223a (5.3);

223b (5.3); 326 (17.5); 333 (24.1); 341

(27.1); 380 (20.1); SP162713 (17.12).

Duarte, L.S.R.: 09 (5.4); 12 (24.1).

Eiten, G.: 7484 (5.1).

Fonseca, M.: 495 (5.4).

Forero, E.: 8578 (17.8); 8580 (29.3); 8608

(19.2); 8617 (17.5); 8633 (5.4); 8663 (10.1);

8671 (17.5); 8797 (17.1).

Fortes, A.M.: 10 (5.3); 12 (29.2).

Goldenberg, R.: 28609 (18.1).

Gorenstein, M.R.: 57 (17.6); 58 (19.1).

Hatschbach, G.: 1392 (17.10).

Hoehne, F.C.: 142 (5.2); 143 (5.2); 5723

(17.4); 5989 (17.4); SP17376 (17.4);

SP2386 (5.1); SP313113 (5.2).

Jung-Mendaçolli, S.L.: 514 (5.4); 548

(17.11).

Kameyama, C.: 166 (6.1).

Kirizawa, M.: 925 (29.2); 945 (17.8); 1423

(17.2); 1435 (5.3); 1643 (17.7); 1646 (18.1);

1794 (18.1); 1798 (29.3); 2021 (29.3).

Leitão Filho, H.F.: 725 (23.2); 854 (5.1);

10779 (18.1); 17994 (27.1); 20318 (17.2);

20353 (18.1).

Lewinsohn, T.M.: 18202 (6.1); 18203

(10.1); 18204 (15.1); 18206 (3.1).

Mamede, M.C.H.: 176 (17.7).

Marassi, R.D.: 30 (29.4).

Martins, S.E.: 469 (17.11); 904 (17.5); 907

(29.4).

Martuscelli, P.: 1047 (18.1).

Mattos, J.: 16176 (29.4).

Melo, M.M.R.F.: 448 (19.1); 656 (27.1);

679 (17.12).

Monteiro, C.A.: 13 (17.11).

Muniz, C.F.S.: 110 (17.12); 137 (15.1);

140 (15.1); 527 (21.1).

Pedra, E.F.: 01 (17.7).

131

Ribeiro, J.E.L.: 577 (1.1).

Romaniuc Neto, S.: 02 (2.1); 22 (29.1);

23 (17.8); 188 (9.1); 189 (26.1); 205 (17.9);

273 (17.12).

Sakane, M.: 166 (5.1); 229 (17.2); 446

(2.1); 451 (17.8); 454 (27.2); 551 (5.3); 552

(5.3).

Sampaio, D.: 125 (29.3).

Santos, M.R.O.: 5 (21.1).

Sarti, S.: 4647 (5.1).

Shepherd, G.J.: 8781 (9.1); 8589 (6.1).

Silva, S.J.G.: 34 (19.3); 78 (5.4); 378 (5.3).

Smith, L.B.: 1914 (27.2).

Souza, F. O.: 131 (5.2); 205 (5.3); 206

(5.3); 210 (17.4) 211 (12.1); 212 (8.1); 213

(6.1); 214 (13.1); 215 (29.2); 216 (5.3); 217

(5.3); 218 (23.1); 219 (22.1); 220 (17.8);

221 (20.1); 222 (17.7); 223 (14.1); 224

(2.1); 225 (10.1); 226 (28.1); 227 (17.2);

228 (21.1); 229 (9.1); 230 (11.1); 231 (4.1);

232 (29.1); 233 (27.2); 234 (17.2); 235

(10.1); 236 (25.1); 241 (25.1); 243 (17.2);

245 (29.4); 246 (20.1); 247 (16.1); 248

(5.3); 249 (6.1); 250 (2.1); 253 (13.1); 254

(22.1); 255 (7.1); 256 (17.1); 257 (17.12);

258 (17.12); 259 (15.1); 260 (17.3); 261

(19.1); 262 (17.6); 263 (17.1); 264 (5.4);

265 (10.1); 266 (28.1); 267 (10.1); 268

(29.3); 269 (17.1); 270 (5.3); 271 (5.3); 274

(23.2).

Sugiyama, M.: 648 (29.1); 662 (9.1); 761

(29.1).

Sztutman, M.: 164 (9.1); 178 (6.1); 185

(29.4); 197 (15.1); 209 (13.1); 210 (15.1);

211 (10.1); 214 (12.1).

Takeda, M.M.: 10 (29.2).

Usteri, A.: SP16560 (5.2).

Udulutsch,R.G. 2414 (17.1).

Webster, G.L.: 25545 (1.1); 25549 (16.1);

25559 (29.3).

Wongtschowski, M.: 29 (17.11).

Xavier: 26 (17.5).

132

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Asteraceae está representada na Ilha do Cardoso pelas subfamílias Asteroideae e

Cichorioideae, totalizando 51 espécies. Asteroideae apresentou a maior diversidade com sete

tribos, 23 gêneros e 40 espécies. Das 10 tribos estudadas, Heliantheae e Senecioneae estão

presentes exclusivamente com espécies de ampla distribuição (ruderais).

De forma geral, as Asteraceae apresentam morfologia e hábito variáveis, prevalecendo

o herbáceo ou subarbustivo, lianas e trepadeiras são característicos das espécies de Mikania.

Mais raro, os hábitos arbustivo e arbóreo foram referidos para espécies de Baccharis,

Pentacalia, Piptocarpha, Stifftia, Symphyopappus e Vernonia.

Folhas inteiras e com filotaxia alterna ocorrem na maioria dos representantes de

Asteraceae, sendo que na Ilha do Cardoso as folhas pinatissectas são características de Bidens

pilosa, Erechtitesvalerianifolia, Mikaniaternata, Seneciobrasiliensis e Tagetesminuta, e as lobadas de

Mikania sp. e Sphagneticola trilobata. Folhas opostas caracterizam Eupatorieae, estando

presentes em todos os representantes estudados para essa tribo, além de Acanthospermum,

Bidens, Eclipta, Sphagneticola (Heliantheae) e Tagetes (Helenieae). Quanto ao formato das folhas,

pouca variação foi observada, sendo mais freqüente o ovado ou elíptico, as formas liradas a

rômbicas em Emilia fosbergii, e a violada a panduriforme em Crepis japonica.

O indumento geralmente é constituído de tricomas tectores simples, com exceção das

espécies de Piptocarpha, que apresentam tricomas escamiformes ou estrelados. Também é

comum a presença de tricomas glandulares ou glândulas imersas em cavidades, surgindo

como pontos pretos nas folhas, especialmente em Baccharis e Symphyopappuslymansmithii.

As espécies estudadas apresentaram capitulescências, na grande maioria,

corimbiformes ou paniculiformes. Capitulescências espiciformes foram encontradas em

Gamochaetaamericana, Mikanialundiana e Pterocaulonalopecuroides; enquanto em Achyrocline

satureoides, Baccharis trimera,Mikania laevigata, Pterocaulon angustifolium, Piptocarpha leprosa e

Piptocarpha oblonga foram registradas capitulescências glomeruliformes. Capítulos solitários ou

aos pares foram pouco freqüentes, ocorrendo apenas em Centratherum punctatum, Eclipta

prostrata e Sphagneticolatrilobata, já capítulos agrupados em capítulos secundários são

exclusivos de Elephantopus mollis.

Capítulos homógamos discóides foram registrados para a maioria dos gêneros,

enquanto que homógamos ligulados apenas para Crepisjaponica. Capítulos heterógamos

133

radiados foram encontrados em Acanthospermum, Eclipta, Pentacalia, Senecio, Tagetes e

Sphagneticola. Apesar desse tipo de capítulo ser característico de Bidens, na população de Bidens

pilosa da Ilha do Cardoso, não foram observadas flores do raio. Foram registrados capítulos

heterógamos disciformes nos gêneros Conyza, Achyrocline, Gamochaeta, Erechtites, Pluchea e

Pterocaulon.

Invólucros campanulados ou cilíndricos foram referidos para a maioria das espécies,

sendo menos freqüente o cupuliforme, presente em Centratherum punctatum e Pluchea sagittalis.

e o turbinado característico de Baccharissingularise Emilia fosbergii. A maioria dos espécimes

analisados apresentou brácteas involucrais livres, em Acanthospermumaustrale são acrescentes

no fruto, enquanto Emilia, Erechtites, Porophyllum e Tagetes são conatas ao menos na floração.

As brácteas subinvolucrais, muito úteis para auxiliar no reconhecimento de espécies de

Mikania, podem estar dispostas junto ao capítulo ou ao longo do pedúnculo, ser isoladas

como em Mikania e Bacharis, ou agrupadas em calículo, característico de Erechtites valerianifolia,

Pentacalia desiderabilis e Senecio brasiliensis.

A coloração da corola pode ser alva, creme, amarela, lilás, lavanda a purpúrea, no

entanto esse caráter mostrou-se pouco útil para auxiliar no reconhecimento das espécies. Em

todas as espécies de Mikania, Baccharis e Piptocarpha as corolas são alvas ou creme, em

Vernonia variam de alvas a lilases, e na maioria dos gêneros segregados de Eupatoriums.l. são

lilases ou lavandas. Corolas amarelas foram observadas apenas em Achyrocline, Crepis, Senecio,

Pentacalia e Sphagneticola.

O espessamento na base do estilete, característica utilizada para auxiliar na

delimitação dos gêneros segregados de Eupatorium s.l., écompartilhada pelos vários táxons

estudados, especialmente nos representantes de Eupatorieae e Vernonieae. Neste trabalho,

esse caráter mostrou-se pouco útil para delimitar gêneros ou espécies.

Com relação aos frutos, 86% das espécies estudadas apresentam cipselas com pápus

cerdosos. Cipselas aristadas foram observadas em apenas quatro espécies, Ageratumconyzoides,

Bidenspilosa, Elephantopusmollis,Tagetesminuta, e apenas três espécies possuem aquênios,

Acanthospermumaustrale, Ecliptaprostrata e Sphagneticolatrilobata.

As espécies ruderais possuem ampla distribuição, sendo muitas cosmopolitas. Das

espécies nativas, a maioria apresentou ampla distribuição no Brasil, sendo encontrada

principalmente nas regiões Sudeste e Sul, com alguns representantes de Baccharis e Mikania

restritos à vegetação de restinga, ao longo de toda a costa sudeste e sul brasileira.

134

Por outro lado, a distribuição das espécies na Ilha do Cardoso, com exceção das

ruderais, é menos ampla, possivelmente porque a maioria dos materiais foi coletado em áreas

próximas ao Núcleo Perequê, especialmente na Estrada da Captação. Essas áreas são de fácil

acesso, daí a maior quantidade de coletas, além de serem áreas abertas que favorecem a

dispersão e estabelecimento das Asteraceae.

Também foram encontradas espécies com distribuição bem restrita na Ilha, como

Baccharis brachylaenoides, Baccharis schultzii e Mikania smaragdina, coletadas até o momento

apenas no Morro do Cardoso; além de Stifftia parviflora referida apenas para uma área

próxima ao Rio Canjoca, em vegetação de floresta de encosta. Outras duas espécies, Mikania

hastato-cordata e Mikaniahoehnei, apesar da distribuição ao longo de toda a costa Sudeste e Sul

do Brasil, possuem populações relativamente pequenas ao longo de sua área de ocorrência.

M. hoehnei pouco depositada nas coleções dos herbários visitados, foi coletada na Ilha do

Cardoso uma única vez.

Neste levantamento foram amostradas 51 espécies de Asteraceae, distribuídas em 29

gêneros, dos quais 79% estão representados por apenas uma espécie, enquanto que os

gêneros Mikania (13 spp.), Baccharis (4 spp.), Piptocarpha (3 spp.) e Vernonia (4 spp.)

apresentaram maior diversidade. Do total das espécies estudadas, cerca de 30% são ruderais

de ampla distribuição.

Além de contribuir para o conhecimento da diversidade de Asteraceae na área, esse

levantamento propiciou o aumento da coleção da Flora Fanerogâmica da Ilha do Cardoso,

uma vez que foram acrescidas à coleção 61 exsicatas, representando 37 espécies (73% do

total de Asteraceae ocorrentes na Ilha). Em relação às 43 espécies apresentadas por Leitão

Filho (1991), houve um acréscimo de nove espécies e aos 22 gêneros, sete foram acrescidos.

O aumento do número de gêneros deve-se, especialmente, à aceitação dos segregados de

Eupatorium sensu lato.

Este trabalho é uma importante contribuição para o conhecimento da flora local,

resultando em dados que auxiliarão diferentes estudos na área e também uma contribuição

para levantamento das Asteraceae do Projeto Flora Fanerogâmica de São Paulo, bem como

para estudos taxonômicos da família como um todo.

135

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Anderberg, A.A. 1989. Phylogeny and reclassification of the tribe Inuleae (Asteraceae).

Canadian Journal of Botany, Ottawa 67: 2277-2296.

Anderberg, A.A. 1991. Taxonomy and phylogeny of the tribe Inuleae (Asteraceae). Plant

Systematic and Evolution 176: 75-123.

APG I. The Angiosperm Phylogeny Group. 1998. An ordinal classification for the orders

and families of flowering plants. Annals of the Missouri Botanical Garden 85(4): 531-

553

APG II. The Angiosperm Phylogeny Group. 2003. An update of the Angiosperm Phylogeny

Group classification for the orders and families of flowering plants. Botanical Journal of

the Linnean Society 141: 399-436.

Aristeguieta, L. 1964. Asterae. Compositae. In Flora da Venezuela (Lasser, T., ed.), Caracas:

Instituto Botanico, 10(1): 244-370.

Babcock, E.B. 1947a. The genus Crepis. Part 1. The taxonomy, phylogeny, distribution end

evolution of Crepis. University of California Publications in Botany 21: 1-197.

Babcock, E.B. 1947b. The genus Crepis. Part 2. Systematic treatment. University of California

Publications in Botany 22: 199-1030.

Baker, J.G. 1873. Compositae I: Vernoniaceae. InFlora Brasiliensis (Martius, C.F.P. &

Eichler, A.G. eds.) 6(2): 1-183.

Baker, J.G. 1876. Compositae II: Eupatoriaceae. In Flora Brasiliensis (Martius, C.F.P. &

Eichler, A.G. eds.) 6(2): 185-375.

Baker, J.G. 1882. Compositae III: Asteroideae et Inuloideae. In Flora Brasiliensis (Martius,

C.F.P. & Eichler, A.G. Eds.) 6(3): 1-134.

Baker, J.G. 1884. Compositae IV: Helianthoideae-Mutisiaceae. In Flora Brasiliensis (Martius,

C.F.P. & Eichler, A.G. eds.) 6(3): 136-398.

Ballard, R. 1986. Bidens pilosa complex (Asteraceae) in North and Central America. American

Journal of Botany 73(10): 1452-1465.

Barkley, T.M. 1975. Family 184. Compositae. VIII. Senecioneae. In Flora of Panama

(Woodson, R. E. & Schery, R.W., coords). Annals of the Missouri Botanical Garden

62(4): 1224-1272.

136

Barkley, T.M.; Brouillet, L. & Strother, J.L. 2006. Flora of North America: Asteraceae.

http://www.efloras.org/florataxon.aspx (acesso em 18.2.2007).

Barros, F.; Melo, M.M.R.F.; Chiea, S.A.C.; Kirizawa, M.; Wanderley, M.G.L. & Jung-

Mendaçolli, S.L. 1991. Caracterização geral da vegetação e listagem das espécies

ocorrentes. In Flora Fanerogâmica da Ilha do Cardoso (Melo, M.M.R.F.; Barros, F.;

Wanderley, M.G.L.; Kirizawa, M.; Jung-Mendaçolli, S.L. & Chiea, S.A.C., eds.). São

Paulo: Instituto de Botânica, v.1, 184p.

Barroso, G.M. 1950. Considerações sobre o gênero Eupatorium L. Archivos do Jardim

Botânico do Rio de Janeiro 10: 13-116.

Barroso, G.M. 1951. Estudo das espécies brasileiras de Trichogonia Gardn. Archivos do

Jardim Botânico do Rio de Janeiro 11: 7-18.

Barroso, G.M. 1957. Flora do Itatiaia I: Compositae. Rodriguésia 32(20): 175-241.

Barroso, G.M. 1958. Mikania do Brasil. Archivos do Jardim Botânico do Rio de Janeiro 16:

239-333.

Barroso, G.M. 1959. Flora da cidade do Rio de Janeiro (Compositae). Rodriguésia 21/22: 69-

167.

Barroso, G.M. 1976. Compositae-Subtribo Baccharidinae Hoffmann. Estudo das espécies

ocorrentes no Brasil. Rodriguésia 28 (40): 3-273.

Barroso, G.M. 1991. Sistemática de angiospermas do Brasil, Viçosa: UFV Imprensa

Universitária. 326p.

Barroso, G.M. & Bueno, O.L. 2002. Compostas 5. Subtribo: Baccharidinae. In Flora

Ilustrada Catarinense (Reis, A. ed.). Itajaí: Herbário ‘Barbosa Rodrigues’, parte I, fasc.

Comp., 465-1065.

Belcher, R.O. 1956. A revision of the genus Erechtites (Compositae), with inquiries into

Senecio and Arrhenechthites. Annals of the Missouri Botanical Garden 43(1): 1-85.

Bentham, G. 1873. Compositae. In Genera Plantarum (Bentham, G. & Hooker, J.D., eds.).

London: Lovell Reeve & Co., vol. 2, parte I, p.163-533.

Bremer, K. & Jansen, R.K. 1992. A new subfamily of the Asteraceae. Annals of the Missouri

Botanical Garden 79: 414-415.

Bremer, K. 1994. Cladistics and classification. Portland, Oregon: Timber Press. 727p.

Bridson, G.D.R. & Smith, E.R. 1991. Botanico-Periodicum-Huntianum/Supplementum.

Pittsburgh: Hunt Institute for Botanical Documentation, Carnegie Mellon University.

1068p.

137

Brummitt, R.K. & Powell, C.E. 1992. Authors of plant names. London: Royal Botanic

Gardens, Kew. 732p.

Cabrera, A.L. 1950. Notes on the Brazilian Senecioneae. Brittonia 7(2): 53-74.

Cabrera, A.L. 1953. 130. Compositae. In Manual de La Flora de los alrededores de Buenos

Aires (Parod, L.R., ed.). Buenos Aires: ACME S.A. p. 450-545.

Cabrera, A.L. 1957. El género Senecio (Compositae) en Brasil, Paraguay y Uruguay. Archivos

do Jardim Botânico do Rio de Janeiro 15: 163-269.

Cabrera, A.L. 1961. Observaciones sobre las Inuleae-Gnaphalineae (Compositae) de

América del Sur. Boletín de la Sociedade Argentina de Botánica 8(1): 359-386.

Cabrera, A. L. 1971. Compositae. In Flora Patagónica (Correa, M.N., ed.). Buenos Aires:

Instituto Nacional de Tecnología Agropecuaria. 451p.

Cabrera, A.L. 1978. Compositae. Flora de la Provincia de Jujuy. Coleccion Cientifica del

Instituto Nacional de Tecnologia Agropecuaria, Argentina 13(10): 1-726.

Cabrera, A.L. & Klein, R.M. 1973. Compostas 1. Tribo: Mutisioneae. In Flora Ilustrada

Catarinense (Reitz, R., ed.). Itajaí: Herbário ‘Barbosa Rodrigues’, parte I, fasc. Comp., 1-

124.

Cabrera, A.L. & Klein, R.M. 1975. Compostas 2. Tribo: Senecioneae. In Flora Ilustrada

Catarinense (Reitz, R., ed.). Itajaí: Herbário ‘Barbosa Rodrigues’, parte I, fasc. Comp.,

125-222.

Cabrera, A.L. & Klein, R.M. 1980. Compostas 3. Tribo Vernonieae. In Flora Ilustrada

Catarinense (Reitz, R., ed.). Itajaí: Herbário ‘Barbosa Rodrigues’, parte I, fasc. Comp.,

225-408.

Cabrera, A.L. & Klein, R.M. 1989. Compostasn 4. Tribo Eupatorieae. In Flora Ilustrada

Catarinense (Reitz, R., ed.). Itajaí: Herbário ‘Barbosa Rodrigues’, parte I, fasc. Comp.,

413-760.

Cabrera, A.L. & Ragonese, A.M. 1978. Revisión del género Pterocaulon (Compositae).

Darwiniana 21(2-4): 185-257.

Cabrera, A.L. & Vittet, N. 1963. Compositae Catharinenses. II – Eupatorieae. Sellowia 15:

149-258.

Clonts, J.A. & MacDaniel, S. 1978. Elephantopus. North American Flora 10: 196-202.

Carrijo, T.T.; Mendonça, C.B.F.; Esteves, R.L. & Gonçalves-Esteves, V. 2005.

Palinotaxonomia de espécies de Stilpnopappus Mart. ex DC. e Strophopappus DC.

(Compositae). Hoehnea 32(2): 259-268.

138

Cristóbal, C.L. & Dematteis, M. 2003. 280. Asteraceae. Tribu I. Vernonieae. In Flora

Fanerogámica Argentina (Espinar, L.A., coord.). Córdoba: Pro Flora, parte 18, fasc. 83,

53p.

Cronquist, A. 1943. The Separation of Erigeron from Conyza. Bulletin of the Torrey Botanical

Club 70(6): 629-632.

Cronquist, A. 1981. An integrated system of classification of flowering plants. New York:

Columbia Univesity Press. 1262p.

Cronquist, A. 1988. The evolution and classification of flowering plants. New York: The

New York Botanical Garden. 2a ed., 555p.

Cuatrecasas, J. 1967. Revision de las especies colombianas del género Baccharis. Revista de la

Academia Colombiana de Ciencias Exatas Físicas y Naturales 49: 5-102.

Cuatrecasas, J. 1969. Prima Flora Colombiana. 3. Compositae – Astereae. Webbia 24(1): 1-

335.

Cuatrecasas, J. 1981. Studies in neotropical Senecioneae II. Transfers to genus Pentacalia of

North Andean species. Phytologia 49 (3): 241-260.

D´Arcy, W.G. 1975. Family 184. Compositae. III. Astereae e Coreopsidinae. In Flora of

Panama (Woodson, R. E. & Schery, R.W., coords). Annals of the Missouri Botanical

Garden 62(4): 1004-1032; 1177-1220.

Dalpiaz, S. & Ritter, M.R. 1998. O gênero Pluchea Cass. (Asteraceae) no Rio Grande do Sul,

Brasil: aspectos taxonômicos. Iheringia, Botânica 50: 3-20.

De Candolle, A.P. 1836. Systens Calycereas et Compositarum tribus priores. In Prodromus

Systematis Naturalis Regni Vegetabilis (A.P. De Candolle, ed.). Paris: Treuttel et Wiirtz,

Strasbourg. v.5, 706p.

De Candolle, A.P. 1838. Systens Compositarum continuationes. In Prodromus Systematis

Naturalis Regni Vegetabilis (A.P. De Candolle, ed.). Paris: Treuttel et Wiirtz, Strasbourg.

v.6, 687p.

De Candolle, A.P. 1838. Systens Compositarum tribus ultimas et ordinis Mantissam. In

Prodromus Systematis Naturalis Regni Vegetabilis (A.P. De Candolle, ed.). Paris:

Treuttel et Wiirtz, Strasbourg. v.7, 330p.

De Grande, D.A. & Lopes, E.A. 1981. Plantas da região da restinga da Ilha do Cardoso (São

Paulo, Brasil). Hoehnea 9: 1-22.

DeVore, M.L. & Stuessy, T.F. 1995. The place and time of origem of the Asteraceae, with

additional comments on the Calyceraceae and Goodeniaceae. In Advences in

139

Compositae Systematics (Hind, D.D.N.; Jeffrey, C. & Pope, G.V., eds.). Kew: The Royal

Botanical Gardens. p. 23-40.

Dillon, M.O. & Alva, A.S. 1991a. Sinopsis de los géneros de Gnaphaliinae (Asteraceae-

Inuleae) de Sudamerica. Arnaldoa 1(2): 5-91.

Dillon, M.O. & Alva, A.S. 1991b. Family Asteraceae: Part 5. In Flora of Peru (Macbride, J,F.,

coord.). Feldiana Botany, New Series 26: 1-70.

Elias, S.T. 1975. Family 184. Compositae. IX. Vernonieae-Vernoniinae. In Flora of Panama

(Woodson, R. E. & Schery, R.W., coords). Annals of the Missouri Botanical Garden

62(4): 857-888.

Erdtman, G., 1952. Polle